Práticas e modelos A.A. das BE –
DREN T4 2010
Formadoras: Maritza Dias e Rosário Caldeira
A Biblioteca Escolar -
Desafios ...
INTRODUÇÃO
A biblioteca escolar é essencial para o desenvolvimento da
personalidade humana bem como do progresso espiritua...
à actividade lectiva ou um espaço autónomo de aprendizagem e
ocupação de tempos livres. De acordo com estes princípios, a
...
A SITUAÇÃO ACTUAL DA BE
A Biblioteca Escolar, da qual sou coordenador, reforçou, até ao
momento, a sua vocação educativa e...
actas de reuniões, registos fotográficos e questionários aplicados,
entre outros) permitem-nos referir que:
- A Biblioteca...
espaço privilegiado na construção de áreas comuns de trabalho, em
torno de projectos de dimensão pluridisciplinar.
A Intro...
AS PROBLEMÁTICAS IDENTIFICADAS
Para podermos vislumbrar um melhor desempenho das bibliotecas,
cada dia mais necessárias, p...
Por outro lado, deparamo-nos com o problema gritante de falta de
formação nos professores e nos alunos o que dificulta o a...
concepção de Biblioteca Escolar e tentar diminuir ou mesmo eliminar
as resistências evidentes e notórias.
O PLANEAMENTO DA...
A Semana da Língua Portuguesa (grupo de Português)/ Santos
Populares (professores de EVT), Exposições 3D/Postais de Boas
F...
. Adoptar um modelo de pesquisa uniforme para toda a escola;
. Promover a boa articulação entre a BE Sede e a BE 1º Ciclo....
. Proporcionar aos Pais e Encarregados de Educação uma sessão
sobre a importância da leitura, com o título Biblioterapia. ...
4. Trabalho colaborativo com outras escolas – Partilha e troca de
experiências, tornando o trabalho mais profícuo e vantaj...
. Incentivar o empréstimo domiciliário, nomeadamente nos períodos
de férias.
4. GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR
1. Inserção d...
marketing é muito importante e de grande valor, de modo a criar um
impacto muito significativo no seio da comunidade escol...
REFLEXÃO FINAL
Depois de ter feito um trabalho intensivo, de leitura, pesquisa e
recolha de evidências, posso tirar alguma...
cidadãos competentes e responsáveis, formando leitores capazes de
ler, descodificar, perceber e justificar opções e decisõ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

1º trabalho

316 views
260 views

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
316
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1º trabalho

  1. 1. Práticas e modelos A.A. das BE – DREN T4 2010 Formadoras: Maritza Dias e Rosário Caldeira A Biblioteca Escolar - Desafios e Oportunidades no contexto da mudança De 28 de Outubro de 2010 a 3 de Novembro de 2010 3 de Novembro de 2010 Pedro Cardona Fórum 2 http:// fórumdebibliotecas.rbe.min-edu.pt
  2. 2. INTRODUÇÃO A biblioteca escolar é essencial para o desenvolvimento da personalidade humana bem como do progresso espiritual, moral, social, cultural e económico da comunidade. A biblioteca escolar é fundamental para a realização das metas de educação e dos objectivos da escola e promove-a através de um programa planeado de aquisição e organização de tecnologia de informação e disseminação de materiais, a fim de expandir o ambiente de educação de todos os estudantes. Um programa planeado de utilização da informação em colaboração com os professores das aulas e outros educadores é uma parte essencial do programa da biblioteca escolar. A biblioteca escolar fornece um largo leque de recursos, tanto impressos e não-impressos, incluindo media electrónica e acesso a dados que promovem um conhecimento da própria herança cultural da criança e fornecem a base para uma compreensão da diversidade de outras culturas e outras sociedades. A biblioteca escolar deve ser concebida como um verdadeiro "centro de recursos educativos" multimédia (livros, programas informáticos, periódicos, registos video e áudio, diapositivos, filmes, CD-ROM, etc.), ao dispor de alunos, de professores e em condições específicas. A biblioteca constitui um instrumento essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas actividades devem estar integradas nas restantes actividades da escola e fazer parte do seu projecto educativo. Ela não deve ser vista como um simples serviço de apoio
  3. 3. à actividade lectiva ou um espaço autónomo de aprendizagem e ocupação de tempos livres. De acordo com estes princípios, a biblioteca escolar deve constituir-se como um núcleo da organização pedagógica da escola, vocacionado para as actividades culturais e para a informação. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos alunos competências para a aprendizagem ao longo da vida e estimula a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis.
  4. 4. A SITUAÇÃO ACTUAL DA BE A Biblioteca Escolar, da qual sou coordenador, reforçou, até ao momento, a sua vocação educativa e cultural apresentando projectos que envolveram: encontros, visitas guiadas e actividades diversas, apelando ao envolvimento do público escolar: professores, educadores, pais, crianças e adolescentes… No local físico Biblioteca ou fora dela pretende-se valorizar o ensino formal e o não formal transformando a escola num espaço de complementaridades, animando-a, valorizando-a e acrescentando algo de relevante ao currículo. A Biblioteca faz falta à escola e o contrário também se verifica. A Biblioteca não existe, como entidade, sem público e cada vez mais as escolas não podem existir sem Bibliotecas. Por isso, procuramos tornar flexíveis os seus pressupostos, produzir novas dinâmicas no sentido de chegar a todos. Na Biblioteca as actividades soltam ideias sem preconceitos, estimulam a criatividade e propõem uma aproximação adequada à cultura culta. Mas os projectos exigem qualidade, rigor, mas também liberdade nas abordagens e nos produtos finais. Os projectos são sobretudo processos em que os alunos neles se vão envolver com autoria. As actividades planificadas e dinamizadas pela Biblioteca ao longo da sua existência, de acordo com as evidências (dados quantitativos referentes ao funcionamento, registos dos trabalhos dos alunos,
  5. 5. actas de reuniões, registos fotográficos e questionários aplicados, entre outros) permitem-nos referir que: - A Biblioteca desenvolve um trabalho com impacto no crescimento do gosto pela leitura e no desenvolvimento de competências associadas à leitura. - A Biblioteca desenvolve estratégias e um leque muito variado de actividades em articulação, com 70% dos docentes do Agrupamento. - A biblioteca apoia e incentiva o desenvolvimento do PNL e outros projectos e actividades do Agrupamento, com 90% das turmas do Agrupamento. A Biblioteca escolar constitui uma estrutura transversal à escola e ao currículo, estando a existência de boas Bibliotecas directamente relacionadas com a melhoria da aprendizagem e a qualidade da educação, Assim a biblioteca fez o seu Plano de Acção/Actividades tendo em vista este objectivo estratégico: Contribuir para a melhoria das aprendizagens através da promoção da leitura e da literacia. O Boletim da Biblioteca é uma publicação semestral que foi lançado, no ano lectivo transacto, com o objectivo de dar a conhecer, à comunidade escolar o trabalho realizado. Cooperar com todos os Departamentos do Agrupamento e Coordenadores dos Directores de Turma foi importante e necessário pois a afirmação da sua transversalidade constituiu-se como um
  6. 6. espaço privilegiado na construção de áreas comuns de trabalho, em torno de projectos de dimensão pluridisciplinar. A Introdução à pesquisa foi dinamizada através de um conjunto de sessões dirigidas às turmas do 2º e 3º ciclo. Dois tipos de sessões foram preparados: Jogo de pesquisa Bibliográfica e Pesquisa online. Apoio ao Desenvolvimento Curricular é o domínio de entre os quatro de intervenção (Leitura e Literacia; Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade; Gestão da BE) que foi escolhido para um tratamento mais aprofundado, neste ano lectivo, em virtuda da necessidade de haver uma maior articulação com os vários departamentos e com a necessidade e o objectivo de se entender a Biblioteca Escolar no contexto de mudança.
  7. 7. AS PROBLEMÁTICAS IDENTIFICADAS Para podermos vislumbrar um melhor desempenho das bibliotecas, cada dia mais necessárias, porém nem sempre mais eficientes, precisamos de saber lidar com os constrangimentos que atrapalham o seu funcionamento. Reside justamente neste ponto um dos entraves para a área: o facto de haver ainda uma ideia algo enraizada que a escola não precisa de biblioteca. Apesar desta constatação ser lamentável, reconhecê-la como objectiva pode-nos ajudar a tirar a imagem que se tem das bibliotecas escolares. A utilização da biblioteca escolar é um processo educativo e pedagógico, que deveria ser de grande necessidade na escola, pois é através dela que o aluno irá ampliar o seu universo de leitura, conhecer materiais diferentes do livro didático, complementar seus estudos, buscar informações, pesquisar e aprender a necessidade do uso de uma biblioteca. E é nesse espaço que o aluno experimentará e exercitará a sua autonomia na leitura, e é aqui que a contradição fica latente, pois a escola trabalha com leitura e escrita e funciona sem biblioteca. A biblioteca é um espaço democrático onde todos podem ter acesso à informação gratuitamente, e onde podem ampliar e exercer sua cidadania. O acesso aos materiais impressos em papel ou através das novas tecnologias é de extrema importância, visto que o preço de livros, revistas, jornais e demais materiais existentes na biblioteca.
  8. 8. Por outro lado, deparamo-nos com o problema gritante de falta de formação nos professores e nos alunos o que dificulta o acesso e cria algumas resistências no que respeita às TIC. Cada vez mais é intensa a utilização das novas tecnologias nas Bibliotecas escolares e a sua importância é maior, na medida em que há um maior acesso à informação, incentivo à partilha, proporciona a aproximação das pessoas e em termos económicos é muito vantajoso. Na Biblioteca Escolar, na qual sou professor/bibliotecário, infelizmente observa-se uma grande resistência ao recurso às novas tecnologias e, nas recentes reuniões do PTE, ficou evidente a necessidade de traçar um plano de formação e criar estratégias para levar, essencialmente, professores a utilizar as novas tecnologias. Não podemos esquecer que a valorização e o avanço da biblioteca tem ampla relação com sua função social, cultural e educacional, com os serviços que ela presta e com o tipo de profissional que está a sua frente. Torna-se necessário repensar uma nova estrutura de biblioteca, tendo em vista a quantidade de informação que temos disponíveis hoje em função das novas tecnologias. O mundo requer uma nova concepção de biblioteca e de professor/bibliotecário e não há possibilidade de ela sobreviver dentro da visão de arquivo, numa concepção “armazenadora” e “emprestadora” de livros. A biblioteca virtual é uma realidade e precisamos atentar a isso com bastante urgência. O que acima falei constitui a principal problemática com que me deparo no meu dia-a-dia na Biblioteca Escolar onde trabalho e, por isso, procuro trabalhar e continuar a procurar estratégias para desfazer a ideia errada que existe em professores e alunos da
  9. 9. concepção de Biblioteca Escolar e tentar diminuir ou mesmo eliminar as resistências evidentes e notórias. O PLANEAMENTO DAS ACÇÕES QUE É NECESSÁRIO IMPLEMENTAR 1. APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR . Articulação da BE com as estruturas pedagógicas - A BE reúne por diversas vezes, ao longo do ano com a Direcção, com todos os departamentos curriculares e com alguns directores de turma para planificação e organização de actividades conjuntas. . Formação de utilizadores - A introdução à pesquisa será dinamizada através de um conjunto de sessões dirigidas às turmas do 1º, 2º e 3º ciclos. Dois tipos de sessões estão agendados: Jogo de Pesquisa Bibliográfica e Pesquisa Online. . Articulação com os cursos de C.E.F. e com o Núcleo de N.E.E. - A BE solicitou ao coordenador do C.E.F. e ao coordenador de Núcleo de N.E.E. a dinamização e a frequência dos alunos na BE. . Articulação com a Área de Projecto - Decorrente deste trabalho de articulação serão desenvolvidas actividades das quais destacamos:
  10. 10. A Semana da Língua Portuguesa (grupo de Português)/ Santos Populares (professores de EVT), Exposições 3D/Postais de Boas Festas (Departamentos do Pré-escolar e 1º ciclo). . Articulação com o PNL - A BE vai planificar e dinamizar os projectos Itinerâncias e Ler+ em 3D, articulando-se com o Plano Nacional de Leitura. . Integração na equipa PTE - Articulação e cooperação no Plano de Actividades do PTE e projectos a desenvolver. Reuniões semanais com a equipa de PTE. Actividades Previstas: . Organizar acções informais de formação sobre a BE junto dos docentes. . Melhorar a comunicação entre a BE, o director e as estruturas de coordenação educativa e de supervisão pedagógica no sentido de facilitar a actualização e adequação dos recursos às necessidades; . Promover a integração dos novos docentes no trabalho da BE. . Reforçar a cooperação e o diálogo com todos os docentes; . Aumentar o nível de formação dos elementos da equipa da BE; . Incluir na equipa da BE elementos provenientes de áreas disciplinares variadas ou com formações diferenciadas; . Produzir e partilhar materiais utilizados noutras escolas e BE. . Conseguir o bom estado das redes, equipamentos e software existente na BE; . Incentivar a formação dos docentes e da equipa da BE na área das TIC e da literacia da informação;
  11. 11. . Adoptar um modelo de pesquisa uniforme para toda a escola; . Promover a boa articulação entre a BE Sede e a BE 1º Ciclo. 2. LEITURA E LITERACIA 1. Promoção da leitura/leitura em ambientes digitais 2. Trabalho articulado com os Departamentos 3. PNL 4. Criação de instrumentos de apoio a actividades de leitura e de escrita Acções previstas: . Programar, com regularidade, visitas dos elementos da equipa à BM; . Consolidar o trabalho articulado com departamentos, docentes e a abertura a projectos externos; . Consolidar parcerias com a BM, Governo Civil, Câmara Municipal e com outras instituições; . Utilizar a WEB e outras fontes de informação na prospecção e identificação de materiais do interesse das crianças, dos jovens e dos adultos; . Realizar avaliações periódicas da colecção, no sentido de identificar eventuais limitações; . Inventariar as necessidades em termos de livros e outros recursos;
  12. 12. . Proporcionar aos Pais e Encarregados de Educação uma sessão sobre a importância da leitura, com o título Biblioterapia. Da experiência adquirida, pensamos que este tipo de sessões terá que ser equacionado, de outra forma, para se conseguir alguma eficácia. Assim, começar o ano lectivo com uma pequena sessão com os Pais e Encarregados de Educação, aquando da oferta de um livro aos alunos do 1º ano e do 5º ano de escolaridade. . Vinda de escritores à BE e levar escritores às escolas dos meios rurais; . Inauguração da BE do 1º Ciclo com Sessão com o escritor. 3. PROJECTOS E PARCERIAS 1. Apoio às actividades de pesquisa, estudo e execução de trabalhos – Estabelecer com professores e escolas estratégias para apoiar actividades. 2. Programa de Animação Cultural: exposições, espectáculos, palestras, debates, sessões de poesia, concursos, ciclos de música e cinema... 3. Parcerias com o Governo Civil, Câmara Municipal, Biblioteca Municipal e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - programas/projectos e parcerias estabelecendo protocolos de cooperação.
  13. 13. 4. Trabalho colaborativo com outras escolas – Partilha e troca de experiências, tornando o trabalho mais profícuo e vantajoso para todos. 5. Envolvimento da família (acções formativas) – Promoção de Acções de sensibilização para a leitura em família e reforçar os laços familiares através de actividades pensadas e planeadas para o efeito. Importante promover estas actividades no período lectivo para criar maior impacto. Acções previstas: . Promover a maior participação da BE em projectos e parcerias; . Melhorar a comunicação entre a BE e a comunidade educativa sobre projectos em curso ou em que possam vir a participar; . Aumentar o grau de intervenção da BE na comunidade educativa através da concepção de projectos relevantes de sua iniciativa; . Solicitar a colaboração das Juntas de Freguesia para o transporte das crianças até à BE; . Implementação do Projecto mensal “Ler com Bolos”; . Organizar visitas à BM; . Comemoração do mês internacional das Bibliotecas Escolares . Comemorações do Halloween e S. Martinho; . Organizar cursos/workshops para os pais/EE sobre promoção da leitura; . Aproveitar ocasiões como o Natal e feiras do livro para trazer os pais/EE à escola e promover uma “campanha” de oferta de um livro para a BE;
  14. 14. . Incentivar o empréstimo domiciliário, nomeadamente nos períodos de férias. 4. GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1. Inserção da BE nos documentos da escola 2. Actividades de auto-avaliação 3. Definição de uma política documental - Política de Desenvolvimento da Colecção 4. Actualização da colecção 5. Catálogo 6. Difusão da informação - Boletim informativo, guiões de leitura, blogue, página Web… Acções previstas: . Introduzir o PORBASE, programa informático que foi adquirido para tratamento do fundo documental. Há uma necessidade urgente de ultrapassar as dificuldades técnicas, não imputáveis à Biblioteca, de forma a torná-la mais eficaz, funcional e simples. . Criar estratégias de divulgação e marketing, necessárias e equacionadas para este ano lectivo, se tivermos recursos humanos suficientes: blogues, newsletter digital, lista de difusão… A aposta no
  15. 15. marketing é muito importante e de grande valor, de modo a criar um impacto muito significativo no seio da comunidade escolar. . Aumentar o número de elementos da equipa da BE e fazer da melhor forma a gestão e o desdobramento pela BE Sede e BE 1º Ciclo; . Discutir a necessidade de institucionalização da BE com órgãos de administração e gestão (conselho geral, director e conselho pedagógico) e a urgência da sua integração nos documentos orientadores e reguladores da vida na escola e nos projectos e planos operacionais do seu funcionamento; . Criar e rever os documentos já referidos; . Criação de um arquivo morto da BE; . Alterar e actualizar o Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas, relativo à parte da BE; . Implementar o processo de auto-avaliação da BE, integrando-o nas práticas de gestão; . Integrar os resultados da auto-avaliação da BE na auto-avaliação da escola: . Realizar uma gestão integrada da documentação e de trabalho no âmbito dos serviços de biblioteca;
  16. 16. REFLEXÃO FINAL Depois de ter feito um trabalho intensivo, de leitura, pesquisa e recolha de evidências, posso tirar algumas ilações importantes. No trabalho efectuado na BE e nas escolas do agrupamento, posso observar e sentir que são cumpridos um conjunto de orientações que estão enraizados há muito tempo e que se pretende manter sem qualquer intenção de mudar ou experimentar novas estratégias, procurando novas orientações. Na última reunião do PTE foi salientado que todas escolas do 1º ciclo e todos os jardins de infância estão equipadas com internet de fibra óptica e que havia bastantes estabelecimentos que não estavam a utilizar a internet. O que se verificou é que há escolas que não têm computadores e em outras escolas não estava a ser utilizada a internet. Tem de haver a interiorização de que a utilização das ferramentas da Web 2.0 é uma realidade. Esse salto tecnológico para a biblioteca 2.0 é urgente, essencial e inevitável e é preciso que haja uma tomada de consciência nesse sentido, ou seja no sentido do uso do computador, do quadro interactivo e outros instrumentos. Acredito mesmo que com esta interiorização e com uma nova forma de encarar a mudança, toda a comunidade escolar comece a ver a Biblioteca Escolar inserida numa nova concepção e que será vista não apenas como um centro de recursos mas também como um local de aprendizagens essencial para um bom desenvolvimento de
  17. 17. cidadãos competentes e responsáveis, formando leitores capazes de ler, descodificar, perceber e justificar opções e decisões no dia-a-dia. Para este trabalho recorri em boa parte às orientações da RBE, nas quais conseguir integrar e aproveitar bons conceitos e acções para elaborar o plano de acção da BE, de forma a poder definir da melhor forma o conceito de Biblioteca Escolar no contexto de mudança. Da experiência vivida e dos conceitos e concepções lidas e pesquisadas, procurei perspectivar práticas adequadas a estes novos contextos, tendo em conta a realidade da BE onde trabalho e do seu meio envolvente. Para terminar, quero salientar que procurei ser objectivo, tentando traçar as linhas gerais de um plano de acção, de acordo com os textos lidos que me foram facultados.

×