17 slide share  artigo logística  enxuta
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

17 slide share artigo logística enxuta

on

  • 234 views

Esse artigo mostra como os Processos de Produção Logístico Lean podem interagir com objetivo de minimizar o lead time e custos Operacionais em toda Cadeia.

Esse artigo mostra como os Processos de Produção Logístico Lean podem interagir com objetivo de minimizar o lead time e custos Operacionais em toda Cadeia.

Statistics

Views

Total Views
234
Views on SlideShare
234
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
9
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

17 slide share artigo logística enxuta Presentation Transcript

  • 1. A Logística é a parte do Processo da Cadeia de Suprimentos que planeja, implementa e controla de forma eficiente e efetiva o fluxo e a armazenagem, de bens, serviços e informações relacionadas, entre o ponto de origem e o ponto de consumo buscando o atendimento das exigências do consumidor. A Logística Lean ou Enxuta(LE) é uma iniciativa de longo prazo. A base para a Logística Enxuta é o KAIZEN (melhoria contínua) que por sua vez tem o ciclo PDCA (ciclo de Deming) como ponto de partida. A Logística Enxuta é uma abordagem prática. Então se deve começar; nada de Planejamentos intermináveis (por que o Operacional não toma conhecimento), que normalmente não são executados.. Se começa por identificar o VALOR para o Cliente. Depois identifica-se as perdas e tratar de eliminá-las.
  • 2. As empresas em geral estão divididas em departamentos (Marketing, Vendas, Pós-Vendas, Produção e Distribuição) e que as informações não fluem agilmente entre eles. Ao começar a procurar internamente o que o Cliente valoriza e quais são os problemas, sempre se é surpreendido com as informações que aparecem. Fazendo uma análise de valor agregado aos clientes, descobriu-se com os motoristas que a maioria dos clientes gostaria que estes fizessem sugestões de reposição, desde que se mantivesse um limite mínimo de estoques. A implantação simplificou os controles, diminuiu as faltas de estoques e aumentou as vendas para estes clientes. Depois de avaliar as informações sobre os clientes, visita-se o cliente. Não se limite ao pessoal da área comercial, leve a engenharia, operações, logística, produção, customer service, etc. Reclamações e sugestões de clientes é um TESOURO. Podem surgir grandes oportunidades no desenvolvimento de novos produtos, pedidos e redução na falha de entrega.
  • 3. Exemplos de PERDAS (MUDA) que Não Agregam Valor nos DPA-Depósito de Produto Acabado:  Os pedidos são processados em lote;  Os produtos chegam em paletes sem padrão, são descarregados e repaletizados; (DEMORA e ESFORÇO DESNECESSÁRIO);  Separadores de pedidos esperam reabastecimento do “picking” para retirar produtos; (FALTA DE ESPAÇO)  Embarque aguardando item faltante para o pedido ser completado; (PERDA TEMPO E ESPAÇO)  Produtos aguardando conferência para dar entrada no estoque; (PERDA TEMPO, ESFORÇO e ESPAÇO)  Contagens de produtos por causa da falta de contentores padronizados; (ESFORÇO DESNECESSÁRIO e PERDA TEMPO);  Descoberta da falta de produtos na ocasião da retirada; (PERDA TEMPO e ESFORÇO). Quando há PERDAS, os fluxos de materiais tendem a ser interrompidos, tem um comportamento irregular e acumulo de estoque. Podemos entender isto com o nível d’água no rio. Quanto maior for o nível do rio, o seu estoque também estará encoberto ou seja não identificamos os nosso problemas de fluxo.
  • 4. A partir do momento em que diminuímos o nível do rio ou nível do estoque, começarão a aparecer as pedras que são os nossos obstáculos ou Perdas que devem ser eliminados. A solução será eliminar as Perdas e abaixar o nível do estoque e fluir normalmente. Para entender e eliminar as Perdas, temos que identificar os três tipos de atividades: a) Atividades que Agregam Valor: Transporte de produtos ao cliente; b) Atividades que Não Agregam Valor e são necessárias: Estocagem de produtos de alta movimentação e demanda regular em Porta Paletes para posterior retirada e abastecimento na área de picking; c) Atividades que Não Agregam Valor: Separador confere as quantidades quando entrega para a expedição e a expedição e confere novamente.
  • 5. Acompanhe o fluxo do pedido desde a entrada até o recebimento dos produtos pelos clientes finais juntamente com todas as áreas envolvidas. Identifique as Perdas de acordo com as atividades envolvidas e elimine as que Não Agregam Valor imediatamente. Estoques excessivos são perdas para a Logística Enxuta. Até um certo nível, o estoque agrega valor ao serviço do cliente, na forma de disponibilidade de produtos. Acima deste limite, o estoque é puro desperdício (PERDA).
  • 6. Exemplos de 7 PERDAS (MUDA) da Logística Enxuta: 1) Super oferta por quantidade: Lotes maiores que a real necessidade; 2) Super oferta por antecipação: São derivados da lógica de “empurrar’; materiais solicitados pela produção muito antes da utilização; 3) Perdas por espera: Kits sendo montados esperando por peças, materiais na área de estocagem esperando para ser movimentados até área de picking; 4) Perdas por defeitos: Quebra de equipamentos; 5) Perdas por movimentação e manuseio: Produtos de alto giro na área de estocagem são colocados e retirados múltiplas vezes das posições Porta-Paletes; 6) Perdas por processamento: embalagens intermediárias, notas fiscais erradas, quantidades erradas; 7) Perdas P: A previsão de demanda é considerada e alterações frequentes causam alternadamente ociosidade e falhas no atendimento.
  • 7. As perdas P são as mais difíceis de enxergar:  Comece reduzindo os lead times e persista;  Não confunda plano com previsão. A previsão pode mudar sem que seja necessário alterar os planos;  Reduza os lead times sem gerar estoques em outros pontos do fluxo logístico;  Reduzindo os lead times, a dependência das previsões é menor;  Meça a acuracidade da previsão;  Melhore a acuracidade de previsão (utilize as técnicas adequadas);  Examine os custos logísticos globalmente.
  • 8. Benefícios do LEAN Menos esforço humano na distribuição de produtos; As Perdas/Desperdícios/ Falhas são menores; Pode-se fazer mais com menos recursos; Os prazos de entrega são menores; O uso da tecnologia é seletivo: são necessários menos ativos e espaço; Aumenta a taxa de agregação de valor ao cliente; Os estoque são menores, embora o atendimento ao cliente melhore; As margens de lucro são maiores a longo prazo; Os principais indicadores financeiros melhoram, retorno sobre investimento, lucratividade, fluxo de caixa e custos.
  • 9. Fluxo de valor é a expressão que melhor define o que é “Lean”. Os clientes querem ser atendidos em suas necessidades mesmo quando não conseguem expressá-las claramente. Clientes fiéis são provavelmente, aqueles atendidos na qualidade certa e no local desejado, pagando o preço justo e com a percepção do valor obtido com o produto. Juntamente com os produtos, os valores desejados estão fluindo para os clientes. Entretanto estas falhas prejudicam o fluxo de valor e influem nos indicadores financeiros. Perdas como esperas, defeitos e movimentações desnecessárias prejudicam o fluxo de produtos. Para eliminar estas perdas e agregar valor ao cliente, a Logística Enxuta tem uma série de técnicas que estão baseados nos conceitos Lean.
  • 10. VALOR - É criado quando as necessidades e os desejos dos clientes são perfeitamente entendidos e os processos lhes atendem; ELIMINAÇÃO DAS PERDAS – Eliminar o que não agrega valor: esperas, atrasos, estoques excessivos, movimentações desnecessárias. As perdas prejudicam o fluxo; FLUXO DE VALOR – Na Logística o valor é entregue através do fluxo de produtos em direção ao cliente (somente a quantidade desejada, na qualidade desejada, no momento exato, sem ruptura e sem perdas); SIMPLES, MAS NÃO SIMPLÓRIA – Fazer o simples primeiro. Não quer dizer fácil, nem instantaneamente. A Logística enxuta torna-se simples à medida que conhecimento Lean é adquirido para aplicá-lo e transformá-lo em resultados;
  • 11. PUXAR – O cliente puxa a demanda. Antecipar-se à demanda (empurrar) é perda. Produzir antecipadamente gera estoques que incorrem no risco de não serem vendidos. Se somente a quantidade que o cliente que é movimentada, no momento exato – Just in Time – a necessidade é atendida sem excesso de estoque; PRÁTICA - Vá ver. Vá ao local onde o valor é criado (no cliente, no armazém, na doca, na produção, no planejamento). É lá que estão as oportunidades de criar valor e reduzir as perdas. Visite os processos, fale com as pessoas. Depois aja. TRANSFORMAÇÃO ENXUTA – É o ponto mais difícil. Não confunda com aplicar ferramentas. A mudança física é acompanhada pela transformação das pessoas. Gerar comprometimento tem sido um desafio difícil para os gerentes e colaboradores. Acordos tácitos mantêm as pessoas na zona de conforto para evitar ameaças presumidas (descobrir falhas, perda de controle, perda de status, “menos estoque é risco”, não estar “ocupado”, etc.) Transformação enxuta é um processo de Liderança.
  • 12. A Logística Enxuta envolve a prática, desde que o nível de conhecimento sobre o Lean seja suficiente. Não é possível estabelecer o Just In Time num sistema instável. A perfeição em puxar, vender um, produzir um e embarcar um não admite falhas. Se somente uma unidade do produto for programada para entrega e for perdida, o fluxo interromper-se-á com prejuízo para o cliente e para a empresa. Também na produção o fluxo unitário só é possível quando não há perdas, pois a interrupção do fluxo, por conta das paradas de máquinas será muito frequente. Primeiro é preciso, então estabilizar os processos para iniciar a implementação do sistema enxuto. Responder a demandas altamente variáveis pode custar caro. Se dentro de uma mesma semana a demanda num certo dia é próxima de zero e noutro é acima da capacidade da operação haverá ociosidade nos períodos de baixa demanda e sobrecarga nos períodos de pico. Por isso em segundo lugar, depois de estabilizar é preciso nivelar o fluxo. ?
  • 13. Terceiro: quando os processos logísticos estiverem estabilizados e o fluxo de produtos estiver nivelado é possível tornar o fluxo contínuo. Mesmo que não seja ainda possível conectar perfeitamente os fluxos internos com a demanda do cliente, haverá grandes benefícios em termos de custos e atendimento ao cliente quando o mix de produtos é combinado para fornecer um fluxo sem interrupções. Quarto: quando há estabilidade, nivelamento e fluxo contínuo, é possível fazer a movimentação dos produtos e materiais a partir de um sinal de puxada do cliente. Tentar puxar antes do estabilizar-nivelar-fluxo contínuo, provavelmente resultará em fracasso, pois haverá frequentes rupturas ou altos estoques.
  • 14. Finalmente o principio da perfeição deve estar presente todo o tempo. Para puxar e fazer o fluxo contínuo é preciso que se façam melhorias contínuas (Kaizen). Sequenciamento: Estabilizar: eliminar as perdas e melhorar os problemas da má qualidade até um ponto onde seja possível vender-produzir-embarcar pequenas quantidades; Nivelar: diminuir as oscilações do sistema. Picos de necessidade de produtos e variações bruscas no mix independem o fluxo continuo dos produtos e materiais; Fluxo contínuo: um ambiente estabilizado e nivelado permite que os materiais possam fluir continuamente, com poucas interrupções; Puxar: embarcar, produzir, movimentar o produto somente quando há uma necessidade real, não antes. A necessidade real não é obrigatoriamente a quantidade pedida pelo cliente; Perfeição: a ideia de melhoria contínua é que suporta a eliminação de perdas e falhas. Á perseguição de melhorias deve estar presente sempre. Fonte: Logística IMAM