02 elementos-de_semiotica_aplicados_ao_design

3,147 views

Published on

Published in: Design
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,147
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
187
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • Linguagem de Produtos 25/11/12 prof.dr. Djalma J. Patricio Djalma Patricio
  • 02 elementos-de_semiotica_aplicados_ao_design

    1. 1. Elementos de Semiótica Aplicados ao DesignA semiótica é um referencialteórico na análise da produção –e desenvolvimento - do design.Lucy Niemeyer, Ed. 2AB, Rio 2007 Djalma Patricio - FURB 1
    2. 2. 1 - SUCESSIVOS ECUMULATIVOS REQUISITOS NO DESIGNO Designer incorporaconhecimentos de outras áreas,busca solução formalesteticamente agradável,cuidando do funcionalismo, daergonomia e da comunicação. Djalma Patricio - FURB 2
    3. 3. O funcionalismo, no inicio doséculo XX, especialmente naAlemanha, busca assumirespecificidade da linguagemformal, própria à tecnologiaindustrial: o produto é ajustadoao funcionamento. Djalma Patricio - FURB 3
    4. 4. Com o funcionalismo, o design passa a se preocupar com aviabilidade técnica dos produtos de um ponto de vista racional, pois torna-se primordial a otimização de materiais e processos produtivos. Djalma Patricio - FURB 4
    5. 5. A ergonomia busca adequar o produto ao usuário,principalmente após a II Guerra; Djalma Patricio - FURB 5
    6. 6. A Ergonomia teve, desde sempre, especial interesse e preocupação pelo estudo do trabalho. Um dos seus principais âmbitos de intervenção é o escritório, na medida em que, grande parte da população ativa trabalha neste tipo de ambiente e é reconhecida a existência de gravesdoenças/lesões profissionais associadas ao trabalho sentado e com computadores. Djalma Patricio - FURB 6
    7. 7. - A importância da função estética no design deprodutos consiste em promover a atratividade dosobjetos motivando também uma melhorusabilidade dos mesmos, conduzindo a umaexperiência satisfatória entre o consumidor e oproduto;- A atividade projetual do designer vai além daconstrução estética e funcional do objeto, elaconsiste na criação de produtos considerando osseus significados, para assim projetarexperiências, proporcionando relações emocionaiscom o usuário Djalma Patricio - FURB 7
    8. 8. “Notas para uma História do Design”• Pedro Luiz Pereira de Souza Editora 2AB, 2001 Com o objetivo de suscitar debates, o autor apresenta um conjunto de reflexões, notas e questões, abordando questões ideológicas, filosóficas e políticas e fornecendo informação básica para que se estruture um conhecimento crítico sobre as origens e o desenvolvimento do design moderno. Através de referências objetivas, encontra-se um panorama geral desde as origens do pensamento funcionalista até as iniciativas pós-modernistas. 8
    9. 9. Exercicio: Escolher e descrever um produto segundo suaFuncionalidade,Ergonomia,e Estética. Djalma Patricio - FURB 9
    10. 10. A comunicação conquistou maior importância no final do séculoXX, com peso na significação damensagem levada pelo produto. Djalma Patricio - FURB 10
    11. 11. O Design na Comunicação proporciona umavisão alargada do design na comunicação,através da introdução às técnicas e àsmetodologias mais avançadas neste contexto.A apresentação de modelos teóricos e visões dacomunicação visual possibilita ter uma visãogeneralizada dos desafios que se colocam aodesigner no contexto da comunicação Djalma Patricio - FURB 11
    12. 12. Design para a Comunicação são vistas etipificadas as políticas de gestão dedesign para as empresas maisimportantes.O papel e a relevância do design emcontextos organizacionais é, além do fatoróbvio de sobrevivência profissional, umcaminho para o desenvolvimento denovos conceitos e metodologias dandouma ênfase forte ao encadeamentoprojetual. Djalma Patricio - FURB 12
    13. 13. Design pela Comunicação: Dada a preponderânciaincontornável dos média nos nossos quotidianos,aprender e medir o impacto da comunicação no design énão só uma maneira inteligente de aprender, mastambém uma ótima estratégia de seleção de práticasprojetuais adequadas.A relevância com que a comunicação influencia o designé uma conseqüência que justifica só por si o seu estudo,porém essa vantagem não é única, sendo tambémimportante perceber o que se verifica em termos dalegitimidade social da profissão do design.A Gestão do design já não é uma disciplina nova, é nocontexto organizacional uma realidade que deve ser bemestudada pelos designer e é isso que pretendemos fazer. Djalma Patricio - FURB 13
    14. 14. O produto carrega expressões de elaboração e produção, i.é,cultura e tecnologia – é elemento de comunicação. Djalma Patricio - FURB 14
    15. 15. O processos de produção é um instrumento deestruturação e reflexão coletiva, dosprocedimentos mais comuns e necessários àsboas práticas nestes domínios. Oferece aodesigner a possibilidade de se enquadrarem nodomínio das artes. Este módulo pode serconsiderado estrutural, no sentido em quepermite desenvolvimentos nos domínios da cor,forma, tipo, bem como a sistematização demuitas outras problemáticas que ocorrem nestecampo de atividade. Djalma Patricio - FURB 15
    16. 16. Assim, além das funçõesprática, estética e deuso, tem a funçãosignificativa.O produto de design étratado como portadorde representações,participante de umprocesso decomunicação. Djalma Patricio - FURB 16
    17. 17. O processo de Comunicação ocorrequando o emissor (ou codificador) emiteuma mensagem (ou sinal) ao receptor(ou decodificador), através de um canal(ou meio). O receptor interpretará amensagem que pode ter chegado até elecom algum tipo de barreira (ruído,bloqueio, filtragem) e, a partir daí, dará ofeedback ou resposta, completando oprocesso de comunicação. Djalma Patricio - FURB 17
    18. 18. Elementos da Comunicação:- Codificar: transformar, numcódigo conhecido, a intençãoda comunicação ou elaborarum sistema de signos;- Decodificar: decifrar amensagem, operação quedepende do repertório(conjunto estruturado deinformação) de cada pessoa;-Feedback: corresponde àinformação que o emissorconsegue obter e pela qualsabe se a sua mensagem foicaptada pelo receptor.(Falaremos mais sobre istono capitulo 4)Djalma Patricio - FURB 18
    19. 19. 2- DESIGN ECOMUNICAÇÃO O designer é umarticulador com o setor produtivo. Djalma Patricio - FURB 19
    20. 20. O produto diz de si próprioatravés de suas qualidades ecaracterísticas, o seu modo deprodução, serventia e para quemse dirige. Djalma Patricio - FURB 20
    21. 21. Para que serve a semióticano design?Há um caráter estratégico,na manutenção e circulaçãode produtos e serviços. Djalma Patricio - FURB 21
    22. 22. A Semiótica no design de produtoestabelece que todo objeto, além de suafuncionalidade prática e estética,também é um símbolo cultural, algo quetem um significado. Por exemplo: umacadeira, além de servir para descanso edecorar um ambiente, é um símbolo destatus social, ou uma lembrança de umente, ou uma peça de moda. Djalma Patricio - FURB 22
    23. 23. A forma de um objeto também comunica suafunção (tornando o objeto amigável) e aquiloque o usuário deseja. No caso de umacadeira, as características desejadas podemser resistência, ou limpeza, ou tradição.Quando o objeto é promocional, elerepresenta uma empresa, e se torna umsímbolo desta.Para comunicar qualquer idéia por meio deum objeto é preciso pensar de acordo com aComunicação Visual. Djalma Patricio - FURB 23
    24. 24. Comunicação Visual é todo meio decomunicação expresso com a utilização decomponentes visuais, como: signos,imagens, desenhos, gráficos, ou seja, tudoque pode ser visto. O termo comunicaçãovisual é bastante abrangente e não precisaser limitado a uma única área de estudo ouatuação, embora o termo possa ter o mesmosentido de design gráfico. Djalma Patricio - FURB 24
    25. 25. O designer deve estar atento àrelação comunicativa entreproduto e usuário, funçãosemiótica.Exercício: Escolha um produto e descreva pelo menos seisreferências comunicativas (o que ele passa ao consumidor). Djalma Patricio - FURB 25
    26. 26. Na medida em que Objeto tendea se revelar por meio de seussignos, a semiose seria oprocesso que abre apossibilidade continua de futurarestauração desse objeto. Djalma Patricio - FURB 26
    27. 27. Um bom design busca conforto,segurança, identificação esignificação, proporcionadas peloproduto ao seu destinatário.Usabilidade e segurança nos produtos deconsumo: um diferencial na qualidade dodesign. Djalma Patricio - FURB 27
    28. 28. “ Nenhum produto pode ser consideradocomo absolutamente seguro. Para se atingira um nível aceitável de segurança noproduto necessita-se definir uma estratégiade design e avaliação de produtoadequados.Esta estratégia envolve diversas etapas queavaliem a segurança do usuário e ausabilidade do produto. A legislação deproteção aos direitos do consumidorapresenta uma nova dimensão ao processode design. > Djalma Patricio - FURB 28
    29. 29. ... “ As elevadas perdas decorrentes deações judiciais representam, ao menospara as grandes empresas, umaresponsabilidade muito grande para serdeixada nas mãos de um único designerou um departamento isolado.Os elevados custos decorrentes de taisperdas, em termos financeiros e danos aimagem da empresa, podem comprometerseriamente a permanência da empresa nomercado.” > Djalma Patricio - FURB 29
    30. 30. ... A ergonomiaapresenta-se como umadisciplina científicacom um corpo deconhecimento que,aplicado desde o iníciodo processo dedesenvolvimento doproduto, melhora a suausabilidade e incorporavalor ao produto nadisputa pelo mercadode consumo”.(Marcelo MárcioSoares ) Djalma Patricio - FURB 30
    31. 31. Por que o emprego da semiótica não é habitual em projetos de design? Djalma Patricio - FURB 31
    32. 32. Talvez falte aprofundamentoteórico nos cursos;Exista superficialidade daatuação do profissional;Falte a consolidação de critériosde design, confundidos com omarketing. Djalma Patricio - FURB 32
    33. 33. Com humor, veja a diferença entre marketing, relaçõespúblicas, propaganda e branding. Djalma Patricio - FURB 33
    34. 34. Djalma Patricio - FURB 34
    35. 35. Djalma Patricio - FURB 35
    36. 36. “Publicidade/propaganda” Djalma Patricio - FURB 36
    37. 37. Branding significa, literalmente, atribuir uma marca a um produto ou serviço Djalma Patricio - FURB 37
    38. 38. Marketing compreende toda umaorganização e seus participantes,conceitos e ferramentas, com uma visãoestratégica dos relacionamentos queenglobam organização e mercado, tantopara empresas como para pessoas, quetambém podem, e devem, usarestratégias mercadológicas para atingirobjetivos em âmbito pessoal. Nãoapenas venda ou publicidade. Djalma Patricio - FURB 38
    39. 39. 3- ELEMENTOS DE SEMIOTICADo grego semeion = signo = algo que está para outra coisa. Djalma Patricio - FURB 39
    40. 40. “O estudo dos signos começa com asorigens dos homens, pois entender einterpretar o mundo e os homenssignifica estudar signos.Porém, o advento da ciência geraldos signos é de tempos maisrecentes. A Antiguidade grega tinhauma filosofia do signo, que era umateoria do conhecimento humano.> Djalma Patricio - FURB 40
    41. 41. > A Idade Média desenvolveu a suaprópria “doutrina dos signos”, queculminava numa tipologiaelaboradíssima dos signos.Na Renascença foram publicadasmais obras significativas sobre ossignos, sob designações tais comoscientia de signis ou tractatus designis.” (Winfried Nöth) Djalma Patricio - FURB 41
    42. 42. Winfried Nöth Djalma Patricio - FURB 42
    43. 43. Segundo Peirce, signo é algoque representa alguma coisapara alguém em determinado contexto. Djalma Patricio - FURB 43
    44. 44. O signo tem o papel de mediador entre algo ausente e um intérprete presente.Djalma Patricio - FURB 44
    45. 45. Os signos se organizam emcódigos, constituindo sistemasde linguagem, base dacomunicação:-Linguagem Verbal - falada e escrita;- Linguagem Não Verbal – gestual, imagética,sonora,...;- Linguagem Sincrética – códigos de naturezasdistintas.(Falaremos mais sobre signos no capitulo 5) Djalma Patricio - FURB 45
    46. 46. SEMIOTICA APLICADA AO PROJETO DE DESIGN O produto deve ser inserido nocenário político, econômico, social e cultural, histórico e geográfico. Djalma Patricio - FURB 46
    47. 47. Interagem comfiltros psicológicos,através da percepção, culturais eemocionais. Djalma Patricio - FURB 47
    48. 48. Sensação CogniçãoEnergias Ó os /Sentidos rgã FiltrosLuminosa Olhos/ Visã o Instintivos:Sonora Ouvidos/ Audiç ã o NecessidadesQuímica Epité lio/ Olfato biofísicasTé rmica Pele-Tecidos/ Tato-té rmico Psicoló gicos:Mecâ nica Pele-Tecidos/ Tato-textura Experiê ncias,Química Língua/ Paladar ExpectativasAceleraç ões Labirintos/ Vestibular/ Equilíbrio. Culturais:Mecâ nica reflexa Espiral Neural Sinesté sico Vivê ncias, Informaç õ esEstímulo Instintivo Sistema Nervoso Simpá tico e Parassimpá tico Oxigenaç ã Sede, Fome, Sono, Medo o,INPUT > Imagem Mental / Realidade Virtual >OUTPUT< Escala de Valores Ideais <OLIVEIRA, Lívia - Percepção e Representação do Espaço Geográfico, in Percepção Ambiental: a experiênciabrasileira. São Paulo, Studio Nobel e Editora da UFSC, 1996 Djalma Patricio - FURB 48
    49. 49. O Sistema Nervoso Autônomo (SNA) é composto por duas porçõesdistintas:Simpático e parassimpático:De modo geral, esses dois sistemas têm funções contrárias(antagônicas). Um corrige os excessos do outro. Por exemplo, se osistema simpático acelera demasiadamente as batidas do coração, osistema parassimpático entra em ação, diminuindo o ritmo cardíaco.Se o sistema simpático acelera o trabalho do estômago e dosintestinos, o parassimpático entra em ação para diminuir ascontrações desses órgãos. Djalma Patricio - FURB 49
    50. 50. Esse processo de interação é oObjeto de estudo de diferentesáreas: ergonomia, antropologia,(...), estética, semiótica, etc.Exercício: Liste três produtos para cada filtro psicológico =instinto, psicológico e cultural. Djalma Patricio - FURB 50
    51. 51. 4- ANÁLISE COMUNICACIONAL EM DESIGN Gerador X Interpretador Djalma Patricio - FURB 51
    52. 52. Gerador: empresário e designer,conhecimento, acervo,comunicação com usuários ounão;Interpretador: destinatário. Amensagem percorre diferentescanais até o público alvo. Djalma Patricio - FURB 52
    53. 53. O designer deve conhecer asintenções, metas, exigências e limitações do cliente. Djalma Patricio - FURB 53
    54. 54. Gerador e Interpretador sãointerlocutores do processo decomunicação, na mensagem. O primeiro leva o segundo a acreditar e, depois, decidir pelo produto. Djalma Patricio - FURB 54
    55. 55. O código é o conjunto designos que compõem amensagem, e temos ocanal por onde envia amensagem.GERADOR/Emissor – CODIGO/ Meio/MENSAGEM – (Produto como Meio)- INTERPRETADOR/ ReceptorExercício: tomando um produto industrial como exemplo,identifique cinco áreas de conhecimento necessários para odesigner projetá-lo. Djalma Patricio - FURB 55
    56. 56. FATORES INTERVENIENTES NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃOPropósito Comunicacional: Persuasão emanipulação; Djalma Patricio - FURB 56
    57. 57. A persuasão comoestratégia doGerador sobre ointerpretador, darcredibilidade, estarpredisposto. Persuasão: capacidade de convencer Djalma Patricio - FURB 57
    58. 58. A manipulação do destinatário,para que assuma, aceite, faça.Há um componente persuasivoprévio.As táticas de manipulação:intimidação, provocação,tentação e sedução.Manipulação aquilo que se leva na mão ou do que pode ser contido na mão;violadao aberta e deslavada da liberdade do homem; o exercício do poder semlegitimadao, sem autoridade. Djalma Patricio - FURB 58
    59. 59. Repertório – memória, referência,experiências, conhecimento. Estabelece arelação comunicativa.Codificação/Decodificação – domíniodos códigos.Utilização do Canal – meio pelo qual oscódigos que compõem a mensagem...Escolha adequada do canal. Djalma Patricio - FURB 59
    60. 60. Nível de Informação e Nível deRedundância:A informação é imprevisível, novidade,originalidade;A redundância o contrário.Nível de Ruído: qualquer forma deinterferência na mensagem.Exercício: Na compra de um determinado produto, ocliente espera novidades: liste seis produtos indicando aomenos um item mais esperado. Djalma Patricio - FURB 60
    61. 61. EFEITOS DE SENTIDONoção do olhar quando em contatocom o produto.Modo como interagem com o objeto. Djalma Patricio - FURB 61
    62. 62. O que se dá no encontro do interpretadorcom a mensagem.Elementos de comunicação – o produto:material, dimensão, proporção, partes,organização, cores, acabamento, etc.Eixo Sintagmático. Djalma Patricio - FURB 62
    63. 63. Os lingüistas estruturalistas propuserama distinção entre eixo sintagmático (eixohorizontal de relações de sentido entre asunidades da cadeia falada, que se dãoem presença) e eixo paradigmático (eixovertical das relações virtuais entre asunidades comutáveis, que se dão emausência). Djalma Patricio - FURB 63
    64. 64. Sintagma X ParadigmaO sintagma, definido porF.Saussure como “a combinação deformas mínimas numa unidadelingüística superior”, e surge a partirda linearidade do signo, ou seja, eleexclui a possibilidade de pronunciardois elementos ao mesmo tempo,pois um termo só passa a ter valora partir do momento em que ele se Exercicio:contrasta com outro elemento. Escolha 6Já o paradigma é ,como o próprio produtos queautor define, um "banco de não se usamreservas" da língua fazendo com mais, e outros 6que suas unidades se oponham muitos usados,pois uma exclui a outra. destacando o design. Djalma Patricio - FURB 64
    65. 65. 5- SIGNOS (segundo Peirce)Algo que representa alguma coisa paraalguém em determinada circunstância. Djalma Patricio - FURB 65
    66. 66. Representa um Objeto, está em seu lugar.Vários exemplos de CASA. Djalma Patricio - FURB 66
    67. 67. Objeto originador do signo – Objeto Dinâmico;Objeto que é o próprio signo – Objeto Imediato;Interprete Dinâmico – gerado pelo signo, fora dele;Interprete Imediato – apto do signo;Objeto X Interpretante, dinâmicos e imediatos; Djalma Patricio - FURB 67
    68. 68. RELAÇÕES SIGNICAS:1- Primeira Tricotomia –do representamen;2- Segunda Tricotomia –do Objeto;3- Terceira Tricotomia –do Interpretante. Djalma Patricio - FURB 68
    69. 69. Os Níveis:- Nível Sintático (Relação instrumental) -representamen;- Nível Semântico (Relação Objetiva) -Objeto;- Nível Pragmático (RelaçãoInterpretativa) - Interpretante. Djalma Patricio - FURB 69
    70. 70. sintático (deve haver regras consistentesna utilização dos signos)semântico (os signos devem ter algumsignificado)pragmático (os signos criados pelousuário - input - devem ter efeito noestado do sistema e os signos exibidospela interface - output - devem ter efeitono usuário)Fonte: http://www.usabilidoido.com.br/ Djalma Patricio - FURB 70
    71. 71. 1- SIGNO EM SI OUREPRESENTAMENÉ algo que integra o processo derepresentação. É suporte das significações,corresponde às dimensões sintáticas emateriais do produto:- QUALISIGNO – Uma qualidade que ésigno;- SINSIGNO – Particulariza e individualiza;- LEGISIGNO – Convenções e regras. Djalma Patricio - FURB 71
    72. 72. Qualisigno: de qualidade. Uma estrela pode, porexemplo, ser qualisigno pelo fato de brilhar. Umaqualidade é a que diretamente nos fala de um signo.Cores...Sinsigno: o mero existir, momentâneo, etc., é o que nospermite falar de signo. Um raio deve existir e aparecere por ele podemos chegar a dizer que seja signo. Umsigno que seja sinsigno atuará através de suasingularidade, temporalidade ou localização únicas.Legisigno: deve existir para os legisignos umaconvencionalidade (disposição habitual, "lawlike"...). Ofato de que, por exemplo, uma determinada cor sejausada para o perigo dota a luz vermelha de certacapacidade (por convenção) de representar seu objeto. Djalma Patricio - FURB 72
    73. 73. 2- OBJETO – Algo passível derepresentação:- ÍCONE – Representação porsemelhança, analogia, expressiva;- ÍNDICE – Representação por marcas queo objeto dinâmico causa;- SIMBOLO - combinação de signos. Djalma Patricio - FURB 73
    74. 74. Ícones: quando as característicasrepresentativas semelham ao objeto:diagramas como ícones. Obviamentequando desenha uma casa pararepresentar tal cosa esta fazendo umícone. Djalma Patricio - FURB 74
    75. 75. ÍconesDjalma Patricio - FURB 75
    76. 76. Índices: quando representamos por característicascontiguas com o objeto, estabelecendo então o índicesua correlação principalmente por estes meios, comcerta singularidade: o vento que faz mover-se umajanela... vemos que este é um evento cujo carátercausal, existencial, faz que o vejamos índice, um tipode signo segundo a representação; Peirce diz que umíndice envolve indivíduos e não diz nada sobre oobjeto, não generaliza, não coleciona. Também haíndices dêiticos, um dedo que sinala leva a umapercepção direta dessa contigüidade. Também o mero"labeling", letras em um diagrama, por exemplo, é umtipo de signo "índice". Djalma Patricio - FURB 76
    77. 77. Índice: onde há fumaça, ... Djalma Patricio - FURB 77
    78. 78. Símbolos: quando o signo estabelecesua correlação mediante característicasconvencionais. O hábito ou a regra geralnos símbolos pode ser natural(congênita) ou adquirida. Os símbolossão por sua vez singulares ou abstratos:singulares se seu objeto é um individualexistente, como a lua. Abstratos quandoo objeto é algum caráter ou qualidade. Djalma Patricio - FURB 78
    79. 79. SímbolosDjalma Patricio - FURB 79
    80. 80. O símbolo perde seu caráter de signose não ha interpretante. O ícone não operde mesmo se não tenha inclusoobjeto que signar. O índice o perde senão ha objeto, não funciona, etc.www.mesetas.net/turbulencias/signo.html Djalma Patricio - FURB 80
    81. 81. Ícones:Imagem – primeiro nível do ícone;Diagrama – segundo nível do ícone;Metáfora – terceiro nível do ícone. Djalma Patricio - FURB 81
    82. 82. Índice de Identificação – traça a origemda causa;Índice de Indicação – evidencia o efeito. Djalma Patricio - FURB 82
    83. 83. Símbolo – relação entre objeto imediato eobjeto dinâmico – Relação porconvenção, associação não arbitrária.Os símbolos podem ser Icônicos,Indiciais e Símbolos simbólicos. Djalma Patricio - FURB 83
    84. 84. Exercício• Escolha um produto e identifique nele:• Ícone;• Índice;• Símbolo. Djalma Patricio – FURB 84
    85. 85. 3- INTERPRETANTE– Possibilidades (quase infinita) interpretativas do signo diferente dointérprete. O interpretante é o que o signo pode gerar na mente dealguém.-REMA – Primeiro nível do interpretante, impreciso,conotado;As rosas são vermelhas, o predicativo – são vermelhas – é um rema, pois trata-se dainterpretação que o intérprete faz de uma qualidade singular do signo.-DICENTE – Segundo nível que enseja particularizações,denotações;“Na arquitetura, a fachada de um prédio, que representa efetivamente uma unidadefechada e como tal pode ser julgada ou afirmada, é um dicente”-ARGUMENTO - Terceiro nível, de precisão, rigorcientífico.Com isso, é possível perceber que o argumento que expressa verdades, oujuízos verdadeiros. Djalma Patricio - FURB 85
    86. 86. EXPERIÊNCIA SIGNICA:- PRIMEIRIDADE – Pré-reflexivo, sensível,qualitativo;- SECUNDIDADE – a experiência,manifestação e relação de causa;-TERCEIRIDADE – A regra, a convenção, aciência, o controle.-Peirce se baseia na Fenomenologia. Djalma Patricio - FURB 86
    87. 87. Níveis:- PRIMEIRIDADE - QUALISIGNO - ÍCONE - REMA- SECUNDIDADE - SINSIGNO - ÍNDICE - DICENTE- TERCEIRIDADE - LEGISIGNO - SIMBOLO - ARGUMENTO Djalma Patricio - FURB 87
    88. 88. Fenomenologia é uma investigação que busca a essência inerente da aparência. Vale ressaltar que o termo aparência assume duas concepções simetricamente opostas. 1. Ato de ocultar a realidade. 2. manifestação ou revelação da mesma realidade. Pelo 2°. significado, a aparência é o que manifesta ou revela a própria realidade, de modo que esta encontra na realidade a sua verdade, a sua revelação. Aparência é qualquer coisa de que se tem consciência. Qualquer coisa que apareça à consciência é uma área legítima da investigação filosófica.Além do mais, aparência é uma manifestação da essência daquilo de que é a aparência. (Emanuele Coelho)(Origem e historia da semiótica e semiologia, trataremos em outro momento) Djalma Patricio - FURB 88
    89. 89. 6 – DIMENSÕES DO PRODUTO- Dimensão Material – Hílico;- Dimensão Técnica/Construtivas –Sintaxe;- Dimensão da Forma – Semântica;- Dimensão do Uso – Pragmática. Djalma Patricio - FURB 89
    90. 90. Os aspectos materiais (Hílico) do produto influenciam as outras dimensões. Djalma Patricio - FURB 90
    91. 91. - Dimensão Sintática– Abrange estrutura e funcionalismo,análise de construção e dos detalhesvisuais, descritos como aspectos dacomposição formal (simplicidade ecomplexidade) ou aspectos comoqualidades matemáticas. O ritmo(qualidade aritmética) requer a repetiçãode um detalhe visual na forma. Djalma Patricio - FURB 91
    92. 92. Um detalhe afeta outro que afeta o todo(exemplo das cores em um produto). Arelação com o contexto/ambiente podeser neutra ou dominante, pode sercoerente, divergente ou ambígua(exemplo os equipamentos de cozinha). Djalma Patricio - FURB 92
    93. 93. - Dimensão Pragmática– Vários pontos de vista, como ergonômico,sociológico, tempo, estético, etc. Exemplo dosdiversos tipos de facas, variando conforme ocabo, o corte, o tamanho, (...) Muitas funções epropósitos. Outro exemplo, os telefones, váriostipos e modelos, lembranças, recordações,evocações, ... Djalma Patricio - FURB 93
    94. 94. - A Semântica do Produto-A qualidades expressivas e representacional,aspectos de referência à dimensão sintática e àmaterial, estando sujeita a mudanças. Umacadeira com seus usos e modos. Qualidade quemuda com o material.-O aspecto semântico trata só das possibilidadesde descrição de um objeto dinâmico. Djalma Patricio - FURB 94
    95. 95. Exercício:• Escolha um produto e defina principais itens de cada dimensão:• - Hílico;• - Sintaxe;• - Semântico;• - Pragmático. Prof. Djalma Patricio -Furb 95
    96. 96. 7. IDENTIDADE DO PRODUTO Quanto mais um produto informar, mais forte é a sua identidade:- Informação sobre a existência –condição fenomênica;- Informação sobre a origem – designer,fabricante, país,...- Informação sobre a qualidade – função,uso, manutenção,... Djalma Patricio - FURB 96
    97. 97. Categorias de características manifestas no produto:- Os elementos da configuração;- Os materiais e os procedimentos;- Composição e organização;- Esquema cromático, odores, sons, ... Djalma Patricio - FURB 97
    98. 98. 8. REFERÊNCIAS NO PRODUTOAs questões signicas no produto são segundocontexto cultural e processo comunicacional.O designer deve ter familiaridade, compreensãoe domínio do grupo cultural onde inserir oproduto. Conquistar confiabilidade. Djalma Patricio - FURB 98
    99. 99. Referências Icônicas -aspectos de semelhança:- A tradição da forma (associa um produto a um grupo deprodutos);- Semelhança cromática (referir-se a qualidades e àidéias);- Semelhança de material (referir-se a outra coisa/atividade);- Metáfora (referência a outro objeto, por analogia);- Estilo (relacionando-se entre si);- Semelhança de ambiente (referir-se a um ambienteespecífico); Djalma Patricio - FURB 99
    100. 100. Referências Indiciais - está subjacente uma determinação de causalidade/vestígios:- Traços de ferramenta ou de máquina;- Cor;- Forma indicativa;- Marcas de uso;- Outros traços;- Sinais luminosos e sonoros;- Som de uso e barulho de um produto;- Cheiro;- Toque ao material;- Algarismos. Djalma Patricio - FURB 100
    101. 101. Referências Simbólicas- os símbolos são de inicio estabelecidos culturalmente e, então, difundidos: - Símbolos gráficos (nome, logotipo,letras...);- Cor simbólica;- Forma simbólica;- Posições e posturas simbólicas;- Material simbólico. Djalma Patricio - FURB 101
    102. 102. Relação Produto/Interpretador- Aspectos temporais e espaciais,caracterização, situação, motivações,expectativas, ontologia, finalidades,tipologia, características físicas,semelhanças, designações, produto comoveículo de comunicação, papel dediscriminação, integração ou ordenaçãosocial. Djalma Patricio - FURB 102
    103. 103. 9. PROPOSTA DE UMA ABORDAGEM SEMIÓTICA DO PRODUTO DE DESIGNAtingir um objetivo comunicacional em umprojeto de design. Djalma Patricio - FURB 103
    104. 104. Identificação dos valores centrais –Comunicar algo... algo compersonalidade, reflexo da visão e dasintenções dos responsáveis. Djalma Patricio - FURB 104
    105. 105. - Ver os desafios, mudanças eexpectativas;- As medidas estratégicas, ascompetências;- Os recursos, serviços, produtosrequeridos.Decomposição, brainstorming, formuladoscomo “re-briefing”. Djalma Patricio - FURB 105
    106. 106. Primeira Parte: Construindo um Personagem.O designer tem o compromisso decomunicar mensagens por meio de umalinguagem formal. Djalma Patricio - FURB 106
    107. 107. -Identificar as qualidades centrais.-Representar a posição doempreendimento.-Analisar o briefing do cliente.-Tipo de público. Djalma Patricio - FURB 107
    108. 108. -Construir um personagem que tipifique esseinterlocutor (público alvo).Os geradores do projeto elaboram seu perfil(sexo, idade, cultura,...).Relacionar ao produto segundo seus prazeres:- Fisiológicos;- Sociais;- Psicológicos e- Ideológicos. Djalma Patricio - FURB 108
    109. 109. Segunda Parte: Encontrando uma voz visual.Um trabalho de equipe, interessados noproduto, como investidores, fornecedores,clientes, empregados... Djalma Patricio - FURB 109
    110. 110. -Fazer uma listagem das palavrasrelacionadas;-Fazer uma síntese dessas idéias;-Captar o conjunto de atributos que seexpressa;-Retirar a imagem que se destaque;-Buscar o consenso, elaborando umbriefing; Djalma Patricio - FURB 110
    111. 111. O designer deve identificar elementosrecorrentes como: características, cores, luminosidades, tipos, contrastes, complementos, acordes, repetições, texturas, espessuras, linhas e áreas. Djalma Patricio - FURB 111
    112. 112. O Fluxograma mostra a sistematizaçãodo processo por meio das etapas daestratégia.Cabe ao designer decidir quais serão osenunciados que devem ser transpostossob uma configuração imagética ouverbal. Djalma Patricio - FURB 112
    113. 113. Terceira Parte: Associações nas Classes Sígnicas.Organizar em forma de tabela asrepresentações alfa-pictoricas de todos oscomponentes Djalma Patricio - FURB 113
    114. 114. Exemplo: Comp.1 Comp.2 Comp. 3Icônica RG RG RGIndicial RG RG RGSimbólica RG RG RGRG= Representações GráficasCada item é analisado por seus elementos imagéticos, decompostosem Qualisignos, Sinsignos e Legisignos.O número de conexões, em principio, é infinito. Algumas decisõesprojetuais são na fase analítica dos componentes do enunciado. Djalma Patricio - FURB 114
    115. 115. GERAÇÃO DE ALTERNATIVASNeste ponto do processo de design sãofeitos os esboços.Com nova discussão se confronta asdiferentes propostas. Djalma Patricio - FURB 115
    116. 116. A abordagem de geração de alternativasestá baseada na teoria semiótica, com adiferenciação dos vários tipos de signosnas diferentes dimensões.Dar expressão formal ao propósitocomunicacional. Djalma Patricio - FURB 116
    117. 117. O designer, ao utilizar elementos delinguagem, em princípio denotativos, dorepertório presumido do interpretador doproduto, considera como definitiva a suadimensão pragmática. Djalma Patricio - FURB 117
    118. 118. AVALIAÇÃO DACOMUNICAÇÃO DO PRODUTO- Definição dos requisitos;- Possibilidade de isolar aspectos;- Consistência dos requisitos;- Possibilidade de reavaliação;- Avaliação de imagens;-Experimentação com modelos.-(Exercício conforme acima: escolha um produto eindique três itens para cada etapa) Djalma Patricio - FURB 118
    119. 119. Fonte:Elementos de Semiótica Aplicados ao DesignLucy Niemeyer, Ed. 2AB, Rio 2007 Djalma Patricio - FURBprof. Dr. 119 Djalma Patricio

    ×