ECOLOGIA DA COMUNICAÇÃOFAAP – Pós Graduação em Tecnologia Digital | Prof.Vagner Rogério   Tecnologia Daniella Velloso    ...
Glossário DO TEMA ABORDADO #1Deficiente, é aquele que não consegue modificar sua vida,aceitando as imposições de outras pe...
índice | FASES                                #2                                      Processo (.) fases                  ...
brainstorming - Cenário                 | FASE I         #4CenárioImpactos Sociais                        37 MILHÕES DE PE...
brainstorming - Cenário                         | FASE I                       #3    Cenário                              ...
Brainstorming - Problemática                   | FASE I                   #5Problemática levantadaCausa 1          Acident...
Brainstorming - Problemática   | FASE I   #5Problemática levantadaCausa 2        LongevidadeCom o aumento da expectativa d...
Diagnóstico – Justificativa do projeto                | FASE I   #6Justificativa do ProjetoA leitura e escrita das pessoas...
Brief’s - Briefing conceitual          | FASE II               #2Definição do projeto Focus Group Desenvolveremos um produ...
Brief’s - Briefing conceitual             | FASE II              #7Objetivo do ProjetoDesenvolver uma interface que possib...
Brief’s – Clipagem                              | FASE II                            #3Clipagem                  Focar na ...
Brief’s – Clipagem                              | FASE II                            #3Clipagem                  Tratar o ...
Brief’s – Clipagem                              | FASE II                            #3Clipagem                  O Ser hum...
Brief’s – Clipagem                              | FASE II                            #3Clipagem                 Tratar o  ...
Brief’s – Referências   | FASE II     #3Usuário cego interagindo pelo SmartPhone, usando o software NavTap,para enviar uma...
Brief’s – Referências   | FASE II   #3Essa aplicação foi desenvolvida sob a supervisão do Dr.Mohammed Yeasin, fundadot do ...
Brief’s – Referências   | FASE II   #3Vídeo de divulgação do Oddcast VHost™ platform.+ informações disponíveis em: http://...
Brief’s - Briefing de Concepção | FASE II                         #3Benefícios e Resultados EsperadosPremissas• Premissa 1...
Escopo                     | FASE III     #3 Escopo Dentro do Escopo• Elaboração de Brief[vaga idéia/desejos do que é o pr...
Escopo                     | FASE III                          #3 Escopo Dentro do Escopo• Matriz de Escopo[Serviços e fun...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Interface asistiva

96

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
96
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Interface asistiva "

  1. 1. ECOLOGIA DA COMUNICAÇÃOFAAP – Pós Graduação em Tecnologia Digital | Prof.Vagner Rogério Tecnologia Daniella Velloso ASSISTIVA
  2. 2. Glossário DO TEMA ABORDADO #1Deficiente, é aquele que não consegue modificar sua vida,aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive,sem ter consciência de que é dono do seu destino.Louco é quem não procura ser feliz com o que possui.Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria.E só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores. Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois estásempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.Mudo é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás damáscara da hipocrisia. Paralítico é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.Diabético é quem não consegue ser doce.Anão é quem não sabe deixar o amor crescer.E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável,pois Miseráveis são todos que não conseguem falar com Deus.A amizade é um amor que nunca morre. Você acabou de ler o Poema “Deficiências” de Mario Quintana.
  3. 3. índice | FASES #2 Processo (.) fases Brainstorming Cenário I Problemática Justificativa do projeto • Briefing conceitual II • Clipagem Briefs • Referências • Briefing de concepção • Escopo do projeto Planejamento Escopo • CronogramaInterface assistiva móvel III Precificação Escopo de trabalho IV Painel de desenvolvimento e produção • Briefing ergonômico/ cognitivo e navegação (usabilidade) • design de interfaces Feedback Aprovação das telas - direcionamento e ajustes V Definição da comunicação visual e estratégia de mkt Design de interface Produção Proposta de usabilidade VI Plano de navegação Prova de conceito Set up do ambiente Implemenção Homologação VII Publicação Treinamento
  4. 4. brainstorming - Cenário | FASE I #4CenárioImpactos Sociais 37 MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO são totalmente cegas. O Brasil conta com 4 milhões de deficientes visuais e uma média de 1.250.000 de pessoas totalmente cegas. A cada ano surgem de 1 a 2 milhões de NOVOS casos de cegueira 1.4 MILHÕES DE CRIANÇAS abaixo de 15 anos, são cegas Uma criança ao tornar-se cega, possui 60% DE CHANCE DE MORRER no 1o ano de vida Fonte: OMS © C o p y r i g h t 2 0 1 0 , D a n i e l l a V e l l o s o M E .
  5. 5. brainstorming - Cenário | FASE I #3 Cenário Percentual de cegos no Brasil em regiões de:Dr. Signey Leerman da universidade de Emoryna Geórgia, afirmou após a elaboração de um Economia Economia Economia Economiaestudo, que a redução de 1% na camada de Boa Razoável Pobre Muito pobreozônio apenas nos Estados Unidos da América Serv. de Saúde Serv. de Saúde Serv. de Saúde Serv. de Saúdedo Norte, provocaria um incremento de 25 mil Bons Pobre Pobre Muito pobrecasos anuais de catarata.Já foram observados um aumento deconjuntivite e outras enfermidades ocularesem rebanhos quando sofrem uma exposição 0.30% 0.60% 0.90% 1.20%maior à radiação ultravioleta tipo B. População de cegos no Brasil, por região x índice econômico-social. População Pobre: 85 milhões X 0.9% = 765.000 População Intermediária: 69 milhões X 0.6% = 414.000 População Rica: 16 milhões X 0.3% = 48.000 / Total = 1.227.000. Dados: Olhares” do Conselho Brasileiro de Oftalmologia
  6. 6. Brainstorming - Problemática | FASE I #5Problemática levantadaCausa 1 Acidentes O cigarro é apontado como o grande vilão, sendo responsável por 32% DAS QUEIMADURAS OCULARES causadas por acidentes em crianças menores de 5 anos (e causa a morte de 4,9 milhões de indivíduos anualmente).Esse problema vai aumentar 1a Segundo o Banco Mundial, esse vício, (consumo do fumo), gera uma perda mundial de 200 bilhões de dólares por ano ao sistema de saúde. 1b 1 árvore é consumida para que apenas 300 cigarros sejam produzidos. Dados de 1992/93 da AFUBRA - Associação de Fumicultores do Brasil, contabilizam 115.850 ESTUFAS PARA SECAGEM DO FUMO NO SUL DO BRASIL. Neste período foram consumidas 37.505.000 árvores para o processo de secagem das folhas. Além disso, árvores também são sacrificadas para a fabricação do papel utilizado na manufatura do cigarro. Em 1988, foram produzidos 157,9 bilhões de cigarros no Brasil - 526 MILHÕES DE ÁRVORES QUEIMADAS. Ainda que as zonas desmatadas sejam reflorestadas, NÃO SERÃO REFEITAS AS CONDIÇÕES NATURAIS QUANTO À FLORA E À FAUNA DA MATA VIRGEM – perda de espécies e animais da região.
  7. 7. Brainstorming - Problemática | FASE I #5Problemática levantadaCausa 2 LongevidadeCom o aumento da expectativa de vida, há oaumento proporcional do desgaste dos órgãose da demanda de alimento, energia, produçãode bens duráveis e não duráveis... Isso trará consequências 2a É importante salientar que o aumento do número de pessoas portadoras de deficiência é proporcional ao aumento de idade das mesma. 2b O aquecimento Global, provocará a escassez de alimento.
  8. 8. Diagnóstico – Justificativa do projeto | FASE I #6Justificativa do ProjetoA leitura e escrita das pessoas cegas, na maioria das vezes se faz por intermédio do sistema Braille.Entretanto, nem todas as pessoas que enxergam conseguem ler ou escrever Braille (muito menos comfluência). Isso restringe a comunicação a longa distância dos cegos – contribuindo para a criaçnao deguetos sociais (um cego só escrevia para outro cego ler).Além disso, por mais acostumados que estejam com o ambiente onde vivem, até as atividades diáriascomuns e repetitivas são desempenhadas com dificuldade por estes portadores de necessidadesespeciais.Fatores que levam alguns a se isolar em sua deficiência (se afastam da família e amigos), tornam-sepessoas reclusas e consequentemente mais resistentes a novas tecnologias.Há também as inconveniências e os embaraços de ter de pedir a alguém que leia e escreva cartas, bulasde remédios e documentos pessoais, ou até mesmo preencha formulários simples.Desenvolveremos uma interface que tentará prover esse tipo de independência. Por intermédio dessanova forma de comunicação – nova para esse target, um cego poderá ‘ler’ e mandar mensagens móveisde texto.Desta forma contribuiremos para a minimização da barreira atitudinal, e para o aumento do número detarefas que o usuário poderá efetuar sozinho - maior independência e auto-estima.
  9. 9. Brief’s - Briefing conceitual | FASE II #2Definição do projeto Focus Group Desenvolveremos um produto para portadores de urgência peculiar: abordaremos a condição de portadores de deficiIencias especiais - especificamente cegos. ProdutoOptamos pelo iPhone como plataforma ( interface), porque hoje o telefone móvel é mais poderoso do que osdesktops foram há 20 anos atrás. Eles são um ponto de contato ‘ full-time’ a maioria dos consumidores maisdesejados. a sintetização da voz.Desenvolveremos um aplicativo para iphone. o reconhecimento óptico de caracteresO software terá como principais funcionalidades o disparo do arquivo para impressoras em braille Leitor de RFID e código de barras Sintetização da voz 1 Com o reconhecimento de caracteres e sintetização fonética. Ex.: E-speak e ao Oddcast Vhost™. Reconhecimento óptico de caracteres, através de scanner de reconhecimento óptico de caracteres 2 projetado para digitalizar imagens com texto e reproduzi-los por voz. 3 Opção de envio de e-mail com o arquivo em braile, para q ele possa ser impresso posteriormente. 4 Software e hardware de captação de sinal RFID e de escaniamento e leitura de código de barra.
  10. 10. Brief’s - Briefing conceitual | FASE II #7Objetivo do ProjetoDesenvolver uma interface que possibilite ao cego, se comunicar a longa distância. Por intermédio de umsoftware que rodará no sistema embarcado do IPhone (APi) que possibilite:• Objetivo 1 - Prover a possibilidade de poder comunicar à distância, e não só, em tempo real.• Objetivo 2 - Ser um meio de inclusão social - já que estes portadores poderão se comunicar de forma maisindependente com as pessoas que não conhecem a língua gestual - ao usar o telefone e-mail.• Objetivo 3 - Minimizar as dificuldades no acesso à informação• Objetivo 4 - Possibilitar a estes portadores que eles efetuem compras e/ou solicitem serviços pelo telefone,internet e e-mail).Fase1 - Prover a possibilidade destes portadores se comunicarem à distância (mobilidade), e não só, em temporeal.Fase2 - Prover a possibilidade de estender a comunicação a outros dispositivos. © Copyright 2010,Daniella Velloso ME.
  11. 11. Brief’s – Clipagem | FASE II #3Clipagem Focar na forma com Software: Blindsoft que o usuário Matéria: Leitores de e-books para cegos próximos da realidade Insight interage usualmente Veículo: YouTube Seção: Curiosidades com outras mídias. Postado por: PDL Data: 21.Abr.2009 Veículo: YouTubeBlindsoft foi desenvolvido em linguagem Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=BwO8XqcZ5Q0&feature=player_embeddedDelphi, em ambiente Windows 95, com placa desom do método SoundBlaster.Esta interface guia sonoramente a navegação dousuário, possibilitando que o mesmo abra e fechearquivos, edite textos, efim; crie, copie,leia, renomeie e salve arquivos.Assim, o deficiente visual poderá desfrutar detodas as possibilidades do computador sem anecessidade do método Braille.Este sistema é parecido com oDosVox, desenvolvido no Rio de Janeiro, quetambém roda no ambiente Window, porém emuma janelado DOS. A forma de leitura é parecida, mas oBlindsoft atua diretamente na plataforma gráfica –um avanço sobre outros programas.Possui um bloco de notas no estilo do Notepad doWindows, que pode ler o texto digitado na formafonética e citação. Também possui um teclado comresposta audível, para facilitar o treinamento nadigitação.
  12. 12. Brief’s – Clipagem | FASE II #3Clipagem Tratar o Produto: TACT – Relógio para deficientes visuais deficiente visual Matéria: Leitores de e-books para cegos próximos da realidade Insight como um target Veículo: YouTube Seção: Curiosidades qualquer Postado por: PDL Data: 21.Abr.2009 Veículo: YouTube Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=BwO8XqcZ5Q0&feature=player_embeddedTACT – Relógio para deficientes visuaisJulien Bergignat, designer industrial, criou umasolução para que pessoas de baixa acuidadevisual possam saber as horas sem anecessidade de destacar o vidro e tatear osponteiros – formato usual dos relógiosespecíficos para deficientes visuais.•designer criou o ‘ Tact’. O relógio temdesign arrojado, confeccionado em açoinoxidável e plástico em que dois discos - umcentral e outro interno, possuem pequenoscaracteres braille (relevo), que indicamrespectivamente um a hora e outro o minuto.•relógio também possui a palavra ‘ Time’impressa em braille, que indica ao usuáriodireção correta de colocá-lo no pulso econsequentemente a de leitura.Bergignat está a procura um fabricante paracomercializar este produto em larga escala.
  13. 13. Brief’s – Clipagem | FASE II #3Clipagem O Ser humano Produto: E-book para cegos possui as mesmas Matéria: Leitores de e-books para cegos próximos da realidade Insight necessidades de Veículo: YouTube Seção: Curiosidades consumo. E a Postado por: PDL Data: 21.Abr.2009 tecnologia evolui a Veículo: YouTube cada dia. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=BwO8XqcZ5Q0&feature=player_embeddedO mercado de audiolivros (Kindle eiPad) está em alta, eé natural que novos nichos sejam explorados. bbookGraças a um grupo de designers chineses, estamospróximos de ter um leitor de e-books para cegos.Eles pretendem mudar a forma dinâmica a estrutura dasuperfície da tel, tornando-a dinâmica (leia-sealterável). Através de impulsos eletromagnéticos, asuperfície simulará o formato dos pontos da linguagembraille.Ok, é um produto-conceito (sem data prevista paraapresentaçã do protótipo ), mas definitivamente, Ba idéia merece atenção.Sergio Trujillo, tem uma outra proposta para umasolução similar: o bbook (braile book) possuiriabluetooth e seria capaz de armazenar centenas delivros. Por intermédio de células que se movimentampara cima e para baixo, o aparelho formariadinamicamente os seis pontos de cada letra braile.Obs.: no há um email e telefones de contato. E-book para cegos
  14. 14. Brief’s – Clipagem | FASE II #3Clipagem Tratar o Produto: Telemóvel para cegos deficiente visual Matéria: Leitores de e-books para cegos próximos da realidade Insight como um target Veículo: YouTube Seção: Curiosidades qualquer Postado por: PDL Data: 21.Abr.2009 Veículo: YouTube Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=BwO8XqcZ5Q0&feature=player_embedded Mas uma boa iniciativa vem da parte do designer japonês Takumi Yoshida, que desenvolveu um conceito de telemóvel voltado para os cegos e para pessoas de baixa acuidade visual. A idéia é o mote do protótipo Sens Phone. O aparelho tem teclado propício ao reconhecimento tátil pelo usuário .(os botões tem relevo irregular em diferentes formatos). O aparelho emite sons específicos para cada tecla, alarmes especiais e mensagens de alerta. E também , e a lateral exibe alertas luminosos em diferentes cores de acordo com a mensagem recebida (útil para quem enxerga mal). Ver tbm: http://www.youtube.com/watch?v=HDZMlkvTkV4
  15. 15. Brief’s – Referências | FASE II #3Usuário cego interagindo pelo SmartPhone, usando o software NavTap,para enviar uma mensagemde texto. Com o NavTap, o usuário recebe um feedback sonoro correspondente ao que ele acaboude digitar. O programa também sugere letras ou palavras.+ informações disponíveis em: http://m-accessibility.blogspot.com Blind user writing a SMS with NavTap
  16. 16. Brief’s – Referências | FASE II #3Essa aplicação foi desenvolvida sob a supervisão do Dr.Mohammed Yeasin, fundadot do CVPIALab, EECE, da Universidade de Memphis.+ informações disponíveis em: http://cvpia.memphis.edu/ R-MAP an application on Android for the Blind or Visually impaired
  17. 17. Brief’s – Referências | FASE II #3Vídeo de divulgação do Oddcast VHost™ platform.+ informações disponíveis em: http://m-accessibility.blogspot.com Sitemap – sintetizador de voz em flash
  18. 18. Brief’s - Briefing de Concepção | FASE II #3Benefícios e Resultados EsperadosPremissas• Premissa 1 - iPhone bloqueia completamente o software livre. Ele se enquadra no DRM (DigitalRestrictions Management). Os programadores são obrigados a pagar uma taxa para a Apple, que é quempermitirá o uso do aplicativo no iPhone. Vale ressaltar que a Apple será a auditora do aplicativo, que só éliberrado após passar pelo crivo dessa censura. O custo é $90/ano para aplicativos sem fins comerciais e$299/ano para fins comerciais.• Premissa 2 - A tecnologia utilizada tem que ser objective-c. Qualquer outra linguagem dedesenvolvimento será utilizada via browser com o processamento no servidor, exceto HTML, CSS eJavascript que rodam no cliente, ou seja, o iPhone.• Premissa 3 - É necessário desenvolver uma ergonomia cognitiva específica.• Premissa 4 - Obrigatório haver integração com sistemas legados.• Premissa 5 - Por se tratar de uma nova interface, é fator determinante para as definições nodesenvolvimento do protótipo, efetuar testes de desempenho e usabilidade. Tais particularidades nãopodem er embasadas em projeções de usabilidade(é complicado olhar com a ótica do outro, tentarimaginar o que seria bom para o outro quando ele vive uma realidade que não é a sua).
  19. 19. Escopo | FASE III #3 Escopo Dentro do Escopo• Elaboração de Brief[vaga idéia/desejos do que é o produto e o que se pretende com o projeto].• Elaboração de Briefing de concepção[características do produto/serviço que se quer como resultado do projeto +insights e leads que devem ser seguidos na criação].• Escopo do projeto[como deve funcionar e quais são as tecnologias necessárias]a)Conceituação[Identificação da necessidade de automação]b) Solução [ análise do problema, alternativas e viabilidade]c) Análise e modelagem [Aprofunda o estudo da alternativa escolhida através da © Copyright 2010,Daniella Velloso ME.
  20. 20. Escopo | FASE III #3 Escopo Dentro do Escopo• Matriz de Escopo[Serviços e funcionalidades providas pelo Website].• Wireframe - Arquitetura de Informação[Esqueleto da interface. Define as possibilidades de interação e o caminho percorrido pelo usuário - estruturaração do conteúdo em cada pág. e indicaçãodo peso e relevância de cada elemento dentro do layout] .• Site Map [arquivo XML que relaciona os URLS do site com seus metadados (qdo ele foi atualizado pela última vez; com que freqüência ele é alterado; qual a suaimportância em relação a outros URLs no site) para que os mecanismos de pesquisas indexem o site estrategicamente].• Layout (Design Visual)[leads de criação|prints das páginas] © Copyright 2010,Daniella Velloso ME.

×