Your SlideShare is downloading. ×
0
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Metodos Químicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Metodos Químicos

43,227

Published on

5 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
43,227
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
503
Comments
5
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Métodos contraceptivos ou químicos hormonais
  • 2. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Os métodos contraceptivos químicos ou hormonais têm como objectivo evitar o surgimento de uma gravidez, utilizando, para isso, dispositivos ou medicamentos constituídos por hormonas que vão actuar ao nível dos ovários e do útero. </li></ul>
  • 3. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Existem diferentes tipos de métodos químicos ou hormonais, nomeadamente: </li></ul><ul><li>  Pílula </li></ul><ul><li> Pílula do dia seguinte </li></ul><ul><li> Espermicidas </li></ul><ul><li> SIU </li></ul><ul><li> Injecções hormonais </li></ul><ul><li> Implante </li></ul><ul><li> Adesivo contraceptivo </li></ul><ul><li> Anel vaginal </li></ul>
  • 4. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Pílula: </li></ul><ul><li>Existem dois tipos de pílula, a pílula combinada e a mini pílula. </li></ul><ul><li>Pílula combinada </li></ul><ul><li>É constituída por comprimidos que contêm hormonas de composição semelhante às hormonas ováricas, progesterona e estrogénio. </li></ul><ul><li>A pílula impede a ovulação, aumenta a espessura do muco do colo do útero e diminui a espessura do endométrio. </li></ul>
  • 5. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Alta eficácia (cerca de 98,5%), sendo a pílula combinada um pouco mais eficaz que a mini pílula. </li></ul><ul><li>- Pode ser utilizada durante vários anos, desde que sob supervisão médica. </li></ul><ul><li>- Quando suspenso o uso da pílula, os ovários, em geral, voltam ao seu desenvolvimento normal. </li></ul><ul><li>- Regula o ciclo menstrual, diminui o fluxo menstrual e alivia as dores menstruais. </li></ul><ul><li>- Reduz o risco de formação de quistos ováricos. </li></ul><ul><li>- Previne o cancro do endométrio e dos ovários. </li></ul><ul><li>- Reduz os riscos de desenvolvimento de tumores malignos no útero e de incidência de doença mamária maligna. </li></ul><ul><li>- Diminui o risco de anemia por deficiência de ferro. </li></ul>
  • 6. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Tem de ser tomada todos os dias, no mesmo horário e a sua má administração pode lavar ao aparecimento de uma gravidez. </li></ul><ul><li>- Não é aconselhável a mulheres com mais de 35 anos e fumadoras. </li></ul><ul><li>- Não é aconselhável para mulheres com alguns problemas relacionados sobretudo com o sistema circulatório. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul><ul><li>- Alguns efeitos secundários, como o aumento de peso, vómitos e náuseas. </li></ul>
  • 7. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Pílula do dia seguinte: </li></ul><ul><li>É constituída por dois comprimidos que evitam o início de uma gravidez, uma vez que previnem a fecundação e impedem a nidação de um óvulo fertilizado. </li></ul><ul><li>São administrados por via oral dois comprimidos com uma grande dose de hormonas. A sua eficácia é tanto maior quanto mais próxima seja a sua toma do momento em que ocorreu a relação. A primeira dose deve ser administrada até 72 horas após a relação desprotegida e a segunda deve ser tomada entre 12 a 24 horas após o primeiro. </li></ul>
  • 8. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Método de alta eficácia, quando administrado correctamente. </li></ul><ul><li>- Evita uma gravidez não desejada depois de uma relação não protegida. </li></ul><ul><li>- Fácil administração. </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Após 72 horas do coito, perde a sua eficácia. </li></ul><ul><ul><li>- Os comprimidos possuem uma grande dose de hormonas e só devem ser utilizados em caso de emergência. </li></ul></ul><ul><ul><li>- Causa vários efeitos secundários, geralmente vómitos, dor de cabeça, tonturas, etc. </li></ul></ul><ul><ul><li>- Irregularidades na menstruação. </li></ul></ul><ul><ul><li>- Alguns antibióticos podem reduzir a sua eficácia. </li></ul></ul><ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul></ul>
  • 9. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Espermicidas: </li></ul><ul><li>São constituídos por substâncias químicas que provocam a destruição da membrana dos espermatozóides, impedindo a fecundação. Os espermicidas podem ser apresentados de várias formas, sendo algumas delas, em cremes, espumas, geleias, sprays, comprimidos, entre outros. Existem preservativos lubrificados que já contém espermicidas. </li></ul>
  • 10. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Não interfere no ciclo menstrual. </li></ul><ul><li>- Ausência de efeitos indesejáveis relacionados com a administração de hormonas. </li></ul><ul><li>- Quando utilizados com outros métodos (preservativo ou diafragma), a sua eficácia aumenta. </li></ul>
  • 11. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><ul><li>Podem causar alergias. </li></ul></ul><ul><ul><li>Têm uma baixa eficácia quando não utilizados juntamente com outros métodos (cerca de 20%). </li></ul></ul><ul><ul><li>Reduzida protecção contra a DST. </li></ul></ul><ul><ul><li>Interferência na relação sexual, uma vez que tem de ser aplicados cerca de 10 minutos antes do acto sexual. </li></ul></ul><ul><ul><li>Corrimento desagradável que aparece nas mulheres quando os espermicidas se dissolvem. </li></ul></ul>
  • 12. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>SIU: </li></ul><ul><li>O SIU é um sistema intra-uterino, em forma de T e constituído por plástico, colocado no útero, onde este liberta uma hormona de composição semelhante à progesterona, o progestativo. </li></ul>
  • 13. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>O SIU é colocado no útero por um médico especializado. Se for introduzido nos primeiros 7 dias de um ciclo de 28 dias, o SIU começa imediatamente a actuar. O SIU tem uma eficácia de cerca de 5 anos, sendo depois disso retirado e substituído por outro. </li></ul>
  • 14. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><ul><ul><li>Tem uma elevada percentagem de eficácia. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É possível retirar-se a qualquer altura. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Não interfere na relação sexual. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Não necessita de cuidados especiais. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Só precisa de ser mudado a cada 5 anos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Menstruações mais leves. </li></ul></ul></ul>
  • 15. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Só se deve utilizar caso já se tenha engravidado. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul><ul><li>- Não é recomendado a mulheres que tenham sofrido de DIP (doença inflamatória da pélvis). </li></ul><ul><li>- Pode levar a irregularidades na menstruação ou mesmo à sua ausência (amenorreia). </li></ul><ul><li>- Pode levar ao aparecimento de quistos ováricos. </li></ul>
  • 16. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Injecções hormonais: </li></ul><ul><li>São constituídas por hormonas que são libertadas gradualmente e tem um efeito de, geralmente, 3 meses. Estas impedem a ovulação, aumentam a espessura do muco do colo do útero e diminuem a espessura do endométrio de modo a impedir a nidação. </li></ul><ul><li>É administrada por um médico, geralmente, de 3 em 3 meses por via intramuscular, normalmente nas nádegas ou nos braços. </li></ul>
  • 17. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Se for administrada nos primeiros 5 dias da menstruação, é eficaz de imediato. </li></ul><ul><li>- Muito eficaz (cerca de 98.5%). </li></ul><ul><li>- Não interfere nas relações sexuais. </li></ul><ul><li>- Duração relativamente prolongada. </li></ul><ul><li>- Seguro depois do parto e durante a amamentação. </li></ul><ul><li>- Não são necessários cuidados diários. </li></ul>
  • 18. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>-A fertilidade só volta depois de 6 a 24 meses depois da última injecção. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul><ul><li>- Não deve ser administrado a mulheres com mais de 35 anos e fumadoras. </li></ul><ul><li>- Irregularidades na menstruação e após várias utilizações, pode levar à sua ausência. </li></ul><ul><li>- Caso a quantidade de hormonas seja muito elevada, pode provocar o aumento da circulação sanguínea. </li></ul>
  • 19. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Implante: </li></ul><ul><li>Consiste numa pequena vareta do tamanho de um fósforo que é colocado ao nível subcutâneo, geralmente, no braço. Liberta hormonas progestativas que impedem a ovulação, levam ao aumento da espessura do muco do colo do útero e diminui a espessura do endométrio. O seu efeito dura 3 anos. </li></ul>
  • 20. <ul><li>O implante é colocado no lado interno da parte superior do braço por um médico, com anestesia local. Para ser eficaz no primeiro mês de uso, terá de ser colocado nos primeiros 5 dias da menstruação. </li></ul>
  • 21. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Duração de 3 anos. </li></ul><ul><li>- Não interfere com as relações sexuais. </li></ul><ul><li>- A fertilidade volta assim que é feita a sua remoção. </li></ul><ul><li>- Prático e indolor. </li></ul><ul><li>- Pode ser usado depois do parto e durante a amamentação. </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Alterações menstruais. </li></ul><ul><li>- Necessita de ser colocado e retirado por um médico. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul><ul><li>- Elevado custo. </li></ul>
  • 22. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Adesivo contraceptivo: </li></ul><ul><li>É um adesivo que liberta hormonas através da pele para a corrente sanguínea e que impede a ovulação. Verifica-se também o aumento da espessura do muco do colo do útero e torna o endométrio pouco espesso. Tem um efeito e uma eficácia idêntica à da pílula. </li></ul><ul><li>É aplicado na pele, podendo ser usado nas nádegas, no abdómen, no dorso superior e no antebraço. Coloca-se durante 3 semanas consecutivas, e sendo a sua duração de 1 semana, tem de ser mudado a cada semana, descansando-se depois na quarta semana, na qual aparecerá a menstruação. O adesivo deve ser sempre substituído no mesmo dia da semana. </li></ul>
  • 23. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Grande eficácia (cerca de 98.5%) </li></ul><ul><li>- Não necessita ser administrado diariamente. </li></ul><ul><li>- Fácil utilização. </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Exige algum controlo em termos do tempo que se utiliza. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul>
  • 24. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Anel vaginal: </li></ul><ul><li>É um anel de plástico flexível que é colocado na vagina e liberta uma pequena dose de progesterona e estrogénio durante cerca de 21 dias. </li></ul>
  • 25. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>É colocado pela mulher sem ser necessário um médico. A mulher pode colocá-lo na posição que achar conveniente, introduzindo-o na vagina e empurrando-o com o dedo até deixar de o sentir. </li></ul>
  • 26. Métodos químicos ou hormonais <ul><li>Vantagens: </li></ul><ul><li>- Fácil utilização. </li></ul><ul><li>- Grande eficácia. </li></ul><ul><li>- Poucos efeitos secundários, devido à utilização de doses pouco elevadas. </li></ul><ul><li>- Não requer a toma diária, como a pílula. </li></ul><ul><li>Desvantagens: </li></ul><ul><li>- Irregularidades na menstruação. </li></ul><ul><li>- Não protege contra as DST. </li></ul><ul><li>- Via vaginal, o que pode ser desconfortável para algumas mulheres. </li></ul>

×