Arroz

528 views
394 views

Published on

tipos de arrozes

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
528
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arroz

  1. 1. • Esse grão é a base das refeições de praticamente metade da população mundial. Presente em tantas culturas gastronômicas, este ingrediente, pra lá de versátil, deixou de ser acompanhamento para tornar-se protagonista de muitos pratos. Mas será que arroz é tudo igual?
  2. 2. • O arroz é um cereal importante por ser uma boa fonte de carboidratos. Ele também contém proteínas e fibras e, em algumas versões, é fonte de vitaminas e minerais", diz a nutricionista Audrey Abe, da rede Natural em Casa. Cada um possui uma qualidade específica, seja em relação ao seu valor nutritivo ou na mudança de sabor. Conheça mais sobre cada variedade.
  3. 3. • Agulhinha: este é o arroz mais consumido no Brasil. É obtido a partir da retirada da casca do grão integral. Apesar de assimilar bem o sabor dos ingredientes adicionados ao prato, o arroz não assume consistência cremosa. No dia-adia, é usado em função da rapidez no cozimento, textura solta e paladar agradável.
  4. 4. Polido ou branco • Esse é o arroz mais comum, também chamado de arroz branco ou tradicional. Como tem sua "casca" retirada durante o seu processo de fabricação - por isso recebe o nome de polido - não é um dos tipos de arroz mais nutritivos. O seu ponto forte é ser o mais barato, mais fácil de encontrar e o que tem maior funcionalidade, podendo ser usado para fazer uma lista grande receitas. Além disso, o arroz polido é que demora menos tempo para ficar pronto. A proporção de água deve ser de duas xícaras de água para cada uma de arroz, para que ele fique macio sem ficar com o aspecto "papa" ou grudento.
  5. 5. Parboilizado • Esse tipo de arroz, assim como o integral, está caindo cada vez mais no gosto dos brasileiros. Ao passar por um tratamento hidrotérmico (água fervente), que consiste em cozinhar parcialmente os grãos com casca, parte das vitaminas e minerais passam da casca para o interior do arroz, aumentando o valor nutritivo e concentrando uma maior quantidade vitaminas do complexo B em cada grão.
  6. 6. Parboilizado
  7. 7. Parboilizado • "O processo hidrotérmico enriquece a parte interna do arroz, deixando-a com valores nutritivos próximos ao arroz vendido com casca. Além disso, a temperatura superior a 58 graus usada no processo de parboilização muda a composição do amido, fazendo com que o arroz absorva ainda mais nutrientes da casca", diz Audrey Abe. Facilmente encontrado, principalmente em lojas de produtos naturais, esse tipo de arroz segue o mesmo padrão de preparo do arroz branco, já que não tem casca.
  8. 8. Arroz Cateto ou Japonês • Cateto: este tipo de arroz também é conhecido como 'japonês'. Com grãos curtos, curvados e um pouco transparentes, tem grande quantidade de amido e, após o preparo, tende a ficar mais macio e cremoso, se comparado com o arroz polido.
  9. 9. Arroz Cateto ou Japonês • Arroz Cateto ou Japonês • Como o próprio nome já diz, essa variedade é a base da culinária japonesa. Com grãos curtos, curvados e um pouco transparentes, têm grande quantidade de amido e, após o preparo, tende a ficar mais macio e cremoso, se comparado com o arroz polido. Ele também pode ser encontrado com grãos que mantêm a sua casca e o gérmen, concentrando assim o seu valor nutricional. "Esse tipo de arroz também tem a sua versão "integral", que conserva maiores quantidades de vitaminas do complexo B e minerais", explica a nutricionista. Para deixar o arroz cateto mais macio, sem que ele fique grudado, é importante deixá-lo um pouco mais de tempo cozinhando do que o arroz tradicional, seguindo o padrão de uma xícara de água para cada duas de arroz.
  10. 10. Arbóreo: • Possui o grão mais arredondado e concentra bastante amido, conferindo consistência cremosa. Também tem uma incrível capacidade de absorver condimentos. Por isso, é o mais indicado para preparações de risotos. "Como não possui casca e não passa por nenhum processo que conserve seus nutrientes, o arroz arbóreo tem o mesmo valor nutricional do arroz tradicional", diz Audrey Abe. Ele pode ser encontrado em redes de supermercados normais, e o seu modo de preparo é o mesmo do arroz tradicional. • sendo bastante usado em risotos, principalmente na culinária italiana.
  11. 11. Arbóreo:
  12. 12. Arbóreo:
  13. 13. Carnaroli: • Carnaroli: esta espécie, rica em amido, libera durante seu cozimento uma substância que deixa os pratos com consistência bastante cremosa. Este arroz é indicado principalmente para compor risotos. As características do grão permitem absorver o sabor dos vários ingredientes adicionados ao prato.
  14. 14. Carnaroli:
  15. 15. Carnaroli:
  16. 16. Vialone nano: • este tipo de arroz também faz parte dos arrozes de origem italiana. O grão polido fica cremoso após o cozimento, mas, ainda assim, mantém a forma arredondada. Assim como o carnarolli e o arbório, este arroz é indicado para o preparo de risotos.
  17. 17. Vialone nano:
  18. 18. PRETO: • o paladar do brasileiro, adepto ao consumo de arroz branco ainda não está muito acostumado com arrozes de outras cores. O preto tem grão escuro, curto e arredondado, textura firme, sabor exótico e aroma diferenciado. Geralmente, está presente em receitas elaboradas, como risotos, peixes de sabor acentuado, frutos do mar e carnes de caça. O arroz preto possui proteínas e fibras. É rico em compostos antioxidantes, vitaminas E do complexo B.
  19. 19. PRETO
  20. 20. PRETO
  21. 21. ARROZ PRETO COM TOMATES E MANJERICÃO • Arroz: 1 colher (sopa) de óleo ou azeite 1 cebola picada 1 embalagem de Arroz Preto Camil (250g) 3 xícaras (chá) de água fervente Sal a gosto • Aqueça o óleo e doure ligeiramente a cebola. Acrescente o Arroz Preto Camil e refogue demoradamente. Adicione a água e tempere com sal a gosto. Cozinhe em fogo baixo, panela semi tampada por cerca de 50 minutos ou até o arroz ficar cozido. Se necessário acrescente mais água fervente. Reserve.
  22. 22. ARROZ PRETO COM TOMATES E MANJERICÃO • Tomates: 2 colheres (sopa) de azeite 4 tomates médios maduros, cortados em gomos ou cubos (cerca de 400g) 4 colheres (sopa) de manjericão fresco rasgado Sal a gosto 3 colheres (sopa) de castanha de caju torrada, picada grosseiramente • Numa frigideira grande, aqueça o azeite e refogue os tomates. Tampe a frigideira e cozinhe até os tomates começarem a murchar. Acrescente o manjericão e tempere com sal a gosto. Junte o Arroz Camil cozido reservado e misture bem. Sirva a preparação salpicada de castanha.
  23. 23. ARROZ PRETO COM TOMATES E MANJERICÃO
  24. 24. Vermelho: • o arroz vermelho foi cultivado inicialmente na China e trazido ao Brasil pelos portugueses. Por ser parcialmente polido, ele retém maior número de nutrientes, a sua composição se destaca pelo alto teor de ferro e zinco. Tem sabor levemente defumado e é indicado para fazer bolinhos, saladas e para acompanhar carnes brancas, como peixe e frango.
  25. 25. Vermelho:
  26. 26. Vermelho: • O arroz vermelho é rico em monocolina, substância que pode auxiliar na redução do nível de LDL (colesterolruim) no sangue, aquele que pode causar infartos e derrames cerebrais. Além disso, segundo a nutricionista, o extrato desse tipo de arroz pode auxiliar na circulação sanguínea, na digestão e nas funções intestinais. Apresenta também três vezes mais ferro e duas vezes mais zinco que o arroz branco. O preparo pode ser feito da mesma maneira que o arroz tradicional. Ele também é bastante acessível e pode ser encontrado em redes de supermercados.
  27. 27. Vermelho: • ngredientes: - 250g de Arroz Vermelho Atelier Namorado - 4 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem - 4 dentes de alho amassados - 1 cebola roxa picadinha - 1 molho de manjericão rasgado (na receita original usa-se manjerona, mas não encontrei) - 400g de lingüiça defumada fininha cortada em rodelas - 1 cálice de cachaça - 1 pitada de pimenta calabresa - dois litros de água fervente - 220g de champignon fatiado (acrescentei por conta) • Modo de Preparo: Numa panela de fundo grosso aqueça o azeite e doure o alho e a cebola. Junte o manjericão e deixe liberar aroma. Junte a lingüiça e deixe fritar um pouco. Coloque a pimenta mexa e junte a cachaça, deixe evaporar o álcool. Coloque o champignon, misture. Junte o arroz, misture bem e complete com a água fervente. Deixe secar com a panela semi-tampada. Abaixe o fogo e deixe secar de vez. O arroz vermelho é mais “durinho”, ele fica AL dente naturalmente e tem um sabor bem marcante. Servi esse arroz regado com bastante azeite de oliva e parmesão ralado.
  28. 28. Arroz basmati ou indiano • Famoso por seu aroma adocicado de nozes, o diferencial do arroz basmati em relação ao comum é o seu gosto mais forte e a sua capacidade de reter água durante o preparo sem que os grãos fiquem grudados uns nos outros. "Os grãos deste tipo de arroz são bem mais longos e ficam ainda mais compridos quando cozidos. Mesmo que os níveis nutricionais sejam praticamente iguais aos do arroz branco, ele pode ser usado em ocasiões especiais para variar o cardápio", diz a especialista. O arroz indiano é mais caro que o tradicional, e só é encontrá-lo em lojas especializadas em produtos naturais ou orientais. Como já possui um gosto bastante característico, ele dispensa a adição de temperos durante o preparo.
  29. 29. Arroz basmati ou indiano
  30. 30. Arroz basmati aromático
  31. 31. Arroz basmati aromático • Ingredientes para: 6 pessoas 1 colher de sopa de óleo de girassol 55 g de amêndoas escaldadas partidas (os pedaços pequenos devem ser descartados) 250 g de arroz basmati, lavado 1 pitada de açafrão em rama (pistilo) 1 pau de canela 450 ml de caldo de legumes fervente 1 romã madura 1 pedaço de 2,5 cm de gengibre fresco ralado 1 colher de chá de mel claro 1 colher de sopa de hortelã fresca picada 2 colheres de sopa de coentro fresco picado sal e pimenta do reino
  32. 32. Arroz basmati aromático • Modo de Preparo: Aqueça o óleo numa caçarola grande, acrescente as amêndoas e refogue em fogo brando por 2 a 3 minutos ou até dourarem. Retire-as do fogo com uma escumadeira e reserve. Adicione o arroz ao óleo e refogue-o, mexendo, por 1 minuto. Junte o açafrão e o pau de canela, depois acrescente o caldo e tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto. Espere levantar fervura. Mexa, tampe a panela e cozinhe em fogo bem baixo por 10 a 15 minutos ou até o arroz estar macio e o caldo ter sido absorvido. Enquanto isso, corte a romã pela metade e remova todas as sementes das membranas. Reserve cerca de 1/3 das sementes para decorar. Ponha as restantes numa peneira colocada sobre uma tigela e amasse-as com uma colher a fim de extrair-lhes o suco. Ponha o gengibre ralado num amassador de alho, segure-o sobre a tigela e esprema o suco do gengibre. Adicione o mel a esses sucos. Quando o arroz estiver cozido, acrescente a mistura do suco de romã. Tampe novamente e espere 2 minutos. Em seguida, remova o pau de canela, revolva o arroz com o garfo, juntando a hortelã e o coentro, e transfira-o para uma travessa aquecida. Por cima, espalhe as amêndoas e as sementes de romã reservadas e sirva.
  33. 33. ARROZ SELVAGEM • Ainda pouco encontrado no Brasil, o arroz selvagem, apesar do nome, não é um arroz de verdade, mas um tipo diferente de gramínea. Os grãos são escuros (marrons e pretos) e o seu comprimento é três vezes maior que o do arroz comum, tendo em seu interior um aspecto claro e macio. "Ele é bastante usado na culinária oriental, mas como são poucos os lugares em que é produzido (Estados Unidos e Canadá), ainda é pouco conhecido no Brasil e difícil de ser encontrado fora de lojas especializadas em produtos naturais", diz a nutricionista Audrey Abe.
  34. 34. ARROZ SELVAGEM
  35. 35. ARROZ SELVAGEM COM CAMARÃO
  36. 36. ARROZ SELVAGEM COM CAMARÃO • Ingredientes • 250 Grama(s) de arroz selvagem cozido por 45 minutos em água e sal • Camarões refogados com azeite e cebola a gosto • Sal e pimenta a gosto • 1 Unidade(s) pimentão vermelho picado(vinagrete) • 1 Unidade(s) cebola roxa picada • Salsa picada a gosto • Cebolinha verde picada a gosto • Mostarda a gosto a gosto • Sal e pimenta a gosto • Aceto balsâmico a gosto a gosto • 1.Preparar o vinagrete misturando todos os ingredientes. Prove e corrija o sal e a pimenta. Tempere o arroz frio com o vinagrete, decore com os camarões refogados e sirva gelada com folhinhas verdes
  37. 37. Trinca: • de grão redondo, este arroz é ideal para pudins e doces. Os grãos têm bastante amido e, por isso, aglomeram-se durante o cozimento.
  38. 38. Trinca:
  39. 39. Jasmim: • Jasmim: muito similar ao basmati - porém com menos goma, o arroz jasmim também é chamado de ‘thai’. De origem tailandesa, é conhecido como um dos arrozes mais agradáveis e aromáticos do mundo. O seu sabor único faz com que seja um prazer para o paladar.
  40. 40. Integral: • com a retirada apenas da casca, o arroz integral preserva a película e o gérmen, onde se concentram as fibras, vitaminas e minerais. As fibras ajudam no bom funcionamento do intestino e no controle do colesterol, além de aumentarem a sensação de saciedade.
  41. 41. Integral: • Por não passar pelo processo normal de industrialização, o arroz integral mantém a camada externa do grão, conservando as suas principais qualidades e contém três vezes mais fibras do que o industrializado, cinco vezes mais vitaminas e quatro vezes mais magnésio. "Além de ter vitaminas A, B1, B2, B6, B12 e minerais, é rico em fibras, que ajudam a manter o intestino regulado", diz a nutricionista. O integral pode ser encontrado com facilidade, mas o seu preço é maior que a versão tradicional. Na hora de preparar um prato com arroz integral, é importante lembrar que ele demora mais para ficar pronto e precisa de mais água para ficar com uma consistência boa para consumo. Deve-se usar o mesmo número de xícaras de água e de arroz e esperar pelo menos duas vezes mais tempo até tirá-lo da panela.

×