[Trabalho_de_Portoguês]

11,855 views
11,625 views

Published on

Published in: Technology
2 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Um trabalho de Português com um erro no título...
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • muito bom ,gostei da parte que fala sobre o processo de formação das palavras! :]
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
11,855
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
49
Actions
Shares
0
Downloads
137
Comments
2
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

[Trabalho_de_Portoguês]

  1. 1. Léxico Escola Básica e Integrada de Vila Cova Trabalho elaborado por: Isabel Dias Nº16 Daniel Silva Nº7 Jorge Ribeiro Nº19 Disciplinas: TIC e Português 9ºB
  2. 2. Fenómenos de evolução fonética
  3. 3. Evolução fonética Através dos tempos, na passagem do latim para o Português, os fonemas das palavras foram sofrendo graduais modificações de ordem espontânea a que damos o nome de fenómenos fonéticos . Vamos recordar os principais.
  4. 4. <ul><li>Fenómenos de adição </li></ul><ul><li>Fenómenos de queda ou elisão </li></ul><ul><li>Fenómenos de permuta </li></ul>Fenómenos fonéticos
  5. 5. Fenómenos de adição (acrescentamento de fonemas) <ul><li>Prótese : no princípio da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: thunu – a tum </li></ul><ul><li>Epêntese : no meio da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: humile – humil d e </li></ul><ul><li>Paragoge : no fim da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: ante - ante s </li></ul>
  6. 6. Fenómenos de queda ou elisão (omissão de fonemas) <ul><li>Aférese : no principio da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: a tonitu – tonto </li></ul><ul><li>Síncope : no meio da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: ma l u – mau </li></ul><ul><li>Apócope : no fim da palavra </li></ul><ul><li>Exemplo: ama t - ama </li></ul>
  7. 7. Fenómenos de permuta (alteração de fonemas por influência de outros) <ul><li>Metátese ( mudança de lugar de fonemas dentro da palavra) </li></ul><ul><li>Exemplo: Fer i a – Fe i ra </li></ul><ul><li>Inte r – Ent r e </li></ul><ul><li>Vocalização ( quando as consoantes passam a vogais) </li></ul><ul><li>Exemplo: Re g no – re i no </li></ul><ul><li>A b sente - A u sente </li></ul>
  8. 8. Fenómenos de permuta (continuação) <ul><li>Sonorização - ( quando as consoantes surdas passam a consoantes sonoras) </li></ul><ul><li> Exemplo: Ami c u – Ami g o </li></ul><ul><li>Lu p u – Lo b o </li></ul><ul><li>Palatização – ( quando o som passa de não palatal para palatal ) </li></ul><ul><li> Exemplo: Fi l iu – Fi lh o </li></ul><ul><li>Cl amar – Ch amar </li></ul><ul><li>Assimilação – ( modificação de um som, que por influência que lhe é vizinho, se torna igual) </li></ul><ul><li> Exemplo: Nos t o – Nos s o </li></ul>
  9. 9. Fenómenos de permuta (continuação) <ul><li>Nasalação – ( um fonema oral torna-se nasal) </li></ul><ul><li> Exemplo: R an a – rãa – rã </li></ul><ul><li>Desnasalação – ( um fonema deixa de ser nasal) </li></ul><ul><li> Exemplo: bona – b õ a – boa </li></ul><ul><li>Vocalização – ( consoantes passam a vogais) </li></ul><ul><li> Exemplo: mu l to - muito </li></ul>
  10. 10. Evolução semântica
  11. 11. Evolução semântica * A evolução semântica consiste na alteração de sentido / significado que se verifica em certas palavras, ao longo dos tempos. * Esta alteração está ligada a factores temporais e espaciais.
  12. 12. Evolução semântica (continuação) <ul><li>Exemplos: </li></ul>Palavra Antes Hoje Parvo Parvus Pequeno, muito novo “ Estúpido” Solteiro Solitarium O que vive ou está só O que ainda não casou Ministro Ministru Escravo, o que serve Função de grande nível social Gesto Gestu Rosto, semblante Movimento do corpo
  13. 13. Renovação e enriquecimento do léxico
  14. 14. Neologismos <ul><li>É um fenómeno linguístico que consiste na criação de uma </li></ul><ul><li>palavra ou expressão nova, ou na atribuição de um novo sentido a </li></ul><ul><li>uma palavra já existente. </li></ul><ul><li>Exemplo : Cosmonauta </li></ul><ul><li>Nota : O tempo de duração de um neologismo é extremamente </li></ul><ul><li>curto. Durando apenas até ao momento em que o objecto ou o </li></ul><ul><li>conceito se torna habitual. </li></ul>
  15. 15. Estrangeirismos <ul><li>São vocábulos que fazem parte de outras línguas e que foram </li></ul><ul><li>introduzidos no Português ou foram incorrectamente aportuguesadas. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>chauffage – aquecimento. Provém do Francês. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>suspense – expectativa. Provém do Inglês. </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>... </li></ul><ul><li>Nota: A utilização da maioria dos estrangeirismos não é </li></ul><ul><li>aconselhada devendo estes ser substituídos, sempre que possível, </li></ul><ul><li>pelo vocábulo existente correspondente á língua. </li></ul>
  16. 16. Arcaísmos <ul><li>São palavras que já não se usam. Desaparecem com o objecto, </li></ul><ul><li>a actividade ou o conceito que definiam. Muitas vezes São </li></ul><ul><li>simplesmente substituídas por outras. </li></ul><ul><li>Exemplos : </li></ul><ul><ul><li>asinha – depressa. </li></ul></ul><ul><ul><li>calafeteiros – homens que recuperavam o mau estado do navio. </li></ul></ul>
  17. 17. Algumas curiosidades… <ul><li>Será que sabes responder correctamente? </li></ul><ul><li>Põe a tua capacidade á prova… </li></ul><ul><li>Quais são os fenómenos de queda de sons? </li></ul><ul><li>2) Quais são os fenómenos de adição de sons? </li></ul><ul><li>3) Identifica os fenómenos fonéticos ocorridos na evolução: mi/mim. </li></ul><ul><li>4) Como se designam as línguas derivadas do latim? </li></ul><ul><li>5) Software, t-shirt, shopping, são… </li></ul><ul><li>6) As palavras “asinha” e “atesa” desapareceram do léxico. Designam-se por… </li></ul><ul><li>7) Que acontecimento histórico permitiu a integração de novas palavras? </li></ul><ul><li>8) Identifica os fenómenos fonéticos presentes na evolução: canes /cães. </li></ul>
  18. 18. Soluções <ul><li>1) Aférese, Síncope, apócope. </li></ul><ul><li>2) Prótese, epêntese, paragoge. </li></ul><ul><li>3) Nasalção e paragoge. </li></ul><ul><li>4) Românicas ou Novilatinas. </li></ul><ul><li>5) Estrangeirismos. </li></ul><ul><li>6) Arcaísmos. </li></ul><ul><li>7) Descobrimentos. </li></ul><ul><li>8) Síncope, nasalação. </li></ul>
  19. 19. Relações lexicais
  20. 20. Relações lexicais <ul><li>Existem dois tipos de relações lexicais: </li></ul><ul><ul><ul><li>Relações de sentido </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relações gráficas e fonéticas </li></ul></ul></ul>
  21. 21. Relações de sentido
  22. 22. Sinonímia <ul><li>É a relação que se estabelece entre duas palavras ou mais que </li></ul><ul><li>apresentam significados iguais ou semelhantes - sinónimos . </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>cómico - engraçado </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>débil - fraco, frágil </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>distante - afastado, remoto </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  23. 23. Antónima <ul><li>É a relação que se estabelece entre duas palavras ou mais que </li></ul><ul><li>apresentam significados diferentes, contrários - antónimos . </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>economizar – gastar </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>bem – mal </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>bom – mau </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  24. 24. Hiperonímia <ul><li>É a palavra que dá ideia de um todo, do qual se originam </li></ul><ul><li>várias partes ou ramificações. A palavra religião é um todo, ao </li></ul><ul><li>qual estão ligados todos os tipos de religião. </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><li>Calçados; a ela estão ligadas palavras como, sandálias, botas, sapatos, ténis etc. </li></ul>
  25. 25. Hiponímia <ul><li>Hiponímia é exactamente o contrário, o oposto da hiperonímia: </li></ul><ul><li>é a palavra que indica cada parte ou cada item de um todo. </li></ul><ul><li>Melro , catatua , periquito , etc. constituem um caso de </li></ul><ul><li>hiponímia, visto que cada uma destas palavras é parte um todo. - </li></ul><ul><li>- neste caso o todo a ela correspondente será a palavra ave . </li></ul>
  26. 26. Relações gráficas e fonéticas
  27. 27. Homonímia <ul><li>É a relação entre duas ou mais palavras que, apesar de </li></ul><ul><li>possuírem significados diferentes, possuem a mesma estrutura </li></ul><ul><li>fonológica – homónimos . </li></ul>
  28. 28. Paronímia <ul><li>É a relação que se estabelece entre duas ou mais </li></ul><ul><li>palavras que possuem significados diferentes, mas são </li></ul><ul><li>muito parecidas na pronúncia e na escrita – parónimos . </li></ul><ul><li>Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>cavaleiro - cavalheiro </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>absolver - absorver </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  29. 29. Formação de palavras
  30. 30. Composição
  31. 31. Composição <ul><li>Processo de formação de palavras através do </li></ul><ul><li>qual novas palavras são formadas pela junção de </li></ul><ul><li>duas ou mais palavras já existentes. </li></ul><ul><li>Existem duas formas de composição: </li></ul><ul><ul><ul><li> Justaposição </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Aglutinação </li></ul></ul></ul>
  32. 32. Justaposição <ul><li>A composição por  justaposição  ocorre quando duas </li></ul><ul><li>ou mais palavras se unem sem que ocorra alteração de </li></ul><ul><li>suas formas ou acentuação primitivas. Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><li>guarda-chuva </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>segunda-feira </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>passatempo. </li></ul></ul></ul>
  33. 33. Aglutinação <ul><li>A composição por  aglutinação  ocorre quando duas ou mais palavras se </li></ul><ul><li>unem para formar uma nova palavra ocorrendo alteração na forma ou na </li></ul><ul><li>acentuação. Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><li>água + ardente =  aguardente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>vinho + acre =  vinagre </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ponta + pé =  pontapé </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>filho + de+ algo =  fidalgo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>em + boa + hora =  embora </li></ul></ul></ul><ul><li>A aglutinação explica algumas palavras de origem grega existentes em </li></ul><ul><li>português, que resultaram da fusão entre dois lexemas autónomos: Ex.: </li></ul><ul><ul><ul><li>Arqueo  (antigo) +  logia  (discurso, ciência) =  arquelologia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Antro  (homem) +  fagia  (acto de comer) =  antropofagia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Crono  (tempo) +  metro  (que mede) =  cronómetro </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Xeno  (estrangeiro) +  fobo  (que odeia) =  xenófobo </li></ul></ul></ul>
  34. 34. Derivação
  35. 35. Derivação <ul><li>Há um grande número de palavras portuguesas cuja existência </li></ul><ul><li>surgiu do facto de se terem adicionado pequenos elementos – </li></ul><ul><li>prefixos e sufixos - a outras palavras já existentes (palavras </li></ul><ul><li>primitivas). </li></ul><ul><li>Este processo tem por nome derivação . </li></ul>
  36. 36. Derivação por prefixação <ul><li>A derivação pode resultar por prefixação , sempre que adicionamos ao </li></ul><ul><li>início de uma palavra já existente um elemento ( prefixo ) que, normalmente, </li></ul><ul><li>não tem significado, sem esta ligação. </li></ul><ul><li>Deste processo resulta uma nova palavra, implicando também uma </li></ul><ul><li>alteração de sentido. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>in + feliz = infeliz </li></ul>prefixo des + contente = descontente palavra primitiva
  37. 37. Derivação por sufixação <ul><li>A derivação pode resultar por sufixação , sempre que adicionamos um </li></ul><ul><li>elemento ( sufixo ) ao fim de uma palavra primitiva que, normalmente, não </li></ul><ul><li>têm sentido quando sem esta ligação. </li></ul><ul><li>Deste processo resulta uma nova palavra. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>feliz + mente = felizmente </li></ul>sufixo contente + mento = contentamento palavra primitiva
  38. 38. Subclasses dos sufixos <ul><li>Sufixos nominais </li></ul><ul><li>Sufixos verbais </li></ul><ul><li>Sufixos adverbiais </li></ul>
  39. 39. Sufixos nominais <ul><li>Estes sufixos quando </li></ul><ul><li>ligados a uma palavra </li></ul><ul><li>primitiva dão origem a nomes </li></ul><ul><li>ou adjectivos . </li></ul><ul><li>Os sufixos nominais </li></ul><ul><li>podem se dividir em </li></ul><ul><li>aumentativos e diminutivos . </li></ul>caval aria -aria palerm ice -ice lembr ança -ança estud ante -nte americ ano -ano barb ado -ado livr eiro -eiro Exemplos Sufixos
  40. 40. Sufixos nominais aumentativos <ul><li>Estes sufixos são muitas </li></ul><ul><li>vezes utilizados com valor </li></ul><ul><li>afectivo ou expressivo, isto é, </li></ul><ul><li>traduzem diferentes emoções </li></ul><ul><li>de quem os utiliza, sobre </li></ul><ul><li>determinada realidade ou </li></ul><ul><li>pretendem especificar ou </li></ul><ul><li>esclarecer essa mesma </li></ul><ul><li>realidade. </li></ul>sort udo ; beiç udo -udo boc arra -arra dent uça -uça corp anzil -anzil cabeç orra -orra fest ança -ança moç oila -oila grand alhão ; espert alhão -alhão invern ia -ia ric aço -aço voz eirão -eirão raparig aça -aça bal ázio -ázio car ão ; casar ão ; casac ão -ão Exemplos Sufixos Exemplos Sufixos
  41. 41. Sufixos nominais diminutivos <ul><li>Estes sufixos são muitas vezes </li></ul><ul><li>utilizados, também, com valor </li></ul><ul><li>afectivo e expressivo. </li></ul><ul><li>No entanto, em clarinete , </li></ul><ul><li>flautim e pianola , o sufixo </li></ul><ul><li>possui exclusivamente o valor de </li></ul><ul><li>diminuição de tamanho </li></ul><ul><li>relativamente a clarim , flauta e </li></ul><ul><li>piano . Mas se a um piano </li></ul><ul><li>chamarmos pianola, estamos a </li></ul><ul><li>utilizar o sufixo com valor </li></ul><ul><li>depreciativo. </li></ul>gord ucho -ucho burr ico ; pequen ito -ico; -ito lapar oto -oto quart elho -elho velh ote ; cadern ote -ote mat ela ; clarin ete -eta; -ete fati ota -ota lugar ejo -ejo pian ola -ola ru ela ; vi ela -ela chuv isco -isco cord el -el camar im ; flaut im -im cas ebre -ebre moc inho ; cão zinho -(z)inho ri acho -acho Exemplos Sufixos Exemplos Sufixos
  42. 42. Sufixos verbais <ul><li>Há sufixos que servem especialmente para formar verbos. </li></ul>escrev inhar ; espez inhar -inhar salt itar ; dorm itar -itar beber icar -icar pestan ejar ; got ejar -ejar amarel ecer ; envelh ecer ; adorm ecer -ecer util iza r; escrav izar -izar digni ficar ; modi ficar ; solidi ficar -ficar constru ir -ir com er -er cant ar -ar Exemplos Sufixos
  43. 43. Sufixos adverbiais <ul><li>Estes sufixos servem para formar advérbios, como é o caso da maioria dos </li></ul><ul><li>advérbios de modo que são formados a partir de um adjectivo ( no feminino no </li></ul><ul><li>caso dos biformes) a que se junta o sufixo -mente . </li></ul><ul><li>Exemplos: condignamente , calmamente , simplesmente , tenazmente , </li></ul><ul><li>propriamente (o advérbio perde o acento gráfico ) </li></ul><ul><li>Podemos ainda encontrar outros sufixos adverbiais que servem para atribuir </li></ul><ul><li>grau e/ou expressividade aos próprios advérbios, como é mo caso de </li></ul><ul><li>pertinho , agorinha , nadíssima , muitíssimo , cedinho , devagarinho . </li></ul>
  44. 44. Derivação por sufixação e prefixação <ul><li>A derivação por prefixação e sufixação, também designada por </li></ul><ul><li>parassíntese , resulta da adição a uma palavra de um elemento no início </li></ul><ul><li>(prefixo) e de um elemento no fim (sufixo). </li></ul><ul><li>Forma-se assim, desta forma, uma nova palavra. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>in + feliz + mente = infelizmente </li></ul>prefixo sufixo des + contente + mento = descontentamento
  45. 45. Derivação imprópria <ul><li>Designa-se por derivação imprópria a mudança de classe gramatical de uma </li></ul><ul><li>palavra motivada pela função que desempenha na frase. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><ul><li>O comer estava saboroso. ( o verbo passou a nome) </li></ul></ul><ul><ul><li>Lisboa é a capital de Portugal. ( o adjectivo passou a nome) </li></ul></ul><ul><ul><li>O eu poético deixa transparecer muita melancolia. ( o pronome passa a nome) </li></ul></ul><ul><ul><li>Silêncio! A peça vai começar. ( o nome passou a interjeição) </li></ul></ul>
  46. 46. Famílias de palavras <ul><li>As famílias de palavras são constituídas pelo conjunto de todas as </li></ul><ul><li>palavras formadas por derivação ou composição a partir da mesma palavra </li></ul><ul><li>primitiva. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mar : marinheiro, maré, marujo, marinha, maremoto, amarar, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>marear, maresia </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Muitas vezes, para formar certas palavras dentro de uma família, recorre-se </li></ul><ul><li>ao étimo latino. </li></ul><ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Água : desaguar, aquático, aquário, aqueduto </li></ul></ul></ul></ul>
  47. 47. Eça de Queirós Eça de Queirós, autor do conto «No Moinho», história que nós estudamos este ano lectivo. http:// www.youtube.com /watch?v=LcNdHcke4KQ
  48. 48. Fim!!! Não te esqueças ...

×