Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias

on

  • 486 views

Comunicação apresentada à CONFOA 2013 (Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, de 06 a 08 de outubro de 2013) em Comunicações II - Percepção do Acesso Aberto - Jean Carlos Ferreira dos ...

Comunicação apresentada à CONFOA 2013 (Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, de 06 a 08 de outubro de 2013) em Comunicações II - Percepção do Acesso Aberto - Jean Carlos Ferreira dos Santos e Marko Synésio Alves Monteiro

Statistics

Views

Total Views
486
Views on SlideShare
486
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial-NoDerivs LicenseCC Attribution-NonCommercial-NoDerivs LicenseCC Attribution-NonCommercial-NoDerivs License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias Presentation Transcript

  • Publicações em acesso aberto na área de Ciências Agrárias: o que pensam os pesquisadores? JEAN CARLOS FERREIRA DOS SANTOS (DPCT/UNICAMP) MARKO SYNÉSIO ALVES MONTEIRO (DPCT/UNICAMP)
  • Objetivos Compreender, a partir de dados qualitativos, a percepção de Pesquisadores da área de Ciências Agrárias acerca dos meios de publicação em acesso aberto e Movimento Open Access. Discutir os elementos frequentemente levados em consideração pelos pesquisadores nas escolhas de onde e por que publicar. O que orienta as escolhas de publicação dos pesquisadores? Atualmente, o acesso aberto é algo presente nessas escolhas?
  • Recorte de área: Ciências Agrárias Ciências Agrárias: Elevada Produção Científica de destaque nacional e internacional; Caráter Multidisciplinar. De acordo com dados do MCTI, em 2009, o percentual de artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI, de 2007/2009 foi de 9,89% em relação à produção científica mundial na área. Em relação à produção científica interna, entre 2007 e 2010, as Ciências Agrárias foram responsáveis por 20% Artigos completos publicados em periódicos especializados (CNPQ, 2011).
  • Materiais e Métodos Estudo baseado em uma metodologia qualitativa, centrada na aplicação de entrevistas semiestruturadas com um grupo de pesquisadores da área selecionada.  Nas entrevistas semiestruturadas as questões são formuladas de maneira a permitir que o sujeito entrevistado possa discorrer e verbalizar seus pensamentos, tendências e reflexões sobre o tema abordado (ROSA; ARNOLDI, 2008). Os questionamentos buscam ser mais aprofundados e subjetivos, levando, frequentemente, a uma avaliação de valores, opiniões, motivações, fatos e comportamentos (ROSA; ARNOLDI, 2008).
  • Materiais e Métodos Utilização de um roteiro com tópicos selecionados; Buscou-se que esses pesquisadores expressassem suas opiniões a respeito das iniciativas existentes associadas ao acesso aberto; O que os pesquisadores compreendem por acesso aberto;  Motivações e possíveis restrições em publicar em periódicos de acesso aberto; Papel atribuído pelos pesquisadores à publicação científica; Os critérios e elementos que influenciam as escolhas de publicação e o público-alvo de suas publicações;
  • Grupo de 6 docentes pesquisadores que atuam em Ciências Agrárias, pertencentes à UNICAMP e USP; orientadores em cursos de pós-graduação; participam de grupos de pesquisa; Predominância na área de Agronomia, Engenharia Agrícola, Solos. Pesquisador Entrevistado Instituição Pesq.1 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Subárea: Sensoriamento proximal e geofísica dos solos; manejo e conservação do solo; Avaliação de terras; Gênese, morfologia e classificação dos solos; Geotecnologias; Modelagem da erosão e acelerada do solo. Pesq.2 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Engenharia de Água e Solo: Especialidade: Física do solo; Conservação do solo e água; Agricultura de precisão. Pesq.3 UNICAMP -Engenharia Agrícola / Subárea: Engenhara de Água e Solo/ Especialidade: Irrigação e Drenagem; -Agronomia / Subárea: Agrometeorologia / Especialidade: Evapotranspiração. Pesq.4 UNICAMP -Engenharia Sanitária / Subárea: Tratamento de Águas de Abastecimento e Residuárias; Saneamento Ambiental; -Engenharia Agrícola / Subárea: Engenharia de água e solo / Especialidade: irrigação e drenagem Pesq.5 USP Pesq.6 USP Área de Atuação/Linha de Pesquisa -Agronomia / Subárea: Ciência do Solo / Especialidade: Química do Solo, Fertilidade do solo e Adubação. -Agronomia / Subárea: Ciência do Solo / Especialidade: química do solo; Fitossanidade / especialidade: defesa fitossanitária.
  • Apresentação dos Resultados Aspectos variados acerca do contexto acadêmico em que os pesquisadores estão inseridos; Conhecimento do Acesso Aberto; Referência a iniciativas como SciELO, Bibliotecas de Teses e Dissertações... Manifestações de Apoio/Crítica ao Acesso Aberto: Essas editoras cobram e muito. Eu acho um absurdo, quer dizer: você paga para publicar e depois a universidade ainda paga para acessar as bases de dados deles. Isso é um absurdo, isso não é a favor da divulgação. [Pesq.3]
  • Ideia de que os periódicos em acesso aberto possuem um sistema de revisão por pares frágil. O que eu percebo desses periódicos eletrônicos é que vira e mexe eu recebo convite para liderar uma revista ou para participar de algum número específico e eu não sei como eles estão se organizando, eu admito a minha ignorância, mas de repente tem duzentas mil revistas Open Access, e como eles vão estabelecer a revisão dos artigos? Quem está revisando tudo isso? O quanto essas informações são revisadas? Queira ou não queira, essas outras revistas tenham um caráter comercial, mas a gente já sabe que elas têm um corpo editorial, têm um respeito. Passam coisas ruins? Passam, mas, de forma geral, existe um controle. [Pesq.6] Taxas de publicação em periódicos de acesso aberto.
  • Cobrança das agências de fomento e das instituições para que o pesquisadores publique cada vez mais nos periódicos bem avaliados: Os programas de pós-graduação não têm como fugir, ou eles entram na regra do jogo ou eles têm menos recursos, uma nota baixa. Eu faço parte de um programa nota 7 na CAPES e as regras do nosso programa são bem definidas: cada artigo publicado em uma revista A1 com aluno vale 15 pontos, cada artigo publicado em uma revista B1 vale 3 pontos, abaixo de B1 a gente não conta. Então são regras que os programas ajustam e isso implica, no nosso programa, na divisão de recursos. [Pesq.5] Papel da CAPES e de suas avaliações.
  • Preocupação em Publicar em canais de maior visibilidade e interesse na internacionalização das pesquisa: O que o pesquisador na área de agrárias está se convencendo aos poucos é que é importante a divulgação dos seus resultados em revistas de alto impacto. Agora, se isso está ligado a uma revista de editora de acesso aberto ou não eu acredito que ainda não seja objetivo de estudo na hora de escolher uma revista. O pesquisador escolhe, eu escolho, na área dele, dentro daquele assunto, a revista que acolha melhor o artigo, o artigo que tenha a ver com o escopo daquela revista, com potencial de leitura e de citação. [Pesq.5]
  • O Qualis do periódico aparece como um critério que exerce bastante influência nas escolhas dos pesquisadores. Relação entre avaliação acadêmica, reconhecimento, prestígio, internacionalização e publicação científica; Até por uma necessidade a gente tá procurando a internacionalização, porque isso nos é exigido. Nossas revistas também estão incentivando isso. A nossa Revista Brasileira de Ciências do Solo ela já incentiva que a gente publique em inglês, então eu tenho publicado sempre que possível em inglês. [Pesq.1]
  •  Problemas que emergem com a internacionalização: isolamento linguístico; Especificidades de algumas subáreas das Ciências Agrárias. Eu diria assim que eu não tenho a preocupação de desenvolver, primeiro, uma pesquisa que seja internacional. Portanto, mesmo que às vezes eu queira publicar em uma revista internacional, ela não vai ter o interesse, porque o foco é um trabalho nacional, então começa nesse aspecto. Então mesmo que eu queira publicar em uma revista internacional, eu não vou fazer porque a revista não vai aceitar o artigo. E isso eu já tive. Já tive artigos meus que não foram aceitos no exterior. Quer dizer, quando você vai para uma revista nacional você consegue. Então, o que eu quero na verdade é atingir um público nacional, no mínimo. [Pesq.3]
  • Importância do Portal de Periódicos da CAPES. Periódicos nacionais de qualidade insuficientes para atender a demanda dos pesquisadores; Fluxo Editorial lento, se comparado com os periódicos de editoras científicas, por essa razão alguns pesquisadores afirmaram preferir publicar em periódicos estrangeiros, especificamente de editoras científicas; Importância do reconhecimento do Editor científico para a qualidade dos periódicos nacionais;
  • Considerações Finais De maneira geral, os pesquisadores manifestaram apoio à proposta do acesso aberto: Apontam a relação necessária entre acesso gratuito e resultados de pesquisa financiada com recursos públicos; embora parte deles tenham afirmado não conhecer as propostas relacionadas ao Movimento Open Access. Os pesquisadores têm se orientado para publicar em periódicos tradicionais e bem classificados no sistema de avaliação Qualis da área em que atuam (mesmo quando publicam em periódicos de acesso aberto), destacando a importância desses critérios para fins de avaliação acadêmica e visibilidade das pesquisas.
  • O sistema de recompensas vigente incentiva os pesquisadores a publicarem internacionalmente e em periódicos de alto impacto. De que modo a proposta do acesso aberto diálogo ou entra em conflito com isso? Necessidade de reflexão acerca do papel das agências de fomento no apoio ao acesso aberto; Conscientização do pesquisador sobre as publicações em acesso aberto, buscando enfraquecer determinados “mitos” sobre esse tipo de publicação; Fortalecimento dos periódicos nacionais.
  • Referências CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq). Indicadores de Pesquisa, 2011. Disponível em: <http://www.cnpq.br/indicadores1>. Acesso em: 05 de Ago. 2013. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Indicadores: Percentual de artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI, em relação ao mundo, por área do conhecimento, 2007/2009. Disponível em: http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/5709/Percentual_de_artigos_brasileiros_public ados_em_periodicos_cientificos_indexados_pela_ThomsonISI_em_relacao_ao_mundo_por_area _do_conhecimento.html. Acesso em: 30 de Ago. 2013. ROSA, M. V. F. P. C.; ARNOLDI, M. A. G. C. A entrevista na pesquisa qualitativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
  • Obrigado! Contato: jeancarloscid@gmail.com