Aula 2

339 views
283 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
339
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 2

  1. 1. Instrumentos da PNMA. Licenciamento 12/6/2013 Marli Deon Sette - 2012 1
  2. 2. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • LEGISLAÇÃO: A) Federal: • Lei 6938/81 (PNMA), art. 9º, inc. IV • Dec. 99.274/90, art. 7°, inc. I • Resolução CONAMA 001/86 e 237/97 • CF/88 art. 225 (proteção e prevenção) • Lei 10.165/2000 (alterou a Lei 6938/81 - instituiu a taxa IBAMA e anexo das atividades inerentes). 12/6/2013 2
  3. 3. LICENCIAMENTO AMBIENTAL CONCEITOS • Licenciamento ambiental: é o complexo de etapas que compõem o procedimento administrativo, o qual objetiva a concessão da licença ambiental. • Legal: procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso ( Res. 237/97, art. 1°, inc. I). 12/6/2013 3
  4. 4. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Licença Ambiental: é espécie de ato administratuivo “unilateral, pelo qual a administração faculta àquele que preencha os requisitos legais o exercicio de uma atividade” (Alguns doutrinadores acrescentam o termo vinculado). • Legal: Ato administrativo pelo qual o órgão ambiental competente, estabelece as condições, restrições e medidas de controle ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor, pessoa física ou jurídica, para localizar, instalar, ampliar e operar empreendimentos ou atividades utilizadoras dos recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou aquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental ( Res. 237/97, art. 1°, inc. II). 12/6/2013 4
  5. 5. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Lembrando que ato administrativo é: manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa qualidade tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir ou declarar direitos ou impor obrigações a administrados ou a si própria. • Podem ser atos: normativos, ordinários, negociais (licença, autorização e permissão – emanam da administração em decorrência de pedido do administrado), enunciativos e punitivos. • Para serem válidos no mundo jurídico devem preencher os requisitos: Competência, finalidade, forma, motivo e objeto. 12/6/2013 5
  6. 6. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Natureza jurídica: • Instrumento não jurisdicional de caráter preventivo de tutela do meio ambiente. • Lembrar que: • Licença administrativa: ato vinculado. • Licença ambiental: ato discricionário (em regra), porque o EIA não oferece resposta objetiva. 12/6/2013 6
  7. 7. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Assim se o EIA for: • Favorável: a licença ambiental é vinculada (se inexistem danos não há razão para que o empreendedor não a possa desenvolver). • Desfavorável: totalmente ou em parte: há uma discricionariedade sui generis – análise de conveniência e oportunidade em prol do desenvolvimento sustentável - EIA é elemento de restrição da discricionariedade. 12/6/2013 7
  8. 8. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Quem precisa de licença? • Toda atividade utilizadora de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou capazes de causar degradação ambiental (art. 10, da Lei 6938/1981). • O art. 17, da Lei 6938, da ao IBAMA a administração de um cadastro de tais atividades, as quais estão relacionadas na Resolução 237/1997 e Lei 10.165/2000 (além de portarias). 12/6/2013 8
  9. 9. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • O licenciamento é ato que deve respeitar: • o devido processo legal (art. 10, da res. Conama 237/97); • os princípios administrativos. • Sendo que a licença: • Não tem caráter de definitividade, podendo ser revogada. • E, • Desenvolver atividade sem licença caracteriza o crime do art. 60, da Lei 9.650/98. 12/6/2013 9
  10. 10. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • TIPOS DE LICENÇAS (Res. Conama 237/97, art. 8°) a) Licença prévia (LP); b)Licença de instalação (LI); e, c) Licença de operação (LO). 12/6/2013 10
  11. 11. TIPOS DE LICENÇAS: LP – LI - LO a) Licença Prévia (LP): concedida na fase preliminar com os seguintes objetivos (art. 8 , I,): • aprovação da sua localização e concepção; • suprir o requerente com parâmetros para lançamento de resíduos líquidos, sólidos, gasosos e para emissões sonoras no meio ambiente, adequados aos níveis de tolerância estabelecidos para a área requerida e para a tipologia do empreendimento. • OBS: Esta licença não autoriza o início da implantação do empreendimento, atividade ou obra requerida. • Prazo de validade: até 5 anos (art. 18, I, Resolução 237/1997). 12/6/2013 11
  12. 12. TIPOS DE LICENÇAS: LP – LI - LO b) Licença de instalação (LI): (art. 8 , II): • autoriza a instalação; • de acordo com as especificações constantes nos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de controle ambiental. • condicionada à apresentação do projeto detalhado do empreendimento, bem como a comprovação de que todas as exigências constantes da LP tenham sido atendidas. • Prazo de validade: até 6 anos (art. 18, II, Resolução 237/1997). 12/6/2013 12
  13. 13. TIPOS DE LICENÇAS: LP – LI - LO c)Licença de operação (LO): (art. 8 , III) – Também chamada de licença de funcionamento. • autoriza a operação; • após a verificação do efetivo cumprimento das medidas de controle ambiental e condicionantes determinadas para a operação. • Prazo de validade: mínimo de 4 e Máximo de 10 anos (art. 18, III, Resolução 237/1997). • A renovação da LO deverá ser requerida com antecedência mínima de 120 dias, contados da data de expiração de seu prazo de validade, que ficará automaticamente prorrogada até manifestação definitiva do setor de Licenciamento da SEMA (Art. 19, § 5º da LC 38/95). 12/6/2013 13
  14. 14. As licenças podem ser alteradas, suspensas ou revogadas dentro do prazo de validade? SIM. 12/6/2013 14
  15. 15. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Hipóteses de alteração ou revogação das licenças: (art. 19, I, II e III da res. 237/97). • Violação ou inadequação de condicionantes ou normas legais; • Omissão ou descrição falsa relevante que subsidiaram a expedição da licença; • Superveniência de risco ambiental ou a saúde. 12/6/2013 15
  16. 16. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • Competência para outorgar licença (Resolução CONAMA 237/97): • A competência para outorgar licenças pode ser da União, Estados, DF e Municípios. Depende da natureza de cada atividade. • O Parágrafo único, do artigo 23, da CF/88 , dispõe que: “Leis complementares fixarão normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional”. • A Lei Complementar n. 140/2011, trata das competências dispostas no artigo 23, da CF/88. • Resolução 237/97 – atribui competência para um único nível de competência:“Art. 7º Os empreendimentos e atividades serão licenciados em um único nível de competência, conforme estabelecido nos artigos anteriores” • Discute-se a constitucionalidade, devido ao art. 23, VI da CF. (“art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas”. 12/6/2013 16
  17. 17. • Rulamentação de licenciamento ambiental que remete à ideia de região impactada. • • Lei n. 6.938/81, art. 10: A construção, instalação, ampliação e funcionamento de estabelecimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental dependerão de prévio licenciamento ambiental. • Resolução CONAMA n. 237/97: Art. 4º: Dispõe que compete ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, órgão executor do SISNAMA, o licenciamento ambiental, a que se refere o artigo 10 da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, de empreendimentos e e atividades com significativo impacto ambiental de âmbito nacional ou regional Art. 5º: Dispõe que compete ao órgão ambiental estadual ou do Distrito Federal o licenciamento ambiental dos empreendimentos e atividades: (...). III - cujos impactos ambientais diretos ultrapassem os limites territoriais de um ou mais Municípios; Art. 6º: Dispõe que compete ao órgão ambiental municipal, ouvidos os órgãos competentes da União, dos Estados e do Distrito Federal, quando couber, o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades de impacto ambiental local e daquelas que lhe forem delegadas pelo Estado por instrumento legal ou convênio. Art. 7º: Dispõe que os empreendimentos e atividades serão licenciados em um único nível de competência, conforme estabelecido nos artigos anteriores. 12/6/2013 17
  18. 18. Resumo das Competências para outorgar licenças:
  19. 19. Pela Lei Complementar n. 140/2011
  20. 20. Art. 7º: UNIÃO • XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida à União; • XIV - promover o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades: • a) localizados ou desenvolvidos conjuntamente no Brasil e em país limítrofe; • b) localizados ou desenvolvidos no mar territorial, na plataforma continental ou na zona econômica exclusiva; • c) localizados ou desenvolvidos em terras indígenas; • d) localizados ou desenvolvidos em unidades de conservação instituídas pela União, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs); • e) localizados ou desenvolvidos em 2 (dois) ou mais Estados; • f) de caráter militar, excetuando-se do licenciamento ambiental, nos termos de ato do Poder Executivo, aqueles previstos no preparo e emprego das Forças Armadas, conforme disposto na Lei Complementar no 97, de 9 de junho de 1999;
  21. 21. Art. 7º: UNIÃO • g) destinados a pesquisar, lavrar, produzir, beneficiar, transportar, armazenar e dispor material radioativo, em qualquer estágio, ou que utilizem energia nuclear em qualquer de suas formas e aplicações, mediante parecer da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen); ou • h) que atendam tipologia estabelecida por ato do Poder Executivo, a partir de proposição da Comissão Tripartite Nacional, assegurada a participação de um membro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), e considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade ou empreendimento; • XV - aprovar o manejo e a supressão de vegetação, de florestas e formações sucessoras em: • a) florestas públicas federais, terras devolutas federais ou unidades de conservação instituídas pela União, exceto em APAs; e • b) atividades ou empreendimentos licenciados ou autorizados, ambientalmente, pela União; • Parágrafo único. O licenciamento dos empreendimentos cuja localização compreenda concomitantemente áreas das faixas terrestre e marítima da zona costeira será de atribuição da União exclusivamente nos casos previstos em tipologia estabelecida por ato do Poder Executivo, a partir de proposição da Comissão Tripartite Nacional, assegurada a participação de um membro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade ou empreendimento.
  22. 22. Art. 8º: Estados: • XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida aos Estados; • XIV - promover o licenciamento ambiental de atividades ou empreendimentos utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, ressalvado o disposto nos arts. 7º e 9º; • XV - promover o licenciamento ambiental de atividades ou empreendimentos localizados ou desenvolvidos em unidades de conservação instituídas pelo Estado, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs).
  23. 23. Art. 9º: Municípios: • XIII - exercer o controle e fiscalizar as atividades e empreendimentos cuja atribuição para licenciar ou autorizar, ambientalmente, for cometida ao Município; • XIV - observadas as atribuições dos demais entes federativos previstas nesta Lei Complementar, promover o licenciamento ambiental das atividades ou empreendimentos: • a) que causem ou possam causar impacto ambiental de âmbito local, conforme tipologia definida pelos respectivos Conselhos Estaduais de Meio Ambiente, considerados os critérios de porte, potencial poluidor e natureza da atividade; ou • b) localizados em unidades de conservação instituídas pelo Município, exceto em Áreas de Proteção Ambiental (APAs);
  24. 24. Art. 10: Ao Distrito Federal: • Fiscaliza e licenciar aquelas situações previstas nos artigos. 8o e 9o. • OBSERVAÇÃO: Art. 17. Compete ao órgão responsável pelo licenciamento ou autorização, conforme o caso, de um empreendimento ou atividade, lavrar auto de infração ambiental e instaurar processo administrativo para a apuração de infrações à legislação ambiental cometidas pelo empreendimento ou atividade licenciada ou autorizada. • § 1º Qualquer pessoa legalmente identificada, ao constatar infração ambiental decorrente de empreendimento ou atividade utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores, pode dirigir representação ao órgão a que se refere o caput, para efeito do exercício de seu poder de polícia. • § 2º Nos casos de iminência ou ocorrência de degradação da qualidade ambiental, o ente federativo que tiver conhecimento do fato deverá determinar medidas para evitá-la, fazer cessá-la ou mitigá-la, comunicando imediatamente ao órgão competente para as providências cabíveis. • § 3º O disposto no caput deste artigo não impede o exercício pelos entes federativos da atribuição comum de fiscalização da conformidade de empreendimentos e atividades efetiva ou potencialmente poluidores ou utilizadores de recursos naturais com a legislação ambiental em vigor, prevalecendo o auto de infração ambiental lavrado por órgão que detenha a atribuição de licenciamento ou autorização a que se refere o caput.
  25. 25. Pela Resolução CONAMA 237/1997.
  26. 26. LICENCIAMENTO AMBIENTAL a) IBAMA – art. 4 , Res. 237/97. • localizados ou desenvolvidos conjuntamente no Brasil e em país limítrofe; terras indígenas; unidades de conservação de domínio da União; localizados ou desenvolvidos em dois ou mais Estados, ou cujos impactos ambientais diretos ultrapassem os limites territoriais do País ou de um ou mais Estados; material radioativo; bases ou empreendimentos militares, quando couber, observada a legislação específica. O IBAMA Pode delegar aos órgão estaduais o licenciamento de atividades regionais. • • • • • • 12/6/2013 26
  27. 27. LICENCIAMENTO AMBIENTAL b) Órgão ambiental estadual: art. 5 , Res. 237/97. • localizados ou desenvolvidos em mais de um município ou em unidades de conservação de domínio estadual; • localizados ou desenvolvidos nas florestas e demais formas de vegetação natural de preservação permanente e em todas as que assim forem consideradas por normas federais, estaduais ou municipais; • cujos impactos ambientais diretos ultrapassem os limites territoriais de um ou mais municípios; • Quando o licenciamento tenha sido delegado pela União aos Estados, por instrumento legal ou convênio. 12/6/2013 27
  28. 28. LICENCIAMENTO AMBIENTAL c) Município: art. 6º, Res. 237/97. • Empreendimentos de impacto local ou que tenham sido delegados pelo órgão Estadual. • Exige-se que esteja constituído o CONDEMA e Secretaria. • RESOLUÇÃO CONSEMA – 04/08, 21 de fevereiro de 2008. • “DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS PARA A DESCENTRALIZAÇÃO DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL PARA OS MUNICÍPIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS”. 12/6/2013 28
  29. 29. LICENCIAMENTO AMBIENTAL • OBSERVAÇÕES: • Há licenças que só podem ser outorgadas pela União – ex. Usinas nucleares (art. 21, XXIII, a, b e c da CF) • O CONAMA e Poder Público Federal, são competentes para fixar os critérios gerais a serem adotados para o licenciamento, tendo os Estados competência para modificar os padrões desde que para ampliar a proteção ambiental; • Se o município não possuir órgão ambiental na sua estrutura administrativa e se não lhe for delegada pelo Estado por instrumento legal, a licença ambiental será concedida pelo órgão estadual. • A resolução 237 relaciona, no anexo I, atividades que dependem de licença. 12/6/2013 29
  30. 30. EIA/RIMA OU EPIA/RIMA Qual a diferença substancial entre Licenciamento ambiental e EIA/RIMA? 12/6/2013 30
  31. 31. EIA/RIMA • Toda atividade que fizer uso de recursos natural está obrigada a ter o Licenciamento Ambiental (anexo da Res. 237/97), e se essa atividade gerar significativa degradação ambiental, ainda, terá que apresentar EIA/RIMA (Art. 2º da Res. 001/86). • LICENÇA: Toda atividade utilizadora de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou capazes de causar degradação ambiental (art. 10, da Lei 6938/1981: e artigo 2º, resolução 237/97 – CONAMA). • EIA/RIMA: sempre que causar significativo impacto ambiental (art. 3º, resolução 237/97 – CONAMA). 12/6/2013 31
  32. 32. Obrigada! Perla de Sousa Alves Engª Florestal 19/05/2013 32

×