“Cora Coralina, de Goiás”                                     Gilson P. Borges       No coração do Planalto Central, no ce...
Cantídio Tolentino de Figueiredo Brêtas, chegou a Goiás. Entre todas as moças casadoirasda cidade, mais bonitas e “talento...
poemas e, para isso, aos 70 anos de idade, iniciou um curso de datilografia, sendo não só aestudante mais idosa da escola,...
Na música de seus versos.       Cora começou a compor seus poemas quando tinha 14 anos. Enquanto viveu emSão Paulo ela tam...
De chinelinha,       E filharada.       Vive dentro de mim       A mulher roceira.       - Enxerto da terra,       Meio ca...
Goiás e da Academia Goiana de Letras. Sua obra encontra-se reunida nos livros Poemasdos Becos de Goiás e Estórias Mais, 19...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Artigo Cora Coralina

982

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
982
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Artigo Cora Coralina

  1. 1. “Cora Coralina, de Goiás” Gilson P. Borges No coração do Planalto Central, no centro da cidade de Goiás, Estado de Goiás,ainda pulsa, na Casa Velha da Ponte, toda a força da poesia de Cora Coralina. Sua obraimortalizou pessoas, estórias e lendas de Goiás, traduzindo todo o encanto dessa cidade queacaba de ser agraciada pela Unesco com o título de Patrimônio Histórico da Humanidade. Quem tem gravada na memória a imagem dessa simpática velhinha, dificilmenteimagina a verdadeira realidade vivenciada por essa incrível mulher. Cora Coralina, ou Ana Lins dos Guimarães Peixoto Brêtas, nasceu na cidade deGoiás, em 1889, fruto da união entre Francisco de Paula Lins dos Guimarães e JacinthaLuiza do Couto Brandão Peixoto. Ele era o segundo marido de Jacintha, 43 anos mais velhoque ela, e faleceu dois meses após o nascimento de Cora. Segundo Vicência Brêtas Tahan, filha de Cora Coralina, em seu livro CoraCoragem, Cora Poesia, a infância da poetisa não foi muito fácil. Primeiramente, elafrustrou todas as expectativas de sua mãe, que desejava um filho. Além disso, todos nacidade consideravam-na uma garota estranha (“Eu era triste, nervosa e feia.”), e mesmouma das alunas mais atrasadas nas aulas da Mestra Silvina (“Nunca os algarismos me/entraram no entendimento./ De certo pela pobreza que marcaria/ para sempre minha vida./Precisei pouco dos números.”). Como se esses “defeitos” não bastassem, ela se entregava,ainda, ao “fútil” hábito de ler, ao invés de se preparar para conseguir um bom marido. Aos16 anos ela apaixonou-se por um rapaz chamado José, estudante de medicina do Rio deJaneiro, que passava suas férias escolares em Goiás. Entretanto, os pais dele decidirammandá-lo de volta ao Rio, antes do término de suas férias, pois temiam que ele seenvolvesse com aquela “estranha” mulher. A partir de então, a falta de pretendentes e oafastamento de suas amigas, já casadas e voltadas exclusivamente para assuntos queenvolviam família e filhos, levaram Cora a sentir-se mais e mais solitária. Por causa disso,ela mergulhou ainda mais fundo em seus livros e, com a idade “avançada” de 18 anos,passou a ser vista como um caso perdido. Alguns meses após seu vigésimo aniversário, embora já estivesse fadada ao tristedestino de solteirona, sua vida mudou quando um novo chefe de polícia, o advogado
  2. 2. Cantídio Tolentino de Figueiredo Brêtas, chegou a Goiás. Entre todas as moças casadoirasda cidade, mais bonitas e “talentosas” que Cora, ele se apaixonou por ela, sendoprontamente retribuído. Tudo parecia perfeito entre eles e ela poderia finalmente entregar-se ao matrimônio, contrariando todas as expectativas dos moradores do lugar. Seu sonho,no entanto, não durou muito tempo, pois descobriu-se que Cantídio não só já era casado emSão Paulo, onde tinha três filhos, mas também havia se tornado pai de outra criança noNorte do país, quando morou por lá, antes de mudar-se para Goiás. A mãe de Cora, então,proibiu-a de vê-lo, destruindo, dessa forma, toda e qualquer esperança de casamento paraela. Desafiando a autoridade de sua mãe, entretanto, Cora continuou a encontrar Cantídioem segredo e, como resultado desses encontros, ela se viu grávida. Como os habitantesconservadores da cidade, naquela época, não aceitariam sua gravidez e sua união com umhomem que já era casado, Cora e Cantídio decidiram fugir para o Estado de São Paulo.Assim, viajando em lombo de cavalo e de trem, eles chegaram à cidade de São Paulo, deonde partiram, alguns dias depois, para Jaboticabal. Em Jaboticabal, Cora dedicou-se a instituições de caridade, que tinham comoprincipais objetivos a distribuição de leite para crianças carentes, proporcionar tratamentomédico para pessoas idosas e obter empregos para os mendigos da cidade. Ela tambémcomprou uma fazenda, onde iniciou uma plantação de rosas, as quais eram vendidas paraamigos e vizinhos. Após 15 anos vivendo juntos, Cora e Cantídio receberam a notícia damorte da primeira esposa dele e eles puderam finalmente se casar. Essa união documentada,todavia, não durou muito. Em 1934 Cantídio também veio a falecer. Esse acontecimentolevou Cora a mudar-se para a cidade de São Paulo, onde seus filhos poderiam continuar aestudar. A fim de custear a educação deles, ela abriu uma pensão, que lhe rendia algumdinheiro, mas, ao mesmo tempo, deixava-a exausta. Ela, então, fechou a pensão e tornou-sevendedora de livros. Seu próximo empreendimento foi mudar-se para Penápolis, onde abriuuma loja de tecidos. Mudou-se mais uma vez, algum tempo depois, para Andradina, ondecomprou uma fazenda e começou a cultivar milho e algodão. Nessa última localidade, Corateve uma grande surpresa. Um deputado do Rio de Janeiro pediu-a em casamento, mas ela,apesar de muito lisonjeada, não pretendia casar-se novamente e recusou a proposta. Em 1956, Cora Coralina retornou a Goiás e começou a fazer e vender doces na CasaVelha da Ponte. Nessa época, ela passou a considerar seriamente a idéia de publicar seus
  3. 3. poemas e, para isso, aos 70 anos de idade, iniciou um curso de datilografia, sendo não só aestudante mais idosa da escola, mas também um símbolo de coragem e persistência para osmais jovens. Um dia, enquanto preparava seus doces, Cora caiu e quebrou uma perna. Seumédico sugeriu que ela fosse para Goiânia, onde os hospitais estariam melhor equipadospara tratá-la. Quando deixou Goiás, seus amigos presentearam-na com dúzias e dúzias derosas, as quais ela decidiu levar, dentro da ambulância, para enfeitar seu quarto de hospital.Ao chegar em Goiânia, o médico abriu a porta da ambulância e, ao ver a quantidade enormede flores, questionou a razão de terem-na levado para o hospital, se já estava morta. Cora,então, informou ao doutor que ainda pretendia continuar viva por mais algum tempo.Assim, foi operada e passou a locomover-se com o auxílio de muletas, as quais seriamposteriormente homenageadas com o poema “Ode às muletas” (“Muletas utilíssimas!.../Pudesse a velha musa/ vos cantar melhor!.../ Eu as venero em humilde gratidão”). Após o acidente, Cora passou a dar palestras e entrevistas por todo o país,divulgando sua obra e, aos 94 anos, foi homenageada com o título de doutora HonorisCausa pela Universidade Federal de Goiás. Suas freqüentes viagens, contudo, não forambenéficas para sua saúde e, após um forte resfriado, ela foi forçada a retornar a Goiás, ondeseu estado piorou, culminando com o seu falecimento, em 1985, em Goiânia. Ao abandonara vida, ela deixou quatro filhos, dezesseis netos e vinte e nove bisnetos. Seu corpo foienterrado junto ao de seu pai, na cidade de Goiás, em um túmulo adornado com o seguinteepitáfio composto por ela: Morta… serei árvore Serei tronco, serei fronde E minhas raízes Enlaçadas às pedras do meu berço São as cordas quebradas de uma lira. Enfeitai de folhas verdes A pedra do meu túmulo Num simbolismo De vida vegetal. Não morre aquele Que deixou na terra A melodia de seu cântico
  4. 4. Na música de seus versos. Cora começou a compor seus poemas quando tinha 14 anos. Enquanto viveu emSão Paulo ela também publicou diversos artigos de contestação a injustiças sociais,tornando-se uma mulher à frente de seu tempo, representante das mais diversas realidades,como pode-se constatar em seu poema “Todas as vidas”: Vive dentro de mim Uma cabocla velha De mau-olhado, Acocorada ao pé do borralho, Olhando para o fogo. Benze quebranto. Bota feitiço... Ogum. Orixá. Macumba. Terreiro. Ogã, pai-de-santo... Vive dentro de mim A lavadeira do Rio Vermelho. Seu cheiro gostoso D’água e sabão. Rodilha de pano. Trouxa de roupa, Pedra de anil. Sua coroa verde de são-caetano. Vive dentro de mim A mulher cozinheira. Pimenta e cebola. Quitute bem feito. Panela de barro. Taipa de lenha. Cozinha antiga Toda pretinha. Bem cacheada de picumã. Pedra pontuda. Cumbuco de côco. Pisando alho-sal. Vive dentro de mim A mulher do povo. Bem proletária. Bem linguaruda, Desabusada, sem preconceitos, De casca-grossa,
  5. 5. De chinelinha, E filharada. Vive dentro de mim A mulher roceira. - Enxerto da terra, Meio casmurra. Trabalhadeira. Madrugadeira. Analfabeta. De pé no chão. Bem parideira. Bem criadeira. Seus doze filhos, Seus vinte netos. Vive dentro de mim A mulher da vida. Minha irmãzinha... Tão desprezada, Tão murmurada... Fingindo alegre seu triste fado. Todas as vidas dentro de mim: Na minha vida – A vida mera das obscuras. A alta qualidade de seu trabalho foi elogiada por Carlos Drummond de Andrade, naseguinte carta a ela endereçada: Rio de Janeiro, 14 de julho, 1979. Cora Coralina: Não tenho o seu endereço, lanço estas palavras ao vento, na esperança de que ele as deposite em suas mãos. Admiro e amo você como a alguém que vive em estado de graça com a poesia. Seu livro é um encanto. Seu verso é água corrente. Seu lirismo tem a força e a delicadeza das coisas naturais. Ah, você me dá saudades de Minas, tão irmã do seu Goiás! Dá alegria na gente saber que existe bem no coração do Brasil um ser chamado Cora Coralina. Todo o carinho. Toda a admiração do seu, Carlos Drummond de Andrade. Seus dons poéticos também foram louvados através de diplomas, prêmios,medalhas, troféis e placas. Diversas bibliotecas, escolas, praças e ruas foram batizadas como seu nome e ela foi, ainda, eleita membro da Academia Feminina de Letras e Artes de
  6. 6. Goiás e da Academia Goiana de Letras. Sua obra encontra-se reunida nos livros Poemasdos Becos de Goiás e Estórias Mais, 1965; Meu Livro de Cordel, 1976; Vintém de Cobre,1983; Estórias da Casa Velha da Ponte, 1986; Os Meninos Verdes, 1986 e O Tesouro daCasa Velha, 1989. Em todos eles ela revive memórias de sua infância, incluindo sua antigaprofessora, Mestra Silvina (“E a mestra?.../Está no céu./ Tem nas mãos um grande livro deouro/ e ensina a soletrar/ os anjos”), os becos de Goiás (“Becos da minha terra.../ Becos deassombração./ Românticos, pecaminosos...”) e a Casa Velha da Ponte (“Velhodocumentário de passados tempos, vertente viva de estórias e lendas”), que abriga segredose mistérios de outros tempos, como a estória do recebedor dos quintos reais da CoroaPortuguesa, Thebas Ruiz, que, segundo a lenda, teria roubado uma grande quantidade deouro da Coroa e enterrado-o no porão da Casa. Após descoberto o roubo, Ruiz envenenou-se, a fim de não ser mandado para a cadeia em Portugal, e fez o mesmo com um de seusescravos, para que ele não revelasse a ninguém o esconderijo do ouro. Atualmente, a Casa Velha da Ponte, construída em 1890, é um museu chamadoCasa de Cora Coralina e, em uma de suas salas, o visitante pode encontrar a simpática Sra.Helena M. Lima que, através do projeto PROLER, busca incentivar o hábito da leitura. Paraisso, ela conta com a ajuda de “pílulas poéticas”, que trazem, em seu interior, trechos depoemas de “Cora Coralina, de Goiás”, alcunha a ela conferida por Drummond através dotítulo de um artigo escrito por ele e publicado no Jornal do Brasil, de 27 de dezembro de1980, onde faz a seguinte afirmação: “Cora Coralina, para mim a pessoa mais importantede Goiás. Mais do que o Governador, as excelências parlamentares, os homens ricos einfluentes do Estado. Entretanto, uma velhinha sem posses, rica apenas de sua poesia, desua invenção, e identificada com a vida como é, por exemplo, uma estrada.” Visitar Goiás e a Casa de Cora Coralina é, ainda hoje, experimentar um pouco damagia presente nos becos, casas e igrejas da cidade, tão bem expressa na obra dessa imortalpoetisa.

×