• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Saas
 

Saas

on

  • 624 views

 

Statistics

Views

Total Views
624
Views on SlideShare
624
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
16
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Saas Saas Document Transcript

    • CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO PATROCÍNIO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SaaS – SOFTWARE COMO SERVIÇO CAROLINE RAYMUNDO DANIELA FERREIRA NUNES DANIELE ALMEIDA DE OLIVEIRA CUNHA JULIANA QUEIROZ DE OLIVEIRA QUEILA MARIA DA SILVA OLIVEIRA Patrocínio – MG 2011
    • CENTRO UNIVERSITÁRIO DO CERRADO PATROCÍNIO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAROLINE RAYMUNDO DANIELA FERREIRA NUNES DANIELE ALMEIDA DE OLIVEIRA CUNHA JULIANA QUEIROZ DE OLIVEIRA QUEILA MARIA DA SILVA OLIVEIRA SaaS – SOFTWARE COMO SERVIÇO Trabalho apresentado ao Centro Universitário do Cerrado Patrocínio, MG, como exigência a avaliação da disciplina SOA – Arquitetura Orientada a Serviço, no 8º período do curso de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Professor: José Reis Patrocínio. – MG 2011
    • 1.Introdução Nesses últimos anos, diversas empresas de diferentes áreas de atuação têmimplementado projetos em torno do tema SOA – Service OrientedArchitecture. Osprojetos de SOA buscam um conjunto de benefícios que juntos prometem a organizaçãode uma TI mais ágil, de fácil administração e que atenda de forma mais rápida asnecessidades de negócio da empresa, em torno do chamado negócio ágil (ou AgileBusiness). Surge o nascimento do modelo de entrega de software como serviço, o SaaS –Software as a Service, com novas exigências para uma solução de software maisflexível e reutilizável, suportando diversos usuários sobre uma mesma infra-estruturaconfigurável, oferecendo funcionalidades sob demanda. Finalmente, conceitos de Web 2.0, aplicações de composição, barramento deserviços corporativo, entregas de software como serviço e o uso de infra-estruturaprovisionável e de alta escalabilidade conhecida como computação na nuvem(ou cloudcomputing) são tendências que juntas criaram um novo contexto de infra-estrutura e soluções que temos hoje a disposição das empresas. Sem dúvida, existe umaconvergência de todas essas tecnologias e recursos em torno do conceito de serviços.2.HistóriaDe forma simplificada, podemos definir SOA –Service OrientedArchitecture – comoum estilo de arquitetura onde funcionalidades específicas de sistemas existentes sãooferecidas na forma de serviços. Aqui, temos alguns conceitos normalmente associadosao tema como barramento de serviços, níveis de operação de serviços, granularidade deserviços, etc. Da mesma forma, consumo de serviços, governança, reuso e todas ascapacidades associadas à administração de um ambiente de serviços ganhamimportância nesse tipo de arquitetura. Antes de tratarmos todos esses conceitos, vamosapresentar um breve histórico sobre como o ambiente corporativo evoluiu nos últimosanos, posicionando essa discussão nos dias de hoje.A figura abaixo apresenta uma visão em décadas, onde vemos diferentes abordagenspara o ambiente de TI – Tecnologia da Informação:
    • Figura 1 – Evolução do ambiente de TI em décadas.Iniciando com a década de 70, nessa época as empresas dispunham de grandes centrosde processamento com custos elevados de operação e manutenção.Já na década de 80, observamos o nascimento da computação pessoal, oferecendo poderde processamento a baixo custo para o usuário final. Iniciava o modelo de computaçãocliente/servidor, com o uso intenso de redes interoperáveis que integravam ambientescorporativos.Nos anos 90, vimos a consolidação da arquitetura cliente/servidor. Vimos também osurgimento da Web como uma rede pública de baixo custo disponível parauniversidades, empresas e usuários domésticos. Enquanto que diferentes topologias deredes proliferavam, vimos mais e mais equipamentos de interconexão invadindo nossasempresas, ampliando as capacidades de comunicação e integração entre sistemas.A virada do século veio com mudanças ainda mais importantes: padrões como SOAP(SimpleObject Access Protocol), HTTP (Hypertext TransferProtocol), HTML(HyperTextMarkupLanguage) e XML (eXtensibleMarkupLanguage) permitiram quesistemas fossem integrados mais rapidamente, suportando um número crescente deusuários e aplicações através da internet. Através da combinação HTTP+SOAP,serviços foram definitivamente expostos pela internet, cruzando as barreiras de firewallspelas portas 80 (HTTP) e 443 (HTTPS) do TCP, ampliando as possibilidades deintegração.Hoje, estamos acompanhando o nascimento de uma nova onda no setor de TI, achamada computação na nuvem (ou cloudcomputing). Gigantes como Microsoft,Amazon e Googleampliam suas ofertas de datacenterspelo mundo, oferecendo recursosde infra-estruturaprovisionável além das fronteiras de nossas empresas. Vivemos assimo surgimento de uma TI mais dinâmica, flexível e híbrida, combinando serviços locais,hospedados em máquinas e servidores locais, com serviços remotos, hospedados emdatacenters diversos.Com esse breve histórico, voltamos ao tema central da introdução: os serviços. Sejasobre uma infra-estrutura local ou através de datacenters espalhados pelo mundo,funcionalidades de aplicações serão cada vez mais oferecidas como serviços, permitindoa combinação e o consumo de uma forma flexível e dinâmica.3.SaasSoftware como serviço, do inglês Software as a service, é uma forma de distribuição ecomercialização de software. No modelo SaaS o fornecedor do software seresponsabiliza por toda a estrutura necessária para a disponibilização do sistema
    • (servidores, conectividade, cuidados com segurança da informação) e o cliente utiliza osoftware via internet, pagando um valor recorrente pelo uso.Em poucas palavras, SaaS é um software distribuído como um serviço, implementadoem plataforma web de forma nativa e acessado usando tecnologias e protocolos deinternet. Do ponto de vista do usuário, é um software que não é instalado localmente nainfra-estrutura do cliente (on-premise), mas é utilizado através da web e pago pelotempo de uso ou volume, por demanda. Desse modo, um software SaaS envolvemecanismos de tarifação e métricas de uso ou billing. Ainda, é um software que forneceuma API para acesso pela web, através de Web Services, interfaces REST, SOAP, entreoutros protocolos.4.A combinação do Software + ServiçoÉ interessante que alguns sistemas que utilizem da teoria SaaS disponibilizem seusserviços através de Web Services, dessa forma, seus serviços poderão ser utilizados emoutros sistemas, sem precisar de intervenção humana, gerando novos tipos de produtos eserviços automatizados.A expressão software+serviço (S+S) pode expressar estratégias sobre o uso de recursoslocais e remotos, sobre uma mesma infra-estrutura de TI. Essa visão também envolve osprincipais conceitos presentes hoje em dia no setor, como o SAAS – Software as aService, a Web 2.0 e uma arquitetura SOA.A figura 2 ilustra esses principais conceitos:Figura 2 – Principais elementos do Software+Serviço: Web 2.0, SaaS e SOA.No centro, vemos as questões de entregade nossa infra-estrutura: funcionalidades desoftware podem ser entregues na forma de serviço, hospedados localmente em nossaempresa, em provedores parceiros ou mesmo em datacentersremotos com
    • provisionamento dinâmico, na direção da computação na nuvem. De fato, o modelo deentrega SaaSenvolve uma mais TI flexível, que pode compor diferentes níveis deoperação (ouSLA’s – Service LevelAgreement). Serviços hospedados localmente emservidores de nossa própria infra-estrutura tendem a responder de forma mais rápida doque serviços remotos, parcialmente conectados pela internet, seja por questões de acessoe latência de rede ou por condições de contrato ou interfaces customizadas para umcenário específico. Uma infra-estrutura local normalmente envolve maior especializaçãoe customização para o cenário de negócio da empresa. Ao mesmo tempo, serviçoshospedados na nuvem podem aproveitar o alcance global, com provisionamentodinâmico e o poder de computação elástico, que aumenta ou diminui conforme anecessidade da aplicação.Ainda na figura 2, a Web 2.0 (do lado esquerdo) agrupa questões focadas no usuário(consumidor), envolvendo a experiência de acesso e sua usabilidade, assim como asmedidas de acesso e monetização sobre o software. Hoje, as aplicações são consumidasatravés de diferentes interfaces como desktops, notebooks, netbooks, smartphones,pda’s, entre outros dispositivos. Essa variação de interfaces exige também um maiorsuporte a uma série de protocolos e formatos de dados, além de uma maior riqueza derecursos gráficos e melhor usabilidade e navegação. Ainda como recurso da Web 2.0, osoftware como serviço é tarifado de diferentes maneiras, seja via licença, subscrição oupor transação efetuada, além de aproveitar o volume de acesso para gerar renda atravésde propaganda e campanhas publicitárias sobre sua base de usuários. Todas essasformas de monetização são clássicas do modelo SaaS e estão presentes em diferentestipos de aplicação hoje em dia, principalmente em sistemas na Web, portaiscolaborativos, marketplaces na Web, entre outros.Finalmente, vemos as questões de SOA, contemplando a combinação de serviços e afederação de infra-estruturas. No ambiente corporativo, a visão de SOA busca o reusode serviços e workflows, permitindo a coordenação de processos de negócio, assimcomo o reuso de recursos e funcionalidades da infra-estrutura disponível. Essacombinação também deve estar disponível para os usuários, através de interfacesdinâmicas e aplicações de composição.Enfim, os conceitos acima envolvem diferentes produtos e plataformas para suarealização. A seguir, vamos percorrer algumas dessas tecnologias, a fim de realizar omodelo software + serviços em nossas empresas.5. Entregando software como serviço – SaaSInicialmente era uma visão de negócio para a exposição de funcionalidades na forma deserviços está se tornando uma opção real de publicação de funcionalidades também noambiente corporativo, entre departamentos, através de infra-estrutura local, remota ouna nuvem.
    • Um aspectos importante da arquitetura SaaS é o envolvimento de uma infra-estruturacompartilhada entre diversos clientes, o que caracteriza um de seus grandes desafios deconstrução. Quando pensamos em SaaS, o conceito de multi-inquilino está presente. Eleé referente ao uso do mesmo software e instância por vários clientes e empresas deforma simultânea. Em apresentações sobre SaaS, o termo tenanté utilizado para designaro inquilino, ou cliente que acessa o software pela web. O objetivo dessa abordagem édisponibilizar os mesmos recursos de software para um número muito maior de clientes.E essa visão tem suas bases no conceito da "Cauda Longa".5.1 Cauda longaVeja o desenho abaixo sobre a visão da Cauda Longa:Figura 3 – Gráfico da Cauda Longa / The Long Tail.O gráfico ilustra que conforme baixamos o custo de adoção, um número maior declientes pode adotar nossa solução. E esse número tende a crescer, aproveitando oalcance global do ambiente Web. No modelo SaaS de fornecimento de software,precisamos pensar em soluções e infra-estruturas de baixo custo, com altoaproveitamento de recursos por um número muito grande de clientes, para atingirmosum público não suportado hoje em dia, devido os custos proibitivos de entrada.6. O modelo de maturidade SaaSA partir dos conceitos do SaaS, fica claro o impacto na construção de uma arquiteturabaseada nesse modelo. Existem diversas necessidades de tecnologia e infra-estruturaque precisam ser atendidas para que essa visão seja suportada. Um modelo dematuridade SaaS é apresentado a seguir:
    • Figura 4 – Modelo de maturidade SaaS, sobre a evolução do suporte multi-inquilino.Note que no quadrante 1, a solução possui uma instância dedicada para cada inquilino(tenant) ou usuário do sistema. Isso garante um completo atendimento das demandas docliente, mas com elevado custo de operação e manutenção devido a ausência decompartilhamento de recursos e customização elevada.No quadrante 2, a solução ainda apresenta uma instância dedicada para cada inquilino,porém, já é possível observar que a solução é a mesma, com nenhuma customizaçãopresente. Isso garante um custo menor de manutenção, já que a mesma solução atende adiversos clientes.No quadrante 3, a solução é multi-inquilino (multi-tenant) e apresenta totalcompatilhamento de recursos, havendo uma única instância para todos os clientes. Noteque questões importantes para o tratamento de metadados, assim como manutenção emodelagem do banco de dados estão presentes aqui.Finalmente, o quadrante 4 permite um atendimento diferenciado para inquilinos queexigem elevada demanda de recursos, havendo uma carga balanceada na infra-estruturado provedor da solução SaaS (o chamado tenantloadbalancer).Considerando o modelo SaaS de funcionalidades como serviços, podemos imaginarserviços implementados localmente, assim como serviços consumidos a partir deprovedores externos ou datacenters remotos, com provisionamento dinâmico. Comoprincipal ambiente para suporte desse modelo.
    • 7.BenefíciosComparando com o modelo tradicional de distribuição de produtos de software (no qualo cliente adquire a licença de uso e se responsabiliza pela instalação e manutenção emprodução) podemos destacar as seguintes vantagens do modelo SaaS para os clientes: Não exige que o cliente crie uma estrutura e capacite os profissionais para manter o sistema funcionando, permitindo que ela se foque no seu negócio Permite uma abordagem gradual de implantação, podendo começar com poucas licenças e expandir conforme tiver um retorno positivo do seu investimentos, reduzindo os riscos e o tempo para o retorno do investimento Permite aumentar ou reduzir as licenças ao longo do tempo, de acordo com as necessidades do negócio. A implantação pode ser feita com pouca dependência das equipes de TI da empresa, não disputando prioridade com outros sistemas e podendo reduzir os tempos de implantação8.Modelos de cobrançaNão é necessariamente a tecnologia utilizada que determina o modelo. O softwareutilizado pode ser 100% web (utilizado via browser) ou pode ter alguma instalação local(como anti-vírus ou sistemas de backup). A característica principal é a não aquisição daslicenças (mas sim pagar pelo uso como um "serviço") e a responsabilidade dofornecedor pela disponibilização do sistema em produção.São comuns os seguintes modelos de cobrança no SaaS: valor recorrente (geralmente mensal) proporcional ao número de licenças utilizadas valor recorrente (geralmente mensal) proporcional ao uso (ex.: disparo de e-mail marketing) propaganda (banners) Freemium - com versões gratuitas e pagas de acordo com as funcionalidades disponíveisComo exemplo, tenha em mente um sistema de controle de emails.Se um cliente entra em contato com uma empresa para que esta desenvolva umasolução, a empresa vai cobrar cerca de $$2.000,00 para desenvolver tal software e omesmo será de propriedade do cliente.Se uma empresa desenvolve a solução, a solução será da empresa e poderá vender oproduto quantas vezes quiser cobrando os mesmos $$2.000,00.Se uma empresa desenvolve a solução e disponibilizá-la na internet dentro de seupróprio servidor e não cobra nada para seus clientes se cadastrarem, nada para receberemail e com um limite de 99 GB de armazenamento, mas vai cobrar pelo envio de emaila quantia de $$0,01 e a mensalidade de $$10,00 por outros serviços adicionais, aí ficacaracterizado a obtenção de receita através de SaaS.
    • O SaaS quando utilizado de forma inteligente possibilita ganhos de receita variável quea longo prazo são mais viáveis que a venda de software comum. Pois cobrando-se comoserviço, não pesa no bolso do cliente, podendo-se obter uma quantidade infinita denovos consumidores.O dono do software continua sendo a empresa que a produziu e seus clientes sempreterão a solução mais atualizada a custos viáveis.Importante notar que uma grande diferença em todos os casos do modelo tradicional é obaixo desembolso inicial e o pagamento ao longo do tempo pelo uso do produto.9. Uma plataforma como serviçoDe forma simplificada, podemos definir o cloudcomputing ou computação na nuvemcomo um ambiente de processamento e armazenamento de dados massivo, de altaescalabilidade e alta disponibilidade, acessível via interfaces web como HTTP, REST eSOAP, instalado em datacenters de última geração espalhados pelo mundo.A computação na nuvem oferece o poder da alta escalabilidade e alcance global com osconceitos de software como serviços oferecidos pelo SaaS.Figura 5 – Proposta de taxonomia para a computação na nuvem, conforme propostoAs aplicações na nuvem (cloudapplications), assim como os recursos disponíveis pelainfra-estrutura na nuvem, como a plataforma (PaaS - Platform as a Service), acomunicação (CaaS - Communication as a Service), o armazenamento (DaaS – Data asa Service), o processamento (IaaS – Infrastructure as a Service), etc.Alguns frameworks de camadas sugeridos para a computação na nuvem, procuraorganizar os vários recursos disponíveis no ambiente.
    • 10.SaaS é adequado para a minha empresa?A solução SaaS é indicada principalmente para Pequenas e Médias empresas poispermite que elas tenham acesso a boas soluções de tecnologia sem que façam grandesinvestimentos em hardware e infraestrutura.SaaS pode não ser realmente adequado para qualquer empresa, assim como nem todosoftware empresarial pode ser entregue no modelo de SaaS.Os critérios-chave nesta avaliação são: o tipo de processo ou função para o qual você está considerando uma solução de SaaS até que ponto você precisa customizar a solução de SaaS (como visto no artigo anterior, a pouca customização dos softwares no modelo SaaS tem vantagens e desvantagens) até que ponto é preciso integrar um software em SaaS com outros sistemas (tanto internos como externos) a maturidade da aplicação Se a empresa está procurando adotar processos estabelecidos para uma funçãoespecífica, como CRM, automação de força de vendas ou gestão de armazém, umasolução de SaaS pode funcionar bem. Mas se você está tentando destacar sua empresapor meio de práticas diferenciadas de serviço e atendimento ao consumidor ou supply-chain, você provavelmente preferiria um pacote flexível de software.11.AplicaçõesA Web é uma poderosa plataforma para a criação de aplicações inovadoras que mudamnossa forma de fazer negócios (como AdWords, do Google), interagir socialmente(Orkut, também do Google, e Second Life), recebermos informação (e-mails, RSS,blogs, wikipédia) e nos divertirmos (YouTube e Joost). São exemplos dosprincipaisSaaS utilizados na Web 2.0 por usuários domésticos, que muitas vezes não sabem queestãoutilizando esse tipo de aplicação.2)O Portal Nacional do Documento Eletrônico é o mais completo e seguro portal deserviços de assinatura digital de documentos eletrônicos da Internet brasileira. É umasolução SaaS(Software as a Service) de Assinatura Digital e Gerenciamento deIdentidade que permite, dentro de um único ambiente integrado, assinatura digital,armazenamento, compartilhamento, gerenciamento e consulta de documentos,contratos, procurações e outros tipos de documentos eletrônicos, incluindo controle depoderes & alçadas e workflow de obtenção de assinaturas e de envio de notificações.
    • 3) No final de 2009 a IBM lançou no mercado o TivoliLive, um ambiente demonitoração disponível no modelo “Monitoring as a Service”. Noutro exemplo temos asjá conhecidas Box.net e Salesforce.com, que integraram o modelo de armazenamento dedocumentos de uma com o de gestão de relacionamento com clientes da outra,oferecendo novos serviços combinados no modelo “Software as a Service” (SaaS).4)Com o MicroStrategy Cloud Personal, os utilizadores podem ver epartilhardashboards na Web ou via o iPad da Apple, permitindo-lhes responder aperguntas de negócios de forma rápida e fácil, sem necessidade de comprar software ouesperar pelo departamento de TI. Fácil de usar e com configurações de segurança quepermitem aos utilizadores escolherem as visualizações que pretendem partilhar e quaisdevem permanecer em privado.12.ConclusãoAs aplicações de SaaS são muito bem projetadas para trabalhar em interoperabilidade.Pelo fato dos fornecedores terem de criar software que muitos e diferentesconsumidores precisam vincular aos sistemas internos facilmente, eles dão especialatenção a tudo que facilita a integração dos softwares, como troca de dados e ambientesde programação adequados.O modelo SaaS abre uma oportunidade para clientes e fornecedores de softwarerepensarem seu relacionamento. O modelo SaaS substitui estas relações transacionaispor prestação de serviços onde a relação é essencial para continuidade do contrato. Osdois lados devem entender e garantir que seus direitos e deveres sejam cumpridos.Novos tempos, nova maneira de se pensar software!13.Referênciashttps://www.ibm.com/developerworks/mydeveloperworks/blogs/tlcbr/tags/saas?lang=enhttp://www.infopar.com/br/servicos/desenvolvimento-de-software-saas-software-como-servico.aspxhttp://www.superindustria.com/main/modules.php?name=Spaces&file=zpagesnc&id_zpace=17&id_mod=227&id_x=8137&zpacesquery=SaaShttp://www.qualisoft.com.br/produtos/produtos.aspwww.nextgenerationcenter.com/scriptServices/courseToPdf.ashx?...www.wikipedia.org