Your SlideShare is downloading. ×
0
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Tectonica de placas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tectonica de placas

828

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
828
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Teoria da Tectónica de Placas A Terra é um planeta dinâmico...
  • 2. Estrutura Interna da Terra Astenosfera Crusta Manto Núcleo Exterior Núcleo Interior 6370 5170 2900 Distância (Km) 30 0
  • 3. Teoria da Deriva Continental Cenozóico Mesozóico Paleozóico Pré-câmbrico Em 1912, Alfred Wegener propôs que há cerca de 220 milhões todos os continentes estariam unidos num supercontinente designado por Pangeia. A rodear esse supercontinente existia um único oceano designado Pantalassa. Este supercontinente ter-se-á fragmentado em duas grandes massas continentais: Laurásia, a norte e Gondwana, a sul. Desde então os continentes continuaram a sua “dança” até ocuparem as posições actuais.
  • 4. Argumentos Geográficos Ao observar os contornos dos continentes, Wegener verificou que as costas atlânticas da América do Sul e da África apresentavam uma configuração de tal modo semelhante que se podiam justapor quase perfeitamente.
  • 5. Argumentos Paleontológicos Lystrosaurus Cynognathus Mesosaurus Glossopteris
  • 6. Argumentos Geológicos Formações geomorfológicas idênticas As massas rochosas fazem parte de cadeias que se continuam de um continente para o outro, como neste caso entre a África e a América do Sul.
  • 7. Argumentos paleoclimáticos Calotes polares Floresta tropical Wegener concluiu que se existem regiões com evidências de um clima diferente do actual é porque os continentes se deslocaram em relação às suas anteriores latitudes onde dominava esse clima. Essas evidências paleoclimáticas consistem, em especial, em vestígios de glaciações e de formações vegetais idênticas.
  • 8. Da Deriva Continental à Tectónica de placas • • • • • A controvérsia em torno da Teoria da Deriva Continental manteve-se até à morte de A. Wegener. Porquê? Este nunca conseguiu explicar qual o fenómeno que estava na origem do movimento das massas continentais. Quais os fenómenos que, segundo Wegener, estariam na origem do movimento das massas continentais? Em 1928, Arthur Holmes, baseando-se na existência de correntes de calor no interior da Terra – correntes de convecção térmica – propôs que estas seriam o motor necessários para fazer mover as grandes massas continentais.
  • 9. Geodinâmica Interna Rift Em 1962, o geólogo americano Harry Hess propôs a teoria da expansão dos fundos oceânicos: nas dorsais oceânicas, os materiais em fusão provenientes do manto subiam até à superfície, formando nova crosta oceânica. Manto Célula de convecção Célula de convecção
  • 10. MORFOLOGIA DO FUNDO OCEÂNICO
  • 11. Morfologia dos fundos oceânicos Planície Abissal Fossa Abissal Dorsal Oceânica Rift Plataforma Continental Talude Continental
  • 12. Expansão dos fundos oceânicos Regeneração da crosta oceânica Os magmas que saem pelos Rifts provêm, possivelmente, da Astenosfera e solidificando constituem o fundo oceânico, de natureza basáltica. Assim, a partir dos Rifts forma-se nova crosta oceânica à medida que as placas divergem por ação das correntes de convecção térmica.
  • 13. Idade dos fundos oceânicos 0 10 20 33 40 48 55 68 84 120 137 Milhões de anos 147 180 0 10 20 33 40 48 55 68 84 120 137 Milhões de anos 147 180
  • 14. Paleomagnetismo Rift Polaridade magnética normal 4 Polaridade magnética inversa Magma Periodicamente o campo magnético terrestre sofre inversões de polaridade. No momento de formação, as rochas magmáticas adquirem e conservam a intensidade e a direcção do campo magnético terrestre atuante nessa altura. A crosta oceânica será tanto mais antiga quanto mais afastada se encontrar das dorsais. 3 2 1 0 1 2 3 Idade das rochas 4 (Milhões de anos)
  • 15. Limites de Placas Tectónicas Bordos convergentes ou destrutivos - colisão Crosta continental Crosta continental inferior Focos sísmicos A – Continental/continental Crosta continental Crosta oceânica Astenosfera Focos sísmicos C – Oceânica/continental Crosta oceânica Focos sísmicos Astenosfera B – Oceânica/oceânica
  • 16. Limites de Placas Tectónicas Bordos divergentes ou construtivos - afastamento Dorsal oceânica Rift
  • 17. Limites de Placas Tectónicas Bordos conservadores - deslizamento Falha transformante
  • 18. Principais Placas Tectónicas Placa Norte-americana Placa Euro-asiática Placa Juan de Fuca Placa Filipina Equador Placa de Caribe Placa de Cocos Placa de Nazca Placa Australiana Placa Arábica Placa Sul-americana Placa Africana Placa Pacífica Placa Antárctica Placa de Scotia Placa Indiana
  • 19. Vulcanismo/actividade sísmica Principais vulcões Actividade sísmica Limites de placas

×