Iluminismo

978 views

Published on

Sugestão de atividade de História sobre Iluminismo aula dada pelo professor Douglas by Delziene Perdoncini 2014

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
978
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Iluminismo

  1. 1. EM Nazira Anache Campo Grande, 28 de Abril de 2014. Professor: Douglas CSPTEC: Delziene Perdoncini 8º ano matutnino Alunos:
  2. 2. ILUMINISMO
  3. 3. O QUE FOI? um movimento cultural, artístico, social, político, intelectual... ONDE? quesedesenvolveu naInglaterra, HolandaeFrança, QUANDO? nosséculosXVII eXVIII.
  4. 4. Desdeo Renascimento, osfilósofoseeconomistasque difundiam asidéiasdeliberdadepolíticaeeconômica, defendidaspelaburguesia, julgavam-sepropagadoresdaluz e do conhecimento (iluministas).   O Iluminismo trouxeconsigo grandesavançosque, juntamentecom aRevolução Industrial, abriram espaço paraa profundamudançapolíticadeterminadapelaRevolução Francesa. O precursor dessemovimento foi o matemático francês RenéDescartes(1596-1650), considerado o pai do racionalismo. Em suaobra“Discurso do método”, ele recomenda, parasechegar àverdade, queseduvidedetudo, mesmo dascoisasaparentementeverdadeiras. Segundo Descartesapartir dadúvidaracional pode-se alcançar acompreensão do mundo, emesmo deDeus.
  5. 5. Desdequeforam formulados, osprincípioscartesianos(deDescartes) têm servido parao avanço daciência. Nagravura, Descartescercado por estudiososeadmiradores.
  6. 6. Segundo Kant, "O Iluminismo representa a saída do s seres humano s de uma tutelagem que estes mesmo s se impuseram a si. Tutelado s são aqueles que se enco ntram incapazes de fazer uso da pró pria razão independentemente da direção de o utrem. É-se culpado da pró pria tutelagem quando esta resulta não de uma deficiência do entendimento mas da falta de reso lução e co ragem para se fazer uso do entendimento independentemente da direção de o utrem. Sapere aude! Tem coragem para fazer uso da tua pró pria razão ! - esse é o lema do Iluminismo .”
  7. 7. CARACTERÍSTICAS Razão: o mais importante instrumento para se alcançar o conhecimento; Questionamento, investigação e experimentação: forma de conhecimento (tanto da natureza quanto da sociedade, política ou economia); Leis naturais: crença em normas da natureza que regem todas as transformações (do comportamento humano, das sociedades e da natureza); Direitos naturais: crença que todos os indivíduos os possuem em relação à vida, à liberdade, à posse de bens materiais; Crítica: ao absolutismo, ao mercantilismo e aos privilégios da nobreza e do clero; à Igreja Católica, apesar de não excluir a crença em Deus. Defesa: da liberdade política e econômica e da igualdade de todos perante a lei;
  8. 8. PENSADORES ILUMINISTAS
  9. 9.  John Locke (1632-1704) Filósofo inglês, precursor do ILUMINISMO. Diziaqueoshomensformavam asociedadee instituíam um governo paraqueestelhesgarantisse algunsdireitosnaturais, como o direito àvida, à felicidade, àpropriedade, etc. (caso o governo abusasse do poder, poderiaser substituído). Obra: Ensaio Sobreo Entendimento Humano (1690), ondepropõequeaexperiênciaéafontedo conhecimento, quedepoissedesenvolvepor esforço da razão. É o principal representante do empirismo naquelepaís, eideólogo do liberalismo. Outradesuasafirmaçõeseraquetodosos indivíduosnascem iguais, sem valoresou idéias preconcebidas.
  10. 10. Voltaire François-Marie Arouet (1694 – 1778). Foi o maior dosfilósofosiluministas eum dosmaiorescríticosdo Antigo Regimee daIgreja. Defendeu aliberdadedepensamento edeexpressão. Como formadegoverno, eraafavor deumamonarquiaesclarecida, naqual o governantefizessereformasinfluenciado pelas idéiasiluministas.
  11. 11. Jean-Jacques Rousseau (1712- 1778). Defendiaaidéiadeum estado democrático quegaranta igualdadeparatodos. Foi um filósofo, escritor, teórico político eum compositor musical autodidata. Umadasfigurasmarcantesdo Iluminismo francês, Rousseau étambém um precursor do romantismo. Criticavaaburguesiaeapropriedade privada. Consideravaoshomensbonspor naturezaecapazesdeviver em harmonia, não fossealgunsterem seapoderado daterra, dando origem àdesigualdadeeaosconflitossociais. Propunhaum governo no qual o povo participassepoliticamenteea vontadedamaioria determinasse asdecisõespolíticas. Expôs suasidéiasprincipalmenteem duasobras: “O contrato social” e“Discurso sobreaorigem da desigualdade.” Rousseau
  12. 12. A Propriedade como fonte de desigualdade, segundo Rousseau   “O primeiro quecercou um terreno, advertindo: ‘Esteémeu’, e encontrando gentemuito simplesqueacreditou, foi o verdadeiro fundador dasociedadecivil. Quecrimes, guerras, assassinatos, misériasehorrores teriapoupado ao gênero humano aqueleque(...) tivessegritado aseus semelhantes: ‘Não escutem esteimpostor; vocêsestarão perdidosse esquecerem queosfrutossão detodos, queaterranão édeninguém’. (...) Desdeo instanteem queum homem tevenecessidadedaajudadeum outro, desdequeelepercebeu ser convenienteparaum só ter provisões paradois, aigualdadedesapareceu, apropriedadeseintroduziu, o trabalho tornou-senecessário easvastasflorestassetransformaram em campos risonhosquepassaram aser regadoscom o suor doshomensenosquais vimosentão amisériaeaescravidão germinarem ecrescerem com a colheita.”   ROUSSEAU, Discursossobreaorigem dasdesigualdades
  13. 13. Charles-Louis de Secondat (1689- 1755) Outro crítico do Antigo Regime; propunhaadivisão do poder em Legislativo, Executivo eJudiciário (ostrêsem equilíbrio permanente). Escreveu “O espírito dasleis” e “Cartaspersas”. Defendeu aindaquesomenteas pessoasdeboarendapoderiam ter direitos políticos, ou seja, direito devotar ede candidatar-seacargospúblicos. Barão de Montesquieu
  14. 14. Os regimes de governo e a divisão de poderes, segundo Montesquieu:   “Existem trêsespéciesdegovernos: o republicano, o monárquico eo despótico (...) o governo republicano éaqueleno qual o povo reunido, ou somenteumapartedo povo, tem o poder soberano; amonarquia, aquelana qual um só governa, maspor meio deleisfixaseestabelecidas; enquanto queno despotismo apenasum, sem leisesem regras, arrebatatudo sob a suavontadeeseu capricho (...). Existeem cadaEstado trêstiposdepoderes: o poder legislativo, o poder executivo dascoisasquedependem davontadedasgenteseo poder executivo da­quilo quedependedo direito civil. Pelaprimeira, o príncipe ou magistrado faz asleispor um certo tempo ou parasempre, ecorrigeou substitui aquelasqueestão feitas. Pelasegunda, sefaz apaz ou aguerra, se enviam ou recebem osembaixadores, seestabeleceasegurança, se previnem asinvasões. Pelaterceira, sepunem oscrimesou sejulgaas diferençasparticulares.” MONTESQUIEU. O Espírito dasLeis
  15. 15. Denis Diderot (1713-1784) Jean Le Rond d´Alembert (1717-1783) Organizaram uma ENCICLOPÉDIA (França, séc. XVIII), que reunia conhecimentos e pensamentos filosóficos da época. Diderot d’Alembert
  16. 16. Capada Enciclopédia
  17. 17. Compreendia 28 volumes, 71.818 artigos, e 2.885 ilustrações. Osescritoresdaenciclopédiaviram-nacomo a destruição dassuperstiçõeseo acesso ao conhecimento humano. A enciclopédiaelogiavapensadores protestantesedesafiavaosdogmasda IGREJA CATÓLICA ROMANA. A obrafoi CONDENADA, masporqueela tinhaapoio depessoasem altoscargos, o trabalho continuou ecadavolumeposterior foi entregue clandestinamenteaossubscritores. Foi também um vasto compendium das tecnologiasdo período, descrevendo osinstrumentos manuaistradicionaisbem como osnovosdispositivosda Revolução Industrial. A Encyclopédiedesempenhou um papel importantenaatividadeintelectual anterior à Revolução Francesa. Frontispício da Encyclopédie.
  18. 18. A teoria do contrato social em Diderot: O poderpolítico emergindo do consentimento da nação.   “O prínciperecebedeseussúditosaautoridadequeeletem sobreeleseestaautoridadeénascidadasleisdanaturezaedo Estado. Asleisdanaturezaedo Estado são ascondiçõesàs quaiselessão submetidos(...). Umadestascondiçõeséque não existeo poder daautoridadesobreelesanão ser pelasua escolhaeconsentimento eelenão podejamaisempregar esta autoridadeparacassar o ato ou contrato pelaqual elalhefoi deferida: eleagiráassim contraelemesmo, poisquesua autoridadenão podesubsistir anão ser pelo título quea estabelece(...). O príncipenão podepoisdispor do seu poder e deseussúditossem o consentimento danação.”   DIDEROT. Enciclopédia
  19. 19. MicroscópiodeRobertHooke
  20. 20. OUTROSILUMINISTASFAMOSOS BENTO DE ESPINOSA (1632–1672), filósofo. É considerado o precursor dascorrentesmaisradicaisdo pensamento iluminista. Escrito maisimportante: Tratado Teo ló gico -Po lítico (1670). MARQUÊSDE POMBAL (Sebastião deMelo)(1699-1782), estadista português. Destacou-sepelasuacapacidadedeliderança, demonstrada duranteo TERREMOTO DE LISBOA em 1755. Implementou políticas econômicasregulando asatividadescomerciaiseindustriaisem Portugal. BENJAMIN FRANKLIN (1706-1790), político, cientistaefilósofo estadunidense. Participou ativamentedoseventosquelevaram à INDEPENDÊNCIA DOSESTADOSUNIDOSedaConstituição de1787. DAVID HUME (1711-1776), filósofo ehistoriador escocês.
  21. 21. ADAM SMITH (1723-1790), economista e filósofo escocês. O seu escrito mais famoso é A RIQUEZA DAS NAÇÕES. GOTTHOLD EPHRAIM LESSING (1729–1781), dramaturgo e filósofo alemão. É um dos principais nomes do teatro alemão na época moderna. Defendeu que os fiéis cristãos deveriam ter o direito à liberdade de pensamento. EDWARD GIBBON (1737–1794), historiador inglês. O seu escrito mais conhecido é o famoso DECLÍNIO E QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO.
  22. 22. RESPONDA (no caderno): 1- Que tipo de “revolução” foi o Iluminismo? 2- Em que época e onde ocorreu? 3- As idéias iluministas chegaram até nós? Exemplifique. 4- Escolha a citação de pensador com a qual você mais concorda e explique por que.
  23. 23. Complete a tabela: PENSADOR PRINCIPAIS IDÉIAS Locke Voltaire Rousseau Montesquieu Diderot

×