• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O DIA QUE O RAP DOMINOU A MARÉ
 

O DIA QUE O RAP DOMINOU A MARÉ

on

  • 244 views

A realidade é a mesma e o objetivo, um só: desenvolver a consciência da negritude nas comunidades carentes do Rio e discutir a violência da qual essas comunidades são vítimas. ...

A realidade é a mesma e o objetivo, um só: desenvolver a consciência da negritude nas comunidades carentes do Rio e discutir a violência da qual essas comunidades são vítimas.
Por isso, um grupo de rappers cariocas resolveu organizar um festival para mostrar seu trabalho em plena favela da Vila do João (uma das que formam o Complexo da Maré, em Bonsucesso, zona norte da cidade).
Os rappers são músicos ligados ao rap -palavra derivada das iniciais de "rhythm and poetry" (ritmo e poesia), corrente musical de origem norte-americana que usa batidas eletrônicas pré-gravadas e letras com forte conteúdo de contestação política e social.
O 1º Voz Ativa -o nome do festival- acontece amanhã a partir das 13h no meio da rua 14, a principal da favela da Vila do João.
Paz
"É um evento de paz. A comunidade passa por dificuldades e precisamos acabar com esse estigma da violência", diz Fernando Xhackal, 22, do grupo Realidade Social e um dos organizadores do festival.
A idéia de montar o festival surgiu a partir da dificuldade dos rappers em mostrar seu trabalho. Eles são rejeitados por empresários e organizadores de bailes nos clubes cariocas.
"Quando dizemos que somos 'da consciência', eles dizem que não têm vagas para shows. Às vezes escondemos que somos rappers", diz Luck, morador da favela da Rocinha (em São Conrado, zona sul do Rio) e letrista do Ponto 50.
Segundo os rappers, os funkeiros são preferidos pelos organizadores dos bailes. "As músicas deles não dão consciência para a rapaziada", afirma Julio César, 19, do Justiça Negra.
A intenção é fazer um evento pacífico, mas as letras dos raps que serão apresentados pelos grupos mostra que ali não haverá espaço para o "melody" -música para dançar, com letras mais "inocentes".
"Somos negros, somos maiorais. Isso mesmo, seu racismo não nos calará jamais", canta Sandra Regina, 23, vocalista do Negro no Poder, grupo formado por músicos da Rocinha.
Sandra diz que ouvia e gostava de funk até conhecer o rap. "Meus amigos me mostraram que o funk é alienado. Já apanhei muito da polícia e preciso conscientizar as pessoas para evitar que essas coisas se repitam", diz Sandra, que além de rapper diz trabalhar como "secretária particular numa casa".

Statistics

Views

Total Views
244
Views on SlideShare
243
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

1 Embed 1

http://blogdrato.blogspot.com.br 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O DIA QUE O RAP DOMINOU A MARÉ O DIA QUE O RAP DOMINOU A MARÉ Document Transcript

    • 03 om UMA PUBLICAÇÃO DO GRUPO CULTukfttíAFRO REGGAE ANO III N» 15 MAIO / 1995 o festival de RAP qxxe balançoxx a IíBíM, IV 3 **%. *I LPHA descubra a capital do reggae BLONDY Io rçinício da ■ carreira depois ^ das drogas OD0CANTAGAL0 E um núcleo de O cultura na zona sul do Rio E MAIS OYOUSSOU NDOUR 4PLANETHEMP 4 ABEL DUÊRÊ
    • AFROREGGAE - Nfi 15 - MAIO 1995 RIAL Desafios ! bairros mais nobres do Rio. Este as pessoas que residem em préNa última edição do ARN, trabalho que estamos iniciando dios próximos aparentemente pedimos para que os leitores opi- no "GALO" (como o morro é cha- parece uma missão não muito nassem sobre a capa desta edi- mado pelos moradores) esta sen- grata, mas, quando resolvemos ção. Sugerimos Gabriel O Pensa- do respaldado pelo sucesso do iniciar este trabalho dentro de codor, Joe Higs, Youssou N' Dour, Núcleo de Vigãrio Geral e apoia- munidades, sabíamos que estaAlpha Blondy e pedimos suges- do por instituições como a FASE, ríamos expostos a tiroteios, falta tões de vocês, leitores, Foto José Renato de recursos e críticas. para esta empreitada. Por isso estamos cienNa verdade, quem letes de nossas proposvou foi uma zebra cortas e em breve serã norrendo por fora. Pois é, mal vocês verem fotos/ a galera pediu e o ARN notícias desta atendeu. Ninguém interação social. mais do que o Voz AtiPara terminar esta va mereceu tanto essa sessão de desafios, capa - sem querer desqueremos citar a expeprezar os outros conriência vivida no dia 4 correntes -,- pois de maio, lá em Vigário, Fernando Xhackal, DJ quando estávamos saLéo e Manoel Ribeiro indo para uma aprefizeram do Festival de sentação no Morro do Luis Henrique (7) eBirínha (5), estrelas da Ofkina <kPercussão Rap um evento polítiCantagalo e fomos surco de expressão dos jovens que IBISS, IBASE e Civitaa, que ao preendidos por uma incursão da vivem marginalizados em várias longo deste processo de implan- polícia que, como sempre, chega comunidades. Fazer um show no tação vêm discutindo conosco di- atirando. O clima foi o pior posComplexo da Maré foi um desa- ferentes formas para melhor sível. O que aconteceu naquela fio que esta trup matou no peito, atingirmos o nosso público-alvo, data não é mais novidade para meteu um golaço e foi pro abra- e obter qualidade durante a exe- quem acompanha os noticiários ço. cução das oficinas, além de su- da TV, novidade mesmo foi ver a E é também de desafios que gerir temas e formas de aborda- determinação das crianças que o GCAR vem se mantendo até gem de discussões que iremos fazem parte das oficinas de danhoje. Não é à toa que a partir des- levar para esta comunidade. O ça e percussão, que se comporta edição começaremos a falar funcionamento deste Núcleo será taram como profissionais, pois mais do nosso 29 NÚCLEO CO- dentro do Complexo Escolar Mu- mesmo abaladas com o tiroteio, MUNITÁRIO DE CULTURA, no nicipal João Goulart, no Canta- fizeram uma boa apresentação no Morro do Cantagalo, mostrando galo, mas buscaremos atingir os Cantagalo para um especial de 30 alguns aspectos da realidade só- moradores do Pavão-Pavãozinho anos da Rede Globo. cio-cultural desta comunidade e, no futuro, os moradores do Essa garotada, com certeza, fincada em Ipanema, um dos asfalto. A interação da favela com vai muito longe! úítímas edições do ARN. Estou orgulhosa e feliz de saber do sucesso do trabalho de vocês e também pela bolsa da ASHOKA que o Júnior conseguiu. Parabéns ! Estou enviando algumas toíiüt fotos, uma fita de video e uma K-7. Até mais ! Tânia Clprlano (cineasta brasileira radicada nos EUA) - Nova York/EUA Centro Òe Teatro òo Ojmmiòo Oficinas Livres - Inscrições abertos Av. Rio Branco, 179- 6o andar - Centro Tel. (021)220-7940 Gostaria que me enviasse, na medida do possível, alguns exemplares de todos os n9s do AFRO REGGAE que dispuserem. Tenho muito interesse pelo jornal, que posso utilizar no desenvolvimento de trabalhos culturais com alunos, professores e comunidades nas quais atuo, além de desenvolver trabalhos sobre a consciência negra para novembro. Júlio César - Nova Iguaçu/RJ Vamos te enviar as 4 H Estou montando um camplng Rasta e também estou a mil por hora, mas em breve vai pintar uma verdadeira casa de reggae fora da Babilônia. Gostaria que me enviassem o ARN, pois quero divulgar o jornal aqui na serra. Em junho espero estar com tudo pronto, inclusive com uma boutique, um lugar para dançar, fazer retiro espiritual e ouvir reggae. Ras Mak andai Casemlro de Abreu/RJ CENTRO DE ESTUDOS E ASSESSORAMENTO DE EMPREENDEDORES É UM ÓRGÃO DO IPDH R. Álvaro Alvim, 48 -s/812/813 Centro - RJ - CEP 20031-010 (021)262-7730 N.O.T.I.C.I-A.S ANO III - N0 15 - MAIO 1995 UMA PUBLICAÇÃO DO Grupo Cultural ACro Reggae EXPEDIENTE Coordenador Executivo: José Júnior Tesoureiro: Plácido Paseoal Diretor Cultural: Luís Lopes (Teko Rastafari) Secretário de Comunicação: José Renato Diretor de Articulação: Rafael dos Santos Diretor Comunitário: Arcélio Faria Diretor Social: Waly Salomão Diretor de Planejamento: José Marmo Conselho Consultivo: Caio Ferraz, Eduardo de Oliveira, Lorenzo Zanetti, Luis Cláudio de Oliveira e Victor Valia. Editora: Mônica Cavalcanti (Mtb. 17889). Conselho Editorial: Frei David, Ivanir dos Santos, Jorge Barros, João Batista e Lúcia Xavier. Sucursais Salvador: Ari Lima Belo Horizonte: Léo Vidigal - (031) 222.9888 Jurídico: Jorge Omir Distribuição: Moisés Portela e Altair Martins. Núcleo Comunitário de Cultura (Vigário Geral): Angelise Rushigà, Carlos Eduardo (Tafaraogi), Jorge Bonitinho, Kênya Dias, Mareia Florêncio, Mônica Lopes e Sérgio Henrique. Colaboradores Albino Apolmário(BA), Ana Paula Macedo, Carlos Albuquerque, Cláudio Silva, Dirléia Mathias (PR); Deley de Acari, Fábio Conceição, Flávio Gomes Filho, Geraldo Carvalho, Itallo D Antônio, Jânio de Carvalho (BA), Liko Turle, Marcelo (Teclmomusic), Magalli Pazello, Mareia Senna, Mariano Ramalho, Meagan, Peter Fry, Simone Barros, Vanderlei Berzó e Zé Maria, Zé Virgílio (BA). Agradecimentos ASHOKA (Cinthia Paes e Maria Néo), ATCON (Edwiges e Xhackal), Caixa Econômica Federal (Manoel Ribeiro), Casa da Paz, CEAP (Programa Racial - Jorge Damião), CEM João Goulart (Tânia Novo), Cindy Albertal Lessa, FASE (Saap - Cléa Silveira), IBISS (Nanko G. Van Buuren), Instituto Civitas, ISER (ARCA - Milton Quintino), Kabeça, UERJ (Sub-reitoria Para Assuntos Comunitários), Vereador Edson Santos. Projeto Gráfico: Ré Fotos da Capa: José Renato PuUiddade-DRPM Consultoria & Serviços Editoração Eletrônica: Wal Pinto Impressão: Graficado Jornal dos Sports Tiragem: 12 mil exemplares Sede: Rua General Roca, 818/301, Tijuca RJ; cep 20 521-070 Tds: (021) 228 5487 - Fax: (021) 205 4796 O JORNAL AFRO REGGAE NOTÍCIAS é uma publicação do GRUPO CULTURAL AFRO REGGAE (GCAR) e não se responsabiliza pelas alterações de última hora nos horários e endereços fornecidos pelos organizadores de eventos e empresas citadas. As matérias assinadas são de total responsabilidade de seus autores. Para quem estiver interessado em contribuir financeiramente com o GCAR, conta n" 62727-5, Banco do Brasil, agência 0288-7, Tijuca/ RJ.
    • AFROREGGAE - N0 15 - MAIO 1995 onda da música que fotos José Renato no Imperator Jâ está mais do que provado que os ritmos provenientes da Jamaica, África e Caribe, misturados ao suingue brasileiro, vieram para ficar no pais Mônica Cavalcanti Mais um verão se foi, as folhas das árvoresjá estão caindo, é outono e os shows de reggae nacionais e internacionais continuam pipocando por todo o país, numa boa. E olha que muita gente apostou que o ritmo seria, mais uma febre de temporada, como aconteceu com a lambada, e depois sumiria do mapa- Engano brutal e totalfalta de informação. Até porque, o reggae chegou de mansinho, conquistando adeptos ao longo do tempo e provou com todas as letras que tem peso, verdade e alegria ... Não é embuste. Cidade Negra e Skank estão estouradaços, agenda lotada, rodando o BrasiL Sucesso mais do que merecido. Um bom exemplo deste feito é a noite paulistana (que me desculpem os cariocas). São Paulo é reggae de terça a domingo, num circuito pra ninguém botar defeito, onde estão inchadas casas noturnas da melhor qualidade como o Soweto, Btdetfbn, Cally, Blen Blen Club, Lombar e a mais recente a entrar para a tchurma", Hollywood Concerta. Estes espaços também tocam muita musica africana e caribenha, com direito a salsa, soukus, zouk, zaiko, makossa e por aí vai. O público dança e os DJs detonam. Essa é a regra geral Só não vale o sonf bate-estaca. E ainda existe a grande vantagem dos músicos locais, vez por outra, terem a oportunidade de mpsírctr o seu trabalho. E se o Füo de Janeiro ainda não possui tantas opções para dançar e se divertir (algo que realmente não dá pra entender, muito menos pra explicar), pelo menos em matéria de shows não pode reclamar. Para se ter uma idéia dessa efervescência da música negra na cidade, vale a pena lembrar de alguns shows que rolaram pela cidade, passada a estação dos 40 graus, e que deram o que falar, como o do grupo Skank, Youssou NTtour, Carlinhos Brown, Alpha Blondy e Nadigueto. Casquete Chaveiros Bottons • Conf. em geral • Bonés • Conjuntos infantis (30/03J Valeu a pena espe-^ rar pelo show de lanç^m^rito de Calango, último álbum da banda de reggae mineira Skank, no Rio de Janeiro. Nesta oportunidade, Samuel Rosa, Leio Zaneti, Haroldo Ferretti e Henrique Portugal também receberam o Disco de Ouro pelas mais de 100 mil cópias vendidas que, por sinal, já bateram a casa das 300 mil. O público, que encheu o Imperator, dançou e cantou até não poder mais antigos hits (Indignação, • CD's • Fitas • Brindes. Macaco Prego, O Homem Que Sabia Demais) e várias músicas do mais recente CD, como É Proibido FUmar, Amolação e Pacato Cidadão. Com direito a uma ótima versão para Muié Rendeira. A noite teve uip clima de festa na casa do melhor amigo, com banda e platéia super a vontade, e um bis que durou quase meia hora. Os meninos de Beagá souberam dividir perfeitamente a sua alegria e satisfação pela conquista do segundo disco de ouro com a galera, que retribuiu com muita empolgação. • Kangas • Livros de autores negros •etc... ESPALHANDO PELO MUNDO A GRIFE AFRO-BRASILEIRA Praça José de Alencar, 9, 1Q andar • Pelourinho TELEFAX.: (071) 241-3875 • Bahia • Brasil
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 Youssou N'Dour no Heineken concerts (08/04) Convidado pelo anfitrião (Çarlinhos Brown) daúltima noite do Heineken Concerts no Rio de Janeiro, o cantor senegalés Youssou N'Dour fez uma participação impecável no palco do Metropolitan, acompanhado pela sua banda e o contrabaixista Habib Faye - também senegalés e seu arranjador ao longo de toda a sua carreira. Youssou - chamado por um brincalhão Brown de Wittson do Olodum - sacudiu um público comportado com o seu ginga- do afro-pop ao detonar músicas como Shake The Tree, Seven Seconds e Chimes o/Freedom. Depois do show, um pouco cansado, mas contente com o resultado da apresentação, o cantor fez questão de ressaltar que o mais importante no encontro musical que acabava de acontecer era a forte ligação entre a cultura da África e do Brasil. - O contato entre a Música Popular Brasileira e a africana ainda tem muito o que se estreitar. para que haja a consolidação. Essa experiência de tocar junto com Çarlinhos Brown, com certeza, foi um passo muito importante para esse processo de evolução. Acho que deu para sentir que Bahia e África estão em perfeita sintonia. Até porque o tambor'é a nossa primeira língua - disse. Pela segunda vez no Brasil (a primeira foi em 1988, no show da Anistia Internacional em São Paulo, quando cantou ao lado do seu padrinho Peter Gabriel), Youssou NDour contou que assim que chegou no país já estava convencido de que a percussão brasileira funcionaria muito bem nas suas canções. -Ao contrário da música pop ocidental, os sons da África e do Brasil ainda não foram explorados totalmente e temos muito o que fazer ainda. Infelizmente, o mercado fonográfico africano é controlado por uma pequena gravadora e isso atrapalha um pouco, mas não impede que a música feita na região atravesse as fronteiras. Aí, quando aparecemos, nos rotulam como world music, um título completamente sem sentido se levarmos em conta que o mundo ocidental sempre teve uma imagem.pejorativa e, quando muito, exótica do 39 mundo. O que eles ainda não se deram conta é que o mundo inteiro já se tomou uma coisa urbana. Eu simplesmente Canto a minha realidade, sempre aberto a influências que venham acrescentar algo mais no meu trabalho concluiu o senegalés. nnwtttntft A noite de Çarlinhos Brown no Heineken Concerts teve como convidados o cantor senegalés Youssou N'Dour, o contrabaixista Habib Faye, o ex-Titãs Arnaldo Antunes e o guitarrista americano-pernambucano Arto Lindsay. Poderia ter ficado, muito bem obrigado, com os dois primeiros e já seria um sucesso. O entrosamento de Brown, Youssou e Habib no palco foi perfeito. A noite também contou com duas ótimas participações especiais: Caeta- no Veloso e Marisa Monte, que subiram ao palco para cantar Chcuies Anjo 45 e Canto para o Senegal Brown aproveitou a oportunidade para apresentar músicas inéditas que farão parte do seu primeiro disco, como Amores Lemores - um misto de pagode/rock. Cumplicidade de Armário e Doce do Mar, que compôs com Arnaldo Antunes. Apesar de não se considerar um músico, mas um "amontoador de questões", ele cantou, to- Brovm, Youssou N'Dour, Caetano Veloso e Marisa Monte' no palco do Metropolitan BUMíãPOP FUNDIÇÃO PROGRESSO .- 27 de maio 21;00hs ' VÍDEOS • • DJs • SHOWS SORTEIOS; camisetas,cds,cassetes e vídeos ^ Medusas Dreads § Ras Bernardo á BBBT 3.0 reggae roots e aqui Lançamento mundial do novo LP CD'S K7'S VÍDEOS CAMISETAS " NATURAL MISTIC " de Riu Francisco Otaviano 67 Ij 13 - Arpoador Rio de Janeiro cep 22080-040 tel (021)5216144 fax (021)3261567 Brown faz a ponte entre Bahia e África MARLEY mandamos para todo Bmsü informações: 220-5022
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 cou violão e guitarra, arrepiou na percussão e ainda mudou de visual várias vezes, vestindo-se de pajé com fraque, adotando um modelito mais grunge com direito a calça comprida rasgada, até o final apoteótico, onde colocou todos os músicos de lençóis e guarda-chuvas coloridos, enquanto do teto choviam latinhas de cerveja. Mas de onde vem tanta criatividade? - Faço parte de uma cultura oral, de rua e há 20 anos sou assim... ativo. A diferença é que agora existe a mídia atrás de mim divulgando tudo o que invento, mas não é por isso que vou mudar (12/04) A escolha da minhas atitudes. Aliás, só casa de espetáculo não foi vou gravar um disco por- das melhores, o trânsito que existe a necessidade para se chegar à Barra da de se deixar um registro. Tíjuca estava péssimo, mesMinhas maiores influên- mo assim a galera regueira cias foram Os Hercu- compareceu ao show do lóides e os Titãs são meus cantor africano Alpha na Costa Beatles. - tenta explicar Blondy, nascido anos, que do Marfim há 41 Brown. Precisa mais al- não decepcionou a massa e guma coisa? fez uma das melhores apreDiante disso, já dá sentações de reggae dos úlpra se ter uma idéia de timos tempos, acompanhaque tudo pode acontecer do da competente banda em seu álbum de estréia Sofar System. Alpha conquistou o que sairá pela Virgin/ público logo de cara, quanEMI, á princípio em setembro deste ano. Essa do abriu o show com o clássuperprodução vai contar sico Jerusalém. Ele não deicom assinaturas de Arto xou de fora antigos sucessos (Adonai) e cantou váriLindsay, Wally Badaron as músicas do seu último CLevel 42) e Bob Power álbum, Dieu, como Abortíon (The Roots). ís a crime, WüdTime e Heol Com a bíblia na mão, Alpha Blondy abriu o show me. Mas o ponto alto ficou nenhuma droga para alcanpor conta da versão para çar estes objetivos. O reggae Wdr, de Bob Marley, canta- não é sinônimo de macoda em francês e rebatizada nha, como muitos fazem questão de divulgar. A sua como La Guerre. Totalmente voltado pa- verdadeira imagem precisa ra o seu lado espiritual des- aparecer, não há necessidade que saiu de uma clínica de de ficar envolta nesta onde ficou internado por nuvem de fumaça - disse. Este é mais um lado do um bom tempo para "tratamento de cabeça", o cantor africano que lutou muito mudou totalmente o seu para chegar ao sucesso. discurso e, para surpresa de Ainda no colégio, Alpha formuitos, faz questão de falar mou sua primeira banda, que é totalmente contra a The Atomic Vibrations, e já vinculação do reggae ã ma- fazia músicas que falavam em injustiças sociais. Por conha. - Não faço mais uso da conta disso foi expulso da erva. Tenho 12 filhos e de instituição. Na adolescência repente bate o peso da res- morou durante dois anos ponsabilidade. Não.dá pra em Nova York, período em ficar vivendo de divagações. que estudou na Columbia É preciso pensar no futuro University, trabalhava num com muita lucidez e paz de escritório para se sustentar espírito e não necessito de e o tempo que sobrava fica- Uma Agência (iltiaaCriacão ■municação & Publicidade CGC 00 417 096/0001-98 va rodando os bares do Harlem e cantando Bob Marley de forma muito peculiar. Não foi ã toa que em 1986 gravou o álbum Jerusalém com o grupo The Wailers. - Sou um cidadão do mundo e sempre procurei incorporar elementos de várias culturas no que faço. Daí essa minha vocação em fazer músicas utilizando palavras de diversas línguas, cantando em francês, inglês, árabe - explica Alpha Blondy. O responsável em abrir a grande noite foi a banda de reggae baiana Nadegueto, que acaba de lançar seu primeiro CD pela Warner Continental e já está com a faixa Anoíe aí tocando nas rádios. Fazendo do show uma grande festa através de músicas que mesclam o popreggae com vários outros estilos (funk, rap, dancehall, samba-reggae, ska), o Nadegueto - formado por Túlio Zani (vocal), Théo Filho (guitarra), Tony Alves (sax acústico e MIDI), Tustão Cunha (percussão), Serginho Resende (bateria), Papau (teclado) e Erick Firmino (baixo) - não se intimidou e botou o público para dançar, com direito a ótimas versões das músicas Corações e Meníes, do Titãs, e They Long To Be (Close to youj, dos Carpenters. «Uma noite de muito peso, com fumaça só de cigarro, fato que não apagou o brilho do evento. .BAR. Av. Treze de Maio 47, Gr. 2213 Cinelândia -RJ -Tel.: (021) 262-3770 H C I E NEGRA MUSICA [&(âD3g®Gfl®(»lsff]^ DRPM Comunicação & Publicidade (02 1) 262 3770
    • AFROREGGAE - N» 15 - MAIO 1995 6 Gilberto Hilário, Tânia Novo e Wandedei Berzó: lideres do Càntagalo que se uniram para apoiar o CCAR José Rçnato Textos e fotos Levando os valores lia cultura e da cidadania, o Grupo Cultural Afro Reggae inicia mais um Núcleo Comunitário de Cultura, agora no Morro do Càntagalo, em conjunto com o Centro Educacional Municipal Presidente João Goulart (conhe- cido como CIEP Ipanema), o Projeto Surfavela - oficina de aprendizado de surf e confecção de pranchas voltada para os adolescentes do morro - e a Associação de Moradores do Càntagalo e do PavãoPavàozinho. Por enquanto só está funcionando a oficina de dança afro, mas em breve haverá teatro, poesia e composição de música popular com Waly Salomão, sem falar na de informática que já está sendo viabilizada. Em setembro do ano passado, o Càntagalo teve contato com o GCAR através de um evento denominado "íincamento da bandeira". Nesta ocasião convidamos o Bloco Afro Tafaraogi, As Damas do Rap e o poeta e compositor local Adão Xelebara para se apresentarem na quadra da escola de samba Alegria da Zona Sul. O sucesso foi muito grande e desde então a comunidade só fazia cobrar dos nossos parceiros a data do início das oficinas. Acostumados a só ouvir o funk que toma conta da quadra nas noites de sexta a domingo, o fato do AFRO REGGAE ter subido o morro A Caixa investe em Vigário Geral ' '*■ T ^^LCA^IíJ»^ ^^^F ' '^^^w ''ia. ■ JU RKv wt I«JT^ filÊí 7 ,11! m-rf^' w/S* ELmm ^k»' J%'*í''tJí' %mM mí ' ^Êr^ íf■ Com o apoio de empresas como a CEF e MW Barroso a oficina de percussão vem mudando a vida das crianças da favela. 'f udo começou com a Casa da Paz. Gra" ♦ças à Caixa Econômica Federal, a comunidade de Vigário Geral teve o projeto de reforma da casa, em que aconteceu a chacina, feito por um arquiteto profissional. Seu nome é Manoel Ribeiro, que atualmente alem de ser o Coordenador do Escritório de Cidadania da CEF é também Diretor Cultural da Casa da Paz. Agora, são as oficinas de percussão e dança afro do Grupo Cultural Afro Reggae GCAR que estão recebendo um apoio mais efetivo. Sem um financiamento que permita cobrir as despesas com instrumentos musicais, material de consumo, remuneração dos instrutores e outros gastos diversos, o apoio que a CEF ofereceu na época da implantação do Núcleo Comunitário de Vigário Geral cedendo kombis para o tranporte dos instrumentos de percussão e, ibais recentemente, ao contratar a banda show Afro Reggae / Casa da Paz para tocar durante a apresentação de Magic Johnson no Festival Olímpico de ferão foi de fundamental importância para o sucesso deste projeto. Oito meses depois do início desta intervenção cultural na favela de Vigário Geral, com o trabalho começando a florescer, o GCAR pode dizer que a Caixa Econômica Federal é um banco que investe no social. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 [7 úcleo Comunitário de já está sendo visto por alguns moradores como a soluçáo para que haja mais alternativas de cultura. - O meu sonho era que aqui, no Cantagalo, a gente montasse uma banda semelhante a que já existe em Vigário Geral. Eu fiquei muito emocionada quando fui assistir a uma apresentação lá em Vigário. Achei incrível como as crianças aprenderam rapidinho. É a questão da raiz negra mesmo. E a comunidade tem que ter alternativas ã massificação. Aqui só toca furik, e até o pagode está perdendo espaço porque na quadra da escola de samba é funk do início ao fim - afirma Tânia Novo, diretora do CEM João Goulart, local onde vão funcionar as oficinas do GCAR. À frente da escola desde 1990, e completando o seu terceiro mandato consecutivo graças ao voto dos professores e pais de alunos, Tânia Novo considera muito produtiva a aproximação do Estado com as ONGs (organização não-govemamentais). - As ONGs no Brasil estão assumindo o papel que deveria ser do poder público. E eu acho que é por aí mesmo, porque é bom que o poder esteja com a sociedade civil. Nesta parceria, o GCAR pode trazer uma motivação para os professores, que estáo interessados em participar das oficinas como alunos, já que as atividades extracurriculares propostas pelo município têm sido recusadas por eles - afirma a diretora. Além do show promovido em setembro, pela primeira vez o canto de amor e conscientização de Bob Marley foi escutado no Morro. Para os mais velhos foi motivo de orgulho, enquanto os mais novos, mesmo sem entender as letras, pararam para escutar aquela música, como se ela já fosse muito íntima deles. - Acredito no AFRO REGGAE desde o primeiro número do jornal e me considero um afro-reggae-maníaco. A nossa aliança começou, em primeiro lugar, porque o reggae é a música oficial do surf seja na favela, seja entre os ricaços. Aqui no Cantagalo o furik é o que mais se curte. O reggae, por en- -í^ois»— quanto, só os gatos pingados, mas se você bota um funkeiro para escutar ele gosta. Na nossa comunidade os bailes são muito calmos porque A^T u i/r u 5t> existe um controle. Mas sempre que os garotos vão em bailes de outros morros correm o risco de "dançar", como já aconteceu com sete adolescentes só neste ano, por causa da guerra de gangs. O reggae pode trazer uma mensagem pacifista para as comunidades - avaliza Vanderlei Berzó, coordenador do projeto Surfavela. Um dos n» ores problemas do Morro do Cantagalo é a incompetência do poder público em dotar a comunidade da infraestrutura básica, assim como a violência. Com a instalação do Centro de Cidadania pelo governo estadual, a situação melhorou, mas nem isto conseguiu conter as atitudes arbitrárias do Exército durante a ocupação do local. - O projeto que o Exército disse que ia trazer para a comunidade, que é de ação social com médico e dentista, nós não vimos nada. Se o AFRO REGGAE vem para trazer cultura, vamos receber de braços abertos. De tudo o que o governo prometeu na época da Operação Rio I, nada foi concretizado a não ser a violência. Se nem a defensora pública do Centro de Cidadania eles escutaram, imagine a comunidade - analisa Gilberto Hilário, vice-presidente da Associação de Moradores. No dia 4 de maio o GCAR realizou uma apresentação das oficinas de dança e percussão do Núcleo de Vigário Geral no Morro do Cantagalo, encomendada pelo arquiteto e empreendedor social Manoel Ribeiro, para uma participação especial num programa de comemoração dos 30 anos da Rede Globo, que deverá ir ao ar em julho. - Fiquei muito satisfeito com o desempenho das crianças que participam das oficinas de Vigário e com o poder de penetração que o AFRO REGGAE já tem no Cantagalo. Estou muito interessado nesse trabalho e, inclusive, tive uma reunião com uma empresa privada de educação, onde foram levantadas algumas possibilidades de serem realizados novos projetos juntamente com a comunidade, aliados aos projetos que já estão em execução, como o Surfavela e as próprias oficinas implantadas pelo GCAR - conclui Manoel Ribeiro. ms. .W. Barroso silk screen Ltda Rio: R. Alvarenga Peixoto, 80 • Vigário Geral • RJ • CEP 21240-690 Tel.: (021) 372-4955 • Fax: (021) 371-7110 Telex: (021)35358 S. Paulo: Av. Brigadeiro Faria Lima, 830 Conj. 64 • Pinheiros • SP CEP 01452-000 Tel.: (011) 210-6122 Fax:(011)212-2759 DANDO VIDA A SUA IMAGEM
    • ■■ mm AFROREGGAE - N9 13 - FEV/MAR 1995 ^Sm** TA'S. 0 ^<&^ movi- mento hlp hop do Rio de Janeiro não está para brincadeira. No último dia 22 de abril a Favela do João, no Complexo da Maré, viveu uma tarde de glória. Rolou por lá o le Maré Voz Ativa, um festival de rap. Durante oito horas, mais de 20 grupos se apresentaram para um publico estimado em 5 mil pessoas, mandando o seu recado em diferentes estilos. Entre eles o Realidade Social, Contexto, CCR (Crime com Recompensa), The Black Brothers, Olho Negro, Ryo RadkaV Re^z., DJ TR, POTVIO 50, MV Bíll e os Internacionais MD MCs. O evento começou no meio da tarde, e as bandas se sucediam buscando os seus 15 minutos de fama ao destilar mensagens de rebeldia, exaltação à negritude, além de contar o dia a dia de quem está exposto á violência policial. O público da favela da Maré tinha o seu primeiro contato com o panorama do hip hop carioca, até acontecer a primeira polêmica. A banda Ryo Radical Repz foi proibida de cantar o seu maior hit, incluída até no repertório dos shows de Gabriel Pensador: Fodct-se a PolíCLCL Sob a alegação de que poderia haver problemas com uma música cheia de palavrões, a direção do evento pediu ao vocalista do grupo, Yuri, que segurasse a língua. Um contrasenso num evento que tinha o objetivo de ser pela liberdade de expressão. O RRR aceitou não cantar e a bomba, que eles não levaram, estourou logo depois, quando vários grupos cantaram o que bem entenderam. E o caso teve que ser abafado nos bastidores, já que Yuri e Johny, do RRR, ficaram revoltados. - Se o show fosse de 10 da noite ás duas da manhã ele poderia cantar o que fosse, mas as duas horas da tarde havia muitas crianças e famílias presentes e tinha ordem de cima da favela para não haver excessos. - O Yuri veio aqui cantar, mas depois ele foi embora para sua casa. como os que aconteceram no Voz Ativa são fundamentais para o crescimento do movimento hip hop e deveriam acontecer em todas as comunidades do Rio,. - Esta ê uma forma de conscientizar o pessoal, mostrando um trabalho diferente, um lance tranqüilo. E acho que a Prefeitura tem que estimular cada vez mais. - opina Togun, cantor do grupo CNC, de newjack suAng. - Mais do que isso, "ê um espaço para os artistas e uma oportunidade para divulgar o movimento no Rio - define Ricardo Brasil, cantor do Olho Negro. Para a maioria dos grupos o movimento hip hop está crescendo, mas ainda vai ter que venM*>a cer o ceticismo de alguns artistas mais antigos. Leandro, do Contexto, conta que ouve essa mesE u ma história desde que começou, no durmo na Maré então Consciência Urbana junto com e tive que censurar por- Big Richards, há cinco anos. que era a minha cabeça que estaMas um dos principais pontos de va a prêmio - defende-se Fernando discussão no circuito hip hop atualXhákal, produtor do Voz Ativa e inte- mente é o crescimento do movimento grante do Realidade Social. funk. Até porque, o que se ouve aqui Nada disto, no entanto, tirou o no Brasil não ê o verdadeiro funk, brilho do evento. Saindo do recolhi- mas sim o Miami - batida antiga dos mento forçado de cinco meses, o ConEstados Unidos. Sem falar que os texto fez um show barulhento. Este é funkeiros começaram a cantar a reum dos únicos grupos de rap que se alidade em que vivem, classificando apresenta com banda formada pelo as músicas como sendo rap, para trio bateria, baixo e guitarra. Márcio desgosto dos adeptos do hip hop. DiSá, guitarrista do gtupo, confessa ter ante desta polêmica, muitos pensasofrido a influência do rock e que às vam que poderia haver problemas vezes sua levada escorrega para o quando funkeiros e rappers se enconPadrão ê o grafiteiro obrigatório dos festivais de rap do Rio blues. Mas o grupo adverte: trassem pela primeira vez. Só que na - A letra é rap puro! Nós aponta- prática, o que se viu no Voz Ativao foi muito positivo - comemora Xhakal. - Eu ia para o baile cantar e nas mos a realidade: a luta contra a disXhákal ê otimista e acredita que letras a gente pedia a paz, enquanto uma atitude de respeito ao trabalho crimmação, contra o abatidotvo das dos grupos de arribos os lados. se houvesse mais shows dentro das na quadra a porrada comia. Fudido favelas e das crianças. - diz Leandro. - O importante foi ter consegui- favelas, muitos jovens se interessari- brigando com fudido. E depois que Os MD MCs mostraram um do mostrar o rapper não como um mo- am em compor rap. Ele mesmo já foi perdi 3 amigos assassinados na porshow diferente, embalados pelo leque, mas como um artista que es- funkeiro, cantava o Miami (ritmo con- ta de um baile, percebi que não tisuingue baiano. É o rap tribal, como fundido com o rap) nos bailes, nha nada a ver comigo. Agora faço letava lá paa própria dupla define. Eles são acommas insatisfeito, com a tras sem meios termos, falando o que ra apresenpanhados ainda por uma vocalista e pressão dos donos de quero, sem lá lá lá nenhum. tar e divuldois bailarinos que mostram não só equipe que queriam degar o seu Além dos funkeiros, o show tamos movimentos da dança de rua, mas terminar o que ele ti- bém reuniu, sem problemas, jovens trabalho. também um pouco da capoeira. nha que cantar, entre de favelas tidas como inimigas, que Com Morando em Nova Iorque há isto, tantos outros motivos, em dia normal não poderiam entrar quatro anos, os MCs Marivaldo e partiu para ali. Havia moradores da Nova HoconDavi estão no Brasil desde dezembro o hip landa, Mineira, Rocinha e Alemão e para divulgar o disco que saiu pela hop. muito garoto da zona sul. gravadora EMI. No Voz Ativa mostra- Os playboys estão vindo até a ram ao público Você me Deixou, atual gente. Estão vendo que nós temos música de trabalho, Rap à Ia Bahia, condições de montar um grande paluma gostosa mistura de rap com co e de cantar com microfone sem fio timbaus e outros instrumentos também. Eles estão vendo de perto percussivos, e Salvador Astral músique o negro não é aquilo que ensica incluída na coletânea Planei Rap naram - afirma Xhakal. lançada nos Estados Unidos e já á Assim como nas duas edições venda no Brasil do CDD (festival de rap da Cidade seguimos O entusiasmo com o show foi tans criar um elo de Deus), organizadas pela ATCON, to que os MD MCs estão pensando o grafiteiro Padrão esteve presente de respeito. num evento no mesmo estilo, em SalE os funmostrando a sua arte. Ele está envador, sua cidade natal. Em maio, keiros que volvido com o movimento desde quando eles voltarem dos Estados estavam pre1989, quando começou a dançar Unidos, começarão os preparativos. sentes batebreakem Belo Horizonte. Pelo fato de - Em Salvador a axé music é ram palmas e não compor músicas e gostar de demuito forte, mas tem muita gente que curtiram o senhar, esta foi a forma encontrada faz e curte rap. Tem espaço - avisa som. Se o capor ele para passar as suas mensaum entusiasmado Marivaldo. ra gosta de gens. Padrão acha que o movimento funk, isso não no Rio está melhor do que no resto O RAP na Favela significa que do país, apesar de ser o mais novo. Prestigiado pela grande imprennão precise resMesmo engatinhando, o movisa, este evento pode ter sido um ponpeitar os outros mento hip hop do Rio promete, mas to de partida para que o rap venha a artistas, e vicequem perdeu o Voz Ativa não precisa ser mais conhecido. Na opinião de se desesperar. Em julho tem o 39 versa. O resultaMadeira América, Ponto 50 e Togwrforam duas atrações da Voz Ativa todos que estiveram por lá, shows do do evento foi CDD. No mais, YO! .AJETRO -/^A572l SUJ^F Vl/S-AA? K: 7*m&£ Lo^5<o SIS Femumentfó AFRO • relaxantes Cortes AMO; RAP; geométricos e com desenho. Trabalhamos com hora marcaòa Aceitamos cartão de crédito e c^fMe pré-òataòo -EJNTZLA A^ora também com Produções artísticas D Festas de aniversário D CermioHias D 15 anos D Eventos 0 Casamentos D filmagens Rua Carolina Machado, 752 - Madureira - RJ - Tel.: (021) 390-5685 A N U ¥■¥¥¥¥ CIE José Renato Reportagens fotográficas e cobertura de eventos (021)551-5882 CONTATO PUBLICITÁRIO: DRPM (021) 262-3770 EE
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 10 I na diáspora Africana Negros brasileiros e americanos vivem um mnrnento favorável a aproximação José Renato As relações entre Brasil e Estados Unidos sempre primaram pela desigualdade. Ela poderia ser descrita pela relação entre o primo pobre e primo rico. Não foi à toa que o Presidente Fernando Henrique, embalado pelo plano real, teve que anunciar antes de embarcar para os Estados Unidos que não estava indo para pedir nada, mas sim para firmar uma relação de parceria. O curioso de toda esta história é que os próprios americanos começam a demonstrar um real interesse pelo Brasil. Em fevereiro deste ano, o Departamento de Comércio Americano enviou uma delegação de empresãrios negros que visitaram as cidades de Rio, São Paulo e Salvador. Gostaram muito do que viram e fizeram muitos contatos. Corre-se o risco deles perceberem, antes mesmo dos brasileiros, um dos fatos mais óbvios. Que 50% da população brasileira é negra (pretos e mulatos) e que o Brasil é, portanto, um enorme mercado em potencial para os seus produtos. Em meio a este clima de reavaliação das relações entre os, dois países, as comunidades negras dos dois países parecem ter acordado para o fato de que se não travarem um contato direto, novamente ficarão excluídas dos ganhos. Um trabalho ainda pequeno, mas com a persistência de duas formiguinhas deve vir a trazer muitos resultados. Edna Thomaz Rodrigues da BASE [Brazil Action SoUdaríty Exchange), uma ong que visa promover o intercâmbio entre os dois países, e Maurice Camey - PhD em Ciências Políticas e coordenador de um projeto de formação de lideranças políticas negras - têm levado brasileiros para os EUA a fim de que divulguí*n seus projetos, normalmente na área social, e consigam parcerias com entidades americanas. José Marmo, diretor de planejamento do GCAR e coordenador do projeto ODÒ-YÂ - pertencente ao ISER, onde trabalha com a prevenção da aids em terreiros de candomblé, esteve no mês de abril em quatro cidades americanas (Wa shington, Nova York, San Francisco e Berkley). Entre os vãrios en contros que teve, ele destaca um com antropólogos que trabalham com antropologia médica na África, em que houve um amplo debate sobre a medicina tradicional, para que se possa avaliar a importância de sua viagem. - Foi muito bom ^ saber que na África isto continua acontecendo, para sabermos como no Brasil os tratamentos apli- £ íA* cados por pais e mães de J0 tr*! santo através do uso das fo^ lhas, dos banhos, dos ébos, além da utilização das garrafadas e das raízes têm muitas semelhanças - recorda Marmo. Neste encontro discutlu-se ainda as maneiras pelas quais se poderiam manter um contato permanente daqui para frente. O resultado é que serã firmado um contrato de trabalho com a Universidade de Berkley para que um grupo de antropólogos venha ao Rio conhecer as oficinas dos Núcleos Comunitários de Cultura do GCAR (dança afro, percussão, reciclagem de lixo e esporte), e os trabalhos desenvolvidos pelo projeto ODÔ-YÂ. - Os negros brasileiros são importantes neste momento para os americanos, até para eles reforçarem a sua identidade. Eles já perceberam que sozinhos não vão conseguir muita coisa. É preciso que todos os ne- gr os do mundo não importa se afro-brasileir o, afro- caribenho ou afro-americano estejam juntos neste momento. E isto é que possibilitou um maior cont a t o com o s EUA N a medida que este pensaIfc erf1 mento se difunde haver ma s ^ l brasileiros indo para lã e mais americanos vindo para o Brasil - resume a situação, Marmo. Realidade» Diferente* Nos EUA, até pelo telefone sabese qual é a cor da pessoa com quem se fala, devido ao sotaque. Um fato inimaginãvel no Brasil, onde a miscigenação atingiu um estagio tão forte que mesmo os brasileiros que se consideram brancos, quando viajam para lá, são tratados como hispânicos. De formação católica ou protestante, a religiosidade afro é desconhecida para eles. O candomblé não existe, a não ser por alguns poucos pais e mães de santo da Bahia que estão abrindo casa por lã ou tem filhos de santo americanos. O que eles melhor conhecem são as santerias cubanas, que estão se proliferando com muita rapidez. Se nos EUA a organização polí- INSTITUTO CIVITAS tica é maior - desde os mais pobres até os mais ricos normalmente têm em suas casas um retrato de líderes como Marthin Luther King ou Malcom X-, os negros ainda são uma minoria étnica, por maior visibilidade social que tenham conseguido através do poder econômico. No Brasil, as ligações com as tradições afro impregnaram a cultura brasileira a tal ponto que não se consegue mais distinguir com nitidez onde começa e termina a influência do negro na sociedade. Na educação eles também já avançaram bastante. Na Universidade de Howard, por exemplo, em Washington, com 12 mil alunos cerca de 98% são negros, sendo que destes 8% são estrangeiros. Mesmo nos bairros pobres americanos a maioria tem carro e mora em apartamentos equipados com todos os eletrodomésticos. Mas a evidência de que as coisas não vão bem está nos altos índices de alcoolismo e consumo de drogas entre os negros. - Por mais que falássemos da nossa desorganização, os americanos mesmo diziam que a experiência deles não deveria servir de modelo para nós. É equivocado pensar que os negros americanos cultivam uma postura de prepotência. Eles não acreditam que possa haver alguma mudança interna, se não houver uma aliança internacional, e o Brasil é visto como o ponto de partida para que ela aconteça - afirma Luís Carlos Gâ. Conselheiro da Casa Brasil Nigéria, Gá esteve durante 10 dias em Maryland e Washington, duas cidades da costa leste, como integrante de uma comissão de cinco brasileiros, composta por representantes do Centro Cultural Municipal José Bonifácio, Instituto Palmares de Direitos Humanos, além do vereador Edson Santos, que foram buscar apoio para iam projeto de comemoração dos 300 anos de Zumbi. - Na visão deles Palmares extrapola a todas as lutas dos negros da diáspora, já que todas tinham um caráter abolicionista. Mas Palmares tinha o objetivo de formar uma nação - sentencia Gá. PROGRAMA VIBRAÇÕES POSITIVAS Rádio Imprensa FM 102,1 14hàsl6h Rua Buenos Aires, 2 sala 1303 Cep 20070 - Rio de Janeiro Tel. (021) 2534080 Produção Musical: Teko Rastafari Apresentação: Quadro da Mulher: Fábio Conceição Joselina da Silva Todos os Domingos REALIZAÇÃO VP PRODUÇÕES Vibrando Positivamente e Balançando Sem Perder a Base
    • ™ AFROREGGAE - N9 15 -. MAIO 1995 11 LAN ET az rap' lolldobom Mônica Cavalcanti Usuário é o nome do álbum do Planet Hemp que acaba de ser lançado pela Sony Music, o primeiro da série SuperDemo (uma divisão do selo Chãos) e que escancara nas letras e no som, numa mistura pra lá de interessante, onde o rap e o metal dão a tônica. Só que a banda, formada por Marcelo D2 (vocal), BNGÃO pronuncia-se benegão - (vocal). Bacalhau (bateria), Rafael (guitarra) e Formlgão (baixo), não parou por aí e se embrenhou pelos caminhos do pagode de morro, soul, funk, reggae, dancehall, blues, rock e hardcore. Dá pra imaginar? Só ouvindo... Das 17 músicas do disco, 14 falam a respeito da maconha, aliás, como a própria palavra hemp (uma das tantas gírias utilizadas para a erva), além de todos os integrantes do PH não terem a mínima cerimônia em falar abertamente que fazem uso dela. Mas que fique claro: nem de longe eles pretendem fazer apologia ã droga. : Só estamos expondo a nossa opinião e conseguimos espaço para isso através da música. Não queremos levantar bandeira alguma, pró qualquer coisa. Um dos maiores problemas que o Rio vem enfrentando está muito claro e diz respeito ao tráfico de drogas. O exército foi para as ruas e a guerra nos morros da cidade continua. Não dá pra ficar passivo diante desta situação. E a descriminação da maconha vai, pelo menos, diminuir o alto poder dos traficantes diz Marcelo D2. O Planet dedicou o CD ao ex-vocalista Skunk, morto de Aids ano passado, quando o O grupo carioca lança o * primeiro disco e prega a descriminação da MACONHA c Centro de popul grupo ainda era sócio de carteirinha do Garage Art Cult, lar doce lar do underground carioca. Há 2 anos, época em que Marcelo D2 e Skunk eram camelôs no centro do Rio, a dupla saiu a procura dos demais integrantes na correria, pois já haviam marcado um show no local e ainda não tinham banda. E o grupo, passado esse tempo, continua assim, com pressa, só que agora de falar o que pensam para um público maior, e que ninguém tente modificar seus objetivos, proposta de trabalho, visual ... porque eles viram fera. São autênticos por natureza. - O disco foi produzido pelo próprio grupo, junto com o engenheiro de som Fábio Henriques, que soube se integrar perfeitamente ao nosso som e idéias e só veio a acrescentar, dando toques importantes, mas mantendo com fidelidade o nosso som. Por isso, também fizemos questão de participar de todo o processo, desde as fotos de divulgação, passando pelo CD até o vídeo. Tudo é a nossa cara, do jeito que imaginávamos - explicam. Legalize Já, a primeira música de trabalho, já está tocando na§ rádios e o clip (sensacional!) acaba de ser liberado para passar na MtV após ás 23:00h. Apesar de estar sendo encarado pela galera como um hino de campanha a favor da descriminação da maconha e contar com um sampler no fim da canção de Legalize It, de Peter Tosh, o PH avisa que não está engajado em nenhum movimento para a liberação da erva. O negócio dos caras é cantar e tocar e isso hão é papo furado de maluco beleza. Eles também abordam de forma rápida e direta, semmelancolismo, problemas como o racismo, violência policial, miséria e as chacinas de meninos de rua. Mesmice e tédio não tém nada a ver com essa turma que, desde o início, já vem provocando muito reboliço, e do bom, no cenário musical carioca. E ao que tudo indica, vão conquistar o país. Para o Planet Hemp vale tudo, até um ótimo ragga-rapeado. P ibul ação de rginali Rua da Lapa: ns 200 si.809 - CEP 20021- Rio de Janeiro - RJ Tel:*(021 ) 224 6771 - 224-6887 PROJETO SURFAVIiA Já estão à venda camisetas com o símbolo da Cctsa da Faz (Vigário Geral), por apenas R$ 8>00. Compre e colabore com a manutenção do loctd, Maiores informações pelo telefone (021) 372-9373 ou na it Antônio Mendes, 13 - Vigário Geral/ Rf Asc^' Oferece serviços em fibra: impermeabilização, reforços e concertos em geral (pranchas) Silk screen: telas e camisas Tel.: (021) 267-8410 Vanderiel Berzó ou Man CLAUDIUS BUFFET Buffet e Turismo Especialidade comida baiana Tel. (021)228-5487
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 12 # A Sony ^luslc acaba de lançar no mercado mais uma banda de reggae brasileira, que desta vez vem de Porto Alegre: a Papas da T-*wpia Formado há 2 anos, o grupo fez um planejamento de sua carreira que significou, entre outras coisas, gravar logo uma demo e bater à porta das gravadoras. Para espanto de muitos que Já tentaram esse árduo caminho, o Papas saiu da Sony contratado. Eles definem seu trabalho como uma mistura de reggae, rock, MPB e música negra. É ouvir para conferir. # A dupla de rap MD MCs (M de Marivaldo e D de Davi) Já está com o seu álbum de estrela na rua, via EMI Odeon, e prontíssima para cair na estrada. Participam do disco desses baianos que moraram por 3 anos em Nova Iorque figuras como Gerônlmo, Lord K, o reggaeman Papa Linley e o rapper Otello. Destaque especialíssimo para a faixa Rap à Ia Bahia, que mistura rap com ümbaus. Multo bom! # O grupo de reggae carioca Negril (antiga KMDS e uma das bandas mais antigas da Baixada Fluminense) está com uma fita demo da melhor qualidade rolando pela. cidade e tem tudo para detonar. Com a entrada do novo vocalista Walney, eles mostram um vigor e suingue ainda maior ao unir as influências do soul ao reggae tradicional. Além de composições próprias, o NegrlI inclui em seu repertório versões para músicas de Steel Piulse (Shining) e Thlrd World (Commited). Quem teve a oportunidade de vê-los abrindo o show do Cidade Negra em março, no Circo Voador, sentiu que os caras não estão para brincadeira. Alô, aló gravadoras ... o que vocês estão esperando? Contatos pelo telefone (021) 29S-6138 (falar c/ Andréa ou Clara). # Atenção galera! Não vai demorar multo para o ótimo cantor baiano Lazzo lançar o seu 4e álbum de reggae. O ARN teve a oportunidade de ouvir algumas músicas antecipada mente e pôde comprovar que o trabalho - grava- # Tem mais reggaeman internacional pintando no pedaço. Desta vezé o d o n a - ê de peso e ótima qualidade, com direito a uma criativa versão de Gostam Tonto de Você, do mestre Tim Mala. Quem também Já está prestes a colocar no mercado o seu primeiro disco é a banda de reggae paulista Walking Liona, provavelmente de agosto. irTVK REGGAE ESCOREGGAE (SP) - Nova FM - 89,7 - sexta e domingo, de 2 Ih às 22h -produção: Domy D. e Herve Tano REGGAE RAIZ (SP) - Rádio Brasil 2000 - 107,3 terça e quinta, de 20h às 22h -produção; Jai Mahal e China Kane REGGAE A COMPANHIA (ES) - Rádio Universitária - domingo, de 17h às 18h - produção: Saul Castelo Filho SUNSPLASH RÁDIO REGGAE (PA) - Rádio Cultura - 93,7 - sábado, de 17:30h às 18:30h produção: Toni Soares LIBERAL RÁDIO REGGAE (PA) - Rádio Marabá Liberal - 93,9 - sábado, de 20h às 21h - produção: Heribcrto Dutra REGGAE POINT (MA) - Rádio Mirante - 96,1 - Jamaicano Primitive, que acaba de yii'e J lançar seu primeiro álbum, Razz Mouemenís, pela gravadora Eldorado. Ele esbanja versatilidade e talento ao fundir as mais variadas tendências do reggae, como o dancehaü, raggamuffln, ska, roots rockers, lovers rock e o razz (rasta Jazz) - que une a pegada Jamalcana com o refinamento (>> sYw no mes # Em maio de 1992 foi ao ar o primei- Jt ■ L.; .J). UL > U | 3S | L* ^ ro programa de rádio inteiramente voltado para os grupos afro-brasilelros numa FM do Pio. Pois ê, 3 anos depois ele vem crescendo e se diversificando cadaveematiBÜO Programa Vlbraç&ea Poslti, que: era a única e exclusiva referência dos Blocos Afros do Rio no seu inicio, hoje toca de tudo um pouco, mas sem perder a sua originalidade que ê a música negra. Parabéns a toda equipe ! Vibrações Positivas! P segunda à sábado, de- 17h às 18h - produção: Fauzy Beydoun DOUTOR R1P(SP) - Rádio Rádio Metrô FM àe 2' à 6' às 12h. Apresentador Paulo Brown. JP?**. Variedades ARGO/V/lí/r/tS (SP) - Eldorado FM - 92,7 - sexta às 12h e reprise sábado às 20h- produção: Matias HBRAÇÕES POSITIVAS (RJ) - Rádio Imprensa 102,1 -domingo, de 14h às 16h-produçao:AnaPaula Macedo. CHARME CASSINO DISCO CLUBE (RJ) - Rádio Imprensa - 102,1 - sábado, de 15h às-lóh produção: Zezmho. TRIBUNA WORLD MUSIC (PetrópoUs) - Rádio Tribuna FM - 88,5 - quinta, de 22h às 23h riVI FÜNK BIG MIX (RJ) - Rádio RPC - 100,5 - segunda a »& ' qf '•H' as *tf o K sábado, de 16h às 18h - produção: DJ Malboro SEIS E DANCE (RJ) - Rádio RPC -100,5 - segunda a sexta, de 1 Sh as 20h-produção: DJCorello ÁGUIA DISCO e A COVA (XX) - Rádio Imprensa 102,1 - segunda a sexta, de 12h às 13h - produção: Wandir e Português OMELHORDA C/iSHBOX (RJ)-Rádio Imprensa - 102,1 - segunda a sexta, de 13h às 15h - produção: Marcão e Mingau FURACÃO 2000 (RJ) - Rádio Imprensa -102,1 segunda a sexta, de 17h às 19h - produção: Rafael SOM NA CAIXA (RJ) - Rádio Imprensa -102,1 segunda a sexta, de 13hàs 15h - produção: Zézinho ZZCLUB (RJ)-RádioImprensa-102,1 -segundaa sexta, de 15h às 17h - produção: DJ Malboro AJVI Programas de ümband» e Candomblé melódico e harmônico próprio do Jazz. Primitive Já está com shows agendados no mês de Junho em São Paulo, Salvador e Curitiba. Quem sabe o Rio também entra nesse circuito? # Agora é pra valer. Depois de vetado pelo Prefeito do Rio, a lei que institui o Dia da Conaclencia Negra (20 de novembro) como feriado municipal foi aprovada pela Câmara. O autor da façanha. Vereador Edson Santos, mal co- memorou a conquista e Já enviou outro projeto à Câmara, criando incentivo fiscal pra projetos culturais em homenagem a Zumbi dera Palmares. De acordo com a proposta do vereador as pessoas Jurídicas poderão deduzir até 10% do ISS devido para patrocínio dos projetos até o limite de SSOO unifs por cota de patrocínio e de 27.800 unifs no caso de assumir todo o projeto. A proposta está sendo apreciada pelas comissões da Câmara - Já foi aprovada por duas - e deve ir a votação no segundo semestre. # Está armado o mais novo point do reggae. Todos os feriados no Bar AquaVentiw - praia de Geribá - em Búzios, o DJ Leo e o professor Marcão agitam a moçada com muito reggae e lambaeróbica. # O Grupo Cultural Olodum comemorou 19 anos de fundação em abril e, mostrando que a renovação é importante mesmo em time que está ganhando, aproveitou para dar posse a sua nova diretoria. José Carlos Conceição, o Nego, é o Presidente, Eusébio Ferreira é o Vice e João Jorge passa a ser Diretor de. Ctíltssra. Nós, do GCAR, desejamos mais 15 anos de sucesso, com axé especial paia Walmlr França, Assessor de Cultura de todas as diretorias do Olodum. .m r-p «p II= RÁDIO SOLEMÕES MAGIA E MISTÉRIOS - quinta, de 24h às 2h produção: Gina de Yansã e Ruy de Ogum UMBANDA RELIGIÃO REGE UMA NAÇÃO terça, de 23h às 24h -produtor: Nelson de Azanssum PROGRAMA CULTURAL AFRO BRASILEIRO - domingo, de 22h às 24h - produção: José Beniste RÁDIO METROPOLITANA POR DENTRO DO CANDOMBLÉ - sábado, de 21h às 23h - produtor: Guilherme de Ogum RÁDIO REGGAE (MA) Rádio Ribamar - 1.180-segunda a sexta, de 16hàs 1 Th - produtor: Fauzi Beydoun TV FURACÃO 2000 (RJ) - CNT - Canal 9 - sábado, de 12h às 14h - apresentação: Rômulo Costa e Verônica Costa Cortes Afro Direção: Janir 5. Josá da Silva Relaxamento Permanente Entrelace ■_^ ^ : Rua Parfre Januário, 209 Lojae A e & / M£ Fundoe Inhaúma - Rio de Janeiro - Tek(02t) 260 5669 I .. .■.-:::-;*üL*
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 13 L Uma agradável profusão de ritmos, com elementos que vão do POP-ERÜDITO Mônica Cavalcanti Fica difícil tentar rotular o trabalho musical do cantor angolano/brasileiro Abel Duèrê, a começar pela sua história de vida. Nascido em Benguela (Angola), mora no Brasil desde 1978 quando fugiu da guerra e também tem uma ligação muito forte com Portugal, para onde seus pais se mudaram e moram até hoje. Vivendo entre o Rio e Bahia, em 88 resolveu batalhar por sua carreira de cantor e foi aí que ficou mais explícita as influências que foi sofrendo pelo que classifica de um "triângulo amoroso entre Angola, Brasil e Portugal". - O que eu faço é uma grande mistura de elementos musicais que representam a minha experiência de vida humana e cultural. Minha mãe é angolana e sempre cantou muitos fados, daí eu também cantar em Mora. E é assim que vou resgatando um pouco da história de minha terra natal, através do folclore - analisa Abel. Depois de lançar três CDs - Criotinha (89), Aryo do Bem (92) e Kaué (93) -, Abel foi finalista no festival Les Decouverts em Paris, ainda em 93, e em 94 saiu vencedor do Troféu Caymmi nas categorias Melhor Show do Ano, Melhor Intérprete, Banda, Direção Musical, Composição, Backing Vocal e Produção, o que lhe garantiu a gravação do seu quarto álbum, Batuquerê, que acaba de sair do forno. Batuquerê segue a mesma linha dos anteriores, onde o kilapanga (ritmo muito usado no sul da África) é bastante explorado. Abel Duêrê vai do pop ao erudito, fazendo um som tribal e ao mesmo tempo rústico, cantando nos diale- P IBASE DIVERSIDADE, PRECONCEITO E EXCLUSãO Rua Vicente de Souza, 29 - Botafogo - Cep 22251-070 - Rio de Janeiro (021)286-6161 7FKO RASTAFAR/ Agora no Point Afro Reggae Arpoador Todos oe final» de semana EXPOSIÇÃO BARRACA DO TEKO Tudo em artigo Afro Keqqae tos klkongo, kumbundu e humbundu, além do bom e velho português. Tudo isso acoplado a um suingue próprio que ele diz ter incorporado através da experiência em trabalhar com músicos brasileiros, com espaço para o afro-pop e dançante, que se funde o reggae, funk e afrojazz. Um bom exemplo desta fusão é a faixa TVem de Muitas Estações, um lamento em forma de fado, onde se misturam de forma harmoniosa os instrumentos de percussão africana com a guitarra portuguesa. Belíssima música. O disco conta com a produção afinada de Jodele Larcher e participações especiais de Sivuca,(acordeon), Robertinho do Recife (guitarra) e Léo Ortiz (violino). E tem tudo para detonar, com um batuque super-original do ponto de vista rítmico e cultural. TECHNOMUSIC Obra Prima em Som Iluminação para Festas & Eventos Preços Especiais para leitores do ARN Tel.: 261-3102 - Marcelo *D ci% o, l év ó, InaUuH&tt* de coÁdot cnajluu, peuMHOttc «fa, idUuíMteHt». MÚieUçMiettfo. ^OH^ec^eA e (kjutewxã. ofyuy. ÚIMçM, SDS - Sd. fauc Sfy H*36 Id (061) 3Z2-3W2 - VÇ
    • AFROREGGAE - N9 15 - MAIO 1995 14 Marcada pela colonização européia, Curitiba Foto Adriana Fcrra^ José Júnior e Teko Rastafari 15 de abril de 1995. Mais um marco na história do Grupo Cultural Afro Reggae. Foi neste dia que começamos a desvendar Curitiba, a fim de conferir a fama que esta cidade vem ostentando. Bandas como O Rappa, Cidade Negra e Skarik já vinham indicando o caminho do ouro há muito tempo, contando o calor e a receptividade com que foram acolhidos pelo público curitibano. As noticias que chegavam sempre causavam surpresa. Afinal, como o sul do país, onde o frio dura quase todo o ano, poderia competir com as raízes regueiras das cidades com população marcadamente negras. Puro preconceito, pois nada melhor para esquentar o sangue do que uma boa música. Curitiba há muito tempo é o local onde todos os shows de reggae lotam, e onde os eventos primam pela organizaçáo. Se náo bastasse isio, e ia que mora ^eraiao c;arvamo, o maior colecionador e articulador de reggae do país. Por essas e outras é que nós fomos conferir de perto o que rola por lá. Logo ao desembarcarmos fomos direto para a Boca Maldita (uma espécie de Cinelándia do Rio), pois aos sábados de manhã sempre rolam encontros com vários grupos de Hip Hop, e naquele dia a galera estaVa esperando a presença de rap^èrs e breakers de São Paulo. São jovens de 16 a 23 anos de idade que buscam através da música, da dança e BATUQUE ORUNMILA Afro - Samba - Re^ae A Cor òo Rio Ensaios todas às terças a partir das 20h na quadra do Morro da Mineira. A partir de julho, aos domingos, terreirão na Escola de Samba Difícil é o Nome* Av. Suburbana Rua Guineza, 321 - Abolição / Rio Contatos: (021) 502-4573 / 3649 Teko, Geraldo Carvalho e JoséJúniorfirmaram em Curitiba mais uma parceria do GCAR do grafite manifestar a sua opinião contra a discriminação racial e o descaso das autoridades para os problemas sociais. Alguns casos de abuso de autoridade da polícia também nos foram relatados. Outras formas de discriminação que estes jovens sofrem é quando entram em shopplngs ou nas grandes lojas. Os altofalantes chamam os seguranças para o setor onde eles se encontram e acabam sendo vigiados até que se retirem da loja. Pelo que pudemos perceber, o forte desta garotada é o break, que em locais como o Rio já teve o seu auge no início dos anos 80 e hoje só é praticado pelos mais aficcionados que sobreviveram ao modistrio. Conversamos com Jonathan, Bill, Marcelo, Paulo e Aranha,.todos tinham as mesmas opiniões e sempre ressaltavam a importância da conscientização do negro através das suas tradições. Em breve eles pretendem montar uma associação de Hip Hop, tipo a Casa do Rap (Geledés/SP) e a ATCON(RJ), e estão muito interessados em manter um intercâmbio. Por unanimidade todos estes jovens artistas de rua são fãs do Ice T, Public Enemy e dos Racionais MCs. Conhecem e respeitam artistas como Big Richard, Thaíde e DJ Hum, Ryo Radikal Repz, Pivete e Câmbio Negro. Também procuramos saber o que eles achavam do funk Miami. Todo mundo contestou, mas ninguém conhecia a atual geração do funk carioca. Fomos em várias lojas de discos e descobrimos que as bolachas de Stevie B e Latino (artistas consagrados do funk melody) são bastante consumidas. Então vimos que muitos ouvem funk achando que é dance music, este ritmo por sinal é a coqueluche das rádios locais, depois vem o reggae, o pagode e o rap. Agora quem dá um banho na programação são os grupos Skank e Cidade Negra, que conseguem emplacar quase todas as faixas dos seus CDs. Uma tendên- cia que vem crescendo é o ragga. Muito tocado pela Rádio Alternativa, é digerido nos locais mais diversos, como no som ambiente do comércio, nos táxis e em bares. E Curitiba tem tudo para revelar alguns artistas para todo o Brasil. Um que esta só esperando a oportunidade de gravar para acontecer é EDDIE TOSTER. O cara é um verdadeiro raggaman. Canta em português, espanhol e agora esta se preparando para atacar em francês. Eddie faz uma mistura de Tiger, Shaggy, Tappa Zükle e El General, e vem se consolidando por também cantar Jungle (aquele ritmo que o Yuca, baterista do Rappa, sempre fala ). Eddie já fez uma participação especial com o Rappa e com a Banda Jualé, de SP. Além de cantar e dançar muito bem, ele possui uma tremenda presença de palco e neste momento está buscando apoio para sua primeira fita demo, que será gravada no Rio e produzida pelo Marcelo Yuca . Todas as músicas que canta são de sua autoria e a partir de agora Eddie está preparando uma nova coreografia para os seus shows, buscando dar mais sensualidade, com a participação de duas dançarinas negras no estilo Afro-Ragga. A produtora de Eddie Toster é Adriana Ferraz, que está começando a agendar os shows do artista. Ela também se mostrou interessada em trazer grupos de rap do Rio e de São Paulo para se apresentarem em vários points da cidade. Nesta nossa tumê fomos ciceroneados por Dirléia Mathias do grupo Baluarte Negro, uma ONG que vem trabalhando com mulheres negras de todas as idades, promovendo desfiles de moda e eventos que valorizem a cultura afro-brasileira. O Baluarte é o responsável pela distribuição do ARN na cidade. Um dos motivos da nossa ida para Curitiba foi a festa de lançamento da 15S edição do Jornal Afro Reggae NotíciaB na quadra da escola de samba Embaixadores
    • AFROREGGAE - N9 15 -MAIO 1995 15 prova da música negra e se embebeda de prazer da Alegria, no bairro de Santa Qultéria. Esta é a única escola de samba de Curitiba que possui um ^ocal próprio para os seus ensaios. O Diretor Cultural da Escola é o Doutor Saul D^vila, militante da cultura afro que nas horas de folga é médico, pois o seu tempo é quase todo dedicado ao crescimento da sua agremiação e da popularização do samba naquela região. Assistimos a uma espécie de oficina de percussão, e a maioria dos jovens que se mostraram interessados em aprender a tocar samba eram brancos de cabelos louros, mostrando que hoje a cultura afro brasileira não fica só restrita ao negro, e sim a todos aqueles que de alguma forma se identificam com ela. A noite curitibana tem dois points em que a peãozada - gíria local - comparece em peso: o Zimbabwe, um bàr que no dia em que fomos tocou de "tudo menos reggae, e o Hermes Bar, que além de sacudir a moçada com reggae e samba-reggae, abre espaço para atrações ao vivo, como a banda Aquarela que toca o melhor da música negra nacional. A Rua 24 horas é o local da saideira da rapaziada. OGCAR também foi responsãvel por uma atração turística que durou três dias, sabem por qué? O Teko (Diretor Cultural do GCAR), com as suas roupas e os dreads chamava mais atenção do que o relógio das flores. Por onde ele passava era normal ouvirmos gritinhos do tipo: "E dali rasta", "E aí Bob Marley!". Teko chegou até a encontrar com seu clone, o percussionista e vendedor de produtos rastas (batas e bandeiras) Carlitus Reis. Ele tem uma barraca na feira de artesanato e chama a atenção por ser negro, usar eketé e um óculos escuros by James Brown. Um visual comum entre os integrantes do movimento rastafari de Curitiba, do fazendo uma tumê promocional. grafadas de artistas como Steel Pulqual ele faz parte. se, Joe Higs, Pato Banton, Culture, Agora, isso não quer dizer que noAos domingos rola a tradicimes como The Wailers, Bunny Wailers e outros papas do ritmo onal Feira da Garibaldi, onde se Wailer, Bumny Spear estejam descomercializam produtos de artesa- jamaicano, além do maior aj-quivo cartados. Com relação ao reggae nato, pró_ , arquivo i, , _ M ■ Baluarte Negro de discos, Foto nacional, ele gosta muito de ouvir fitas piraximo "rT^HMHm^HB^S tas, CDs, os CDs do Rappa, Cidade Negra, Arcadas Skank e Tribo de Jah, mais duas do Pelouvídeos e bandas locais que ainda não tivecartazes rinho ram a oportunidade de gravar. São que já se uma esa African Band e o Sr. Bananas. teve notípécie de Quanto a passagem do cia em tercorredor ra braReggae Sunsplah pelo Brasil, ele cultural. silis. Geque acompanhou bem de perto, Resolvetem a sua opinião formada. raldo é o mos disprincipal - É um evento superviável no tribuir o país, só que não com a fórmula que responsáARN por os organizadores daqui resolveram vel pelo onde pasutilizar. Acho que poderia ter mais boom do sávamos, reggae no artistas de peso e a produção dee para veria ficar sob a responsabilidade Sul do nossa de pessoas que realmente entenpaís. Resurpresa dam de reggae. Na passagem do cente várias Sunsplash por Curitiba, eu mesmo mente, ele pessoas tive a preocupação de divulgar o parou de idosas do evento, apesar de não fazer parte produzir o tipo polaseu proda organização. Conseguimos coco degrama selocar 10 mil pessoas na Pedreira monstravam uma Paulo Leminsk, enquanto em oumanal Estros estados o público pagante não ta ç á o enorme Jamaica, atingiu nem 20% disto - avalia. recepna Rádio O trabalho dos Núcleos Cotividade Estação munitários de Cultura também foi ao receber Primeira. o jornal, reconhecido e encomendado em Uma perCuritiba. Recebemos vários pediquerendo dos para implantarmos oficinas de da lastisaber Baluarte Negro: um cartão postal diferente em Curitiba dança e percussão, mas por entudo som áve1, quanto não achamos viável sair do bre o trabalho que estamos desenpois o programa tinha uma grande volvendo no Rio. A capoeira tamaudiência e tocava o melhor do Rio de Janeiro. Mas quem sabe... reggae mundial. Há possibilidade pode ser que na nossa próxima vibém está presente através de alde voltar em outra emissora. agem a gente mude de idéia, deviguns grupos organizados e da griflfe Recentemente chegou em do ao carinho e a receptividade da Abada, do Mestre Camisa, que em muvuca. suas mãos um vasto material de Curitiba é representada pelo Mesdivulgação sobre as bandas de Tudo é possível! tre Periquito. reggae do continente africano e ele Falar de reggae em Curitiba é Agradecemos a Díríéia e Angela, falar de Geraldo Carvalho, uma das já está se mobilizando para trazer que nos hospedaram e transitaram com figuras mais populares do cenário alguns destes artistas ao Brasil. a gente pela cidade, e também ao Genacional do reggae. Ir a Curitiba e Podemos adiantar que não estarão raldo e Adriana, que nos abriram as não conhecer o Geraldo é como ir entre eles Alpha Blondy (que esteportas da cidade, nos levando a todos no Pelourinho e não ver o Olodum ve recentemente por aqui) ou Lucky os points do reggae e apresentando às tocar. Sua casa é um verdadeiro Dube. Sua proposta é trazer nomes pessoas que promovem cultura. museu, pois tem várias fotos autoque não são conhecidos por aqui. Permanente Afro • Corte • Relaxante etc^ 7FL- 254-9647 APLIQUES 100% NATURAL - TRATAMENTO RASTA Pça. Saens Pena R. Conde Bonfim, 346 Lj. 303 -Shopping Vitrine da Tíjuca - RJ CABELEIREIROS
    • AFROREGGAE - Ne 15 - MAIO 1995 16 EISIDA Divulgação BUM POP REGGAE III (27/05) Rola a maior festa reggae do Rio, com direito a lançamento do álbum Legend II, de Bob Marley, e ainda a discotecagem do DJ Carlos Albuquerque e do DJAH "feko Rastafari. Também haverá exposição de artigos afro e show dos grupos BBBT, 3.0 AT, Ras Bernardo e Banda e The Medusas Dreads. Tudo isso a partir das 21h, na Fundição Progresso (Arcos da Lapa). 4o ANIVERSÁRIO DO MEDUSAS DREADS (02/06) Show da banda aniversariante The Medusas Dreads e discotecagem do DJAHTekoRastafari. Apartirdas21h, no Teatro de Lona da Barra (Av. Ayrton Senna - Barra da Tljuca). NOITE DE REGGAE (09/06) Show com as bandas Negril (exKMD5), Grupo Vissungo e O Rappa. E nas pick-ups o DJAH Teko Rastafari. Ó Grupo Negril estará mostrando todo o seu suíngue na Danceteria Blue Carden Acontece a partir das 21h, na Danceteria Blue Garden (Av. Suburbana, 6.131 Pilares/próximo Norte Shopping). I9h, a Companhia de Teatro Black em Preto apresenta uma série de leitura de textos de autores negros. Acontece na FEBARJ (Av. Mem de Sá, 37 - Lapa). SEGUNDAS BLACK EM PRETO Todas as segundas-feira, a partir das SEXTAS MUSICAIS Happy Hour das 19 às 24h, todas as lUistribuição ZONA SUL/BJ ASCA - R Alberto de Campos. 12 (CEP) - Ipanema Dana Point - R Francisco Otaviano. 67. Ij 17 - Arpoador LFRJ - ECO - Praia Vermelha. Urca FACHA - R. Muniz Barreto, 151 Botafogo FASE - R. Palmeiras. 90 - Botafogo Livraria Francisco Alves - R. Farme de Amoedo, 57 - Ipanema Modern Sound - R. Barata Ribeiro, 502, D - Copacabana Nativo Art - R. Francisco Otaviano. 67, Ij 49 - Arpoador Rip Curl - R. Visconde de Piraji 580, Ij 112 - Arpoador Quiosque do Gaúcho - Av. Antônio Carlos Jobim. Ql 01 - Arpoador Quiosque Niterói - Av. Antônio Carlos Jobim. 250 - praia de Ipanema . Centro Cultural Municipal Oduvaldo Mana Filho (Castelinho do Flamengo - Praia do Flamengo. 158 Afonjá - Av. Princesa Isabel, 254 Cob. 02 - Copacabana Afonjá II - Av. Ataulfo de Paiva. 1079 SI. 202 - Leblon Livraria Argumento - R. Dias Ferreira. 417-Leblon Livraria Letras e Expressões - Av. Ataulfo de Paiva. 1292 - Lj. C CENTRO / RJ Casa Criola - R. das Marrecas, 19-A Bar Beco Da Liunria - R. Vinte de Abril. 14 (Esc. de Teatro Martins Pena) Barraca do MahaVisnu - Em frente ao Cine Odeon - Cinelãndia Centro Cultural Mun. José Bonifácio - R. Pedro Ernesto. 80 - Gamboa Casa Paschoal Carlos Magno - R. Hermenegildo deBarros, 161 - S"Tereza IPCN - Av. Mem de Sá. 208 Livraria Francisco Alves - R. Sete de Setembro, 177 e R. Uruguaiana, 98 Up Town - R. Conde de Lajes, 44, Ij sextas-feirasno IPCN (Av. Mem de Sá, 208 - Centro), com cerveja gelada e petiscos afrodizíacos. Participação especial da cantora Maria Moreno. Realização de Renato "Radical" e Sidnei Marques. ENTRADA FRANCA. INDEPENDENTE NIGHT REGGAE Sábados às 22h e domingos às 19h, você dança ao som do roots reggae, no melhor estilo maranhense, sob o comando dos DJs Ribamar e Murilo. O ingresso de sábado (R$5,00) dá direito a duas cervejas, mais uma entrada para o próximo sábado. Acontece na Rua do Resende, 60 Centro - esquina com a Av. Mem de Sá. Damas grátis até meia-noite. SEU MANO REGGAE SHOW Todos os sábados, a partir das 22h, você dança reggae do jeitinho maranhense no Elite Clube (Rua Frei Caneca, 4 - Centro - Campo de Santana). Em todos os anunciantes, terreiroes, shows e mais: Atol das Rocas - 1° piso. Ij 144 101 - Glória Cia. de Dança Rubens & Barbot Jamf- Io piso, lj 136 Sljits - 2o piso, lj 239 Trav. do Mosqueira, 13 - Lapa ; Ducarmo Disco - R. Buenos Aires, 2 Rasta Surf Music Estr. do Galeão. 1285 si. 304 si. 303 NITERÓI / RJ IBISS - R. 7 de Setembro, 43/5" andar - Centro DCE da UFF - Coordenação Pivação - R. do Ouvidor. 161, lj 101 - Livraria Orelha em Pé - UFF Campus do Gragoatá Centro Point Afro Reggae ( no Campus de ZONA NORTE / RJ Atol das Rocas - Pça Saens Pena - História da UFF/Ras Gilberto) - R. Visconde de Itaboraí, em frente ao préShop. 45 Lj. 113 Academia Bv Fit - R. Conde de dio do correio - Centro. Sábados e domingos na Feirinha de Artesanato, Bonfim, 422 - Sobreloja Barraca do Livreiro Júlio - Em frente no Campo de São Bento ZONA OESTE / RJ ao cine Carioca - Praça Saens Pena Associação de Moradores do ConDana Point - Madureira Shopping Grêmio do Colégio Prado Júnior junto Dom Jaime de Barros Câmara (Evilin Fernanda) - R Mariz e Barros - R. Bom Sossego, 382 - Padre Miguel - Tijuca Point Afro Reggae Oju Dudu - As Ptução - Madureira Shopping, lj. 171 sextas e sábados em frente ao terminal Livreiros do Hospital Pedro Ernesto rodoviário de Campo Grande Cidade de Deus - R Josias, 15 - Vila Isabel UERJ-Coord de Interação Comuni- Cidade de Deus NILÓPOLIS / RJ tária SR3 - SI. 3034 - BI E - Maracanã Fi Clube Bob Marley - R Almirante Suck - Tijuca Off Shopping Video Game Center - R. Conde de lamandaré, 646 - Nilópolis SÃO JOÃO DE MERITI / RJ Bonfim, 346 - si 204 - Pça Saens Pena Kahana -Shopping Vitrine da Tijuca - Igreja da Matriz - Pça da Matriz, s/n° DUQUE DE CAXIAS / RJ Pça Saens Pena Kahana - Shopping 45 - Pça Saens Federação do Reizado do Estado do RJ - Av. Duque de Caxias. 207, si 210 Pena NOVA IGUAÇU / RJ Kahana - Madureira Shopping Traillcr Surf Reggae Orango Tango - Discorama - Trav. Rozinda Martins, Em frente ao Parque de Diversão de 29 - Centro LocaLoca Vídeo - R. Cel Francisco Marechal Hermes Soares, 162 - Centro BARRA DA TIJUCA / RJ VOLTA REDONDA / RJ QuiosqueToa-Toa-A Semanbetiba, Espaço Afro Reggae - R. 249/12 56A / 56B (em frente ao n0 6300) Back Doer Svf Shop - Av. Ayrton Conforto ANGRA DOS REIS / RJ Senna, 3000. lj 1069 - Shopping Via Banca Beco do Mascote - R. do Parque Comércio, Beco do Mascote - Centro LEOPQLDINA / RJ CABO FRIO AMUPA - Acari G.R.E.S. Balanço de Lucas - Parada Candja - R. Jorge Lossio, 516 lj 4 centro de Lucas CAMPOS / RJ IlHA DO GOVERNADOR / RJ Sociedade Independente dos ArtisIlha Shopping tas do Samba de Campos - R. 21 de Abril, 205 - Centro Fundação Cultural Vovó Tereia - R 28 de Março. 672 - Centrd Casa da Cultura illa Maria - Reitoria da UENF - R. Baroneza da Lagoa Dourada, 234 - Centro SÃO PAULO / SP Bar Mambo - R. Wisard, 565 - Pinheiros Soneto - R. João Moura, 749 - Pinheiros Blen Blen Club - R. Cardeal Arcoverde, 2978 - Pinheiros Lambar - R. Joaquim Floriano, 899 Itaim Balafon - Rua Sergipe, 160 Higienópolis Cally - Est. Santa Inês, Km 11 - Serra da Cantareira Livraria Francisco Alves - R. Doutor Vieira de Carvalho, 144 e R. Barão de Itapetininga, 246 Centro Cultural Municipal Jabaqnara - Ao lado da estação do Metro DeBa - R, 25 de Março, 641 - 8o and. - Centro Disco Club Horácio Lane - Univ Mackenz ie CAMPINAS / SP Biblioteca Central da UNICAMP. Escola Municipal P.G.VirginiaM.V. de Vasconcellos (Maria Olivia de Castro - Diretora Educacional) - R. Armando dos Santos, 255 - Jd. Maria Rosa PINDAMONHANGABA / SP Adilson (Power Dance) - R José Benedito Cursino, 18 GUABATINGUETÁ / SP Luis Cláudio Olhera - R. Prof Anísio Novaes, 27 - Pedreira BELO HORIZONTE / MG Masshe Reggae - R. Padre Rolim. 636/103 Academia de Capoeira Gerais - R. Carangola, 44 - Santo Antônio • TRÊS CORAÇÕES / MG Afro Muzenza de Angola - R. das Violetas, 3 - Jardim Orion CURITIBA / PR Baluarte Negro - R. Voluntários da Pátria, 92, conj 201 IWs Club - Pça general Osório, 333 Galeria do Comércio, lj 09 PORTO ALEGRE / RS Conexão Ras - R. Guilherme Alves, 1176 - Partenon Asses, de Comunicação Negra - Av João Goulart 551 (usina do gasômelro) BRASÍLIA / DF Bazafro - Higs 709, BI M casa 30 (061) 243-6091 SALVADOR / BA Bahia Bar - Largo do Pero Vaz Liberdade, Banda Furacão Ilê Ayê-R. do tinmi,233-Liberdade Faculdade de Comunicação/L FBa R. Basílio da Gama - Campus/Canela Bar e Restaurante Aladin - R. Marquês de Leão, 173 Barra Atelíer Amarelo Sete (Hotel Pelourinho) - R. Alfredo de Brito, 20 - Pelourinho Kaya CD's - Beco Maria da Paz, Ed. Bandeirantes - lj. 1 - Centro Brazilian Sound - R. Francisco Moniz Barreto, 18/20 - Pelourinho Litoral Norte - R. Grcgório de Mattos, 31 - Pelourinho Casa do Benin - R. Pe. Agostinho Gomes, 17 - Pelourinho Fundação Casa de Jorge Amado Laigo do Pelourinho Dinha do Acarajé - R. Vise. de Cachoeira, s/n - Rio Vermelho Museu Afro BrasDero - Pça. Terreiro de Jesus, 17-Centro Jânio de Carvalho - R. Professor Sá Nunes, 53 - Cidade Nova MARAGOGIPE / BA Jamaika Drink's - "Bar do Reggae" - R. Gerhard Meyer, s/n" - Centro PORTO SEGURO / BA Centro Cultural de Porto Seguro Av. dos Navegantes, s/n0 Academia de Capoeira Gerais Porto Seguro - Arraial D1 Ajuda Beco das Cores - Est. Mucugê. s/n° Arraial D'Ajuda Boite Buraco Loko - Praia do Mucugê, s/n" - Arraial D'Ajuda Beto Discos - Trav. Augusto Borges ARACAJU / SE Casa da Cultura Afro Sergipana - R. Mato Grosso, 677 - Siqueira Campos SÃO LUÍS / MA Centro de Cultura Negra - R, dos Guaranis, s/n0 - Bares - João Pessoa UNIÃO DOS PALMARES / AL Rádio Popular - R. Antônio Gomes da SiKa - Bairro Roberto C. de Araújo BELÉM / PA Cedenpa - R. dos Timbiras, passagem Paulo VI, 244 MARABÃ/ PA Casa da Cultura de Marabá - Folha 31, Quadra Especial - Nova Marabá RECIFE / PE Baloguns - R. do Hospício, 194 - Boa Vista, Ed Olímpia, si 704 Afrika Produções - R. Comendador Tento Aguiar, 56 - Madalena Centro Lnis Freire (Cristiano) - R. 27 de janeiro, 181 - Carmo GOIÂNIA / GO CA de Comunicação - UFGO VITÓRIA / ES Rádio Universitária - UFES Grupo Zulu- Ed. Espenelio, apf 202, 6" etapa - Coqueiral de Itaparica - Vila Velha CAMPO GRANDE / MS Grupo de Trabalho e Estudos Zumbi - R. Marechal Rondom, 408 ünh. Popular do MS ( Naelson da Silva Freire) - R. Barào do Rio, 488 conj. S/01 FORTALEZA / CE Grucon - R. Nogueira Accibly, 2025 Piedade