CONSUMO                O ferro-velho de Ayer16-12-2010                Estados Unidos – Massachusetts             Como um d...
ÍndiceIntrodução ……………………………………………………………………………………………2Relatório ...…………………………………………………………………………………………...3Conclusão ……………………...
Consumo                                         Introdução       O tema deste relatório é o consumismo, através de um caso...
Consumo                                                   Relatório1 FERRO-VELHO DE AYER – GOOGLE MAPS             Inicial...
Consumoem vez de implementar processos de sustentabilidade. O homem é o habitante deste planeta maisinadaptado a uma saudá...
Consumo                                        Conclusão       De um lado o instinto conquistador do Homem, do outro, uma ...
Consumo                                          Bibliografiahttp://maps.google.pt/ - 42.572575,-71.623456“Consommation”, ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Consumo - Paradoxo

239

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
239
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Consumo - Paradoxo"

  1. 1. CONSUMO O ferro-velho de Ayer16-12-2010 Estados Unidos – Massachusetts Como um depósito de automóveis para reciclagem, passa a simples ferro-velho, encontrar referências paradoxais neste caso, com base na relação de coexistência/conflito entre os conceitos ecologia e economia. Autor: David Gomes nº4080100 Docente: Rui Gomes Disciplina: Turismo Natureza
  2. 2. ÍndiceIntrodução ……………………………………………………………………………………………2Relatório ...…………………………………………………………………………………………...3Conclusão ……………………………………………………………………………………………5Bibliografia …………………………………………………………………………………………..6
  3. 3. Consumo Introdução O tema deste relatório é o consumismo, através de um caso real demonstrarei como oconsumismo enquanto consequência do desenvolvimento económico consegue adulterar uma ideiacomo a reciclagem. Neste processo de adulteração são realçados paradoxos, será na observação eexplicação desses paradoxos, que farei uma reflexão deste processo. Usei como apoio a esterelatório um texto de Peter Bjork ( Definition Paradoxes: From concept to definition), onde me foipossível encontrar um elo lógico numa relação que é necessária, mas que se destrói. Página 2
  4. 4. Consumo Relatório1 FERRO-VELHO DE AYER – GOOGLE MAPS Inicialmente, este ferro-velho foi criado com o intuito de reciclar partes dos automóveis inutilizados. Com o passar do tempo os métodos de reciclagem evoluíram, desde então as carcaças aí depositadas passaram a servir unicamente para aproveitamento de alguns metais, o que fez com que o ferro-velho fosse crescendo, pois o número de automóveis por cada mil habitantes tem vindo a aumentar, por consequência o desperdício também. A ideologia inicialmente ligada a este local, de certeza não seria uma solução final à “morte” dos nossos recursos e por consequência do nosso planeta, pelo menos um dos aspectos negativos seria a elevada concentração de metais numa determinada região e possivelmente uma contaminação de solos e lençóis de água subterrâneos, mas pelo menos esta ideia seria um início com princípios de sustentabilidade. O maior paradoxo que encontro aqui, é a criação de um local de recolha residual destinado à reciclagem, com vista a diminuir os excessos provocados por uma sociedade mentalmente possuída por valores consumistas e de futilidade material, que acaba por ser absorvido nesta corrente de destruição Página 3
  5. 5. Consumoem vez de implementar processos de sustentabilidade. O homem é o habitante deste planeta maisinadaptado a uma saudável coexistência, necessária a um processo natural de sobrevivência sustentável. No texto de apoio a este relatório, da autoria de Peter Bjork, observei mais uma vez que ohomem não estima nem sustenta o seu próprio “lar”, insistimos em ser como aquele convidado com umaeducação duvidosa que não respeita a propriedade do próximo. O texto abre as portas, a uma viagemcom início no surgimento do ecoturismo como alternativa viável ao turismo de massas, paradoxalmenteé demonstrado que a própria evolução do conceito ecoturismo encaminha-se para um turismo de massas,por isso a questão, qual a origem do “eco”, será que deriva de ecologia ou de economia? O verdadeirosignificado deste “eco” encontra-se numa linha ténue entre o desenvolvimento (económico, social ecultural) e a preservação e sustentabilidade natural e cultural, a solução encontra-se entre a destruição ea sobrevivência. Um conceito de ecoturismo mundialmente aceite é impossível de existir, devido aoscondicionalismos económicos, sociais e culturais serem diferentes de região para região. Devido a todosestes condicionalismos e principalmente a uma ausência no Homem de uma correcta consciência eatitude existencial global, podemos concluir que o ecoturismo é mais um ideal do que uma realidade. Tanto no ferro-velho de Ayer como no texto de Peter Bjork, observamos paradoxos criados apartir da necessidade do homem em colmatar o estrago, provocado pela má gerência existencial levada acabo pela dita raça superior, talvez esta mesma classificação do Homem seja o maior paradoxo de todos. Página 4
  6. 6. Consumo Conclusão De um lado o instinto conquistador do Homem, do outro, uma ténue consciencialização deque precisamos mudar os hábitos se queremos manter a nossa existência, senão, qual a lógica deconquistar algo se não podermos saboreá-lo! Penso que este relatório demonstra que o melhorcaminho a ser seguido, não é o do conquistador nem o da abstenção total como forma de sarar asferidas causadas por nós nesta teia de vida que é o planeta Terra. O verdadeiro caminho só serárevelado quando deixar-mos cair a capa e a coroa de um reinado egoísta e aceitarmos todas asoutras peças do puzzle que constroem a nossa casa como sendo iguais a nós e necessárias a umasaudável existência. Página 5
  7. 7. Consumo Bibliografiahttp://maps.google.pt/ - 42.572575,-71.623456“Consommation”, Courrier International, Paris; Philippe Thureau – Dangin, 2009, Octobre, P. 10-11. Página 6

×