XXII Confaeb - O chão da escola - ensino de arte fund 2

  • 369 views
Uploaded on

Apresentação sobre o ensino de Arte na rede estadual de educação, apresentado no XXII Confaeb - O chão da escola, no ano de 2012

Apresentação sobre o ensino de Arte na rede estadual de educação, apresentado no XXII Confaeb - O chão da escola, no ano de 2012

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
369
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O Ensino de Artes noFundamental IIProfessora Daniela de Souza Martins Grillo –XXII CONFAEB –Arte/Educação: Corpos em Transito
  • 2. O InícioPlanejamentosProjetosLivros didáticosMateriais Educativos de MuseusPCN- Artes
  • 3. A PropostaEm 2008 foi implantada na Rede de escolas do Estado deSão Paulo a Proposta Curricular para diversas disciplinas doEnsino Fundamental II e Médio.Nesse mesmo ano, chega nas escolas os Cadernos doProfessor. No ano seguinte chega o material dos alunos.Em 2010, a proposta se torna currículo Para o ensino deArte nas escola publicas Estaduais.
  • 4. Os CadernosOs cadernos são divididos em quatro linguagensespecificas: dança, teatro, musica e artes visuais, quetrazem mas conceitos, conteúdos, competências ehabilidades que ligam diferentes territórios.Neles são trabalhados os territórios da Arte: linguagensartísticas, processo de criação; materialidade; forma-conteúdo; mediação cultural; patrimônio cultural econhecimento estético e cultural.
  • 5. O Bem e O MalA ideia de um currículo unificado para o Estado de São Paulo esuas quase 5.000 escolas é que todos os alunos tenham acesso aomesmo conteúdo e tipo de aprendizado.O Material é distribuído pela própria SEE/SP e demora muito achegar, seja no interior, seja na capital.Ele não considera o lugar onde o alunos esta, sua realidade e adefasagem de aprendizagem dos alunos.Alunos que são transferidos de escolas estaduais para escolasestaduais e seu professores usam os cadernos dos alunos, chegamcom o mesmo conteúdo, independente da linguagem artística.O Material proporciona o ensino dos territórios da Arte atravésdas linguagens de dança, teatro, musica e artes visuais.
  • 6. Livre-arbítrioMuitos professores são contra o material, por não saberem lidar com ele,ou , ainda, simplesmente o ignoram.Alguns não usam por se sentirem intimidados, por não quererem - atode rebeldia – outros por não saberem lidar com seu formato.Muitos sentem falta de conteúdos históricos, textos, dicas, atividadesprontas.O professor pode trabalhar com sua ÁREA DE FORMAÇÃO e não ocaderno todo.O professor tem que usar o Caderno do Aluno em suas aulas.O material tem seu formato de ensino contemporâneo e trabalha comobras também contemporâneas.Não é um material engessado, porem tem suas falhas.Dá acesso aos alunos a imagens.
  • 7. E agora…O material mudou a forma do professor da rede estadual deensinar Arte na sala aula, tem atingido os alunos e professores,mas será que todos?Será que um material que vem imposto por um governo serveampliar os horizontes de nossas crianças?Será que tal material ajuda o aprendizado aluno? E sua cultura?Ele dá acesso a cultura do aluno?O uso do material didático ajuda ou atrapalha o aluno? E suaobrigatoriedade?O que será que os o que contam outras localidades presentes aocongresso sobre materiais e recursos didáticos para o ensino deartes?