Lala Deheinzelin - Cultiva 08 de agosto - Oficina Economia Criativa, Sustentabilidade e Possibilidades de Futuro

1,846 views
1,699 views

Published on

Apresentação da Lala Deheinzelin utilizada na oficina Economia Criativa, Sustentabilidade e Possibilidades de Futuro. Essa foi a primeira edição do Programa Cultiva - www.cultiva.is

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,846
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
95
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lala Deheinzelin - Cultiva 08 de agosto - Oficina Economia Criativa, Sustentabilidade e Possibilidades de Futuro

  1. 1. Economia Criativa, Sustentabilidade e Oportunidades de Futuro Cultiva Salvador, 8 de agosto de 2012 Lala Deheinzelin Enthusiasmo Cultural www.laladeheinzelin.com www.criefuturos.com
  2. 2. Especialista em Economia Criativa, Sustentabilidade e Futuros DesenvolvimentoCriatividade e Cultura Eventos Sustentável Corporativos Terceiro Multimídia Setor ONGs Artes cênicas TV Governos Desenvolvimento Local Futuro Inovação Cooperação Internacional Empreendedorismo Estudos de Futuro
  3. 3. Por que falamos de FUTURO ? Pois ... .... ele é fruto dos sonhos do passado e escolhas do presenteLala Deheinzelin , 2011
  4. 4. Vendo o “passado doFuturo” fica claro que opresente é fruto do quesemeamos no imaginário.Home theater …France- 1883
  5. 5. 1906, o bisavô do twitter ou SMS : “telégrafo wireless, permitedeclarações de amor à distância… Lala Deheinzelin , 2012
  6. 6. 1912, França Lala Deheinzelin , 2012
  7. 7. Imaginamos internet, skype , antenas , mega cidades 1921-EUA
  8. 8. São dezenas de imagens que sonharam as tecnologias atuais Flash Gordon 1937Lala Deheinzelin , 2012
  9. 9. Computadores individuais na sala de aula + manutenção do esquema escolar tradicionalMudam os produtos… Mas não mudam os processos Lala Deheinzelin , 2012
  10. 10. CULTURA: O “ÓCULOS” QUE DETERMINA VISÃO DE MUNDO 1885 1845- França
  11. 11. CRIE FUTUROS:Futuros desejáveis, sonhos, geram inovação e mudança de modelo www.criefuturos.com
  12. 12. Futuros desejáveis para a vida em 2042ganhar – governar – habitar – cuidar - educar - relacionar
  13. 13. Que tal transportar cidades de uma local para outro ?Lala Deheinzelin , 2012
  14. 14. Tatorantes: sofisticadas experiências para os cinco sentidos... Angela Léon, 2012
  15. 15. Por que falamos de FUTURO ? Pois... .... o futuro chega cada vez mais rápido. Estamos cometendo equívocos?Lala Deheinzelin , 2012
  16. 16. Século XIX – Londres, fraldas para cavalos? Século XX – Carros substituem cavalos ...Século XXI – É importante evitar “fraldas de cavalos”, evitar trabalhar com premissas do passado... Lala Deheinzelin , 2012
  17. 17. Visão de futuro ? Pois ... .... Podemos estar deixando de ver muita coisa ...Lala Deheinzelin , 2012
  18. 18. TECHNO – NATURAL Bio Diversidade TANGÍVEL “HARDWARE” VISÃO SISTÊMICA SISTEMAS INTERDEPENDENTES SÓCIOCULTURAL Diversidade Cultural INTANGÍVEL “SOFTWARE”
  19. 19. O queveio primeiro? ou
  20. 20. • Fred Polak, 1961 - culturas com visão de futuro positivas são mais “bem sucedidas”• Visões negativas marcam seu declínio• Cultura é nossa “pele e olhos”, e determina a maneira como percebemos e atuamos no mundo.• Mudança cultural - de mentalidade e hábitos – é o ponto de partida.
  21. 21. VISÃO DE FUTURO• Qual é seu sonho, seu propósito e o futuro desejável que ele inspira ? Lala Deheinzelin , 2012
  22. 22. Ecossistema SOCIEDADEinterdependente: IntangívelDuas coordenadas “Software” equivalentes PROCESSUAL USAR AMBIENTE Tangível “Hardware” ESTRUTURAL TER
  23. 23. Exemplo: Brasil: Copa do Mundo E o software ? e Olimpíadas Equipes que possam tornar funcionais os espaços criados ? Educação, empreendedorismo? Apenas o “tangível” o “hardware”:Novas instalações, estradas, transporte Lala Deheinzelin , 2012
  24. 24. 2 coordenadasinterdependentes Intangível Nossa Evolução COMUNICAÇÃO Software Tangível TECNOLOGIAS Hardware Lala Deheinzelin , 2012
  25. 25. 2 coordenadas“O que sobra de um processo”? Intangível GESTÃO DE CONHECIMENTO Processual TangívelGESTÃO DE RESÍDUOS Estrutural Lala Deheinzelin , 2012
  26. 26. Exemplo:Economizar Energia Energia Intangível : Social e Cultural Ambientes de confiança e colaboração Energia Tangível :Ambiental e Econômica Energia renovável e emissão de CO2 Lala Deheinzelin , 2012
  27. 27. Mas, quê inovação ? Nova Perspectiva - Poder do “Soft”, intangível PODER NACIONAL PODER “SOFT” – INTANGÍVEIS PODER “HARD” – TANGÍVEIS Funcionalidade Integração Estrutura MULTI CAPITAIS • Capital Natural Poder Econômico • Capital Social •Capital Humano CAPITAL “HARD” • Capital Cultural • Recursos materiais • Capital financeiro CAPACIDADE DE INOVAÇÃO SOFT TECH• Tecnologias de gestão organizacional Poder da Defesa Nacional• Tecnologias r de comercialização• Tecnologias diplomáticas Poder Hard” Tech• Tecnologias do conhecimento etc... AMBIENTE “HARD” AMBIENTE DE INOVAÇÃO SOFT TECH Infra – estrutura• Ambiente institucional: políticas, leis, Base Industrialregulamentação , indicadores Matéria Prima• Ambiente cultural outros “tangíveis”• Mercado local e internacional• Infraestrutura adequada para o intangível Jin Zhouying, Academy of Soft Technologies, Beijing, 2009
  28. 28. Energia Matéria“Estar” “Ser”Sócio- Cultural Físico - NaturalIntangível TangívelPessoas “Coisas”Diversidade Cultural BiodiversidadeQualidade QuantidadeSoftware HardwareProcessos ProdutosFunção FormaTEMPO ESPAÇOUsar Ter Lala Deheinzelin , 2012
  29. 29. HARDWARE/ ESTRUTURA + SOFTWARE/PROCESSO • Observar quais os “hardwares”e “softwares” estão disponíveis . • Âmbito pessoal e coletivo • Todo hard tem soft ? ( e vice versa...) • Que softwares eu possuo e em quais hardwares eles poderiam funcionar? • Quais “hard” estão disponíveis ? • Que outros “soft” poderiam funcionar nestes “hards”? • Vamos fazer outras combinações ? Lala Deheinzelin , 2012
  30. 30. No passado, o pensamento econômico e social vigente criava justificativas para a escravidão. Hoje , ter escravos é impensável...Num futuro próximo, é provável que “sustentável “ deixe de ser um adjetivo opcional e seja o modus operandi que vai embasar todos os aspectos da vida. Mas... Sustentabilidade como? Lala Deheinzelin , 2012
  31. 31. 4 Pilares de uma Economia da Abundância Lala Deheinzelin , 2012
  32. 32. COLABORATIVO, REDES RIQUEZA Do Ter ao Usar chave: ampliar MULTIDIMENSIONAL 4DNovos modelos de negócios conceito e Patrimônios Sociais, indicadores de e organização humana riqueza Culturais, Econômicos, Ambientais 4D intangíveis + novas tecnologias resultam em 4 PILARES DE UMA ECONOMIA NOVAS TECNOLOGIAS DA PATRIMÔNIOS ABUNDÂNCIA Mundos virtuais INTANGÍVEIS Excedente Cognitivo Diversidade Cultural Descentralização Experiência tornam-se visíveis e Ativos Intangíveis operacionais graças a Lala Deheinzelin , 2012
  33. 33. Coletivo O¹² é um núcleo artístico de Votorantim voltado aprodução de dança contemporânea.Está sediado numa reserva ecológica através do apoioda Secretaria de Meio AmbienteDesenvolve a mais de 3 anos ações culturais voltadaspra comunidade local, unindo arte, educação e meioambiente.Todas as ações acontecem de maneira sustentável e são gratuitas.É formado por jovens entre 18 e 24 anos. Lala Deheinzelin , 2011
  34. 34. COLETIVO O12 CONTA QUE ...Usamos o espaço e devolvemos em espetáculos e intervenções nos eventos da Secretaria de MeioUsamos os ônibus da empresa local para transportar alunos da escola municipal ou estadual e divulgamos o logo da empresa, eles nos oferecem o serviço e ganham e visibilidade e reputação cidadã de apoiar artistas educadores.Fazemos um santinho de casa: pegamos a dança que produzimos, botamos numa potencia turística como cenário, usamos as relações institucionais para captar publico em escolas e universidades e solicitamos apoio de empresa de ônibus que transporta os alunos para nossos espetáculos. Resultado: temos sempre atividades artísticas em espaços urbanos e ecológicos da cidade e sempre com público.As pessoas físicas que nos apóiam Brasil a fora (Todo dia 12 eles depositam, bancam custos administrativos, desse modo temos suporte pra conseguir prêmios que fomentam ações específicas, turnês, montagem de espetáculos que por sua vez são vendidos e geram $.Somos os maiores produtores de evento da cidade pois conhecemos muitos artistas que gostam de ir pra Votorantim pois sabem que lá tem espaço, público e produção profissional = levamos ações gratuitas.
  35. 35. Rede e Movimento Fora Do Eixohttp://www.foradoeixo.org.br/Time: 19-28 anos27 estados do Brasil120 coletivos200 festivais independentes5.000 eventos realizados em 2010Simulacros re-significandoUniversidade Fora do EixoBanco – Moedas + Banco de HorasPartido – PcultMídia -Música, Literatura, Teatro, Cinema,Poéticas Visuais, Ambiente,Software Livre; Distribuição;
  36. 36. 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA PATRIMÔNIOSABUNDÂNCIA INTANGÍVEIS Diversidade Cultural, Experiência Ativos Intangíveis Lala Deheinzelin , 2012
  37. 37. SÉCULO XXI O INTANGÍVEL VALE MAIS QUE O TANGÍVEL Marcas mais valiosas lidam com intangíveis 75% DO VALOR DE UM PRODUTO ESTÁ EM SEUS INTANGÍVEIS Ladislaw Dowbor72% das capas de revistas brasileiras e internacionais tratam de intangíveis Daniel Domeneghetti Lala Deheinzelin , 2012
  38. 38. Mudança de Era RECURSOS NATURAIS, BENS MATERIAIS Tangível = Finito CONSUMIDOS COM O USO Economia da Escassez COMPETIÇÃOCRIATIVIDADE, CONHECIMENTO, EXPERIÊNCIA Intangível = Infinito MULTIPLICADOS COM O USO Economia da Abundância COLABORAÇÃO Lala Deheinzelin , 2012
  39. 39. Reserva de valor identificado e acessível Riqueza e TANGÍVEL qualidade de Economia TradicionalEx: Poço de petróleo vida Minas de minério processo adiciona valor Terras Reserva de valor identificado e acessível INTANGÍVEL Riqueza e Economia Criativa qualidade de valores de marca Diversidade cultural processo adiciona valor vida Conhecimento Experiências Tangível + Intangível MAIOR VALOR Lala Deheinzelin , 2012
  40. 40. Economia Criativa: ciclo de geração de valor, que através de etapas onde ocorrem sinergias com outras áreas, ativa e concretiza as reservas de valor/patrimônios intangíveis + Produto Produto Marketing + 4$ 2$ Comunicação + Design Produto ECONOMIA CRIATIVA SÓ É POSSÍVEL ATRAVÉS DE AÇÃO INTEGRADA 8$ ESTA É A SUA NATUREZA Produto + $ Distribuidor
  41. 41. Processo integrado gera VALOR Adicionado Maior a qualidade e diversidade da experiência , maior o valorAlgodão Confecção Moda Alta Moda1kg= 1U$ 1kg= 20U$ 1kg= 200 U$ 1kg= 8000 U$
  42. 42. ECONOMIA DO CUIDAR Setor Público + Privado + Terceiro Setor Chave para Sustentabilidade ECONOMIA CRIATIVA Economia cujo valor é criado a partir de recursos intangíveis : cultura, conhecimento, experiência , design, atributos,marca , reputação. pesquisa É uma chave para todo tipo de empreendimento CIDADES E TERRITÓRIOS CRIATIVOS (abordagem territorial ) INDÚSTRIA CRIATIVA Artes + Indústria Conteúdo + Serviços Criativos ARTES (o que chamamos “cultura”)Lala Deheinzelin , 2012
  43. 43. Alguns exemplos, cidades e territórios criativos• Barcelona pós Olimpíada de 1992 : economia criativa representa quase 25% do PIB da cidade• Nova Órleans : política prioritária de recuperação e desenvolvimento do estado, após a catástrofe do Katrina.• Colômbia: priorizar os intangíveis – educação e cultura – foi a maneira que o país encontrou para as questões de violência e drogas. Medellín e Bogotá são referência internacionais, investindo 40% de seus orçamentos em cultura e educação.•
  44. 44. P&D, Design Cultura e Mídia Consultoria Software Serviços de Internet Mercado Editorial ConsultoriaInformatização dos Serviços Museus Pesquisa de Mercado Artes e Artesanato Televisão, Difusão, Filmes e Convenções e ExposiçõesPesquisa & Desenvolvimento Audiovisual Consultoria em segurança Publicidade Literatura e Serviços ligados à Seguros Propriedade Intelectual Artes performáticas Serviços de Inovação e Tecnologia Serviços ligados à Arte e Cultura Arquitetura e Moda e Estilo de VidaPlanejamento Urbano Serviços De Beleza Serviços de Casamento/ Festas Indústrias Criativas Planejamento Urbano Fotografia em Shanghai Decoração Entretenimento em espaços fechados Lazer e recreação Serviços Turísticos
  45. 45. • Século XXI, século do CUIDAR?• Chave está nos PROPÓSITOS• Centralidade do Intangível traz a possibilidade de passar do TER ( economia de consumo) ao USAR ( economia da fruição)• Economia de Nicho: diversidade + experiência resultam em muitas oportunidades de nichos – diversificação• Reconhecer o valor do que é local e próprio para garantir essa diversidade de experiências. Lala Deheinzelin , 2012
  46. 46. Criatividade, Conhecimento e Cultura Economia Criativa RECURSOS QUE SE RENOVAM E MULTIPLICAM COM O USOSÓ ESTE FATO JÁ DEVERIA FAZER COM QUE FOSSEM PRIORIDADE ESTRATÉGICA E CHAVE PARA A SUSTENTABILIDADE Lala Deheinzelin , 2012
  47. 47. 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DAABUNDÂNCIA PATRIMÔNIOS INTANGÍVEIS Diversidade Cultural, Lala Deheinzelin , 2012
  48. 48. TECHNO – NATURAL Bio Diversidade TANGÍVEL “HARDWARE”“DAS DIFERENÇAS VEM A EVOLUÇÃO” Darwin SÓCIOCULTURAL Diversidade Cultural INTANGÍVEL “SOFTWARE”
  49. 49. TRANSFORMAR PROBLEMAS EM SOLUÇÕES Barbacena, Minas GeraisCidade estigmatizada por ter um enorme manicômio Lala Deheinzelin , 2012
  50. 50. Cabaceiras, Paraíba“Problemas” transformados em solução Seca – bom pra filmagens Atraso – cidade cenário Lala Deheinzelin , 2012
  51. 51. Patrimônios Intangíveis são estratégicos Dependem da diversidade cultural = Diversidade de experiências Lala Deheinzelin , 2012
  52. 52. 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DAABUNDÂNCIA PATRIMÔNIOS INTANGÍVEIS Diversidade Cultural, Experiência Lala Deheinzelin , 2012
  53. 53. Valor agregado por intangíveisMatéria Prima :Grão de Café : US$ 0, 1Produto:Pó de Café:US$ 0, 3A qualidade Da EXPERIÊNCIAmuda o valorServiço:Na lanchonete: US$ 1Experiência:No restaurante 5 * : US$ 5No Café Florian, Praça São Marcos, Veneza: US$ 15Diversidade é a chave .
  54. 54. Produtos e Serviços hoje: experiências Lala Deheinzelin , 2011
  55. 55. 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DAABUNDÂNCIA PATRIMÔNIOS INTANGÍVEIS Diversidade Cultural, Experiência Ativos Intangíveis Lala Deheinzelin , 2012
  56. 56. AVALIAÇÃO DE INTANGÍVEIS Valor de mercado das Empresas de Capital Aberto, Brasil Ano Intangíveis Tangíveis 1981 17% 86% 1998 71% 29% Gazeta Mercantil 10/06/08O que garante o valor de uma empresa é sua longevidade, sua capacidade de manter-se no mercado . Isso depende de sua “inteligência”, seus intangíveis .“
  57. 57. CAPITAL INTELECTUAL CAPITAL DE RELACIONAMENTOPatentes Negociação co fornecedoresP&D (Pesquisa e Desenvolvimento) Fidelidade dos ClientesCriatividade Relação com ImprensaInteligência Competitiva Acesso à CréditosLiderança Relação com AcionistasInovação Relação com ComunidadeConhecimento ATIVOS Relação com ColaboradoresTeses, Modelos, Metodologias INTANGÍVEIS Relação com Concorrentes Rotatividade de PessoalCAPITAL ORGANIZACIONAL Alianças e ParceriasModelo de negócio Lobby PolíticoGestão de Conhecimento CAPITAL INSTITUCIONALCRM (Gestão de Relacionamento com Marcas, SímbolosClientes) Imagem, ReputaçãoSIGE (Sistemas Integrados de Gestão Embaixadores CorporativosEmpresarial) Responsabilidade SocialProcesso de Seleção Feitos, MitosProcesso de Treinamento Daniel Domeneghetti, E- Consulting
  58. 58. INOVAÇÃO• Culturalização da EconomiaExemplo: NATURAValor do sabonete: 10x mais... Lala Deheinzelin , 2012
  59. 59. Pilar 1 – INTANGÍVEIS• Onde/como sou diverso, único?• Qual é meu sonho e o diferencial que ele revela?• Qual meu propósito ? Cuido de quê?• Que tipo de experiência diversa propicio?• Quais meus atributos ( ativos intangíveis) ? Lala Deheinzelin , 2012
  60. 60. SOCIEDADE EM REDE 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA NOVAS TECNOLOGIAS ABUNDÂNCIADes-territorialização/ virtual Excedente Cognitivo Descentralização Lala Deheinzelin , 2012
  61. 61. SOCIEDADE EM REDE 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA NOVAS TECNOLOGIAS ABUNDÂNCIADes-territorialização/ virtual Lala Deheinzelin , 2012
  62. 62. DESTERRITORIALIZADO • Posso levar meu “software”para qualquer lugar • Trabalho remoto • Multi-pluri-trans • Produção on demand • Parceiros locais
  63. 63. Cartão para permuta de serviços 2009 – 75.000 negócios no mundoNegociou US$ 2 bilhões , 20% + que em 2008 Lala Deheinzelin , 2012
  64. 64. SOCIEDADE EM REDE 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA NOVAS TECNOLOGIAS ABUNDÂNCIADes-territorialização/ virtual Excedente Cognitivo Lala Deheinzelin , 2012
  65. 65. EXCEDENTE COGNITIVO, Clay Shirky, A cultura da Participação WIKIPEDIA = 100 milhões de horas !!! = comerciais na TV nos EUA em um fim de semana... Mundo: 1 trilhão de horas /ano na TV !!!Imagine tudo o que podemos fazer com essas horas de “excedente cognitivo” ? Democracia real – movimentos descentralizados Lala Deheinzelin , 2012
  66. 66. Ex:Transparência Hacker e Cruzalinhas Lala Deheinzelin , 2012
  67. 67. Ex:Transparência Hacker e Cruzalinhas Lala Deheinzelin , 2012
  68. 68. Lala Deheinzelin , 2012
  69. 69. SOCIEDADE EM REDE 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA NOVAS TECNOLOGIAS ABUNDÂNCIADes-territorialização/ virtual Excedente Cognitivo Descentralização Lala Deheinzelin , 2012
  70. 70. Passado - Centralizado Futuro - Em redeDe poucos para muitos De muitos para muitos• Decisão centralizada • Decisão compartilhada• Setorial • Territorial• Economia de Escala • Economia de Nicho o Especialização o Diversificação• Mídia e Consumo de Massa • Mídia e consumo autoral • Uniformização • Customizado • Induz necessidade • Atende necessidades • Grandes Quantidades • Pequenas quantidades Lala Deheinzelin , 2012
  71. 71. Passado - Centralizado Futuro - Em redeDe poucos para muitos De muitos para muitos• Público passivo (consumidor) • Público co-criador ( prosumer) • Busca seu público • É buscado por seu público • Comum, sem risco • Inovador• Público vem até nós • Vamos até o público • Instalações custosas • Sustentável, aproveita estruturas pré existentes • Concentrado em centros • Mais acessível• Ter • Usar• Moeda Única • Multi moedas• Competição • Colaboração
  72. 72. Grupos ( música, teatro e dança) seapresentam e em troca recebemprodutos para difusão de seutrabalho feito em oficinas:Sitios webFolhetosDiscosAnúnciosOs discos são gravados durante oshow, os alunos fazem o impresso e arede de distribuidores informaisdistribui em bicicletas pela cidadeonde está sendo feita a oficina
  73. 73. Produtora Colaborativa, Pedro Jatobá, Instituto Intercidadaniahttp://www.iteia.org.br/videos/pedro-jatoba-explica-a-produtora-cultural-na-expoidea
  74. 74. Pilar 2 – TICs , CULTURA DIGITAL • Como estou aproveitando as oportunidades do “desterritorializado”? • Como estou usando as TICs? • Como estou usando o excedente cognitivo disponível? • Estou na lógica “Bolona ou Bolinhas” ? Lala Deheinzelin , 2012
  75. 75. Para Ganhar Tempo.... Para ganhar Tudo... TEMPOúnico recurso não renovável Colaboração Produção Colaborativa Novos Modelos Novas Tecnologias Lala Deheinzelin , 2012
  76. 76. COLABORATIVO, REDES Do suporte à função Do Ter ao UsarNovos modelos de negócios e organização humana 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA ABUNDÂNCIA Lala Deheinzelin , 2012
  77. 77. Em 1900, sonhamos calçadas que andam (lógico!!) mas isso não evoluiu,porque pensamos na forma ( carro) e não na função (transporte) Lala Deheinzelin , 2011
  78. 78. Do TER, ao USARCompartilhar o excedente de tempo, espaços,objetos, habilidades, conhecimento.Novos negócios “software”:usam estruturas ou materiais existentes e entram com a “inteligência” Lala Deheinzelin , 2012
  79. 79. Idéia “MESH”• Aproveita estrutura pré- existente• Nicho• Prosumer•Brasilidade• Efêmero
  80. 80. Inventar mídias sustentáveis Jornal Cultural em Saco de pão• Otimiza recursos• Cria novos veículos• Gera novos públicos Lala Deheinzelin , 2012
  81. 81. COLABORATIVO, REDES Do suporte à função Do Ter ao UsarWiki, Colaborativo, P2P 4 PILARES DE UMA ECONOMIA DA ABUNDÂNCIA Lala Deheinzelin , 2012
  82. 82. VIA MAGIA ( Bahia, Forum Cultural Mundial) Centro de Desenvolvimento de Capacidades A ampliação do conceito de patrimônio muda a noção de riqueza e pobrezaExemplos:• Enciclopédia da Cidade: livros didáticos criados a partir dopatrimônio cultural dos bairros• Resort “aberto”: turismo criativo, turismo solidário Lala Deheinzelin , 2011
  83. 83. www.meshing.it Negócios Mesh = Trama Do ter, ao usarArvores de Natal, Casas em FériasUso compartilhado de automóveis Lala Deheinzelin , 2012
  84. 84. Carro ultra veloz e seguro, que faz 100 milhas por litro, criado em 3 meses por 8 pessoas de quatro países diferentes Pode ser feito com impressoras 3D custo ao redor de U$ 20.000
  85. 85. Pilar 3 – COLABORATIVO, REDES • O que posso compartilhar? • A que redes estou intergrado? • Que estrutura/ sistema poderia receber meus “softwares”? • O que eu tenho, o que me falta com quem me associar? Lala Deheinzelin , 2012
  86. 86. RIQUEZA MULTIDIMENSIONAL 4D Patrimônios Recursos, resultados e valor 4D Sociais, Culturais, Financeiros e4 PILARES DE Ambientais UMA ECONOMIA DAABUNDÂNCIA SUSTENTABILIDADE Modus Operandi séc XXI Lala Deheinzelin , 2012
  87. 87. Como medir a Economia Criativa?Percebemos que o Patinho Feio é cisne... ...desde que se saiba o que está medindo... Setor? Atividade? Ex: dança e dançar Lala Deheinzelin , 2012
  88. 88. Novos Indicadores para avaliar Riqueza e Sustentabilidade Exemplo: FIB • Felicidade Interna BrutaCompendio de Sustentabilidade das Nações. Anne Louette Português e Inglês www.compendiosustentabilidade.com.br Lala Deheinzelin , 2012
  89. 89. SÓCIO - POLÍTICA Direitos + Governabilidade Intangível 4 Ambiental Financeiro dimensões ECONOMIA 4DTECHNO - NATURAL da vida ECONOMIA MONETÁRIA + SOLIDÁRIA 4D Tangível SIMBÓLICO - CULTURAL Conhecimento + Cultura Lala Deheinzelin , 2012
  90. 90. SÓCIO - POLÍTICA DIREITOS + GOVERNABILIDADE Conexões, contatos, acesso Representação política Reputação, visibilidade Institucionalidade Articulação/alianças FINANCEIRA AMBIENTAL Ação MONETÁRIA + SOLIDÁRIA TECHNO - NATURAL coordenada Investimento Bio diversidade, natureza Financiamento, Crédito Matérias primas e resíduos RECURSOS Mercados/ distribuição Corpo e saúde 4D Moedas complementaresEspaços, estrutura, equipamentos Permutas História Voluntariado, Saberes e Fazeres Banco de horas Conhecimento formal Atributos de marca Linguagens artísticas Tecnologias “Soft” SIMBÓLICO - CULTURAL CONHECIMENTO + CULTURA
  91. 91. SÓCIO – POLÍTICA Economia da solidariedade US$ 16 trilhõesAMBIENTALTECHNO - NATURAL FINANCEIRA Hazel Henderson Soma é MAIOR do que oServiços feitos pelo Planeta 2008US$ 34 trilhões PIB mundial 2008 SIMBÓLICO - CULTURAL CONHECIMENTO + CULTURA $?
  92. 92. 4D deixo para o FUTURO Valor: Patrimônios 4D + ou - Impactos 4D Sustentabilidade 4 D Economia 4D recebo do gero no PASSADO PRESENTE Recursos 4D Resultados 4 D Soma é = Soma é = Patrimônios 4D Impactos 4D
  93. 93. Visualização: Raizessão Recursos Copa osResultados
  94. 94. SÓCIO - POLÍTICA DIREITOS + GOVERNABILIDADE REPUTAÇÃO –6 AMBIENTALTECHNO - NATURAL FINANCEIRA RESULTADOS MONETÁRIA + SOLIDÁRIA 4DAPROVEITAMENTO 8-4-5+2= VENDASESPAÇOS OCIOSOS -5 -1 +8 SIMBÓLICO - CULTURAL CONHECIMENTO + CULTURA GESTÃO DE CONHECIMENTO +2
  95. 95. RIQUEZA MULTIDIMENSIONAL• Tangibilizar o intangível• Mudar maneiras de “medir”, com “réguas” adequadas ( métricas para o tangível não servem ao intangível )• Criar novas métricas e indicadores para valor e resultados, nas quatro dimensões da sustentabilidade • Possibilidade de sintetizar o que já existe ( empresarial, 3º. Setor, Setor ambiental ) = índice de riqueza 4D• Mudar maneira de medir a riqueza das nações e empresas• RE- INVENÇÃO DA ECONOMIA
  96. 96. SUSTENTABILIDADE 4D+ SÓCIO - POLÍTICA ( 4 dimensões da vida) Direitos + Governabilidade Economia 4D+ (4 tipos de riquezas) Ambiental Valor Financeiro “muda deTECHNO - NATURAL estado” MONETÁRIA + SOLIDÁRIA em cada Intangível dimensão Tangível SIMBÓLICO - CULTURAL Conhecimento + Cultura Lala Deheinzelin , 2012
  97. 97. SÓCIO - POLÍTICA DIREITOS + GOVERNABILIDADE Conexões, contatos, acesso Representação política Reputação, visibilidade Institucionalidade Articulação/alianças FINANCEIRA AMBIENTAL Ação MONETÁRIA + SOLIDÁRIA TECHNO - NATURAL coordenada Investimento Bio diversidade, natureza Financiamento, Crédito Matérias primas e resíduos RECURSOS Mercados/ distribuição Corpo e saúde 4D Moedas complementaresEspaços, estrutura, equipamentos Permutas História Voluntariado, Saberes e Fazeres Banco de horas Conhecimento formal Atributos de marca Linguagens artísticas Tecnologias “Soft” SIMBÓLICO - CULTURAL CONHECIMENTO + CULTURA
  98. 98. Para que serve? RECURSOS• Avaliar, numa visão mais abrangente, os recursos 4D que eu, minha organização ou projeto temos.• Compreender que há muitos recursos 4D disponíveis que podem ser moeda de troca – e como manejá-los.• Comprender o que eu tenho e o que necessito, na hora de estabelecer um processo de colaboração com outros ..• Criar Bancos de Recursos 4D e financiamento 4D.• Comprender que muitas vezes nos sentimos pobres mas estamos ricos.• E assim ter mais poder, por exemplo de negociação.
  99. 99. Para que serve esta ferramenta?• Ter mais elementos para avaliar, trocar, demonstrar e monitorar recursos e resultados, para além do quantitativo/ financeiro, relativizando a importância do financeiro/monetário.• Atribuir valor REAL a produtos, processos e projetos ao verificar seus Recursos e Resultado 4D,que podem ser positivos ou negativos.• Simplificar, sintetizar, criar parâmetros/matrizes lógicas/léxicos comuns que permitam comparar , trocar,avaliar.
  100. 100. Quem pode fazer/usar uma Matriz 4D ?• Grupos, organizações, instituições, projetos, coletivos artísticos e culturais.• Quem está criando e desenvolvendo um projeto e queiram repensar: (1) Os Recursos 4D que Temos e o que se necessita(2) Avaliar estratégicamente com quem associar-se (3) O que intercambiar ou pedir.• Instituicões e projetos que tenham que demostrar Resultdos 4D, além do financeiro/quantitativo.• Todos os que queiram atribuir valor para além do financeiro.
  101. 101. Léxico:• Economia 4D = 4 dimensões ( sustentabilidade)Tangível: Techno –Natural (Ambiental) ; Monetário- Solidário (Financeiro)Intangível : Simbólico- Cultural (Cultural); Sócio- Político (Social)• O Inventário de Recursos 4D soma os Patrimônios (Bancos ?) 4D.• O Inventário de Resultados 4D mostra o Impacto 4D• Recursos + ou – Resultados = Valor 4D• Os Inventarios de Recursos se organizam em Macro e Micro Categorias e suas métricas• Os Inventários de Resultados se organizam em Macro e Micro Indicadores e suas métricas
  102. 102. CULTURAL SOCIAL FINANCEIRO AMBIENTAL Talentos/ Ação coletiva Recursos permutas Espaços disponíveis: Capacidades: organizada Conhecimentos: Instituições: Financiamentos: Matérias Primas: Atributos: Lideranças Permutas: Locais Especiais: Circuitos de Horas de trabalho Instrumentos de Valores: distribuição: permutáveis: comunicação: Ferramentas de Iniciativa EquipamentosPatrimônio cultural acesso e empreendedora e Disponíveis:material/ imaterial: visibilidade: Vontade: Experiências , Comunidades Matérias Primas hobbies Étnicas: naturais: História: Clubes Resíduos Recicláveis: Tradições, Grupos/Redes: Locais de reunião ou curiosidades Lazer Formação Equipes: Recursos Naturais: Professional: Obstáculos Superados:
  103. 103. SÓCIO – POLÍTICA calendário = Organizar o setor Convergência Formulação de políticas Público + privado + setoriais 120.000 pxas Reputação Brasil FINANCEIRA AMBIENTAL InvestimentoProver e compartilhar Fomentar financiamento e espaços e estruturaReutilização materiais SPFW investimentos Resultados Gerar e qualificar mercados Revista MAG 4D Otimização recursos por Site FWD compartilhamento 1500 jornalistas SIMBÓLICO – CULTURAL Salão de Negócios Atividades culturais, publicações, exposições Criar “Cultura de Moda” Fortalecer Brasil como marca Gera inovação
  104. 104. SÓCIO – POLÍTICA Rede em 27 estados Brasil + Am. Latina + Am. Central Pcult - Representatividade Suporte mútuo Ação coordenada, governança Propósito + entusiasmo AMBIENTAL Reputação FINANCEIRA Casas FDE Regionais Open Source, Software livre 500 festivais Circuito Compartilhar = Cada R$ 1000 jovens FDE investido resulta emMídias: Selo, Web radio, Recursos 70% + resultados Web TV, News 4D Moedas Solidárias Equipamentos BAnCult -Banco de Horas Circuito de Exibição SIMBÓLICO – CULTURAL Melhor aproveitamento Tecnologias Digitais tempo Universidade Fora do Eixo Aprimoramento Artístico Relações de confiança Pesquisa e Metodologias próprias
  105. 105. SÓCIO – POLÍTICA • Acesso a jornalistas •Contato com festivais internacionais •acesso a editais • carta de recomendação •mailing listAMBIENTAL FINANCEIRA• 2 computadores.2 dias • 4 pessoas para ajudar• 8 horas de carreto •Cnpj para emitir recibos Necessidades •Circuito de distribuição•40 metros de pano 4D •horas dos artistas• 1 dia de estúdio de som• sala de ensaio • • SIMBÓLICO – CULTURAL •3 dias de costureira •designer para impressos • web designer
  106. 106. SÓCIO – POLÍTICA •Rede em 27 estados Brasil + Am. Latina + Am. Central •Pcult - Representatividade •Suporte mútuo •Ação coordenada, governança •Propósito + entusiasmoAMBIENTAL •Reputação FINANCEIRA•Requer pouca infra estrutura •Open Source, Software livre•Baixo impacto ambiental Economia •Compartilhar = Cada R$•9 Criativa investido resulta em Resultados •70% + resultados• 4D •Moedas Solidárias •BAnCult -Banco de Horas SIMBÓLICO – CULTURAL •Melhor aproveitamento •Tecnologias Digitais •tempo •Universidade Fora do Eixo •Aprimoramento Artístico •Relações de confiança •Pesquisa e Metodologias próprias
  107. 107. SÓCIO - POLÍTICA FINANCEIRODIREITOS + GOVERNABILIDADE MONETÁRIA + SOLIDÁRIAConexões, contatos, acesso InvestimentoRepresentação política Financiamento, CréditoReputação, visibilidade Mercados/ distribuiçãoInstitucionalidade PermutasArticulação/aliançasAção coordenada Voluntariado, Banco de horas Moedas complementares RECURSOSAMBIENTAL 4D SIMBÓLICO - CULTURALTECHNO - NATURAL CONHECIMENTO + CULTURABio diversidade, natureza Conhecimento formalMatérias primas e resíduos Saberes e FazeresEspaços, estrutura, equipamentos Atributos de marcaCorpo e saúde HistóriaTecnologias “Hard” Linguagens artísticas Tecnologias “Soft”
  108. 108. Mapear Recursos/Financeiro Social Ambiental Cultural
  109. 109. Social Exemplo de Gráfico para visualizar Matriz 4D INTANGÍVEL Coletivo Cada processo ou produto deve ser avaliado na “bússola”: as quatro dimensões da SustentabilidadeAmbiental Financeiro Cada dimensão tem seu “valor” Autentico Comercial Matéria Prima Processado TANGÍVEL Individual Cultural
  110. 110. Social INTANGÍVEL A densidade ( numero de linhas) mostra quantos ativos ou “potenciais” em cada dimensão A forma mostra que dimensão tema mais atividades e importânciaAmbiental Financeiro TANGÍVEL Cultural
  111. 111. Onde estamos:Experimentos com Matriz 4D de Recursos e Resultados. Ex:• Votorantim, BR – gestão 4D de um parque público• Empresas : BASF AL , Museu das Minas e do Metal (MG)• Chascomús, Ar – Desenvolvimento Local través de um Festival• Universidad de San Martin, AR – Estudo para plataforma• Universidad Tecnológica , CO- Estudo de caso• Buenos Aires, AR- Recuperação urbana• MaARTaderos, VE- Ocupação de 5 espaços em 5 cidades• Redes de artistas, Mex – Colaboração 4D• Goteo, ES – Pl;ataforma crowdsourcing 4D• P2P Foundation, Tailandia – criação colaborativa de plataforma• Arterial Network, reúne 40 paises da Africa
  112. 112. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito
  113. 113. As Fontes Públicas forma retomadas e são ponto de encontro Angela Léon , 2012
  114. 114. Dispersador de perfume en paradas de bus, Uruguai
  115. 115. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito2. Ambientes e processos de CONFIANÇA são a base
  116. 116. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito2. Ambientes e processos de CONFIANÇA são a base3. Trabalhar sobre as POTÊNCIAS já existentes é o recurso4. FLUXO justo e acessível dos recursos é o objetivo5. Processos COLABORATIVOS e em rede são o mecanismo
  117. 117. CONFIANÇACAPITAL SOCIAL COLABORAR Lala Deheinzelin , 2012
  118. 118. Profissão de FuturoPERSONAL TRUSTER(Criado em treinamentode Criar Futuros na BASF) Lala Deheinzelin , 2011
  119. 119. Alguns futuros desejáveis criados
  120. 120. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito2. Ambientes e processos de CONFIANÇA são a base3. Trabalhar sobre as POTÊNCIAS já existentes é o recurso
  121. 121. Logística Reversa: Mesmo sistema de entrega serve para coletar.Lala Deheinzelin , 2012
  122. 122. 3 VISÕES DE FUTUROSPARA O MINHOCÃOPraia em cima, parque em baixoAngela Léon , 2012
  123. 123. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito2. Ambientes e processos de CONFIANÇA são a base3. Trabalhar sobre as POTÊNCIAS já existentes é o recurso4. FLUXO justo e acessível dos recursos é o objetivo
  124. 124. Times Square: divulgando a riqueza multidimensional Angela Léon , 2012
  125. 125. Cidadania exercida em todos os locais e através das TICs: votando ou discutindo as leis e o orçamentosLala Deheinzelin , 2012
  126. 126. Dando uma mãzinha ao futuro CINCO “COMOS”1. CUIDAR é o propósito2. Ambientes e processos de CONFIANÇA são a base3. Trabalhar sobre as POTÊNCIAS já existentes é o recurso4. FLUXO justo e acessível dos recursos é o objetivo5. Processos COLABORATIVOS e em rede são o mecanismo
  127. 127. SER ou ESTAR, eis a questão... SOMOS ricos...Por que não ESTAMOS ricos? Lala Deheinzelin , 2012
  128. 128. Ser ou Estar, eis a questão….Japão:País que é “Pobre” , mas está rico. Por quê? Capital Social ativa outros capitaisExemplo: Tsunami , Celebração centenário .Principais recursos: voluntários
  129. 129. SEREMOS NÓS OSISTEMA NERVOSO DE GAIA?
  130. 130. MUNDO no século XXI: Um outro mundo é possível:Temos recursos, conhecimento e pessoas !! SEREMOS NÓS O SISTEMA NERVOSO DE GAIA?
  131. 131. OBRIGADA !www.laladeheinzelin.com.br vídeo artigos publicacões Lala Deheinzelinlala@enthusiasmo.com.br
  132. 132. SÓCIO – POLÍTICA FINANCEIROConexões, contatos, acesso InvestimentoRepresentação política Financiamento, CréditoReputação, visibilidade Mercados/ distribuiçãoInstitucionalidade PermutasArticulação/alianças Voluntariado, Banco de horasAção coordenada Moedas complementares SANTOS DE CASAAMBIENTAL SIMBÓLICO – CULTURAL 4DBio diversidade, natureza Celebrações/ eventosMatérias primas e resíduos Artistas/linguagensEspaços, estrutura, equipamentos Atividades de lazer?Corpo e saúde Patrimônio cultural Tangível eTecnologias “Hard” intangível
  133. 133. HARDWARE/ ESTRUTURA + SOFWARE/PROCESSO
  134. 134. • La arquitectura de la participación NO es una arquitectura de la delegación, es una arquitectura de los flujos• No es un caos, tiene formas……¿Cuál forma le damos?
  135. 135. Primera aproximación De la raíz a la copa, un circulo virtuoso Canalización

×