UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS
CURSO DE GEOGRAFIA

DANNIEL MADSON...
DANNIEL MADSON VIEIRA OLIVEIRA

“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de
Balsas, S...
Oliveira, Danniel Madson Vieira.
“Admirável” Sertão novo: o processo de territorialização da soja
no município de Balsas, ...
DANNIEL MADSON VIEIRA OLIVEIRA

“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de
Balsas, S...
Às matriarcas da minha pequena Grande
família: Rita Marise Santos Vieira, minha
querida mãe; tia Rita de Cássia Santos
Vie...
“Esta é a forma como se representa o anjo da história. Sua face está virada para o passado.
Onde nós percebemos uma cadeia...
AGRADECIMENTOS

À Deus, por tudo!
Agradeço aos meus familiares, por sempre acreditarem em mim e estarem
disponíveis quando...
Aos meus queridos e leais amigos, Bob e Marley (este último em memória), que
dormiam ao pé da mesa do computador, latiam, ...
À Larissa, Letícia e sua família, sempre prestativas quando precisei.
Aos mestres:
A todos(as) professores que já tive, pe...
RESUMO

Dentre os estudos coetâneos em voga nas Ciências Humanas/Sociais são de peculiar
sobrepujança para Geografia aquel...
ABSTRACT

Among the contemporaries studies in vogue in the Humanities/Social Sciences are of
emphasis peculiar to Geograph...
LISTA DE FIGURAS

Figura 01 –

Mosaico 1: sátiras de Pawła Kuczyńskiego..................................................
...
Figura 25 –

A “diáspora” gaúcha.....................................................................................

Fig...
LISTA DE TABELAS E QUADROS

Tabelas:
TABELA 01 –

Síntese do PRODECER........................................................
LISTA DE SIGLAS

ACA

Associação Camponesa.

AGED

Agência Estadual de Defesa Agropecuária.

ALBRAS

Alumínio Brasileiro S...
FFLCH

Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (USP).

GEOTEC

Empresa Júnior de Geografia (UFMA).

GERUR

Grupo ...
RIMA

Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente.

SAGRIMA

Secretaria de Agricultura do Maranhão (GOVERNO DO MARANHÃO).

...
SUMÁRIO

1 APRESENTAÇÃO......................................................................................................
6.3 Des-re-territorialização: os des/encontros entre sertanejos e gaúchos..................... 110
6.4 A territorialidade ...
18

1 APRESENTAÇÃO

O processo de modernização das atividades agrícolas no Cerrado sul-maranhense
trouxe diversas transfor...
19

migrante sulista, como o sotaque e regionalismo gaúcho.
Instigado em refletir sobre essas questões e hipóteses escrevi...
20

1.1 A “gestação” da monografia: das paixões intelectuais passageiras ao “casamento” com
linhas de pesquisa

“A humanid...
21

E conduziu ambas para uma imaginada hierarquia entre as ciências (com a física em
um extremo e, digamos, os estudos cu...
22

de campo. No segundo ano conseguimos uma Bolsa de Iniciação Científica (BIC), destinada
entre 2010/2011 para Alexsandr...
23

Precisamos fazer um novo imaginário de desenvolvimento, no qual usemos nossos
momentos mais criativos para pensar dife...
24

“iriam ver os processos relacionados ao comportamento dos torcedores em um bar, próximo à
Avenida Litorânea” (apesar d...
25

álbum de fotos que guarda momentos que a memória às vezes descarta. “Nossa memória é
uma ilha de edição” e o gravador ...
26

2º Trabalho de campo: 25 a 30 de agosto de 2010

Já no segundo campo estava mais acostumado com os métodos de abordage...
27

3º Trabalho de campo: 17 a 21 de outubro de 2011

O terceiro campo teve um marco diferente para mim, já não estranhava...
28

lista de todos os mal-entendidos ligados à pesquisa. enfim, procure a ou as “falhas”,
as razões principais do mal-esta...
29

2 METODOLOGIA

Para realização deste trabalho monográfico, concernente aos objetivos elencados
para sua produção, fora...
30

trabalhos de campo possibilitaram uma melhor clarificação do tema abordado, além da devida
constatação e avaliação daq...
31

- Redação e apresentação de artigos científicos paralelos em eventos que
abrangiam discussões temáticas sobre as categ...
32

- Apresentação do texto preliminar da monografia às orientadoras que fizeram as
devidas correções e considerações;
- A...
33

PARTE UM: da teoria
34

3 SOBRE AS CATEGORIAS DE ANÁLISE: divagações introdutórias...7

Figura 01. Mosaico 1: sátiras de Pawła Kuczyńskiego. F...
35

“[...] Ser moderno é encontrar-se em um ambiente que promete aventura, poder,
alegria, crescimento, autotransformação ...
36

das Telecomunicações”, na qual há “combinação entre a tecnologia digital, a política
neoliberal e os mercados globais....
37

“Oh, admirável mundo novo!” Que a todo instante se desconstrói-reconstrói, em
que o novo já nasce obsoleto, a rapidez ...
38

Em 1998, os 20% mais ricos do planeta dispunham de 86% do produto mundial, e os
20% mais pobres de apenas 1%. Enquanto...
39

modernidade que não tem mais como garantir outras possibilidades de existência.
(HEIDEMANN, 2010, não publicado, grifo...
40

técnica pragmatiza as ciências (a Geografia, notadamente, não escapa disso). Não há
como negar que isso é a globalizaç...
41

Acerca das “modernidades” as reflexões são também complexas: retratam
categorias de análise que diferem (entre si) por...
42

As artes e arquitetura da modernidade são marcadas pela “criação destrutiva” e
“destruição criativa” (figura 03). A “i...
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão

3,136 views

Published on

Dentre os estudos coetâneos em voga nas Ciências Humanas/Sociais são de peculiar sobrepujança para Geografia aqueles sobre as diversas territorialidades. O processo de modernização concomitante às resistências no campo passou a ser analisado de várias formas, inclusive através da discussão sobre outro processo indissociável: o avanço/encontro e consequente imbricamento-sobreposição/conflito-antagonismo entre diferentes identidades, territórios e fronteiras tecnológicas – a des-re-territorialização. A territorialização da soja na fronteira sul do Maranhão, especificamente no município de Balsas, entre 1990 a 2010, foi elencada como objeto deste estudo monográfico com o objetivo de analisar esta amálgama de processos numa área bastante dinâmica para o agronegócio vinculado à soja no Brasil. As mudanças culturais e o processo de territorialização do capital recentes em Balsas, decorrentes da introdução dos novos padrões sócio-econômico-culturais e espaciais, foram inseridos a partir da “instalação” da agricultura moderna da soja e do migrante sulista neste município. Para entender este processo buscou-se: inicialmente fazer uma revisão bibliográfica a partir das categorias “Migração”, “Territorialização”, “Espaço”, “Tempo”, “Globalização”, “Identidade”, “Modernidades”, “Modernização”, “Eurocentrismo” e “Racionalidades”; em seguida, interrelacionar a teoria e o contexto de modernização das áreas propícias ao cultivo de soja no Cerrado e Amazônia brasileiros, cujas ponderações foram embasadas nas categorias “Papel do Estado”, “Fronteira”, “Rede Política Agroindustrial”, “Território”, “Des-re-territorialização” e “Multiterritorialidade”; e por fim, refletir sobre as temáticas “Fronteira” e “Des-re-territorialização” a partir da sua inserção no contexto histórico contemporâneo do município de Balsas para: constatar as consequências culturais e econômicas do processo de expansão da sojicultura nas últimas duas décadas (1990 – 2010); identificar as possíveis tensões geradas a partir de diferenciações sócio-culturais ocorrentes entre a população local e a população migrante no município supracitado; conhecer os principais motivos que geram situações aparentemente identificadas como de separação entre os dois segmentos da população. Utilizou-se o método dialético apoiado em abordagens quanti-qualitativa e etnográfica, para observar (com realização da pesquisa de campo), pensar (apoiado em pesquisa bibliográfica) e interpretar os processos de territorialização na fronteira de expansão agrária no sul maranhense, sob a égide da sojicultura, e seus desdobramentos.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,136
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

“ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA DANNIEL MADSON VIEIRA OLIVEIRA “ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão São Luís 2011
  2. 2. DANNIEL MADSON VIEIRA OLIVEIRA “ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão Monografia apresentada ao Curso de Geografia da Universidade Federal do Maranhão, para obtenção do grau de Licenciatura Plena e Bacharelado em Geografia. Orientadora: Profª. Drª. Roberta Maria Batista de Figueiredo Lima. Co-orientadora: Profª. Drª. Maria da Glória Rocha Ferreira. São Luís 2011
  3. 3. Oliveira, Danniel Madson Vieira. “Admirável” Sertão novo: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, sul do Maranhão/ Danniel Madson Vieira Oliveira. – São Luís, 2011. 166 f. Impresso por computador (fotocópia). Orientadora: Roberta Maria Batista de Figueiredo Lima. Co-orientadora: Maria da Glória Rocha Ferreira. Monografia (Graduação) – Universidade Federal do Maranhão, Curso de Geografia, 2011. 1. Geografia econômica – Maranhão 2. Territorialização 3. Fronteira agrária 4. Sojicultura – Balsas – MA I. Título. CDU 911.3:33 (812.1)
  4. 4. DANNIEL MADSON VIEIRA OLIVEIRA “ADMIRÁVEL” SERTÃO NOVO: o processo de territorialização da soja no município de Balsas, Sul do Maranhão Monografia apresentada ao Curso de Geografia da Universidade Federal do Maranhão, para obtenção do grau de Licenciatura Plena e Bacharelado em Geografia. Aprovada em 19/12/2011. BANCA EXAMINADORA ___________________________________________________ Profª. Roberta Maria Batista de Figueiredo Lima (Orientadora) Drª. em Geografia Universidade Federal do Maranhão ___________________________________________________ Profª. Maria da Glória Rocha Ferreira (Co-orientadora) Drª. em Geografia Universidade Federal do Maranhão ___________________________________________________ Prof. Josoaldo Lima Rêgo Dr. em Geografia Humana Universidade Federal do Maranhão ___________________________________________________ Profª. Maristela de Paula Andrade Pós-Drª. em Antropologia Universidade Federal do Maranhão
  5. 5. Às matriarcas da minha pequena Grande família: Rita Marise Santos Vieira, minha querida mãe; tia Rita de Cássia Santos Vieira; e minha avó, Ercília Santos Vieira; mulheres, mães, professoras, pedagogas, costureiras, donas-de-casa... que me ensinaram (e ensinam) a ser quem sou – uma combinação de alguns dos seus reflexos. Ao meu irmão Raphael Madson Vieira Oliveira, que sempre me deu força e acreditou em mim. Em memória ao meu avô e padrinho Sebastião José Vieira, arquétipo de vida para família, ao qual temos divertidas lembranças e saudades eternas.
  6. 6. “Esta é a forma como se representa o anjo da história. Sua face está virada para o passado. Onde nós percebemos uma cadeia de eventos, ele vê uma catástrofe única que se mantém empilhando destroços e os lança violentamente em frente aos seus pés. O anjo gostaria de ficar, acordar os mortos, e tornar inteiro o que foi esmagado. Mas um temporal está vindo do paraíso; ele foi capturado em suas asas com tal violência que não pode mais fechá-las. Este temporal o empurra irresistivelmente para o futuro para o qual ele volta as costas, enquanto que a pilha de entulhos à sua frente cresce em direção ao céu. Esse temporal é o que chamamos de progresso.” (WALTER BENJAMIN, 1940 apud MICHAEL BURAWOY, 2006, p. 09, grifos meus). “[...] Todas as relações fixas e cristalizadas, com seu séquito de crenças e opiniões tornadas veneráveis pelo tempo, são dissolvidas, e as novas envelhecem antes mesmo de se consolidarem. Tudo que é sólido e estável se volatiliza, [desmancha no ar], tudo o que é sagrado é profanado, e os homens são finalmente obrigados a encarar com sobriedade e sem ilusões sua posição na vida, suas relações recíprocas.” (KARL MARX & FRIEDRICH ENGELS, 2009, p. 48, grifo meu). “Homo homini lupus” (o homem é o lobo do homem). (TITO MÁCIO PLAUTO, 230 a 180 a.C apud THOMAS HOBBES DE MALMESBURY, O Leviatã, 1651). “A colonização fabrica colonizados assim como fabrica colonizadores.” (ALBERT MEMMI, 2007, p. 9). “[...] Era a conquista que avançava. Eram os caminhos do gado que, devassando terras, vasculhando rios, expulsando e dizimando índios, ocupavam os sertões [...].” (MARIA DO SOCORRO COELHO CABRAL, 2008, p. 85, grifos meus). “Vocês que fazem parte dessa massa Que passa nos projetos do futuro É duro tanto ter que caminhar E dar muito mais que receber E ter que demonstrar sua coragem A margem do que possa parecer E ver que toda essa engrenagem Já sente a ferrugem de comer” (ZÉ RAMALHO, Admirável Gado Novo). “O mundo rápido avançou Trocaram o homem por máquina O emprego se acabou A escravidão no Brasil Apenas se modernizou [...] Os homens sem instrução São vistos como inconstantes A necessidade obriga Se tornarem migrantes Pra onde forem viram vítimas Dos poderes dominantes” (PEDRO COSTA, repentista piauiense e membro da Academia Brasileira de Literatura Cordel). “A visão de que o Nordeste seria apenas uma região-problema, uma região de seca e miséria, foi colocada em ‘xeque’ nas últimas décadas do século XX [...].” (LUÍS GUSTAVO de L. SALES; RICÉLIA M. M. SALES, 2010, p. 97). “[...] toda essa dinâmica envolve a inversão de um processo migratório dominante até os anos 80: agora são os sulistas que, numa extensão de uma vasta ‘rede regional’ construída no interior do Brasil, ‘invadem’ o Nordeste.” (ROGÉRIO HAESBAERT, 2002, p. 368, grifo meu). “Sou um homem de causas. Vivi sempre pregando, lutando, como um cruzado, pelas causas que comovem. Elas são muitas, demais: a salvação dos índios, a escolarização das crianças, a reforma agrária, o socialismo em liberdade, a universidade necessária. Na verdade, somei mais fracassos que vitórias em minhas lutas, mas isso não importa. Horrível seria ter ficado ao lado dos que nos venceram nessas batalhas.” (DARCY RIBEIRO, O Brasil como problema, grifo meu).
  7. 7. AGRADECIMENTOS À Deus, por tudo! Agradeço aos meus familiares, por sempre acreditarem em mim e estarem disponíveis quando necessitei. À minha amada mãe, a Dona Rita, mãe “solteira”, que cria a mim e meu irmão abdicando dos seus sonhos para realizar os nossos (espero um dia realizar seus sonhos), agradeço por tudo, do dom da vida aos puxões-de-orelha. Ao meu irmão, Raphael Madson, que acima de tudo está sempre do meu lado e me superestimando. Vovó Ercília, engraçada, amorosa e uma super-avó. Tia Cássia, minha grande tia, que me ensinou nos tempos de criança (C.E. San Sebastian) e que sempre dá conselhos durante as reuniões de família. Aos meus primos Marival Júnior e Rayan Cássio, que me “consideram” bastante e a reciprocidade é a mesma. Vovô Sebastião, que há dez anos foi embora, mas deixou 70 anos de ensinamentos para família. Ao meu pai, Lilico, meus irmãos Matheus e Samuel, à irmã Jéssica e tia Silvia, uma nova família. Ao Alberto (Beto), companheiro da minha mãe, amigo e sempre prestativo. À tia Geralda, minha madrinha, minha segunda mãe, que sempre está disponível, me ajuda em viagens e sempre com presentes inesquecíveis. À prima Silvinha, que com suas histórias alegra a família inteira. Ao meu primo Genilson (Preto), à prima Anilde, ao Souto, à Sabrina e seu irmão, Júnior, que me ajudaram em um momento crucial para obter bons resultados no processo seletivo para o mestrado. Aos meus amigos de infância, que não viam a hora de eu terminar esta monografia e voltar à vida social em demasia: Thálius, Felipe e André, assim como seus familiares, Seu Sérgio, Dona Glorinha, Iahel, Seu João, Dona Edna, Dona Eunice, que aturam nossas conversas altas em altas horas (depois de 16 anos de convivência somos uma família). Ao seu Washington, que sempre patrocinou nossas equipes nas feiras culturais sem pedir nada em troca. À tia Belinha, tio Jáder, tia Concita, Ricarda e Janaína, por todos os anos juntos. À Francilene e Cléia, pessoas excepcionais e que ajudaram muito em casa para que tivesse tempo para estudar.
  8. 8. Aos meus queridos e leais amigos, Bob e Marley (este último em memória), que dormiam ao pé da mesa do computador, latiam, choravam, mordiam o cabo de internet ou me adulavam enquanto digitava esta monografia. Aos amigos da época da escola, do Colégio Aprovação, que foram marcantes para mim, muitos ainda vão aos encontros da turma, seis anos após o “fim”: Ariana, Ana Paula, Irley, João Vítor, Jéssica, Halana, Andréia, Enyale, Dadson, Sílvia, Nathalie, André, Mary, Bárbara, Fabricio Yotsumoto, Lúcio, Luciano, Leonam, Marlison e Fabrícyo Cotrim. Aos meus amigos e ex-alunos do Curso Agadá e do Geoalpha, por tudo que aprendi, em especial ao Eraldo, Gilson Leite, Jadeílson, Gilmara, Jaílce, Saul, Jairo e Diana. Aos amigos da UFMA: Marcos (Marcola, muito engraçado!), Raymonds (Raimundo), Felipe, Diego, Liana, Bruno, Jordiana, Thiago Mena, Thadeu, Jorgiel, Michelle, Kívia, Ideneílson, Kerline, Marly, Stanley e Maurício. Aos amigos da GEOTEC, com os quais convivi à base de muita descontração e momentos marcantes de pressão, pessoas muito competentes e que levo no coração: Ana Lenira, Yata Big Boy, Carol, Vítor, André, Thiago Teles, Valdir, Glecieles, Gleyciane, Benedito Alex, Josélio e Gissely. Aos amigos do GERUR: Diana Katedral, Socó o poeta (Erinaldo), Anna, Thays, Renan, Aline, Adielson, Alex. Aos amigos e amigas do NERA: Lenôra, Francisca, Richard, Ricardo, Alexsandra, Elizeu, Carol, Karolina, Juscinaldo, Anita, Silveli e Juan. Ao pessoal do NEPA: Ulisses, Taíssa, Josué, Thiago Diniz, Jefferson, Jeremias, Lívia, Gislan e Hellen. Aos eternos amigos, cujas discussões e momentos juntos muito me ajudaram a ser quem sou e pensar como penso: José Arnaldo, Tiago Silva e Hudalet Oliveira. Às meninas e ao menino, com quem a gente sai sem vontade de voltar: Andreia, Karini, Cleane, Lorenna, Ediana, Elen, Lícia, Cláudia, Camila, Helayne, Auricélia e Nascimento. Aos amigos do projeto de extensão: Alysson, Geovane, Perla, voluntários e voluntárias de outros cursos, comunidade escolar Antonio Ribeiro e toda comunidade do Sá Viana, especialmente aos pescadores. Aos funcionários/técnicos da Coordenação de Geografia: Núbia, Sahra, Rodrigo, Benigna, Dona Florize (em memória) e especialmente ao Herbet Santos, cujos papos políticos, declarações, históricos, aproveitamentos e comprovantes de matrícula fluem “brincando”.
  9. 9. À Larissa, Letícia e sua família, sempre prestativas quando precisei. Aos mestres: A todos(as) professores que já tive, pessoas muito importantes na minha vida; Às minhas grandes orientadoras, minhas mães na UFMA (como costumamos chamar as orientadoras): professora Roberta e Glória que ajudaram-me a superar momentos difíceis, ensinaram os atalhos para os acertos, a quem dedico grande parte desta monografia também; Ao professor Josoaldo, imprescindível ao me orientar para o mestrado e em vários outros trabalhos, com simplicidade sempre; Aos professores e professoras do curso de Geografia da UFMA: Cláudio, Cícero, Arnaldo, Ronaldo, Washington, Cordeiro, Ediléa, Shirley, Maurício, Batista, Wanderson, Fernanda, Benedito (Biné), Igor, Antônio José, Jorge Hamilton, Juarez Diniz, Irecer, Marcelino, Alexandre e Márita; Aos professores do curso de História da UEMA, dos quais tenho grande admiração, principalmente por Henrique Borralho e Márcia Milena; Ao professor Trovão, que tive a honra de conviver durante o estágio bacharel no IMESC; Aos professores do curso de Ciências Sociais da UFMA, com quem aprendi a ser um novo geógrafo, especialmente Maristela e Biné; Ao professor Acioli Fernandes, do Núcleo de Cultura Linguística (NCL/UFMA), e à professora Carmem, do IEF Idiomas, cujos ensinamentos foram imprescindíveis para bons resultados na seleção ao Mestrado em Geografia da UFF. Ao professor Edgar, em memória. Enfim, ao povo de Balsas, ao sertanejo, “antes de tudo, um bravo”!!!
  10. 10. RESUMO Dentre os estudos coetâneos em voga nas Ciências Humanas/Sociais são de peculiar sobrepujança para Geografia aqueles sobre as diversas territorialidades. O processo de modernização concomitante às resistências no campo passou a ser analisado de várias formas, inclusive através da discussão sobre outro processo indissociável: o avanço/encontro e consequente imbricamento-sobreposição/conflito-antagonismo entre diferentes identidades, territórios e fronteiras tecnológicas – a des-re-territorialização. A territorialização da soja na fronteira sul do Maranhão, especificamente no município de Balsas, entre 1990 a 2010, foi elencada como objeto deste estudo monográfico com o objetivo de analisar esta amálgama de processos numa área bastante dinâmica para o agronegócio vinculado à soja no Brasil. As mudanças culturais e o processo de territorialização do capital recentes em Balsas, decorrentes da introdução dos novos padrões sócio-econômico-culturais e espaciais, foram inseridos a partir da “instalação” da agricultura moderna da soja e do migrante sulista neste município. Para entender este processo buscou-se: inicialmente fazer uma revisão bibliográfica a partir das categorias “Migração”, “Territorialização”, “Espaço”, “Tempo”, “Globalização”, “Identidade”, “Modernidades”, “Modernização”, “Eurocentrismo” e “Racionalidades”; em seguida, interrelacionar a teoria e o contexto de modernização das áreas propícias ao cultivo de soja no Cerrado e Amazônia brasileiros, cujas ponderações foram embasadas nas categorias “Papel do Estado”, “Fronteira”, “Rede Política Agroindustrial”, “Território”, “Desre-territorialização” e “Multiterritorialidade”; e por fim, refletir sobre as temáticas “Fronteira” e “Des-re-territorialização” a partir da sua inserção no contexto histórico contemporâneo do município de Balsas para: constatar as consequências culturais e econômicas do processo de expansão da sojicultura nas últimas duas décadas (1990 – 2010); identificar as possíveis tensões geradas a partir de diferenciações sócio-culturais ocorrentes entre a população local e a população migrante no município supracitado; conhecer os principais motivos que geram situações aparentemente identificadas como de separação entre os dois segmentos da população. Utilizou-se o método dialético apoiado em abordagens quanti-qualitativa e etnográfica, para observar (com realização da pesquisa de campo), pensar (apoiado em pesquisa bibliográfica) e interpretar os processos de territorialização na fronteira de expansão agrária no sul maranhense, sob a égide da sojicultura, e seus desdobramentos. Palavras-chave: Territorialização. Fronteira agrária. Sojicultura no município de Balsas – MA.
  11. 11. ABSTRACT Among the contemporaries studies in vogue in the Humanities/Social Sciences are of emphasis peculiar to Geography those about territorialities diversity. The process of modernizing concomitant to resistances in the field has to be analyzed in several ways, including through the discussion of another process inseparable: advance/meeting and consequent overlapping-overlap/conflict-antagonism between identities, territories and boundaries of technology different – the de-re-territorialization. The territorialization of soybeans in the southern border of Maranhão, specifically in the city of Balsas, between years 1990 to 2010, was listed as object of this monographic study aimed to analyze this amalgam of processes in a very dynamic area for agribusiness linked to soybeans in Brazil. Cultural changes and the recent process of territorialization of capital in Balsas, arising from the introduction of new standards socio-economic-cultural and spatial, were inserted from the “installation” of modern agriculture of soybeans and southern migrants in the city. To understand this process we sought to: initially do a literature review from the categories “Migration”, “Territorialization”, “Space”, “Time”, “Globalization”, “Identity”, “Modernity”, “Modernization”, “Eurocentrism” and “Rationalities”; then, interrelate theory and the context of modernization of the areas conducive to the cultivation of soybeans in the Brazilian Amazon and Cerrado, whose weights were based on categories “Role of the State”, “Frontier”, “Agroindustrial Policy Network”, “Territory”, “De-re-territorialization” and “Multiterritoriality”; and finally, reflect about the theme “Frontier” and “De-reterritorialization” from their insertion into the contemporary historical context the city of Balsas for: see the cultural and economic consequences of the expansion process of the soybean production in the last two decades (1990 – 2010); identify possible tensions generated from socio-cultural differences that occur between the local population and the migrant population in the county aforesaid; know the main reasons that lead to situations apparently identified as the separation between the two segments of the population. We used the dialectical method supported by quanti-qualitative and ethnographic approaches, to observe (with field research), think (supported by literature) and interpret the processes of territorialization in the agrarian expansion frontier in the south of Maranhão, under the aegis of the soybean production, and its aftermath. Keywords: Territorialization. Agrarian frontier. Soybean production in the city of Balsas – MA.
  12. 12. LISTA DE FIGURAS Figura 01 – Mosaico 1: sátiras de Pawła Kuczyńskiego.................................................. 34 Figura 02 – Mosaico 2: Compressão do tempo-espaço.................................................... 36 Figura 03 – “A arte parisiense de boulevard atacando a destruição modernista do antigo tecido urbano: um cartum de J. F. Batellier em ‘Sans Retour, Ni Consigne’”..................................................................................................... 42 Figura 04 – Self-creation.................................................................................................. 49 Figura 05 – Modelo do panóptico de Bentham................................................................ 54 Figura 06 – Mosaico 3: Fotos ilustrando reportagens que exaltam a agricultura moderna brasileira......................................................................................... 61 Figura 07 – Sub-regionalização esquemática da Amazônia Legal – 2003....................... 63 Figura 08 – Mosaico 4: Municípios produtores de soja na Amazônia............................. Figura 09 – Quantidade de soja produzida, por mesorregiões geográficas, nos estados 64 da Amazônia Legal em 2010......................................................................... 64 Figura 10 – Mosaico 5: Complexo Portuário de São Luís............................................... Figura 11 – Mosaico 6: Corredores de exportação de minérios na Amazônia................. 71 Figura 12 – Vias de Escoamento da Soja no Estado do Maranhão.................................. Figura 13 – Mapa das bacias hidrográficas dos rios Araguaia e Tocantins, com 68 71 destaque para os rios principais..................................................................... 72 Figura 14 – Mapa comentado da Hidrovia Araguaia-Tocantins-Rio das Mortes............. 72 Figura 15 – Fotos da estrutura do AGROBALSAS, na Fazenda Sol Nascente............... 73 Figura 16 – Mosaico 7: Fazenda Sol Nascente em Balsas (MA)..................................... 74 Figura 17 – Características do pólo de Balsas.................................................................. 75 Figura 18 – Mosaico 8: Gráfico e quadros correspondentes a dados anuais da lavoura de arroz e soja no Maranhão, entre 1990 a 2010........................................... 84 Figura 19 – Mosaico 9: Gráfico e quadros correspondentes a dados anuais da lavoura de arroz e soja no Tocantins, entre 1990 a 2010........................................... 85 Figura 20 – Dados ECONÔMICOS da produção agropecuária brasileira....................... 87 Figura 21 – Mosaico 10: fotos – o “antigo” e o “novo” em Balsas.................................. 94 Figura 22 – Expansão da frente baiana até o Maranhão................................................... 96 Figura 23 – Rota de expansão da frente pastoril no Maranhão........................................ Figura 24 – Correntes migratórias de ocupação do território maranhense....................... 98 96
  13. 13. Figura 25 – A “diáspora” gaúcha..................................................................................... Figura 26 – Mosaico 11: Placa e fachada do CTG de Balsas........................................... 108 Figura 27 – Mosaico 12: Área interna do CTG de Balsas................................................ 108 Figura 28 – Gráfico comparativo da quantidade produzida (em toneladas) entre as lavouras de algodão herbáceo, arroz, milho e soja, no município de Balsas..... Figura 29 – 107 113 Gráfico representando o rendimento médio (quilogramas por hectare), da safra de soja em 2009 e 2010........................................................................ 115 Figura 30 – Mosaico13: PRONAF; grandes, médias e pequenas lavouras...................... 116 Figura 31 – Mosaico 14: Faculdade e escolas particulares em Balsas............................. 117 Figura 32 – Mosaico 15: Armazém Mateus e campo de soja em Balsas, símbolos do “progresso” e “desenvolvimento” da região................................................. Figura 33 – 118 Mosaico 16: Contraste de residências de vários padrões, estabelecimentos do setor terciário e áreas de lazer do bairro Cajueiro, Balsas (MA)............. 120
  14. 14. LISTA DE TABELAS E QUADROS Tabelas: TABELA 01 – Síntese do PRODECER...................................................................... 80 TABELA 02 – Síntese do PRODECER III no estado do Tocantins........................... 83 TABELA 03 – Instalação dos gaúchos no sul do Maranhão...................................... 102 TABELA 04 – Os gaúchos: diferenciação interna...................................................... 104 TABELA 05 – Principais conflitos entre gaúchos e sertanejos no sul do Maranhão.. 105 Quadros: QUADRO 01 – Cronograma de atividades do orientando........................................... QUADRO 02 – Valor da produção da lavoura temporária de soja (em grão) no ano 32 de 2008 no Estado do Maranhão – Ranking descendente.................... 112 QUADRO 03 – Rendimento médio (quilogramas por hectare), da safra de soja em 2009 e 2010 – Ranking descendente para safra de 2010..................... QUADRO 04 – 114 Número e Taxas Médias de Homicídio (em 100.000) na População de 0 a 19 anos. Brasil, 2002/2007 (destacando os quatro primeiros municípios do Maranhão no ranking).................................................. 119 QUADRO 05 – Mapa de Pobreza e Desigualdade – Municípios Brasileiros 2003 (Balsas)................................................................................................ 121
  15. 15. LISTA DE SIGLAS ACA Associação Camponesa. AGED Agência Estadual de Defesa Agropecuária. ALBRAS Alumínio Brasileiro S.A. ALUMAR Alumínio do Maranhão S.A. ALUNORTE Alumina do Norte do Brasil S.A. BASA Banco da Amazônia S.A. BATAVO Cooperativa Agropecuária Batavo do Paraná. BIC Bolsa de Iniciação Científica. BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. CAI Complexo Agroindustrial. CAMPO Companhia de Promoção Agrícola. CCH Centro de Ciências Humanas (UFMA). CLACSO Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais. COAPA Cooperativa Agropecuária de Pedro Afonso. COGEO Coordenação de Geografia (DEGEO/UFMA). COLONE Companhia de Colonização do Nordeste. COMARCO Companhia Maranhense de Colonização. COOPERSAN Cooperativa Agropecuária Mista São João Ltda. CPATU Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Úmido (atual Embrapa Amazônia Oriental). CTG Centro de Tradições Gaúchas. CVRD Companhia Vale do Rio Doce (atual VALE). DEGEO Departamento de Geociências (UFMA). DESOC Departamento de Sociologia e Antropologia (UFMA). EFC Estrada de Ferro Carajás. EIA Estudo de Impacto Ambiental. EMAP Empresa Maranhense de Administração Portuária. EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. FAPCEN Fundação de Apoio à Pesquisa do Corredor de Exportação Norte. FAPEMA Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Maranhão.
  16. 16. FFLCH Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (USP). GEOTEC Empresa Júnior de Geografia (UFMA). GERUR Grupo de Estudos Rurais e Urbanos (DESOC/UFMA). GPS Global Position System (Sistema de Posicionamento Global). IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IDH Índice de Desenvolvimento Humano. IES Instituição de Ensino Superior. IMESC Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. ITERMA Instituto de Colonização e Terras do Maranhão. JICA Japan International Cooperation Agency (Agência de Cooperação Internacional do Japão). LABOCART Laboratório de Cartografia (DEGEO/UFMA). LEBAC Laboratório de Estudos de Bacias Hidrográficas (DEGEO/UFMA). LID Linha Internacional de Mudança de Data. NCL Núcleo de Cultura Linguística (UFMA). NDPEG Núcleo de Documentação Pesquisa e Extensão Geográfica (DEGEO/UFMA). NEPE Núcleo de Programas Especiais (GOVERNO DO MARANHÃO). NEPA Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (DEGEO/UFMA). NERA Núcleo de Estudos e Pesquisas em Questões Agrárias (DEGEO/UFMA). OECF Overseas Economic Cooperation Foundation (Fundação de Cooperação Econômica Exterior). OPEP Organização dos Países Produtores de Petróleo. PAM Produção Agrícola Municipal. PGC Programa Grande Carajás. PIB Produto Interno Bruto. PIN Plano de Integração Nacional. PPA Programa Plurianual de Ação. PRODECER Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento do Cerrado. PRONAF Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. RADAM Projeto Radar na Amazônia.
  17. 17. RIMA Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente. SAGRIMA Secretaria de Agricultura do Maranhão (GOVERNO DO MARANHÃO). SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. STTR Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais. SUDAM Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia. SUDENE Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. UEMA Universidade Estadual do Maranhão. UFF Universidade Federal Fluminense. UFMA Universidade Federal do Maranhão. UHET Usina Hidrelétrica de Tucuruí. UNIBALSAS Faculdade de Balsas. USP Universidade de São Paulo. VBC Valor Básico de Custeio. ZENCOREN Federação Nacional das Cooperativas de Compras do Japão.
  18. 18. SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO....................................................................................................... 18 1.1 A “gestação” da monografia: das paixões intelectuais passageiras ao “casamento” com linhas de pesquisa...................................................................................................... 20 2 METODOLOGIA......................................................................................................... 29 2.1 Procedimentos metodológicos................................................................................... 30 2.1.1 Pesquisa Bibliográfica.............................................................................................. 30 2.1.2 Organização e Realização da Pesquisa de Campo.................................................... 31 2.1.3 Elaboração dos Dados............................................................................................... 31 2.1.4 Análise e Interpretação dos Dados/Informações...................................................... 31 PARTE UM: da teoria...................................................................................................... 33 3 SOBRE AS CATEGORIAS DE ANÁLISE: divagações introdutórias...................... 34 4 UMA OU DIVERSAS RACIONALIDADES(?): consolidação da lógica hegemônica ou crise do conhecimento único?.................................................................. 49 PARTE DOIS: o cenário da “fronteira” no Brasil da soja............................................... 60 5 MODERNIZAÇÃO DO CERRADO E AMAZÔNIA COMO FATOR INDUTOR DE CONFLITOS ENTRE AS DISTINTAS RACIONALIDADES DOS AGENTES SOCIAIS NO BRASIL CENTRAL.................................................. 61 5.1 Programa de Cooperação Nipo-Brasileiro para o Desenvolvimento dos Cerrados – PRODECER................................................................................................. 79 5.2 O PRODECER III nos Cerrados do Maranhão e Tocantins................................. 82 5.3 Sobreposição de “novas” e “velhas” fronteiras, territórios e racionalidades do/no Cerrado.................................................................................................................. 86 PARTE TRÊS: o “admirável” Sertão Novo em Balsas................................................... 93 6 TERRITÓRIOS DA FRONTEIRA/ FRONTEIRA DOS TERRITÓRIOS: o novo Sertão de Balsas... os Brasis se encontram aqui....................................................... 94 6.1 Dos caminhos do gado à descoberta gaúcha: a ocupação territorial do sul maranhense........................................................................................................................ 95 6.2 Os aventureiros do Sul que enfrentam o fim do Norte: diáspora, pioneirismo e mito do gaúcho.................................................................................................................. 107
  19. 19. 6.3 Des-re-territorialização: os des/encontros entre sertanejos e gaúchos..................... 110 6.4 A territorialidade do capital sob a égide da sojicultura: o que era o fim do mundo agora é a Capital Maranhense da Soja................................................................... 112 PARTE QUATRO: das considerações finais.................................................................. 122 7 PARA NÃO CONCLUIR............................................................................................. 123 REFERÊNCIAS................................................................................................................. 126 APÊNDICES..................................................................................................................... 139 APÊNDICE A – Roteiro de entrevistas do 1º campo em Balsas (05 a 08 de dezembro de 2009)............................................................................................................................. 140 APÊNDICE B – Roteiro de entrevistas do 2º campo em Balsas (25 a 30 de agosto de 2010).................................................................................................................................. 143 APÊNDICE C – Roteiro de entrevistas do 3º campo em Balsas (17 a 21 de outubro de 2011).................................................................................................................................. 144 ANEXOS........................................................................................................................... 147 ANEXO A – Reportagem da Revista Exame.................................................................... 148 ANEXO B – Reportagem da Revista Veja (a).................................................................. 151 ANEXO C – Reportagem da Revista Veja (b).................................................................. 152 ANEXO D – Reportagem da Revista Veja (c).................................................................. 158 ANEXO E – Considerações da banca de monografia....................................................... 161
  20. 20. 18 1 APRESENTAÇÃO O processo de modernização das atividades agrícolas no Cerrado sul-maranhense trouxe diversas transformações nos âmbitos espaciais, sociais, políticos e culturais nesta área. Sob o signo da sojicultura a “região que ficou adormecida tempo demais, hoje, cresce em progressão geométrica. [...] A estimativa conservadora é que a economia [...] esteja crescendo à taxa de 10% ao ano. É assim o novo Sertão brasileiro” (STEFANO, 2009, ANEXO A). Porém, que “crescimento” é esse e quem se beneficia com ele? Que “admirável” Sertão novo é este? Quais foram as mudanças culturais que ocorreram com a expansão da soja? Como se comportam os diversos grupos humanos sob o processo de des-re-territorialização constante no sul do Maranhão? Quais são as estratégias de resistência diante do conflito de racionalidades ambientais e econômicas contraditórias? Por que e quem resiste aos atores representantes da racionalidade hegemônica? Que racionalidades são essas? Pensando sobre o caso particular do município de Balsas, cuja produção de soja é a maior do Estado e segundo maior pólo agrícola da Macrorregião Nordeste, surgiram-me os seguintes pressupostos quando da elaboração do projeto desta monografia, ainda em 2008:  A inserção do município de Balsas na lógica da capitalização do campo gerou uma série de alterações sócio-espaciais e culturais, no local de estudo, nas últimas duas décadas, decorrentes da introdução de novos padrões sócio-culturais e econômicos do migrante sulista;  O migrante sulista foi atraído para Balsas pelos incentivos fiscais governamentais, como a terceira etapa do Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento do Cerrado – PRODECER III – pela disponibilidade de infra-estrutura para o escoamento da produção agrícola, vastas quantidades de terras baratas e férteis, além das características naturais do local (clima, relevo, vegetação, hidrografia e solo) propícias ao cultivo da soja;  As múltiplas tensões entre os estabelecidos (os da terra) e os novos habitantes (os de fora) em Balsas decorre da valorização da identidade cultural do local de origem, sendo a principal causa de separação entre os dois segmentos da população (maranhenses X gaúchos1);  A valorização de padrões dos de fora gera assimilação de hábitos culturais do 1 Denominação dada ao migrante do Centro-Sul do país (sulista), pelos maranhenses do sul e leste do Estado (MA). Para melhor entendimento ler o terceiro capítulo, “Os Gaúchos” (p. 71-102), da dissertação de mestrado de Rafael Bezerra Gaspar, intitulada “O eldorado dos gaúchos” (vide referências).
  21. 21. 19 migrante sulista, como o sotaque e regionalismo gaúcho. Instigado em refletir sobre essas questões e hipóteses escrevi esta monografia, com o objetivo de investigar as mudanças culturais e o processo de territorialização do capital em Balsas, entre 1990 a 2010, decorrentes da introdução dos novos padrões sócio-econômicoculturais e espaciais, inseridos a partir da instalação da agricultura moderna da soja e do migrante sulista neste município. Logo, este estudo possui como área de abrangência o município de Balsas (especificamente as áreas urbana e peri-urbana), localizado na Mesorregião Sul do Estado Maranhão, a 830 quilômetros2 da capital – São Luís. Para isso tenta-se:  Compreender as temáticas fronteira e des-re-territorialização a partir da sua inserção no contexto histórico contemporâneo do município de Balsas;  Constatar as consequências culturais e econômicas do processo de expansão da sojicultura em Balsas nas últimas duas décadas (1990 – 2010);  Identificar as possíveis tensões geradas a partir de diferenciações sócioculturais ocorrentes entre a população local e a população migrante no município de Balsas (consequência do diferencial de poder entre o grupo que se considera superior e o grupo inferiorizado);  Conhecer os principais motivos que geram situações aparentemente identificadas como de separação entre os dois segmentos da população. Sendo assim, esta pesquisa mostra sua relevância ao ponderar criticamente sobre a problemática contemporânea concernente à expansão-consolidação da fronteira agrícola brasileira, em especial das transformações culturais e às novas territorializações decorrentes das migrações e sojicultura no município de Balsas, sul do Maranhão. A seguir relato alguns fatos importantes para construção deste estudo monográfico. 2 Distância rodoviária.
  22. 22. 20 1.1 A “gestação” da monografia: das paixões intelectuais passageiras ao “casamento” com linhas de pesquisa “A humanidade não se divide em heróis e tiranos. Suas paixões, boas ou más, foram-lhes dadas pela sociedade, não pela natureza” (Charles Chaplin). Uma monografia não se faz em seis meses e, contraditoriamente, nunca é o escrito de um só. Entre os anos 2006 a 2011 lapidei com várias pessoas este trabalho “monográfico”. A princípio, entendo como apresentação, a biografia de um trabalho, logo, quebrarei as normas estanques dos manuais de normalização e contarei um pouco da história deste aqui, em primeira pessoa, já que represento oficialmente seus “criadores”, ou em terceira pessoa, quando me refiro à equipe de campo e outros grupos. Durante os três primeiros anos da graduação (de 2006 a 2008) vivi sobre a dúvida de qual objeto de estudo escolheria para o trabalho monográfico, que consequentemente “esboçaria” o futuro acadêmico que seguiria. Diante de várias influências e “paixões” intelectuais passageiras convivi com o dualismo (insistentemente persistente no curso de Geografia da UFMA) entre Geografia Física X Geografia Humana, assim como o relativo desconforto de ter que me posicionar categoricamente como geógrafo físico ou humano, já que colocavam para mim que esta relação era como água e óleo: imiscível. Concernente a este embate paradigmático e o fato de ter que escolher um lado, passei meio alheio a tudo isso, não por indecisão, mas por gostar, ler, discutir e tentar entender ambos os “lados”, afinal a Geografia sem a relação intrínseca entre o homem e a natureza é uma Geografia non sense, incompleta, fragmenta-se nas ciências afins e torna-se uma “Ageografia”. Essa perspectiva de separação da Geografia em Geografias parte da eterna tentativa de racionalizar os pensamentos transformando-os em um, o científico, e depois fragmentá-lo em áreas (cada uma na sua devida “caixa” catalogada), até criar oposições e tensões desnecessárias entre ciências, nas quais o rigor científico é o “termômetro” de hierarquização (algo bem evidente na sociedade ocidental moderna) em detrimento de um pensamento holístico. [...] Na longa história que tem origem na mecânica newtoniana, desenvolveram-se admiração e compromisso mútuos entre a ciência-como-física e a filosofia-comopositivismo/filosofia analítica. Tal filosofia, para qual todos os simples títulos parecem, inapelavelmente, inadequados, mas que foi imensamente poderosa na repercussão de seus efeitos, principalmente em seus primórdios [...], sustentava que a “ciência” era o único caminho para o conhecimento e que havia apenas um método científico verdadeiro. Ela estava comprometida com (seus entendimentos de) objetividade, do método empírico e do monismo epistemológico (que, essencialmente, incorporava um reducionismo com a física) [...].
  23. 23. 21 E conduziu ambas para uma imaginada hierarquia entre as ciências (com a física em um extremo e, digamos, os estudos culturais e humanidades no outro) e para um fenômeno de inveja da física entre uma série de práticas científicas que visavam, mas que viram que não podiam, imitar os protocolos da “física”. Os geógrafos físicos (algumas vezes) pensam que são mais científicos do que geógrafos humanos. [...] Os geólogos sofrem de inveja da física: “o sentimento de inferioridade em relação ao status da geologia comparada com outras ciências mais ‘duras’...” [...]. (MASSEY, 2009, p. 61). Algo também afirmado por alguns amigos e professores do curso e que gerou inquietações, dúvidas no meu cotidiano como estudante de Geografia, como diria Ruy Moreira: do “pensar e ser em Geografia3”. Quem serei eu daqui há dez anos? Que Geografia seguir? Quando pensava em retorno financeiro rápido vinha em minha mente cursar um mestrado na área de Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto ou Geologia e depois trabalhar em grandes empresas. Porém, seis anos de graduação tiveram seu lado positivo quando posso afirmar que li muito de muitas “áreas das ciências”, integrei, participei ou estagiei em laboratórios, institutos, centro acadêmico, núcleos e grupos de estudos, empresa júnior, projetos de extensão e pesquisa, monitoria, eventos os mais diversos, lecionei em curso voluntário, escola pública e particular, etc. nos quais pude conhecer várias lógicas vivenciando diferentes “realidades”, muitas vezes opostas, a ponto de amadurecer minhas escolhas, quebrar estereótipos/“desvendar máscaras sociais” o suficiente para descobrir o que realmente queria para mim. Foram muito relevantes também as leituras, debates, eventos e convivência com amigos-professores durante o curso de História da UEMA, que infelizmente escolhi abandonar em 2008, no quinto período, e me dedicar melhor e exclusivamente à Geografia da UFMA, inclusive para poder concorrer à bolsa de iniciação científica. Foi neste contexto que, em fins do ano 2008, resolvi participar de entrevistas seletivas para concorrer à bolsa de pesquisa pelo projeto “Mudanças sócio-culturais e espaciais decorrentes da agricultura moderna no sul maranhense”, sob coordenação das professoras Maria da Glória Rocha Ferreira e Roberta Maria Batista de Figueiredo Lima (DEGEO/UFMA) e com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Estado do Maranhão (FAPEMA). Fui selecionado, juntamente com a aluna Alexsandra Maryllen Roges Costa Falcão, para participar do projeto. No primeiro ano (2009) não conseguimos bolsa de pesquisa, mas contamos com apoio financeiro da FAPEMA para custear as despesas decorrentes das viagens 3 MOREIRA, Ruy. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. – 1ª ed. – 1ª reimpr. – São Paulo: Contexto, 2008.
  24. 24. 22 de campo. No segundo ano conseguimos uma Bolsa de Iniciação Científica (BIC), destinada entre 2010/2011 para Alexsandra e 2011/2012 para Juscinaldo Goes Almeida – ambos graduandos em Geografia (UFMA) – além de mais recursos para financiar o projeto, junto à FAPEMA. Eu continuei como voluntário, pois era bolsista de extensão (PROEX/UFMA) pelo projeto “Percepção e Educação Ambiental na Comunidade Sá Viana: a formação dos filhos de pescadores por meio de uma visão multidisciplinar”. O projeto de pesquisa sobre Balsas objetiva averiguar mudanças na organização sócio-espacial da área, decorrentes da introdução de novos padrões sócio-culturais, advindos da instalação da agricultura em bases empresariais. A escolha pelo enfoque analítico sobre o município de Balsas deu-se por entender que este representa o marco inicial do processo de produção da soja no Maranhão, assim como aquele que apresenta maiores singularidades em termos de transformações sócio-espaciais e culturais, dada a sua função dentro do processo produtivo regional. A “gestação” desta monografia iniciou-se deste projeto de pesquisa. Neste ínterim entrei em contato com leituras e trabalhos de campo em grupos e núcleos de estudos relacionados aos movimentos sociais, especificamente em pesquisas sobre questões agrárias: o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Questões Agrárias – NERA (DEGEO/UFMA) e o Grupo de Estudos Rurais e Urbanos – GERUR (DESOC/UFMA), que foram e continuam sendo imprescindíveis para minhas experiências e construção paulatina de uma racionalidade voltada para essas questões, através das seguintes linhas de pesquisa:  “Dinâmica do Espaço Agrário”;  “Industrialização da Agricultura e Transformações na Agricultura Familiar”;  “Migrações e Transformações Territoriais”;  “Território, Identidade e Conflitos Sócio-Ambientais”. O geógrafo – enquanto pesquisador das Ciências Humanas/Sociais – necessita e deve proporcionar estudos que contribuam concretamente para melhoria da sociedade precariamente incluída, tanto quanto uma população afetada por grandes projetos de “desenvolvimento” econômico anseia pelo apoio da academia em prol da sua causa de luta4. [...] a teoria crítica moderna tem de assumir uma postura contra-hegemônica, que os intelectuais deveriam tornar-se contra-especialistas, mais altamente treinados do que seus inimigos, e com um maior comprometimento para com os ideais mais nobres. Assim, [...] economia, desenvolvimento, relações rurais-urbanas devem ser repensadas sob um imaginário econômico diferente se quisermos ter um mundo com justiça social. Podemos receber nossas deixas dos movimentos sociais. Mas há ainda um repensar sofisticado acerca do desenvolvimento que também precisa ser feito por intelectuais engajados. Precisamos batalhar por poder, ao invés de dispensá-lo. 4 Assim como alertou Burawoy (2006) para a Sociologia, ao defender uma Sociologia pública, o papel do geógrafo deve ser baseado em uma Geografia pública.
  25. 25. 23 Precisamos fazer um novo imaginário de desenvolvimento, no qual usemos nossos momentos mais criativos para pensar diferentemente. Precisamos de uma evolução nas idéias tanto quanto na prática. Critiquem tudo, mas convertam crítica em proposta positiva... Esse é o credo crítico moderno. (PEET, 2009, p. 36). Logo, as implicações futuras, ou seja, a contribuição e/ou os benefícios desse tipo de estudo geográfico nessa região são imprescindíveis para o alcance recíproco das necessidades dos grupos atingidos pela soja, assim como do geógrafo comprometido socialmente, incluindo o proponente desta pesquisa. Para conhecer um pouco da vivência e opinião dos grupos atingidos (positiva ou negativamente) pela sojicultura em Balsas, participei de três trabalhos de campo no município, entre 2009 a 2011, juntamente com a equipe que compunha o projeto de pesquisa5. Tais trabalhos ocorreram anualmente, no segundo semestre, entre os meses de agosto a dezembro, por maior disponibilidade de tempo da equipe nesse período. A seguir apresento sucintamente como ocorreram tais campos. 1º Trabalho de campo: 05 a 08 de dezembro de 2009 Neste primeiro campo tudo era totalmente novo para a maior parte da equipe (o estranhamento era mais fácil), com exceção da professora Glória, que desenvolvera sua tese de doutorado6 sobre Balsas, apresentada no ano de 2008. Enquanto as coordenadoras chegavam primeiro, no dia 5, eu e Alexsandra vínhamos de “carona” em outro trabalho de campo, pela disciplina e com a turma de Geografia Física do Maranhão (semestre 2009.2), ministrada pelo professor Antonio Cordeiro Feitosa (DEGEO/UFMA) que ensinava-nos sobre a fisiografia do centro-sul maranhense. Como o ponto sul extremo desse campo era a cidade de Balsas acompanhamo-los até lá. No dia 06 chegamos, domingo à tarde. Minha maior expectativa, como torcedor do Flamengo, era assistir à última rodada do Campeonato Brasileiro, já que concorria diretamente ao título, assim como Alexsandra, são-paulina e também na disputa pelo título de 2009. Quando encontrei as coordenadoras saindo do hotel fiquei extremamente feliz, por vêlas vestidas a caráter como flamenguistas, com camisa e mascote do time, e ao dizerem que 5 Coordenadoras: Maria da Glória Rocha Ferreira; Roberta Maria Batista de Figueiredo Lima. Bolsistas: Alexsandra Maryllen Roges Costa Falcão; Juscinaldo Goes Almeida. Voluntários(as): Ana Karolina Pinheiro Carvalho; Danniel Madson Vieira Oliveira; Elizeu Silva do Nascimento. 6 FERREIRA, Maria da Glória Rocha. Dinâmica da Expansão da Soja e as Novas Formas de Organização do Espaço na Região de Balsas – MA. 2008. 272 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
  26. 26. 24 “iriam ver os processos relacionados ao comportamento dos torcedores em um bar, próximo à Avenida Litorânea” (apesar da cidade estar a mais de 800 quilômetros do mar), fiquei ainda mais satisfeito. Ao encontrá-las de novo, alguns minutos depois, com meu caderno de campo em mãos, elas relataram os ocorridos quando do gol do Grêmio (sobre o Flamengo) e do Internacional em outra partida (times do Rio Grande do Sul), momentos nos quais houve diversas provocações dos chamados gaúchos de Balsas, que saíam em suas caminhonetes, vibrando ao som de foguetes e do hino do Inter (que concorria ao título do campeonato brasileiro também). Porém, o Flamengo mostrou sua superioridade em campo, ao empatar, em seguida virar e se consagrar como campeão brasileiro de 2009. Os flamenguistas, em sua maior parte maranhenses, vibravam exacerbadamente, chamando os gaúchos apenas de “gaúchos”, de forma depreciativa, e demonstrando a rivalidade entre suas torcidas. Aos gaúchos que torciam para o Inter restou a opção de não aparecer mais na Avenida Litorânea, enquanto os gaúchos gremistas se exibiam tomando chimarrão com as camisas do seu time como forma de rivalidade, já que o Internacional não ganhara o título. Outros gaúchos não ligavam tanto para este fato, a cidade inteira estava em festa, e eles se exibiam de outra forma, ao som automotivo ensurdecedor de músicas sertanejas e sulistas, com suas roupas típicas “mescladas” às dos sertanejos (jaqueta e calça jeans, chapéu e bota de couro, apesar de quase 30°C), dançando e tomando chimarrão sobre a carroceria de suas pick-ups. Voltamos ao hotel para descansar enquanto a cidade não dormia. Tirando o fato do jogo, eu vinha refletindo uma série de idealizações que poderia relatar mais tarde em artigos, relatórios e na monografia ao confirmá-las no campo. Uma das leituras indicadas para o seminário interno sobre a categoria “identidade”, pelo projeto de pesquisa sobre Balsas, me inculcava muito: “Os estabelecidos e os outsiders”, de Norbert Elias & John L. Scotson (2000), pois achava que encontraria um embate entre gaúchos e maranhenses de forma parecida com a descrita nesse livro, o que não se concretizou e provou que não deveria idealizar resultados no campo com pré-noções e anacronismos, “o que convém evitar” no campo, como diriam Beaud; Weber (2007). Ao chegarmos ao hotel, as coordenadoras relataram a conversa que tiveram, no dia anterior, no Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Balsas (STTR Balsas), sobre a expansão e impacto da sojicultura em Balsas e as principais mudanças decorrentes deste processo. Importante a presença do diário de campo nesses momentos, pois é como um
  27. 27. 25 álbum de fotos que guarda momentos que a memória às vezes descarta. “Nossa memória é uma ilha de edição” e o gravador também tem suas limitações. Apesar de termos feito um roteiro (APÊNDICE A) dos órgãos a serem visitados para entrevistarmos seus representantes, fomos refazendo-o paulatinamente em campo, de acordo com indicações que surgiam nas entrevistas. Trabalhamos com roteiro e não com um questionário fechado, muitas vezes dizíamos que se tratava de uma conversa em vez de entrevista, o que tornava a abordagem mais fácil. O grupo foi dividido em duas equipes, devido ao tempo reduzido e aos vários órgãos a serem visitados. Já que eu e Alexsandra conhecíamos pouco sobre técnicas de abordagem, entrevista e observação, cada um ia acompanhado com uma coordenadora. Dessa forma, fomos aos seguintes locais:  SEBRAE Balsas;  Secretaria Municipal de Agricultura de Balsas;  Banco do Nordeste;  Banco do Brasil;  Associação Camponesa (ACA) de Balsas;  Povoado Angelim;  Hortas urbanas. Destes, destaco a visita ao povoado Angelim, localizado na área peri-urbana de Balsas. Passamos uma manhã conversando com alguns moradores sobre o modo como viviam e como viam as principais mudanças ocorrentes no município. Um fato interessante é que ao me apropriar da categoria gaúcho para identificar um dos moradores do povoado fui repreendido por uma moradora, maranhense, que disse: “Gaúcho? Aqui não tem nenhum gaúcho, ele é catarinense.” Constrangido, eu ri no momento. Em um campo futuro ocorreu uma situação parecida (a categoria que abrange várias naturalidades em uma só, não é aceita e utilizada da mesma forma). As mudanças relacionadas à melhoria da infra-estrutura de acesso foram consideradas como positivas, assim como a questão da alimentação. Com a introdução da cultura de fora vieram também seus hábitos alimentares: o churrasco, frutas e verduras diversas. O êxodo rural com a grilagem de terras foi um aspecto negativo.
  28. 28. 26 2º Trabalho de campo: 25 a 30 de agosto de 2010 Já no segundo campo estava mais acostumado com os métodos de abordagem, entrevista e observação. A equipe foi a mesma do primeiro campo e dividida da mesma forma. Seguimos um roteiro (APÊNDICE B) para visitar locais do setor terciário e centros de cultura:  Mercado Municipal de Balsas;  Secretaria da Fazenda de Balsas;  Boutiques;  Empresas de implementos agrícolas;  Imobiliárias;  Mercearias e comércios mais antigos;  Hotéis antigos e novos;  Restaurantes antigos e novos;  Centro de Tradições Gaúchas (C.T.G.). “Antigo” e “novo” nesse caso, geralmente, estava relacionado aos da região e aos de fora, respectivamente, para tentarmos entender, através dos relatos, as diversas mudanças com a sojicultura e vinda dos migrantes. Dessa vez foi recorrente nos depoimentos a questão do aumento demasiado da violência e precarização de serviços públicos, como saúde, saneamento básico, etc. Um dia bem interessante foi quando fomos ao povoado Santa Luzia na área periurbana da cidade. Este povoado possui um balneário, com estrutura de bar, campo de futebol e barracas padronizadas. Descemos o rio Balsas em uma embarcação artesanal feita somente de bambu, ao ritmo da correnteza do rio. A viagem é feita aos finais de semana. O que mais me impressionou foi a resistência da embarcação, feita somente de varas de bambu amarradas. Sobre ela iam várias pessoas (aproximadamente quinze), fazendo churrasco e levando um freezer cheio de bebidas. A viagem até a área urbana de Balsas foi de aproximadamente oito horas. Ao final a balsa vem se desfazendo, um pouco abaixo do nível superficial do leito do rio. Quem a constrói também tem o papel de desmontá-la, voltando ao ponto de partida com carro, geralmente com carroceria, para levar as partes da balsa que resistiram à correnteza. Reservamos o último dia para coleta de pontos com GPS para um futuro mapeamento de diversas mudanças na área urbana do município.
  29. 29. 27 3º Trabalho de campo: 17 a 21 de outubro de 2011 O terceiro campo teve um marco diferente para mim, já não estranhava tanto o que antes achava tão diferente. Porém, o fato do meu pouco estranhamento foi compensado com a renovação da equipe de trabalho. Como tinha um pouco de experiência por participar de outros campos, somado ao fato das coordenadoras não poderem ir dessa vez, por já estarem compromissadas com outras atividades acadêmicas, fui incumbido de acompanhar os novos membros do grupo (para ajudá-los a se localizar e concomitantemente levantar mais dados para monografia): o novo bolsista, Juscinaldo Goes Almeida, e dois novos voluntários, Ana Karolina Pinheiro Carvalho e Elizeu Silva do Nascimento, todos graduandos do curso de Geografia (UFMA). A partir do roteiro de campo (APÊNDICE C), visitamos os seguintes locais, sempre focando os aspectos relacionados às mudanças consequentes à modernização do campo e a vinda de sulistas ao município:  UNIBALSAS;  Universidade Estadual do Maranhão – UEMA;  Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Balsas – STTR Balsas;  Fundação de Apoio à Pesquisa do Corredor de Exportação Norte – FAPCEN;  Cursos técnicos;  Secretaria de Educação Municipal;  Escolas particulares e públicas;  Câmara Municipal de Balsas. Mais uma vez dividimo-nos em duas equipes para realizar as entrevistas. Outro erro recorrente ocorreu quando me apropriei da categoria gaúcho sem pensar. Ao conversar com uma senhora na Câmara Municipal de Balsas, ela revelou que era gaúcha, daí perguntei: “‘Gaúcha’, a senhora diz... do Rio Grande do Sul?” Ela respondeu afirmando com um murro na mesa: - “Sim, porque gaúcho é quem nasce no Rio Grande do Sul”. Diante do mal-estar lembrei-me do que escreveram Beaud; Weber (2007, p. 175): Seu material de pesquisa abrange também situações, tanto em observação como em entrevista, no decorrer das quais o mal-estar entre os pesquisados e você jamais se dissipou. Tome esse mal-estar como objeto de reflexão partindo da hipótese que nada se deve ao acaso, porque há sempre uma causa (sociológica); não abandone nunca o princípio de razão suficiente. Não ceda também à tentação psicologizante (“é um(a) grosso(a)”, um mal-dormido, ele não era simpático, etc.) que alivia você da responsabilidade de analisar as falhas de interação [...]. O essencial da análise se dá, aqui, na descrição e na elucidação do mal-estar. Esforce-se por reconstituir as condições sociais dessa interação particular, perguntese quem (qual tipo de pessoa social) você representa para o entrevistado. [...] A seguir estabeleça com detalhe as características sociais de seu interlocutor. Faça a
  30. 30. 28 lista de todos os mal-entendidos ligados à pesquisa. enfim, procure a ou as “falhas”, as razões principais do mal-estar. Só a análise detalhada da relação que se dá entre você e o pesquisado. Como o último campo ainda é bem recente, pouco das entrevistas gravadas foram trabalhadas nesta monografia por ainda estarem em processo de transcrição. A descrição de alguns fatos importantes durante os três campos serviu para mostrar como ocorreu o processo de envolvimento do pesquisador com as pessoas dos locais pesquisados e a equipe de trabalho. Após as considerações iniciais contidas na apresentação e metodologia, estruturei a monografia em quatro partes:  Parte um: da teoria – faço uma relação direta e quase exclusivamente com o pensamento de diversos autores a respeito das categorias de análise elencadas para discussão, dentre elas: Migração, Territorialização, Espaço, Tempo, Globalização, Identidade, Modernidades, Modernização, Eurocentrismo e Racionalidades;  Parte dois: o cenário da “fronteira” no Brasil da soja – esta segunda parte refere-se à interrelação entre a teoria e o contexto no qual se deu (e se dá) a modernização das áreas propícias ao cultivo de soja no país, com destaque para o Cerrado e Amazônia, cujas ponderações são embasadas nas seguintes categorias: Papel do Estado, Fronteira, Rede Política Agroindustrial, Território, Des-re-territorialização e Multiterritorialidade;  Parte três: o “admirável” Sertão Novo em Balsas – a penúltima parte trata especificamente sobre o município de Balsas, cujos resultados e reflexões foram obtidos a partir das informações e observações nos campos e dados estatísticos junto ao IBGE e IMESC;  Parte quatro: das considerações finais – finalizo, nesta monografia, as reflexões pessoais sobre os temas aqui abordados. Enfim, desejo uma boa leitura, compreensão e crítica das temáticas aqui abordadas.
  31. 31. 29 2 METODOLOGIA Para realização deste trabalho monográfico, concernente aos objetivos elencados para sua produção, foram utilizadas as abordagens quanti-qualitativa e etnográfica, assim como o método dialético, para observar, pensar e interpretar os processos de territorialização na fronteira de expansão agrária no sul maranhense, sob a égide da sojicultura, e seus desdobramentos. A partir desta metodologia buscou-se entender a dinâmica da modernização e territorialização recente do campo sul-maranhense, no município de Balsas, atrelada à expansão da soja, assim como quais são as situações-problema que afligem a população local em virtude da chegada do migrante sulista e os quadros sócio-culturais e espaciais (re)desenhados a partir destes processos. A partir do método dialético buscou-se entender as contradições relativas ao processo recente de modernização do campo e expansão da soja em choque direto com os modos de vida daqueles estabelecidos há mais tempo na área de estudo, conseguintemente refletiu-se sobre a configuração de uma nova territorialização em Balsas por conta de tais contradições. Fala-se aqui em abordagem etnográfica e não em método, já que a familiarização com os grupos estudados precisaria de muito mais tempo em campo, como nos explicam Beaud; Weber (2007, p. 191-192 e 194): [...] A pesquisa etnográfica constrói-se como uma sequência de interações pessoais que tornam possível a presença prolongada do pesquisador no campo. [...]. [...] [...] ela deve ser “de longa duração”. [...] Por quê? Porque o tempo passado no local abre possibilidade de verdadeiros “encontros”, de verdadeiros “intercâmbios diferenciados”, de um envolvimento com o tempo de seus pesquisados. Uma breve passagem fornece informações ao entrevistador, completamente ligado a seus contatos locais, em geral os “notáveis” ou as “personagens oficiais” dos cargos públicos e, pelo menos informalmente, as relações com o público ou os estrangeiros, os “informantes” ou os “correspondentes” das pesquisas de antigamente. Somente uma instalação, é claro, provisória, lhe proporciona uma verdadeira identidade [...]. Terá um lugar, à parte, é verdade, mas um lugar no meio de interconhecimento, terá uma reputação, pois saber-se-á quem ele é e o que faz ali. Porém, como abordagem, a etnografia proporcionou as bases para formulação dos procedimentos da pesquisa de campo, haja vista que os contatos iniciais, as observações diretas, entrevistas (gravadas ou não) e anotações sistemáticas em diário de campo auxiliaram imprescindivelmente na compreensão da expansão da sojicultura no município de Balsas, cujos processos decorrentes foram entendidos no contexto em que ocorrem, de modo que os
  32. 32. 30 trabalhos de campo possibilitaram uma melhor clarificação do tema abordado, além da devida constatação e avaliação daquilo que foi estudado na literatura. A abordagem quanti-qualitativa foi utilizada para interpretar os levantamentos de materiais existentes para representação cartográfica sobre a área de estudo, dos dados estatísticos, informações obtidas em entrevistas e junto ao IBGE e IMESC, e por fim, na fase de seleção dos dados empíricos coletados em observações de campo. Os dados coletados foram tabulados e representados em forma de tabelas, quadros e figuras (fotos, gráficos, mapas e cartogramas). Algumas figuras possuem legendas comentadas, como as que abrem os capítulos, além de alguns quadros e gráficos – para além da normalização – objetivando interagir e refletir o texto diretamente com as ilustrações. 2.1 Procedimentos metodológicos 2.1.1 Pesquisa Bibliográfica - Participação, sob a direção das orientadoras no levantamento do referencial bibliográfico que subsidiou o orientando, na área de Ciências Humanas/Sociais, através do Núcleo de Documentação Pesquisa e Extensão Geográfica (NDPEG), das bibliotecas centrais e de programas de pós-graduação da UFMA e UEMA; - Leitura, com fichamento, do referencial teórico voltado para o aprofundamento das categorias de análise: fronteira tecnológica, territorialidade/identidade, papel do Estado e racionalidades; - Seminários internos para discussão sobre a bibliografia estudada; - Levantamento de material existente com a representação cartográfica sobre a área de estudo; - Levantamento de dados secundários do IBGE e IMESC; - Participação na revisão de todo o material bibliográfico trabalhado e utilizado, bem como o cartográfico; - Realização do levantamento de dados estatísticos, abrangendo o período de 1990 a 2010, em multiescalas (nacional, estadual, mesorregional, microrregional e municipal), sobre a “evolução” da lavoura de soja, migrações internas, infraestrutura, programas de “desenvolvimento” regionais, dados demográficos, socioeconômicos, ambientais, etc.;
  33. 33. 31 - Redação e apresentação de artigos científicos paralelos em eventos que abrangiam discussões temáticas sobre as categorias de análise e áreas afins (Território, Identidade, Poder, Geografia Agrária, Política, Econômica, Urbana, Ambiental, Regional e Ciências Sociais). 2.1.2 Organização e Realização da Pesquisa de Campo - Participação na análise e discussão sobre a forma definitiva dos instrumentos/procedimentos utilizados, junto aos sujeitos estudados; - Participação nas discussões sobre a montagem dos instrumentos aplicados junto à população formada por imigrantes, bem como às representações do sindicato patronal e instituições públicas ligadas à oferta de serviços urbanos; - Participação em três viagens de campo ao município de Balsas (uma por ano, durante o triênio 2009-2011), aplicando-se os instrumentos/procedimentos selecionados, com as técnicas de entrevistas, observações, anotações sistemáticas em diário de campo e gravações; - Transcrição das entrevistas. 2.1.3 Elaboração dos Dados - Participação na fase de seleção dos dados empíricos coletados em campo; - Participação na fase de tabulação dos dados coletados; - Participação na fase de representação qualitativa dos dados quantitativos em forma de tabelas, quadros e gráficos; - Participação na fase de classificação e interpretação das transcrições. 2.1.4 Análise e Interpretação dos Dados/Informações - Participação na redação do projeto de monografia; - Participação na fase de análise/interpretação dos dados/informações levantados/coletados na área de estudo. O anonimato dos(as) entrevistados(as) foi mantido: quando chamados(as) nesta monografia os(as) denominei por letras maiúsculas, em ordem alfabética crescente, de acordo com a sequência em que aparecem no texto;
  34. 34. 32 - Apresentação do texto preliminar da monografia às orientadoras que fizeram as devidas correções e considerações; - Apresentação dos resultados da monografia à banca examinadora; - Redação definitiva do texto monográfico. O quadro abaixo representa a distribuição cronológica das atividades realizadas pelo orientando durante o projeto de pesquisa sobre Balsas até a “finalização” desta monografia: QUADRO 01. Cronograma de atividades do orientando. ANO/SEMESTRE ATIVIDADES 2009 2010 2011 1º 2º 1º 2º 1º 2º 01 Participação do orientando, no levantamento de material bibliográfico relacionado ao assunto, junto à Biblioteca Central e programas de pós-graduação da UFMA e UEMA. X X X X X X 02 Fichamento do material bibliográfico referente às categorias de análises utilizadas na fundamentação do trabalho. X X X X X X 03 Levantamento de material existente representação cartográfica da área de estudo. sobre a 04 Realização do levantamento de dados estatísticos sobre “evolução” da lavoura de soja, migrações internas, infraestrutura, programas de “desenvolvimento” regionais, dados demográficos, socioeconômicos, ambientais, etc. X 05 Participação na montagem dos instrumentos a serem aplicados junto à população local e “migrante”, bem como às representações patronais, culturais e instituições públicas e de preservação da cultura/identidade local e do migrante sulista. X X X 06 Participação em viagem ao município de Balsas, visando a aplicação dos instrumentos/procedimentos selecionados. X X X 07 Participação na fase de seleção dos dados empíricos coletados no campo. X X X 08 Participação na etapa de tabulação dos dados coletados. X X X 09 Participação na etapa de representação dos dados em tabelas, quadros e gráficos. X X X 10 Participação na fase de análise e interpretação dos dados/informações. X X X 11 Participação na redação do texto final da monografia. X 12 Defesa da monografia. X Fonte: Dados da pesquisa, 2009-2011.
  35. 35. 33 PARTE UM: da teoria
  36. 36. 34 3 SOBRE AS CATEGORIAS DE ANÁLISE: divagações introdutórias...7 Figura 01. Mosaico 1: sátiras de Pawła Kuczyńskiego. Fonte: adaptado de Capu.pl. A concentração de renda e o aumento contínuo da desigualdade são características inerentes ao projeto de mundo moderno globalizado da forma como está: “Enquanto metade da humanidade não come, a outra metade não dorme, com medo da que não come” (frase propalada em um congresso da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação – FAO, por Josué Apolônio de Castro – geógrafo, cientista social, professor, escritor, político, médico, nutrólogo, ativista brasileiro... autor da obra clássica Geografia da Fome – enquanto dirigente eventual desta instituição). 7 Num primeiro momento, o que parece uma verborragia divagante fez-se necessária. O encadeamento de diversas categorias de análise não se deu por acaso e nem desconcatenado. Neste capítulo introdutório elencouse uma série de categorias (migração, territorialização, espaço, tempo, globalização, identidade, modernidades, modernização e eurocentrismo) como um ensaio geral para os capítulos seguintes, que as tratarão mais especificamente, principalmente aquelas que foram consideradas indispensáveis para o entendimento holístico do trabalho. Este capítulo possui alguns trechos do seguinte artigo: OLIVEIRA, Danniel Madson Vieira; MOREIRA, Tiago Silva; RÊGO, Josoaldo Lima. Processo de (re)construção da identidade sócio-territorial no sujeito (pós)moderno. In: Ciências Humanas em Revista (UFMA), v. 7, p. 20-29, 2009.
  37. 37. 35 “[...] Ser moderno é encontrar-se em um ambiente que promete aventura, poder, alegria, crescimento, autotransformação e transformação das coisas em redor – mas ao mesmo tempo ameaça destruir tudo o que temos, tudo o que sabemos, tudo o que somos. A experiência ambiental da modernidade anula todas as fronteiras geográficas e raciais, de classe e nacionalidade, de religião e ideologia: nesse sentido, pode-se dizer que a modernidade une a espécie humana. Porém, é uma unidade paradoxal, uma unidade de desunidade: ela nos despeja a todos num turbilhão de permanente desintegração e mudança, de luta e contradição, de ambigüidade e angústia. Ser moderno é fazer parte de um universo no qual, como disse Marx, ‘tudo o que é sólido desmancha no ar.’” (BERMAN, 2007, p. 24, grifo meu). A mobilidade8 é uma característica da espécie humana (mas não só desta) desde nossas sociedades mais simples, formadas por grupos nômades de caçadores e coletores. Mesmo “de caçador a criador, de coletor a agricultor” (PINSKY, 1987, p. 50) e sua consequente “sedentarização” (estágios das sociedades humanas perpetuados pela ótica de teorias evolucionistas) o homem continuou a se dispersar mundo afora, pelas causas mais diversas possíveis como intempéries naturais, conflitos intergrupais ou busca por recursos naturais. A “diáspora” colonizadora do homem moderno9 reconfigurou (e reconfigura) constantemente o espaço geográfico. Ao longo dos anos, as inovações técnicas nos meios de transporte e de comunicação permitiram a dinamização dessa mobilidade e o “acesso instantâneo” virtual aos diversos territórios do ciberespaço10, através da rede mundial de computadores11, dando uma aparente e utópica noção de homogeneidade do espaço, fim das fronteiras, dos territórios nacionais, da Geografia, da História, consolidação da aldeia global e pós-modernidade... momento denominado e conceituado por Santos (1996, p. 147) de “Era 8 Neste capítulo utiliza-se a palavra mobilidade como sinônima às migrações humanas: “movimento espacial de indivíduos ou grupos (ou até de populações) de um habitat para outro” (DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA). 9 Quem é este homem moderno? É aquele pertencente ao Mundo e Período Moderno. O Mundo Moderno surge na Europa expansionista ultramarina, iluminista, moldado pelos homens e mulheres que “sacralizaram” seu pensamento como O RACIONAL, tornando-o hegemônico, substituindo “a providência divina” (que tem certeza na lei divina) pelo “progresso providencial” (cuja certeza provém de nossos sentidos, da observação empírica, que produzem a razão desagrilhoada). “[...] a idéia providencial da razão coincidiu com a ascensão do domínio europeu sobre o resto do mundo. O crescimento do poder europeu forneceu o suporte material para a suposição de que a nova perspectiva sobre o mundo era fundamentada sobre uma base sólida que tanto proporcionava segurança como oferecia emancipação do dogma da tradição.” (GIDDENS, 1991, p. 54). O homem moderno cria, defende e difunde o projeto de modernidade sob a égide do pensamento “racional” ocidental. 10 Termo criado pelo escritor estadunidense William Ford Gibson, popularizado em seu romance de estreia “Neuromancer” (1984), que assim o define: “Ciberespaço. Uma alucinação consensual experimentada diariamente por bilhões de operadores legitimados, em cada nação, por crianças atrás de conceitos matemáticos ensinados... Uma representação gráfica de informação abstraída dos bancos de cada computador no sistema humano. Complexidade impensável. Linhas de luz vagueando no não espaço da mente, cachos e constelações de informação. Como luzes da cidade, recuando.” (GIBSON, 1993, p. 67, grifos meus). 11 “É a partir do computador que a noção de tempo real, um dos motores fundamentais da nossa era, torna-se historicamente operante. Graças exatamente, à construção técnica e social desse tempo real é que vivemos uma instantaneidade percebida, uma simultaneidade dos instantes, uma convergência dos momentos.” (SANTOS, 1996, p. 148).
  38. 38. 36 das Telecomunicações”, na qual há “combinação entre a tecnologia digital, a política neoliberal e os mercados globais.” O mundo estaria se “desterritorializando”? Sob o impacto dos processos de globalização que “comprimiram” o espaço e o tempo, erradicando as distâncias pela comunicação instantânea e promovendo a influência de lugares os mais distantes uns sobre os outros, a fragilização de todo tipo de fronteira e a crise da territorialidade dominante, a do Estado nação, nossas ações sendo regidas mais pelas imagens e representações que fazemos do que pela realidade material que nos envolve, nossa vida imersa numa mobilização constante, concreta e simbólica, o que restaria de nossos “territórios”, de nossa “geografia”? Segundo o urbanista-filósofo francês Paul Virilio, até a geopolítica estaria sendo sobrepujada pela cronopolítica, pois seria estrategicamente muito mais importante o controle do tempo do que o controle do espaço. O mundo das divisões territoriais dos Estados nações, na forma de colcha de retalhos, estaria condenado frente ao mundo das redes, a “sociedade em rede” como denominou Manuel Castells. (HAESBAERT, 2006, p. 19-20). David Harvey (2010) escreveu sobre a “compressão do tempo-espaço” (figura 02) como um indicativo da demasiada e contínua aceleração do ritmo de vida imposto pela história do capitalismo, vencendo cada vez mais as limitações do espaço, tornando o mundo cada vez “menor”: [...] À medida que o espaço parece encolher numa “aldeia global” de telecomunicações e numa “espaçonave terra” de interdependências ecológicas e econômicas [...] e que os horizontes temporais se reduzem a um ponto em que só existe o presente (o mundo do esquizofrênico), temos de aprender a lidar com um avassalador sentido de compressão dos nossos mundos espacial e temporal. (HARVEY, 2010, p. 219, grifos do autor). Figura 02. Mosaico 2: Compressão do tempo-espaço. A – “O encolhimento do mapa do mundo graças a inovações nos transportes que ‘aniquilam o espaço por meio do tempo’”. B – “Um anúncio da Alcatel de 1987 enfatiza uma imagem popular do globo encolhendo”. Fonte: adaptado de Harvey, 2010, p. 220 e 221.
  39. 39. 37 “Oh, admirável mundo novo!” Que a todo instante se desconstrói-reconstrói, em que o novo já nasce obsoleto, a rapidez e tempo tornam-se inversamente proporcionais (aumenta-se a velocidade de tudo para que possamos fazer mais tudo e a impressão que fica é que estamos sempre sem tempo), talvez o ápice da tentativa constante de findar o espaço pode ser traduzido nos investimentos em pesquisas e estudos sobre a possibilidade de viagem do homem no tempo-espaço através do teletransporte (possibilidade ainda frustrada). No mundo moderno a intensidade dos processos e a velocidade do acontecer marcam as relações dos homens entre si e destes com o espaço, uma vez que transformam o tempo, aceleram o ritmo. “Nosso ritmo de vida não conhece os tempos longos”, nos assevera Calvino [1994, p. 15]. A ideia de um tempo rápido, de um aqui e agora, de um presente sem espessura parece despir o cidadão de um passado, de sua história, deixando-o assolado pela febre do instantâneo. O passado, enquanto experiência e sentido daquilo que produz o presente, se perde, ao passo que o futuro se esfuma na velocidade do tempo da transformação das formas – o lugar é cada vez mais aquele do não uso, logo, da não identidade. [...] São as mudanças no tempo e no espaço, e na sua relação, que ajudam a definir a modernidade hoje. (CARLOS, 2010, p. 10). Porém, apesar do “triunfo” (mais no campo teórico) da “sociedade em rede”, da “inflação telecomunicacional” e da “convergência dos momentos”, os atores que dão vida ao espaço virtual que “homogeniza” provêm de espaços reais os mais heterogêneos e, preponderantemente, espaços de inclusão precária regidos por pensamentos diversos em contraposição à consciência global interplanetária; outros milhões, marginalizados pelo mercado e de racionalidades colonizadas, foram “deletados” desse processo oneroso pela globalização da “desigualdade moral e política12” (ROUSSEAU, 2006), tornando a sustentação deste discurso, na prática, falaciosa e volátil (o termo global foi deturpado no sentido de abrangência absoluta: a contradição surge ao classificarmos um processo como global quando este elenca uma “minoria prioritária13”, inclui muitos precariamente e exclui uma parcela significativa). A aldeia global cunhada pelo filósofo canadense Herbert Marshall McLuhan e em seguida singularizada com a globalização parece cada vez mais restrita, em processo de implosão, causado por esta globalização nonsense estabelecida, doente, em autofagia degenerativa. 12 “[...] A [...] desigualdade moral ou política [...] depende de uma espécie de convenção e [...] é estabelecida ou pelo menos autorizada pelo consentimento dos homens. Esta consiste nos diferentes privilégios de que gozam alguns em prejuízo dos outros, como ser mais ricos, mais honrados, mais poderosos do que os outros ou mesmo fazer-se obedecer por eles.” (ROUSSEAU, 2006, p. 27). 13 Neste caso falo de uma minoria hegemônica, minoria apenas numericamente já que detém o poder econômico, social, político, militar, cultural... ao contrário de minorias contra-hegemônicas (raciais, culturais e nacionais): “grupo racial, cultural ou de nacionalidade, autoconsciente, em procura de melhor status compartilhado do mesmo habitat, economia, ordem política e social com outro grupo (racial, cultural ou de nacionalidade), que é dominante (ecológica, econômica, política ou socialmente) e que não aceita os membros do primeiro em igualdade de condições” (PIERSON apud DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA).
  40. 40. 38 Em 1998, os 20% mais ricos do planeta dispunham de 86% do produto mundial, e os 20% mais pobres de apenas 1%. Enquanto isso, a diferença de renda passou de 30 para 1, em 1960, de 60 para 1, em 1990, e de 74 para 1, em 1997. Explica esse aumento das desigualdades a proliferação do desemprego (segundo a OIT, são 188 milhões de desempregados em 2003, ou seja, 6,2 % da força de trabalho mundial), do subemprego, dos circuitos ilegais da economia. [...] Basta verificar que 22% da população mundial, ou seja, 1,3 bilhão de pessoas vivem com menos de um dólar por dia, considerado o limiar da pobreza absoluta. (HAESBAERT; PORTOGONÇALVES, 2006, p. 47). [...] a sociedade global caminha a passos largos ao esfacelamento do mundo. A pobreza e o desemprego aumentam, criam-se cada vez mais miseráveis em nome dessa razão que matou a política e transformou o mercado na primeira, última e única instância de vida do cidadão, transformando este em um [mero] consumidor. Entretanto, as desigualdades crescentes nos fazem acreditar que, como disse Milton Santos, uma outra globalização é possível; que essa razão hegemônica não é invencível e que essa ordem social pode e deve ser questionada, pois isso é um dos papéis dos intelectuais. Então um outro possível histórico é plausível, uma vez que, como alertava Nietzsche, o homem é o grande criador das coisas e dos valores. Essas coisas e valores podem parecer e aparecer transcendentais, superiores e, até mesmo, metafísicas aos olhos do próprio homem. Todavia, no íntimo, essa razão hegemônica é a globalização; essas coisas e valores são obras demasiadamente humanas.” (RIBEIRO JUNIOR; OLIVEIRA; SANT’ANA JÚNIOR, 2010, p. 49). Apesar da incontestável interação de culturas, algumas imperativas excessivamente, e o aspecto cultural híbrido do homem moderno, as diferenças, adaptações e resistências de sociedades moldadas pela tradição14 persistem, em oposição ao pensamento do macho-ocidental-branco-heterossexual-civilizado que se auto classifica como sendo o racional e consequentemente reafirma sua “superioridade” e imperatividade. Essa modernidade, produzida e difundida pelos europeus, ao ser contestada, é porque passa por momentos de crise, assim como todo o aporte social, cultural e econômico intrínseco a ela. Heidemann nos fala a respeito da forma como ocorrem as migrações coetâneas, consequência direta da crise da modernidade, desgastada e sem o poder de regeneração de outrora: O aspecto canibalesco do capital e seu ímpeto infatigável de integrar todas as áreas sociais destroem e excluem, ao mesmo tempo, os seus pressupostos vivos. Não podemos ter ainda dúvidas de que o atual processo de migração resultou num reforçado apartheid social nos territórios do mercado mundial. Os migrantes que hoje [...] trabalham como [ou fazem] escravos nas fazendas das periferias rurais [...] não são fenômenos residuais de condições pré-modernas, mas produto de uma 14 Tradição: “aspectos culturais, materiais e espirituais, transmitidos oralmente de geração em geração, através de hábitos, usos e costumes” (DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA). “Nas culturas tradicionais, o passado é honrado e os símbolos valorizados porque contêm e perpetuam a experiência de gerações. A tradição é um modo de integrar a monitoração da ação com a organização tempoespacial da comunidade. Ela é uma maneira de lidar com o tempo e o espaço, que insere qualquer atividade ou experiência particular dentro da continuidade do passado, presente e futuro, sendo estes por sua vez estruturados por práticas sociais recorrentes. A tradição não é inteiramente estática, porque ela tem que ser reinventada a cada nova geração conforme esta assume sua herança cultural dos precedentes. A tradição não só resiste à mudança como pertence a um contexto no qual há, separados, poucos mercadores temporais e espaciais em cujos termos a mudança pode ter alguma forma significativa.” (GIDDENS, 1991, p. 44).
  41. 41. 39 modernidade que não tem mais como garantir outras possibilidades de existência. (HEIDEMANN, 2010, não publicado, grifo meu). A mobilidade forçada é intrínseca à modernidade e modernização, principalmente nas sociedades contemporâneas, e é ainda mais dinâmica naquelas tardiamente inseridas nesse contexto. Os espaços centrífugos (que repelem) e centrípetos (que atraem), protagonizados e metamorfoseados pelos diferentes agentes sociais, vão determinar a direção desses fluxos migratórios (HEIDEMANN, 2010, não publicado, SANTOS; SILVEIRA, 2006) sob a égide da expansão do capital. O migrante mobilizado é atraído e expulso conforme as conjunturas do processo de modernização. As leis da concorrência movimentaram os exércitos de reserva na imposição da economia moderna em grandes levas de deslocamentos. Em tempos da crise15 fundamental do sistema social, a rejeição e discriminação do imigrante, supérfluo para o processo de valorização, torna-se mais comum. As interpretações social-darwinista tornam-se novamente populares. (HEIDEMANN, 2010, não publicado). Assim como a questão da mobilidade e migrações recentes, o constante e abrupto renovar técnico-científico-informacional16 observado no século XX e atual século XXI são fatores demasiadamente essenciais para o desenvolvimento do período que denominamos de Globalização. Processo que, como supracitado, apesar da inclusão precária, consegue paulatinamente estreitar os laços geográficos e culturais entre diversos povos, porém não promove a unidade cultural. É bem verdade que a globalização facilitou a propagação de informações e aproximou as mais diversas culturas. Ela “encurtou” as distâncias e promoveu a integração econômica no mais alto patamar. Consequentemente, esse mesmo processo superexplora a mão-de-obra desprovida de qualificação (política essa inerente à grande parte das empresas transnacionais); faz insurgir movimentos contrários à imposição de um pensamento único (SANTOS, 2000), como o fundamentalismo islâmico (que são taxados de radicais e terroristas, pois não compactuam com os preceitos desse modelo de ordem originário da razão hegemônica). Samuel Huntington fala em “choque de civilizações”, choque que muitas vezes provoca reações nos mais diversos países: a xenofobia (especialmente na Europa Ocidental – Alemanha – e na América Anglo-Saxônica – EUA, para com os latinos). Os riscos financeiros aumentam, pois o neoliberalismo é incapaz de regulamentar os mercados por si só (o Estado torna-se importante e vital para o capitalismo – um bom exemplo é a crise mundial pela qual atravessamos desde o final de 2008). A inclusão precária dos habitantes é reflexo do abandono do Welfare State. Apenas poucos possuem acesso a uma qualidade de vida honesta. A fé cega na 15 “[...] a moderna sociedade do trabalho como um todo está no fim e, com isso, também o estão suas categorias básicas da forma-mercadoria e forma-dinheiro” (KURZ, 1999). 16 “A união entre ciência e técnica [...] revigora-se com os novos e portentosos recursos da informação, a partir do período da globalização e sob a égide do mercado. E o mercado, graças exatamente à ciência, à técnica e à informação, torna-se um mercado global. O território ganha novos conteúdos e impõe novos comportamentos, graças às enormes possibilidades da produção e, sobretudo, da circulação dos insumos, dos produtos, do dinheiro, das idéias e informações, das ordens e dos homens. É a irradiação do meio técnico-científicoinformacional [...] que se instala sobre o território [...].” (SANTOS; SILVEIRA, 2006. p. 52-53).
  42. 42. 40 técnica pragmatiza as ciências (a Geografia, notadamente, não escapa disso). Não há como negar que isso é a globalização em sua essência. (RIBEIRO JUNIOR; OLIVEIRA; SANT’ANA JÚNIOR, 2010, p. 47). O processo ressaltado por alguns estudiosos ou leigos como uma característica salutar da globalização seria a amálgama inter/multi/transcultural17 proveniente da hibridização e ressignificação de culturas “análogas” ou até mesmo “distantes”, mas que encontram um “elo”, um ponto de “afinidade”, ou são absorvidas por “osmose” após o movimento massivo e incessante de culturas que são (ou querem se fazer) hegemônicas, como afirma Featherstone (apud SILVA, 2001, p. 189): “a globalização nos torna conscientes do próprio volume da diversidade e das muitas faces da cultura. Os sincretismos 18 e os hibridismos19 constituem mais a regra do que a exceção”. Todo esse processo é descrito e reafirmado por Berman (2007), porém, utilizando outra categoria que se confunde em alguns aspectos com a globalização: a modernização, bastante referida nesta discussão, que durante as últimas décadas (do século XX e do recente XXI) trouxe uma série de transformações homogeneizadoras intensas que foram naturalizadas em prol do “progresso”, difusão do capitalismo e da cultura ocidental, em detrimento das diversas identidades e modos de vida de grupos não hegemônicos: O turbilhão da vida moderna tem sido alimentado por muitas fontes: grandes descobertas nas ciências físicas, com a mudança da nossa imagem do universo e do lugar que ocupamos nele; a industrialização da produção, que transforma conhecimento científico em tecnologia, cria novos ambientes humanos e destrói os antigos, acelera o próprio ritmo de vida, gera novas explosões demográficas, que penaliza milhões de pessoas arrancadas de seu habitat ancestral, empurrando-as pelos caminhos do mundo em direção a novas vidas; rápido e muitas vezes catastrófico crescimento urbano; sistemas de comunicação de massa, dinâmicos em seu desenvolvimento, que embrulham e amarram, no mesmo pacote, os mais variados indivíduos e sociedades; estados nacionais cada vez mais poderosos, burocraticamente estruturados e geridos, que lutam em obstinação para expandir seu poder; movimentos sociais de massa e de nações, desafiando seus governantes políticos ou econômicos, lutando por obter algum controle sobre suas vidas; enfim, dirigindo e manipulando todas as pessoas e instituições, um mercado capitalista mundial, drasticamente flutuante, em permanente expansão. No século XX, os processos sociais que dão vida a esse turbilhão, mantendo-o num perpétuo estado de vir-a-ser, vêm a chamar-se “modernização”. [...] (BERMAN, 2007, p. 25, grifo meu). 17 Transculturação: “processo de difusão e infiltração de complexos ou traços culturais de uma para outra sociedade ou grupo cultural; troca de elementos culturais” (DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA). 18 Sincretismo: “processo de fusão de elementos ou traços culturais, dando como resultado um traço ou elementos novos” (DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA). 19 “O hibridismo cultural é um fenômeno histórico-social que existe desde os primeiros deslocamentos humanos, quando esses deslocamentos resultam em contatos permanentes entre grupos distintos. [...] um sujeito híbrido [...] quando deixa sua terra, torna-se diferente, pois os outros homens que encontra na terra estrangeira têm outros costumes e outras crenças; ouve outro tipo de música e dança em outro ritmo. O ritmo que trouxe une ao que encontra e inicia o processo de hibridismo cultural. A palavra sujeito aqui [...] tem o significado de grupo ou comunidade.” (CARDOSO, 2008, p. 79).
  43. 43. 41 Acerca das “modernidades” as reflexões são também complexas: retratam categorias de análise que diferem (entre si) por aspectos conceitualmente tênues, já que estão demasiadamente interrelacionadas. De forma bem simplista, modernidade, hipermodernidade e pós-modernidade, são três etapas do Período Moderno20 que representam respectivamente: (1) início/consolidação, (2) apogeu e (3) superação do homo modernus, ou seja, aquele sujeito inserido nas características da sociedade moderna ocidental, como explica melhor Giddens: [...] O que é modernidade? Como uma primeira aproximação, digamos simplesmente o seguinte: “modernidade” refere-se a estilo, costume de vida ou organização social que emergiram na Europa a partir do século XVII e que se tornaram mais ou menos mundiais em sua influência. [...] Hoje, no final do século XX, muita gente argumenta que estamos no limiar de uma nova era, a qual as ciências sociais devem responder e que está nos levando para além da própria modernidade. Uma estonteante variedade de termos tem sido sugerida para esta transição, alguns dos quais se referem positivamente à emergência de um novo tipo de sistema social (tal como a “sociedade de informação” ou a “sociedade de consumo”), mas cuja maioria sugere que, mais que um estado de coisas precedentes, está chegando a um encerramento (“pós-modernidade”, “pósmodernismo”, “sociedade pós-industrial”, e assim por diante) [...]. (GIDDENS, 1991, p. 11). A Modernidade está diretamente relacionada com o Capitalismo, pois, desenvolvem-se praticamente simultaneamente. Também está relacionada ao projeto de mundo moderno, difundido desde o século XVII da Europa para o mundo. Baudelaire (1996, p. 24) percebe e “traduz”, como poucos dos seus contemporâneos, as faces da modernidade na vida e na arte do homem moderno (especificamente de Paris no século XIX), nos falando que: “[...] A Modernidade é o transitório, o efêmero, o contingente, é a metade da arte, sendo a outra metade o eterno e o imutável”, frase tão bem analisada por Berman (2007, p. 160) quando afirma que: [...] uma das qualidades mais evidentes dos muitos escritos de Baudelaire sobre vida e arte moderna consiste em assinalar que o sentido da modernidade é surpreendentemente vago, difícil de determinar. [...] o pintor (ou romancista ou filósofo) da vida moderna é aquele que concentra sua visão e energia na “sua moda, sua moral, suas emoções”, no “instante que passa e (em) todas as sugestões de eternidade que ele contém”. Esse conceito de modernidade é concebido para romper com as antiquadas fixações clássicas que dominam a cultura francesa. “Nós, os artistas, somos acometidos de uma tendência geral a vestir todos os nossos assuntos com uma roupagem do passado”. A fé estéril de que vestimentas e gestos arcaicos produzirão verdades eternas deixa a arte francesa imobilizada em “um abismo de beleza abstrata e indeterminada” e priva-a de “originalidade”, que só pode advir do “selo que o Tempo imprime em todas as gerações”. 20 Não trabalho aqui com a noção clássica de subdivisão da História Ocidental em Idades (... Antiga, Média, Moderna e Contemporânea). Neste caso, o Período Moderno não está relacionado somente à Idade Moderna, mas a partir desta aos dias atuais, já que o projeto de mundo moderno vem desde então e ainda está a “colonizar” novas áreas, extinguir remanescências e reminiscências.
  44. 44. 42 As artes e arquitetura da modernidade são marcadas pela “criação destrutiva” e “destruição criativa” (figura 03). A “imortalidade” do artista moderno torna-se um antagonismo. “[...] Se o modernista tem de destruir para criar, a única maneira de representar verdades eternas é um processo de destruição passível de, no final, destruir ele mesmo essas verdades. E, no entanto, somos forçados, se buscamos o eterno e o imutável, a tentar e a deixar a nossa marca no caótico, no efêmero e no fragmentário. [...]” (HARVEY, 2010, p. 26). Figura 03. “A arte parisiense de boulevard atacando a destruição modernista do antigo tecido urbano: um cartum de J. F. Batellier em ‘Sans Retour, Ni Consigne’”. Fonte: Harvey, 2010, p. 28. Outro viés dos Tempos Modernos é a Hipermodernidade ou Modernidade Radicalizada: a exacerbação de diversos valores criados na Modernidade, tais como o individualismo, o narcisismo coletivo, o consumismo, o liberalismo globalizado, a ética hedonista, a fragmentação e efemeridade do tempo e do espaço, a esquizofrenia no ritmo das mudanças, a sociedade permissiva e do carpe diem21. Estamos na “era do vazio”22(?). 21 O termo latim carpe diem traduzido livremente significa “aproveitar/apreender/colher o dia/o momento” tendo como referência primária um trecho da obra “Odes I” ou “Carminum liber primus” (datada de 23 a.C) do poeta romano Quintus Horatius Flaccus, ou simplesmente Horácio para lusófonos, quando escreve (em Odes, I, 11, 8 “A Leuconoe”): “[...] fugerit ínvida aetas: carpe diem quam minimum credula postero. [...]” (tradução: [...] fugido o tempo invejoso: colhe o dia, quanto menos confiada no de amanhã. [...]). Popularizado como um dos lemas que sintetizava os ideais dos poetas do Arcadismo (movimento artístico-literário ocidental predominantemente do século XVIII), no sentido epicurista original, de um hedonismo de ascese, uma busca de prazer ordenado, “racional”, que deve evitar todo desprazer e toda supremacia do prazer. Era um hedonismo a mínima, de apreciar e viver bem o momento presente, longe dos excessos. Recentemente o carpe diem foi retomado deturpando-se o sentido original – em algumas músicas, filmes, propagandas e livros – perdendo toda relação com o texto original e passa a ser compreendido como uma incitação ao mais forte hedonismo, talvez o mais cego, sem perspectiva de futuro, logo, onde “tudo é destinado a desaparecer” procura-se qualquer prazer

×