• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Revista Estilo Damha Nº 3
 

Revista Estilo Damha Nº 3

on

  • 1,966 views

Revista da Damha Urbanizadora com muita informação e dicas de lazer. Especial Feira de Santana, entrevista com as gêmeas do nado sincronizado e especial Campo Grande.

Revista da Damha Urbanizadora com muita informação e dicas de lazer. Especial Feira de Santana, entrevista com as gêmeas do nado sincronizado e especial Campo Grande.

Statistics

Views

Total Views
1,966
Views on SlideShare
1,966
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
24
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • PARABÉNS PELA MATÉRIA , O SILÊNCIO DOS INOCENTES !
    MUITO CONSCIENTIZADORA ! O FUTURO É ESSE , VIVA A NATUREZA E A BICHARADA !!!
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Revista Estilo Damha Nº 3 Revista Estilo Damha Nº 3 Document Transcript

    • 2 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 3
    • EDITORIAL 6 Especial Feira de Santana Conheça a cultura, história e diferenciais da nova metrópole do nordeste Expediente A revista Estilo Damha é uma publicação bimestral da Damha Urbanizadora 30 Capa: Entrevista com Bia e Branca 35 e distribuída a todos os clientes e moradores dos empreendimentos Especial Campo Grande da Damha Urbanizadora. Saiba o que a ‘cidade morena’ tem que encanta quem passa por ela José Paranhos Diretor Superintendente Akira Wakai Diretor Técnico 46 3º Encontro Damha Nélio Galvão Diretor Comercial Luiz Lissner 54 Ações do Bairro Sustentável 50 58 Diretor Administrativo-Financeiro Juliana Liberati Diretora Jurídica Moda: Novo e Repaginado 68 Fernanda Toledo Diretora de Relacionamento com o Cliente Paulo Montini Entrevista com Lenine Gerente de Marketing Amauri Barbosa Junior Gerente de Processos Daniele Globo 78 Arquitetura: Cenário de Gata Borralheira? A boa alimentação 86 Coordenação e Pauta da madrugada Edson Suguihara Analista de Marketing Aconteceu nos residenciais Damha Dirlene Ribeiro Martins Revisão Fotos: ACM, Antônio Carreiro, Catherine Quem somos? Ashmore (Disney), Carlos Augusto (Guto Jads), Décio Junior, Elis Regina Nogueira, Filippe Araújo, Guilherme Gongra, Henrique A Damha Urbanizadora é uma empresa parte do Grupo Encalso Damha, conglomerado em- Santos, James Vaughan, Marília Dominicci, presarial fundado em 1964, que atua nos seguintes segmentos: Engenharia Civil, Agronegócios, Museu Parque do Saber, Namour Filho, Raphael Carmona e Thiago Coelho Shopping Center, Concessão de Rodovias, Energia e Empreendimentos Imobiliários. Textos: Editora 10 (Adilson Fraga Jr., Décio Presente no cenário nacional desde 1979, a Damha desenvolve e executa loteamentos fe- Junior, Stella Martins e Marília Dominicci) e chados e condomínios residenciais, reconhecidos pela alta qualidade urbanística e construtiva. Jorge Almoas Em seus projetos, aplica o que há de melhor em conceito de urbanismo no País e infraestrutura Tiragem: 20 mil unidades qualificada, em perfeita harmonia com o meio ambiente. Ao projetar empreendimentos que inte- gram padrão diferenciado de moradia, lazer e segurança, a Damha transforma o cotidiano dos Editora 10 Comunicação moradores e das cidades em que se insere. São Carlos / SP - Fone (16) 3413 4637 A Damha Urbanizadora conta atualmente com 46 empreendimentos e mais de 17 mil unida- des comercializadas e está presente em 14 Estados brasileiros, sendo que em seis deles – São Paulo, Minas Gerais, Sergipe, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Goiás – com empreendimentos já implantados. Em 2012, obteve crescimento de 72%, alcançando um Valor Geral de Vendas (VGV) SELO FSC de aproximadamente R$ 600 milhões. O land bank total é de mais de 90 milhões de m², em 96 áreas, que podem gerar mais 150 empreendimentos.4 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Em 2013, queremos estar EDITORIAL muito mais próximos de você o ano de 2013 está apenas no que, além de ser um novo canal de relacio- início. Mas, para a Damha Ur- namento, também vai oferecer uma série de banizadora, ele já começou há benefícios para os membros cadastrados. muito tempo, com planejamen- Vale lembrar também o importantíssimo to e dedicação, para podermos, cada vez trabalho de promoção social e sustenta- mais, promover um relacionamento dura- bilidade realizado pela Associação Bairro douro com você. Sustentável junto às comunidades vizinhas Apesar do significativo crescimento da aos nossos empreendimentos, levando de- empresa no ano passado, o diálogo e a senvolvimento e cidadania a quem precisa proximidade que nos fizeram conquistar e fortalecendo um relacionamento cada sua confiança continuam sendo parte da vez mais saudável entre as partes. nossa essência, do nosso DNA, e esta- Por fim, é importante realçar os próximos mos trabalhando em várias frentes para passos da Damha Urbanizadora nesse pro- expandir cada vez mais essa relação. cesso de desenvolvimento para se tornar Depois da reformulação radical sofrida uma das mais sólidas empresas do setor no ano passado, a revista Estilo Damha no País, fato que naturalmente se reflete continuará evoluindo ao longo de 2013. em benefícios para vocês, nossos clientes Além de se tornar bimestral, estamos e parceiros. Temos previsto para lançar em trabalhando para tornar sua leitura algo 2013 pelo menos 13 novos empreendimen- cada vez mais natural e desejado, tra- tos, tanto em praças novas como Marília, zendo novidades e tendências de mer- Birigui e Ipiguá (SP), Feira de Santana (BA), cado, novas seções, interatividade e no- Campos dos Goytacazes (RJ) e Florianópo- tícias ligadas aos interesses e estilo de lis (SC), quanto em praças em que já esta- vida de quem mora e/ou investe em um mos presentes como Mirassol, Araraquara, empreendimento Damha. Piracicaba e São Carlos (SP), Campo Gran- Também estamos acertando os últimos de (MS), Uberaba (MG) e Cidade Ocidental detalhes do Programa de Relacionamen- (GO). É o melhor conceito de urbanismo do to Damha para Você, um portal inédito País, de fato, se espalhando pelo Brasil. que será lançado nos próximos meses e Até breve. JOSÉ PARANHOS diretor Superintendente Damha UrbanizadoraFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 5
    • Estamos chegando a Feira de Santana (BA) Residencial Village Damha I, com área total de 443 mil m², terá 610 lotes residenciais.Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande BahiaVista Aérea de Feira C om investimento da ordem de R$ 48 mi- mentos lançados pela Damha Urbanizadora: o de lhões, o Residencial Village Damha* terá desenvolver o melhor em urbanismo no País, com 610 lotes residenciais com dimensões en- altíssima qualidade construtiva, que é reconhecido tre 302 e 506 m² aproximadamente, em como diferencial da empresa. Suas características uma área total de 201 mil m², além de um lote desti- únicas estimulam o convívio e a vizinhança entre nado à parte comercial de 15,9 mil m². Ainda, há es- os moradores. paços reservados exclusivamente para área verde e O padrão urbanístico da Damha, e que mar- de lazer da ordem de 68,5 mil m², ou 15,5% do total. ca também este empreendimento, é baseado em cinco pilares principais: itens de segurança, lazer, Conceitos que estimulam o convívio infraestrutura, natureza e normas construtivas, sem- O Residencial Village Damha I apresenta o mesmo pre com grandes espaços verdes, para utilização conceito inovador adotado nos demais empreendi- da natureza com baixo impacto no meio ambiente. *O loteamento Residencial Village Damha I encontra-se em processo de registro. Nos termos do disposto na Lei 6.766/79, as vendas só serão iniciadas após o registro do empreendimento junto ao Oficial de Registro de Imóveis competente.6 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Vista noturna: Portaria - Damha II São Carlos (SP)Foto Arquivo Infraestrutura: obras de construção que obe- Natureza: preocupação com o meio ambiente decem a um rigoroso padrão técnico, pro- e a sustentabilidade, presente nas decisões cessos internos de verificação e checagem de projeto, na valorização e nos cuidados de qualidade. Os elementos de infraestrutura com as áreas verdes, no desenvolvimento do incluem guias e sarjetas, pavimentação, dre- paisagismo integrado ao entorno e na defini- nagem, rede de distribuição de energia elétri- ção dos sistemas construtivos. O objetivo é, ca e iluminação pública, sistema de abaste- além de tudo, agregar valor ao imóvel. São cimento de água potável e coleta de esgoto, diversas praças com paisagismo no entorno lixeiras, galeria de águas pluviais, pavimenta- e pista de caminhada ao redor de todo o em- ção asfáltica, revestimento vegetal, arboriza- preendimento. ção e itens de acessibilidade. Segurança: portaria social e portaria de ser- Lazer: quadra poliesportiva, quadras de tê- viços independentes, com controle de aces- nis, quadra de vôlei de areia, minicampo de so em ambas, são 9 cancelas automáticas (6 futebol infantil, campo de futebol suíço (todos sociais e 3 de serviços), além de câmeras e com sistema de iluminação), piscinas adulto sensores ligados a uma central de segurança e infantil, playground, espelho d’água e cen- para monitorar as áreas comuns internas e até tro de convívio, com academia e amplo espa- as externas. O empreendimento conta tam- ço para interação. bém com muros delimitadores e uso de gradis. Perspectiva artística meramente Ilustrativa Perspectiva artística: Cinturão Verde - Damha São Luís (MA) Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 7
    • Foto Museu Parque do Saber Feira de Santana, a capital do sertão Junção de três importantes rodovias federais, a cidade, que já foi ponto de encontro de vaqueiros mercadores de toda a Bahia no século XVIII, apresenta-se hoje como a grande potência econômica do interior no Nordeste 8 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Q uando se deixa Salvador a caminho do interior baia- no pela BR-324, logo se nota a confluência da zona da mata e do litoral. Percorrendo 108 km em direção ao oeste do Estado, os tabuleiros do semiárido dão as caras e, aos poucos, um portal anuncia que estamos próxi- mos de Feira de Santana, cidade que ganhou de Ruy Barbosa o codinome de “Princesa do Sertão”. Ainda no século XVIII, dada a sua posição geográfica, a fa- zenda Olhos D’Água se tornou um ponto de aglomeração e de pouso para viajantes e tropeiros que vinham das regiões Norte e Centro-Oeste do país. Ponto de ligação dos Estados de Goiás e Piauí, os proprietários da fazenda montaram ali duas capelas, uma em homenagem a São Domingos e outra para Santa Ana. A fonte Olhos d’Água e a capela de Santana, como passou a ser chamada, acabaram por atrair ainda mais os viajan- tes e tornaram-se ponto de parada obrigatório dos vaqueiros mercadores que seguiam para Salvador para vender o gado. Essa concentração de viajantes deu origem a uma feira que por muitos anos ocupou a praça do Mercado das Artes. Mo- radores locais da fazenda também ofereciam ali seus produ- tos, como o café, o milho e a cana. E a troca de mercadorias se tornou comum nessas terras, que em 1873 recebeu a de- nominação de cidade. Vista Aérea de FeiraFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 9
    • Foto Décio JuniorComércio no Mercado das Artes10 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Das feiras dos vaqueiros a potência econômica U ma boa transação exige, certamente, negociação e, como bom mercador, feirense que se preze sabe disso muito bem. “Ele é capaz de se sentar num restaurante, fazer um pedido e, no instante de pagar, ainda tentar negociar o valor, mesmo que este esteja descrito de forma clara no cardápio”, conta um dos diretores do Sindicato de Bares e Restaurantes da cidade, Vitor Behrmann. Uma brincadeira divertida que ajuda a identificar o modo como os moradores de Feira de Santana fazem negócio. Não para levar vantagem, mas uma característica própria que corre no sangue dessa gente. Para quem pretende investir em Feira, atenção aos números. Segundo a Associação Comercial, mais de 24,5 mil empresas estão cadastradas formalmente na cidade, e o comércio representa 38% desse montante. Com os avanços econômicos, principalmente na última década, o setor de prestação de serviços au- mentou, tornando-se uma via importante de geração de emprego e renda para os feirenses. Hoje, o setor terciário representa 54% das empresas do município.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 11
    • Foto Décio Junior Av. João Durval Carneiro, uma das principais ligações leste-oeste da cidadeFoto ACM Complexo José Ronaldo de Carvalho12 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Mesmo em número inferior – apenas 8% –, a indústria tem em Feira de Santana um local estratégico de produção e, principalmente, de distribuição dos produtos. Isso porque a cidade é ponto de encontro entre a BR-101, que liga o Norte ao Sul do país (RN/RS), a BR- 116, que faz a ligação do Nordeste com o Sul (CE/RS), e a BR-324, que liga o interior do Nordeste, desde o Maranhão até o litoral baiano, chegando a Salvador. Empresas como Le Biscuit, Paradise Indústria Aeronáutica, Pirelli e Nestlé ajudam na geração de emprego, e os investimentos do setor industrial contribuem para que Feira de Santana tenha o maior PIB do interior das regiões Norte e Nordeste, de R$7,4 bilhões, segundo o IBGE. E, no que depender da atual administração, Feira de Santana deve fortalecer ainda mais o setor. “Queremos desenvolver projetos em parceria com a iniciativa privada”, comenta o pre- feito José Ronaldo, que depois de quatro anos volta ao comando do poder executivo local. Para ele, incentivar e facilitar os investimentos na cidade é garantia de que Feira de Santana possa continuar crescendo como grande referência econômica do interior Norte-Nordeste. Foto ACM Praça do Centro Comercial de FeiraFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 13
    • Foto Décio Junior Feira de Santana e a preservação de sua memória Casario Froés da Motta: Fundação Senhor dos Passos 14 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 15
    • Foto Décio Junior A preservação da memória históri- ca e cultural de Feira de Santana passa pela Fundação Senhor dos Passos. Fundada em 1996 por ini- ciativa da comunidade local, seu objetivo é resgatar a história do município em docu- mentos e publicações e desenvolver proje- tos que possam preservar os patrimônios ar- tísticos, culturais e arquitetônicos da cidade. Uma das iniciativas da Fundação foi a aqui- sição e reforma do Casario Froés da Motta, sede da Fundação Senhor dos Passos e lo- cal de grandes eventos da cidade. A residência da Família Froés da Motta foi construída no início do século XX e traz de- talhes da arquitetura europeia moderna para a época. Seu proprietário, o Coronel Agosti- nho Froés da Motta, segundo documentos guardados na Fundação, inspirou-se em uma casa que conhecera em Hamburgo, em uma de suas viagens pela Europa. Mas foi seu fi- lho, o então prefeito Eduardo Motta, quem inaugurou a casa, em 6 de setembro de 1924. O evento foi grandioso, noticiado pelo jornal Folha do Norte, que à época destacou a bên- ção, o champagne servido aos convidados, a música recitada pela Filarmônica 25 de Março e o grandioso baile. A festa, como é de se es- perar na Bahia, não durou apenas um dia, e só terminou no dia 8 de setembro. Uma visita ao Casario é quase uma obriga- ção para quem quer conhecer a história de Feira de Santana. O prédio hoje faz parte de um inventário de proteção do Acervo Cultural da Bahia, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural do Estado. 16 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Paço Municipal Outro símbolo histórico da cidade é o Palace- te Maria Quitéria, localizado no cruzamento da avenida Getúlio Vargas com a rua Senhor dos Passos. Construído para abrigar a intendência municipal, ainda hoje é a sede da prefeitura. O prédio passou por um período de degra- dação, mas foi restaurado e reinaugurado em 2007. Os detalhes arquitetônicos estão na fa- chada, nas sacadas e nas janelas. O interior ainda preserva duas escadarias, uma feita em madeira e outra revestida em mármore. Palacete Maria Quitéria: Paço MunicipalFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 17
    • Fotos Décio Junior Casarão Olhos d’Água 18 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Casarão Olhos d’Água A sede da fazenda que deu origem ao muni- cípio de Feira de Santana sofreu com a degra- dação ao longo dos anos. Não se sabe ao cer- to a data de sua construção, ainda no século XVIII. No entanto, em 2006, o Casarão foi recu- perado pelo programa FazCultura, do governo da Bahia, e por uma parceria que envolveu a prefeitura e empresários locais. O casarão hoje é palco de eventos como exposições e lançamentos de obras artísticas. ÚTIL: Casario Froés da Motta Fundação Senhor dos Passos Rua General Câmara, 56 Fone: (75) 3614-0022 Palacete Maria Quitéria Paço Municipal Avenida Senhor dos Passos, 212 Fone: (75) 3614-8082 Casarão Olhos d’Água Rua Araújo Pinho, 1331 Bairro: Olhos d’ÁguaFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 19
    • Feira do conhecimentoParque do Saber: Salão de Exposição20 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Foto Décio Junior H á menos de 70 km de Feira de Santana fica Santo Amaro, cidade em que nasceu Caetano Veloso e onde está sepultada a sua mãe, Dona Canô. Em parceria com Flávio Venturini, Caetano, canta, em “Céu de Santo Amaro”, a seguinte estrofe: “Olho para o céu. Tantas estrelas dizendo da imensidão Do universo em nós (...)” Imensidão que se vê também no céu de Feira de Santana. À noite, passeios por áreas mais afastadas da cidade nos permitem contemplar um céu infinito, com suas estrelas, galáxias e mistérios que estão a anos-luz da nossa realidade. Mas em Feira de Santana há um lugar onde se pode conhecer um pouquinho desses mistérios e aprender com propriedade os assuntos do universo: o Museu Parque do Saber. O museu abriga um pla- netário que conta com uma tecnologia de projeção de vídeos em uma cúpula de 13 metros de diâmetro. O investimento foi da ordem de R$ 8 milhões, o que faz do planetário um dos mais importantes da Amé- rica Latina, ao lado do de Buenos Aires. O projetor importado da Alemanha utiliza uma tec- nologia moderna de alta definição. Ele consegue fa- zer um mapeamento celeste em que as estrelas se deslocam conforme a visão de cada parte do plane- ta. No museu há cerca de 15 títulos de documentá- rios que tratam do fundo do mar e do universo. A capacidade é para 165 pessoas, mas, segun- do um levantamento feito pelo próprio museu, mais de 200 mil pessoas, entre estudantes, professores e pessoas interessadas em conhecer o planetário, já passaram pelo local.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 21
    • A universidade do Sertão No intuito de garantir um ensino de qualidade e de descentralizar a formação acadêmica, o governo baiano, em parceria com o federal, ainda na década de 1960, criou em Feira de Santana uma Faculdade de Educação que, dois anos depois, foi denominada de Fundação Universidade de Feira de Santana. Instituição referência para os estudantes do centro-norte do Brasil, os pri- meiros cursos da instituição foram na área de licenciatura em línguas (inglês e francês), ciências, matemática, enfermagem, economia e construção civil. Só a partir da década de 1980 a Instituição de Ensino Superior de Feira de Santana ganhou o status de Universidade, após uma reforma administrativa estadual. Com isso, a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) am- pliou os investimentos e hoje é considerada uma das melhores instituições do país, oferecendo cursos nas áreas de humanas, exatas, tecnologias, ciências e artes. Feira de Santana conta ainda com outras oito universidades particulares. Foto Décio JuniorUniversidade Estadual de Feira de Santana22 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Foto Décio Junior CUCA MRA CUCA ÚTIL: A Universidade Estadual de Feira de Santana fundou, em 1995, o Centro Universitário de Cultura e Arte (CUCA), uma Museu Parque do Saber unidade responsável pela gestão da política cultural da univer- Rua Tupinambá, 275 sidade. Essa iniciativa permitiu que as atividades, antes reali- Bairro São João zadas pontualmente dentro do Campus, pudessem ocorrer de Fone (75) 3624-5058 forma permanente e mais ampla e fossem ofertadas também Agendamento: para o público não acadêmico. A integração ciência e arte é mpsagenda@pmfs.ba.gov.br outra proposta do CUCA, uma maneira de estimular novos es- tudantes no desenvolvimento da iniciação científica e cultural. Universidade Estadual Hoje, o Centro abriga galeria de arte, espaço para realização de Feira de Santana de oficinas artísticas, teatro, biblioteca e sala de vídeo. Av. Transnordestina, s/n Além de conhecer as atividades desenvolvidas pelo CUCA, www.uefs.br quem estiver em Feira de Santana deve agendar uma visita ao prédio principal da instituição. Construído no início do século CUCA – Centro Universitário passado, ele foi sede da Escola Normal de Feira de Santana e de Cultura e Arte hoje abriga o Museu Regional de Arte (MRA), o primeiro museu MRA – Museu Regional de Arte da cidade, constituído em 1967. Durante a Segunda Guerra Rua Conselheiro Franco, 66 Mundial, a escola também serviu de alojamento para o 18º Ba- Fone: (75) 3221-9766 talhão de Infantaria da 6ª Região Militar. Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 23
    • Passeando pela cidade Ao passar por Feira de Santana, muitas pessoas podem se deixar levar pela correria do comércio, dos negócios e pela agitação natural de uma grande cidade, sem prestar atenção em detalhes curiosos da cidade que valem a pena conhecer. Destacamos alguns desses pontos para você entender um pouquinho melhor essa terra. Por Décio JuniorFoto Décio Junior Monumento à Maria Quitéria24 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Monumento à Maria Quitéria Nas primeiras décadas do século XIX, as terras baianas foram território de importantes movimentos contra o domínio português. Os chamados movimentos federalistas ergueram-se em lutas na província da Bahia, e uma mulher feirense se destacou: Maria Quitéria de Jesus, que fora alistada como “Soldado Medeiros”. Por sua bravura e coragem, a soldada chegou a ser defendida por seu comando dentro da corporação. Foi ainda condecorada, no Rio de Janeiro, pelo imperador Dom Pedro I, com a Imperial Ordem do Cruzeiro. Até hoje os feirenses se orgulham de sua heroína. No cruzamento das avenidas Getúlio Vargas e Mária Quitéria, um monumento relembra sua história e sua bravura. (Monumento feito pelos arquitetos Luiz Humberto de Carvalho e Juracy Dórea)Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 25
    • Foto Décio JuniorMonumento aos Caminhoneiros Monumento ao caminhoneiro Na praça Jackson do Amauri, próximo ao centro de Feira de San- tana, está o Monumento aos Caminhoneiros. Uma homenagem aos viajantes que desde o início da história passam pela cidade, num vaivém constante, levando e deixando suas mercadorias. Por cau- sa do encontro das três importantes rodovias (BR-101, BR-116 e BR-324), o trânsito de caminhões pelo entorno de Feira é intenso. E com a convicção de que o “Brasil passa por aqui”, o monumen- to simboliza a boleia de um caminhão, seguida por sua carroceria que ao final se divide em três arcos, simbolizando as três rodovias. (Monumento criado pelo artista plástico Gil Mário de Oliveira Menezes)26 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Décio Junior Feirense de laço nas mãos A atividade pecuária que começou em Feira de Santana no século XVIII ainda está presente por aqui. Mas, além dos criadores de gado, os apai- xonados por cavalos também estão, literalmente, pela cidade. Assim, não se assuste se, por acaso, você se de- parar com um grupo de cavaleiros em plena avenida Getúlio Vargas, numa quinta-feira à noite, misturando-se aos carros, motos e grupos de ciclistas. Feira de Santana registra cerca de 1.000 cavalos hospedados em hotéis de animais e haras. Além dos passeios noturnos, anualmente o grupo realiza a Cavalgada de Feira, que ganha for- ça a cada ano. O objetivo é incentivar a prática da cavalgada consciente e Cavalos em hotel de animais em Feira arrecadar dinheiro para entidades de apoio às pessoas em situação de vul- nerabilidade.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 27
    • Fotos Décio Junior Igreja de Santana A terra de todos os santos Que o baiano é um povo de fé, eu já sabia. Mas dei uma de São Tomé e fui ver pra crer. Era plena quinta-feira, por volta de 13h30, vi uma grande movi- mentação e ouvi uma cantoria que vinha da Igreja do Senhor dos Passos, localizada bem no centro da cidade, no cruzamento da avenida Getúlio Vargas com a rua que leva o nome do padroeiro. A igreja já tinha me chamado a atenção pelo estilo gótico cravado no sertão. Os vitrais trazem as imagens dos 12 apóstolos, além de Maria e José. No altar, vê-se a imagem de Nosso Senhor dos Pas- sos, Jesus Cristo, carregando a sua cruz a caminho do calvário. A 5 minutos do centro da cidade está a famosa igreja matriz. Construída no local da primeira capela da fazenda Olhos D’água, ela foi elevada a Catedral Diocesana em 1962, pelo Papa João XXIII. As celebrações em homenagem à santa padroeira dos fei- renses acontecem entre os dias 17 e 26 de junho. Mas a Bahia não é só católica. A Bahia é de todos os santos e de todos os fiéis, e Feira de Santana tem espaço de devoção para evangélicos, espíritas, budistas, irmãos da Umbanda e do Can- domblé e de religiões de tradições esotéricas. 28 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • A pesca no Jacuípe A água que chega a Feira de Santana pelo Rio Jacuípe desce do Morro do Chapéu, na Chapada Diamantina. Importante fonte de água e de alimento para dezenas de municípios, o Jacuípe chega a Feira como um rio grande e caudalo- so. Mesmo com o longo período de estiagem que se registra nessa região, o rio que passa por aqui é majestoso e ainda serve de espaço de lazer e de pesca.Foto Décio Junior A beleza do Rio Jacuípe foi transformada em ponto turístico local. Na Marina do Jacu, passeios de lancha, caiaque e pedalinho são opções para quem gosta de se aventurar nas águas do rio. Mas uma boa pescaria também faz parte do cotidiano do povo feirense. Fa- biano frequenta essas águas desde quando tinha 5 anos de idade. Hoje traz a mulher e os filhos para pescar nas águas do Jacuípe. Fabiano pesca no Jacuípe desde criança Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 29
    • CAPA O ENCANTO DAS SEREIAS Parceria e harmonia são palavras constantes na convivência das gêmeas Beatriz (Bia) e Branca Moreira Feres. Sempre grudadas, do café da manhã ao jantar, as atletas do nado sincronizado dão um show de beleza, inteligência, sensualidade, espontaneidade e carisma. A rotina diária se divide entre os compromissos de uma promissora carreira artística e uma carga intensa de treinos, com a finalidade de alcançar o patamar máximo nas seletivas que indicarão as representantes da seleção brasileira para as Olimpíadas 2016, realizadas no Rio de Janeiro (RJ), cidade onde nasceram. c om personalidades fortes, am- bas rejeitam o rótulo de “gos- tosonas”, como elas mesmas dizem, e buscam reconheci- mento por intermédio de muito trabalho, empenho, esforço e talento natural. Cariocas da gema e piscianas, a água sempre foi um elemento muito significa- tivo na vida da dupla. Como eram crian- ças hiperativas, começaram a fazer natação e ginástica rítmica desde os 3 anos. Já a descoberta do nado sincro- nizado ocorreu aos 7. Apaixonadas pela modalidade, entraram para a equipe brasileira em substituição às gêmeas Isabela e Carolina de Moraes, que hoje integram o Cirque Du Soleil. Nas pisci- nas não pararam de colecionar glórias, com títulos brasileiros, sul-americanos e excelentes colocações em mundiais. Em 2007 conquistaram a medalha de bronze por equipe durante os Jogos Pan-americanos do Rio. Em 2011, so- licitaram dispensa da seleção brasilei- ra para investir na carreira artística, na qual apresentaram vários programas naFoto: Guilherme Gongra MTV. Esta escolha afastou a dupla das Olimpíadas de Londres 2012, mas sem qualquer arrependimento. 30 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • { CAPA DNA Sintonizado: Encantando nos palcos aquáti-Foto: Guilherme Gongra cos ou à frente de projetos artísticos e publicitários, a agenda das gêmeas está lotada, e a afinidade entre as duas facilita o desenvolvimento de todas estas atividades. Bia é comunicativa e extrovertida, já Branca é mais contida e tímida. Em julho do ano passado venceram o US Open de nado sincroniza- do realizado nos Estados Unidos. Atualmente foram contratadas para apresentar o programa Dupla Dose, transmitido pela emissora Bradesco Esportes FM. Durante a gravação do comercial de lançamen- to do Residencial Damha II de Brasília, Bia e Branca concederam entrevista à Revista Estilo Damha. Estilo Damha – O nado sincronizado conquistou relativo ED – Qual a área artística preferida de vocês, entre os destaque na mídia pela beleza das atletas e perfeição trabalhos de modelo, atriz, repórter e apresentadora? dos movimentos. O que falta para se tornar um esporte Branca – Atriz a gente não é, só fizemos pequenas parti- popular? cipações em novelas. Bia – O que falta é um projeto de massificação, como Bia – Nós gostamos muito de apresentar programas, é construir piscinas públicas e uma política de incentivos uma área que estamos descobrindo e gostando bas- para todas as modalidades aquáticas, esquecendo um tante. pouco os esportes de quadra, como o vôlei, o basquete e o futsal. ED – Pelo fato de venderem uma imagem de irmãs inse- paráveis, vocês enxergam a possibilidade de uma car- ED – A ausência nas Olimpíadas de Londres permitiu- reira solo, cada uma seguindo uma área completamente -lhes crescer na carreira artística. Vocês trocariam o show diferente da outra? business por uma medalha de ouro? Bia – No momento, não, mas pode ser que um dia isto Bia – Não. Lógico que a gente adoraria ganhar uma me- aconteça, e será um processo natural, que uma vá para dalha de ouro, mas falta muito para o Brasil alcançar uma um lado e a outra para outro. medalha olímpica nessa modalidade, até chegar a uma Branca – Neste instante, tudo está dando certo em nossa final é extremamente difícil. O nosso esporte é político e, carreira e estamos no mesmo barco. além de muito treinamento, é necessário criar uma tradi- ção muito forte. ED – Quais os pontos positivos e negativos da beleza e da sensualidade? ED – Vocês pretendem participar das Olimpíadas Rio Bia – Vou ser bem sincera. Eu não me considero uma 2016. Como estão os ritmos dos treinamentos? pessoal sensual. Meu trabalho pode pedir isto, mas eu Branca – Ainda falta um pouco, mas já estamos treinando sou uma mulher. E eu só vejo positivo, porque a beleza muito forte. Já conquistamos o título US Open em Las chama a atenção para o nosso esporte e para o nosso Vegas, mas até lá muita água vai rolar. trabalho. Tem muita gente que acha que não se pode ser bonita e competente ao mesmo tempo, e isto é errado. ED – Há leis de incentivos fiscais para a cultura e o es- Branca – Não tem, apenas o critério de beleza para fazer porte. Em qual dessas áreas as empresas devem focar parte da seleção. seus investimentos? Bia – Eu acho que tem espaço para os dois. É muito ED – Qual a maior diferença de personalidade entre a Bia bacana esta lei de incentivo, mas é uma lei que muitas e a Branca? empresas, ainda, não utilizam. As Olimpíadas estão aí, a Bia – Eu, Bia, nasci ligada nos 220 volts e a Branca, nos Copa do Mundo também, e seria muito importante que 110 volts. isto saísse do papel, agora. Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 31
    • DAMHA NEWS Damha Urbanizadora é uma das vencedoras do Prêmio Marketing Best 2012 Foto Antonio Carreiro A Damha Urbanizadora foi uma das vencedoras do 25º Prêmio Marketing Best 2012, com o case “VillasDamha – Sua Casa do Seu Jeito”,sobre o empreendimento de casasprontas Villas Damha de CampoGrande (MS). O prêmio, concedidopela Editora Referência e Madia-MundoMarketing, é um dos princi-pais reconhecimentos do marketingnacional e foi entregue em uma ce-rimônia de gala realizada no HSBCBrasil, em São Paulo (SP). Equipe Damha recebendo o prêmio em noite de festan O sucesso de o final de novembro, a Damh­ Urbanizadora lan- a çou seu segundo empre- endimento na região deBrasília, o Residencial Damha II Bra-sília. Na esteira do lançamento doDamha I, em setembro, com 100% venda em Brasíliade suas unidades comercializadasem menos de duas semanas, o Da-mha II tem 517 lotes residenciaiscom área mínima de 360 m². De umaárea total de 491 mil m², aproxima-damente 207 mil m² estão reserva-dos para os lotes e 97 mil m² estãodes­ tinados exclusivamente paraárea verde e de lazer. Com investimentos da ordem de R$40 milhões, o empreendimento segueos diferenciais da empresa, de ofere-cer o que há de melhor em urbanismodo País, com base nos pilares integra-dos de moradia, bem­ star, lazer, se- egurança, respeito ao meio ambiente e Anúncio do lançamento do Residencial Damha II Brasíliainfraestrutura. estrelado por Bia e Branca (nossa capa deste mês)32 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Filippe Araujo DAMHA NEWS Vista do estande de vendas Residencial Damha é sucesso de vendas em Sergipe O Residencial Damha Sergipe, na Barra dos Coquei- O residencial ros, é o primeiro empreendimento da Damha Urbaniza- Com mais de 1 km de praia, o empreendimento traz à dora no Estado e um sucesso de vendas. Em menos de região um projeto de características únicas, aliado ao já um mês, cerca de 75% dos lotes foram vendidos. Par- conhecido padrão de qualidade urbanístico e construti- te desse sucesso se deve à estrutura montada desde vo da Damha. a campanha publicitária até a apresentação do espaço Com investimento da ordem de R$ 45 milhões, o Damha para os clientes. Residencial Sergipe está localizado na Rodovia José de Foram montados dois estandes: um no terreno do resi- Campos – Praia da Costa – Barra dos Coqueiros, a pou- dencial, para que os interessados pudessem conhecer o cos minutos do centro da capital sergipana. Ao todo, o espaço, e outro no Shopping Riomar, com o objetivo de empreendimento oferece 375 lotes com dimensões entre zelar pela comodidade dos clientes. 430 e 2.400 m², em uma área total de 890 mil m². O prefeito eleito da Barra dos Coqueiros, Airton Mar- tins, foi conferir de perto a movimentação e conhecer o empreendimento e acabou se tornando cliente. “É muito bonito, tem um projeto bastante diferenciado. Gosto de ver essas mudanças, só enxergo benefício para a Barra”, afirmou Airton. Paralelamente, em toda a cidade, ações publicitárias aconteciam. Uma delas, e a que mais chamou atenção, foi a ida do ator global Humberto Martins a Aracaju para apresentar o projeto à sociedade sergipana. Outro ponto forte foi a disponibilização de motoristas em caminhonetes 4x4 para levar os clientes a um passeio por todo o terreno do residencial. Ainda, montou-se um quiosque na beira da praia para o cliente sentir de perto a brisa do mar e conferir a paisagem que o aguarda. Ação publicitária realizada no trânsito Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 33
    • DAMHA NEWS Damha patrocina Social Jazz e m dezembro, a capital federal foi palco do So- O show do talentoso Stanley Jordan foi precedido pela cial Jazz, evento patrocinado pela Damha Ur- apresentação da cantora Ithamara Koorax. A brasileira, banizadora e que contou com a parceria da que começou a carreira interpretando bossa nova, é hoje Supermídia e da Associação Médica de Brasí- a terceira melhor cantora de Jazz do mundo, eleita, porlia. O festival reuniu dois ícones da atualidade: o guitar- votação, pelos leitores da revista americana Down Beat.rista Stanley Jordan e a cantora Ithamara Koorax. Natural de Chicago, um dos berços desse estilo mu-sical, Stanley Jordan, que já tem mais de 30 anos de Foto Raphael Carmonacarreira, arrasou em cena. Na apresentação exibiu suatécnica singular de tocar duas guitarras simultaneamen-te e também emocionou o público ao misturar o piano aosom da guitarra. Um dos monstros sagrados do Jazz mundial, Jordanapresentou também sucessos do presente e do passa-do. O americano lançou 14 discos, entre eles o premiadoálbum Magic Touch, que recebeu duas nomeações parao Grammy e Disco de Ouro. O mais recente trabalho,Friends, também fez parte do espetáculo. E nessa festa da música americana na capital do Bra-sil, a Damha contribuiu para que nomes da nossa músi-ca não ficassem de fora. Stanley Jordan se apresentouacompanhado pelo baterista Ivan “Mamão” Conti, inte-grante do lendário grupo Azymuth, banda dos anos 70que reunia em suas canções grandes influências musi-cais. O baixista Dudu Lima foi outro convidado. Stanley Jordan em evento em Brasília (DF) Um sonho de casa Um projeto lançado em Brasília e que reuniu renomados arquitetos realizou o sonho de pelo menos dez moradores do Damha I e II e m dezembro, a Damha Urbanizadora não interessados na contratação desses profissionais. Os trouxe o Papai Noel, mas deu um presen- sorteados puderam escolher o projeto de sua prefe- tão para os clientes de Brasília: sorteou rência, que teve os custos bancados pela Damha. 10 moradores dos residenciais Damha I e Essa foi uma ação pontual que serviu para fidelizar Damha II, que ganharam um projeto arquitetônico e valorizar os profissionais da arquitetura de Brasí- para a sua casa. lia e presentear os clientes dos residenciais Damha. A promoção “Um Sonho de Casa” aconteceu a par- Além disso, o encontro com os arquitetos foi uma tir de uma seleção de 30 renomados arquitetos do oportunidade que os nossos clientes tiveram de Distrito Federal, que pela primeira vez puderam expor conhe­ er os diferentes estilos de projetos para as c os seus portfólios para os clientes Damha, potenciais suas casas.34 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Vista noturna do Parque das Nações Indígenas em Campo Grande (MS) Fotos Elis Regina Nogueira Damha Urbanizadora lançará novo empreendimento em Campo Grande (MS) A Damha Urbanizadora está ampliando uma área central destinada ao lazer, com mais a sua presença em Campo Grande de 30 mil m², e um cinturão verde que circunda (MS). A empresa, que até o final de todo o empreendimento, com 13,6 mil m². 2013 projeta o lançamento de pelo “Queremos repetir o sucesso dos nossos menos 13 novos empreendimentos em diversos empreendimentos anteriores, cada vez mais Estados do País, lança em breve o Parque Resi- surpreen­ er o público campo-grandense e, aci- d dencial Damha IV*, com área total de 330 mil m². ma de tudo, oferecer a mais famílias o conceito Trata-se do quinto empreendimento na capital inovador adotado nos nossos loteamentos fecha- sul-mato-grossense. Além dos três residenciais dos: desenvolver o que há de melhor em urbanis- (Damha I, II e III), a urbanizadora ainda conta mo do País, com a altíssima qualidade urbanísti- com outro produto, o Villas Damha, condomínio ca e construtiva, que é o principal diferencial”, de casas prontas. analisa José Paranhos, Diretor Superintendente. O Parque Residencial Damha IV está localiza- do na R. Recanto das Águas, no prolongamento Mais convívio, mais qualidade de vida da Av. Marquês de Pombal, vizinho aos demais O Parque Residencial Damha IV apresenta al- residenciais Damha em Campo Grande. No to- gumas características comuns aos demais em- tal, estão previstos 340 lotes residenciais com di- preendimentos lançados pela Damha, visando mensões entre 360 e 692 m² aproximadamente, a estimular o convívio e a vizinhança entre seus em uma área total de 132 mil m². Além disso, há moradores, e outras características próprias. *O loteamento Parque Residencial Damha IV encontra-se em processo de registro. Nos termos do disposto na Lei 6.766/79, as vendas só serão iniciadas após o registro do empreendimento junto ao Oficial de Registro de Imóveis competente.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 35
    • Fotos ArquivoPortaria Damha II - Campo Grande Segurança: portaria social e portaria de serviços in- Infraestrutura: obras de construção que obedecem dependentes, com controle de acesso em ambas. a um rigoroso padrão técnico, processos internos de São 6 cancelas automáticas, além de câmeras e sen- verificação e checagem de qualidade. Os elemen- sores ligados a uma central de segurança para mo- tos de infraestrutura incluem guias e sarjetas, pavi- nitorar as áreas comuns internas e até as externas. O mentação asfáltica, rede de distribuição de energia empreendimento conta também com muros delimita- elétrica e iluminação pública, sistema de abasteci- dores de alvenaria, gradis e alambrados com mureta. mento de água potável e coleta de esgoto, galeria de águas pluviais, revestimento vegetal, arborização Áreas Verdes: preocupação com o meio ambiente e e itens de acessibilidade. a sustentabilidade, presente nas decisões de proje- to, na valorização das reservas ambientais a serem Praça Central: quadra poliesportiva, quadras de tê- preservadas e nos cuidados com as áreas verdes, no nis, quadras de vôlei de areia, minicampo de futebol desenvolvimento do paisagismo integrado ao entorno infantil, campo de futebol suíço (todos com sistema e na definição dos sistemas construtivos. O objetivo de iluminação), playground, espelho d’água, centro é, além de tudo, agregar valor ao imóvel. de convívio e vestiário. Centro de Convívio Damha I - Campo Grande36 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Elis Regina Nogueira Um lugar com tempo de sobraM orar em Campo Grande tem se tornado uma rena e até no Parque dos Poderes. É só colocar os tênis escolha habitual daquelas pessoas que bus- e contemplar a natureza enquanto se caminha ou corre. cam mais tempo e qualidade de vida. Você já conheceu as vantagens das curtas distâncias Para os que querem fugir da loucura dos gran- dentro da cidade e também para outros destinos próxi-des centros, a Cidade Morena se mostra uma opção viável mos. Mas há ainda outras duas características de Cam-e bela, que estimula uma vida mais tranquila e saudável. po Grande que merecem atenção: o clima e o céu. Por seu terreno plano e largas avenidas, as distâncias Os que ainda não conhecem a capital de Mato Grossoem Campo Grande são curtas. Converse com os mora- do Sul podem ser levados a acreditar que o calor nãodores e descubra que o tempo gasto entre sair de casa dará trégua. Mas logo o tempo muda, a chuva vem ee chegar ao trabalho é, em média, de 15 minutos. Com deixa a noite mais amena, com o céu pontilhado de es-trânsito, 20 minutos. trelas. Tempo frio? É raro e passageiro. O calor do sol, da As curtas distâncias facilitam ainda a prática de pes- terra e das pessoas é o que deixa todos fascinados porcaria ou a visita a um dos ecossistemas mais fascinantes Campo Grande.do planeta, o Pantanal. Aventurar-se em safáris fotográ- No final da tarde, o alento para quem trabalhou, estu-ficos e cavalgadas e conhecer de perto bichos como a dou ou apenas está cansado é gratuito. Basta erguer osonça-pintada, o tuiuiú e jacarés leva menos de 3 horas olhos para contemplar o espetáculo do pôr do sol.de carro, em municípios como Aquidauana e Miranda. Volte para casa admirando a miríade de cores que É o mesmo tempo que se leva para sair da capital e ir se desenha entre as nuvens, passeando por tons comoaté Bonito, um lugar que valoriza seu nome, oferecendo o laranja intenso, quase vermelho, o rosa mais claroopções como a Gruta do Lago Azul, o Abismo Anhumas até o roxo denso. Debaixo desse céu, Campo Grandee a flutuação no Rio Formoso, que deixam turistas mara- conta com excelentes serviços de saúde, bancários,vilhados pela água límpida e os cardumes de dourados shopping­ , opções de lazer e farta gastronomia, com sque circulam sem preocupação entre os banhistas. sabores japoneses, árabes, gaúchos e indígenas. Na principal avenida da cidade, a Afonso Pena, a prá- Tudo próximo e sem pressa, em outro ritmo. Um ritmotica de caminhada molda a paisagem do final de tarde. de quem passa as tardes tomando tereré e apreciandoE o esporte ainda tem espaço na Orla Morena, Via Mo- esse céu que só se vê por aqui. Venha conhecer!Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 37
    • Oásis no meio da metrópole, Parque das Nações Indígenas é cartão-postal de Campo Grande Jeito de interior, com vantagens de cidade grandeFotos Elis Regina Nogueira38 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Cidade plana, com largas avenidas arbo- Esse clima de interior é facilmente percebi- rizadas que desenham um local vivo, bonito do no jeito simples de falar e tratar das pes- e acolhedor, Campo Grande está localizada soas, acolhendo a todos como se fossem no cerrado brasileiro e conta atualmente com amigos distantes. Nas rodas de conversa cerca de 800 mil habitantes. Mesmo sendo em cadeiras de fio na frente das residên- capital de Mato Grosso do Sul, a cidade con- cias, o convite vem na forma da guampa cilia o clima interiorano com vantagens, op- cheia de erva-mate, molhada pela água ções e serviços de cidade grande. extremament­e gelada. Por Jorge AlmoasFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 39
    • Fotos Elis Regina NogueiraÉ o tereré, a versão do chimarrão gaúcho criada pe- los paraguaios e que se tornou símbolo de Campo Grande. Se a água permanece fria, a conversa segue sem pressa e a amizade logo se fortalece. E se a proposta é conhecer a Cidade Morena (apeli-do dado por conta da terra roxa e fértil que caracterizao município), comece pela principal avenida da cidade.A Afonso Pena se estende desde o Aeroporto Interna-cional e chega ao Parque dos Poderes, sede do poderExecutivo e Legislativo de Mato Grosso do Sul. Com o canteiro central reformado e transformado emciclovia, você pode se animar e fazer o trecho de bicicle-ta (mas é bom ter preparo, pois o percurso de 7,6 km exi-ge mais que boa vontade). Aliás, ciclovias é o que mais Obelisco na Avenida Afonso Pena, a principal via dase encontra em Campo Grande, considerada a terceira cidade, indo do Aeroporto ao Parque dos Poderescapital em extensão desse tipo de via. Na Afonso Pena, conheça o Obelisco, símbolo da prin-cipal via de tráfego da cidade, e visite a Praça Ary Coelho,um dos pontos mais importantes da história do município, Ótima opção de descanso e contemplação é o Lagoque ganhou fonte luminosa e colorida cujos tom e veloci- do Amor, localizado na área da UFMS (Universidade Fe-dade mudam de acordo com os acordes escolhidos, des- deral de Mato Grosso do Sul). Com grande espaço parade música clássica até os sucessos mais recentes. piqueniques e habitat de jacarés e capivaras (sempre Nesse caminho, a parada obrigatória é o Parque das elas), o Lago do Amor ganhou esse nome por ter sidoNações Indígenas, um dos maiores parques urbanos ponto de encontro de namorados em épocas passadas.do mundo, com 119 hectares de puro verde, rodeado Se a ideia ainda for conhecer espaços ao ar livre, não dei-de prédios residenciais e próximo ao Shopping Campo xe de visitar a Orla Morena. “Mas eu não sabia que CampoGrande, o mais antigo e tradicional da cidade. Grande tinha mar para ter orla?!”. Calma, a Orla Morena é O Parque das Nações Indígenas é ideal para passeios um espaço construído no local por onde antes circularam osem família, caminhadas, corridas e apreciação da belís- trens ferroviários que ajudaram no crescimento do municí-sima paisagem formada pelo verde, pelo lago e pelas pio. Com extensas pistas de caminhada, ciclovia e espaçosluzes do céu em noites quentes de verão. de convivência, a Orla é um convite à vida saudável, onde Em breve, o parque vai contar com o Aquário do Pan- você pode compensar o esforço da corrida ou da volta detanal, o maior aquário de água doce do mundo, previsto bicicleta com água de coco e, é claro, tereré.para ser entregue ainda em 2013 e com início da visi- Cansado de andar? Então, vamos às compras! Cam-tação para o ano que vem. No projeto do arquiteto Ruy po Grande conta com três shoppings (Campo Grande,Ohtake, 24 tanques vão abrigar 263 espécies de peixes, Norte Sul Plaza e Pátio Central), além de um quartoalém de jacarés e plantas aquáticas do Pantanal. A fauna empreen­ imento que deve ser inaugurado ainda em de flora pantaneiras dividirão espaços com os pássaros 2013, na saída para Cuiabá.e as famosas capivaras, que circulam despreocupadas A localização de Campo Grande ainda favorece quempor toda a extensão do Parque das Nações Indígenas. quer dar um pulo ao país vizinho e se esbaldar na com- Sabores que se encontram aqui: chipa, sobá,40 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • A pé, de bicicleta ou skate, Orla Morena é ponto de encontro dos adeptos da vida saudável Na Praça Ary Coelho, importante ponto histórico, A sopa, na verdade, é um bolo salgado de milho, queijo e fonte muda de cor e de ritmo cebola, com sabor forte e bastante apreciado em épocas em que não se consome carne, como a Semana Santa.pra de perfumes, eletrônicos e itens esportivos. A distân- Outro item do cardápio campo-grandense é a chipa, ver-cia até Pedro Juan Caballero, no Paraguai, é de 350 km, são com mais polvilho do pão de queijo mineiro e moldadacerca de 4 h de viagem. no formato da letra U. Café com chipa e sopa paraguaia é o Mas, se não quiser andar muito, a Cidade Morena dispõe lanche tradicional nas casas de Campo Grande.de um Camelódromo, espaço de comércio popular onde se Mas não há como vir à cidade e não provar o patri-pode encontrar desde lembrancinhas a preços irrisórios até mônio imaterial, o famoso sobá. Com a segunda maiorequipamentos completos para pesca, esporte que pode ser colônia japonesa do Brasil, Campo Grande adotou parapraticado nos pesqueiros no entorno da capital ou ainda em si os sabores orientais em sua culinária.municípios próximos, como Aquidauana. E o prato (criado na ilha de Okinawa) que leva macar- Depois de andar e comprar, é hora de degustar as co- rão cozido, carne suína (ou bovina, ao gosto do freguês),midas tipicamente sul-mato-grossenses. E a proximida- ovos em tiras e muita cebolinha, servido em caldo quen-de com os paraguaios tornou dois itens da culinária de lá te à base de molho de soja, é o que melhor representa oobrigatórios na mesa do campo-grandense. sabor de uma terra construída por muitas mãos e que en- A sopa paraguaia é tão peculiar que não se toma de co- controu nessa mistura de povos e raças sua identidade elher; pode-se comê-la de garfo e faca, ou ainda com a mão. maneira única de cativar quem por aqui chega.sopa paraguaia e tereréFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 41
    • Fotos Elis Regina Nogueira Os caminhos por uma Morena surpreendente Para quem escolhe viver em Campo Grande, a cidade oferece qualidade de vida como poucos lugares do Brasil. Mas, para quem está a passeio, a Cidade Morena surpreende com roteiros diferentes, programas familiares e sabores exclusivos. MEMORIAL DA CULTURA INDÍGENA Campo Grande é a única cidade do Brasil que con- ta com uma aldeia indígena no meio da cidade. Os indígenas de várias etnias (como terenas, kadiwéus e ofaiés) se adaptaram ao ambiente urbano e ganharam de presente um memorial para sua cultura. Visite o espaço formado por duas imensas ocas co- bertas com palha de bacuri e não deixe de levar para casa uma lembrancinha produzida pelos indígenas.As ocas de bacuri do Memorial guardam a arte de indígenas de várias etnias (os itens são vendidos)42 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Monumento do sobá em frente à Feira Central mostra importância da iguaria para Campo Grande FEIRA CENTRALFotos Elis Regina Nogueira Um dos passeios obrigatórios em Campo Gran- Experimente o sobá, prato que virou símbolo da de é à Feira Central, localizada na Esplanada Fer- cidade. Outra opção é o espetinho de carne, que roviária, próxima ao Armazém Cultural, que recebe em Campo Grande é servido com mandioca (ou com frequência exposições e eventos culturais. aipim): a carne é uma das melhores do Brasil, Confira as verduras, frutas e legumes fresquinhos vale a pedida. Não vá embora sem conhecer as e se delicie com os pastéis generosos, no tamanho lojinhas, com itens de ótima qualidade e preços e no sabor, e também com a culinária japonesa. atrativos. MERCADÃO MUNICIPAL Ponto de encontro de famílias que, principalmente nos finais de semana, buscam ingredientes para o al- moço, como carnes e peixes selecionados, o Mercadão Municipal oferece ainda farinhas variadas, erva-mate para o tereré (desde a tradicional até as saborizadas, como laranja e com gosto de energético), queijos, do- ces, plantas medicinais e souvenirs. Experimente o delicioso pastel com carne de jacaré ou vá até a Praça dos Índios (localizada em frente) e saboreie as mangas bourbons ou a guariroba, palmito típico do cerrado. Em frente ao Mercadão, a Praça dos Índios traz itens típicos, como guariroba e frutas do cerrado Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 43
    • MUSEU DAS CULTURAS DOM BOSCO Reinaugurado há quatro anos, o Museu das Cultu- ras Dom Bosco está localizado dentro do Parque das Nações Indígenas e reúne um pouco das culturas indígenas que ajudaram a construir a identidade de Campo Grande, como as etnias bororo, xavante, ka- rajá, kaiowa e guarani, entre outros. Com exposições permanentes de arqueologia, pa- leontologia e zoologia, e mais de 30 mil espécimes de animais (peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos), Fotos Elis Regina Nogueira um passeio pelo Museu é um programa informativo e divertido.Unindo história, antropologia e zoologia,Museu Dom Bosco é passeio instrutivo e divertido ÚTIL: CASA DO ARTESÃO Mercadão Municipal Rua Sete de Setembro, 65 – Fun- Localizada no cruzamento de duas importantes ciona de segunda a sábado, dasvias da cidade (as avenidas Afonso Pena e Calóge- 6h30 às 18h30, e aos domingos eras), a Casa do Artesão guarda o que há de melhor feriados, das 6 às 12 horas.do artesanato sul-mato-grossense. Conheça os famo-sos ‘Bugrinhos’ de Conceição dos Bugres (artesã que Memorial da Cultura Indígenasonhou com as figuras e esculpiu a primeira em um Rua Terena, sem número – Funcio-pedaço de mandioca) e as cerâmicas indígenas da na todos os dias das 8 às 18 horas.etnia terena, e aproveite para presentear os familiarese amigos com as miniaturas dos bichos da fauna pan- Museu das Culturas Dom Boscotaneira, como tuiuiús, garças, araras e jacarés. Avenida Afonso Pena, 7000 – Fun- ciona de terça a sexta-feira, das 8 horas às 17h30; sábados, domin- gos e feriados, das 13 horas às 17h30. Casa do Artesão Av. Calógeras, 2050 – Centro – Funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas, e aos sábados, das 8 às 12 horas. Feira Central Rua 14 de Julho, 3351 – Funciona às quartas e sextas-feiras, a partir das 17 horas, e aos sábados, a partir das 10 horas.Os ‘Bugrinhos’ já foram feitos de pedaços de mandioca(aipim) e hoje são ótimos presentes44 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Cultura moldada e inspirada pela naturezaN o passado e no presente, obras publicadas, entre elas O Namour Filho a cidade revela verdadei- guardador de águas, Livro sobre ros expoentes da cultura, nada e Para encontrar o azul eu representando esse Brasil uso pássaros. Foi tema do do-do interior pelo país afora e também cumentário Só dez por cento épelo mundo. mentira, em 2008, que criou ima- A começar por um dos mais reveren- gens que a poesia faz imaginar.ciados escritores brasileiros. Com 97 Um dos maiores violeiros doanos, o poeta Manoel de Barros brinca Brasil nasceu e se criou emcom as palavras para representar ár- Campo Grande. Almir Sater é re-vores, bichos, a água e o céu, fazen- ferência por composições comodo quadros de vocábulos e dançando Tocando em Frente e continuacom os sentimentos mais simples. lembrado pela participação nas Ganhador de dois prêmios Jabu- novelas Ana Raio e Zé Trovão eti, Manoel de Barros tem mais de 30 Pantanal. Almir Sater referência em composições COLETIVO CULTURAL Se a cultura nascida em Campo Grande tivesse um agindo como rebanho sem opinião?sobrenome, ele seria Espíndola. Os integrantes dessa Na mesma árvore genealógica, temos Geraldo e Tetêfamília são a melhor expressão de coletividade criativa Espíndola. O primeiro, autor de uma das canções maisque a cidade abriga. conhecidas no modelo barzinho-violão, Vida Cigana, tem O premiadíssimo artista plástico Humberto Espíndola é músicas gravadas por artistas como Elza Soares e Lecyo criador do conceito de bovinocultura, que transforma Brandão. Já a “menina com pássaros na garganta”, Tetê,o que seria motivo de desmerecimento perante o povo é a voz na música Escrito nas Estrelas, muito famosa nacampo-grandense em tema de reflexão: estaríamos nós década de 1980. SONS DA MORENA Representantes do estilo sertanejo universitário, ritmo que Ritmos como o samba, forró e chorinho movimentam ba-arregimenta fãs em todo o Brasil, as duplas fortalecem o res, clubes e eventos tradicionais, como a Feijoada dapotencial artístico de Campo Grande. E se você gosta de Madah, a Confraria do Choro e o Sampri, grupo formadomúsica sertaneja, deve conhecer nomes como João Bosco por três primas (daí o nome) que cantam, tocam e reve-& Vinicius, Maria Cecília & Rodolfo e Munhoz & Mariano. renciam o samba de qualidade. Em 2011, o mundo foi ‘capturado’ por Ai, se eu te pego, Na Cidade Morena, você ainda encontra apresenta-sucesso na voz de Michel Teló, músico que teve boa par- ções de taikô, os tradicionais tambores japoneses, ou date de sua trajetória artística vivida em Campo Grande, roda de catira, dança tradicional entre peões que ditamquando comandava o grupo Tradição. Campo Grande o ritmo no compasso de mãos e pés.tem ainda Luan Santana, coqueluche entre adolescentes E o que explica essa cultura tão diversa? Não há comode todo o país, com sucessos como Meteoro da paixão definir. Talvez seja o jeito simples de viver e falar, o céue Amar não é pecado. acima da cabeça e a natureza em volta que instigam es- Mas, se seu estilo passa longe da música sertaneja, a ses artistas a projetar a capital de Mato Grosso do Sul nocidade reserva outras boas opções culturais e musicais. Brasil e no mundo.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 45
    • Foto Thiago Coelho Requinte e carinho na preparação do evento Realizado em Campo Grande (MS), o Encontro Anual proporcionou momentos especiais aos convidados N os dias 7 e 8 de dezembro, a Dam­h­­­­­­­­­­a Ur- ao som do trio de samba SamPri. “Mais uma vez o banizadora promoveu o III En­ ontro Anu- c encontro foi um sucesso. Reunir todos os gestores Foto Divulgação al das Associações de Moradores, Sín- de nossos empreendimentos em um só lugar, além dicos e Gestores dos Empreendimentos de ser uma ótima oportunidade de relacionamento, em Campo Grande. O evento, que reuniu por volta proporciona excelente troca de ideias para ado- de 250 convidados, aconteceu no Grand Park Ho- ção de boas práticas em diversos locais”, comenta tel, durante todo o sábado. Na noite de sextafeira, Fernanda Toledo, Diretora de Relacionamento da os convidados foram recepcionados com um jantar Damh­a Urbanizadora. de confraternização no Centro de Convívio do Re- Desde 2010, a Damha Urbanizadora rea­ en-liza sidencial Damha III. contros anuais para promover a interação entre mo- As atrações foram: palestra da Família Schür- radores e membros da diretoria de cada residencial mann sobre desenvolvimento em equipe e obje- do país, com sucesso sempre crescente. A primeira tivos comuns; apresentação do humorista Sérgio edição aconteceu em São Carlos, seguida por São Rabello; dinâmicas de grupo; visita aos empreen- José do Rio Preto e, agora, em Campo Grande. Em dimentos da Damha em Campo Grande; e para fi- 2013, a Damha já anunciou que o encontro aconte- nalizar, uma happy hour à beira da piscina do hotel cerá em Uberaba, MG. 46 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Thiago Coelho Vanessa, Tânia, Juliana, Marta, Daniele, Paulo, Ricardo, José, Verginia e Denise Música ao vivo e muita descontração “Quero parabenizar os organizadores do III Encontro Damha e externar minha satisfação em fazer parte marcaram o jantar de confraternização dessa família. Participei pela primeira vez do encontro na recepção dos representantes e fiquei surpreso com o empreendedorismo, inovação, dos empreendimentos Damha comprometimento e organização da Damha Urbaniza- dora perante seus clientes, o que se torna um diferen- ao III Encontro Anual. cial em relação aos concorrentes. Aprendi muito. Não só como proprietário, mas também voltei com conheci- mentos que já estou aplicando no dia a dia. Minha es- posa, Sueli, e eu agradecemos a acolhida que tivemos por parte de todos os colaboradores. Também não podemos deixar de ressaltar que conhecer a família Schürmann foi maravilhoso.” Hilário Teixeira Ferreira, morador do residencial Damha I, em Araraquara, SP Andreia, Maurício, Valdir e Edemilson Fernanda Toledo, Paulo de Abreu e Sidamar “Achei muito interessante. Pudemos conhecer pes- soas novas que já integram outras associações Damha, trocando experiências, enquanto desfru- távamos desse evento descontraído, incluindo um Fechando o Encontro, na tarde de sábado, as meninas ótimo jantar no Centro de Convívio do Damha III de do SamPri provaram que “quem não gosta de samba, Campo Grande.” Dante Pegoraro Lemos, morador bom sujeito não é” do residencial Damha Campo Grande Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 47
    • PALESTRAS COM SÉRGIO RABELLOE CASAL SCHÜRMANNOs eventos do sábado, 8 de dezembro, tiveram início com uma maravilhosaconversa com Heloísa e Vilfredo Schürmann. Durante 90 minutos, o casal contousuas histórias e aventuras enquanto velejavam pelo mundo, dando exemplosde como o relacionamento interpessoal, o trabalho em equipe e um ótimoplanejamento fazem toda a diferença nos mais diversos momentos. “Nos sentimos honrados por participar do III Encontro Anual, orga- nizado pela Damha em Campo Grande. Durante os 90 minutos de palestra sentimos a boa energia que envolveu o evento e o interesse das pessoas nos temas abordados. Muitas foram as perguntas, des- de sobre planejamento e gestão da expedição até relacionamento interpessoal. Houve muita curiosidade dos participantes em saber como foi o trabalho de equipe e, principalmente, como administra- mos os momentos de extrema pressão. Falamos da necessidade de estar preparados e serenos na tomada de decisão durante a tem- pestade nas costas da Nova Zelândia, enfrentando ondas de 10m e ventos de 135 km/h, e de como os treinamentos realizados antes de iniciar a expedição mostraram-se necessários. Os tripulantes sa- biam o que fazer, e com isso levaram o veleiro a um porto seguro. Falamos também sobre os elementos fundamentais para superar desafios e atingir os melhores resultados: união, comprometimento, respeito, ética, colaboração e profissionalismo.” Família SchürmannHeloísa e Vilfredo: toda a experiência do casalque enfrentou tempestades e educou os filhosenquanto estavam em alto-mar Fotos Arquivo“Foi a primeira vez que partici-pei do Encontro Damha, acheimuito boa a organização. Apalestra e o stand-up forammuito interessantes. Acho im-portante a realização desseencontro anual.” Roberto Sou-za Medeiros, Gerente Adminis-trativo Damha Campo Grande Público durante a palestra48 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Arquivo Equipe Damha, que tornou o evento possível Após o almoço, o ex-publicitário Sérgio Rabello levou toda a sua irreverência ao público, em uma palestra-show. Os presentes curtiram o humor fino e inteligente – marca registrada do palestrante. “Com referência ao evento em Campo Grande, devo dizer que foi tudo perfeito. O público muito educado, receptivo e – o mais importante – bem-humorado. O empreendimento é um dos melhores que já conheci. Também foi um prazer encontrar no evento amigos como o Luiz Ramires Jr., da Ramires Reflo- restamentos, que por coincidência mora em Campo Grande e reside no condomínio Damha. Posso dizer que a ida a Campo Grande foi uma experiência muito agradável.” Sérgio RabelloSérgio Rabello durante sua palestra-show “É imensamente prazeroso participar desses eventos, pois, além das apresen- tações de palestrantes de alto nível, o maior objetivo é a troca de experiências e convivência entre membros da diretoria de cada Condomínio e Associação de Moradores dos residenciais Damha. E também nos permite conhecer outros empreendimentos realizados por todo o país. A Damha Urbanizadora é a única, de meu conhecimento, que realiza esses eventos. É um privilégio morar bem. Temos o prazer de estar sempre em parceria com a nossa construtora. Não é à toa que, quando um empreendimento é lançado, as unidades são vendidas, muitas vezes, em menos de 12 horas. É realmente impressionante! Gostaria que esses eventos pudessem ser realizados duas vezes por ano.” Valdemir Aparecido de Moro (Miro), Village Damha I São Carlos, SP Vilfredo e MiroFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 49
    • GASTRONOMIA alimentação madrugada Fotos Décio JuniorQ uando se chega em casa pela madrugada, rão e, quando estiver al dente, separe-o em pequenas nada melhor do que tomar aquele banho e porções que podem ser congeladas em sacos plásti- matar a fome. Principalmente se abusamos um cos ou em alguma tigela com tampa. Esse trabalho, pouquinho daquele vinho branco, dos desti- com certeza, minimizará a “mão de obra” durante alados com energético ou até mesmo da boa e gelada madrugada.cervejinha. Mas vamos com calma. Nada de passar por O preparo é simples. Despeje o conteúdo de um copolanchonetes e pedir aquele X-isso, X-aquilo ou X-tudo. de molho de tomate já refogado em uma panela e leve aoOs chefs Ricardo Lobo e Silva e Samuele Oliva dão di- fogo. Quando começar a borbulhar, quebre um ovo jun-cas de como se alimentar bem, mesmo que seja tarde to ao molho, coloque uma pitada de sal, tampe e deixeda noite, com receitas simples e leves. ferver por aproximadamente 5 minutos, até que o próprio A receita do chef Ricardo, além de simples ainda ajuda molho cozinhe o ovo.a dar aquela revitalizada no corpo e, quem sabe, ameni- O Chef explica que a combinação do molho de tomatezar as possíveis dores de cabeça do dia seguinte. com o ovo é excelente, já que o tomate ajuda a repor Os ingredientes, com certeza, você vai encontrar alguns sais importantes, como magnésio, potássio e só-fácil na geladeira. Mas atenção para um detalhe: logo dio, e o ovo contém cisteína, uma enzima que ajuda ano início da semana, cozinhe uma porção de macar- combater os efeitos do álcool.50 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Décio Junior Enquanto o ovo cozinha, coloque uma porçãode macarrão para descongelar no mi­­­­­­cro-on­das.Em seguida, arrume-o em um prato e reguecom azeite de oliva. Retire o ovo com uma es-pumadeira e coloque-o sobre o macarrão. Porfim, despeje o molho e pronto. Você terá uma re-feição saudável, barata e certamente deliciosa.O que beber?É fundamental que a hidratação comece jun-to com a alimentação. Lobo e Silva dá umadica: água de coco batida com hortelã. Paraele, uma receita mais completa seria adicionarmelão, salsão e gengibre. Mas, fala a verdade,quando a gente chega em casa de madruga-da, pra que complicar, não é mesmo? INGREDIENTES: • Uma porção de macarrão (macarrão instantâneo pode ser uma boa pedida) • Um copo de molho de tomate já refogado • Um ovo • Azeite • Sal a gosto { O artista plástico Ricardo Lobo e Silva é, des- de a infância, apaixonado por criar novas receitas. Sua formação pela FAAP, no entan- to, não preencheu todas as lacunas de sa- tisfação profissional e, na década de 1990, formou-se em Cozinheiro Chefe Internacional pelo SENAC, obtendo três títulos de especia- lização junto ao Culinary Institute of America. Entre 2003 e 2007 comandou o Galeria Gour- met, eleito pela revista 4 Rodas o melhor res- taurante de São Carlos (SP). Hoje é Chefe- Sócio-Proprietário do Restaurante Almanach, também em São Carlos.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 51
    • GASTRONOMIAFoto Arquivo Um italiano na cozinha brasileira { Samuele Oliva é um italiano nascido em Pádova. Sua paixão pela cozinha vem dos restaurantes da família, onde trabalhou até os 27 anos de idade. Em 2004, ele veio para o Brasil e imprimiu ares mais modernos ao cardápio italiano de um dos restaurantes mais clássicos da capital paulista, o Terraço Itália. Lá o cardápio ganhou uma pitada dos sabores do Mediterrâneo e ingredientes orgânicos adotados por Samuele. Ainda no Brasil, antes de assumir a cozinha do Maremonti Pizza & Cucina (gerenciado por Ricardo Trevisani, ex-diretor do Grupo Fasano), Samuele também deixou os seus sabores registrados pelas cozinhas do Piselli e do Lucca. 52 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Foto Arquivo de salada O chef Samuele é prova de que até os grandes Lembrei-me daquela salada que havia comido no jantar mestres da gastronomia recorrem à geladeira e, entre o barulho da abertura de um belo atum italiano e depois de uma festa. Ele conta que recente- conversas com minha esposa, que me fazia companhia mente foi convidado para uma premiação do durante o preparo de minha ‘obra de arte’, montei uma Campeonato Brasileiro de Gastronomia e quando che- bela salada de folhas com atum.” gou em casa, depois de ter tomado um ótimo vinho com A montagem, ele garante, é fácil. Basta rasgar as a esposa durante a festa, sentiu a necessidade de comer folhas de alface, cortar o tomate cereja, espalhar o alguma coisa salgada. “Olhei para minha esposa e en- atum, azeitar, jogar a cebola e misturar tudo em uma tendi o recado, dando início ao ‘rapa rapa’ na geladeira. cumbuca. INGREDIENTES: • 1 cebola roxa • 100 g de tomate cereja • 100 g de alface americana • 1 lata de atum italiano • 100 g de rúcula selvagem (ou atum de sua preferência) • 100 g de alface frisée • Azeite a gosto • 100 g de alface frisée roxa • Uma pitada de pimenta • 100 g de agrião • Uma pitada de vinagre balsâmico Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 53
    • BAIRRO SUSTENTÁVEL Ação do Bairro Sustentável em Barra dos Coqueiros/SE Ciente da importância de Fotos Arquivo seu papel no crescimento e desenvolvimento dos bairros próximos aos seus projetos, a Damha Urbanizadora criou o Programa “Bairro Sustentável”, que tem por objetivo desenvolver o empreendimento e o entorno no qual ele foi inserido conjuntamente e de forma sustentável, contribuindo com a qualidade de vida de toda a população. A atuação principal do programa é a requalificação urbana e a valorização humana. Apresentação do grupo Carimbó e m setembro de 2012, a Associação Bairro Sus- se divertirem, distribuição de pipoca, algodão doce e tentável (ABS) realizou um diagnóstico social água, aconteceram simultaneamente. No período da tar- em Barra dos Coqueiros, que permitiu conhe- de, com o intuito de valorizar os grupos musicais locais, cer as lideranças locais, a infraestrutura exis- apresentaram-se o Grupo Tradicional de Samba de Cocotente e as características da população local. A análise e Carimbó, o grupo de dança Noisnarua e, no encerra-identificou um grande potencial cultural e artístico no mento do evento, a banda Reação do Reggae.município, além do anseio da comunidade por desenvol- A ABS está fomentando a formação de rede junto àsver e organizar essa natureza. lideranças locais para a construção de um planejamento No dia 20 de novembro de 2012, a ABS, junto com a coletivo, implementado por meio de reuniões.comunidade, organizou um evento cultural com o obje-tivo de apresentar a empresa e a associação aos mora-dores da região do empreendimento Residencial DamhaSergipe, promover a integração entre as diferentes lide-ranças locais, bem como com a Damha, e comemorar oDia da Consciência Negra. O evento aconteceu em uma praça próxima aoempreen­ imento. Ao longo do dia, além do estande do dBairro Sustentável, várias atividades, como exposiçãodos produtos da Associação de Artesanato de Barra dosCoqueiros, plantio de 15 mudas de ipê-amarelo e pau-brasil, disponibilização de brinquedos para as crianças Reunião com a comunidade54 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • BAIRRO SUSTENTÁVEL Reflorestamento em Campo Grande/MS Fotos ArquivoAntes Depois N o dia 14 de novembro, a ABS promoveu uma Cerca de 70 alunos da Escola Sulivan Silvestre de ação de reflorestamento com o plantio de Oliveira participaram da ação. 300 mudas nativas dentro da Área de Pre- De acordo com Fernanda Toledo, Diretora de Co- servação Permanente (APP) localizada no municação e Relacionamento da Damha e Presiden- Residencial Villas Damha, em Campo Grande, MS. te da Associação Bairro Sustentável, “o plantio feito A atividade, que aconteceu dentro do empreendi- por alunos e crianças, além de ser uma medida de mento, na Av. Marquês de Pombal, teve por objetivo proteção da Área de Preservação Permanente, cria a sensibilizar os presentes para a importância da pre- possibilidade de conscientizar as crianças da comu- servação do meio ambiente. nidade para as questões do meio ambiente”. Plantio feito com a participação das criançasFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 55
    • BAIRRO SUSTENTÁVEL Andreia Figueiredo, Vannina Pedroso, Ricardo Benitez, Luiza Lutti Machado, Vanessa Maciel, Daniele Cardoso e Vanessa Peterka Foto Arquivo Sustentabilidade: Responsabilidade de dentro pra foraO cuidado e a preocupação que a Damha tem viam em situação de risco. com as comunidades no entorno de seus em- Outra ação que merece destaque foi o desafio de reduzir preendimentos são apenas parte de um projeto o consumo de copos plásticos. Posta em prática durante maior, que começa dentro de casa. Afinal, não o mês de novembro, mobilizou os funcionários que traba-basta mobilizar as pessoas, é preciso servir de exemplo lharam em equipe para que cada sessão da empresa nãopara que todos possam dar continuidade aos projetos. ultrapassasse o consumo ideal de copos. Além disso, os Por isso, o Comitê de Sustentabilidade, formado volun- funcionários também receberam copos de porcelana quetariamente por colaboradores do Grupo Encalso Damha, imitam os copinhos plásticos, o que contribuiu ainda maiscriou o Projeto Viver, que desenvolve ações que motivam para reduzir o consumo dos copos descartáveis.e inspiram os profissionais a buscar uma mudança posi- Com o Projeto Viver, o Grupo Encalso Damha quer nãotiva dentro da empresa, visando alcançar resultados que apenas reforçar o laço da empresa com a sociedade ese reflitam em um ambiente de trabalho mais sustentável com o meio ambiente, mas também envolver toda a suae mais cuidadoso com o meio ambiente. família neste ciclo de desenvolvimento social, econômi- O projeto teve início em julho do ano passado, e os co e ambiental.funcionários foram orientados sobre coleta seletiva, re-dução de desperdícios, reaproveitamento de materiais,comunicação interpessoal e agilidade nos processos. A etapa da coleta seletiva, por exemplo, já começaa mostrar resultados. De acordo com o Comitê de Sus-tentabilidade, em duas semanas de projeto foi sepa-rada uma tonelada de material reciclável, que depoisfoi recolhido pela Coopere (Cooperativa de materiaisreaproveitáveis), que desde 2003 atua no processo decoleta seletiva em São Paulo. Essa iniciativa ajuda cemcooperados, alguns deles trabalhadores que antes vi- Copos de porcelana que imitam os copinhos plásticos56 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Foto Marília Dominicci Não basta dar início a um projeto, é preciso mantê-lo e cultivá-lo para que seus frutos gerem sementes e pequenos gestos se tornem o princípio de grandes mudanças. Pensando nisso, a Damha Urbanizadora tem orgulho em registrar que muitas ações iniciadas com o Projeto Bairro Sustentável, ganham força dentro das comunidades e estas se unem em prol da continuação dos projetos ou partem para outros desafios. Esta é a finalidade do Bairros que continuam em ação. Dona Lydia, representante da comunidade Jockey Club, em São Carlos E m setembro de 2012, a ABS e a comunidade o intuito de prepará-lo para receber as novas mudas, do Jardim Jockey Club deram início ao proces- em estágio de crescimento. “Nós temos agora, junto à so de revitalização da área, cedida pela pre- Damha Urbanizadora, um projeto de reestruturação do feitura municipal de São Carlos, da pista de solo. A população do bairro está empenhada em trazercaminhada do bairro. O projeto está transformando um mudas de folhagens, flores e árvores frutíferas. Por cau-antigo depósito de entulho e resíduos domiciliares em sa da situação do solo, que não está ainda totalmenteespaço de lazer e convívio para a população que reside recuperado, às vezes temos a decepção de plantar eno entorno do residencial Village II Damha. não ‘vingar’ aquela planta, mas as pessoas continuam Durante o primeiro mutirão foram realizados o plantio tentando e vamos insistir até ter toda aquela área arbori-de 35 mudas e a demarcação e implementação da pista zada e verde. Temos a vantagem de a Damha ter dispo-de caminhada. nibilizado uma equipe que está conosco todo o tempo, Lydia Pereira Mathias, representante da comunidade, nos orientando”, conta Lydia.ao comentar as melhorias que a ação proporcionou ao E completa: “Muitas pessoas já estão utilizando a pis-bairro, afirma que a participação da Damha Urbanizado- ta para caminhadas, principalmente no final da tarde. Era foi fundamental para a comunidade: “O objetivo sem- agora a ideia é montarmos uma composteira para apro-pre foi estabelecer uma área através da qual fosse possí- veitar o lixo orgânico, restos de frutas, legumes, cascas,vel preservar o meio ambiente e favorecer a população. etc. na geração de adubo”.A participação da Damha é muito grande e chegou na Sobre o futuro da ação no bairro, ela diz: “As pessoasmelhor hora para a melhoria do bairro. Foi fundamental vão sair das suas casas e passar a conviver mais. Nopara que a nossa ideia saísse do papel”. segundo semestre, quando o solo estiver mais apro- Após a primeira fase do projeto, com a construção da priado, poderemos ter mais plantas e também instalarpista e o plantio das primeiras árvores, está em anda- bancos e mesas para melhorar ainda mais a interaçãomento o trabalho de recuperação do solo no local, com dos moradores”.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 57
    • MODA NOVO e As peças que você usa no alto verão podem REPAGINADO! (e devem!) acompanhar climas mais amenos... O maiô que vai à praia serve de body para as tardes quentes, com rasteira e shorts em couro. Novidades do mundo da moda nos incitam a milhares de aquisições. É claro que peças atuais sempre serão um “plus” nas produções. Porém, o interessante, para se criar um guarda-roupa descolado, é investir em peças que sirvam com maestria às diferentes estações do ano. Aliás, em um país tão rico em climas como o nosso, as mesmas peças são usadas de norte a sul, com ou sem complementos...58 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • MODAAcompanhadas de camisade chamois e sandálias pesadas,as mesmas peças estãoatualíssimas para a meia-estação!Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 59
    • Produção urbana de alto verão commaxicolar, espadrilhe com salto Anabelae calça alfaiataria em crepe de seda.60 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • MODA Acrescentando o blazer ao estilo conjunto e trocando os acessórios, surge um clássico para o trabalho em clima mais fresco.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 61
    • MODAT-shirt, pantalonalistrada e maxicolar em tom fluo:superverão!62 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Acessórios mais discretos, em tom de inverno, e blazer para aquecer as temperaturas suaves.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 63
    • Balada de verão com mangalonga, sim! Seda pura é levee o top fica à mostra.64 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Para não pesar na proposta DANCE, cardigan em lurex e shorts no mesmo tecido saem nas noites mais frescas.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 65
    • Pantalona, salto e regataem produção leve para anoite: alto verão.66 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • A mesma calça desce do salto e vai ao trabalho, com blazer em seda. Fotos: HENRIQUE SANTOS Modelo: JESSICA HINCKIEL Colaboração: ESPAÇO DE MODA CAROLINA FAGGION Texto e produção: MÔNICA ZAHER CONSULTORIA DE IMAGEMFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 67
    • ENTREVISTA Fotos: Tati Zanichelli Lenine: um artista com os pés no chão68 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • c antor, compositor, escritor, produtor musical e um dos maiores nomes da música popular brasileira. Esse é Lenine, um artista que gosta da poesia. Dos clássicos. Mas que não tem medo de arriscar nem de inovar. Já venceu cinco vezes o Grammy Latino de música e terminou o ano com mais duas indicações. Uma na categoria Engenharia de Som e outra na de Melhor Canção, com a música “Amor é pra quem ama”. Mas, apesar de todo o sucesso, o desafio para este ano é dar continuidade à divulgação do CD e do show, que levam nome de “Chão”. Em entrevista para a Revista Estilo Damha, em São Carlos (SP), Lenine falou ao jornalista Décio Junior sobre o desafio de concretizar o seu novo trabalho. ED – Qual foi a concepção do CD e tam- havia gravado, percebi que estava vazando bém do show? o som do canário da minha sogra. Isso por- Lenine – O “Chão” é um álbum que tem al- que um dos produtores do CD, que é o Bru- gumas peculiaridades que o diferenciam no (Giorgi), meu filho, construiu um estúdio muito dos outros trabalhos que já fiz. Mas na casa da avó dele, portanto, minha sogra dizer isso não é dizer tudo, porque eu olho (risos). Pois bem, o passarinho, o Frederico, os meus projetos muito individualmente. estava lá assoviando lindamente, e o Bruno Eu não consigo nem desassociar o pro- me disse o seguinte: “Pai, ele está cantan- jeto evolutivo, e é engraçado isso. Mas o do no tom. Ele está variando com o arran- “Chão” tem essa coisa de eu ter escolhido jo. Quando você modula, ele modula junto. fazer um disco sem bateria e sem percus- Vamos assumir isso?”. E eu disse: “Vamos são. Nada contras os bateristas, mas foi assumir, sim”. Pedi silêncio na casa, peguei uma maneira de descobrir caminhos so- um valvulado, coloquei no bico dele, e o noros diferentes. que você ouve no disco foi o que ele can- tou. Todos esses sons eletrônicos gravados ED – E como criar esses novos “caminhos e capturados para o disco não foram mani- sonoros”? pulados. Não foram editados. O que você Lenine – Quando nós gravamos a primeira ouve foi o que aconteceu. Os passos que canção, “Amor é pra quem ama”, para a você ouve foram percorridos. O coração nossa sorte a porta do estúdio estava en- que você ouve é o coração do Bruno, que a treaberta, e, quando fui escutar o que eu gente capturou.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 69
    • ENTREVISTAED – E como você leva esses sons para o show? ver com palavras. Elas exercem sobre mim um fascínioLenine – Nós descobrimos muito cedo que podíamos gigantesco. Antes de compor a primeira música, eu jáproporcionar, para quem assistisse a esse espetáculo, sabia que iria fazer um disco chamado “Chão”. Essa pa-uma experiência sensorial diferente. Para quem vai as- lavra eu já vinha mastigando há algum tempo, por causasistir a um filme, não causa estranheza nenhuma se o do monossílabo, que eu adoro, e pelo som nasal, essesom chega de várias direções. E no show isso causa uma fonema que, no caso da nossa língua, reverbera no cor-estranheza. No“Chão” é engraçado, porque nas quatro po todo. Também pela onomatopeia, pois chão já tem oprimeiras músicas as pessoas não sabem o que fazer, barulho do passo. Além disso, os significados que essapor causa desse relevo sonoro que a gente conseguiu. palavra ganhou no Brasil. Quando estou perdido, euSão caixas espalhadas por todo o canto, e todas elas digo: “estou sem chão”. Chão pode ser o que será per-brincando, ora de trás pra frente, ora de um lado para o corrido. Chão sou eu para o meu neto, dormindo sobreoutro, ora em cruz, como é no caso do som do trânsito. E mim na capa do CD. Então, tudo isso corroborou paraisso faz com que as pessoas fiquem imersas no espetá- essa palavra. E eu só fui compor as músicas depois.culo. E tudo isso só surgiu por causa desse minimalismo Mas, com um detalhe, sempre com João Cabral ali nono trato, porque não tinha bateria nem percussão. E isso ouvido, inspirando. Achei lindo você citá-lo.está sendo, pra gente, uma eterna descoberta. ED - Em 2012, novamente você foi indicado em duas ca-ED – Eu, particularmente, sou muito curioso com os no- tegorias do Grammy Latino. Pra você, que já ganhou omes, querendo entender como foram criados. E “Chão” prêmio cinco vezes, como foi receber essa indicação?pode significar tanta coisa. Inclusive, chão mineral, como Lenine – Pra te ser honesto, virou uma mandinga pracita, por exemplo, o pernambucano João Cabral de Melo mim. Da primeira vez eu queria muito ter ido participarNeto em um de seus poemas: “como pode o homem nas- da festa, pois é uma festa feita por quem faz música ecer desse chão mineral?”. uma tentativa de reunir todo mundo. Mas eu estava noLenine – Pra te ser honesto, 50% do que eu faço tem a meio de uma turnê, não pude ir. Ganhei! Na segunda vez, a mesma coisa, estava numa turnê no meio do ser- tão, e trabalho você tem que priorizar. Não fui, e nesse eu ganhei dois. Aí virou mandinga, eu digo: “Eu não posso irFotos: Tati Zanichelli nesse lance não, meu velho, porque se eu for eu não vou ganhar”. E foi assim que eu ganhei o terceiro, o quarto, o quinto... E eu achei que fosse continuar essa mandinga agora, mas não deu (risos). ED – E como foi ver o seu filho, Bruno, um dos produtores do “Chão”, ser indicado para receber o prêmio na cate- goria Engenharia de Som? Lenine: Era a primeira vez do Bruno, e ele foi indicado para o prêmio dentro do universo latino, e isso pra mim é um orgulho. É um reconhecimento a esse trabalho, pois o “Chão” é muito culpa dele. Ele esteve muito junto o tempo todo, capturou todos esses áudios e é um cara estudioso. Além disso, tivemos a indicação de melhor canção para “Amor é pra quem ama”, que é a música do Frederico (risos). ED – O ano de 2013 está só começando. Que mensa- gem você deixaria para os nossos leitores? Lenine – Ouça bastante música. Nunca se ouviu tanta música no mundo, embora existam todos esses ques- tionamentos sobre internet, sobre direitos, e apesar de a indústria estar ruindo, nunca se consumiu tanta música. Então, o que você está fazendo aí? Propague. Música é o grande remédio. Lenine e o jornalista Décio Junior70 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 71
    • Foto Divulgação Produto importado, mas bem nacional Digno de atenção, ele chega cheio de glamour, músicas, folia. É tempo de festa... A espera é de um ano para correr atrás do trio, desfilar na avenida, dançar as marchinhas. Ou quem sabe tirar uns dias para descansar, viajar. O motivo não importa: o brasileiro está lá, no aguardo da festa mais popular de seu país. Mas, ao contrário do que se imagina, o Carnaval não surgiu em nossas terras tu- piniquins. Apesar de sua tradição e cara de Brasil, ele é importado! Chegou com nossos colonizadores, os portugueses. No final do século XVIII, já era praticado por todo o território.72 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • N { ão há uma história precisa sobre a origem da festa. A mais conhecida vem da Grécia, de 600 Trazido ao Brasil pelos a 520 a.C. Os gregos usavam a celebração, en- tão chamada de Saturnália, para realizar seus portugueses, o Carnaval,cultos em agradecimento aos deuses. Era o momento em hoje, é considerado umaque membros da nobreza e escravos se misturavam nasruas para as comemorações, que incluíam muita comida, das maiores festas do mundobebida, música e dança. Toda essa folia passou a ser abominada pela IgrejaCatólica, que quis cancelar as Saturnálias, mas sem de- Foto - Acervo Galo da Madrugadasagradar completamente seus fiéis. Então, no ano 325d.C., foi decidido que os 40 dias antes da Páscoa deve-riam ser reservados apenas para orações e jejum, épo-ca conhecida como Quaresma. Antes desse período,um “adeus à carne”, que em latim significa “Carnevale”. Voltando ao nosso Brasil e seu querido Carnaval.Quando chegou com os portugueses, a brincadeira serestringia a jogar água, limões, farinha de trigo e atélama ou lixo uns nos outros. No início do século XIX, umpouco mais de elegância: carruagens desfilavam enfei-tadas pelas ruas, ocupadas por pessoas usando más-caras e fantasias, como em Paris. Os bailes vieram logodepois, em clubes requintados. Uma festa da nobreza. Escolha da data do Carnaval O Carnaval acontece 47 dias antes da Páscoa, em fevereiro ou março, dependendo da data de comemo- ração da ressurreição de Cristo. A Páscoa ocorre no primeiro domingo após a primeira lua cheia a partir do O Galo da Madrugada, equinócio do outono (no hemisfério sul). maior bloco de Carnaval do mundo Mas o Carnaval começa a se popularizar no Brasil: sur- cidade do Recife, é o maior bloco de Carnaval do planeta.gem “arrastados” em casas de família, bailes ao ar livre, E, é claro, o brasileiro é o povo que mais aprecia amatinês dançantes. Em finais do século XIX, grupos car- festa. Nem mais nos recordamos de que toda essa cele-navalescos ocupam as ruas do Rio de Janeiro e servem bração veio com nossos colonizadores. Porque, já diziade modelo para as diferentes folias. Nessa época, os Graciliano Ramos: “Se a única coisa de que o homemgrupos eram chamados de cordões, ranchos ou blocos. terá certeza é a morte; a única certeza do brasileiro é o Em 1899, Chiquinha Gonzaga compôs o que seria a Carnaval no próximo ano”.primeira marchinha, para o então cordão carnavalescoRosas de Ouro. A partir daí, Ô Abre Alas!! Ninguém mais Unidos da Tijucasegurava essa festa. Da música Ô Abre Alas aos sucessos carnavalescosatuais, muitos foram os caminhos percorridos pelos gê-neros musicais, até predominarem o samba e a marchi-nha como ritmos prediletos. Surgem as escolas de samba. A festa se organiza. OCarnaval brasileiro é hoje conhecido em todo o mundo. É, Foto Ita Manzzuttide fato, um espetáculo grandioso. O Carnaval do Rio de Janeiro é considerado, pelo Guin-ness Book, o maior do mundo. O Galo da Madrugada, daFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 73
    • Titã nos bastidores da Rede Globo, antes de participar do programa de Ana Maria Braga Foto Divulgação O SILÊNCIO DOS INOCENTES “A compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter. Pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem.” Arthur Schopenhauer A té pouco tempo, as causas ligadas deira dimensão do problema. à defesa e ao combate à violência Um ano após a manifestação “Cruelda- contra os animais estavam restri- de Nunca Mais”, que reuniu mais de 100 tas, praticamente, aos pequenos mil pessoas em cerca de 200 cidades no grupos que, todos os dias, dedicam seu Brasil, Estados Unidos e Inglaterra, em 22 tempo, sua vida e seus recursos à tentativa de janeiro de 2011, com o intuito de exi- de minimizar situações de abandono, cruel- gir leis e punições mais severas em casos dade e violência. Fato que está mudando de violência, abandono, posse irresponsá- com o auxílio da internet, principalmente vel de animais domésticos e silvestres e a das redes sociais. Diante das centenas de proibição de práticas cruéis como a expe- denúncias divulgadas diariamente nos sites rimentação em laboratórios e rituais religio- e perfis de entidades, ONGs e protetores in- sos, alguns progressos foram feitos, mas a dependentes, mídia e sociedade parecem, caminhada rumo à solução desses proble- finalmente, estar se dando conta da verda- mas é lenta e cheia de obstáculos.74 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • PET Foto Divulgação ALGUMAS BATALHAS, UM DIA A GUERRA “Titã” e “Sargento”, dois cães que se tornaram símbolo da luta contra os maus-tratos após terem suas histórias veiculadas por grandes emissoras de televisão, jornais e revistas, participaram do protesto. “Além da presença de várias autoridades locais, entre elas a juíza de direito Dra. Erika de Souza – que ajudou muito na recuperação do Titã, contribuindo, entre outras coisas, com a alimen- tação especial da qual ele precisava –, compareceu ao evento a médica veterinária Viviane Cristina da Silva, que cuidou noite e dia do Titã após ele ser resgatado do local onde passou mais de 12 horas enterrado e que adotou o filhote e cuida dele até hoje. Lá, o Titã teve a compa- nhia do Sargento, cão que sobreviveu à chacina de Ita- jobi, SP, quando seu antigo dono realizou vários disparos contra ele, a cadela e o filhote com os quais vivia. So- mente ele se recuperou e foi adotado pelo soldado que o encontrou agonizando no mato. Foram essas histórias, o caso da yorkshire que morreu espancada pela dona em Goiás diante de uma menina de 2 anos e tantos outros que levaram a essa manifestação no Brasil e em outras cidades fora do país. A repercussão foi muito grande. Pessoas da África do Sul, Inglaterra, EUA, Argentina e Marco Antonio Rodrigues, presidente da ONG outros lugares ligavam para saber do Titã. A comedian- Mão Amiga e o cachorrinho Titã te e atriz Nany People deu muito apoio à recuperação dele”, conta Marco Antonio Rodrigues, presidente da o resgate dos cães e atua como entidade de destaque ONG Mão Amiga de Novo Horizonte (SP), que realizou na sua região. Segundo ele, um dos grandes problemas para a apu-Foto Divulgação ração e punição de crimes dessa natureza no Brasil é o fato de que não existem delegacias e institutos médi- cos legais voltados para o atendimento desses casos: “De tudo o que aconteceu, o que mudou? Percebo que as pessoas estão mais atentas aos atos de maus-tratos. Não existe no Brasil o IML dos animais, ou seja, alguém que providencie um laudo, fotos dos animais vítimas de maus-tratos. Isso só é possível através de uma ONG ou de alguém muito interessado no bem-estar dos animais, portanto, quando presenciar um ato de maus tratos, não fique calado. Denuncie! Tire fotos. Se você não fizer nada para impedir, os animais não têm como fazê-lo. Nesse sentido, o trabalho da ONG Mão Amiga tem sido muito importante em toda nossa região”. Quanto à legislação brasileira e às providências to- madas para solucionar situações de violência contra os animais, Marco Antonio completa: “Espero que um dia tenhamos leis mais severas, hospitais públicos veteriná- rios e delegacias de polícia para animais em todas as cidades. Isso é o mais importante, o essencial. Sei que é um sonho, mas só assim estaremos próximos de colocar Sargento e seus novos donos, um fim às crueldades contra os animais”. inclusive com o soldado que o salvou Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 75
    • VIVA E DEIXE VIVER É difícil relacionar o termo justiça às leis responsáveis por punir boa parte dos crimes cometidos no Brasil, ainda assim, qualquer avanço em nome da chamada “causa animal” é visto por ONGs e protetores como uma vitória. Karina Motta, da Cachorro Ajuda, de São Carlos (SP). “Temos avançado no que diz respeito às leis A instituição arrecada doações para fornecer a brandas existentes hoje. A população já mostrou abrigos e protetores independentes da região que está em busca de medidas punitivas rigorosas para crimes bárbaros, como os maus-tratos aos animais. Estamos longe do ideal, mas, por meio de abaixo-assinados e manifestações, conseguimos que o Congresso incluísse em sua pauta projetos de lei que beneficiam o bem-estar animal, muitos ainda em trâmite, mas que podem ser um divisor de águas, caso aprovados, e a criação da 1ª Dele- gacia e Promotoria de Defesa Animal. Atualmente, apenas São Paulo e Campinas contam com esse serviço, mas este é apenas o começo. Outra vitó- ria significativa foi a aprovação da lei estadual (SP) que obriga os fabricantes a informar no rótulo se seus produtos contêm, na formulação, elementos de origem animal ou se foram testados em animais. O consumidor agora poderá escolher se deseja ou não adquirir produtos desse tipo”, relata Nelma Favilla Lobo, protetora independente. Ela também defende a participação da população como a úni- ca forma de evitar que crimes contra os animais continuem acontecendo: “É preciso denunciar. Mais que isso! É preciso agir, para que, o que hojeFotos Marília Dominicci são exigências, um dia se torne o simples reflexo daquilo que todos nós desejamos: respeito”. Ao falar sobre a evolução da condição dos ani- mais nos últimos anos, Karina Motta, responsável pela ONG Cachorro Ajuda – que, apesar do nome, fornece suporte a cães e gatos –, procura ser oti- mista: “Foram muitas as vitórias, mas a violência contra os animais ainda é muito grande. Nossa ONG cresceu e, com isso, o número de casos e denúncias também. Todos os dias, mais e mais pessoas contam com a Cachorro Ajuda para pedir socorro para algum animal vítima de maus-tratos ou abandono. Esperamos que isso seja reflexo de conscientização e não o aumento da brutalidade. Temos que dar continuidade aos trabalhos, exigin- do cada vez mais respeito e proteção aos animais. Queremos paz. Que daqui a um ano nosso objeti- vo de acabar com a violência esteja mais perto”. Nelma Favilla Lobo, protetora independente 76 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • AMOR E RESPONSABILIDADE SOCIAL O grande número de animais em situação de abandono e maus-tratos é motivo de preocupação para ONGs e protetores, uma vez que instituições Susan Yamamoto e Juliana Bussab, fundadoras dessa natureza praticamente não contam com su- da ONG Adote um Gatinho (AUG), ressaltam a im- porte financeiro governamental. Aqueles que se portância da castração no processo de controle dispõem a realizar esse tipo de trabalho passam a populacional e, consequentemente, dos atos de depender de doações e da caridade de pessoas violência contra os animais. A AUG, assim como e da iniciativa privada. Muitas não conseguem dar muitas ONGs, somente doa animais esterilizados. continuidade às atividades, e todas as que estão “A Adote um Gatinho completa este mês (janeiro em operação enfrentam dificuldades para saldar de 2013) dez anos de história e a marca de 5.200 suas dívidas. Sem exceções. felinos castrados e doados. Alguns deles foram Para cães e gatos em condições de adoção, a abandonados, outros fugiram e se perderam. Mui- batalha mais importante é contra o preconceito. tos sofreram maus-tratos. Nos orgulhamos muito Quanto maior a semelhança com um animal “de desse número e esperamos multiplicá-lo nas pró- raça”, maior a chance de adoção. Pretinhos e “es- ximas décadas. Existem mais pessoas preocupa- caminhas” ficam no final da fila. Muitas pessoas ain- das com o bem-estar e o respeito aos animais hoje da preferem despender grandes quantias na aqui- do que há dez anos. Ainda que lentamente, obser- sição de um animal em vez de visitar um abrigo. vamos avanços no modo como os animais são ali- mentados e tratados. Hoje, muitos deles realmente fazem parte da família. Cresce também o númeroFoto Arquivo de pessoas que se sensibilizam com a condição dos animais abandonados. Esperamos que as leis pensadas para punir os praticantes de maus-tra- tos sejam integralmente aprovadas no novo Códi- go Penal e que possamos dar um grande passo, ou melhor, um salto na proteção animal.” Susan Yamamoto, da ONG Adote um Gatinho, ÚTIL: referência no resgate de felinos na cidade de São Paulo Mão Amiga Caixa Econômica Federal: 104 Agência: 0801 GATOS SORTUDOS C/C: 003864-7 HISTÓRIAS EMOCIONANTES www.facebook.com/maoamigaong DE BICHANOS RESGATADOS Lançado em 2011, o livro, que Adote um Gatinho conta a vida de 12 dos milhares de Itaú: 0341 animais resgatados pela Adote um Agência: 2970 Foto Divulgação Gatinho, proporciona uma leitura C/C: 12869-6 emocionante e está à venda nas www.adoteumgatinho.com.br maiores livrarias do país. Parte da renda é destinada aos bichanos Cachorro Ajuda sob os cuidados da ONG. O livro Banco do Brasil: 001 está à venda nas melhores livrarias Agência: 0295-X e lojas virtuais. C/C: 64741-1 www.facebook.com/cachorro.ajuda Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 77
    • ARQUITETURA CENÁRIO DE GATA BORRALHEIRA? Os tempos e as cozinhas mudaram Foto James VaughanN ovos tempos pedem novas atitudes, e a cozi- mente brancos. As opções se estendem aos adesivos, nha, que antes era apenas um local reservado que podem ser utilizados em quaisquer superfícies e para a culinária, está cada vez mais integrada feitos sob encomenda. Utensílios pendurados nas pare- ao restante da casa, adquirindo novas formas des são mais práticos, acrescentam charme à cozinha ee o status de “ponto de encontro” para amigos e familia- deixam maior espaço nas gavetas, enquanto ambientesres. Promovida de gata borralheira à princesa do reino, automatizados, como armários abertos ao pressionar umnesse espaço – agora social – sobram beleza, requinte botão, iluminação de LED e televisores aparecem inte-e, sobretudo, praticidade. grados ao mobiliário. A variedade de materiais, texturas e acabamentos pos- Cozinhas gourmet, com bancadas maiores, além de mo-sibilita a personalização de todos os detalhes, tornando dernas, fornecem o espaço ideal para que o cozinheiro fi-cada projeto algo único e especial, uma expressão com- que em contato com as pessoas que são servidas. O climapleta de personalidade e estilo. Eletrodomésticos, armá- perfeito para um bate-papo e um aperitivo antes de servirrios e bancadas de pedra podem dar um toque elegante a mesa. Além disso, é possível ‘brincar’ com a decoração,de cor, principalmente aos ambientes predominante- atribuindo ao ambiente um clima ainda mais receptivo. Cozinhas desta matéria são de casas dos Residenciais Damha em todo o Brasil78 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Arquivo O diferencial nesse projeto é a ligação da cozinha com a área de lazer, churrasqueira. Fogão a lenha, mesa em prancha de madeira rústica com deta- lhes em mosaico de porcelanas antigas, remeten- do às cozinhas tradicionais de fazenda. PROJETO: Lolita Azambuja Dourado/MS (67) 9971-6991Cozinha convencional, com ilha central pra café da manhã e refeições www.lolitaazambuja.blogspot.com.brrápidas. Armários pra louças com portas em vidro laminado. Com banca-das e estrutura em granito, as portas e gaveteiros em laminado cinza têmum toque de vermelho nos nichos. Praticidade e durabilidade na escolhados materiais empregados.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 79
    • ARQUITETURAFotos Arquivo Tendo a cozinha um espaço limitado, com 2,20 m de largura por 3,80 de comprimento e grandes áreas de iluminação e ventilação natural, o ambiente foi planejado de modo a otimizar o espaço, utilizando todas as paredes livres para armários, prateleiras e balcões. O revestimento das paredes foi executado PROJETO: em porcelanato branco, com detalhes em pastilhas Mônica Magalhães de vidro esverdeadas. As bancadas em branco siena, Presidente Prudente/SP com tons de cinza e rosa, finalizam a composição, (18) 3916-5449 / (18) 9103-1656 garantindo a harmonia e o equilíbrio do ambiente. www.monicamagalhaesarquitetura.blogspot.com.br ACABAMENTO PERFEITO O charme e a leveza do ambiente podem ganhar des- diferenciados que fogem do tradicional. Opções de pe- taque com o uso de materiais nobres e de fácil manuten- dras nos permitem criar texturas e cores marcantes. Com ção, com design moderno e exclusivo, onde as linhas as ilhas centrais é possível criar ambientes despojados retas e puras da marcenaria contrapõem ao brilho do para áreas de trabalho e ao mesmo tempo fazer uma marmoglass das bancadas e dos vidros serigrafados. composição com bancadas de almoço interno. Partes cuidadosamente detalhadas em projeto criam Uma ideia atual e muito interessante é não revestir toda um ambiente sofisticado e, ao mesmo tempo, aconche- a cozinha, mas trabalhar com um espelho maior que pro- gante. Ambientes super clean, com tonalidades suaves, teja a parede. No espaço do fogão vale revestir toda a apresentam harmonia entre si e se sobressaem quando parede, mas tirando partido estético disso, com painéis contrastadas com cores marcantes, como o mogno e o em pedra ou detalhes com pastilha. As paredes podem vermelho. ser pintadas, pois hoje o mercado oferece opções com As cozinhas contemporâneas estão cheias de detalhes qualidade para esse tipo de espaço. 80 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • UM MUNDO DE POSSIBILIDADES Painéis maiores fazem a divisão entre salas e cozinha, a integração visual sem perder a funcionalidade, como no substituindo as portas em tamanho convencional, com caso de propostas de integrar a cozinha com as salas in- opções de design de mobiliários e projetos de layout di- ternas e, ao mesmo tempo, com a varanda gourmet. ferenciados que fazem valer a integração com os outros Outra dica interessante é, ao invés de colocar a janela na ambientes sem deixar de lado a funcionalidade para os cozinha e depois planejar onde encaixar os armários, pri- trabalhos do dia a dia. meiro planejar os armário baixos e os armários suspensos Nesse caso, os grandes aliados são os panos de vidro – e só depois colocar a janela no espaço que sobrar entre grandes portas e janelas de vidro translúcido –, que fazem eles, garantindo uma boa área de armários na cozinha. No caso deste projeto, foi feita uma composição harmônica, trabalhando-se o sobretom nos armários com a opção por tons amadeirados e destaque para os puxadores em alumínio fosco.Fotos Arquivo PROJETO: Juliana Almeida Melo Uberaba/MG (34) 3314-3161 / (34) 9165-0064 www.agape.arq.brFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 81
    • ARQUITETURA PRATICIDADE, EM TODOS OS ASPECTOS Em todo projeto residencial, em cada cômodo, a im- para que sejam adequados à necessidade de cada fa-portância da instalação de móveis planejados é eviden- mília. Desde uma simples cafeteira até o tipo de refrige-te. Banheiros, dormitórios, home theaters, cada espaço rador utilizado devem ser levados em consideração, derequer um tipo específico de móveis, com finalidades e acordo com o número de pessoas, hábitos alimentares,características únicas. rotina e outro fatores, como a presença de crianças ou Na cozinha essa necessidade é ainda maior, já que ela animais de estimação no local.se apresenta como o ambiente de maior funcionalidade Mesmo sendo um ambiente tão funcional e objetivo,na casa. É um espaço que requer praticidade em todos jamais devemos deixar de lado a estética. Os acaba-os aspectos, contemplando desde o armazenamento de mentos, padrões de madeira, puxadores, tudo deve serutensílios e mantimentos até o preparo dos alimentos. escolhido com cuidado e bom gosto. Dessa forma é pos- Móveis e armários devem ser muito bem pensados, sível compor um espaço completo, prático e elegante. Um ponto importante neste projeto é o PROJETO: cuidado com os materiais. A bancada de vidro preto, por exemplo, possui os Rafael Moraes cantos arredondados, para não machucar Mirassol/SP alguém, principalmente as crianças. O uso (17) 3253 1452 dos vidros pintados de marrom nos armá- moraesarq.blogspot.com.br rios, além de dar um toque mais moderno à cozinha, também facilita a limpeza. Fotos Arquivo82 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fotos Arquivo Linhas retas e puras valorizam o brilho e realçam o visual moderno. A prioridade é a fácil manutenção sem esquecer a sofisticação e beleza. PROJETO: André Monteiro São Carlos/SP (16) 3371-2002 / (16) 9787-1002 www.amarquitetura.com Detalhes escolhidos com cuidado e bom gosto para compor um ambiente prático e elegante. Espaços apro-Fotos Arquivo priados para copos e louças devem sempre ter prioridade, pois são itens que usamos várias vezes ao dia. PROJETO: Gabriel Zuanon Araraquara/SP (16) 3357-4285 / (16) 9601-4285 www.zuanon.com.brFevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 83
    • LER, VER e OUVIR Dicas de quem faz parte do dia a dia da Damha. STEPHEN KING A TORRE NEGRA “A Torre Negra tem lugar em universos paralelos criados por Stephen King. Numa saga de 7 livros, é a história de Roland de Gilead, o último pistoleiro da terra, e sua busca incessante pela Tor- re Negra. Nessa perseguição, Rolandse depara com algumas questões existenciais, figuras elugares exóticos que o acompanham ou cruzam com eleem sua jornada, ora ajudando, ora atrapalhando. Essamistura nos conduz a um lugar entre a rea­lidade e a ilusão, o futuro e o presente.Simplesmente apaixonante!”Mylene FabrizianiAssistente Jurídico CORTEO Cirque du Soleil Foto DivulgaçãoSE BEBER NÃO CASE“Eles planejavam uma despedida desolteiro inesquecível em Las Vegas. Oque os rapazes fizeram durante a festanão se compara ao que eles têm quefazer agora que estão sóbrios. É umaaventura, recheada de situações im- previsíveis. Se for beber, não case! Indico porque adoro comédias!” Dalila Cardoso da Silva Assistente Financeiro Corteo é uma celebração da força e da fragilidade da- quele que é a alma do espetáculo circense: o palhaço. Mauro, O Palhaço Sonhador, leva o expectador a uma SMASHING PUMPKINS viagem sem precedentes enquanto projeta seu funeral de acordo com seus próprios sonhos, transformando a MELLON COLLIE AND despedida em uma ocasião carnavalesca, que eviden- THE INFINITE SADNESS cia a sabedoria e a ternura do personagem através de “Comecei a escutar este CD em um repertório lírico e cômico, num ambiente desconhe- 1998, com o meu irmão. Indepen- cido localizado em algum lugar entre o céu e a terra. dentemente de compartilharmos as Os brasileiros poderão apreciar todo o impacto visu-mesmas músicas, as tendências passavam e logo es- al e emocional dessa obra a partir de 30 de março detávamos escutando outros artistas. Mesmo depois de 2013, em sua estreia em São Paulo. A partir de então,15 anos, ele continuou sendo um dos que tenho mais a trupe seguirá para Brasília, Belo Horizonte, Curitiba,vontade de escutar. Espero que aqueles que nunca o ou- Rio de Janeiro e Porto Alegre, numa turnê que viajará oviram gostem de conhe­­cê-lo e, que quem o país até abril de 2014.conhece, relembre.”Ricardo Moreira BenitezCoordenador de ProjetosDepartamento de Relacionamentoscom o Cliente84 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Foto DivulgaçãoFEE FYE FOE FUMM,CHEIRO DE PÉ DE FEIJÃO Inspirado no clássico João e o Pé de Feijão, Jack – O Caçador de Gigantes conta a his-tória de uma antiga guerra, reiniciada quando um jovem fazendeiro abre um portal entre oseu mundo e o de uma raça terrível de gigantes. Soltos pela primeira vez em séculos, osgigantes tentam recuperar a terra que um dia perderam. Lutando pelo reino, pelas pessoase pelo amor de uma corajosa princesa, Jack fica frente a frente com os guerreiros que acha-va só existir em lendas, e tem a chance de se tornar ele próprio uma lenda. Estrelado porNicholas Hoult, Ewan McGregor, Stanley Tucci, Ian McShane, Eleanor Tomlinson, Bill Nighye John Kassir – em sua versão legendada –, o filme chega aos cinemas em março.O REI LEÃO INDOMÁVEL Foto Catherine Ashmore, Disney SONHADORA Foto Divulgação Indicado a 4 Oscars – melhor filme, melhor atriz, melhor diretor e melhor roteiro adaptado –, o filme, originalmente Único em sua natureza, o musical apresenta, através da chamado Beasts of the Southern Wild – nome que, seja-visão criativa e artística de sua diretora, Julie Taymor, o mos sinceros, carrega uma bagagem cultural e históricaenvolvimento de cada ser vivo com suas próprias origens, que jamais poderá ser retratada com o título que recebeulevando o expectador a refletir sobre as consequências em português –, conta a história de uma menina criadade suas próprias ações e o efeito que elas podem ter so- por um pai moribundo numa das regiões mais agressi-bre o meio em que vive. Inovador e repleto de valores fa- vas dos Estados Unidos, o estado de Louisiana, onde omiliares, O Rei Leão é um hino de respeito e amor pela passado escravagista e as condições naturais criaramnatureza, permeado pela beleza da dança e das artes cê- um sistema de pobreza extrema e catástrofes que de-nicas, e conta com canções de autores como Elton John sabrigam, matam e dificultam ainda mais a vida de suae Tim Rice, além da música contagiante de Hans Zimmer. população.BRUCE WILLIS EM DOSE DUPLA O ator emplaca dois filmes nos cinemas brasileiros na mesma semana de mar- Foto Divulgaçãoço: Duro de Matar – Um Bom Dia para Morrer (ação), em que Bruce Willis reen-carna o policial John McClane e, dessa vez, viaja até Moscou, para uma missãointernacional. Jack, filho de John, é apresentado e parece ser tão durão quantoo pai. Com um relacionamento complicado, John e Jack têm de trabalhar juntospara se manter vivos e para evitar que uma parte sombria de Moscou consigacontrolar armas nucleares. Já O Dobro ou Nada (comédia) conta a história deuma mulher de trinta e poucos anos que se envolve com um grupo de geekscinquentões que descobriram uma maneira de tirar vantagem do sistema deapostas e jogos de Las Vegas. As produções contam também com a participa-ção de Courtney Lands, Catherine Zeta Jones, Joshua Jackson e Rebecca Hall.Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 85
    • ACONTECEU Amigos reunidos em um jantar, palestras, uma conversa regada a alegria, esportes... isso é o que acontece no dia a dia de quem faz parte da família Damha. Momentos assim são essenciais e dão um toque especial ao cotidiano. Esta seção é uma celebração de um pouco do que aconteceu em nossos residenciais Damha nos últimos meses e, também, um convite para que você “aconteça” conosco. Seja bem-vindo. VIRADA EM GRANDE ESTILO UBERABA O 1º Réveillon do Damha I Uberaba, organizado pela Co- missão Social (Soraia, Linei, Emerenciana e Myrian), foi um sucesso! Os convidados puderam desfrutar a comemora- ção na pista de dança, o maravilhoso buffet servido para a ocasião e, o ponto alto da noite, uma belíssima queima de fogos, para saudar com muita luz a chegada de 2013.Linei Trindade e Emerenciana Costacom o Messie Perrerre Fotos Arquivo No detalhe a Comissão Social formada por Soraia, Linei, Emerenciana e Myrian Moradores celebram virada reunidos86 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • ACONTECEUFotos Arquivo Ana Galeazzi e Anelise Presidenta Marisa, Marcia Romera e Bruna Catirse ARARAQUARA Em Araraquara, o final do ano foi celebrado com na, de música ao vivo e queima de fogos, com muita alegria. A Sra. Marisa, presidente da as- contagem regressiva e muito entusiasmo. No sociação dos moradores, com a colaboração salão, o jantar de confraternização reuniu quase especial da Sra. Ana Maria Galeazzi Moraes, cem pessoas! se empenhou para organizar a festa. Todos vi- A festa se estendeu por horas, numa demons- veram momentos de muita emoção na chegada tração do crescente espírito de fraternidade e do novo ano! amizade entre os moradores do Damha I Arara- O Centro de Convívio foi palco, na área exter- quara. Em 2013 tem mais! CAMPO GRANDE Moradores se reuniram no Residencial Damha I Campo Grande para celebrar a che- gada de 2013 com muito requinte e bom gosto. O cardápio especial incluiu todas as delícias e guloseimas tradicionais da época, exibidas em mesas de dar água na boca. Não faltaram brindes e sorrisos para receber o ano novo de braços abertos. Moradoras celebram o ano novo com muito estilo e bom humor! Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 87
    • ACONTECEU créditos: Guilherme NomaDECORAÇÃO DENATAL PREMIADAA decoração de Natal do Damha I Presidente Prudente recebeu o 1º Prêmio do concur-so “Prudente Iluminada” na categoria condomínios. José Rivaldo Menes, responsávelpelo Damha I, disse que todos os anos a decoração é montada com o intuito de alegraro local, mas que o troféu servirá como um estímulo no futuro.FUTEBOL Fotos ArquivoDE FINALDE ANOMoradores do Damha I Campo Gran-de se reuniram para um bate-boladescontraído em comemoração aofinal do ano, com direito a uniformese poses para foto. Moradores de todas as idades se reunem para uma partida descontraída88 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • ACONTECEU INAUGURAÇÃO DO ESPAÇO GOURMETFotos Arquivo Airton Dall Agnol, Fabio Anache, Oscar Luis, Luiz Ramires, Joel Mascarenhas, Marcos Mortari, Ricardo Fucks, José Raffi e Pedro Luiz O Damha I Campo Grande agora conta com mais uma área de lazer e diversão: o Espaço Gourmet, dedica- Marlene Sguissardi, Magner de Lima, do àqueles que apreciam comer bem e estar em boa Jonas Moreno, Maria Adelaide e Guido Max companhia. TROCA DE FAIXA EM CAMPO GRANDE Praticantes de Karatê de todas as idades se reuniram no Damha I Campo Grande para o exame de troca de faixa. A arte marcial, originária do Japão, é uma ótima atividade para o corpo e para a mente. Dedicação e disciplina. Atletas do Damha I Campo Grande comemoram mudança de faixa no karatê Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 89
    • 90 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013
    • Fevereiro | Março 2013 Estilo Damha | 91
    • 92 | Estilo Damha Fevereiro | Março 2013