Your SlideShare is downloading. ×

Apos drenagem linfatica

3,765

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,765
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
112
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Para um melhor entendimento da drenagem linfática necessitamos definir alguns elementos:- - Linfa: É o líquido encontrado nos "vasos" linfáticos. Era "Líquido Intersticial" que, por sua vez era "Líquido Intracelular" ou ainda "Sangue Arterial". É importante entender que os líquidos, no corpo, recebem o nome em função do lugar onde estão. É como a água: Quando cai do céu, chamamos de chuva, quando brota da terra, chamamos de vertente (mina, fonte, "olho"). As vertentes formam riachos que formam rios que formam lagoas ou deságuam no mar. Tudo é água, mas com nomes e propriedades diferentes. O que encontramos no mar não encontramos numa vertente. Da mesma forma os líquidos de nosso corpo vão trocando de nome e características de acordo com o local onde estão. Quando sai do coração chamamos "Sangue Arterial", quando entra num interstício celular chamamos de "Líquido Intersticial", quando penetra numa célula chamamos de "Líquido Intracelular" ao sair da célula volta a chamar-se "Líquido Intersticial". Existem duas maneiras do "Líquido Intersticial" deixar o interstício celular: Pode sair por uma vênula e será chamado de Sangue Venoso" ou pode ser capturado por um pré- capilar linfático recebendo o nome de "Linfa" que mais tarde se juntará ao "Sangue Venoso" pouco antes do coração. Portanto a "Linfa" deve ser definida pelo local onde se encontra, nos vasos linfáticos.- - Como é a linfa? Sendo que sai do interstício celular é desprovida dos glóbulos vermelhos que lá, não penetraram. Portanto é praticamente incolor tendo quase a mesma composição do plasma sanguíneo. Carrega consigo o que encontramos no interstício celular, em especial aquilo cujo peso molecular ou tamanho seja grande de mais para sair por uma vênula, as "Macro Moléculas" , mas não apenas as "Macro Moléculas" e sim todas as substâncias que se encontravam no "interstício celular" por ocasião de seu esvaziamento como "sais", hormônios, proteínas, energéticos, etc., e os elementos pertinentes ao "Sistema Linfático" como os glóbulos brancos (Linfócitos) produzidos nos Nodos Linfáticos e Tecidos Linfáticos. Sendo que a porosidade dos vasos linfáticos é maior que os sanguíneos (sanguíneos tem porosidade menor de 4 micra e linfáticos trabéculas que, quando abertas, absorvem de 12 a 14 micra) as macro-moléculas de gordura, capturadas no intestino, aproveitam este caminho para chegarem até o fígado. Neste percurso, dos intestinos ao coração, a linfa adquire uma aparência leitosa. No corpo o Sistema Linfático é também chamado de Sistema Imunológico. Isto significa que este sistema tem, resumidamente, duas funções: Defender e Limpar. Na drenagem linfática nos deteremos na função de "Limpeza" onde compõe a chamada "Circulação de Retorno" (Venosa e Linfática) colaborando na desintoxicação do organismo, em especial, no que diz respeito as "Macro-Moléculas" formadas por restos de células mortas, proteínas e Moléculas de grande peso formadas por atração iônica (átomos e moléculas que se agrupam buscando a estabilidade elétrica ) e que, geralmente, não tem proveito para o organismo, sendo eliminadas nos Nodos Linfáticos. Contudo, sua função na defesa será levada em consideração ao decidirmos sobre suas indicações e contra-indicações. - Vasos Linfáticos: Chamamos de Vasos Linfáticos as estruturas que capturam e conduzem a linfa. Os vasos podem ser divididos quanto a sua função: Capilares Linfáticos –capturam a linfa, Pré-Coletores Linfáticos –dão início a movimentação da linfa levando-a aos Coletores Linfáticos, de maior calibre, que transportam a linfa até os Nodos Linfáticos.
  • 2. Os Vasos Linfáticos apresentam-se na forma de “rosário” – um gomo, uma válvula. Oespaço entre as válvulas recebe o nome de “Linfângio”. - Nodos Linfáticos: São estruturas ovais nas quais os vasos linfáticos penetram trazendo a linfa e seus componentes. Constituídos de tecido linfático são cobertos por uma cápsula de tecido fibroso. Formam os Nodos: Trabéculas, vasos aferentes (que trazem a linfa), seios linfáticos, vasos eferentes (por onde sai à linfa), nódulos corticais, córtex, centro germinativo, cordões medulares, artérias e veias. Temos de 400 a 600 Nodos Linfáticos agrupados em cadeias no corpo. As principais cadeias são: cervical, axilar, fossa oli-craniana, ducto torácico, pré-aórtico, inguinais e losango poplíteo. Tem por função purificar a linfa, formar linfócitos, também aprisiona estes agentes ou células "estranhas" (este processo, as vezes, forma ínguas) e são verdadeiros laboratórios produzindo defesas na forma de linfócitos e "anticorpos"
  • 3. - Como a linfa se movimenta pelo corpo? Para respondermos esta pergunta temos desaber algo sobre os vasos linfáticos. Estes possuem camadas semelhantes as paredes dasveias e válvulas (valvas) em maior número que nas veias o que permite a linfa fluir em umasó direção, a do coração. Estas válvulas dão aos vasos linfáticos uma aparênciacaracterística de colar de contas.A linfa é propelida ao longo dos vasos linfáticos pelos seguintes mecanismos: a) O estiramento e a contração do segmento de um vaso linfático (Linfângio) entre duas válvulas. b) A formação de nova linfa por pressão interna ou externa nos interstícios celulares, empurrando a "antiga" para frente. c) Ação massageadora dos músculos esqueléticos sobre os vasos linfáticos. d) Ação reflexa ao batimento dos vasos sanguíneos (artérias e veias). Os vasos linfáticos procuram se aderir a superfície dos vasos sanguíneos para "sentirem" seus batimentos. e) O peristaltismo intestinal sobre os vasos linfáticos ali presentes. f) A “sucção” formada pelos movimentos respiratórios sobre a linfa depositada na Ampola de Pequet ou Cisterna de Quilo, situada junto a coluna vertebral e abaixo do diafragma. g) Na região acima do coração colabora à força da gravidade.
  • 4. Observando os mecanismos de movimentação da linfa notamos que a formação de novalinfa, a ação massageadora dos músculos sobre os vasos, o reflexo dos batimentos dosvasos sanguíneos sobre os vasos linfáticos e a sucção promovida pelos os movimentosrespiratórios mantêm uma relação entre si. Quando o primeiro aumenta os outrosmecanismos tendem a acompanhar este aumento. Havendo um aumento de atividadesmetabólica intracelulares que formam as "Macro-Moléculas" ocorre uma pressão internanos interstícios celulares pela atração de líquido (parte do sangue arterial) para o interior dointerstício com a finalidade de igualar os líquidos (pressão osmótica) ou a uma pressãoexterna que “espreme” os tecidos superficiais desencadeando a abertura das vias linfáticas,os demais mecanismos responsáveis pela movimentação da linfa também aumentamproporcionalmente. Ex: quando aumentamos a atividade física correndo, por exemplo,esprememos os interstícios celulares da “planta” do pé, os movimentos muscularesaumentam, os batimentos das artérias aumentam e os movimentos respiratórios igualmenteaumentam. Sendo assim, torna-se evidente que a formação e transporte de linfa, efetuadapor estes mecanismos, não é constante, podendo variar de acordo com a situação.- Como fazer a Drenagem Linfática Manual?a) Pressão: A linfa que vem ao coração procede de todas as partes do corpo, desde as maisprofundas as periféricas (camadas da pele e tecido adiposo). Na Drenagem Linfáticamanual procura-se atuar nos tecidos mais periféricos forçando, por pressão, seus líquidos,intracelular e intersticial, a tornarem-se linfa que acabará impulsionando a linfa dos vasosmais profundos. Sendo assim ela terá de ser "suave" o suficiente para não interferir notecido muscular e tão pouco no sistema venoso, mas com pressão suficiente para manipularos líquidos dos tecidos superficiais espremendo-os para que se forme linfa que serárecolhida pelos capilares e conduzida para os vasos profundos. Observem que a linfa
  • 5. formada pela pressão nos tecidos superficiais é recolhida e levada para os vasos maisprofundos. Isto significa que a direção da linfa superficial é a de"APROFUNDAMENTO".b) Direção: Se considerarmos as vias linfáticas como componentes da circulação de retornousadas para "esvaziar" o interstício celular de "Macro-Moléculas" que não conseguiram sairpelas vênulas, deveríamos fazê-la no sentido de colaborar com esta circulação. Significaentão que temos de direcioná-la para o coração?Alguns afirmam que a Drenagem Linfática deve começar próximo ao coração e irafastando-se dele gradativamente. Parece que o lugar onde tem início a drenagem Linfáticaé irrelevante, pois, no "processo natural" - Drenagem Fisiológica-, a Drenagem ocorre naárea que se está pressionando (lembrar que entre os mecanismos "naturais" da Drenagemtemos a pressão interna ou externa nos interstícios celulares que formam nova linfa e amassagem muscular sobre os vasos. Isso ocorre na área onde temos atividade). Além disso,é importante compreender que a Drenagem Linfática Manual se dá pelo esvaziamento dosinterstícios celulares superficiais que tem seu conteúdo capturado pelos capilares linfáticosconduzindo, já como linfa, aos pré-capilares e para os vasos mais profundos onde, como"nova linfa", empurrarão a linfa que ali se encontra (as válvulas impedem o refluxo). Nestaetapa (mais profunda) não atuamos, pois nossa pressão é superficial. Prova de que o quesito"Proximal Distal" não é significativo está na atuação dos aparelhos de Drenagem Mecânicaque, na sua maioria, iniciam a Drenagem pelos pés. Outros autores de "Métodos"igualmente não observam este princípio e conseguem resultados. Entendendo osprincípios entenderemos os resultados. Contudo, devemos ter uma Metodologia detrabalho. Se a Proximal Distal for a “mais aceita”, não há motivos para não utilizá-la.Porém, isto seria uma "OPÇÃO", não uma "OBRIGAÇÃO". Sendo assim, não se apresseem condenar outros métodos.c) Velocidade: Sobre a "velocidade" estipulou-se que ela deva ser lenta, mas como vimosna consideração dos mecanismos envolvidos, há ocasiões em que a linfa se encaminha commaior rapidez (uma pessoa em atividade física deve processar mais linfa do que emrepouso). A drenagem lenta pode apresentar benefícios secundários. Emil Vodder,precursor da Drenagem Linfática, salientava que a lentidão provocava uma "indução aoestado "Parassimpático" do SNA.(Sistema Nervoso Autônomo) que é o estado propíciopara a recuperação e o tratamento do STRESS. Contudo, novamente, a lentidão parece sermais uma questão de "OPÇÃO" do que de "OBRIGAÇÃO".
  • 6. d) Manobras: Para entendermos as manobras e seus motivos necessitamos rever a parteanatômica e fisiológica do Sistema Linfático. A linfa que é conduzida para o coraçãofreqüentemente passa por expansões nodulares chamadas de "Linfonodos" ou NodosLinfáticos, geralmente dispostos em cadeias, nos quais ela é purificada. Células fagocitáriasfazem a "filtragem" da linfa eliminando as Macro-Moléculas ou diminuindo seu tamanho.Estes Nodos Linfáticos também desempenham importante papel na defesa do organismoagindo como barreira contra agentes agressores que ali chegam trazidos pela linfa. NestesNodos são aprisionados ou destruídos. Os Nodos Linfáticos também são centrosgerminativos de Linfócitos (um tipo de célula de defesa do organismo). A existência desteslinfonodos, geralmente dispostos em cadeias, e suas múltiplas funções devem ser levadasem consideração por ocasião da administração de uma Drenagem Linfática. As principaiscadeias de Nodos Linfáticos, encontradas nas áreas manipuláveis pela Drenagem LinfáticaManual, são: cervicais, axilares, oli-cranianas, inguinais e as dos losangos poplíteos. Érelevante salientar que, todas estas cadeias, se encontram em articulações. Sendo assim,
  • 7. ao movimentarmos pernas, braços e boca, estaremos "massageando" estas cadeias deNodos Linfáticos, esvaziando-as. Esta é a maneira natural de intervir nas cadeias deNodos Linfáticos, flexionando as articulações e, dada a complexidade das estruturasenvolvidas, parece-nos que, na Drenagem Linfática Manual, deveríamos imitar estesmovimentos em vez de usarmos nossas mãos ou dedos. Assim evitaremos correr o risco dedanificar suas delicadas estruturas ou libertar algum agente ou célula perigosa ali"aprisionada".e) Condução. A Drenagem Manual é feita por manobras superficiais que devempressionar somente os tecidos superficiais (tecido tegumentar e tecido adiposo) sematingir a musculatura. Toda vez que um tecido superficial recebe um aumento de pressão(pode ser interna ou externa), forma-se linfa. Não é necessária uma condução visto que, alinfa capturada pelos capilares linfáticos, procurará os vasos profundos, abaixo do localonde ocorre a "leve pressão". Devemos lembrar que, a linfa superficial é conduzida para"DENTRO", para o interior da região "Drenada", e não para o CORAÇÃO. É como aágua no banheiro após o banho, para secá-lo, empurramos para o ralo. Depois que elaencontra o ralo não temos de nos preocupar com sua direção. Ela chega ao seu destinoautomaticamente. (Notar que a linfa é capturada dos tecidos periféricos e direcionada para os vasos profundos)
  • 8. Benefícios da Drenagem Linfática Manual: De acordo com Emil Vodder, grande estudiosoda Drenagem Linfática Manual, podemos conseguir com esta técnica uma estimulação daprodução e movimentação da linfa, "drenando" líquido e macromoléculas do interstíciocelular. Isto propicia a absorção de edemas visíveis e os menos visíveis. Sendo assim, estaindicada para os edemas pós-traumáticos como os que surgem em contusões e é igualmenteeficiente nos pré e pós-cirúrgicos. É a massagem mais indicada no combate ao reumatismo(aliar Drenagem Sinovial), celulite e efeitos da menopausa. A Osteoporose pode sercombatida, com excelentes resultados (aliar Massagem Ósteo-sensibilizante). Quandoexiste uma diminuição na produção de hormônios os poucos produzidos podem ficar"perdidos" em interstícios celulares que não são o seu destino. Isto causa uma falta decomunicação entre os órgãos, o sistema nervoso e o glandular endócrino. A DrenagemLinfática faz com que os líquidos do corpo circulem e, como conseqüência, os poucoshormônio se tornam muitos, atenuando ou desaparecendo com os sintomas da diminuiçãohormonal. A Drenagem Linfática Manual também estimula os processos imunitários porsensibilizar na zona cortical dos Nodos Linfáticos à produção de linfócitos. Favorece aregeneração dos tecidos. Isto pode ser explicado pela eliminação do edema intersticial que,quando presente, diminui a velocidade da micro-circulação. Exerce efeitos sobre o sistemanervoso de forma tranqüilizante, relaxante e analgésica. Neste aspecto aDrenagem Linfática Manual é parecida com a Massagem Sueca feita de maneira Lenta eSuperficial. O efeito relaxante estimula a predominância do Sistema Nervoso AutônomoParassimpático, que influi na recuperação das forças e regeneração dos tecidos. Pode-seainda citar benefícios nos casos de acne, rosácea, pós-operatórios de cirurgias plásticas quemelhora o aspecto reduzindo edemas, hematomas, apreçando a cicatrização e impedindo aformação de "queloides".Obs. Apesar de a Drenagem Linfática Manual poder ser combinada com um grande númerode tratamentos, não seria indicado uni-la, na mesma área, à técnicas de massagemhiperemiantes como a Massagem Sueca Rápida e Profunda que tem efeitos na circulaçãoVenosa e Linfática.Levando em consideração que a Drenagem Linfática Manual, como a Massagem Sueca,gera um incremento de toxinas na circulação cardiovascular deve-se ter o cuidado de nãofazê-la de maneira prolongada em especial nos casos de insuficiência renal quando poderáestar contra-indicada. Nos casos em que necessitamos "Drenar" o corpo inteiro fazer porpartes, em diferentes ocasiões ou diminuir a quantidade de manobras (geralmente usamos 4e poderemos usar apenas 2).Considerações finais. A Drenagem Linfática deverá ser preferencialmente lenta parapoder influenciar no Sistema Nervoso Autônomo Parassimpático e dar tempo para que oscapilares capturem o líquido intersticial (uma manobra por respiração profunda do paciente- pressionar na expiração). Recomendamos iniciá-la pedindo ao paciente que beba um"bom" copo de água (mais de 200ml), a seguir harmonização respiratória (a respiraçãolenta e profunda tem boa atuação na Cisterna de Quilo - Ampola de Pequet, sugando a linfaabdominal para o ângulo Venoso, através do Ducto Torácico). Sempre que possível usar aforça da gravidade. Ambiente silencioso. Se necessitar drenar o corpo inteiro faça isso porpartes, em diferentes sessões, assim a sessão não será muito demorada. A linfa deve ser
  • 9. "direcionada" para o interior do corpo e não para o coração. Deve-se ter umaseqüência de partes a serem drenadas. Se preferir a "proximal distal" não há objeções. Aflexão das articulações deverá ser feita ao iniciar cada movimento de drenagem dosegmento e ao finalizar. Terminar com mais um copo de água. (A água, antes e após aDrenagem, apreça a depuração do sangue pelos rins que fará urina.) A estametodologia de Drenagem Linfática chamamos de PROPELI (Produção Periférica deLinfa). Curiosidades: * 15 % do peso corporal é representado pela linfa. * Uma pessoa forma de 2 a 5 litros de linfa por dia, mas pode, em casos especiais (doença), formar 20 litros. * A linfa circula, dependendo dos mecanismos de condução que estão sendo usados, a 4 mm/s. * 80 % da linfa formada no corpo vem da periferia e procura o aprofundamento onde fará seu papel na condução da linfa dos vasos profundos. * Os vasos linfáticos iniciam em capilares, passam para pré-coletores, coletores e ducto torácico. * Os capilares linfáticos são diferentes dos capilares sangüíneos, mais numerosos e mais volumosos (20 a 60 micra). * Quando os capilares linfáticos abrem para coletar o líquido intersticial a dilatação pode ser de 12 a 15 micra, isto representa 4 vezes o tamanho de um glóbulo vermelho. * O movimento de contração “rítmica” dos vasos linfáticos é regulado pelo sistema nervoso autônomo e ocorrem de 5 a 10 vezes por minuto. * Cada unidade de um vaso linfático (espaço limitado por duas válvulas) é chamada de “lynphangion" ou LINFÂNGIO. * O número de Nodos Linfáticos totais no corpo fica entre 600 a 700
  • 10. Drenagem Linfáticapor Maria de Lourdes Camacho Viscardi atualizado em 20/10/2001Facial e CorporalO Que É ?Sua finalidade principal é esvaziar os líquidos exsudados e os resíduos metabólicospelo meio de manobras nas vias linfáticas e nos linfonados.As indicações da drenagem linfática tem-se ampliado, mas nem sempre são realizadosde um modo correto.Para que seja realizado de um modo correto e com finalidade científica é importante oconhecimento da anatomia e funcionamento do sistema linfático e a correta indicaçãoda patologia.Pode ser manual ou realizada por aparelhos.O sistema linfático representa uma via auxiliar de drenagem do sistema venoso.Líquidos provenientes do interstício (entre tecidos) são devolvidos ao sangue atravésda circulação linfática, que está ligada à circulação sangüinea e aos líquidos teciduais.O Sistema Linfático é Composto por:LinfaVia linfáticas • Capilares linfáticos • Vasos linfáticos • Troncos linfáticosTecidos Linfóides • Gânglios linfáticos • Baço • Amídalas • TimoQuando ocorre traumatismo com secção (corte) de partes moles, ocorre a formação denovos vasos linfáticos. Assim, a exemplo dos casos de cirurgia que afetam os vasoslinfáticos , a formação de novos vasos ocorre em uma semana, restabelecendo adrenagem.
  • 11. Edema PersistenteGeralmente, quando ocorre lesão mais extensa, ou, em casos de infecção importanteque venha a prejudicar a formação de novos vasos linfáticos, pode instalar-se umquadro de edema persistente.A circulação sangüinea realiza um "circuito fechado". A circulação linfática de sua redeé imensa, constituída por "lagos" ou sinus no interior dos tecidos e dos órgãos,seguidos por vasos de diversos tamanhos , a rede linfática é duas vezes mais extensaque a rede sangüinea.É uma circulação lenta. Perde velocidade com qualquer alteração nos tecidos queesmaguem os delicados vasos, como edemas, hematomas, contrações musculares,baixa pressão sangüinea e outras alterações.É bastante ramificada ao nível de sua rede superficial, dérmica, que se interconectacom sua rede profunda, quanto ao nível de suas múltiplas conexões ganglionares.A imunidade adquirida é conseqüência do tecido linfóide, localizado principalmente noslinfonodos, como também no baço, nas áreas submucosas do aparelho gastrintestinal,na medula óssea.Devido à distribuição do tecido linfóide pelo corpo, os organismos invasores ou toxinassão indentificados antes que passem a se espalhar muito pelo corpo.Os linfonodos são estruturas iumunologicamente ativas e estão organizadas em gruposno trajeto dos vasos linfáticos.São eles: • Cervicais • Axilares • inguinaisHá também os: • os occipitais • retro-auriculares • parotídeos • submandibulares • mediastinais • mesentéricos • poplíteos • e outros...Quando a linfa passa pelos linfonodos, ela é filtrada de toda a substância estranha quefica "presa" no linfonodo.A composição da linfa é bastante variável, pois ela vai coletando substância ao longodo seu trajeto pelo corpo.
  • 12. Ação Fisiológica das Manobras de Drenagem • Dinamização do peristaltismo dos coletores e, consequentemente, aumento do ritmo natural que se prolonga por horas após a drenagem. • Desentupimento sistemático das vias de acesso à região afetada • Suaviazação e "desfibragem" minuciosa da organização conjuntiva. • Solicitação máxima da reabsorção • Eliminação progressiva nas principais zonas de drenagem da estase (estagnação) dos tecidos e de todos os resíduos tóxicos resultantes do traumatismo.Efeitos Positivos • Melhor oxigenação • Melhora a defesa e ação antiinflamatória • Aumento do potencial reparador • Dinamização de todos os processos catalisadores de uma boa cicatrizaçãoIndicação Para Drenagem Linfática CorporalLipodistrofia ginóide (celulite) e gordura localizada pré e pós-cirurgia plástica e pós-lipoaspiraçãoContra IndicaçõesCâncer, febre, afecções cutâneas, insuficiência cardíaca.Indicações Estéticas da Drenagem Facial • Pré e pós-cirurgia plástica • Tratamentos de revitalização facial
  • 13. O Sistema Linfático 1. Gânglio Linfático 2. Vasos Linfáticos 3. BaçoO sistema linfático é constituido pelos gânglios linfáticos, encontrados principalmente no pescoço,axilas e virilha, e pelos pequenos vasos que os interligam, vasos linfáticos.Esses gânglios contêm células brancas, os linfócitos, que produzem anticorpos para defender oorganismo de infecções. Quando ocorre uma infecção, os gânglios linfáticos podem aumentar detamanho e ficar doloridos enquanto estão reagindo aos microorganismos invasores. Eles tambémliberam os linfócitos para a corrente sanguínea. Os sintomasGlânglios inchados e doloridos atrás das orelhas são sinal de infecção no ouvido. Abaixo da orelhae no maxilar podem indicar amigdalite e na parte de trás do pescoço talvez sejam indício derubéola. Curiosidades • O comprimento total dos capilares de um adulto chega a 1000 km • Em condições normais, nosso coração bate 72 vezes por minuto. Em esforço violento, pode chegar a 200 batidas por minuto. • Cada milímetro cúbico de sangue contém cerca de 5 milhões de hemácias. Em todo o nosso sangue, o número chega a 25 trilhões. • Nossas hemácias vivem de 120 a 130 dias. • Em cada segundo, nosso organismo destrói 1 milhão e 500 mil hemácias velhas. Novas hemácias são produzidas na medula óssea vermelha. • A quantidade média de leucócitos é de 7000 por milímetro cúbico. Numa infecção, essa quantidade pode subir para 20000 ou mesmo 30000. • Em trinta anos de vida, o coração de uma pessoa já se contraiu 1 bilhão, 135 milhões e 296 mil vezes. • O edema é uma inchação provocada pelo arrebentamento de capilares e saída de plasma sanguíneo. • Se você tiver que ficar de pé um longo período de tempo, contraia os músculos da perna de vez em quando, para movimentar o sangue na direção do coração. • A íngua é o resultado da reação do organismo a uma infecção. • Em um dia todo, o sangue do nosso corpo passa 1440 vezes pelo coração

×