Your SlideShare is downloading. ×
6. Gestão curricular e coordenação pedagógica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

6. Gestão curricular e coordenação pedagógica

11,072
views

Published on

Relação entre gestão curricular e coordenação pedagógica - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima

Relação entre gestão curricular e coordenação pedagógica - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima

Published in: Education

2 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
11,072
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
265
Comments
2
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Tema 06
  • 2. 1.1. O planejamento e o projeto pedagógico-curricular Expressão dos valores, convicções e práticas educativas dos pares e observâncias das finalidades da educação. O projeto pedagógico-curricular resulta de práticas participativas. A elaboração do projeto pedagógico-curricular é um espaço de formação/práticas educativas – refletir e transformar a realidade. Grau de autonomia, para que por meio do planejamento das atividades-meio, as atividades-fim possam ser atingidas satisfatoriamente.
  • 3. 1.1.1. Referencial do projeto pedagógico-curricular na C.F. 1988
  • 4. 1.1.2. Referencial do projeto pedagógico-curricular na LDBEN 9394/96  Base nacional comum e parte Princípios diversificada  Língua portuguesa, matemática, conhecimento do mundo físico e natural, Objetivos da realidade social e política, arte, educação física Sistemas e práticas  História e cultura afro-brasileira e africana de gestão (Lei nº 10.639/03) negociadas  Língua estrangeira: a partir da 5ª série Unidade teórico-  Valores, direitos e deveres, orientação metodológica no para o trabalho, desporto trabalho pedagógico LDBEN 9394/96 (Art. 26 e 27) Sistema explícito e transparente de acompanhamento e avaliação do projeto e das atividades da escola
  • 5. 1.1.3. Formulação do projeto pedagógico-curricular Contextualização e caracterização da escolaAspectos sociais, Condições físicas e Caracterização dos Histórico da escolaecon., culturais, materiais elementos humanosgeográficos Concepção de educação e de práticas pedagógicasConcepção de escola e perfil de Princípios norteadores da ação didático-formação e alunos pedagógica Diagnóstico da situação atualLevantamento e identificação de Definição de prioridadesproblemas e necessidades a atender Objetivos Estrutura e organização da gestãoAspectos organizacionais Aspectos administrativos Aspectos financeiros Proposta CurricularFund. Sociológicos, psic.. Cult. Epist. e Ped Organização curricular. (Obj., conteúdos...) Proposta de formação continuada de professoresProposta de trabalho com os pais, comunidade e escolas da mesa região geográfica Formas de avaliação do projeto
  • 6. 1.2. A organização e o desenvolvimento do currículo Princípios para a elaboração do Currículo Precisa ser democrático Síntese de culturas Respeito/Div. cultural FORMAL ou oficial Contrib. Culturais da escola Org. da cidade e seu modo de vida: produção , CURRÍCULO: circulação, moradia. intenções e orientações expressas no Projeto Pedagógico OCULTO REAL (o (Influências praticado na que afetam as escola) aprendizagens
  • 7. 1.3. A organização e o desenvolvimento do ensino Articulação entre a cultura elaborada e a cultura experienciada dos alunos. Ensino e ALUNO: qualidade Pedagogia prática de cognitiva e crítico- valores, operativa das reflexiva atitudes... aprendizagens Pedagogias diferenciadas
  • 8. 1.4. As práticas de gestão AÇÕES DE NATUREZA TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Legislação e normas Secretaria/Vida escolares acadêmica do aluno AÇÕES DE NATUREZA PEDAGÓGICO-CURRICULAR Gestão das funções Monitoração e avaliação docentes do andamento escolar
  • 9. Atribuições da coordenação pedagógica: Assistência pedagógico-didática aos professores Monitoração sistemática da prática-pedagógica Formação continuada de professores Orientação da org. e desenvolvimento curricular Estímulo à realização de projetos Coordenação de reuniões pedagógicasDiagnosticar e acompanhar o proc. Ensino-aprendizagem Registros da memória escolar - aprendizagens
  • 10. Requisito para a melhoriadas condições que afetam Promove a auto-regulaçãodiretamente a qualidade de institucional ensino AVALIAÇÃOIndicador da organização Acompanhamento da da instituição no aprendizagem encaminhamento doatendimento às atividades-fim por intermediação das atividades-meio
  • 11. A gestão curricular orientada pela coordenação pedagógica ou pelo diretor tem como incumbências centrais:GESTÃO ESCOLAR CURRICULAR E COORDENAÇÃO PEDAGÓGICAFlexibilizar o currículo – ressignificar o currículo no processo de açãoDesenvolvimento de uma cultura institucional crítico-reflexivaReconstruir o currículo proposto a nível nacional, tendo em vista arealidade local e da escolaTrabalhar em equipeCriar iniciativas curriculares de acordo com o contexto da escolaAvaliar o projeto curricular elaborado e realizadoA gestão curricular é inerente a qualquer prática docente. O querealmente varia é a natureza da opção, os níveis de decisão e ospapéis dos atores na escola...
  • 12. Uma ação interventiva ressignificada no cotidiano escolar é resultantedo processo de ação-reflexão-ação do e sobre o trabalho docente, dae sobre a realidade na qual este trabalho se desenvolve, bem comodos atores que totalizam a história da comunidade intra e extra-escolar. Sobretudo a intervenção pedagógica ressignificada pelaação-reflexão-ação é fruto de contribuições individuais e coletivas,porque cada ator está na totalidade, assim como a totalidade emcada ator. Estas contribuições podem ser identificadas nosintercâmbios que se travam no âmbito escolar, das preocupações queos atores sociais explicitam em busca da superação eencaminhamento para uma outra realidade e de um posicionamentopolítico frente às demandas solicitadas pela comunidade escolar.(LIMA, 2007)
  • 13. REFERÊNCIASVI. BIBLIOGRAFIA BÁSICAAZEVEDO, J. M. L. de. A educação como política pública. Campinas: Autores Associados, 1997.BARROSO, João. Para uma abordagem teórica da administração escolar: a distinção entre “direcção” e “gestão”. In Revista Portuguesa de Educação,8(1), P.33-56. Portugal/Universidade do Minho, 1995.BORDIGNON, Genuíno. Gestão da educação no município. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado, DF, 1995.BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. Economia brasileira: uma introdução crítica, 1998.CABRAL NETO, Antonio; CASTRO, Alda Maria Duarte Araújo; FRANÇA, Magna; QUEIROZ, Maria Aparecida de. (Orgs). Pontos e contrapontos dapolítica educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília,DF: Liber Livro,2007.CORAGGIO, José Luis. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L: WARDE, S.(orgs). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.DOURADO, Luiz Fernandes; PARO, Vitor Henrique (Orgs.). Políticas públicas & educação básica. São Paulo: Xamã,2001.FERNANDES, M. “O currículo na pós-modernidade: dimensões a reconceptualizar”, Revista de Educação, Vol. IX, nº1, 2000, pp. 27-37, 2000.FERREIRA, Eliza Bartolozzi; OLIVEIRA, Dalila Andrade (Orgs.). Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.HOFLING, H. de M. Estado e políticas (sociais) públicas. In Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro/2001, p. 30-41.LEITE, C. . “A flexibilização curricular na construção de uma escola mais democrática e mais inclusiva”, Território Educativo, n.º. 7, Maio, DREN, pp. 20-26,2000a.LEITE, C. “A figura do „amigo crítico´ no assessoramento/desenvolvimento de escolas curricularmente inteligentes”, Actas do 5º Congresso da SPCE (noprelo).LIBÂNEO, JC.; OLIVEIRA, J.F.; TOSCHI, M.S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2008.MENDONÇA, Erasto. Gestão democrática: a intenção e o gesto. ANPED, 2000.MENESES, João Gualberto de Carvalho et. al. (Orgs.) Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo: Pioneira, 2000.OLIVEIRA, D. A. Educação Básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.PARO, Vitor Henrique. Escritos sobre educação. São Paulo: Xamã,2001.PARO, Vitor Henrique.7.ed. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1996.PEREIRA, Luis Carlos Bresser. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, Ano 47, Volume 120, Nº 1, 1996.ROLDÃO, M. do Céu (2000). “O currículo escolar: da uniformidade à recontextualização – campos e níveis de decisão curricular”, Revista de Educação,Vol. IX, nº1, 2000, pp. 81-89, 2000b.SANDER, Benno. Administração da educação no Brasil: genealogia do conhecimento. Brasília,DF: Liber Livro, 2007.SAVIANI, Dermeval. Plano de desenvolvimento da educação: análise crítica da política do MEC. Campinas,SP: Autores Associados, 2009.SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de. Política educacional. 4.ed. Rio de Janeiro, RJ: Lamparina, 2007.SILVA, Maria Abádia da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. São Paulo: FAPESP, 2002.TEODORO, Antonio. Globalização e educação: políticas educacionais e novos modelos de governação. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2003.VIEIRA, Sofia Lerche. Educação Básica: política e gestão. Brasília,DF: Liber Livro, 2009.
  • 14. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTARALMEIDA, Malu (Org.) Políticas educacionais e práticas pedagógicas: para além da mercantilização do conhecimento.Campinas,SP: Alinea Editora, 2005.ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In SADER, Emir & GENTILI, Pablo. Pós-neoliberalimo: as políticas sociais e o Estadodemocrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.BIÁZZIO, S. C. F. de & LIMA, Paulo Gomes. A participação da família no projeto político-pedagógico da escola. Revista Educere etEducare, Vol. 4, N.7, 1° semestre de 2009. ISSN 1981-4712 (versão eletrônica) – ISSN 1809-5208 (versão impressa).DE TOMASI, L.; WARDE, M. J.; HADAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.GENTILI, Pablo. Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia na nova ordem mundial. Petrópolis, RJ: Vozes;Buenos Aires: FLACSO, 2000.HORA, Dinair Leal da. Gestão democrática na escola. 7.ed. Campinas/SP: Papirus, 1994.LIMA, Paulo Gomes. Reestruturação produtiva, reforma do Estado e políticas educacionais. [CD-ROM]. In Anais do V SimpósioInternacional O Estado e as Políticas Educacionais no Tempo Presente. Uberlândia/MG: UFU, 2009. ISBN 978-85-217-5.LIMA, Paulo Gomes. Saberes pedagógicos da educação contemporânea . Engenheiro Coelho/SP: UNASP, 2007.Mészáros, Istvan. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.PILETTI, Nelson. Estrutura e funcionamento do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 1998.PRAIS, Maria de Lourdes Melo. Administração colegiada na escola pública. 4.ed. Campinas/SP: Papirus, 1996.ROSANVALLON, Pierre. A crise do Estado-providência. Goiânia/GO: UFG; Brasília: UnB, 1997.SANDER, Benno. Gestão da educação na América Latina: construção e reconstrução do conhecimento. Campinas/SP: AutoresAssociados, 1995.VIEIRA, Sofia Lerche. Desejos de reforma: legislação educacional no Brasil Império e República. Brasília,DF: Liber Livro,2008.VIEIRA, Sofia Lerche. Política educacional no Brasil: introdução histórica. Brasília,DF: Liber Livro, 2007WITTMANN, Lauro Carlos e GRACINDO, Regina Vinhaes (Coords.) O Estado da arte em política e a gestão da educação no Brasil.1991 a 1997. Brasília: ANPAE, Campinas: Editora Autores Associados; 2001.