Internetês: perigoso vilão ou apenas variação?

1,751 views
1,557 views

Published on

Esta pesquisa científica tem por objetivo básico desfazer o mito de que o internetês, nome dado à linguagem comumente empregada por internautas na Internet, é prejudicial para a Língua Portuguesa, o que estaria levando os jovens estudantes internanutas a desaprenderem a língua vernácula e, consequentemente, a obterem baixos índices de aproveitamento escolar.

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,751
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Internetês: perigoso vilão ou apenas variação?

  1. 1. FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GARÇA CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - GESTÃO DE NEGÓCIOS DELMAR WÊNDER CABRAL INTERNETÊS PERIGOSO VILÃO OU APENAS VARIAÇÃO? Garça - 2006
  2. 2. FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GARÇA CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - GESTÃO DE NEGÓCIOS DELMAR WÊNDER CABRAL INTERNETÊS PERIGOSO VILÃO OU APENAS VARIAÇÃO? Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Garça - FATEC, como requisito para conclusão do Curso de Tecnologia em Informática com ênfase em Gestão de Negócios. Orientadora: Profª. Ms. Nancy Aparecida Guanaes Bonini Garça - 2006
  3. 3. FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GARÇA CURSO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - GESTÃO DE NEGÓCIOS DELMAR WÊNDER CABRAL INTERNETÊS: PERIGOSO VILÃO OU APENAS VARIAÇÃO? Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Garça - FATEC, como requisito para conclusão do Curso de Tecnologia em Informática com ênfase em Gestão de Negócios, pela seguinte Comissão Examinadora Data de Aprovação :___/___/___ ____________________________ Profª. Ms. Nancy Ap. G. Bonini FATEC-Garça ____________________________ Profª. Ms. Cláudia M. B. Aguillar FATEC-Garça ____________________________ Profª. Ms. Maria Alda B. Cabreira FATEC-Garça
  4. 4. AGRADECIMENTOS Um antigo provérbio chinês diz, com muita sapiência, que “uma longa jornada se inicia com o primeiro passo”, e ao longo dessa jornada encontramos muitas pessoas: umas passaram, outras ficaram, algumas seguiram. Nessa jornada sorrimos e choramos, lutamos e descansamos, vencemos juntos. Aos professores e alunos das escolas públicas e particulares que colaboraram com esta pesquisa; Aos amigos de todas as horas; À Aline, Cristian, Fernando, Juliana, Marcelo Rodrigo, Selma e Sgarbi; Aos professores Ângela, Cássia, Cláudia, Cristóvam, Ferraz, Igor, Isabela, Ivo, Lúcia, Malange, Maria Alda, Maria Ângela, Maria Helena, Pedro, Querino, Regina, Renata Paschoal, Renata Ueno e Vânia; À Nancy, mais que orientadora, uma amiga; À Raquel, mais que colaboradora, amiga e irmã; Aos meus pais, primeiros e maiores professores, e meu irmão; Meus agradecimentos. Ao Pai, Senhor do Universo; Ao Filho, Sustentador de tudo; Ao Espírito Santo, Consolador. Nunca me deixes esquecer Que tudo o que tenho Tudo o que sou O que vier a ser Vem de Ti, Senhor. (VALADÃO, 2004)
  5. 5. jus et norma loquendi 1 (Horácio) 1 Expressão em latim, cujo significado é “A lei é a norma da linguagem”. Horácio refere-se ao uso, que ele considera fator preponderante na formação da língua.
  6. 6. RESUMO Esta pesquisa científica tem por objetivo básico desfazer o mito de que o Internetês, nome dado à linguagem comumente empregada por internautas na Internet, é prejudicial para a Língua Portuguesa, o que estaria levando os jovens estudantes internautas a desaprenderem a língua vernácula e conseqüentemente, a obterem baixos índices de aproveitamento escolar. Estruturada logicamente de maneira a construir paulatinamente os conceitos empregados na desmitificação a que se propõe, esta pesquisa se inicia descrevendo a formação histórica da Língua Portuguesa desde sua derivação do Latim até a atualidade, analisando em seguida a atual situação da educação brasileira que tanto tem preocupado a diversos setores da sociedade brasileira, em especial aos pétreos defensores da Língua Portuguesa lusitana. Após essa descrição do ensino básico no Brasil, faz-se um parêntese para a elucidação do conceito de ‘erro’ baseada em conceitos da Lingüística, diferente do tradicional conceito adotado pelos gramáticos normativistas e seus ‘seguidores’. Em seguida é apresentado o suporte em que se desenvolve o Internetês, a popular e dinâmica Internet, passando-se a uma descrição do Internetês propriamente dito, variação lingüística tão criticada na atualidade e objeto desta pesquisa científica. Espera-se que esta pesquisa contribua para a modificação do parecer popular sobre o Internetês, de maneira que sejam focadas as verdadeiras responsáveis pela decadência do ensino no Brasil, as equivocadas metodologias de ensino praticadas pelas escolas, o que permitiria mudar radicalmente o futuro do país, ao se considerar que os países que mais crescem são aqueles que investiram na infraestrutura de sua sociedade, principalmente na educação. Palavras-chave: Língua Portuguesa. Internet. Internetês. Lingüística. Variação Lingüística. Ensino. Brasil.
  7. 7. ABSTRACT This research aims at undoing the myth that “Internetês” – the name usually given to the language variation frequently used by web surfers – is detrimental to Portuguese and that it would be leading young web-surfing students to unlearn their tongue, resulting in low levels of school performance. This work begins by describing the formation of Portuguese, from its Latin origins to the present day. It, then, analyzes the current situation of Brazilian education and tries to elucidate the concept of error, upon Linguistic concepts that differ from those upheld by normatistic grammar. We try and present the support upon which “Internetês” is developed, followed by a description of “Internetês” itself. It is hoped that this research contributes to modify people’s view about “Internetês”, so that we focus on the true responsible for the decadence of public education in Brazil: school’s misled methodologies of teaching. Key-words: Portuguese language. Internet. “Internetês”. Linguistic. Linguistic variation. Teaching. Brazil.
  8. 8. LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Médias de desempenho, Brasil e Regiões (2003): Língua Portuguesa 57 Tabela 5.2 Sente dificuldade para se expressar por escrito, seguindo a norma padrão da língua? 61 Tabela 5.3 Sente dificuldade para escrever, seguindo a norma padrão da língua aprendida na escola? 61 Tabela 7.1 Alguns emoticons 83 Tabela 8.1 Motivos para utilização de abreviações e onomatopéias na comunicação pela Internet – 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio 88 Tabela 8.2 Motivos para utilização de abreviações e onomatopéias na comunicação pela Internet – 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental 88 Tabela 8.3 O uso da Internet é prejudicial ao aprendizado e aplicação da norma 90 padrão da língua portuguesa? Tabela 8.4 O que você mais usa para se comunicar pela Internet? 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª Série do Ensino Médio 92 Tabela 8.5 O que você mais usa para se comunicar pela Internet? 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental 92 Tabela 8.6 Sente falta dos emoticons ao escrever textos escolares? 93 Tabela 8.7 As dificuldades/inovações dos alunos podem ser atribuídas ao uso constante da Internet e seus recursos de comunicação? – Professores 93 Tabela 8.8 Costuma ler textos por hábito ou obrigação? 94
  9. 9. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 10 2 CUILIBET IN ARTE SUA PERITO EST 16 3 AD AUGUSTA PER AUGUSTA 22 4 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 4.6 4.6.1 NOSCE TE IPSUM Língua Fala Linguagem Gramática Norma A Língua Portuguesa Origem e evolução da Língua Portuguesa 30 31 34 35 37 40 42 43 5 5.1 5.2 DISCIPLINA, PAUPERIBUS DIVITIAE, DIVITIBUS ORNAMENTUM, SENIBUS OBLECTAMENTUM O ensino no Brasil Percepções locais 48 53 60 6 ARCUS NIMIS TENSUS RUMPITUR 63 7 7.1 7.1.1 7.1.1.1 7.1.1.1.1 7.1.1.1.2 7.1.1.1.3 7.1.1.1.4 7.1.1.1.5 7.1.1.2 7.1.1.2.1 7.1.1.2.2 7.1.1.2.3 7.1.1.2.4 7.1.1.2.5 7.1.1.2.6 7.2 7.2.1 7.2.2 7.2.3 7.2.4 7.2.5 OMNE IGNOTO PRO MAGNÍFICO Formas de comunicação escrita na Internet Comunicação Interativa Instantânea Bate Papo MSN Messenger Yahoo! Messenger IRC’s ICQ De Postagem Orkut Gazzag UolK Blogs Fóruns E-mail Recursos Emoticons Animações Onomatopéias Abreviações Neologismos 72 77 77 77 77 78 78 79 79 80 80 81 81 81 82 82 82 83 84 84 84 85 8 AUDIATUR ET ALTERA PARS 86 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS 96 REFERÊNCIAS 104
  10. 10. APÊNDICES APÊNDICE A Carta de apresentação e orientações para a aplicação dos questionários 110 111 APÊNDICE B Questionário aplicado em alunos - 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental 112 APÊNDICE C Questionário aplicado em alunos - 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio APÊNDICE D Questionário aplicado em professores 114 116 APÊNDICE E Respostas dos alunos aos questionários - 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental 117 APÊNDICE F Respostas dos alunos à 30ª questão do questionário - 2ª, 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental 122 APÊNDICE G Respostas dos alunos aos questionários - 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio 125 APÊNDICE H Respostas dos alunos à 29ª pergunta do questionário – 5ª série do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio 130 APÊNDICE I Respostas dos professores ao questionário 139 ANEXOS ANEXO A Trecho da carta de Pêro Vaz de Caminha (ortografia atualizada) 144 145 ANEXO B O gigolô das palavras 146
  11. 11. 10 1 INTRODUÇÃO Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávido colosso, E o teu futuro espelha essa grandeza Terra adorada, Entre outras mil, És tu, Brasil, Ó pátria amada! (Joaquim O. D. Estrada, Hino Nacional Brasileiro) Uma das primeiras narrativas sobre a riqueza e potencial do Brasil foi escrita ao 01 de maio de 1500, pelo escrivão português Pêro Vaz de Caminha, que aqui chegou, juntamente com a expedição comandada pelo navegador e fidalgo português Pedro Álvares Cabral. Ainda que pouco se soubesse sobre a então ‘Terra de Vera Cruz’, primeiro nome do Brasil, Pêro Vaz de Caminha fez uma detalhada descrição daquilo que havia visto e ouvido, enquanto ainda pensavam ser o Brasil apenas uma ilha: esta terra Sor me pareçe que da pomta q mais contra o sul vimos ataa outa pomta que contra o norte vem de que nos deste porto ouuemos vista, sera tamanha que auera neela bem xx ou xxb legoas per costa. traz ao lomgo do mar em algüas partes grandes bareiras delas vermelhas e delas bramcas e a terra per çima toda chaã e mujto chea de grandes aruoredos. de pomta a pomta he toda praya parma mujto chaã e mujto fremosa pelo sartaão nos pereceo dom mar mujto grande porque a estender olhos nõ podiamos veer senõ tera e aruoredos que nos pareçia muy longa tera. neela ataagora nõ podemos saber que aja ouro nem prata nem nhuüa cou sa de metal nem de fero, nem lho vjmos. pero a terra em sy he de muito boos aares asy frios e tenperados coma os dantre doiro e mjnho por que neste tenpo dagora asy os achauamos coma os de la. agoas sam muitas imfimdas. Em tal maneira he graciosa que querendoa aproueitar darsea neela tudo per bem das agoas que tem. (CAMINHA, 1500). Dificilmente se poderia imaginar naquela época que a encantadora ‘ilha’ de clima agradável e exuberante vegetação, com seus nativos dóceis e inocentes, viria a se tornar o Brasil de hoje, com seu território de 8,5 milhões de quilômetros quadrados e 180 milhões de habitantes das mais diversas origens, ocupando o
  12. 12. 11 quinto lugar entre os países mais populosos do mundo, tendo 81% de seus habitantes nas áreas urbanas, distribuídos nos 5563 municípios, 26 estados e um distrito federal. O Brasil possui cerca de 20% da biodiversidade mundial, além de ter aproximadamente um sétimo das espécies existentes hoje no planeta. Essa riqueza natural atrai cerca de 5 milhões de turistas estrangeiros por ano que, em sua maioria, procuram as praias nordestinas e centros urbanos na região Sudeste: o turismo no Brasil movimentou quase US$ 4 bilhões em 2005. O Brasil tem quase 60 milhões de hectares de área plantada voltada para a produção agrícola, divididos em aproximadamente 5 mil propriedades rurais, que produzem uma safra de grãos com mais de 100 milhões de toneladas por ano, com especial destaque à soja, que contribui com 50 milhões de toneladas por ano. 25% das exportações mundiais de açúcar bruto e refinado são feitas pelo Brasil, que também representa 80% de todo o suco de laranja da terra e é o maior exportador de soja, além de possuir o maior faturamento entre os países que exportam carne bovina e de frango. A pecuária brasileira registra um rebanho com 205 milhões de cabeças, sendo que 198 milhões delas são criadas, com fins comerciais, o que faz do Brasil o dono do maior rebanho comercial do mundo, exportando mais de US$ 1 bilhão ao ano, tendo conquistado mercado em países da Ásia, Europa e Américas. Nos últimos dez anos a agropecuária tem sido o setor mais dinâmico da economia brasileira, tendo crescido 47%, apesar das crises externas e concorrência desleal dos produtos subsidiados no exterior. 34% do Produto Interno Bruto é gerado pelo agro-negócio, que também emprega 37% dos trabalhadores do país e responde por 43% das exportações brasileiras. O Brasil é o responsável por 60% da produção industrial da economia sul americana, mantendo relações comerciais regulares com mais de 100 países, sendo que 74% de suas exportações são bens manufaturados ou semi-manufaturados. Em 2001 foram publicados trabalhos científicos de 36 mil pesquisadores, em 2004 o Brasil possuía 33 mil bolsas de mestrado e doutorado, concedidas pelo
  13. 13. 12 CNPq 1 e pela Capes 2 , formando mais de 10 mil doutores por ano. O Brasil é o 17º maior produtor de pesquisas científicas relevantes, graças aos quase 80 mil pesquisadores e bolsistas, sendo que 73% dos cientistas estão nas instituições de pesquisas e 11% nas empresas e em 2005 foram feitos 21 mil pedidos de patentes. Dono de sofisticação tecnológica, o País desenvolve de submarinos a aeronaves, e também está presente na pesquisa aeroespacial, possui Centro de Lançamento de Veículos Leves e foi o único país do Hemisfério Sul a integrar a equipe de construção da Estação Espacial Internacional (ISS). Pioneiro na pesquisa de petróleo em águas profundas [...], foi a primeira economia capitalista a reunir as dez maiores empresas montadoras de automóvel em seu território [...] (BRASIL, 2006a) Consideradas estas qualidades e potencialidades nacionais apresentadas pelo portal do governo federal, www.brasil.gov.br, acessado em 12 de novembro de 2006 às 01h 47 min, que destacam o Brasil no panorama internacional (apesar de, nessa data, informar que o Brasil importa 9% do petróleo que consome, informação desatualizada e inconsistente com a realidade de auto suficiência da indústria petrolífera nacional), inclusive na produção científica relevante, qual seria a justificativa para mais de um milhão de jovens brasileiros analfabetos no ano 2000? E a taxa de reprovação do Ensino Fundamental que atingiu 13% em 2004? Para responder a essas e outras questões que tanto inquietam a sociedade brasileira, têm surgido nos últimos anos várias explicações para o fracasso no ensino, apontando virtuais culpados, como os governos, as escolas, os professores, os alunos e, mais recentemente, o uso que os alunos fazem da Internet e seus recursos de comunicação. Seria o Internetês, nome dado à variação lingüística empregada na comunicação pela Internet, responsável pelo baixo rendimento dos alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio? A Internet influenciaria de tal forma o aprendizado e aplicação da Norma Padrão pelos alunos brasileiros de maneira a ser considerada prejudicial à Educação Básica? É para responder a esses questionamentos que se realizou a presente pesquisa, por se considerar necessário esclarecer essas indagações sobre a 1 2 Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.
  14. 14. 13 influência da Internet e seus recursos de comunicação no aprendizado e aplicação da Norma Padrão da Língua Portuguesa por estudantes da Educação Básica (em especial aos alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio), contribuindo para se identificar as reais causas do fracasso escolar brasileiro, o que permitiria aos governos e instituições públicas e particulares de ensino adotarem medidas corretivas que venham a recuperar a educação brasileira de seu preocupante patamar atual. Essa pesquisa desenvolve-se em sete capítulos, nos quais se abordam questões e conceitos que colaboram para a resolução do problema apresentado em seu tema “Internetês: Perigoso vilão ou apenas variação?”. A escolha de expressões em latim para os títulos ocorreu pelo fato do latim, principal colaborador para o surgimento da Língua Portuguesa na Península Ibérica no início do 2º milênio da era cristã, ser uma língua morta, gramaticalizada, sem um povo que o utilize como língua vernácula, assim como o é a Língua Portuguesa das gramáticas normativistas adotadas pelas escolas públicas e particulares do Brasil, que, se já não está morta, agoniza uma sobrevivência artificial propiciada por alguns que insistem em se manter à margem da evolução da verdadeira Língua Portuguesa falada e escrita pelos milhões de brasileiros em seu dia-a-dia. É natural que, ao primeiro contato, imagine-se que esta pesquisa esteja deslocada dentro do curso em que é feita – Tecnologia em Informática com ênfase em Gestão de Negócios – entretanto, como poderá ser observado em seu desenvolvimento, esta pesquisa aborda um problema que afeta direta e indiretamente a ‘Gestão de Negócios’ e o domínio de novas tecnologias: a integração e melhor utilização da língua vernácula pelos futuros tecnólogos e gestores brasileiros, uma vez que a Língua é um dos bens mais pessoais do ser humano, interferindo em todos os aspectos de sua vida, pessoal e profissionalmente. No segundo capítulo, Cuilibet in arte sua perito est, que se traduz por “deve-se dar crédito a quem é perito em sua área“, será feito um breve comentário sobre os principais trabalhos utilizados para o embasamento teórico dessa pesquisa, com textos de cunho lingüístico que orientarão o pesquisador na resolução do problema, inclusive sobre os métodos para a condução dessa pesquisa, fornecendo subsídio para a sustentação da resposta apresentada como conclusão deste
  15. 15. 14 trabalho científico. No terceiro capítulo, cujo título Ad augusta per augusta é traduzido como “aos bons resultados pelos caminhos ásperos”, será feita uma análise mais aprofundada da metodologia utilizada para o desenvolvimento da pesquisa bibliográfica e serão dadas as explicações de como se organizou um levantamento de dados através de questionários. Dados esses que servirão de base para o melhor desenvolvimento do tema, especificando os passos que serão seguidos na elaboração dos demais capítulos dessa pesquisa. Nosce te ipsum será o título do quarto capítulo, cujo título traduz-se por “conhece-te a ti mesmo”, que iniciará a apresentação das conclusões obtidas pela pesquisa bibliográfica, enfatizando nesse primeiro momento alguns conceitos básicos sobre Língua e variação lingüística, seguido de um breve relato sobre a língua portuguesa, sua origem e evolução através dos séculos, até o presente momento histórico e lingüístico, conhecimentos necessários para a compreensão do tema/problema e sua situação no contexto comunicacional do curso de Tecnologia com Ênfase em Gestão de Negócios. O quinto capítulo, que tem por título Disciplina, pauperibus divitiae, divitibus ornamentum, senibus oblectamentum que traduzido significa “o ensino é riqueza para os pobres, adorno para os ricos e distração para os velhos”, fará uma análise das bases que orientam a Educação Básica no Brasil, mais especificamente o Ensino Fundamental e Médio, apresentando e discutindo os resultados do SAEB 2003 e também informações fornecidas pelo INEP que tratam dos números da educação no Brasil, interpretando-os de forma a relacioná-los com o tema-problema dessa pesquisa, o que permitirá a sustentação da resposta encontrada e apresentada no final desse trabalho de conclusão de curso, assim como vislumbrar a importância de se dominar a língua para uma melhor comunicação, seja entre pessoas, seja entre empresas. No sexto capítulo, Arcus nimis intensus rumpitur, serão feitas reflexões sobre o tradicional conceito de erro que é empregado pela maioria das instituições de ensino e autores de gramática, analisando-o à luz do conhecimento lingüístico, que é científico e empírico e considera o conceito tradicional uma manifestação social e não lingüística, o que acaba contribuindo para o fracasso escolar e segregação social. Esse título pode ser traduzido como “o rigor excessivo conduz a
  16. 16. 15 resultados desastrosos”, como desastroso tem sido o cotidiano escolar dos futuros gestores enquanto estudantes do ensino fundamental e médio. O sétimo capítulo que tem por título Omne ignoto pro magnífico (que significa “tudo o que é desconhecido é tido por magnífico”), fará uma síntese teórica sobre a Internet como meio de comunicação, reconhecida como um novo suporte material que, como tal, exige adequação de seus usuários e aperfeiçoamento de sua comunicação, para melhor aproveitamento de seus recursos, que permitem a integração da língua oral e escrita e modificam os gêneros do discurso. Esse capítulo também apresentará as formas mais populares de se comunicar pela Internet, como os mensageiros instantâneos, os bate papos, emoticons, etc., de forma que, conhecidas essas características básicas da Internet, possa-se compreender melhor o Internetês, uma nova variação lingüística do Português que é tema dessa pesquisa. Audiatur et altera pars será o título do oitavo capítulo, “que a outra parte seja ouvida”, que reunirá as informações tratadas nos capítulos anteriores para sustentação e defesa do Internetês, apontado, por muitos, como o responsável pelo baixo rendimento dos alunos do Ensino Fundamental e Médio no Brasil, rendimento esse que acaba por refletir negativamente, na inserção desses alunos no mercado de trabalho e comprometendo o futuro profissional deles. Este capítulo também reunirá a opinião de professores garcenses sobre o tema, que juntamente com os estudos de teóricos da área, contribuirão pra trazer luz ao problema proposto: ‘Internetês – perigoso vilão ou apenas variação?’, embasando as conclusões alcançadas com todo o desenvolvimento deste trabalho, e esclarecendo esse tema de grande importância não apenas para governos, pais e educadores, mas principalmente para os próprios estudantes, prejudicados que são pelo rendimento escolar que têm.
  17. 17. 16 2 CUILIBET IN ARTE SUA PERITO EST 1 Feliz daquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina (Cora Coralina) Comenta-se muito sobre a falência do sistema de ensino no Brasil, tanto em instituições públicas quanto em particulares. Como conseqüência dessa falência, o que se apresenta é uma situação na qual se comenta muito, mas muito que os estudantes brasileiros têm dificuldades para ler, entender o que foi lido e escrever textos, obedecendo às convenções da norma padrão da Língua Portuguesa. Muito se especula sobre a responsabilidade por esse rendimento insatisfatório e se atribui culpa ao governo, às escolas, aos professores, e, mais recentemente, à Internet, através da qual é possível estar a 60 centímetros de qualquer lugar do universo (60 centímetros é a distância média entre os olhos do usuário e o monitor). A Internet, o mais versátil meio de comunicação da atualidade, encontrou na juventude um terreno fértil para crescer e se espalhar. Trabalho, pesquisas, diversão, encontros... é muito vasto e diversificado o conteúdo oferecido nos incontáveis sites da Web, e devido a essa vastidão, criou-se um admirável mundo novo, fantástico, imenso, cheio de possibilidades, onde (quase) tudo é possível, ainda que apenas virtualmente. Este mundo tem muitas regras, e, ao mesmo tempo nenhuma lei a seguir. Não pertence a um único país e é de todos os seres humanos a ele conectados. O idioma não importa, pode ser português, inglês, japonês, espanhol... muitos são os idiomas, muitos os dialetos, muitos os símbolos que se reúnem sob um mesmo nome: internetês, a nova ‘língua’ que cresce e se espalha cada vez mais, entre um número cada vez maior de usuários da Internet. Pergunta-se: até onde o uso da Internet e seus recursos de comunicação influenciam no aprendizado e aplicação da norma padrão da língua portuguesa pelos estudantes do ensino médio e fundamental? 1 Expressão em latim, cujo significado é “deve-se dar crédito a quem é perito em sua área”
  18. 18. 17 O embasamento teórico da pesquisa “Internetês: Perigoso vilão ou apenas variação?” fundamentou-se em trabalhos e documentos disponíveis em sites e boletins eletrônicos, assim como em literatura, que versam sobre as origens da Língua Portuguesa, definições de gramática, Língua, Linguagem (falada e escrita), Fala, Variação Lingüística, ensino de Língua no Brasil, etc. O livro A língua que falamos (2005), organizado por Luiz Antônio da Silva, traz uma série de dez ensaios, sobre a história, variação e discurso na Língua Portuguesa. Desses dez ensaios serão utilizados apenas quatro para este trabalho, e no primeiro ensaio, Textos construídos na internet: oralidade ou escrita?, da professora Maria Lúcia da Cunha Victorio de Oliveira Andrade será utilizada a concepção de interatividade da língua para apresentar a “natureza dos textos construídos na internet” (2005, p. 15), e para discorrer sobre a oralização da escrita praticada no hipertexto (nome técnico dado aos textos desenvolvidos para a Internet). Segundo a autora, “o suporte material determina o modo como escrevemos e também nossa atitude como leitores dessa construção textual”. Quanto mais e melhores recursos são disponibilizados, maior deve ser a velocidade com que é utilizado este suporte material para se estabelecer a comunicação, e o Internetês, fruto dessa efusão tecnológica, não pode ser considerado antinatural, “mas apenas mais uma etapa de um processo evolutivo de tecnologias da escritura” (ANDRADE, 2005, p. 17). Ainda segundo a autora, o hipertexto, utilizado na internet, “representa não a ausência de ordem, mas uma outra ordem”, ao reconfigurar as “formatações tradicionais da escrita”, fundindo a modalidade oral com a modalidade escrita da Língua Portuguesa, de acordo com os “objetivos dos interlocutores e da natureza do tema tratado” (ANDRADE, 2005, p. 19-21). A contribuição do segundo ensaio, A dimensão social das palavras, da professora Maria Célia Lima-Hernandes, mostrará “que as palavras podem denunciar o tipo de usuário e também revelar o tipo de ambiente em que está inserido o grupo de usuário da língua” (SILVA, 2005, p.11), e mostrará também os fatores que influenciam o uso da língua e suas variações, entre eles a popularização da internet e seus recursos de comunicação, considerando essa mudança natural das línguas vivas e estimuladas “pela evolução do pensamento e o progresso nas
  19. 19. 18 ciências, artes e da técnica, que requerem um vocabulário cada vez mais vasto”, conforme a capacidade de seus usuários. (LIMA-HERNANDES, 2005, p. 143). O terceiro ensaio, Variação lingüística: dialetos, registros e norma lingüística, da professora Marli Quadros Leite, mostrará que toda língua viva sofre mudanças de acordo com seus usuários e suas situações de uso: “o uso propicia variações lingüísticas” (2005, p.183), e apresenta as perspectivas para a norma lingüística no Brasil, em face da norma popular e a popularização de suas variações. Com o quarto ensaio, A formação histórica do léxico da língua portuguesa (2005), da professora Elis de Almeida Cardoso, será estudada a formação do léxico português. Este estudo tem como ponto de partida a sua origem latina e a influência de línguas já existentes na península ibérica, antes da ocupação romana, assim como a colaboração das línguas de outros povos que interagiram com a Língua Portuguesa nascente. Este quarto ensaio deu subsídios teóricos para se tratar também da formação do ‘português brasileiro’, a contribuição dos povos envolvidos em sua história (indígenas, africanos, europeus...) e da distância física e cultural entre Brasil e Portugal, fator de grande importância para a separação entre a Língua Portuguesa utilizada no Brasil e a Língua Portuguesa de Portugal. Outra fonte teórica para este trabalho será Bagno, que inicia seu livro Preconceito lingüístico: o que é, como se faz citando uma das regras de ouro da lingüística, dizendo que “só existe língua se houver seres humanos que a falem” (1999, p. 9). Esta idéia básica será utilizada para explicitar, debater e combater o preconceito lingüístico existente, ainda que implicitamente, no Brasil. Segundo o autor, parte da responsabilidade pela existência deste tipo de preconceito ocorre em razão da confusão que se faz “entre língua e gramática normativa”, um erro de interpretação que tem prejudicado o aprendizado de milhões de brasileiros ao longo dos anos, e classifica como “autoritária, intolerante e repressiva” a forma como a norma padrão é utilizada nas instituições de ensino brasileiras, gerando o que se chama de preconceito lingüístico. (BAGNO, 1999, p. 910). Examinando oito mitos sobre a língua portuguesa falada e escrita no Brasil, o autor busca levar seus leitores a refletir de forma a “encontrar os meios mais
  20. 20. 19 adequados” (BAGNO, 1999, p. 14) para o combate ao preconceito lingüístico, tão arraigado no ensino brasileiro. Um outro livro de Bagno, que será utilizado nesta pesquisa, é A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira, onde o autor discute a íntima relação entre Língua e poder na sociedade brasileira, estabelecendo fundamentos que permitem compreender o preconceito lingüístico como preconceito social, na verdade. Ao discutir o conceito tradicional de ‘Norma Padrão’, Bagno questiona as metodologias atuais de ensino, argumentando sobre os estigmas educacionais praticados no ensino da Língua Portuguesa, em face às mudanças aceitáveis e esperadas em uma Língua viva, e também argumenta sobre a necessidade de desenvolvimento e utilização de uma gramática do português brasileiro, porque, gostemos ou não, existe uma demanda social por regras, por normas. As pessoas têm dúvidas, sim, na hora de escrever um texto mais monitorado. E o que elas podem fazer – hoje – para resolver essas dúvidas? Recorrer aos compêndios gramaticais de perfil tradicional, repletos de problemas, ou então – o que é, de longe, muito pior – a obras que executam um empobrecimento drástico da realidade da língua, que tentam preservar a ferro e fogo regras gramaticais há muito desaparecidas da atividade lingüística efetiva dos brasileiros, inclusive dos classificados de “cultos” e, ao mesmo tempo, condenam regras gramaticais já definitivamente estabelecidas na gramática real do português brasileiro. (BAGNO, 2003, p. 155-156, grifo do autor). O livro Prática de texto: língua portuguesa para nossos estudantes, de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza, também subsidiará teoricamente este trabalho. Os autores se utilizam de textos teóricos com noções lingüísticas e textos de importantes jornais e revistas como referência para discutir a prática de texto, evitando a simples colocação de regras, mas valendo-se dos textos como recurso para a construção dos conceitos e reflexões sociolingüísticas. Segundo os autores, o livro se articula mais como um roteiro de trabalho para professor e estudante do que como um manual de definições acabadas para um receptor passivo – o que, infelizmente, tem sido a norma escolar clássica. Nossa hipótese é a de que a quebra desta postura meramente normativa diante dos fatos da língua é o primeiro passo para que o ato de escrever ganhe significação real, transformadora, para quem escreve. (FARACO; TEZZA,1992, p. 7, grifo dos autores). O livro Língua e liberdade: por uma nova concepção da língua materna e
  21. 21. 20 seu ensino, de Luft, servirá também de aporte teórico para essa monografia. Este livro traz uma série de artigos que busca uma nova maneira de ensino para a Língua Portuguesa no Brasil, e mostra sua preocupação com “a maneira de se ensinar a língua materna”, uma vez que a língua é uma “entidade viva, [que] deve ser vista, analisada e ensinada como tal”. (1985, p. 9-13). O livro Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita, do francês Francis Vanoye, se constituirá em material teórico para este trabalho. O texto mostra a preocupação em se utilizar, em aulas de Língua materna, textos de autores contemporâneos consagrados, textos de jornais, revistas, música popular, teatro e cinema (ainda que essas três últimas sejam pouco prestigiadas pelo sistema de ensino). Vanoye defende o princípio de que “a linguagem se aprende pelo seu próprio uso” e “não existe apenas um uso para a linguagem”. (1983, p. 9). Segundo o autor, “ensinar a ler-escrever, entender (ouvir + compreender), falar” são os objetivos a serem buscados no ensino de Língua. (VANOYE, 1983, p. 12). Devido à complexidade do problema 2 e por razões práticas, limitamonos ao estudo da expressão e da comunicação verbais. Tentamos, no entanto, não negligenciar a ligação entre a linguagem oral e escrita e outros meios de expressão (música, desenho, fotografia) que formam o ambiente cultural contemporâneo [...]. (VANOYE, 1983, p. 13). Este trabalho pretende também discutir as relações entre Linguagem e escola e Soares, com seu livro Linguagem e escola: uma perspectiva social, subsidiará o entendimento das principais causas do fracasso dos alunos na aquisição da leitura e da escrita. pretende analisar as relações entre linguagem e escola, tendo como principal foco de interesse a contribuição dessa análise para a compreensão do problema da educação das camadas populares no Brasil. [...] o conflito entre a linguagem de uma escola fundamentalmente a serviço das classes privilegiadas, cujos padrões lingüísticos usa e quer ver usados, e a linguagem das camadas populares, que essa escola censura e estigmatiza, é [segundo a 2 Segundo o autor, os estudantes “mostram-se freqüentemente despreparados diante de trabalhos corriqueiros como o resumo, a exposição, o seminário, a análise de textos, o relatório, enfim, diante de uma gama variada de tarefas originadas da própria natureza do trabalho escolar. [...] por seu lado, os professores mostram-se, constantemente desconcertados frente a problemas de comunicação que surgem dentro de cada classe e em grupos de trabalho” (VANOYE, 1983, p. 11)
  22. 22. 21 autora] uma das principais causas do fracasso dos alunos pertencentes a essas camadas [populares], na aquisição do saber escolar.(SOARES, 1986, P. 5-6). Os Parâmetros Curriculares Nacionais serão outra fonte teórica para o desenvolvimento deste trabalho. Lançados em 1998 e fruto do trabalho de uma experiente equipe multidisciplinar que entendeu a importância de se pensar a Educação no atual contexto educacional brasileiro povoado de diversidades regionais, culturais e políticas. Esses Parâmetros têm a intenção de ampliar e aprofundar um debate educacional que envolva escolas, pais, governos e sociedade e dê origem a uma transformação positiva no sistema educativo brasileiro. Os Parâmetros Curriculares Nacionais foram elaborados procurando, de um lado, respeitar diversidades regionais, culturais, políticas existentes no país e, de outro, considerar a necessidade de construir referências nacionais comuns ao processo educativo em todas as regiões brasileiras. Com isso, pretende-se criar condições, nas escolas, que permitam aos nossos jovens ter acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários ao exercício da cidadania. (BRASIL, 1998b, p. 5, grifo do autor). As gramáticas de ANDRÉ (1978), BECHARA (200-), CADORE (1995), CEGALLA (1984) e NICOLA e INFANTE (1990) também subsidiarão teoricamente esta pesquisa fornecendo conceitos sobre língua, linguagem, fala, gramática e norma padrão. O livro Como Elaborar Projetos de Pesquisa provê uma série de informações e procedimentos que orientam estudantes e pesquisadores sobre os melhores e mais convenientes métodos a serem adotados na elaboração de uma pesquisa científica, em suas mais diversas modalidades, incluindo-se as consideradas pesquisas alternativas, como pesquisa-ação e pesquisa participante. (GIL, 1991). A partir das orientações de Gil sobre Pesquisa Exploratória e Levantamento foram elaborados os instrumentos para coleta de dados e catalogação das informações obtidas na Pesquisa Bibliográfica, o que será melhor explicitado no próximo capítulo desta pesquisa científica.
  23. 23. 22 3 AD AUGUSTA PER AUGUSTA 1 A teoria sem a prática é inútil, A prática sem a teoria é estéril (Paulo Freire) Este trabalho se desenvolveu e se estruturou como uma pesquisa bibliográfica, complementada por levantamento, quantitativo e qualitativo. Esse levantamento de dados concretizou-se através de questionários aplicados a alunos e professores de cinco escolas de Ensino Fundamental e Médio da cidade de Garça. Seu objetivo buscou verificar as influências que incidem sobre o ensino da língua portuguesa no Brasil, com destaque às eventuais influências do uso da Internet e seus recursos de comunicação no aprendizado e aplicação da norma padrão por estudantes de escolas públicas e particulares. A pesquisa bibliográfica e o levantamento classificam-se, por seu objetivo, como “Pesquisas Exploratórias”, que “têm como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito”, facilitando a compreensão e análise do tema em questão. (GIL, 1991, p. 45) Primeiramente há que se considerar que a leitura de um livro ou qualquer outro impresso se faz por razões diversas. Pode ocorrer que a leitura se dê por simples distração. Ou com objetivo de prender seu conteúdo com vistas à aplicação prática ou avaliação. Ou, ainda, para a obtenção de respostas a problemas. Como os objetivos das diversas leituras variam, naturalmente também variam os procedimentos e as atitudes requeridas. A leitura que se faz na pesquisa bibliográfica deve servir aos seguintes objetivos: a) identificar as informações e os dados constantes do material impresso; b) estabelecer relações entre as informações e os dados obtidos com o problema proposto; c) analisar a consistência das informações e dados apresentados pelos autores. (GIL, 1991, p. 66-67). Após a seleção do material bibliográfico para essa pesquisa, seguiu-se a leitura dele, de acordo com a classificação proposta por Gil, feita “em função do avanço do processo de pesquisa bibliográfica” (1991, p. 67), e composta de cinco 1 Expressão em latim, cujo significado é “aos bons resultados pelos caminhos ásperos”.
  24. 24. 23 fases seqüenciais. Inicialmente, foi realizada uma leitura exploratória em prefácios, introduções, sínteses, sumários, comentários, etc., para “verificar em que medida a obra consultada interessa à pesquisa”. Em seguida, iniciou-se a chamada “leitura seletiva”, onde se determinou o “material que de fato interessa à pesquisa” (GIL, 1991, p. 68). A fim de “ordenar e sumarizar as informações contidas nas fontes, de forma que estas possibilitem a obtenção de respostas ao problema da pesquisa” realizouse a leitura analítica, numa “atitude de objetividade, imparcialidade e respeito”, sem julgar as intenções do autor em face das idéias do pesquisador, apesar da dificuldade para isso, “sobretudo quando o objetivo do pesquisador é o de testar uma hipótese cuja veracidade esteja convencido antes de iniciar o trabalho de leitura analítica”. (GIL, 1991, p. 69). A última fase proposta por Gil (1991, p. 70), e mais complexa, denomina-se “leitura interpretativa”, onde procura-se conferir significado mais amplo aos resultados obtidos com a leitura analítica. Enquanto nesta última, por mais bem elaborada que seja, o pesquisador fixa-se nos dados, na leitura interpretativa vai além deles, através de sua ligação com outros conhecimentos já obtidos. Para proceder a pesquisa bibliográfica buscou-se a leitura de literatura específica relacionada ao ensino de língua e também publicações sobre o tema, veiculadas em jornais, revistas e sites da Internet. Este material de leitura forneceu subsídio teórico e embasamento para o desenvolvimento desta pesquisa. Da fase da leitura passou-se para os levantamentos, que segundo Gil (1991, p. 56), caracterizam-se pela interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer. Basicamente, procede-se à solicitação de informações a um grupo significativo de pessoas acerca do problema estudado para, em seguida, mediante análise quantitativa, obterem-se as conclusões correspondentes aos dados coletados. Gil especifica algumas fases para o desenvolvimento de um levantamento, indo da especificação dos objetivos a apresentação dos resultados. (GIL, 1991, p.
  25. 25. 24 86-104). Como ponto de partida para o levantamento de dados para este trabalho, foi estabelecido como objetivo geral, analisar a influência do uso da Internet no aprendizado e na aplicação da norma padrão da Língua Materna na escrita por estudantes de escolas públicas e particulares. Segundo Gil (1991, p. 86), Os objetivos gerais são pontos de partida, indicam uma direção a seguir, mas, na maioria dos casos, não possibilitam que se parta para a investigação. Logo precisam ser redefinidos, esclarecidos, delimitados. Daí surgem os objetivos específicos da pesquisa. Os objetivos específicos tentam descrever, nos termos mais claros possíveis, exatamente o que será obtido num levantamento. Delimitado o objetivo do levantamento deste trabalho, buscou-se dados para se provar que o Internetês, linguagem utilizada pelos usuários da Internet, é apenas uma nova variação lingüística, variação esta que é própria das línguas vivas, como é a língua portuguesa. Desta forma, o Internetês não é o vilão da novela do ensino no Brasil, com seus milhões de marginalizados e analfabetos. O segundo passo para o desenvolvimento do levantamento foi operacionalizar os conceitos e variáveis, tornando-os “passíveis de observação empírica e de mensuração” (GIL, 1991, p. 88), uma vez que a influência exercida pela Internet e seus recursos de comunicação no aprendizado e uso da norma padrão da língua portuguesa não se trata de um fenômeno de fácil mensuração. Para tanto, as questões elaboradas foram divididas e agrupadas por assunto, de maneira a permitir a obtenção de dados passíveis de interpretação. O terceiro passo desta pesquisa foi o de elaborar os questionários, instrumentos de coleta dos dados. Optou-se pelo questionário por um meio rápido e barato para se obter as informações desejadas, e também por não exigir um treinamento rigoroso das pessoas encarregadas de aplicá-los. Seguindo as orientações de Gil (1991, p. 92), segundo o qual [...] o questionário deve conter uma introdução que informe acerca da entidade patrocinadora, das razões que determinaram a realização da pesquisa e da importância das respostas para atingir os seus objetivos; [...] deve conter instruções acerca do correto preenchimento das questões
  26. 26. 25 sendo que os professores das classes consultadas receberam, além dos questionários, uma carta na qual se apresentava o trabalho de pesquisa e seus objetivos e também a explicação dos procedimentos desejáveis para o preenchimento dos questionários. Antes de se distribuir os questionários ao público alvo, procedeu-se a um préteste do levantamento de dados. O aluno/orientando e sua orientadora consultaram outros professores, alunos e colaboradores, no sentido de proceder alterações nas questões formuladas, testar sua importância mantendo ou retirando questões e reescrevê-las, para se garantir a maior clareza possível delas, de forma que medissem exatamente aquilo que tais instrumentos pretendiam. (GIL, 1991, p. 95). Para aplicação dos questionários foram selecionadas cinco escolas, três escolas públicas e duas escolas particulares, perfazendo um total de 264 (duzentos e sessenta e quatro) entrevistados provenientes das escolas públicas, 315 (trezentos e quinze) alunos das escolas particulares e 29 (vinte e nove) professores. O passo seguinte foi a coleta dos dados, que ocorreu no início dos meses de julho e agosto, respectivamente final e começo de semestres letivos nas escolas escolhidas para a aplicação dos questionários. Após a coleta dos dados foram realizadas a análise e interpretação dos dados, envolvendo a “codificação das respostas, tabulação dos dados e cálculos estatísticos” (GIL, 1991, p. 102). Para esse levantamento optou-se pela pós-codificação dos dados, pela complexidade das relações entre as respostas esperadas, e a dificuldade em operacionalizar seus conceitos e variáveis. A tabulação dos dados obtidos com os questionários deu-se através da inserção das respostas em um banco de dados Access, utilizando-se consultas SQL (Structured Query Language) para a quantificação das respostas e posteriores cálculos estatísticos, imprescindíveis à análise dos dados. A esta pesquisa foi anexada a transcrição das respostas dissertativas dos questionários dos alunos e professores entrevistados, assim como dos dados tabulados, separados por pergunta e por tipo de questionário. O levantamento foi aplicado, através de questionários, a 579 (quinhentos e
  27. 27. 26 setenta e nove) alunos de escolas públicas e particulares, que cursavam entre a 2ª série do ensino fundamental e a 3º série do ensino médio, e a 29 (vinte e nove) professores das disciplinas que tinham mais envolvimento com o desenvolvimento de textos pelos alunos: Língua Portuguesa, Literatura, História, Geografia, Leitura e Produção de Texto. Os questionários aplicados nos alunos foram elaborados de acordo com a “faixa etária estudantil” dos entrevistados: um modelo para alunos da 2ª a 4ª séries do ensino fundamental e outro modelo para alunos da 5ª série do ensino fundamental até a 3º série do ensino médio. O primeiro modelo, aplicado em alunos que cursam da 2ª a 4ª série do ensino fundamental, constituiu-se de trinta questões, sendo vinte e nove questões de múltipla escolha e uma questão dissertativa. A primeira pergunta deste primeiro modelo de questionário teve por objetivo identificar se o entrevistado procedia de uma família mais privilegiada economicamente, partindo-se do pressuposto de que uma renda familiar maior, permite maior acesso à informação, à Internet e seus recursos de comunicação. As três perguntas seguintes (2, 3 e 4) verificavam se o entrevistado sabia o que era, se tinha e se usava um computador, uma vez que muitas crianças, ainda hoje, desconhecem o que realmente é um computador, atribuindo-lhe características “fantásticas” próprias de histórias em quadrinhos e séries de televisão, que, no momento, são realidade apenas nas pranchetas de ousados projetistas de engenharia computacional e nas obras dos autores de ficção científica. As perguntas 5, 6, 7 e 8 tinham por objetivo verificar se o entrevistado conhecia o que era Internet, se tinha acesso a ela e como era feito esse acesso. As próximas onze perguntas (9 até a 20) verificavam o uso que o entrevistado fazia da Internet e seus recursos de comunicação (mensageiros, comunidades, sites pessoais, bate-papos...), questionando-os sobre o tempo médio de uso desses recursos. As perguntas 21 até a 24 averiguavam como o entrevistado costumava se comunicar na Internet, e sua opinião sobre os motivos do uso de abreviações e onomatopéias pelos jovens internautas, o que é conhecido atualmente como Internetês – a linguagem da Internet.
  28. 28. 27 As perguntas 25 até a 29 questionavam o estudante sobre o uso que esse fazia da norma padrão, e a última pergunta, a dissertativa, solicitou a opinião do entrevistado sobre a influência do uso dos recursos de comunicação da Internet na produção de textos para a escola. O segundo modelo de questionário, aplicado em alunos que cursam da 5ª série do ensino fundamental a 3º série do ensino médio, constituiu-se de vinte e nove questões, sendo vinte e oito questões de múltipla escolha e uma questão dissertativa que seguia basicamente o mesmo esquema das questões do primeiro modelo, apenas com algumas mudanças de vocabulário. Este segundo modelo também se iniciou verificando a renda familiar do entrevistado, se esse tinha e utilizava um computador, se tinha acesso à Internet, como se dava esse acesso, qual o uso que fazia dos recursos de comunicação disponibilizados e o tempo médio de uso desses recursos. Verificava também como o entrevistado costumava se comunicar na grande rede, questionando-o sobre os principais motivos que levam os internautas a utilizarem abreviações e onomatopéias na comunicação. As últimas perguntas deste segundo modelo de questionário, assim como as últimas perguntas do primeiro modelo, questionaram o entrevistado sobre o uso da norma padrão, pedindo, na última questão, sua opinião sobre a influência do uso dos recursos de comunicação da Internet na produção de textos para a escola. Com os questionários foi possível verificar a utilização que o aluno, enquanto usuário da Internet, faz dos flexíveis recursos de comunicação disponibilizados pela Internet, em oposição às exigências da norma padrão ensinada na maioria das escolas e amplamente difundida pelo “círculo vicioso do preconceito lingüístico. [...] a gramática tradicional, os métodos tradicionais de ensino e os livros didáticos”. (BAGNO, 1999, p. 73). O questionário destinado aos professores era composto por questões de múltipla escolha e questões dissertativas e tinha por objetivo verificar a percepção que tais professores tinham sobre a influência do uso da Internet (por seus alunos) no aprendizado e uso da norma padrão da língua portuguesa ensinada no Brasil, questionando-os sobre as principais dificuldades percebidas em seus alunos, assim como as principais “inovações” utilizadas por seus alunos quando produziam textos
  29. 29. 28 para a escola. As três primeiras questões desse questionário, objetivavam averiguar a formação acadêmica do entrevistado, seguindo-se de quatro questões elaboradas para verificar se o entrevistado tinha computador, se tinha facilidade em utilizá-lo, e se acessava a Internet. As questões 8 e 9 localizavam o entrevistado no ambiente de ensino, verificando a quantidade de alunos para os quais o entrevistado lecionava, e onde atuava (rede pública ou particular). A 10ª questão verificava se o entrevistado considerava satisfatório o rendimento de seus alunos nas aulas, e a questão 11 apontava as três principais dificuldades apresentadas pelos alunos do professor entrevistado quanto ao domínio e uso da Língua Portuguesa. A 12ª questão visava indicar as três principais inovações que os alunos mostravam em uma elaboração de textos escritos. A última questão verificava a opinião do entrevistado sobre essas dificuldades e inovações, perguntando se essas dificuldades e/ou inovações podiam ser atribuídas ao uso da Internet e seus recursos de comunicação (mensageiros, batepapo, comunidades...). Segundo Gil (1991, p. 57), Os levantamentos recolhem dados referentes à percepção que as pessoas têm acerca de si mesmas. Ora, a percepção é subjetiva, o que pode resultar em dados distorcidos. Há muita diferença entre o que as pessoas fazem ou sentem e o que elas dizem a esse respeito. Uma vez que nem todos os entrevistados responderam ao questionário de maneira satisfatória na tabulação dos dados, cada questão foi considerada individualmente, e se utilizou os percentuais das variações de respostas em relação ao total de respostas válidas. Considerando-se a dimensão do levantamento e a população entrevistada, a interpretação dos dados coletados não reflete necessariamente a realidade nacional, uma vez que para isso tornaria necessária a seleção de uma população muito maior e significativa, de todos os grupos formais e informais de brasileiros que utilizam a Internet e estão cursando o ensino fundamental ou médio, em escolas públicas ou particulares, assim como de uma população proporcional de professores, de acordo
  30. 30. 29 com a disciplina lecionada e a quantidade de alunos sob sua responsabilidade. Os dados obtidos serão discutidos nos capítulos seguintes deste trabalho e têm como objetivo comprovar que o Internetês se configura como mais uma variação lingüística utilizada pelos brasileiros.
  31. 31. 30 4 NOSCE TE IPSUM 1 Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Em que da voz materna ouvi: "meu filho!" E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem ventura e o amor sem brilho! (Olavo Bilac, Língua Portuguesa) Esta pesquisa científica apresenta-se estruturada de maneira a construir paulatinamente os conceitos necessários à correta elucidação do problema em pauta: Será o Internetês uma variação lingüística nociva aos alunos do ensino fundamental e médio? Para tanto, este capítulo, cujo título traduz-se por “conhece-te a ti mesmo”, iniciará a apresentação dos resultados da pesquisa bibliográfica com alguns conceitos básicos (língua, fala, linguagem, gramática), um breve relato sobre a língua portuguesa, sua origem e evolução através dos séculos, até o presente momento histórico e lingüístico. Toda a história do homem sobre a terra constitui permanente esforço de Comunicação. Desde o momento em que os homens passaram a viver em sociedade, seja pela reunião de famílias, seja pela comunidade de trabalho, a Comunicação tornou-se imperativa. Isto porque, somente através da Comunicação, os homens conseguem trocar idéias e experiências. O nível de progresso nas sociedades humanas pode ser atribuído, com razoável margem de segurança, à maior ou menor capacidade de Comunicação entre o povo, pois o 1 Expressão em latim, cujo significado é “conhece-te a ti mesmo”.
  32. 32. 31 próprio conceito de nação se prende à intensidade, variedade e riqueza das Comunicações humanas. (PENTEADO, 1972, apud CADORE, 1995, p. 6). A construção dos conceitos básicos e necessários à melhor compreensão da língua portuguesa e suas peculiaridades baseia-se em pareceres de gramáticos, dicionaristas e lingüistas. O primeiro dos conceitos a ser tratado será Língua, seguindo-se de outros que se fazem necessários para uma melhor contextualização do tema. 4.1 Língua As definições estudadas para o desenvolvimento desta monografia, para a palavra Língua, vão de conjunto das palavras e expressões usadas por um povo a conjunto de regras de sua gramática, sendo perceptível a ampliação de seu significado, após o advento da Lingüística, ciência que estuda os esforços das pessoas para se comunicarem através da linguagem e não o que deveriam ou não deixar de fazer para se comunicarem. O Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa (FERREIRA, 1994) conceitua língua como um substantivo feminino, cujo significado é Língua [...] 3. O conjunto das palavras e expressões usadas por um povo, por uma nação, e o conjunto de regras de sua gramática; idioma. 4. A língua vernácula. 5. Modo de expressão escrita ou verbal de um autor, de uma escola, de uma época; estilo; linguagem. 6. fig. A linguagem (3) própria de uma pessoa ou de um grupo. 7. Ling. Sistema de signos que permite a comunicação entre os membros de uma comunidade [...].”. Já André (1978, p. 11), na introdução de sua Gramática Ilustrada faz uma definição de língua baseado em um sistema de signos. Ao se remeter a um “sistema” para definir Língua, percebe-se que essa definição vai além de uma definição de um dicionarista. [...] o sistema de signos vocais de uma comunidade. Signo é o complexo sonoro (por exemplo, “casa”) e o significado que esse complexo comunica (a idéia de casa). Assim, o signo tem duas partes que formam um todo, como as duas páginas de uma folha: o
  33. 33. 32 significante (na palavra, a imagem acústica) e o significado (o conceito). Os signos de uma língua substituem os objetos e os representam. O conjunto dos signos, organizados em sistema, forma a LÍNGUA – um verdadeiro código social à disposição dos indivíduos da comunidade, para a comunicação. Um código criado pela própria comunidade e que espelha a sua cultura e se transforma um importante fator de unidade nacional. Cadore, assim como André, percebe a Língua em uma dimensão maior, perpassando por conceitos ligados à Lingüística, “língua é um sistema de signos que serve de meio de comunicação entre os membros de uma comunidade lingüística. Os signos de uma língua substituem os objetos e os representam.” (CADORE, 1995, p. 10). Luft, autor de gramáticas, manuais de ortografia e dicionarista, conceitua língua como “[...] um duplo sistema: sistema de sinais (vocábulos, expressões, etc.) e sistema de regras de combinação desses sinais.” (LUFT, 2005, p. 11). Para Faraco, professor de Lingüística e Língua Portuguesa, e Tezza, mestre em Literatura Brasileira e professor de Língua Portuguesa, língua é um “[...] conjunto de variedades [...,] de linguagens que diferem umas das outras num grande número de aspectos”. (1992, p. 11). Citando Sirio Possenti, Faraco e Tezza (1992, p. 27) relacionam o conceito de língua ao conceito de gramática: considerando-se a gramática como um conjunto de regras que determinam a correção ao escrever e falar, que é o conceito mais comum e difundido, “o termo língua recobre apenas uma das variedades lingüísticas utilizadas efetivamente pela comunidade, a variedade que é pretensamente utilizada pelas pessoas cultas”. Cegalla (1984, p. 534, grifos do autor), conhecido gramático, diz que “a língua de uma nação civilizada apresenta várias modalidades que podem coexistir sem quebra de sua estrutura comum, de sua unidade [...]”, e destaca sete modalidades da língua, como se segue: 1) A língua geral é a língua padrão de um país, aceita pela comunidade e imposta pelo uso comum. Sobrepõe-se aos vários falares regionais, de que é uma espécie de denominador comum. 2) A língua regional. A língua geral tende a carregar-se de tonalidades regionais, na fonética e no vocabulário, resultando dali os falares regionais, que chegam a tingir fortemente a expressão cultural e literária em certas áreas geográficas de um país. Quando características muito acentuadas vincam uma
  34. 34. 33 língua regional, temos um dialeto. [...] 3) A língua popular é a fala espontânea e fluente do povo. Mostra-se quase sempre rebelde à disciplina gramatical e está eivada de plebeísmos, isto é, de palavras vulgares e expressões da gíria. É tanto mais incorreta quanto mais incultas as camadas sociais que a falam. 4) A língua culta é usada pelas pessoas instruídas das diferentes profissões e classes sociais. Pauta-se pelos preceitos da gramática normativa e caracteriza-se pelo apuro da forma e a riqueza lexical. É ensinada nas escolas e serve de veículo às ciências, onde se apresenta com terminologias especiais. Mais artificial do que espontânea, dela se servem os poetas e escritores em suas obras artísticas, sendo então chamada língua literária. 5) Uma língua pode ser falada ou escrita, conforme se utilizem signos vocais (expressão oral) ou sinais gráficos (expressão escrita). A primeira é viva e atual, ao passo que a segunda é a representação ou a imagem daquela. A língua falada é mais comunicativa e insinuante, porque as palavras são fortemente subsidiadas pela sonoridade e inflexões da voz, pelo jogo fisionômico e a gesticulação (mímica), recursos estes que a língua escrita desconhece. O discurso de um orador inflamado é muito mais belo e empolgante ouvido do que lido. Por outro lado, a expressão oral é prolixa e evanescente, ao passo que a escrita é sóbria e duradoura. Para Nicola e Infante, gramáticos, autores de livros didáticos, a língua é o mais importante código comunicativo existente, “pois seu uso é universal e generalizado nos diferentes grupos sociais”, e, citando o lingüista Ferdinand de Saussare, acrescenta que a língua “é a parte social da linguagem, exterior ao indivíduo, que, por si só, não pode nem criá-la nem modificá-la; ela não existe senão em virtude duma espécie de contrato estabelecido entre os membros da comunidade”. (1990, p. 20, grifo nosso). Ainda segundo Nicola e Infante (1990, p. 21, grifos do autor), O estudo sincrônico 2 de uma língua revela a existência de muitas variações. Inicialmente, há a diferença entre a língua falada e a língua escrita, dois meios de comunicação diferentes. A língua falada é espontânea, mais solta, acompanhada de mímica e entonação, que preenchem importantes papéis significativos; a língua escrita não é a simples representação gráfica da língua falada, mas sim um sistema mais disciplinado e rígido, uma vez que não conta com a significação paralela da mímica e entonação. [...] Ocorrem ainda variações lingüísticas de ordem geográfica, chamadas de regionalismos, dialetos ou patoás. Isso acontece 2 O estudo sincrônico enfoca o sistema lingüístico em funcionamento num determinado momento, sem a perspectiva histórica.
  35. 35. 34 porque em algumas regiões de um país certas expressões e mesmo construções são preferidas a outras; quando tais diferenças se aprofundam, deixa-se de falar em regionalismo e fala-se em dialeto. [...] [Distingue-se ainda a língua entre culta e popular] A língua culta prende-se aos modelos e normas da Gramática tradicional e é empregada pelas elites sociais escolarizadas. É a modalidade lingüística tomada como padrão de ensino, e nela se redigem os textos e documentos oficiais do país. [...] Já a língua popular ou linguajar é aquela usada diariamente pelo povo, desprovida de qualquer preocupação com a “correção” gramatical. Sua finalidade é eminentemente prática: comunicar informações e exprimir opiniões e sentimentos de forma eficaz. [...] Há também as chamadas línguas especiais, pertencentes a grupos restritos de indivíduos que compartilham um mesmo conhecimento técnico ou interesses comuns. No primeiro caso temos as línguas técnicas; no segundo, falamos em gírias ou calões. [...] Podemos falar ainda num outro nível lingüístico: a língua literária. Esta modalidade distingue-se das demais pela capacidade de gerar prazer estético, além da simples comunicação. Caracteriza-se pela elaboração artística do código. Caracteriza-se pela elaboração artística do código lingüístico, visando a finalidades expressivas e criativas. Percebe-se que com o passar do tempo e com o aparecimento das teorias voltadas à Língua, a sua conceituação ampliou-se e conferem uma nova dimensão a ser considerada em seu estudo. 4.2 Fala Assim como na conceituação de Língua por dicionaristas, gramáticos e lingüistas, ao se conceituar Fala, pode-se perceber a diferenciação que se faz entre os autores citados, influenciados que são pelas ciências que praticam. Ferreira (1994) conceitua Fala como Fala sf. 1. Ação ou faculdade de falar (1). 2. Aquilo que se exprime por palavras. [...] 4. Palavra, dicção, vocábulo. 5. Alocução, discurso. 6. Parte do diálogo dita por um dos interlocutores. [...] 8. Modo de falar, linguagem, elocução, falar. André (1978, p. 11) amplifica a definição dada por Ferreira, ao conceituar Fala como [...] a utilização oral da língua pelo indivíduo. Cada indivíduo
  36. 36. 35 seleciona, no código da língua, os elementos que lhe convêm, conforme seu gosto e sua necessidade, de acordo com a situação, o contexto, sua personalidade, o ambiente sócio-cultural em que vive, etc.. Dessa maneira, dentro da unidade da língua, encontramos uma expressiva diversificação, nos mais variados NÍVEIS DE FALA: infantil ou adulta, coloquial ou formal, comum ou literária, etc. E cada um de nós também conhece não apenas o que fala, como também muita coisa do que os outros falam; esse o motivo por que podemos participar do diálogo com pessoas dos mais variados graus de cultura, embora nem sempre a linguagem delas confira exatamente com a nossa. Cadore (1995, p. 11) destaca a individualidade social da Fala: “fala é o uso que cada membro dessa comunidade lingüística faz da língua comum. Fala, em outras palavras, é o ato concreto e individual das pessoas que se apropriam da língua comum e lhe dão o seu estilo particular”. Esse autor conceitua ainda os “Níveis de Fala”, como sendo “variados modos de usar a língua segundo o meio sócio-cultural em que vive o indivíduo. Nesse sentido há o nível comum ou literário, coloquial ou formal, popular ou erudito, etc.” Nicola e Infante (1990, p. 20, grifo do autor), assim como Cadore, destacam o uso personalizado da Fala pelos indivíduos: Individualmente, é possível optar por esta ou aquela forma de expressão no momento de se comunicar, mas não se pode criar uma língua particular e exigir que outros a entendam. Assim, cada indivíduo pode fazer um uso próprio e personalizado da língua comunitária, originando a fala, sempre condicionada pelas regras socialmente estabelecidas da língua, mas suficientemente ampla para permitir um exercício criativo da comunicação. A partir das concepções a respeito de Fala, pode-se notar que há um destaque para a faculdade de falar, mas com essa Fala sempre condicionada às regras socialmente estabelecidas da Língua. Segue-se, agora, para a conceituação de Linguagem. 4.3 Linguagem Ao conceituarem Linguagem, os autores citados associam-na à comunicação, sendo que para Cadore (1995, p. 11), linguagem “é a capacidade comunicativa que
  37. 37. 36 têm os seres humanos, usando qualquer sistema de sinais significativos, de expressar seus pensamentos, sentimentos e experiências.” Para Ferreira (1994), linguagem é Linguagem sf. 1. O uso da palavra articulada ou escrita como meio de expressão e de comunicação entre pessoas. 2. A forma de expressão pela linguagem (1) própria de um indivíduo, grupo, classe, etc.. 3. O vocabulário específico usado numa ciência, numa arte, numa profissão, etc.; língua. 4. Vocabulário; palavreado. 5. Tudo quanto serve para expressar idéias, sentimentos, modos de comportamento, etc., e que exclui o uso da linguagem (1).[...] 7. Ling. Todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos e pode ser percebido pelos diversos órgãos dos sentidos, o que leva a distinguir-se uma linguagem visual, uma linguagem auditiva, uma linguagem tátil, etc., ou, ainda, outras mais complexas, constituídas, ao mesmo tempo, de elementos diversos. [...]”. Segundo Nicola e Infante (1990, p. 19, grifos do autor), linguagem é uma palavra sempre relacionada a fenômenos comunicativos. Onde há comunicação, há linguagem: como o homem é um ser social, sua necessidade de estabelecer comunicação é praticamente ininterrupta. Enviando ou recebendo mensagens por meio de um código, o ser humano atende a sua necessidade comunicativa, criando a atividade a que se dá o nome de linguagem: a linguagem é um processo de comunicação de uma mensagem entre dois sujeitos falantes pelo menos, sendo um o destinador ou o emissor, e o outro, o destinatário ou o receptor. Assim como Nicola e Infante, André (1978, p. 11) apresenta a linguagem como a utilização oral (FALA) ou escrita da língua. Em tal sentido é que empregamos a palavra nas expressões LINGUAGEM ORAL e LINGUAGEM ESCRITA. Trata-se de uma acepção estrita. Num sentido mais genérico, LINGUAGEM seria qualquer sistema de sinais de que se valem os indivíduos para comunicar-se. [...] A linguagem escrita tem por finalidade representar a falada. Na medida do possível, é claro, pois os símbolos gráficos não conseguem evocar muitos dos elementos da fala.[Portanto] a escrita deve ser muito mais trabalhada, para compensar o que lhe falta. André (1978, p. 13) também ressalta a importância da linguagem escrita, pois “toda a cultura do homem tem sido preservada e perpetuada, através dos séculos, pela escrita”. O conceito a ser trabalhado a seguir tem a ver com normas e com convenções da Linguagem.
  38. 38. 37 4.4 Gramática A palavra Gramática é popularmente associada à disciplina que especifica aos estudantes o que podem e o que não podem fazer ao se comunicarem, apontando-lhes seus ‘erros de português’. Pode-se perceber, pelas definições abaixo, que a Gramática é maior e mais ampla do que simplesmente apontar erros, mas mesmo assim percebe-se que há diferenças entre os conceitos de lingüistas e gramáticos. Ferreira (1994) conceitua gramática como “[...] sf. 1. Estudo ou tratado dos fatos da linguagem, falada e escrita, e das leis naturais que a regulam. 2. Livro onde se expõe as regras da linguagem [...]”. Cadore (1995, p. 11) amplia o conceito dado por Ferreira, acrescentando a idéia de sistema ao conceituar gramática: é a descrição do sistema de uma língua, ou descrição da língua como sistema de meios de expressão [sendo um sistema tríplice, formado pela] fonologia, morfologia e sintaxe. Esta é a gramática propriamente dita, preocupada em descrever os fatos. Luft (2005, p. 9) apresenta as diferenças entre o livro “gramática” e a gramática propriamente dita: os livros que chamamos gramáticas são meras tentativas de registro e explicação de parte ínfima das regras contidas na autêntica GRAMÁTICA, a vital, verdadeira: conjunto de regras que sustentam o sistema de qualquer língua, com ela nascem, evoluem e morrem. Ainda segundo Luft (2005, p. 36, grifos do autor) A gramática (saber lingüístico internalizado) dos falantes é sempre completa: sistema de todas as regras necessárias para se poder falar. Mesmo a criança de cinco ou seis anos que já fala com desembaraço, e o mais humilde dos analfabetos, necessariamente dominam a gramática completa que preside seus atos de fala. Do contrário, não haveria como falar. Para Nicola e Infante (1990, p. 23), a gramática preocupa-se com o “ideal da expressão correta”, “impondo maneiras ‘certas’ e ‘padronizadas’ de falar e escrever”, tendo suas regras baseadas nas obras literárias dos grandes escritores.
  39. 39. 38 O filólogo 3 Evanildo Bechara (2004, p. 52) diferencia gramática “descritiva” de gramática “normativa”: A gramática descritiva é uma disciplina científica que registra e descreve (daí o ser descritiva, por isso não lhe cabe definir) um sistema lingüístico em todos os seus aspectos (fonético-fonológico, morfossintático e léxico). [...] Cabe à gramática normativa, que não é uma disciplina com finalidade científica e sim pedagógica, elencar os fatos recomendados como modelares da exemplaridade idiomática para serem utilizados em circunstâncias especiais do convívio social. A gramática normativa recomenda como se deve falar e escrever segundo o uso e a autoridade dos escritores corretos e dos gramáticos e dicionaristas esclarecidos. Ainda segundo Bechara (2004, p. 55-56) Além da gramática descritiva, são também gramáticas científicas, isto é, sem finalidade prescritiva ou normativa, e com objeto e metodologias próprios: a) gramática geral (mais impropriamente chamada gramática universal): estudo dos fundamentos teóricos dos conceitos gramaticais [...], ou, noutro sentido, procura os fatos gramaticais comuns e gerais a vários sistemas lingüísticos. Também é denominada teoria gramatical. Esta gramática investiga o plano universal da linguagem e, por isso, não tem como objeto uma língua particular [...] b) gramática comparada: estudo comparado de línguas pertencentes a um tronco ou “família” procedente de uma fonte comum primitiva, com vista a estabelecer os fatos manifestados pela relação de “parentesco”. c) gramática histórica (considerada em sentido estrito): estudo diacrônico 4 de um só sistema idealmente homogêneo. d) história interna da língua: estudo diacrônico de uma língua histórica 5 . Citando Sirio Possenti, Faraco e Tezza (1993, p. 26-27) apresentam alguns sentidos diversos para gramática: No sentido mais comum, o termo gramática designa um conjunto de regras que devem ser seguidas por aqueles que querem “falar e escrever corretamente”. Nesse sentido, pois, gramática é um conjunto de regras a serem seguidas. [...] Num segundo sentido, gramática é um conjunto de regras que um cientista dedicado ao estudo de fatos da língua encontra nos dados 3 Cientista que estuda o desenvolvimento de língua baseado em documentos escritos e literários. A diacronia analisa a língua a partir de sua evolução ao longo do tempo. (NICOLA; INFANTE, 1990, p. 20). 5 Expressão utilizada pelo autor em “alusão a uma língua como produto cultural histórico, constituída como unidade real, reconhecida pelos falantes nativos ou por falantes de outras línguas, e praticada por todas as comunidades integrantes desse domínio lingüístico.” (BECHARA, 2004, p. 37). 4
  40. 40. 39 que analisa a partir de uma certa teoria e de um certo método. Nesse caso, por gramática se entende um conjunto de leis que regem a estruturação real de enunciados realmente produzidos por falantes, regras que são utilizadas. [...] Num terceiro sentido, a palavra gramática designa o conjunto de regras que o falante de fato aprendeu e das quais lança mão ao falar. [...] O conjunto de regras lingüísticas que um falante conhece constitui a sua gramática, o seu repertório lingüístico. Assim como Faraco e Tezza, Franchi (1991, p. 48-54, grifos do autor) também sintetiza as definições de gramática: GRAMÁTICA [normativa] É O CONJUNTO SISTEMÁTICO DE NORMAS PARA BEM FALAR E ESCREVER, ESTABELECIDAS PELOS ESPECIALISTAS, COM BASE NO USO DA LÍNGUA CONSAGRADO PELOS BONS ESCRITORES. Dizer que alguém “SABE GRAMÁTICA” significa dizer que esse alguém “CONHECE ESSAS NORMAS E AS DOMINA TANTO NOCIONALMENTE QUANTO OPERACIONALMENTE”. [...] GRAMÁTICA [descritiva] É UM SISTEMA DE NOÇÕES MEDIANTE AS QUAIS SE DESCREVEM OS FATOS DE UMA LÍNGUA, PERMITINDO ASSOCIAR A CADA EXPRESSÃO DESSA LÍNGUA UMA DESCRIÇÃO ESTRUTURAL E ESTABELECER SUAS REGRAS DE USO, DE MODO A SEPARAR O QUE É GRAMATICAL DO QUE NÃO É GRAMATICAL. “SABER GRAMÁTICA” significa, no caso, ser capaz de distinguir, nas expressões de uma língua, as categorias, as funções e as relações que entram em sua construção descrevendo com elas sua estrutura interna e avaliando sua gramaticalidade. [...] “GRAMÁTICA [interna, natural] CORRESPONDE AO SABER LINGÜÍSTICO QUE O FALANTE DE UMA LÍNGUA DESENVOLVE DENTRO DE CERTOS LIMITES IMPOSTOS PELA SUA PRÓPRIA DOTAÇÃO GENÉTICA HUMANA, EM CONDIÇÕES APROPRIADAS DE NATUREZA SOCIAL E ANTROPOLÓGICA”; “SABER GRAMÁTICA” não depende, pois, em princípio [,] da escolarização, ou de quaisquer processos de aprendizado sistemático, mas da ativação e amadurecimento progressivo (ou da construção progressiva), na própria atividade lingüística, de hipóteses sobre o que seja a linguagem e de seus princípios e regras. Conceituada a gramática, o próximo conceito se refere a seu objeto de estudo, que são as Normas da Língua.
  41. 41. 40 4.5 Norma Os autores aqui citados empregam vários termos para Norma: norma padrão, norma culta, língua padrão, sendo que esse grupo de conceitos, de lingüistas e gramáticos, é de vital importância à compreensão dessa pesquisa. Segundo Bechara (2004, p.42), A norma contém tudo o que na língua não é funcional, mas que é tradicional, comum e constante, ou, em outras palavras, tudo o que se diz “assim, e não de outra maneira”. É o plano de estruturação do saber idiomático que está mais próximo das realizações concretas [...] Faraco e Tezza (1993, p. 30, grifos do autor) utilizam o termo língua padrão ao conceituar o conjunto de formas consideradas como o modo correto, socialmente aceitável, de falar ou escrever [...] em outras palavras, a língua padrão, na sua origem, é a língua do poder político, econômico e social. Faraco e Tezza (1993, p. 30-34) também ponderam que a língua padrão não é uniforme, variando de acordo com a situação em que é empregada, seja por influências regionais ou pessoais do falante, além de considerarem que língua padrão muda no tempo, fruto da evolução das línguas enquanto entidades vivas e dinâmicas, e enfatizam que hoje, não podemos falar em língua padrão sem levar em consideração, de algum modo, os meios de comunicação social (jornais e revistas, principalmente), meios esses que são completamente ignorados pelas gramáticas tradicionais, embora eles representem, de fato, o padrão brasileiro. André (1978, p. 12, grifos do autor) também faz menção do caráter “oficial” da Norma, que ele chama “Culta”: A par dos variados níveis de fala, existe uma linguagem padrão, de âmbito nacional, utilizada por todos os que buscam instrução e que, pelo aprimoramento cultural, necessitam expressar-se com mais clareza e precisão, de modo mais variado e fluente. Trata-se da linguagem divulgada pelas escolas, pelos livros científicos e literários, pelos meios de comunicação, como a imprensa, o rádio, a televisão. Tal linguagem é geralmente denominada CULTA. Utiliza
  42. 42. 41 em numero muito mais amplo as palavras do dicionário e encontrase, em grande parte, codificada nas regras da GRAMÁTICA. [...] a NORMA CULTA representa o ponto de convergência ou referencial de todos aqueles usos [os níveis de fala] da língua [...] Segundo Bagno (2003, p. 39-40, grifos do autor), No que diz respeito às questões lingüísticas, o conceito de norma dá margem a muita discussão teórica. No Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa fuça evidente a duplicidade de noções contida na palavra norma quando se trata de língua: 4 Rubrica: lingüística, gramática conjunto dos preceitos estabelecidos na seleção do que deve ou não ser usado numa certa língua, levando em conta fatores lingüísticos e não lingüísticos, como tradição e valores socioculturais (prestígio, elegância, estética etc.) 5 Rubrica: lingüística tudo o que é de uso corrente numa língua relativamente estabilizada pelas instituições sociais. Como é possível, num mesmo campo de investigação, usar um único termo para o que é “preceito estabelecido” e para o que é “uso corrente”? Partindo dessa dualidade conceitual de Norma, Bagno (2003, p. 63-70) propõe o emprego das terminologias “padrão”, “prestígio” e “estigma” para diferenciá-las: Mesmo usando terminologias que apresentam algumas diferenças entre si, as pessoas que se dedicam a estudar a nossa realidade sociolingüística concordam em identificar, nas relações entre língua e sociedade no Brasil, três “coisas” bem distintas. [...]: 1. A primeira é a “norma culta” dos prescritivistas, ligada à tradição gramatical normativa, que tenta preservar um modelo de língua ideal, inspirado na grande literatura do passado. 2. A segunda é a “norma culta” dos pesquisadores, a língua realmente empregada no dia-a-dia pelos falantes que têm escolaridade superior completa, nasceram, cresceram e sempre viveram em ambiente urbano. 3. A terceira é a “norma popular”, expressão usada tanto pelos tradicionalistas quanto pelos pesquisadores para designar um conjunto de variedades lingüísticas que apresentam determinadas características fonéticas, morfológicas, sintáticas, semânticas, lexicais etc. que nunca ou muito raramente aparecem na fala (e na escrita) dos falantes “cultos”. Esta “norma popular” [...] predomina nos ambientes rurais, onde o grau de escolarização é nulo ou muito baixo. Predomina também nas periferias das cidades, para onde acorrem os moradores do campo [...]. [...] para designar o modelo ideal de língua “certa”, muitos lingüistas têm proposto o termo norma-padrão. [...] porque, se é ideal, se não corresponde integralmente a nenhum conjunto concreto de manifestações lingüísticas regulares e freqüentes, não pode ser chamada de “língua”, nem de “dialeto”, nem de “variedade”.
  43. 43. 42 [...] deixo aqui a sugestão para que a gente passe a tratar de variedades de prestígio ou variedades prestigiadas [...] as variedades lingüísticas faladas pelos cidadãos com alta escolarização e vivência urbana. [...] Na literatura sociolingüística, é comum opor prestígio a estigma.[...] Assim, para designar as variedades lingüísticas que caracterizam os grupos sociais desprestigiados do Brasil [...], sugiro que a gente passe a empregar a expressão variedades estigmatizadas. Ainda que esses cinco termos tenham sido aqui conceituados diferentemente por gramáticos, dicionaristas e lingüistas, é incomum que populares conheçam essas diferenças, considerando-os sinônimos, ou ainda não sabendo distingui-los na prática, sendo que se observa, mesmo entre estudantes, a frágil diferenciação que se faz desses termos, o que leva muita gente a confundir ensino da língua com ensino de gramática. (LUFT, 2005, p. 21). 4.6 Língua portuguesa Estabelecidos esses conceitos, considera-se necessário descrever, ainda que sucintamente, a origem e evolução histórica da língua portuguesa, a fim de se estabelecer um parâmetro de comparação entre o dialeto variante do latim vulgar utilizado na península ibérica romanizada e a língua falada e escrita por aproximadamente 200 milhões de pessoas na atualidade. Segundo a professora Elis de Almeida Cardoso (CARDOSO, 2005, p. 164), “o léxico 6 do português atual é o resultado de um fio condutor essencial, proveniente do latim, ao qual se acrescentaram empréstimos múltiplos”. Ela cita ainda Vilela, argumentando que O léxico é o subsistema da língua mais dinâmico, porque é o elemento mais diretamente chamado a configurar lingüisticamente o que há de novo, e por isso é nele que se refletem mais clara e imediatamente todas as mudanças ou inovações políticas, econômicas, sociais, culturais e científicas. 6 O repertório total de palavras existentes numa determinada língua.
  44. 44. 43 4.6.1 Origem e evolução da língua portuguesa A península ibérica tem uma estratégica e privilegiada posição geográfica no continente europeu, projetando-se em rumo ao oceano Atlântico e estando localizada a oeste dos Pirineus 7 , que a separa do restante da Europa. Durante séculos foi disputada por vários povos, que deixaram suas marcas na língua e na cultura da região. Segundo CARDOSO (2005, p. 165) havia originalmente dois povos primitivos habitando a região: um cântabro-pirenaico e outro mediterrâneo, sendo que da evolução de suas línguas se originou o basco e o ibero. Aproximadamente em 1100 a.C. os fenícios se fixaram na região, sendo seguidos pelos gregos e provavelmente pelos lígures 8 . Passados 6 séculos, vindos do sul da Germânia chegaram os celtas, após conquistarem as Gálias. Para Nicola e Infante (1990, p. 12), [...] o povo português resultou de um antigo e demorado processo de miscigenação e de constantes aculturações. Entretanto, as várias culturas existentes na Península foram reduzidas a um denominador comum a partir do domínio romano e de sua imposição cultural (o primeiro desembarque romano ocorreu em 219 a.C.). Com o domínio romano, difundiu-se a utilização do latim como língua oficial, sendo que esta latinização da península ocorreu com o latim clássico (gramaticalizado, falado e escrito) e o latim vulgar (apenas falado). Da miscigenação entre o latim vulgar e as outras línguas pré-existentes e que viriam a se estabelecer na Península Ibérica originou-se a língua portuguesa (NICOLA; INFANTE, 1990, p. 12). Durante o domínio romano na península ibérica, os vários dialetos falados e influenciados pelo latim receberam a “denominação genérica de romanço (do latim romanice, que significa ‘falar à maneira dos romanos’)” (NICOLA; INFANTE, 1990, p. 14). Segundo Bagno (2003, p. 136-137) Quando o império romano se esfacelou, a partir do século V, a 7 Cordilheira situada no sudoeste da Europa. Separam a Península Ibérica da França, e estendem-se por aproximadamente 430 km do Golfo de Biscaia no oceano Atlântico ao Cabo de Creus no mar Mediterrâneo. 8 Habitantes do noroeste da Itália.
  45. 45. 44 unidade lingüística também se dissolveu, uma vez que não existia mais a pressão das forças centrípetas, normatizadoras, exercidas pelas instituições imperiais durante muito tempo: Roma já não enviava prefeitos, cônsules, questores, pretores e outros funcionários, soldados e colonos para administrar, controlar e explorar as províncias. Os membros das classes aristocráticas nascidos nas províncias já não iam para a capital estudar com os grandes mestres da retórica, da dialética e da gramática. Com o desaparecimento do império enquanto unidade política, surgiram pequenos reinos menores, isolados não só da antiga capital, más também uns dos outros. Como se sabe, boa parte da idade média foi um período em que a cultura letrada praticamente sumiu, sobrevivendo quase que só nos mosteiros. As grandes cidades se despovoaram, e a maioria da população, sujeita ao regime feudal, vivia em núcleos rurais praticamente auto-suficientes e sem comunicação uns com os outros. No lugar dos generais e imperadores que escreveram monumentos literários da língua latina até hoje apreciados por sua elegância do estilo (como Júlio César e Marco Aurélio), apareceram reis e nobres totalmente iletrados (o imperador Carlos Magno, por exemplos, nunca aprendeu a escrever). Entregue ás suas próprias forças internas de mudanças, e sem o freio das instituições reguladoras, o latim se transformou radicalmente, o que deu origem às diferentes línguas românicas faladas hoje em dia. No século V d.C. a península foi invadida por grupos bárbaros, que desestabilizaram o domínio político e administrativo romano, sem contudo conseguir se impor culturalmente, considerando-se a forte influência dos séculos de dominação e interação romana entre os povos ibéricos. Segundo Nicola e Infante (1990, p. 12) “a um domínio político não corresponde um domínio cultural: os bárbaros sofreram um processo de romanização”. No século VIII d.C. ocorreu a invasão muçulmana. O domínio árabe acentuouse no sul da península, sem contudo conseguir avançar para o norte, que serviu de refúgio para os cristãos que se organizaram para a reconquista dos territórios dominados pelos mouros, o que se concluiu em 1492 com a vitória dos reis católicos Fernando e Isabel, que reconquistaram Granada. (CARDOSO, 2005, p. 169). Na trajetória da reconquista surgiram os reinos de Leão, Castela, Navarra e Aragão. No fim do século XI d.C. o soberano do reino de Leão era o rei Afonso VI, que promoveu o casamento de sua filha Teresa com o nobre Dom Henrique de Borgonha 9 , presenteando-os com o Condado Portucalense 10 . 9 Um dos que lutaram na reconquista. Parte do território desmembrado da Galícia, compreendido entre o Minho e o Mondego. 10
  46. 46. 45 Nos anos seguintes, D. Henrique e seus sucessores promoveram a expulsão dos árabes e a anexação de territórios, e em 1249, com a tomada de Faro, consolidou-se o atual território de Portugal. (CARDOSO, 2005, p. 170). Nicola e Infante(1990, p. 14, grifos do autor) mostram que O galego-português, derivado do romanço, era um falar geograficamente limitado a toda a faixa ocidental da Península, correspondendo aos atuais territórios da Galiza e de Portugal. Cronologicamente, o galego-português ficou limitado ao período compreendido entre os séculos XII e XIV, coincidindo com a época das lutas de Reconquista. Em meados do século XVI, nota-se uma maior influência dos falares do sul, notadamente da região de Lisboa; avolumam-se, assim, as diferenças entre o galego [...] e o português. Cardoso (2005, p. 172), continua seu resgate histórico da Língua Portuguesa localizando o português, na metade do século XIV, já separado do galego, tornandose a língua da capital Lisboa, sendo que [...] O galego começa a ser visto pelos portugueses como uma língua arcaica e rústica. Dessa forma, o eixo Lisboa-Coimbra, região antes moçárabe, transforma-se em centro de domínio da língua portuguesa. É aí que o português moderno vai constituir-se. A publicação de Os lusíadas, de Camões (1572), costuma dividir a língua portuguesa em duas fases: a fase arcaica (do século XII ao XVI) e a fase moderna (a partir do século XVI). No século XVI d.C., por ocasião do Renascimento, a língua portuguesa, ainda em formação, enriquece-se com a recuperação de latinismos e empréstimos de radicais eruditos gregos e latinos, num processo de criação vocabular que continua muito produtivo ainda hoje, e por ocasião das grandes navegações (Séc. XIV d.C. ao XVI d.C.), percebe-se a influência italiana no léxico português, que também incorporou palavras e variantes da África, Ásia e América, ao se disseminar juntamente com a influência da coroa portuguesa sobre suas colônias e parceiros comerciais (CARDOSO, 2005, p. 173). Com essa expansão marítima, a língua portuguesa chegou ao Brasil no início do século XVI juntamente com os primeiros colonizadores europeus, tendo sido influenciada pelas línguas indígenas e dialetos crioulos dos escravos. Até a metade do século XVIII d.C. a língua portuguesa era utilizada quase que exclusivamente pelos colonos portugueses (vindos de Portugal), enquanto a população indígena, africana e mestiça utilizava-se da chamada “língua
  47. 47. 46 geral 11 ”. Isso aconteceu até 1758, quando é baixado um decreto que torna a língua portuguesa oficial em todo o território, e proíbe o uso da língua geral, que entra em processo de decadência e por ocasião da chegada da família real portuguesa ao Brasil em 1808, fugindo dos exércitos franceses comandados por Napoleão, a língua portuguesa reforça sua influência sobre a população em geral, sendo utilizada pela corte na nova capital do mundo português: o Rio de Janeiro. Após a independência, o Brasil recebe a influência cultural da França, então “grande centro político, econômico e cultural da Europa”, considerada padrão de sofisticação e cultura por países menos desenvolvidos, e “muitos galicismos incorporam-se ao léxico do português: sutiã, maiô, cachecol, mantô”. (CARDOSO, 2005, p. 176-177). Após a abolição da escravatura em 1888, a língua portuguesa começa a ser influenciada pela chegada de imigrantes europeus, sobretudo pelos alemães e italianos. (CARDOSO, 2005, p. 177). No século XX d.C. observa-se uma espantosa evolução das artes e ciências em todo o mundo, evolução essa que também influenciou a língua portuguesa utilizada no Brasil: não apenas os americanismos, símbolos da hegemonia norte americana durante e após a guerra fria, mas também neologismos e termos próprios da informática, a partir da popularização do computador pessoal a partir da década de 1980 e da Internet a partir de 1995, incorporam-se à Língua Portuguesa, consagrados pelo uso e pelo mover natural da língua, em constante evolução e aperfeiçoamento. Das informações acima pode-se deduzir que, assim como qualquer outra língua viva, a língua portuguesa utilizada no Brasil sofreu muitas influências através dos séculos, desde o desenvolvimento do Português na península ibérica até sua chegada no Brasil recém descoberto, onde se miscigenou e se estabeleceu através do uso de falantes e escritores “cultos” e populares. Tendo no Brasil aproximadamente 180 milhões de usuários, a língua 11 Variação do Tupi, simplificado e gramaticalizado pelos jesuítas.
  48. 48. 47 portuguesa constitui-se de inúmeros dialetos e variações, unificados em gramáticas e compêndios utilizados nas escolas brasileiras e arraigados nos costumes da população, ensinada nos mais de 185 mil estabelecimentos de ensino que atendem aos mais de 42 milhões de estudantes brasileiros.
  49. 49. 48 5 DISCIPLINA, PAUPERIBUS DIVITIAE, DIVITIBUS ORNAMENTUM, SENIBUS OBLECTAMENTUM 1 Numa democracia, nenhuma obra supera a de educação. Haverá, talvez, outras aparentemente mais urgentes ou imediatas, mas estas mesmas pressupõem, se estivermos numa democracia, a educação. Todas as demais funções do estado democrático pressupõem a educação. Somente esta não é conseqüência da democracia, mas a sua base, o seu fundamento, a condição mesmo para a sua existência. (Anísio Teixeira) Após a conceituação, no capítulo anterior, de importantes termos inerentes a esta pesquisa, considera-se necessário traçar, com base em informações fornecidas pelo INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira 2 – e IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, um perfil da Educação Brasileira na atualidade. Em termos legais, convém ressaltar que a Lei Federal nº 9.394, de 20/12/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, conhecida como Lei Darcy Ribeiro 3 , estabelece que a “educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”. (BRASIL, 1998b, p. 19). 1 Expressão em latim, cujo significado é “O ensino é riqueza para os pobres, adorno para os ricos e distração para os velhos”. 2 Anísio Teixeira, (1900-1971): Educador brasileiro, foi conselheiro geral da UNESCO em 1946, secretário geral da CAPES (Campanha de Aperfeiçoamento do Ensino Superior) em 1951, diretor do INEP (então Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos) em 1952. Em fins dos anos 1950, Anísio Teixeira participou dos debates para a implantação da Lei Nacional de Diretrizes e Bases, sempre como árduo defensor da educação pública. Ao lado de Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira foi um dos fundadores da Universidade de Brasília, da qual tornou-se reitor em 1963. (UOL LIÇÃO DE CASA, 2006). 3 Darcy Ribeiro, (1926-1997): Antropólogo, educador e escritor brasileiro. Autor de várias obras sobre antropologia, indigenismo e educação, além de alguns romances, o antropólogo mineiro Darcy Ribeiro foi ministro da Educação e Cultura e chefe da Casa Civil da Presidência da República, onde lutou em defesa da escola pública e (junto com Anísio Teixeira) fundou a Universidade de Brasília (da qual seria reitor em 1962-3), antes de ter seus direitos políticos suspensos por dez anos, em 1964. Com várias obras publicadas, Darcy Ribeiro, faleceu em 1997, ocupando o cargo de senador da República. (Id., 2006).
  50. 50. 49 Segundo dados do Censo 2000 (BRASIL, 2002) Em 2000, apesar da quase universalização do acesso à escola das crianças de 10 a 14 anos, 5,9% (mais de um milhão) ainda eram analfabetas 4 , e 77,8% delas residiam em municípios com até 100 mil habitantes. Embora tenham caído para todos os grupos de cor, as taxas de analfabetismo 5 ainda são duas vezes mais elevadas para as crianças pretas ou pardas (9,9% e 8,5%) do que para as brancas (3,0%). Segundo o EDUDATABRASIL – Sistema de Estatísticas Educacionais (BRASIL, [2006]b), em 2005 foram efetuadas 33.534.561 matrículas no Ensino Fundamental 6 , e 9.031.302 matrículas no Ensino Médio 7 , em todo o Brasil, nos 162.727 estabelecimentos com Ensino Fundamental e 23.561 estabelecimentos com Ensino Médio. No Ensino Fundamental, 89,93% das matrículas, ou 30.157.792, foram efetuadas na rede pública – média de 27,9 alunos por turma, e 10,07%, 3.376.769 matrículas, em escolas particulares – média de 21,5 alunos por turma, tendo uma média nacional, entre escolas públicas e particulares, de 27,1 alunos por turma no Ensino Fundamental. No Ensino Médio, 87,84% dos alunos, 7.933.713, estudavam em escolas públicas – média de 37,4 alunos por turma, enquanto 12,16% dos alunos de escolas 4 “No Censo Demográfico, realizado com periodicidade decenal, e na Pnad, com periodicidade bianual, são consideradas analfabetas as pessoas incapazes de ler e escrever pelo menos um bilhete simples no idioma que conhecem. Aquelas que aprenderam a ler e escrever, mas esqueceram e as que apenas assinam o próprio nome também são consideradas analfabetas” (BRASIL, 2002). 5 “A Taxa de Analfabetismo é o percentual de pessoas analfabetas em determinada faixa etária. Consideramos, aqui, a faixa etária de 15 anos ou mais, isto é, o analfabetismo avaliado acima da faixa etária onde, por lei, a escolaridade seria obrigatória.” (Ibid, 2002). 6 “Nível de ensino obrigatório (e gratuito na escola pública), com duração mínima de 8 (oito) anos, podendo ser organizado em séries, ciclos ou disciplinas. Tem por objetivo a formação básica do cidadão, mediante: (1) o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita, e do cálculo; (2) a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; (3) o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores; (4) o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. O ensino fundamental é presencial, sendo o ensino à distância utilizado como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais.” (Ibid., 2002). 7 “Nível de ensino com duração mínima de três anos. Trata-se da etapa final da educação básica. Tem por finalidades: (1) a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos; (2) a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de adaptar-se com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores; (3) o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; (4) a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina.” (Ibid., 2002).

×