Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Plantas Tóxicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Plantas Tóxicas

  • 1,375 views
Published

Breve conteúdo sobre plantas medicinais tóxicas...

Breve conteúdo sobre plantas medicinais tóxicas...

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,375
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
66
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Ciências Agrárias Ambientais e Biológicas E.R.V.A.S. PLANTAS TÓXICAS
  • 2. INTRODUÇÃO Conhecimento antigo e usos diversos.  Grécia antiga, índios, farmaceutica. Segundo dados do Sinitox (Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas), cerca de 60% dos casos de intoxicação por plantas tóxicas no Brasil ocorrem com crianças menores de nove anos. No Brasil os números parecem baixos. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), as plantas ocupam o nono lugar, sendo responsáveis por cerca de 2% dos casos de envenenamentos.
  • 3. O QUE SÃO PLANTAS TÓXICAS? São plantas as quais produzem substâncias capazes de exercer ação tóxica sobre organismos vivos. A ação tóxica. Caladium bicolor Vent Coffea arábica L.
  • 4. TOXICIDADE Definição de tóxico.  Via de administração da droga vegetal;  Dosagem  Sensibilidade do indivíduo.
  • 5. PRINCÍPIOS ATIVOS TÓXICOS Como são produzidos?  Princípios ativos?  O metabolismo secundário  Funções a planta  Por que produzir princípios “tóxicos”
  • 6. PRINCÍPIOS ATIVOS TÓXICOS 1. Diferentes partes de uma planta (raiz, caule, flores, frutos e sementes) freqüentemente contêm diferentes substâncias químicas ou diferentes concentrações de uma mesma substância; 2. A idade da planta e o estado de amadurecimento dos frutos contribuem para a variação nas concentrações das substâncias; 3. Clima, solo e estação do ano alteram a síntese de alguns compostos. Existem relatos de cultivares diferentes da mesma espécie e variedade apresentando diferentes constituições de algumas substâncias;
  • 7. PRINCÍPIOS ATIVOS TÓXICOS 4. Variedades da mesma espécie podem apresentar constituições químicas diferentes; 5. Patologias vegetais como ataques de fungos, ataques de bactérias e até mesmo a predação por herbívoros, podem induzir o vegetal a produzir substâncias que normalmente não produz; 6. Indivíduos diferentes apresentam diferentes taxas de sensibilização a certos compostos vegetais;
  • 8. ALGUMAS CLASSES DE PRINCÍPIOS ATIVOS TÓXICOS:  Proteínas Tóxicas Defesa contra patógenos ricina  Ácidos Orgânicos Proteção contra herbivoria Ácido Oxálico  Alcalóides Auxiliam no crescimento; proteção Alcalóides Tropânicos  Glicosídeos Cardiotônicos
  • 9. ATUAÇÃO NO ORGANISMO Proteínas tóxicas  Trato gastrintestinal Ácidos Orgânicos  Estômago convergindo para os rins Alcalóides  SNC Glicosídeos Cardiotônicos  Musculos estriados (Cardiaco)
  • 10. ALGUMAS PLANTAS TÓXICAS AVELÓS Família:Euphorbiaceae. Nome científico:Euphorbia tirucalli L. Nome popular: graveto-do-cão, dedo- do- diabo. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a seiva leitosa causa lesão na pele mucosas,edema (inchaço) de lábios,boca e língua, dor em queimação e coceira; o contato com os olhos provoca irritação, lacrimejamento, edema das pálpebras e dificuldade de visão; a ingestão pode causar náuseas, vômitos e diarréia. Princípio ativo: látex irritante.
  • 11. Avelós (Euphorbia tirucalli L.)
  • 12. BELADONA Família: Solanaceae Nome científico: Atropa belladona L. Nomes popular: beladona, cereja-da-loucura Partes tóxicas: a planta toda, mas principalmente os frutos, devido à facilidade de ingestão Sintomas: boca seca, diminuição das secreções, vermelhidão e secura da pele, hipertermia, alucinações, câimbras. Princípio ativo tóxico: (atropina, escopolamina) alcalóides tropânicos
  • 13. Beladona (Atroppa belladona)
  • 14. BUCHINHA Família :Cucurbitaceae Nome científico:Luffa operculata Cogn. Nome popular: buchinha-do-norte, buchina-paulista, cabacinha Parte tóxica: A planta toda. Ação biológica: as cucurbitacinas apresentam ações laxativas, hemolíticas,embriotóxicas e abortivas Sintomas: aparecem cerca de 24 horas após a ingestão de chás preparados com os frutos da planta. Náuseas, vômitos, dores abdominais e dores de cabeça são os sintomas primários. Posteriormente advêm hemorragias que podem levar ao coma e à morte. Princípio(s) tóxico(s): Isocucurbitacina B.
  • 15. Buchinha (Luffa operculata Cogn.)
  • 16. CHAPÉU-DE-NAPOLEÃO Família: Apocynaceae. Nome científico: Thevetia peruviana Schum. Nome popular: jorro-jorro, bolsa-de-pastor. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos. Ingestão: dor/queimação, sialorréia, náuseas, vômitos, cólicas abdominais,diarréia. Manifestações neurológicas com cefaléia, tonturas, confusão mental e distúrbios visuais. Distúrbios cardiovasculares: arritmias, bradicardia, hipotensão. Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento. Princípio Ativo: Glicosídeos Cardiotóxicos
  • 17. Chapéu de Napoleão (Thevetia peruviana Schum)
  • 18. COMIGO-NINGUÉM-PODE Família: Araceae. Nome científico: Dieffenbachia picta Schott. Nome popular: comigo-ninguém-pode, aninga-do-Pará. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a ingestão e o contato podem causar sensação de queimação, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, náuseas, vômitos, diarréia, salivação abundante, dificuldade de engolir e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea. Princípio ativo: oxalato de cálcio, saponinas.
  • 19. comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia picta Schott.)
  • 20. COPO-DE-LEITE Família: Araceae. Nome científico: Zantedeschia aethiopica Spreng. Nome popular: copo-de-leite. Parte tóxica: todas as partes da planta Sintomatologia: a ingestão e o contato podem causar sensação de queimação, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, náuseas, vômitos, diarréia, salivação abundante, dificuldade de engolir e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea. Princípio ativo: oxalato de cálcio.
  • 21. Copo de leite (Zantedeschia aethiopica Spreng.)
  • 22. COROA-DE-CRISTO Família: Euphorbiaceae. Nome científico: Euphorbia milii L. Nome popular: coroa-de-cristo. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a seiva leitosa causa lesão na pele e mucosas, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, dor em queimação e coceira; o contato com os olhos provoca irritação, lacrimejamento, edema das pálpebras e dificuldade de visão; a ingestão pode causar náuseas, vômitos e diarréia. Princípio ativo: látex irritante.
  • 23. Coroa de cristo(Euphorbia milii L.)
  • 24. ESPIRRADEIRA Família: Apocynaceae. Nome científico: Nerium oleander L. Nome popular: oleandro, louro rosa. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a ingestão ou o contato com o látex podem causar dor em queimação na boca, salivação, náuseas, vômitos intensos, cólicas abdominais, diarréia, tonturas e distúrbios cardíacos que podem levar a morte. Princípio ativo: glicosídeos cardiotóxicos
  • 25. Espirradeira (Nerium oleander L.)
  • 26. MAMONA Família: Euphorbiaceae. Nome científico: Ricinus communis L. Nome popular: carrapateira, rícino, mamoeira, palmade-cristo, carrapato. Parte tóxica: sementes. Sintomas: a ingestão das sementes mastigadas causa náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia mucosa e até sanguinolenta; nos casos mais graves podem ocorrer convulsões, coma e óbito. Princípio ativo: toxalbumina (ricina).
  • 27. Mamona (Ricinus communis L.)
  • 28. PINHÃO-ROXO Família: Euphorbiaceae. Nome científico: Jatropha gossypiifolia Nome popular: pinhão-de-purga, pinhão-paraguaio, pinhão-bravo, pinhão, pião, pião-roxo, mamoninho, purgante-de-cavalo. Parte tóxica: folhas e frutos. Sintomas: a ingestão do fruto causa náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia mucosa e até sanguinolenta, dispnéia, arritmia e parada cardíaca. Princípio ativo: toxalbumina (curcina).
  • 29. Pinhão roxo (Jatropha gossypiifolia .)
  • 30. Pinhão roxo (Jatropha gossypiifolia .)
  • 31. MANDIOCA-BRAVA Família botânica: Euphorbiaceae Nome ciêntífico: Manihot esculenta Crantz Nomes populares: mandioca-brava, mulatinha, mandioca-preta, manipeba. mandioca- Partes tóxicas: folhas e cascas das raízes Sintomas: vômitos, diarréia, sonolência, dores abdominais, convulsões musculares, torpor e coma Princípio ativo tóxico: glicosídeo cianogênico, que interfere na condução de oxigênio para as células. .
  • 32. Mandioca brava (Manihot esculenta Crantz)
  • 33. TROMBETA DE ANJO Família: Solanaceae. Nome científico: Datura suaveolens L. Nome popular: trombeta, trombeta-de-anjo, trombeteira, cartucheira, zabumba. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a ingestão pode provocar boca seca, pele seca, taquicardia, dilatação das pupilas, rubor da face, estado de agitação, alucinação, hipertermia; nos casos mais graves pode levar a morte. Princípio ativo: alcalóides beladonados (atropina, escopolamina e hioscina).
  • 34. Trombeta de Anjo (Datura suaveolens L.)
  • 35. TINHORÃO Nome científico: Caladium bicolor Vent. Nome popular: tajá, taiá, caládio Família: Aráceas. Parte tóxica: todas as partes da planta. Sintomas: a ingestão e o contato podem causar sensação de queimação, edema (inchaço) de lábios, boca e língua, náuseas, vômitos, diarréia, salivação abundante, dificuldade de engolir e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea. Princípio ativo: oxalato de cálcio.
  • 36. Tinhorão (Caladium bicolor Vent.)
  • 37. CICUTA Família botânica: Apiaceae Nome ciêntífico: Conium maculatum L. Nomes populares: cicuta, funcho-selvagem Partes tóxicas: folhas, caule, raízes, sementes e frutos não maduros Sintomas: as intoxicações com esta planta são mais comuns em animais. São eles: náuseas, vômitos, e às vezes com sangue; vertigens, distúrbios neurológicos, confusão mental, paralisia e coma. Princípio ativo tóxico: alcalóides (coniina, coniceína)
  • 38. Cicuta (Conium maculatum L.)
  • 39. PLANTAS TÓXICAS NA HISTÓRIA Histórico  Sócrates e a cicuta  Beladona  Índios e o curare
  • 40. USO DE PLANTAS TÓXICAS ATUALMENTE
  • 41. Catharantus roseus
  • 42. Estes foram os primeiros medicamentos eficazes no combate a leucemia. •Vimblastina = Velban •Vincristina = Oncovin
  • 43. MEDIDAS PREVENTIVAS 1 - Mantenha as plantas toxicas fora do alcance das crianças e dos animais domésticos. 2 - Procure identificar se possui plantas tóxicas em sua casa e arredores, buscando informações como nome e características. 3 - Oriente as crianças para não colocar plantas na boca e nunca utilizá-las como brinquedos (fazer comidinhas, tirar leite, etc.). 4 - Não utilize remédios ou chás caseiros com plantas sem orientação especializada. 5 - Evite comer folhas, frutos e raízes desconhecidas. Lembre-se de que não há regras ou testes seguros para distinguir as plantas comestíveis das venenosas. Nem sempre o cozimento elimina a toxicidade da planta. 6 - Tome cuidado ao podar as plantas que liberam látex, pois elas podem provocar irritação na pele e principalmente nos olhos. Evite deixar os galhos em qualquer local onde possam atrair crianças ou animais. Quando estiver mexendo com plantas venenosas use luvas e lave bem as mãos após esta atividade. 7 - Cuidados especiais também devem tomados com os animais domésticos. Animais filhotes e adultos muito ativos têm uma grande curiosidade por objetos novos no meio em que vivem e notam logo quando há um vaso diferente em casa ou uma planta estranha no jardim.