11.Relações entre o administrativo e o pedagógico na prática do gestor escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

11.Relações entre o administrativo e o pedagógico na prática do gestor escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima

on

  • 11,015 views

Realações entre a dimensão administrativa e pedagógica do gestor escolar.

Realações entre a dimensão administrativa e pedagógica do gestor escolar.

Statistics

Views

Total Views
11,015
Views on SlideShare
10,912
Embed Views
103

Actions

Likes
1
Downloads
172
Comments
0

4 Embeds 103

https://www.xn--cursosonlinedaeducao-7yb1g.com.br 54
https://cursosrapidosonline.com.br 27
https://www.cursosonlinecursos.com.br 14
https://cesbonline.com.br 8

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

11.Relações entre o administrativo e o pedagógico na prática do gestor escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima 11.Relações entre o administrativo e o pedagógico na prática do gestor escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima Presentation Transcript

  • Relações entre o administrativo e o pedagógico na prática do gestor escolar Tema 11
  • I. ANALISE RELACIONADA À DICOTOMIA ENTRE O ADMINISTRATIVO E OPEDAGÓGICO DA ESCOLA E DA SUA GESTÃO.1.1. A perspectiva de conflito funcional • Conflito entre as partes que representam as atividades-meio (administrativo) e os que representam as atividades–fim (ensino), entendidas como dois campos distintos de atividades • São conflitos resultantes das diferentes funções na estrutura de qualquer organização, ou, ainda, das funções preenchidas por pessoas diferentes, que lutam cotidianamente pelo poder ligado à sua função.
  • Atividades-meio: conceito São atividades que contribuem e asseguram o alcance (ou consecução) das atividades-fim – não diretamente com o educando. Âmbito das atividades-meio na educação formal Planejamento, organização, controle, direção e controle do pessoal, dos recursos materiais, físicos, financeiros e pedagógicos. Ações/Dimensões das Atividades-Meio Org. e práticas de ProjetoPlanos de ensino Planejamento Gestão Pedagógico Acrescidos de planificação sobre: Currículo Conteúdos Ensino Avaliação
  • Atividades-fim - conceitoSão atividades que contribuem diretamente à formação do aluno por meio da intervenção no processo ensino-aprendizagem (educador-educando) Derivadas Exigências econômicas, políticas, sociais, culturais ObjetivosQue tipo de homem se quer formar ? Para que sociedade ?
  • 1.1.1. Pressupostos da perspectiva de conflito funcional Para Saes & Alves (2003) a forma de divisão do trabalho neste tipo de sociedade influencia o aparelho estatal bem como o econômico... Os conflitos funcionais intraescolares no âmbito da estrutura da sociedade capitalista reforçam a forma de divisão do trabalho na perspectiva capitalista capitalismo Está em jogo a relação de poder, advinda das tensões dos representantes administrativos e dos representantes técnicos
  • 1.1.2. Razões da eclosão dos conflitos funcionaisa) Parcelização ou delimitação da função que tem fim em si mesma;b) Não existe qualquer esforço no rompimento com o modelo funcional, apenasuma delimitação hierárquica de prioridade no interior da unidade escolar. Talposicionamento contribui ainda mais para a evolução do processo disciplinar eisolacionista... de funções
  • 1.2. A perspectiva da interconexão:O pedagógico na escola como razão da administração escolar.Parte de uma nova definição de racionalidade ‘democrática e emancipatória’ para aadministração educacional, que se utiliza do corpus teórico existente no Brasil e dospressupostos (consenso, diálogo, discurso, argumentação, contra-argumentação erelações intersubjetivas) da racionalidade comunicativa de Jürgen Habermas.Interconexão entre administrativo e pedagógico por meio do diálogointerparadigmático (teórico s da administração escolar e de orientação pedagógica)
  • 1.3. A perspectiva da multirreferencialidade:• Discute a relação entre o administrativo e o pedagógico na vertente multirreferencial, isto é,a administração educacional pode ser vista a partir de duas perspectivas: tanto a perspectivaorganizacional (administrativo) quanto a institucional (pedagógico).• Pressupõe uma visão pluralizada da administração e do pedagógico na gestão escolar, semque haja mudança nas funções do diretor e outros profissionais da educação; é somente um“modo de ser e de atuar no espaço simbólico e concreto do cumprimento de sua obrigação
  • II. NEXOS ENTRE ATIVIDADES-MEIO E ATIVIDADES-FIM (O ADMINISTRATIVO EO PEDAGÓGICO NA GESTÃO ESCOLAR) Expectativas e exigências econômicas, políticas sociais, culturais... Atividades-meio Atividades-fim Processo ensino- aprendizagem Formação do aluno
  • A dialogia entre as atividades-meio e as atividades-fim na gestão escolar [...] à medida que as atividades-meio se “degradam” em fins em si mesmas, deixando de servir aos fins da instituição escolar, por perder sua característica própria de sustentáculo das atividades-fim. Para superar esse risco é preciso um conceito mais amplo e rigoroso de administração. Justifica-se, então, considerá-la como “utilização racional de recursos para a realização de fins determinados...Assim entendida, a qualidade específica da administração é seu caráter de mediação que envolve asatividades-meio e as atividades-fim, perpassando todo o processo de realização de objetivos. A partirdesse entendimento, o princípio fundamental da administração passa a ser o da necessária coerênciaentre meios e fins, ou seja, para que a administração efetivamente se realize, é imprescindível que osmeios utilizados não se contraponham aos fins visados. (Paro, 1996)
  • VI. BIBLIOGRAFIA BÁSICAAZEVEDO, J. M. L. de. A educação como política pública. Campinas: Autores Associados, 1997.BARROSO, João. Para uma abordagem teórica da administração escolar: a distinção entre “direcção” e “gestão”. In Revista Portuguesa de Educação,8(1), P.33-56. Portugal/Universidade do Minho, 1995.FERREIRA, Eliza Bartolozzi; OLIVEIRA, Dalila Andrade (Orgs.). Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.FREIRE Paulo. Pedagogia do indignação/cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP,2000HOFLING, H. de M. Estado e políticas (sociais) públicas. In Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro/2001, p. 30-41.LEITE, C. . “A flexibilização curricular na construção de uma escola mais democrática e mais inclusiva”, Território Educativo, n.º. 7, Maio, DREN, pp. 20-26,2000a.LEITE, C. “A figura do „amigo crítico´ no assessoramento/desenvolvimento de escolas curricularmente inteligentes”, Actas do 5º Congresso da SPCE (noprelo).LIBÂNEO, JC.; OLIVEIRA, J.F.; TOSCHI, M.S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2008.MENDES, Rosa Emília de Araújo. Projeto político Pedagógico em favor da Escola. Revista AMAE educando. ed. 291. Belo Horizonte: maio 2000.MENDONÇA, Erasto. Gestão democrática: a intenção e o gesto. ANPED, 2000.MENESES, João Gualberto de Carvalho et. al. (Orgs.) Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo: Pioneira, 2000.OLIVEIRA, D. A. Educação Básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.PARO, Vitor Henrique. Escritos sobre educação. São Paulo: Xamã,2001.PARO, Vitor Henrique. Gestão Democrática da escola pública. 3ª ed.São Paulo:Ática,2003.PARO, Vitor Henrique.7.ed. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1996.PEREIRA, Luis Carlos Bresser. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, Ano 47, Volume 120, Nº 1, 1996.PONCE, Aníbal. Educação e Luta de classes.17ª ed.São Paulo:Cortez,2000.ROLDÃO, M. do Céu (2000). “O currículo escolar: da uniformidade à recontextualização – campos e níveis de decisão curricular”, Revista de Educação, Vol.IX, nº1, 2000, pp. 81-89, 2000b.ROSENFIELD, Denis L. O que é democracia. 4ª ed. São Paulo: ed. Brasileira,1994. (Coleção primeiros passos)SAES, Décio Azevedo Marques, ALVES, Maria Leila. Uma contribuição teórica á analise de conflitos funcionais em instituições escolares dasociedade capitalista. RBPAE. V.19, n.1, jan/jun.2003.SANDER, Benno. Administração da educação no Brasil: genealogia do conhecimento. Brasília,DF: Liber Livro, 2007.SAVIANI, Dermeval. Plano de desenvolvimento da educação: análise crítica da política do MEC. Campinas,SP: Autores Associados, 2009.SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de. Política educacional. 4.ed. Rio de Janeiro, RJ: Lamparina, 2007.VIANNA, Ilca Oliveira de Almeida. Planejamento Participativo na Escola: Um desafio ao Educador.São Paulo:EPU,1986 ( Temas básicos de educação eensino)VIEIRA, Sofia Lerche. Educação Básica: política e gestão. Brasília,DF: Liber Livro, 2009.
  • BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR ALMEIDA, Malu (Org.) Políticas educacionais e práticas pedagógicas: para além da mercantilização do conhecimento. Campinas,SP: Alinea Editora,2005.ANDERSON, Perry. Balanço do neoliberalismo. In SADER, Emir & GENTILI, Pablo. Pós-neoliberalimo: as políticas sociais e o Estado democrático. Riode Janeiro: Paz e Terra, 2000.BIÁZZIO, S. C. F. de & LIMA, Paulo Gomes. A participação da família no projeto político-pedagógico da escola. Revista Educere et Educare, Vol. 4,N.7, 1° semestre de 2009. ISSN 1981-4712 (versão eletrônica) – ISSN 1809-5208 (versão impressa).BRASIL, MEC. Lei 9.394/96 - Diretrizes e bases da Educação Nacional. Promulgada em 20/12/1996. Editora Brasil S/A São Paulo.BRASIL, MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Educar é uma tarefa de todos nós: um guia para a família participar, no dia a dia, da Educaçãode nossas crianças. Brasília: Assessoria Nacional do Programa Parâmetros em ação, 2002.DE TOMASI, L.; WARDE, M. J.; HADAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996.GENTILI, Pablo. Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia na nova ordem mundial. Petrópolis, RJ: Vozes; Buenos Aires: FLACSO,2000.HORA, Dinair Leal da. Gestão democrática na escola. 7.ed. Campinas/SP: Papirus, 1994.LIMA, Paulo Gomes. Reestruturação produtiva, reforma do Estado e políticas educacionais. [CD-ROM]. In Anais do V Simpósio Internacional O Estadoe as Políticas Educacionais no Tempo Presente. Uberlândia/MG: UFU, 2009. ISBN 978-85-217-5.LIMA, Paulo Gomes. Saberes pedagógicos da educação contemporânea . Engenheiro Coelho/SP: UNASP, 2007.MENDES, Rosa Emília de Araújo. Projeto político Pedagógico em favor da Escola. Revista AMAE educando. ed. 291. Belo Horizonte: maio 2000.Mészáros, Istvan. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.PILETTI, Nelson. Estrutura e funcionamento do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 1998.PONCE, Aníbal. Educação e Luta de classes.17ª ed.São Paulo:Cortez,2000.PRAIS, Maria de Lourdes Melo. Administração colegiada na escola pública. 4.ed. Campinas/SP: Papirus, 1996.ROSANVALLON, Pierre. A crise do Estado-providência. Goiânia/GO: UFG; Brasília: UnB, 1997.ROSENFIELD, Denis L. O que é democracia. 4ª ed. São Paulo: ed. Brasileira,1994. (Coleção primeiros passos)SANDER, Benno. Gestão da educação na América Latina: construção e reconstrução do conhecimento. Campinas/SP: Autores Associados, 1995.Veiga, Ilma Passos Alencastro; RESENDE. Lúcia Maria Gonçalves de. Escola: Espaço do Projeto Político Pedagógico. 7ª ed. Campinas: Papirus, 2003(Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico).VIANNA, Ilca Oliveira de Almeida. Planejamento Participativo na Escola: Um desafio ao Educador.São Paulo:EPU,1986 ( Temas básicos de educaçãoe ensino)VIEIRA, Sofia Lerche. Desejos de reforma: legislação educacional no Brasil Império e República. Brasília,DF: Liber Livro,2008.VIEIRA, Sofia Lerche. Política educacional no Brasil: introdução histórica. Brasília,DF: Liber Livro, 2007WITTMANN, Lauro Carlos e GRACINDO, Regina Vinhaes (Coords.) O Estado da arte em política e a gestão da educação no Brasil. 1991 a 1997.Brasília: ANPAE, Campinas: Editora Autores Associados; 2001.