Lean Construction

3,020
-1

Published on

file de apresentação

Published in: Business
0 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,020
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lean Construction

  1. 1. LEAN CONSTRUCTION ® APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS LEAN THINKING À CONSTRUÇÃO CIVIL João Paulo Pinto e António Flor COMUNIDADE LEAN THINKING, 2011 Jan 01
  2. 2. Demasiado desperd í cio em material? Material que não é aproveitado? Necessidade de fazer repara ç ões no trabalho realizado (ex. demolir trabalho feito); Nos locais de trabalho há sempre qualquer coisa que não funciona? (não h á espa ç o para trabalhar, os trabalhos anteriores não estão prontos, falta material, falta equipamento, falta o subempreiteiro); O local de trabalho est á sempre desarrumado; Os trabalhadores estão mais tempo parados que a trabalhar; Queixas de quem contrata o trabalho; Problemas com os subempreiteiros; ISTO É-LHE FAMILIAR?
  3. 3. <ul><li>QUER O SEGUINTE PARA A SUA EMPRESA? </li></ul><ul><ul><li>Aumentar margens. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumentar a produtividade dos seus colaboradores. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cumprir prazos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Reduzir desperdícios. </li></ul></ul><ul><ul><li>Então, nós temos a solução… </li></ul></ul>
  4. 4. QUE TIPO DE SISTEMA É A CONSTRUÇÃO? <ul><li>Sistema de produção baseado em projectos ; </li></ul><ul><li>Sistema fixo de produção (o “todo” é montado por partes; colaboradores completam processos um produto “estacionário”); </li></ul><ul><li>O produto final é enraizado no local; </li></ul><ul><li>Produto final sujeito a frequentes alterações do cliente final ou de intermediários (ex. arquitecto); </li></ul><ul><li>Processos sujeitos a frequentes incertezas (ex. clima) e a inputs por parte do cliente (ex. alterações) e fornecedores (ex. atrasos); </li></ul><ul><li>Gestão orientada por directrizes. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Sistema logístico complexo; </li></ul><ul><li>Um novo produto é um novo projecto! Necessidade de reconfigurar toda a cadeia logística; </li></ul><ul><li>Longos tempos de setup (mudanças e preparação); </li></ul><ul><li>Tendência para a optimização/gestão local em detrimento do todo; </li></ul><ul><li>Sub-sistemas complexos, ex: </li></ul><ul><ul><li>Planeamento e a programação de actividades; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão de recursos e subcontratados; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão da manutenção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão de frotas. </li></ul></ul>
  6. 6. concepção/design execução desenvolvimento conclusão FASES DE UM SISTEMA DE CONSTRUÇÃO Apesar da representação linear, a realidade deste sistema é bem oposta!
  7. 7. STATUS ACTUAL … <ul><li>Entre 40 a 50% dos projectos de construção são realizados fora dos programas (atrasados!); </li></ul><ul><li>Os principais agentes de custo nos projectos de construção resultam de ineficiências de planeamento e de gestão (não em custos de materiais ou de mão-de-obra); </li></ul><ul><li>Confiança e integridade são tidos como ingredientes fundamentais para melhorar a comunicação e a colaboração entre todos… </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Mais de um terço dos proprietários de obras afirmam que o sistema de controlo não é o mais adequado às suas necessidades; </li></ul><ul><li>Estes identificam a Gestão de Projectos e o Controlo de Custos como as áreas que mais carecem de melhorias; </li></ul><ul><li>Existe uma clara tendência entre os proprietários governamentais e os “quase-públicos”para uma separação do processo “ design - orçamento/proposta - construção ” em fases distintas de forma a julgar as opções que melhor satisfaças as suas necessidades </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Principais preocupações dos Proprietários de Obras : </li></ul><ul><ul><li>Confiança e integridade no processo de construção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Coordenação e colaboração entre os elementos da equipa e em toda a cadeia logística; </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhoria das relações entre todos os elos da cadeia logística, incluindo o cliente final; </li></ul></ul><ul><ul><li>Mais consciência dos Eng/Arq para as questões de custo e de tempo dos projectos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Juntar empreiteiros, subempreiteiros e fornecedores para o desenvolvimento (envolvendo-os o mais cedo possível); </li></ul></ul><ul><ul><li>Definição clara dos procedimentos e conteúdos de trabalho; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fornecimento de dados e informações mais completas para os locais de trabalho (evitando dúvidas e eliminando a necessidade de improviso no momento da execução); </li></ul></ul><ul><ul><li>Responsabilidade do proprietário sobre o processo; </li></ul></ul><ul><ul><li>Capacidade de resposta nos processos de tomada de decisão; </li></ul></ul><ul><ul><li>Alcançar uma boa definição dos projectos. </li></ul></ul>
  10. 10. <ul><li>Os proprietários de obras (gestores) estão a aperceber-se que as suas abordagens à construção podem de facto potenciar a ineficiência e aumentar custos – ou, em contraste, estão a aperceber-se que uma estratégia adequada pode criar um ambiente aberto e colaborativo no qual o trabalho é realizado rapidamente e de forma correcta. </li></ul>
  11. 11. NÍVEIS DE GESTÃO EM CONSTRUÇÃO ORGANIZACIONAL PROJECTO ACTIVIDADES Actualmente, os gestores da construção ( GC ) focalizam-se nesta caixa: no processo de transformação Estrutura da Empresa Construtora – múltiplos atributos dos projectos; Detalhe do projecto de acordo com as especificações, desenhos, custo, tempo e recursos; Status das actividades vs. valores orçamentados (tempo e custo), utilização de recursos… PROCESSO ACTIVIDADE TAREFA Ênfase nas funções diárias; Escolha dos métodos de construção; Decisões na sequência de actividades; Gestão de negociações comerciais.
  12. 12. <ul><li>As actuais práticas de gestão da construção têm algumas lacunas graves: </li></ul><ul><ul><li>Optimização local em detrimento do global (é necessário uma abordagem integrada); </li></ul></ul><ul><ul><li>A utilização de métodos baseados no CPM/PERT são limitativos dado que apenas focam na gestão de actividades ignorando aspectos como a utilização de recursos e outros; </li></ul></ul><ul><ul><li>Planeamento e programação são normalmente resultado de processos informais: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O programa (s chedule) não é o plano. O programa é simplesmente um componente do plano de implementação do projecto. O plano é revisto e detalhado à medida que ganhamos maior compreensão do projecto e obtemos mais detalhe. </li></ul></ul></ul>
  13. 14. GC : PRÁTICAS COMUNS ACTIVIDADE A construção é função do lead time (LT): LT = Conversão + Manuseamento + Inspecção + Espera TAREFAS Conversão: valor acrescentado <ul><li>95-99% de Desperdício que se manifesta sob a forma de: </li></ul><ul><li>Inspecções e Esperas… </li></ul>A ênfase da GC tem sido na redução da componente Conversão através da tecnologia, automação e em alguns casos da modularização.
  14. 15. Porque é que a ênfase tem sido colocada na redução do tempo de conversão se a maior parte do LT está nas esperas e nas inspecções ?
  15. 16. AS PRÁTICAS DE GC EM RESUMO… <ul><li>Centradas na actividade: ignoram o efeito do fluxo de trabalho; </li></ul><ul><li>Variação no desempenho; </li></ul><ul><li>Optimização do desempenho ao nível da actividade (local) para aumentar a produtividade ou a velocidade; </li></ul><ul><li>Controlo baseado nos desvios (monitorização); </li></ul><ul><li>Cada elemento/parte no projecto protege a sua “quinta”; </li></ul><ul><li>Pouca capacidade para aprender – repetição frequente de erros; </li></ul><ul><li>Ignora a criação e a entrega de valor a todas as partes interessadas. </li></ul>
  16. 17. MUDANÇA DE PARADIGMA antigo paradigma novo paradigma C C T T Q Q Legenda : Q – Qualidade C – Custo T – Tempo A – Ambiente P – Pessoas R – Recursos R A P Os proprietários querem muito mais que tempo/custo/qualidade! É preciso considerar as restantes partes interessadas e garantir que o valor lhes é entregue… COMO conseguirá a indústria de construção responder aos novos desafios se teve tantos problemas com o modelo anterior?
  17. 18. O QUE É A LEAN CONTRUCTION ? <ul><li>Lean Construction (LC) é gerir os processos de construção através de: </li></ul><ul><ul><li>Gestão de actividades (integrada e sistemática); </li></ul></ul><ul><ul><li>Gestão de Fluxos (pessoas, materiais, informação e dinheiro); </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Garantindo um workflow fiável e estável: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Desenvolver produtos e processos em simultâneo usando equipas pluridisciplinares; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Transferir responsabilidades de desenvolvimento para os fornecedores; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reduzir stocks; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Dar autonomia às pessoas; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Controlo baseado na conformidade; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Uniformizar e industrializar sempre que possível. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Gestão do Valor </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Perceber e melhorar o valor entregue ao cliente e demais partes interessadas. </li></ul></ul></ul>
  18. 19. PORQUÊ APLICAR OS PRINCÍPIOS LEAN? <ul><li>Porque se trata de uma filosofia de gestão orientada à criação de valor e à redução sistemática do desperdício ; </li></ul><ul><li>Entenda-se desperdício como todas as actividades, processos e materiais, que não acrescentam valor (ie que o cliente não reconhece como merecedoras da sua atenção, tempo e dinheiro) mas que aumentam custos e tempo; </li></ul><ul><li>Porque, através de uma abordagem sistemática e integrada, envolve todos os processos da organização de modo a sintoniza-los com os objectivos da direcção e no sentido da satisfação de todas as partes interessadas (clientes e outras); </li></ul><ul><li>Porque procura envolver todas as pessoas dentro da organização no sentido da melhoria contínua do desempenho do negócio. </li></ul>
  19. 20. O QUE É LEAN CONSTRUCTION ? <ul><li>“ As pessoas certas a falarem acerca das coisas certas no tempo certo com o o nível de detalhe adequado” </li></ul><ul><li>“ Sistemas de trabalho sintonizados com os objectivos da organização, procurando maximizar o valor às partes interessadas no negócio enquanto combatem todas as formas de desperdício na organização” </li></ul>
  20. 21. segurança tempo envolvimento de todos qualidade sustentabilidade custo A filosofia lean thinking procura alcançar todos os objectivos simultaneamente sem ter de se comprometer
  21. 22. BENEFÍCIOS IMEDIATOS <ul><li>Aplicar os princípios LT permitirá reduzir tempos de entrega e custos (apenas combatendo o desperdício)! </li></ul>Projecto Pedido do Cliente Entrega ao Cliente tempo total PROCESSOS TRADICIONAIS Projecto Pedido do Cliente Entrega ao Cliente tempo total PROCESSOS LEAN desperdício
  22. 23. ELIMINAR O DESPERDÍCIO ATRAVÉS DO VSM <ul><li>VSM ( value stream mapping ) – mapeamento da cadeia de valor ; </li></ul><ul><li>VSM identifica todos os passos (processos e actividades) que na cadeia de valor convertem os inputs em outputs ; </li></ul><ul><li>A duração dos processos bem como os tempos de espera são registados. Desta forma é possível identificar o tempo em que se acrescenta valor vs o tempo em que apenas se acumula custos e tempo aos produtos/serviços; </li></ul><ul><ul><li>Criar o mapa de valor; </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar oportunidades de melhoria; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reestruturar processos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolver um plano de acções para a melhoria; </li></ul></ul><ul><ul><li>Definir métricas de desempenho; </li></ul></ul><ul><ul><li>Determinar os ganhos associados. </li></ul></ul>
  23. 24. PROGRAMA: LEAN CONSTRUCTION. REDUÇÃO DE CUSTOS. (FASE 2) PROGRAMA CUMPRIR O PLANEAMENTO. (FASE 3) PROGRAMA MEDIR PARA GERIR. KPI (FASE 4) PALESTRA RUMO À REDUÇÃO DE CUSTOS (FASE 1) ROADMAP: FORMAÇÃO-ACÇÃO
  24. 25. Conceitos Lean Construction Optimização das tarefas observadas Implementação das melhorias e sua validação ROADMAP - REDUÇÃO DE CUSTOS. Conceitos Planeamento e execução Planeamento global, mensal, semanal e diário. Implementação do planeamento e validação PROGRAMA CUMPRIR O PLANEAMENTO.
  25. 26. Objectivos. Conceitos PDCA, KPI Criação de um conjunto de KPI para a obra Implementação das melhorias e sua validação PROGRAMA MEDIR PARA GERIR
  26. 27. Rua Cupertino de Miranda, 35 – 4Dto P-4760 124 VN de Famalicão Telf. 936 000 079 Fax. 211 454 136 [email_address] www.leanthinkingcommunity.org

×