Your SlideShare is downloading. ×
0
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Prof Demétrio Melo Brasil Classificação do Relevo

4,064

Published on

Síntese sobre o relevo Brasileiro e os agentes de gênese e constituição.

Síntese sobre o relevo Brasileiro e os agentes de gênese e constituição.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,064
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. www.facebook/demetrio.melo.71
  • 2. Forças internas ou tectônicas As forças internas criam as grandes cadeias de montanhas, que no Brasil estão ausentes. Ciclo das rochas
  • 3. Relevo: forças exógenas As forças atmosféricas atuam na modelação do relevo terrestre. Gelo e Neve Chuvas
  • 4. Introdução A Geologia é a ciência que estuda a gênese terrestre, sua composição química, seus movimentos convectivos e sua ação na crosta da Terra; A Geomorfologia, por sua parte, estuda as feições da litosfera, e os principais agentes de sua formação. Nesse ponto se faz presente a dinâmica humana enquanto agente geográfico.
  • 5. Classificação de Aroldo de Azevedo - 1949 Para Azevedo o relevo brasileiro era constituído de duas feições: > Planícies= 03 > Planaltos= 08 Percebe-se que a preocupação central era quanto a altimetria O mérito dessa classificação foi a introdução da geomorfologia, além de o País passar a ter uma única regionalização.
  • 6. Classificação de Aziz Ab´Sáber - 1970 Aziz introduziu novas metodologias considerando as mudanças climáticas durante as eras geológicas, e não somente as estruturas litológicas do relevo. Aziz manteve as unidades de Azevedo, porém percebeu que a erosão ao longo das eras era fator determinante para sua classificação, além das faces de sedimentação.
  • 7. Classificação J. S. Ross - 1989 O Prof. Ross elaborou sua classificação com base nas imagens do projeto Radambrasil. Com as novas ferramentas de georreferencimanto e sensores remotos Ross dividiu o relevo em três estruturas: Planaltos (11); Depressões (11) & Planícies (6) Nessa classificação são considerados a altitude, a geologia e os fatores geomorfológicos, além das potencialidades minerais do Brasil
  • 8. Características Gerais do relevo Brasileiro Grande parte do território brasileiro é de origem arqueozóica a pré- cambriana. Com intenso processo de erosão ao longo dos últimos 2 bilhões de anos, daí resultam nossas baixas altitudes (de 300 a 800m de altitude). Os planaltos ocupam cerca de 38% da nossa superfície, dando-nos uma grande vantagem energética, em função da excelente distribuição pluviométrica e rios caudalosos permitem a instalação de usinas hidrelétricas, tais como ocorrem no Rio São Francisco. Outra importância são as jazidas minerais, tais como as de Al, Mg, Sn, Fe, Pt, Co, Ur, Au, dentre outros Th, A fotografia a seguir dá uma idéia geral sobre a disposição do relevo elevado do Sudeste (em média 890m).
  • 9. Oeste Paulista - Planalto Paulista
  • 10. Planaltos Sedimentares As estruturas sedimentares ocupam uma grande extensão do País, tais como no Parque de Vila Velha no Paraná. A erosão eólica ajudou a criar as formas vistas na fotografia ao lado.
  • 11. Bacias Sedimentares As áreas sedimentares no País tem grande variação geológica, na Amazônia as rochas são de origem proterozóica, e com grande reservas minerais, enquanto que o Pantanal sua principal formação é do cenozóico.
  • 12. Estrutura Geológica do Brasil Ao observarmos o mapa ao lado identificamos tanto a geologia quanto a geomorfologia do País.
  • 13. Distribuição de Minerais no País Segundo o DNPM (2003) o Brasil está entre os 8 maiores produtores mundiais de minerais metálicos. O mapa ao lado dá uma melhor idéia da distribuição das jazidas.
  • 14. Bons estudos Entre em contato para maiores esclarecimentos: www.facebook.com/demetrio.melo.71 www.melo-geografia.blogspot.com www.slideshare.net/Demetrio33 Prof. Demétrio Melo
  • 15. Créditos Texto Prof. Demétrio Costa de Melo Fotografias Brasil Rio de Janeiro – Cristo Redentor. In National Geographic, Atlas, vol. II, 2008 Chapada da Diamantina, in: http://baixaki.ig.com.br/imagens/wpapers/BXK13133_115- 1529_imgmorrodoinaciochapadadiamantina800.jpg Serra do Mar. In: Martins, Dadá et al. Geografia: Sociedade e Cotidiano, v. 1, SP: ed. Escala Educacional, 2006 Parque Estadual de Vila Velha. In Geografia: Sociedade e Cotidiano, v. 1, SP: ed. Escala Educacional, 2006 Pantanal Matogrossense._____In Geografia: Sociedade e Cotidiano, v. 1, SP: ed. Escala Educacional, 2006 Mapas Azevedo, Aroldo de. In SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas, SP: Ed. Abril,, 2000. p. 81 Ab´Sáber, Aziz. Formas de Relevo. In: MAGNOLI, Demétrio & Araújo, Regina. Projeto de Ensino de Geografia, SP: Ed. Moderna, 2001. p. 43 J. S. Ross. Revista do Dep. De Geografia, n. 4 p. 30 . In. ________________. Projeto de Ensino de Geografia, SP: Ed. Moderna, 2001. p. 36 Brasil Geologia, In SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas, SP: Ed. Abril,, 2000. p. 82 Brasil Concentrações Minerais. In: MAGNOLI, Demétrio & Araújo, Regina. Projeto de Ensino de Geografia, SP: Ed. Moderna, 2001. p. 35

×