0
Asma
“Asma é uma condição inflamatória crônica das vias aéreas, cuja causa não
está completamente elucidada. Em consequênc...
Dados:
 Segundo o Ministério da Saúde, 10% da população brasileira tem asma e destes,
apenas 7% tem a doença controlada, ...
Epidemiologia
 Em muitos pacientes, pode ocorrer regressão espontânea. Porém, em um
terço persistirá na fase adulta.
 Os...
Definição:
 A asma brônquica é a inflamação crônica dos brônquios e bronquíolos, que ficam
mais estreitos e dificultam a ...
É uma doença hereditária que
acontece principalmente em
famílias de indivíduos alérgicos
(atópicos).
Fisio-patologia: Células Dendríticas
 Na asma alérgica, as células dendríticas são as
principais células apresentadoras d...
Fisio-patologia:
Poligenia
 Estímulos inflamatórios
(alérgenos, clima, substâncias
químicas, etc) aumentam o
número de fa...
Fisio-patologia: Reação Inflamatória
 O ácido araquidônico é liberado na célula por hidrólise de fosfolipídeos de
membran...
Fisio-patologia: Prostanóides
 Dos prostanóides formados, cinco são implicados no processo asmático:
 Prostagladina PGD2...
Fisio-patologia: Fator de Ativação Plaquetária
 Atuam em processos asmáticos, pois:
 Potente ação broncoconstritora;
 P...
Fisio-patologia: Leucotrienos
 Atuam em processos asmáticos, pois:
 Atuam em receptores específicos de neutrófilos, caus...
Fisio-patologia: Ação dos Leucotrienos
 Os leucotrienos (LTs) exercem um papel importante em cada um dos
mecanismos de br...
Desencadeantes de Inflamaçã Crônica:
 Exposição à determinados alérgenos nos primeiros anos de vida, em indivíduos
geneti...
Tipos:
 Leve: Crises de baixa intensidade e esporádicas, que pouco influem na vida
diária do paciente. Os sintomas são di...
Sintomas:
Os sintomas da asma brônquica
são episódios de:
 Falta de ar;
 Tosse;
 Cansaço;
 Chiado;
 Aperto no peito.
...
Agravantes:
Normalmente são desencadeada quando o paciente:
 Sofre infecções respiratórias, como gripe e pneumonia;
 É s...
Diagnóstico:
 Análise do histórico clínico: tipo de sintomas, antecedentes pessoais de alergia,
causa, duração, grau de i...
Diagnóstico:
 Testes alérgicos: exame “in vivo” para determinar causa; podem ser por
puntura (gotas na pele) e/ou intradé...
Tratamento: Broncodilatadores Simpaticomiméticos
 Medicamento de Resgate ou
Aliviador: promovem alívio, mas
não tratam a ...
Tratamento:Broncodilatadores Simpaticomiméticos
 Adrenérgicos beta-2 de curta duração (Salbutramol, Terbutalina): tem
efe...
Tratamento: Anticolinérgicos
 Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa
da doença.
 A...
Tratamento: Teofilinas Orais
 Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a
causa da doença.
 E...
Tratamento: Antagonistas de Receptor de Leucotrieno LTD4
 Medicamento Controlador,
porque reduzem a causa
(inflamação) da...
Tratamento: Inibidores da Síntese de Leucotrienos
 Medicamento
Controlador, porque
reduzem a causa
(inflamação) da asma.
...
Tratamento: Corticóides
 Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.
 Beclometasona, Budesonid...
Tratamento: Cromonas
 Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.
 Cromoglicato e Nedocromil S...
Tratamento: Imunoterapia
 É efetiva no tratamento de asma alérgica, rinite alérgica e hipersensibilidade
por picada de in...
Tratamento: Resumo
 Tratamento de Resgate ou Aliviador:
 Broncodilatadores de curta e longa duração: Salbutamol, Terbuta...
Curiosidades:
 A asma ocorre em todas as idades, sendo mais comum na infância.
 Filhos de asmáticos têm maior probabilid...
Referências Bibliográficas
 Crise de Asma. Disponível em:
http://www.crisedeasma.com.br/curiosidades.html. Acessado em:
1...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Asma

2,078

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,078
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Asma"

  1. 1. Asma “Asma é uma condição inflamatória crônica das vias aéreas, cuja causa não está completamente elucidada. Em consequência da inflamação, as vias aéreas tornam-se hiperresponsivas e se estreitam facilmente em resposta a inúmeros estímulos. Isso pode resultar em tosse, sibilos (chiados), sensação de opressão torácica e dispnéia, sendo esses sintomas mais comuns a noite. O estreitamento das vias aéreas é geralmente reversível, porém, em pacientes com asma crônica, a inflamação pode determinar obstrução irreversível ao fluxo aéreo. As características patológicas incluem a presença de células inflamatórias nas vias aéreas, exsudação de plasma, edema, hipertrofia muscular, rolhas de muco e descamação do epitélio.” Denise Medeiros Selegato
  2. 2. Dados:  Segundo o Ministério da Saúde, 10% da população brasileira tem asma e destes, apenas 7% tem a doença controlada, evitando as crises.  A asma é uma doença bastante comum em todo o mundo. A OMS estima que 100 a 150 milhões de pessoas sofram com este problema.  Em média, 78% dos pacientes com asma também têm rinite alérgica.  Em 2004, o SUS registrou 367.036 internações por asma.  Em 2002, a doença matou mais de 2.500 brasileiros e foi a quinta maior causa de internação em adultos.  De acordo com a Associação Brasileira de Asmáticos, somente 5% dos pacientes com asma apresentam sintomas contínuos, fazendo uso crônico de medicamentos.  De 6% a 8% das crianças com asma têm crises desencadeadas por alimentos.
  3. 3. Epidemiologia  Em muitos pacientes, pode ocorrer regressão espontânea. Porém, em um terço persistirá na fase adulta.  Os principais fatores para persistência são:  Sexo Feminino;  Início da doença com idade igual ou superior a 02 anos;  Pico de fluxo expiratório constantemente baixo durante a infância;  Pais com asma;  Contínua exposição à alérgenos;  História de eczaema e rinite.
  4. 4. Definição:  A asma brônquica é a inflamação crônica dos brônquios e bronquíolos, que ficam mais estreitos e dificultam a respiração do paciente. Esta inflamação faz com que os músculos que envolvem os brônquios e bronquíolos se contraiam com maior facilidade.  A inflamação e a maior facilidade da contração dos músculos tornam os brônquios muito sensíveis, e eles tendem a reagir fortemente com alérgenos ou substâncias irritantes.  Quando os brônquios reagem, eles tornam-se mais estreitos e o ar passa com maior dificuldade para dentro e para fora dos pulmões, causando chiado, tosse, aperto no peito e dificuldade para respirar.
  5. 5. É uma doença hereditária que acontece principalmente em famílias de indivíduos alérgicos (atópicos).
  6. 6. Fisio-patologia: Células Dendríticas  Na asma alérgica, as células dendríticas são as principais células apresentadoras de antígeno (APC) e as únicas capazes de ativar células T naive.  As células dendríticas produzem um alto nível de MHC-II e co-estimulador B7, estando em grande número no epitélio e submucosa das vias aéreas superiores e inferiores, isoladas do meio externo.  Após o alérgeno atravessar o epitélio, este entra em contato com as células dendríticas imaturas, sendo captados por endocitose, macropinocitose ou fagocitose particulada.
  7. 7. Fisio-patologia: Poligenia  Estímulos inflamatórios (alérgenos, clima, substâncias químicas, etc) aumentam o número de fatores de transcrição, que, por consequências, ativam determinados genes, levando a formação de proteínas envolvidas no processo inflamatório.  O aumento da expressão destas proteínas, como citocinas, quimiocinas e enzimas que produzem mediadores inflamatórios induzem, por sua vez, à ativação da cascata inflamatória, desencadeando as crises asmáticas. Eicosanóides: - PGH2: prostaglandina - PGI2: prostacicina - TX: tromboxano - LT: leucotrieno
  8. 8. Fisio-patologia: Reação Inflamatória  O ácido araquidônico é liberado na célula por hidrólise de fosfolipídeos de membrana quando ocorre aumento da concentração plasmática de cálcio (ativando a fosfolipase A2). Este pode ser enzimaticamente oxidado pelas:  Cicloxigenase, gerando prostaglandina e tromboxano;  Lipoxigenase, gerando leucotrienos;  Citocromo P450.  Também podem sem novamente hidrolisados à liso-fosfolipídio, formando, posteriormente, o fator de ativação de plaquetas (PAF).
  9. 9. Fisio-patologia: Prostanóides  Dos prostanóides formados, cinco são implicados no processo asmático:  Prostagladina PGD2: broncoconstritor;  Prostagladina PGE2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios. Também atua na asma induzida por AAS e na síntese e liberação de quimiocinas por macrófagos;  Prostagladina PGF2-alfa: broncoconstritor, vasoconstritor da circulação brônquica e intensifica secreção de muco;  Prostagladina PGI2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios;  Tromboxano TXA2: broncoconstritor.
  10. 10. Fisio-patologia: Fator de Ativação Plaquetária  Atuam em processos asmáticos, pois:  Potente ação broncoconstritora;  Potente fator quimiotáxicos para eosinófilos;  Promove estimulação neutrofílica;  Promove contração da musculatura lisa;  Aumenta permeabilidade vascular, com formação de edema;  Estimula secreção de muco;  Diminui do movimento ciliar (diminui capacidade de transporte);  Regula produção de citocinas em células mononucleares;  Aumenta a produção de TNF-alfa.
  11. 11. Fisio-patologia: Leucotrienos  Atuam em processos asmáticos, pois:  Atuam em receptores específicos de neutrófilos, causando elevação de cálcio intracelular e redução de AMPc, conduzindo à resposta quimitáxica.  Atuam em receptores cys-LT, causando contração da musculatura lisa brônquica (LTC4 e LTD4 são potentes broncoconstritores).  Potentes secretagogos de muco em brônquios.  LTC4 e LTD4 atuam no endotélio de vênulas pós-capilares, permitindo extravasamento de macromoléculas, gerando edema; favorecem marginalização de neutrófilos e constrição de veias pulmonares.  Ação quimitáxica de atração de eosinófilos e polimorfonucleares.
  12. 12. Fisio-patologia: Ação dos Leucotrienos  Os leucotrienos (LTs) exercem um papel importante em cada um dos mecanismos de broncoconstricção (broncoespasmo). Os cistinil-leucotrienos (LTC4, D4 e E4) agem em um receptor da musculatura lisa das vias aéreas designado cys-LT. Sua ação in vitro é 1000 vezes maior que a da histamina, e sua origem é principalmente celular, sendo gerado por eosinófilos, mastócitos e basófilos, podendo ser detectado no lavado bronco-alveolar, sangue e urina após o broncoespasmo.  Os LTs estão envolvidos nas fases inicial e tardia da reação asmática. Na fase inicial, são liberados juntamente com outros mediadores inflamatórios tais como IgE, PAF, Pgs e superóxido. Essa fase, quando não tratada, pode progredir para uma fase tardia caracterizada por edema perivascular, secreção de muco, infiltração da parede brônquica mediada por eosinófilos, monócitos e neutrófilos.
  13. 13. Desencadeantes de Inflamaçã Crônica:  Exposição à determinados alérgenos nos primeiros anos de vida, em indivíduos geneticamente susceptíveis;  Infecções virais na infância;  Ausência de amamentação com leite materno;  Exposição ambiental domiciliar à fumaça do tabaco de pais fumantes;  Poluição atmosférica;  Dietas com baixos teores de antioxidantes ou AG poliinsaturados.
  14. 14. Tipos:  Leve: Crises de baixa intensidade e esporádicas, que pouco influem na vida diária do paciente. Os sintomas são discretos e o sono não é prejudicado. Às vezes, tosse é o único sintoma.  Moderada: Crises de média intensidade, ocorridas mais de uma vez por semana, que atrapalham em parte o desenvolvimento de atividades como estudo, trabalho e práticas esportivas. Os sintomas são mais fortes, com chiado intenso, falta de ar, tosse e cansaço. A pessoa não dorme bem.  Grave: Crises de grande intensidade e diárias, que afetam muito o desempenho diário da pessoa. A falta de ar é grave, ocorre mal-estar, tosse e chiado intenso. Em alguns casos, a respiração é pesada e rápida. O indivíduo mal consegue falar ou caminhar.
  15. 15. Sintomas: Os sintomas da asma brônquica são episódios de:  Falta de ar;  Tosse;  Cansaço;  Chiado;  Aperto no peito. São agravados à noite e nas primeiras horas da manhã, ou durante a prática de algum exercício, para o qual o paciente não esteja fisicamente preparado.
  16. 16. Agravantes: Normalmente são desencadeada quando o paciente:  Sofre infecções respiratórias, como gripe e pneumonia;  É submetido a variações bruscas de temperatura.  Entra em contato com:  Alérgenos: pó, ácaros, pelo de animais, alimentos (principalmente crianças), medicamentos, etc;  Irritantes: fumaça de cigarro, poluição, produtos químicos, perfumes, etc;  Variação de temperatura do ar inalado;  Exercícios físicos intenso ou moderado;  Alterações emocionais.
  17. 17. Diagnóstico:  Análise do histórico clínico: tipo de sintomas, antecedentes pessoais de alergia, causa, duração, grau de intensidade e se há padrões reconhecíveis de sintomas;  Anáilise de histórico familiar para asma e alergias, explorando possíveis causas;  Teste de Função Pulmonar (espirometria) ou Medição do Pico de Fluxo Expiratório (FEP): mostra como está a capacidade pulmonar e os fluxos de ar do paciente. Não é utilizado na clínica habitual.
  18. 18. Diagnóstico:  Testes alérgicos: exame “in vivo” para determinar causa; podem ser por puntura (gotas na pele) e/ou intradérmicos (injetado debaixo da pele);  Exame de sangue ou de secreção nasal: dosagem sérica da IgE específica, alérgenos específicos ou medidores inflamatórios; exames “in vitro” para determinar causa, geralmente realizados para pesquisa médica;  Citologia de secreção brônquica e Biópsia brônquica (raramente utilizados);  Teste de exercício: verifica crise asmática depois de esforço físico. Exames radiológicos não são definitivos.
  19. 19. Tratamento: Broncodilatadores Simpaticomiméticos  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Relaxamento determinado por: o Redução da [Ca2+] celular pela remoção ativa para depósitos intracelulares do retículo citolasmático; o Desvio da quinase de cadeia leve da miosina para sua forma menos ativa; o Inibição na hidrólise do fosfoinositide; o Abertura do canal de repolarização do músculo liso.
  20. 20. Tratamento:Broncodilatadores Simpaticomiméticos  Adrenérgicos beta-2 de curta duração (Salbutramol, Terbutalina): tem efeito rápido (entre 5 e 10 minutos) e de curta duração (4 e 6 horas). São utilizados quando tem piora do quadro, em momento de crise o para prevenção de crise antes de atividade física.  Adrenérgicos beta-2 de longa duração (Salmeterol e Formaterol): tem duração de 10 a 12 horas. O Formaterol tem início rápido (antes de 05 minutos), enquanto o Salmeterol tem início lento (de 20 a 30 minutos). São uzados antes de dormir, para prevenir sintomas noturnos. Ou junto com corticóides inalatórios duas vezes do dia.  Formas farmacêuticas: aerossol com espaçador ou aerocâmara, aerossol, inaladores de pó seco e nebulizadores .
  21. 21. Tratamento: Anticolinérgicos  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Atuam relaxando a musculatura bronquial (dilata as grandes vias aéreas) por inibição competitiva com a acetilcolina.  São utilizados principalmente em casos de broncoespasmos induziduzidos por beta-bloqueadores ou para asma emergencial, em associação com adrenérgicos beta-2 (anticolinérgicos facilitam a propragação dos beta-agonista até a periferia da árvore brônquica).  Bromuro de Ipratrópio, por nebulização.  Tem efeito mais lento:  Início de ação: 20-30 minutos;  Pico: 2 horas;  Duração: 4 a 6 horas.
  22. 22. Tratamento: Teofilinas Orais  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Estão em desuso e só são prescritas para tratamento de segunda escolha, por ineficácia do broncodilatadores.  Mecanismo de Ação: causa brondilatação pela inibição das enzimas fosfodiesterases III, IV (causando aumento da concentração intracelular de AMPc) e V (causando aumento da concentração intracelular de GMPc) nas células musculares lisas brônquicas e antiinflamatórias.  Portanto, reduz a responsividade brônquica à histamina, aeroalérgenos e etc.
  23. 23. Tratamento: Antagonistas de Receptor de Leucotrieno LTD4  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Formas farmacêuticas: comprimidos, comprimidos mastigáveis e grânulos.  Bloqueiam o receptor cys-LT1;  Zafirlucaste, motelucaste sódico, pranlucaste, etc (antagonistas de segunda geração).
  24. 24. Tratamento: Inibidores da Síntese de Leucotrienos  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma. o Inibidores da 5- lipoxigenase: zileuton o Inibidores da proteína ativadora da 5- lipoxigenase (proteína FLAP): Mk-886,MK- 0591, BAY-x-1005; o Inibidores da mobilização de cálcio.
  25. 25. Tratamento: Corticóides  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Beclometasona, Budesonida, Fluticasona, etc;  Habitualmente é administrado por via inalatória. Porém, para casos especiais ou asma moderada ou grave, podem ser administrados por via oral (comprimidos ou gotas) ou injetável.  Mecanismo de ação:  Atuam suprimindo múltiplos genes pela reversão da acetilação da histona.  Inibem os fatores de transcrição que regulam a gene expressão anormal;  Aumentam a transcrição de genes que codificam proteínas antiinflamatórias.
  26. 26. Tratamento: Cromonas  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Cromoglicato e Nedocromil Sódico.  É mais utilizado em crianças, para prevenção da asma por esforço.  Via de administração: inalatória.  Tem açao antiinflamatória e antialérgica, pois atua por intervenção seletiva, na inibição a degranulação do mastócito (inibe a liberação de citonas e mediadores inflamatórios) em resposta a vários estímulos. Atuam localmente e dificilmente são absorvidas sistematicamente.
  27. 27. Tratamento: Imunoterapia  É efetiva no tratamento de asma alérgica, rinite alérgica e hipersensibilidade por picada de inseto, não sendo recomendada para alergia alimentar, urticária crônica e-ou angioedema.  Ocorre administração de extratos de alérgenos por via subcutâneapurificados e padronizados para modificação da resposta imune.  É indicada para pacientes que:  Manifestam sintomas durante todo o ano ou na maior parte dele;  Tem relação indiscutível entre os sintomas e a exposição a um ou dois alérgenos aos quais o paciente seja sensível, sem que ocorra a possibilidade de um completo isolamento de contato;  Tem sintomas compatíveis com provas cutâneas e não se consegue uma resposta adequada com tratamento farmacológico e medidas de prevenção corretas.
  28. 28. Tratamento: Resumo  Tratamento de Resgate ou Aliviador:  Broncodilatadores de curta e longa duração: Salbutamol, Terbutalina, Fenoterol, e Formoterol;  Anticolinérgicos: Bromuro de Ipratropio;  Teofilinas orais;  Tratamento Crontrolador: reduzindo a inflamação das vias aéreas, diminuindo sua hiperreatividade ou irritabilidade  Esteróides (Cortisonas – via inalatória, oral ou injetável);  Cromonas (Cromoglicato dissódico e Nedocromil – via inalatórial);  Antagonistas de leucotrienos (Zafirlucast e Montelucaste - via oral).  Tratamento emergencial: é fundamental altas doses de medicamentos broncodilatadores e de medicamentos antiinflamatórios como os esteróides injetáveis ou ingeridos por via oral.  Antihistamínicos: quando necessita tratamente concomitante para rinite alérgica;  Inmunoterapia;  Fisioterapia Respiratória;  Oxigenoterapia.
  29. 29. Curiosidades:  A asma ocorre em todas as idades, sendo mais comum na infância.  Filhos de asmáticos têm maior probabilidade de desenvolver a doença.  É possível prevenir a doença evitando-se certos medicamentos, que agravam os sintomas. Alguns adultos com asma têm crises ao usar beta- bloqueadores (indicados para o tratamento de hipertensão, arritmias e enxaqueca) ou o ácido acetilsalicílico, por exemplo.
  30. 30. Referências Bibliográficas  Crise de Asma. Disponível em: http://www.crisedeasma.com.br/curiosidades.html. Acessado em: 11.11.2012  Asma – Mori Med. Disponível em: http://www.mori.med.br/pages/doenca_asma.asp. Acessado em: 11.11.2012  21 de junho – Dia Nacional do Combate a Asma. Disponível em: http://projetoapesaovicente.blogspot.com.ar/2011/06/21-de-junho-dia- nacional-do-combate-da.html. Acessado em: 11.11.2012  Asma Brônquica - Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho. Dísponível em: http://www.asmabronquica.com.br. Acessado em: 11.11.2012
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×