Your SlideShare is downloading. ×
0
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Game Art
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Game Art

2,509

Published on

Este seminário tem como objetivo apresentar o trabalho do pesquisador Andrew Hieronymi, em especial a obra Move (2005), uma instalação interativa com base no universo do games e levantar alguns …

Este seminário tem como objetivo apresentar o trabalho do pesquisador Andrew Hieronymi, em especial a obra Move (2005), uma instalação interativa com base no universo do games e levantar alguns questionamentos.

Published in: Entertainment & Humor, Design
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,509
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP - TIDD Instalações Interativas Projeto Move – Andrew Hieronymi Disciplina: Teorias Avançadas no Design e Estéticas Tecnológicas Profa. Dra. Rosângela Leote Aluno: David de Oliveira Lemes - eu@dolemes.org Outubro de 2007
  • 2. Resumo Este seminário tem como objetivo apresentar o trabalho do pesquisador Andrew Hieronymi, em especial a obra Move (2005), uma instalação interativa com base no universo do games e levantar alguns questionamentos como: • Quais os limites físicos de um jogo eletrônico, entendido aqui como game? • Artistas são game designers? • Questionar o limite do suporte para a aplicação e desenvolvimento de um game. Além destes questionamentos primários, este material tem também como objetivo situar, segundo a visão do artista, a GameArt no contexto atual.
  • 3. Justificativa As relações entre arte digital e jogos eletrônicos são complexas e múltiplas. Muitas vezes elas se entrelaçam de tal forma que fica difícil mapeá-las, ainda mais quando se tratam de objetos culturais recentes, tendo em vista que os jogos digitais possuem menos de 50 anos. Move (2005), a obra aqui analisada, pontua os limites entre arte e games, utilizando-se de uma visão computadorizada e da interação do corpo humano, permitindo que os participantes experimentem seis tipos diferentes de ações geralmente realizadas por avatares em videogames . A obra ainda aponta caminhos para novas interfaces que podem ser utilizadas na crescente indústria dos games – apesar de que o controle de um jogo através de movimentos do corpo já existe há pelo menos 10 anos.
  • 4. Descrição do Objeto Move é uma instalação, mas também é um game. Na obra não existem joysticks e nem mouses. O corpo humano atua diretamente na interface. É o próprio usuário (utilizador?) que deve interagir com a obra. Existe em Move um deslocamento de experiência: primeiro ao apresentar o jogo em diversos festivais de arte e segundo, pela quebra da sensação de imersão – as formas básicas (quadrados, círculos) fazem com que você permaneça na obra onde não há tanto espaço para subjetividade, como há nos games contemporâneos. A obra prima pela objetividade dos desafios propostos aos interatores humanos. Um algoritmo determina o grau de dificuldade que aumenta gradativamente como num jogo de computador (ou consoloe) e termina quando, geralmente, a máquina vence.
  • 5. O artista
  • 6. http://ahieronymi.net/
  • 7. <ul><li>Andrew Hieronymi </li></ul><ul><li>Atualmente é professor de Interactive Design e Game Development no Savannah College of Art and Design na Georgia </li></ul><ul><li>Seus trabalho transitam nos limites entre os jogos (games) e arte em ambientes físicos </li></ul><ul><li>Colabora com arquitetos, escritores, artistas… </li></ul><ul><li>Trabalhou com vídeo, projetos urbanos, CD-ROM, webdesign e instalações </li></ul><ul><li>Desenvolve projetos relacionados a games há mais de uma década </li></ul><ul><li>Seus trabalhos já foram expostos na Ars Electronica (06), Siggraph (06), FILE São Paulo (06, 02), Microwavefest (05),Futureplay (05) entre outros eventos </li></ul>
  • 8. Afinal, o que é esta tal de GameArt? GameArt, segundo Andrew, é um ponto de intersecção e interação que está situado entre arte interativa, mídia interativa e os videogames.
  • 9. GameArt
  • 10. A obra
  • 11.  
  • 12. <ul><li>Move </li></ul><ul><li>Ano: 2005 </li></ul><ul><ul><li>Move é uma instalação que usa uma projeção de uma interface computacional permitindo que as interações sejam feitas com o corpo inteiro, ou seja, o corpo humano interage com a interface, simulando (tomando o lugar) um avatar de videogame. Os participantes experimentem seis tipos diferentes de ações, que nos videogames são executadas por personagens. </li></ul></ul>
  • 13.  
  • 14. <ul><li>MOVE é uma instalação interativa dividida em seis módulos distintos: </li></ul><ul><li>Cada módulo oferece uma interação para um único usuário (single user), baseada em um verbo que corresponde à ação que o participante é convidado executar; </li></ul><ul><li>Cada verbo corresponde a um procedimento comum que os personagens (avatares) executam durante uma partida do videogame; </li></ul><ul><li>Cada módulo oferece uma interação com formas abstratas (círculos, retângulos) comportando-se de acordo com regras simples da física (colisão, fricção..); </li></ul><ul><li>As cores do projetos são básicas e de fácil identificação: preto, branco e vermelho; </li></ul><ul><li>Cada módulo aumenta sua dificuldade de forma linear. </li></ul>
  • 15. MOVE (2005) causa a seguinte reflexão e analogias: • Assim como nos videogames, a dificuldade aumenta a cada fase; • Cores de fácil assimilação ajudam na concentração no desafio e não apenas nas formas; • Os verbos de ação estão ligados diretamente a grande parte das ações executadas na maioria dos videogames; • O interator / usuário precisa ser rápido para não perder / morrer; • Um dos fatores essenciais desta obra é que ela foi concebida a partir da desconstrução conceituais da maiorias dos jogos digitais; • Esta desconstrução resultou em 6 tipos de interação baseadas em 6 verbos de ação.
  • 16. JUMP: (saltar, pular) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/jump/index. html Analogia: lembra do Mário Bros ou Sonic? A idéia do pulo certeiro está aqui.
  • 17. AVOID: (evitar) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/avoid/index.html Analogia: evite o contato com um adversário mais poderoso que você.
  • 18. CHASE: (perseguir, perseguição) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/chase/index.html Analogia: seu adversário é mais forte? Corra...
  • 19. THROW: (jogar) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/throw/index. html Analogia: jogos de esportes como Tênis, Paredão, Tennis for Two...
  • 20. HIDE: (esconder) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/hide/index. html Analogia: Pac-Man. Fuja dos fantasminhas espalhados no labirinto.
  • 21. COLLECT: (recolher, juntar) http://users.design.ucla.edu/%7eahierony/move/collect/index.html Analogia: mais uma vez o Sonic, pois ele precisa recolher argolas ao longo das fases
  • 22. Análise semiótica: • Ponto de vista qualitativo-icônico : a primeira impressão que o receptor tem da obra. Aquilo que a obra sugere. A obra sugere, num primeiro momento, uma grande brincadeira que em poucos segundos descobre-se que é interativa. Esta brincadeira interativa é um produto tecnológico com seis desafios que aumentam a medida que o interator / usuário usa, brinca, interage e se diverte.
  • 23. Análise semiótica: • Ponto de vista singular-indicativo : a obra enquanto algo existencial num tempo e espaço determinados. Aquilo que a obra indica / ou seus traços de identidade. Nesta categoria de análise, é importante observar as cores básicas da obra (preto e suas variações, branco e vermelho), pois são cores fáceis de perceber e assimilar. Outro ponto marcante são as formas geométricas básicas como quadrado, círculo, triângulo... Os pontos de interação também fazem parte desta categoria, pois também caracteriza a identidade da obra.
  • 24. Análise semiótica: • Ponto de vista convencional-simbólico : a obra no seu caráter de tipo, aquilo que a obra representa no âmbito cultural. Move é uma obra de ruptura de desconstrução. Ruptura pois retira o avatar de dentro dos jogos digitais e os coloca no mundo real, transformando o corpo humano no interator real (avatar vivo?). O joystick aqui é o cérebro, pois é ele que guiará as ações do corpo. E a descontrução nasce do mapeamento conceitual dos games de onde se retira 6 verbos de ação para a construção da obra.
  • 25. Conclusão: A desconstrução do videogame é o ponto central desta obra. Hieronymi mapeou conceitos existentes nos jogos eletrônicos e colocou o avatar fora do ambiente virtual, transformando o corpo humano num grande joystick, que interage diretamente com formas geométricas básicas para vencer desafios. Esta interação parte do físico para o virtual. Esta instalação interativa em forma de game nos faz refletir nos seguintes pontos: quais os limites do suporte dos jogos eletrônicos? O computador (PC/Console) é o limite? Este jogo de amarelinha high-tech, apesar uma alto nível de elaboração tecnológica, apresenta um grau de ludicidade que faz com que qualquer visitante / interator tenha prazer em tentar vencer os desafios impostos pelo algoritmo da obra.
  • 26. MOVE faz com que o usuário se esqueça da interface e do suporte tradicional do jogo digital, ou seja, o monitor, e passa a interagir apenas com uma projeção. A obra revela também a presença da estética do jogo em nosso cotidiano, pois os verbos de ação poder ser transportados para diversas situações do nosso dia-a-dia, o que nos remete para narrativas mínimas.
  • 27. E ai? Vamos falar mais sobre o assunto?

×