Your SlideShare is downloading. ×
Poesia concreta.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Poesia concreta.

2,571
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,571
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Concretismo no Brasil<br />Contexto histórico-cultural da poesia concreta: o Brasil e o mundo na década de 1950: consequências da Segunda Guerra Mundial; o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960) e o plano de modernização do país; o Festival de Música de Vanguarda do Teatro Arena (1955), grupo formado por Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari; a exposição do movimento concretista no Museu de Arte Moderna de São Paulo: oposição às propostas poéticas da Geração de 45.<br /> <br />Características da poesia concreta: a concisão dos versos: oposição às formas tradicionais do verso, à poesia lírica, subjetiva e discursiva; exploração de novos recursos poéticos: disposição não convencional dos vocábulos na página, o uso do espaço em branco como produtor de sentidos, utilização de elementos visuais e sonoros; valorização do espaço gráfico.<br />Poesia concreta e arte concretista: interesse em comum por questões de estruturação de espaços e exploração de novos recursos estéticos frente à tradição.<br /> Decio Pignatari<br /> <br /> Augusto de Campos<br />A cegueira revisitada.<br /> Augusto de Campos<br /> Haroldo de Campos.<br />TENSÃO <br />Este poema é, “uma teia de elos sonoros e semânticos meticulosamente construída” (*)”Ten-são” é o tema que se expande. “Tem” em forma  de cruz para cima (“tem”), para um lado (“tem”), para o outro (“tam”) e para baixo (“tom”). “São” o faz em diagonal “som”  e “sem som” . Os elementos que sobram formam um triângulo: “con”, ”com” e “can”- e uma diagonal: “bem”, “bem”. Todos estão a uma mesma distância do centro que é um nó em tensão. Segundo os princípios das palavras, há quatro grupos (“t”, “s”, “k” e “b”, mas há somente um se considerarmos as letras finais (todas estão enlaçadas pela nasalização). Assim como Augusto de Campos extrai quantidade de possibilidades do visual das palavras, também aproveita sua sonoridade, indo do “com som” ao “sem som” e extraindo valor onomatopaico das sílabas. Ao fazer um percurso clássico do olhar – da direita à esquerda -, vê-se que o poema é a tensão entre o silêncio: do “com som” ao “sem som”.<br /> <br />