Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentávelgoverno do estado de santa catarina17DENOVEMBRODE1889Relatóri...
2 Relatório 2012 FAPESCJoão Raimundo ColomboGovernadorEduardo Pinho MoreiraVice-governadorPaulo Roberto BornhausenSecretár...
3FAPESC Relatório 2012Relatório de Atividades • 2012Versão ResumidaFAPESCFundação de Amparo àPesquisa e Inovação doEstado ...
4 Relatório 2012 FAPESCMembros do Conselho Superior da FAPESCTitularesPaulo Roberto Bornhausen (presidente)Sergio Luiz Gar...
5FAPESC Relatório 2012 ÍndiceIntrodução . .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  .  . ...
6 Relatório 2012 FAPESCSiglasPrincipaissiglasusadasnesterelatórioABC (Academia Brasileira de Ciências)ACATE (Associação Ca...
7FAPESC Relatório 2012 IntroduçãoAatividade principal da FAPESC é apoiar financei-ramente – inclusive por meio de subvençã...
ApresentaçãoHistoricamente, a FA-PESC vai além de suasatribuições diretas eassume desafios como o deaproximar academia e e...
9FAPESC Relatório 2012 Exemplo de PesquisaPrograma facilita comunicaçãoentre crianças surdas e ouvintesEscolas públicas ca...
10 Relatório 2012 FAPESCExemplo de PesquisaAs cadeias produtivas de aves esuínos de Santa Catarina inicia-ram em 2012 os e...
11FAPESC Relatório 2012Exemplo de PesquisaAequipe do Laboratório deEducação Cerebral, ligadoao Departamento de Psicolo-gia...
12 Relatório 2012 FAPESCExemplo de PesquisaMilhares de alunos eprofessores da RedePública de Ensino doEstado de Santa Cata...
13FAPESC Relatório 2012 Chamada PúblicaEm 2012, a FAPESC ampliou oleque de oportunidades ofe-recidas a pesquisadores como ...
14 Relatório 2012 FAPESCChamada PúblicaPara melhorar a saúde dosrios e difundir os benefícios dapiscicultura, duas chamada...
15FAPESC Relatório 2012 Chamada PúblicaPesquisapara o SUSEm parceria com o CNPq, o Ministé-rio da Saúde e a Secretaria de ...
16 Relatório 2012 FAPESCChamada PúblicaJovensUniversalO Programa Universal deCTI é um dos mais tradicio-nais da FAPESC, e ...
17Unidades deConservaçãoAFAPESC e a FatmarepassaramR$ 602.569,22aos pesquisadoresselecionados na primeirachamada pública d...
18 Relatório 2012 FAPESCPesquisaOobjetivo principal deste proje-to é gerar conhecimentos téc-nicos e científicos para a pr...
19FAPESC Relatório 2012 PesquisaIncubadoras eparques tecnológicosAFAPESC fomentaáreas tão distintascomo entretenimen-to di...
20 Relatório 2012 FAPESCPesquisa Um programa federal apoiadopela FAPESC deu a Santa Catari-na a liderança de quatro instit...
21FAPESC Relatório 2012 DifusãoPublicaçõescientíficasEm 2012, foramlançados 22 li-vros impressosna Dioesc (Diretoriade Imp...
22 Relatório 2012 FAPESCDifusãoÉum programa deapoio à realiza-ção de eventosligados a ciência, tec-nologia e inovação. AFA...
23FAPESC Relatório 2012 DifusãoEm dezembro de 2012 ,a FAPESC anunciou osprimeiros colocados noII Prêmio Valorização da Bio...
24 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoALei Catarinense da Ino-vação instituiu o PrêmioCaspar Erich Stemmerda Inovação Catarinens...
25FAPESC Relatório 2012 InovaçãoTABELA DE SELECIONADOS – PREMIO STEMMER DE INOVAÇÃO CATARINENSE 2012Categoria: Empresa Ino...
26 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoUm dia após a entrega doPrêmio Professor CasparErich Stemmer da Inova-ção Catarinense, o d...
27FAPESC Relatório 2012 InovaçãoSinapseda InovaçãoAterceira edição do progra-ma está subsidiando 90projetos contratados co...
28 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoSubvençãoOPappe (Programade Subvenção àInovação em Microe Pequenas Empresas deSanta Catari...
29FAPESC Relatório 2012 InovaçãoInova@SCOInova@SC, parte essen-cial do plano SC@2022,da Secretaria do Desen-volvimento Eco...
30 Relatório 2012 FAPESCAções InstitucionaisTomou posse no dia04/09/2012 o novoConselho Superiorda FAPESC (na foto, naspri...
31FAPESC Relatório 2012Ações InstitucionaisAFAPESC resolveu inovarna promoção da IV Con-ferência Estadual de Ciên-cia, Tec...
32 Relatório 2012 FAPESCAções InstitucionaisLançado oficialmente emagosto de 2012, o edital doconcurso para escolher oproj...
33FAPESC Relatório 2012Ações InstitucionaisEste programa dogoverno estadualé gerenciado pelaFAPESC, que provê in-fraestrut...
34 Relatório 2012 FAPESCRecursos HumanosOPrograma foi instituído em2011 pelo governo estadual,via Secretaria do Desenvolvi...
35FAPESC Relatório 2012 Recursos HumanosBolsasAFAPESC estimula a curiosida-de científica a partir do ensinomédio, e foment...
36 Relatório 2012 FAPESCAdministraçãoColocando em prática uma das sugestões da IV ConferênciaEstadual de CTI, no sentido d...
37FAPESC Relatório 2012 OrçamentoPROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAAvaliação do...
38 Relatório 2012 FAPESCOrçamento PROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAPesquisa pa...
39FAPESC Relatório 2012 OrçamentoPROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAANPEI 300.00...
40 Relatório 2012 FAPESCConclusãoProdução do Relatório de Atividades 2012Informações: Equipe da FAPESCCoordenação geral: H...
COMPOSIÇÃO E IMPRESSÃOESTADO DE SANTA CATARINASecretaria de Estado da AdministraçãoDiretoria da Imprensa Oficial e Editora...
ADP-02840COMPOSIÇÃOEIMPRESSÃO:PRO-00437www.fapesc.sc.gov.brtwitter.com/fapescParque Tecnológico Alfa - Rodovia SC 401, Km ...
Relatório Fapesc
Relatório Fapesc
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Relatório Fapesc

525 views
454 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
525
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relatório Fapesc

  1. 1. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentávelgoverno do estado de santa catarina17DENOVEMBRODE1889Relatório de Atividades • 2012PESQUISA E INOVAÇÃO DOFUNDAÇÃO DE AMPARO ÀESTADO DE SANTA CATARINA
  2. 2. 2 Relatório 2012 FAPESCJoão Raimundo ColomboGovernadorEduardo Pinho MoreiraVice-governadorPaulo Roberto BornhausenSecretário de Estado do Desenvolvimento Econômico SustentávelSergio Luiz GargioniPresidente da FAPESCAlba Terezinha SchlichtingDiretora de AdministraçãoCícero Ricardo França BarbozaDiretor Técnico-operacional*Marilda Silva de CarvalhoProcuradora Jurídica**Sebastião Iberes Lopes MeloDiretor Técnico-científico****O cargo foi ocupado por Deborah Bernettentre 10/01/2012 e 20/03/2013** O cargo foi ocupado por Clóvis Renato Squioentre 24/01/2011 e 31/12/2012***O cargo foi ocupado por Mario Angelo Vidorentre 27/01/2011 e 07/02/2013Fundação de Amparo àPesquisa e Inovação doEstado de Santa CatarinaDiretoria da Imprensa Oficial eEditora de Santa Catarina2013 Secretaria de Estado da Administração
  3. 3. 3FAPESC Relatório 2012Relatório de Atividades • 2012Versão ResumidaFAPESCFundação de Amparo àPesquisa e Inovação doEstado de Santa Catarina
  4. 4. 4 Relatório 2012 FAPESCMembros do Conselho Superior da FAPESCTitularesPaulo Roberto Bornhausen (presidente)Sergio Luiz GargioniDiego Machado VieiraPaulo César da CostaSolange Maria S. PaganiAntônio Heronaldo de SousaLuiz Ademir HessmannJoviles Vitório TrevisolMario César dos SantosCarlos Guilherme ZigelliGuilherme BernardCarlos Henrique Ramos FonsecaGuilherme Marco de LimaJesiel MontanhaDep. José Milton SchefferCarlos Eduardo de LizÁlvaro Toubes PrataMonika Hufenussler ConradsAndré GaidzinskiSuplentesLúcia Gomes V. DellagnelloSebastião Iberes Lopes MeloJosé Luiz BernardiniMarcelo Vargas SchlichtingMarcus TomasiLuiz Antonio PalladiniMaria Clara K. SchneiderAristides CimadonMário Gesser
  5. 5. 5FAPESC Relatório 2012 ÍndiceIntrodução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8Exemplos de Pesquisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9Chamadas Públicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Núcleos Emergentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Núcleos de Excelência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 Pesquisa para o SUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Jovens Pesquisadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Unidades de Conservação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Rede Guarani/Serra Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Incubadoras e Parques Tecnológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Estruturante I e II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20Difusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21Publicações científicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21Proeventos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22Biodiversidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23Inovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24Prêmio Stemmer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24Sinapse da Inovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27PAPPE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28Inova@SC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29Ações institucionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30Conselho Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30IV Conferência Estadual de CTI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31Indicadores para FAPs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31Concurso para Projetos da Nova Sede . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32Código de CTI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33Programa de Incentivos Fiscais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33RCT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33Recursos Humanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34Geração Tec . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34Bolsas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35Quadro de pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35Administração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
  6. 6. 6 Relatório 2012 FAPESCSiglasPrincipaissiglasusadasnesterelatórioABC (Academia Brasileira de Ciências)ACATE (Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia)ANA (Agência Nacional de Águas)ANDIFES (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior)CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)CAV (Centro de Ciências Agroveterinárias)CIASC (Centro de Informática e Automação de Santa Catarina)CONFAP (Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa)CONSECTI (Conselho dos Secretários Estaduais para assuntos de CTI)CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico)CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura)CT (Ciência e Tecnologia)CTI (Ciência, Tecnologia e Inovação)EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina)FATMA (Fundação do Meio Ambiente)FEESC (Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina)FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos)Fundação CERTI (Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras)FURB (Fundação Universidade de Blumenau)ICTIs (Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação)IEL-SC (Instituto Euvaldo Lodi)IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina)SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência)SDS (Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável)SEBRAE/SC (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Regional SC)SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial)SOCIESC (Sociedade Educacional de Santa Catarina)UDESC (Universidade do Estado de Santa Catarina)UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina)UnC (Universidade do Contestado)UNESC (Universidade do Extremo Sul Catarinense)UNIPLAC (Universidade do Planalto Catarinense)UNISUL (Universidade do Sul de Santa Catarina)UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí)UNOCHAPECÓ (Universidade Comunitária Regional de Chapecó)UNOESC (Universidade do Oeste de Santa Catarina)
  7. 7. 7FAPESC Relatório 2012 IntroduçãoAatividade principal da FAPESC é apoiar financei-ramente – inclusive por meio de subvenção eco-nômica - proje­tos de pesquisa e inovação emtodas as áreas do conhecimento e para as diferentesentidades públicas e priva­das catarinenses. A Funda-ção também concede bolsas, desde as de IniciaçãoCientífica Júnior (a alunos do ensino fundamental edo médio), até bolsas de doutorado. Ainda financiaeventos, publicações, infraestrutura laborato­rial ecusteio em geral.Em 2012, a FAPESC manteve cer­ca de 1500 pro-jetos ativos, a imensa maioria selecionada por meiode cha­madas públicas. Desde 2012, a sub­missão deboa parte dos projetos é feita via web, pela Platafor-ma FAPESC de CTI, e as prestações de contas dospesquisadores contemplados com nossos recursossão examinadas em tempo recorde. Nossos custosde operação são bem reduzidos, conforme determi­nado pelo governo estadual.Também naquele ano, os investimentos da FA-PESC foram de aproximadamente R$60 milhões, umrecorde de aplicações. Desse total, aproximadamen-te R$ 50 milhões foram aplicados em projetos, en-quanto no orçamento executado em 2011 (R$53,8milhões), R$47 milhões se destinaram a projetos.Apesar do incremento em 2012, recursos públi-cos são e serão sempre limitados. Operamos com35% do montante estabelecido na Consti­tuição e naLei Catarinense de Inova­ção, que é de 1% sobre areceita do Estado, especificamente para a FAPESC.Mesmo com somente R$35 milhões por ano de re-cursos da chamada fonte 100, quando somamos to-das as demais fontes estaduais e federais, somosconsiderados uma das mais ativas entidades dentreas Fun­dações Estaduais de Amparo à Pesquisa. Nos-sa estra­tégia para alcançar essa condição tem sidointensificar a busca de parcerias com empresas eagências nacionais, como CNPq, FINEP, Ministérioda Saúde, Sebrae/SC e Ministério de Ciência, Tecno-logia e Inovação.São diversos os programas e projetos apoiados,em todas as áreas do conhecimento, contemplandoum grande universo de pesquisadores, entidades eempresas. Exemplo disso é o Programa Universal, queabrange muitos pesquisadores voltados a atividadesbásicas de pesquisa acadêmica: juntos, eles recebe-ram o montante de mais de R$10 milhões. Vale des-tacar ainda o Sinapse da Inovação e o Programa de deSubvenção a Inovação em Micro e Pequenas Empresasem Santa Catarina, por citar alguns.Em resumo, não medimos esforços para multi-plicar o orçamento dispo­nibilizado pelo governoestadual e nos adequar às suas políticas e diretri-zes, bem como para seguir o Plano SC@2022, daSecretaria de Estado do Desenvolvimento EconômicoSustentá­vel (SDS).Artigo deSergio Gargioni,presidente da FAPESCEm 2012Projetos Ativos 1.534Pesquisadores contemplados 4.000Entidades contempladas 255Bolsas concedidas 640Dados de 29/08/12
  8. 8. ApresentaçãoHistoricamente, a FA-PESC vai além de suasatribuições diretas eassume desafios como o deaproximar academia e em-presas, articulá-las com ogoverno e outras esferas dasociedade, nos mais diver-sos níveis. No entanto, estaversão resumida do Relatóriode Atividades 2012 traz ape-nas as principais ações noâmbito estadual, com brevesmenções às atividades reali-zadas a nível nacional.Citam-se também os pro-jetos deflagrados no âmbitodo Plano SC@2022, criadopela SDS para transformarSanta Catarina em referênciaem inovação com sustenta-bilidade. Sua meta é implan-tar no Estado um modelo dedesenvolvimento econômicoe social para garantir quali-dade de vida para todos oscatarinenses. Outras açõesinstitucionais, administra-tivas e de disseminação doconhecimento merecem des-taque, bem como as bolsas eos prêmios concedidos pelaFAPESC a título de estímuloà pesquisa e inovação.Uma versão ampliada dorelatório estará disponívelem DVD e no site www.fa-pesc.sc.gov.br.8 Relatório 2012 FAPESCPesquisaO Estatuto da FAPESC esta-belece que é da competênciadessa entidade pública (semfins lucrativos, com patrimô-nio próprio, personalidadejurídica de direito privado edotada de autonomia admi-nistrativa):I - aplicar os recursos des-tinados à pesquisa científicae tecnológica nos termos doart. 193 da Constituição doEstado, para o equilíbrio re-gional, para o avanço de to-das as áreas do conhecimen-to, para o desenvolvimentosustentável e a melhoria dequalidade de vida da popula-ção catarinense.Este artigo tem sido segui-do à risca, bem como orien-tações do governo estadualpara “colocar as pessoas emprimeiro lugar”. Exemplosdisso estão nas notícias se-guintes: nelas, são resumi-dos projetos que, longe deserem os mais importantesou de terem recebido grandevolume de recursos públicos,traduzem o direcionamentode verbas a trabalhos de im-pacto social.Secretário Paulo Bornhausen,em palestra sobre a política deinovação do governo estadualBoa nutrição melhoraqualidade de vidadurante tratamentopara câncer de mamaOrientações nutricio-nais ajudaram pacientescom câncer de mama anão ganhar peso duranteo tratamento. Adicional-mente, elas conseguiramreduzir em 60% o consu-mo de carnes vermelhasou processadas e aumen-tar em 50% a ingestão defrutas, legumes e verdu-ras em relação ao grupoque não recebeu o acom-panhamento de uma equi-pe da UFSC.Financiada pela FA-PESC, no âmbito do Pro-grama de Pesquisa parao SUS a investigação so-bre câncer de mama foifeita pela mestranda Ce-cília Cesa, com o Grupode Estudos em Nutrição eEstresse Oxidativo e soborientação da ProfessoraPatricia Faria Di Pietro doPrograma de Pós-Gradua-ção em Nutrição da UFSC.Ao longo de um ano fo-ram acompanhadas 18mulheres com câncer demama, objetivando me-lhorar seu consumo ali-mentar e avaliar o reflexodesse acompanhamentono peso e nas defesas doorganismo. Segundo aspesquisadoras, mulhe-res em tratamento parao câncer de mama estãosuscetíveis a ganhar unsquilinhos e aumentar seunível de oxidantes, fato-res que podem contribuirpara o retorno da doença.
  9. 9. 9FAPESC Relatório 2012 Exemplo de PesquisaPrograma facilita comunicaçãoentre crianças surdas e ouvintesEscolas públicas catarinenses dis-põem de um software educativoque torna agradável o ensino daLíngua Brasileira de Sinais (Libras). Cha-mado Libras Brincando, ele tem atraídoa curiosidade inclusive de crianças ou-vintes, por trazer jogos lúdicos e acessí-veis até para quem tem apenas 4 anos.“O apoio da FAPESC foi fundamentalpara o sucesso do projeto, tanto em ter-mos financeiros quanto na credibilida-de das pesquisas”, disse Daniel LemosTeixeira, sócio e diretor da Númera So-luções e Sistemas Ltda. A empresa re-cebeu inicialmente R$ 270 mil para de-senvolver o software e R$150 mil comoajuda para introduzi-lo no mercado.“Não há nada semelhante em lu-gar nenhum”, assegura Juliano Soaresdos Santos, outro sócio e diretor daNúmera, cujo doutorado concluídoem 2012 na UFSC derivou da pesqui-sa sobre o Libras Brincando. “O pro-grama não pretende substituir o pa-pel do professor de Libras, mas comoeste profissional existe em poucosmunicípios, ele ajuda bastante”, pon-dera. “Por isso, a gente disponibilizouo programa para todas as escolas pú-blicas do Estado, tanto municipais eestaduais quanto federais”.O jogo foi desenvolvido com a co-laboração da Fundação Catarinense deEducação Especial e é dirigido a crian-ças de 4 a 8 anos.Para saber mais, acesse http://www.numera.com.br e www.librasbrincando.comA criança joga por meio de um avatar que a representa (à direita, na foto).
  10. 10. 10 Relatório 2012 FAPESCExemplo de PesquisaAs cadeias produtivas de aves esuínos de Santa Catarina inicia-ram em 2012 os estudos paraa implementação da tecnologia RFID(acrônimo para Radio-Frequency IDen-tification ou, em português, Identifi-cação por Rádio Frequência), baseadano uso da radiofreqüência para aper-feiçoar o sistema de rastreabilidade.Pioneira no País, essa tecnologia per-mite o uso de uma espécie de etique-ta eletrônica inteligente (na foto). Àmedida que a vida do animal avança,registram-se nessa etiqueta fatos re-levantes no que se refere a nutrição,saúde, localização etc. Além disso,após o processamento, é possívelmanter este histórico junto ao produ-to, incluindo as validações oficiais erespectivas certificações.Em 2012, foram executados doisprojetos com êxito: um com objeti-vo de realizar uma prova de concei-to e operação piloto do Sistema deGestão da Cadeia Logística Segurapara o transporte de produtos indus-trializados até o porto; e outro paradiagnóstico dos aperfeiçoamentostecnológicos que podem ser aplica-dos ao processo de rastreabilidadede suínos em SC.A tecnologia RFID está disponí-vel em escala mundial e já é aplicadaem várias áreas da atividade humanae empresarial, segundo Clever PirolaÁvila, presidente do Sindicato das In-dústrias da Carne e Derivados de San-ta Catarina (Sindicarne).O aperfeiçoamento da rastreabi-lidade de resulta de parceria entre aFAPESC, o Sindicarne e a AssociaçãoCatarinense de Avicultura (Acav), e en-volve outras instituições catarinenses,órgãos oficiais da Secretaria da Agri-cultura, Cidasc, Vigiagro e Sipoa/SIFdo Ministério da Agricultura, empre-sas privadas de tecnologia e centrosde pesquisa ligados à Universidade deSão Paulo.O projeto tem a coordenação doInstituto Catarinense de SanidadeAgropecuária e a participação das em-presas do setor. Na fase inicial haveráum piloto, o qual sequencialmente po-derá ser aplicado para todos os inte-ressados da cadeia produtiva.OBS: Parte desta notícia foi reti-rada do site www.suinoculturaindus-trial.com.brIndústria catarinenseaperfeiçoa sistemade rastreabilidadepara aves e suínos
  11. 11. 11FAPESC Relatório 2012Exemplo de PesquisaAequipe do Laboratório deEducação Cerebral, ligadoao Departamento de Psicolo-gia da UFSC, criou o jogo eletrô-nico educativo Mata Atlântica - obioma onde eu moro, com apoioda FAPESC, por meio da ChamadaPública Biodiversidade, e do estú-dio Casthalia, ligado ao SC-Games.Direcionado a estudantes do ensi-no fundamental, o jogo é gratui-to, com download a partir do sitewww.mata-atlantica.educacaoce-rebral.org. Vem acompanhado deum guia para o professor e a esco-la pode solicitar capacitação parauso pelo e-mail bioma@educacao-cerebral.org.De acordo com o coordenadordo laboratório, o professor Emi-lio Takase (na foto), o desenvol-vimento levou em conta a ideiade edutenimento (educação comentretenimento, diversão). Os jo-gadores não são adversários, masintegrantes de uma equipe e assimo game promove a relação colabo-rativa entre os alunos-jogadores.Para motivar a relação colabora-tiva, há uma missão a ser realizadae um personagem (avatar, papa-gaio-de-peito-roxo) que acompa-nha os jogadores, dando feedba-cks motivacionais (orientando ojogar e lembrando a importânciado trabalho em equipe) e constru-tivos (acerca do conteúdo científi-co do game).Takase explica que o jogo pro-picia aos estudantes conhecer36 espécies de fauna associadosaos ecossistemas do Bioma MataAtlântica presentes em Santa Cata-rina. Traz também característicasmarcantes das paisagens dessesecossistemas e sua localização nomapa do Estado.A tecnologia educacional foi de-senvolvida para oferecer qualida-de ao Ensino de Ciências, já queo conteúdo Bioma Mata Atlântica éprevisto para ser trabalhado no en-sino fundamental, de acordo comos Parâmetros Curriculares do Mi-nistério da Educação.Mais informações:www.educacaocerebral.comJogo gratuito estimulaaprendizado sobrebiodiversidade
  12. 12. 12 Relatório 2012 FAPESCExemplo de PesquisaMilhares de alunos eprofessores da RedePública de Ensino doEstado de Santa Catarina, alémde internautas em geral, têmà disposição o Portal Catari-na, um banco de dados comaproximadamente 320 autorescadastrados, 4.420 documen-tos e 2.578 arquivos digitaliza-dos. Ele pode ser acessado emwww.portalcatarina.ufsc.br/.Desde seu início, o projetojá rendeu a titulação de 9mestres e 4 doutores; adigitalização de 71 obras de9 autores catarinenses e dasrevistas Sul, O Moleque, Litorale Terra; a limpeza, restauraçãoe o acondicionamento de 9acervos literários; a ofertade cursos de formação paraprofessores da rede pública;a organização do 4º SimpósioNacional de Literatura eInformática; a publicação de5 trabalhos em periódicos, 3livros ou capítulos de livros,entre outros.“Os seminários,palestras, publicações,workshops permitiram adifusão e divulgação deconhecimentos, intercâmbioe de desenvolvimentode mecanismos detransferência de resultadospara a sociedade”, salientaGerson Fausto Bortoluzzi,coordenador do Pronex naFAPESC. “Consideramos queos objetivos previstos quandoda assinatura do convênioforam superados e os impactosprevistos tanto nas áreassociais, técnicas e científicasplenamente atingidas.”O Portal foi criado comR$670 mil do Pronex, por tersido contemplado em duaschamadas públicas, e está emconstante aprimoramento.Usuários podem enviarsugestões ao Núcleo dePesquisas em Informática,Literatura e Linguística, daUFSC, pelo e-mail nupill@cce.ufsc.br.Autorescatarinensespodem serlidos onlineCaricaturade Cruze Sousa,postadano PortalCatarina
  13. 13. 13FAPESC Relatório 2012 Chamada PúblicaEm 2012, a FAPESC ampliou oleque de oportunidades ofe-recidas a pesquisadores como lançamento da primeira chama-da pública do Pronem (Programa deApoio a Núcleos Emergentes). Suameta foi apoiar projetos de pesquisacientífica, tecnológica e de inovaçãopropostos por grupos de pesquisaemergentes, formados por pesquisa-dores com destaque na sua área deconhecimento e com experiência nacoordenação de projetos, de modo ainduzir a formação de novos núcleosde excelência em pesquisa no Estado.Foi lançada em 20/07/2012 aChamada Pública FAPESC/CNPQ Nº06/2012, que disponibilizou um to-tal de R$ 3.276.806,60 com contra-partida do CNPq de R$ 2.028.606,60.Foram contratados 8 projetos, entreeles o de Agroecologia e Saúde Am-biental, que será desenvolvido emcolaboração com Udesc, Uniplac eIFSC, no Laboratório de Homeopatiae Saúde Vegetal da Estação Experi-mental da Epagri/Lages (foto).NúcleosEmergentes
  14. 14. 14 Relatório 2012 FAPESCChamada PúblicaPara melhorar a saúde dosrios e difundir os benefícios dapiscicultura, duas chamadaspúblicas do Pronex contempla-ram estudos do Laboratório deBiologia e Cultivo de Peixes deÁgua Doce (Lapad), da UFSC.Junto com a Epagri, o Lapadvem desenvolvendo tecnologiaque possibilite a criação dasespécies nativas, algo relativa-mente novo no Estado.“O produtor quer uma re-ceita completa para produ-zir e reproduzir peixes emcultivo, mas o pessoal nãotem muita paciência para es-perar os resultados das pes-quisas”, afirma o Prof. EvoyZaniboni Filho, do Centro deCiências Agrárias. Ao traba-lhar em rede, pesquisado-res agilizaram o processo degeração do conhecimento econseguiram, por exemplo,definir um “pacote tecnoló-gico” contendo as instruçõessobre como obter sucessocriando o jundiá (Rhamdiaquelen) – dentre as nativas, aespécie mais cultivada no suldo Brasil. “Já tem produtorfazendo engorda deste peixeno Estado todo”, acrescenta.A continuidade dos es-tudos iniciados em 2008com R$470 mil do Pronexvem sendo garantida pelaverba de R$560 mil, apro-vada na segunda chamadapública do programa, em2010. “Esse financiamentoé extremamente importan-te porque possibilita tra-balhos dessa natureza, demédio prazo”, diz Zaniboni.UFSC e Epagri ajudam a preservarespécies nativas do Rio UruguaiCom o objetivo de apoiar a exe-cução de projetos por gruposconsolidados que demonstramexcelência em pesquisas científicas,tecnológicas e de inovação, a FA-PESC lança regularmente chamadaspúblicas no âmbito do Pronex (Pro-grama de Apoio a Núcleos de Exce-lência em CTI). De um total de R$12.961.029,40, em 2012 foram repas-sados R$3.719.316,20 para pagamen-to de parcelas referentes a 18 projetosaprovados.Essesuportefinanceirogaranterecur-sos essenciais aos trabalhos dos gruposde pesquisas vinculados a instituiçõesde ensino e/ou pesquisa sem fins lucra-tivos, em toda Santa Catarina. Exemplona sequência.Núcleos de ExcelênciaJundiá (Rhamdia quelen)
  15. 15. 15FAPESC Relatório 2012 Chamada PúblicaPesquisapara o SUSEm parceria com o CNPq, o Ministé-rio da Saúde e a Secretaria de Esta-do da Saúde, a FAPESC lançou a CP03/2012, Programa de Pesquisa para oSistema Único de Saúde, para apoiar aexecução de projetos de pesquisa quepromovam a formação e a melhoria daqualidade de atenção à saúde no con-texto do SUS em Santa Catarina.Do total de R$ 5,12 milhões, até5% pode ser usado para o acompanha-mento do programa. O restante foi re-passado a 12 pesquisas, que devemdar resultados úteis como as contem-pladas nas chamadas anteriores.Plantamedicinalreduzsintomasdo diabetesem ratosEstimular o uso de plantasmedicinais como terapia co-adjuvante do diabetes tipo 2é o objetivo de um estudo re-conhecido como o melhor tra-balho no VII Congresso Inter-nacional de Nutrição ClínicaFuncional (São Paulo, 2011).Ele foi desenvolvido pelo Cur-so de Nutrição em parceriacom o Curso de Farmácia eMestrado em Ciências Farma-cêuticas da Univali no Seminá-rio de Avaliação do Programade Pesquisa para o SUS, pro-movido em 2012 pela FAPESC.O projeto intituladoAvaliação do potencialanti-diabetogênico dasplantas selecionadas daflora catarinense e pro-moção da saúde e daeducação por meio deplantas medicinais paraindivíduos com DiabetesMellitus atendidos emItajaí não só foi premiadono congresso internacio-nal e rendeu 3 trabalhosde conclusão no cursode Nutrição da Univali.“Ele veio fomentar umalinha de pesquisa em fi-toquímica e beneficioudiretamente as pessoasparticipantes do estudo”,acrescenta sua coordena-dora, Sandra Soares Melo.Myrciaria glazioreiana
  16. 16. 16 Relatório 2012 FAPESCChamada PúblicaJovensUniversalO Programa Universal deCTI é um dos mais tradicio-nais da FAPESC, e vem financiandopesquisas em todas as áreas do co-nhecimento e regiões catarinenses.Do lançamento em 2001 até o anode 2012, o programa bancou 1060pesquisas e R$ 28 milhões foramrepassados para a comunidadecientífica catarinense. Só em no-vembro de 2012, aproximadamen-te R$ 7 milhões se destinaram afomentar 138 projetos referentes àChamada Pública FAPESC 04/2012.Em 10 anos de estudos e pesqui-sas fomentadas com este progra-ma, destacamos alguns resultados,tais como:• Identificação, monitoramento econtrole de insetos da cultura dearroz irrigado na mesorregião sul;• Estudos sobre a alternativa dereciclagem agrícola do lodo deindústrias têxteis;• Uma nova metodologia para otratamento de resíduos de fritu-ras;• Salto tecnológico significativono estado da arte da simulaçãoaeroespacial;• Redes sociais e transferênciasde conhecimento para inovaçãoem empresas localizadas no polotecnológico da Grande Florianó-polis;• Soluções inovadoras na regula-ção de potência de turbinas eóli-cas alinhadas a um mapeamentotecnológico para o setor de gera-ção de energia eólica.Para apoiar a instalação, mo-dernização, ampliação ou re-cuperação da infraestruturade pesquisa científica e tecnoló-gica em instituições catarinensesde ensino e pesquisa, dar suporteà fixação de jovens pesquisado-res e nucleação de novos grupos,a FAPESC lançou a Chamada Pú-blica 004/2011 Apoio à Infraes-trutura de CTI para Jovens Pes-quisadores, por meio da qual 40projetos foram aprovados.DeumtotaldeR$2.198.261,20,em 2012 foram repassados R$1.413.779,87 para pagamentodas primeiras parcelas que, so-madas às seguintes, custearãoprojetos até julho de 2014.pesquisadores
  17. 17. 17Unidades deConservaçãoAFAPESC e a FatmarepassaramR$ 602.569,22aos pesquisadoresselecionados na primeirachamada pública deapoio financeiro parafomento de projetosde pesquisa científicaem Unidades deConservação Estaduaisadministradas peloórgão ambientalestadual. Assim foramescolhidos 11 projetoscom valor máximounitário de R$ 60 mil.FAPESC Relatório 2012A Chamada PúblicaFAPESC/FATMA fazparte do ProgramaBiodiversidade do Estadode Santa Catarina e vemliberando recursos desdejulho de 2012, ao longo de2 anos.Em 2012, o entãopresidente da FATMA,Murilo Flores, enfatizou aimportância da retomadado apoio à pesquisacientífica por parte doórgão ambiental comoforma de estimular oconhecimento em tornodos recursos naturaisdo Estado. Segundoele, a Chamada Públicarepresenta também ainédita priorização derecursos públicos paraáreas estratégicas,gerando conhecimentosdemandados pelas políticaspúblicas definidas peloEstado.“É a primeira açãoconjunta entre FAPESCe FATMA para se fazerpesquisa dentro dasunidades de conservação,que costumavam ser maisfechadas a pesquisadorespara evitar roubo deespécies e outros riscos dabiopirataria”, disse MarioÂngelo Vidor, engenheiroagrônomo e ex-DiretorTécnico-científico daFAPESC. Chamada PúblicaFATMA fazparceria coma FAPESCe estimulapesquisaem áreasprotegidasfotos: Henrique Vilela/ Rede Guarani/SerraGeral
  18. 18. 18 Relatório 2012 FAPESCPesquisaOobjetivo principal deste proje-to é gerar conhecimentos téc-nicos e científicos para a pro-teção e o uso sustentável das águasdo Sistema Integrado Aquífero Gua-rani - Serra Geral, no sul do Brasil,por meio de uma Rede de PesquisaRegional de Universidades e Cen-tros de Pesquisas e proposição deum marco legal com vistas à gestãotransfronteiriça do Sistema.Em 2012, a continuidade das pes-quisas apresentou resultados quepossibilitaram um maior conheci-mento acerca dos aquíferos, bemcomo divulgação destas informa-ções, ações de educação ambiental eo estudo aprofundado da legislaçãopertinente à gestão dos mesmos.Rede GuaraniSerra GeralA vulnerabilidade à contaminação é uma propriedade intrínseca do meio aquífero,motivo pelo qual a qualidade da água é verificada por pesquisadores
  19. 19. 19FAPESC Relatório 2012 PesquisaIncubadoras eparques tecnológicosAFAPESC fomentaáreas tão distintascomo entretenimen-to digital, biotecnologia,rastreamento veicular viasatélite, software paratelecomunicações e tec-nologia da informação,tudo isso por meio deseu Programa de incu-badoras e parques tec-nológicos. Ele contribuipara desenvolver eco-nomias regionais, gerarprodutos e serviços ino-vadores, congregar em-preendimentos de basetecnológica, incentivarpesquisas avançadas epromover o crescimentodos postos de trabalho.É o que se tem visto naúltima década.Até 2002 existiamapenas 10 incubadorasem atividade no Estado.Elas já eram 38 em 2012.• Investimento da FAPESC:R$ 6 milhões• Empregos gerados: 2 mil• Empresas Incubadas: 300• Total de Incubadorasapoiadas: 31Terminou em 2012 o Progra-ma Estruturante I, iniciado como Convênio 01.05.1063.00 FA-PESC-FINEP, que contemplava aaplicação de recursos do Estadoe da Financiadora de Estudos eProjetos para o desenvolvimen-to e a implantação de 7 obser-vatórios tecnológicos de setorescomo Pesca, Agricultura Familiar,Moda de Vestuário, Fruticulturade Clima Temperado, Polímerose Manejo de Solos e de RecursosNaturais. Eles foram finalizadospela UDESC com R$137 mil, úl-tima parcela dos quase R$ 3 mi-lhões já repassados pelo governoestadual.“Pretende-se que os observató-rios sirvam para a ampliação dosconhecimentos aplicados às me-lhorias de qualidade de produtose processos, bem como dos siste-mas de gestão dos setores produ-tivos em questão”, explica o Prof.Renato de Mello, coordenador doprograma.Até 2012Estruturante I rende 7observatórios tecnológicosEstruturante IIEste projeto visa ouso das tecnologiasde informação e comu-nicação a serviço daqualidade de vida daspessoas, tendo comofoco desenvolver etestar tecnologias quepermitam ao Estado,em um futuro próximo,disseminar tecnologiasvoltadas, por exemplo,ao monitoramento emcasa de doentes crôni-cos (o chamado (home-care) e a telemedicina(na qual Santa Catari-na já é destaque). Paratanto, estão previstos oestudo e emprego dosmais diversos produtostecnológicos de inte-ração em larga esca-la, incluindo celulares,aparelhos médicos,computadores conec-tados na internet, e atéTV digital.A UFSC também estáenvolvida, detendo acoordenação técnicado projeto.Além da UFSC, fa-zem parte dele a FURB,UNESC, UNIDAVI, UNI-PLAC, SOCIESC, UNI-SUL, UDESC, UNIVALI,UNC, UNOCHAPECÓ,UNERJ E UNOESC. As-sim, espera-se comoresultado do projetoa montagem de umaestrutura física de di-versos laboratóriosnas instituições envol-vidas, formando assimuma rede de pesquisaincentivando o desen-volvimento tecnológicoem Santa Catarina.O valor total doprojeto é de R$12.127.189,32, sendoque R$ 7.641.703,50são oriundos do gover-nofederal(FINEP/CNPq)e R$ 4.485.485,85 sãodo governo estadual.em BOX
  20. 20. 20 Relatório 2012 FAPESCPesquisa Um programa federal apoiadopela FAPESC deu a Santa Catari-na a liderança de quatro institu-tos nacionais de ciência e tecnologia,reconhecidos como estratégicos noSistema Nacional de CT. Eles promo-vem o desenvolvimento do Estadoem áreas como tecnologia da infor-mação e refrigeração, por facilitarema incorporação das inovações por par-te de empresas, e ainda permitem queos avanços obtidos em rede sejam dis-seminados pelo território nacional.Os quatro institutos têm sedesna UFSC: INCT de Catálise em Siste-mas moleculares e nanoestrutura-dos; INCT para Convergência Digital;INCT em Refrigeração e Termofísica;e INCT Brasil Plural. Eles são financia-dos pelo governo federal e pelo go-verno estadual.Institutosnacionais de ciênciaPara os quatro INCTs,foram aprovados destinadosinicialmenteR$ 7,5 milhões,porém em 2012 houve a aprovaçãode complemento no valor deR$ 5,6 milhões,dos quaisR$ 824 milforam repassadosainda naquele ano.e tecnologiaO INCTRefrigeraçãoe Termofísicaé sediadono POLO/UFSC, cujasexperiênciasresultamem imagenscomo estas
  21. 21. 21FAPESC Relatório 2012 DifusãoPublicaçõescientíficasEm 2012, foramlançados 22 li-vros impressosna Dioesc (Diretoriade Imprensa Oficial eEditora do Estado deSanta Catarina), tota-lizando R$ 262,5 mil.Eles são resultado deuma chamada públicaque visa à publicaçãode livros ou revistaseletrônicas, de nature-za científica ou tecno-lógica, em diferentesáreas do conhecimen-to. O lançamento dasobras ocorreu numasolenidade que lotouo Teatro Pedro Ivo noano passado e contoucom a presença dogovernador Raimun-do Colombo (foto aolado).FAPESC apoia publicação de livros e revistasA Cidade de Florianó-polis na Visão dos ArtistasPlásticos é um dos muitoslivros que foram publica-dos com apoio financeiroda FAPESC. Por meio deuma chamada pública, aFAPESC selecionou propos-tas de publicações varia-das, como se nota pelostítulos de 3 delas: HistóriaDiversa – africanos e afro-descendentes na Ilha deSanta Catarina; Conferên-cias de Saúde em Santa Ca-tarina: a inclusão das suasproposições na agenda daspolíticas de saúde; e Ciên-cia e Educação Ambiental.“Os livros podem ser im-pressos, mas as revistas têmde ser obrigatoriamente ele-trônicas”, explica Larissa B.Waskow, coordenadora deprojetos da FAPESC. A Fun-dação repassou até R$ 50mil reais para a impressãode cada livro e até R$ 20 milpara a impressão de revista.As propostas foram es-colhidas mediante critérioscomo mérito, originalidadee relevância para o progres-so da ciência, tecnologia einovação no Estado de SantaCatarina, além de sua impor-tância para o desenvolvimen-to regional. Há publicaçõesdecorrentes de pesquisasrealizadas em instituições deensino superior como a Fun-dação Educacional de Criciú-ma e a Fundação Universida-de do Contestado.
  22. 22. 22 Relatório 2012 FAPESCDifusãoÉum programa deapoio à realiza-ção de eventosligados a ciência, tec-nologia e inovação. AFAPESC concedeu R$394.919,53, a ser divi-dido entre 46 propos-tas selecionadas na CPFAPESC Nº - 01/2011PROEVENTOS 2011-2012 - FASE 2. Com osrecursos, foram realiza-dos eventos como: Se-minário Nacional sobreFruticultura de ClimaTemperado; Diálogossobre o Ensino na Saú-de; II Congresso Inter-nacional de FormaçãoProfissional em Educa-ção Física; VI Semináriode Estudos e Pesquisasem Formação Profissio-nal no Campo da Edu-cação Física; SimpósioBrasileiro de Engenha-ria Ambiental; e muitosoutros.Também publicou aCP nº 05/2012 - PRO-EVENTOS 2012-2013- FASE 1- concedendoR$ 305.419,70 paraapoiar 25 eventos pre-vistos para o primeirosemestre de 2013. Sãoexemplos: IV SeminárioNacional de Inovação;III Colóquio Internacio-nal de Epistemologia eSociologia da Ciênciada Administração; IIISeminário de Desen-volvimento Colabora-tivo em ComputaçãoGráfica e Científica; IIWorkshop sobre De-senvolvimento Regio-nal na Região do Con-testado; 16º EncontroIbero Americano deGoverno Eletrônico eInclusão Digital e 2ºCongreso Iberoameri-cano de Investigadoresy Docentes de Derechoe Informatica.Proeventos
  23. 23. 23FAPESC Relatório 2012 DifusãoEm dezembro de 2012 ,a FAPESC anunciou osprimeiros colocados noII Prêmio Valorização da Bio-diversidade de Santa Catari-na, um incentivo à produçãocientífica e jornalística sobrea biodiversidade nativa catari-nense. A ele puderam concor-rer alunos de pós-graduação,professores ou pesquisadoresvinculados a Instituições deEnsino Superior e Pesquisa deSanta Catarina e jornalistasestabelecidos no Estado comregistro profissional. O prêmioinclui medalha, certificado eR$ 13.000,00. Os concorren-tes contemplados puderamrealizar uma viagem para oRio de Janeiro a fim de visitaro sítio Roberto Burle Marx e oJardim Botânico.OBS: Outro prêmio conce-dido pela FAPESC é abordadona sequência.BiodiversidadeContempladospelo PrêmioBiodiversidadecom acoordenadoraCarolineSeibert (devermelho)PROPONENTE TÍTULO DO PROJETO INSTITUIÇÃOCATEGORIA ROBERTO MIGUEL KLEIN, CLASSE ALUNO DE PÓS-GRADUAÇÃOKÁTIA CRISTINA CRUZ CAPELCORALLITH BEDS AT THE EDGE OF THE TROPICAL SOUTHATLANTICUFSCVELUMA IALÚ MOLINARI DEBASTIANICROSSODACTYLUS SCHMIDTI GALLARDO, 1961 (ANURA:HYLODIDAE) IN SANTA CATARINA STATE, SOUTHERN BRAZIL: ANEW RECORD AND COMMENTS ON ITS CONSERVATION STATUSUNOCHAPECÓCATEGORIA ROBERTO MIGUEL KLEIN, CLASSE PROFESSOR OU PESQUISADORJOÃO RICARDO VIEIRAIGANCICAMPOS DE CIMA DA SERRA: OS CAMPOS DE ALTITUDESUBTROPICAIS DO BRASIL REVELAM UM INESPERADO NÍVELDE ENDEMISMOS EM PLANTASUFSCCATEGORIA ROBERTO MIGUEL KLEIN, CLASSE JORNALISTABRUNA BÁRBARA AMARANTEDUTRACONSERVAÇÃO DAS FLORESTAS BAND SC
  24. 24. 24 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoALei Catarinense da Ino-vação instituiu o PrêmioCaspar Erich Stemmerda Inovação Catarinense em2009, para estimular e reco-nhecer esforços de empresas,entidades e pesquisadores deSanta Catarina na aplicação doconhecimento científico e tec-nológico.Em 2012, pela segunda vezfoi promovido o Prêmio Stem-mer. Por meio de chamadapública, inscreveram-se insti-tuições de pesquisa, empre-sas e pesquisadores, num to-tal de 50 candidaturas. Foramcontemplados os 3 primeiroscolocados em cada uma dascategorias previstas. Quinzeprotagonistas da inovação emSanta Catarina foram então re-conhecidos publicamente atra-vés da concessão de troféu erecursos financeiros (total deR$ 450 mil), e ampla divulga-ção na mídia catarinense.PrêmioStemmerAlguns dos homenageados, membros do Conselho Superior da FAPESC eagraciados com o Prêmio Stemmer
  25. 25. 25FAPESC Relatório 2012 InovaçãoTABELA DE SELECIONADOS – PREMIO STEMMER DE INOVAÇÃO CATARINENSE 2012Categoria: Empresa Inovadora – Médio e Grande PorteTítulo proposta Sigla da instituiçãoÁrea doconhecimentoMesorregiãoValor doprêmioCompressor Bivolt - Vanguarda emtecnologias de refrigeração: um compressor,um refrigerador, duas nações.Whirpool – UnidadeEMBRACO CompressoresEngenhariaMecânicaNorte R$ 50.000,00Plataforma Motores elétricos trifásicos deindução W22.WEG Motores ElétricosEngenhariaElétricaNorte R$ 30.000,001.Lúmen; 2.Fluis e, 3.Metaflux PIXEON Medical SystemsCiências daComputaçãoGrandeFpolisR$ 10.000,00Categoria: Instituição InovadoraTítulo proposta Sigla da instituiçãoÁrea doconhecimentoMesorregiãoValor doprêmioO Uniparque Negócios de Inovação eEmpreendedorismo, no Contexto daAGETEC.UNISUL – Universidadedo Sul do Estado de SantaCatarinaAdministração Sul R$ 50.000,00Programa deAutoatendimento Negócio Certo.IEA - Instituto de EstudosAvançadosEducaçãoGrandeFpolisR$ 30.000,00Projeto Horizontes Velas. AH – Associação Horizontes Serviço Social Grande R$ 10.000,00Categoria: Institutição de Ciência, Tecnologia e InovaçãoTítulo proposta Sigla da instituiçãoÁrea doconhecimentoMesorregiãoValor doprêmioInovação para Indústria Têxtil com oDesenvolvimento da Máquina de Afiaçãode Rodos de Estampar.SOCIESC – SociedadeEducacional de SantaCatarinaCiênciasHumanasNorte R$ 50.000,00PLATAFORMA ®ISEKP© ENTERPRISEKNOWLEDGE PLATFORM: Plataformade Engenharia do Conhecimento,com busca semântica, análise derelacionamentos, indicadores, mapas detópicos e alertas de decisão.IS – Instituto StelaCiência daComputaçãoGrandeFpolisR$ 30.000,00SAPI Sistema de Avaliação da ProduçãoInstitucional.UNIVALI – Universidade doVale do ItajaíFarmácia Vale do Itajaí R$ 10.000,00Categoria: Empresa Inovadora –Micro e Pequeno Porte PorteTítulo proposta Sigla da instituiçãoÁrea doconhecimentoMesorregiãoValor doprêmioAparelho para medição dapermeabilidade dentinária.ODEME - EquipamentosMédicos e OdontológicosOdontologia Oeste R$ 50.000,00DEGGOR - Reator de bio-aumentaçãopara a remoção de gorduras do sistema detratamento de efluentes de frigoríficos.UMWELT – BiotecnologiaAmbientalEngenhariaSanitáriaVale do Itajaí R$ 30.000,00Tartílope V2F: Uma solução de baixo custo e altaadaptabilidade para automação de processos.SPS - Soluções paraSoldagemEngenhariasGrandeFpolisR$ 10.000,00Categoria: Protagonista da InovaçãoPesquisadores Sigla da instituiçãoÁrea doconhecimentoMesorregiãoValor doprêmioValdir Cechinel FilhoUNIVALI - Universidade doVale do ItajaíFarmáciaVale doItajaíR$ 50.000,00Gilmar Sidnei ErzingerECOBABITONGATecnologiaCiênciasAmbientaisNorte R$ 30.000,00Rudy José Nodari Júnior UNOESC – Joaçaba Educ. Física Oeste R$ 10.000,00
  26. 26. 26 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoUm dia após a entrega doPrêmio Professor CasparErich Stemmer da Inova-ção Catarinense, o docente ho-menageado veio a falecer, nodia 12 de dezembro de 2012.Stemmer foi SecretárioExecutivo do Ministério da Ci-ência e Tecnologia e reitor daUniversidade Federal de SantaCatarina, além de ter publica-do 3 livros e exercido muitasfunções, acadêmicas ou não.Durante sua gestão na UFSC,entre 1976 a 1980, diversoscursos foram criados, incluin-do o primeiro programa dedoutoramento da UFSC, emEngenharia Mecânica.Professor desta universi-dade e presidente da FAPESC,Sergio Gargioni conta: “quemconheceu Stemmer e, espe-cialmente, os que tiveram oprivilégio de ser liderado porele, concordam que ele foiúnico. Único pela sua capa-cidade de trabalho, pela suainteligência criativa, pela suahonestidade a toda prova epela sua humildade. Não tinhacarro oficial e motorista emBrasília. Quando fomos paraHungria pela primeira vez,Stemmer não aceitou que aspassagens fossem fornecidaspela trade estatal Metrimpexe nem qualquer ajuda parahospedagem. Sua simplicida-de e modéstia tornam aindamaiores as contribuições queo Professor Stemmer deu àeducação superior brasileira.”Cidadão Honorário de Flo-rianópolis, Stemmer recebeua condecoração Anita Gari-baldi do Governo do Estadode Santa Catarina, em 2009.No mesmo ano, seu nome foiaprovado pelo Conselho deCiência, Tecnologia e Inova-ção de Santa Catarina paradesignar o Prêmio, cujos ven-cedores foram revelados nodia 11 de dezembro de 2012.Na solenidade, ele foi repre-sentado pelo filho, MarceloStemmer.Stemmer deixa legadopara Educação BrasileiraStemmer e Gargioni, em visita técnica a empresa alemã
  27. 27. 27FAPESC Relatório 2012 InovaçãoSinapseda InovaçãoAterceira edição do progra-ma está subsidiando 90projetos contratados comrecursos financeiros e econô-micos no valor de até R$50 milpor empreendimento, apor-tados na forma de subvençãoeconômica pela FAPESC e emcapacitação e consultoria tec-nológica pelo Sebrae/SC.Entre os finalistas das 3 eta-pas seletivas, há propostas ino-vadoras como sistema de ilumi-nação a LED colorido controladovia Tablet, dispositivos baseadosna fotossíntese artificial paramelhorar a eficiência de célulassolares e até o projeto de umabengala longa eletrônica paradeficientes visuais.Cerimônia noTeatro PedroIvo, ondecontempladospelo programaSinapsedividiram opalco comautoridades.Ideias apresentadasPORTEMÁTICAporMesorregiãoOP.SCIII
  28. 28. 28 Relatório 2012 FAPESCInovaçãoSubvençãoOPappe (Programade Subvenção àInovação em Microe Pequenas Empresas deSanta Catarina) deriva deconvênio da FAPESC coma Finep, em que recur-sos alocados pelo gover-no estadual atraem pelomenos igual montantedo governo federal. Oobjetivo é apoiar finan-ceiramente as empresasque, mediante seleçãopública por intermédiode chamadas, apresen-tem ideias e capacidadede transformá-las em no-vos produtos ou proces-sos.Coordenadores doPappe promoveram emabril de 2012 um semi-nário de avaliação noqual as 34 empresas be-neficiadas apresentaramresultados obtidos porconta da chamada pú-blica anterior. O eventoteve a participação deMarcos Regueira, gestordo PAPPE no Sebrae-SC.“Fiquei agradavelmentesurpreso com os resulta-dos e, considerando osriscos envolvidos na ino-vação tecnológica, acheique os projetos foramuma excelente utilizaçãode recursos públicos”,conclui Regueira.à InovaçãoSistema dispensa autenticação dedocumentos eletrônicos em cartórioImagine um diretor deuma grande empresa, queprecisa assinar centenas decontratos num único dia.Cansativo? Sim, mas agoraele pode utilizar seu certifi-cado digital num sistema eassinar documentos eletrôni-cos em lotes, de forma ágile segura. Esta é apenas umadas vantagens do Sistema deColeta de Assinaturas Digi-tais (SCAD), criado pela BRYTecnologia com subvençãodo PAPPE.Ele também dispensa au-tenticação de cópias em car-tório, uma vez que em meioeletrônico, todas as cópiasdo arquivo são consideradasoriginais. No futuro, será pos-sível ainda efetuar o reconhe-cimento de firma e registroem cartório de forma on line.“A validade jurídica já é provi-da pela legislação brasileira,através da medida provisória2.200-2/2001. Setores comoos cartórios vêm tambémevoluindo para se adaptaremàs novas tecnologias”, afirmaJeandré Monteiro Sutil, dire-tor técnico da BRY.O SCAD tem sido usado naDígitro e tem demonstradogrande utilidade quando hámuitos envolvidos na assina-tura de um mesmo contrato,por exemplo. “Cada parterecebe um e-mail informan-do que há um novo contratopara ser assinado. Uma vezque tenha assinado, os de-mais são notificados e podemtambém assiná-lo”, explicaSutil. “Toda essa tramitaçãode documentos, que muitasvezes implicam em envio porcorreio, podendo levar umasemana ou mais para ser fi-nalizada, é concluída em mi-nutos, com o SCAD.”
  29. 29. 29FAPESC Relatório 2012 InovaçãoInova@SCOInova@SC, parte essen-cial do plano SC@2022,da Secretaria do Desen-volvimento Econômico Sus-tentável (SDS), visa elevar San-ta Catarina a Estado Máximode Inovação. Em 2012, o Ino-va@SC consolidou o conceitode inovação no Estado comoproduto da articulação estra-tégica dos quatro setores con-siderados básicos para o su-cesso do projeto. Além disso,o Inova concentrou a políticada SDS de atração de grandesinvestimentos para Santa Ca-tarina.“Em todo o mundo, inova-ção é um processo baseadona figura da tríplice hélice,que une governo, universida-de e iniciativa privada. Aquiem Santa Catarina, incluímosmais uma hélice, a sociedade”,explica o titular da SDS, PauloBornhausen.O primeiro trabalho do Ino-va@SC foi dar organicidade àsatividades do setor já existen-tes no Estado, a partir de umlevantamento feito em 2008.Foi feito um mapeamento e,em seguida, estabeleceu-sefoco a partir das vocaçõeseconômicas das diversas re-giões de Santa Catarina, parautilizar a inovação como ins-trumento para aumentar acompetitividade da economiacatarinense.Foi consolidada, então, aRede Catarinense de Inovação,materializando-se um alinha-mento conceitual e operacio-nal, em torno da política deInovação, que ainda não tinhasido alcançada no Estado.O próximo passo foi definira criação de 11 Distritos deInovação: Joinville, São Bentodo Sul, Jaraguá do Sul, Blu-menau, Itajaí, Florianópolis,Tubarão, Criciúma, Joaçaba,Lages e Chapecó. Conformeplanejado, ainda em 2013 assedes dos Distritos de Ino-vação – os Centros de Inova-ção - terão suas obras físicasiniciadas e completadas até oprimeiro trimestre de 2014.Os recursos foram garantidospelo governador João Raimun-do Colombo.Além disso, o Inova@SC foio responsável pelo projeto deatração da BMW para o Estado,assim como de outras empre-sas definidas pelo secretárioPaulo Bornhausen como estra-tégicas para a consolidação danova economia catarinense.Vice-Presidente da BMW, Ian Robertson, entrega ao governador Raimundo Colombo uma miniatura do prédioda fábrica em Munique, na Alemanha, na presença do deputado Gelson Merísio e secretário Paulo Bornhausenfoto:CláudioThomas/SECOM
  30. 30. 30 Relatório 2012 FAPESCAções InstitucionaisTomou posse no dia04/09/2012 o novoConselho Superiorda FAPESC (na foto, nasprimeiras filas). Ele é pre-sidido pelo Secretário deEstado do Desenvolvi-mento Econômico Susten-tável, Paulo Bornhausen,que abriu a solenidadecom um anúncio: “o Con-selho foi reestruturado eagora é constituído por19 membros, sendo 6 dogoverno estadual, 6 daacademia, 6 do setor pro-dutivo e um da Assem-bleia Legislativa do Esta-do de Santa Catarina. Nóstemos pessoas de todasas regiões do Estado paraque as discussões sejampermeadas pelo equilí-brio regional. Já no dia11/12/2012 os conselhei-ros se encontraram nova-mente, para ouvir relatossobre os resultados da IVConferência Estadual deCiência, Tecnologia, apro-var o Regimento Internodo Conselho Superior ea Política de Bolsas da FA-PESC, entre outras ações.ConselhoSuperior
  31. 31. 31FAPESC Relatório 2012Ações InstitucionaisAFAPESC resolveu inovarna promoção da IV Con-ferência Estadual de Ciên-cia, Tecnologia e Inovação, es-tendendo os debates a váriascidades catarinenses.Foram sete encontros coma participação de mais de 400pessoas, entre pesquisado-res, empresários e gestores:dois em Florianópolis (dia07/05/2012 e 18/05/2012),seguidos de um em Joinville(12/06/2012), e mais três en-contros regionais denomina-dosDiálogosRegionais,realiza-dos em Joaçaba (07/09/2012),Lages (08/09/2012), Chapecó(22/09/2012) e o evento deencerramento da Conferência,em Criciúma (06/12/12).IV ConferênciaEstadual de CTIÁlvaroToubesPrata, SecretárioNacional deDesenvolvimentoTecnológico eInovação doMinistério deCiência, Tecnologiae Inovação,prestigiou aúltima etapa daconferência (nafoto, com SergioGargioni)Após os debates promovidos em várias cidades do Estado, foram sugeridascomo linhas estratégicas de ação para o fortalecimento da inovação em SC:I. Educação, Pesquisa e InovaçãoII. Apoio ao empreendedorismo inovadorIII. Regionalização da distribuição dos recursos financeiros à PDIV. Apoio a setores produtivosV. Inovação em órgãos públicosDesenvolvido desde2008 por equipe da UFSC,em conjunto com a FA-PESC e com dados de ou-tras fundações estaduaisde amparo à pesquisa, oSIFAPs (Sistema de Indi-cadores das FAPs) ajuda adefinição de prioridades etomada de decisões, sen-do muito relevante paraa gestão estratégica dasFAPs. O embrião do SI-FAPs foi apresentado aosmembros do CONFAP nodia 31/05/2012 durante ofórum nacional realizadoem Goiânia.Indicadores para FAPs
  32. 32. 32 Relatório 2012 FAPESCAções InstitucionaisLançado oficialmente emagosto de 2012, o edital doconcurso para escolher oprojeto da nova sede da Fatmae da FAPESC foi vencido pelaÓpera Quatro Arquitetura, deSão Paulo. A empresa recebe-rá R$ R$842 mil em honoráriospara a elaboração dos projetosexecutivos complementares doprédio, que poderá ter até seisandares e 9.600m²Concursopara projetosda nova sede
  33. 33. 33FAPESC Relatório 2012Ações InstitucionaisEste programa dogoverno estadualé gerenciado pelaFAPESC, que provê in-fraestrutura de cone-xões de dados comfoco nas instituiçõespúblicas de ensino epesquisa, incubadorase instituições sociais, aexemplo da AssociaçãoCatarinense para Inte-gração do Cego.Em 2012, a RCT(Rede Catarinense deCiência e Tecnologia)lançou o edital pararecontratar suas 200conexões, gerenciadasjuntamente com as co-nexões da Rede Gover-no. Estas, em processode migração, no iniciodo ano eram 217, dasquais restaram, em de-zembro, apenas 28 pormigrar. O investimentorealizado na rede noano foi da ordem deR$3 milhões.O projeto do novo Código deCiência, Tecnologia e Inovação foielaborado em 2012, a partir dedemandas apresentadaspelo setor de CTI ao grupo detrabalho do Consecti e Confap,que incluiu o procurador jurídicoda FAPESC, Clóvis Squio.A equipe esteve em Brasíliajunto com o então presidentedo Confap, Mário Neto, e dopresidente do Consecti, OdenildoSena, para apresentar odocumento à autoridades. Elesse reuniram e entregaram aproposta ao ministro de Ciênciae Tecnologia e às presidênciasda Casa Civil, da Câmara dosDeputados e do Senado Federal. Seaprovado pela bancada da Câmarae do Senado este será o novoCódigo da CTI brasileiro.Códigode CTIProgramade IncentivosFiscaisNuma atuação conjunta com aSDS e a SEF, a FAPESC analisa e dápareceres técnicos nos programasde incentivos fiscais definidos pelogoverno estadual, para produçãode medicamentos, aquisiçãode insumos farmacêuticos,produtos de informática e paraa indústria do vinho.Em 2012 o programa deincentivos incluiu, nas suasdiversas modalidades 117empresas, 15 das quaiscredenciadas naquele ano,envolvendo uma contribuiçãoorçamentária da ordemde R$7,1 milhões.Inclusãodigital
  34. 34. 34 Relatório 2012 FAPESCRecursos HumanosOPrograma foi instituído em2011 pelo governo estadual,via Secretaria do Desenvolvi-mento Econômico Sustentável, paraformar mais profissionais na áreade tecnologia, impulsionando o de-senvolvimento econômico. O pro-jeto oferece cursos gratuitamentepara jovens acima de 17 anos, comensino médio completo ou que es-tejam cursando o último ano. Ameta é formar cinco mil pessoas nacapacitação até 2014 em todo Esta-do (na foto, formatura de turma daGrande Florianópolis).Já foram oferecidos cursos deJava, C++, Delphi, PHP, .Net, WebDesigner, Cobol, PowerBuilder,entre outros, respeitando asnecessidades de cada região. OGer@çãoTEC formou profissionaisem Itajaí, Blumenau, Joinville,Criciúma, Tubarão, Lages, Chapecó,Pinhalzinho, Jaraguá do Sul, Riodo Sul, Joaçaba, Videira e naGrande Florianópolis. Seu principaldiferencial é o currículo desenhadopara atender as demandas locais e aorientação profissional dos alunosao longo dos cursos.Ger@çãoTECPanorama Geral do GeraçãoTEC no EstadoCidade Inscritos IniciantesFormadosFormaçãoProfissionalCapacitaçãoGerencialMEIGDE. FPOLIS 2011/2012 1125 441 303 0 92Total Grande Fpolis 3164 665 450 0 92LAGES 600 168 99 0 48BLUMENAU 2468 601 234 223 103CRICIÚMA 385 85 62 0 42TUBARÃO 345 70 49 0 13JOINVILLE 706 201 130 0 39CHAPECÓ 575 144 110 0 22JARAGÚA SUL 125 32 25 0 0JOAÇABA 195 58 42 0 20RIO DO SUL 136 55 42 0 23ITAJAÍ 266 81 66 0 74VIDEIRA 84 84 0 84 0TOTAL GERAL 7010 2020 1262 307 476
  35. 35. 35FAPESC Relatório 2012 Recursos HumanosBolsasAFAPESC estimula a curiosida-de científica a partir do ensinomédio, e fomenta a formaçãode recursos humanos altamentequalificados por meio de bolsas deestudo.Foi lançada em 16/02/2012 aterceira Chamada Pública para pós-graduação (a CP Nº 01/2012), quedisponibilizou R$ 2.160.000,00. Elaviabilizou a concessão de 30 bolsasde mestrado e 15 bolsas de doutora-do. As instituições contempladas comessas cotas selecionaram os bolsistasconforme orientação da FAPESC.Em julho de 2012, os valoresmensais foram reajustados paraR$1.980,00 por bolsa de doutorado eR$1.320,00 por bolsa de mestrado.Vale lembrar que a FAPESC mantémconvênio com o CNPq para oferecerbolsas de Iniciação Científica Júnior a240 alunos do ensino médio. A Funda-ção também auxilia financeiramenteos orientadores das pesquisas realiza-das pelos estudantes, bem como apoiaa promoção de feiras de ciências.Chama atenção o alto nível de escolaridade dos colaboradores daFAPESC. Dos 67, 32 tem pós-graduação; por outro lado, apenas 5 foramaté o ensino médio. Independentemente da formação dos colaboradores,todos participaram de um evento de integração promovido durante doisdias, sob supervisão da Diretoria de Administração (foto abaixo).Quadro de pessoal
  36. 36. 36 Relatório 2012 FAPESCAdministraçãoColocando em prática uma das sugestões da IV ConferênciaEstadual de CTI, no sentido de introduzir inovações nogoverno estadual, os processos e práticas administrativas forammodernizados para aumentar a eficiência na gestão.Quanto à Prestação de Contas, havia 700 processos paraanálise em janeiro de 2011. Entre essa data e dezembrodo mesmo ano, 875 processos foram analisados (lembrando que oinício do processo de gestão foi em abril de 2011).Enquanto a média mensal de análise em janeiro de 2011 erade 30 processos, em novembro de 2012 a média dobrou: 60processos eram analisados a cada mês. Quanto à RegularizaçãoPatrimonial, em janeiro de 2011 havia 3.386 itens a regularizar.Desse total, 2.315 foram regularizados até novembro de 2012.A Diretoria de Administração também promoveu o resgate dos resultadosdas 1.260 pesquisas custeadas pela FAPESC entre 2008 e 2010, a fim dedisponibilizá-los na Plataforma FAPESC de CTI, para avaliação depesquisadores e prestação de contas à sociedade. Está prevista tambémsua inclusão em sistema interno da FAPESC, onde constam outrasinformações: palavras-chaves, valor, vigência, área de conhecimento etc.
  37. 37. 37FAPESC Relatório 2012 OrçamentoPROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAAvaliação do Dejetos Suíno Compostado como Fertilizante na Fruticulturade Clima Temperado90.201,50Balanço Energético Estadual Fase 1 150.000,00Biodiversidade 2012/2014 Unidades de Conservação 385.596,00 216.973,22Biodiversidade CP09/09 425.551,28Biotério de Animais Não Roedores 1.965.000,00Biotério Implantação do Centro de Referência em Farmacologia Pré-clínica(229)500.000,00Catástrofes Naturais - CP010/09 36.728,80Centro de referência em meio ambiente na UNISUL 42.756,00Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Regional de SC -SDR CP12/09230.334,00Composição do Laboratório de Ecotoxicologia 50.000,00Congresso de Solos 169.065,00Desenv. da Pecuária de Corte da Região Serrana de SC 130.000,00Desenvolvimento e Difusão Tecnológica da Produção Orgânica de ArrozIrrigado10.291,60Desenvolvimento de Embalagens Multicamadas Antimicrobianas Atóxicas 73.320,00Desenvolvendo um modelo de gerenciamento comunitário de resíduossólidos e agricultura urbana220.735,00Desenvolvimento de Setores Rural e Pesqueiro de SC 481.980,36Estratégias metodológicas e aditivos para viabilizar o uso do sêmencongelado83.000,00Estruturante / Bioativas 349.646,45Estruturante I (Licitação) 22.683,75 87.000,00Estruturante II (Licitação) 367.273,09 1.047.755,70Estudo da gasificação do carvão mineral de SC 100.000,00Estudos para Gerenciamento de Lodos na Estação de Tratamento doEsgoto Insular CASAN43.250,00FABET 679.127,24Fundamentos , Avanços e Aplicações Embriogenesis 64.400,00Fundo do Vinho - Desenvolvimento Tecnológico da Vitivinicultura 276.925,00ILX-10 e PTX3 como potenciais alvos terapêuticos no tratamento dotraumatismo crânio-encefálico33.500,00Implantação de provas de conceito e operação piloto do Sistema de Gestãoda cadeia Logística Segura para Exportação de Aves e Suínos365.600,00Implantação de Sistema de Informação, Análise e Controle PC 60.000,00Institutos Nacionais de CTI 2009 786.183,71Institutos Nacionais de CTI 823.798,75Infra-Estrutura de CTI Jovem Pesquisadores 396.018,50 431.813,57 585.947,80Infra-Estrutura de CTI Jovens Pesq. - PPP CP05/09 6.867,85Invenário Florístico-Florestal de SC (Caracterização da DiversidadeGenética Esp. Amea.)50.000,00Inventário Florístico-Florestal de SC (Publicação de Resultados Volumes 12 3 3 5 6))154.500,00
  38. 38. 38 Relatório 2012 FAPESCOrçamento PROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAPesquisa para Produção e Análise do Leite Ovino e Derivados 23.900,00Plano Estadual de Logística e Transporte de SC 976.000,00PPSUS CP 04/09 E 03/10 119.020,00PPSUS CP 2012 (SS) 801.136,57 1.716.908,89Programa REPENSA - CP022/10 426.413,74Programa SISBIOTA - CP47/10 344.253,59PRONEX - CP04/10 1.655.284,12 2.064.032,16PRONEM 527.400,00 0,00 1.037.117,60Química e Bioquímia de Produtos Naturais 446.655,79Rede Guarani/Serra Geral - CNPq/FAPEU (122) 400.000,00Rede Guarani/Serra Geral SC-ICI ANA/CAIXA (Licitação) 0,00Universal - CP07/09 609.141,71Universal - 2012 6.265.108,82 1.138.555,34Valorização do Carvão Mineral 1.076.000,00Validação de Arranjo Tecnológico para Tratamento dos Dejetos Líquidos deSuínos por Compostagem e Produção de Fertilizante Orgânico - SEARA49.580,00INOVAÇÃOAmpliação da capacidade inovadora das empresas do estado de SC noâmbito dos Sistemas Regionais de Inovação30.000,00Analise da cadeia produtiva de compactados de biomassa residual 79.707,00Caracterização do estado da técnica e das competências no estado de SCno setor aeronáutico120.000,00Desenvolvimento de Portfolio Eletrônico Integrado 131.700,00Diagnóstico do Sistema de Rastreamento Atual 239.280,00Embraco/Whirpool 220.227,00PAPPE/Subvenção (Devolução) 26.307,00Planejamento integrado dos Sistemas Regionais de Inovações do Estadode Santa Catarina, no âmbito do Sistemas Regionais de Inovação49.000,00Prêmio STEMMER 2012 487.648,65Processamento e Desidratação a Frio de Uvas Prod. Vinhos Licorosos 89.130,00Programa Inova@SC / Sinapse -.SCIII SEBRAE 2.273.648,00Programa Inova@SC - CODESC) 993.000,00Programa Inova@SC Etapa IV- Sinapse da Inovação - Operaçáo SC IV 157.400,00Programa Inova@SC 800.000,00 3.000.000,00Projeto Mapeamento Perfil Empresarial Catarinense ( Inovação, Gestão,MKT)250.000,00Unidade de pesquisa e desenvolvimento em métodos inovadores dequantificação química, microbiológica e toxicológica para apoio às indústriase órgãos governamentais395.000,00Sistemas de condução e poda na dinâmica temporal do mildio 73.313,00Plataforma Fapesc de CTI 156.267,70 811.284,57
  39. 39. 39FAPESC Relatório 2012 OrçamentoPROJETO / CHAMADAS PÚBLICAS PAGAS EM 2012PagoESTADO229/PRÓ/DESC.UNIÃOPESQUISAANPEI 300.000,00Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 100.000,00Demanda Espôntanea - Participação em Eventos 408.785,90 449.737,00Feira de Ciências (UDESC) 14.999,94Fórum Empresarial de Comandatuba 120.000,00Instituto Hoepcke 40.000,00Proeventos 2011-2012 - Fases II- CP 01/11 398.873,53Proeventos 2012 - 2013 320.419,70Prêmio Valorização da Biodiversidade Catarinense 80.034,64Publicações - CP 07/2010 260.660,00Valorização da biodiversidade catarinense por meio da tradução da obra deFritz Müller17.400,00RECURSOS HUMANOSEntra 21 / Blusoft 500.001,00Geraçãotec 3.500.000,00I3 (Instituto Internacional de Inovação) 310.000,00Programa de Bolsas FAPESC - CP01/12 562.680,00Programa de Bolsas FAPESC - CP013/09 764.471,00Programa de Bolsas FAPESC - CP06/07 29.222,18Prog. Bolsas Iniciação Científica Júnior - ICJ CP02/11 168.000,00TOTAL POR FONTE PROJETOS E CHAMADAS 24.867.885,19 18.325.130,85 7.363.216,39TOTAL PROJETOS E CHAMADAS 50.556.232,43TOTAL POR FONTE DESPESAS ADMINISTRATIVAS 9.025.827,30TOTAL 59.582.059,73
  40. 40. 40 Relatório 2012 FAPESCConclusãoProdução do Relatório de Atividades 2012Informações: Equipe da FAPESCCoordenação geral: Heloisa DallanholProjeto Gráfico e Diagramação: Valdir Siqueira | MTB:31.804Agradecemos às instituições e pessoas que colaboraram comfotos e/ou dados para a elaboração deste relatório.
  41. 41. COMPOSIÇÃO E IMPRESSÃOESTADO DE SANTA CATARINASecretaria de Estado da AdministraçãoDiretoria da Imprensa Oficial e Editora de Santa CatarinaRua Duque de Caxias, 261 – Saco dos LimõesCEP 88045-250 – Florianópolis – SCFone: (48) 3665-6239O.P-4271 - PRO-00437
  42. 42. ADP-02840COMPOSIÇÃOEIMPRESSÃO:PRO-00437www.fapesc.sc.gov.brtwitter.com/fapescParque Tecnológico Alfa - Rodovia SC 401, Km 1Prédio CELTA/FAPESC - 5º AndarBairro João Paulo - CEP 88030-000Florianópolis-SC BrasilFone: 55 (48) 3665- 4800FUNDAÇÃO DE AMPARO ÀPESQUISA E INOVAÇÃO DOESTADO DE SANTA CATARINASecretaria de Estado do DesenvolvimentoEconômico Sustentávelwww.sds.sc.gov.br

×