ESTRUTURA MODULAR DA PÓS-GRADUAÇÃO SIX SIGMA / BLACK BELT                                              CLT SERVICES, 2013/...
Gestão de                  A. Formação da equipa                                                                     Carla...
Definir                 A. Voice of the customer                                                                   Tatiana...
Medir(ponto V do SSBBBOK)                       A. Características do processo                       1. Inputs e Outputs  ...
F. Capacidade do processo     1. Índices de capacidade de processo     Definir, seleccionar e calcular Cp e Cpk e interpre...
Analisar                 A. Medidas e correlações entre variáveis                                                   Carlos...
Improve             10   A. Planeamento de experiências (DOE)                                                    Tatiana P...
Controlar             14   A. Controlo estatístico de processo (SPC)                                                  Tati...
Design for Six                    A. Metodologias DFSS comuns                                                             ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Dossie Pedagogico PG Six Sigma

1,129

Published on

Dossie Pedagógico da Pós-Graduação Six Sigma / Black Belt 2013/14.

Formação presencial na cidade do Porto e formação à distância com sessões presenciais na cidade de Lisboa.

Published in: Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,129
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dossie Pedagogico PG Six Sigma

  1. 1. ESTRUTURA MODULAR DA PÓS-GRADUAÇÃO SIX SIGMA / BLACK BELT CLT SERVICES, 2013/14 Carga Módulo horária Conteúdo Programático Formador Proposto (horas)Introdução ao 7 A. O Six Sigma e a empresa Tatiana Póvoas 1. História da melhoria contínua Six Sigma Origem do conceito qualidade (Demin, Juran, Ishikawa...) 2. Valores e fundamentos do Six Sigma (pontos I e II do SSBBBOK) Descrição da metodologia Six Sigma, a sua filosofia, história e objectivos 3. Valores e fundamentos Lean Descrição da metodologia Lean, a sua filosofia, história e objectivos 4. Integração Lean-Six Sigma Descrição da relação entre o Lean e o Six Sigma 5. Processos e sistemas de um negócio Descrever das relações entre os vários processos do negócio (compras, projecto, produção, vendas, financeiro, etc.) e o impacto das suas relações no negócio 6. Aplicações Lean e Six Sigma Descrever como as ferramentas Lean e Six Sigma são aplicadas a todo o tipo de empresas e negócios: produção, serviços, design, inovação, etc. 3 B. Liderança 1. Responsabilidades da liderança da empresa Descrever as responsabilidades da administração da empresa e como estas afectam a implementação do Six Sigma (disponibilização de recursos, gerir a mudança, comunicar ideias, etc.) 2. Obstáculos organizacionais Descrever o impacto que a cultura da organização pode ter na implementação bem sucedida do Six Sigma. Identificar e aplicar varias técnicas para ultrapassar barreiras organizacionais. 3. Gestão da mudança Descrição de várias técnicas para facilitar a gestão da mudança organizacional. 4. Projectos Six Sigma e eventos kaizen Descrever como projectos e eventos kaizen são seleccionados e quando usar Six Sigma na vez de outras abordagem de resolução de problemas 5. Funções e responsabilidades em Six Sigma Descrever os papeis e responsabilidades dos participante Six sigma: black belt, master black belt, green belt, champion, dono do processo e patrocinador do projecto. 5 C. Gestão de processos numa perspectiva Six Sigma 1. Impacto nas partes interessadas Descrever o impacto de projectos Six Sigma em clientes, fornecedores e outras partes interessadas 2. Requisitos críticos (CTx) Definir e descrever os vários tipos de requisitos críticos: qualidade (CTQ), custo (CTC), processo (CTP), segurança (CTS), entrega (CTD), satisfação (CTS) 3. Benchmarking Definir e distinguir os vários tipos de benchmarking, incluindo boas práticas, colaborativos, concorrência 4. Medidas de desempenho do negócio Definir e descrever várias medidas de desempenho do negócio, incluindo o balanced scorecard, KPIs, lealdade do cliente, etc. 15
  2. 2. Gestão de A. Formação da equipa Carla Ramos 1. Tipos de equipa e seus constrangimentos Equipas Definir e descrever os vários tipos de equipas (ex.: formal, informal, virtual, cross- funtional, self-directed, etc.) e determinar que modelo de equipa se adequa mais a uma determinada situação. Identificar constrangimentos como geografia, tecnologia,(ponto III do SSBBBOK) horários, etc. 2. Funções na equipa Definir e descrever os vários papeis dentro da equipa e suas responsabilidades, incluindo o líder, facilitador, coach, membro individual, etc. 3. Selecção dos membros da equipa Definir e descrever os vários factores que influenciam a selecção dos membros de equipas, incluindo competências, especialistas, disponibilidade, etc. 4. Lançamento da equipa Identificar e descrever os elementos necessários para o lançamento da equipa, como ter o apoio da gestão, estabelecimento de objectivos, regras base, calendários, e como estes factores influenciam o sucesso da equipa B. Promoção da equipa 1. Motivação da equipa Descrever e aplicar técnicas que motivam os membros da equipa e asseguram a sua participação e empenho 2. Estágios da equipa Promover que a equipa passe pelos vários estágios clássicos de desenvolvimento: forming, norming, storming, performing, adjourning e recognition. 3. Comunicação da equipa Definir e descrever os factores que influenciam a selecção dos membros da equipa (competências, especialistas, disponibilidade, etc.) C. Dinâmica de grupo Identificar e usar várias técnicas (ex.: coaching, monitoring, intervention, etc.) para ultrapassar os desafios da dinâmica de grupos, incluindo membros dominantes/autoritários ou relutantes, feudos, gestão de conflitos, pensamento de grupo, etc. D. Gestão de tempo Seleccionar e utilizar várias técnicas de gestão de tempo. E. Ferramentas de apoio à decisão Definir, seleccionar e utilizar ferramentas como o brainstorming, nominal group technique, multi-volting, etc. F. Ferramentas de gestão e planeamento Definir, seleccionar e utilizar as seguintes ferramentas: diagramas de afinidade, diagrama de arvore, PDPC (process decision program charts), matrizes de prioritização, activity network diagrams, matrix diagrams, interrelationship diagraphs. G. Avaliação do desempenho da equipa e recompensa Aferir o progresso da equipa em relação aos objectivos e outras métricas que medem o sucesso da equipa. Reconhecer e recompensar a equipa pelo seu desempenho. 16
  3. 3. Definir A. Voice of the customer Tatiana Póvoas 1. Identificação do cliente Segmentar os clientes para cada projecto e mostrar como o projecto vai impactar quer (Inclui ponto IV do cliente internos como clientes externos SSBBBOK) 2. Feedback dos clientes Identificar e seleccionar métodos de recolha de dados (questionários, focus groups, entervistas, observações, etc.) para recolher o feedback de clientes e melhor entender as suas necessidades, expectativas e requisitos. 3. Requisitos dos clientes Definir, seleccionar e utilizar as ferramentas apropriadas para determinar os requisitos dos clientes, como CTQ flow-down, QFD, análise de Kano, etc. B. Selecção do projecto 1. Factores de decisão Conhecer os factores de decisão e sua importância (VOC, alinhamento com a estratégia da empresa, retorno financeiro, impacto na qualidade e produtividade, exequibilidade, duração) 2. Matriz de selecção de projectos Construir a matriz de selecção de projectos com base nos factores de decisão, e seleccionar o melhor dos projectos. 3. Medidas Financeiras Definir a aplicar mediadas financeiras como lucros, quota de mercado, margens, custos de qualidade, NPV, ROI, análise custo benefício, etc. C. Project Charter 1. Descrição do problema Desenvolver e avaliar a descrição do problema em que se foca o projecto 2. Âmbito do projecto Estabelecer e rever fronteiras para assegurar que o projecto tem valor para o cliente 3. Objectivos Estabelecer objectivos mensuráveis para o problema 4. Medidas de desempeno do projecto Identificar e avaliar medidas do desempenho do projecto (ex.: custo, lucro, inventário, etc.) que ligam elementos críticos do processo com outputs chave. D. Acompanhamento do projecto Identificar, desenvolver e utilizar ferramentas de gestão do projecto , como gráficos de Gantt, revisões periódicas, etc., para acompanhar o progresso do projecto. 15 Medidas Financeiras Medir Definir a aplicar mediadas financeiras como lucros, quota de mercado, margens, custos de qualidade, NPV, ROI, análise custo benefício, etc.(ponto V do SSBBBOK)
  4. 4. Medir(ponto V do SSBBBOK) A. Características do processo 1. Inputs e Outputs Identificar variáveis de entrada e de saída num processo e avaliar as suas relações Carlos Neves usando diagramas SIPOC e outros diagramas de fluxo. 2. Métricas de fluxo do processo Avaliar o fluxo do processo para identificar desperdícios e constrangimentos, através da análise do work in progress (WIP), work in queue (WIQ), takt time, tempo de ciclo, etc. 3. Ferramentas de análise do processo Analisar o processo desenvolvendo e utilizando VSM, mapas de processo, diagramas de fluxo, procedimentos, instruções de trabalho, spaghetti diagrams, etc. B. Recolha de dados 1. Tipos de dados Definir, classificar e avaliar dados quantitativos e qualitativos, contínuos e discretos 2. Escalas de medição Definir e aplicar escalas de medição nominais, ordinais, de intervalo e rácico. 3. Amostragem Definir e aplicar conceitos relacionados com amostragem (ex.: amostra representativa, homogeneidade, bias, etc.). Seleccionar e utilizar os métodos de amostragem apropriados que asseguram a integridade dos dados (ex.: amostragem aleatória, estratificada, sistemática, etc.) 4. Recolha de dados Desenvolver plano de recolha de dados, tendo em consideração como os dados vão ser recolhidos e vão ser aplicados C. Sistemas de medição 1. Métodos de medição Definir e descrever métodos de medição para dados contínuos e discretos 2. Análise do sistema de medição Utilizar vários métodos analíticos (estudos R&R, bias, linearidade, tolerância, etc.) para analisar e interpretar a capacidade do sistema de medição para dados discretos e contínuos. 3. Sistemas de medição na empresa Identificar como os sistemas de medição podem ser aplicados em marketing, vendas, engenharia, R&D, supply chain management, satisfação de clientes, e outras áreas funcionais 4. Metrologia Definir e descrever elementos de metrologia, incluindo sistemas de calibração, rastreabilidade, controlo e integridade das normas e instrumentos de medida. D. Estatística básica 1. Terminologia Definir e distinguir entre parâmetros da população e da amostra estatística (ex.: média, desvio padrão, etc.) 2. Teorema do limite central Descrever e utilizar este teorema 3. Estatística descritiva Calcular e interpretar medidas de dispersão e tendência central, construir e interpretar distribuições de frequência e distribuição de frequência cumulativa. 4. Métodos gráficos Construir e interpretar diagramas e gráficos, incluindo diagrama caixa e bigodes, run- charts, gráficos de dispersão, histogramas, curvas de probabilidade, etc. 5. Conclusões estatísticas Definir e distinguir estatística descritiva e inferencial, avaliar os seus resultados e obter conclusões estatísticas válidas. E. Probabilidade 1. Conceitos básicos Descrever e aplicar conceitos probabilisticos com independencia, eventos mutuamente exclusivos, regras de multiplicação, probabilidade complementar, etc. 2. Distribuições comuns Descrever, aplicar e interpretar as seguintes distribuições: Normal, Poisson, Binomial, Chi-quadrado, t-Student e F. 3. Outras distribuições Descrever quando e como usar as seguintes distribuições: hipergeométrica, bivariável, exponencial, lognormal e Weibull
  5. 5. F. Capacidade do processo 1. Índices de capacidade de processo Definir, seleccionar e calcular Cp e Cpk e interpretar a capacidade do processo 2. Índices de performance do processo Definir, seleccionar e calcular Pp e Ppk e interpretar o desempenho do processo 3. Capacidade de longo e curto prazo Descrever e utilizar as premissas apropriadas para quando dados a curto prazo ou a longo prazo estão disponíveis. Interpretar as relações entre capacidade a longo e curto prazo. 4. Capacidade de processo para dados não normais Identificar a não-normalidade dos dados e determinar quando é apropriado utilizar técnicas de transformação como Box-Cox. 5. Capacidade do processo para dados atributos Calcular a capacidade do processo e nível sigma para dados discretos 6. Estudos de capacidade do processo Descrever a aplicar estratégias para desenvolver um estudo de capacidade do processo, incluindo identificação de características, especificações, palnos de amostragem e verificação de normalidade. 7. Desempenho vs especificação de um processo Comparar e distinguir a especificação do desempenho do processo. Calcular métricas de desempenho do processo como PPM (partes por milhão), DPMO (defeitos por milhão de oportunidades), DPU (defeitos por unidade), nível sigma, RTY (rolled26 throughput yeild), etc.
  6. 6. Analisar A. Medidas e correlações entre variáveis Carlos Neves 1. Coefficiente de correlação Calcular e interpretar o coeficiente de correlação e o seu intervalo de confiança(ponto VI do SSBBBOK) 2. Regressão Calcular e interpretar análises de regressão e testes de hipóteses para regressão estatística. Usar modelos de regressão e análise de resíduos para validar um modelo. 3. Ferramentas multivaráveis Utilizar e interpretar ferramentas de análise multivarável como componentes principais, análise de factores, análise discriminatória, análise múltipla de variância, etc., para investigar fontes de variação. 4. Estudos multivaráiveis Utilizar e interpretar gráficos destes estudos e determinar diferenças entre variação posicional, cíclica e temporal. 5. Análise de dados atributos Analisar dados discretos usando várias técnicas para investigar a fonte da variação B. Testes de hipóteses 1. Terminologia Definir e interpretar nível de significância, poder do teste, erro tipo I, erro tipo II. 2. Significancia estatística vs prática Definir, comparar e interpretar significância estatística e prática. 3. Tamanho da amostra Calcular o tamanho da amostra para testes de hipóteses comuns 4. Estimativa de intervalos Definir, calcular e distinguir entre intervalos de confiança e tolerância 5. Testes para médias, variâncias e proporções 6. Análise de variância (ANOVA) Seleccionar, calcular e interpretar os resultados na ANOVA 7. Goodness-of-fit Definir, seleccionar e interpretar resultados do teste de qui-quadrado goodness-of-fit 8. Tabelas de contingência 9. Testes não paramétricos C. Analise modal de falhas e efeitos Descrever o propósito dos elementos FMEA, incluindo o Risk Priority Number (RPN), e avaliar os resultados FMEA para processos, produtos e serviços. Destinguir FMEA de design e de processo e interpretar os resultados de cada um. D. Métodos adicionais de análise 1. Análise de falhas Utilizar várias ferramentas e técnicas para comparar o estado actual e futuro de métricas pré-definidas. 2. Análise de causas raiz Definir e descrever o propósito da análise de causas raiz, identificar os problemas envolvidos na identificação de causas e utilizar as várias ferramentas disponíveis (5 porquês, gráficos de pareto, diagramas de causa efeito, etc.) 3. Análise de desperdício Identificar e interpretar os 7 tipos clássicos de desperdício (excesso de produção, inventário, defeitos, re-processamentos, espera, movimentação e transporte) e outros tipos de desperdício como sub aproveitamento de recursos, etc. 24
  7. 7. Improve 10 A. Planeamento de experiências (DOE) Tatiana Póvoas 1. Terminologia Definir a terminologia DOE: variáveis dependentes e independentes, factores, níveis,(ponto VII do SSBBBOK) respostas, tratamento, erro, etc. 2. Princípios de design Definir a aplicar princípios de planeamento de experiências, incluindo tamanho de amostra, réplicas, aleatoriedade, blocos, interacções, resolução, etc. 3. Planear experiências Planear, organizar e avaliar experiências através da determinação do seu objectivo, selecção de factores, respostas, métodos de medição, escolha do design apropriado, etc. 4. Experiência de um só factor Conceber e conduzir experiências totalmente aleatórias, aleatórias com blocos e Latin Squares, e avaliar os seus resultados. 5. Experiências com factorial fraccionado a dois níveis Conceber, analisar e interpretar deste tipo de experiências. 6. Experiências com factorial completos Conceber, analisar e interpretar deste tipo de experiências. 20 B. Lean-Six Sigma J. P. Pinto 1. Valores e fundamentos Lean Descrição da metodologia Lean, a sua filosofia, história e objectivos 2. Integração Lean-Six Sigma Descrição da relação entre o Lean e o Six Sigma 3. Processos e sistemas de um negócio Descrever das relações entre os vários processos do negócio (compras, projecto, produção, vendas, financeiro, etc.) e o impacto das suas relações no negócio 4. Aplicações Lean e Six Sigma Descrever como as ferramentas Lean e Six Sigma são aplicadas a todo o tipo de empresas e negócios: produção, serviços, design, inovação, etc. C. Eliminação de desperdício Seleccionar e aplicar ferramentas e técnicas para eliminar ou prevenir desperdício, incluindo sistemas pull, kanban, 5S, trabalho standartizado, poka-yoke, etc. D. Redução do tempo de ciclo Utilizar várias técnicas e ferramentas para reduzir o tempo de ciclo como fluxos contínuo, SMED, etc. E. Kaizen e kaizen blitz Definir e distinguir entre os dois métodos e aplica-los em situações várias F. Teoria dos constrangimentos (TOC) Definir e descrever este conceito e a sua aplicação G. Implementação Desenvolver planos de implementação de melhoria do processo (i.e.: conduzir testes piloto, simulações, etc.) e avaliar resultados para seleccionar uma solução óptima H. Análise de risco Usar ferramentas como estudos de exequibilidade, análises SWOT ou análise PEST, e concluir métricas a controlar. I. Ferramentas de controlo Lean (a aplicar na fase CONTROLAR) 1. Total productive maintenance (TPM) Definir os elementos de TPM e descrever como pode ser usado para controlar um processo melhorado. 2. Fábrica visual Definir os elementos de uma fábrica visual e descrever como podem ajudar a controlar um processo melhorado 30
  8. 8. Controlar 14 A. Controlo estatístico de processo (SPC) Tatiana Póvoas 1. Objectivos Definir e descrever os objectivos do SPC , incluindo monitorização e controlo do(ponto VIII do SSBBBOK) desempenho do processo, avaliar tendências, runs, etc., bem como reduzir a variação do processo. 2. Selecção de variáveis Identificar e seleccionar características críticas para controlar em cartas de controlo. 3. Sub-grupos racionais Definir e aplicar o principio de sub-grupos racionais 4. Selecção de cartas de controlo Seleccionar e aplicar diferentes cartas em diferentes situações: X-R, X-s, , ImR, p, np, c, u, Short-run e média móvel. 5. Análise de cartas de controlo Interpretar cartas de controlo e distinguir causas comuns e causas especiais, utilizando regras para determinar controlo estatístico. B. Controlo da manutenção 1. Reavaliação do sistema de medição Rever e avaliar a capacidade dos sistema de medição à medida que a capacidade do processo melhora 2. Plano de controlo Desenvolver um plano de controlo para assegurar o sucesso do processo melhorado, incluindo a transferência de responsabilidade da equipa de projecto para o dono do processo. 2 C. Manter as melhorias 1. Aprendizagem Documentar a aprendizagem de todas as fases do projecto e identificar como a melhoria se podem ser replicadas e aplicadas noutros processos da organização. 2. Implementação de um plano de treino Desenvolver e implementar planos de treino que assegurem o apoio ao processo melhorado 3. Documentação Desenvolver ou modificar documentos incluindo procedimentos operacionais standard, instruções de trabalho, etc., que assegurem que as melhorias são sustentáveis ao longo do tempo. 4. Avaliação continua Identificar e aplicar ferramentas de avaliação ao longo do tempo do processo melhorado, incluindo monitorização de novos constrangimentos, oportunidades 17 adicionais de melhoria, etc.
  9. 9. Design for Six A. Metodologias DFSS comuns Carlos Neves Identificar e descrever as metodologias: ou Sigma 1. DMADV Tatiana Póvoas 2. DMADOV (ponto IX do SSBBBOK) B. Design for X (DFX) Descrever os constrangimentos, incluindo custo, manufacturabilidade, produtividade, testes, manutenção, etc. C. Design e processos robustos Descrever os elementos do robust design, tolerance design e tolerâncias estatísticas D. Ferramentas especiais de design 1. Estratégicas Descrever como a análise de forças de Porter e outras ferramentas podem ser usadas no planeamento de design estratégico 2. Tácticas Descrever e usar a TRIZ, design sistemático, gestão de parâmetros críticos e análise 7 de Pugh no design de produtos ou processos. 150 Legenda: SSBBBOK - Six Sigma Black Belt Body Of Knowledge SS - Six Sigma BB - Black BeltApresentação O objectivo desta Pós-Graduação é formar Cinturões Negros (black belt) de acordo com o body of knowledge da ASQ (American Society for Quality) e assim preparar os nossos formandos para que se possam candidatar ao exame da ASQ. No final da formação teórica (150 hrs) é realizado um projecto Six Sigma com a duração de três meses em ambiente empresarial. Na posse da PG formando poderá reunir a sua experiência profissional (que de acordo com a ASQ requer também experiência na realização de projectos six sigma). O exame é composto por 150 questões de escolha múltipla, a responder em quatro horas. Só após a aprovação neste exame é que o profissional pode apresentar-se como cinturão negro.Destinatários Gestores, responsáveis pelos departamento de operações, qualidade, engenharia e logística, técnicos de industria e serviços.Local de realização e Propinas Presencial Hotel Holiday Inn, VN de Gaia - em horário pós-laboral €2435.00 (isento de IVA), pago em 10 prestações Blearning Formação à distância com sessões presenciais em Lisboa €1485.00 (isento de IVA), pago em 7 prestações Telf. 936.000.079 Fax. 220.162.407 email: customer@cltservices.net

×