Your SlideShare is downloading. ×
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Guerras climaticas   harald welzer
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Guerras climaticas harald welzer

3,839

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,839
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
29
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. HA RA LD W EL Z ER G E R C ÁTIC U R AS LIM ASPORQUEMATAREMOSE SEREMOSMORTOSNO SÉCULO21 TRA DUÇ ÃO
  • 2. Tradução William Lagos 2010 ÍNDICEUM BARCONO MEIODODESERTO:O PASSADOE O FUTURODA VIOLÊNCIA:............ 9CONFLITOSCLIMÁTICOS:...........................................18O Ocidente I:....................................................................18Os Outros:.........................................................................23O Ocidente II:...................................................................25EmBusca de Soluções:......................................................34As Mortes têm Sentido:.....................................................38O AQUECIMENTO GLOBAL E AS CATÁSTROFESSOCIAIS:............ ..........................................................42Subcomplexidade: ........................................................ 47Quemsomos"nós"?.......................................................... 49Os velhos problemas ambientais:.................................. 50VARIAÇÕES CLIMÁTICAS - UMA RÁPIDA VISÃOGERAL:........................................................................ 55Dois graus a mais:......................................................... 62OSMORTOSDEONTEM:.................................... 63 .O Fimdo Mundo: ........................................................ 63Justificativas:................................................................ 66A Contagemdos Corpos:............................................. 69RealidadesAlteradas:................................................... 74OSMORTOSDEHOJE:O ECOCÍDI ……………… … … … … … O … … … … … 81A Carne de sua Mãe está entre meusDentes:.............. 81O Genocídio de Ruanda:………………… … … … … … 89Vidas Apinhadas: ........................................................ 90O que Viram os Matadores?........................................ 94Darfur - A Primeira Guerra Climática:………………. 96
  • 3. A Ecologia da Guerra:…………………… … … 102 … … …As SociedadesFracassadas:.......................................... 104Nações emColapso:……………… … … … … 111 … … … …A Violência e as Variações Climáticas:……………….. 114A Injustiça e a DesigualdadeTemporal:……………… 121A Violência e a Teoria:................................................ 127OSMORTOSDEAMANHÃ:AS GUERRASPERMANENTES,A LIMPEZA ÉTNICA,O TERRORISMO E A EXPANSÃO DASFRONTEIRAS:........................................................ 132As Guerras:………………… … … … … …... 134 … … … … …As Guerras Permanentes:………………… … … … … …140Os Mercados da Violência:.......................................... 149Adaptação:................................................................... 156Limpeza Étnica:…………………… … … … … … … ….. 158Conflitos Ambientais:.................................................. 164O Terror:.................................................................. 169O Terror como Meio de Transformação do EspaçoSocial: ..................................................................................... 183Significados Bloqueados: ............................................. 186 .Eneias, Hera, as Amazonas e a FRONTEX: GuerrasIndiretas:.................................................................... 188A Rota Marrocos-Espanha:........................................... 189Camposde Refugiados:................................................ 193Novamente a FRONTEX:............................................ . 196Estrangeiros Ilegais:...................................................... 200Os Refugiadose o Asilo Político:................................. 209Fronteiras fora do Próprio Território:.......................... 210Os RápidosProcessosde Transformação da Sociedade: .213As Modificações Climáticas Exageradas:...................... 215PESSOAS TRANSFORMADAS DENTRO DE REALIDADESALTERADAS: .225Linhas Básicas emTransformação:.............................. 226Padrões de Referência e a Estrutura da Ignorância:..... 232Conhecimento e Desconhecimento do Holocausto:... 235A Transformação das Linhas Básicas do Lado Oposto:.. 246O RENASCIMENTODOSVELHOSCONFLITOS:CRENÇAS, CLASSES, RECURSOS E A EROSÃO DADEMOCRACIA:.......................................................255O Deslocamento da Violência:.................................... 259MAIS VIOLÊNCIA:................................................ 261
  • 4. O QUESEPODEFAZER E O QUENÃO SEPODEI:. 264Continuar Agindo comode Costume:........................ . 265Os PassadosFuturos:................................................... 272A Boa Sociedade:....................................................... . 276A Tolerância Repressiva:............................................ 282Saber Narrar a Própria História:.................................. 284O QUESEPODEFAZER E O QUENÃO SEPODEII: ..288
  • 5. UM BARCONOMEIODODESERTO: OPASSADO OFUTURO VIOLÊNCIA E DA"Um leve tinir atrás de mim fez com que virasse acabeça. Seis negros caminhavam em fila, percorrendopenosamente a senda estreita, Eles avançavam eretose devagar, balançando pequenoscestos cheios de terranas cabeças, e o ruído acompanhava cada um de seuspassos, (...) Eu podia contar- lhes as costelas, asarticulações de seus membros lembravam os nós deuma corda; cada um deles trazia uma golilha, um anelde ferro soldado ao redor do pescoço, todos interli-gados por uma corrente frouxa, cujos elos excedentespen diam entre eles: era seu avanço compassado quefazia com que os elos tilintassem em um ritmoregular," Esta cena, des crita por Joseph Conrad emseu romance Intitulado "O Coração das Trevas",descrevia a época de maior florescência docolonialismo europeu, distando dos dias de hoje poucomais de cemanos.A brutalidade impiedosa, com a qual os primeirospaíses industrializados buscavam satisfazer sua fomede matérias-primas, de terras e de poder, e que deixouas suas marcas sobre os demaiscontinentes, não é maisaceita pelas condições vigentes nos países ocidentais.A memória da exploração, da escravidão e doextermínio tornou-se a vítima de uma amnésiademocrática de que estão afetados todos os estados doOcidente, que não queremrecordar que sua riqueza, domesmo modo que seu poderio e progresso, foramconstruídos ao longo de uma história mortífera.Em vez disso, o que se encontra é um orgulho peladescoberta, observância e defesa dos direitos humanos,pela prática do politicamente correto, pela par-ticipação em atividades humanitárias, sempre que emalgum lugar da África ou da Ásia uma guerra civil,uma inundação ou uma seca compromete as necessi -dades fundamentais de sobrevivência dos povos.Determinam-se intervenções militares para ampliar osdomínios da democracia, esquecendo que a maioria dasdemocracias ocidentais foi edificada sobre uma históriade guerras de fronteiras, limpeza étnica e genocídios.Enquanto se reescrevia a história assimétrica dosséculos 19 e 20 dentro das condições de vidaconfortáveis e mesmo luxuosas das sociedadesocidentais, muitos habitantes de países do segundo e doterceiro-mundo mal suportam ouvir falar em talhistória, porque foram dominados violentamente
  • 6. através dela: poucos dos países pós-coloniais foramconduzidos a uma soberania estável, muito menos acondições de bem- estar social; em muitas dessasnações, a história da espoliação continua a serescrita sob diferentes disfarces e, em numerosassociedades frágeis, não se encontram hoje sinais deprogresso, mas simde maior regressão.O aquecimento progressivo do clima, um produto dafome inextinguível por mais energia fóssil dominantenas terras que primeiro se industrializaram, prejudicacom maior rigor as regiões mais pobres do mundo; umaamarga ironia, que escarnece toda a esperança de quea vida se possa tornar algum dia mais justa. A capadeste livro mostra o vapor "Eduard Bohlen",antigamente encarregado de serviços postais, cujosdestroços permanecem há quase cem anos recobertospela areia do deserto da Namíbia. Ele desempenhouumpequeno papel na história das grandes injustiças. A 5de setembro de 1909, no meio do nevoeiro, o barcoencalhou diante da costa do território que na época sedenominava África do Sudoeste Alemã. Hoje emdia, osrestos do navio se encontram duzentos metros terraadentro; durante o século transcorrido, o de serto seampliou oceano adentro. O "Eduard Bohlen", quepercorria desde 1891 a linha comercial oceânica dacompanhia Woermann, sediada em Hamburgo,regularmente transportava correspondência para aÁfrica do Sudoeste Alemã. Durante a guerra deextermínio travada pela administração colonialalemã contra as tribos Hereros e Namas, serviuocasionalmente comonavio negreiro.Durante esta guerra genocida, travada no princípio doséculo 20, uma boa parte da população indígena daÁfrica do Sudoeste não foi exterminada; foi conduzida acampos de concentração ou levada para campos detrabalhos forçados, em que os prisioneiros de guerraeram vendidos como trabalhadores escravos. Bem nocomeço da guerra, a administração colonial alemãenviou a um comerciante sul-africano chamado Hewitt282 prisioneiros, que foram alojados precariamentenos porões do "Eduard Bohlen", sem que lhes encon -trassem melhores possibilidades de acomodação, e comos quais não se sabia exatamente o que fazer,enquanto os Hereros não fossem completamentederrotados. Hewitt ficou entusiasmado com essapossibilidade e barganhou para que o preço fossereduzido para 20 marcos por cabeça, com oargumento, considerado justo, de que os homens jáestavam embarcados e ele não estava preparado para
  • 7. pagar pe las m e rcadorias despachadas o p re ço norm al, além dos d ire itos alfandegários corre spondentes. E l e ob te ve os p risioneiros em cond ições m ais favo ráve is e o "Eduard Boh l partiu do porto de S wakopm und, a 20 en" de jane iro de 1 904, em d ire ção à C id ade do C abo, na África do S ul, de onde os hom ens fo ram enviados para 1 trab alh ar nas m inas. Na verdade, foram os Hereros que iniciaram a guerra contra a administração colonial alemã, durante a noite de 11 para 12 de janeiro de 1904, começando por destruir uma estrada de ferro e derrubar grande quantidade de postes telegráficos e continuando pelo massacre de surpresa de 123 trabalhadores alemães 2 ainda adormecidos nas fazendas. Após algumas tentativas inúteis de apaziguamento da luta, o governo real de Berlim enviou o general-de-divisão Lothar von Trotha para comandar as tropas coloniais alemãs. Von Trotha adotou desde o início o conceito de uma guerra de extermínio, de acordo com o qual ele não procurou simplesmente vencer os Hereros por meios militares, mas os impeliu para o extermínio no deserto de Omaheke, onde ocupou todas as nascentes de água, provocando pura3 e simplesmente a morte de seus adver- sários pela sede. Esta estratégia foi tão bem-sucedida quanto fora cruel; foi relatado que os sedentos cortavam as gargantas de seus animais para beber- lheso sangue e que final ente esm agavam seus m intes tinos para de l re tirar os ú ltim os 4 re s tos de es um idade. N ão obstan te , acabaram m orrendo. Mas a guerra prosseguiu, mesmo depois de os Hereros terem sido aniquilados; determinou-se que os Namas, uma outra etnia, deveriam ser desarmados e1 Veja Jan Bart Gewald, The Issue ofForceá Labour in the "Onjembo": German South West Africa, 1904-1908 [A questãodos trabalhos forçados na "Onjembo": África do Sudoeste Alemão, 1904-1908, publicado no Bulletin of the Leyden Centrefor the History ofEuropean Expansion [Boletim do Centro Histórico da Expansão Europeia de Leiden (Holanda)], 19/1995,pp. 97-104, citação da p. 102. (Nota do Autor = NA). "Onjembo" foi o nome atribuído pelos Hereros a seu conflito com oscolonizadores alemães. Hoje o termo designa os safaris de caça organizados pelo governo da Namíbia. (Nota do Tradutor =NT).2 Veja Medardus Brehl, Vernichtung der Herero. Diskurse der Gewalt in der deutschen Koloniaüiteratur [OAniquilamento dos Hereros. Discurso da Violência na literatura colonial alemã], München (Munique), 2007, p. 96. (NA).Os Hereros não eram nativos da Namíbia: haviam descido da Guiné Equatorial, então Guiné Espanhola (de onde o nome"Hereros" ou "Guerreiros"), através do Congo e de Angola poucas décadas antes, como conquistadores, movendo umaguerra de extermínio contra os Namas, um ramo dos bosquímanos, habitantes originais da região, chamados pelos alemãesde "hotentotes". A língua Nama é hoje oficial na Namíbia. (NT).3 Medardus Brehl, Vernichtung der Herero. Diskurse der Gewalt in der deutschen Koloniaüiteratur [O Aniquilamentodos Hereros. Discurso da Violência na literatura colonial alemã], München (Munique), 2007, p. 98. (NA).4 Veja Jürgen Zimmerer, Krieg, KZ und Völkermord in Südwestafrika [A Guerra, os Campos de Concentração e oGenocídio na África do Sudoeste], publicado em Jürgen Zimmerer e Joachim Zeller (editores): Völkermord in Deutsch-Südwestafrika. Der Kolonialkrieg (1904-1908) in Namibia und seine Folgen [Genocídio na África do Sudoeste Alemã. AGuerra colonial (1904-1908) na Namíbia e suas Consequências], Berlim 2003, p. 52. (NA).
  • 8. sub j ugados enquanto as trop as alem ãs aind a se encontrassem no te rritó rio. D ife rentem ente dos He re ros, os N am as n ão ofe re ce ram com bate abe rto, m as se lim itaram a um com bate de gue rrilh as , que se to rnou um grave p rob lem a para as trop as co loniais, que ad otaram , por sua ve z, um a es tratégia d ife rente , a qual logo se ria im itad a com fre qu ência ao longo do m ortí fe ro s écu lo 20: para re tirar dos gue rre iros os re cu rsos sobre os quais se apoiavam , os alem ães assassinaram as m ul res e filhos dos N am as ou os he ence rraram em cam pos de concentração. A vio lência foi re alizad a sob a p ress ão d as circuns tâncias e p roduziu suas consequ ências. Estas pe rm anece ram , originaram novos m eios de ap licação d a vio lência, que se fo ram to rnando tan to m ais am pl quanto m ais e ficientes se dem onstravam . Is to os porque a vio lência é inovadora: e la ge ra novos m eios e encontra novas p roporções. As trop as co loniais alem ãs, n ão obstan te , tive ram de com bate r os N am as duran te m ais de três anos. Além d isso, nem tod os os cam pos de concentração pe rm anece ram sob contro le do gove rno; tam b ém em pres ários p rivad os, com o a em presa de linhas m arítim as Woe r ann, esta- m be l ce ram5 seus p róp rios cam pos de trab alhos e fo rçad os. Esta guerra de extermínio não foi somente um exemplo da impiedade da violência colonial, como um modelo para os genocídios futuros - por meio de seu propósito de total eliminação, cumprido pelo internamento nos campos estabelecidos, que significavam uma estratégia de extermínio por meio dos trabalhos forçados. Todos já ouvimos contar a história de suas consequências; o Departamento I dos escritórios do Estado-Maior, encarregado de redigir a história da guerra, escreveu orgulhosamente, em 1907, que nenhum esforço, nenhuma privação foram poupados "para que os inimigos fossem privados dos últimos vestígios de sua capacidade de resistência, pois metade deles foi morta nas regiões desérticas pela captura progressiva de todos os poços de água, até que, finalmente, sem mais energia, eles fossem sacrificados pela natureza de sua própria terra. O deserto sem água de Omaheke completou o que as armas alemãs 6 haviam iniciado: a aniquilação da tribo dos Hereros." Isto se passou há5 Ibidem, pp. 54ss. (NA).6 Citado apud Jürgen Zimmerer, Krieg, KZ und Völkermord in Südwestafrika [A Guerra, os Campos de Concentração e oGenocídio na África do Sudoeste], publicado em Jürgen Zimmerer e Joachim Zeller (editores): Völkermord in Deutsch-Südwestafrika. Der Kolonialkrieg (1904-1908) in Namibia und seine Folgen [Genocídio na África do Sudoeste Alemã. A
  • 9. cem anos; desde então, as formas de violência se modificaram, nem tanto em sua forma e aspecto, mas na maneira segundo a qual são referidas. O Ocidente não costuma mais, salvo em casos excepcionais, empregar violência direta contra outros estados; as guerras são hoje empreendimentos realizados por longas cadeias de ação e numerosos atores, por meio dos quais a violência é delegada e se torna informe e invisível. As guerras do século 21 são pós-heróicas e apresentadas como sendo conduzidas de má-vontade pelas nações que as empreendem.E no que se refere ao orgulho nacional por ter sido alcançada a aniquilação de tribos selvagens... isto é coisa que, desde o holocausto dos judeus, se tornou impossível mencionar. O "Eduard Bohlen" se enferruja hoje, semi-enterrado na areia do deserto da Namíbia e talvez tenha chegado o momento em que o modelo completo das sociedades ocidentais, com todas as suas conquistas de democracia, direitos humanos, liberdade, liberalidade, arte e cultura, sob o ponto de vista de um historiador do século 22, se demonstre tão irremediavelmente deslocado comonos parece hoje a visão do velho navio negreiro nadando no meio do deserto, um corpo estranho peculiar que dá a impressão de se ter originado em outro mundo. Isso no caso de ainda haver historiadores quando chegar o século 22. Este modelo de sociedade, tão impiedosamente desenvolvido ao longo de uma guerra coma duração de um quarto de milênio, tornou-se agora domi ante, em n um piscar de olhos, no momento em que seu caminho vitorioso atingiu um alcance global, no qual até mesmo os países comunistas e aqueles que não eram exatamente comunistas foram incluídos, pela atração irresistível de padrões de vida em que os automóveis, as televisões, os computadores de tela plana e as longas viagens determinaram as novas fronteiras de sua atuação, produzindo consequências inesperadas que ninguém havia calculado. As emis sões de gás carbônico que a fome de energia das indústrias e das administrações dos países de desenvolvimento descontrolado produzem em níveis progressivamente maiores ameaçamos ritmos normais de desenvolvimento do clima terrestre. Suas consequências já se tornaram visíveis, embora o futuro ainda seja imprevisível. Ainda mais claramente agora, quando se percebe que a utilização desmedida das fontes deGuerra colonial (1904-1908) na Namíbia e suas Consequências], Berlim 2003, p. 45. (NA).
  • 10. energia fóssil não pode mais ser continuada indefini-damente, uma vez que o fim destas reservas pode seresperado antes de muito tempo, já que o esgotamentode tais recursos é inevitável, devido ao desinteressepelas consequências e o descontrole com que sãoqueimados.Mas não é somente porque as transformaçõesclimáticas causadas pelas emissões de gases poluentese que já provocaram um aquecimento global médio daordem de dois graus não pareçam mais poder sercontroladas que o modelo ocidental já atingiu os seuslimites, mas também porque uma for ma dedesenvolvimento globalizado que tenha por base oconsumo incontido de recursos naturais não poderáfuncionar como um princípio de abrangência mundial.Isto porque este modelo funcionou logicamente apenasenquanto o poder de uma parte do mundo acumulou oque foi desviado de outras partes; este modelo éparticular e não universal - nemtodos os países pode -rão segui-lo doravante. Enquanto a astronomia nãonos oferecer planetas próximoso bastante que possamser colonizados, chegamos à constataçãodesapontadora de que a Terra é apenas uma ilha. Nãoteremos mais para onde nos expandir, depois que asreservas tenham sido esgotadas e os camposde cultivoocupadospela urbanização.Agora que os recursos restantes claramente estão seesgotando, pelo menosemmuitas regiões da África, daÁsia, da Europa Oriental, da América do Sul, doÁrtico e das Ilhas do Pacífico, surge o problema de quecada vez mais pes soas encontrarão cada vez menoresbases de segurança para sua sobrevivência. Está aoalcance de todos a constatação de que conflitosarmados surgirão entre estes povos, para que elespossam se nutrir do cultivo das próprias terras e dasde seus vizinhos ou porque queiram beber das fontes deágua que progressivamente se esgotam em seusterritórios ou nos territórios próximos; de formasemelhante, também se tornou visível para todos queas pessoas, dentro de um futuro previsível, não maistenham mecanismos práticos de contenção dosrefugiados de guerra e do meio ambiente, ao mesmotempo que não se possam mais separar deles, porquecada vez mais novas guerras provocadas pela deca-dência ambiental surgirão e os povos fugirão paraescapar às consequências da violência. Uma vez queeles terão de permanecer em algum lugar, darão ori-gem a novas fontes de violência - em seus própriospaíses, ondenão saberão o que fazer comos refugiados
  • 11. internos, ou nas fronteiras de outras terras quedesejem atravessar, mas onde não serão desejados dequalquer maneira.O objetivo deste livro é o de responder às questõesprovocadas pela manei a como o clima e a violência rse inter-relacionam. Emalguns casos, comoo daGuerra do Sudão, este relacionamento é direto e podeser constatado de ime diato. Emmuitos outros contextosde violência presente ou futura - no caso das guerrascivis, de conflitos permanentes, do terror, daimigração ilegal, das disputas fronteiriças, dasagitações e revoltas - predomina uma ligação com asmodificações climáticas e os conflitos ambientais decaráter apenas indireto, especialmente no sentido deque o aquecimento da temperatura provoca efeitosdesiguais ao redor do globo, dependendo da densidadedemográfica, da situação geográfica e das condiçõesde vida, porque afeta as diversas sociedades de formaaltamente diferenciada.Porém, tomadas em seu conjunto, quer as guerrasclimáticas assumam uma forma direta ou indireta,qualquer que seja a forma como se travem osconflitos do século 21 - a violência terá um grandepapel futuro ao longo deste século. Não se verãosomente as migrações em massa, mas soluções vio-lentas no enfrentamento dos problemas dos refugiados,que não abrangerão apenas os direitos à água ou aocultivo e exploração do solo, portanto, guerras derecursos naturais e não somente conflitos de religião,ou guerras de consciência. Uma característica centralda violência, que será costumeira no Ocidente, será apreocupação de transferir suas manifestações para omais longe de seus próprios territórios quanto sejapossível - pela contratação de forças de segurança ede defesa privadas ou, no caso de que as suasfronteiras mes mas sejam ameaçadas, em localizar oconflito do outro lado dos seus limites, concentrado empaíses econômica ou politicamente dependentes.Tambémas preocupações políticas sobre a segurança,provocando a realização de atos criminosos antes queos fatos os justifiquem, na forma de precauçõesprévias tomadas anteriormente à manifestação dascircunstâncias, se enquadram neste processo damanipulação crescente da violência indireta. Aindaque o Ocidente não se envolva diretamente no meio dosconflitos, como no caso do Afeganistão ou do Iraque,porém favoreça o deslocamento da violência paraalém de suas fronteiras, atribuindo-lhe um caráterindireto, ele permite a permanência em outras terras
  • 12. de situações sociais em que as condições para oexercício da violência são centrais e permanentes, sobas quais as pessoas bus cam viver apesar de todas asdificuldades. Tudo isto é sinal de uma assimetria quevemgovernando a história mundial há mais de duzentose cinquenta anos, mas que hoje em dia se agravaprogressivamente em razão do aquecimento climáticoglobal.Seria pouco produtivo fazer uma pesquisa e quererrealizar um prognóstico verdadeiro sobre guerras econflitos violentos que possam ocorrer no futuro, semquerer descobrir por que tais processos sociais não sedesenvolvem linearmente - não se podem saber hojequais modificações o degelo da camada de permafrostsiberiano colocará emação ou que grau de violência ainundação de uma megalópole ou de um país inteiropoderá provocar. E podemossaber ainda menoscomoaspessoas do futuro reagirão perante as ameaças equais consequências serão por sua vez desencadeadaspor suas reações. Isto vale principalmente para ocomeço da compreensão das variações climáticas eseus efeitos por parte das ciências naturais por estemotivo: será extremamente fácil deixar de perceberque, via de regra, a base argumentativa dospesquisadores das condições climáticas se baseia nahistória. Eles calculam emparticular os processosdasgrandes transformações que podem ser diretamenteverificados pela sua mensuração presente; porexemplo, as concentrações de dióxido de carbono naatmosfera, na água ou no gelo, comparadas com asmedições exatas dos dados históricos mineralógicosrealizadas por seuspredecessores.Os cenários futuros, que suscitam preocupaçõesclaramente justificáveis, são calculados a partir dosdados registrados no passado e de forma inteiramentesemelhante, encontram-se neste livro muito poucasespeculações sobre os futuros possíveis, porque foiregistrado comoe por que a violência foi desencadeadano passado e tais dados nos levam a estimar comrelativa precisão qual será o desempenhoda violênciano decorrer do século 21. A violência sempre foi umaopção nos relacionamentos humanose é inevitável quesoluções violentas também sejam encontradas paraos problemas futuros, quando retornarem condiçõesambientais desfavoravelmente modificadas.Deste modo, encontram-se nas páginas seguintes nãosomente descrições das Guerras Climáticas, comotambémpesquisas informadas sobre a maneira comoaspessoas incluídas no âmbito dessas guerras tomarão
  • 13. decisõescomrelação às mortes ou comosua percepçãodo ambiente será modificada, porque as condiçõesobjetivas de uma situação não decidemcomoas pessoasse comportarão, mas sim a forma e a maneira comoestas condições serão percebidas e entendidas. Nesteconjunto também se incluem as questões referentesaos motivos pelos quais certas pessoas se decidem atransformar-se em terroristas suicidas, por queocorrem guerras em cuja conclusão ninguém estáinteressado ou por que cada vez mais pessoas estãodispostas a trocar o direito a suas liberdades pessoaispor garantias de segurança.Este livro refere-se apenas por alto à narrativa dosproblemas, porque os problemas percebidos logoconduzem a soluções, sempre que são realmentepercebidos como ameaças; subsequentemente revela osresultados de três pesquisas acuradas sobre as mortesde ontem, de hoje e de amanhã, passando imediatamentea uma descrição da modificação das linhas básicas, ouseja, os fenômenos fascinantes das possíveistransformações das pessoas em sua percepção evalorização do meio ambiente, sem que isso as leve aobservar ou modificar seuspróprios comportamentos.A pergunta final de um livro como este decorrenaturalmente, ou seja, o que pode ser feito paraimpedir os piores efeitos dessas transformações? Ou -dito de forma mais patética - para observar e seguiras lições práticas da história. O primeiro capítulo daseção de encerramento se interessa assim pelaspossibilidades de uma modificação cultural que nospermita um abandono da lógica mortífera docrescimento incessante e do consumoilimitado, sem queas pessoas sejam forçadas a abdicar de tudo. Oscapítulos desta seção acabam encerrando suaexposição de forma otimista e apresentando reflexõessobre como o conceito de uma boa sociedade possa seradotado e desenvolver-se a partir de agora.Depois, segue-se ainda um segundo capítulo deencerramento, no qual são apresentadas asperspectivas mais sombrias correspondentes à minhaavaliação de como se irão passar as coisas sob asvariações climáticas futuras: não haverá nenhumapossível solução que nos seja favorável. Suasconsequências não somente modificarão o mundo eestabelecerão novas formas de comportamento, defato, retomadas das mesmas que se conhecem de hámuito, como também significarão o fim do racionalismoe de seus conceitos de liberdade. Mas também existemlivros que estão sendo atualmente escritos por outros
  • 14. au to re s, que m anifestam a espe ran ça de que estas conclus ões es te j e rrad as. am CONFLITOSCLIMÁTICOS O O cidente I No ano de 2005 foi anunciad a a criação de um a "Ag ência Europeia para a Ad m inistração do T rabalho de C oope ração O pe racional nas F ronte iras Exte rnas dos Es tad os-m em bros d a União Europeia". Por trás deste nom e he rm ético e apare ntem ente burocrático se e rgue um a ins tituição altam ente d in âm ica que contro la as fron te iras exte rnas d a União Europeia de m aneira firm e e e ficiente . Ce rca de cem funcion ários trab alh am constan tem ente para alcan çar este obj tivo e e adm inistrar um a fo rça con j ta de tod os os es tad os- un m em bros, fo rm ad a por quinhentos a seiscentos policiais de fron te ira em destacam entos m óveis e que - es ta é um a nova re alid ade - tam b ém devem re alizar tare fas fo ra d as atri buições norm ais d as po lcias de fron te ira í re gu lare s. A Ag ência d isp õe atu alm ente de vin te ae rop lanos, trin ta he lic óp te ros e m ais de cem barcos, tod os equipados com as m ais re centes inovações técnicas, com o equipam ento de vis ão notu rna, com putadores portá te is e tc. Um a vez que o nom e o ficial é tão p roibitivo, pode- se entender facil ente que se j em ge ral re fe rid o por m a um a ab re viatu ra: nas "fron tiè re s extérieu res" [fron te iras exte rnas] d a F ran ça, a denom inação é re duzida para "FRONTEX" e is to n ão exclui o fato de que o nom e se j p rogram ático. A FRONTEX es tá a intim am ente associad a a ou tras au to rid ades, com o a EUROPOL, de libe ra sobre as po lí ticas de fron te ira locais, particu larm ente nos pontos de passagem de im i- gran tes ile gais e d á apoio ao que é cham ado de "e xecu ção con j unta pe los es tad os-m em bros d as m edidas de re condu ção d a partid a ob rigató ria de 7 ind ivíduosprovenientes dos estados do te rce iro-m undo." Por "indivíduos provenientes aos estados do terceiro- mundo" se entendem pessoas que não têm direito a asilo político e são transportadas para seus países de origem, ou seja, em linguagem oficial, "repatriadas" depois que tenham ingressado no território da União Europeia de qualquer modo extraoficial, o que se refere principalmente àqueles imigrantes que não se7 Conforme o site oficial http://www.frontex.europa.eu. (NA).
  • 15. encontrem protegidos pela assinatura do Trata do de Schengen, no Luxemburgo, firmado por seus próprios 8 países. O Tratado de Schengen, assinado a 26 de março de 1995, colocou em vigor as medidas destinadas a tratar dos problemas de segurança das fronteiras externas dos países-membros localizados dentro dos limites da União Européia. Ao mesmo tempo que, no interior do território abrangido pelo Tratado de Schengen, a movimentação e as viagens de seus cidadãos são livres, do mesmo modo que se estabeleceu a renúncia ao controle fronteiriço nas viagens entre a Alemanha, a Holanda e a Áustria, permanece um "Regulamento se- gundo os Países de Origem", que exige uma prova de perseguição política para quem solicita asilo, particularmente quando procedem de países consi- derados "seguros"; existe igualmente um "Regulamento para os Países do Terceiro-Mundo", que se esforça ao contrário, para que as pessoas que ingressam mediante contratos de trabalho, por exemplo, de Serra Leoa para a província espanhola da Andaluzia, permaneçam lá e que aquelas que viajem para a Ale- manha sejam, em qualquer circunstância, recambiadas para a Espanha e não possam mais pedir asilo naquele país. Não existe nada de surpreendente no fato de este regulamento, inicialmente em vigor nas fronteiras espanholas e portuguesas, ter tido sua vigência consideravelmente aumentada, a fim de incluir as fronteiras da Europa Oriental, ao mesmo tempo que as candidaturas para asilo político na Alemanha tenham baixado para um quarto do nível de 1995. Realmente, uma questão vem sendo apresentada em toda a União Européia, ou seja, tomando em consideração os números presentes e futuros de refugiados impelidos pelas variações climáticas, cujo aumento vem se tor- nando progressivamente mais rápido, que a defesa das fronteiras externas dos países europeus deva ser empreendida de forma muito mais enérgica, decisão esta que poderá ser tomada muito em breve. Por esta raz ão a FRONTEX foi p rom ul a por gad decre to e já tem re gis trad as oficial ente suas m p rim eiras consequ ências - um aum ento conside ráve l do re to rno fo rçad o dos barcos de re fugiados que desem barcam nas Ilh as C an árias. Por sua ve z, estes8 Em primeiro lugar a Alemanha, a França, a Bélgica, o Luxemburgo e a Holanda ajustaram a facilitação do turismodentro de suas fronteiras internas; ao mesmo tempo, combinaram medidas de controle mais firmes em suas fronteirasexternas; a partir daí foram assinados tratados incluindo a Itália (1990), Portugal (1991), Grécia (1992), Áustria (1995),Dinamarca, Finlândia e Suécia (1996), seguindo-se em 1997, a assinatura do Tratado de Direitos da União Europeia emSchengen, Luxemburgo. A Noruega, a Islândia e a Suíça permanecem fora da União Europeia. (NA).
  • 16. re fugiad os que - ge ral ente em barcos de borracha - m pe rcorre ram 1 .200 quilôm e tros em m ar abe rto desde a África O cidental até a G rande C an ária ou Tene rife , s ão pessoas p rovenientes de países onde p redom inam condições que to rnam im poss íve l sua sobre vivência. Alguns de l fo ram desalo jad os por grandes p ro j tos es e de constru ção de re p resas, ou tros fogem de gue rras civis ou de cam pos de re fugiados, ou tros aind a saíram de m egalópo l com o Lagos, na Nigéria, onde três es m il ões de pessoas vivem em fave las , nas quais n ão h existe nem água encanad a, nem esgotos. Para escapar destas circunstâncias, e les contratam , m ediante o pagam ento de som as exorbitan te s, em barcações ap resentad as com o re bocadores e ad quirem lu gare s em barcos supe rlo tad os, na sua m aioria sem condições de navegação em alto -m ar e sem pe rspectiva de em preender a viagem de re to rno, m as ace itam m esm o assim o alto risco de n ão sobre vive rem à trave ssia." Apesar de tud o isso, som ente no ano de 2006, ce rca de trin ta m il destes im igran tes chegaram com vid a às C a- n árias, desem barcando aqui e ali e constituindo um s ério p rob lem a para as au to rid ades re spons áveis pe la seguran ça, sem esquecer que re p resentam igualm ente um p rob l a consideráve l para a ind ús tria do tu rism o. em O utros re fugiados p re fe rem atrave ssar o Estre ito de G ibraltar, que tem apenas 1 3 quilôm e tros de extens ão, m as n ão é m enos pe rigoso, devido às condições dom - i nantes d as ve lozes corre n tes m arítim as e ao denso trá fe go de navios pesados. Embora o n úm e ro dos fugitivos que chega a alcan çar as p raias espanholas e portuguesas do ou tro lad o do es tre ito n ão se j a corre spondente ao grande n úm ero de re fugiados re fe rid o acim a, via de re gra, a m aior parte de l é es devolvid a em quaisque r circunstâncias aos seus países de o rigem . N ão obs tan te , calcu la-se que, som ente em 2006, ce rca de 3.000 pessoas atingiram os pontos de desem barque. Aqui tam b ém se ap re senta a m encionad a FRONTEX, que exe rce um a atu ação d ire ta e vigorosa para e vitar "as te n tativas 9 de im igração ile gal em condições de pe rigo de m orte ". Um lugar nos barcos puxados pelos assim chamados rebocadores custa entre 2.000 e 4.000 euros. Este dinheiro é reunido pelas famílias dos refugiados e lhes é emprestado na esperança de receber eventualmente somas mais elevadas destes últimos, depois que se transfiram novamente e consigam empregos na Europa9afrikanische Odysee [O Sonho da Vida, uma Odisseia Africana], Frankfurt am Main, 2007. (NA). Conforme o site oficialhttp://www.frontex.europa.eu. (NA).
  • 17. como trabalhadores imigrantes. Compare com KlausBrinkbãumer, Der Traumvom Leben. EineNinguém está interessado em saber os motivos quelevam estes refugiados a querer chegar à Europa aqualquer preço; ao contrário, a FRONTEX trabalhano sentido de obstruir totalmente estas rotasperigosas, determinando naturalmente as formas ideaispara a segurança das fronteiras, dificultando ao má-ximo a passagem pelas fronteiras externas nasproximidades da África, se possível impedindo deantemão que os refugiados cheguem a sair docontinente. Já emoutubro de 2004, o então ministro dointerior do Conselho Federal Alemão, Otto Schilly,apresentou a proposta de instituir acampamentos paraos capturados, a fim de realizar interrogatóriosdiretamente no local e sítio de captura, destinados ademonstrar se um pedido de asilo era justificável ounão." Esta ideia provocou o desagrado da maioria dosministros do interior dos demais países-membros e deuigualmente origem a fervorosos protestos da parte deorganizações para a defesa dos direitos humanos. Abus ca de outras soluções, e as correspondentesdiscussões entabuladas com a União Africanapermanecemtenazmente empacadas até hoje, enquantoos problemas de segurança nas fronteiras se agravame presentemente não existe qualquer alternativa, anão ser que se permita o ingresso livre dessa gente naEuropa. A situação dos enclaves espanhóis de Ceuta ede Melilla tipifica diretamente o problema, com asfronteiras sendo progressivamente reforçadas eelevadas, ao passo que os refugiados encontram meiosdesesperados de atra vessar as cercas - algumas vezesna forma de ataques em massa, como aconteceu emsetembro de 2005, quando cerca de oitocentas pessoasao mesmo tempo tentaram tomar de assalto afronteira.Enquanto isso, os países invadidos encontram alíviograças à criação de novas técnicas - como a cercaamericana na fronteira com o México, onde foiimplantado, além dela, um sistema de defesa no valoratual de dois bilhões de dólares, o qual, entre outrascoisas, capta por GPS a posição de potenciais in-vasores da fronteira, mostrada ao vivo nos laptops[computadores portáteis] das patrulhas mais próximasda polícia de fronteira. Espera-se que o número deilegais que atravessam a fronteira seja assimdrasticamente reduzido. So mente no ano de 2006,foram detidas um milhão e cem mil pessoas que tenta-vam atravessar essa fronteira. Emsetembro de 2006,
  • 18. o Congresso am e ricano ap rovou o p lano de constru ção de um a ce rca e l trônica de alta te cno logia, com a e extens ão de 1 .1 25 quilôm e tros, na expectativa de apoiar o funcionam ento d as au to rid ades de seguran ça fron te iriça. A ce rca acabou re al ente por alcan çar m a extens ão de 3.360 quilôm e tros, m as aind a assim é atrave ssad a, em bora as m edidas tom ad as intim idem um grande n úm e ro de invasores pote nciais, especial entem porque a pe rm an ência nas te rras d a fron te ira n ão é de m odo algum dese j ve l, um a ve z que esta é com posta á na sua m aioria por zonas des érticas ou m ontanhosas; o cam inho m ais cu rto é de 80 quilôm e tros. Entre 1 998 e 2004, es ta trave ssia a p é p rovocou a m orte de 1 .954 pessoas. Tanto a Am érica do Norte quanto a Europa p re cisarão no fu tu ro es tabe l ce r de fesas m uito m ais e vigorosas, d iante do assalto assustador dos m il ões de h re fugiad os que, já se espe ra, se j im pe lidos pe las am m udanças clim áticas. A fom e, a falta de água, as gue rras e a dese rtificação africana causarão p ress ões incalcu láve is e p reocupações constantes nas fron te iras d as ilh as de p rospe rid ade fo rm ad as pe la Europa O cidental e pe la Am érica do Norte . O WBGU (Wissenchaftliche Beirat de r Bundesregie rung G lobale Um we ltve rãnde rungen [C onse l C ientífico do Gove rno ho Federal Alem ão para Consultas sobre as Modificações do Am biente G lobal]) afirm a que em seu con j unto "um bilh ão e cem m il ões de pessoas n ão h d isp õem atu al ente de qualque r acesso seguro a um m suprim ento de água potáve l em quantid ade e qualid ade suficientes". Es ta situação, tam b ém re lata, poderia "em ce rtas re giões do m undo, agravar-se considerave l ente , um a ve z que, devido às variações m clim áticas, deve rão ocorre r grandes oscilações no re gim e 10 chuvas e , conseq üentem ent no suprim ento de de e, água". Além disso, já existem ao redor do mundo cerca de 850 milhões de pessoas sofrendo de desnutrição; um número que, outrossim, em vista das previsões dos especialistas sobre as consequências das variações climáticas, tende a aumentar consideravelmente, na medida em que as terras cultiváveis ou as colheitas delas provenientes forem progressivamente diminuindo por uso excessivo e esgotamento. Os conflitos internos de10Wissenchaftliche Beirat der Bundesregierung Globale Umweltveränderungen [Conselho Científico do Governo FederalAlemão para Consultas sobre as Modificações do Ambiente Global] (WBGU): Welt im Wandel - SicherheitsrisikoKlimawandel [Mundo em Transformação - Variações Climáticas e Riscos de Segurança], Berlim/Heidelberg 2007 (noprelo [sie]); dados especializados e uma sinopse abrangente podem ser consultados no site da editora, emhttp://www.rhombos.de/shop/a/show/story/?l 106&PHPS ESSID=8398524d78686a29de09a62fe51342d3. (NA).
  • 19. repartição de terras daí resultantes conduzirão a umaumento progressivo do risco da escalada deviolência, comas consequên cias correspondentes sobreo deslocamento de populações e migrações internas eexternas, por meio das quais o número dos assimchamados focos de emigração tenderá a umaampliação cada vez maior. As políticas dedesenvolvimento deverão, a partir deste pano de fundo,conforme propõe o Conselho Científico do GovernoFederal Alemão para Consultas sobre asModificações do Ambiente Global, ser compreendidascomo"uma política de segurança preventiva".As atuais medidas defensionistas nos dão uma previsãosobre o que irá transcorrer quando os fluxos derefugiados provocados pelas variações climáticas setornarem muito mais potentes. Os conflitos sobreespaço vital e recursos, provocados pelo aquecimentoda Terra, provocarão uma ampliação fundamental daviolência nas sociedades ocidentais durante aspróximas décadas. A FRONTEX é somente umaprecursora bastante modesta. Deste modo, asvariações climáticas não serão somente umacircunstância dos interesses políticos mundiais deurgência exclusiva no exterior, mas se transformarãono principal desafio social das sociedades modernas,porque as possibilidades de sobrevivência de milhões depessoas serão ameaçadas e estas serão levadas aempreender migrações maciças. Deste modo, surgirá apergunta inevitável sobre como se deverá administraras massas de refugiados que saírem dessas terras e sedeslocarem para os países desenvolvidos, simplesmenteporque não terão mais condições de existência ousobrevivência em seus países de origem e desejarãotomar parte das condições superiores prevalecentesnos paísesprivilegiados. Os OutrosAo norte do Sudão existe um deserto que, ao longo dosúltimos quarenta anos, se expandiu cemquilômetros emdireção ao antes florescente Sudão Meridional. Isto foiprovocado, inicialmente, porque as precipitaçõespluviométricas vêm diminuindo regularmente na regiãoe, por outro lado, pelo aumento descontrolado no usodas pastagens, pelo desmatamento das florestas epela consequente erosão do solo, que determinaram aesterilidade de grandes trechos dessa nação. Desde aindependência do país, cerca de 40% do total dasmatas do território foram inteiramente destruídas; no
  • 20. momento atual, o desflorestamento das reservasrestantes se expande a um ritmo de 1,3%anual. Paramuitas regiões do país, o programa de controleambiental das Nações Unidas prognostica uma perdatotal das florestas no transcurso dos próximos dezanos.Os modelos climáticos da atualidade prevêem umaumento geral da tempe ratura no Sudão da ordem demeio grau até o ano de 2030 e de um grau e meio até2060; de forma oposta, o regimede chuvas irá diminuirmais 5% nesse período, com relação às precipitaçõesanuais do presente. Para as colheitas de cereais istosignifica um retrocesso da ordem de 70%aproximadamente. No Sudão Setentrional vivem aindacerca de trinta milhões de pessoas. A avaliaçãodestes números nos faz saber facilmente que este paísjá se encontra entre as regiões mais pobres do mundo;de forma semelhante, vem sendo submetido a ameaçasecológicas progressivas, além do fato de que há meioséculo vem sendo travada no Sudão uma guerra civil.Esta já provocou o deslocamento de cinco milhões derefugiados dentro deste país, as assim chamadas IDP(Internal Displaced Persons [Pessoas InternamenteDeslocadas]), que foram forçadas a abandonar suasaldeias por causa da expulsão sistemática pormilicianos. Eles não somente assassinam muitos, comoincendeiam as aldeias e até as matas, para impedir oretorno dos sobreviventes.A maioria dos "deslocados internos" vive emacampamentos de refugiados, que não dispõempraticamente de qualquer estrutura, sem energiaelétrica, sem esgotos, sem água encanada e semcuidados médicos. As necessidades alimentares são, emsua maior parte, garantidas por organizações deajuda internacional. Os moradores dos acampamentosjá destruíram toda a madeira utilizável emum raio dedez quilômetros ao redor; mas continuam precisando delenha para cozinhar suas refeições. A terra desnudaque os cerca é perigosa; muitas mulhe que saem em resbusca de lenha são estupradas e mesmo mortas.Naturalmente, não são simplesmente assaltadas,porque não têm nada que possa ser roubado.A província ocidental de Darfur apresenta o mesmoaspecto e talvez a situação por aqui seja ainda maisgrave, uma vez que se travam também operaçõesmilitares nas terras limítrofes dos países vizinhos, oChade e a República Centro-Africana. Em Darfur jáexistem cerca de dois milhões de "deslocados internos",a maior parte dos quais vive em acampamentos
  • 21. desordenados que fo ram se es tabe l cendo ao re dor d as e cid ades e n úcle os populacionais re gu lare s. Em alguns lu gare s o n úm ero de habitan te s aum entou na o rdem de 200% , desde o in ício oficial d a gue rra em D arfu r. N ão se sabe exatam ente na Europa e nos Es tad os Unidos se , no p resente , ocorre nessa áre a um genocídio, m as se conve rsa bas tan te sobre isso. Entre duzentas m il e m eio m il ão de pessoas te riam sido m ortas desde o in ício h d a gue rra. O S ud ão é o p rim eiro caso de um país assolad o pe la gue rra que seguram ente te ve as variações clim áticas com o causa d ire ta para a vio lência e a gue rra civil. Até o p resente podem os considerar que as vio le ntas consequ ências d as variações cli m áticas fo ram som ent e ind ire tas em ou tras te rras , m as nesses países em que a p róp ria sobre vivência hum ana se acha am eaçad a, as m enores m odificações clim áticas acarre tam trem endas consequ ências. E no S ud ão estas m odificações n ão s ão absolu tam ente m enores. S ão causa d ire ta d a lu ta pe la sobre vivência. Em um país no qual 70% d a população vive no cam po e depende de l para seu alim ento, criase e um enor e p rob lem a quando as áre as de cu ltivo ou a m te rra fé rtil com e çam a encol r. O s pas to res n ôm ades he avan çam além de seus te rritó rios habituais, a fim de que seu gad o possa pas tar, jus tam ente nas á re as cu ltivad as pe los pequenos agricu lto re s, onde p lan tam ce re ais, hortali ças ou árvo re s fru tí fe ras para sua subsistência e a de suas fam ílias. Q uando os desertos se am pliam em virtude desse p rocesso, os pas to res n ôm ades necessitam d a te rra dos cam poneses e as invadem , de fo rm a aind a m ais destru tiva. Existe um a fron te ira crí tica, a partir d a qual os inte resses de sobre vivência som ente podem se r de fendidos pe la vio lência. Entre 1 967 e 1 973 e novam ente entre 1 980 e 2000 o S ud ão sofre u um a s érie de secas catas tró ficas - um a parte de cu j as consequ ências foi o desl ocam ento m aciço d a população de grandes áre as, enquanto m ilhares de pessoas m orre ram de fom e. N atu ralm ente , sob o m anto do desastre ecológico, ocorre ram ou tros num erosos conflitos , re al ente tão num erosos que m pe rtu rb aram a obse rvação de um dos piores panoram as na his tória d a vio lência, que foi posto de lad o e passou p raticam ente despercebido dentro do 11 quad ro ge ral. Isto não deve causar surpresa: desde 1955, com maior ou menor intensidade, variando de região para região e ocorrendo numa sucessão de11 Veja Gerard Prunier: Darfur. Der uneindeutig Genozid [Darfur: O Genocídio obscuro], Hamburgo, 2006. (NA).
  • 22. p rovíncias, grassa um a gue rra civil que dura m ais dem eio s écu lo. Apenas entre 1 972 e 1 983 houve um a fasede arm istcio frágil e inconstante . Em 2005 foi íassinado um tratad o de paz, desde o qual re al ente mn ão se lu tou m ais no S ud ão Me rid ional. Mas desde2003 pe rm anece um a gue rra vio le nta na p rovíncia deD arfu r, no S ud ão O cidental. A situação p rovocad ape lo conflito é desastrosa para a população, m esm oque n ão nos lem brássem os de d ize r um a s ó palavrasobre a escassez de água potáve l, a catás tro fe doavan ço d as are ias, o envenenam ento causado pe losesgotos a c éu abe rto, os crescentes dep ósitos de lixoao ar livre e a destruição am biental causad a pe laexpans ão d a ind ústria pe tro le ira. Existe um a re laçãod ire ta entre as variações clim áticas e a gue rra. Opanoram a do S ud ão é a vis ão de nosso fu tu ro. O O cidente IITam b ém nas te rras ocidentais ocorre um alvo ro çop rovocado pe las variações clim áticas e suasconsequ ências, desde o com e ço do ano de 2007, quandoos três re lató rios do IPCC (In te rgove rnm ental Pane lon C lim ate Change [Paine l In te rgove rnam ental sobreas Modificações C lim áticas]) fo ram pub licados.Tam b ém existem d iscuss ões no que se re fe re aoapare cim ento de cen ários globais m ais som brios: porenquanto, sabe -se que exis tem re giões do m undo quegozam d as van tagens do aquecim ento global, porqueas m udanças d as condições clim áticas de fatom elhoram seu am biente , do m esm o m odo que suaatração tu rís tica. Nas cos tas alem ãs do Mar doNorte , por exem pl os donos e adm inistrad ores de o,hotéis se ale gram com esse aquecim ento; os te rritó riosadequados para a p lan tação de vinhedos es tão seam pliando p rogressivam ente em d ire ção ao norte . O 14Re lató rio S te rn, que comparou os custos de umaumento irrefreado da temperatura com os custosnecessários para interromper o processo deaquecimento global, indicou que o primeiro motivo depreocupação, quando relacionado ao segundo, poderáabrir horizontes econômicos inteiramente novos paraos países dotados de alta tecnologia. Sir NicholasStern, antigo economista-chefe do Banco Mundial,havia assinalado que os custos de um aquecimentoclimático mundial incontido exigiriam de 5% a 20% darenda mundial per capta, e o percentual mais elevadoseria o valor mais provável. Contra isso, o custo deuma estabilização das emissões de dióxido de carbono
  • 23. na atm osfe ra até o ano de 2050 cus taria som ente 1 %do p roduto social b ru to, valo r pe rfe itam entecom patíve l com o crescim ento econ ôm ico norm alduran te esse m esm ope ríodo.N atu ralm ente , h á consideráve is d ife ren ças, de acord ocom o ram o específico d a econom ia - os fo rne cedores deene rgia re nováve l te riam grandes lu cros, enquanto aind ústria dos esportes de inve rno, com o as estações deesqui, se ria p re j icad a. Mas no con j ud unto have ria oin ício im ediato de um a m odificação d as po lí ticasclim áticas que constituiria um a oportunid ade econ ôm icapara o O cidente. A d im inuição dos gas tos com ap rodu ção de ene rgia, induzid a pe la inven ção deapare lhos e m étodos de tod os os tipos para pouparene r gia, com o a ad o ção de ve ícu los h íb rid os, íbiocom bustve l, chapas de co le ta de ene rgia solar, em uitos m ais, constitui um a p rom essa para o fu tu ro. Jáse fala sobre a Te rceira Revolu ção Industrial, aom esm otem po em que se esquece que fo ram a P rim eira ea Segunda as causas o riginais dos p rob l as atu ais. emAs cid ad ãs e cid ad ãos dem onstram a aquisição de um aconsciência am biental, de aco rd o com a qual n ãoque rem m ais viajar em ve ícu los aé re os, com boasraz ões m istu rad as com ou tras m ás. As re fle x ões sobreas variações clim áticas conduzem a re açõesinespe rad as. O s m otoris tas p re fe rem m ode l m ais fo r- oste s, com o aque l que e ram p roduzidos original ente , es mporque a época dos ve ícu los te rre s tre s de alta 15potência com doze cilind ros e 500 HP já passou. Osassim chamados "fundos climáticos" e "fundospermanentes" são anunciados com o argumento de quesão formados por ações de companhias ativamenteinteressadas na retificação climática e que são mais"permanentes" que todo o desenvolvimento conjunto domercado. "Os poupadores privados que investiremnestes fundos não somente obterão lucros financeirospor meio das variações climáticas, como terãoigualmente a consciência tranquila de que estãotomando alguma espécie de ação para contrariá- 16las."O que demonstram estes exemplos? Eles assinalam aadaptação das pessoas diante das transformaçõesambientais globais. Mas devemos compreender que, defato, tais adaptações absolutamente não se baseiamem modificações comportamentais, mas podem sersimplesmente o efeito de uma transformaçãoperceptual dos problemas existentes. Há pouco tempo,foi publicado um estudo referente à maneira como ospescadores encaram o problema da constante
  • 24. diminuição dos peixes no Golfo da Califórnia. Apesarde ser perceptível a considerável diminuição dapopulação de peixes correspondente à pesca pre-datória nas regiões costeiras do golfo, verifica-se quequanto mais jovens são os pescadores, menos sepreocupam com a diminuição do número de peixes. Di-ferentemente de seuscolegas mais velhos, eles não têmexperiência direta sobre a quantidade e a variedadedas reservas de pescado que antigamente podiam ser 17capturados nas proximidadesdas áreas costeiras.Podem - e conside rar os p rob lem as vindouros com o sale ató rios, com o possibilid ades vagas e d istantes oucom o pe rcep ções irris órias e , desse m odo, estabe l ce r- ese o p róp rio com portam ento de fo rm a contrá ria a es taposição afirm ativa de pe rigos d ifusos. Em seu p resentem odificado, os investidores se com portam com o osjo ve ns pescadores d a C alifó rnia m e ridional m exicana,cu j as pe rcep ções parciais deste p resente s ãode fendidas contra opiniões d issonantes e conside rad ascom o dependent es de num erosas possibilid ades efato re s,que e les m esm os tratam de fo rm a sim plificad a.Logo lhes pare ce te rem um a consciência suficiente dop rob l a, d iscord ando quando algu ém lhes suge re que emo tratam de fo rm a ind ife rente ou sem im portância ouaté m esm o o encaram com o um a p reocupação semsentido. Mas é a fo rm a norm al com o as pessoas agem ,focalizando os p rob lem as e descurando de suas causaso riginais.Tod avia, é necess ário com preenderque a conside raçãode um p rob lem a e seu p róp rio com portam ento comre lação a e l s ão coisas bem d is tintas , que n ão se eacop lam natu ralm ente um a a ou tra, se é que têmalgum a conexão m útu a. Um a conside ração pode se rfacil ente abandonada de aco rd o com a situação, mconform e as expe riências d a re alid ade im ediata e ascondições concre tas de afas tam ento, enquanto asações, via de re gra, s ão executad as sob p ress ão edependem de necessidades situacionais específicas - e épor esse m otivo que as ações d as pessoas s ão comfre qu ência fe s te j as, ao m esm o tem po em que suas adopiniões s ão contes tad as. É in te ressante notar que s óm uito raram ente as pessoas encontram d ificu l ade em dinte grar es tas contrad ições. As pessoas com param seucom portam ento com com portam entos aind a piores deseus sem el hantes e encontram nessa m ol dura m otivospara conside rar a p rob l ática inte ira com o emrid icu lam ente sem im portância ou descartá-la com ou ltra passad a, a fim de se in te ressarem por novasconsiderações fu tu ras . Todos estes m ecanism os
  • 25. psicológicos se rvem para re duzir a d issonância entreos pontos de vis ta m orais que de fendem e as atitudes 18concre tas que assum em .Tais reduções da dissonância cognitiva não sãotriviais; podem ocorrer igualmente no contexto desituações extremas, por exemplo, quando pessoas sãoordenadas a matar outras pessoas e sentem dificuldadeem cumprir a ordem, porque esta tarefa interfere comsua autoimagem moral. Eu procurei demonstrar, em umestudo sobre assassinatos em massa durante guerrasde extermínio, como estes homens conseguem conciliar a 19matança com sua própria moral. Eles precisam,enquanto estão ainda orientados para um planointerior de referências mentais, impedir o surgimento dequaisquer dúvidas quanto à necessidade e justiça desuas ações.Estes homens se reúnem em bandos de extermínio, longede suas comunidades e grupos sociais habituais e, apartir de então, se estabelecem determinadas normas,dentro das quais comprovadamente se desenvolvemcomportamentos mútuos e temporários, através decujas barreiras nenhuma crítica externa podepenetrar. Eles se comportam no âmbito de situações 20"totais", para as quais a heterogeneidade social setorna o ambiente cotidiano comum, dentro das quais ospapéis costumeiros, os contatos sociais e as exigênciasnormais são corrigidos ou as situações conflitantesinfluenciadas umas pelas outras. Os próprios assas-sinatos se transformam em simples tarefas,consideradas necessárias, que os homens executam comconsiderável dificuldade, porque matar pessoasindefesas, especialmente mulheres e crianças, étotalmente contrário à auto-imagem que haviampreviamente construído. Realmente, é apenas quandoconseguem pensar em si mesmos como pessoas forçadasa cumprir uma tarefa penosa, que eles se percebemobrigados a realizar, eles conseguem conciliar suaauto-imagem básica de "bons rapazes" com seu 21trabalho pavoroso. O motivo pelo qual aqueles quehaviam executado durante a guerra passadararamente desenvolvia sentimentos de culpa e amaioria deles simplesmente conseguiu integra-se nasociedade alemã do pós-guerra sem grandesdificuldades.O fato é que a característica que mais claramente sedestaca, por deprimente que isso seja, é que quemcometeu ações diretas em conexão com os massacres daguerra, via de regra, não desenvolveu qualquersentimento de culpa pessoal pelo que fez, mas em geral
  • 26. representa seus atos como realizados contra aprópria vontade e contrariamente a seus própriossentimentos, porque nos campos de batalha eraforçado a fazer coisas pavorosas, cuja realizaçãolhes causara também grande sofrimento. Podemosencontrar aqui tambémvestígios da ética himmlerianada Anständigkeit ["decência" ou "decoro", no sentido 22romano] que, na mesma época, não somente eracorrente, como tornava possível a realização dessescrimes, fazendo com que seus autores se considerassemcomo pessoas que tinham de aguentar os aspectosdesagradáveis de seu trabalho e sofressem por causadisso. A leitura de seus depoimentos no pós-guerramuitas vezes nos impressiona pelo aparecimentoconstante desta autodefesa biográfica inquebrantávele incontestavelmente coerente.Tais exemplos assinalam atitudes de violência extrema,para cuja influência sobre o comportamento depessoas em situações concretas, em princípio, não sãodecisivas as próprias situações concretas em que seencontrem, mas sim a maneira como tais pessoas aspercebem e suas interpretações individuais de taispercepções. Primeiro a interpretação conduz a umaconclusão e esta, por sua vez, determina ocomportamento. É deste modo que surgemcomportamentos que, externamente, parecemirracionais, contraproducentes ou sem sentido; contudo,para aqueles que os manifestam, parecem altamentesignificativos, mesmo quando lhes causam remorsos ouos prejudicam diretamente. Foi deste modo queMohammed Atta encarou o choque dos dois aviõescontra as Torres Gêmeas ou quando o terroristaHolger Meins, da chamada RAF (Red Army Fraction[Fração do Exército Vermelho]) se decidiu a fazergreve de fome até morrer na prisão. As imagenshumanas super-racionalistas, sobre as quais sebaseiam tantas teorias comportamentais, nãotêmlu gar para es tas fo rm as de R acionalid adeParticu lar. S om ent depois que se pesquise com o as epessoas pe rcebem a re alid ade é que se podecom preenderpor que as conclus ões p roduzidas por taispe rcep ções - contem plad as exte rnam ente - pare cemse r to talm ente bizarras .Talve z tam b ém se j p rove itoso exam inar com m ais abom - senso a situação particu lar que n ão pe rm ite aalgu ém entre te r a m enor d úvid a sobre com o deve ráp rocede r, um a vez que num erosas sociedades nosp róxim os anos ou d écad as deve rão enfre ntar um
  • 27. 12 co lapso p roduzido pe las m odificações clim áticas e que este deverá modificar radicalmente as condições de vida para todas as pessoas envolvidas, uma coisa em que, por outro lado, ninguém realmente acredita. Esta forma irritante de "cegueira apocalíptica" (segundo a expressão de Günter Anders) depende da singular capacidade das pessoas de não se deixarem demover de seus comportamentos habituais, uma linha de conduta firmemente alicerçada, em que se prendem as mais importantes cadeias da complexidade dos procedimentos modernos ou da irresponsabilidade percebida para com as consequências de suas ações. Zigmunt Bauman denominou este fenômeno de "adiaforização", isto é, a dissociação entre a personalidade e sua responsabilidade pelos comportamentos apresentados 24 durante a execução de um trabalho. Deste modo, um pressuposto para poder administrar a responsabilidade constitui, por exemplo, que todos os parâmetros para um determinado comportamento sejam conhecidos. Nas sociedades modernas, funcionalmente diferenciadas, com suas longas correntes comportamentais e sua complexa interdependência, em princípio é difícil conhecer os detalhes mediatos que a elas conduzem, o que se perde das consequências das ações e, portanto, aquilo que pode ser praticamente responsabilizado pela orientação de nossas próprias ações. Claramente estamos sujeitos, neste sentido, aos efeitos de institui- ções como a Justiça, as Instalações Psiquiátricas, os Escritórios de Consultoria etc., que têm a função de moderar e regular tais comportamentos e ações -cada um deles com sua própria dialética, de Lai modo que também aqui os processos fazem parte de um trabalho, que pode ser deste modo conduzido,conform e a fo rm u lação de Heinrich Popitz, para a anu lação d a re sponsabilid ade dos trab alh ad ores inte rm ediários, "na fo rm a fatal d a n ão-depend ência do que (usual ente m liga) as pessoas entre si nas situações re fe re ntes a seu tra balho. Am bos os fato re s (n ão-re sponsabilid ade e n ão-depend ência) conduzem sem d ificu l25ade aos d excessos de indolência que tod os conhecem os." O problema dos desvios da responsabilidade surge assim dos processos de modernização da sociedade e constitui, até certo ponto, o preço do desenvolvimento contínuo12 23 Para este prognóstico não faz diferença se presentemente se assume um ponto de vista antropogenético sobre aorigem das variações climáticas ou se estamos lidando com uma oscilação climática "natural". A resposta desta questãodiscutida é relevante no que diz respeito às estratégias político-ecológicas sobre a redução das emissões de dióxido decarbono etc., mas não para as composições de diferente teor que se referem às consequências sociais e políticas dasvariações climáticas e é neste sentido que a estamos tratando. (NA).
  • 28. e d a re criação de tais ins tituições - a re sponsabilid adetrans fo rm ad a em com petência e a trans fo rm açãoau tom ática desta em n ão-com petência. Porém , talve zaind a m ais grave se j que as pessoas som ente podem aassum ir re sponsabilid ade enquanto existe um acontinuid ade tem poral entre as ações e asconsequ ências dessas m esm as ações, que lhes pe rm itaum re conhecim ento re c íp roco de re sponsabilid ade.Enquanto lid am os com causas line ares e asconsequ ências d ire tas de seu desenvolvim ento, desde quese m anifes tem duran te a vid a dos ato re s envolvid osnas ações que p rovocaram as causas e que n ãosurjam ap ós tal pe ríodo, tais re conhecim entos s ãoposs íveis, enquanto e l aind a estive rem su j itos às es edecis ões d as corte s de jus ti ça in te rnacionais, com o foio caso dos s érvios, que re al ente n ão chegaram a mre alizar o exte rm ínio dos b ósnios m u çul anos, porque msurgiu a pe rcep ção de que deve ria se r re alizad a um ainte rven ção an tes que esse exte rm ínio se consum asse.O utros exem pl podem se r encontrad os na esfe ra do osd ire ito com ercial, que de te rm ina a re sponsabilid adepe la vend a de p rodutos d anificados, no d ire ito penal enas decis ões re fe re ntes às com panhias seguradorase tc. Em tod os estes casos se ponde ra de que m aneiraalgu ém é re spons áve l pe la causa inicial d asconsequ ências de um a ação e até que ponto asconsequ ências d a re fe rid a ação pode riam te r sidoan te cipad as.Mas o que aconte ce nesta áre a p rob lem ática, quandofica pe rfe itam ente es tabe lecido quem foi ou fo ram oscausadores o riginais de um a de te rm inad a ação e desuas consequ ências, porém d ito ou d itos ato re s n ãopode rão se r re sponsabilizados porque n ão seencontram m ais entre os vivos? Na á re a do d ire itocom ercial es te p rob l a já foi re solvid o pe la em 26re gu lam entação do ins titu to do d ire ito sucess ório,que não vige na área cível, a qual rege os processoscontra cidadãos particulares. Mas este é apenas oaspecto mais suave do problema. A coisa se tornamuito mais complicada quando estamos procurando ascausas iniciais das variações climáticas que deramorigem aos problemas assinalados no presente, asquais se localizam no mínimo há meio século e que asituação das pesquisas sobre as ciências naturais daépoca absolutamente não tinha condições de prever. Eo problema, em seu conjunto, se torna ainda maisintrincado quando as estratégias de intervençãocontra as consequências das ações não antecipadasnaquela época ainda são altamente discutíveis e
  • 29. inseguras no presente, sobretudo porque não se podedeterminar quais consequências temporais nos poderãotrazer em um futuro distante. Aqui o relacionamentode uma sucessão temporal entre os com portamentos eas consequências de tais comportamentos é deextensão tal que abrange várias gerações e, destemodo, só pode ser estabelecido median a intervenção tedas ciências. Ainda não existemexperiências concretase cuidadosamente planejadas para a determinação dasmotivações das ações passadas e isto constitui umobstáculo, do mesmo modo que não seria contribuiçãosuficiente para o cálculo das responsabilidadesde pelomenosuma parte dos problemas que enfrentamoshoje.Logicamente não se podeesperar de tais experiências aconclusão de que se possa atribuir a uma pessoa quetenha vivido quarenta anos até 2007 aresponsabilidade de um problema cujas causastemporais se localizam inicialmente antes de seunascimento e cujas soluções serão encontradas de poisde sua morte, uma vez que tal pessoa não poderá tertido influência direta nemsobre as causas iniciais nemsobre as soluções do problema. Mas, de formasemelhante, pode-se esperar dessas pessoas umcomportamento atual responsável perante osproblemas esperados e provocados no presente e seapresenta finalmente a pergunta sobre se estaspessoas podem ser responsabilizadas por taisproblemas futuros no sentido tradicional da figurajurídica e, em caso afirmativo, de que maneira oestabelecimento de tal responsabilidade poderá serencarado.Esta pergunta tem considerável alcance para a vidapública de uma nação: pois o que significa odesmoronamento do cálculo temporal de um relaciona-mento de causa inicial e suas consequências para aevolução da consciência política e para a decisãopolítica final? Mais ainda: qual influência tem a acei-tação da irresponsabilidade, ou seja, comoperceberemos as consequências sociais determinadaspelas variações climáticas e suas possibilidades desolução? Indo um pouco mais adiante: quais soluçõesconsideraremos possíveis no presente que hoje não nospareçam totalmente impensáveis? EmBusca de SoluçõesNo primeiro terço do século 18, quando ninguém aindaconseguiria pensar que, duzentos anos depois, os ideais
  • 30. de p rogresso, racionalid ade e e ficiência queassinalaram a época então cham ada de "m ode rna"viessem a se r ap licad os ao genocídio industrial,Jonath an S wift desenvolveu um conceito sobre a m a-neira com o o em pobrecim ento p rogressivo do povoirland ês pode ria se r contid o. Se fosse seguida ap roposta de S wift, os filh os dos pobres n ão m aisp re cisariam partilh ar com seus pais um a exis tênciadesesperad a de fom e, roubo e m endicância, um a cargaque te rm inava por re cair sobre o re ino; de fo rm aoposta, e les "pe lo re s to de seus d ias n ão sentiriamfalta de alim ento nem de ves tu ário, ao contrá riopode riam d ar em troca um a contribuição para a nu tri -ção e , de fo rm a sem el hante , para o ves tu ário dem uitos m il hares". A tare fa que S wift p ropunhare p resentaria um a solu ção, e e l ilus trava sua ep roposta com d ados es tatís ticos sobre o crescim entoconstan te d a ind igência entre a população, porquecad a crian ça corre spondia a um ce rto d isp êndioecon ôm ico popu lar e p roduzia um a com pensaçãodesproporcional ente in fe rio r aos gas tos incorrid os mpara seu desenvolvim ento.Es ta e ra a solu ção p roposta: "D esta fo rm a, ofe re çohum il ent esta p roposta à consideração p úb lica, dem econsiderando que, d as cento e vin te m il crian ças que jápudem os calcu lar, vin te m il se j re se rvad as para a amre p rodu ção, d as quais som ent um quarto deve rá se r do esexo m asculino, m ais do que pe rm itim os às ove lhas, aogado vacum ou aos porcos; e a m inha raz ão p rincipal éa de estas crian ças raram ente se rem o re su ltad o deum casam ento le gal, um a circunstância que n ão re cebegrande conside ração d a parte de nossos se lvagens;portan to, um m acho deve se r suficiente para se rvirquatro fêm eas. As re s tan te s cem m il crian ças, quandoatingirem um ano de id ade, podem se r ofe re cid as àvend a a pessoas de qualid ade e fo rtuna através dore ino, m otivo pe lo qual as m ães se rão aconse l as a hadam am entar cuid adosam ent os filhos durante o ú ltim o em ês, de tal m odo que as crias se to rnem gord as efo rte s , ap rop riad as para um a boa m esa. Um a crian çasignificará dois p ratos para re fo rçar um a re fe içãoentre am igos e , quando a fam ília se alim entar sozinha,os quartos d iante iros e trase iros constituirão um p ratorazo áve l; tem pe rados com um pouco de sal e pim entapode rão se r cozidos ao quarto d ia, com o m esm o gosto 27de carne de pane la, especial ente no inve rno." mA seguir, Swift apresentou uma longa lista dos efeitospositivos de sua proposta, acrescentando que ascrianças poderiam ser empregadas como matéria-
  • 31. p rim a para o com ércio, a gas tronom ia e a ind ús triacu rtid ora. E e le conside rou questões de cará te r m oral- argum entando que pode riam e vitar os abortos e oinfan tic íd io - que pudessem se r le van tad as contra suap roposta. No final de sua d isse rtação, S wift re sum iu:"G aran to, com tod a a since rid ade de m eu coração, quen ão te nho o m enor in te resse pessoal em m eu esforçopara p rom ove r es ta obra necess ária, n ão te ndo ou trosm otivos sen ão o bem - tar do povo de m inha nação, o esdesenvolvim ento de nosso com ércio, a p reocupaçãope lo destino d as crian ças pequenas, o alívio d apobreza e o p roporcionam ento de um ce rto p raze r paraos ricos. N ão d isponho de quaisque r filh os pe los quaispossa ob te r um único centavo através d a ad o çãodesta p roposta; o m ais jo vem já tem nove anos e m inhaesposa já passou d a época de te r filhos."A "m odesta p roposta" é, sem d úvid a, a m e l horconhecida d as s átiras de S wift e , de fato , se re fe reabe rtam ente ao desenvolvim ento de um a p roposta quepare ce ria to talm ente im pens áve l a partir dosposicionam entos m orais b ásicos d as nações ocidentais.C om sua p rova científica d a racionalid ade dosassassinatos em m assa, apoiad a em estatís ticasm ate riais e flanquead a por ponderações m oralís ticas,S wift lan çou um o lh ar sobre um fu tu ro em que o ju ízoins trum ental re duziu cad a posicionam ento m oral a um acate goria m ínim a que, se necess ário, pode se rvirsom ente à au to j tificação d as ações, m as que n ão usestabe l nenhum abarre ira para a desum anidade. eceA his tória dos tem pos m odernos já m ostra um a boaquantid ade de solu ções rad icais para enfre ntar osp rob l as sociais pe rcebidos; até que consequ ências emesta te nd ência pode chegar é pe rfe itam enteassinalad o pe la "S o lu ção Final do P rob lem a Jud aico",em basada no aniquilam ento dos jud eus e , atravésdeste , ob tendo a anu lação d a "questão j aica". A udpartir de quanto podem os ap rende r com os casosre centes d a Turquia, d a Alem anha, do C am boj d a a,China, d a Iugos lávia, de Ruand a e de D arfu r ouatravés do vas to cam po m und ial do em prego d a 28"lim peza é tnica", soluções radicais constituemsempre uma opção, mesmo nas sociedades democráticas,em que tais processos mortíferos não são facilmenteencarados como negações das condições de proce-dimento "normais", mas interpretados como "casosespeciais".Os poucos cientistas sociais que buscam inverter estaperspectiva e apresentam a questão do que realmentesignificam os fenômenos de catástrofe social para a
  • 32. Teoria d a S ociedade s ão ge ral ente m arginalizad os e mpe rm anecem sem in flu ência científica em grandeescala. Is to vale para os racioc ínios filos óficos, com oos de G ünte r Ande rs ou H annah Are nd t, e igual entempara as conside rações sociológicas de Norbe rt E lias eZygm unt Baum an. A sociologia d as catás tro fe sencontra facil ente entrad a nos conceitos de de fesa md a pátria, m as n ão acha nenhum apoio na constru çãod as te o rias sociológicas. D entro d a te o ria d a his tóriaas te o rias d as catás tro fe s s ão escassas, m esm o nop resente , do m esm o m odo que no cam po d a te o riapolí tica.D este m odo, as catás tro fe s sociais do s écu lo 20dem onstraram , com tod a a clare za, que as lim pezasétnicas e os genocídios n ão constituem exce ções nasenda norm al d a m odernid ade, m as ao contrá rio,pe rm anecem com o possibilid ades sociais dentro d ae volu ção d as sociedades m odernas. P rocessos sociaiscom o o Holocausto n ão devem se r encarad os com o"rom pim entos d a civilização" (D an D ine r) ou com o"re to rnos ao barbarism o" (Max Horkheim er e TheodorW. Ad orno), m as an tes com preendidos com oconsequ ências de experi ências contem porâneas parare s tau ração d a ordem e re so lu ção do que s ãope rcebidos com o p rob lem as sociais. Real ente , com o mdem onstrou Michae l Mann, por m eio de um a vo lum osapesquisa, as lim pezas é tnicas e os genocíd ios es tãointim am ente ligad os aos p rocessos de m odernização,m esm o quando, em contraposição ao que pare ce se rum a vio lência arcaica, s ão ap resentados sobaparência bem d ive rsa. Is to vale para um a an álise dote rro rism o is lâm ico, que re p resenta um a re ação àm odernid ade, m as à qual está intim am ente liga do,m esm oque de fo rm a negativa.Zygm unt Baum an, em suas pesquisas sobre a "d ialé tica 29d a ordem ", explicou por que o Holocausto não seencontra em uma posição sistematicamente contráriaaos postulados das ciências sociais: em primeiro lugar,porque, observando todos os eventos da históriajudaica, mesmo quando considerados como um problema 30da patologia da modernidade, eles constituemsituações normalmente manifestadas pela condutasocial externa ao grupo; em segundo, porque o Holo-causto não foi mais que uma síntese infeliz de fatoresfunestos a ela associados, os quais - cada um delestomado em si mesmo - não constituíam em absoluto situ-ações estranhamente aberrantes e que, via de regra,eram enfraquecidos e diluídos pela ordem social. Destemodo, a sociologia tranqüilizou-se e, portanto, não
  • 33. seesforçou para m ante r sis tem aticam ente em m ira oestudo do Holocausto. Is to significa, até ce rto ponto,que o aniquilam ento industrial de m assas hum anas foium "caso de te s te " para a obse rvação do potenciallate n te d a m odernid ade, com o nova info rm ação sobre am aneira com o e ra com posta e sobre o destino de seusm ecanism os de desenvolvim ento. Baum an constatouassim a existência de um "p arad oxo": pois o p róp rioHolocausto fo rne cia m ais info rm ações sobre a condi-ção d a sociologia "d o que e ram capazes asinte rp re tações sociológicas an te rio res para oesclare cim ento31 d as condições do re fe rid oHolocausto". Logo a seguir, ele afirmou que oHolocausto deve ser encarado como a construção deum campo de ensaio sociológico, dentro do qual ascaracterísticas das sociedades modernas seriamlibertadas, "cujos efeitos não tinham sidoanteriormente observados e demonstrados de forma 32empírica, senão em condições não-experimentais".Hannah Arendt insistiu firmemente que o carátersistemático da teoria da sociedade das instituiçõesmodernas era demonstrado pelos 33 campos deconcentração. A existência dos campos assinala queas sociedades totalitárias e a dinâmica da violênciasocial originam novos comportamentos, estabelecidosdentro de sua racionalidade peculiar, queexternamente parecem sem sentido ou totalmenteinsanos, mas que, segundo a perspectiva dos própriosatores, podem estar ligados intimamente a seussistemas de percepção. Tais sistemas particulares depercepção não são examinados nem contestados pelosinstrumentos de aferição do significado de que dispõemas ciências sociais, uma vez que são orientados por ummodelo de comportamento racional.A ciência da história encontra aqui um problemaparticular, porque em retrospecto se abrempossibilidades interpretativas que não eram possíveisnessa época. Consideradas historicamente, dão motivospara a ciência histórica ser orientada para conceitosde abrangência filosófica, que sejam "encarados comuma compreensão simpática e observados à luz dasposições culturaishistóricas anteriores" e que "suaseconomias sejam relacionadas a uma compreensão dahistória idealística e otimista com relação ao 34progresso da cultura." Este conceito da compreensãose evidencia, em presença dos delitos sociais modernoscomo inadequado, porque confronta uma realidadeincompreensível dentro de um sentido convencional.
  • 34. As Mortes têm SentidoA política de aniquilamento do nacional-socialismoconstitui uma variante dos morticínios da guerracolonial, porque ampliou grandemente seu âmbito, nosentido de que todas as pessoas definidas comosupérfluas ou nocivas não somente deveriam serremovidas, mas que a política violenta de extermíniodeveria ser realizada com um máximo deaproveitamento: "a Extinção por meio do Trabalho".Através da construção de gigantescas instalações deprodu ção subterrâneas, por exemplo, para afabricação de foguetes de transporte de bombas V-2ou de aviões de combate Messerschmitt-262 depropulsão a jato, por exemplo, os prisioneiros eramtratados de maneira tão radical, que sua expectativamédia de sobrevivência após serem transportadospara esses assim chamados campos de trabalho era deapenas alguns meses. Os trabalhos forçados eramaplicados ao mesmo tempo como exploração dasenergias e meio de extermínio, porque havia umsuprimento constante de novas pessoas que deveriamser levadas a trabalhar até morrer.Esta política se enquadrava abertamente noplanejamento e execução de um sistema que, mutatismutandis, significava claramente Trabalhar até Mor-rer. O extermínio por meio do trabalho deveria serorganizado técnica e logisticamente; para a montagemde um campo de trabalho, a administração deviaprovidenciar a construção de barracões para osprisioneiros, o que implicava instalações sanitárias,alojamentos individuais [para os guardas], meios detransporte, energia elétrica, água, encanamentos,carros de transporte de materiais etc. Noplanejamento e instalação da infra- estrutura para aaniquilação por meio do trabalho, o próprioaniquilamento assumia para os engenheiros earquitetos a forma de umtransporte de matéria-primapara uma fábrica, com todos os seus aspectos deprofissionalismo e busca de eficiência, como seestivessem trabalhando em quaisquer outrascircunstâncias de suas profissões. O formato de umtransporte de matéria-prima aplicado aos quedeveriam ser mortos também era encontrado naorganização dos assassinatos maciços que, em algumponto do ano de 1941, foram empreendidospor trás dasfrentes de combate em constante expansão pelosterritórios conquistados aos russos. Também aqui seencontrava uma normalização completa dos
  • 35. assassinatos, igual às técnicas empregadas comrelação ao que era percebido como trabalho a serrealizado pelos prisioneiros e a necessidadede soluçõesprofissionais para os problemas que - como emqualquer outra fábrica - surgiam durante a exe cuçãodas tarefas conjuntas, mesmoque fizessemparte de umsistema de genocídio sistemático. Este era um processode divisão de trabalho, de tal modo que ninguém sepercebia diretamente como homicida, nemque as mortesfossem consequência direta de suas ações, até mesmopelo fato de os assassinatos seremrealizados de formadistanciada - comoas câmaras de gás.De fato, dentro dos parâmetros da guerra deextermínio movida pelo nacional-socialismo, as mortesse enquadravam no que era percebido pelos executorescomo uma completa racionalidade, de tal modo quepodiam interpretar todos os seus atos como arealização de um trabalho igual a qualquer outro,mesmoque fosse "um trabalho desagradável", emcujaexecução eles mesmos sentiam pade cimento, como sefossemoutras tantas vítimas. A carga emocional queeste tra balho percebido como necessário acarretavapara seus executores era - conforme foi dito - umtemapermanente dos discursos de Heinrich Himmler, do mesmomodo que nos depoimentos posteriores dosperpetradores. Eles realmente se permitiam sentir essesofrimento, porque de forma alguma se percebiamcomoassassinos, nem durante a execução dos morticínios,nem mais tarde, no período do pós-guerra. Eles seachavam emposição de incluir suas ações dentro de ummodelo referencial que para eles fazia perfeitosentido. Esta capacidade de obter um modeloreferencial significativo - eu mato para atingir umalvo mais elevado, eu mato por amor das próximasgerações, eu mato de forma diferente dos outros,porque este trabalho não mecausa a menor alegria -é o modo psicológico em que se inserem as pessoasatravés da capacidade referida para fazerem coisasinconcebíveis, para simplesmente fazerem qualquercoisa imaginável; os atos humanitários, ao contrário,não são impostos por nenhum talento ou instintoparticular de repressão da capacidade de consciênciados seres vivos.As pessoas existem dentro de um universo social, nointerior do qual real mente têm a capacidade de fazertudo quanto for possível. Não existe nenhum limitenatural ou de qualquer outra ordem para oscomportamentos humanos como nos indica a presente e,cultura dos atentados suicidas, não existe sequer o
  • 36. limite de preservar a própria vida. Deve-se, portanto,considerar apenas como folclore a afirmação de queos instintos caçadores dos homens despertam quandosentemcheiro de sangue, o que os leva a amotinar-se ea agir como matilhas de cães, com a afirmaçãoconvincente de que isto seja até mesmo um dado an-tropológico. Ao contrário, a violência tem formatossociais e históricos específicos e encontra sua 35explicação emcontextos igualmente específicos.D entro d a ideol ogia nacional-socialis ta os m ortic íniostinham significado por se enquad rarem no contexto deque conduziam a um alvo supe rior, a sabe r, auxiliar napurificação racial d a sociedade que deve ria assum ir odom ínio do m undo. A rapidez do desenvolvim ento d astécnicas de genocídio conduziu a um d istanciam ento e àdescarga d a re sponsabilid ade pessoal pe la vio lência -em lu gar de fuzilam entos em m assa, havia um aindustrialização do exte rm ínio; os assass ínios n ão e ramm ais com etidos pe las p róp rias m ãos; ao contrá rio, asm ortes e ram re alizad as por m eio d a técnica e om ane j dos corpos d as ví tim as cabia a grupos oescol hidos entre os p róp rios p risioneiros. D esde ains talação d as c âm aras de g ás e a ap licação doZyklon B com o m eio de exte rm ínio, o p róp rio genocídion ão dependeu m ais do exe rc ício de vio lência d ire ta d aparte dos que o conduziam .O s d ias de re cord ação o ficial e a o rganização dece rim ônias para m ante r viva a lem bran ça doHolocausto s ão sem pre re lacionados à espe ran ça deque se possa ap re nde r com a his tória e que, por m eiodeste conhecim ento his tórico nos p reparem os para queas pessoas se esforcem para "nunca m ais" acontece r oque ocorre u "naque la época". Por que então,pode ríam os ind agar, es te "nunca m ais" sucederia,depois d a existência de tan tos exem pl de que as ospessoas n ão agem por exce ções rad icais dospensam entos hum anitários, m as encontram sentido emagir contrariam ente às te o rias , de finições e conse-qu ências d as conclus ões de cará te r hum an ístico epodem in te grar suas ações dentro de conceitos em queap rend am a confiar - que as pessoas, tud o consid e rado,n ão que rem pe rm anece r dentro dos n íve is de te rm inadospe la in te lig ência e por sua educação hum anitária.Se nos co locarm os d iante do panoram a dos inum eráveisexem pl his tóricos do re s tabe l cim ento d a d isposição os epara o m assacre e d as trans fo rm ações d a vio lência,com o pode rem os deixar de re conhece r que a existênciado Holocaus to som ent aum entou a possibilid ade de tais ecoisas pode rem acontece r novam ente ? Na Ruand a de
  • 37. 1994, a maioria da população achou perfeitamente razoável matar 800.000 tútsis durante umperíodo de três semanas. Não passa de uma superstição moderna que o pavor retrospectivo provocado pelos monumentos e pelas cerimônias vá durar o suficiente, que as pessoas nunca mais acreditem que a morte de outras pessoas seja uma opção em aberto para a solução, quando essas outras pessoas forem percebidas comoum problema. Cada vez menos estamos tratando com a agressão no sentido psicológico, mas sim com a racionalidade do objetivo. Para a solução de problemas, conforme escreveu Hans Albert, o retorno às armas "em muitas ocasiões compensoumelhor do que 13 o emprego de quaisquer outros instrumentos." Em outras palavras: o que podemos realmente aprender com a história? O AQUECIMENTO GLOBAL E AS CATÁSTROFES SOCIAIS No final de agosto de 2005, o furacão Katrina lançou-se em direção ao sudoeste dos Estados Unidos, provocando prejuízos de mais de oitenta milhões de dólares e quase arrasando completamente a cidade de Nova Orleans, Acabara de se apresentar aqui uma catástrofe anunciada: já em outubro de 2001, o cenário da inundação fora previsto pela revista 14 Scientifíc American. Após a ruptura de dois canais, 80% da superfície da cidade foi submerso por 7,60m de água. A pressão da correnteza foi mais além, porque a água não podia ser bombeada e alagou as estradas de acesso, de modo a impedir a entrada de socorros à cidade. O socorro exigido pela catástrofe demonstrou-se muito maior que os recursos imediatamente disponíveis; logo após a inundação começaram os primeiros saques. O estádio Superdome, estabelecido como refúgio imediato para os flagelados pela inundação, demonstrou-se ineficiente, pois em pouco tempo ficou superlotado e logo se desenvolveu em seu interior uma escalada de violência, obrigando as autoridades a declarar estado de guerra, com o consequente estabelecimento da lei marcial. A governadora da Louisiana, Kathleen Blanco, convocou a Guarda Nacional no dia 1º. de setembro para interromper os saques, proclamandoque "E s tas trop as (a Guard a N acional) têm au to rização13Citado apua Heinrich Popitz, Phänomene der Macht [Os fenômenos do Poder], Tübingen, 1986, p. 87. (NA).14Versão alemã em Spektrum der Wissenschaft [O Espectro da Ciência], janeiro de 2002; igualmente em Spektrum derWissenchaft Dossier [Dossiê de O Espectro da Ciência], 2/2005: Die Erde im Treibhaus [A Terra e o Efeito Estufa]. (NA).
  • 38. para atirar e m atar. O s sol ados n ão hesitarão em d 15 faz ê-lo e eu espe ro que o façam ." N a Estação Fe rroviária Central de Nova O rle ans foi o rganizad a um a p ris ão p rovis ória para ce rca de 700 pessoas, onde dem arcaram ce las ce rcad as por corre ntes; para e vitar qualque r te ntativa de fuga a í polcia e a Guard a N acional ce rcaram o local, m as a m edida n ão se re ve lou suficiente . Houve te ntativas de fuga co le tivas , tiro te ios, estupros, lo jas saqueadas, arrom bam entos e tc. P rim eiro um a fo rça de 65.000 sol ados do exército entrou em ação no palco d a d catás tro fe , te n tando pacificar o local d ive rsas ve zes. Es ta tare fa dem onstrou-se d ifícil e acabaram por e vacuar um a parte dos sobre viventes. A enchente n ão tratou tod as as pessoas d a m esm a fo rm a: a m aior parte dos m oradores abas tad os conseguiu fugir, enquanto fo ram p rincipal ente osm pobres, em sua m aioria de ascend ência afro - am e ricana, que pe rm anece ram no local duran te e ap ós a destruição d a cid ade. D o m esm o m odo, os bairros n ão fo ram tod os atingidos com a m esm avio lência. John R. Logan, que te n tou in te rp re tar as consequ ências sociais do fu rac ão Katrina, re gis trou que 45,8% d a parte destru íd a de Nova O rle ans e ra habitad a por afro - am e ricanos; nas zonas que n ão chegaram a se r destru íd as a porcentagem d a população negra e ra apenas de 26,4% . D ados sem e an te s podem se r lh 16 encontrad os nos re lató rios sobre índ ices de pobreza. Enquanto isso, a cidade foi destruída em escala tal, que chegou a ser sugerido que não fosse reconstruída. A partir dessa catástrofe, surgiu o conceito de refugiados climáticos, para indicar a fuga de pessoas devido a eventos atmosféricos. Duzentos e cinquenta mil dos antigos residentes de Nova Orleans não retornaram à cidade após sua evacuação e se estabeleceram em outras partes do país. No ano seguinte ao furacão, cerca de um terço dos residentes brancos não havia retornado; mas três quartos dos moradores afro-americanos tampouco voltaram, de tal modo que, após a catástrofe, apresentou-se uma estrutura populacional diferenciada da anterior. Deste modo, como efeito da catástrofe, a cidade não somente15Consulte http://www.forumcivique.org/ index.php?lang=DE&site=ARCHIPEL&sub_a=ARCHI_ 131 &article =731.(NA).16Veja John R. Logan, The Impact of Katrina: Race and Class in Storm-Damaged Neighborhoods [O impacto doKatrina: Raça e classes sociais nos bairros danificados pela tempestade], Brown University, 2006, disponível nositehttp://www.s4.brown.edu/katrina/report.pdf. (NA).
  • 39. passou a te r um a nova es tru tu ra social, com o tam b ém 17 um a nova geografia polí tica. Aquilo a que as pessoas habitualmente se referem como uma catástrofe natural, como por exemplo, uma inundação consequente de um evento atmosférico extremo, é demonstrado perfeitamente e em todas as suas facetas pelo exemplo de Nova Orleans como sendo algo completamente diferente: a ignorância do perigo da enchente até o deflagrar da catástrofe se demonstrar de forma inteiramente suficiente, a extensa e quase inexorável anarquia, que só foi controlada por reações extremas das forças de segurança, a desigualdade social perante as consequências do furacão, a justificativa da criação de uma categoria completamente nova de refugiados e a nova democracia social da cidade apresentam as características conjuntas de um evento que pode ser, com toda a justiça, denominado de Catástrofe social. Realmente, o conceito de "catástrofe natural" constitui uma leviandade semântica - porque a natureza não é sua causadora, nem está sujeita a ela e, portanto, não sofre qualquer catástrofe em si mesma. Mas é inegável que ela pode produzir eventos que sejam catastróficos para as pessoas e que, de tal modo, tenham consequências de caráter social que ultrapassem completamente suas expectativas e capacidade de reação. O exemplo de Nova Orleans serve como pano de fundo para comprovar duas delas: a primeira é que nos dá um embasamento para afirmar que as modificações climáticas que se aproximam provocarão acontecimentos atmosféricos extremados progressivamente mais fortes; isto significa que, durante os próximos anos e décadas, fenômenos semelhantes tornarão a ocorrer em outras cidades localizadas em regiões costeiras e pode-se prever que o combate à catástrofe, em geral, não venha a ser muito melhor do que o ocorrido em Nova Orleans, onde falhou de uma forma tão espetacular. A circunstância de que a sociedade mais rica da Terra, em vista da extensão de uma catástrofe assim abrangente, achou necessário pedir auxílio ao exterior, nos assinala perfeitamente que as catástrofes que virão a ocorrer em um futuro muito breve encontrarão claramente uma diminuição dos abastecimentos de socorro, acrescida17Veja John R. Logan: Unnatural Disaster: Social Impacts and Policy Choices after Katrina [Desastres anti-naturais:Impactos sociais e escolhas políticas após o Katrina], publicado em Karl-Siegbert Rehberg (editor), Die Natur derGesellschaft. Verhandlungen des 33. Kongresses der Deutschen Gesellschaft für Soziologie in Kassel [A natureza dasociedade. Atas do 33°. Congresso da Sociedade Sociológica Alemã em Kassel], 2006, Frankfurt am Main (no prelo [sic]).(NA).
  • 40. pe las d ificu l ades de transporte e de re posição, um d fato r que, dentro d as circunstâncias norm ais, te ria pe rm anecido im pe rceptíve l. E existe aind a o segundo aspecto pe la dem onstração do qual o caso de Nova O rle ans deve despertar nosso inte resse. As catás tro fe s sociais desnudam o cen ário do palco em que se ins tala a sociedade, dem onstram abe rtam ente quais s ão, em seu con j unto, suas fun ções e d isfun ções, que an te rio rm ente pe rm aneciam ocu ltas ; ab rem jane las para o subm undo d a sociedade e dem onstram clara m ente com o esse estrato social é contro lad o em seu funcionam ento exte rno pe las condições d a norm alid ade. Tam b ém assinalam as desigual ades entre as condições d a vid a e d a subvid a, d enquanto o funcionam ento norm al d as ins tituições o im pediam , e separava em com partim entos estanques os bairros abastad os dos se tores ocupados pe los ope rários, que se to rnavam assim m enos vis íve is; descobriu igual ente as fraquezas d a adm inistração, m já exis tentes an te rio rm ente , em bora n ão fossem expostas às claras e dem onstrou aind a a d is- ponibilid ade sem pre p resente do re cu rso à vio lência com o op ção de contro le . Tudo isso se viu claram ente em um único m om ento de abandono do cam inho seguido habitual ente pe las fo rm as de com portam ento; m esm o m pe rcebendo, ao m enos pe lo que foi dem onstrad o em Nova O rle ans, que com parativam ente , nem fo ram tan tas as m ortes, 18 nem tão grande a destruição ocasionad as por e la. Uma reflexão ampla sobre as catástrofes sociais também nos fornece informações consideravelmente melhores sobre a maneira como as sociedades realmente funcionam, segundo a hipótese de que os casos normais dão informações sobre seu próprio caráter. Em presença de catástrofes, não se apresenta um estado de exceção dos procedimentos18 11 Naomi Klein descreveu um aspecto das catástrofes sociais que até então não havia sido observado: os desastrespodem também ser uma oportunidade para modificar as disposições da estrutura social, que nas condições sociais danormalidade não se deixa transformar facilmente. A destruição de Nova Orleans deu margem para um amplo processo deprivatização do sistema escolar - em lugar das 131 escolas públicas existentes antes da inundação, permanecem hoje apenasquatro; em vez das sete escolas particulares anteriores, existem agora 31 das assim chamadas Charter Schools [Escolas deFuncionamento Autorizado por Decreto]. Veja Naomi Klein, Die Schock-Strategie. Der Aufstieg des Katastrophen-Kapitalismus [Estratégia de Choque: A ascensão do capitalismo das catástrofes], Frankfurt am Main, 2007, p. 16. Emcontradição, John R. Logan relata a reabertura de 54 escolas públicas ainda no outono de 2006. Veja John R. Logan:Unnatural Disaster: Social Impacts and Policy Choices after Katrina [Desastres antinaturais: Impactos sociais e escolhaspolíticas após o Katrina], publicado em Karl-Siegbert Rehberg (editor), Die Natur der Gesellschaß. Verhandlungen des 33.Kongresses der Deutschen Gesellschaft für Soziologie in Kassel [A natureza da sociedade. Atas do 33°. Congresso daSociedade Sociológica Alemã em Kassel], 2006, Frankfurt am Main, p. 464. Finalmente, os planejadores sob as ordens deAlbert Speer durante a Segunda Guerra Mundial não encaravam os bombardeios aliados das cidades alemãs apenas comdesagrado, mas os percebiam como justificativa, sem a qual a reconstrução de cidades novas não seria possível no pós-guerra, salvo por extensos trabalhos de demolição. Deste modo, as catástrofes também apresentam aspectos positivos paraquem sabe se aproveitar deles. O exemplo da equipe de Speer assinala que o capitalismo global realmente não precisa criarnovas estratégias, conforme afirma Naomi Klein. (NA).
  • 41. norm ais de um a socieda m as exclusivam ente um a de, d im ens ão de sua existência que pe rm anece escondida em sua vivência quotid iana. A partir deste alice rce , n ão se deve pesquisar o que d á19solidez às sociedades, m as aquilo que as le va à ru ína. As variações climáticas conduzirão a uma acumulação de catástrofes sociais, que terão influência temporária ou permanente sobre a formação das sociedades, sobre a qual nada se sabe, porque, até o presente, tal influência nem ao menos despertou um certo grau de interesse. As ciências sociais e 20 culturais estão concentradas na normalidade e permanecem cegas às catástrofes. Conforme revela qualquer olhar sobre a história 21 cultural da natureza, as transformações climáticas necessariamente se oporão às ciências sociais e culturais. Com efeito, as transformações sociais que se apresentam no presente - desde a guerra climática de Darfur até o encolhimento do espaço de sobrevivência dos Inuit (esquimós) - terão uma influência clara e surpreendente sobre o alcance das teorias do conteúdo e da abrangência das ciências culturais e é mais do que tempo para tais ciências se modernizarem, saírem do mundo do discurso e dos sistemas e retornarem ao da estratégia, a fim de procurar meios sociais para a defesa de suas próprias existências. Isto porque uma parte considerável dos povos do mundo, em futuro próximo, encontrará dificuldades cada vez maiores através da mencionada expansão dos desertos, do progressivo aumento das exigências sobre a fertilidade do solo e sua consequente erosão, que irão diminuir cada vez mais suas possibilidades de sobrevivência em muitas regiões, acrescidas do aumento excessivo da acidez das águas19 Veja Elke M. Geenen, Kollektive Krisen, Katastrophe, Terror, Revolution - Gemeinsamkeiten und Unterschiede [Crisecoletiva, catástrofe, terror e revolução - Semelhanças e Diferenças], publicado em Lars Clausen etalii (editores),Entsetzliche soziale Prozesse [Os espantosos processos sociais], Münster, 2003, pp. 5-24. As sociedades se tornam, porexemplo, tanto mais ofensivas quanto mais complexas se tornam: os indivíduos, os grupos sociais, as empresas e ospolíticos apresentam horizontes de planejamento diversificados, conforme escreveu Lars Clausen, dos quais poderãoresultar não somente conflitos, mas também amplas sensações de insegurança e distanciamento. (Veja Lars Clausen, RealeGefahren und katastrophensoziologische Theorie [Perigos reais e a teoria das catástrofes sociais], publicado em LarsClausen et alii (editores), Entsetzliche soziale Prozesse [Os espantosos processos sociais], Münster, 2003, pp. 51-76,especificamente na página 58.) (NA).20Deste modo, fica perfeitamente claro como é espantoso terem sido feitas tão poucas pesquisas sobre o submundo dafachada de normalidade social, do mesmo modo que sobre o quadro escondido por detrás do quadro que a sociedade mostrade si mesma. A prostituição, a economia do crime, a cultura da violência etc., são os filhos desprezados pelas pesquisassociológicas. (NA).21Veja Joachim Radkau: Natur und Macht. Eine Weltgeschichte der Umwelt. [A natureza e o poder: História mundial domeio ambiente], München, 2000; Josef H. Reicholf: Eine kurze Naturgeschichte des letzten Jahrtausends [História naturalabreviada do último milênio], Frankfurt am Main, 2007; e Jared Diamond: Arm und Reich. Die Schicksale menschlicherGesellschaften [Pobres e Ricos: O destino das sociedades humanas], Frankfurt am Main, 2006. (NA).
  • 42. oce ânicas, d a pesca p red atória, d a po luição dos rios e do encol ento dos lagos. him E nad a d isso se rá consequ ência de catás tro fe s natu rais , porque as raz ões desses p rocessos s ão basicam ente an tropogênicas, ou se j causad as por a, se res hum anos. E , de qualque r m odo, suas consequ ências se rão sociais. E las se m anifes tarão por m eio de conflitos entre aque l que estarão em busca es de re cu rsos escassos, os quais te rão de abandonar as re giões to rnad as inabitáve is e p rocu rar estabe l r- ece se em ou tras , e os habitan tes d as áre as onde tais re cu rsos aind a exis tam . O u e las se m anifestarão em destruições fu tu ras , com o o descuid o m anifes tad o em ce rtas re giões industriais europ éias já deu m argem ao envenenam ento am biental pe la poluição, fazendo com que a incid ência de c ânce r te nha aum entado de m odo a faze r com que a expectativa de vid a, em re fe rid as áre as, te nha22 im inu ído desde a d écad a de 1 990 de 64 d para 51 anos. A partir do cenário de todas as consequências sociais palpáveis das surpreendentes transformações climáticas e ambientais com que temos de lidar no presente, quase todas as discussões científicas sobre estudos das ciências naturais que tratam dos fenômenos e resultados das variações climáticas es- tão sendo forçadas a calcular prognósticos e novos modelos - enquanto no campo das ciências sociais e culturais domina o silêncio, a um ponto em que fenômenos como a derrocada de sociedades, os conflitos por recursos naturais, as migrações maciças, as ameaças à segurança, o ódio, a radicalização e as economias de guerra ou da violência etc., vêm sendo descartados como estando além do alcance de sua competência. Incontestavelmente, a história da ciência nunca nos apresentou uma situação semelhante à presente, em que, com evidências científicas, os cenários prognosticados para amplas regiões do mundo, indicativos de amplas modificações nas condições de vida, venham sendo encarados com uma indiferença tão estóica. Isto assinala uma falha na capacidade de discernimento do mesmo modo que em sua consciência de responsabilidade. Subcomplexidade A responsabilidade causada por esse desinteresse irá recair sobre os estudiosos das ciências físicas e22Veja Fred Pearce: Wenn die Flüsse versiegen [Quando os rios secam], München 2007, p. 275. (NA).
  • 43. natu rais , que e videntem ente n ão s ão nem com pet te s, en nem têm au to rid ade para m edir as d im ens ões sociais d as variações clim áticas. Na ve rd ade, n ão é que se j am incapazes de descre ve r suas consequ ências sociais, pois os cientis tas fís icos re al ente s ão adm irave l ente m m confi áve is no que se re fe re ao c á lcu lo de m edidas com pl exas, m as n ão estão p reparad os para o estudo dos p rocessos de constru ção do desenvolvim ento ad otad os pe los se res hum anos. Tam pouco é sua fun ção descre ve r os variad os m odel cu ltu rais , parâm e tros os de re fe rência e pad rões de significado socio-cu ltu rais necess ários para a pe rcep ção dos p rob lem as e e laboração de poss íve is solu ções - cam pos para os quais n ão têm a m enor p reparação p ro fissional e cu j a com preens ão ningu ém pode espe rar de l es. Tod avia, com o m em bros d a sociedade, e l ap resentam um a es consciência ge ral dos p rob lem as sociais e de suas poss íveis solu ções que, via de re gra, nos cap ítu los finais de seus livros ap resentam conside rações á solicitam ente p ro fund as e m esm o inve j ve is sobre sua p reocupação com o co lapso de sociedades, o estre itam ento dos rios, o de rre tim ento d as calo tas polare s e tc. - a sabe r, quando se fazem as ind agações sobre o que se faz agora, é poss íve l a enum eração de tod os os fatos apocalíp ticos do que aind a pode rá se r fe ito. Is to n ão significa que o pensam ento dos cientis tas fís icos e te cno lógicos, via de re gra, se j ind ife rente a ao que a situação atu al d a hum anidade possa p roduzir, no sentido de que nad a m ais possa se r fe ito em contrá rio; em sua m aioria, e les ap resentam adm oestações no sentido de que d ife rentes fo rm as de com portam ento, com o a racionalid ade co le tiva e a irracionalid ade ind ividual (e sua inve rs ão) se acham intim am ente ligad as; com o podem inte rvir os sentim entos sobre os p rop ósitos de ação racional, com o se fo rm am os comportam entos sociais, sem que nenhum dos participan tes pe rceba seu sentido e com o se m anifes ta a participação sem re sis tência dos acontecim entos, d ando m argem novam ente ao surgim ento de novos p rob l as com portam entais. em É por isso que se to rna irritan te a le itu ra 24 livros 23 de com o os de Tim F lanne ry, Fred Pearce e Jill23 Tim Flannery, Wir Wettermacher. Wie die Menschen das Klima verändern und was das für unser Leben auf der Erdebedeutet [Nós, os formadores do tempo. Como as pessoas modificam o clima e o que isto significa para nossa vida sobre aTerra], Frankfurt am Main, 2006. (NA).24 Fred Pearce: Wenn die Flüsse versiegen [Quando os rios secam], München 2007, p. 45. (NA).
  • 44. 25 Jäger, em que se revela um contraste claro entre a agudeza das análises e a fragilidade das propostas de solução dos problemas. Quando, por exemplo, Tim Flannery, no final de seu estudo desmoralizador, recomenda a compra de um carro menor e que, em nossas atividades domésticas, se empregue a antiga verruma manual em vez da furadeira elétrica, suas soluções são subcomplexas e de modo algum alcançam as dimensões dos problemas anteriormente descritos. Mas isso não pode ser criticado, porque realmente Flannery está interessado na dimensão profissional dos aspectos físicos do problema e não tem nada a ver com suas dimensões sociais. As modificações climáticas, de acordo com o estudo de Flannery, pars pro toto, isto é, tomando a parte pelo todo, são estudadas em sua gênese e conforme a projeção de seus desenvolvi- mentos futuros sob o ponto de vista das ciências físicas, mas não se referem a suas consequências do ponto de vista das ciências sociais e culturais, ainda que tais consequências sejam principalmente sociais e culturais. Q uem som os "n ós "? Aind a pe rm anece um ou tro exem pl por e lucid ar. o Ningu ém em prega m ais a p rim eira pessoa do p lu ral na exposição de seus argum entos do que os neuro- cientis tas , em suas obras d id áticas pub licad as em to rno d as variações clim áticas ou sobre ou tros p rob lem as am bientais d a atu alid ade. E les escre vem : "N ós " p rovocam os is to ou aquilo, "n ós " confrontam os es te ou aque l p rob lem a, "n ós " p re cisam os parar de faze r is to e ou aquilo, para que o "nosso" p lane ta possa se r salvo. Mas ningu ém sabe o que está por trás deste "n ós ". Em um a p rim eira acep ção, o te rm o "n ós " re p resenta claram ente a hum a ade, m as a "hum anid ade" n ão é nid nenhum ato r, porém um a abs tração. Na re alid ade, e la é com posta por ind ivíduos contad os em bilh ões, os quais, a partir de seus substratos cu ltu rais m uito d ife renciados, com suas possibilid ades m uito d ive rsas de desenvolvim ento e com seus d ife rentes re cu rsos de pode r polí tico, agem dentro de com unidades de sobre vivência com pl exas. Entre o p residente d a d ire to ria de um a em presa m ultinacional fo rne cedora de ene rgia, que está constan tem ente em busca de novas fon tes de m atéria-p rim a e um a cam ponesa do inte rio r d a China25 Jill Jäger, Was verträgt unsere Erde noch? [O que nossa Terra ainda suporta?], Frankfurt am Main, 2007. (NA).
  • 45. n ão existe nenhum "n ós " social que possa se r concre tam ente localizad o; am bos vivem em m undos sociais to talm ente d ive rsos e com exigências bas tan te d ife rentes e , acim a de tud o, os dois raciocinam de fo rm a com pl tam ente d ife rente . E esse p residente d a d ire to ria e de um a em presa m ultinacional com partilh a de um fu tu ro na p rim eira pessoa do p lu ral com seus p róp rios ne tos? Mais aind a, te rá algum a coisa em com um com os ne tos d a cam ponesa chinesa? Ind iscutive l ente n ão, m quanto m ais com a re alid ade social vivenciad a aind a ho j por um a crian ça re fugiad a em D arfu r ou pe los e Muhaj eddin do Afe ganis tão ou m esm o por um a m enina alb anesa que se p ros titui nas ru as de Tirana. O em prego do p ronom e "n ós " p resum e um a pe rcep ção co le tiva d a re alid ade, que sim pl ent n ão existe , esm e particu larm ente dentro do contexto de p rob lem as globais com o o aquecim ento m undial. Em d ife rentes parte s do m undo, as pessoas sofre rão as suas consequ ências de fo rm as altam ente d ife renciad as e , enquanto para algum as e las despertam um a p reocupação d ifusa e d is tan te com o fu tu ro abas te cim ento de seus ne tos, os filh os de ou tras já estão m orrendo de fom e ago ra. O u quando "tod os n ós ", is to é, o le ito r ou le ito ra deste livro e eu m esm o, de te rm inam os vive r am anh ã em um am biente de "c lim a neutro ", em que n ão p roduzirem os m ais em iss ões de d ióxido de carbono além d as que sejam absol tam ente u necess árias para a m anuten ção d a vid a, som os sabotad ospor um ou tro "n ós ", confo rm e declarou o funcion ário chin ês in te ressado no abas te cim ento de ene rgia, a "nossa" p reocupação é com cad a de talhe d a necessid ade de acre scentar sem anal ente à rede m e lé trica m il m egawatts p roduzidos por usinas te rm oe létricas alim entad as a carvão, que em item 30.000 tone lad as de d ió26 de carbono d iariam ente xido pe la queim adesse carvão. A indolência política deste "nós" abstrato ignora a influência soberana do poder e de seus efeitos e muito menos controla os posicionamentos ideológicos resultantes. Cientificamente, uma descrição do mundo na primeira pessoa do plural não somente é impossível, conforme demonstra indubitavelmente a história cultural da natureza, como assinala as diferenças26Klaus-Dieter Frankenberger, Chinas Hunger nach Energie [A fome de energia da China], publicado pelo jornalFrankfurter Allgemeine Zeitung, edição de 27 de março de 2007, p. 12. (NA). Jared Diamond: Arm und Reich. DieSchicksaie menschlicher Geseüschaften [Pobres e Ricos: O destino das sociedades humanas], Frankfurt am Main, 2006.(NA).
  • 46. radicais das necessidades de sobrevivência nas 27 diferentes regiões da Terra. Os velhos problemas ambientais D esde o s écu lo 1 7 já n ão foi m ais poss íve l a m anuten ção significativa de um to tal isolam ento, p rincipal ente com a destruição p rovocad a nas m flo re s tas rem anescentes. As grandes fogueiras passaram a se r acesas do ou tro lad o do O ceano. N ão é por acaso que o B rasil, com suas te rras quase incalcu láve is, deve seu nom e à palavra francesa para "carvão ve ge tal" - W .G . Sebal , O s An éis de S atu rno:" d As m odificações do clim a n ão ap resentam som ente um e fe ito de agravam ento d as atu ais assim etrias globais, cu j consequ ências podem se r vis tas nos conflitos as vio le n tos e nas gue rras; e las tam b ém agravam os e fe itos d as m ud an ças am bientais que n ão têm nad a a ve r com as causas d as p róp rias variações clim áticas. A opinião p re vale cente no debate atu al é que tem os de enfre ntar osp rob lem as am bientais que se agravam p rogressivam ente e ap resentam a te nd ência de co locar em pe rigo nossa p róp ria exis tência de um a m aneira inovadora. Mesm o que o m ovim ento ecológico já te nha m ais de três d écad as e encontre seus p re cursores desde o Rom antism o, os ve lhos tem as do m ovim ento am biental - poluição dos m ares, envenenam ento do solo, a com pl ade d as esp écies em extin ção, a queim a d as exid flo re s tas tropicais, o encol ento dos rios, a him re tração dos m ares in te rio res - p resentem ente n ão despertam m ais qualque r in te resse, com a poss íve l exce ção do debate sobre a ene rgia nucl ar e m esm o e este sem o entusiasm o que o re ves tia durante as d écad as de 1 970 e 1 980. Isso é extrem am ente irritan te , porque a lógica d a explo ração dos com- bustíve is fósseis para a p rodu ção de ene rgia é a27A interpretação mais comum é que seja o nome do pau-brasil, que não era absolutamente usado para fazer carvão, mascomo madeira-de-lei, da qual também se extraía um corante vermelho. Segundo Vicente Tapajós, o Brasil já era visitadodesde os tempos dos fenícios, egípcios e hebreus, em busca dessa madeira, além de ouro, animais, aves etc. O mesmo autorlista mais de uma dezena de nomes, oscilando entre "braddash" e "bersino" pelo qual a "grande ilha" era conhecida pelosnavegadores europeus e levantinos, documentando a presença de normandos, venezianos e portugueses no Brasil séculosantes do descobrimento; contudo, é possível que os resíduos da madeira fossem transformados em carvão ou usados deoutro modo como combustível, mas este seria apenas um emprego colateral. (NT).
  • 47. causa tan to dos ve lhos com o dos novos p rob lem as que 28 vêm surgindo. D e qualque r m odo, os alvos fo rm u lad os pe lo P ro toco lo de Q uioto, ratifi cad o por num erosos países, no sentido de que, a partir de 201 2 a em iss ão de gases se j a re duzida pe la in trod u ção de um novo sis tem a, dem onstrave l ente n ão se rão atingidos, o que fica bem m claro pe la sim pl obse rvação do pape l que os Estados es Unidos ou a China exe rcem por m eio sua constante re cusa a se subm et rem a e re gu lam entos supranacionais. Q ualque r que se j o tem a clássico do m ovim ento a am bientalis ta que se aborde - a destruição d a te rra aráve l através d a constru ção desordenada e d a u rbanização, o n úm e ro crescente de ve ícu los ind ividuais, o constan te aum ento global d a em iss ão de gases po luentes que causam o e fe ito es tu fa, a poluição crescente dos oceanos, a de form ação dos re c ém - nascidos em te rritó rios p re j icados, com o a zona em ud re d or do Mar de Arai, na C onfede ração de Estados Independent [e x-União S oviética] e tc. - além de tod os es os ou tros p rob lem as p re viam ente exis tentes que fo ram agravad os pe la globalização, a consciência d iária pare ce te r-se afas tad o de l Aqui n ão é o lu gar es. para re fe rir as horripilan te s falh as do desenvolvim ento e seus e fe itos sobre as á re as am bientais, especial ente nos países do an tigo B loco m 29 O riental, m as tam b ém nos Estados Unidos, porém somos forçados a lembrar que as medidas ecológicas de controle adotadas por alguns dos estados da Confederação Norte-Americana, como a Califórnia ou por certos países europeus, como a Alemanha e a Áustria provocaram efeitos exclusivamente localizados, mas não têm condições de causar qualquer transformação sobre a poluição ambiental global, nem sobre o rumo de progressão da crescente exploração de recursos. O que principalmente se modificou durante as últimas três décadas foi a consciência do problema e não o próprio problema. Surge a pergunta: como28A preocupação com o aquecimento climático global, aliás, não é recente. Faz duas décadas que avisos neste sentidovêm sendo claramente apresentados, e o fenômeno dos gases que provocam o assim chamado "efeito estufa" vem sendo otema de explanações ainda mais antigas. Na "economia da atenção", segundo o termo cunhado por Georg Franck comreferência aos problemas ambientais, mencionam-se também conjunturas semelhantes e a distribuição desigual, do mesmomodo que em outros campos econômicos. (NA). A indústria petroleira mundial queima conjuntamente entre 150 e 170bilhões de metros cúbicos de gás natural por ano, a mesma quantidade consumida pela Alemanha e pela Itália no mesmoperíodo (veja Anselm Walder-mann: Profitdenken schlãgt Umweltschutz [Abusca de lucros derrota a defesa ambiental],publicado na revista29Spiegel-online, 6 de setembro de 2007, em http://ww.spiegel.de/wirtschaft/0,1518,504278,00.htrnl). (NA).
  • 48. modificações comportamentais importantes devem ser motivadas, quando os problemas ambientais parecem tão insuperáveis, como o demonstra o caso do aquecimento global? A possibilidade de controle do problema é claramente pequena e psicologicamente sempre foram as dificuldades que a acompanham que fazem igualmente diminuir a motivação das pessoas para modificar seu comportamento, quando as possibilidade de solução parecem tão questionáveis. Aqui aparece uma situação de modo algum negligenciável, ou seja, a de que a população mundial, de acordo comas previsões, já na metade do século 21 30 alcançará os nove bilhões de pessoas, e isso significa ser necessário responder ao fato inegável de que haverá cada vez menor quantidade de recursos para um crescimento populacional cada vez maior. Para os problemas ligados a este fenômeno existem presentemente tão poucas soluções como para as desigualdades e injustiças sociais de caráter global. Uma vez que todas as variações climáticas são antropogênicas, em sua maioria causadas pela exploração irreversível de recursos e pela destruição duradoura dos espaços vitais de sobrevivência, e seus efeitos sobre o crescimento populacional são problemas sociais - como, em última análise, são todos os problemas chamados de ecológicos, do mesmo modo as condições de sobrevivência dos seres humanos pertencem ao âmbito social e somente assim podem ser percebidas. Quando se vê a diminuição constante no número e quantidade das espécies que habitam os lagos, rios e mares, as florestas tropicais e as sava- nas, isso não é absolutamente um problema natural, a natureza não pode absolutamente ser culpada se o número de seus ursos polares e gorilas ou das medusas e algas marinhas diminui. As plantas e animais não têm a menor consciência disso, apenas percebem que seu espaço de sobrevivência encolhe e que morrem por causa disso. Os problemas ecológicos somente são registrados em fun ção d a sobre vivência de com unidades hum anas, porque as pessoas, d ife re ntem ente dos dem ais se res vivos, n ão têm consciência apenas do passado, m as tam b ém de seu fu tu ro. S om ent aqui se encontra e um a fraca espe ran ça de que sua raz ão, causadora desta situação, tam b ém possa pensar sobre a fo rm a de30Veja Rainer Münz: Weltbevölkerung und weltweite Migration [A população terrestre e as migrações mundiais],publicado por Ernst Peter Fischer e Klaus Wiegand (editores) em Die Zukunft der Erde [O futuro da Terra], Frankfurt amMain, 2006, p. 111. No final deste século, teremos de contar com dez a onze bilhões de pessoas, enquanto os recursosnaturais disponíveis se tornarão cada vez menores. (findem, p. 112). (NA).
  • 49. resolvê-la, antes que, no futuro, nada mais possa serfeito.
  • 50. E VO LU ÇÃO D AS EMISSÕ ESD E G AS ES PRO VOC ADORESD OEFEITO ESTUFAEM PO RCENTAGENS (C om paração entre 2005 e 1 990).* ALVOS DE QUIOTO: o que deveria ser e o que realmente é. > Grã- < o Bretanha 0 alvo do Protocolo de (Moto para o C/l Q, ít> período de 2008/2012 é a Bulgária: proscrição do aumento de emissões O ç até o ano de 2012 (em o porcentagens baseadas em 1990). Õ Evolução das emissões de dióxido de carbono no ano de 2005 em comparação com 1990 (porcentagens). * Fonte: UNFCCC [Convenção sobre
  • 51. VARIAÇÕESCLIMÁTICAS UMA RÁPIDA VISÃOGERALPara estudar os problemas das consequências sociais e daviolência que poderão resultar das variações climáticasnão é de cisivo calcular quantos graus subirá em média atemperatura nas próximas décadas ou de quantoscentímetros se elevarão as superfícies dos oceanos. Estescálculos já foram feitos e, provavelmente, serãoreforçados pelas variações climáticas, ampliados oulimitados na medida em que oscilarem as dimensões e osdramas provocados pelas transformações climáticas. Aindamenos produtivo para a temática das consequências daviolência é o debate sobre se as variações climáticaspresentes são antropogênicas, isto é, criadas pelos sereshumanosou se são oscilações naturais do clima, encontradascomfrequência na história pregressa de nossoplaneta.Em minha condição de sociólogo, eu me apoio principalmentenos relató rios do Intergovernmental Panel on ClimateChange (IPCC ou Painel Intergovernamental sobre asMudanças Climáticas), para a explicação do que está porvir, uma organização cujas publicações constituemumfiltrode debates políticos pluralísticos, cujas conclusões nãopodem ser tidas como exageradas. Seus procedimentos nãobuscam somente, como se sabe, a verdade científica, masgiram em torno de interesses - por exemplo, quaiscompromissos em quais condições podem ser assumidos comoalvo para cada país. A avaliaçãomais conservadora a quese pode chegar como resultado final destes proces sos deacordos políticos, é que alguns dos cientistas participantes,de ambos os sexos, foram levados à beira do auto-repúdio.Isto porque os atores políticos se defenderampreventivamente de assumir compromissos e evitaramprometer quaisquer modificações comportamentais quepudessemser recomendadas pelas análises como resultado desua indubitável orientação para a imposição de umlimite e seopuseram às conclusões, mesmo que estas não contivessemnada de especulativo.Nesta discussão pública, aliás, passa despercebido pelamaioria que os relatórios do IPCC apenas em pequena parteargumentam com base em modelos, prognósticos e hipóteses,mas principalmente se alicerçam emevidências científicas jámensuradas sobre o aumento da temperatura mundial, oerguimento da superfície dos oceanos ou a dimensão doderretimento das geleiras. O fato de que estes relatóriosempíricos se referem mais aos dados passados e presen do tesque ao futuro e deixam em aberto exclusivamente para o
  • 52. fu tu ro d is tan te um grande espaço de m anobra para asexpectativas , m as n ão tratam de fo rm a sem el hante o fu tu rop róxim o. Na m aior parte d as re giões do m undo já afe tad as,as consequ ências d as variações clim áticas n ão som ent s ão efe n ôm enos d iariam ente pe rceptíve is, com o n ão dependem dosínd ices re su ltan te s dos m étodos de c álcu lo e d as conclus õesde oce an ólogos, m eteoro logis tas e pale o-biólogos. Is to que rd ize r que os aspectos e e fe itos essenciais d as m udanças cli -m áticas já s ão tão am pl que ho j em d ia já podem se r os, eclaram ente avis tad os?O re lató rio pub licado pe lo IPCC em fe ve re iro de 2007ap resentou um a p robabilid ade de 90% de que as variaçõesclim áticas p resentem ent obse r as fossem o re su ltad o d as e vadativid ades dos se res hum anos, essencial ente pe la em iss ão mconstan te dos assim cham ados "gases p rovad ores do e fe itoestu fa", desde o in ício do p rocesso de industrialização. Entree l se destacam , por seu e fe ito re le van te sobre o clim a, as esem iss ões de d ióxido de carbono p rovocad as pe la queim a decarvão e a u tilização de com bustveis fósseis para a íind ústria e o transporte , enquanto o m e tano e o m onóxido decarbono e ram em itidos pe los agro tóxicos, m as ho j em d ia, ep rincipal ente s ão p ro duzidos pe los anim ais m ultip licad os mpe la pecu ária. Es tudos científicos dem onstram que aconcentração de d ióxido de carbono e de m etano naatm osfe ra te rre s tre é m ais alta ho j em d ia que em qualque r eou tro pe ríodo nos ú ltim os 650.000 anos.O aquecim ento do sis tem a clim ático global, segundo escre vemseus auto re s, de riva sem a m enor d úvid a de seu e fe itocon j unto e se m anifesta pe lo aum ento constante d astem pe ratu ras d a atm osfe ra e dos oceanos, do de rretim entod as ge l iras e do pe rm afros t d as tund ras, do m esm om odo que epe la subida constan te do n íve l dos m ares. A tem pe ratu ram édia global vem sendo m edida desde 1 850; os onze anos 31 aismquentes se localizam no pe ríodo de 1 995 a 2006. Atemperatura dos 32 oceanos já aumentou até a profundidade detrês mil metros. O erguimento da superfície oceânica é oefeito cumulativo das variações climáticas, porque o volumeda água aumenta com a elevação da temperatura, e oderretimento das calotas polares e das geleiras provoca oaquecimento das massas aquáticas. Esta é uma das maissimples interações dos efeitos do aquecimento mundial; mas acircunstância de que existem ainda muitos outros processosinterdependentes que contribuem para a autoamplificaçãodestes efeitos torna inseguros os prognósticos a respeito de31 Conforme Rainer Münz: Weltbevólkerung und weltweite Migration [A população terrestre e as migrações mundiais],publicado por Ernst Peter Fischer e Klaus Wiegand (editores) em Die Zukunft der Erde [O futuro da Terra], Frankfurt amMain, 2006, p. 6. (NA).32 Ibidem, p. 7. (NA).
  • 53. novos e m ais am pl desenvolvim entos sis tem áticos. Contudo, osas consequ ências já obse rvad as d as variações clim áticasassinalam no p resente o desl ocam ento d as áre as de chuva ede sua fre qu ência, um im ediato aum ento d as zonas des érticase a m ultip licação do surgim ento de condições clim áticasextrem as, com o pe ríodos de frio in tenso, tem pestades, chuvasto rre nciais e tc. ocorre ndo em re giões nas quais, até o 33p resente , es tes fe n ôm enos n ão se ap resentavam .A última vez em que as temperaturas observadas nasregiões polares foram mais elevadas que as de hoje, foi há125.000 anos. Se as atuais emissões de gases continuarem, osrelatórios do IPCC calculam um amento da temperaturamédia terrestre da ordem de 0,2 graus centígrados até ofinal da década presente. No caso de as emissões contínuasserem incrementadas, o aumento da temperatura mundialserá ainda mais alto. Os diferentes cenários calculados paraa média de emissões, calculados a partir dos dados atuais,nos dão um limite mínimo de aumento médio da temperatura daordem de 1,1 °C até o final do século e um limite superior deelevação média de até 6,4 °C ao redor do planeta. Isto nãorepresenta nenhuma diferença gradual, mas um desnível queafetará todas as formas de vida. A superfície dos mares eoceanos ter-se-á elevado entre 18 e 59 centímetros até ofinal do século.O futuro nos traz um derretimento progressivo das calotasde gelo polar e das geleiras, além do degelo do permafrost,os tufões e furacões serão cadavez m ais fre quentes, e come l a possibilid ade do desl es ocam ento d as m ais im portan te sp re cipitações p luviom étricas para o norte e para o su l emde trim ento d as re giões centrais e os e fe itos con j untos d asinte rações destes p rocessos p rovave l ente34 causarão mm odificações no traje to d as corre n tes m arinhas. Mesmo queainda não se disponha de dados exatos neste sentido paraprever em detalhes o que sucederá, é evidente por si mesmoque todos estes processos terão amplos efeitos sobre o mundoanimal e vegetal e, consequentemente, sobre a alimentaçãoe as possibilidades de sobrevivência dos seres humanos.Os resultados publicados pelo IPCC em abril de 2007 arespeito das esperadas consequências sociais do aquecimentoglobal se baseiam sobre as seguintes condições: as variaçõesclimáticas apresentam desenvolvimentos altamentediferenciados de acordo com as diversas regiões; suasconsequências sociais não dependem, todavia, apenas destascondições, mas igualmente do grau em que a capacidade deviolência será empregada nessa ocasião. Além disso, emregiões como a Europa setentrional, os altos padrões de33 " Ibidem, p. 8. (NA). !34Ibidem, p. 16. (NA).
  • 54. vid a, a boa alim entação e a p re vis ão de m edidas contra ascatás tro fe s pode rão com pensar os p re j ízos m ate riais, uportan to as variações clim áticas causarão e fe itosre lativam ente pequenos; porém em re giões com o o C ongo, noqual já dom inam a pobreza, a fom e, o desgaste d asinfrae s tru tu ras e os conflitos arm ados, as trans fo rm açõesnegativas do am biente to rn arão as condições de vid a m uitopiores.O s e fe itos re su ltan te s p rovocarão p re j ízos de tod a o rdem : up rovave l ente , na m aioria dos países afe tad os, have rá mm enor possibilid ade de contro lar essas consequ ências;aque l que fo rem m enos afe tad os pe las m odificações esclim áticas até m esm o pode rão desfru tar de las, d ispondo dem odo sem el hante de um a m aior capacid ade de enfre ntar osp rob l as causados pe las variações clim áticas. O re su ltad o emse rá que os povos m ais afe tad os por e las se rão jus ta m enteaque l que m enos p rovocaram as em iss ões de gases escausadores do e fe ito estu fa, ao passo que os m aioresre spons áveis pe la obs tru ção d a atm osfera p re visive l ente mse rão os que m enos te rão de sofre r as consequ ências d asm odificações am bientais. Aqui é fácil de d is tinguir umfe n ôm eno de in j tiça global his to ricam ente novo: as atu ais usassim etrias e desigual ades nas condições de vid a se rão dap ro fund ad as pe las variações clim áticas.EMISSÕ ESDE D IÓ XID ODE CARBONO DE ACORDO COM AS REGIÕ ES 1 990 2004 201 5 2030Países industrializados (Membros da OECD = Organização para a Cooperação e DesenvolvimentoEconômico);Países controladores de emissões;China;Índia;Demais países em desenvolvimento.
  • 55. Fonte: IEA (Ag ência Inte rnacional de Energia).A África, já flage lad a pe la pobreza, na m aior partegove rnad a por gove rnos de p rocedim ento caótico e assolad apor num erosos conflitos arm ados vio le ntos e incontro láve isse rá ju s tam ente o continente a sofre r os m aiores e fe itos d asp róxim as variações clim áticas; o IPCC p rognostica que, jáno ano de 2020, entre 75 e 250 m il ões de pessoas n ão hencontrarão água potáve l suficiente . Mesm o ho j , em m uitas ere giões africanas, apenas um a pequena parte d a populaçãotem acesso seguro à água potáve l: na E tiópia som ente 22% 35dos habitan te s, 29% na S om ália e 42% no Chade. Aagricultura, do mesmo modo, se o regime de chuvaspermanecer no nível atual ou diminuir, irá sofrer os efeitosdo relativo desaparecimento da água no subsolo; em certasregiões, por volta de 2020, a produção agrícola deverácair pela metade. A situação da pesca não será melhor. Odesaparecimento de várias espécies de peixes nos rios e lagoscontinuará progressivamente; as regiões costeiras serão 36ameaçadas por inundações. A incidência de doenças como amalária e a febre amarela aumentará em consequência,espalhando-se por regiões que atualmente não são atingidas,por exemplo, nos países da África Oriental. Na atualidade,já é inteiramente incerto se tais problemas poderão sersuperados.Em diversas zonas asiáticas já se desenvolvem igualmenteconsideráveis problemas de abastecimento de água; aquitambém ocorrerão graves mudanças ambientais, inundaçõese avalanches em consequência do derretimento das geleirasdo Himalaia. Mais de um bilhão de pessoas poderá ser afetadopela falta de água potável por volta do ano de 2050. Aprodução de alimentos poderá aumentar em diversas regiões(do leste e sudeste asiático), ao mesmo tempo em que diminuiem outras (Ásia central e meridional). As doenças intestinaistenderão a aumentar como efeito da ampliação dasinundações; o aumento da temperatura das águasprovavelmente provocará o surgimento de epidemias decólera nas regiões costeiras. As possibilidades de combate aestes efeitos serão diferentes em cada país, mas em muitoscasos, as providências tomadas serão insuficientes.35Conforme Eva Berié e outros (redatores), Der Fischer-Weltalmanach 2008 [Almanaque Mundial Fischer], Frankfurtam Main, 2007, p. 538ss. Em Angola, onde somente 53% dos habitantes têm acesso seguro a água potável, desde 2006grassa uma severa epidemia de cólera, que até a data de conclusão do verbete já causara 2.174 mortes, a qual se origina, emgrande parte, na falta de abastecimento adequado de água potável. Veja também Rainer Münz: Weltbevölkerung undweltweite Migration [ A população terrestre e as migrações mundiais], publicado por Ernst Peter Fischer e Klaus Wiegand(editores) em Die Zukunft der Erde [O futuro da Terra], Frankfurt am Main, 2006, p. 55. (NA).36Veja Robert S. Watson et alii (editores), The Regional Impacts of Climate Change: An Assessment of Vulnerability. ASpecial Report of IPCC Working Group II [Impactos regionais das mudanças climáticas: Avaliação da vulnerabilidade.Um relatório especial do Grupo de Trabalho II do IPCC], Cambridge, Massachusetts, 1997, p. 10. (NA).
  • 56. A Austrália e a Nova Zelândia encontrarão igualmenteproblemas de abastecimento de água (parte dos quais já semanifestam); as variações climáticas causarão acima detudo problemas naturais de caráter complexo. Astempestades e inundações se multiplicarão. Contudo, aAustrália e a Nova Zelândia contam com uma boacapacidade de controle e de defesa contra estes fenôme nos,de tal modo que as consequências sociais não serão tãodramáticas quanto na África ou na Ásia.A América do Sul já está sendo atingida por problemas dediminuição das reservas de água do subsolo e pela formaçãode desertos. As derrubadas e queimadas que ocorrem nasflorestas tropicais, independentemente das condiçõesclimáticas, coma consequente erosão do solo, exercemaqui afunção de agravamento dos efeitos das variaçõesclimáticas, o que, em seu conjunto, também significa adiminuição das espécies animais e vegetais. O perigo deinundações também afeta as regiões costeiras, do mesmomodo que em outras partes do mundo; as possibilidades decompensação e de defesa também aqui variam de acordo comos paísesatingidos.Nas regiões polares, as consequências sociais das variaçõesclimáticas são igualmente pequenas, porque praticamenteninguémmora nelas; por outro lado, os efeitos causadospeloaquecimento global sobre estas regiões serão extremamentegraves para o planeta. O derretimento dos icebergs, o degelodo permafrost e o aumento da erosão nas zonas costeirasnão somente causarão efeitos sobre os habitantes e sobre omundo animal, como também soerguerão o nível dassuperfícies oceânicas, além de afetarem a evaporação.Quanto aos efeitos positivos do aquecimento global,encontram-se aqui melhores possibilidades de aproveitamentoda terra e melhor acesso a matérias-primas existentes sobas camadas de gelo, do mesmomodoque a abertura de novaspassagens para o comércio marítimo. Contudo, pode-seesperar um incremento nos conflitos ligados às pretensõesterritoriais e aos direitos de exploração do solo e dosrecursos minerais que já existemhoje.Os habitantes dos arquipélagos do Caribe e do Pacífico serãoameaçados severamente pelas variações climáticas, nãosomente porque seus recursos principais de pesca e de turismoencolherão, mas acima de tudo pelo fenôme evidente de que noo erguimento da superfície oceânica tornará inabitáveismuitas dessasilhas. O emprego de medidasde defesa contra asinundações será bastante complicado; isto provocará odeslocamento das populações, com os consideráveispotenciais de conflito que conhecemosatravés da história.Em comparação, as consequências das variações climáticasserão praticamente inofensivas na Europa, ainda que o
  • 57. de rre tim ento d as ge l iras alp inas, a am pliação de condições eclim áticas extrem as, a in te rrup ção dos cam inhos pordeslizam entos e inundações n ão te nham bons e fe itos sobre aagricu ltu ra, pecu ária e ind ús trias ligad as ao tu rism o. Alémd isso, tam b ém aqui se m anifes tará o favo re cim ento do norteem de trim ento do su l. Enquanto a Europa se tentrionalusufruirá novas possibilid ades de p lan tações de á rvo re sfru tí fe ras , vinhedos e ce re ais e tc., as re giões m e ridionaisse rão afe tad as por secas e pe la crescente escassez de água.Mas, de um m odo ge ral, os países europeus têm re lativacapacid ade para circunscre ve r as consequ ências d asm odificações cli m áticas, que pode rão se r com pensadas oum esm o ap rove itad as de m aneira positiva. P resentem ente jáestão sendo tom ad as m edidas para m e l hor p ro te ção d asáre as cos te iras. As consequ ências sociais se rão aquiind ire tas em tod os os sentidos e as questões clim áticasaum entam a p ress ão para am pliar a seguran ça d asfron te iras locais m ais afe tad as e tc.O m esm o vale para a Am érica do Norte . As potencialid adesagríco las p rovave l ente m e l m horarão em m uitas re giões,aind a que em m uitos pontos se deva contar com inundações eescassez de água e as condições para a p rática de esportesde inve rno venham a piorar. D o m esm o m odo, ond as de calo rpode rão to rn ar-se um p rob lem a s ério e , além d isso, as áre ascos te iras es tarão su j itas ao assalto de fu rac ões e avan ço ede inundações. Tam b ém aqui, do m esm o m odo que na Europa,im portan 37 s m edidas de com pensação já es tão sendo tetom ad as. Mas no que se refere às medidas de defesa, vale omesmo que na Europa, identificam-se muitas diferençasregionais.Em seu conjunto, percebe-se através do globo uma divisãodesigual das consequências sociais e econômicas doaquecimento climático. As injustiças que as acompanham,tanto em termos geográficos atuais como em relação àsgerações futuras darão causa progressiva ao agravamentodos potenciais de conflitos. Dois graus a maisEntre os pesquisadores e pesquisadoras da atualidade existecompleta concordância no sentido de que as consequênciassociais e econômicas das variações climáticas talvez já nãopossam mais ser controladas se o aquecimento mundial sofrerum acréscimo de mais de dois graus com relação aos valores37O Serviço de Meteorologia da NASA vem prognosticando desde 2001 um considerável aumento do risco da elevaçãodas marés para a área de Nova York. Perante esta perspectiva já foi planejada para breve a construção de três barreiras deproteção contra as marés, que protegerão a maior parte dos espaços de Nova York (Frankfurter Allgemeine Zeitung [Jornalde Frankfurt edição internacional], de 31 de julho de 2007, p. 35). (NA). Fred Pearce: Das Wetter von Morgen. Wenn dasKlima zur Bedrohung wird [O clima do amanhã: Quando
  • 58. do pe ríodo p ré-industrial - ou se j ce rca de 1 ,6 graus a,centígrad os acim a dos valo re s p resentes. C onform e calcu louF red Pearce , no final d a ú ltim a glaciação havia 600bilh ões de tone lad as de d ióxido de carbono na atm osfe ra - umvalo r que pe rm aneceu constan te até o com e ço d a Revolu çãoIndustrial. Pe las em iss ões an tropogênicas, es ta quantid adesubiu desde então para 800 bilh ões de tone lad as; m esm o queo crescim ento d a tem pe ratu ra n ão venha a se r aind a m aisace le rad o, o re su ltad o m áxim o to le ráve l se rá um a carga de850 bilh ões de tone lad as. P resentem ente, estão sendolan çad os ce rca de quatro bilh ões de tone lad as por ano naatm osfe ra. Se es ta taxa de aum en n ão fo r contid a, pe lo tocom bate destas em iss ões p rovocad as pe la industrializaçãonos países desenvolvid os, o valo r de 850 bilh ões detone lad as se rá atingido em ce rca de dez anos. Um acréscim odo aquecim ento global que alcan çará em m édia os dois grauscentígrad os m encionados é um a p re vis ão re alís tica, aind aque as em iss ões m undiais "d entro de m ais ou m enos cinco anosalcan çarão seu n íve l m ais alto , nos cinquenta anosseguintes pode rão se r reduzid as, no m ínim o, pe la m etade, e sepossa espe rar que tais valo re s se m antenham constantes 38depois d issoÓ. Se um tal alvo será acessível ou não é umaquestão que depende de nossa confiança na razão coletiva. OS MORTOS DE ONTEM O Fim do MundoO ano 520 d .C . foi catas tró fico para o Im p ério Rom anoO riental. C onstan tinop la e ou tras cid ades fo ram arras ad aspor d ive rsos te rrem otos, o rio Eufrate s se expandiu emseve ras inundações na Mesopotâm ia, enquanto o Im p ério ti -nha de enfre ntar sim ultane am ente conflitos com os pe rsas,b úlgaros e árabes. Ad em ais, te ve de enfre ntar le van te sinte rnos e , acim a de tud o, a passagem do Com eta H alle yp rovocou te rrí ve l p ânico entre os habitan tes. Mischa Meie r,his to riad or especializado na his tória d a An tiguid ade, lis toutod os es tes flage los e devas tações m inuciosam ente eestabe l eceu entre e les um a caracte rís tica quase constante :as fon tes contem porâneas descre ve ram de talh ad a ed ram aticam ente tan to os desastres locais com o os de am plaab rang ência, m as sem causar a im press ão de que tud o aquilofosse to talm ente inespe rado ou pare cesse espantosam ente 39am eaçador.38as condições atmosféricas constituírem uma ameaça], München, 2007, p. 309ss. (NA).39 Veja Mischa Meier, Krisen und Krisenwahrnemung im 6. Jahrhundert nach Christus [As crises e a percepção dascrises no século sexto depois de Cristo], publicado por Helga Scholten (editora), em Die Wahr-nemungvonKrisenphànomenen. Fallbeispiele von der Antike bis in dieNeuzeit. [A percepção dos fenômenos críticos. Exemplos dechoques sofridos deste a Antiguidade até os tempos modernos], publicado em Kóln [Colônia] e outras cidades, 2007, pp.
  • 59. Vinte anos depois, no ano 540 d .C ., ocorre u novam ente nom esm o espaço um a ve rd adeira cascata de catás tro fe s.Novam ente um com eta ve io p ressagiar aconte cim entosaziagos e desastrosos, traze ndo em sua este ira conquistas esaques re alizad os pe los b úlgaros , e grandes devas tações.Em busca de um a re conquista, os os trogodos ocuparamnovam ente um a grande parte do Im p ério,d ando in ício a um ague rra de desgaste que causou conside ráveis ví tim as entre apopulação civil. A capital foi novam ente atingid a vá riasvezes por trem ores de te rra e a peste negra p rovocou "um am ortalid ade m aciça, a que ningu ém conseguia sobre vive r. Ocom ércio e o suprim ento de ce re ais desaparece ram deC onstan tinop la e de ou tras cid ades. A infra-estru tu ra doIm p ério entrou em to tal co lapso e ald e ias in te iras ficaram 40despovoad as".Neste caso, porém as fontes contemporâneas descreveramgrande terror e a demonstração incontestável de pânicoocasionados pela percepção de ameaças drásticas. De ondesurgiu, segundo relata Meier, a diferença surpreendente napercepção destas catástrofes dentro do âmbito deste curtoespaço de tempo? A resposta causa assombro, mas também éesclarecedora. A partir do ano 500 esperava-se a chegadado fim do mundo (o qual, segundo os cálculos dos cronistascristãos, corresponderia à Ressurreição [de Cristo] e estavaligado ao apelido de "Rei do Fim dos Tempos" atribuído aoImperador Anastasios, aliado ao conhecimento de que oImpério Romano do Ocidente sofrera recentemente sua quedafinal). Dentro do enquadramento destas duas crenças seencaixaram progressivamente os desastrosos acontecimentosde 520 a 530. Perante tantos fatos, as pessoas já estavammentalmente preparadas para esperar a chegada doapocalipse e os encaravam como prenúncios do fim - Meierdescreve com exatidão como estes padrões de significado e deorientação contemporâneos provavelmente se estabeleceramdiante do surgimento da dissonância cognitiva provocada pelofato "de que as catástrofes esboçadas não chegaram aacontecer, ao passo que todas as suas condições externas se41achavam presentes e tampouco se haviam modificado".A clara circunstância de que o mundo correspondera a todasas expectativas, mas nem assim fora destruído, foiaumentando a preocupação até florescer vinte anos depoisem um plano de referências totalmente modificado: o fim domundo iminente não necessitava mais de quaisquer motivaçõespara o surgimento de eventos catastróficos - "a percepçãodos acontecimentos", conforme escreveu Meier, "não se111-125, aqui na página 116. (NA).40Mischa Meier, Krisen und Krisenwahrnemung im 6. Jahrhundert nach Christus [As crises e a percepção das41crises no século sexto depois de Cristo], p. 119. (NA).
  • 60. 42harm onizava m ais nos pad rões de o rientação corre ntes".Isto resultou em novas e consideráveis críticas ao Imperador,pelo fato de que ele foi responsabilizado pelos acontecimen-tos ameaçadores.Es te exem pl é in te ressante , porque assinala com p le na oclare za que as catás tro fe s n ão s ão sim pl ent esm eacontecim entos ine vitáve is, m as que dependem p rincipal ente md a pe rcep ção e significado com que s ão re ves tid os pe laspessoas afe tad as ou j s tam ente pe la aus ência de significado upe rcebido em tais e ventos. E rving Goffm an ocupou- sem inuciosam ente com es ta tem ática, exam inando variad aspe rcep ções dos fatos re gis trad as por se res hum anos e , em seulivro “Rahm enanalyse " (An á lise de m ol 43 duras dere fe rência), expõe como os importantes padrões sociaiscunhados nos processos de compreensão dos acontecimentos ede seus significados emocionais se encontram disponíveis -sãoestes princípios de organização emocional dos acontecimentosque ele denomina de "molduras". Sobre estas bases, ele sepermite dizer que, de forma alguma, um acontecimento éencarado com pura objetividade, isto é, que as reações dosque são atingidos por ele, portanto suas moldurasreferenciais, buscam atribuir um certo grau de ordem à suapercepção dos eventos.As pessoas tomam suas decisões com base em hipótesescomplexas, das quais apenas a menor parte atinge o planodas reflexões conscientes - quanto a este ponto, existe plenaconcordância entre a psicologia, a psicologia social e aneurologia cognitiva. Dentro das molduras de referência, aspercepções, os significados e as diferenças se organizam,passam através do inconsciente e das acepções conscientes eas suas interpretações, naturalmente, se expressam por meiode hipóteses básicas ("é assim que é", "é assim que se faz"etc.), comportamentos socializados e formações de hábitosque, de acordo com as exigências de cada situação,determinam sua maneira de tratar os outros, seus convites,suas ordens e tantas outras coisas mais.Ocorre deste modo com o significado descoberto nas sensaçõesde ameaça e no alicerce de suas conclusões e das diferençasque se estabelecem por meio de avaliações cognitivas, estasigualmente orientadas por suas molduras de referência,confirmadas reciprocamente por interações e processosgrupais e adotadas teimosamente a partir de então.Relevantes para o estabelecimento de um significado sãotambém as condições apresentadas pelas situações variadasque as pessoas encontram ao seu redor, desenvolvendo pormeio delas padrões de percepção e de significado e suas42Ibidem, p. 117. (NA). Ibidem, p. 121. (NA).43Veja Erving Goffman, Rahmenanalyse [Análise de molduras de referência], Frankfurt am Main, 1978. (NT).
  • 61. d ife ren ças e ap licações por ocasião de am eaças,catás tro fe s e gue rras. Aqui entram aind a conceitosabs tratos e m odel d a re alid ade - n ão som ent sobre o fim os edo m undo, m as sobre as expectativas e sobre o que n ão podese r espe rado, sobre gue rra e paz, jus tiça ein j tiça, usre sponsabilid ade e vingan ça e tc. Tais favo re s inte r-co laboram para a constru ção pau latina de um m odel ore fe re ncial concre to para a pe rcep ção de situações,conclus ões e d ife renciações entre os p róp rios ato re s. D e talm odo, um a situação exatam ente igual pode se r pe rcebida dem aneira to talm ente d ive rsa por d ife rentes pessoas e segundovários pontos de vis ta, o que conduzirá a inte rp re taçõesigual ente d ive rsificad as. Em concord ância, as bases de suas mpe rcep ções do que podia e n ão podia se r espe radode te rm inaram a significação d a cascata de catás tro fe s queocorre ram em 520 d .C ., enquanto os e ventos de 540 d .C .d ive rgiram basicam ente de suas expectativas e ge raram op ânico co le tivo. Basicam ente, quando as expe riências,acontecim entos e desenvolvim entos n ão se enquad ram m ais nohorizonte d a m ol dura re fe re ncial e n ão podem se r ordenadosdentro dos pad rões de pe rcep ção habituais, ge ram em seucon j unto p rob l as de orientação e , com o e fe itos destes, a emnecessidade de entende r o que re al ente está sucedendo. mD entro d a sensação de desordem se desenvolvem o dese j de ocontro lar a vis ão de con j unto, a busca d a transparên cia e ,natu ralm ente , o anseio pe la o rdem . Jus tificativas"E u n ão sei m ais em que d ia foi. Mas as pessoas com e çaram ad ize r que o P residente tinha sido assassinado e e le e ra o nossoPai. O s tú ts is com e çaram logo a fugir. Em seguida,com e çam os a ve r casas incendiadas aqui e ali. Estávam osenraivecidos pe la m orte de 44 nosso Pai. A gue rra com e çou. O stú ts is fo ram assassinados."São estas as palavras de um dos executores de um dos maiscurtos e pavorosos genocídios da história do século 20.Entre abril e julho de 1994, entre 500.000 e 800.000pessoas foram massacradas em Ruanda. Os mortospertenciam, em sua maioria, à etnia tútsis; em apenas trezesemanas, aproximadamente três quartos desta parte dapopulação ruandesa foram exterminados. Contudo, os tútsisnão foram os únicos acometidos por este massacre maciço -também foram mortos membros da etnia hutu que se opuseramao genocídio ou o criticaram, os que eram casados com tútsis44 58 Scott Straus, The Orãer of Genocide: Race, Power, and War in Rwanda [ A ordem do genocídio: Raça, poder eguerra em Ruanda], Nova York, 2006, p. 154 (tradução Harald Welzer). (NA).
  • 62. e ou tros que, de um a fo rm a ou ou tra, fo ram consideradoscom o traid ores d a causa de fendida pe los dem ais hutus.Entrem entes, acha-se bem docum entado o fato de que asd ife ren ças étnicas entre os dois grupos fo ram essencial ente mum p roduto do co lonialism o e , m ais aind a, que a m e l horposição social d a m inoria tú ts is se deve, em grande parte , aom aior valo r que lhes foi atribu ído pe las au to rid adesco loniais. Nos anos an te rio res ao m ortic ínio, o sentim ento depe rte nce rem a um a classe social infe rio r, d ifundido entre oshu tus, oscilou de in te nsid ade, aum entando grad ativam entepara um a d isposição am eaçadora e cu l inando, final ente , m mem inim izade to tal. Pe lo e fe ito oposto, cresceu na pe rcep çãod a m aioria hu tu a id éia de que os tú ts is constitu íam um aam eaça m ortal contra a qual tinham de opor-se com om áxim o de ene rgia, an tes que se conve rtesse em re alid ade osuposto p lano dos tú ts is para m assacrar os hutus. Nom om ento em que, a 6 de ab ril de 1 994, foi p raticad o umate ntad o m ortal ao avião do P residente H abyarim ana, foid ado in ício à m atan ça dos tú ts is."Ap ós a queda, o povo d izia: Nosso Pai es tá m orto. Por quevam os vive r e e l vive rem , re pe tíam os, agora que e l está es em orto? N ós pensam os que tud o estava acabado para n ós. Aspessoas d iziam que nossos inim igos nos tinham agarrad o e que 45n ós tínham os de nos de fender."Estas são as palavras de outro dos genocidas; é visível queos dois homens claramente encontraram um significadofirmemente preso a suas ações. Havia a percepção daameaça de uma agressão mortal e as pessoas tinham de sedefender contra ela. Mas o genocídio dos tútsis seria muitomais abrangente do que aquilo que a maioria hutu tinhacomeçado e foi muito mais além do que normalmente teria sidoexecutado pela fúria da população; de fato, foiprincipalmente o resultado das ordens emanadas dosmilitares, de altos funcionários e da administração em gerale haviam até mesmo sido preparadas listas com os nomesdaqueles que deveriam ser executados. A contagem dasmortes atingiu uma cifra de seis algarismos e os assassinatosforam cometidos em sua maioria com machetes, facas longasdistribuídas entre a população antes que as ações fosseminiciadas.Este genocídio já vinha sendo anunciado desde 1960 por meiode diversos conflitos e massacres restritos, mutuamentepraticados entre os tútsis e os hutus, ainda que seja digno denota que ambas as sociedades destes grupos étnicos de formaalguma estivessem estritamente separadas entre si; bem aocontrário, na vida diária permanecia uma convivência amplae sem problemas entre as duas etnias: casavam-se uns com os45Idem, ibidem. (NA).
  • 63. ou tros, trab alh avam j n tos , travavam re laçõe s de uam izade. D e onde então surgiu a fron te ira é tnica quepossibilitou a e rup ção deste assass ínio m aciço? O fato de queos hu tus guard avam rancor contra os tú ts is é pe rfe itam entepe rceptíve l em am bas as declarações que cita m os supra.Mas to rnou-se pe rfe itam ente claro que as causas m aisp ro fund as de seus sentim entos hom icidas n ão e ram conhecidasseque rpor e les.Am bos os crim inosos tom aram o assassinato de seu P residentecom o se fosse um a afron ta to talm ente pessoal. E lesencaravam o líd e r po lítico com o se fosse algu ém que lhespe rte ncesse, com o um a re lação fam iliar, com o seu de fensor ere spons áve l, em um a palavra, com o seu "P ai". D este m odo, oate ntad o hom icida contra sua pe rsonalid ade foi sentido com ose fosse o seu p róp rio e es ta lógica se ap roxim a do fato deque ago ra ningu ém m ais podia continuar vivendo. Em suaação, es ta am eaça pe rcebida se m anifes tou sobre os ou tros,por m ais irracional e desprovido de sentido que is to pare çase r para um obse rvador exte rno, m as exe rce um pape lsub j tivo dos m ais im portan tes e é o ve rd adeiro m otivo para eas ações que se re alizaram dentro do arcabou ço dogenocídio, 46 assassinatos em m assa e ou tros tipos dem assacres. Do mesmo modo, quando a atitude da maioriaenxerga uma inversão grotesca das ameaças factuais - 90%da população de Ruanda eram hutus - as pessoas reagemcomo se tivessem de defender as próprias vidas e as de seusparentes, de fato são obrigadas a agir assim, porque sejulgam sob ameaça de captura e morte. Trata-se de umaameaça espelhada pelo próprio sentimento de medo, gerandouma disposição homicida, cujos prenúncios são totalmenteinvertidos. Os hutus acreditavam que os tútsis lhesrepresentavam uma ameaça mortal, do mesmo modo que osanti-semitas alemães dos anos trinta e quarenta do 47éculo spassado acreditavam na conspiração judaica mundial ou osseguidores de Slobodan Milosevic nas malhas de umaarmadilha mortal sob a qual se encontravam os sérvios.Mesmo que estas ameaças percebidas fossem completamenteirracionais - seus resultados foram, em qualquer caso, amorte real de incontáveis seres humanos. A irracionalidade46 Veja Harald Welzer, Täter. Wie aus ganz normalen Menschen Massenmörder werden [Criminosos: Como pessoasperfeitamente normais se transformam em assassinos de massas], Frankfurt am Main, 2005; Jacques Semelin: Säuhern undVernichten. Die politische Dimension von Massakern und Völkermorden [Limpar e eliminar. A dimensão política dosmassacres e genocídios], Hamburg, 2007, p. 87ss. (NA).47 A leitura dos diários de Goebbels nos conduz um pouco mais adiante, porque ele estava efetivamente convencido daexistência de uma conspiração judaica mundial e as alusões a esta conspiração não eram, em absoluto, um truque depropaganda em que ele próprio não acreditasse. Himmler, Hitler, Göring e os incontáveis outros planejadores e executoresdo extermínio judaico enquadrados em outros níveis hierárquicos e em outros planos de funcionamento partilhavam destaconvicção de forma mais ou menos profunda, mas em qualquer caso estavam convencidos da necessidade da realizaçãomaciça de um projeto gigantesco para a aniquilação dos judeus e de que este era um trabalho a ser planejado e rapidamentelevado à sua conclusão total. (NA).
  • 64. do m otivo n ão ap resenta a m enor influ ência sobre aracionalid ade d a execu ção. O Holocaus to é o comp rovan teassustador d a j s ti ça do te o rem a red igido por William uThom as: "Q uando as pessoas acred itam que um a situaçãose j re al, esta se m anifes tará re al ente através de suas a mconsequ ências." A Contagem dos C orposD entro do contexto d a Gue rra do Vie tn ã, sol ados norte - dam e ricanos com e te ram vá rios m assacres contra apopulação civil. O m ais conhecido foi o d a ald e ia de My Lai,em que quase exclusivam ente fo ram m ortos crian ças ,m ul res e ve lhos. Esse m assacre foi subm etido a um dos heju lgam entos m ais ob j tivos re alizad os durante a Gue rra do eVie tn ã para exam inar um dos m ais espe tacu lare s hom icídiosem m assa. O s re gis tros dos in te rrogatórios espe l ham ape rcep ção dos sol ados de que es tavam m atando seus ini- dm igos, por m ais gro te sca que nos possa pare ce r - confo rm e seencontra na seguinte inquirição:"[...] Resposta: Eu d ispare i m eu M-1 6 contra e les.Pe rgunta: Por que?Resposta: Porque e les pode riam te r agarrad o m inha arm a.Pe rgunta: H avia crian ças e beb ês?Resposta: S im .Pe rgunta: E e les pode riam te r agarrad o sua arm a?C rian ças e beb ês?Resposta: E las pode riam te r granad as escondidas. As m ãespode riam tê -las agarrad o e lan çad o contra n ós.Pe rgunta: O s beb ês?Resposta: S im .Pe rgunta: As m ães es tavam com os beb ês no co lo? Resposta:Acred ito que sim .Pe rgunta: E os beb ês que riam agarrar?Resposta: D urante tod os os m om entos em que aquilo durou, eucalcu le i que pode riam faze r um a te ntativa de agarrar. 48[...]"Um tal depoimento, contemplado de fora, parece serinteiramente absurdo, até mesmo insano. Mas umareconstrução da perspectiva interior dos soldados norte-americanos que serviam no Vietnã nos indica que taispercepções são uma medida extrema causada pela falta deorientação e pela perda de controle resultante do fato de48Citação apua David Anderson: What Really Happened [O que realmente ocorreu], publicado em Pacing My Lai.Beyond the Massacre [Enfrentando My Lai: Além do massacre], por David Anderson (editor), Kansas, 1998, pp. 1-17,aqui p. 8 (Tradução de Harald Welzer). (NA).
  • 65. que os sol ados nunca haviam sido p reparad os de an tem ão dpara as condições de um a lu ta na se lva e n ão tinhamcondições de lid ar com as técnicas de gue rrilh a ad otad aspe los vie tcongues - com o re su ltado de enxe rgarem am eaçasem tud o quanto os rode ava. O fan tasm a de um beb ê capaz deatac á-los , que encontram os em n ão poucos re latos deve te ranos, surge claram ente através d a d ifus ão d asam eaças pe rcebidas d a parte dos vie tcongues que osrodeavam . A am eaça p ressentid a d a parte destes inim igos in-vis íve is se ria encarad a com o to tal por m uitos dos sol ados dnorte -am e ricanos, e um a am eaça extensa e d ifusa a esseponto deve ria p rovocar o surgim ento de fo rte s sentim entos defalta de orientação e de pe rd a de contro le . O conceito de umbeb ê capaz de lan çar granad as se baseava na re cord açãode expe riências e te s tem unhos de am eaças to tal eabsolu tam ente incalcu láve is. C ad a um que n ão pe rte ncesseao "N osso G rupo", de aco rd o com a fan tas ia am eaçadora,e ra re al ente um inim igo potencial, pior aind a, um inim igo md isfarçad o.Es ta desorientação e a falta de contro le que aacom panhava e ram flan queadas no Vie tn ã pe ladesobrigação m ilitar-estratégica de seguir as re gras de um ague rra convencional, ou se j que as m ortes de civis podiam a,se r encarad as com o inclu íd as no âm bito de um a consequ ênciatalve z lam entáve l, m as de m odo algum p roibid a: apenas m aisum a e tapa es tratégica decorre n te d a search and destroy[busca e49 destruição], d as fre e fire zones [á re as sem contro lede fogo] e da body count [contagem dos mortos], isto é, amedida dos resultados da luta pelo número dos mortos. Istooriginava um conjunto realmente mortal e era dentro destecenário que surgiam as fantásticas percepções de que ospróprios bebês fossem vietcongues, menos abstrusas dentrodeste contexto. Não se fazia qualquer diferença entre asvítimas, desde que fossem funcionais, porque tudo eraencarado à luz de uma visão geral e abrangente.Isto não significa, em absoluto, que estas fantasmagorias selimitassem aos soldados que entravam diretamente no campode batalha. Também nas cúpulas políticas e militares norte-americanas, o desenvolvimento inesperado e catastrófico docenário da guerra acabou por conduzir ao surgimento de umavisão irracional da realidade que, por exemplo, resultava emsua crença de que os inimigos vietcongues brotavam de todaparte, superavam os guerreiros e, finalmente, se49A ordem "Search anã Destroy" [busca e destruição] designava a localização e a destruição completa dos "Ninhos deResistência" como acampamentos fortificados, esconderijos etc. A designação de determinadas zonas de combate como"Fire Free Zones" [áreas sem controle de fogo] significava que, no espaço delimitado por seus limites, todos os alvosencontrados dentro dela que se mostrassem suspeitos deveriam ser alvejados, fossem soldados, crianças ou velhos. VejaBerndt Greiner, "A Licence to Kill": Annäherung an das Kriegsverbrechen von My Lai ["Permissão para Matar": Umatentativa de conciliação dos crimes de guerra de My Lai], publicado na revista Mittelweg [O caminho do meio] 36,dezembro de 1998/janeiro de 1999, pp. 4-24, aqui p. 5. (NA).
  • 66. demonstravam a força militar superior. Os chefes do Estado-Maior e os conselheiros presidenciais se encontraram nesseponto do tempo, conforme foi descrito por um observadorcontemporâneo, em um "estado de sonolência", em quebloqueavam qualquer avaliação realística das consequên 50 -cias de seusprocedimentos.É o ponto do tem po calcu lad o estatis ticam ente paraalcan çar a vitó ria, um dos m eios para a qual e ra a bod ycount [contagem dos m ortos] podia se r por enquanto m antidod iante dos o lhos, estabe l ecido que fo ra para quando aene rgia de lu ta dos ad ve rs ários tive sse se esgotado (o qual,conform e haviam calcu lad o os es tatís ticos do Pentágono,e ra espe rado para o final do ano de 1 965). E a es tratégiad a bod y count conduziu inexorave l ente à p rática de m ortes mind iscrim inad as, sem que se es tabe l cesse d ife ren ça entre o eabate de hom ens, m ul res e crian ças; apenas se contava o hen úm e ro to tal de ví tim as que, em de te rm inad as ocasiões, seto rnou tão desencontrad o, que um oficial norte -am e ricanodeclarou a seus hom ens, com ce rta ironia, que as m ul res hegrávid as deve riam se r contad as duas ve zes.O s his to riad ores sem pre buscam em re trospecto as causas dosfe n ôm enos e , deste m odo, pe la lógica, encontrar asinte rligações entre o C om portam ento A e um a C onsequ ênciaB desse com portam ento. Este p rocedim ento pode le var a cre rque a C onsequ ência B desse com portam ento pode ria se rto rnad a com pl tam ente d ife rente com o re su ltad o de um a einte n ção de libe rad a do Com portam ento A. Mas ocorre que ossol ados que invad iam as ald e ias seguiam um a ou tra dracionalid ade do que a em pregad a pe los com andantes doPentágono que lhes enviavam as o rdens, e o re su ltad o d isso éque agiam com o se estivessem d iante de p rob lem as d ifere ntes.Es te o rgu lho es tatís tico, com o se o desfecho d a gue rradependesse do n úm ero de cad áve res que pudessem se rcontad os, conduziu d ire tam ente à escalad a d a gue rra, em quea es tratégia d a bod y count se trans fo rm ou num alvo em sim esm o - a tal ponto que, por trás de um conceito basicam enteabs trato , foi-se in tro duzindo a d in âm ica d a escalad a. Nare alid ade, estam os tratand o com um a racionalid adeparticu lar que, em situações extrem as, particu larm ente emsituações pe rcebid as com o am eaçadoras, se to rna au to-catalis ad ora e n ão som ente de te rm ina as ações, com oestabe l ece de an tem ão os seus re su ltad os - e os p róp riosparticipante s de re fe rid as ações em seguida pe rm anecem sem50 Barbara Tuchman: Die Torheit der Regierenden. Von Troja bis Vietnam [A loucura dos governantes: De Tróia aoVietnã], Frankfurt am Main, 2001, p. 439. (NA).
  • 67. 51com preend ê-las , es tranham ente alhe ios de si m esm osperante os resultados que efetivamente provocam.Um outro exemplo da mesma guerra foi a ideia fantástica,mas amplamente difundida, de que o exército norte-vietnamita possui um "Centro Nervoso" colossal em algumponto da selva, referido como CONVN (Central Office ofNorth Vietnam - Escritório Central do Vietnã do Norte), queera necessário encontrar e destruir. Esta fantasia derivava,por um lado, da contínua incapacidade do exército norte-americano, apesar de sua grande superioridade técnica enumérica, de vencer os combatentes vietcongues, cujacapacidade militar era claramente de qualidade inferior e,pelo outro, da suposição de que o próprio inimigo deveriaoperar logicamente, como faziam os norte-americanos. Foi apartir deste conceito imaginário que resultaram osbombardeios sem sentido, na crença de que a queimada ou odesfolhamento das árvores do jângal asiático permitiriafinalmente localizar o tão buscado centro de operações(que, afinal, nem existia). Este também era um efeito danecessidade de retomar o controle. Mas o único resultadosurgiu mais tarde aos olhos do mundo, quando forampublicadas as fotografias da menina Kim Phuc, nua esoluçando, com a pele extensamente queimada, fugindo de suaaldeia em chamas, que era mostrada em último plano e quetão efetivamente prejudicou o esforço de guerra dos norte-americanos. Também esta foi uma consequência de ações que,naturalmente, ninguém havia previsto, mas que concorreuclaramente para determinar o curso futuro da guerra.A Guerra do Vietnã foi também uma agressão às condiçõesecológicas dentro das quais viviam os adversários. Acircunstância de que, em razão de uma imagem fantasiosafossem lançadas sobre o Vietnã "bem oitocentas miltoneladas a mais de bombas do que em todos os cenários deguerra da Segunda Guerra Mundial tomada em seu 52conjunto" e que a intenção desse bombardeio indiscriminadodas florestas com substâncias desfolhantes tenha sido o seuenvenenamento deliberado, rapidamente causou efeitos sobrea população vietnamita, os quais permanecerão durantegerações.Dentre todas as guerras que se enquadraram no âmbito daassim chamada "Guerra Fria", a do Vietnã foi, sem sombrade dúvida, a mais absurda, prejudicial e duradoura. Suasconsequências profundas permanecem até hoje, não somente51 Foi justamente esta expressão que empregou Willy Peter Reese, um jovem soldado de formação intelectual engajadono Wehrmacht [Exército regular] alemão, que se percebeu constantemente envolvido em atos de violência progressiva.Veja Willy Peter Reese: Mir selber seltsam fremd. Die Unmenschlichkeit des Kriegs, Russland 1941-44 [Estranhamentealheio de mim mesmo. A desumanidade da guerra, Rússia 1941-44] (editado por Stefan Schmitz), Berlim, 2004. (NA).52 Veja Berndt Greiner: Krieg ohne Fronten. Die USA in Vietnam [A Guerra sem Linhas de Frente: Os Estados Unidosno Vietnã], Hamburgo, 2007, p. 41. (NA).
  • 68. na sociedadevietnamita, mas tambémrefletidas na sociedadenorte-americana que aqui, em muitos planos, sofreu suaprimeira derrota importante: moral, militar, econômica e, emretrospecto, causou a desconfiança dos cidadãos e cidadãs napolítica de seu presidente.As causas iniciais da derrota dos Estados Unidos nesseconflito são, em muitos aspectos, de natureza psicológica:fantasias de superioridade, irmanadas aqui com um medo epânico de perda de prestígio. Foi desse modo que Lyndon B.Johnson e seu sucessor Richard Nixon observarampublicamente que não queriam ser o primeiro presidente norte-americano a perder uma guerra e, como é tão fácil voltaratrás em uma declaração infeliz, determinaram fazer comque a guerra, pelo menos, durasse tão longamente quantofosse possível - mesmoquando perceberam já não ser maispossível vencer. Seus consultores, inclusive uma pessoa tãointeligente quanto Henry Kissinger, originaram um espaçoirreal, na mesma linha da maioria dos oficiais do comandomilitar, dentro do qual analisavam os problemas percebidose desenvolviam soluções forjadas por pensamento mágico,que terminavam por conduzi-los cada vez mais fundo emdireção à derrocada.Característico de sua responsabilidade - conforme declaroucorretamente Barbara Tuchman - foi sua negação a aceitaras informações práticas que não se coadunavam a suasexpectativas. Para começar, eles consideravam simplesmenteimpossível que um país de "quarta classe", comodenominavam o Vietnã do Norte, não pudesse ser vencido epassaram daí a acreditar que bastava fortalecer as suaspróprias tropas, aliadas ao exército supervalorizado doVietnã do Sul e, a partir de então, obstinadamente seapegaram à sua ilusão, por mais que o desastre já se 53esboçasse claramente. Aqui funciona novamente oconfiável mecanismo de redução da dissonância cognitiva - enovamente se impõem os paralelos da Guerra no Iraque, emque mais uma vez encontramos um exemplo do fenômenopsicológico de redução da dissonância cognitiva, pensamento 54grupai e excesso de autoestima, fortalecido ainda mais pelaexperiência histórica. Mas novamente estamos frente afrente com interpretações retrospectivas de problemaspercebidos. Realid ades Alte rad as:53Barbara Tuchman: Die Torheit der Regierenden. Von Troja bis Vietnam [A loucura dos governantes: De Tróia aoVietnã], Frankfurt am Main, 2001, p. 474. (NA).54O pensamento grupai desenvolve seus efeitos desastrosos sempre que, dentro do grupo, a preocupação deconcordância na refutação das acusações se sobrepõe a uma reflexão realística e bloqueia qualquer crítica a seucomportamento, (veja Elliott Aronson, Sozialpsychologie. Menschliches Verhalten und gesellschaftlicher Einfluss[Psicologia Social: Os comportamentos humanos e a influência social], München, 1994, p. 39. (NA).
  • 69. D iante de tal cen ário p révio, n ão é de adm irar quere alid ades rad ical ente alte rad as conduzam fre quentem ent m ea solu ções to talm ente vio le ntas para os p rob lem aspe rcebidos. D este m odo, as m odificações inespe rad as desis tem as po líticos cobram um p re ço e l vad o dem ais, com o eocorre u ap ós a desintegração do B loco O riental em 1 989,n ão som ent pe lo descréd ito dos cientis tas sociais e po lí ticos, ecu j ocupação p rop riam ente d ita e ra a p re vis ão de tais aacontecim entos, m as tam b ém pe la desorientação doscid ad ãos e cid ad ãs dos países afe tad os e , acim a de tud o, pe lodesprestgio dos polí ticos envolvid os. Tam b ém as sociedades íp ós-co loniais fo ram afe tad as em alto grau pe los confli tosp rovocados pe las trans fo rm ações do sis tem a e aind a se rãonecess árias m uitas d écad as an tes que a m aioria de las possase organizar o suficiente para criar sociedades civisre lativam ente es táve is. "D este m odo, apenas 1 9 entre 44países africanos estavam em situação de construir nações55estáve is ap ós o p ro cesso de descol onização." Depois daproclamação das respectivas independências, a maioria dospaíses descambou em conflitos violentos, que em diferentesgraus de intensidade, permanecem ou provocam consequênciasaté os dias de hoje (como ocorre no Sudão, no Congo, emSerra Leoa, na Guiné Bissau etc.). Na Etiópia, a guerradurou de 1976 a 1991 e causou de um a dois milhões de vítimasfatais (de fato, mais de 90% destas mortes ocorreram entrea população civil); em Moçambique lutou-se de 1976 a 1992;o número de vítimas ficou entre quinhentos mil e um milhão demortos; a presente guerra no Congo [chamada de Conflito doIturi ou de Segunda Guerra do Congo] já provocou a morte dequatro milhões de pessoas desde seu início em 1998.Mas não são somente as sociedades pós-coloniais que secaracterizam por uma intensificação de sua predisposiçãopara a violência; também as sociedades em transformaçãodo antigo Bloco Oriental não abriram de forma alguma seucaminho para a democracia e o capitalismo sem passarempela violência. Na lista atual de cerca de sessenta naçõesinstáveis e, portanto, capazes de descambar para açõesviolentas, quase vinte anos após a desintegração da UniãoSoviética, encontramos o Uzbequistão (número 23 da lista),a Quirguízia (número 28), a Bósnia-Herzegóvina (35), oTadjiquistão (42), a própria Rússia (43), o Turcomenistão(45), a Belarus (50), 56 Sérvia-Montenegro (55), a Moldova a(58) ea Georgia (60). Em não poucos destes Estados existem55Tobias Debiel, Dirk Messner e Franz Nuscheier, Globale Trends 2007. Frieden, Entwicklung, Umwelt [TendênciasGlobais, 2007. Paz, desenvolvimento e meio ambiente], Frankfurt am Main, 2007, p. 97. (NA).56 Esta lista foi estabelecida a partir de uma escala que inclui diversos fatores, entre outros os desenvolvimentosdemográficos, o número de refugiados, as violações dos direitos humanos e as intervenções externas. (Tobias Debiel, DirkMessner e Franz Nuscheler, Globale Trenás 2007. Frieden, Entwicklung, Umwelt [Tendências Globais, 2007. Paz,
  • 70. vio le n tos conflitos entre os d ive rsos grupos é tnicos que oscom p õem .N as pesquisas sobre a vio le ncia m aciça e os genocidios dom inaaté ho j um a grande d úvid a sobre o m otivo por que as epessoas com e çam a atacar ou a m atar d ire tam ente seusvizinhos - se es tes vizinhos, dentro de circuns tânciasd ife rentes, se riam pessoas que pudessem se r tratad as comcord ialid ade ou m esm o am ad as ou se já exis te um ap red isposição in te rna contra e las. A vizinhan ça pode se r,com o qualque r m orador de um p réd io de apartam entos dealugue l sabe m uito bem , tal com o Jan Philipp Reem t a 57 smdem onstrou re centem ente de fo rm a im pressionante , umafonte real de violência e nenhum obstáculo aodesencadeamento dela; pode-se facilmente odiar as pessoascom quem somos forçados a conviver.Como foi dito, a "viscosidade" das dependências grupais, queem ocasiões de crise pode conduzir a comportamentosextremamente violentos, está particularmente localizada nafalta de compreensão de onde se localizam as fronteirasgrupais. Estas dependências grupais têm principalmente afunção de tornar bem claro quem "Nós" somos e quem "Eles"são, ou seja, quem deve ser encarado como amigo e quem deveser considerado como inimigo. É a própria violência queesclarece e define as fronteiras; depois da agressão ou mesmodepois do morticínio, torna-se bem claro quem éramos "Nós"e quem eram "Eles". Assim um criminoso de guerra da antigaIugoslávia descreveu como diferenciava os amigos dos inimigosdurante a luta: "Os civis são diferentes; os civis não ficamcorrendo pelas ruas quando atiramos neles (risada), é umacoisa bastante simples: os civis não ficam correndo pelas 58ruas quando atiramos neles."As pessoas adotam técnicas de identificação inteiramentediferenciadas e as transmitem às dependências grupais; odados constantes do documento apresentado são uma destasformas de identificação, as teorias raciais constituem outra,os assassinatos em massa tornam-se logo uma terceira.Desde que o Nosso Grupo seja dominado por um sentimento deameaça percebida como proveniente de um Grupo Deles, quefoi caracterizado como sendo inimigo, surge uma necessidadedesenvolvimento e meio ambiente], Frankfurt am Main, 2007, p 90ss). (NA).57 Jan Phillipp Reemtsma, Nachbarschaft ais Gewaltressource [A Vizinhança como fonte de Violência], publicado narevista Mittelweg36, edição de 13 de maio de 2004, p. 103. (NA).58 Natalija Basi, Krieg ais Abenteuer. Feindbilder und Gewalt aus der Perspektive ex-jugoslawischer Soldaten1991-1995 [A Guerra como Aventura: Identificação de Inimigos e Violência segundo a perspectiva de antigos soldadosiugoslavos], Gie en 2004 (Editora Diss, Hamburg), p. 226. No Vietnã havia uma forma mais segura de identificar alguémcomo pertencendo ao Viet Cong: " I f i f s dead and i f s Vietnamese, i f s VC." [Se estiver morto e for vietnamita, então é umViet Cong. ] (Bernd Greiner, "First to Go, Last to Know." Der Ds-chungelkrieger in Vietnam [O primeiro a ir e o último asaber: Os guerreiros da selva no Vietnã], publicado em Geschichte und Gesellschaft [História e Sociedade] 29,2003, pp.239-261, especificamente p. 257. Quando alguém era morto, era um Viet Cong. Os mortos e a definição eram uma e amesma coisa. (NA).
  • 71. de identificação cada vez maior. Emuma situação de extremaviolência, os indivíduos que pertencem ao grupo inimigo sãoidentificados pelo próprio resultado da violência. É a partirda base de tal sistema de orientação auto-referenciável queexplode a violência. Dela se origina apenas superficialmenteuma percepção de caos para o observador externo. Para osque a praticam, a violência se transforma emordem.A mais espetacular escalada da violência e em suasconsequências a mais duradoura foi a ocorrida comodecorrência da desintegração do sistema de governo ocorridoentre 1989 e 1991 na Iugoslávia dividida, porque o sinalcaracterístico central da adjacência estabelecida semquaisquer problemas entre os diversos grupos étnicos dentrode uma federação era sua direção pelo autócratacarismático Josip Broz Tito. Também aqui dominou aescalada de um conflito violento, que foi se tornandoprogressivamente mais agudo, como consequência danecessidade sentida pelos grupos que se percebiam como di-ferentes de se caracterizarem de uma forma mais claraatravés do exercício da violência. Este processo deautoidentificação definida pela prática da violência não seencontra somente na África subsaariana ou emCaxemira, nonorte da índia, mas no meio da Europa, justamente nesseponto do tempo emque a Guerra Fria parecia ter acabado eque ninguém mais contava com o surgimen de uma "guerra toquente".Novamente se deve ressaltar aqui o que se desviou daexpectativa: ninguém havia previsto até que ponto chegariaa força explosiva do nacionalismo em um mundo tornadounilateral após o colapso da União Soviética e adesorientação e perda de conceitos surgidas em consequênciadeste des membramento que seriam geradas em suas antigasrepúblicas satélites. Isto não vale somente para as partesenvolvidas no conflito da antiga Iugoslávia, mas tambémpara os atores políticos do palco internacional. A falhadesas trosa do Ministro do Exterior alemão, Hans DietrichGenscher, ao reconhe cer as repúblicas que se haviamseparado da antiga república iugoslava esfacelada, ouseja, a Eslovénia e a Croácia, só serviu para aumentar osconflitos entre as repúblicas secessionistas da Iugoslávia,porque a Sérvia pretendia estabelecer uma nova repúblicaiugoslava tomando as antigas repúblicas-membros sob ahegemonia sérvia e considerou esta ação como umasabotagem de seus planos - o que novamente serviu paranutrir o ra dicalismodo nacionalismosérvio.Um caso como esse apenas assinala que a política externapara com as quebras de sistemas políticos permaneceorientada por conselheiros - cujas opiniões não semodificaram realmente emnada comrelação à configuração
  • 72. conjunta dos parâmetros, não obstante o colapso do blocooriental. Os políticos, como declarou Henry Kissinger, quedevia saber do que estava falando "não aprendem nadadurante o exercício de seus cargos que já não fosse oresultado de suas próprias convicções anteriores. Estas sãoum capital intelectual previamente adquirido, antes detomarem posse de seus cargos oficiais e que vão gastando 59progressivamente durante seu período em tais funções".Mas não são apenas os políticos, também os administradores,cientistas e até médicos se prendem firmemente a modelos ereceitas por meio dos quais obtiveram sucesso frequentementee durante períodos prolongados, mesmo quando as condiçõesde aplicação dos referidos modelos e receitas já semodificaram inteiramente - com consequências muitas vezesdesastrosas.Mas tal fixidez intelectual não é o único aspecto dramáticoda política que se identifica nas escaladas de violênciaconsequentes a mudanças de sistema. Ainda mais claramentese revelam as deficiências dos modelos e conceitos dospolíticos que se manifestam durante a formação do caráterdas novas nações. Isto porque a maioria destes não tem nadaa ver nem com a experiência na administração de processos emétodos democráticos, nem com o conhecimento da economiade mercado, nem tampouco com as normas e procedimentos doliberalismo, mas se restringem a táticas para acumulaçãode poder, corrupção, propaganda, culto da personalidade eassemelhados. Em uma situação de decadência do Estado edesestatização, estas combinações saem do reino da fantasiae se transformam em catastróficas experiênciasautocráticas. O modelo de construção de um Estadodominante que foi preconizado através do Ocidente é o tipo doestado nacional democrático - todavia, em uma situação dedesagregação das instituições vigentes e de necessidadeaguda de estabelecimento de um certo grau de controledentro de uma impossibilidade total de aquisição de uma visãode conjunto, um novo estado nacional podefrequentemente seconstituir apenas ao longo de fronteiras étnicas, enquanto 60outros fatores de formação social se tornam invisíveis.Para a m aioria dos ato re s re c ém -chegados ao cam po dosdebates polí ticos, ap ós a desagregação de um sis tem a degove rno, ge ral ente o nacionalism o é o tipo de pe rfil que m59Por meio da literatura científica, citações oportunas e um tanto fantasmagóricas aparecem com frequência, cujas fontesoriginais não podem ser identificadas, mas são tão apropriadas que continuam a ser transcritas. É o que ocorre aqui. Afonte desta afirmação de Kissinger não pôde ser verificada, mas eu retirei a citação do livro de Rudi Anscfiober e de PetraRamsauer: Die Klimarevolution. So retten wir die Welt [A Revolução Climática: De que maneiras poderemos salvar omundo], Wien (Viena), 2007, p. 161. (NA).60Estas limitações de pontos de vista não constituem privilégio de sociedades pós-ditatoriais. Também estados nacionaisestáveis não nutrem hoje qualquer ilusão com respeito ao desenvolvimento de formas de solidariedade comum além danacionalidade, caso os processos de globalização não facilitarem diretamente os meios necessários para isso. (NA).
  • 73. lhes fornece as melhores possibilidades de sucesso - junto aoqual marchamlado a lado os efeitos auto-fortalecedores daradicalização: um exemplo claro desse tipo de político foi ocaso de Slobodan Milosevic em que se torna perfeitamentevisível a maneira como ele procurou manter sob controleseus concorrentes ultranacionalistas, quando menos paraassegurar sua própria influência, inaugurando um processoque o levou a radicalizar cada vez mais seu próprionacionalismo.A modificação dos acontecimentos modifica também aquelesque originaram tais acontecimentos - um processo que, aliás,tambémpodeser identificado claramente na elite dirigente donacional-socialismo e sua progressiva radicalização.Todavia, as previsões destes processos apresentadas pelapsicologia social são também bastante precárias, porque aspessoas envolvidas em processos de transformação socialcom frequência não observam se suas próprias formas depercepção e seus mapas mentais são verdadeiros ou falsos,normais ou incomuns, previsíveis ou imprevisíveis na medida emque tais processos mentais vão se transformando comoresultado natural dos próprios acontecimentos. Em outraspalavras: comomembros de uma sociedadeemtransformaçãoauto-normativa, as pessoas não notam que também aspróprias normas são submetidas a mudanças, porque aspessoas constantemente se identificam com o ambiente socialque as rodeia. Isto pode ser caracterizado como um fluxocontínuo de suas linhas de referência, as chamadas shiftingbaselines [linhas básicas de transformação] (vejaAnschober & Ramsauer, op. cit, p. 212ss.).Até que ponto a dimensão de uma violência mortal surgiupor toda a Iugoslávia e em outras partes do mundo éamplamente conhecido. Menos confiável é a convicção de quenossas sociedades democráticas constituídas no pós-guerraconsigam conservar os fundamentos de seus processos deidentificação com as próprias instituições sob condições deextrema violência. Serve como exemplo claro e oportuno oque a sociedade majoritária alemã não-judia tem alamentar, quando despojou a si mesma de uma parteessencial de suaprópria cultura ao massacrar os judeus -recaindo a maior parte deste prejuízo cultural sobre asociedade composta pelos descendentes das pessoas queformavam a comunidade popular desse período. A extremaviolência é transgeracional, perceptível mesmo em muitasdas transformações duradouras do sistema realizadas desdeentão, e a própria República Federal Alemã é uma sociedaderesultante dos efeitos da violência (conforme a expressão deKlaus Naumann). E nisto ela se diferencia apenas emcaráterdimensional das outras sociedades desenvolvidas no pós-guerra, não emseusprincípios gerais.
  • 74. Acontecimentos como o Holocausto ou a desintegraçãoeivada de violência da Iugoslávia como os últimos exemplosprévios da forma comose construíram os Estados europeussedemonstram claramente assustadores: pois foi somente pormeio desta construção de Estados sobre processos de limpezaétnica e assassinatos em massa que resultou a formação deEstados etnicamen homogêneos. Conforme Michael Mann terecentemente salientou, estes processosforam empregadosdeuma forma ou de outra durante a constituição da maioria dospaíses europeus. Claramente a escolha da violência maciçaou da limpeza étnica como processos sociais não constituiexceção ou acidente de percurso ao longo da história, porémo lado obscuro dos processos de demo cratização com que asnações construíram a si próprias. Não obstante, os caminhosda limpeza étnica e do genocídio não seguemde forma algumaum plano diretor; na realidade, se manifestam nãoraramente como consequên cias não-premeditadas daadministração nacional. A guerra, a violência e suasdinâmicas imanentes estão embutidas na evolução dosacontecimentos, desdeo começo do processo de construção deuma nação, como desenvolvimentos que ninguém haviajulgado possíveis anteriormente - da simples expansão dopovoamento pode resultar em pouco tempo a expulsão de umgrupo que habitava anteriormente uma região limítrofe e 61esta pode transformar-se facil mente em um genocídio. Éimportante notar que não estamos tratando aqui de nenhumprocesso minúsculo ou descartável dentro da dinâmicahistórica, mas de uma escalada dos aspectos mais violentosdos processos de modernização, os quais, após a constituiçãoconsequente de um novo país são convenientementerespondidos por meio de uma amnésia cultural. Esta atitudetambém é facilitada pelo fato de que as vítimas dahomogeneização se tornaram invisíveis, ou porque foramexpulsas do território ou porque não podem mais serlocalizadas, uma vez que todas estão mortas.Se com preender os as lim pezas é tnicas e os genocídios dos ms écu los 1 9 e 20 com o os ge rad ores d a m odernização, is topode rá nos suge rir com bas tan te cla re za a possibilid ade deque as trans fo rm ações sociais que o p rocesso deglobalização pode rá traze r em sua es te ira possam p rovocarcom portam entos vio le ntos aind a m ais hom icidas. E se, dem aneira sem el hante , é assim que se expandem e crescem associedades e , por fo rça d as trans fo rm ações de seu espaçovital de sobre vivência, d as m udanças causad as em seussis tem as polí ticos ou d as necessid ades de m ais re cu rsos,lan çam ou tras nações em situações de ins tabilid ade, tan to61~ Veja Michael Mann: Die dunkle Seite der Demokratie. Eine Theorie der ethnischen Säuberung [O lado obscuro daDemocracia: Teoria da Limpeza Étnica], Hamburgo, 2007. (NA).
  • 75. m ais aum enta a possibilid ade d a escol d as arm as de dois hagum es que s ão as solu ções vio le n tas para os p rob lem asassim causados. OS MORTOSDE HO JE Í O ECOCDIO A C arne de sua M ãe está entre m eus D entesPara os his to riad ores am bientais, as ilh as s ão locaisfavo ritos , particu larm ente nos casos em que suas condiçõesde iso lam ento fo rem m aiores. Q uando o inte rc âm bio comou tras sociedades to rna-se nu lo, porque as d istâncias s ãom uito grandes e as possibilid ades de desenvolvim ento d a nave-gação m uito pequenas, os fato re s de influ ência exte rna ísobre os p rocessos de desenvolvim ento e de declnio se to rnamp raticam ente inexistentes. Um a ilh a, portan to, lhes garan teum local de estudo e de trab alho dentro de condiçõescontro lad as, de lim itando um espaço em que, por um m otivo ououtro , tam b ém um de te rm inado p rocesso de desenvolvim entointe rno n ão raram ente conduz a catás tro fe s.Neste sentido a Ilh a de P áscoa pode se r considerad a com o ate rra dos sonhos dos his to riad ores am bientais. E la seencontra a um a d istância de 3.500 quilôm e tros do continentem ais p róxim o, ou se j a Am érica do S ul, foi co lonizad a em a,to rno do ano 900 d .C . por po lin ésios, os quais e ram m estres-arm adores de canoas e h ábeis navegadores, e desenvolveuum a cu ltu ra que pe rm aneceu em p rospe rid ade p le na e grandedesenvolvim ento duran te m eio m ilênio. A Ilh a de P áscoa n ãogozava re al ente , confo rm e descre ve Jare d D iam ond, d as mcondições ecológicas ideais, com o ocorre em m uitas outrasd as ilh as habitad as do Pac ífico, m as as riquezas natu raisfo ram suficiente s para pe rm itir o crescim ento d a população,te ndo sido capazes de nu trir um m áxim o de 20.000 a 30.000pessoas, que se d ivid iam nessa ocasião em onze a doze clãs ,re partind o as te rras entre si, cad a um de l com andado por esseu p róp rio cacique.A ilh a e ra original ente cobe rta de flo re s tas fo rm ad as por mvin te e um a esp écies d ife rentes de pal eiras, duas d as quais malcan çavam altu ra e l vad a, um a em particu lar podendo ecresce r até atingir trin ta m e tros de altu ra, sendo, portan tocapaz de p roduzir m adeira bas tan te ap rop riad a 62 para aconstru ção de casas e tam b ém para canoas longas. A ilhaabrigava igualmente vinte e cinco espécies de avesterrestres; os habitantes se alimentavam com o produto desuas colheitas, além da carne das aves, de golfinhos e daincontável descendência de uma espécie de ratões que62Jared Diamond, Kollaps [O Colapso], Frankfurt am Main, 2005. (NA).
  • 76. evidentemente os primeiros colonizadores haviam trazidoconsigo quandode sua mudança para a ilha.O apogeu da sociedadeda Ilha de Páscoa deve ser localizadopor volta do ano 1500 d.C; o número de construções atingiuo máximo nessa63 época, de caindo progressivamente em 70%até o século 18.A sociedade pascoana era uma teocracia; os caciques, quegozavam de uma situação semelhante à de semideuses,exerciam simultaneamente as funções de sumos-sacerdotes efuncionavam, do mesmo modo que ocorria em outrassociedades polinésias, como intermediários entre os homens eas divindades, orientando as relações entre os clãs,estabelecendo relacionamentos com os outros caciques 64 edeterminando o comportamento dos habitantes individuais.Historicamente, pode-se descrever assim a Ilha de Páscoacomo portadora de todas as qualidades de um pequenoparaíso terrestre, pelo menos para a classe de pequenosproprietários rurais que a dominavam; porém, já no século18, quando chegaram os primeiros europeus - na famosaexpedição exploradora comandada pelo Capitão Cook - elescontemplaram na ilha um cenário bastante semelhante ao deuma pintura surrealista. A terra havia se tornadocompletamente despida de árvores e praticamente deserta deseus habitantes; os poucos sobreviventes eram, conformeCook os descreveu em 1774, "baixos, magros, assustados e 65miseráveis". Com a exceção de ratões e galinhas, não haviaquaisquer animais. Ainda mais bizarro era o panorama, emque surgiam cerca de cem gigantescas estátuas de pedra, amaior parte delas derrubadas ou quebradas. Muitas delasatingiam o comprimento de seis metros e pesavam cerca de deztoneladas, m as a m aior de tod as chegava a vin te e umm etros de com prim ento e pesava duzentas e se tentatone lad as.Em um a ped reira, e l es encontraram algum as figu rasescul as pe la m e tade ou já p rontas para se rem pidtransportad as. O enigm a e ra com o os habitan tes tinhamconseguido transportar aque las es tátu as gigantes e e rgu ê-las em seus pedestais, um a vez que a ilh a claram ente n ãod ispunha de m adeira que o povo tive sse podido em pregar paraseu desl ocam ento e co locação sobre p latafo rm as de ped ra.Ho j se sabe que os m oai, as figu ras gigantescas, tinham sido ee rguid as com o ob j tivo de re p resentar os che fes dos clãs e ese rviam para sim bolizar seu p res tígio e o dos p róp rios clãs eque, em ce rto m om ento, havia se es tabele cid o um a acirrad aconcorrência entre e l para ve r quem conseguia constru ir e es63Idem, pägina 140. (NA).64John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, p. 53. (NA).65Jared Diamond, Kollaps, p. 140. (NA).
  • 77. ins talar as m aiores figu ras; a d atação his tó rica assinalae fe tivam ente o aum ento p rogressivo d a altu ra d as es tátu as 66duran te o decorre r de um s écu lo.As reconstruções arqueológicas tornam bastante provávelque os ilhéus - evidentemente infatigáveis em sua competiçãopor esculturas cada vez maiores - tenham explorado deforma exaustiva e mortal seus recursos ecológicos. O abatedos bosques de palmeiras começou provavelmente logo apósa chegada dos primeiros colonos, por volta do ano 900 denossa era, e só foi encerrado no final do século 17. Não sepode saber o que se passava na cabeça daquelas pessoas,quando derrubaram as últimas árvores da ilha;provavelmente pensaram apenas em suas necessidadesimediatas, sem a menor preocupação com o futuro. A madeiradas palmeiras servira, enquanto ainda eram abundantes, auma grande diversidade de fins: para aquecer as casas ecozinhar os alimentos, para a produção de carvão, comomaterial de construção para as casas e canoas e final-mente, mas não menos importante, para os trabalhos deconstrução das estátuas, por meio dos quais as grandesfiguras eram transportadas e erigidas.Em resumo, conforme escreveu Jared Diamond, "produziu-sena Ilha de Páscoa uma imagem que não era estranha noconjunto do espaço vital do Oceano Pacífico, mas querepresentava um caso extremo de destruição dos bosquesnaturais e que, em diversos aspectos, não encontrou nenhumparalelo conhecido em qualquer outra parte do mundo. Paraos habitantes da ilha, surgiram consequências imediatamenteperceptíveis, porque a matéria-prima e os meios naturais denutrição começaram logo a escassear, particularmente como desaparecimento dos frutos produzidos pelas palmeiras. [...]A partir do momento em que não havia mais madeira para otransporte, nemfib ras para a p rodu ção de cord as,sucum biram à te n tação de transportar e e rigir as es tátu as 67com a m adeira de suas p róp rias canoas." Para uma ilhaque não mantinha qualquer contato com o mundo exterior,não havia qualquer maneira de compensar um colapso derecursos naturais de tal nível; a pesca se tornou quaseimpossível e a destruição dos bosques que anteriormentecobriram aquela ilha varrida pelos ventos provocou umacrescente erosão do solo, tornando também a agriculturapraticamente inútil. Sem madeira, não se podiam mais fazerfogueiras para cozinhar; no inverno, os habitantesqueimavam as últimas plantas e chumaços de relva. Adecadência provocou até mesmo uma mudança na atitudepara com os mortos: não havia mais madeira para a66Jared Diamond, Kollaps [O Colapso], Frankfurt am Main, 2005, p. 126. (NA).67 Idem, p. 138. (NA).
  • 78. crem ação, portan to os m ortos passaram a se r m um ificadosou sim pl ent ente rrad os. esm eN ão é necess ário d ize r que em um a tal situação, a d im inuiçãod as possib ilid ades de sobre vivência am pliou aind a m ais aconcorrência pe los poucos re cu rsos que aind a subsistiam , queos d ive rsos clãs te n tavam ob te r para si -re al ente , em mtod os os n íve is, para a alim entação, com o m ate riais de cons-tru ção, com o suportes técnicos e aind a para o e rguim ento desuas re p resentações sim b ólicas. E com o ou tros exem pl osconcludentes dem ons traram que, em caso de necessidade, "nems ó de p ão vive o hom em " (especial ente quando n ão tem 68 mp ão), algo semelhante ocorreu entre os habitantes da Ilhade Páscoa. Aqui encontramos a emancipação de uma práticacultural, que também não poderia ser abandonada semperigo à renúncia das características tradicionais de suaspersonalidades. Seja como for, o comportamentoautodestrutivo não constituiu um privilégio dos moradores daIlha de Páscoa - nos países ocidentais, os padrões de pudorocasionalmente levaram pessoas a morrer dentro de casasem chamas, por acharem que não podiam sair correndo 69nuas. Norbert Elias escreveu claramente que,comprometidas por determinadas condições de altodescontrole emocional, as pessoas bloqueiam as perspectivasmais distantes que seriam indispensáveis para sua própria 70salvação. Relata-se que, no começo do século 17, o rei daEspanha, Felipe III, morreu de uma febre "que ele provocou emsi mesmo, por permanecer por um tempo demasiado longodiante de um caldeirão fervendo, o que causou umsuperaquecimento de seu corpo, porque o criado responsávelpor essa tarefa havia se afastado do braseiro e não pôde 71ser encontrado quando o rei o chamou."Conforme vimos no capítulo anterior, existem grandesdiferenças na maneira como as pessoas percebem einterpretam as situações em que se encontram; aqui se tornavisível até que ponto estas diferenças podem se tornar auto-destruidoras, ainda mais em situações como a do rei Felipe III,em que melhores possibilidades de solução do problemapoderiam facilmente ser encontradas. Mas isto tambémdemonstra que, mesmo em casos que se referem à própriasobrevivência, muitas vezes fatores culturais, sociais,68 Ernst Bloch: Erbschaft dieser Zeit [A Herança de nossa Época], Frankfurt am Main, 1962. (NA).69 Este exemplo foi retirado de Stanley Milgram. (NA).70 Norbert Elias: Die Gesellschaft der Individúen [A sociedade dos indivíduos], Frankfurt am Main, 1987; também deNorbert Elias, veja Engagement und Distanzierung [Comprometimento e Distanciamento], Frankfurt am Main, 1983.(NA).nA71 Barbara Tuchman: Die Torheit der Regierenden. Von Troja bis Vietnam [A loucura dos governantes: De Tróia ao rVietnã], Frankfurt am Main, 2001, p. 16. (NA).
  • 79. em ocionais e sim b ólicos exe rcem um pape l bem m ais im portan tedo que o p róp rio ins tin to de conse rvação. Bas ta exam inarm osa atu al cu ltu ra dos hom ens- ba e de ou tros tipos de bomte rro rism o suicid a para encontrarm os um claro parale lo naatu alid ade.Fe lipe III, do m esm om odo que os habitan te s d a Ilh a de P áscoa,estava se orientando por um con j unto de re fe rências que lheto rnava im poss íve l enxe r gar as in fe lizes consequ ências deseus p róp rios atos. As coisas acontece ram com o se osfo rm atos de pe rcep ção cu ltu ral existentes fossem capazes dedesl ocar quaisque r ou tras possibilid ades e com o se osparticipantes d as ações lite ralm ente n ão conseguissemenxe rgar o que pode riam faze r de fo rm a d ife rente . Esse tipode b loqueio m ortal tam b ém pode se r criad o por m eio dotre inam ento e d a d isciplina sis tem aticam ente ap licad os, a talponto que, nos exércitos altam ente d iscip linados dos s écu los1 8 e 1 9, enquanto os sol ados de infan taria n ão re cebiam do rdem de entrar em batalh a, deixavam -se m atarind iscrim inad am ente. "S em um a palavra de p ro tes to epe rfe itam ente contro lad os, os hom ens se deixavam m atarfila ap ós fila e , com fre qu ência, tal carnificina continuavapor horas. Foi re latad o que a infan taria do exército doC onde O ste rm ann-Tols toi, duran te a batalh a de Borod ino,pe rm aneceu duran te duas horas pe rfilad a e sem a m enorp ro te ção, sob o fogo d ire to d a artilh aria francesa e qued u ran te esse tem po, as p róp rias file iras p rogressivam ente 72 sem oviam para p reenche ros espaços deixados pe los m ortos."Expresso de outra forma: aquilo que em todos estes casos foipercebido como problema não foi a periculosidade real paraa própria sobrevivência, mas o perigo simbólico,tradicionalizado, ligado à posição social ou ao cumprimentodo dever ou ao medo de ofender um regulamento repressivo -um tal perigo psicológico pode assumir um peso tão grandeque, dentro da perspectiva dos atores, se tornaabsolutamente impossível divisar qualquer outrapossibilidade de comportamento. Deste modo, as pessoas setornam prisioneiras de suas próprias estratégias desobrevivência.Pode-se também assinalar o firme apego à adoção deestratégias que não passam de sobrevivencias históricasdesatualizadas, que muito depois de sua decadência aindacaptam as energias e a fantasia dos contemporâneos. Umexemplo se encontra na construção de fortalezas, quegerações de engenheiros militares se encarregaram72 John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, p. 31. Para seus adversários, que nãoseguiam tais táticas de guerra, mas adotavam o conceito tradicional da luta corpo a corpo, esta estratégia bélica parecia nãosomente absurda como ridícula (ibidem). (NA). Exemplos semelhantes são os piquetes de soldados confederados que selançavam contra a fuzilaria unionista na batalha de Gettysburg, em 1863 ou as marchas contra metralhadoras dos soldadosbritânicos durante a campanha de Flandres, na Primeira Guerra Mundial. (NT).
  • 80. conjuntamente de desenvolver e aperfeiçoar cada vez mais,sendo perfeitamente visível que lhes passava despercebido ofato de tanto as técnicas como as origens e formas decondução das guerras já haverem de há muito superado asegurança garantida pelos fortes militares. Deste modo, oaperfeiçoamento dos canhões e de seu alcance destruidorcada vez mais tor nava necessária a construção defortificações exteriores às cidadelas, a um ponto que emAntuérpia, na Bélgica, um cinturão de obras externas foisendo instalado progressivamente ao redor da fortalezacentral, chegando a uma distância de quase quinzequilômetros da cidadela. O absurdo dessas estruturas cadavez mais abrangentes chegoua umponto emque praticamentenão sobrava mais espaço para defender a cidade que deveriaser protegida pela forta leza, ao contrário, sua proteçãofoi se tornando cada vez mais reduzida. Além do mais, não sedispunha de umnúmero suficiente de soldados para defender aprópria fortaleza e, quando os inimigos realmente seapresentaram, esta se mostrou totalmente inútil, porqueestes não se desgastaram em atacar a própria fortaleza,mas tinham objetivos bemmais interessantes, como a tomadada cidade. Historicamente, o abandono da construção denovas fortalezas já devia ter sido registrado nesseponto dotempo, quando já se sabia perfeitamente que elas haviam setornado totalmente obsoletas e sem sentido; massimplesmente as pessoas se prendiam a receitas e métodosconhecidose que, dentro de outras circunstâncias, tinham sido 73bem- sucedidosno passado.Um a ou tra situação que, para os participantes, n ão pare ceassociad a ao exe rc ício de pode r ou à vio lência, é o p rove itoque tira a o rganização a que cad a um de l pe rte nce de esam eaçar ou e fe tivam ente exe rce r vio lência. Heinrich Popitzacentuou m uito nitid am ente este ponto por m eio do seguinteexem pl bas tan te sim pl em um navio de cruzeiro exis te um o es:n úm e ro de cadeiras de convés corre spondente a um te rço dospassageiros. Em ge ral, is to n ão constitu i nenhum p rob lem a,porque sem pre existe um n úm e ro suficiente de pessoasocupad as em ou tras ativid ades; as cadeiras de convés s ãosuficientes para ate nde r às necessidades d as pessoas quedese j e fe tivam ente ocup á-las . Mas a situação se m odifica amre pentinam ente quando chegam novos passageiros a bordo edesenvolvem técnicas para m ante r as cadeiras ocupad as,m esm oquando n ão es tão sentados ne las. A técnica e fe tiva éa coope ração social: pede- a um dos ocupantes que declare se73 Compare com este trecho a descrição literária de W. G. Sebald em seu livro Austerlitz [A batalha de Aus-terlitz],Frankfurt am Main, 2003, pp. 25ss. (NA). Apesar de tudo, os franceses construíram ainda uma série de fortificações (aLinha Maginot) ao longo de sua fronteira com a Alemanha, no período entre guerras, a que os alemães se acharam forçadosa responder com as casamatas da Linha Siegfried. Mas quando a guerra estourou, os alemães simplesmente passaramatravés da Bélgica. (NT).
  • 81. que o "seu" lu gar es tá ocupado, is to é, que "guard e " o seulu gar, m esm oquando a pessoa re al ente n ão o vá ocupar. A mvan tagem dos ocupantes ve rd adeiros está no fato de es telhes pare ce r se r um negócio re c íp roco para quandop re cisarem que seu p róp rio lu gar se j guard ado. aD esta m aneira, se constitui um grupo de favo re cidos e umgrupo (algum as ve zes bas tan te num eroso) de p re j icados. udO s favo re cidos pe rcebem os benefícios de se organizarempara de fender seus in te resses m útuos. Esta van tagemestabe l um iso lam ento contra os dem ais passageiros, que ecetam b ém gos tariam de u tilizar algum as d as cadeiras deconvés, m as n ão d isp õem de qualque r pode r para contrariaresses in te resses co le tivos. Es te in te resse ind ividual ad icionadon ão confe re qualque r van tagem o rganizacional -especial ente porque os "sem - m cadeiras " n ão d isp õem de umm ode l coope rativo sem el o hante àque l que foi desenvolvid o epe los p rivile giados que ocupam pe rm anentem en os lu gare s tenas cadeiras de convés.Aqui o pode r é exe rcido por m eio de um a sim pl van tagem eso rganizacional - e es te se to rna um pouco m ais extensoquando se constitui um a te rce ira classe de vigias pe loestabe l ecim ento de um a ordem de ocupação de de te rm inadoslu gare s em d ive rsos horários do d ia m ediante au to rização dosp rivile giad os, embora tais cadeiras n ão pe rte n çam re al entemà classe dos favo re cidos e tc. A fascinação deste exem pl se oencontra no fato de, para os p re j icados, n ão exis tir nad a udvis íve l por m eio de que possam com provar que sua subm iss ãoao pode r se j re su ltan te de um a van tagem organizacional ados p rivile giad os, porque ago ra veem m ais ou trospassageiros tam b ém u tilizando as cadeiras de convés, aind aque se j por m eio destes que o pode r se fo rtale ce . A única acoisa que e les conseguem ve r é que nunca sobram cadeiraspara e l p róp rios e talve z sintam frus tração e raiva por escausa d isso, m as re al ente es ta em oção até d ificu lta ; mpe rcep ção d a ve rd adeira causa original de sua situação de 74infe rio rid ade.Voltando ao caso da Ilha de Páscoa, que realmente sobmuitos aspectos bastante instrutivo para nossa questão decomo os significados pressentido: nos problemas sãoresponsáveis pela determinação do comportamento da:pessoas: esta situação assinala claramente que a maneiraabstrata como os problemas são percebidos pode assumir umaspecto bastante real e concreto efetivamente conduz semgrandes dificuldades a uma solução violenta. No final dacultura pascoana encontra-se efetivamente uma guerrapavorosa. O conflito pelos recursos, cujo núcleo originalfora a destruição das florestas da ilha, acabou por reduzir74 Heinrich Popitz: Prozesse der Machtbüdung [Os processos de construção do poder], Tübingen, 1976, pp. 9ss. (NA).
  • 82. os habitan tes sobre viventes a um a exp l ração exaustiva de osi m esm os, com o confirm a a descoberta de ossos com sinais dem ord id as hum anas, além de m uitos ossos partid os (parasugar o tu tano que havia dentro de l es). Es te canibalism ofinal n ão foi sim pl ent identificado pe los achados esm earqueológicos, tam b ém exe rce um pape l conside ráve l nosre latos orais dos ilh éus sobre viventes. O co lapso ecológicon ão conduziu apenas à e ros ão do solo, m as tam b ém àdestruição de sua cu ltu ra.Em 1 680, os gove rnantes e sum os- sace rdotes já haviam sidode rrubados pe las gue rras e os onze ou doze clãs se haviamre duzido a dois grandes grupos que aind a com batiam um ao 75ou tro; muitos dos habitantes, com boas razões, seesconderam em covas e cavernas. Nunca mais foram erguidasnovas estátuas; ao contrário, foram sendo derrubadas eparcialmente destruídas pelos concorrentes; as grandeslajes de pedra que haviam sido empregadas na construçãodos pedestais das figuras foram retiradas para serviremcomo defesa na entrada das galerias subterrâneas. Comomedidas estratégicas de defesa de um grupo contra o outro,eram escavadas covas cada vez mais profundas, que destaforma perfuraram metade da ilha; uma recente inovaçãotécnica, pontas de lança feitas com lascas de obsidiana,tornou as lutas ainda mais mortais. Em resumo: ascircunstâncias levaram a ilha inteira a mergulhar em ummundo surrealisticamente destrutivo que, para a maioria doshabitantes, já não permitia a menor chance desobrevivência. O historiador militar John Keegan fala deuma "guerra absoluta", que conduz primeiro ao fim daorganização política, depois elimina a cultura e, finalmente, 76representa o final da própria vida.Es ta expe riência insu lar, que n ão sofreu a m enor influ ênciaexte rna, encontrou assim seu final quando as pessoaspassaram a consum ir a si m esm as com o seu ú ltim o re cu rso desobre vivência. A m aior parte dos poucos que conseguiramsobre vive r à gue rra fo ram caçad os no s écu lo 1 8 porm arinheiros pe77ruanos a fim de se rem vendidos com o escravosno continente. Em 1872, a ilha tinha somente cento e onzehabitantes. A maior ofensa que pode ser proferida nalinguagem da Ilha de Páscoa é a seguinte: "A Carne de suaMãe está entre meus Dentes". O Genocídio de Ruanda75 John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, p. 55. (NA). Estes dois grupos eramreferidos no folclore como os "orelhas longas" e os "orelhas curtas". (NT).76 Idem, página 58. (NA).77 Conforme Joachim Radkau: Natur und Macht. Eine Weltgeschichte der Umwelt [A natureza e o poder: Históriamundial do meio ambiente], München, 2000, p. 198. (NA).
  • 83. Pois vamos retornar a Ruanda. O genocídio de Ruanda serealizou de forma bastante diversa, com uma velocidademonstruosa, porque aqui literalmente foram os muitos aexterminar os poucos (os hutus correspondiam a 90% dapopulação). Como se formou, em vista destas circunstânciasde clara superioridade numérica, o sentimento de medoentreos hutus, que à primeira vista nos parece tão bizarro, de queos tutsis representavam uma ameaça mortal e que eles usamcomo justificativa de sua própria necessidade de eliminar ostutsis a qualquer preço?Por uma preferência quase exclusiva atribuída ao grupo dostutsis no tempo da administração alemã e posteriormentefrancesa [de fato belga, a partir de 1918], formou-se oconceito de que os tutsis eram racialmente superiores e cor-respondentemente, a designação para todas as posições maiselevadas lhes era atribuída - conferindo-lhes umasuperioridade material e psicológica que sobreviveu aostempos coloniais e ainda permanecia na época daindependência de Ruanda. Em segundo lugar, após aindependência em 1962, a história dos conflitos armados nopaís foi longa e sangrenta; antes que começasse o genocídiode abril de 1994, a nova nação já fora o teatro de umaguerra civil, emque os tutsis e grupos rebeldes lutavam pelopoder, até que, por ocasião do atentado contra o presidente,o governo passou às mãos da maioria hutu. Com oassassinato do presidente, que também era hutu, o conflitoassumiuagudoscontornos étnicos.Um estado de guerra civil corresponde a uma situação deinsegurança crônica para os habitantes de uma terra,carregada de uma sensação de ameaça extrema e até mesmoa pura sobrevivência individual recai em um estado em queabsolutamente nada favorece a própria segurança ou aredução das ameaçasreais ou percebidas. Desenvolve-seigualmente uma orientação emocional no sentido datransparência, da redução do medo e da confusão. Destemodo, surge também aqui uma clara identificação daquelesque são considerados como amigos e como inimigos, umaclassificação exata de quem somos "Nós" e de quem são"Eles". "Os tútsis são os nossosinimigose quemquer que sejatútsi é nosso inimigo", um sentimento que se desenvolveu a umponto tal emque os próprios hutus eram massacrados quandotentavam defender os tútsis ou esconder alguns deles ou atémesmo quando se manifestavam publicamen contra os teassassinatos. Foi contra este ciclorama, o pano de fundodeste sistema de orientação auto-referencial, que explodiu aviolência.
  • 84. Vidas ApinhadasMas a guerra civil em Ruanda foi somente um dos elementosdo problema. Um outro é fácil de identificar: nessa época,Ruanda era o país africano com a mais elevada taxa dedensidadedemográfica, realmente uma das maiores do mundoeo número de habitantes continuava a crescer rapidamente(como acontece hoje em dia em muitas sociedades africanas,apesar das condições catastróficas de sobrevivência). Éevidente que as situações de insegurança permanente devidoàs guerras civis e violência cotidiana se acham ligadas tan-to a uma tendência de crescimento descontrolado como àdisposição individual para o emprego da violência entre apopulação; um exame detalhado das estatísticas do distritode Kanama, situado no noroeste de Ruanda, demonstra que onúmero já exorbitantemente elevado de habitantes porquilômetro quadrado cresceu de 672 para 788 entre 1988 e1993; todos (!) os homensjovens viviam até os vinte e cincoanos nas casas de seus pais e como dependentes deles. Otamanho médio das famílias cresceu de 4,9 para 5,3 pessoasdurante esse mesmo período de tempo; nas propriedades dospequenos agricultores, uma pessoa vivia em 1988 daprodução de 800 metros quadrados de terra, mas em 1993 78sobravam-lhe em média somente 580 metros quadrados. Amaior parte dos membros da família não tinha mais condiçõesde viver com o produtode suas pequenas fraçõe s de te rra ep re cisava ir buscar um a re nd a ad icional com o em pregadosdom ésticos, fab rican tes de tijo los e tc. O n úm ero d aque l escu j ração d iária se encontrava abaixo do lim ite oficial d a afom e (1 .600 calo rias por d ia) foi aum entando rapid am ente e ,com e l , o potencial e o n íve l dos conflitos. eTam b ém a situação dos p rob lem as dem ográficos e ecológicosagravad os deve se r in te rp re tad a com o aux ílio de seuspad rões de re fe rências - e fe tivam ente os conflitos em assacres m enores que se re alizaram durante os anosan te rio res ao p róp rio genocídio já es tavam codificados pe losquad ros de fo rm ação de grupos de "N ós " e de "E le s ", dom esm o m odo que estes conduziram aos p rocedim entos devio lência m aciça que sucederam à queda do avião doP residente H abyarim ana. C om e fe ito, os fato re s ecológicos,dem ográficos e geográficos s ão até aqui claram enteinsuficientes para satis faze r as pesquisas re lativas àvio lência e ao genocídio, cu j conclus ões fre quentem ent se as ere ferem à cate goria "id eologia", m as que re su ltamclaram ente d a pe rcep ção psicológica dos p rob lem as e de78 Catherine André e Jean-Philippe Platteau: Land Relations under Unbearable Stress: Rwanda caught in theMalthusian trap [Relações com a terra sob tensão insuportável: Ruanda capturada pela armadilha malthusiana], publicadona revista Journal ofEconomic Behavior and Organization [Revista da organização e comportamento econômicos],34/1998, conforme citado por Jared Diamond, em Kollaps [O Colapso], Frankfurt am Main, 2005, p. 399. (NA).
  • 85. suas supostas causas originais sob a pe rspectiva dos ato re sque ne l re p resentaram um pape l de te rm inado. esA m aneira com o as causas dos p rob lem as e suaspossibilid ades de solu ção s ão pe rcebidas e inte rp re tad astam b ém acre scenta aqui a sua influ ência, sobre tudo nosentido de quais conceitos s ão em pregados e m ediante quaisinte rp re tações o m undo é pe rcebido. O corre nestes casos queos assassinatos sim pl ent n ão s ão de finidos com o tais , esm eporém - com o no caso do Holocaus to - s ão denom inados de"tratam entos especiais", com o a satis fação d as "le is d anatu re za", com o a "so lu ção final d a questão jud aica" ou -com o no caso do s talinism o - de consequ ências his tóricas d a"e lim inação de classes sociais " - que n ão assinalam apenaseufem ism os, m as s ão entendidos com o tais. A hip ótesefre quentem ente expressada de que tais express ões se j amsom ente d issim ulações ve rbais facil ente nos conduz ao e rro. mD entro do sis tem a nacional-socialis ta, os j eus e ram tid os udcom o pe rniciosos à população em um sentido bio lógico; emconsequ ência d isso, fo ram m ortos com Zyklon B, venenodestinado a exte rm inar anim ais d aninhos. Em Ruand a, aspessoas m ataram do m esm o m odo que se com batem e rvasd aninhas; de fato , o significado de "co rtar" se to rnousin ônim o de "m atar", de tal m odo que os assassinatos79comm ache tes assum iram aqui um significado tod o especial (ealém disso, como já foi antes claramente sugerido, estesgenocídios foram descri tos como independentes de umaplanificação anterior, mas resultantes de violênciaespontânea - como se a violência tivesse sido iniciada poruma só pessoa e logo a seguir todos fossem buscar as armasque já tinham em casa). Finalmente, o significado metafóricodos assassinatos maciços destes genocídios exercia um papealtamente significativo, a um ponto que as armas, na gíriacorrente, eram referida como "ferramentas" (isto é, "coisas 80com que se executa um trabalho").As mortes eram, em consequência, encaradas como um"trabalho"; os homicídios coletivos como uma forma delimpar o campo antes de lavrar, que era par: eles umaatividade tão natural como arrancar as ervas daninhas, ousemelhante ao extermínio de pragas que atacavam ascolheitas. Dentro deste contexto se encontrava também a79* 103 Semelin classifica aqui de maneira errônea como redução de dissonância e como dissimulação o fato de os judeusserem considerados "animais daninhos" sob o nacional-socialismo ou que os ruandeses se referissem aos massacres comouma "faxina". Chega-se mais perto do significado real se entendermos estas denominações como conceitos consideradosverdades incontestáveis pelos criminosos. (Veja Jacques Semelin: Säubern und Vernichten. Die politische Dimension vonMassakern und Völkermorden [Limpar e eliminar. A dimensão política dos massacres e genocídios], Hamburgo, 2007,p.277ss. (NA).80 Anna-Maria Brandstetter: Die Rhetorik von Reinheit, Gewalt und Gemeinschaft: Biirgerkrieg und Genoa in Rwanda[A retórica da limpeza, da violência e da comunidade. A Guerra Civil e o Genocídio em Ru anda], publicado emSociologus 51/1-2,2001, pp. 148-184, precisamente na página 166. (NA).
  • 86. in j ria m ais com um com que se re fe riam aos tú ts is: ú"b aratas ".Um a nação e tnicam ente lim pa im aginad a pe los hutus e rare fe rid a com o "C am po"; o nom e que em pregavam com m aisfre qu ência com re lação a si m esm os e ra o de "F ilhos deC am poneses" e a sua tare fa e ra a de lim par esse "cam popara a p róxim a lavou ra. "E le s m atavam com o a gente quevai trab alh ar na sem eadura e s ó vo lta para casa depois de 81estar cansad a." Era nesta imagem que a lógi ca mortal daextinção dos tútsis se apoiava. "Outra coisa que também seafirma?; era fazer a capina do mato, com o que se indicavaque não era somente o capim alto, isto é, os adultos, quedeveria ser cortado, mas também a nova brotação, ouseja, as crianças e até os bebês deveriam ser arrancados dosolo. Era essa a força de representação que os levava aexercer atos de extrema crueldade para com a criançaspequenas, 82 crianças de peito e até mesmo os fetos ainda nãonascidos." As pessoas n ão enganam a si p róp rias pe lo em prego dem etáfo ras para ju s tificar suas ações. Muitas declaraçõesque, segundo a pe rspectiva exte rna, pare cem se r m e táfo rasou d issim ulações, podem se r, confo rm e o ponto de vis ta dop róp rios ato re s, to tal e in te iram ente exatas , inte rp re tad as,por assim d ize r com o re alid ades e , desse m odo, to talm ente 83adequadas para a o rientação de seu atos. O mesmo valepara a compreensão de uma política extremamentepaternalística, como foi claramente expressado nos trechosde ambas as entrevistas transcritas no começo do quartocapítulo. Quando se encara o presidente do país com o op róp rio "p ai", seu assassinato ad iciona um a nova d in âm icam otivacional, do m esm o m odo que se pode encarar um a e litede gove rnantes com o pe rm utáve l com nossa parente la re al.Q uem dese j re construir a fo rm a com o as pessoas encaram arseus p rob l as e de que m aneira irão p rocu rar solucion á-los emdeve se r capaz de entende r es te tipo de coisas. A pe rcep çãodos hom icídios com o atos de le g ítim a de fesa constitu i,conform e foi d ito an te rio rm ente , um m om ento im portan te d aau to le gitim ação e do au to-fo rtale cim ento para tod os os queparticipam de genocídios.Foi desse m odo que funcionou em Ruanda a técnica psicológicad a "trans fe rência de incrim inação" (confo rm e a express ão 84inglesa "accusation in a m irro r" [acusação espe l a]) hadque também exerce um papel tão fundamental na arte da81 Alison Des Forges: Kein Zeuge darf überleben. Der Genozid in Ruanda [Nenhuma testemunha pode so breviver. Ogenocídio em Ruanda], Hamburgo, 2002, p. 212. (NA).82 Anna-Maria Brandstetter, Die Rhetorik von Reinheit (veja nota 103 supra), p. 168. (NA).83 Isto foi explicado claramente na obra clássica de Benjamin Lee Whorf, Language, Thought, and Realii [Linguagem,pensamento e realidade], Cambridge, 1956. (NA).
  • 87. propaganda: as pessoas desenvolvem de forma putativafantasias de genocídio a serem praticadas contra si mesmaspelo lado oposto e isto as conduz naturalmente à eliminaçãocompleta do outro grupo. De fato, este fenômeno detransferência da culpa não é de forma alguma umfenômenoexclusivamente social-psicológico, mas é empregadoexplicitamente como um método de propaganda política: como auxílio deste tipo de técnica, consoante foi dito, "depois quese afirma um número suficiente de vezes que o lado opostoemprega o terror, seu inimigo podeser diretamente acusado de 85estar praticando esseterror."O reverso lógico da difusão de fantasias ameaçadoras é aobtenção de uma predisposição para a defesa contra asações provenientes do lado em que se enxerga a pretensaameaça - de tal modo que qualquer conclusão homicida equalquer ação conducente ao extermínio sistemático dessegrupo, mutatis mutandis é encarada e efetivamente percebidacomo um comportamento necessário de legítima defesa. Estaespiral da escalada dependente da ameaça percebida érepetida novamente aqui e ali, acabando por descreveratitudes assassinas e m assacres que, em um m ovim entogirató rio , s ão trans fe rid os para o lad o oposto - ou se j a,acaba sendo inse rid a na re alid ade o que an te rio rm ente e raapenas a decoração de um a fan tas ia avassalad ora. Aquiencontram os claram ente um m eio de p rodu çãocom portam ental altam ente adequado e com provado pe lotem po através d a d in âm ica de escalad a, o m esm o tipo dep rocedim ento em pregado duran te a gue rra p rovocad a pe lad issolu ção d a Iugos lávia e na Gue rra de Kosovo que a e la seseguiu.A causa o riginal é a p roxim idade social dos grupos é tnicosque fo ram d ifere nciados de m aneira p rá tica por m eio dosassassinatos, um p rocedim ento do re cu rso à vio lênciape rfe itam ente norm al, com o an te rio rm ente exposto, sem quehaja qualque r obstácu lo à m anifes tação d a vio lência emtais situações Tam b ém para a im aginação criad ora d aam eaça re p resentad a por seus inim igos m ortais, "E le s, ostú ts is " ao grupo de "N ós, os hu tus" e ra extrem am ente im por-84 M Alison Des Forges, op. cit.,p. 94. (NA). " Idem, ibidem. (NA). O conflito se ampliou para os países vizinhos. EmBurundi, os tútsis eram a maioria85e iniciaram ações de represália contra a minoria hutu, embora não atingissem nem de longe as proporções de Ruanda.O resultado prático foi que essa minoria de 7,5% debandou em massa para Ruanda e os poucos que restaram não forammais perseguidos. Já no Congo, Laurent Nkunda, da etnia tútsi congolesa, conhecida como Banyamulenge, organizou umatropa disciplinada que continua até hoje em escaramuças contra a milícia hutu conhecida como Interahamwe. Nkundaafirma que acolheu muitos sobreviventes tútsis de Ruanda e que luta para a comunidade tútsi inteira não ser massacrada, jáque o governo de Kinshasa, dominado por membros da etnia banto, não pode ou não quer defendê-los. Embora os tútsistivessem constituído a maior parte da oficialidade congolesa durante o governo de Mobu-tu Sese Seko, quando o país aindase chamava Zaire, quando seu sucessor, Laurent Kabila, foi assassinado e substituído por seu filho, Joseph Kabila, o crimefoi atribuído a um oficial tútsis e estes passaram a ser discriminados, o que os levou a abandonarem em massa o exércitocongolês e a se concentrarem no leste do país, sob o comando de Nkunda. (NT).
  • 88. tante que a linha divisória de facto não era clara, devido àgrande mobilidade entre os grupos - a extrema violênciaempregada no genocídio apresentava igualmente a função dedemarcar de forma bem definida a fronteira entre osconflitantes, a fim de que, por meio dela, pudesse serestruturada a realidade. O que Viram os Matadores?Encontramos no plano da percepção social dos crimes pelosseus executores cinco elementos, que lhes permitiamconsiderar os assassinatos como significativos: em primeirolugar, existiam em alto grau entre eles a insegurança e omedo e, por meio desses sentimentos, uma necessidade deorientação que se poderia ser saciada pela violência. Emsegundolugar, havia a percepção de um; situação econômicaextremamente opressiva, com perspectivas de agravamentofuturo, que conduzia a um considerável agravamento dopotencial e dos níveis de conflito. Emterceiro lugar, havia apercepção da ameaça fantasiosa oi real, que, paracomeçar, só poderia ser extinta pela realização prática daimaginação sob o aspecto de futuros assassinatosconsiderados como uma forma de legítima defesa. Comoagravante, além disso, havia em quarto lugar a definiçãodas próprias mortes, que para os matadores pareciam nãosomente cheias de significação comonecessárias - nessecaso,as mortes não somente eram definidas como um trabalho queprecisava ser realizado, como este labor estava em butidoem um conceito agrícola mais amplo de construção dasociedade e da pátria, porque a obra de morticínio eraapresentada como a preparação absolutamente obrigatóriada terra para o plantio. Em quinto lugar, os assassinosrealmente podiam assegurar-se de que seu comportamentodurante o genocídio era normal, significativo e auto-explicável, em vista do fato de todos os de mais estaremfazendoo que eles mesmosfaziam.A violência do genocídio, quando contemplada de fora,parece eruptiva, arcaica e espontânea, mas era encarada dedentro pelos participantes como surpreendentementeregulada e - para seus praticantes - como necessária esignificativa. Isto era favorecido não somente pelo históricoanterior de mortes e violências exercidas durante a guerracivil e pelo medo e perda de orientação que eram suasconsequências imediatas, mas também pela existência de umproblema ecológico e demográfico, porque a situação dosindivíduos solteiros, especialmente dos homens jovens, setornava cada vez mais opressora e progressivamente maisdesesperada. Esta era a fonte central da violência que
  • 89. levou a uma majoração tão grande das atitudes agressivase da disposição para a matança.O genocídio ruandês não foi somente o resultado de umaguerra climática, mas tambémnão foi provocado apenas porfatores políticos, sociais e históricos. Jared Diamondconsidera o problema da densidade populacional como umfato que, no mínimo, agravou o conflito. Esta é umaimportante indicação de podermos ser a causa de problemasque não exercem a menor função na parte do mundo ondetranscorre nossa própria vida (ou mesmo que pareçamexercer), mas que em outras constelações não são vistos.Por exemplo, não faz muito tempo dominava na Alemanha afantasia de "um povo semespaço vital", que constituía nãosomente uma dimensão inteiramente nova do planejamento doespaço e da geopolítica, mas que chegou a conduzir a umaguerra de aniquilamento, considerada desejável epraticável, que deveria permitir a conquista, colonização erepovoamento das regiões localizadas ao oriente do país.Tambémaqui não é possível entender o problema percebidodeforma subjacente, caso ele seja encarado de um ponto devista puramente ideológico. Tratava-se principalmente deobter novos recursos de espaço físico, de escravizar pessoase de obter novas fontes de matérias-primas que pudessemserexploradas. Ide ologias como o nacional-socialismo seapoiaram neste alvo, mas não constituíram de forma algumao próprio alvo buscado.Contudo, o problema percebido através dos planos deconquista do espaço oriental era bem diferente da situaçãodos hutus de Ruanda. Aqui as ideologias e reflexões sobre adimensão e importância exerceram uma influência sobre aspercepções, conclusões e determinações das pessoas, masaquela foi subordinada a coisas reais e mais robustas. Domesmo modo que um teórico acadêmico do aniquilamentobuscava uma carreira universitária brilhante, ao mesmotempo em que um tenente-coronel da SS poderia ter em vistaa obtenção de uma propriedade rural na Masúria quandoambos trabalhavam na preparação dos planos gerais paraa tomada das terras orientais, umjovem hutu de Kanama viaa possibilidade de sair das acomodações apertadas de suafamília patriarcal, quando ele se engajava na incumbênciade massacrar os tútsis que fora imposta pelo governo. Aindaque a aplicação da violência permaneça na perspectiva dosperpetradores firmemente embasada em causas originaismuito concretas, esta pode ser classificada apressadamentepor um observador externo como "ilusão racial", "limpezaétnica" ou "genocídio". Vamos então lançar uma vista deolhos sobre outro genocídio, que começou a ser praticado dezanos após o encerramento do massacre ruandês e permaneceemandamento até os dias atuais.
  • 90. D arfu r - A P rim eira Gue rra C lim ática"P rim eiro chegaram aviões, que sobre voaram um a ald e ia,com o se es tivessem localizando seu alvo; depois, e l de ram esm eia-vo lta e com e çaram a largar suas bom bas. O ataqueaére o foi re alizad o com ae rop lanos quad rim otores defab ricação russa, m odel An tonov AN -1 2, que re al ente o mn ão s ão bom bardeiros , m as aviões de carga. E l n ão d isp õem esnem de um com partim ento para bom bas, nem de equipam entopara localização de alvo e as bom bas e ram de fab ricaçãoan tiga, usando um m istu rad or de m atéria exp l osiva com umre cipiente de ó le o cheio de sucata de m etal. E las e ramsim pl ent co locad as no piso do avião-transporte e esm ero lad as por ram pas ins talad as na parte trase ira do ve ícu loaére o, que e ra m antid a abe rta durante o voo, e depoislan çad as m anual ente. E las e ram assim bom bas de d ispe rs ão mp rim itivas que desciam em queda livre , já com pl tam ente esupe rad as e im prestáve is do ponto de vis ta m ilitar, porquen ão podiam se r lan çad as com p re cis ão contra os alvos, m asque, contra ob j tivos civis im óveis funcionavam edevas tad oram ente. Q ualque r participante d as trop as deassalto e ra capaz de lan çar essas bom bas com um m ínim o detre inam ento e e las e ram em pregad as exclusivam ente com oarm as de te rro r contra a população civil. D epois que osAn tonov tinham re alizad o sua tare fa apavo ran te , e ramseguidos por he lic óp te ros m ilitare s e / ou bom bardeiros MiG ,tam b ém de fab ricação russa, que d isparavam comm etralh ad oras ou lan ça-fogue tes contra tod os os alvosm aiores, com o escolas ou arm az éns que tive ssem ficad o em p édepois do ataque inicial. A destruição to tal e ra claram ente 86p rem editad a."Mas a violência não terminava com o ataque aéreo, aocontrário, era agora que ela começava realmente. A tropados Djandjawids - uma milícia montada em cavalos oucamelos ou transportada em caminhões Toyota de traçãonas quatro rodas adaptados - invadia a aldeia, saqueava oque era possível, estuprava todas as mulheres e meninas queencontrava, queimava até os alicerces o que restava dascasas e terminava por massacrar todos os habitantes 87sobreviventes.Foi esta a introdução do genocídio em Darfur, uma provínciado Sudão ocidental, começado em julho de 2003 e quepermanece sendo praticado até hoje. O que os observadoresocidentais tentaram intermediar inicialmente como sendo umconflito racial entre "milícias de cavaleiros árabes" e86 Gerard Prunier: Darfur. Der uneindeutig Genozid [Darfur: O Genocídio obscuro], Hamburgo, 2006, pp. 132ss. (NA).87 Idem, página 133. (NA).
  • 91. "cam poneses africanos", foi logo desm ascarado por umexam e m ais acu rad o com o a gue rra de um gove rno desfechadacontra seu p róp rio povo, dentro d a qual as variaçõesclim áticas exe rciam um a fun ção de destaque. D arfu r éconsiderado e tnicam ente com o um entre laçam ento com pl exode e tnias "aráb icas " e "africa nas ", em que o te rm o"aráb ico", via de re gra, é associado a estilos de vid a nom á-d icos, e "africano" a com unidades cam ponesas. Paracom pl icar aind a m ais o quebra-cabe ça, h á um a d is tin çãoentre os "á rabes nativos " e os es trange iros que, a partir dop rinc ípio do s écu lo 1 9, vie ram estabe l r-se na re gião, em ecesua m aioria com erciantes ou p re gadores d a fé is lâm ica. Es teú ltim o grupo solid ificou-se com o um a e lite es trange irasem icol onial, confo rm e descrito por Ge rard P runie r,com pondo um a classe de m e rcadores de escravos e de m arfim ,que final ente conquistou o D arfu r in te iro e se m escl com m ouos árabes natu rais d a re gião. E les se fund iram rap id am entee , m esm o que aque l vindos de fo ra fossem conquistadores, esm istu raram -se facil ente com a população árabe au - mtóctone , assum indo até ho j um a posição con j 88 e unta decará te r e litis ta.Os Djandjawids, cuja brutalidade é extremamente temida,apareceram no cenário do conflito pelo final de 1980,assumindo logo um papel que oscilava "e ntre o de bandol irose 89e a fun ção de trop as de assalto gove rnam entais ". Osmilicianos foram recrutados entre antigos assaltantes derua, soldados expulsos do exército, "jovens mestiços, que seempenhavam em lutas de rua com seus vizinhos africanos,com quem, na sua maioria, eram mais aparentados do que comas linhagens árabes" e criminosos anistiados, de mistura comjovens desempregados. Essa gente é paga em dinheiro peloexercício de suas funções, base de 79 dólares por mês paraum soldado de infantaria, 117 dólares quando ele é capaz deconseguir um cavalo ou um camelo; os oficiais, isto é,aqueles 114 sabem ler [...] recebem até 233 dólares quemensais." As armas lhes são entregues por ocasião de seualistamento.De forma semelhante ao que ocorreu em Ruanda dez anosantes, a s participação no genocídio não é absolutamente ade atores espontâneos, que praticam os massacres porrazões de ódio ou de vingança, mas fazem parte "grupos 90perfeitamente organizados, politizados e militarizados". Oresultado de seu "trabalho" foi o assassinato de 200.000 a500.000 dos habitantes Darfur até o momento presente.Este genocídio foi evidentemente realizai por meio de881,2 Idem, página 20. (NA).89 Idem, página 129 e seguintes. (NA).901,5 Idem, ibidem. (NA).
  • 92. m assacres organizados, m as nos anos m ais re centes, devido àcatás tro fe que p rovocou a fom e e que assola a nação desde1 984, a his tó ria de s vio lência está intim am ente associad aaos p rob l as ecológicos. emO m undo de D arfu r e ra, confo rm e descrito an te rio rm ente ,caracte rizai por um a d ivis ão entre cam poneses sedentários("africanos ") de um lad o pas to res n ôm ades ("á rabes") doou tro, em bora fis icam ente n ão ap resenta sem granded ife ren ça. H á ce rca de se tenta anos ocorrem conflitos entre 91cam poneses sedentários e os pas to res nom ádicos. Acrescente erosão do solo provocou um aumento progressivodestes conflitos ampliado pelo crescimento constante do 92número de rebanhos. Os aspectos da modernização comoaquelas mediações realizadas durante os períodos de paz aolongo dos últimos trinta anos para a solução dessesconflitos só resultaram na destruição das estratégiastradicionais de solução ou de acertos de contas, provocandoconsequências imediatas, sem que novas regras de ajuste 118capazes de funcionar por si m esm as fossem estabe l as. ecidBem ao contrário, observa-se há três décadas que até ospequenos conflitos locais vêm sendo decididos pela força das 119armas.Os camponeses sedentários, a partir da seca catastrófica de1984, tentaram proteger suas propriedades minúsculas e deescassa produção, colocando barreiras à passagem dosrebanhos dos "árabes" através de seus campos, ao mesmotempo em que as pastagens tradicionais a que estes recorriamhaviam encolhido por causa da seca. Devido a essasbarreiras, os nômades não podiam mais chegar às pastagense locais de forragem a que se recolhiam tradicionalmentedurante os verões, as quais se localizavam do outro ladodas terras ocupadas pelos agricultores. "Em sua tentativade se locomoverem cada vez mais em direção ao sul úmido,eles começaram a empregar a força das armas para abrirseu caminho através das marahil (barreiras) que haviamsido erguidas ao longo do caminho tradicional para aspastagens de verão. Ao mesmo tempo, os camponeses, quesegundo um velho costume arrancavam e queimavam asplantas silvestres, combatiam o que para eles eram ervasdaninhas, mas que para os rebanhos esgotados dos nômades 120desesperados constituíam a forragem derradeira."91 Conforme dados do relatório do UNEP ( United Nations Environment Programme [Programa Ambiendas Nações Unidas]), publicado em 2007, p. 81. (NA). " Anteriormente, era prática dos nômades pagar uma compensaçãoaos camponeses quando através;92vam suas terras e apascentavam e davam de beber aos animais. O conflito se desenvolveu paralelamíte com a crescente escassez de água e de pastagens, particularmente ampliada pelo fato de os rebanf.não pararem de crescer. (NA).no
  • 93. Aqui se vê claram ente que as trans fo rm ações p rovocad aspe las variações cli m áticas constitu íram o ponto de partid ado conflito. As chuvas que re s tavam - na m aioria d as áre asde D arfu r a m édia d as p re cipitações p luviom étricas d im inuiude m ais de um te rço ao longo de um a d écad a - n ão e ramsuficientes para que as re giões se tentrionais continuassem ase r p ratic áve is para a pecu ária nom ádica e p rovocou seum ovim ento - inclusive de um a parte dos agricu lto re ssedentários - em d ire ção ao su l, já que a redu ção do índ icep lu viom é121 trico atin giu de fo rm a m ais d ire ta e vio le nta osn ôm ades. Desta forma, a seca produziu um númerocrescente de refugiados internos, que foram concentrados noscampos já mencionados. Uma determinação do governodeclarou, não obstante, que deveriam ser "definidos maisprecisamente como fugitivos do Chade" e que deve riam se rdeportad os m aciçam ente para o país vizinho, um a ope ração 122que ve io a se r conhecida pe lo nom e de "re to rno glo rioso".De forma semelhante, o drástico crescimento da população(mediante um aumento médio de 2,6% ao ano) conduziu aoemprego excessivo das pastagens e ao esgotamento dasterras de cultivo, provocando em consequência um aumentopermanente do potencial de conflitos já existente. Enquantoas disputas sobre terras e água eram resolvidas pelosmétodos tradicionais de assembléias de reconciliação, umterceiro partido assumiu o poder pela derrubada do governoanterior, mediante um golpe de estado militar ocorrido em1989, por meio do qual foi estabelecendo um regime chefiadopelo General Al-Bashir, o qual deu início a uma novapolítica. Foi a partir desta época que se formaram asmilícias, as quais passaram a crescer gradativamente com oapoio do governo e começaram a interferir nos conflitos -fazendo com que as formas tradicionais de resolução dosconflitos fossem abandonadas e que se agravassem asdisputas entre os grupos, aprofundando muito mais oproblema da violência.O cenário atual do conflito é representado de uma partepelas tropas e milícias do governo e da outra pelas vinte epoucas organizações rebeldes, o que de fato torna uma visãoabrangente do quadro geral tão impossível para osparticipantes como para os observadores externos. O grupomais forte, a DLF (Darfur Liberation Front [Frente deLibertação de Darfur]), formado em fevereiro de 2003 e quebuscava inicialmente apenas a autonomia da região deDarfur, decidiu-se logo depois pela defesa das reivindicaçõesde libertação conjunta do Sudão e passou a denominar-sedesde então o SLM/SLA (Sudan Liberation Movement, com seubraço armado o Sudan Liberation Army [Movi-mento/Exército de Libertação Sudanês]). Aliado àqueleexiste ainda o JEM (Justice and Equality Movement
  • 94. [Movim ento pe la Jus tiça e Iguald ade]) cu j alvo 93 o éigual ente o enfraquecim ento do re gim e central de C artum . mA atual guerra em Darfur foi desencadeada quandoguerrilheiros do SLA tomaram o aeroporto de Al-Fashi, cujaconsequência imediata foi uma reação maciça do governocentral sudanês, que vem caracterizando o conflito desde ocomeço desta fase. Os ataques das tropas governamentaisàs aldeias de Darfur permitiram, por outro lado, que astribos nomádicas árabes se apropriassem dessas terras paraapascentar seus rebanhos, os quais elas vêm utilizando atéo presente. "Como resultado da agravação das imposiçõesmútuas, o governo central de Cartum destituiu osgovernadores dos distritos setentrional e ocidental deDarfur, que haviam entabulado 94 discussões envidando umasolução pacífica do conflito." O governo iniciou obombardeio indiscriminado das aldeias, conforme foi descritono início desta seção, lançando os Djandjawids no combateaos rebeldes. Desde então estas milícias apoiadas pelogoverno praticaram um genocídio que somente foiinterrompido em caráter temporário e em áreas restritaspelo esforço de intermediários, e tentativas de armistícios.Mas a luta assumiu um caráter permanente. Nem os rebeldes,nem o governo estão dispostos a aceitar uma interrupçãodefinitiva do conflito, o que significa que os possíveiscontratantes não estão seriamente interessados em concluira paz entre si. Enquanto isso, a violência contra apopulação civil não é mais exercida somente pelosDjandjawids, mas também pelo exército regular e ainda 95pelos rebeldes. A guerra brutal e mortífera de Darfur nãodemonstra somente as características de uma GuerraClimática, como representa também um novo tipo de GuerraPermanente, característica principalmente das sociedadesafricanas com governos frágeis ou já fragmentados. Nocapítulo Os Mortos de Amanhã: As Guerras Permanentes, aLimpeza Étnica, o Terrorismo e a Expansão das Fronteirasserão explanados que uma das principais diferenças entre asguerras civis do passado e as do futuro, do mesmo modo queas novas guerras de classe dentro de uma nação é a de ospartidos envolvidos não terem qualquer interesse emterminar as referidas guerras, mas que, justamente aocontrário, tanto por motivos políticos de conquista do podercomo por interesses financeiros, se esforçam para que se tor-93 Veja Wolfgang Schreiber: Sudan/Darfur em Arbeitsgemeinschaft Kriegsursachenforschung Universität94Hamburg [Grupo de estudos para pesquisas sobre as causas originais da guerra realizadas na Universidade deHamburgo], disponíveis no sitewww.sozialwiss.uni-hamburg.de/publish/Ipw/Akuf/Kriege/301ak_ sudan_darfur.htm,citado no relatório do Wissenschaftliche Dienste des Deutschen Bundestages [Serviço de Informações Científicas doGoverno Federal Alemão], conforme publicado em Der Darfur Konflikte95— Genese und Verlauf [ O conflito de Darfur - Origem e Percurso], outubro de 2006. (NA).
  • 95. 96nem pe rm anentes. São as marcas da violência e a economiada violência que aqui se apresentam; por detrás da maioriados conflitos aparentemente étnicos que ocorrem nos paísesafricanos se encontram organizações não-governamentaisque abriram espaços mediante violência aberta, dentro dosquais realizam seus negócios, obtendo lucros com a venda dearmas, aquisição de matérias-primas, monopólio defornecimento de ajuda internacional e até mesmo resgate dereféns. Disto decorre, naturalmente, que nenhum empresárioda violência terá o menor interesse em abrir mão de seusnegócios. De forma semelhante, qualquer tentativa de 97obtenção da paz é um estorvo e incômodo para tais atores.Um estudo do UNEP (United Nations Environment Programme[Programa Ambiental das Nações Unidas]), datado de junhode 2007, descreve a questão conjunta da seguinte maneira:em Darfur, os problemas relacionados ao meio ambientepermanecem ligados ao exorbitante crescimento demográficoe aos decorrentes parâmetros que condicionam os conflitosviolentos travados ao longo das fronteiras étnicas - ouseja, entre os "africanos" e os "árabes". Em outraspalavras, conflitos cujas causas originais são de caráterecológico tornam-se percebidos como conflitos étnicos - defato, é essa a maneira como são compreendidos pelospróprios participantes. O declínio das condições sociais éprovocado por um colapso ecológico, mas não é isto queenxerga a maioria dos atores envolvidos. O que eles veem sãoataques violentos, conquistas de territórios, violênciahomicida, portanto os resultados da inimizade do "GrupoDeles" manifestada contra o "Nosso Grupo".Ademais, o relatório do UNEP constatou sobriamente queuma paz contínua no Sudão não poderá ser alcançadaenquanto permanecerem as condições ambientaisameaçadoras da sobrevivência que predominam hoje. Porém,estas foram provocadas por encadeamentos de secas, daexpansão dos desertos, de escassez pluviométrica e dodesmatamento contínuo - em resumo: deficiências existenciaiscaracterísticas da região que estão sendo progressivamenteagravadas pelas variações climáticas. A vereda que conduzdos problemas ecológicos aos conflitos sociais não é umarua de mão única.96 Conforme Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewalt im Zeitalter der Globalisierung [Guerras antigas emodernas. A violência organizada na época da globalização], Frankfurt am Main, 2000; veja também Herfried Münkler,Die neuen Kriege [As novas guerras], Reinbek, 2002. (NA).97 Veja http://web.fu-berlin.de/ethnologie/publikationen/media/Georg_Elwert-Gewalt_und_Maerkte.pdf (sem paginação).(NA).
  • 96. A Ecologia da GuerraEstranhamente, quer em guerras civis, quer em guerras entrepaíses, as considerações dos partidos por suaresponsabilidade para com o meio ambiente, mesmo nocontexto de debates ecológicos, só muito raramente sãomencionadas.No Afeganistão foi apenas mencionado que, em consequênciado estado de guerra permanente, existe o perigo de que "80%da terra possa vir a ser inutilizado pela erosão do solo; afertilidade do solo vem diminuindo, a salinização crescendo, oespelho de água subterrânea vem descendo dramaticamente,a desertificação se expande sobre amplas superfícies e aerosão provocada pela água e pelo vento foi grandementeampliada. De acordo com Abdul Rahman Hotaky, Presidenteda AOHREP (Afghan Organization for Human Rights andEnvironment Protection [Organização Afegã para osDireitos Humanos e Proteção do Meio Ambiente]), além daguerra e da expulsão dos habitantes motivada por diversosperíodos de seca, exercem um papel sobre o conjunto o abusodos recursos naturais, a fraqueza do governo central e umapolítica ambiental deficiente."98 Setenta por cento dasflorestas do Afeganistão já foram destruídas e 50% dasplanícies agrícolas pararam de ser cultivadas durante asduas últimas décadas.Durante a Guerra do Vietnã, devido ao bombardeio comdesfolhantes, três milhões e trezentos mil hectares deflorestas e de planícies agricultáveis foram envenenadoscom produtos químicos. "O resultado foi uma depauperaçãoimediata e permanente do solo, o desequilíbrio da produção dealimentos por causa dos prejuízos causados nos sistemastradicionais de irrigação, afetando as plantas e os animais erealmente até o clima."99 Mais de trinta anos após o finalda guerra, as florestas ainda não se recuperaram. Em 1995,um relatório do Banco Mundial declarou, em resumo, que abiodiversidade do Vietnã foi modificada de forma permanentepela guerra.100 De forma semelhante, a guerra provocou aredução da estabilidade do ecossistema e conduziu a um au-mento da erosão do solo. Ao lado destas consequências98 Florian Rotzer, Anhaltender Krieg in Afghanistan verursacht schwere Umweltschäden [A guerraininterrupta do Afeganistão motiva severos problemas ambientais], publicado na revistaeletrônica Telepolis, a 23 de agosto de 2007, disponível na página eletrônicahttp://www.heise.de/tp/r4/artikel/26/26020/l.html. (NA).99L29 Vo Quy, Ökozid in Vietnam. Erforschung und Wiederherstellung der Umwelt [Ecocídio no Vietnã.Pesquisa e Restauração do Meio Ambiente], publicado em Arbeitsgemeinschaft Friedensforschung derUniversität Kassel [Trabalhos coletivos de pesquisas sobre a paz realizadas na Universidade deKassel], disponíveis no site http://www.uni-kassel.de/fb5/frieden/Vietnam/fabig-voquy.html. (NA).10030 Idem, ibidem. (NA).
  • 97. d ire tas d a destruição e d a extração descontro lad a dere cu rsos natu rais , a contam inação d a água subte rrâne a porm ate riais de gue rra ou de rram am ento de pe tró le o ou pe latransfo rm ação de re giões in te iras em No-Go-Are as [zonasinte rd itad as] pe la co locação de m inas te rre s tre s s ãotam b ém consequ ências ecológicas secund árias d a gue rra quese m anifes tam de fo rm a assustadora até o p resente.D e fo rm a sem el hante , som ente em C artum , a capital doS ud ão, que conse rva agora em sua pe rife ria assentam entosincontro láve is de re fugiados, o crescim ento populacional foide ce rca de dois m il ões de habitan tes desde o in ício d a gue rra h- m oradores que vivem em fave las sem água tratad a,esgotos ou qualque r ou tra in fra-estru tu ra. Em ou trascid ades do país, em bora em grau m enor, a situação n ão éd ife rente . As re giões onde fo ram es tabe l cidos os cam pos de ere fugiad os o ficiais se trans fo rm aram , por um raio de dezquilôm e tros ao re d or dos cam pos, em zonas abandonadas,porque os re fugiados de rrubaram tod as as árvo re s e íarbus tos para ob te r com bustve l para cozinhar ou para osfo rnos d as o larias em que p roduzem seus ti jo los deconstru ção, to rn ando, além d isso, im pratic áve l o seup róp rio abas te cim ento fu tu ro, um a ve z que a infra-estru tu ra d a sobre vivência depende de m ate rial com bustve l. íAlém d isso, as m ilcias de D j j í and awids n ão som ent eincendeiam as ald e ias até os alice rces, m as, via de re gra,tam b ém queim am as á rvo re s ao re dor ou as cortam , a fim dedesencorajar o re to rno dos re fugiados sobre viventes. 101 As S ociedades F racassad asUm dos motivos pelos quais o processo de desertificaçãogalopante nos preocupa tanto é que para a maioria dosrefugiados nunca mais será possível retornar às suaspátrias originais para o prosseguimento de suas vidas. Emmuitas regiões, o solo nunca mais se tornará apropriadopara a agricultura. Entre 1972 e 2001, dois terços dasmatas existentes no Sudão setentrional, oriental e centralforam destruídos; na área de Darfur, a destruição tinha sidoda ordem de um terço (até 1976) e no Sudão meridional jáatingiu o nível de 40%. O Programa Ambiental das NaçõesUnidas prognostica para algumas regiões a perda total dasmatas durante a próxima década. A dramática diminuiçãodas precipitações pluviométricas, já percebida transformouem desertos cerca de um milhão de hectares das terrasaráveis ou de pastagens do país. Uma nova elevação deapenas meio grau a um grau e meio centígrado na101131 Uma parte desta seção é baseada na proposta do projeto "Failing Societies" [SociedadesFracassadas], produzido conjuntamente pela equipe dirigida por Tobias Debiel. (NA).
  • 98. tem pe ratu ra m édia, um fe n ôm eno que é claram ente poss íve l,re duziria o índ ice de p re cipitações de m ais 5% e aspossibilid ades d a p rodu ção de ce re ais encol riam aind a m ais. heN a re gião de E l O beid, por exem pl a p rodu ção an te rio r de o,m eia tone lad a por hectare 132á se reduziu a cento e cinquenta jquilos na m esm asupe rfície . Em um piscar de olhos, cerca de30% das superfícies aráveis do Sudão se transformaram emdesertos e provavelmente mais 25% sofrerão o mesmo destinonos próximos anos.Não estão sendo tecidas quaisquer fantasias, já que se prevêque este aumento da temperatura média significaráigualmente a perda de um quarto das terras agricultáveis daEuropa Central, ao se afirmar que os cálculos da constantediminuição da produção agrícola tendam a se estender portodo o Sudão e até mesmo possam ir além das possibilidadesprevistas, de tal modo que os prejuízos resultantes tenhamde ser compensados por meio de estratégias de exploraçãointensiva, importações, introdução de culturas maisresistentes às variações climáticas etc. Em uma sociedadeagrícola, cujas possibilidades de sobrevivência são, alémdisso, extremamente escassas, as variações das condiçõesambientais não podem ser encaradas simplesmente comorestrições ou obstáculos à produção, porém como umacatástrofe que ameaça diretamente a vida dos agricultoresindividuais e de suas famílias. Não existe espaço de manobraquando a ração diária possível desce abaixo do nívelnecessário à sobrevivência de um organismo. Não énecessário conhecer nem psicologia, nem sociologia, paraentender que a violência se apresenta como uma opçãoplausível dentro de tal situação - especialmente em umasociedade na qual a violência já é uma ocorrência diária.Deste modo, cada quilômetro quadrado cedido àdesertificação representa um encolhimento do espaço desobrevivência dos seres humanos e se converte em fontedireta ou indireta da violência, quer as pessoas a entendamdesta forma, quer não.Nações como o Sudão, devido a suas desastrosas estruturaspolíticas e econômicas, não dispõem da menor capacidadepara compensar as más colheitas ou os danos causados àsterras, especialmente quando o envio de recursos e socorrosdo exterior é prejudicado pelos aspectos infelizes dacorrupção e da economia de violência e compromete ascondições dos campos de refugiados e de sua própriaexistência.Nações frágeis, malogradas ou fragmentadas como o Sudão,também veem sua vulnerabilidade consideravelmenteintensificada perante os riscos ambientais e, de maneirasemelhante, condições de defesa contra as modificaçõesclimáticas claramente menores - deste modo uma catástrofe
  • 99. p rovocad a por um a inundação, por exem pl ap resentao,e fe itos m uito m ais seve ros em países com o o S ud ão ouBangladesh do que em re giões com o a Alem anha O riental ouo centro d a Inglate rra. D o m esm o m odo, tais países sofremm uito m ais com as consequ ências econ ôm icas e sociais d asvariações clim áticas do que, por exem pl as te rras o,m edite rrâne as europ éias, do m esm om odo que ne las o p rocessode desertificação, em bora pe rceptíve l, te nha cará te r aind ab rando. O s n úm e ros sem el hantes calcu lad os para asp lan ícies dos Estados Unidos apenas afe tarão re gional entema agricu ltu ra, enquanto no S ud ão o p rocesso de deser -tificação atingirá d ire tam ente a população, que n ãore cebe rá qualque r compensação. Seus p rocessos de re açãoàs variações am bientais - as exigências excessivas ede finitivas sobre as te rras esgotad as, o corte d as ú ltim asárvo re s e tc. - p rovocados pe las necessidades d a purasobre vivência, irão agravar o p rob lem a ecológico de fo rm aduradoura. As es tru tu ras polí ticas , em bora n ão de tenhamre al ente o m onop ólio d a vio lência, tam b ém estão m uito md istan tes do estado de d ire ito e de bem - tar social, o que essignifica que agravam continuam ente os p rob lem as, ao invésde p rocu rar suaviz á-los , o que p rovoca e fe itos de cará te rpe rsis tente . D este m odo, com o dem onstra o exem pl de D arfu r, oem bora as causas o riginal ente ecológicas tive ssem mdesencadeado as áre as de conflito m odernam ente obse rvad as,lan çando os d ive rsos grupos uns contra os ou tros, asd isputas constan tes ati çam as rivalid ades e tnicam entedependen s e , possive l ente , lhes atribuirão um cará te r te mpe rm anente.No S ud ão, a lu ta em am plas re giões do país e através delongos pe ríodos d a his tória p ós-co lonial to rnou-se um asituação pe rfe itam ente norm al; calcu la-se o n úm e ro dem ortes ao longo desse tem po em dois ou três m il ões, sem hcontar os m ortos de D arfu r. A expectativa de vid a no S ud ãom erid ional se li m ita a quarenta e dois anos, o n íve l dealfabe tização é de apenas 24% , enquanto a m ortalid adeinfan til, na faixa e tá ria de ze ro a cinco anos é calcu lad aem 25% .Para um a nação dom inada por gue rras ininte rrup tash á m ais de quarenta anos, es tes n úm eros podem se rconsiderados com o pe rfe itam ente norm ais.Infe lizm ente , o S ud ão n ão é o único país cu j fu tu ro se odem onstrará cad a vez m ais som brio por causa d as variaçõesclim áticas, por m ais que já o se j ago ra.102 "F ailed S tate a OIndex" [Re lação dos Estados F racassados] enumerava em2006 sessenta países ameaçados de desagregação, com o102 Este foi o nome atribuído a um índice elaborado por meio de diversos indicadores, comodesigualdade social, número de refugiados etc., para as nações que não alcançam o níveladequado de governabilidade. (NA).
  • 100. Sudão encabe çando a lista. A relação estabelece diferençasentre indicadores sociais (pressão demográfica crescente,alto número de refugiados, conflitos entre grupos,migrações crônicas), indicadores econômicos (desigualdadesdrásticas, problemas de desenvolvimento) e indicadorespolíticos (governos ilegítimos, condução ineficiente dosserviços públicos, infrações dos direitos humanos, aparatosde segurança de natureza criminosa, elites concorrentes,presença de atores políticos externos). As sociedadesafricanas ocupamrealmente todos os primeiros lugares, mastambém nelas se encontram incluídos paraísos de fériasasiáticos, tais como Sri Lanka (número 25 da lista) oucentro-americanos, como a República Dominicana (número48), ao lado de unia certa quantidade de países da América 134do Sul.Summa summarum [tudo considerado], atualmente dois bilhõesde pessoas vivem em países considerados inseguros,fragmentados ou falidos - isto significa concretamente quesuas vidas se acham cronicamente ameaçadas, do mesmo modoque a de pessoas em outras regiões do mundo. As sociedadeslistadas nesta relação são altamente prejudicadas porenfrentarem outras condições negativas das mudançaspolíticas ou de natureza econômica ou ecológica - entreoutras, se encontram aquelas que, em função deencolhimento ulterior de suas possibilidades dedesenvolvimento correm o risco de novas 135 guerras e deconflitos armados ainda mais violentos. Existe umrelacionamento íntimo entre a pobreza e a violência. Asestatísticas incluem a possibilidade de 15% para a ocorrênciade uma guerra civil em um país com renda per capita de 250dólares, enquanto os países com renda média de 5.000dólares apresentam menos de 1% de potencialidade para 136envolvimento em qualquer tipo de guerra.Paradoxalmente, tais perspectivas infelizes se tornam aindamais graves quando a nação possui grandes recursosnaturais, como diamantes, petróleo ou madeira-de-lei. A"praga das matérias-primas" a torna particularmenteatraente para o saque da parte dos intermediários daviolência nacionais e internacionais. As guerras civis oucrises de violência semelhante à das guerras civisrapidamente começam a grassar, em particular quandoexistem nichos e pontos de apoio - espaços abertos para aviolência - em que tanto o crime organizado ou o terrorismointernacional possam construir suas bases - como já é ocaso da Somália. Deve-se, portanto identificar de antemãoonde se encontram as fronteiras subjacentes mais críticasfacilitadas pela fraqueza dos governos, que nessas terrascom frequência já estão erguidas ou firmadassubrepticiam ente, nas quais n ão exis tem zonas de separação
  • 101. econ ôm ica, nem entre laçam entos transnacionais que possamcom pensar o es tabe l cim ento de situações de crise ou que as epossam de ou tro m odo in te rrom pe r. D e qualque r m aneira,qualque r catás tro fe am biental, com o um a seca, um ainundação, um fu rac ão ou um te rrem oto, pode p re cipitar ascrises e conduzir d ire tam ente a catás tro fe s sociais.Particu larm ente p red ispostas a consequ ências sociais s ãoaque las socied ades le s ad as (m uito especial ente nos países mp ós-co loniais ou em nações que sofrem os e fe itos de um ague rra an te rio r e aind a n ão conseguiram re construir asestru tu ras estáve is de um a sociedade civil), na m aioria doscasos susce tíve is a conflitos arm ados, em que as m udançasclim áticas se acham sub j acentes - especial ente porque, na mm aioria destes casos, o gove rno n ão m antém o m onop ólio d are p ress ão, m as a vio lência é exe rcid a em escala m aior oum enor por o rganizações param ilitare s ou o ligop ólios 103p rivad os. Particularmente falhas são também ascondições de segurança, porque quanto maior for a pobreza,tanto menor será o custo da violência e tanto mais fácil o 104seu desencadeamento.As modificações climáticas agudizam ainda mais as condiçõespresentes de desigualdade social, tanto no planointernacional como no interior das nações afetadas, tantoentre os centros e periferias urbanas, como entre as regiõesdesenvolvidas e as menos desenvolvidas. Novos movimentos demigrações internas ou fluxos de refugiados são suasconsequências inevitáveis. As possibilidades de aplicação deviolência per se crescem e realmente, em face das condiçõesde exploração atuais, não podem senão evidenciar que asmigrações em caráter mundial somente poderão serencaradas como tendendo a aumentar as causas originais daviolência potencial, na medida em que recursos como, porexemplo, água e terras de plantio se vão tornando cada vezmais escassos ou, falando em economês, a procura se tornamaior do que a oferta. Claramente se estabelece umaconcorrência progressiva entre aqueles que os procuram e,103 Andreas Mehler, Oligopolies of Vióleme in Africa South of Sahara [Oligopólios da violência naAfrica Sub-saariana], Instituí für Afrika-Kunde, Discussion Paper [Documento para discussãoapresentado no Instituto de Notícias Africanas], Hamburgo, 2004; Tobias Debiel etalii, ZwischenIgnorieren undIntervenieren Strategien und Dilemmata externer Akteure in fragüen Staaten [Entre estratégias deIndiferença e Intervenção eos dilemas provocados em nações frágeis por atores externos],publicado em Reihe Policy Paper der Stiftung Entwicklung und Frieden [Artigo sobre as linhas da políticada Fundação Desenvolvimento e Paz], n». 23, Bonn, 2005. (NA).104 Jon Barnett, Climate Change, Insecurity, and Justice [Mudanças climáticas, insegurança e justiça],artigo apresentado no simpósio Justice in Adaptation to Climate Change [A adaptação da justiça àsmudanças climáticas], realizado no Zuckerman Institutefor Connective Environment Research [InstitutoZuckerman para Pesquisas Ambientais Interconectadas], Universidade de East Anglia,Norwich, 2003, p. 3. (NA).
  • 102. quando tais necessidades se re fe rem a questões d ire tas desobre vivência, a concorrência conduz sem pre à vio lência. Emre sum o, as consequ ências sociais e po lí ticas d as variaçõesclim áticas irão p rovocar um ac úm ul de riscos e infrações odentro d as sociedades m ais fráge is, cu j situação por m eio ad isso se to rnará cad a ve z m ais grave e aind a m aisfragilizad a.No ponto m édio d as pesquisas sobre as consequ ências d asm odificações clim áticas, identificam -se tam b ém os conflitossobre a explo ração de re cu rsos que, desde a d écad a de 1 990ocorrem 139 to em n íve l in te rnacional com o em p lano tannacional. Ao lado disso, existem pesquisas que tentamcompreender as conexões entre as diferentes formas dedecadência ecológica 140 e suas consequênciassocioeconómicas. De fato, as pesquisas há muito tempo nãooferecem quaisquer informações homogêneas para a análisedas consequências sociais e políticas das modificaçõesambientais e, desde então, não houve qualquer raciocíniocapaz de produzir algum desenvolvimento significativo paraa Teoria das Sociedades e seus desenvolvimentos. De fato, nãoexistem quaisquer estudos localizados que possam serempregados como exemplos da forma que as possibilidades dedesenvolvimento possam ser parcial ou totalmenteprejudicadas pela aplicação de violência repentina oucompletamente imprevisível e que possam ter sido 105originalmente provocadas pelas variações ecológicas;mesmo assim, já há bastante tempo todos estes fatores sãotratados de forma unificada ou simplesmente teórica. O fatode que nossos conhecimentos a respeito são limitados ébastante lastimável, porque ocorrem efeitos dominó dentrodestas sociedades, especialmente quando, em consequência decatástrofes sociais, realmente suas potencialidades deinovações na área desenvolvimentista são destruídas e,deste modo a capacidade de adaptações a longo prazo, domesmo modo que as possibilidades de prevenção de novasconsequências das variações climáticas são prejudicadas deforma mais ou menos definitiva.Em suma, é previsível que o caminho estreito dainterdependência dos processos de desenvolvimento dassociedades possa ser destruído pela aglomeração de riscos econsequente bloqueio de possibilidades de desenvolvimento.Cerca de trinta países estão ameaçados por uma derrocada 106a instalar-se dentro de um futuro próximo. Até o presente105 Günther Bàchler: Transformation ofResource Conflicts: Approaches and Instruments [Transformaçõesdos conflitos sobre recursos naturais. Abordagens e instrumentos], Bern [Berna], Suíça, 2002.(NA).106 Cord Jacobeit e Chris Methmann, Klimaflüchtlinge. Eine Studie im Auftrag von Greenpeace[Refugiados climáticos. Estudo realizado por incumbência da organização Greenpeace],
  • 103. as pesquisas con j untas sobre ecologia, 107vio lência edesenvolvim ento s ão convenientem ent raras , em vista do eque tais panoramas parecem estranhos ou surpreendentes.Claramente é falsa a suposição de que os ritmosdiferenciados de desenvolvimento das sociedades reflitamexclusivamente as posições dos processos de modernização dodesenvolvimento. Pode ocorrer que o desenvolvimento socialsiga caminhos totalmente diversos dos deslocamentosclássicos do desenvolvimento inicial e tampouco se ache emconformidade com os movimentos de retrocesso tradicionais -pode ser que aqui ocorra algo bem diferente do que imaginamas teorias ocidentais sobre o desenvolvimento das sociedades.Nesses países isto pode significar que - como ocorre nospaíses islâmicos - determinados caminhos da modernização,tais como a secularização, sejam adiados indefinidamente outotalmente bloqueados. Tornou-se bastante claro que omodelo adotado pelos países pertencentes à Organizaçãopara a Cooperação e Desenvolvimento Econômico nãoconstitui mais a "planta baixa" para a construção de umanação; os processos de civilização e de desagregação civildentro de uma sociedade podem presumivelmente realizar-sede um modo bastante diferente daquele em que temos pensadoaté o presente. Nações em ColapsoUma soberania frágil significa ainda que as instituições eorganizações estatais são baseadas em vontades políticasfalhas, apóiam-se em uma fraca legitimidade governamentalou em meios financeiros defeituosos que nunca conseguemfuncionar completamente. Em casos extremos, ocorre a totaldesagregação dos órgãos públicos, como o exército, apolícia e a defesa, o que conduz a uma situação dedesaparecimento dos direitos civis e a circunstâncias 108completamente imprevisíveis na distribuição do poder. Equando uma infra-estrutura estatal implode, surge o perigoHamburgo, 2007. (NA).107 Ragnhild Nordas, Climate Conflicts: Commonsense orNonsense? [Conflitos climáticos: Consensoou Falta de senso?], artigo apresentado na 13lh. Annual National Politicai Science Conference [Décima-terceira conferência nacional anual sobre ciência política], Hurdalsjoen, Noruega 2005: JonBarnett, Climate Change, Insecurity, and Justice [Mudanças climáticas, insegurança e justiça], artigoapresentado no simpósio Justice in Adaptation to Climate Change [A adaptação da justiça às mudançasclimáticas], realizado no Zuckerman Institute for Connective Environment Research [Instituto Zuckermanpara Pesquisas Ambientais Interconectadas], Universidade de East Angíia, Norwich, Inglaterra,2003, p. 3. (NA).
  • 104. de que tod as as dem ais es tru tu ras sociais igual ente entrem m 109em co lapso dentro de um b re ve espaço de tem po.As sociedades frágeis são frequentemente 110 caracterizadaspor um baixo índice de integração nacional, uma vez quesão compostas por numerosos grupos étnicos, culturais,religiosos, regionais ou políticos, os quais concorrem uns comos outros pelo emprego dos recursos naturais, seja por meiode conflitos violentos, seja entrando em coligaçõespacíficas. Uma modernização que conduza a um estadonacional homogêneo não tem condições de se realizar. Oestado só pode manter um monopólio estável da força e umadistribuição exclusiva da justiça por meio das instituiçõespúblicas de uma forma tênue e regularmente se envolve emconflitos; com frequência - como foi o caso de Darfur - aoinvés de serem pacificados, estes se agravam na medida emque a polícia ou as milícias intervêm. De modo semelhante,uma sociedade frágil apresenta uma série de outrosproblemas: as taxas de crescimento urbano são as maisaltas do mundo precisamente nas sociedades mais pobres; osmovimentos de refugiados e as migrações internas conduzem àformaçãode gigantescas d iásporas, que111o m ais d as vezesconve rgem para a pe rife ria d as cid ades. Em mega-cidades,como Lagos, na Nigéria, vivem dezessete milhões dehabitantes, dos quais três milhões literalmente no meio dolixo, sem fornecimento de água, sem canalização de esgotos,sem ruas, sem eletricidade, sem polícia e sem cuidados médicos.Ao lado disso, não é nada simples o que possa ser realizadopelas pessoas dentro de uma tão grande heterogeneidade. A108 Tobias Debiel e Dieter Reinhardt, Staatsverfall und Weltordnungspolitik. Analystische Zugänge undpolitische Strategien zu Beginn des 21. Jahrhunderts [A queda das nações e a política de organizaçãomundial. [Estudos analíticos e estratégias políticas para o começo do século 21], publicado emNord-Süd aktuell [A atualidade Norte-Sul], 18 de março de 2004, pp. 525-538. (NA).109 I. William Zartman, Introâuction: Posing the Problem of State Collapse [Introdução: Descrição doproblema do colapso de uma nação], publicado por I. William Zartman, editor, em CollapsedStates: The Disin-tegration and Restoration of Legitimate Authority [Nações em colapso. Desintegração erestauração de uma autoridade legítima], Boulder, Colorado, 1995, pp. 1-11. (NA).110 Jochen Hippler (editor): Nation-building-A Key Concept for Peaceful Conflict Transformation?[Construção de nações - Um conceito-chave para a transformação pacífica dos conflitos?],Londres, 2005. (NA).111Ludger Pries, Transnationalisierung der sozialen Welt? [A transnacionalização do mundo social?],publicado em Berliner Journal für Soziologie [Revista Berlinesa de Sociologia], 12 de fevereiro de2002, pp. 263-272. (NA). Jared Diamond, Kollaps [O Colapso], Frankfurt am Main, 2005, p.398ss; Jack A. Goldstone: Population and Security: How Demographic Change can Lead to Violent Conflict[População e Segurança. Como as mudanças demográficas podem conduzir a conflitosviolentos], publicado em Journal of International Affairs [Revista de Assuntos Internacionais],56/1,2002, pp. 3-22. (NA).
  • 105. globalização dos m eios de com unicação em m assa ap resentafragm entos cu ltu rais e ins tan tâneos d a vid a sob um ângu loque h á poucos anos n ão e ra conhecido, m ostrandoclaram ente os benefícios gozados pe las sociedadesindustrializad as. As trans fo rm ações cu ltu rais no estilo devid a e nas expectativas entram assim em choque com asnorm as e expectativas trad icionais, sem que se j m ostrad as amas fo rm as de sua le n ta ad ap tação. D e fo rm a sem el hante , am odernização se torial conduz a um a ce rta m e l hora noscuid ados m édicos, a pad rões de educação crescentes e afo rm as de desenvol ento d ife renciad as, m as que ate ndem vimsom ente às necessidades, sem d úvid a le g ítim as, d as e lite strad icionais e po lí ticas. Por ou tro lad o, j s tam ente o m e l - u horam ento dos cuid ados m édicos p rovocou um a d im inuição d am ortalid ade infan til e es ta causou um a exp l ão osdem ográfica que conduziu a um a p roporção excessiva don úm e ro de jo ve ns dentro d a sociedade, um fe n ôm eno que jádem onstrou suas consequ ências na catás tro fe social deRuand a e que exe rce112 alm ente um pape l im portan te sobre a atude rrocad a do S ud ão.As sociedades fragilizadas também se encontram sobpressões originadas de muitos lados: as estruturastradicionais sofrem rápida erosão, sem que estruturasmodernas comecem a funcionar em seu lugar; não existe ummonopólio da força, bem ao contrário, se apresentam muitosatores concorrentes na área da violência, frequentementesob o comando de organizações privadas; os danos sociais,climáticos ou causados por outras transformações naturaissão extremamente elevados, ao mesmo tempo em que aspossibilidades de defesa individuais são tremendamentepequenas. Conforme vimos anteriormente, quando a situaçãochega a esse ponto, o Estado deixa de ser um ator social, bemao contrário, fica submetido claramente à consecução dosinteresses de uma elite política, militar e empresarialoportunística. Seja como for, até mesmo esse Estado frágilconstitui um quadro de referências paternalístico para opovo, que está perfeitamente disposto a ser mobilizado paraa violência sob seu comando, como foi o caso de Ruanda.A cessão de poderes a empresas particulares provoca umefeito dominó ulterior, em que, por exemplo, os conflitos sãodeslocados de suas causas originais e passam a serencarados como de caráter étnico, por meio da açãoclandestina de clãs ou de grupos tribais, conduzindo a umaumento crescente da violência interna entre os diversos 113grupos envolvidos no processo. A desagregação do Estado112113Heidrun Zinecker: Gewalt im Frieden. Formen und Ursachen der Nachkriegsgewalt in Guatemala [A Vio-lência durante a Paz. Formas e causas iniciais da violência pós-guerra na Guatemala], HSFK-
  • 106. e d a sociedade ab re espaços para a ins talação b ru tal deinte resses p rivad os e para um espectro im pre vis íve l de atos efo rm as de vio lên cia. Nos estados falid os os conflitosrapid am ente m odificam sua organização, seus ritu ais e suasfo rm as sociais até que venham a se r claram ente dem arcad as 114as fron te iras d a vio lência. Estas fronteiras podem serencontradas em todos os planos e acabam por conduzir agenocídios.Aqui vemos novamente o caráter da violência sendoencarado segundo opções de tratamento claramentediferenciadas. Quanto mais os problemas forem expostos demaneira fragmentada e local, tanto mais a violência seráfragmentária e localizada. Onde as instituições reguladorasfalham (ou são totalmente destruídas), surge geralmente o 115crescimento desordenado das formas de conflito. Não énada atraente viver sob tais condições, razão por que muitosdos habitantes emigram para outros países na esperança demelhorar sua situação - mas suas perspectivas, via deregra, permanecem as mesmas, somente com uma mudança delugar.A teoria do estado, desde o tempo de Thomas Hobbes, declaraque sem soberania estatal, a sociedade é dominada por umestado de guerra permanente - mas isto não corresponde àrealidade em sociedades como a Somália e o Sudão. Estas são,ao contrário, caracterizadas por centelhas cada vez maisampliadas de violência particular e localizada, dentro daqual os diversos grupos sociais individuais são afetados eameaçados de formas completamente diferenciadas. Mesmoque as guerras e as atitudes violentas que dominam essespaíses sejam a condição normal da sociedade, isto nãosignifica, porém, que todos estejam sendo dominados pelaviolência. Há também constelações de uma frágil soberaniae com alto nível de violência que conseguem manterimprevisivelmente longos níveis de permanência, por mais queisto venha a contrariar as previsões teóricas. A Violência e as Variações ClimáticasReport(Relatório do Hessische Stiftung Frieden- und Konfliktforschung [Fundação hessiana para pesquisassobre a paz e os conflitos]), 8/2006 (NA). A Fundação Hessiana é associada ao mais conhecidoPRIF (Peace Research Institute Frankfurt [Instituto de pesquisas sobre a paz de Frankfurt]). (NT).Consulte o site http://web.fu-berlin.de/ethnologie/publrkationen/media/Georg_Elwert-Gewalt_und_Ma-erkte.pdf (sempaginação). (NA).114Ken Menkhaus: Governance without Government in Somalia. Spoiler, State Building, and the Politics of115Coping [Governança sem governo na Somália. Saques, construção de Estados e a política daadaptação], publicado em International Security [Segurança Internacional], 31/3,2006, pp. 74-106.(NA).
  • 107. Conforme foi visto nos exemplos anteriores, as consequênciasdas variações climáticas são pouco ameaçadoras àsegurança interna dos países em si e não tendema provocarguerras internacionais, pelo menos por enquanto. Elasameaçam muito mais as possibilidades de sobrevivência daspessoas individuais, pela falta de água potável, diminuiçãoconstante da produção de alimentos, aumento dos riscos àsaúde e encolhimento do espaço vital, ocasionado peladegradação das terras de cultivo ou de pastagem e por sua 116exploração excessi a. São destes fenômenos que resultam vos conflitos internos violentos, as guerras civis, osgenocídios e as migrações. Algumas questões avulsas:Problemas ecológicos, tais como a Degradação do Solo e aEscassez de Recursos já vêm sendo discutidos 117 desde osurgimento das "Fronteiras do Desenvolvimento" e domovimento ambiental da década de 1970, realmente tanto emplano nacional como no da política internacional. O fato deque as consequências sociais dos problemas ecológicos nãotenham sido discutidas seriamente até hoje forma um intensocontraste com a duração dos debates ecológicos.Lamentavelmente, as discussões sobre as "guerras pelaágua", iniciadas de forma inflamada no início da década de1990, as quais vêm lançando quantidades em crescimentoconstante de refugiados às costas de Tenerife (Canárias),Gibraltar, Andaluzia (Espanha) e Sicília, fizeram apenasreferências suaves ao fato de as variações climáticasapresentarem consequênciassociais e políticas, cujorelacionamento com as modificações meteorológicas e oderretimento das geleiras ainda não foi suficientementecompreendido.Em p rim eiro lu gar, apenas re centem ente vêm sendo pe rcebidosos entre la çam entos dos conflitos entre n ôm ades esedentários que ocorrem na Nigéria, E tiópia e Q u ênia ou osgenocídios de Ruand a e D arfu r com o fe n ôm enos eco-sociais. D efato , um a coisa deve se r claram ente ind icad a, que um sim plesargum ento pe rm ite entende r de fo rm a re sum ida: os conflitosvio le n tos s ão sem pre um subproduto de m uitos ou trosdesenvolvim entos parale los , m as ocorrem em pe ríodos116Nicholas Stern: Stern Review on the Economics of Climate Change [Relatório Stern sobre a Economiadas Transformações Climáticas], Cambridge & outros, 2007 e também o Relatório doIntergovernmental Panel on Climate Change [Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas](IPCC). (NA). Donella Meadows, Dennis L. Meadows, Jorgen Randers et alii, Die Grenzen desWachstums. Berichte des Club of Rome zur Lage der Menschheit [As fronteiras do desenvolvimento.Relatórios do Clube de Roma sobre a situação da humanidade], München [Munique], 1972.(NA).117
  • 108. 118diferentes. Entretanto, as causas estruturais originais deconflitos como a desagregação nacional, a influência dosmercados da violência, o desaparecimento ou indefinição dasfronteiras entre os diversos grupos populacionais, sãofortalecidas e apressadas pelos problemas ecológicos e pelaescassez progressiva de recursos como a água potável e osolo agricultável. Problemas adicionais são causados pelaprogressiva salinização do solo, que reduz ainda mais asterras aráveis ou cultiváveis e origina novos deslocamentospopulacionais. Fatores desencadeantes diretos da violênciasão, por exemplo, a busca por novas pastagens ou terras decultivo, quando as antigas já não produzem o suficiente paraa alimentação. Isto conduz naturalmente a conflitos comoutros grupos, sem que a degradação ecológica seja sua 119provocadora imediata. O mesmo vale para a futuraprovocação cada vez mais frequente de conflitosfronteiriços originados pelo ressecamento progressivo doscursos e reservatórios de água, que tendem a deslocar ou 120 atornar indefinidas as fronteiras naturais anteriores.Também as migrações internas desencadeadas pelasmodificações climáticas conduzem a conflitos crescentes, e aviolência assim provocada pode ser considerada de qualquermaneira como consequência indireta das variaçõesambientais. Atualmente calcula-se a existência de cerca de24 milhões de refugiados internos ao redor do globo.Um ou tro p rob lem a é a am eaçadora Q uebra C onj unta dosS istem as de S eguran ça. Ao lad o do crescim ento d afre qu ência e d a in te nsid ade dos ciclones, inundações e secas,a am eaça p rincipal é a e l vação d a supe rfície dos oceanos, eque afe ta d ire tam ente m uitas re giões do m undo, p re j icando udo desenvolvim ento e m esm o as possibilid ades de sobre vivênciados m oradore s dessas á re as. Até 21 00 calcu la-se que a118Günther Bàchler: Transformation of Resource Conflicts: Approaches and Instruments [Transformaçõesdos conflitos sobre recursos naturais. Abordagens e instrumentos], Bern [Berna], Suíça, 2002;veja também Thomas Homer-Dixon, Environment, Scarcity, and Violence [Ambiente, escassez eviolência], Princeton, New Jersey, 1999; ou ainda Nils P. Gleditsch, Environmental Change, Security,and Conflict [Mudanças ambientais, segurança e conflitos], publicado por Chester A. Crocker, FenO. Hampson e Pamela Aall119(editores), Turbulent Peace. The Challenges of Managing International Conflict [A paz turbulenta. Os de-safios da administração de conflitos internacionais], Washington, D.C., 2001, pp 53-68. (NA).Richard A. Matthew, Michael Baklacich et alii, Global Environmental Change and Human Security Gaps120in Research on Social Vulnerability and Conflict [Mudanças ambientais de caráter global e as falhasna segurança dos seres humanos, conforme pesquisas sobre a vulnerabilidade e os conflitossociais], Washington, D.C., 2003. Esta diferenciação pode parecer um tanto trivial, isto é,distinguir quando não são as variações ambientais em si, mas um determinado comportamentosocial que funciona como fator desencadeante dos conflitos, todavia o significado e asconsequências finais são visíveis para todos. (NA). Fred Pearce: Wenn die Flüsse versiegen [Quandoos rios secam], München, 2007, p. 129. (NA).
  • 109. supe rfície oce ânica subirá entre 1 5 e 59 centm e tros ao re dor ído p lane ta, o que p rovocará o alagam ento de grande parted as m egacid ades constru íd as à beira-m ar, Lagos, porexem pl Novam ente aqui se rão os habitan tes m ais pobres que o.sofre rão as piores consequ ências, m as a inundação de um acid ade que tem (ho j ) m ais de dezesset m il ões de habitan te s, e e hp re visive l ente p roduzirá e fe itos capazes de desestabilizar a mto talid ade d a África O cidental, sem contar que o re s tan ted as cos tas ocidentais do continente tam b ém se rá assolad opor novas inundações de cará te r m ais ou m enos pe rm anente.As cos tas oce ânicas m ais afe tad as se rão as de Mo çam bique,Ango la e Tanz ânia. E o encol ento d a África n ão se rá um himp rob l a desprez íve l. A catás tro fe p rovocad a pe la eminundação em Nova O rle ans, ocorrid a em 2005, p rovocou odesl ocam ento pe rm anente de centenas de m il hares de seusm oradores e assinalou que as in fra-estru tu ras , m esm o nassociedades m ais estáve is, podem se r destru íd as em um piscar deo lhos e que as organizações de de fesa contra as catás tro fe snatu rais atu alm ente em existência p re cisam se rrad ical ente re es tru tu rad as. O utra coisa que esse exem pl m onos dem onstra é a rapidez com que a o rdem social pode se rdestru íd a duran te a ocorrência de catás tro fe s.O irrom pim ento crescente de fe n ôm enos m eteoro lógicosextrem os atinge ho j em d ia em grau m uito m ais e l vad o os e egrupos hum anos que vivem em condições de pobreza e s ão,portan to, m uito m ais vu lne ráve is. Is to vale p rincipal ente mpara os m oradores de fave las , para quem os e fe itos d ascatás tro fe s clim áticas s ão os m ais fo rte s e para os quais, dem aneira sem el hante , existem m enores possibilid ades dep re ven ção e de tom ad a de p rovid ências p révias. D e qualque rm odo, as catás tro fe s natu rais destroem com fre qu ência um agrande parte d as in fra-estru tu ras existentes, de tal m odoque novam ente es tam os d iante de e fe itos re cu rsivos - ossis tem as de p re vid ência e saúde e as p róp rias vias detrânsito se rão afe tad os de fo rm a duradoura, p rovocandoaind a m aior desestabilização dos países atingidos.Um a nova s érie de p rob lem as se rá in trod uzid a pe las D oençasInfe cciosas e pe la Q uestão d a Alim entação. As pesquisassobre o desenvolvim ento e a ins talação de conflitos ,conform e d ito acim a, dem onstram um a clara re lação entre a 121pobreza e a p red isposição para a vio lência. Também ocontágio por doenças infecciosas e o aumento da desnutrição121Paul Kollier et alii, Breaking the Conflict Trap. Civil War and Development Policy [Como sair daarmadilha dos conflitos. As guerras civis e a política de desenvolvimento], Washington, D. C,2003 (incluído em A World Bank Policy Research Report 2003 [Relatório de Pesquisa para a política doBanco Mundial]), 15 de agosto 2005. Disponível em formato eletrônico emhttp://www.econ.worldbank.org/programs/conflict. (NA), Robert S. Watson et alii (editores), The Regional Impacts ofClimate Change: An Assessment of Vulnerability. A
  • 110. s ão um a consequ ência d as variações clim áticas. O jáespe rado aquecim ento d a tem pe ratu ra global, confo rm e foid ivu lgad o pe los re lató rios do IPCC p rovocará um a d ifus ãom ais rápid a d as doen ças transm iss íveis, com o a m alária e afe b re am are la, a um n íve l m aior em re lação 122que l que as à ere giões afe tad as conhece ram até o p resente. Somente naÁfrica meridional, o âmbito dos territórios abrangidos poressas doenças infecciosas, consoante os prognósticos maisrecentes, irá dobrar até 2100, quando oito milhões depessoas estarão infectadas. Hoje já existem cerca de cincomilhões de pessoas infectadas e aproximadamente 150.000mortes provocadas anualmente pelas infecções oportunistasfacilitadas pela malária, cuja área de ação foi expandida 123originalmente pelas variações climáticas.Todas estas condições sanitárias estão naturalmenterelacionadas com a escassez de recursos hídricos.As regiões da África subsaariana sofrem hoje com o pior 124abastecimento de água potável em todo o mundo, e todas astentativas de melhoramento são dificultadas pela crescente 125escassez de recursos hídricos. As condições já ásperas dasvariações climáticas através da África são causadasprincipalmente pela diminuição das precipitaçõespluviométricas, especialmente na África Ocidental. Mas emfuturo breve, também a África do Norte deve esperar umadiminuição extrema em seu regime de chuvas. Ao longo dosúltimos trinta anos, as precipitações na área do Sahel, ao 126sul do Saara, por exemplo, diminuíram de 25%; já122Special Report of IPCC Working Group II [Impactos regionais das mudanças climáticas: Avaliaçãoda vulnerabilidade. Um relatório especial do Grupo de Trabalho II do IPCC], Cambridge,Massachusetts, 1997. (NA). Tilman Santarius, Klimawandel und globale Gerechtigkeit [As variaçõesclimáticas e a justiça global], publica do em AusPolitik undZeitgeschichte [Artigos sobre política ehistória contemporânea], 24/2007, p. 20. (NA).123do em AusPolitik undZeitgeschichte [Artigos sobre política e história contemporânea], 24/2007,p. 20. (NA).124 UNICEF/WHO, Meeting the MDG Drinking Water and Sanitation Target. A Mid-Term Assessment ofPro-gress, 2005 [Satisfação dos padrões para abastecimento de água potável e esgotos do MDG.Avaliação do progresso na metade do período previsto para sua aplicação, 2005). Vejahttp://www.unicef.org/wes/ mdgreport/millenium.php. (NA). MDG é a sigla de Millenium Development Goals[Alvos para o desenvolvimento do milênio]. (NT).125 Maarten de Wit e Ja ek Stankiewicz: Changes in Surface Water Supply Across Africa with PredictedClimate Change [Mudanças nos suprimentos de água superficial através da África causadas pelasmudanças climáticas previstas], publicado em Science [Revista da Ciência], 311/2006 (5769), p.1917-1921. (NA).126 Joshua C. Nkomo, Anthony Nyong et alii, The Impacts of Climate Change in Africa [Impactos dasmudanças climáticas através da África], publicado em The Stern Review on the Economics of ClimateChange [Relatório Stern sobre a Economia das Transformações Climáticas], 2006, disponível em
  • 111. m encionam os acim a os fe n ôm enos sem el hantes ocorrid os emou tras re giões p róxim as, tais com o o S ud ão. A degrad açãodo solo e fe n ôm enos m e teoro lógicos extrem os, com o secas einundações, aliad os à crescente escassez de águasupe rficial, s ão particu larm ente p re j iciais nos te rritó rios udárid os e sem i- rid os, já atingindo ho j d ire tam ente a á ep rodutivid ade; e es tas te nd ências nitid am ente se acentuarãoem fu tu ro p róxim o. S om ent com a e l vação p re vis ta de dois e egraus centígrad os na tem pe ratu ra m édia até 2050, apenasna África, doze m il ões de pessoas se rão am eaçad as pe la hfom e; caso o aquecim ento global atinja127três graus, es ten úm e ro se e le vará para sessenta m il ões. hUma causa ainda mais ampla dos conflitos futuros seráocasionada pela Secagem dos Rios e Encolhimento dos Lagos.Não há muitos anos ocorreu um conflito entre o Afeganistãoe o Irã, provocado pela instalação de uma represa no RioHilmand pelo governo talibã, fazendo com que fosse reduzidodrasticamente o suprimento de água do território iranianoirrigado pelos lagos da região de Hamoun. Em um período deseca ocorrido logo depois, os três lagos secaram; "a áreados alagadiços circunjacentes se transformou logo a seguirem uma região árida e arenosa, com grande erosão do solo etempestades de areia. Uma centena de ald e ias dos dois lad osd a fron te ira foi abafad a por dunas de are ia em m ovim ento edese rtificad a no ve rão seguinte pe las tem pestades de are ia.[...] O s velhos canais de irrigação que partiam dos lagos 128fo ram entupidos e desaparece ram debaixo d as dunas."Situações semelhantes, em que os rios passaram a trazermuito menos água que de costume, porque não mais as recebemde suas fontes e afluentes, já se tornaram numerosas - umcaso realmente clássico é o do Rio Jordão, que já parou de 129levar suas águas até o país que leva seu nome.formato eletrônico emhttp://www.hmtreasury.gov.uk/independent_reviews/stern_review_economics_climate_chan-ge/stern_review_supporting_documents.cfm. (NA).127 Idem, ibidem. (NA).128a Conforme Fred Pearce: Wenn die Flüsse versiegen [Quando os rios secam], München, 2007,p. 134. (NA).129" Idem, p. 224ss. Pearce assinala que a Guerra dos Seis Dias foi a primeira guerra pela águaocorrida em tempos recentes, porque, após a guerra, a bacia do Rio Jordão caiu quaseinteiramente sob o controle israelense e Israel iniciou a partir de então uma política de"Apartheid hidrológico". (Idem, p. 217). (NA).
  • 112. 1 957 1 993 JUNHO DE 2002ENCOLHIMENTO DO MAR DE ARAL DE 1957 A 2002. ENTRE1989 E1990 0 MAR DE ARAL SE DIVIDIU EM DOIS.Fonte: Philippe «ekacenta. GRID/UHDPGRID: Global Resource Information Database [Base de dados para Informações sobre RecursosGlobais], UNDP: United Nations Environment Programme [Programa Ambiental das Nações Unidas).Um fenômeno ainda mais espetacular é o encolhimento doslagos, especialmente daqueles que formam fronteiras entrenações. O Lago Chade, por exemplo, já encolheu em quase95% de sua extensão original, tanto como resultado dadiminuição dos índices pluviométricos, como em consequênciado aproveitamento das águas para projetos de irrigação.Originalmente, as fronteiras de quatro países eramformadas pelo Lago Chade, a saber, Níger, Nigéria, Chade eCamarões, mas hoje em dia, o Níger e a Nigéria perderamsuas margens lacustres. Desde então, as pessoas que residiamjunto ao lago foram deslocadas, o que resultou em conflitos 130armados, por exemplo, entre a Nigéria e o Camarões. Umasituação semelhante pode ser vista no Mar de Arai, tambémem processo de encolhimento, que faz fronteira entre oCazaquistão e o Uzbequistão.A partir das consequências sociais das variações climáticasobservam-se os seguintes cenários: • O número de conflitos violentos locais e regionais pelo aproveitamento do solo e pelo acesso à água potável irá aumentar; • As migrações transnacionais irão crescer do mesmo modo que o número de refugiados internos, na mesma130* Idem, ibidem, p. 129. (NA).
  • 113. p roporção em que fo r se am pliando a vio lência em n íve l local e re gional; • O encol ento dos lagos, o re ssecam ento dos rios, o him desm atam ento d as flo re s tas e a destruição d as re se rvas natu rais conduzirão a novos confli tos sobre re cu rsos natu rais que u ltrap assarão as fron te iras nacionais; • As m edidas de ad ap tação às variações clim áticas (cons tru ção de re p resas, re tirad a de água dos rios para irrigação e cap tação de dep ósitos h íd ricos subte rrâneos) em um país criarão p rob lem as nos países à vazan te dos cu rsos-d água, que pode rão m ais um a vez o riginar conflitos entre as nações envolvid as.Acre scente -se aind a que te nde rão a surgir conflitosp rovocados pe lo com ércio in te rnacional por causa dere cu rsos econ ôm icos ou fon tes de ene rgia natu ral, com od iam antes, m adeira, pe tró le o ou g ás natu ral. O s conflitosviole n tos, com o foi exp licado an te rio rm ente , ap resentam ate nd ência a desdobrar e escalar sua d in âm ica, o quenovam ente irá originar p rob l as de la decorre n tes, os quais ems ó pare ce rão poss íveis de contro lar m ediante a ap licaçãore d ob rad a de vio lência. A extens ão dos flu xos de re fugiad osre su ltan te s desses conflitos n ão pode se r p re vis ta aind a comp re cis ão - os p rogn ós ticos oscilam entre cinquenta e duzentosm il ões dos assim cham ados "re fugiados clim áticos" em to rno hde 2050, enquanto os c á lcu los ap roxim ados d a C ruzVe rm e l afirm am já exis tirem atu al ente ce rca de vin te e ha 131 mcinco m il ões. De maneira semelhante, não é fácil calcular hos processos sociais dentro de situações determinadas, porquenão se conhecem nem o tipo de reações de defesa a seremtomados pelos países sob pressão de migraçõesinternacionais, nem as dimensões dos desenvolvimentossubjacentes aos conflitos que poderão produzir ainda maioresfluxos de refugiados. Por exemplo, somente a Guerra doIraque provocou a fuga de dois milhões de refugiadosiraquianos para o estrangeiro (radicados hoje, em suamaioria, na Síria e na Jordânia), além de ter causado odesl ento de ce rca de 1 ,8 m il ões de re fugiados ocam132 hinte rnos. Já em 1995 existia um número aproximado de vintee cinco milhões de refugiados ao redor do mundo, um valor131 Rudi Anschober e Petra Ramsauer: Die Klimarevolution. So retten wir die Welt [A RevoluçãoClimática: A maneira como salvamos o mundo], Wien (Viena), 2007, p. 119. (NA).132 :i Eva Berié e outros (redatores), Der Fischer-Weltalmanach 2008 [Almanaque MundialFischer], Frankfurt
  • 114. que superava de longe o assim chamado "número normal" de 133refugiados (vinte e dois milhões).Mesmo que as nações ocidentais possam esperar permanecerainda por algumas décadas como ilhas de bem-estar dentrodas condições climáticas previstas (portanto, também dascondições políticas, econômicas e de segurança interna), quenão as obrigarão a sofrer consequências semelhantesàqueles prevalecentes no restante do mundo, inevitavelmenteacabarão por serem envolvidas nas guerras climáticas - oudito de outra forma - conduzidas às guerras climáticas.Entretanto, talvez nem todas essas atividades bélicasvenham se a apresentar com os aspectos costumeiramenteassociados às guerras clássicas. A In j tiça e a D esigual ade Tem poral us dAs consequ ências d as variações clim áticas s ão d istribu íd asde fo rm a desigual, porque aque l que fo ram os seus m aiores esp rovocadores o riginais, tan to quanto se pode calcu lar nop resente , se rão j s tam ente os que sofre rão os m enores up re j ízos e te rão as m e l u hores oportunid ades de lu crar com asituação. H á um a p roporção inve rsa entre as re giõesm undiais que até o p resente m enos contribu íram para ocontro le con j unto d as em iss ões de gases poluentes, que s ão acausa original do aquecim ento global, e aque las que se rãom ais fo rte m ente atingid as. Nos países industrializad os, cad ahabitan te é re spons áve l pe la em iss ão anual de 1 2,6tone lad as m étricas de d ióxido de carbono, enquanto que naste rras m ais pobres a m édia é de som ent 0,9 tone lad as. eQ uase a m e tade de tod as as em iss ões m undiais é causad a pe lapoluição re pe tid a e descontro lad a dos países desenvolvidos 134em que se estabe l eceu inicial ente a re vo lu ção industrial. m"As monções descontroladas atingirão em primeiro lugar ospaíses do sudoeste asiático, e estes serão justamente os maisprejudicados. As inundações afetarão principalmente oshabitantes dos grandes territóriosab rangidos pe los de ltasflu viais ao red or d a Te rra, com o já ocorre u nas catás tro fe san te rio res obse rvad as em Bangladesh e na índ ia. Mas a133am Main, 2007, p. 231. (NA).134m Conforme Cord Jacobeit e Chris Methmann, Klimaflüchtlinge. Eine Studie imAuftrag von Greenpeace [Refugiados climáticos. Estudo realizado por incumbência daorganização Greenpeace], Hamburgo, 2007, p. 2. (NA). Tilman Santarius, Klimawandelundglobak Gerechtigkeit [As variações climáticas e a justiça global], publicado emAusPoHtik undZeitgeschichte [Artigos sobre política e história contemporânea], 24/2007,p. 18. (NA).
  • 115. elevação das superfícies oceânicas irá afetar ainda emmaior escala os pequenos países insulares, particularmenteas incontáveis ilhas do Pacífico, ainda que vá assolarigualmente cidades ribeirinhas, como Mogadício, na Somália,Veneza ou Nova Orleans, cujas construções se encontramprincipalmente no nível atual dos oceanos. Países ricos comoa Holanda sofrerão menores consequências, serásimplesmente uma questão de erguer e reforçar as defesas deseus numerosos diques; um reflorestamento em larga escalaprotegerá territórios comoo do Kansas contra o assalto dosfuracões, do mesmomodo que os trabalhos já realizados no 135estado indiano de Kerala."Mas esta relativa injustiça se traduz em grau absolutoquando populações inteiras perdem seus alicerces vitais,como é o caso de Tuvalu e outros arquipélagos que serãoinundados em consequência das variações climáticas ouquando desaparecerem as plataformas de gelo sobre as quaisvivem os inuit ao norte do Canadá. O governo de Tuvalu jápediu asilo para seus cidadãos na Austrália e na NovaZelândia; os inuit pretendem, com o apoio de organizações dedireitos humanos, processar o governo dos Estados Unidoscomo o principal produtor dos gases causadores do efeitoestufa.Presentemente, não existem as menores perspectivas de que sepossa combater eficazmente as disparidades internacionais;os direitos ambientais dos povos se encontram ainda em fasede formação e não possuem atualmente nem condiçãoobrigatória, nem aplicação jurídica irrefutável. Cortesinternacionais de justiça, mediante cujo auxílio as infraçõescontra princípios ecológicos possam ser corrigidas de formaduradoura ou por meio das quais os crimes ambientais venhama ser enquadrados em algum tipo de punição simplesmenteainda não existem. Medidas de aplicação obrigatória emcaráter internacional contra uma elevação ulterior dasemissões dos gases provocadores do efeito estufa dependem denegociações complicadas que conduzam a tratados e pactosinternacionais e novamente encontramos aqui o maiorproblema, porque estes dependem em sua maioria decompromissos voluntários e contrários aos interessesimediatos dos países que os firmarem - e isso significarevertermos ao fato de que muito dificilmente ou talveznunca eles venham a ser sancionados quando um dos estadosenvolvidos simplesmente não concordar ou não pretendarespeitar o que quer que tenha sido combinado. Énatu ral queas nações n ão se inclinem a ap rovar ce rtos com prom issosde finidos - com o é o caso do ad iam ento d a assinatu ra doP ro toco lo de Q uioto por países com o os Estados Unidos e a135Idem, p. 129. (NA).
  • 116. Aus trá lia - quando pe rcebem claram ente que irão sofre rdesvantagens econ ôm icas em consequ ência desses tratad os.É tan to necess ária quanto u rgente , em bora tud o le ve a cre rque es te j igual ente d istan te , a criação de um a a mo rganização am biental in te rnacional e , acim a de tud o, de um 136tribunal de d ire itos am bientais - mas antes que sequer seuesboço seja aceito, presumivelmente o globo terrestre já seachará em média uns dois graus mais quente.A partilha desigual das consequências das variaçõesclimáticas e a disparidade internacional entre os quesofrerão seus efeitos, do mesmo modo que entre suasrespectivas capacidades de defesa contra eles não significasimplesmente uma nova comprovação de que a vida é injusta- também acarreta um crescente potencial para conflitos,do mesmo modo que nos apresenta uma série de perguntascomplexas sobre os direitos humanos, quando já é visível queos habitantes de nações insulares ou de ilhas individuais ouainda das regiões árticas são os mais prejudicados, uma vezque seu espaço vital já está encolhendo por causa dasprimeiras inundações provocadas pelo aquecimento global.Todavia, a injustiça não resulta somente da divisãoextremamente desigual das causas iniciais e de suasconsequências no plano internacional, mas também pelasatitudes referentes às novas gerações as variaçõesclimáticas poderão provocar um perceptível potencial deconflitos, segundo muitos pontos de vista.Durante os últimos cinquenta anos do século passado, acurva das emissões de gases poluentes originadas nos paísesindustrializados cresceu constantemente - isso significa que acausa original de um problema que já pode ser percebido emsuas dimensões deve ser localizada no mínimo cinquenta anosatrás. Mas as causas originais para as variaçõesclimáticas não se encontram somente algumas décadasatrás, mas ao longo das últimas décadas foram sendoprogressivamente incrementadas pela globalizaçãopermanente dos processos de modernização das naçõesdesenvolvidas. Deste modo, um retorno pelo caminho játomado é dificilmente previsível e, de fato, até mesmo atentativa de frear a produção das emissões poluentes paraque sejam mantidas no nível atual não somente é contráriaao quadro presente como dá mais a impressão de ser umasugestão utópica.136 Astrid Epiney, "Gerechtigkeit" im Umweltvõlkerrecht ["Equidade" nos direitos ambientais dospovos], publicado em AusPolitik und Zeitgeschichte [Artigos sobre política e história contemporânea],24/2007,p. 38. (NA).
  • 117. MAPA-MÚNDI DOS EFEITOS DAS 6 0 100% - Austrália e Nova Zelândia 120 24 I 91% 100% Regiões Polares | EFEITOS DAS VARIAÇÕES CLIMÁTICAS: Sistemas físicos: Sistemas (Por exemplo, biológicos: derretimento das (Existência de geleiras, depósitos de erguimento das água doce, Número de transformações observadas entre 1970 e 2004.Número de transformações observadas entre 1970 e 2004.Consistência das transformações como aquecimento global (%).Consistência das transformações Variação da Temperatura emgraus centígrafos entre 1970 e 2004. -1,0 -0,2 0,2 1,0 2,0 3,5Fonte: IPCC[Painel Intergovernamental sobre as Modificações Climáticas]Contudo, mesmo que isto fosse possível, já estamosconfrontando agora os problemas iniciais que asvariações climáticas nos trouxeram. Infelizmente, a
  • 118. geração presente e as futuras terão de enfrentar as consequências do que foi feito durante o último meio século, do qual derivam diretamente os efeitos climáticos do presente, mesmo que, a partir de hoje, nem um só automóvel andasse pelas estradas, nenhum veículo aéreo alçasse vôo e todas as fábricas fossem fechadas. E isto é algo que realmente não poderá ser feito, porque seremos forçados a empreender grandes obras de desenvolvimento em função de nossa própria sobrevivência. Além disso, as condições globais operam, do mesmo modo que se pode esperar de suas consequências futuras, segundo efeitos regionais altamente di- ferenciados das variações climáticas, o que pode conduzir a crescentes problemas de equidade no plano das relações entre os países.137 Numerosos programas internacionais para o fortalecimento da capacidade de adaptação, por exemplo, dentro do âmbito de ação do IPCC ou através da GEF (Global Environmental Facility [Instalação Ambiental Global]) foram realmente criados, mas existem dúvidas bem fundamentadas sobre sua capacidade operacional. Sem dúvida, é frustrante perceber que a atual geração e as gerações futuras terão de se defender daquilo que foi causado por seus antepassados, especialmente quando as esperanças de melhoramento são claramente vagas, ao passo que as consequências já se acham amplamente perceptíveis. Tudo leva a crer que as medidas atualmente em preparação ou que já estão sendo aplicadas não são apenas de eficácia altamente duvidosa, como seus resultados benéficos podem ser apenas previstos para um futuro ainda muito distante - ao mesmo tempo que, por detrás dos projetos de reconstrução ambiental as condições mundiais de suporte à vida continuam evidentemente a se desgastar. Aqui, a relação contemporânea entre os procedimentos e as consequências das ações se prolonga indefinidamente, abrangendo diversas gerações e permanece a questão principal, sobre se ainda existe um espaço de manobra permitido pelos efeitos previsíveis que dê realmente possibilidades às pessoas que vivem hoje em dia obterem137 Consulte Jon Barnett, Climate Change, Insecurity, anã Justice [Mudanças climáticas, insegurançae justiça], artigo apresentado no simpósio Justice inAáaptation to Climate Change [A adaptação dajustiça às mudanças climáticas], realizado no Zuckerman Institute for Connective Environment Research[Instituto Zuckerman para Pesquisas Ambientais Interconectadas), Universidade de EastAnglia, Norwich (Inglaterra), 2003. (NA).
  • 119. resultados positivos por meio dos procedimentosplanejados.Existe algo ainda mais complicado de entender:realmente alguns dos desenvolvimentos individuais dasvariações climáticas já se mostraram ime diatamentede forma perceptível, como as ondas de calor ou osfenômenos meteorológicos extremos, furacões ouchuvas torrenciais que podemos presenciardiretamente, porém no âmbito das declaraçõescientíficas eles já apresentam um novo significado.Ninguém mais fala: "O tempo está maluco!" Aocontrário, as pessoas intrinsecamente percebem eexteriormente se referem a "Isto é o efeito dasvariações climáticas..." Mas aquilo que se sabe,somente é conhecido por meio das pesquisas e modeloscientíficos, enquanto aqueles que efetivamente perdemsuas terras em consequência do derretimento do geloártico e que, deste modo, têm diante de seus olhos umespetáculo mais concreto demonstrado pelosacontecimentos de sua vida diária, não são muitonumerosos e vivem emcondições especiais, as quais nãoapresentam grandes semelhanças com o mundohabitado, por exemplo, pelos moradores da EuropaCentral. Suas experiências, ao menos por enquanto,são encaradas comoexóticas.Para o restante das pessoas, bem ao contrário dasque são diretamente afetadas por elas, existe umsignificado considerável no fato de as catástrofes quenos ameaçam a todos se encontrarem principalmenteno âmbito de modelos perceptíveis, maspsicologicamente transmitirem uma motivação aindapequena para que se modifique o própriocomportamento ou se abandonem as prioridadesanteriores motivadas por seus interessese maneiras deviver. Esta atitude vale principalmente para associedades ocidentais, em que o bem- estar e o nível devida atuais ainda permitirão durante um quarto deséculo uma visão luxuosa sobre o resultado dosproblemas ambientais. Mas o desenvolvimento desigualdas sociedadeshumanas e, acima de tudo, a prática deuma modernização econômica constante nas sociedadesnão-ocidentais, sabotam os desenvolvimentosurgentemente recomendados pela consciência dos pro-blemas e pelas estratégias radicais que serãonecessárias para a resolução dos referidos problemas.Surgemdaqui as discussõessobre a justiça, embasadasna tolerância e na aceitação dos argumentos queretomam uma atitude divergente: sabe-se per-
  • 120. feitamente, segundo esta linha de argumentação, queestas sociedadesnão podemassumir qualquer forma demodernização técnica e científica seme lhante àquelasadotadas pelas nações ocidentais que primeiro seindustrializaram, ou seja, os processos que asconduziram à sua posição presente e lhesproporcionarão ainda vantagens futuras. Desenvolve-se em torno destas afir mações um debate sobre se ajustiça autorizaria a abertura das mesmas pos-sibilidades a esses países, com base na abolição dasobrevivência a longo prazo da humanidade, mas aquestão realmente não é esta. Muito mais importantessão as questões e discussõescentralizadas na justiça,os debates em que as consequências das variaçõesclimáticas são consideradas as mais im portantes e setornarão ainda mais agudas no futuro - porque já épossível prever que justamente aqueles que têmmaiores chances de lucrar com o acréscimo dasemissõesfunestas e que foram os principais causadoresdos desastres presentes e futuros serão os quedeterminarão o mapa da equidade e terão possibilidadede traduzir na realidade e sem impedimentos suas opi-niões anacrônicas sobre a modernização, enquantoaqueles cujas possibilidades de sobrevivência estãosendo diretamente afetadas são os que maisprecisariam reclamar pela justiça, que para elessignifica que, ao menos, possam sobreviver, emboranão saibamexatamente onde.Em resumo: os processos de modernizaçãocontemporâneos, como aqueles empregados hoje emdianos espaços asiáticos, realmente explodeme não podemmais - particularmente no caso da China - sercontrolados democraticamente, não nos permitemcompreender a longo prazo de que modo o bom sensoorientado para a preservação dos recursos e dasobrevivência possa ser adotado dentro do atualquadro de modernização galopante ou de que maneirase poderão estabelecer as condições de justiça a eleinterligadas. Os fenômenos da desigualdade e dainiqüidade têm, além do mais, um alcance e influênciaconsideráveis sobre as teorias da sociedade e dademocracia, ou seja: o que significa realmente, naárea da injustiça entre as gerações, a possibilidadedeque eles possam ser entendidos como questõespolíticas? Para o sentimento de que algo podeefetivamente ser realizado por meio de açõesindividuais? Para o al cance do conceito ou da ideia deque algo pode ser ainda modificado? O que significa,
  • 121. por ou tro lad o, dentro de tais condições polí ticas , um esforço que quase le ve à exaustão sim pl ent para esm e o ate nd im ento d as obrigações m ate riais? A Vio lência e a Teoria Q uando um a sociedade p rovocou ou sofre u as consequ ências de um a violência extrem ad a, as influ ências m ais p ro fund as destas expe riências, com o se sabe 138 rfe itam ente , podem ab range r m uitas pe ge rações. As catástrofes sociais também apresentam considerável duração na psicologia social, comprovadamente em sociedades como a alemã, a vietnamita ou a sérvia, todas, sociedades posteriores à violência em grande escala, o que nos leva a apresentar a seguinte pergunta: como a experiência de violência extrema influencia realmente as possibilidades de desenvolvimento posterior das sociedades por ela atingidas? Um desafio mais amplo para a teoria das sociedades é apresentado pelas consequências que derivam intimamente de extremos processos de violência como a limpeza étnica, a instalação de campos de extermínio com base em critérios raciais e o genocídio neles realizado por meio de processos de eficiência modernizada - justamente porque hoje em dia os processos de violência e suas consequências duradouras são encarados segundo um estranho bloqueio intelectual como "exceções do procedimento normal" ou interpretados como "casos especiais" ou "regressões" e, deste modo, isolados das condições auspiciosas do bem-estar presente. Contudo, Auschwitz ou Hiroshima, My Lai ou Srebenica foram catástrofes sociais que, para começar, só se tornaram possíveis mediante estratégias de solução de problemas, sistemas de organização, burocracias e tecnologias modernos. Auschwitz era indubitavelmente138Jürgen Muller-Hohagen: Verleugnet, verdrängt, verschwiegen [Reprimido, desmentido, calado],München, 2005; Klaus Naumann: Nachkrieg in Deutschland [O pós-guerra na Alemanha],Hamburgo, 2001; Harald Welzer, Sabine Möller e Karoline Tschuggnall: "Opa war kein Nazi."Nazionalsozialismus und Holocaust im Familiengedächtnis ["Vovô nunca foi nazista!": O Nacional-socialismo e o Holocausto na memoria familiar] , Frankfurt am Main, 2002; Hartmut Radebold(editor), Kindheiten in Zweiten Weltkrieg und ihre Folgen [A infância durante a Segunda Guerra Mundiale suas consequências], München (Munique), 2004. (NA).
  • 122. um a ins talação industrial para exp l ração, o assassinato e u tilização de se res hum anos com o m atéria-p rim a e claram ente n ão ap resenta nenhum a caracte rís tica arcaica ou re tróg rad a: m uito pe lo contrá rio, foi o re su ltad o de p rocessos que som ent e pode riam te r sido re alizad os dentro d as condições de um a sociedade industrial, sem nenhum a d as condições p rim itivas de um a sociedade trib al. C aráte r sem el hante ap resenta a concep ção m oderna, ad otad a com re gularid ade nos desenvolvim entos sociais e ap resenta es tru tu ras constan tes e é com pl tam ente e ace ita sem a m enor hesitação de que as necessidades com uns de sobre vivência devam se r confrontad as contingencial ente , caso a caso e m ediante atitudes m vio le ntas. D este m odo, os te rrem otos, as e rup ções vu lc ânicas, as tem pestades, as enchentes e tod as as dem ais variações clim áticas o m ais d as vezes afe tam de fo rm a inesperad a as possibilid ades de sobre vivência dos se res hum anos e as m odificam ou anu lam de fo rm a rad ical; as catás tro fe s sociais s ão re so lvid as por m eio de d isputas de pode r ou de conflitos por re cu rsos natu rais , os quais ocasional ente , que r p rovocados m por conste lações de dem onstração de fo rça, que r pe la iniciativa de pessoas ind ividuais, se escalam e em seu transcu rso seguem cam inhos que de fo rm a algum a haviam sido p re vis tos le gal ente . Q uanto m enor a m d is tância entre acontecim entos e contingências e os p rocessos sociais desencadeados, tan to m enos a vio lência é "um acidente de pe rcu rso do sis tem a de re lacionam en sociais. [...] A vio lência é, de fato , tos parte in te gran te d a his tória ge ral d a econom ia m undial, um a op ção constan te dentro d as fo rm as hum anas de p rocedim ento, cu j possibilid ade se acha a p resente em139 seus re lacionam entos em cará te r pe rm anente ". Os fenômenos sociais em sociedades altamente complexas podem efetivamente se desligar das condições comportamentais aprovadas e ser encarados por certas pessoas como conjuntos de oportunidades de lucro, um fato que, dentro de uma determinada constelação situacional pode ser examinado dire- tamente em função de suas possibilidades especiais de comprovação. Dentro deste quadro encontramos o caso bastante instrutivo do engenheiro Kurt Prüfer, que trabalhava para a firma Topf & Söhne, localizada em Erfurt, que planejou e superintendeu a139Consulte Heinrich Popitz, Phänomene der Macht [Os fenômenos do Poder], Tübingen, 1986, p.83. (NA).
  • 123. constru ção de fo rnos para crem atórios e que ap re-sentou a singular am bição de am pliar as possibilid adesde re nd im ento para a d isposição dos cad áve res emAuschwitz. O s re su ltad os do trab alho desse engenheirooriginaram o desenvolvim ento do assim cham ado "fo rnode lu va dup la", que tinha duas entrad as e pe rm itiu um ape rceptíve l e l vação do ritm o de assassinatos, econfo rm e foi constatad o pe los pe ritos em constru çãode fo rnos, o qual pe rm itiu a e lim inação de m uito m ais 176cad áve res do que an te rio rm ente . Os procedimentos dematanças em grande escala como o Holocaustoapresentam numerosas particularidades como essa eacarretam com frequência contribuições complexasaparentemente imprevisíveis; eles não seguem um planodiretor, porém acompanham as dinâmicas dodesenvolvimento social e nelas se baseiam, de tal modoque pessoas exercendo as mais diversas atividades e nosmais diversificados níveis dos processos de divisão dotrabalho somente encontram incentivo para realizaras suas tarefas da melhor maneira possível e acompletar sua parte do trabalho.Isto significa também, de forma semelhante, que umahistória não pode ser narrada sem alternativas, masque deve apresentá-las, caso se deseje que ela sejanarrada de acordo com os fatos que realmentetranscorreram. Não constituiu nenhuma inevitabilidadehistórica que o significado real da "solução finalpara a questão judaica" fosse soletrado claramenteem todo seu radicalismo, ou seja, que seu resultadofinal seria a aniquilação de seres humanos - se Hitlertivesse morrido antes, se as urnas tivessem decidido deforma diferente, se em vez do que foi feito tivesse sido 177adotado o "Plano Madagascar" ou se uma políticaexterior diferenciada tivesse sido adotada pelosbritânicos e norte-americanos, claramente haveriapossibilidades de que outros caminhos fossem abertospara a história. Ao contrário, isto significa queacontecimentos que parecem retroativamente causais,lógicos ou mesmo inevitáveis no ambiente social ondeocorreram, são cheios de meandros e amplificam a sipróprios e até poderiam ter transcorrido de formacompletamente diversa. Podemos, portanto, comsólidas razões, concluir pelo raciocínio acima, que acausalidade não passa de uma categoria decomportamento social.Nos processos sociais, B não sucede necessariamente aA. Quando as pessoas fazem qualquer coisa emconjunto ou umas contra as outras, significados,
  • 124. an te cipações e suposições in te rfe rem nos ob j tivos e e in ten ções com que cad a um a em preende seus d ive rsos pap éis sociais - deste m odo, em um p resum íve l B quase sem pre A se acha contido, m as no sentido de que cad a ato r faz parte d a pe rcep ção de ou tro ato r. D este m odo, um com portam ento social n ão funciona com o um encadeam ento de com portam entos lógicos do tipo a - b - c -d -e e tc., nem sequer com o um a consequ ência lógica de ações e re ações, consoante as re ações d as ciências fís icas, m as com o um flu xo de re lações. Um a vez que es tas re laçõe s n ão p re cisam ap resentar qual- que r im agem re alís tica ou racional do ou tro, nem agir com re lação a e le de aco rd o com um em basam ento lógico, o re su ltad o final é o de que, na re ali d ade social, o racional e o lógico ocorrem m uito raram ente . N a ve rd ade, es tas pe rcep ções, es tes significados e a adm inistração d ive rsificad a de re - laçõe s variam de um a fo rm a to talm ente im pre vis íve l de ato r para ato r e de ocasião para ocasião, re su ltand o em 140ções que podem to rnar as d ifere n ças a aind a m aiores. Isto quer dizer que o comportamento social não é absolutamente causal, mas recursivo - e que, realmente, na maior parte das vezes, isto conduz a um resultado bastante diverso daquele que tinha sido originalmente planejado.140 Em cada ação social existe uma presumível expectativa do outro e de suas ações - domesmo modo que existe entre os participantes de uma conversa ou de um negócio - ou aindauma suposição de como agirá uma terceira parte - um certo cálculo, antes que o ato chegue a serfinalmente executado. Um princípio fundamental dos comportamentos sociais é a observaçãorecíproca. Cada ator não é simplesmente o sujeito de seu próprio comportamento, masigualmente o objeto da observação de todos os demais atores - este é o pressuposto dapossibilidade da aceitação de uma perspectiva que, por sua vez, se torna o pressuposto doscomportamentos sociais consequentes. Mas a observação de todos os outros em uma conversanão é de forma alguma realizada apenas segundo as impressões provocadas pelas comunicaçõesverbais, mas por todos os indícios e avisos do comportamento alheio dentro de determinadasituação: pelos gestos, pela mímica, pela postura e reações corporais, como o rubor ou palidez,ou a contração ou dilatação das pupilas, demonstrações de nervosismo etc, com todas asrevelações congêneres que, segundo Erving Goffman, constituem "comportamentosexpressivos", os quais, dentro das ações alternadas das complexas interações sociais, entrampermanentemente nas conclusões dos participantes. Novamente temos a observar que oscomportamentos expressivos não dependem de um controle ou manipulação conscientes epodem servir à finalidade de esclarecer os comportamentos e intenções dos oponentes -justamente a operação realizada pelos jogadores de pôquer mais astutos, que se baseiam nasexceções dos comportamentos que seus adversários, em princípio, normalmente tendem ademonstrar e se aproveitam assim dos comportamentos expressivos que os oponentesinadvertidamente revelam. Deste modo, é do interesse do observado "orientar deliberadamenteo seu comportamento em proveito NA P^:í:í:: ■^U!NÍF »
  • 125. Se tomarmos estes argumentos em consideração,perceberemos que diversas categorias, como causasoriginais, comportamentos, condições, consequências,estruturas e funções perderão boa parte do prestígioque lhes é atribuído pelas teorias filosóficas esociológicas, enquanto categorias em geraldesprezadas, como as eventualidades e sentimentos,avançam para o primeiro plano. Eventos casuais,como por exemplo os que levaram à catástrofe deTchernobyl, na Ucrânia, podem introduzirconsequências mais profundas e de caráter permanentedo que os comportamentos planejados, do mesmomodoque a realidade dos sentimentos pode ser maisimportante para a tomada de decisões do que as rea-lidades objetivas. Práticas sociais, como a imposiçãodo poder ou o emprego da violência ou formas decomportamento, como as racionalizações, redução dedissonâncias e o desejo de superar os outros por meiodo pensamento ou de realizações concretas, não sãoem absoluto condições marginais, porém intrin-secamente constitutivas do comportamento de umasociedade. OS MORTOS DE AMANHÃ: AS GUERRASPERMANENTES,A LIMPEZA ÉTNICA, O TERRORISMOE A EXPANSÃODASFRONTEIRAS"Eu me recordo que, certa vez. encontramos um naviode guerra, que havia lançado âncora perto da costa.Não havia absolutamente nada que pudesse ser vistoali, nem sequer uma cabana, mas eles estavambombardeandoa mata assimmesmo.Aparentemente, osfranceses estavam envolvidos em outra de suasfrequentes guerras nessa região. A bandeira dabelonave pendia frouxa do mastro, como um trapo; asbocas dos longos canhões de seis polegadas brotavamde todos os lados do casco, sob a amurada baixa; omovimento das águas lodosas e gosmentas erguiapreguiçosamente o barco e depois deixava que descessetambém vagarosamente, balançando-lhe os mastrosfinos. Na imensidade vazia da terra, céu e água, aliestava ele, incompreensível, disparando contra umcontinente. Blam! - trovejava um dos canhões de seispolegadas; uma pequena chama surgia como um raio elogo desaparecia; uma fumacinha branca se formava elogo sumia; um pequeno projétil assobiava de leve emseu trajeto - e não acontecia nada. Não havia nada
  • 126. que pudesse acontecer. Havia um toque de insanidadenaquele procedimento, um senso de brincadeira lúgubrenaquela visão; e não era dissipado por ninguém queestivessea bordo e que mepudessegarantir seriamenteque havia por ali um acampamento de nativos -alguém que ele pudessechamar de inimigos! - escondidode tal modo no interior da mata que estivessetotalmente fora do alcance de nossas vistas.Esta narrativa, tomada do romance "O Coração dasTrevas", de Joseph Con rad, pertence a uma das maisenérgicas e mais surreais descrições da violênciaautossustentável. Do mesmomodoque os habitantes daIlha da Páscoa, em seu fantasmagórico isolamento domundo, no completo silêncio de sua solidão, foramcapazes de desencadear uma guerra absoluta contrasi próprios, de maneira semelhante a canhoneira deuma aventura colonial alvejava um continente, semqualquer alvo e sem a menor finalidade, em umaatitude total e inteiramente emancipada da realidade.Talvez a guarnição estivesse em busca de um inimigoque pudesse combater, porém nenhum observadorexterno poderia perceber contra quem eles estavamrealmente disparando e por que o faziam. A violênciaguerreira conduz a uma nova situação, introduz nomundo comportamentos diferentes dos usuais, seja deimediato, seja de forma gradual. A descrição deConrad não se baseia emsua capacidadede construçãode uma narrativa literária, porém em suas própriasexperiências. Quando ainda usava seu nome originalpolonês de Konrad Korzienowski ele fora empregadodaSociété Anonyme pour le Commerce du Haut Congo[Sociedade Anônima Comercial do Alto Congo] eviajava em um vapor pelo rio Congo acima atéStanley Falis até que recebeu ordens de suacompanhia para assumir o comando do navio, umaposição para a qual não se encontrava em absolutoqualificado. Suas vivências africanas levaramKorzienowski a um desespero tal que ele trocou suaexistência de comerciante africano pela carreira deum romancista. Em seu romance "O Coração dasTrevas" descreveu a experiência da violência des -medida de uma forma tão radical que ainda hoje,oitenta anos depois, serviu de roteiro para um filmeque, embora de uma forma bastante modernizada, nempor isso revelou de maneira menos desmoralizadora aaplicação da violência anônima - o filme de FrancisFord Coppola, "Apocalypse Now".
  • 127. Diferentemente dos demais objetos de estudo dasciências sociais - trabalho, meios de comunicação,demografia, arte - a violência pertence, se nãoexclusivamente, em um grau bastante elevado, aomundo das experiências pessoais dos cientistas e dascientistas que com ela se ocupam. Isto ocorre, de umlado, porque este campo central dos procedimentoshumanos ainda foi pouco estudado e, do outro, porqueestá sobrecarregado de moralismos e fantasias. Emsua condição de um domínio de experiências peculiares,a violência como objeto de pesquisa é pouco nítida emesmo ameaçadora, motivo pelo qual, ao longo dosséculos passados, somente os historiadores e cronistasde ambos os sexos realmente se ocuparam deste tema -de fato, eles somente se ocupam com processos deviolência já encerrados, portanto, bem menosameaçadores que a violência presente ou futura. Dequalquer modo, a história da violência humana,quando comparada com a de quaisquer outrosacontecimentos culturais, é relativamente bem docu -mentada, um fato que descreve muito bemo significadoconstitutivo que tem a violência dentro dosrelacionamentos humanos. As Guerras"Por meio do caráter dominante de nossa cultura, defato, conforme a tota lidade dos limites de nossacultura nos permite, somos levados a aceitar, semsombra de dúvida, que a disposição para a violência e,de igual modo, os aspectos com que esta se manifestanão passam de manifestações de uma anomalia.Contudo, os relatos históricos recordados dos bancosescolares e aprendidos por meio de outras fontes nosensinamque os países onde vivemos, suas instituições esistemas jurídicos devemsua formação a conflitos quefrequentemente foram sangrentos. Os jornais erevistas que lemos no conforto de nossos lares nosinformam constantemente sobre derramamen tos desangue. Apesar disso, mesmo que muitas vezes aviolência ocorra emnossa própria região, a bemdizerdiante de nossa porta de entrada e pareça escarnecerde nossa imagem da normalidade cultural,prontamente a deslocamos para um mundocompletamente diferente do nosso, de tal modo que anossa impressão ordenada de que não pode ocorrer emnosso planeta amanhã ou depois de amanhã não fica demodo algum prejudicada. Dizemos a nós mesmos que
  • 128. nossas ins tituições e le is p rende ram a d isposição hum ana para a vio lência m ediante fo rte s grilh ões e cadeias, que s ão re sis tentes a um ponto em que os que p raticam a vio lência se rão sim pl ent cas tigados esm e com o infrato re s e que a fo rça exe rcid a pe las ins tituições gove rnam entais som ente se rá p raticad a 141 na fo rm a de gue rras civilizad as." John Keegan, um dos mais importantes historiadores britânicos da guerra da atualidade tem indubitavelmente razão, ao descrever a recusa característica da época presente em tomar conhecimento de que a guerra e a violência também se relacionam com as formas de procedimento modernos. Talvez a circunstância de 90% de todas as guerras travadas depois de 1945 ocorrerem fora dos territórios europeus e da América do Norte tenha levado a formar a opinião de que as guerras se tornaram principalmente um problema das outras sociedades, particularmente daquelas cujas formas de governabilidade ainda não atingiram o nível dos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Como consequência direta, pode ser considerado que a violência guerreira é agora uma anomalia, por mais que os conflitos mortíferos do século 20 tenham ocorrido há bem pouco tempo e que a guerra, sem sombra de dúvida, ainda tenha um grande futuro pela frente. Seja como for, ela teve um grande passado desde 1945. Desde essa data, mais de duzentas guerras foram 142 travadas ao redor do mundo, com um aumento contínuo de sua frequência desde o começo da década de 1990, embora no momento presente exista uma tendência a diminuir. Na Ásia e na África, no Oriente Próximo e no Oriente Médio, já se travaram cerca de cinquenta guerras desde o final da Segunda Guerra141John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, pp. 22ss. (NA).142ls0 Todos os números e dados incluídos nesta seção foram fornecidos pelo Arbeitsgemeinschaft (AKUF [Círculo de estudos para pesquisas sobre asKriegsursachenforschung an der Universität Hamburgcausas originais das guerras da Universidade de Hamburgo]), em http://www.sozialwiss.uni-hamburg.de/pu-blish/Ipw/Akuf/index.htm. O AKUF dehne a guerra como "um conflito maciço e violento queapresenta todas as seguintes características: (a) Combates travados por dois ou mais exércitosarmados, com a existência, de cada lado, de pelo menos um exército regular (forças armadas,grupos paramilitares, unidades policiais) sob a direção de um governo; (b) A existência emambos os lados de, no mínimo, uma organização central articulada para a direção da guerra ecomando geral das batalhas [...]; (c) Operações armadas que se sucedem com uma certacontinuidade e não apenas como conflitos espontâneos e localizados, ou seja, ambos os ladosoperam segundo uma estratégia planejada, independentemente dos combates serem travados noterritório de uma ou mais sociedades ou de sua duração no tempo". (NA).
  • 129. Mundial, trinta na América do Sul e Central, quatorze na Europa. Apenas a América do Norte vive desde então sem guerras em seu próprio território. Além disso, a circunstância de que as guerras europeias correspondem realmente a apenas 7% do total dos eventos guerreiros ao redor do globo não nos informa de nada a respeito da frequência com que os países ocidentais tomaram parte em conflitos violentos de caráter internacional - de fato, a Grã- Bretanha já se envolveu emdezenove guerras durante esseperíodo, os Estados Unidosemtreze e a França em doze. Dentro deste contexto podemos ainda recordar que a Grã-Bretanha e a Argentina tra varam uma guerra clássica entre países durante a disputa sobre o arquipélago das Falkland, em 1982, em que foram travadas as maiores batalhas navais des a Segunda de Guerra Mundial, comumtotal de mais de 900 mortos. Além disso, foi registrado, desde o começo da década de 1990, um grande aumento do número de guerras, verificando-se, contudo, que o número de conflitos 143 armados desde então recuou em cerca de 40%. Mas por outro lado deve-se observar que, durante os últimos quinze anos houve mais intervenções em conflitos violentos, por exemplo, em Kosovo ou no Congo, mediante determinação das Nações Unidas ou, pelo menos, com sua aprovação, as quais nem sempre foram coroadas de êxito a longo prazo. O maior número das guerras travadas desde 1945 foi de guerras civis pós-coloniais ou de caráter revolucionário; apenas um quarto do total se enquadra no tipo clássico das guerras entre estados beligerantes. GUERRAS E CONFLITOS ARMADOS Nigéria (D e lta do ÁFRIC A N íge r) Nigéria (Norte e Ango la (C abinda [C ongo Central [Biafra]) Portugu ês]) Senegal (C asam ance) E tiópia (G am be la) S om ália Bu rundi S ud ão (D arfu r) Costa do Marfim Chade Congo Kinshasa (C ongo Ugand a O riental) ÁS IA143 Tobias Debiel, Dirk Messner e Franz Nuscheier, Globale Trends 2007. Frieden, Entwicklung,Umwelt [Tendências Globais, 2007. Paz, desenvolvimento e meio ambiente], Frankfurt am Main,2007, p. 82. (NA).
  • 130. 2005 Guerra 2003 Conflito armado 2004 Conflito armado 1990 Conflito armado2002 Conflito armado 1988 Guerra2003 Conflito armado 2003 Guerra1993 Guerra 1966 Conflito armado2002 Guerra 1995 GuerraÍndia (Assam) 1990 GuerraÍndia (Bodos) 1997 GuerraÍndia (Caxemira) 1990 GuerraÍndia (Nagas) 1969 Conflito armadoÍndia (Naxaliten) 1997 GuerraÍndia (Tripura) 1999 GuerraIndonésia (Aceh) 1999 GuerraIndonésia (Papua Ocidental) 1963 Conflito armadoLaos 2003 GuerraMyanmar (Birmânia) 2003 GuerraNepal 1999 GuerraPaquistão (conflito religioso) 2001 Conflito armadoFilipinas (Mindanau) 1970 GuerraFilipinas(NPA- New Peoples 1970 GuerraArmy[Novo Exército do Povo)Sri Lanka (Tamil [Ceilão]) 2005 Conflito armadoTailândia (Tailândia 2004 GuerraMeridional)ORIENTEPRÓXIMOE ORIENTEMÉDIOAfeganistão (Contra o 1978 GuerraGoverno)Afeganistão (Guerra 2001 Guerra"Antiterrorismo")Argélia 1992 GuerraGeórgia (Ossétia Meridional) 2004 Conflito ArmadoIraque 1998 GuerraIsrael (Palestina) 2000 Guerralémen 2004 GuerraLíbano (Líbano Meridional) 1990 Conflito ArmadoRússia (Tchetchênia) 1999 GuerraArábia Saudita 2005 Conflito ArmadoTurquia (Curdistão) 2004 GuerraAMÉRICA LATINAHaiti 2004 Conflito ArmadoColômbia (ELN - Ejército de 1964 GuerraLiberación Nacional)Colômbia (FARC - Fuerzas 1965 Guerra
  • 131. Arm ad as Revol ucion árias de Colôm bia) (Fonte: AKUF [Círculo efe Estudos Pesquisas sobre as Causas originais das Guerras da Universidade de Hamburgo, 2007 Somente em 2006 ocorreram 35 conflitos armados importantes, dos quais seis atingiram a categoria de guerras, quer fossem guerras civis entre diversos partidos conflitantes ou guerras tradicionais entre nações. Estes números dependem diretamente da definição adotada; o Arbeitsgemeinschaft Kriegsursachenforschung an der Universität Hamburg (AKUF [Círculo de Estudos e Pesquisas sobre as Causas Originais das Guerras da Universidade de Hamburgo]) enumera 76 conflitos armados severos em 2006 de forma diferente do Heidelberger Institut für Internationale Konfliktforschung [Instituto Heidelberg de Pesquisas sobre Conflitos Internacionais], sejam guerras civis com diversas facções em conflito, como ocorre na Somália, Darfur ou Sri Lanka, sejam - em quantidade bem menor - guerras tradicionais entre nações, como aconteceu no Afeganistão, na Tchetchênia, no Iraque ou em Caxemira. As guerras clássicas entre Estados não apresentam atualmente nenhuma conjuntura importante, mas existem três tendências em desenvolvimento que despertam cuidados devido ao fato de apresentarem possibilidades definidas de que venham a fomentar guerras internacionais: • O mercado internacional de matérias-primas e a preocupação em conservar infra-estruturas - acima de tudo os gasodutos - constituem um 144 campo de "insegurança globalizada" altamente sensível. Uma das táticas comuns do terrorismo internacional, do mesmo modo que de grupos rebeldes locais é o ataque a oleodutos, refinarias, pontes etc. - o Iraque e a Nigéria são os exemplos mais expressivos deste tipo de violência. Cenários de agressão deste tipo são igualmente perceptíveis para a Europa144Tobias Debiel, Dirk Messner e Franz Nuscheier, Globale Trends 2007. Frieden, Entwicklung, Umwelt[Ten dências Globais, 2007. Paz, desenvolvimento e meio ambiente], Frankfurt am Main, 2007,pp. 26ss. (NA).Idem, ibidem, pp. 26ss. (NA).
  • 132. O riental, onde os gasodutos atrave ssam um a s érie de países independent es; • Conflitos vio le n tos sobre re cu rsos b ásicos com o a água surgirão no fu tu ro em um n úm e ro crescente de ocasiões - pe lo ano de 2050, ce rca de dois bilh ões de pessoas sofre rão com a escassez de água; os p rogn ós ticos m ais sinis tros chegam a incluir se te bilh ões de pessoas a 145 partir dessa d ata. Lado a lado com o problema da água marcham os novos tipos de conflito já iniciados pelo deslocamento de refugiados internos e de sua passagem por fronteiras internacionais, que subitamente deixarão de ser claras, sem que se consiga saber exatamente até que ponto chegam os territórios dos habitantes de fronteiras entre estados, anteriormente delimitadas por lagos ou bacias hidrográficas - como já é o caso das áreas que circundam o Lago Chade, na África ou o Mar de 146 Aral, na Ásia Central; • Finalmente, o derretimento das calotas polares ártica e antártica constitui um terceiro cenário para a violência futura. Logo serão descobertos gigantescos depósitos de matérias- primas ou fontes de energia fóssil escondidos até o presente sob as camadas de gelo e já há bastante tempo se discute quem terá o direito de exploração desses recursos. No verão de 2007, a expedição ártica russa denominada "Akademik Fjodorov" já apresentou a reivindicação de um vasto território, demarcado por uma imensa bandeira plantada no fundo do Oceano Ártico, a 4.200 metros de profundidade. Essa expedição somente tinha um objetivo possível, ou seja, estabelecer com precisão a fronteira da plataforma continental russa no território situado entre a ilha de Novosibirsk e o Pólo 147 Norte. Imediatamente se seguiram reações dos Estados Unidos, Canadá e Dinamarca, que contestaram a reivindicação russa. Enquanto isso, a Grã-Bretanha já reivindicou um território de um milhão de quilômetros quadrados na Antártica, o que conduziu a um145146147FredPearce: Wenn die Flüsse versiegen [Quando os rios secam], München, 2007, pp. 128ss.(NA). Agência de Notícias e Informações Russa NOVOSTI, Io. de agosto de 2007. (NA).
  • 133. conflito d ip lom ático com a Arge ntina e o 148 Chil . O derretimento do gelo já abriu também e novas rotas comerciais e, por meio delas, oportunidades consideráveis de desenvolvimento. Um novo caminho marítimo para a Ásia (a Passagem do Noroeste) foi aberto pela primeira vez no verão de 2007. O Canadá, da mesma forma que os Estados Unidos, já assinalou sua presença militar na região. Motivos para novos conflitos armados de caráter interno ou para guerras internacionais não serão poucos no futuro próximo, portanto. As variações climáticas não somente produzem novas razões para conflitos, como possivelmente originarão novas formas de guerra, que nunca haviam sido previstas dentro dos arcabouços das teorias bélicas tradicionais.148Frankfurter Allgemeine Zeitung [Jornal Internacional de Frankfurt], edição de 19 de outubro de2007, p. 6. (NA).
  • 134. REGIÕES JÁ ATINGIDAS PELA ESCASSEZ DEFontes: Philippe Rekacewicz, conforme UNESCO (United NationsEducation, Science, and Culture Organization) [Organização das
  • 135. As Gue rras Pe rm anentes A extrem a vio lência es tabe l ce espaços de e com portam ento e de expe riência para os se res hum anos que vivenciam essas expe riências e para os quais o m undo longam ente pac ífico do hem isfério ocidental desde a Segunda Gue rra Mundial n ão está p reparad o e nem seque r possui m ode l de re fe rência. Em ou tras os palavras : quando subm etid as à extrem a vio lência, as atitudes m útuas d as pessoas se m odificam a um ponto to talm ente incom preens íve l segundo o ponto de vis ta de um a pe rspectiva exte rna e esta re cai sis tem aticam ente na falh a de te n tar entende r segundo suas p róp rias conven ções desenvolvim entos sociais natu ralm ente ininte lig íve is pe la ap licação de te o rias convencionais. Ge rard P runie r, um dos m aiores especialis tas nas re centes gue rras e genocíd ios africanos, salie ntou inicial ente , duran te suas pesquisas sobre os assassi- m natos m aciços em D arfu r, que nem tod os os e lem entos destes conflitos vio le ntos faziam sentido - declarando expressam ente que a constru ção de um significado poste rio r aos p rocessos d a ine vitabilid ade constitui um pecado o riginal sociológico que se deve faze r o 149 poss íve l para e vitar. Uma das características centrais dos processos de violência extrema é a de que eles podem estabelecer comportamentos sociais e espaços de experiência a que não corresponde qualquer necessidade de sentido, muito menos da transmissão de um significado para quem costuma aproximar-se deles com a intenção de estudá- los de maneira científica. Nossos instrumentos, métodos e teorias científicos são orientados para a pressuposição de que estamos lidando com processos sociais em que os acontecimentos decorrem mediante encadeamentos de causa e efeito, nos apresentam condições de administração e demonstram as consequências decorrentes desse manejo, de tal modo que podem ser explicados mediante os conceitos originados de nossas próprias condições de normalidade. Este é um grande engano, porque - consoante Joseph Conrad experimentou em sua própria carne - os comportamentos sociais podem transcorrer de formas tais cujos significados sejam totalmente suspensos para nossa compreensão rotineira, mas que,149Gerard Prunier: Darfur. Der uneindeutig Genoziâ [Darfur: O Genocídio obscuro], Hamburgo,2006, p. 12. (NA).
  • 136. n ão obstan te , s ão m anipulad os por pessoas e dentro dos quais exis tem re lacionam entos sociais. P runie r nos d á um a ind icação aind a m ais im portan te : os p rocessos de extrem a vio lência som ente podem se r analis ados a partir de um a pe rspectiva exte rna quando es ta estive r ligad a a e les por m eio de in te resses concre tos. O engaj ento dos po lí ticos am europeus com re lação ao apaziguam ento d as gue rras p rovocad as pe la desintegração d a Iugos lávia e as atitudes que assum iram (que som ent se rviram para e to rn ar os conflitos aind a m ais graves) n ão tinham , em ú ltim a an álise , qualque r jus tificativa, porque neste caso a sociedade desagregad a havia afund ado em um a situação de extrem a vio lência que ningu ém havia p re vis to, que ningu ém espe rava fosse um a consequ ência do final d a Gue rra F ria e para cu j a adm inistração as fun ções de tais d irigentes exte rnos, em sua situação de participan tes de um a fede ração ou com o au to rid ades dos países-m em bros d a União Europ éia n ão os havia de m odo algum p reparado. Contudo, o desastre iugos lavo afe tava d ire tam ente os in te resses dos es tad os d a Europa O cidental - e sua re ação foi p rovocad a de fo rm a corre spondente. N a África e em ou tras re giões do m undo tais inte resses s ó fo ram pe rtu rbad os de fo rm a circunstancial - por exem pl quando os hutus se lan çaram ao m assacre o, co le tivo dos tú ts is - m otivo pe lo qual nenhum inte resse de tom ar parte nesta gue rra que já dura um a d écad a foi despertad o entre as au to rid ades ocidentais. P runie r escre veu de fo rm a lap id ar que "p ara o m undo desenvolvido n ão existia qualque r inte resse polí tico, econ ôm ico ou securitá rio de grande im portância e o pouco que havia foi logo extin to. E nem seque r o e lem ento que pode ria despertar um m aior inte resse sobre o p rob lem a ap resentou qualque r im portância: o atu al m edo do Is lã rad ical. E ram m u çul anos m africanos m atando m u çul anos africanos - esta n ão m e ra um a raz ão com150 peso suficiente para com ove r a sociedade ocidental". Esta "economia da atenção" (segundo a expressão de Georg Franck) é, além disso, uma questão inteiramente de escolha. Enquanto a sociedade ocidental não estiver realmente interessada e engajada, seja por se preocupar eficazmente com os laços restantes dos tempos coloniais, seja por in- teresses vitais em alianças, no comércio ou na aquisição de matérias-primas, os atores bélicos150Ibidem, p. 10. (NA).
  • 137. estabelecidosnos territórios avassalados por guerraspermanentes originarão com frequência cada vezmaior movimentos de refugiados ou provocarãoaumento das condições de miserabilidade, ocasionandoações de socorro através do Ocidente que apenasservirão para injetar novos recursos na economia daviolência. Este é outro exem de desenvolvimento plosocial para o qual as nossas teorias sociais nãodispõemainda de qualquer modelo de análise eficiente.A curta euforia em torno do final da confrontaçãodos blocos ocidental e oriental e da Guerra Fria, em1989, juntamente coma esperança a ela associada dodesaparecimento da violência entre estados, que atéentão causara tantas preocupações e que se viraacender e apagar lentamente tantas vezes ao longode décadas, inflamando-se por algum tempo enovamente se extinguindo a intervalos, quandonovamente se pensava em uma guerra causada pelasom bra que o grande conflito entre sistemasideológicos projetava, conduziu à expectativa de quesomente ocorreriam doravante pequenos "conflitos desubstituição", tais como os principais envolvidos, osEstados Unidos e a União Soviética os interpretavam.Mas quando, ao contrário, se percebeu que existiampaíses - por exemplo, o Afeganistão, o Tadjiquistão, aColômbia ou a Serra Leoa - onde grassavam guerrashavia décadas, tornou-se claro que tal vez seestivesse pensando em demasia nos efeitos das guerrasclássicas entre estados sempre que se considerava odesenvolvimento dos conflitos de substituiçãoprovocados pela violência da guerra localizada -imaginando-se que, de certo modo, também fossemguerras entre estados, nas quais partidos guerreiroscontrolavam territórios como se fossem verdadeirasnações, comexércitos regulares e que, no momento emque um desses partidos declarasse guerra a outro,passariam a lutar segundo as regras das guerrastradicionais e dentro do respeito aos direitos humanos.Contudo, é inteiramente discutível se estes modelos dereferência domi antes no Ocidente sobre a maneira ncomose travam as guerras tenhamsido alguma vez ummodelo padrão para qualquer tipo de guerra. Nomáximo, podemosimaginar que isto talvez seja válido
  • 138. com re lação à P rim eira Gue rra Mundial que, entre tan to, d a m aneira com o foi travad a e conclu íd a se to rnou a causa o riginal de tod as as catás tro fe s que ocorre ram duran te o s écu lo 20 - nem seque r seu com e ço re gu lar por m eio de um a declaração de gue rra, nem o arm is tício que e videntem ent lhe deu um e fim im pediram a continuação de suas consequ ências destru tivas , porque apenas duas d écad as m ais tard e p rovocaram o in ício de um a gue rra aind a m ais te rrí ve l. E es ta Segunda Gue rra Mundial foge à im agem d as gue rras clássicas em , pe lo m enos, dois aspectos im portan te s: a sabe r que a Alem anha, com o um de seus ato re s p rincipais, infringiu sis tem aticam ente as re gras d a gue rra e os d ire itos hum anos, em conse- qu ência de seu alvo de co lonizar novas te rras por m eio d a aniquilação de d ive rsos grupos hum anos. D este m odo, dentro do conceito d a gue rra to tal, as clássicas d ife renciações entre com batentes e população civil fo ram abandonad as e em consequ ência a sociedade in te ira foi envolvid a em suas m alhas. D esta m aneira, a vio lência desta gue rra foi descontro lad a de fo rm as extrem as, em que tod os os lim ites fo ram desrespeitados; e o significado p ro fundo destas atitudes de vio lência extrem ada n ão é expressado exclusivam ente pe los m ais de cinquenta m il ões de m ortos causados d ire tam ente h pe la gue rra, m as por um a ge ração dom inada durante a m etade de seu tem po de vid a pe la passagem pe la vio lência, conduzindo a com portam entos sem el hantes ao de um a gue rra civil que n ão te ve um alcance apenas nacional com o in te rnacional (por exem pl o, pe lo com portam ento m utuam ente agressivo d as populações alem ãs e polonesas ou entre civis russos e es tonianos). E nem tam pouco as assim cham adas gue rras de libe rtação que Mao Tse -tung ou Pol Pot d irigiram contra seus p róp rios povos a fim de lhes im por o re gim e com unista se podem enquad rar na cate goria d as gue rras clássicas ou d as re gras que as deve riam orientar. D o m esm o m odo, a aniquilação to tal d a população de cid ades in te iras , com o H iroshim a e Nagasaki, n ão pode se r enquad rad a nesta classificação. A d ife ren ça entre as gue rras "an tigas " e "novas ", de finição que tem estado em voga nos 151 ú ltim os anos, só pode ser encarada como151Esta diferenciação se baseia essencialmente nos trabalhos louváveis de Mary Kaldor deum lado e de Her-fried Münkler do outro. Veja Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewaltim Zeitalter der Globalisierung [Guerras antigas e modernas. A violência organizada na época daglobalização], Frankfurt am Main, 2000; veja também Herfried Münkler, Die neuen Kriege [As
  • 139. p rob lem ática; em face dos cen ários b élicos d as gue rras p re vis tas pe la C onven ção de Genebra, pe las Le is d a Gue rra Te rres tre p rom ul as pe lo Tribunal gad de H aia ou pe la Teoria d as Gue rras de C lausewitz, as gue rras que se subm et ram a estas re gras pe rm anecem e m ais com o exce ções, na sua m aioria ligad as aos p rocessos específicos de constru ção dos es tad os europeus, portanto um a re gra à qual, ho j em d ia, o e ad j tivo "an tigo " se rve m uito bem . e E n ão foi o m esm o com tan tos ou tros conflitos vio le ntos, m uitas vezes com a duração de d écad as, com o entre os p ro tes tan tes e cató licos irlandeses, chineses e nepal eses, tu rcos e cu rd os, is rae le nses e pale s tinos e que continuam a se r travad os até ago ra? D este m odo, as "lo w-in tensity wars " [gue rras de baixa inte nsid ade] m odernas, que se pe rpe tuam por longo tem po, de fo rm a algum a acre scentam um a nova d im ens ão aos conflitos vio le ntos. Tudo isso re ve la a sim ultane id ade d as fo rm as he te rog êneas do em prego d a vio lência e se isso nos d iz algum a coisa, é p rincipal ente o seguinte : que a vio lência, com o op ção m para o com portam ento social, com o um a possibilid ade que se acha d isponíve l a qualque r m om ento, pe rm anece na condição de um e l ento late n te ou m anifes to, em porém sem pre central nas re lações hum anas, m esm o quando os m emb ros de um a sociedade que se arroga um m onop ólio es táve l d a vio lência p re fe rem fingir que n ão exis ta m ais. Porém , is to ocorre exclusivam ente porque em tais sociedades a vio lência é transportad a para um ou tro contexto social de com portam entos re lacionais, is to é, se to rn a ind ire ta e som ente se rá em pregad a d ire tam ente em casos de com portam entos d ive rgentes ou crim inosos - m as is to n ão significa em absol to que e la te nha desaparecido. Além d isso, u quando algum a fo rm a de gue rra subm etid a a re gras pe rm anentes chegou a ocorre r dentro do longo espaço de tem po re gis trad o his to ricam ente , is to aconte ceu, com o obse rvou John Keegan, durante os com portam entos b élicos dos assim cham ados povos p rim itivos, cu j fo rm as de vio lência haviam sido as m utuam ente es tabe l as por m eio de p rocedim entos ecid altam ente ritu alís ticos, por m eio dos quais e ram 152 m inuciosam ent contro lad os. e Tudo isto apenasnovas guerras], Reinbek, 2002. (NA).152John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, pp. 149ss. (NA).
  • 140. comprova que nos acostumamos a considerar como guerras exclusivamente alguns tipos de confrontações de caráter violento que foram experimentados ao longo de nossa própria história e deste modo descuramos do fato de que, em outros lugares, outros comportamentos violentos de diferente intensidade e duração determinamas realidadessociais. Mas independentemente do fato de que possam existir diferenças entre as guerras "antigas" e as "novas" guerras, devemosescutar a opinião de Mary Kaldor, a qual, durante os últimos trinta anos, desenvolveu uma tipologia da violência organizada, particularmente 153 na África, assinalando nessa pesquisa não existir nenhuma diferenciação nítida entre o que é permitido em condições de guerra e o que é executado nos períodos de paz e muito menos entre o que possa ser chamado de violência legítima ou de violência crimi- nosa. Dentro da mesma linha desapareceu a possibilidade de diferenciação entre combatentes regulares e irregulares ou entre exércitos e milícias, uma vez que os combates são, no dizer de Herfried Münkler, assimétricos. Não são realizados entre adversários de posição ou importância semelhantes, mas entre praticantes de violência privados ou semi- estatais agindo contra a população civil. Desse modo se organizam grupos locais contra as regiões vizinhas ou contra os homens comandados por chefes guerreiros individuais, os chamados Warlords, cuja violência é financiada por grupos mais poderosos, em geral do exterior, para que protejam sua exploração criminosa de matérias-primas, diamantes, madeira-de-lei, petróleo ou a produção e exportação de drogas, motivo por que estes "senhores da guerra" locais não estão interessados em concluir as guerras de que participam, nem propriamente em vencer tais conflitos, mas sim em prolongar o quanto possível suas 154 atividades bélicas. Não se encontram mais aqui estados organizados e detentores do "monopólio das guerras", com seus especialistas treinados em tática ou estratégia, m as ato re s sem i- tatais ou com pl tam ente independent es e es dos países em que re alizam suas ativid ades, que seguem seus in te resses particu lare s e cu j ob j os etivos d ire tos153Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewalt im Zeitalter der Globalisierung [Guerras antigas emodernas. A violencia organizada na época da globalização], Frankfurt am Main, 2000, pp.15ss. (NA). Herfried Münkler, Die neuen Kriege [As novas guerras], Reinbek, 2002, p. 240. (NA).154
  • 141. são a aniquilação de uma parte da população e aconservação dos sobreviventes dentro de um regime demedo e de terror. Segundo Herfried Münkler, serãoestas "guerras assimétricas" que irão caracterizar oséculo 21. Ele fala detalhadamente a respeito disso -como as variações climáticas apresentam aconsequência direta de aprofundar a fragilidade ou odilaceramento de estados, resultando em processos dedesestatização e conduzindo à privatização daviolência, que irá no futuro próximo dominar espaçosbemmaiores e se tornar cada vez mais frequente. Destemodo, as guerras climáticas, como a que está sendotravada agora emDarfur, no Sudão, são precursorasde um futuro que ninguém pode prever com precisão,sendo perfeitamente possível que nações da UniãoEuropéia, por exemplo, sejam alvo de processos deerosão política semelhantes. No sentido oposto,percebe-se que a variação de poder, bem- estar esegurança entre os países do Primeiro e do TerceiroMundo, entre as nações desenvolvidas e as que nãoalcançaram essa condição irá se fortalecer e essasdissonâncias permanentes exigirão o estabelecimento denovas estruturas de justiça de caráter global.Mary Kaldor distingue a seguir cinco grupos diferentesdentro destas guerras permanentes de acordo com osatores da violência: inicialmente, as Forças ArmadasRegulares que, de fato, dentro dessesestados fracos efragilizados exercem uma função altamenteproblemática. Mal treinados, frequentemente malpagos ou mesmosemreceberemsoldos, insuficientementearmados e desmotivados pela própria corporação,esses soldados são mais candidatos prováveis aorecrutamento por grupos de violência privada do queleais defensores do país; os próprios exércitos sofremcom a falta de disciplina e aparência de decadênciamaterial. De forma semelhante, forças armadas sãodifíceis de controlar por governos centrais fracos,sobrecarregam sua manutenção por meio da venda das
  • 142. p róp rias arm as, p roduzem e lite s m ilitare s arrogan tes e se inclinam rap id am ente ao em prego d a vio lência desnecess ária, conform e John Keegan os descre veu. Igual ente , "po r ocasião dos p rocedim entos de m descol onização os exércitos pe rm anentes e ram m uito pequenos, na m aioria, fo rm ados por algum as centenas de m ilitare s e fe tivam ente tre inados. As assim cham adas trans fe rências de te cno logia dos países ocidentais e ram apenas um a fo rm a em bel ezada de se re fe rir à vend a de arm as caras aos países pobres, que n ão sabiam com o u tiliz á-las , o que n ão re p resentava a transm iss ão de um a cu ltu ra, porque es tas arm as vendidas pe lo O cidente es tavam u ltrap assad as e m uitas vezes já haviam pe rd ido sua capacid ade 155 m ortí fe ra". Não raramente partes destes exércitos regulares são subornáveis ou se deixam facilmente comandar por seus próprios oficiais de forma independente, quando estes decidem criar seus próprios empreendimentos de violência privada. Este fenômeno pode ser claramente observado durante os últimos anos da Iugoslávia, do mesmo modo que no Tadjiquistão ou no Zaire. Estas facções do exército regular, deste modo, não se diferenciam em nada dos Grupos Paramilitares, os quais - como os Djandjawids de Darfur - são formados por soldados dispensados do exército ou desertores, bandos de jovens, criminosos e aventureiros e, não raramente, também por adolescentes e até crianças. Tais grupos paramilitares podem não se opor ao governo, nem serem rebeldes, mas empreenderem em155John Keegan, Die Kultur des Krieges [A cultura da Guerra], Reinbek 1997, p. 537. (NA).
  • 143. ge ral ações vio le n tas de que o gove rno atu al se dese j d istanciar e te rem , em segundo lu gar, a tare fa a de de fender o p róp rio gove rno contra grupos oposicionistas. Estas fun ções, natu ralm ente , podem variar ou se m odificarem confo rm e o caso. O s G rupos de Au tode fesa constituem a te rce ira cate goria dos ato re s d a vio lência, que se organizam em re ação aos ataques lan çad os n ão som ent pe lose grupos param ilitare s, com o pe lo p róp rio gove rno, m as que, via de re gra, n ão possuem um potencial de vio lência e fe tivo e n ão conseguem subsistir durante 156 m uito tem po. Ao contrário, bem mais poderosas são as unidades formadas pelos Partidários de Chefes Militares Independentes (Private Military Commands ou PMCs, na sigla inglesa) ou pelos Mercenários Estrangeiros - geralmente, veteranos de guerra dos exércitos ocidentais ou da Europa Oriental, Mudjaheddin do Afeganistão ou "com frequência, soldados reformados dos exércitos britânico e norte-americano, recrutados por firmas de segurança particulares, contratadas por sua vez para defender os governos legais ou os 157 interesses de companhias multinacionais". Estes profissionais da violência altamente especializados formam, além disso, divisões privadas quando tarefas de violência e de segurança (como tortura ou repressão) devem ser empreendidas, com as quais os governos correspondentes preferem não se comprometer diretamente, quer por não gostarem delas, quer por medo de revelações e possíveis escândalos; tais empreendimentos violentos exerceram funções importantes durante as guerras mais recentes do Iraque e do Afeganistão, algumas vezes disfarçadas ou acompanhando missões de vigilância, combate ao terrorismo, treinamento regular de forças policiais locais, instrução de milícias mantidas pelos governos etc. Somente em 2003, o governo dos Estados 3.512 contratos com firmas de segurança Unidos firmou 158 particulares. No Quênia, existem 40.000 policiais regulares em comparação com 300.000 membros das156Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewalt im Zeitalter der Globalisierung [Guerras antigas emodernas. A violência organizada na época da globalização], Frankfurt am Main, 2000, p. 158.(NA).157ibidem, p. 161. (NA).158 Naomi Klein, Die Schock-Strategie. Der Aufstieg des Katastrophen-Kapitalismus [Estratégia de Choque:A ascensão do capitalismo das catástrofes], Frankfurt am Main, 2007, p. 26. O Ministério daDefesa dos Estados Unidos até 2006 já havia firmado 115.000 contratos deste tipo, incluindo amaior parte do controle do sistema prisional. (NA).
  • 144. 159 firm as de seguran ça p rivad a contratad as. Calcula- se atualmente a existência de cerca de 50.000 pessoas agindo como atores de violência não-oficiais na guerra do Iraque. "A maioria destes serviços terceirizados cumpre funções como logística, construção, serviços de comunicação, coleta e transmissão de informações secretas, abastecimento, lavagem de roupas e limpeza. [...] Todavia, do mesmo modo que revelou o escândalo das torturas em Abu Ghraib, evidencia-se que muitas das práticas discutíveis são confiadas à execução de empresas 160 particulares." De forma semelhante, as mortes de civis podem ser não raramente atribuídas aos membros 161 destas empresas. Um quinto grupo de atores é formado por tropas regulares de Forças Armadas Estrangeiras, principalmente as Nações Unidas, a União Africana e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), destinadas a interromper genocídios e limpezas étnicas, garantir a segurança de eleições ou vigiar o cumprimento de armistícios ou manter a paz, frequentemente em situações precárias, com autorização bastante limitada para a prática de violência, formados por contingentes fracos e pouco numerosos e que, além disso, não são bem aceitas pela população civil. É bastante comum que sejam submetidas a fortes provocações por parte dos demais atores da violência, provocando reações, inclusive ataques a civis, que todos os meios de comunicação mundiais imediatamente noticiam e utilizam como159 Veja o Frankfurter Allgemeine Zeitung [Edição Internacional do Jornal de Frankfurt], edição de24 de setembro de 2007, página 8. (NA).160 Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewalt im Zeitalter der Globalisierung [Guerras antigase modernas. A violência organizada na época da globalização], Frankfurt am Main, 2000, p.251. (NA).161 Em setembro de 2007 revelou-se o assassinato de civis, realizado no Iraque pormercenários pertencentes à firma de segurança Blackwater, que fora contratada pelo governoiraquiano com o apoio de verbas fornecidas pelo Ministério do Exterior dos Estados Unidos.(NA).
  • 145. argum ento contra a pe rm an ência d as trop as de in te rve n ção. Um a consequ ência extrem a dos e rros d as trop as de in te rve n ção foi a re tirad a dos sol ados d ho landeses sob as ordens d as Nações Unid as d a re gião de S rebenica, na an tiga Iugos lávia. A re tirad a d as trop as d a O NU foi o sinalpara o im ediato exte rm ínio de civis por unid ades param ilitare s s érvias, durante o qual ce rca de 8.000 hom ens e m eninos fo ram m assacrados. O s Me rcados d a Vio lência Em seu con j to, encontram os nas gue rras un pe rm anentes um entre laçam ento de grupos de ato re s d a vio lência he te rog êneos e d ivid idos, os quais (com a exce ção d as Tropas de In te rven ção) p raticam a vio lência m uito m ais contra a população civil do que a exe rcem uns contra os ou tros. O espaço social em que is to ocorre pode se r denom inado, segundo a express ão 162 de Georg E lwe rt, com o O s Me rcados d a Vio lência. Este antropólogo social recentemente falecido foi o primeiro a se referir a tal fenômeno por esta denominação, observando como a privatização e a valorização econômica dos comportamentos de violência haviam se tornado um elemento central na manutenção das guerras permanentes. Sua concepção sobre esse tipo de comércio pode ser transcrita como "uma estratégia econômica dos mercadores da violência, em que, evidentemente, as energias de condução das guerras utilizadas pelos empresários da violência se tornaram eminentemente rentáveis. A convocação para a manutenção da cultura, tradi- ções étnicas e ensinamentos religiosos constitui para eles apenas um recurso entre muitos outros" - um recurso para o usufruto e a manutenção dos conflitos por meio da conservação dos atos de violência. Conforme escreveu Elwert, emoções como o ódio e o medo exercem um papel inteiramente semelhante, sendo empregadas pelos empresários da violência de forma bastante eficiente, mesmo que não tenham constituído qualquer elemento estrutural na formação inicial do conflito. Tais emoções muitas vezes são criadas pelo próprio processo de violência, mas apresentam a tendência a se mostrarem inversamente como suas causas naturais e, portanto, a se tornarem uma nova fonte de violências.162Veja httpV/web.m-berlm.de/emnologie/pubrikationen/media/Georg_Elwert-Gewalt_un(NA).
  • 146. Em consequ ência d a de ficiência ou fragilid ade d a sobe rania de um estado, logo surge a opinião de que o fracasso do gove rno de m ante r um m onop ólio estáve l d a vio lência ab re nichos e estru tu ras de oportunid ades para o exe rc ício d a vio lência p rivad a. E lwe rt denom inou tais espaços sociais de "abe rtu ras para a vio lência" e é na descoberta dos in te resses com erciais in te rligad os a es tes espaços abe rtos para a vio lência que se es tabe l cem os m ercados d a vio lência. e D e acord o com a de finição de E lwe rt, um "m e rcado de vio lência" é um alvo para ob ten ção de lu cros dentro de um a de te rm inad a á re a com ercial em que se possam re alizar n ão som ent trocas de m e rcadorias, com o e tam b ém pilh agens e d ive rsas com binações de am bos - com o ob ten ção de re sgates por ind ivíduos rap tad os, cobran ça de ped ágios ile gais, escolta de viajan te s através de zonas contro lad as por grupos b élicos e tc. Nestes casos, as m ercadorias s ão arm as, d rogas, alim entos, m atérias -p rim as locais, m ate riais p re ciosos ou re féns hum anos. "C om o fo rm as in te rm ediárias entre o com ércio e o roubo desenvolvem - ativid ades de se p ro te ção, tam b ém cham adas de ped ágios e a cap tu ra de re féns. [...], contrab ando de d iam163 antes no Zaire (atu alm ente C ongo), com ércio de Q ât * na Somália, contrabando de esmeraldas na Colômbia e, não menos importante, a captura de comboios de alimentos e outros produtos de ajuda humanitária, como aconteceu em determinados períodos na Somália e na Bósnia, até que estes ramos econômicos se tornassem umas das mais importantes fontes de renda dos chefes163 A Qât ou Khat, conhecida por diversos outros nomes (Catha edulis) é uma planta tropical deflores amarelas, que floresce na África Oriental e na península arábica, cujas folhas produzem oalcalóide cathinona, um estimulante anfetamínico causador de excitação, perda de apetite eeuforia que a Organização Mundial da Saúde determinou causar dependência psicológica e queé proibido pela DEA nos Estados Unidos, sendo controlado ou ilegal em muitos outros países.(NT).
  • 147. guerrilheiros." Um outro setor rentável importante éa captura de reféns para resgate, como ocorrediariamente no Iraque ou no Afeganistão, muitoraramente realizada por razões ou cálculospolíticos, embora camuflada sob esta alegação, masde fato fazendo parte de uma economia de violênciaestabelecida, que aproveita as ideias políticas, ascrenças religiosas ou outras ideologias comoinstrumentos, mas que não adota realmente seusconteúdosidealistas internos.Tambéma própria produção da violência seguepontosde vista econômi os. Enquanto os combatentes de um cgrupo se ocupam com saques e roubos, reduzem- e osscustos de manutenção da tropa para o chefeguerrilheiro e se inseremigualmente na estratégia doslucros da violência: como resultados dos furtos,aumenta o terror, criam-se movimentos de refugiadose, através disso, crescem as possibilidades derecrutamento de novos lutadores ou de forças detrabalho escravo. Os meiospara praticar a violênciasão caros, fuzis e outras armas de fogo portáteis,metralhadoras russas modelo Kalashnikov, lançado-res de foguetes de construção simples e veículos levesde transporte são os mais procurados; por exemplo, emDarfur, logo se aprendeu a transformar botijões degás embombas incendiárias. Além disso, a maior partedos meios de violência empregados segue padrões debaixa tecnologia, que apresentam diversas vantagens,entre elas as de custar menose não necessitaremde umlongo treinamento para serem manejados. Emconsequência, a população civil é amedrontada abaixo custo, porém comeficiência.Na realidade, existe a circunstância de a violência sermenosdirigida contra os demais partidos do que contraa população civil, o que constitui uma das
  • 148. características mais importantes das guerraspermanentes. Este tipo de ação provoca movimentosconstantes de refugiados, que se concentram emacampamentos assolados pela miséria, originandoações de socorro da socie dade internacional, cujosresultados imediatos são a injeção de poderosos re-cursos na economia de violência, consequentementeprolongando sua duração: estes são o alvo de umaestratégia que consiste especificamente em expulsarmaciçamente a população civil para o exterior dasfronteiras, a fim de capturar os comboios que venhamem seu socorro e aproveitar as mercadorias para oequipamento e alimentação das próprias tropas. Ouentão os guerrilheiros cobram pesadas taxas emresgate de comboios apresados ou como pedágio paraque passem em direção aos campos de refugiados semserem saqueados ou sendo, pelo menos, espoliadosapenas levemente. Os próprios campos de refugiadossão aproveitados como excelentes arenas paraagitação política ou religiosa, além de servirem comoáreas de recrutamento de novos combatentes ouconvocação de força de trabalhos forçados. Estassão formas sutis ou bemmenossutis de explorar a boa-vontade internacional em ajudar os necessitados porocasião de crises.As guerras travadas em regiões opacas do TerceiroMundo passam de certo modo despercebidas e semchamar a atenção e até mesmo a guerra da Iu-goslávia, geograficamente tão próxima dos países daEuropa Ocidental, assumiu um caráter de exotismo, do
  • 149. mesmo modo que suas predecessoras em Ruanda ou Darfur etc. Nestes últimos eram consideradas como "guerras tribais", mas naquela se apelou para a cultura balcânica extremamente orientada para a violência como uma forma de explicar a avassaladoramente rápida escalada das ações 164 bélicas. Estas tentativas de explicação servem à redu ção d a d issonância cognitiva p rovocad a pe la obse rvação d a escalad a abe rta d a vio lência, causando vio lações dos d ire itos hum anos e tod o tipo de in j tiça e tc., afe tando d ire tam ente quem , por um us lad o, vive em um m undo m e l hor constitu íd o e que, em segundo lu gar, em fun ção de um a s érie de ra z ões po lí ticas e cu ltu rais , acred ita que os d ire itos hum anos se j re speitad os através de tod o o globo e que, na am pior d as hip óteses, podem se r re s tau rad os m ediante o envio de socorros m ate riais. Em ou tras palavras : um genocídio pe rpe trad o em Ruanda despertou um a d isson ância m oral na Alem anha e , a fim de reduzir tal d issonância, fo ram estud ad as as possibilid ades hum anitárias de auxiliar as ví tim as - pe lo m enos aque las que conseguiram escapar com vid a dos ataques. Foram re unidos hospitais de cam panha, m édicos e enfe rm eiros para os doentes, m edicam entos, cobe rto res, te nd as, alim entos n ão- pe recíve is e ou tros e l entos para ate nd im ento d as em necessidades b ásicas, os quais, com o já d issem os an te rio rm ente , constitu íram fre quentem ent um a e esp écie de cum plicid ade, substituindo-se lu gare s e condições, porque cus tavam pouco d inheiro e tive ram164 Veja Wolfgang Höpken: Gewalt auf dem Balkan. Erklärungsversuche zwischen "Struktur" und "Kultur" [Aviolência nos Baleas: A busca de um esclarecimento das diferenças entre "Estrutura" e"Cultura"], publicado por Wolfgang Höpken e Michael Rieckenberg (editores), Politische undethnische Gewalt in Südoes-teuropa und Lateinamerika [A violência política e étnica no sudeste da Europae na América Latina], lançado em Köln (Colonia) e outras cidades em 2001, pp. 53-95; vejatambém Holm Sundhaussen: Der "wilde Balkan". Imagination und Realität einer europäischen KonfliktregionOst-West [Os "Bálcãs Selvagens". Imaginação e realidade de uma região europeia conflituadaentre o leste e o oeste], publicado na revista Europäische Perspektiven [Perspectivas Europeias] 1/12000, pp. 79-100; consulte ainda Marija Todorova: Die Erfindung des Balkans. Europas bequem Vorurteil[A descoberta dos Bálcãs. Os cômodos preconceitos europeus], Darmstadt, 1999. (NA).
  • 150. e fe ito bas tante lim itad o. Es te m odo ocidental de redu ção d as d issonâncias é facil ente u tilizad o pe los m ato re s d a vio lência, chegando a tal ponto que os re su ltad os deste alívio d a d isson ância m oral do O cidente se trans fo rm aram em lu cros com er ciais para as em presas que fo rne ce ram os re cu rsos: de qualque r m odo, a violência foi nu trid a e os re cu rsos fo ram ap rove itad os por e la. E rving Goffm an denom inou esta constru ção de es tru tu ras e h ábitos ins titucionais, m esm o que dentro 165 de ou tro contexto, de "ad ap tação secund ária" - e realmente este é o caso, porque os mercados da violência se transformaram em parasitas dos comportamentos econômicos de terceiros. Enquanto isso, o sistema da adaptação secundária é constituído de tal modo que logo se passou a incluir nos cálculos de custos das ações de socorro as despesas com resgates, pedágios e quotas de pilhagem gradual, de tal modo que as organizações de ajuda internacional acabaram por se adaptar às estratégias dos mercadores da violência como se fossem empresas terceirizadas. Também este entrelaçamento da violência com o auxílio internacional e das organizações de auxílio com a violência institucionali- zada é um interessante exemplo da interdependência entre os comportamentos comerciais e suas consequências, que realmente se adaptam, por mais que estas últimas sejam inesperadas. Natu ralm ente , esta n ão é a única fon te de re cu rsos de que se ap rove itam os m ercadores d a vio lência. Ao lad o d a espoliação d ire ta do povo, situam -se o com ércio ile gal de m atérias -p rim as, a econom ia do contrab ando, o trá fico de d rogas e de arm as, a cap tu ra de re féns e a execu ção de atos de vio lência encom endada m ediante pagam ento e os fundos de grupos em situação de d iáspora que bom beiam re cu rsos para o âm bito dos conflitos em escalad a por m eio de organizações exte rnas a fim de apoiar a lu ta de seus p róp rios grupos étnicos contra seus ad ve rs ários. No caso d a gue rra civil d a Iugos lávia, es ta e ra um a 166 p rática constan te e que ocorria às claras . Os mercados da violência constituem uma forma radical da economia do mercado livre que adquire, emprega e revende mercadorias de acordo com as necessidades dos maiores potenciais de violência. A165Erving Goffman, Asyle [Asilo], Frankfurt am Main, 1973). (NA).166Herfried Münkler, Die neuen Kriege [As novas guerras], Reinbek, 2002. (NA).
  • 151. am pliação de tal econom ia d a vio lência, via de re gra, funciona em sentido oposto ao do funcionam ento d as áre as trad icionais d a econom ia nas re giões afe tad as - quando o com ércio, a p rodu ção de ce re ais e a agricu ltu ra em ge ral se acham em crise , se j porque a se encarre ga do abas te cim ento de p rodutos im portad os, se j porque é a única que tem condições a de co locar os p rodutos in te rnos à vend a no m ercado exte rno. A partir deste cen ário, n ão é de espantar que os m ercadores d a vio lência re gu larm ente se ap resentem sob ou tras fo rm as de com ércio, em vis ta d a desestru tu ração do m e rcado, que lhes pe rm ite escol r entre vá rias á re as de ação; o m esm o vale he para os p ratican tes d a vio lência, que m uitas vezes tinham sido an tigam ente agricu lto re s e se ocupavam com o cu ltivo de ce re ais em pequenas p rop ried ades. Neste contexto novam ente se to rnam m ais vis íve is as consequ ências de tais fo rm as de organização d a vio lência para os p rocessos e as d in âm icas do desenvolvim ento. Em p rim eiro lu gar, n ão existe a m enor ce rte za, em qualque r época poste rior ou m esm o no in ício d as hos tilid ades, sobre quem re al ente tom ou m a decis ão inicial ou dentro de quais circuns tâncias e la foi ge rad a e , em segundo lu gar, com o se estabe l ram ece as linhas de com portam ento dos p rocessos de desenvolvim ento d a vio lência, que an te rio rm ente n ão se encontravam ali e pe los quais ningu ém re al ente m espe rava e que, possive l ente, n ão tinham sido m p re tendidos nem iniciados vo lun tariam ente por ningu ém - d a m esm afo rm a com o re ve lam entre vis tas fe itas com os pe rpe trad ores dentro do âm bito d a escalad a m aciça d a vio lência, os quais dem onstram sem pre um ce rto grau de pe rp le xid ade sobre seusatos , sobre com o re al ente aconteceu que e les tive ssem com etido m 167 assassinatos , estupros e saques. A seguir, Elwert explica que os mercados da violência apresentam uma tendência definida para auto- estabilização, a um ponto tal que as possibilidades de reprodução de outros comportamentos durante os períodos de violência ou de ameaça de violência permanente simplesmente são perdidas. "Os mercados da violência não existem nem permanecem dentro de um vácuo. Eles se desenvolvem dentro de sistemas sociais167Veja Scott Straus, The Order of Genocide: Race, Power, and War in Rwanda [A ordern do genocídio:Raça, poder e guerra em Ruanda], Nova York, 2006, (tradução Harald Welzer); e HaraldWelzer: Täter. Wie aus ganz normalen Menschen Massenmörder werden [Criminosos: Como pessoasperfeitamente normais se transformam em assassinos de massas], Frankfurt am Main, 2005.(NA).
  • 152. auto-organizados, que também se acham de al gummodo entrelaçados em permutas externas com seuambiente e que também estabelecem parcialmenteestas permutas com formas de ambiente e de sociedadetransformadas. O estabelecimento dos mercados daviolência ocorre, como dito anteriormente, graças àsfalhas ou ao colapso das possibilidades de um governocentral conservar seu monopólio da violência, cujaconsequência novamente é umconflito mais amplo, quese desenvolve em terra e nas vias aquáticas,frequentemente aumentado pela falta ou pelaescassez de recursos vitais, o qual se tornaprogressivamente independente da soberania nacional,mas se regulamenta por meio de seus própriosprocessos formativos, ou seja, como consequ ênciadireta da violência por ele mesmoexecutada."Elwert caracterizou previamente estesdesenvolvimentos auto-catalisadores em um estudomais antigo, em que procurava descrever osacontecimentos transcorridos na Somália: "O começoparecia uma coisa banal: uma sociedade tribal deagricultores sedentários, que residia em cabanas depalha começara alguns anos antes, em um territórioestudado pelo antropólogo Marcel Djama, aempregar armas de fogo para defender o direito demonopólio de utilização de determinadas fontes deágua, independentemente da lei tribal, das leisnacionais ou de registros mantidos em cartórios outabelionatos. Tanto para o estado como para osinteressados, esta parecia ser a alternativa maisbarata. O estado tolerou estes acontecimentos,porque assim ficava livre de uma obrigação custosa.Dentro do sistema tribal de clãs nativos, descrito tan-tas vezes nas análises jornalísticas do conflito daSomália, estas atitudes só podiam ter efeitosnegativos. O emprego de armas de fogo assinalava de
  • 153. fato o abandono do sis tem a de clãs e sua fo rm a de ap licação d a j s ti ça m ediante debates entre as parte s u in te ressad as. A aquisição de arm as to le rad a pe lo es tad o lim itou-se inicial ente ao n íve l m ais baixo. Mas m a seguir as fron te iras com as nações vizinhas fo ram fe chad as, sem que o es tad o de fendesse os in te resses dos criad ores de gado n ôm ades, surgindo em b re ve o p rob lem a do acesso às fon te s e aos alim entos d a vizinha E tiópia. (Is to aconte ceu com o consequ ência do aux ílio in te rnacional à E tiópia, pois alim entos desviados d a d is tribuição entre a população tinham passado a se r vendidos a p re ços baixos nos m ercados d a S om ália.) Neste p rocesso n ão estavam in te ressados apenas os pas to res de gado, m as tam b ém os com erciantes, que com pravam as cab ras e ove lhas dos n ôm ades em grande quantid ade para exportar os anim ais para o Iêm en e a Aráb ia S audita com grandes lu cros. Real ente , o Iêm en to rnou-se quase m in te iram ente dependent desta im portação de carne . O e vo lum e dos negócios dos m ercadores desabou re pentinam ente. E l decidiram então vende r arm as em es grande quantid ade aos n ôm ades, para que e l es pudessem garan tir a re p rodu ção de seus re banhos pe la fo rça d as arm as. Foi assim que surgiu a cham ada Milícia G ad abursi. Logo essa m ilcia pe rcebeu que, í d ispondo dessas arm as, pode ria tam b ém ob te r a alim entação dos re banhos e a p róp ria nu tri ção sem necessidade de pagar por e las , descobrindo a seguir que a cap tu ra de re féns, o im posto sobre os transporte s de alim entos e igual ente a escolta dos trafican te s de m d rogas pode riam se r fo rm as bas tan te lu crativas de ob ten ção de d inheiro. Vem os aqui em funcionam ento a d in âm ica d a vio lência com o se estivesse sob as le n te s de um m icroscópio, seus m eand ros, seu desenvolvim ento e a fo rm ação de suas esfe ras de influ ência. Real ente , esta fo rm a de m m ovim ento au to-catalí tico d a vio lência dentro de sociedades sem sobe rania re al ou com fraca capacid ade de gove rnan ça é bas tan te d ifícil de se 168 obse rvar ou entende r do exte rio r. Aqui se acasalam os interesses particulares com a insensatez coletiva. Sua prole é uma guerra permanente. Um estudo da Oxfam International calculou que as guerras travadas na África entre 1990 e 2005 custaram em seu conjunto cerca de 211 bilhões de Euros - uma soma convenientemente similar à empregada no168É bastante difícil compreender de um ponto de vista externo como surgem "movimentos"inteiramente novos
  • 154. aux ílio ao desenvolvim ento que flu iu para os países 169 africanos duran te o m esm ope ríodo. As guerras permanentes são uma das formas de violência previstas para o futuro. As consequências das variações climáticas exacerbadas pelos conflitos ainda não podem ser perfeitamente calculadas. No caso de Darfur claramente já se observou que as consequências das variações climáticas, como a veloz ampliação da formação de desertos pode conduzir rapidamente ao desencadear da violência, que é canalizada de múltiplas formas pelos grupos interes- sados e por eles explorada. Podemos descrever a dinâmica auto-catalisadora da permanência e expansão do espaço aberto à violência como provocada e mantida pela desestatização e fragilidade dos estados envolvidos e que, por sua tendência a enfraquecê-los irá ampliar ainda mais os espaços abertos à violência, enquanto, por sua vez, atores internacionais se lançam para o espaço bélico, de tal forma que os recursos fornecidos à violência aumentam ainda mais e assim por diante. Adaptação Tudo isto é o resultado da busca de adaptação das pessoas à suas situações ambientais modificadas, e algumas das características desta adaptação são a169dentro de conflitos dessa espécie, sobretudo de que maneira se manifestam ascircunstâncias que provocam consequências consideráveis sobre a capacidade de expansão doconflito violento. É o que busca explicar, por exemplo, uma notícia impressa no FrankfurterAUgemeinen Zeitungde 25 de setembro de 2007 (página 6), sob o cabeçalho: "Escaramuças naSomália", a qual descreve comportamentos conflituosos, nos quais uma "União para a NovaLibertação da Somália", fundada duas semanas antes, pareceu ter exercido um papel central nocurto período anterior em que tropas etíopes e diversos "Grupos Civis" partidos de Mogadício,a capital somali dominada pelo islamismo, haviam tomado parte. Os leitores tiveram poucotempo para buscar entender quem eram os atores e quais tinham sido os resultados das referidasescaramuças. (NA). Vejawww.spiegel.de/politik/ausland/0,1518,druck-510917,00.html. (NA).
  • 155. construção externa dos mercados da violência, otreinamento de especialistas em violência, os novosfluxos de refugiados, o estabelecimento dos campos eos morticínios. É importante formular para quemistoaproveita, a fim de chamar a atenção sobre o quesignificam as estratégias de adaptação ocidentais comreferência às consequências prognosticadas para asvariações climáticas, apregoando e mesmoforçando oestabelecimento de uma terceira revolução industrial.Nicholas Stern, conforme foi relatado, calculou deforma impres sionante como esta estratégia dos paísesindustrializados pode sair consideravelmente maisbarata, pois se eles não reagirem às mudançasclimáticas, tampouco precisarão se adaptar a elas.Na realidade, esta adaptação será bastantelucrativa para as economiasnacionais do Ocidente. Umproblema será a transformação dessas adaptaçõesem vantagens posicionais, porque serão necessáriasamplas construções, novas tecnologias e largasverbas para que essas transformações possam serrealizadas. Contudo, isto se acha realmente dentro desuas capacidades aquisitivas, mas no que se refere àlegitimidade das estratégias, a situação é um poucodiferente, do mesmo modo que, se é perfeitamentenatural para um chefe militar somali empregar aocasião provocada por um conflito sobre recursosnaturais para aproveitar a oportunidade deestabelecer o seu poder por meio da violência a fim deabrir para si próprio melhores possibilidadeseconômicas - isto também é moralmente questionávelno mes nível em que o são as estratégias de moadaptação econômica do Ocidente. Existemsemelhanças estruturais entre as duas estratégias,pois é indubitável que em uma situação problemáticaambas busquem obter lucros pelos novos meiosdisponíveis. Para uns, a estratégia de adaptaçãocorresponde principalmente à redução ou suspensãototal das emissões de dióxido de carbono, mas para ooutro constitui a captação dos recursos destinados aapoiar os comba tentes pela liberdade.De resto, o que foi dito aqui a respeito das guerraspermanentes é apenas a impressão do que se tornouvisível, porque existe também uma parte difícil deobservar nas configurações da violência constante.Uma vez que as organizações de auxílio internacionale as tropas de intervenção para manutenção da pazexercempapéis importantes dentro deste contexto, ficatambém evidente que esses atores externos fazem
  • 156. parte desta configuração. Contudo, as organizaçõesde auxílio e os soldados das Nações Unidas são maisuma vez apenas os jogadores externos visíveis nesteencadeamento social. A maior parte dos atores exter-nos permanece perfeitamente invisível. E esses atoresinvisíveis somostodos nós.Nesta situação falta apenas resumir que o fenômenodas guerras permanen e dos mercados da violência tesligados fundamentalmente a elas, com o aumen das toconsequências das variações climáticas, ou seja, aampliação dos desertos, a salinização e a erosão dasterras, o esgotamento das fontes de água etc., irá emfuturo próximo expandir-se consideravelmente eapresentar resultados dramáticos. A pergunta que seapresenta então é quais sejam as possibilidades daajuda internacional e das tropas de intervenção de umlado serem eficazes contra a violência genocida, alimpeza étnica etc., que se manifestam do outro lado,
  • 157. ao mesmo tempo em que os mercados da violênciacontinuam a se ampliar. De saída se percebe que astropas internacionais destacadas para essas regiões emesmo as suas unidades especiais não têm umaliberdade ilimitada. A intervenção por meio do influxode recursos também é uma mercadoria escassa que, seraciocinarmos com clareza, serve apenas aosinteresses daqueles que participam de sua obtenção edistribuição. É fácil dizer: em um lugar desses, taisinteresses não são tangíveis - a gente de lá estálutando uns contra os outros e nenhuma política depoder, estratégia internacional ou interesses movidospor recursos podem realizar nada em contrário - omelhor é abandonar essespaíses de uma vez para queresolvam sozinhosseusproblemas.Mas a dissonância moral que se acha talvez ligada aesta atitude pode ser reduzida de várias maneiras:
  • 158. pode- argum entar que n ão se deve inte rfe rir nos se assuntos in te rnos de es tad os sobe ranos, que existem pontos de crise m ais im por te s que re que rem nosso tan engaj ento, que os riscos para os p róp rios sol ados am d d as trop as de m anuten ção d a paz s ão m uito e l vad os, e que um a in te rven ção m ais firm e som ente pode rá conduzir a um a escalad a m ais am pla d a vio lência, que os ato re s locais do conflito entendem m e l hor do que n ós a m aneira de re solve r seus p róp rios p rob l as, em que n ão se devem re pe tir os e rros do passado d ando apoio a fals os grupos de libe rtação nacional e assim por d iante . Natu ralm ente se rá tam b ém vá lid o o argum ento de que os em pres ários d a vio lência n ão devem m ais te r a possibilid ade de se ap rove itarem dos re cu rsos in j tad os local ente pe las ações de aj a e m ud in te rnacional a fim de pode rem inves tir aind a m ais na econom ia dos m ercados d a vio lência. Tudo is to se ria então m ais um degrau na escad a ad ap tativa às consequ ências d as variações clim áticas. Lim peza Étn ica Enquanto fo rm os senhores do cam po, a expul ão deve s se r obse rvad a pe los m eios m ais satis fató rios e pe rm anentes. N ão pode rá have r qualque r m istu ra entre as populações, por m eio d as quais pe rm ane çam desvantagens in find áveis, com o, por exem pl no caso o, d a Als ácia-Lorena. Em um a m esa lim pa se se rvem m elhores re fe ições. Eu sou d a opinião que um a separação d as populações n ão se rá m uito alarm ante , especial ente se fo rem estabe l m ecidos vas tos assenta- m entos, que por ou tros m eios de am 170 possive l ente paro m se rão m e l hores que os an te rio res." Estas palavras sensatas foram proferidas por Sir Winston Churchill com referência à situação futura dos chamados "Volksdeutschen" estabelecidos na Polônia e na Tchecoslováquia. No momento em que o Primeiro- Ministro britânico, a 15 de dezembro de 1944, perante a Câmara dos Comuns, discursou sobre a expulsão, já era um assunto decidido pelos vencedores que, depois da guerra, não seriam permitidas mais populações misturadas nos territórios anteriormente colonizados pela Alemanha. O resultado prático desta intenção declarada pelos aliados de formar estados etnicamente homogêneos após a guerra foi a expulsão de cerca de quatorze milhões de "Volksdeutschen", que170 Citado por Norman M. Naimark, Flammender Hass. Ethnisch Säuberungen im 20. Jahrhundert [Umódio inflamado: Limpezas étnicas ao longo do Século Vinte], Munique, 2005, p. 141. (NA).
  • 159. se trans fo rm aram em re fugiad os e deste rrad os. Ce rca de dois m il ões de pessoas m orre ram durante o h p rocesso, enquanto m ais de cem m il fo ram deportad171 os para ou tros países e su j itos a trab alhos fo rçad os. e Essa foi provavelmente a substituição de populações mais maciça de toda a história do século 20, mas não foi a única. Todos estes deslocamentos, fossem denominados expulsões, limpezas étnicas, deportações ou movimentos de relocação populacional administrativa, são o resultando da tendência moderna de construir estados nacionais etnicamente homogêneos - uma característica definida do processo de construção dos estados modernos. Populações heterogêneas, com suas "desvantagens infindáveis", segundo a expressão eufemística de Sir Winston Churchill, permanecem sempre como obstáculos potenciais ou reais às possibilidades de desenvolvimento de um estado nacional, e a previsão de Churchill de que o deslocamento populacional não seria muito alarmante, nem causaria problemas particulares baseava-se diretamente na experiência que resultou da Convenção de Lausanne, em 1923, após o final da última guerra greco-turca, que determinou o intercâmbio de grupos gigantescos de gregos da Anatólia por turcos da Grécia. A troca de populações de cerca de um milhão e meio de gregos por aproximadamente 350.000 turcos foi estabelecida por meio de um tratado internacional, realizada sob a vigilância de uma comissão internacional e não pareceu absolutamente desumana, mas foi considerada como uma estratégia racional de homogeneização dos estados nacionais que parecia a mais indicada para minimizar consideravelmente os riscos de futuros conflitos. A época moderna assistiu a uma longa fila de limpezas étnicas. Algumas delas foram resolvidas por meio de genocídio, como foi o caso do massacre dos armênios pelos turcos ou das estratégias da nova ordem stalinista. Tais eventos de assassinatos em171 Veja Rainer Geissler: Struktur und Entwicklung der Bevölkerung. Bundeszentrale für politische Bildung[Estrutura e desenvolvimento da população. Escritório central federal para educação política],consultar o site eletrônico http://www.bpb.de/publikationen/7WF4KK.html. Existem suposições muitovariadas sobre as pessoas que fugiram de suas terras, já que não dispomos de númerosconfiáveis, mas somente cálculos realizados sobre bases de solidez apenas parcial. O númeroreal de mortes talvez seja um pouco mais baixo (Ingo Haar, Hochgerechnetes Unglück. Die Zahl derdeutschen Opfer nach dem Zweiten Weltkriege wird übertrieben [Uma desgraça supervalorizada. O númerode vítimas alemãs após a Segunda Guerra Mundial foi exagerado], publicado no SüddeutscheZeitung [Jornal da Alemanha Meridional], 14 de novembro de 2006. (NA).
  • 160. m assa n ão fo ram som ent o re su ltad o de escalad as de e vio lên cia, m as algum as vezes p rovocados por falta de p lane j ento e o rganização ou de ind ife ren ça pe la am vid a hum ana quando - com o no caso d a deportação dos tche tchenos e inguchis, em que m orre ram dezenas de m ilhares duran te o p rocesso de transporte por m ilhares de quilôm e tros de es trad as de fe rro e em que os sobre viventes fo ram depositados em um descam pado onde n ão existiam re se rvas de alim entos e nem seque r ab rigos, porque ningu ém achara im portan te p rovidenciar estas coisas para os re c ém -chegados. D este m odo, m ais de cem m il tche tchenos e inguchis m orre ram duran te os três p rim eiros anos de sua deportação, além dos que haviam pe recido durante a 172 longa viagem . O resultado da guerra decorrente da dissolução da Iugoslávia foi a transformação da anterior república compartilhada por uma federação de estados em um grupo de estados nacionais etnicamente homogêneos; também aqui o meio para atingir este objetivo foi a limpeza étnica, como em Kosovo ou na Bósnia, onde este método foi praticado às claras e o conflito derivado por esses ajustes de contas se estendeu a tal ponto que somente a intervenção e o controle internacionais impediram de se tornar uma guerra aberta. Michael Mann, que escreveu uma história volumosa e abrangente sobre o alcance das limpezas étnicas ao longo do século 20, chegou à proveitosa conclusão de que estas não foram o resultado de fracassos nos processos de modernização, porém, justamente ao contrário, uma característica de seu sucesso. Todas as sociedades ocidentais, com a173 ção exce da Suíça, Bélgica, Grã-Bretanha e Espanha, * devem a sua situação atual de estados nacionais a uma política de homogeneização étnica, cujo reverso foi a limpeza étnica - este é o lado obscuro da democratização que, infelizmente, parece estar esquecido pelas pessoas que se horrorizam com a violência desencadeada na Bósnia.172 Veja Norman M. Naimark, Flammender Hass. Ethnisch Säuberungen im 20. Jahrhundert [Um ódio inflamado:Limpezas étnicas ao longo do Século Vinte], Munique, 2005, pp. 125ss. (NA).173 É preciso não esquecer que após a Reconquista, na qual milhares de muçulmanos (chamados "mouros") forammortos e outros tantos expulsos, os Reis Católicos, Fernando e Isabel, decidiram homogeneizar a religião de seu país,determinando um prazo de três meses para a conversão ou exílio dos três milhões de judeus que habitavam seu território,grande número dos quais nas terras recentemente tomadas aos árabes, em que tinham sido geralmente bem tratados. Umterço deles aceitou a conversão, outro terço abandonou o país, mas cerca de um milhão de judeus que não concordou emabandonar sua religião foi massacrado por todo o país pela população católica insuflada pelos padres e com o apoio dastropas do governo. Mesmo os conversos, chamados "marranos" [porcos] foram objeto de perseguições políticas oureligiosas durante séculos, particularmente pela Santa Inquisição. (NT).
  • 161. A partir deste pano de fundo pe rcebe- se, natu ralm ente , que o p rocesso de globalização novam ente se to rna um a d as causas d a vio lência. Já as sociedades de m uitas nações p ós-co loniais, p ós- socialis tas ou p ós-au tocrá ticas vêm seguindo os passos dos países europeus d a O rganização para a Coope ração Econ ôm ica e o D esenvolvim ento (O ECD )em sua constru ção de estados nacionais, raz ão por que m aiores potenciais para vio lência se desenvolvem no in te rio r destas sociedades e , por id êntico m otivo, se agravam as te nd ências para que es ta vio lência se m anifeste abe rtam ente. O is lam ism o rad ical e sua inclinação para a p rá tica de atos vio le ntos se encaixa pe rfe itam ente dentro deste p rocessoglobal, m as é apenas um de seus e l entos, porque o im pul em so para a m oder ção dos países envolvid os é tam b ém niza 174 pe rcebido fo rtem ente e re chaçado com vio lência. Ainda com relação ao terrorismo, caberia mais uma observação. Antes de tudo deve ser observado que as guerras permanentes, as correntes de refugiados, a limpeza étnica etc., não representam a antítese da modernização, mas infelizmente, são uma parte de seu custo. Quando a globalização, conforme escreveu Mary Kaldor, "favorece um crescimento que entrelaça e abrange o total do globo terrestre, em termos po- líticos, econômicos, militares e culturais", a consequência imediata é que vejamos o surgimento de formas de violência, como as guerras permanentes ou a limpeza racial igualmente entrelaçadas a essa 175 globalização. O potencial para violência provocado pelas mudanças climáticas se manifesta internamente às estruturas existentes e não no choque de princípios antagonistas dos atores envolvidos, como contrapõe a objeção corrente do fundamentalismo radical ou é igualmente sugerido pelos liberais do Ocidente. A tese do choque de culturas apresentada por Samuel Huntington basicamente não é falsa,174 :12 Além disso e na mesma direção se manifesta também o retorno dos movimentos de religiosidadepuritana contrários à modernização, os quais - conforme escreveu Claus Leggewie - operam simultanea-mente de forma transnacional e individualística. (Claus Leggewie, Glaubensgemeinschaftenzwischen nationalen Staatskirchen und globalen Religionsmärkten [A sociedade dos crentesdividida entre as igrejas nacionais estabelecidas e o Mercado religioso global], conferência pronunciadaperante o International Congress on Justice and Human Values in Europe [CongressoInternacional sobre a Justiça e os Valores Humanos na Europa] a 10 de maio de 2007. (NA).175Mary Kaldor, Neue und alte Kriege. Organisiert Gewalt im Zeitalter der Globalisierung[Guerras antigas e modernas. A violência organizada na época da globalização], Frankfurt am Main,2000, p. 18. (NA).
  • 162. porque estes conflitos culturais violentos realmente ocorrem, mas sua abrangência tem um horizonte limitado, uma vez que Huntington apenas observa o que os outros fazem e não o papel exercido por sua própria cultura sobre todos os entrelaçamentos comportamentais que as culturas constroem de forma interdependente e cujos conflitos são ajustados conjuntamente. Apresenta-se aqui uma interação, parcialmente responsável pela formação da violência, mas que realmente não se trata de nada tão metafísico ou sem motivo formal como um "choque de culturas". Esse tipo de abstração não ocorre no campo do social. Os conflitos sempre são interações concretas e embaraçam as percepções, significados e comportamentos mútuos dos envolvidos. As variações climáticas transformam o entrelaçamento das culturas em aspectos vitais e concretos de pessoas bastante diversas, que executam funções bem diferentes e que a paisagem das informações globais vem modificando muito rapidamente. A comunicação apresentou a todas as populações do mundo as variações radicais existentes entre as diferenças culturais e apagou as distâncias entre as múltiplas regiões e conduziu estas culturas distantes e de costumes muitas vezes opostos a um contato informacional extremo que abrange o mundo inteiro, ao mesmo tempo que os ambientes vitais e as condições de vida permanecem extremamente diferentes uns dos outros. Deste modo, a globalização "conduz de forma semelhante à integração e à fragmentação, proporcionando tanto a homogeneidade como a heterogeneidade",176 favorecendo tanto o universalismo como o nacionalismo. As consequências desta globalização são manifestadas diretamente dentro do âmbito e das práticas das guerras permanentes - cada informação sobre uma minúscula escaramuça local tem potencial para ser comunicada de imediato em nível internacional, sendo instrumentalizada e merecendo auscultar a opinião dos participantes locais de todas as categorias, tanto dos atores estatais, como dos transestatais e dos independentes de qualquer afiliação com um governo, o que significa no exterior, dependendo da perspectiva, um motivo para intervenção ou uma oportunidade de novos negócios lucrativos. Isto é modificado de acordo com as noções prévias de "predisposição para o entrelaçamento em assuntos políticos, econômicos, militares e culturais",176 Ibidem, p. 19. (NA).
  • 163. s ó que no final destes entre laçam entos encadeados se encontram se res hum anos que s ão fo rçad os a fugir ou s ão m ortos ou op rim idos e final ente as corte s in- m te rnacionais de j s ti ça, com prom etid as com esta u tare fa pouco inve j ve l, s ão fo rçad as a desenredar as á causas iniciais dos assassinatos e genocídios e sen- te nciar os re spons áveis por e las. E aqui surge m ais um a d as consequ ências m ortí fe ras d a globalização: "D e um dos lad os se encontram os m em bros de um a classe global que se com unica em inglês e tem acesso ao fax, e -m ail e se rviços de saté lite s , d isp õe de d ólare s [...] ou de cartõe s de créd ito e pode viajar para onde quise r. D o ou tro lad o, encontram os aque l cu j acesso é ved ado aos es o p rocessos globais; que vivem d aquilo que podem vende r ou trocar ou que dependem do aux ílio hum anitário; cu j a possibilid ade de ir e vir é lim itad a por falta de transporte , d ificu l ades na ob ten ção de vis tos e pe los d altos cus tos d as viagens e aind a s ão am eaçados por ataques e ass éd ios, fom e e ou tros e fe itos d a m is éria, m inas te rre s tre s nos cam pos e es trad as e ou tros 177 pe rigos sem el hantes." No melhor dos casos, isso pode dar origem à dissonância cognitiva no exterior, quando chega ao conhecimento público o fato de estarem sendo expulsos de seus territórios quando as guerras rebentam e se tornam constantes; na pior das hipóteses, mesmo que seja uma falsa percepção, todas as dificuldades e violência que enfrentam são encaradas como guerras tribais, étnicas ou primitivas etc. Esta até pode ser a sua manifestação, mas não é em absoluto sua causa original. Do mesmo modo que nos assinalou o século 20, existe uma relação íntima entre a modernização e a violência maciça, e as limpezas étnicas se ampliam, conforme escreveu Michael Mann, no mesmo ritmo e paralelamente ao processo de democratização e não em sentido inverso. "Conflitos provocados por motivos étnicos ocorrem no Hemisfério Sul desde que os pro- cessos de desenvolvimento se intensificaram nos anos sessenta e setenta do século passado, justamente dentro do espaço de sua suposta democratização. Até mesmo na esfera do Hemisfério Norte, em que dominam democracias firmemente institucionalizadas e uma política interessada por todas as classes sociais, permanecem ainda diferenças. Nos estados anteriormente comunistas, em que os regimes autoritários se baseavam em uma política de177 Ibidem, p. 20. (NA).
  • 164. d ife renciação entre as classes sociais, m anifestou-se um a corre n te de influ ência ideológica bas tan te fo rte desde a d écad a de 1 950. Es ta corre nte flu iu para o O riente P róxim o e para o O riente M éd io, depois para a África do Norte e atingiu a África Negra a partir dos anos sessenta, passando a in flu ir enorm em ent sobree os p rocessos iniciais de dem ocratização desses es tad os, lan çando-se depois sobre a Ásia e , ap ós 1 975, fre quentem ent sobre as Am éricas do S ul e Central. e D e fato , depois de 1 975, tod as as te nd ências po líticas re gionais do Hem isfério S ul fo ram crescentem ent e influenciad as por es te influxo, até ap roxim adam ent e 1 995. C om a d ivis ão d a União S oviética e o esface lam ento d a Iugos lávia a cu rva se to rnou m ais íngrem e. A partir de 1 995 esta te nd ência com e çou a re gred ir - com exce ção d a África do S ul - aind a que a te nd ência con j ta até ho j n ão te nha re to rnad o aos un 178 e n íve is an te rio res a 1 991 ." A partir do exposto, compreende-se que as origens dos conflitos percebidos como étnicos são altamente variadas; dentro do âmbito dos diferentes espaços de influência política, desde a quebra conjunta do sistema de governo nacional ou da implosão dos governos autoritários, as diversas causas iniciais interpretadas como categorias étnicas passaram a significar muito mais do que elas geralmente ou até mesmo compreensivelmente representam. Em seu conjunto, existe um campo de abrangência muito amplo de deslocamentos e interesses geopolíticos, competindo em busca de poder e pelo controle de recursos que envolvem um crescente entrelaçamento de caráter global. O significado das transformações climáticas para este campo de abrangência não foi inteiramente observado nem apreendido até o presente - embora já se manifeste por meio de terremotos, inundações e incêndios florestais que não raramente resultam em saques, demonstrações violentas, distúrbios ou revoltas; nos últimos anos ocorreram os grandes 179 incêndios florestais 180da Grécia, os violentos terremotos do Peru, enquanto estes sismos vêm178? Michael Mann: Die dunkle Seite der Demokratie. Eine Theorie der ethnischen Säuberung [O ladoobscuro da Democracia: Teoria da Limpeza Étnica], Hamburgo, 2007, p. 744. (NA).179Frankfurter Allgemeine Zeitung, 30 de agosto de 2007. (NA). Programa Tagesschau [EspetáculoDiário], 20 de julho de 2007. (NA).180ORF [Österreichischer Rundfunk [Rede Nacional de Difusão Televisiva Austríaca], no sitehttp://news.orf.
  • 165. 181 ocorre ndo re gu larm ente no Paquis tão . Os recursos distribuídos pelas organizações de amparo a catástrofes são enviados, mas já se mostram insuficientes. O exemplo grego, do mesmo modo que o de Nova Orleans, assinalam que mesmo a ordem social de estados firmemente estabelecidos pode ser desfeita muito rapidamente. Conflitos Ambientais Quando encaramos até que ponto as consequências das variações ambientais já se manifestam na restrição das zonas habitáveis, sobre a modificação das regiões cultiváveis, através da extensão dos desertos e pela escassez de água potável de um lado e inundações incontroláveis do outro, a um ponto tal que o atual equilíbrio internacional do campo de abrangência geopolítico, da balança de poder e da luta por recursos já está sendo perturbado - constata-se que já não existe a menor dúvida de que o século 21, por efeito das variações climáticas, ainda apresentará um potencial de abrangência que irá provocar perigos crescentes e desencadear uma violência ainda maior. Michael Mann já localizou vários candidatos para os próximos conflitos, ao afirmar que "a Indonésia não será capaz de impedir os movimentos pela autonomia de Aceh e de Papua Ocidental; a índia tampouco conseguirá assimilar ou subjugar os muçulmanos de Caxemira, do mesmo modo que algumas pequenas populações nas fronteiras do subcontinente; o Sri Lanka não terá condições de assi- milar os tamis e nem poderá subjugá-los; muito menos a Macedónia conseguirá subjugar os albaneses, nem a Turquia, o Irã e o Iraque suas minorias curdas, nem a China os tibetanos ou os muçulmanos da Ásia Central, nem a R ússia os tche tchenos, nem o re gim e de C artum pode rá subm et r os m ovim entos de independ ência dos e sudaneses m e ridionais. E , natu ralm ente , Is rae l n ão conseguirá abafar as d ive rsas182fac ções pale s tinas, nem ago ra, nem a longo p razo". Também no Báltico podemos esperar diversos conflitos, porque aqui, além181at/051010-92154/92155txt_story.htrnl. (NA).182Michael Mann: Die dunkle Seite der Demokratie. Eine Theorie der ethnischen Säuberung [O lado obscuroda Democracia: Teoria da Limpeza Étnica], Hamburgo, 2007, p. 772. (NA).
  • 166. dos extremos agravantes ambientais sobre as regiões 183 industriais, vivemnumerososrussos étnicos. Em alguns destes e de ou tros conflitos fu tu ros, as variações clim áticas exe rce rão um a crescente influ ência sobre o p rob lem a d a sobre vivência hum ana, alim entando aind a m ais as cham as d a d in âm ica d a vio lência; em outros te rão um pape l apenas lim itad o; em um te rce iro grupo, pode rão até contribuir para o apaziguam ento. Em tod os os casos as atitudes dem onstrad as duran te o s écu lo 20 na constru ção dos es tad os nacionais se rão postas em p rática ao longo do s écu lo 21 para a fo rm ação de um a população e tnica- m ente hom ogênea e a vio lência se rá desencadeada ao longo de linhas é tnicas, talve z em p roporções aind a m ais m aciças que an te rio rm ente. As variações clim áticas ace l rarão as trans fo rm ações d as e fron te iras entre os estad os, aum entarão seu alcance e p rovocarão p ress ões para a ob ten ção de solu ções rápid as. Es te n ão é um p rogn ós tico pessim ista, m as apenas a ap licação dos p rocessos já atu al ente emm cu rso, confo rm e a vis ão ge ral dos conflitos am bientais que p rovocaram atos de vio lência durante os ú ltim os anos é ap resentad a na seguinte tabe la: CONFLITOS AMBIENTAIS Q UE PRO VOCARAM VIO LÊNCIA Am érica C anad á-Espanha Inte rnacional Pesca. do Norte . (1 995 até o p resente ). Am érica Es tad os Unidos Localizad o. Fontes e do Norte . (H avaí) S olo. (1 941 - 990). 1 Am érica Es tad os Unidos Inte rnacional Água. do Norte . -M éxico (atu al). Am érica M éxico (2005). Localizad o. Te rras e Central e S olo. C aribe. Am érica E l S alvad or Inte rnacional Te rras e Central e -Honduras S olo. C aribe. (1 969-1 980). Am érica Be lize (1 993 N acional. F lo re s tas ,183Alexander Carius, Dennis Tänzler e Judith Winterstein: Weltkarte von Umwelkonflikten -Ansatz zu [Cartografia mundial dos conflitos ambientais - Tentativa para a classificaçãoeiner Typologisierungde uma Tipologia], Potsdam, 2007, p. 10. (NA).
  • 167. Central e até o presente). Madeira eCaribe. Fontes de Água.América México(1995 Localizado. Terras eCentral e até o presente). Florestas.Caribe.América Guatemala Nacional. Terras.Central e (1954 atéCaribe. o presente).América El Salvador Nacional. Terras.Central e (1970-1992).Caribe.América Haití-Estados Internacional. Terras.Central e Unidos.Caribe.América Brasil (2005). Localizado. Terras.do Sul.América Chile (2005). Localizado. Nascentesdo Sul. de Água.América Equador-Peru Internacional. Terras.do Sul. (1995).América Peru (1996). Nacional. Terras.do Sul.América Brasil (1960 até Localizado. Terras.do Sul. o presente).América Chile (1960 Localizado. Terras.do Sul. até o presente).América Peru (2001). Localizado. Terras.do Sul.América Bolívia (2000). Nacional. Rios.do Sul.América Uruguai (2005). Localizado. Solo.do Sul.América Colombia Localizado.Solo,do Sul. (1992 até Terras, o presente). Biodiversida de.Europa. França (1995 Nacional. Água e até o presente). Solo.Europa. Grécia-Turquia Internacional. Direitos de (1987-1999). Pesca.Europa. Rússia-Noruega Internacional. Água e (1955-1990). Pesca.
  • 168. Europa. Hungria- Internacional. Água, Eslováquia Pesca, (1989-1994). Biodiversida de.Europa. Grã-Bretanha Localizado. Terras, (1971até Biodiversida o presente). de e Direitos de Pesca.África Etiopia (atual). Localizado. Terras,Oriental. Madeira e Fontes de Água.África Eritréia (1991Localizado. Terras,Orienta! até o presente). Madeira e Água.Oriente Iraque Localizado. Terras,Próximo. (1991-2003). Madeira e Água.Oriente Israel-Líbano Internacional. Água.Próximo. (1967 até o presente).Oriente Israel-Palestinos Internacional. Água.Próximo. (1967 até o presente).Oriente Jordania-Siria Internacional. Água.Próximo. (1948-1999).Oriente Jordania-Arabia Internacional. Água.Próximo. Saudita (1990 até o presente).Oriente Turquia-Síria- Internacional. Água.Próximo. Iraque (1990-1999).África Marrocos- Internacional. Direitos dedo Norte. Espanha Pesca. (1948-1999).África Somália-Etiópia Internacional. Solo.do Norte. (1986-1991).África Sudão-Egito Internacional. Água.do Norte. (1992-1999).África Sudão (1987 até Nacional. Terras.do Norte. o presente).África Mauritania- Internacional. Água.do Norte. Senegal (1989-2001).
  • 169. África Mali Nacional. Terras edo Norte. (1970-1996). Água.África Niger Nacional. Terras edo Norte. (1970-1995). Água.África Etiópia (2000 at é Local izado. Ter r as edo Norte. o pr esent e). Água.Áf r ica do Et iópia (1990). Local izado. Água.Nor t e.Áf r ica Senegal - Int er nacional . Ter r as edo Nor t e. Maur it ania Água. (1989-1 993).Áf r ica Niger Local izado. Água,do Nor t e. (1990-1 ). 991 Ter r as e Sol o.África Quênia (2005). Nacional. Água eSubsaarian Terras.aÁfrica Chade(2005). Localizado. Água eSubsaarian Lenha.aÁfrica Lesoto-África do Internacional. Água.Subsaarian Sul (1955-1986).aÁfrica Ruanda Nacional. Terras.Subsaarian (1990-1994).aÁfrica Zimbabué (1990 Nacional. Terras.Subsaarian até o presente).aÁfrica Nigéria Localizado. Terras eSubsaarian (1978-1980). Água.aÁfrica África do Sul Nacional. Terras eSubsaarian (1984 até o Água.a presente).África Botsuana Localizado. Terras eSubsaarian (1985-1991). Água.aÁfrica Quénia Localizado. Terras.Subsaarian (1991-1995).aÁsia China (2006). Localizado. Terras.e Oceania.
  • 170. Ásia China (2004 até Localizado. Terras.e Oceania. o presente).Ásia China-Vietnã Internacional. Terras,e Oceania. (1973-1999). Água e Espaço Aéreo.Ásia Indonésia (1996). Localizado. Terras.e Oceania.Ásia Paquistão (2006). Localizado. Água.e Oceania.Ásia Filipinas-EUA Internacional. Água, Soloe Oceania. (1991 e Espaço até o presente). Aéreo.Ásia Índia (1974 até o Localizado. Água.e Oceania. presente).Ásia Coréia do Norte Nacional Solo ee Oceania. (1994 até Terras. o presente).Ásia Uzbequistão- Internacional. Água ee Oceania. Casaquistão Solo. (1970-atual).Ásia Japão-URSS- Internacional. Direitos dee Oceania. Rússia Pesca e (1945-1999). Biodiversida de.Ásia Japão-Coréia Internacional. Direitos dee Oceania. (1997 até Pesca. o presente).Ásia Índia-Bangladesh Internacional. Água.e Oceania. (1951até o presente).Ásia Filipinas (1971 até Localizado. Terras ee Oceania. o presente) Pesca.Ásia Índia Localizado. Água,e Oceania. (1985 até Terras, o presente). Biodiversida de, Direitos de Pesca.Ásia China (1980 Localizado. Água ee Oceania. até o presente). Terras.Ásia Tailândia Localizado. Água ee Oceania. (1985 até Terras. o presente).Ásia Paquistão (1995). Nacional. Água e
  • 171. e O ceania. Te rras. Ásia Índ ia-Bangladesh In te rnacional. Te rras. e O ceania. (1 980-1 988). Ásia Filipinas Nacional. Te rras. e O ceania. (1 970-1 986). O grupo de pesquisas que foi incum bido pe lo Wissenchaftliche Beirat de r Bundesregie rung G lobale Um we ltve rãnde rungen [C onse l C ientífico do Gove rno ho Federal Alem ão para Consultas sobre as Modificações do Am biente G lobal] (WBGU) para e laborar este panoram a ge ral, com base em ou tros bancos de d ados p re viam ente exis tentes, de finiu os conflitos am bientais com o "d isputasque fo ram p rovocad as ou agravad as pe la destruição de re cu rsos 184 re nováve is". Naturalmente, não existe nenhum conflito "puramente" ambiental, mas sempre disputas influenciadas por uma série de fatores. O Grupo fez uma análise detalhada dos conflitos ambientais travados até então e os classificou em quatro grupos regionais: na América Central são principalmente conflitos pela utilização agropecuária das terras causados pela degradação do solo, enquanto na América do Sul são provocados quase exclusivamente pela degradação do solo como causa original. No Oriente Próximo, o papel principal é exercido por con- flitos causados pela escassez de água, enquanto na África Subsaariana predominam tanto a degradação 185 do solo como a escassez de água. Nos dois primeiros casos não existe uma intenção de derrubar os governos, nem as dificuldades são agravadas por migrações, porém os conflitos são deflagrados pela pobreza, excesso de população e divisão desigual de poder. No caso dos conflitos por água do Oriente Próximo inserem-se pressões populacionais, migrações internas, pobreza e um cenário de abrangência étnica, enquanto no quarto caso as disputas são provocadas pela ingovernabilidade dos territórios: encontramos aqui a decadência de controle dos poderes centrais, o crescimento desordenado das populações, as migrações internas e externas e as características da rivalidade étnica que predominam sobre os choques mais violentos. Os conflitos travados na América Central e na América do Sul não são inofensivos. Ao lado da devastação florestal consequente encontram-se184Ibidem, p. 14. (NA).185Ibidem, p. 46. (NA).
  • 172. extensos m ovim entos de expul ão de cam poneses: em E l s S alvad or, 70.000 pessoas saíram pe las estrad as para fugir aos conflitos , enquanto na Guatem ala 186 ce rca de 200.000 pessoas pe rde ram a vid a. Ao lado disso surgem poderosas catástrofes climáticas que aumentam o potencial dos conflitos: "Devido às inundações e secas, mais de 500 pessoas (um cálculo aproximado) faleceram nessa região, para a qual se prevêem em breve outras formas 187 conflitos de provocados pelas condições climáticas". O agrava- mento dos problemas já existentes nas regiões mencionadas é considerável. Não obstante, torna-se claro que dentre todas as transformações importantes das condições vigentes as únicas que se destacam no passado, no presente e no futuro por sua influência clara sobre os processos de violência são as variações climáticas. Até o presente, quando são realizadas análises sobre as causas originais da violência, o ponto de vista predominante das pesquisas enfoca principalmente fatores econômicos, ideológicos e étnicos - mas ao empregarmos uma nova ótica, destaca-se o papel saliente que exercem as disputas sobre recursos básicos, como água, solo e a poluição do ar sobre o desencadeamento da violência. Naturalmente, a origem da violência apenas raramente provém de uma única causa - realmente, os fenômenos da modernização gerados pelo processo de globalização ao redor do planeta se acham intimamente ligados, mas não são os fatores determinantes dos efeitos da violência internacional ou interna, embora reforcem as disparidades nas possibilidades de sobrevivência e prejudiquem os processos de desenvolvimento futuros. Todas as nações que se acham comprometidas no processo de globalização constroem conjuntamente uma configuração abrangente, mas as configurações já existentes não se limitam somente ao plano estatal, mas agem igualmente sobre indivíduos e grupos que são alternativamente favorecidos e prejudicados pelos processos desenvolvimentistas. Estas sensações não são provocadas somente pelas transformações em seu próprio comportamento vital, mas também podem ser percebidas por meio de representações secundárias.186Ibidem, p. 27. (NA).187Ibidem, p. 47. (NA).
  • 173. O TerrorDesde que o governo norte-americano declarou uma"guerra contra o terror" de caráter mundial após osatentados de 11 de setembro de 2001, as diferençasclássicas entre a guerra de um lado e o terrorismo dooutro se tornaram quebradiças. As fronteiras entreas duas formas de violência se fluidificaram. Desde ocomeço se torna bastante claro que uma taldeclaração de guerra - diferentemente dosprocedimentos diplomáticos clássicos que anunciavamuma guerra entre países - não possui um destinatário.O "Terror" não é um sujeito nacional, nem tampoucoindividual, porém um fenômeno social. Estedesaparecimento dos limites entre o terrorismo e aguerra pode ser compreendido igualmente como umefeito da própria estratégia terrorista, porqueconferiu aos grupos terroristas, como o próprio RAF(Rote Armee Fraktion [Fração do Exército Vermelhoalemão]), uma posição de adversários bélicos segundoa definição de seus próprios antagonistas e - em casode prisão - a condição de prisioneiros de guerra, e atémesmo, à luz de importantes considerações, lhesatribuiu a condição de uma espécie de estado, ainda queeste deva ser suprimido por todos os meios que estejamao alcance.O terror constitui uma arma política contra umsistema ou um governo, e desdeseu começo é a formaassimétrica de luta contra a polícia regular ou asforças armadas dos estados que combate. Olançamento de bombas, o assassinato de pessoasimportantes ou um ataque aos símbolos do poder, comoprédios governamentais, escritórios centrais deempresas, estabelecimentos comerciais etc. nãoconstituem em absoluto uma preparação para aslutas diretas com as tropas regulares do adversário;a disparidade de suas forças conduz diretamente asações terroristas a adotar a irregularidade dos meioscomo seu objetivo. Em retrospectiva logística é tãofácil lançar um ataque terrorista a fim de provocaruma insegurança permanente no seio da sociedadealvejada (como pode ter sido o caso da derrubada doavião presidencial emRuanda) que a finalidade de taisataques realmente não é o assassinato da pessoareferida, mas efetivamente a semeadura dainsegurança. A incapacidade de defesa dos países maisorganizados contra ataques inesperados (como
  • 174. aconteceu em Nova York, em 2001) assinala oprincípio da vulnerabilidade atingida pelos meios maissimples, comofoi aqui a transformação das aeronavescomerciais em armas explosivas. Quando a reação dopaís adversário, comono exemplo da "guerra contra oterror" é desproporcionada e de certo modo atécontraproducente, os terroristas e seus simpatizantespodemconsiderá-la como uma confirmação da justiçade seus meiose uma afirmação de seu poderio contra osadversários. E podem igualmente calcular o abaloprovocado do lado desses adversários e como produzi-lo mais uma vez.Considerada a relação entre os custos e osresultados, o terrorismo é um conceito de violênciaaltamente bem- sucedidosob todos os pontos de vista, eeste sucesso foi ainda mais ampliado a partir domomento em que foi coadjuvado pelo conceito dosatentados suicidas. Enquanto os participantes estataisdo combate coma Fração do Exército Vermelho, comoExército Republicano Irlandês ou com as BrigadasVermelhas italianas pudessem calcular os aspec tosracionais de comportamento pessoal de seusadversários, conforme eles agiram geralmentedurante a década de oitenta do século 20 e, portanto,contar com a possibilidade de capturar os praticantesdiretos dos atos de terrorismo e sentenciá-los por meiode um julgamento, existia um comportamento esperadoentre os atacados e os atacantes, mas a partir doinício da prática dos atentados suicidas, esta espéciede acordo desapareceu, já que os criminosos, por meiode seu ato de violência, desintegram a si próprios.Juridicamente, os ataques deste tipo não têmperpetradores e, em última análise, não podem seratingidos pelos procedimentos clássicos do sistemajudiciário.A este tipo de ação liga-se o conhecimento de outracircunstância, isto é, que os perpetradores, em umpiscar de olhos após a realização de seus atentados,têm os seusatos transmitidos ao redor do mundo, e istonão constitui absolutamente um fator detranqüilização para os atingidos, bem ao contrário,uma imensa ampliação da insegurança,particularmente quando os ataques atingem os paísesocidentais - todavia a tradição do pensamentoracional dos países ocidentais não permite esclarecerporque os executantes de ataques suicidas demonstrama convicção de que vale a pena sacrificar a própriavida. A cultura dos atentados suicidas não se tornou
  • 175. deste m odo apenas um a arm a, em bora es ta n ão se j em a absol to u inofensiva, com o dem onstram os pe rpe trad ores de am bos os sexos, porém , m ais aind a, um a fo rte im agem d a absolu ta negação dos valo re s que s ão defe nd idos pe lo O cidente. Nichol Argo, e pesquisadora norte -am e ricana sobre o te rro rism o, tem p le na raz ão em p re conizar que a denom inação "ate n tad os suicid as" se j abandonad a e substitu íd a a 188 pe la express ão "bom bas hum anas" - porque o suicídio, dentro da maneira de pensar cristã-ocidental, não consegue manipular de forma alguma as atitudes dos rapazes (mais recentemente, também de mulheres) que colocam cintos de explosivos sob camisetas com a propaganda dos tênis Nike e que não se lançam simplesmente em busca de lugares concorridos a fim de matar tantas pessoas quanto possível, mas experimentando o sentimento de que esta será uma experiência cheia de significado e uma tarefa racional, servindo como alvo social de uma missão tanto histórica como religiosa que, além disso, segundo ouviram dizer, está ligada à própria situação de comodidade futura. A cultura das bombas humanas está embutida em um quadro de referências dentro do qual a situação da família do praticante do atentado é muito mais importante que seu próprio bem-estar material. Além disso, essa cultura da realização de atos de extrema violência altamente ameaçadora e correspondente a um comportamento divergente é considerada nessa região do mundo como socialmente desejável e ainda por cima como uma atitude favorável à sociedade. Nos territórios palestinos estabeleceram-se padrões referenciais normativos que diferem radicalmente dos predominantes no sistema de valores ocidental e que, deste modo, dão a impressão de exotismo. Contudo, aos olhos dos perpetradores e de suas famílias, esses valores são totalmente apreciados, e quando alguém decide transformar-se em uma bomba humana, recebe plena aprovação. D e qualque r m odo, até 2006, m ais de 350 ataques de189 bom bas hum anas fo ram re alizad os em 24 países - desde essa data, somente no Iraque, foram realizados188Nichole Argo: Human Bombs: Rethinking Religion and Terror [Bombas humanas. Repensando a Religião e oTerror], Working Paper [artigo para discussão em seminário], MIT Center for International Studies [Centro de EstudosInternacionais do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 6 de julho de 2008, pp. 1-5. (NA).189Bruce Hoffman, Terrorismus. Der unerklärte Krieg [Terrorismo. A guerra incompreensível], Frankfurt am Main,1999, p. 211. (NA).
  • 176. ataques diários que mais do que dobraram este 190 número. Ademais, aqui encontramos ao mesmo tempo a transição contínua entre o terror e a guerra novamente demonstrada até demais. "No começo dos tempos modernos, o terrorismo suicida, durante mais de duas décadas era um fenômeno limitado a dois países: o Kuait e o Iraque. A partir do final da década de oitenta, o terrorismo suicida começou a se espalhar por todo o Oriente Próximo e pelo Oriente Médio, até atingir o Sri Lanka e depois, no decorrer dos anos noventa, alcançou também a Índia, a Argentina, Israel, a Arábia Saudita, o Quênia e a Tanzânia. Além disso, a tática limitava-se inicialmente a poucos grupos terroristas: principalmente os xiitas iraquianos do grupo Al-Dawa e os xiitas libaneses do Hezbollah (a maior parte dos quais adotavam o nome comum de Jihad Islâmica). Depois do atentado suicida praticado pelo Hezbollah contra os norte-americanos no Líbano, seus efeitos estrondosos deram lugar à adoção da tática por outros grupos, particularmente pelo movimento Liberation Tigers of Tamil Eelam [Tigres da Libertação do Tamil liam] (LTTE), constituído em Sri Lanka e pelos movimentos islâmicos palestinos, Hamás, Jihad Islâmica e Al-Qaeda. Alguns movimentos étnico- nacionalistas de alcance mundial que mais tarde adotaram as táticas dos ataques suicidas cultivaram uma consciência que refletia uma imagem de caráter religioso - foi o caso da Al-Fatah, que deu à sua facção organizada para ataques suicidas o apelativo de Brigada dos Mártires da al-Aqsa (al-Aqsa é o nome da mesquita localizada em Jerusalém que, juntamente com a mesquita chamada de Domo da 191 Rocha, * construída ao lado, constitui o terceiro mais importante santuário do Islã, enquanto a denominação mártires corresponde às mais fortes imagens de 192 caráter religioso)." A expans ão desta fo rm a de te rro rism o assinala um a d in âm ica de escalação que é im pul sionad a por seus p róp rios e fe itos e a conotação re ligiosa atribu íd a por organizações po lí ticas com a al-Fatah aos ind ivíduos190O Frankfurter Allgemeine Sonn tagszeitung [Edição dominical da edição internacional do jornal] noticiou que,apenas entre Io. de janeiro e 23 de setembro de 2007, haviam sido praticados 1.533 atentados com bombas no Iraque, dosquais mais de um terço eram ataques suicidas. O número das pessoas assassinadas por meio deles subiu assim de 14.624para 29.341. (Markus Wehner, Werkzeug des Terrorismus [Instrumentos do Terrorismo], Frankfurter AllgemeineSonntagszeitung, 30 de setembro de 2007, p. 4. (NA).191Segundo é afirmado pelo islamismo, Maomé subiu ao Paraíso do alto dessa rocha. (NT).192Bruce Hoffman, Terrorismus. Der unerklärte Krieg [Terrorismo. A guerra incompreensível], Frankfurt am Main,1999, p. 211. (NA).
  • 177. que se trans fo rm am em bom bas hum anas (na qual acred itam os p róp rios p ro tagonis tas), clara m ente dem onstram m ais um a vez que o em prego d a vio le ncia em tais casos n ão apenas expande seu cam po re fe re ncial, m as pode m odificar o sentido com que é pe rcebid a. O fato de que os m otivos atu ais, a in te rp re tação de suas causas iniciais e seus pad rões de re fe rência possam se r com pl tam ente d ife rentes e dentro dos p rocessos d a vio lência ind ica que a execu ção d a vio lência é ap resentad a poste rio rm ente - com o no caso d a hom ogeneização étnica - com o j s tificativa para o p róp rio conflito . u D este m odo, em contras te com o te rro rism o dom inante na d écad a de sete n ta do s écu lo 20, ve rificou-se um a m odificação conside ráve l em te rm os lo g ís ticos, porque os agentes do te rro r nessa época n ão tinham o m enor in te resse em se m atarem ou se rem p resos, m as buscavam tam b ém um a estru tu ra e financiam ento para os equipam entos re que ridos para sua lu ta (por exem pl ad quirindo re cu rsos m one tários por m eio de o, assaltos a bancos), a log ís tica dos ataques por m eio de bom bas hum anas é tão sim pl que lite ral m ente es qualque r um pode em pregá-la. As bom bas hum anas podem p rovocar incidentes inespe rados com a m aior fle xibilid ade, escol r seus alvos com tranquilid ade, he m ove r-se subrepticiam ente até atingi-los e tc. Além d isso, s ão extrem am ent lu crativas - os cus tos para a e p reparação de um ataque ind ividual no m ode l o pale s tino ficam em to rno de cento e cinquenta 193 d ólare s; o ataque ao World Trade Center não custou mais de 500.000 dólares, porém causou prejuízos materiais e sociais da ordem de muitos bilhões 194 de dólares. A facilidade do planejamento e execução dos ataques de bombas humanas criou logo a possibilidade de organizar uma apavorante estrutura descentralizada para o terrorismo internacional, por meio da organização pura e simples de redes clandestinas de caráter eventual e tornando desnecessária a formação dispendiosa e arriscada dos grupos e células terroristas que funcionavam anteriormente. A razão é que qualquer um que acredite ter motivos suficientes e esteja disposto a se transformar em um terrorista suicida e sacrificar sua vida por uma causa percebida193Ibidem, p. 213. (NA).194Osama bin Laden gabou-se dessa relação de custos em uma transmissão gravada em vídeo, declarando que, paracada dólar investido pela Al-Qaeda, "com o favor de Alá, foi destruído um milhão de dólares, além de um custo gigantescoem trabalhos de reconstrução", (citado por Bruce Hoffman, ibidem, p. 215.) (NA).
  • 178. com o significativa tem condições de sem ear o p ânico gene ralizad o nas sociedades que am eaça por seu com portam ento rad ical - sobre tudo quando os ate n tad os n ão s ão m ais d irigidos a ins talações industriais ou a ou tros alvos através do O riente P róxim o notório por sua vio lência, m as lan çad os contra estud antes de m edicina em Lond res ou G lasgow ou contra es tud antes de engenharia em H am burgo ou H arbu rg, na Alem anha. E existe aind a um capital aind a m ais am pl nesta fo rm a m oderna de te rro rism o: o os ad ve rs ários n ão chegam do exte rio r, m as já estão infiltrad os dentro d as socied ades ocidentais - um a pe rspectiva am ed rentadora, que desperta igual ente o m dese j u rgente de assinalar quais se j o am os ad ve rs ários que já se encontram entre n ós o m ais cedo 195 e claram ente que se j poss íve l. a Desta maneira, o terrorismo moderno desenvolveu uma considerável erosão social e um grande potencial de insegurança, enquanto proporciona, por outro lado o aparecimento de uma gama inteira de elementos de atração psicológica e social. É surpreendente o seu magnetismo imediato, que domina os jovens (particularmente do sexo masculino) e introduz o seu desenvolvimento insuspeito em um mundo de significados cada vez mais radical e exclusivo. De acordo com Mare Sageman, que realizou o mais abrangente estudo publi- cado até agora sobre as causas e procedimento do terrorismo islâmico, 84% dos jovens recrutados nos últimos anos para combater pela Jihad não se en- contravam dentro dos limites das terras islâmicas ao tomarem a decisão de se tornarem terroristas, mas viviam em um dos países ocidentais na condição de estudantes ou eram filhos de imigrantes ou até mesmo pertenciam 196 segunda geração dos descendentes de à refugiados. Deste modo, não estamos tratando com elementos ignorantes e exteriores à sociedade, mas lidando com jovens educados e aparentemente bem integrados que, em sua maioria, não foram criados por famílias particularmente religiosas. Eles não parecem apresentar características psíquicas especiais e uma195Aqui se encontra a mais alta forma de inquietação provocada pelo terrorismo, quando os terroristas potenciais nãoapresentam quaisquer características particulares - por exemplo, os adolescentes alemães convertidos ao islamismo Fritz G.e Daniel Martin S., que cometeram um atentado a bomba na Alemanha e foram presos em setembro de 2007, tornandopública a sua situação e despertando um grande alvoroço através da publicidade porque, como o caso foi consideradooficialmente, eles foram tratados como se fossem pessoas oriundas de países islâmicos. (NA).196Mare Sageman: Understanãing Terror Networks [Como entender as redes terroristas], Philadelphia, 2004. (NA).Nichole Argo: Human Bombs: Rethinking Religion and Terror [Bombas humanas. Repensando a Religião e o Terror],WorkingPaper [artigo para discussão], MIT Center for International Studies [Centro de Estudos Inter
  • 179. surp reendente m aioria n ão dem ons tra 197qualque r sentim ento de deste rro, opress ão ou exclus ão. É bastante interessante verificar que o sentimento de injustiça, invocado como o principal motivo para a realização de seus atos de violência, conforme seus depoimentos gravados em videoteipe e confissões escritas revelam, não são produto de sua própria experiência de pobreza ou de opressão, mas se desenvolveu a partir de uma perspectiva externa causada pela comparação de seu ambiente luxuoso, dentro do qual realmente não existe qualquer luta diária pela sobrevivência nem qualquer outro problema concretamente existencial, por meio de uma reação de substituição, com a opressão ou exclusão de outros, que acreditam pertencer a seu próprio grupo e com os quais se identificam. Em outras palavras: é justamente a experiência do bem-estar e dos padrões de vida do ocidente que fornece aos mais recentes perpetradores de violência os motivos cognitivos e198 emocionais para desejarem destruir o Ocidente. Até o ponto a que chegaram as pesquisas atuais, os aspectos ideológicos, como o fundamentalismo religioso ou as percepções políticas anteriores ao resultado do mergulho neste mundo de significados são suas causas originais - em primeiro lugar, conforme escreveu Nichole Argo, vem a aquisição de uma perspectiva ideológica da existência "de laços externos emocionais e sociais; em segundo lugar, a participação na Jihad não deve ser percebida explicitamente como decisiva, mas como 199 processo social e emocional de longa um duração". Mas desde seu início, este processo transforma em terroristas islâmicos jovens da segunda geração de imigrantes, criando, por exemplo, dentro do meio estudantil a experiência pessoal de que se vive em um mundo a que não se pertence e com o qual não é possível a identificação. Os responsáveis pelo atentado ocorrido em Londres em agosto de 2005 eram filhos de imigrantes paquistaneses que, em sua condição de pequenos comerciantes, vendedores ambulantes,197nacionais do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 6 de julho de 2008, Tradução de Harald Welzer. (NA).198A partir daqui surge também uma argumentação da assim chamada "pregação do ódio". Mohammed Fazazi, porexemplo, que em sua condição de pregador do islamismo visitou em Hamburgo um dos praticantes dos atentados de 11 desetembro, apresentava argumentos destacando a forte oposição entre os valores ocidentais e islamitas, culpava a herança docolonialismo pela situação de exploração e opressão permanente e assim salientava a necessidade de uma retomada dopoder islâmico através da violação das leis ocidentais e do terror. (Romuald Karmakar: Hamburger Lektionen [As lições deHamburgo], Dokumentarfilm [Documentário para a televisão], 2007. (NA).199Nichole Argo: Human Bombs: Rethinking Religion and Terror [Bombas humanas. Repensando a Religião e oTerror], Working Paper [artigo para discussão], MIT Center for International Studies [Centro de Estudos Internacionais doInstituto de Tecnologia de Massachusetts, 6 de julho de 2008, tradução de Harald Welzer. (NA).
  • 180. empregados ou operários, haviam se adaptado àscondições da sociedade que os acolhera até granjearum modesto nível de comodidadee bem- estar. Enquantoesta primeira geração de imigrantes era, em suamaioria, perfeitamente leal à sociedade acolhedora,porque dentro dela haviam ascen dido socialmente eobtido a possibilidade de melhores padrões de vida, osmembros da segunda geração já haviam recebido estespadrões desde o início sem precisar lutar para obtê-los e experimentavam um sentimento sutil deexpatriação e menos sutil de exclusão dentro dasociedademajoritária de for ma progressivamente maisintensa. O racismo latente e algumas vezes manifestopelas sociedadesocidentais contra os "paquis", "fidgis"e "canacas" provocava aos poucos uma sensaçãoprofunda de exclusão e não raramente de identificaçãocom a cultura hereditária de seus ancestrais;preconceitos sociais manifestados um pouco pelalimitação das possibilidades de educação supe rior eoutros pela falta de oportunidades de relaçõessexuais alicerçaram o sentimento de exclusão por elespercebido.Além disso, a maioria destes jovens adolescentes foieducada com uma imagemilusória de um nível de vidabem superior ao de seus pais, que inicialmente fez comque percebessemsuas lições sobre a vida como sendomentirosas e, em segundo lugar, como lhes proibindoatingir esse nível, o que os fazia desenvolver umprofundo ressentimento e não somente ostransformava em desordeiros, drogados ou infratoresde pequeno porte, mas lhes permitia estudar oscomportamentos vigentes no submundo e a chegar aconclusões a partir daí. Este foi o modelo seguido emsua carreira, por exemplo, por Sidique Khan, uma dasbombashumanas dos ataques realizados emLondres.O mais moço dos quatro filhos do operário metalúrgicoTika Khan foi matriculado e frequentou o segundograu, estava perfeitamente integrado à seu gruposocial e os únicos problemas que criou para seus paiseram referentes a coisas religiosas, por ter assumidouma posição crescentemente ra dical. Khan realizoudurante bastante tempo um trabalho de proteção àjuventude, cuidando de filhos de imigrantes e de jovensdrogados. Deste modo, ele construiu e estabeleceu seucírculo de amizades na forma de um grupo íntimo ehermeticamente fechado, dentro do qual recrutou maistar de as bombas humanas para os atentadosplanejados. O espaço dentro do qual se moviam os
  • 181. m em bros desse grupo n ão apenas se to rnou in te le ctual ente cad a vez m ais lim itad o, m as tam b ém m no sentido geográfico. "E ra com posto pe la m esquita em que re zava, pe los quarte irões em que habitavam os grupos de jo ve ns paquistaneses, pe la livraria onde se re uniam para conve rsar - nenhum lu gar im portan te de sua vid a se localizava a m ais de quin hentos m e tros 200em linha re ta do ponto central do bairro paquistan ês." Uma tal concentração em um espaço com mínimas possibilidades de expansão sob qualquer ponto de vista é característico da maior parte dos terroristas e um traço marcante na vida dos praticantes de atentados. Dentro de tais espaços herméticos desaparece a maior parte das comunicações com o mundo exterior, de tal modo que os membros desses grupos se voltam para dentro de si mesmos e, seguindo uma espiral por eles mesmos, escolhida e formada, assumem um caráter firmemente homogêneo. Este se manifesta em boa parte por meio de um pensamento redutor da complexidade social e das respostas contraditórias a ela interligadas, tal como oferece a vida no mundo moderno, com sua apresentação da heterogeneidade de maneiras de viver, suas mensagens noticiosas e comerciais e as exigências de flexibilidade que ela nos impõe. Sua concentração em um grupo muito íntimo de "Nós" constrói um mundo de significados peculiares que contrasta nitidamente com o mundo de sentidos difusos, impuros e contraditórios manifestado pelo mundo externo. Desse modo, o desenvolvimento interno da cultura de um tal grupo não se manifesta pelo surgimento de uma separação espontânea ou de uma adesão imediata, mas se desenrola lentamente e pode ser motivado pela sensação de distanciamento, de unidade e de exclusão pela sociedade majoritária. Acima de todas as ideologias, um tal grupo origina uma pátria psicossocial para quem se sente apátrida e anseia por uma pátria. Setenta e cinco por cento dos terroristas mais recentes da Jihad tinham, além disso, algum laço social com alguém que já estava ligado a uma rede de terror; dentre estes se destacavam principalmente os 8% que eram agentes formados por escolas islâmicas 201 por meio de doutrinação e treinamento explícitos.200 Shiv Malik: Der Bomber und sem Bruder [O lançador de bombas e seus irmãos], ZEITmagazin Leben 28/2007, p.21 em http://www.zeit.de/2007/28/Bomber-28. (NA).201 Mare Sageman: Understanding Terror Networks [Como entender as redes terroristas], Philadelphia, 2004. Vejatambém Nichole Argo: Human Bombs: Rethinking Religion and Terror [Bombas humanas. Repensando a Religião e oTerror], Working Paper [artigo para discussão], MIT Centerfor International Studies [Centro de Estudos Internacionais do
  • 182. Trans fo rm ar-se em te rro ris ta é u ra p rocesso social e n ão um a separação cognitiva p rede te rm inad a. C ad a m em bro de um grupo que com partilh a d as convic ções re ligiosas e pe rcep ções de significado dos ou tros m em bros re p resenta um a confirm ação viva d a j s ti ça destas convicções e endossa com m aior u seguran ça tais pe rcepções - re al ente , is to ocorre m aind a m ais quando estes rad icais se afas tam d aquilo que o m undo exte rio r conside ra com o norm al. As opiniões m anifestad as pe la fam ília s ão considerad as com o um a ad ap tação a esse m undo e até m esm o com o um a trai ção dos ensinam entos do Is lã e , por conseguinte , dos p rinc ípios d a Jihad - em seu videote ipe de despedida S idique Khan falou com o m aior desprezo d aque l que se satis fazem "com seus carros Toyota e es 202 com os aposentos de suas casas gem inadas". Ainda é necessário mencionar um ponto importante dentro do processo segundo o qual uma pessoa comum se transforma em terrorista: ela adquire a consciência de pertencer a uma elite, cujos interesses, conjuntos de valores e acima de tudo, prontidão para a ação parecem estar muito afastados da vida diária habitual vivenciada pela gente profana. "A gente adquire este sentimento", conforme escreveu um antigo participante dos atentados islâmicos, "de ser o único a perceber que a sociedade está entrelaçada com atos criminosos, que as pessoas se agacham em um porão, vivem em um mundo crepuscular, enquanto acima delas o sol lentamente se põe. Nós sentíamos que Deus nos tinha escolhido para salvar esta sociedade. Nós pertencíamos a uma geração de salvadores. Nós pensávamos muitas vezes, não obstante, que esta sociedade realmente não 203 tinha feito nada para merecer ser salva por nós." É esta consciência de pertencer a uma elite que permite tão facilmente cometer assassinatos por grupos terroristas, desde a Fração do Exército Vermelho alemão até a Jihad Islâmica, porque parece conferir a seus membros uma permissão para matar outras pessoas sem o menor remorso. A hipóteseInstituto de Tecnologia de Massachusetts], 6 de julho de 2008, p. 3, Tradução de Harald Welzer. (NA).202Shiv Malik: Der Bomber und sein Bruder [O lançador de bombas e seus irmãos], ZEITmagazin Leben20328/2007, p. 20. As pessoas que se envolvem nestes esquemas também são convertidas, como os adolescen tesalemães Fritz G. e Daniel Martin S., que não pertenciam a qualquer minoria antes de se converterem ao Islã. Além disso,quando se recorda a época em que funcionava o terrorismo da Fração do Exército Vermelho, percebe-se claramente quenão existe nenhuma causa real, porém acima de tudo a percepção de uma injustiça ligada a um autoconceito de se pertencera uma elite que leva as pessoas a se tornarem simpatizantes ou patrocinadoras de um grupo terrorista ou até mesmo aaderirem a ele. (NA). Citado por Wolf-Dieter Roth, em Warum Terroristen töten? [Por que os terroristas matam?], napágina eletrônica http://www.heise.de/bin/tp/issue/r4/dl-artikel.cgi?artikilnr=221408&mode=print. (NA).
  • 183. ad otad a por m uito tem po de que as m otivações para o te rro r estavam enraizad as em sentim entos de de ficiência ou em expe riências de exclus ão é in te iram ente fals a - bem ao contrá rio, os p ro tagonis tas dos ate n tad os sentem - os p ro ta- se gonis tas de um sentim ento de supe riorid ade acim a d a pequenez e banalid ade do pensam ento e atitudes de seus pais, p ro fessores e an tigos am igos. Tam b ém os participan tes convictos dos ate n tad os de esque rd a d a d écad a de se tenta do s écu lo 20 se pe rcebiam com o pe rte ncentes a um a segunda ge ração (ap ós o nazism o) e conside ravam o re s tan te d a população d a sociedade alem ã do p ós-gue rra com o an tiquado e re p ressivo tan to m oral com o in te le ctual ente. A partir dessa m pe rcep ção e les de rivavam sua au to-le gitim ação para com bate r o estado, já que sua p róp ria fo rm ação, tan to em capacid ade in te le ctual com o em sentim entos e litis tas , que particu larm ente lhes possibilitaria por m eio desse com bate confirm ar re cip rocam ente suas ideias por in te rm édio de seus grupos he rm éticos e im pe r e áveis a influ ências exte rnas. S ob o ponto de m vis ta atu al, pare ce in te iram ente bizarro que pe lo fato de pe rte nce rem à F ração do Exército Ve rm e l e les se ho au to-afirm assem com o "Ped agogos do P ro le tariad o" e p roclam assem lem as com o "C as tigue um e atin ja centenas", p res tassem hom enagem e achassem consequente sua atitude para com as ví tim as de seus sequestros, que n ão p rendiam ou escondiam sim pl ent m as m antinham em cative iro com o esm e, "p risioneiros do povo" - quando, natu ralm ente , n ão atribu íam qualque r significado nacional ao te rm o "povo", m as que e ra um a te rm inologia re p resentativa em seu im agin ário d a população espoliad a e op rim ida do Te rce iro Mundo. "N ossa finalid ade n ão é absol tam ente o dese j de esclare ce r o que é corre to u o a essa gente fals a", afirm ava um de seus te xtos p rogram áticos. "A Ação de Libe rtação Baade r n ão tem com o alvo o esclare cim ento desses in tele ctu ais tagare las que pensam sabe r m ais do que tod os, m as sim e em tos potencial ente re vo lucion ários do o dos 204 l en m povo." A retórica dos manifestos de propaganda da Fração do Exército Vermelho está, além disso, cheia desses imperativos sem um sujeito específico: "Nós não temos" de explicar isto ou aquilo, de justificar, proporcionar ou conciliar este ou aquele, repetem monotonamente,204Agit 883, citado por Butz Peters, em Tödlicher Irrtum. Die Geschichte der RAF [Loucura criminosa. A história daFração do Exército Vermelho], Frankfurt am Main, 2004, p. 194. (NA).
  • 184. porque nossas ações e suas consequ ências pe rte ncem a um a incum bência m uito m ais e l vad a (que neste caso se e re fe re a um a m iss ão secular e his tórica e n ão ind ica de m odo algum um aspecto re ligioso, com o no caso do fund am entalism o is lâm ico, m as à qual, n ão obstan te , os pe rpe trad ores de ações vio le ntas se apegavam firm em ent e). Real ente um dos m ais im portan tes m om entos do m desenvolvim ento do pensam ento te rro ris ta se encontra na lógica de seus escritos, nesta oclus ão log ís tica dentro d a qual cad a ponde ração, por m ais am bivale nte ou contrad itó ria que se j conduz à a, seguinte em um encadeam ento m ortí fe ro que le va d ire tam ente ao final. E les te rm inavam em argum entos to talm ente circu lare s que, n ão obstante , pare ciam pe rfe itam ente significativos para seus au to re s e seguidores. No docum ento re d igido pe la F ração do Exército Ve rm e l ho e in titu lad o "O C onceito d a Gue rrilh a U rbana", pub licado em ab ril de 1 971 , por exem pl argum enta-se que "A F ração do Exército o, Ve rm e l fala d a p rim azia d a p rá tica. Se é j s to ho u organizar a re sis tência arm ad a, conseqüentem ent e e la deve se r poss íve l; se205 la é poss íve l, é apenas e p rático p roporcion á-la". O autor desconhecido destas linhas, graças à firmeza de resolução evidente na condução de seus pensamentos se tornaria igualmente feliz com a pregação de ódio islamita desenvolvida por meio de uma argumentação aparentemente lógica. Dentro desta linha, Mohammed Fazazi respondeu da seguinte maneira a Romuald Karmakar em seu filme "Hamburger Lektionen" [As Lições de Hamburgo] sobre qual era sua justificativa de exercer a violência contra a população ocidental: "O Deus da democracia é o povo. O povo é Deus, o povo é o SENHOR e decide o que é permitido e o que é proibido. O povo representa uma elite de escolhidos. Estes escolhidos são seus próprios deuses. A representação desta idolatria é o Parlamento. Deste modo, tudo quanto é inimigo do Islã e dos muçulmanos provém do Parlamento da Europa e deste modo também é obra do povo. Portanto, os povos participam das decisões, os povos participam da direção do governo, os povos participam da imprensa - e a imprensa é o quarto poder do Estado - em todos os estados. Assim são estes descrentes que conduzem a guerra! Uma vez que são eles que conduzem a guerra, deste modo seus bens, suas tradições e o valor de suas205Ibidem, p. 268. (NA).
  • 185. riquezas e suas al as e tud o quanto e les têm s ão m vio lações dos m u çul anos". m A libe rd ade de contrad ições contid a nesta m aneira de encadear o pensam ento é e vidente por si m esm a e corporifica em seu p róp rio racioc ínio um a concep ção d a ve rd ade exclusiva com o um com prom isso exte rnam ente d irigido. D este m odo exis te claram ente um entre laçam ento ín tim o entre tal tipo de pensam ento e os com portam entos a que e l incita - re p resenta a e le gitim id ade de m atar ou tras pessoas, de fato chega a afirm ar que essas m ortes s ão necessá , que é rias im portan te m atar para alcan çar o ob j tivo de um a e nova ordem , se j e la re ligiosa ou his tórica; a sim pl a es circunstância de que os que s ão designados para m orre r n ão pe rte ncem a seu p róp rio lad o, já os to rna cate goricam ente em O utros, que, por essa raz ão, devem se r m ortos - com o na afirm ação le gend ária p ro fe rid a por U lrike Meinhof em j nho de 1 970: "N ós u d izem os, natu ralm ente , que os gorilas s ão porcos, n ós d izem os que esses tipos de unifo rm e s ão porcos e n ão s ão gente e é dessa m aneira que tem os de lid ar com e les. Is to que r d ize r que n ão tem os nad a a d iscutir com e les, que é particu larm ente fals o conve rsar com e l 206 es e que, natu ralm ente , e l têm de se r fuzilad os". es Este é um exemplo ainda mais amplo de que a diferenciação categórica dos grupos humanos, via de regra, conduz ou facilita os assassinatos. Os pregadores islâmicos e os próprios suicidas em seus videoteipes de despedida não afirmam nada de diferente e seu conceito psicológico de êxito relaciona taisd ife renciações cate g óricas, que devem se r enfre ntad as, quando se pe rte nce a um grupo de e lite , que conhece tud o o que é necess ário sabe r. Ad em ais, pe rm anece até ho j um enigm a se a publicid ade e d ifundida entre os es tud antes exe rceu um a influ ência im portan te e se, por assim d ize r, e les algum a ve z le varam a s ério a argum entação desordenada d a F ração do Exército Ve rm e l e entenderam suas ho ações com o de cunho polí tico ou se ningu ém pe rcebeu a afinid ade dos seus argum entos e ações com os de fendidos207 lo fascism o, que a F ração afirm ava pe com bate r. É visível aqui até que ponto a206 Ibidem, p. 197. (NA).207 Também a partir deste cenário o terrorismo perpetrado por estes filhos de burgueses da "segunda geração" éfantasmagórico, porque apresenta todas as características da tradição de uma experiência histórica que, em uma estranhainversão, tornou eficazes os presságios políticos transgeracionais e encontrou sua manifestação através de uma violência decaráter totalitário. Além disso, isto também explica por que os protagonistas desta esquerda totalitária, desde Horst Mahleraté Bernd Rabehl, sem o menor esforço, puderam considerar estas características da extrema direita como elementospertencentes à extrema esquerda. Esse tipo de pensamento não permite qualquer possibilidade de resistência ideológica.
  • 186. formatização das percepções da realidade pode avançar de maneira radical e espantosamente rápida - trataremos deste assunto detalhadamente mais adiante. Em qualquer caso a incapacidade de resistência ideológica manifestada por quem já se encontra dentro do grupo é a melhor base para uma percepção enviesada da realidade externa. O ponto de partida e o meio para uma visão do mundo modificada desta maneira é o próprio grupo, que confere aos jo vens adolescentes inseguros de sua própria condição uma consciência de pertencerem a uma elite, determinando seu comportamento e orientação futuras. Mais ainda, se um grupo funciona dentro da ilegalidade, constrói- se uma realidade mais estável e mais duradoura, uma realidade que se torna exclusiva para seus membros. Do mesmo modo que ocorre em cada conspiração, no caso dos seguidores de um alvo histórico ou religioso a que se atribui um sen tido de missão, eles são obrigados por si mesmosa se portarem assim - isto significa uma totalidade de determinação na arrancada temporal para esse alvo, simultânea ao desenvolvimento de seu engajamento emocional. Este mecanis psicológico mo altamente importante se desenvolve por meio de lições explícitas ("Você sozinho não é nada, o grupo é tudo.") e claramente formuladas, num abandono exclusivo dos sentimentos, medos e esperanças individuais em troca do mundo interior do grupo. Todos estes fenômenos foram estudados exaustivamente pela psicologia social da participação de um grupo exclusi- 208 vo e sua existência foi empiricamente comprovada não apenas nos grupos terroristas, mas em seitas religiosas ou em unidades militares e pode serencontrad a em tod os os grupos em que o ind209íduo é iv subm etido a um a dom n ância ou d iscip lina to tal. i E re al ente a participação em um a m iss ão executad a m exclusivam ente por um a e lite é um a com pensação com provad a para o sentim ento pe rcebido de separação, que re to rna rad ical ente ap ós a m execu ção de um ataque m ortí fe ro - aqui o pe rpe trad or(NA).208 O exemplo clássico deste procedimento é o livro de Henry Tajfel: Human Groups anã Social Categories [Osgrupos humanos e as categorias sociais], Cambridge, 1981; consulte também Muzafer Sherif: The Psychology of SocialNorms [A psicologia das normas sociais], Nova York, 1936. (NA).209Os grupos totais funcionam de tal modo que, em contradição ao conceito atribuído por Goffman às instituiçõestotais, os espaços vitais de seus membros são construídos ao longo de grandes períodos de tempo, sem permitir um regimetemporal individual e muito menos uma separação ou fuga. Estas características valem tanto para as tripulações dos antigosveleiros como para os batalhões de polícia militar ou para os grupos de extermínio destacados para missões de aniquilação.(NA).
  • 187. é claramente o senhor da situação e ninguém mais do que ele. A adesão a grupos totais traz além disso como consequência um outro efeito psicológico, ainda mais amplo e com frequência despercebido, conforme Sebastian Haffner descreveu em seu exemplo sobre a condição de camaradas militares: "A condição de camaradagem [...] põe de lado inteiramente o sentimento de responsabilidade pessoal. A pessoa que vive dentro da situação de camaradagem militar é libertada de todas as preocupações existenciais e de todas as dificuldades da luta pela vida. [...] Fica livre do menor cuidado. Não está mais submetida à dura lei do Cada um por si, mas se acha inserida em um conjunto de abrangências muito mais generoso: Todos por um. [...] Somente a melancolia de morrer sozinho permite e produz esta mesma extraordinária dispensação de toda a responsabilidade perante a 210 vida". N ão obstan te , entre gar-se a um grupo to talitá rio traz consigo n ão apenas tod o o abandono d a au tonom ia e d a ind ividualid ade, com o re al ente m acarre ta um alívio de tod as as p ress ões e exigências d a ind ividualização. A pessoa se vê livre d a re sponsabilid ade de de fendera p róp ria vid a. Em ou tras palavras : qualque r um que se decidir a to rnar-se te rro ris ta, passa a faze r parte de um tod o bem m aior: o sentim ento de pe rte nce r a um grupo exclusivo e e litis ta, que segue um a constru ção con j unta de significados e sentidos, o labo r incans áve l para a re alização de um a tare fa conside rad a por tod os com o necess ária e vivid a em sua p le na significação, j n tam ente com a desobrigação d as expectativas d a u vid a e de ou tros com prom issos sociais do m undo habitad o an te rio rm ente , desde a p róp ria seguran ça até a p reocupação com o ganho de um salá rio. E é neste ponto que se pe rcebe qu ão ín tim o é o re lacionam ento entre a m odernização e a vio lência no caso do te rro rism o. D e fato , n ão s ão exclusivam ente a cu ltu ra e os m eios de com unicação que pe rm item sobrem aneira a possibilid ade do te rro rism o - é a libe rtação d asexigências que a m odernização faz ao ind ivíduo e que ge ra as re ações m ais ace rbas contra a m odernidade. Em sua pesquisa sobre os sis tem as to talitá rios H annah Are nd t obse rvou b rilh an tem ente que as pessoas n ão se sentem re al ente seguras iso lad am ente, que a m aior m parte d as pessoas está p ronta para "buscar a210Sebastian Haffner: Geschichte eines Deutschen [História de um alemão], Stuttgart, 2002, pp. 279ss. (NA).
  • 188. re alização m ais segura de tod os os dese j de os ascens ão social dentro do pe ríodo de vid a m ais cu rto possíve l" e que, de fo rm a sem el hante , n ão se com preende "com o tan tas pessoas que tom am conhecim ento de sua crescente incapacid ade de suportar o fard o d a vid a sob as exigências d a m odernidade conseguem re sis tir e se d isp õem vo lun tariam ente à subm iss ão pe rante um sis tem a dentro do qual devem assum ir a de te rm in ação 211 e tam b ém a re sponsabilid ade por suas p róp rias vid as ". Em sua pesquisa, ela se referia particularmente aos sistemas de poder político-totalitários, mas é indubitável que os grupos totais realmente fornecem essas formas especiais de dispensação da responsabilidade pessoal. De qualquer modo, em sua condição de terrorista, uma pessoa adquire um meio de lutar por todas as liberdades, dentro de qual perspectiva o problema não é percebido somente com relação à ordenação do mundo, mas também se manifesta com referência a si mesmo. Aqui vem à tona uma dialética fatal da modernização que, em seu conjunto, é bastante ameaçadora, quanto mais o mundo se tornar assimétrico e injusto. Quando as reações externas são interpretadas como inimigas e se começa a estabelecer uma correspondência mais exata entre a realidade e as próprias percepções do mundo - como no caso da guerra dos Estados Unidos contra o terrorismo transformada nas guerras contra o Iraque e o Afeganistão e a adoção de medidas ilegais que infringem os direitos humanos, como ocorre em Guantanamo - o mundo do terrorismo está se afirmando uma vez mais. Aqui se encontra novamente a própria expressão estrutural diante de ameaças espelhadas e um desejo subjacente de destruição, tal como se encontra por trás de outros processos de extrema violência. O Terror como Meio de Transformação do Espaço Social Mas o terror não é somente um meio de transformar os próprios sentimentos em uma robusta realidade, mas igualmente, talvez acima de tudo, um meio de comunicação. Neste sentido, as ações dos terroristas modernos conduzem a um duplo significado, em que o simbólico é tão importante quanto o mortífero, porque211 Arendt, Hannah: Elemente und Ursprünge totaler Herrschaft [Elementos e causas iniciais da dominação total],München, 1996, pp. 675ss. (NT).
  • 189. é im portan te para essas pessoas desistirem d a vid a em troca de um alvo m e ritório, porque o ob j tivo e p rincipal e com partilh ad o ao red or do m undo é o de ap resentar questões rad icais pe rante a sociedade e sem ear a inseguran ça no m eio de la. D esta fo rm a, o alvo d a vio lência atu al é d ive rso d aque l d as an tigas e fo rm as de te rro rism o, por te r se to rnad o desp ótico e arb itrá rio: enquanto o te rro rism o dos anos se tenta se vo ltava para a execu ção dos "re p resentantes de um sis tem a de porcos", portan to assassinatos re p resentativam ente sim b ólicos, o te rro rism o m oderno n ão se caracte riza re al ente pe lo tipo de ví tim as, m cu j im portância é m e ram ente quantitativa - quantos a m ais fo rem m ortos, m e l - e n ão m ais qualitativa. É hor irre le van te se s ão com pradores em um a fe ira, passa- ge iros de um trem ou os convid ados em um a fe s ta de casam ento - com a circunstância ad icional de que n ão m ais de 30% de tod os os pe rpe trad ores de ataques te rro ris tas tem conhecim ento d a causa re al de suas 212 p róp rias ações, o que as torna ainda mais aterrorizantes para a maioria dos membros da referida sociedade. Aqui não se toma em consideração um fim utilitário, como poderia ter sido calculado por uma sociedade de cunho iluminista ou racional, para cuja forma de raciocínio é mais fácil entender a morte de um determinado alvo como a de um governante ou de um representante eleito pelo povo, de tal modo que este tipo de terror toma como alvo preferencial a necessidade peculiar à sociedade moderna de atribuir significados a todos os grandes acontecimentos e, sem grande esforço, consegue atingir seus efeitos psicológicos e produzir a maior reação possível com relação a seus motivos. Foi deste modo que conseguiram, após atingir os Estados Unidos, obter uma desmesurada concentração dos meios de segurança totalmente contrária ao livre curso dos direitos humanos em uma sociedade libertária - incluindo a tortura de prisioneiros e a criação de campos extraterritoriais, como Guantánamo e a estratégica de uma "extraordinary rendition" [interpretação extraordinária] (expressão que indicava atitudes contrárias aos direitos dos prisioneiros), alcançando assim uma oscilação extrema no deslocamento provocado no equilíbrio 213 entre a liberdade e a segurança. Este deslocamento,212 Bruce Hoffman, Terrorismus. Der unerklärte Krieg [Terrorismo. A guerra incompreensível], Frankfurt am Main,1999, p. 411. (NA).213 Agradeço a Alfred Hirsch as informações a seguir. (NA).
  • 190. contudo, n ão se lim itou aos Estados Unidos - por exem pl o Minis tro do In te rio r d a Alem anha, o, Wo lfgang S ch äubl , foi fo rçad o a adm itir, a 1 4 de e dezem bro de 2005, que um funcion ário do Se rviço Noticioso Federal d a Alem anha, cham ado Murat Ku rnaz, havia sido in te rrogad o em Guantánam o, j n tam ente com um ou tro p risioneiro cap tu rad o na u S íria, que e ra m em bro do D epartam ento de C rim inol ogia Federal. A confiss ão do Minis tro do In te rio r d a Alem anha e ra um a an te cipação de que se riam negados quaisque r contatos com o p risioneiro Moham m ed H ayd ar Zam m ar, que fo ra j s tam ente u de tido na S íria. Tam b ém no caso de Kurnaz, o gove rno fede ral d a Alem anha negou que houvesse contatos com Guantánam o. Ao m esm o tem po, foi o rganizad a um a Com iss ão Parlam entar de Inqu érito sobre esse caso, que re alizou suas pesquisas entre 2006 e 2007 e concluiu que am bos os citad os haviam sido "filtrad os ", dentro dos p rocedim entos d a Gue rra contra o Te rro r, para a obte n ção de novas info rm ações sobre ou tros funcion ários do Se rviço Noticioso Federal ou do D epartam ento de C rim inol ogia Federal. Em am bos os casos, os departam entos fede rais alem ães n ão exclu íram a possibilid ade de os p risioneiros te rem sido m altratad os ou m esm oto rtu rad os. Tam b ém no caso do cid ad ão ale m ão Khaled e l Mas ri, a atu ação do gove rno fe de ral e dos se rviços de seguran ça foi duvidosa. E l Mas ri afirm ou que, durante o tem po em que pe rm aneceu p risioneiro no Afe ganis tão, te ria sido 214 in te rrogado por agentes de seguran ça alem ães. Ainda que tanto o Ministro do Interior como Angela Merkel, a Chanceler Federal da Alemanha, tenham sublinhado que, dentro do âmbito da Guerra contra o Terror, tais informações fossem úteis e necessárias, admitiram a possibilidade de terem sido extraídas 215 mediante tortura. Encontramos aqui uma configuração de violência provocada por perigos reais ou imaginários e respondida por medidas semelhantes, confirmados por representações e asser-214 Sabine Leutheusser-Schnarrenberger: Der Fall Khaled el-Masri. Regierung im Zwiespalt zwischen Terrorbekäm-pfung und Menschenrechten [O Caso Kahled el-Masri. Decisão judicial sobre a discrepância entre o combate ao terrorismoe os direitos humanos], publicado por Till Muller-Heidelberg etalii (editores) em Grundrechte-Report 2006. Zur Lage derBürger- und Menschenrechte in Deutschland [Relatório sobre os direitos básicos 2006. A situação dos direitos civis edireitos humanos na Alemanha], Frankfurt am Main 2006, pp. 24-28. (NA).215 Barbara Lochbihler: Aufklärung und Prävention. Die offenen Aufgaben der Bundesregierung im Kampf gegen denTerrorismus mit Blick auf die Menschenrechte [Esclarecimento e Prevenção. As tarefas oficiais do governo federal alemãona luta contra o terrorismo à luz dos direitos humanos], publicado por Till Muller-Heidelberg et alii (editores) emGrundrechte-Report 2006. Zur Lage der Bürgerrechte und Menschenrechte in Deutschland [Relatório sobre os direitosbásicos 2006. A situação dos direitos civis e direitos humanos na Alemanha], Frankfurt am Main 2006, pp. 177-181. (NA).
  • 191. ções, que foram exercidas sob a legitimação docombate ao terrorismo - e que, por meio desse mesmoprocesso, efetivamente os transformaram emrealidade pelo emprego da violência.O terror abandona deste modo o caráter de umaameaça individual e controlável para se transformarem um ataque permanente - mais ainda, uma situaçãoque tem a faculdade de poder oscilar à vontade entrelatente e manifesta, comoo Presidente Bush e outros adefiniram. Nada pôde favorecer mais o terrorismointernacional do que a guerra deflagrada contra oIraque, como um meio de aprofundar o domínio dopróprio terror e afirmar sua posição perante asociedade. Talvez esta posição se torne uma opçãoconstante entre as formas de violência empregadas apartir do século 21.A principal consequência com relação aos motivos erazões futuras e ao for mato dos morticíniospermanecerá a legitimação das próprias atitudes deviolência, na medida em que os meios de comunicaçãotornarem o terrorismo cada vez mais significativo ecom ele a espiral de ameaça de meios de extermínio aele subjacentes, fornecendo combustível tanto paraos futuros ataques terroristas e contra-ataquesgovernamentais como para crimes dirigidos pelosgovernos contra frações de seu próprio povo, talcomoocorreu na Bósnia, emRuanda e durante o regimenacional-socialista e ainda ocorre em outras partesdo mundo.Quanto à possibilidade de o terrorismo ainda seapresentar por umlongo tempo, temosde conservar emmente a circunstância de ele ter sido gerado pelosprocessos de modernização. Quanto mais abrangentesforem os processos da globalização, quanto maislonga for a conjuntura desses processos, tanto maispodemos esperar novas formas de violênciaqualitativa e quantitativa, cuja tendência será adeflagração de guerras (as quais, como todas asdemais formas mo dernas de violência, afetamprincipalmente as populações civis) e, pelo mesmoprocesso, podemoster certeza de que a maioria de seusparticipantes e executores serão membros da segundageração de imigrantes ou pessoas que estudaram outrabalharam no Ocidente e não conseguiram seintegrar no meio dessa sociedadeque agora combatem.Os relacionamentos entre as consequências dasmodificações climáticas e o terrorismo anti-ocidentalsão compreensíveis apenas indiretamente e se
  • 192. m anifestarão no fu tu ro por m eio do sentim ento re al ou im agin ário d a assim etria do m undo, que se rá aind a m ais ap ro fund ad a pe las desigual ades p rovocad as pe lo d aquecim ento d a tem pe ratu ra m undial. D este m odo, o te rro r já faz parte d as es tratégias de condu ção d a gue rra com o um a alte rn ativa au to-fo rtale cedora que pode substituir as dem ais dentro do contexto dos m ortos de am anh ã e que ap resentará a te nd ência de se am pliar cad a ve z m ais. S ignificados B loqueados Com o crescim ento d as m igrações globais flo re sce o te rro rism o; por m eio d a m odernização sociedades cad a vez m ais am plas conceberão exigências de libe rd adee p rob lem as de significado para m ais pessoas - particu larm ente quando a m ode rnização é pe rcebida com o um a re parti ção desigual do m undo entre vence- dores e exclu ídos. D este m odo, sociedades com o as d a China e d a índ ia, que se acham em fases de m odernização rad ical, devem es tar p reparad as para enfre ntar dentro de poucos anos um inte nso p rob lem a de te rro rism o. E o crescim ento desses países n ão causará o m enor p rob lem a à expans ão do te rro rism o, porque quanto m enor se to rnar o m undo por e fe ito d as com unicações, tan to m aiores se rão as d iscrep âncias pe rcebid as por tod a parte entre o bem - estar e o n íve l de vid a d as populações. Neste caso, as variações clim áticas n ão constituem qualque r causa inicial, m as d arão igual ente m otivo a m anifes tações de vio lência m -nas quais as ind agações e exigências de j s ti ça u exe rce rão um pape l cad a ve z m ais im portan te e , de fato , tan to com re lação às d iscrep âncias entre as nações com o em re fe rência aos d ire itos d as novas ge rações. Neste ponto, as consequ ências d as variações clim áticas podem desencadear ind ire tam ente um a fo rça exp losiva contra os países ocidentais. Um a an te cipa- ção deste fe n ôm eno fo ram os d is túrbios transcorrid os na F ran ça duran te o outono de 2005, p redom inantes em zonas p rob lem áticas d as m aiores cid ades e que, via de re gra, fo ram desencadeados por jo ve ns 216 descendent de im igrante s. Desde que, na noite de 27 es216As seguintes informações, particularmente as que se referem à dinâmica temporal e à expansão espacial, foramprincipalmente recolhidas do relatório geral do Centre áAnalyse Stratégique [Centro de Análise Estratégica], que estásubordinado ao gabinete e depende diretamente do Primeiro-Ministro francês, conforme disponível na página eletrônicahttp://www.strategie.gouv.fr/rubrique.php3?id__rubrique=21. Veja igualmente Paul Sil-verstein e Chantal Tetreault:Postcobnial Urban Apartheid [Separação urbana pós-colonial], publicado em Ítems andIssues [Assuntos e problemas], 5de abril de 2006. Agradeço estas referências a Jacques Chlopzyk. (NA).
  • 193. de ou tubro de 2005, em C lichy-sur-Bois dois jo ve ns que fugiam d a polcia, um de ascend ência africana e o í ou tro norte -afri cana, se afogaram ap ós m ergu lharem em um rio, rap id am ente se desenvolve ram os d istúrbios: carros particu lare s fo ram incendiados e as viatu ras í d a polcia e dos bom beiros atacad as. N a sem ana seguinte , a re vo lta se espalhou inicial ente por m ou tras cid ades d a re gião de Î le -de -F rance , ao re d or de Paris e rapid am ente explod iu pe los dem ais grandes espaços u rbanos e até m esm o pe las pequenas cid ades d as p rovíncias. N a noite de 6 para 7 de novem bro, 243 com unidades em 64 departam entos (m unicípios) franceses já tinham sido afe tad as; a 8 de novem bro, foi convocad a a guard a nacional para com bate r as arru aças , encobrir os d anos causados e im pedir tod as as re uniões p úb licas. No to tal, entre 27 de outub ro e 1 8 de novem bro de 2005, ce rca de 1 0.000 au tom óveis e viatu ras fo ram queim ados; ce rca de 300 p réd ios fo ram d anificados ou m esm o destru ídos. Foram p resos 2.900 dos arru ace iros, um te rço dos quais m enores de id ade. D e acord o com a avaliação dos se rviços de seguran ça, os p re j ízos p rovocados pelos d is túrbios u alcan çaram ce rca de 200 m il ões de euros. h Esta explos ão de vio lência que, conform e um a declaração do então Ministro do Inte rio r e ho j e P residente d a F ran ça, Nicolas S arkozy, pode ria te r sido aind a m ais grave , n ão foi um a e rup ção ind ividual; desde então, com fre q üência cad a vez m aior através d as p rincipais cid ades d a F ran ça, au tom óveis s ão postos em cham as. Is to é o re su ltad o de um sentim ento de exclus ão social e falta de espe ran ça de p rogresso fu tu ro, que se articu la espontane am ent Norbe rte. E lias m anifestou-se a re speito no sentido de que os conflitos entre as ge rações s ão a m aior fo rça m otriz 217 d a d in âm ica social que se acha em e fe rvescência, por meio dos quais o bloqueio do sentimento de participação social e das ambições exercerá um papel futuro ainda mais importante ao ser percebido como o estreitamento das possibilidades de ascensão em uma carreira e, naturalmente, como minimização das possibilidades de sobrevivência. Isto representa um tema futuro ainda mais amplo dentro da política de segurança interna e externa dos países ocidentais - combustível para um conflito entre as gerações provocado por uma justiça distorcida que se encontra em relação íntima com as consequências das variações climáticas. Uma faceta ainda mais agressiva da problemática da injustiça,217 Norbert Elias: Studien über die Deutschen [Estudos sobre os alemães], Frankfurt am Main, 1989, p. 315. (NA).
  • 194. que fortalece as reações dos indivíduos pertencentes à segunda ou terceira gerações de imigrantes e refugiados é a importante assimetria percebida como umbloqueio de seu futuro. Eneias, Hera, as Amazonas e a FRONTEX:Guerras 218 Indiretas Um n úm e ro crescente de pessoas busca, m ediante m anobras de conto rno d as possibilid ades de im igração ou de viagens le gais, ingressar na Europa O cidental ou na Am érica do Norte . A m aior parte dos re fugiados que dese j se rad icar na Europa vem atu al ente d a am m África e a atingem por m eio d as fron te iras m arítim as m e ridionais de Portugal, Espanha ou Itá lia. Um ou tro im portan te cam inho dos im igran tes ile gais s ão as fron te iras te rre s tre s o rientais d a Europa, a partir d as quais atingem o in te rio r d a União Europeia por m eio de voos in te rnacionais. Tod avia a corre nte de re fugiados é m ais im portan te nas cos tas su l-europ éias e n ão é surp reendente que na atu alid ade aqui se concentrem p redom inantem ent fo rças de seguran ça eas d as fron te iras exte rnas d a União Europeia a fim de im ped ir a passagem indevid a por es tes espaços. O s p rocedim entos que podem se r em pregados pe la União Europeia no tratam ento dos re fugiados s ão caracte rizados pe los seguintes pontos-chave : • P roibição d a entrad a - as fron te iras se rão p ro te gid as por tod os os m eios técnicos, po líticos e m ilitare s; • D esl ocam ento d a de fesa, pe la trans fe rência e conse rvação dos re fugiad os em acam pam entos em seus países de origem ou te rritó rios de trânsito. No passado re cente , es te tem sido o p rocedim ento norm al d a União Europe ia, ou se j im pedir que os re fugiados que p re tendem a, chegar à Europa cheguem a partir de seus países de origem ; • Participação dos países de origem ou de trânsito na de fesa d a Europa contra os flu xos de re fugiados: já fo ram firm ados pactos com a m aioria dos países africanos para que auxiliem na de fesa d as fron te iras europeias, se j a ativam ente , se j au to rizando fo rças m ilitare s a218 Esta seção está baseada em pesquisas realizadas por Sebastian Wessels. (NA).
  • 195. d a União Europ éia a ope rar dentro de suas águas. D o m esm o m odo se rá ap licad a um a p ress ão crescente sobre os países de trânsito, para que fo rtale çam suas p róp rias de fesas contra a passagem dos im igrantes ile gais; • Ins talação de acam pam entos para re fugiados. Tanto no te rritó rio d a União Europ éia com o exte rnam ente , nos países de trânsito, se rão m ontad os acam pam entos de entrad a e saíd a para os re fugiados; • D eportação: os im igran tes ile gais a quem n ão foi concedido asilo na Europa se rão re cam biados 219 para seus países de o rigem . A Rota Marrocos-Espanha Em 2002, o gove rno espanhol, com o apoio d a União Europ éia, ins talou o sis tem a conhecido com o S istem a In te gral de Vigilância Exte rio r ou S IVE, centralizado em dois pontos de de fesa p rincipal, nas Ilh as C an árias e nos acessos m arítim os d a áre a do Es tre ito de 220 G ibraltar, locais em que refugiados provenientes do Marrocos desembarcavam com frequência ou para os quais o mar trazia muitos cadáveres de outros que não haviam conseguido sobreviver à travessia. Em 2005, os funcionários ou equipamentos do SIVE já cobriam totalmente as margens oceânicas meridionais, o que levou os refugiados a buscar rotas alternativas a 221 partir de então. O sistema conta com mais de duzentas torres, a partir das quais o mar é vigiado por câmaras de luz infravermelha e aparelhos de radar. Os sistemas de radar computadorizado podem localizar um bote de refugiados de dois metros por seis a uma distância de vinte quilômetros; com a ajuda das câmaras de infravermelho, corpos humanos vivos podem ser percebidos a uma distância de até sete quilômetros e meio. Além disso, as costas espanholas são patrulhadas por barcos e helicópteros da guarda 222 costeira. A seguir, as defesas eletrônicas do programa SIVE demonstraram-se um grande sucesso -219Há muito tempo que esta separação não ocorre sempre dentro destes formatos legais: é frequente que os220refugiados sejam enviados para territórios diferentes de seus países de origem. No Marrocos, por exemplo, repetidasvezes os bandos de refugiados foram simplesmente empurrados de volta para o deserto. (NA). Dahms, Martin: Der weiteWeg in die erste Welt [A Estrada larga do Primeiro Mundo], publicado na revista eletrônica Das Parlament [OParlamento], 28/2006, conforme o site http://www.bundestag.de/das-parlament/2006/28-29/Europa/007.html. (NA).221Streck, Ralf: "Massensterbenvor der Kanarischen Inseln ["Mortes em massa" diante das Ilhas Canárias], telepolis,24 de março de 2006, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/arti-kel/22/22317/1.html. (NA).
  • 196. o n úm e ro de re fugiados que conseguiam atingir o continente caiu extrao rd inariam ente , na m esm a p roporção que o n úm ero de cad áve res de afogados que chegavam às p raias flu tu ando sobre o m ar. D este m odo, um sistem a 223 el sem hante foi ins talad o em 2004 nas ilh as gre gas. A partir de então, o fluxo de refugiados mudou drasticamente de rumo, tomando como seu novo alvo, que atingiam por diversas rotas, as Ilhas Canárias, particularmente Fuerteventura, Tenerife e a Grande Canária, em que, somente em 2006, desembarcou um total de 31.000 africanos. Pararam igualmente de tomar o caminho através do Marrocos, onde a vigilância das costas tinha sido grandemente reforçada, mas se dirigiram para o oceano através do Saara Ocidental, particularmente através da Mauritânia ou, a partir de 2006, por diversas trilhas que percorrem o Senegal, percorrendo a seguir mais de mil quilômetros de águas oceânicas, via de regra, arriscando-se em barcos de pesca ou jangadas que não têm a menor condição de enfrentar 224 o Atlântico. Na primavera desse mesmo ano, o governo espanhol decidiu também empregar satélites de comunicações na vigilância das costas marítimas; em maio, a empresa francesa Spot Image já havia desenvolvido, em cooperação com a Universidade de Las Palmas, um conceito para um projeto-piloto com o emprego de 225 satélites para esse objetivo. Em junho, independentemente dos planos traçados pela comissão formada pela União Europeia, o governo britânico decidiu realizar a observação do Mediterrâneo por226 uma unidade de aviões-robôs não-tripulados. Um consórcio de firmas reunido sob a razão social de BSUAV (Border Surveillance by Unmanned Aerial Vehicles [Vigilância das Fronteiras por meio de Veículos Aéreos não-tripulados]) desenvolveu, sob orientação da empresa francesa de aeronáutica Dassault Aviation, um conceito atualizado para essa223Helmut Dietrich: Die Front in der Wüste [Frente de Batalha no Deserto], Konkret 12/2004, p. 5, na páginaeletrônicahttp://nolager.de/blog/files/nolager/lampedusa.pdf. (NA).224Martin Dahms: Der weite Weg in die erste Welt [O longo caminho até o Primeiro Mundo], publicado na revistaeletrônica Das Parlament [O Parlamento], 28/2006, conforme o site http://www.bundestag.de/dasparlament/2006/28-29/Europa/007.html. (NA).225 Raif Streck: Sechs Satelliten sallen Flüchtlinge aufspüren [Seis satélites destinados a localizar refugiados],telepolis, 30 de maio de 2006, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/arti-kel/22/22780/l.html. (NT).226 Severin Carrell: Revealed: Robot Spyplanes to Guará Europes Borders [Revelação: Aviões-robôs Espiões paraguardar as fronteiras da Europa], The Independent [jornal "O Independente"], edição de 4 de junho de 2006. Consulte osite em http://news.independent.co.uk/europe/article624667.ece. (NA).
  • 197. 227 iniciativa. A Itália colocou em serviço, ainda em 2004, cinco aviões não-tripulados "Predator", adquiridos nos Estados Unidos, a fim de conseguir localizar não somente possíveis terroristas, como os imigrantes irregulares, conforme Leonardo Tricario, anteriormente comandante da Aeronáutica desse país, 228 informou em outubro desse mesmo ano. D epois que o cam inho m arítim o através do Es tre ito de G ibraltar foi cortad o pe lo S IVE, surgiu novam ente, em se tem bro e ou tub ro de 2005 o p rob lem a dos re fugiados nas cos tas europ éias ao su l do Medite rrâneo, te ndo sido novam ente cham ada a ate n ção oficial pe lo ac úm ul crescente de centenas de re fugiados ao norte o de Marrocos, os quais usavam escad as fab ricad as por e les m esm os para te n tar pu lar por cim a d as ce rcas constru íd as ao red or dos enclaves espanh óis de Ceuta 229 e Me lilla. Estas são revestidas com arame farpado e patrulhadas continuamente por veículos em movimento, cujos ocupantes estão equipados com óculos para visão noturna e microfones de alto alcance, além das defesas 230 proporcionadas por numerosas torres de atalaia. Em determinados trechos, tidos como os mais vulneráveis, foram construídas três cercas paralelas umas às outras; no verão de 2005 as cercasde Melilla foram aumentadas 231 de 3,5m para seis metros de altura. Durante a construção, os funcionários das administrações de fronteiras espanhola e marroquina conjuntamente se defenderam contra a multidão de invasores que tentavam impedi-la, lançando pedras e atacando os trabalhadores com porretes, empregando contra eles 232 cassetetes, gás lacrimogêneo e balas de borracha. Como resultado desses embates, morreram quatorze227 Directorate General Enterprises and Industry - Security Research [Empresas e Indústria Diretório Geral- Pesquisas de Segurança]: Preparatory Action for Security Research - Border Surveillance UAV [Ação Preparatoria paraPesquisas de Segurança - Vigilancia das Fronteiras por veículos aéreos não tripulados- conhecidos pela sigla UAV], 2005, conforme página eletrônicahttp://ec.europa.eu/enterprise/security/ doc/project_flyers/766-06_bsuav.pdf. (NA).228 Helmut Dietrich: Die Front in der Wüste [Frente de Batalha no Deserto], Konkret 12/2004, p. 6, na páginaeletrônica http://nolager.de/blog/files/nolager/lampedusa.pdf. (NA).229 Alfred Hackensberger, Anschlag auf die Grenze [Ataque às fronteiras], publicado em telepolis, 3 de outubro de2005, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/21/21064/l.html. (NA).230 Rótzer, Florian: Ansturm auf die neue Mauer [Assalto ao novo muro], telepolis, 6 de outubro de 2005, emhttp://www.heise.de/tp/r4/artikel/21/21086/Lhtml. (NA).231 69 n-tv: Noch ein Zaun für Melilla [Mais uma cerca para Melilla], 4 de outubro de 2005, publicado em http://www.n-tv.de/586970.html. (NA).232 " Alfred Hackensberger, Anschlag auf die Grenze [Ataque às fronteiras], publicado em telepolis, 3 de outubro de u2005, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/21/21064/l.html. (NA).
  • 198. 233 dos atacan tes. Conforme as observações de representantes da organização "Médicos sem Fronteiras", após o encerramento das hostilidades, a polícia marroquina reuniu cerca de quinhentos prisioneiros e os largou na fronteira com a Argélia, 234 em pleno deserto. Após o incidente, Marrocos recebeu uma subvenção de mais de quarenta milhões de euros da União Europeia, destinada oficialmente ao 235 reforço das fronteiras. Os "Médicos sem Fronteiras" se queixaram, em um comunicado distribuído em setembro de 2005 da "extrema violência dos meios de defesa" empregados pela polícia marroquina de defesa das fronteiras e também dos meios de exclusão empregados pela União Européia. O comunicado afirma ter calculado que 6.300 cadáveres de afogados flutuaram até as praias ao longo dos últimos dez anos; os números 236 oficiais chegavam a 1.400, mas neste total não estavam incluídos presumivelmente os milhares que se afogaram entre 2005 e 2006 (em março de 2006, o próprio governo espanhol admitiu a ocorrência de "uma mortandade maciça" diante das Ilhas 237 Canárias). Os já severos problemas dos refugiados são agravados por torturas e tratamento degradante. Os médicos da organização denunciaram que, entre março de 2003 e maio de 2005, haviam tratado de um total de 9.350 imigrantes dos países subsaarianos em muitos pontos do Marrocos, dos quais 2.193 (23,5%) apresentavam traços evidentes da 238 violência sofrida.233 71 Stern/dpa: Spanien beginnt mit Abschiebungen [A Espanha começou a Separação], publicado a 7 de ou-tubrode2005,disponívelnapáginaeletrônicahttp://www.stern.de/politik/ausland/:Fl%Fcschtlingsdrama-Spanien-Abschiebungen/547229.html. (NA).234 172 Alfred Hackensberger, Man muss die Flüchtlinge mit allem Respekt als menschlich Wesen behandeln [Devemostratar os refugiados com todo o respeito e de maneira humana] (Discurso conjunto com Frederico Barroela, Médicos semFronteiras, Tanger), telepolis, 16 de outubro de 2005, publicado na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/21/21153/1 .html. (NA).235 173 Schwelien, Michael: Die Einfalltore [A loucura causadora da queda], publicado em Die ZEIT, edição de 13 deoutubro de 2005, n°. 42, na página eletrônica http://images.zeit.de/text/2005/42/Ceuta. (NA).236 ;74 Méãécins sans Frontières [Médicos sem Fronteiras]: Violence and Immigration. Report on illegal Sub-SaharanImmigrants (ISS) in Morocco [A violência e a imigração. Relatório sobre a situação dos imigrantes subsaarianos ilegais emMarrocos], 2005, p. 6, conforme publicado na página eletrônica http://www.aerzte-ohne-grenzen.de/obj/_scripts/msf_download_pdf.php?id=2389 8rfilename=09-05-Bericht-Marokko-Imigranten.pdf. (NA).237 175 Ralf Streck: "Massensterben"vor der Kanarischen Inseln ["Mortes em massa" diante das Ilhas Canárias],telepolis, 24 de março de 2006, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/22/22317/l.html. (NA).238Médecins sans Frontières [Médicos sem Fronteiras] : Violence and Immigration. Report on Illégal Sub-SaharanImmigrants (ISS) in Morocco [A violência e a imigração. Relatório sobre a presença e o tratamento de imigrantes subsaa-rianos ilegais em Marrocos], 2005, p. 6, conforme publicado na página eletrônica http://www.aerzte-ohne-grenzen. de/obj/_scripts/msf_dowrüoad_pdf.php?id=2389 8cSlenam
  • 199. C am pos de Re fugiados O utra es tratégia de de fesa contra a invas ão dos re fugiados é a constru ção de acam pam entos de chegad a e de saíd a tan to no in te rio r com o no exte rio r dos p róp rios te rritó rios. O gove rno b ritânico, quando che fiado por Tony B lair, publicou um docum ento em 2003, in titu lad o "A new Vision fo r Re fugees" [Um a nova vis ão sobre os re fugiados], em que e ra ap resentado um p lano para a constru ção de "um a rede de portos seguros ao re d or do m undo", que m ais tard e passaram a se r cham ados de "Regional P ro te ction Are as " (RPAs) [Á re as de P ro te ção Regional] - "Zonas de P ro te ção", localizad as nas p roxim idades dos países de que as pessoas haviam fugido. Em m arço desse m esm oano foi anunciad a a constru ção dos assim cham ados "T ransit P rocessing Centres " (TPCs) [C entros de P rocessam ento em Trânsito], fo ra d as fron te iras d a União Europeia, nos quais se riam re unidos os re fugiados enquanto suas solicitações de asilo e ram p rocessadas, ou se j para que pudessem a, se r m ais facil ente re cam biados a seus países de m origem quando seus pedidos de asilo fossem negados. Estes p lanos fo ram apoiados pe los gove rnos d a Holand a, Áus tria e D inam arca, em bora surgissem p ro tes tos p úb licos através d a Europa. Pouco depois, o UNHCR (United N ations H igh C om m issionerfo r Re fugees [Alto C om issariado d as Nações Unid as para a Adm inistração dos Re fugiados]), d a UNRA (United Nations Re fugee Agency [Ag ência de Re fugiados d as Nações Unid as]), re p resentante d a o rganização para o tratam ento do p rob lem a dos re fugiados, ap resentou um a variação deste m ode l o. Em um a confe rência de c úpu la d a União Europeia, re alizad a na G récia em m eados de ju nho de 2003, o re lató rio d a C om iss ão p rop ôs "m eios e fo rm as para dem onstrar com o a capacid ade de de fesa d as re giões de origem pode se r re fo rçad a. [...] O C onse l Europeu ho afirm a com firm eza que um a s érie depaíses de trânsito que participam deste p rocesso se com prom et a eu es tud ar com o UNHCR tod as as possibilid ades para re fo rçar a p ro te ção dos re fugiados em suas re giões de 239 origem ". Ao longo de 2004, os planos foram239 Rat der Europäischen Union [Conselho da União Europeia]: Tagung des Europäischen Rates in Thessaloniki vom19./20.6.2003, Schlussfolgerungen des Vorsitzes [Congresso do Conselho Europeu em Tessalônica, entre 19 e 20 de junhode 2003, Conclusões do Discurso de Encerramento da Presidência]. Bruxelas, í°. de outubro de 2003, Ziffer 26, disponívelna página eletrônica http://www.consilium.europa.eu/ueDocs. cms_Data/docs/pressdata/de/ec/76285.pdf. (NA).
  • 200. re tom ados por O tto S chilly, Minis tro do Inte rio r d a Alem anha, e por seu co le ga italiano G iuseppe Pisanu, de te rm inando- acim a de tud o a necessidade de se es tabe l ce: esses acam pam entos no norte d a África. e Em ou tubro de 2004, os m inistros d a Jus tiça e do In te rio r d a União Europ éia, durante um encontro info rm al re ali zado em S cheveningen, na Holand a, de ram a conhece r seus p lanos, que de te rm inavam a constru ção de "C entros de Aco lhim ento para S olicitan tes de As ilo " nos te rritó rios d a Arg é lia, Tun ísia, Marrocos, Mau ritânia e L íbia, que deve riam se r adm inistrad os pe los gove rnos dos re spectivos 240 países. Centros de concentração de re fugiados já exis tem em 241 Ceuta e Me lilla, os enclaves espanhóis na costa do 242 Marrocos; na ilha siciliana de Lampedusa, onde, somente em 2004, desembarcaram quase dois mil refugiados, do mesmo modo que na parte continental da 243 Itália Meridional e nas ilhas gregas mais orientais. Devido ao imenso influxo de refugiados nas Ilhas Canárias, uma delegação espanhola foi à Mauritânia e firmou um pacto para esse governo realizar 244 a construção de um campo de refugiados em Nuadibú, mediante seu financiamento e orientação técnica, o que foi realizado por um destacamento de 35 engenheiros espanhóis que chegaram a seguir. A Itália estabeleceu acampamentos extraterritoriais na Tunísia e na Líbia; já duas vezes, em outubro de 2004 e março de 2005, as autoridades italianas enviaram para esses locais, muitas centenas de refugiados africanos que haviam desembarcado em 245 Lampedusa. Na Líbia existem atualmente entre meio milhão e um milhão de pessoas sem documentos válidos,240 Cornelia Guner: Der europäische Krieg gegen Flüchtlinge [A Guerra europeia contra os Refugiados, publicado narevista Ak - Analyse und Kritik [Análise e Crítica], 19 de novembro de 2004, na página eletrônicahttp://www.nolager.de/blog/node/142. (NA).241 Leo Wieland: Erste afrikanische Flüchtlinge nach Marokko abgeschoben [Os primeiros refugiados africanosexpulsos de Marrocos], Frankfurter Allgemeine Zeitung [Jornal de Frankfurt, edição internacional], 7 de outubro de 2005,p. L: Erste afrikanische Flüchtlinge nach Marokko abgeschoben [Os primeiros refugiados africanos expulsos deMarrocos], Frankfurter Allgemeine Zeitung [Jornal de Frankfurt, edição internacional], 7 de outubro de 2005, p. 1. (NA).242 Karl Hoffmann: Lampedusa: Die Ankunft in Europa [Lampedusa: Desembarque na Europa], Deutschlandfunk[Serviço de Radiodifusão da Alemanha], 30 de abril de 2006, disponível na página eletrônicahttp://www.dradio.de/dif/sendungen/transit/494082/. (NA).243 Helmut Dietrich: Die Front in der Wüste [Frente de Batalha no Deserto], Konkret 12/2004, p. 3, na páginaeletrônica http://nolager.de/blog/files/nolager/lampedusa.pdf. (NA).244 Ralf Streck: "Massensterben" vor der Kanarischen Inseln ["Mortes em massa" diante das Ilhas Canárias], telepolis,24 de março de 2006, disponível na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/22/22317/Lhtml. (NA).245 13 Anke Schwarzer: Das Lagersystem für Flüchtlinge [O sistema dos campos de refugiados], publicado em telepolis,21 de agosto de 2005, na página eletrônica http://www.heise.de/tp/r4/artikel/20/20764/Lhtml. (NA).
  • 201. aguard ando um a oportunid ade de atra vessar o m ar para a Itá lia ou para Malta. D urante 2006, ce rca de 64.000 im igran tes ile gais fo ram im pedidos de entrar na L íbia ou transportad os até as fron te iras em vag ões de carga; um a boa parte de l foi sim pl ent es esm e solta no dese rto, do ou tro lad o d as d ivisas 246 fron te iriças. Com o financiamento dos acampamentos extraterritoriais e com o fortalecimento da defesa das fronteiras nos países correspondentes por meio do apoio financeiro e da pressão política das nações pertencentes à União Européia, aqueles países se tornaram muito mais 247 ativos no combate contra o ingresso de refugiados. Apenas durante o período de 2004 a 2006, cento e vinte milhões de euros foram postos à disposição da Comissão encarregada do programa AENEAS sob a rubrica de "apoio financeiro e técnico a países do Terceiro Mundo para fins de imigração e asilo". Deste modo, tais projetos tomaram a seu cargo "não somente a defesa local dos fluxos de migrantes, como o retorno e reintegração dos migrantes em seu ou em seus países de origem, o estudo dos pedidos de asilo, a defesa das fronteiras e a 248 proteção dos refugiados internos". Em uma tentativa de deixar a África e atingir algum dos territórios da Europa, muita gente procura atravessar o mar ou o oceano em pequenos barcos. Acreditam que seja mais fácil assim, porque as viagens a pé são dispendiosas e árduas. Questionado sobre como devem ser tratados os numerosos barcos improvisados pelos refugiados que são lançados ao mar sem as menores condições de navegação, o Ministro do Interior da Alemanha, Wolfgang Schäuble declarou sem meias-palavras, em uma entrevista concedida ao Frankfurter Allgemeine Zeitung, a 29 de março de 2007, que "a Organização das Jangadas deveria ser destruída". Será a única forma "de 249 evitarmos este dilema".246 ;4 Hans-Christian Rössler: In Libyens Hölle [No inferno da Líbia], publicado no Frankfurter AllgemeineSonntagszeitung [Jornal dominical internacional de Frankfurt], 22 de julho de 2007, p. 8. (NA).247 15 Mike Davis: Die große Mauer des Kapitals [A Grande Muralha do Capital], publicado em Die ZEIT [O Tempo],12 de outubro de 2006, n°. 42/2006, na página eletrônica http://www.zeit.de/2006/42/Mauern?page=2.html. (NA),248 16 Regulation (EC) N°. 491/2004 of the European Parliament and of the Council of 10 March 2004 - establishing aprogramme for financial and technical assistance to third countries in the areas of migration and asylum [Regulamentaçãodo Parlamento Europeu e do Conselho de 10 de março de 2004, estabelecendo um programa para assistência técnica efinanceira a países do Terceiro Mundo nas áreas de migração e de asilo] (AENEAS), Article 1,3 [Artigo Io., parágrafo 3°.],disponível na página http://.ec.europa.eu/euro-pea-id/projects/eidhr/pdf/themes-migration-reglement_em.pdf. (NA).
  • 202. Novam ente a FRONTEX Conform e vim os an te rio rm ente , a União Europeia re agiu nos ú ltim os anos ao espantoso influxo de im igran tes ile gais m ediante a ins talação de um a organização con j ta para de fesa d as fron te iras un europ éias.250 ua d ire ção e de fesa pe rte ncem à ag ência S FRONTEX. Mediante o decreto 2007/2004 da EG (Europäische Gemeinschaft [União Européia]), emitido pelo Conselho da União Européia a 24 de outubro de 2004, foi determinada a constituição de uma "Agência Europeia para Administração do Trabalho de Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-membros da União Européia", cuja organização foi imediatamente iniciada. D e acord o com sua p róp ria descrição para o p úb lico a ag ência coordena "o trab alho ope rativo con j unto dos es tad os-m em bros no dom ínio d a de fesa de suas fron te iras exte rnas, apoiado pe los re fe rid os estados- m em bros m ediante a criação de departam entos nacionais de de fesa d as fron te iras e nom eação de seus funcion ários e re gido firm em ente por ou tras re gras con j tas de funcionam ento, fo rne ce an álises de un riscos, coordena a im plan tação de pesquisas re le van tes para o contro le e supe rvis ão d as fron te iras exte rnas, apoia os es tad os-m em bros em situações nas quais se j re que rido um re fo rço ope- a rativo e técnico m ais en érgico nas suas fron te iras exte rio res e conduz o apoio técnico ind ispens áve l para a o rganização d as ações de 251 tom ad a de iniciativa re con j ta dos países-m em bros". Em outubro de 2005, un as autoridades competentes designaram um orçamento de 6,2 milhões de euros para a execução de suas tarefas durante o primeiro ano. No segundo ano, teve alocada uma verba de 19,2 milhões e, para 2007, a FRONTEX recebeu oficialmente uma verba de trinta e 252 cinco milhões, que foi ampliada para quarenta e dois milhões de euros, segundo informação do Ministério do249" Franco Frattini & Wolfgang Schäuble (entrevista): Mit Hubschraubern gegen illegale Einwanderung [Helicópteroscontra a Imigração ilegal], publicado no Frankfurter Allgemeine Zeitung [Edição internacional do Jornal de Frankfurt], 29de março de 2007, página 3. (NA).250FRONTEX Annual Report [Relatório Anual da FRONTEX], 2006, p. 2, disponível na página eletrônicahttp://www.frontex.europa.eu/annual_report. (NA).251Einrichtung der Europäischen Union [Organização da União Europeia]: Agentur für die operative Zusammenarbeitan den Außengrenzen (FRONTEX) [Agência Europeia para trabalho operacional conjunto nas fronteiras exteriores](FRONTEX), junho de 2007, conforme http://europa.eu/agencies/community_ agencies/frontex/index_de.htm. (NA).252Veja FRONTEX Finance em http://www.frontex.europa.eu/finance.XX. (NA).
  • 203. 253 In te rio r alem ão. Este orçamento cobre, no entanto, apenas as despesas correntes que as autoridadesd a União Europeia re unid as em Vars óvia de te rm inaram ; as despesas d ire tas com os funcion ários estacionados para a de fesa d as fron te iras e com seus equipam entos correm por conta dos países corre spondentes, que 254 os p õem à d isposição d a adm inistração d a FRONTEX. Presentemente, esta conta com mais de 105 funcionários próprios, responsáveis apenas pelos 255 serviços administrativos da organização. A 26 de abril de 2007, o Parlamento Europeu aprovou um decreto "sobre a constituição de equipes de intervenção imediata para a defesa da segurança das fronteiras" (conhecidas como "Rapid Border Intervention Teams" [Equipes de Intervenção Rápida nas Fronteiras ou RABITs)], que se originaram de uma iniciativa conjunta do Comissário Europeu para Justiça, Liberdade e Segurança, Franco Frattini e do Ministro do Interior da Alemanha, Wolfgang Schäu- ble. As equipes RABITs devem ser acionadas oficialmente mediante resolução do Parlamento Europeu formado pelos estados-membros "em situações de exceção ou de extrema necessidade" e "por um período de tempo limitado", especificamente quando um "estado-membro se encontrar sob a pressão maciça de um fluxo de indivíduos naturais de países do Terceiro Mundo que tente ingressar ilegalmente ou invadir pela força256um território sob a jurisdição do referido país". Inicialmente, esta "equipe de intervenção temporária" segundo as informações fornecidas pelo Ministério do Interior da União Federal Alemã, foi composta por 500 a 600 funcionários de defesa das 257 fronteiras. Além desta, durante o decorrer de 2007,253Bundesministerium des Innern [Ministério do Interior] (Editor), Aufgaben und Tätigkeit der EuropäischenGrenzschutsagentur [Tarefas e Ações da Agência Europeia de Controle das Fronteiras], FRONTEX, sem data, no sitehttp://www.eu2007.bmi.bund.de/nn_1034414/EU2007/DE/InnenpolitischeZiele/Themen/Frontex/Frontex_node.html_nnn=true.XX. (NA).254 12 Christoph Marischka, Frontex als Schrittmacher der EU-Innenpolitik [A FRONTEX como precursora da políticainterna europeia], telepolis, 25 de maio de 2007 na página http://www.heise.de/tp/r4/arti-kel/25/25359/l.html. (NA).255 13 Bunâesministerium des Innern [República Federal Alemã, Ministério do Interior] (Editores variados), Aufgabenund Tätigkeit der Europäischen Grenzschutsagentur [Tarefas e Ações da Agência Europeia de Controle das Fronteiras],FRONTEX, sem data, de acordo com as informações apresentadas na página eletrônicahttp://www.eu2007.bmi.bund.de/nn_1034414/EU2007/DE/InnenpolitischeZiele/Themen/Frontex/Fron-tex_node.html_nnn=true.XX. (NA).256 14 Christoph Marischka, Frontex als Schrittmacher der EU-Innenpolitik [A FRONTEX como precursora da políticainterna europeia], telepolis, 25 de maio de 2007 na página http://www.heise.de/tp/r4/arti-kel/25/25359/l.html. (NA).257 15 Bundesministerium des Innern [Ministério do Interior da República Federal Alemã] (Editor responsável),Aufgaben und Tätigkeit der Europäischen Grenzschutsagentur [Tarefas e Ações designadas para a Agência Europeia deControle das Fronteiras], FRONTEX, sem data, disponível na página eletrônica http://www.
  • 204. foi organizad a um a equipe con j unta de inte nd ência, tam b ém re fe rid a com o "Too lbox" [caixa de fe rram entas] para p rovidenciar os equipam entos necess ários - os estados-m em bros es tão encarre gados de equipar e arm ar con j tam ente a FRONTEX com un tod os os ins trum entos necess ários para seu funcionam ento. Segundo in fo rm ações oficiais do Minis tério do In te rio r d a Rep ública Federal Alem ã, es ta "C aixa de Fe rram entas " tem à sua d isposição "m ais de vin te ae ronaves, quase trin ta he lic óp te ros e bem m ais de cem em barcações com os equipam entos 258 te cnológicos m ais avan çad os". Passo a passo com a FRONTEX será criada uma autoridade supranacional autônoma e de grande alcance. E dentro do alcance limitado de uma consulta 259 simples feita por alguns delegados do FDP (Freie Demokratisch Partei [Partido Democrata Independente]) sobre quais compromissos de prestação de contas tinham sido assumidos pela FRONTEX, o governo federal da República Alemã informou, a 13 de abril de 2007, que "o Diretor-Executivo da FRONTEX (desde a criação da autoridade o general-de-brigada finlandês Ilkka Laitinen) é responsável pela prestação de informações ao Conselho de Admi- nistração da FRONTEX. O Parlamento Europeu ou o Conselho pode convocar o Diretor-Executivo da FRONTEX para que apresente relatórios sobre o cumprimento de suas tarefas. A FRONTEX não é responsável pela260prestação de informações aos estados-membros". A própria FRONTEX deixou bem claro que suas atividades são "intelligence driven" [voltadas para a obtenção de informações 261 secretas] — isto significa que a agência coopera com os serviços secretos dos estados-membros e partilha informações com eles. Uma das primeiras atividades empreendidas pela FRONTEX em 2006 consistiu em umaeu2007.bmi.bund.de/nn_1034414/EU2007/DE/InnenpolitischeZiele/Themen/Frontex/Frontex_node. html_nnn=true.XX.(NA).258 Bundesministerium des Innern [Ministério do Interior da República Federal Alemã] (Responsável pela liberação dasinformações, editores diversos): Aufgaben und Tätigkeit der Europäischen Grenzschutsagentur [Tarefas e Ações daAgência Europeia de Controle das Fronteiras], FRONTEX, sem data, disponível na página eletrônicahttp://www.eu2007.bmi.bund.de/nn_1034414/EU2007/DE/InnenpolitischeZiele/Themen/Frontex/Frontex_node.html_nnn=true.XX. (NA).259 Bundestagsdrucksache [Imprensa oficial do Parlamento] 16/4902, edição de 28 de março de 2007. (NA).260 Bundestagsdrucksache [Imprensa oficial do Parlamento] 16/5019, edição de 4 de abril de 2007, p. 3, emhttp://dip.bundestag.de/btd/16/050/1605019.pdf. (NA).261 Relatório Anual da FRONTEX 2006, p. 5. (NA).
  • 205. co laboração com a EUROPOL, a po lcia inte rnacional 262 í europ éia. No relatório oficial de 2006, a autoridade registrou a realização de quinze "operações". Por exemplo, durante os meses de junho e julho de 2006 tinha sido reforçado o controle da fronteira greco-turca e do mesmo modo instalado um sistema ao longo das costas gregas, nos quais tinham tomado parte funcionários de nacionalidade austríaca, italiana, polonesa e britânica. Por intermédio destas atividades tinham sido capturados 422 imigrantes ilegais. Osde talhes re fe re ntes ao exe rc ício de seu trab alho no local de ação tinham sido om itidos pe la FRONTEX. Entre as quinze ope rações m encionad as se achavam tam b ém os p rogram as "He ra I" e "H e ra II", executados d iante d as Ilh as C anárias , que desde o es tabe l cim ento de um e firm e contro le nas cos tas m erid ionais d a Espanha e nos enclaves espanh óis de Marrocos haviam se to rnad o os pontos focais de acesso dos im igrantes ile gais africanos. D entro d as ativid ades do p rogram a He ra I, as au to rid ades canarinas haviam em pregado especialis tas in te rnacionais que essencial ente m deve riam aj ar na ve rificação d as re sponsabilid ades ud do gove rno p rovincial pe ran te os re fugiados cap tu rad os. D entro d as ativid ades do p rogram a He ra II a FRONTEX assum iu o contro le d ire to d a vigilância sobre as águas oce ânicas e d a de fesa d as fron te iras a partir de 1 1 de agos to de 2006. Jun tam ente com os barcos d a guard a-cos te ira espanhola, de aco rd o com as info rm ações do re lató rio , se achavam um barco de bandeira portuguesa e ou tro italiano, além de dois ae rop lanos, um italiano e um fin land ês. Inicial ente m um a ope ração sem el hante já fo ra re alizad a no alto - m ar d iante d as cos tas senegal esas e m auritanas, em coope ração com as au to rid ades locais. D urante as ativid ades com a duração de nove sem anas fo ram cap tu rad os 3.887 re fugiad os ile gais navegando em 57 barcos de pesca; ou tros 5.000 fo ram im pedidos de deixar as cos tas africanas. Foi anunciado que um to tal de se te países signatários do Aco rd o de263chengen S haviam tom ado parte con j ta na ope ração. un262 Relatório Anual da FRONTEX 2006, p. 15. Consulte também Endstation Grenze [Limites da Estação Final] ,publicado na revista Öffentliche Sicherheit [Segurança Nacional], volume 5-6/2007, p. 25, disponível na página eletrônicahttp://www.bmi.gv.at/oeffentlicherheit/2007/05_06/Frontex.pdf. (NA).263A notícia deixou algumas questões em aberto - não somente quais eram os sete países [foram mencionados cinco],mas também com base em que autorizações oficiais seriam realizadas as operações em águas senegalesas e mauritanas ecomo estavam passando os quase quatro mil refugiados capturados em alto-mar. (NA).
  • 206. Em fe ve re iro de 2007, a FRONTEX deu in ício à ope ração He ra III: um inte rrogató rio ge ral dos re fugiados in te rnad os nas Ilh as C an árias sobre as ro tas que haviam tom ado e a te n tativa subsequente de cortar estas ro tas , possive lm ente já d iante d as 264 cos tas oce ânicas africanas. Dentro do âmbito das operações "Amazon I" e "Amazon II", realizadas entre 2006 e 2007, a FRONTEX realizou experiências operacionais dentro do território continental da União Européia, durante as quais foram revistados aeroplanos e investigados aeroportos internacionais. Durante a Amazon II a FRONTEX revistou os aeroportos internacionais de Frankfurt, Amsterdã, Barcelona, Lisboa, Milão, Paris, Madri e Roma, em busca de imigrantes ilegaisd a Am érica do S ul. D uas m il, cento e sessenta e um a pessoas fo ram cap tu rad as em 29 postos de contro le alfandegário de se te países-m em bros d a União Eu- rop éia duran te a ope ração in tensiva que te ve a 265 duração de dezesset d ias. Desde maio de 2007 uma e rede de patrulhas conjuntas das autoridades de polícia das fronteiras é controlada no Mediterrâneo pela 304 FRONTEX. Estrangeiros Ilegais A fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá tem uma extensão de 8.891 quilômetros, enquanto a que separa os Estados Unidos do México mede 3.360 quilômetros. Se os Estados Unidos e o Canadá cooperarem no objetivo de defesa das fronteiras e controle dos imigrantes, a divisa norte dos Estados Unidos não apresentará grande problema, porque o Canadá, tendo em vista sua própria localização geográfica, é difícil de ser atingido por refugiados ilegais. Isso não impede que se calcule a presença de 266 200.000 moradores ilegais no Canadá. Já as fronteiras entre os Estados Unidos e o México, mesmo264FRONTEX News Release [Boletim Noticioso da FRONTEX]: A Sequel of Operation Hera Just Starting [Acaba decomeçar uma nova fase da Operação Hera], 15 de fevereiro de 2007, FRONTEX News Releases, incluída na páginaeletrônica http://www.frontex.europa.eu/newsroom/news_releases/artl3.html. (NA).265 A maior parte destes entrou legalmente como turistas, estudantes ou trabalhadores temporários, permanecendoilegalmente após seus vistos expirarem. Consulte Jennifer Elrick, Länderprofil Kanada [Perfil das terras do Canadá],publicado em Focus Migration [Enfoque sobre a Imigração], 8/2007, conforme a página eletrônica http://www.focus-migration.de/Kanada. 1275.0.html, pp. 7ss. (NA).266 A maior parte destes entrou legalmente como turistas, estudantes ou trabalhadores temporários, permanecendoilegalmente após seus vistos expirarem. Consulte Jennifer Elrick, Länderprofil Kanada [Perfil das terras do Canadá],publicado em Focus Migration [Enfoque sobre a Imigração], 8/2007, conforme a página eletrônica http://www.focus-migration.de/Kanada. 1275.0.html, pp. 7ss. (NA).
  • 207. depois de decorrid os quinze anos do es tabe l cim ento do e North Am e rican F ree T rade Agreem ent [T ratad o de Livre C om ércio d a Am érica do Norte ] (N AFTA), tive - ram de se r p rogressivam ente re fo rçad as. As patru lh as de fron te ira fo ram dup licad as ao longo desses quinze anos. D e fo rm a sem el hante , as linhas d ivis órias fo ram dem arcad as com ce rcas e re fo rçad as com m uros, especial ente ju n to às es trad as de m aior m m ovim ento e nas p roxim idades d as cid ades, onde as pessoas que p re tendem atrave ssar ile gal ente am fron te ira podem se esconder facil ente entre as m m ultid ões. No final do ve rão de 2006, por exem pl o, um a parede trip la de aço, com quatro m e tros e m eio de altu ra foi constru íd a através d a rod ovia que liga S an D iego, na C alifó rnia, à cid ade m exicana de Tij ana, com portões de passagem firm em ente u po liciados. Ins talaçõe s sem elhantes fo ram constru íd as 267 nas fron te iras do Arizona e do Texas. Todos os anos, mais de cem pessoas morrem durante as 268 tentativas de entrar ilegalmente nos Estados Unidos transpondo sua fronteira com o México, uma passagem perigosa, que é tornada cada vez mais difícil na medida em que são reforçados os meios de proteção da fronteira e as viagens têm de ser tentadas por acessos 269 progressivamente mais inóspitos. Entre as principais causas das mortes estão picadas de cobras, picadas de insetos venenosos, afogamentos, ferimentos provocados por espinhos 270 cactos, quedas e pela de escassez de água potável.267Mike Davis: Die große Mauer des Kapitals [A Grande Muralha do Capital], publicado em Die ZEIT [O Tempo], 12de outubro de 2006, n°. 42/2006, na página eletrônica http://www.zeit.de/2006/42/ Mauern.?page=2.html. (NA).268U. S. Customs and Border Protection [Serviço alfandegário e de proteção das fronteiras dos Estados Unidos]:National Border Patrol Strategy [Estratégia Nacional de Patrulha das Fronteiras], setembro de 2004. (NA). Mike Davis:Die große Mauer des Kapitals [A Grande Muralha do Capital], publicado em Die ZEIT [O Tempo], 12 de outubro de 2006,n°. 42/2006, na página eletrônica http://www.zeit.de/2006/42/Mauern?page=2. html. Um bom exemplo deste efeito foi a"Operation Gatekeeper" [Operação Guarda do Portão], realizada no ano de 1994. Esta incluía um reforço da fronteira entrea Califórnia e o estado mexicano da Baja California, na forma de melhor treinamento do pessoal de defesa da fronteira, damodernização de seu armamento e da construção de cercas do mesmo modo que do aperfeiçoamento das já existentes.Quatro anos mais tarde, um grupo de organizações não-governamentais norte-americanas e mexicanas - entre elas o Ameri269can Friends Service Committee [Comissão de Prestação de Serviços por Amigos Norte-americanos], o Centro270deApoyo al Migrante [Centro de Ajuda aos Imigrantes] e a Casa dei Migrante [Casa do Imigrante] - organizou umbalanço durante o qual seriam averiguados os deslocamentos dos fluxos de imigrantes. Verificou-se que o estabelecimentodas cercas havia deslocado a maioria dos ilegais a tomar um caminho através do deserto que cobre o nordeste do México,entre Mexicali e Tecate, onde a temperatura média durante o dia chega a 50 graus (Bundeszentrale für politische Bildung:USA/Mexiko: Kritische Bilanz von Nichtregierungor-ganizationen zu vier fahren [Escritório Federal Central deInformações Políticas: O Balanço crítico de organizações não-governamentais durante quatro anos]: "OperationGatekeeper" [Operação Guarda do Portão], publicada na revista Migration und Bevölkerung [Migração e População],edição 8/1998, disponível na página eletrônicahttp://www.migration.fnfo.de/migration_und_bevoelkerung/artikel/980807.htm. (NA). Ibidem. Veja Também AchimReinke: Unterwegs in die Erste "Welt [Caminhando pelo Primeiro Mundo]: Boletim da Caritas International 11/2006,conforme página eletrônica http://www.caritas-international. de/10567.html. (NA).
  • 208. Com o re ação aos ataques te rro ris tas de 1 1 de se tem bro de 2001 , foi criad o um novo m inistério nos Es tad os Unidos, o D epartm ent o f Hom eland Security [Ministé rio de Seguran ça In te rna] (D HS ), que entrou em funcionam ento em novem bro de 2002 e a partir de então é o re spons áve l pe la seguran ça d as fron te iras nacionais. Seu p re cursor foi um O ffice o f Hom el and Security [Escritó rio de Seguran ça Inte rna], m ontado na C asa Branca pe lo P residente Bush, que tinha a incum bência de criar um a estratégia de seguran ça nacional ("N ational S trate gy fo r Hom el Security" and [Es tratégia N acional para a Seguran ça Inte rna]). Esta foi ap resentad a em ju lho de 2002. A partir de la a te nd ência se especializou em pensar na seguran ça d as fron te iras sob o ponto de vis ta do pe rigo te rro ris ta, de m odo a conside rar e o rganizar sua de fesa. O docum ento es tratégico se exprim e do seguinte m odo: "H is to ricam ente , os Es tad os Unidos confiaram em dois vas tos oce anos e dois vizinhos am igos para garan tir a seguran ça de suas fron te iras e se basearam no se tor p rivad o para a m anuten ção d a m aior parte d as fo rm as de seguran ça nos transporte s. A m obilid ade e o potencial destru tivo crescentes do te rro rism o m oderno ob rigaram os Es tad os Unidos a re pensar e a re fo rm ar fund am ental ente seus sis tem as de seguran ça de m 31 fron te iras e transporte s." A partir de outubro de 2001 foi promulgada a assim chamada "Patriot Act" [Lei Patriótica] que, entre outras coisas, determinava o interrogatório dos não-cidadãos e a expulsão de 271 imigrantes. Depois da criação do Ministério de Segurança Interna, o problema da segurança das fronteiras foi respondido especialmente pelo reforço conjunto da guarda- costeira e pela criação da "Autoridade Aduaneira e de Defesa das Fronteiras" (United States Customs and Border Protection [Serviço Alfandegário e de271"America historically has relied on two vast oceans and two friendly neighbors for border security, and on theprivate sector for most forms of domestic transportation security. The increasing mobility and destructive potential ofmodern terrorism has required the United States to rethink and rearrange fundamentally its systems for border andtransportation security." [Historicamente, os Estados Unidos confiaram em dois vastos oceanos e em dois vizinhos amigospara garantir a segurança de suas fronteiras e se basearam no setor privado para a manutenção da maior parte das formas desegurança nos transportes. A mobilidade e potencial destrutivo crescentes do terrorismo moderno obrigaram os EstadosUnidos a repensar e a reformar fundamentalmente seus sistemas de segurança de fronteiras e transportes.] Office ofHomeland Security [Escritório de Segurança Interna]: The National Strategy for Homeland Security [Estratégia Nacionalpara a Segurança Interna], julho de 2004, p. 21, em http://www.dhs.gov/xabout/history/pubhcation_0005.shtm. (NA).Nicholas Parrott: Landerprofil — Die Vereinigten Staaten von Amerika [Perfil das nações - Estados Unidos da América],Focus Migration 4/2007, disponível na página eletrônica http://www.focus-migration.de/Die_Vereinigten_Staat.l233.0.html. (NA).
  • 209. 272 P ro te ção d as F ronte iras dos Estados Unidos]) (C BP). Desde então, as medidas de controle das áreas de ingresso legal vêm sendo progressivamente reforçadas. Um ingresso sem necessidade de visto, como ocorre na Europa, não é mais possível mediante autenticação automática do passaporte, porque está sendo oficialmente requerido por ocasião da entrada a comparação com fotografias e impressões digitais armazenadas no sistema. Futuramente será requerido o registro eletrônico de todas as entradas com 48 horas de antecedência. O Ministério do Exterior da República Federal Alemã recomenda aos passageiros que se destinam aos Estados Unidos que cheguem aos aeroportos com pelo menos três horas de antecedência ao horário agendado para os voos, considerando a possibilidade de uma demora nos procedimentos de 273 controle. Os Estados Unidos estão regulamentando a espera dos voos por meio de um acúmulo e elevação dos requisitos de conferência de dados biométricos. Neste mesmo ano os procedimentos de segurança anteriores ao ingresso aos Estados Unidos serão ainda mais reforçados, sendo apenas permitidas as viagens com dispensa de emissão de vistos mediante o registro das impressões digitais de todos os dez dedos. No futuro, estes controles de ingresso poderão também incluir a verificação das retinas oculares, conforme um comunicado do Ministério de Segurança Interna tornou público no mês de junho. Os dados acumulados serão colocados em um banco central de dados a que o FBI e 274 a CIA terão acesso. Dentro deste contexto também é interessante informar os custos e o ritmo de privatização das medidas tomadas pelo Escritório de Segurança Interna - em 2006, o governo dos Estados Unidos despendeu o equivalente a 545 dólares por família nas medidas tomadas em favor da defesa nacional; dentro deste esquema, foram assinados mais de cem mil contratos 275 com firmas especializadas em segurança privada. Do272Department ofHomeland Security [Ministério de Segurança Interna], Organizational Charts [Organogramas] , 1°. deabril de 2007, p. 1, disponível em http://www.dhs.gov/xlibrary/assets/DHS_OrgChart.pdf. (NA).273 Kai Oppel: USA - unbeliebt und unvermeidlich [Estados Unidos - impopulares e inevitáveis], Financial TimesDeutschland [Suplemento Financeiro do Times em edição alemã, 9 de setembro de 2007, publicado na página eletrônicahttp://www.rtd.de/unternehmen/handel_dienstleister/247895.html. (NA).274 US-Regierung verschärft Einreisekontrolle [O governo dos Estados Unidos reforça o controle da imigração],Handelsblatt [Folha do Comércio], edição de 25 de junho de 2006, disponível na página eletrônicahttp://www.handelsblatt.com.news/_pv/_p/20051/_t/ft/_b/1285723/default.aspx/index.html. (NA).275 Naomi Klein: Die Schock-Strategie. Der Aufstieg des Katastrophen-Kapitalismus [Estratégia de Choque: Aascensão do capitalismo das catástrofes], Frankfurt am Main, 2007, p. 26. (NA).
  • 210. m esm om odo, logo ap ós o tratad o de ação com um entre os Es tad os Unidos e o C anad á para a de fesa d as fron te iras , as m edidas re lativas fo ram d ire tam ente in tensificad as. Na m etade de dezem bro, foi firm ado em O ttawa um pacto denom inado "Sm art Borde r D eclaration" [P lano de Ação para F ronte iras In te ligentes], que dependia d a e laboração de um ou tro banco de d ados (P ro j to "No rths tar" [Es tre la do e Norte ] e se destinava a um a coope ração m ais en érgica no contro le de fron te iras e de ae roportos, em que se riam destacad as "p assenge r analys is units " [unid ades de an á lise dos passageiros] con j untas. Parte do pacto inclu ía o acesso d a RCMP (Royai C anad ian Mounted Police [Re al Po lcia Montad a do C anad á]), í corre spondente à Po lcia Federal, ao banco de d ados í de im press ões d igitais do FBI norte -am e ricano. Am bos os países concord aram igual ente em com parar es tes m e os novos bancos de d ados com os d as pessoas que solicitassem asilo ou que ingressassem com o 276 re fugiados. O p rincipal re spons áve l pe la de fesa d as fron te iras dos Estados Unidos é o C BP U .S . Custom s and Borde r P ro te ction [S e rviço Alfand egário e de P ro te ção d as F ronte iras dos Estados Unidos], que iniciou suas ativid ades em m arço de 2003. E l inclui um to tal de e 42.000 em pregados, dos quais 1 8.000 s ão funcion ários p úb licos, d is tribu ídos por 325 postos de contro le ins talad os em ae roportos, portos m arítim os e postos de fron te iras te rre s tre s, do m esm o m odo que 1 1 .000 destacados d ire tam ente para a vigilância d as fron te iras te rre s tre s. O C BP es tá equipado para a re alização de suas tare fas com m ais de 8.000 ve í- cu los te rre s tre s, 260 ae rop lanos e he lic óp te ros e 200 277 em barcações. Desde 2005, dois aviões-robôs não- tripulados são controlados eletronicamente para patrulhar a fronteira do Arizona mediante observação e fotografia aérea; até o final de 2008 deverão ser acrescentados mais quatro à execução das mesmas tarefas, com a função de vigiar as costas marítimas e observar a fronteira terrestre com o 278 Canadá. Em média, as tarefas diárias do CBP276 Bundeszentrale für politische Bildung: USA/Kanada: Grenzsicherungsabkommen und höhere Einwanderugsquotenin Kanada [Escritório Federal Central de Informações Políticas: USA/Canadá: Tratado de Segurança das Fronteiras equotas mais elevadas de imigração no Canadá], Migration und Bevölkerung [Migração e População] 1/2002, disponível napágina eletrônica http://www.migration-info.de/migration_und_bevoelkerung/artikel/020104.html.277U. S. Customs anã Border Protection [Serviço alfandegário e de proteção das fronteiras dos Estados Uni278dos]: Securing Americds Borders [Como tornar seguras as fronteiras norte-americanas], setembro de 2006, p. 1,disponível na página eletrônica oficial em http://www.cbp.gov/linkhandler/cgov/toolbox/
  • 211. incluem a inspe ção de quase 1.200.000 pessoas atravessando legalmente as fronteiras dos Estados Unidos, o impedimento da entrada de 870 suspeitos e a captura de quase 3.500 pessoas que já haviam conseguido ingressar anteriormente de for ma ilegal apesar dos controles ("illegal aliens" [estrangeiros 279 ilegais]). Com todas estas medidas em ação, para cada invasor que consegue ingressar com sucesso no país, 280 estatisticamente oito são impedidos de algum modo. Em novem bro de 2005, o titu lar do Minis tério de Seguran ça In te rna dos Es tad os Unidos, Michae l Che rto ff, co locou em ação a S BI (S ecure Borde r Ini- tiative [Iniciativa para a S eguran ça d as F ronte iras ]). D e aco rd o com o docum ento de criação publicado pe lo Se rviço Alfand egário e de P ro te ção d as F ronte iras dos Estados Unidos, a Iniciativa n ão som ent deve ria se e p reocupar com um contro le e ficiente d as fron te iras , m as tam b ém tinha a seu cargo a extensa e laboração de um novo re gu lam ento sobre a im igração e contro le ad uaneiro, do m esm o m odo que de um p rogram a ad icional para a criação de possibilid ades de em prego para visitan te s (denom inado "Tem porary Worke r P rogram " [P rogram a para Trabalh ad ores Tem porários]) (TWP). Um a "face ta crí tica d as fun ções" d a Iniciativa para a Seguran ça d as F ronte iras , confo rm e a publicação do Se rviço Alfand egário e de P ro te ção d as F ronte iras dos Estados Unidos, é a criação e m anuten ção d a "S BIne t", um p rogram a d igitalizad o para a m odernização d a de fesa d as fron te iras , em pregando as m ais re centes técnicas de vigilância e de 281 com unicações. Em se tem bro de 2006, o gove rno dos Estados Unidos libe rou um a ve rba de dois e m eio bilh ões de d ólare s para o desenvolvim ento d a S BIne t, de m odo a criar um a "fron te ira virtu al", ao longo d a linha d ivisoriaabout/mission/cbp_securing_borders.ctt/ cbp_securing_borders.pdf. (NA).279Tim Gaynor: BlockingtheBorder [Bloqueio das Fronteiras], Agência Reuters, boletim noticioso de 10 de setembro de2007 incluído na página eletrônica http://features.us.reuters.com/cover/news/N07313987.html. (NA). Naomi Klein: DieSchock-Strategie. Der Aufstieg des Katastrophen-Kapitalismus [Estratégia de Choque: A ascensão do capitalismo dascatástrofes], Frankfurt am Main, 2007, p. 26. (NA).280Achim Reinke: Unterwegs in die Erste Welt [Caminhando pelo Primeiro Mundo]: Boletim da Caritas International11/2006, conforme página eletrônica http://www.caritas-international.de/10567.html. (NA).281U. S. Customs and Border Protection [Serviço alfandegário e de proteção das fronteiras dos Estados Unidos]:Secure Border Iniciative: A Comprehensive Border Security Solution [Iniciativa para a Segurança das Fronteiras: Umasolução abrangente para a segurança das fronteiras], Secure Border Initiative Monthly [Revista mensal da Iniciativa para aSegurança das Fronteiras] 1/1 2006, p. 1 (NA), disponível na página eletrônicahttp://www.cbp.gov/linkhandler/cgov/border_security/sbi/sbi_monthly_news-letter/sbi_newsletter. ctt/ sbi_newsletter.pdf.
  • 212. do sudoeste do país, com o em prego d as m ais re centes e robus tas te cno logias e capaz de executar as tare fas m ais d ifíce is de vigilância e com unicações. Foram e rguid as centenas de to rre s de obse rvação, com ce rca de trin ta m etros de altu ra, equipad as com rad ar e cam e ras infrave rm e lhas, in te rligad as com os ve ícu los de obse rvação aére a e as patru lh as te rre s tre s, de m odo tal a to rn ar im poss íve l a passagem de invasores através d as linhas lim ítro fe s sem se rem obse rvad os de um a fo rm a ou de ou tra. Em ju lho de 2007, nove dessas to rre s já es tavam ins talad as e em p le no funcionam ento, cad a um a d as quais podia m ante r atalaia por um raio de dezesseis quilôm e tros. O desenvolvim ento, a constru ção e a ins talação do sis- tem a fo ram re alizad os m ediante te rce irização a em presas p rivad as, cad a um a de las re spons áve l por um a parte do p ro j to - ce rca de cem em presas particu- e lare s fo ram contratad as para a re alização deste em preendim ento. Foi iniciado por m eio de um p ro j to -e pilo to ab rangendo ce rca de 45 quilôm e tros d a linha de fron te ira do estado do Arizona com o M éxico, que corta o deserto a le s te d a cid ade m exicana de Nogales (denom inado "P ro j to 28"), ap rovad o pe lo gove rno e fede ral ao cus to p re vis to de vin te bilh ões de d ólare s. Tod avia, sua ins talação foi re tard ad a por p rob lem as técnicos de cará te r ge ral e , passados apenas alguns m eses, os cus tos p re vis tos para a ins talação d a S BIne t ao longo d a fron te ira sudoeste dos Es tad os Unidos com o M éxico tive ram de se r acrescidos de m ais 282 oito m il ões de d ólare s. Em setembro de 2007, h Michael Chernoff ameaçou abandonar o projeto de construção da SBInet em caso de necessidade e ir bus - car uma solução alternativa. Durante o outono desse ano foi testado um sistema melhorado e decidida sua 283 instalação no futuro. O deserto do Arizona constitui o ponto de entrada preferencial dos imigrantes ilegais provindos do México; calcula-se que de um total aproximado de 1,13 milhão de imigrantes ilegais capturados em 2005, cerca de 438.000 haviam passado por esse trecho da fronteira. Existe aqui também a atividade de um grupo denominado "Minutemen" [Vigilantes]: uma espécie de milícia integrada por voluntários, que contribui para a vigilância das fronteiras e que, ao avistar quaisquer282Joseph Richey: Fencing the Border: Boeings High- Tech Plan Falters [A construção da cerca na fronteira: O planode alta tecnologia da Boeing fracassa], publicado em The Nation Institute [Instituto Nação], 9 de julho de 2007, disponívelem http://www.nationinstitute.org/ifunds/34/fencing_the_border_boeing_s_ high_tech_plan_falters. (NA).283Chris Strome: Contractor Problems Hold Up Border Fence Project [Problemas com Empresas Terceirizadas in
  • 213. transgressores dos lim ites, alarm a im ediatam ente 284as au to rid ades encarre gad as de contro lar a passagem . Depois de discussões que duraram um ano, no final de setembro de 2006, o plano do Presidente Bush foi apresentado perante o Senado norte-americano, prevendo a construção de uma cerca de 1.123 quilômetros de extensão na fronteira com o México, ao custo de um bilhão e meio de dólares. Os políticos 285 mexicanos criticaram o plano duramente. Durante bastante tempo as coisas continuaram como antes, ainda se discutindo nos diversos setores do governo norte-americano se a construção da longa cerca tornaria a fronteira mais segura ou não, até que, em setembro de 2007, tinham sido construídos não mais que trinta quilômetros de cerca e uma porta-voz do Ministério de Segurança Interna declarou finalmente que também "cercas virtuais" (como o projeto malogrado SBInet) estavam sendo colocadas em ação, conforme determinara a assim chamada "Secure Fence Act" [Lei da Cerca de Segurança], promulgada em 286 setembro de 2006. Finalmente, a construção tão anunciada da cerca na fronteira Estados Unidos- México com e çou a se r ins talad a e até o p resente um a linha de fron te ira de 1 60 quilôm e tros de com prim ento 287 já foi p ro te gid a por ce rcas. Do mesmo modo que na Europa, também nos Estados Unidos aumenta a preocupação sobre a maneira de impedir a entrada de refugiados antes que eles284terrompem o projeto da cerca na fronteira], publicado em Government Executive Magazine [Revista do poder285executivo], 7 de setembro de 2007, em http://www.govexec.com/dailyfed/0907/090707cdpml.htm. (NA). ThomasKleine-Brockhoff: Ground Zero in Arizona [Alvo localizado no Arizona], publicado em Die ZEIT [O tempo], 6 de abril de2006, N°. 15/2006, reproduzido na página eletrônica http://zeit.de/text/ online/2006/15/einwanderung. Veja também:www.minutemen.com. (NA). O termo é uma alusão aos civis engajados na luta pela independência dos Estados Unidos,que haviam assumido o compromisso de sair de suas casas um minuto após serem avisados, a fim de se apresentarem ao"Exército Continental" do General Washington. (NT).286Hildegard Strausberg: Mexikaner protestieren gegen die neue Mauer [Mexicanos protestam contra o novo muro],publicado em Welt online, 6 de outubro de 2006, na página eletrônica http:/www.welt.de/print-welt/articlel57609/Mexikaner_protestieren_gegen_die_neue_ Mauer.html. (NA). Fred Lucas: Border Fence "Very Doable"Engineers Say [Uma cerca ao longo da fronteira é "perfeitamente praticável", dizem os engenheiros.], CybercastNewsService [Serviço Noticioso Cibernético], 6 de setembro de 2007, publicado em http://www.cnsnews.com/ViewNation,asp?Page=/Nation/archive/200709/ NAT20070906a.html. (NA).287De acordo comum estudo publicado pelo PEW (Project for Excellencein Journalism) Hispanic Center [CentroHispânico do Projeto para Excelência em Jornalismo] em março de 2006, havia cerca de doze milhões de imigrantesilegais nos Estados Unidos, número aumentado anualmente por mais meio milhão. Esta imigração é praticamenteimpossível de conter, porque os imigrantes econômicos são trabalhadores baratos e bem recebidos em toda parte. O estudoassinala a seguir que 56% desses imigrantes sem abrigo legal são mexicanos e mais 22% provêm de outros países latino-americanos e 94% destes trabalham e ganham salários. De fato, a economia dos Estados Unidos tem necessidade destesilegais e de sua força de trabalho pouco dispendiosa, o que significa que, todas as medidas em contrário, seu número irá seampliando cada vez mais. O sociólogo Mike Davis afirma que a política de fronteiras não terá o menor efeito para impedira entrada da imigração ilegal, mas que, ao contrário, deveria conduzi-los a acampamentos de trânsito de onde seriamencaminhados diretamente para os mercados de trabalho. (NA).
  • 214. consigam atrave ssar as fron te iras te rre s tre s, de m odo tal que se to rne poss íve l expandir a fron te ira para o exte rio r. D e aco rd o com um re lató rio d a ag ência cató lica C aritas , os Estados Unidos estão solicitando cad a vez com m aior insis tência ao gove rno do M éxico que tam b ém re fo rce a seguran ça de sua fron te ira su l, porque um a quantid ade extrem am en te num erosa de m igran tes atrave ssa a fron te ira desim pedida com a Guatem ala, p rovenientes n ão s ó deste país com o de d ive rsas ou tras nações centro- am e ricanas e su l-am e ricanas, com a inte n ção de usar o te rritó rio m exicano com o espaço de trânsito para ingresso nos Estados Unidos. Med iante aco rd os bilate rais , com o o "P lan S ur" [P lano S ul] ou "La Repatriación Segura" [Repatriação com seguran ça] já fo ram estabe l ecidos no M éxico, m ediante financiam ento dos Es tad os Unidos, 41 cam pos onde os ile gais pe rm anecem p risioneiros enquanto aguard am 288 sua deportação para os países de origem . Na história recente, o tema dos imigrantes ilegais começou a chamar a atenção pela primeira vez depois de Ronald Reagan observar publicamente a existência de uma "invasão", afirmando que os Estados Unidos haviam perdido o controle sobre suas fronteiras, o que na época foi saudado como uma gafe presidencial. Mas seguiu-se a "Immigration Reform anã Control Act" [Lei de Reforma e Controle da Imigração], promulgada em 1986, que previa o fortalecimento da fronteira sul, multas aplicadas a quem desse emprego aos traba- lhadores ilegais, a captura dos imigrantes ilegais, mas também previa uma anistia para tais imigrantes, desde que pudessem comprovar ter permanecidonos Es tad os 289 Unidos durante tem po suficiente . Em 1994, o então governador republicano do estado da California, Pete Wilson, determinou por decreto que os invasores recebessem a devida atenção das agências estaduais, como escolas para seus filhos e amplos cuidados médicos. A realização de um plebiscito resultou em uma maioria favorável, mas suas consequências levaram a uma mobilização dos californianos de origem latino-americana, que se levantaram contra o plano e logo na eleição seguinte transformaram a Califórnia em um baluarte democrata. Os republicanos tiveram assim exposto drasticamente288Achim Reinke: Unterwegs in die Erste Welt [Caminhando para o Primeiro Mundo]: Boletim da Caritas International11/2006, conforme página eletrônica http://www.caritas-international.de/10567.html. (NA).289 Nicholas Parrott: Lãnderprofil - Die Vereinigten Staaten von Amerika [Perfil das nações - Estados Unidos daAmérica], Focus Migration 4/2007, em http://wviw.focus-migration.de/Die_Vereinigten_ Staat.l233.0.html, p. 2. (NA).
  • 215. d iante de seus o lhos, d ire tam ente pe la m anifestação dos latinoam e ricanos, que a im ensa m aioria d a população e ra contrá ria a um a po lítica que pare cesse hostilizar os im igran tes, m esm o no caso dos im igrantes ile gais, 290 que deu origem a um acirrad o debate o po lí tico. Este cabo de gue rra polí tico entre os dem ocratas , em sua m aioria libe rais, e a polí tica basicam ente conse rvadora dos re publicanos foi significativo o bas- tan te para esclare ce r que re al ente já se passavam m alguns anos desde que o consenso dom inante e ra o de que a po lítica de im igração tinha de se r re fo rm ad a, em bora nenhum conceito ideológico ab rangente e m uito m enos p rá tico tive sse aind a alcan çad o ace itação popular. Um a le i ap rovad a pe la C âm ara de D eputados norte -am e ricana em dezem bro de 2005, a o ficial ente m cham ada le i H . R. 4437(House o fRepresentatives Bill a 44371 09th. S ession [Le i n °. 4437 d a 1 09 . Sessão da Câmara de Deputados Federal]), denominada por extenso Border Protection, Anti-terrorism, and Illegal Immigration Control Act [Lei de Proteção às Fronteiras, Antiterrorismo e Controle da Imigração Ilegal] contemplava um regime de imigração mais duro; em maio de 2006, o Senado rejeitou uma proposta em favor da ampliação das oportunidades de trabalho dos ilegais e de suas possibilidades de naturalização e nenhum outro projeto de lei conseguiu até o presente obter a aprovação do Congresso norte-americano 291 neste sentido. A proposta supramencionada provocou já na primavera de 2006, os maiores protestos em massa registrados na história dos Estados Unidos. S om ent em Los Ange l a 25 de m arço desse e es, ano, entre m eio m il ão e um m il ão de pessoas se h h re uniram em um a dem onstração contrá ria a um agravam ento d as le is contra os im igrantes ile gais e tam b ém contra a constru ção d as ce rcas de p ro te ção 292 à fron te ira. Finalmente, foi apresentado ao Senado dos Estados Unidos, em junho de 2007, um projeto de290 Thomas Kleine-Brockhoff: Die Macht der Latinos [O poder dos latino-americanos], publicado em ZEIT on-line I . ode abril de 2005, conforme a página eletrônica http://zeit.de/text/online/2006/14/usa_immi-gration. (NA). Não obstante, opartido republicano recobrou o governo estadual em 2003, quando tomou posse o ator Arnold Alóis Schwarzenegger, umcidadão naturalizado de origem austríaca, que foi reeleito em 2006. (NT).291 Nicholas Parrott: Lãnderprofil - Die Vereinigten Staaten von Amerika [Perfil das nações - Estados Unidos daAmérica], publicada na revista Focus Migration 4/2007, disponível na página eletrônica http://www. focus-migration.de/Die_Vereinigten_Staat. 1233.0.html, p. 2. (NA).292 Netzwerk Migration in Europa [Rede de emigração para a Europa] (Editora), diversos: USA: Massenproteste gegenEinwanderungsgesetzte [Estados Unidos: Protestos em massa contra as leis da Imigração], publicado em Migration undBevölkerung [Migração e População] 3/2006, conforme a página eletrônica http://www.migration-info.de/migration_und_bevoelkerung/artikel/060308.htm. (NA).
  • 216. le i para re fo rm a d a polí tica de im igração que, ao lad o de um re fo rço técnico e aum ento do funcionalism o destinado a patru lh ar a fron te ira su l, tam b ém p ropunha 200.000 novos vis tos para trab alh ad ores tem porários e am pliava as possibilid ades de ocupação na econom ia, particu larm ente na á re a agríco la, m ediante293 ob tenção de pe rm iss ões de pe rm an ência a re gu lar. Os Refugiados e o Asilo Político Quem quer que sofra perseguições políticas em sua pátria pode solicitar uma permissão de viagem para os Estados Unidos; quem já se encontra em seu território e teme ser perseguido quando retornar a seu próprio país, pode solicitar asilo político. Em 1980 foi estabelecido pela primeira vez um limite superior para o número de refugiados, exatamente 231.700 pessoas por ano. Desde 2004, este limite foi reduzido para apenas 70.000. Na prática, a aceitação de refugiados ficou geralmente bem abaixo dos limites estabelecidos para o período. Durante a década de 1990, em média foram aprovados 100.000 dos formulários de solicitação de asilo; entre 2000 e 2006, o número caiu para a metade, via de regra, em torno de 50.000. Em 2006, foram aceitos legalmente nos Estados Unidos 41.150 refugiados; os principais países de origem foram a Somália (25%), a Rússia (15%) e Cuba (7,6%). Ao mesmo tempo, foi concedido asilo político a 26.113 pessoas, provenientes principalmente da China (29%), do Haiti 294 (12%), da Colômbia (11%) e da Venezuela (5,2%). Já no Canadá, entre 1995 e 2004, 46% dos refugiados apelaram para o direito de asilo, provenientes na maioria da China, Colômbia, República do Congo, Hungria, Índia, Irã, México, Nigéria, Paquistão e Sri Lanka. Entre 2002 e 2004, a maioria chegou do 295 México e da Colômbia. Em razão das crescentes difi- culdades de acesso através das fronteiras dos Estados Unidos, uma parte do fluxo migratório desviou-se dos Estados Unidos para o Canadá. Tanto a Europa como os Estados Unidos, em sua condição de países que apresentam o maior grau de293 Ibidem, p. 7. (NA).294 Ibidem, p. 5. (NA).295Jennifer Elrick, Länderprofil Kanada [Perfil das terras do Canadá], publicado em Focus Migration [Enfoque sobre aImigração], 8/2007, conforme a página eletrônica http://www.focus-migration.de/ Kanada.l275.0.html, p. 8. (NA).
  • 217. atração tanto para refugiados como para imigrantesilegais, seguem estratégias semelhantes, pelo menosem dois aspectos, para garantir a segurança de suasfronteiras. Por um lado as medidas de contenção nasfronteiras e o pessoal que trabalha na manutençãoda segu rança vêm sendoprogressivamente reforçados;por outro, existe uma tendência em ambos os pontospara tentar afastar o problema para além de suasfronteiras, se bemque esta tendência seja muito maisforte na União Européia que nos Estados Unidos. Emambos os casos, surgem fortes reações ao problemadas crescentes pressões migratórias e a questãopermanece em aberto sobre de que modoestas reaçõesse manifestarão quando estas pressões se tornaremmuito mais poderosas em função das consequênciasprovocadas pelas transformações climáticas. Fronteiras fora do Próprio TerritórioA transposição das fronteiras para o exterior pareceatualmente a prática mais efetiva e menos chocante,no sentido de que se destina a preservar a vida dosimigrantes ao mesmotempo em que impedeseu ingresso,semser necessário o emprego das forças de segurançaeuropeias como atores, den tre as que vêm sendoestudadas pelas autoridades da União Européia que seocupam com a gestão administrativa e com orepatriamento dos refugiados, uma vez que o problemados refugiados não somente atinge a socieda deeuropeia, como diariamente os cadáveres dos afogadossão recolhidos nas praias sicilianas e canarinas. Estaé a única alternativa que, pelo menosaparentemente,não relaciona uma política de defesa nacional com amorte dos refugiados; na maior parte das vezes, são defato acontecimentos sem ligação direta, embora estaúltima também constitua um problema para asautoridadesde segurança.Muitas das considerações a respeito do afastamentocias fronteiras derivam dos bastidores da política; umexemplo particularmente adequado é a situaçãoextraparlamentar da FRONTEX, que já executagrande número de tarefas de proteção. Convémobservar que entre as atividades de defesa dasfronteiras por ela empreendidas se encontra oplanejamento de como enfrentar um problema quecertamente se agravará durante os próximos anos -será necessário tomar desde agora medidas deprevenção contra uma das consequências centrais das
  • 218. variações climáticas: as migrações provocadas peloambiente.O alcance da fantasia é muito amplo no sentido deencontrar denomina ções interessantes para açõesindividuais ou manobras conjuntas, as quais comfrequência são buscadas na antiga mitologia grega -tais nomesfuncionam como eufemismosque não somenteindicamque as medidassão inofensivas, mas igualmentetrazem a conotação dos posicionamentos culturaistradicionais, o que ajudará a fortalecer o apoio àsatividades de defesa das fronteiras. Finalmente ocorreque esses paradigmas básicos inseridos na política defronteiras assinalem que o problema do infringimentopotencial de fronteiras deva ser afastado o maispossível para longe do continente.Mas não somente ocorre que a questão dosacampamentos e zonas de defesa despertem arecordação de infelizes precursores históricos - épreciso atender ao fato de o número destesacampamentos de trânsito já existentes e dos queestão sendo implantados significar que quase já existeuma disponibilidade para barrar os próximos assaltosdas torrentes de refugiados com o auxílio de violênciaindireta, uma violência que não será exercida pelaconfrontação direta entre as forças de segurançaeuropéias e o constante fluxo de refugiados, mas que,de uma forma ou de outra, será financiada e delegadaàs autoridades norte-africanas. O poder político eeconômicoserá dessemodopraticamente aplicado paraforçar países como Marrocos ou a Líbia, que jácooperam na construção e manutenção dosacampamentos, a empregarem a violência para aconservação dos refugiados em seu interior. Tantojurídica como moralmente, isso representa umafastamento da violência para uma esfera além doalcance de uma responsabilidade direta - isso significa,em termos práticos que, quando as autoridades ou oexército marroquino ou argelino abandonam osrefugiados no deserto que se estende além de suasfronteiras, esta ação se encontra além daresponsabilidade da política de segurança europeia;estas podem então se queixar calmamente dasinfrações cometidas contra os direitos humanos.Proporcionalmente à dimensãodas medidase ao númeropreocupante de refugiados, nos encontramos aquiperante um novo tipo de conflito,caracterizado peladelegação da violência e que, por este meio, gera umainocência técnica. Isto se torna possível apenas
  • 219. graças a um a o rganização com partilh ad a pe los países financeira, polí tica e te cnologicam ente bem dotados, que sentem ave rs ão pe lo em prego d a 296 vio lência e p re fe rem n ão se identificar com e la. Os atores visíveis são os refugiados, os "bandos de repressão" e os "administradores individuais" de pessoas, as autoridades africanas e talvez ainda as famílias financiadoras das investidas dos refugiados. As autoridades de defesa das fronteiras da União Européia apresentam-se neste cenário, principalmente como atores humanitários, que procuram impedir pela força a continuação das tragédias que diariamente ocorrem na travessia do Mediterrâneo ou do Oceano Atlântico. Embora aparentemente ninguém esteja pensando agora sobre as possibilidades contingenciais que provocaram o fluxo de refugiados climáticos, parece justo considerar que o encolhimento das áreas que apresentam condições de sobrevivência na África teve como causa original o processo de industrialização dos países desenvolvidos e que, por essa mesma razão, eles devam ser responsabilizados por isso. Mas segundo a opinião do WBGU (Wissenschaftlicher Beirat der Bundesregierung Globale Unweltverãnderungen [Conselho Consultivo Científico do Governo Federal Alemão sobre as Mudanças Ambientais Globais]), o equilíbrio entre a política climática e a política de segurança europeia pode ser tanto interpretado como favorável a uma política ambiental mais eficiente como a uma política de segurança muito mais enérgica. A psicologia social apresenta também aqui uma questão sobre até que ponto a opinião pública europeia, excitada pelo crescente sentimento de ame- aça provocado pela pressão migratória e as decorrentes necessidades de segurança, se voltará em favor da criação de uma política de defesa contra a imigração muito mais rigorosa. As opiniões manifestadas em favor de maior segurança e menos ênfase nos direitos humanos depois das diversas tentativas fracassadas ou exitosas dos ataques terroristas indicam que a sensação de ameaça contra a própria situação pesa muito mais sobre o desejo de que sejam articulados meios de defesa mais eficazes. A percepção de ameaças externas sempre gera coesão no plano interno.296 Heinrich Popitz: Prozesse der Machtbildung [Processos do Estabelecimento do Poder], Tübingen, 1976, pp. 9ss.(NA).
  • 220. Deste modo, as atividades da política dedesenvolvimento se dirigem mais para a defesa dasfronteiras por meiode medidasaplicadas fora da UniãoEuropéia, para não permitir o aumento da pressão jáexercida contra as fronteiras externas. Já se tornavisível na opinião pública a impressão do que asprevisões sobre as dimensões a serem atingidas pelasmassas de refugiados na metade do presente séculorealmente significarão caso se confirmem osprognósticos. Uma multiplicação por dez no númerodos refugiados significará um aumen decuplicado da topressão populacional externa sobre a estruturainterna das sociedades afetadas e deste modo iráoriginar a percepção de uma série de problemas queconduzirão à exigência de soluções.Os RápidosProcessosde Transformação da SociedadeO século 20 assistiu a uma longa série de rápidosprocessos de transformação social - por exemplo, arevolução russa de 1917, o período nacional-socialistana Alemanha e sua expansão pelos países vizinhos, asrevoluções sul-americanas nas décadas de sessenta esetenta, o dilaceramento da Iugos lávia e tantosoutros. Espantosamente, nem a sociologia, nem apolítica, nema ciência histórica dispõemde uma teoriaou sequer de conceitos para a descrição eesclarecimento destes processos de transformaçãosocial extremamente acelerados. Nesse mesmosentido,também é muito estranho que todos os que trabalhamdentro dos diversos setores dessas ciências e pensamarespeito de seus significados e abrangências, os quaisvivenciaram no mínimo um desses processos detransformação social extremamente acelerados, ecom eles literalmente ninguém que pertencesse àsdemais áreas de formação de opinião, nenhumpolítico,nenhum cientista, nenhum jornalista, calculou suaaparição e desenvolvimento. O colapso do blocooriental europeu se completou emum espaço de apenasalguns meses, considerando-se que, poucos dias depoisdos acontecimentos de novembro de 1989, suaestrutura interna começou a se esfacelar. Foi umfenômeno tal como o mundo nunca tinha contempladoantes, muito menos o espaço europeu. Nenhuma previ-são de transformações sociais desse tipo estavaincluída nas teorias de desen volvimento das sociedadesmodernas, nenhuma possibilidade nesse sentido foraimaginada e, portanto, absolutamente nada poderia
  • 221. ter sido previsto. Consequentemente, foi aplicada aetiqueta de "delírio" aos acontecimentos daqueles diassubsequentes ao assassinato do ditador romeno e desua espo sa, em que uma onda libertária correuavassaladoramente, fazendo com que o mundohabitado por 365 milhões de pessoas sofresse umamodificação completa da noite para o dia.A falta de uma teoria sobre os processos detransformação social que dinami am a si mesmos zdescarta a possibilidade de registrar astransformações da própria sociedade em seu início, afim de interpretá-las e, se for o caso, impe di-las. Apartir deste pano de fundo é sintomático que asociedade ocidental tenha realmente caracterizado ospaíses do leste europeu após 1989 como"sociedadesemrápida transformação", mas até hoje não tenhaentendido que as configurações internacionaistransformadas desde então, com todas as suasconsequências econômicas, sociais e ecológicas tenhamlançado igualmente os países ocidentais em umprocessode transformação social.Claramente, a maior parte dos processos detransformação rápida ocorre quando se iniciamprocedimentos violentos ou quando estão imiscuídos emprocessos de violência coletiva. Quando essavelocidade afeta o imaginário, como ocorreu naIugoslávia durante o processo de homogeneizaçãoétnica, no qual a sociedade inteira se envolveuabertamente emuma guerra brutal que desembocouemlimpeza étnica e assassinatos em massa, ou quandorealmente é observada, comono caso do incrivelmentecurto espaço de tempo em que a sociedade alemã seadaptou ao nacional-socialismo a partir de 1933,percebe-se como, na realidade, são praticamenteinexistentes a estabilidade e a indolência tãofrequentemente afirmadas da sociedade moderna comrelação à segurança de suas instituições e à suaorganização psicossocial interna.Por outro lado, torna-se compreensível não somenteque categorias analíticas como "sociedade" e "formasde governo" sejam abstratas, comprovando a rapidezcomque se modificam no curso de uns poucos meses, masque as pessoas concretas que compõeme formam essassociedadese vivem dentro dos parâmetros determinadospor suas formas de governo possamde uma forma tãoavassaladoramente rápida ajustar sua orientaçãomoral, seus valores e seus parâmetros deidentificação, juntamente como seu com portamento em
  • 222. relação a outras pessoas. Portanto, não existe nadade es pantoso que no caso de ameaças reais ouimaginárias o espectro de atitudes percebido possamodificar-se tão rápida e radicalmente. Não obstante,nes processo de transformação até que ponto uma teameaça é concreta ou abstrata exerce umainfluência importante. Quando uma coisa não pode serexibida, tampouco é possível defender-se contra ela eo controle da situação rapidamente é perdido. As Modificações Climáticas ExageradasAs modificações climáticas assumemdimensõesmaioresdo que seu tamanho natural, segundo muitos pontos devista. Este é o primeiro acontecimento de âmbitomundial realmente provocado pelo homem:é indiferentepor quem, onde ou quando as transformaçõesclimáticas foram influenciadas pelas emissões de gasespoluentes - as consequências desta influência podemespalhar-se por uma região totalmente diversa domundo e ser percebidas e prejudicar geraçõescompletamente diferentes. As causas iniciais e seusdesenvolvimentos se ampliam mutuamente por meio dasvariações climáticas - quem originou as causas eaqueles que terão de combater suas consequências nãosão contem porâneos. O problema com as tentativas defazer alguma coisa para interromper seusdesenvolvimentos é que são influenciadas por estairresponsabilidade prévia que neles se achaarticulada. A desproporção temporal, regional e bio-gráfica entre as causas originais e os resultadoscoloca o discernimento da responsabilidade no caminhoda atribuição legal de compromissos que é provocadopelo descaso com relação ao resultado de possíveiscatástrofes. E o resultado atual das variaçõesclimáticas é que suas modificações não podem serinfluenciadas imediatamente; o que se pode fazer, se éque algo irá ser feito, ainda não terá resultadosvisíveis - muito menos completos - pelo menos por umadécada - externamente, todos os esforços empreendidosaté agora foram realizados pela aplicação demétodos ainda mal compreendidos e destinados aretardar mensuravelmente o aumento daconcentração do dióxido de carbono na atmosfera,porém as geleiras continuam a derreter e os ursospolares estão morrendo apesar disso, enquanto osvalores marcados pelos termômetros continuam asubir.
  • 223. A desigual ade do peso d as consequ ências é a sua pior d d im ens ão, a qual re al ente n ão pode se r com pensada - m natu ralm ente n ão é poss íve l re assentar em ou tra parte do m undo a m etade d a população africana, aind a m ais quando se tom a em consideração que o povo de Bangladesh e os habitan te s do Ártico tam b ém veem seus espaços vitais e sua p róp ria sobre vivência am eaçados. D ife re n tem ente de catás tro fe s com o o tsunam i ocorrid o no N atal de 2004 ou o avan ço do fu rac ão Katrina no ve rão de 2005, as consequ ências d as variações clim áticas n ão se encontram em qualque r pe ríodo do passado e logo ou tras inundações e tu fõe s seguirão es tes p re cursores destruindo tan to os bens d as populações atingid as com o os p lanos e capacid ades d as o rganizações de combate a catás tro fe s. N ão obstan te , com o nos pode rem os com portar d iante decatás tro fe s conhecidas, m esm oque seus e fe itos aind a n ão te nham sido sentidos, quais com portam entos podem se r adequados quando através do m une: pe lo m enos algum as re giões já se es tão trans fo rm ando rad ical ente? Ace ita a cre n ça no m p rogresso do m undo ocidental, irm anad a com a convic ção de que é in útil lam entar pe lo que aind a n ão se pe rdeu, onde se encontra final ente um a m edida m razo áve l d a d im ens ão do p rob lem a? Q uais fo ram as consequ ências p ráticas desses e ventos para nossas p róp rias vid as? 297 As catás tro fe s técnicas, natu rais e sociais inesperadas e que, portanto superaram tanto os recursos previstos para acontecimentos desse tipo como a capacidade de defesa, já ocorreram. O acidente com o reator nuclear de Tchernobv em abril de 1986 foi uma catástrofe técnica porque, estatisticamente, de acorde com os cálculos e expectativas dos seus construtores, o derretimento de um reator atômico não 298 poderia ocorrer, e quando efetivamente ocorreu, foi encarada com perplexidade pelo mundo inteiro. Em primeiro lugar, o resultado foi que c inesperado aconteceu e, em segundo, que o mundo não tinha a297No sentido estrito, não existem catástrofes naturais, porque a natureza é totalmente indiferente ao que possaacontecer consigo mesma ou com os seres que nela habitam. Catástrofes somente ocorrem em lugares habitados ou queinteressam às pessoas e, portanto, de caráter apenas relativo à percepção humana, ocorrendo o mesmo com relação àconsciência da sobrevivência futura daquilo que a evolução tiver originado. É somente em consideração da diferença queapresentam para com as catástrofes antropogè-nicas que emprego aqui o adjetivo "natural". (NA).298Mais tarde, entretanto, se calculou que a possibilidade estatística de um tal acidente seria de uma vez em vinte milanos, mesmo considerando todos os reatores nucleares já existentes e tomando em consideração que eles possam se tornarbem mais comuns no futuro. Contudo, estes cálculos não ficaram muito claros para o público, no sentido de que umacontecimento tão improvável que só pode acontecer uma vez em vinte mil anos, poderá perfeitamente ocorrer amanhã enão nos vinte mil anos que se seguirão. (NA).
  • 224. m enor id éia de com o se pode ria enfre ntar um a catás tro fe desse tipo. Em te rce iro lu gar, um a coisa ocorrid a aqui pe la p rim eira vez, a consciência de que d anos am bientais com o a d issem inação de rad icais rad ioativos pe la atm osfe ra e seu dep ósito p rogressivo na te rra e nos m ares, o cham ado fall- ou t, n ão faziam a m enor d istin ção entre seus causadores originais e os afe tad os finais - um a ve z que largas re giões d a S u écia, Finlând ia, B áltico e Po lônia fo ram afe tad as pe la rad iação, porque o vento soprava nessa 299 d ire ção. * Contudo, o acidente de Tchernobyl não foi mais que uma rápida visão das consequências futuras de um desastre ambiental. Ademais, esse desastre serviu também para desfazer a fantasia de que a energia nuclear era controlável, como a daqueles que se preocupam em comer apenas alimentos ecológicos e ainda se gabaram alegremente do fato de que as estufas holandesas onde eram plantadas as hortaliças de que se nutriam não tinhamsido afe tad as pe lo fall- ou t, já que os hortigran j iros e biologicam ente contro lad os haviam re cebido doses de rad iação bas tan te baixas. Mas a m aior desm oralização d a consciência de seguran ça e de contro le dos habitan te s de um a civilização técnica foi a e vid ência d a pobreza e p rim itivism o d as solu ções ap lic áve is a um p rob l a que é um s ím bol u rgente d a em o exis tência de catás tro fe s técnicas que n ão s ão corrig íve is, com o ate s ta a capa de concre to ecologicam ente ris íve l que foi ap licad a ao red or do re ato r de rre tid o, e que já rachou re pe tid as ve zes, p re cisando re cebe r novos re ves tim entos m ais grossos e m ais re sis tentes. No caso de um a catás tro fe natu ral com o o m arem oto que le vou o tsunam i a re to rnar duas vezes no Natal de 2004, o com portam ento foi um pouco d ifere nte . Es te e vento tam b ém chegou de fo rm a inespe rad a, m as pode se r in te rp re tad o com o um ato do destino que, deste m odo s ó pode ria se r entendido com o ine vitáve l e incontro láve l - o que to rn ava o desastre m enos ve rgonhoso e desm oralizador, d ive rsam ente do fato d a causa original de um a catás tro fe tão grande te r sido um grande e rro, m as es túpido e pe rfe itam ente 300 e vitáve l, um a coisa p rovocad a por se res hum anos.299Contudo, o cientista Edward Teller, um dos membros do Projeto Manhattan e conhecido como o pai da bomba dehidrogênio, já havia previsto detalhadamente estas consequências na década de sessenta do século 20, sendo-lhe inclusiveatribuída a cunhagem do termo fall-out. (NT).300Para a elaboração e remoção dos sentimentos provocados por uma experiência catastrófica, os psicólogos fazem umaimportante distinção, a saber, se um acontecimento pode ser, em princípio, controlável, por exemplo, desviado ou afastado
  • 225. N ão obstan te , o tsunam i foi igual ente um a m catás tro fe de alcance global, n ão som ente porque a m édio p razo p rovocou consequ ências m eteoro lógicas por tod o o m undo, m as porque tan tos tu ris tas in te rnacionais fo ram atingidos por e l . S upe rou e rad ical ente a capacid ade de re ação dos países m afe tad os e destruiu o sentim ento de seguran ça que até então e ra pe rcebido pe las pessoas que em preendiam longas viagens. N a re alid ade, esta foi um a catás tro fe rem ediáve l, no sentido de que os m ortos fo ram ente rrad os e logo foi iniciad a a re s tau ração d as p raias e dos hotéis destru ídos. A catás tro fe social do Holocaus to já ficou m ais para trás , m as até ho j dem onstra seus e fe itos, pe lo m enos e no m undo ocidental. O fato de que a cu ltu ra cris tã- ocidental fosse capaz de p roduzir um crim e social desta m onta, que nem a lite ratu ra ou os p re gadores apocalíp ticos nem os polí ticos m ais c ínicos haviam p re vis to, pe rtu rb a até ho j , m ais de seis d écad as e depois de seu ence rram ento, quem m edita sobre o cará te r e a d ialé tica dos p rocessos d a civilização. Q ue as pessoas pudessem conside rar a re solu ção de um p rob lem a de um a fo rm a tão rad ical, m esm o em p rinc ípio, que d irá de fo rm a concre ta, que o êxito dos p lanos de exte rm ínio de m il ões de pessoas tive sse sido h fe s te jad o com o um sucesso, e ram possibilid ades que n ão se encontravam nem nas te o rias d a Mode rnid ade, nem 301 nas consciências dos habitan te s dos países atingidos. Contudo, também o Holocausto apresenta um caráter global, porque, durante a Segunda Guerra Mundial, em cujo decorrer foi planejado e executado, grupe; de vítimas de diferentes origens e nacionalidades foram levados ao extermínio (a maioria302 vítimas provinha das conjuntamente de vinte nações) e teve igualmenteou se é incontrolável, portanto um golpe inevitável do destino. (Veja Julian Rotter: Clinicai Psychology [PsicologiaClínica], Nova York, 1964. (NA).301 S41 * Não obstante, massacres semelhantes já ocorreram na história moderna, como a matança dos protestantesfranceses ou irlandeses, o extermínio dos cataros e outros grupos dissidentes pelos franceses, o assassinato de um milhãode judeus pelos espanhóis no século 16 etc, sem contar a destruição das civilizações ameríndias, também pelos espanhóis eassim por diante; na mesma época, o Tzar Ivan Grozny massacrou a população de Nijni-Novgorod sem motivo aparente,enquanto os turcos trucidavam milhares de cristãos às margens do rio Maritza. Se voltarmos um pouco atrás, veremoscomo os romanos destruíam sistematicamente as tribos "bárbaras" que enfrentavam, de passagem pelo extermínio dapopulação de Jerusalém pelos Cruzados ou o genocídio deliberado das populações da Ásia Central ou do Leste Europeupor hunos, mongóis e turcos, a limpeza étnica realizada na China pelos Han e tantos outros exemplos. (NT).302 Wolfgang Benz: Dimension des Völkermords. Die Zahl der jüdischen Opfer des Nazionalsozialismus [A dimensãodo genocídio. O número de vítimas judias do nacional-socialismo], München, 1996. (NA). Nem todas as vítimas eramjudias; centenas de milhares de ciganos também foram exterminados deliberadamente, além de outros "orientais", semcontar os campos de trabalhos forçados em que prisioneiros de guerra ou trabalhadores escravos eram recolhidos de váriasregiões da Europa. O mesmo vale para homossexuais e comunistas alemães ou de outras nacionalidades. O trânsito decentenas de milhares de trabalhadores escravos franceses, muitos dos quais morreram nos campos de trabalho, estáperfeitamente documentado e pelo menos um cidadão turco, que não era judeu, cigano, homossexual nem comunista
  • 226. uma influência global positiva, porque a legislação empregada para os Julgamentos de Nuremberg até hoje serve de jurisprudência para figuras jurí dicas anteriormente imprevistas e fez soar a hora do nascimento dos atuais conceitos sobre Direitos Humanos e do Direito Penal dos Povos. Mas neste caso as consequências sociais, políticas e psicológicas desta catástrofe realmente não são remediáveis, mais uma vez porque alguns de seusefeitos não podem ser curados - não somente tiveram um alcance internacional e uma influência transgeneracional, comoaspectos deste acontecimento social de extrema violência continuamente retornam. O Holocausto também é uma catástrofe social no sentido de que abalou permanentemente a confiança do mundo, ou no mínimo, a confiança da sociedadesecular ocidental em si mesma. Foi a primeira demonstração sistemática de que efetivamente, mesmo em um mundo racionalmente esclarecido, as pessoas seriam capazes de fazer tudo contra outras pessoas, desde que isto lhes parecesse de algum modo correto e racional, porque na falta de um compromisso de caráter transcendental a própria razão tem livre curso, sem que nada a possa limitar. As catástrofes técnicas, naturais e sociais podemser também altamente inconcebíveis; antes que elas aconteçam, não existem quaisquer padrões de referência dentro dos quais sua previsão possa ser enquadrada. As variações climáticas, emsua condição de um problema eco-social, pelo fato de estarem associadas de certo modoa estas grandes catástrofes que afetam as condições de sobrevivência, constituem uma ameaça de caráter global, suas consequên cias são imprevisíveis, os meios para seu controle completamente insuficientes e seus efeitos psicológicos totalmente desorientadores. Todos estes elementos contribuem para fortalecer o sentimento básico de impotência gerado pelas catástrofes provocadas por enchentes e borrascas, pela fome ou escassez de alimentos ou ainda pela destruição de megacidades. Em resumo: estamosli dandocomumproblema quantitativa e qualitativamente novo, para cujo combate não dispomos nem de um plano diretor nem de meios de controle. E uma reação psicológica constante perante aquilo que é ameaçador, para de algum modose ter a impressão de que o perigo é controlável é a defesa dodesfilou em Auschwitz, durante uma parada organizada pela fantasia do diretor a fim de homenagear as autoridadesnazistas visitantes, cada grupo nacional de prisioneiros com sua bandeira. (NT).conf. na pagina seguinte
  • 227. que é tid o com o norm alid ade: as pessoas reduzem a d isson ância cognitiva que é despertad a na consciência por um a am eaça incontro láve l, que r ignorando o pe rigo, que r calcu land o que se j bem m enor do que de a fato o é. As possibilid ades para alcan çar este re su ltad o s ão num erosas e ab rangem desde um ce ti- cism o com re lação às p re vis ões científicas até a busca de um novo e ixo de avaliação, tal com o o fato de que a hum anidade já sobre viveu a tan tos p rob le m as no passado, portan to, por que raz ão n ão h á de suceder o m esm o com re lação ao aquecim ento d a Te rra? Um a ve z que as consequ ências d as catás tro fe s sociais n ão afe tam tod os d a m esm am aneira e n ão raram ente re ve lem a incapacid ade dos gove rnos e adm inistrações que n ão saibam com o lid ar com e ventos inespe rados, a re lação d as ví tim as de um a catás tro fe e o c álcu lo dos p re j ízos com grande fre qu ência s ão seguidos de u saques, p ro tes tos m aciços, dem onstrações e tc. Isso aconte ceu ap ós a inundação de Nova O rle ans no ou tono de 2005 e n ão foi d ife rente ap ós a catás tro fe p rovocad a pe lo inc ênd io flo re s tal na G récia, durante o ve rão de 2007, nem tam pouco ap ós o te rrem oto ocorrid o no Pe ru em agos to de 2007. Até m esm o as m udanças de sis tem a podem se r p rovocad as por ocorrências am bientais - com o foi o caso d a queda d a d itadura de S om oza, transcorrid a na Nicarágua em 303 1 972 ap ós um te rrem oto. Em outras palavras: acontecimentos incontroláveis conduzem à revolta entre aqueles que mais sofreram suas consequências - as suas expectativas de defesa e de socorro da parte do estado foram frustradas e este desapontamentos e articula em protestos e, não raramente, em manifestações de violência. Os distúrbios se tornam tanto mais vigorosos quanto a própria catástrofe foi destruidora e realmente causou duros prejuízos aos atingidos, principalmente aos pobres que se vêem sem possibilidades de defesa ou de compensação pelos danos sofridos. Assim fervilha um potencial de violência que no caso de catástrofes futuras será ainda mais virulento, quanto mais estas venham a provocar efeitos assimétricos sobre a população. As catástrofes sociais destroem a realidade social: aquilo que anteriormente constituía os alicerces da303Elke M. Geenen: Kollektive Krisen, Katastrophe, Terror, Revolution - Gemeinsamkeiten und Unterschiede [Crisecoletiva, catástrofe, terror e revolução - Semelhanças e Diferenças], publicado em Lars Clausen et alii (editores),Entsetzliche soziale Prozesse [Os espantosos processos sociais], Münster, 2003, p. 15. (NA).
  • 228. vida diária, os parâmetros compreendidos come evidentes por si mesmos se demonstram subitamente indignos da confiança, neles depositada; as fontes de renda com que cada um contava até esse mo mento se tornam inúteis, ao mesmo tempo em que todas as regras costumei as perdema validade. O resultado é r um profundo "abandono da confiança em sua própria cultura, emsua capacidadede proteção contra riscos, além de uma desconfiança de tudo que havia sido anteriormente planejado, incluindo os comportamentos 304 sociais esperados dos demais". A redução do horizonte de planejamento, o estreitamento do espaço de liberdade de ação e a perda de toda a possibilidade de auto-compreensão po- dem desembocar diretamente na violência, em que não existe nenhuma instituição estável capaz de regulamentar ou controlar o conflito ou em que estas foram arrasadas por uma crise ou por um acontecimento incontrolável. As catástrofes, sejam técnicas, naturais ou sociais, sejam acidentes nucleares ou químicos, terremotos ou tsunamis, revoluções ou genocídios, dentro de um espaço de tempo espantosamente curto podem conduzir à instabilidade das regras e à estabilidade das exceções. De forma semelhante, a civilização moderna se preocupou, mediante comparação com soluções anteriores, em coordenar os comportamentos de pro- dução e de relações sociais, a fim de tornar as maneiras de viver cada vez mais flexíveis e obter a cumplicidade dos modelos de relacionamento. Com a exceção de indivíduos instáveis, a vida nos parece hoje em dia controlada por instituições relativamente confiáveis e permanentes e, via de regra, realmente é assim. Seja como for, no processo de modernização existem muitos meios de obtenção de uma previdência ou estabilidade colocados diretamente à disposição do que deles necessitarem - os cuidados de saúde e as aposentadorias dos velhos não são mais uma tarefa incumbente à família, mas se tornaramre sponsabilid ade do sis tem a de p re vid ência social; a re solu ção de conflitos n ão é m ais um a atribuição dos clãs ou d as fam ílias , m as um m onop ólio do estado e de seus ó rg ãos; o contro le dos riscos de assaltos e acidentes foi assum ido pe los se rviços de seguran ça. Estes s ão p rocedim entos norm ais em sociedades funcional ente d ife renciad as e estas m de l ções de re sponsabilid ades para ins tituições ega304Ibidem, p. 6. (NA).
  • 229. governamentais são garantidas durante situações de normalidade, quando tudo corre conforme esperado, mantendo-se a continuidade, a estabilidade e a planejabilidade. O lado avesso destes desenvolvimentos surge porém quando a cadeia de ação entre medidas, intervenções e consequências demora mais a ser posta em prática e surge a possibilidade de realmente não estar funcionando mais, ou seja, que "as estruturas de saúde, transporte, comunicações e outras in- fraestruturas idealmente típicas que constituem o alicerce subjacente ao sistema de funções corrente 305 tenham sido interrompidas". No caso de crises, estas garantias podem ser rapidamente expostas como quimeras - e crises são aquelas situações percebidas subitamente, quando realmente tudo parecia estar funcionando normalmente, dentro dos parâmetros habituais da sociedade. O alcance costumeiro dos serviços conjuntos fornecidos pela sociedade se torna em um piscar de olhos sua visível negação - especialmente em catástrofes públicas que "se mesclam de forma sistemática nos comportamentos cotidianos e misturam riscos e perigos nos atos mais 306 comuns da vida diária". O efeito de impotência consequente, provocado pela insegurança, percepção do fracasso da sociedade e reações de pânico etc., que torna ainda mais difícil ou deixa totalmente impossível o retorno à normalidade, surge sem tardar - proporcionalmente às dimensões da própria catástrofe, a lógica corrente perde seu efeito e desaparecem os sentimentos de ordem interna, quanto mais clara for a percepção do acontecimento externo. Quando esta se torna grande o bastante, ninguém sabe o que poderá acontecer. De forma semelhante, mais de duas gerações se acostumaram com a paz e a prosperidade nos países ocidentais, e deste modo consideram a estabilidade como uma coisa normal, e a instabilidade se acha excluída de suas perspectivas. Quando as pessoas despertam para um mundo onde não há guerras, em que a infraestrutura não é destruída por terremotos ou onde não existe fome, passam a imaginar que atos maciços de violência, caos e pobreza sejam um problema que somente acontece com os outros. Os padrões de referênciaconstru ídos em fases de re lativa305 Ibidem, p. 12. (NA).306 Ibidem, p. 12. (NA). 344
  • 230. es tabilid ade deixam de funcionar em m om entos de crise ou de catás tro fe , talve z até m esm o em pe ríodos de exce ção re lativam ente pequenos, com o em p resen ça de inc ênd ios flo re s tais ou enchente s. É por isso que em tais re giões, cad a vez que os rios inundam as m argens 307 se com e ça a falar na "e nchente do s écu lo". Isto também traz o perigo de a formação de um potencial para uma rápida adaptação social não vir a surgir no momento em que surge uma situação em que ela venha a se tornar necessária. Deste modo, as pessoas que viveram antes de 1989 na República Democrática Alemã (oriental) e na República Federal Alemã (ocidental) alimentavam a pressuposição de que nenhuma transformação radical dos comportamentos sociais poderia ocorrer em qualquer desses países então independentes; muitos judeus alemães não acreditavam na possibilidade de uma deportação até o momento em que foram transportados ou conduzidos às estações ferroviárias; e as pessoas que moravam nas proximidades do reator atômico de Tchernobyl sempre haviam acreditado – como, aliás, seu governo declarava ser indicado pelas pesquisas - que estivessem em segurança, e tanto menos sensação de insegurança elas sentiam quanto 308 mais perto vivessem do reator atômico. Quanto mais imprevisível é um perigo, tanto maior é a quantidade de dissonância cognitiva percebida e conseqüentemente tanto maior a necessidade de sua redução pelos processos psicológicos como indolência, repressão ou outros mecanismos de defesa. Dificilmente as pessoas conseguem conviver com perigos incontroláveis sem serem afetadas. A flexibilidade demonstrada pelos seres humanos diante de condições ambientais transformadas depende de sua conexão com os parâmetros culturais - as307 Até mesmo a maioria dos sociólogos vive e se comporta de acordo com a crença de que o mundo é perfeitamenteestável, por isso não é de espantar que suas teorias não consigam prever a quebra de sistemas inteiros, a irrupção deextrema violência ou a transposição dos comportamentos sociais em parâmetros totalmente novos e os denominem de"fenômenos de exceção" quando as coisas ocorrem diversamente do que haviam calculado. Ao passo que osoceanologistas, meteorologistas e paleoarqueólogos não têm qualquer problema em criar modelos para desenvolvimentosproblemáticos, seus colegas nas ciências sociais ou culturais claramente têm dificuldade para investigar os significadossociais de uma elevação de dois graus na temperatura média do planeta ou de uma elevação da superfície dos oceanos daordem de quinze centímetros. A razão disso é simples. Eles fazem parte do mundo que se ocupam a estudar cientificamentee, desse modo, evitam os temas que possam desencadear sentimentos de ameaça, inquietação, insegurança e perda decontrole. (NA).308 Isso ocorre quase sempre quando existe a possibilidade de um desastre. Um estudo realizado sob o ponto de vistado vazamento na Usina Atômica de Three Mile Island assinalou que as pessoas, quanto mais perto morassem do referidogerador atômico, mais acreditavam na segurança das instalações, duvidando da possibilidade da ocorrência de qualqueracidente grave. Elliott Aronson: Sozialpsychologie. Menschli-ches Verhalten und gesellschaftlicher Einfluss [PsicologiaSocial: Os comportamentos humanos e a influência social], München, 1994, p. 244. (NA).
  • 231. novas ge rações já encontram os conhecim entos e te cnologias que seus an tepassados desenvolve ram e já podem contar com estratégias de solu ção dep rob l as 309em nos n íve is es tabe l cidos pe la ge ração an te rio r. Mas e o que ocorre nas teorias que se ocupam com este aspecto fascinante da vida humana e que pode ser facilmente descurado é o problema de que, inseridos nos padrões desta coevolução social, não somente se desenvolvem estratégias evolucionárias exitosas que atravessam as gerações e se difundem através do mundo, mas também erros e falhas que igualmente se propagam e perpetuam. Deste modo surge uma consequência a curto prazo, isto é, a elevação rápida o bastante para tirar o fôlego dos níveis de segurança e dos padrões de vida nos países que inicialmente se industrializaram, cujo desenvolvimento se baseou no consumo de recursos naturais não-renováveis e que, se continuar crescendo desta forma, somente nos pode conduzir a um desastre a médio prazo. Se todas as sociedades humanas existentes nos países em desenvolvimento seguirem o caminho da industrialização moderna, empós o princípio do melhoramento do bem-estar social por meio do aproveitamento e consumo desses recursos, muito rapidamente será atingido seu esgotamento natural. Todavia, as pessoas são constituídas psicologicamente de tal forma que, ao lhes serem propostas modificações abruptas em sua maneira de viver que possam interpretar como sendo prejudiciais à manutenção de seus padrões atuais, se demonstram abertamente contra elas. Surgem aqui dois aspectos psicológicos interrelacionados: quando as pessoas têm de enfrentar um grande problema de sobrevivência contra o qual não há muito que possam fazer, se deixam levar pelo sentimento anacrônico das experiências anteriores vivenciadas em um período em que não existia instabilidade do mundo e a necessidade de reduzir a sensação de dissonância cognitiva. De acordo com Norbert Elias esta indolência funciona por meio de uma permanência das atitudes habituais subjacente ao desenvolvimento futuro de uma realidade indesejada, impedindo que a transformação social corresponda a 310 uma transformação do andamento perceptivo. Nós309 Michael Tomasello: Die kulturelle Entwicklung menschlichen Denkens [O desenvolvimento cultural do pensamentohumano], Frankfurt am Main, 2002. (NA).310 Norbert Elias: Die Geseílschaft der lndividuen [A sociedade dos indivíduos], Frankfurt am Main, 1987, p. 219.(NA).
  • 232. aind a som os o que acred itávam os se r ontem , conform e escre veu G ünte r Ande rs, is to é, nossas pe rspectivas n ão se acham sincronizad as com a m odificação dos pa- 311 d rões am eaçadores. Anders define a "cegueira apocalíptica" como a incapacidade de aceitar perigos reais de grandes proporções e a potencialidade parare agir consoante "a cre n ça ancestral e 312 im agin ária do p rogresso au tom ático d a his tória ". O lado oposto desta inércia contra a aceitação dos processos de transformação e da incapacidade de avaliar suas dimensões é o fenômeno das shifting baselines [linhas básicas em transformação] em que as percepções e suas interpretações se desviam imperceptivelmente passo a passo com uma realidade em transformação. PESSOAS TRANSFORMADAS DENTRO DE REALIDADES ALTERADAS Dentro do deslizamento constante do presente é difícil determinar se nos encontramos em um ponto crítico de desenvolvimento, em que nível uma diferenciação se torna irreversível ou em que ponto de seus efeitos uma estratégia se transforma em catástrofe. Em que momento estes pontos e este nível foram atingidos na Ilha de Páscoa? Em retrospecto, podemos dizer; no momento em que tantas árvores foram derrubadas, que a regeneração natural dos bosques se tornou impossível. Mas naquele determinado momento, sobre aquela ilha determinada, provavelmente não se podia saber disso. O conhecimento ambiental utilizável e os padrões mentais de referência que devem funcionar conjuntamente na apreensão do mundo, realmente não estavam sincronizados de tal modo que as pessoas percebessem313 que havia uma maneira melhor de procederem. No mesmo sentido, quando Jared Diamond questiona o que teriam pensado os ilhéus pascoanos quando abateram a última das árvores, se encontra em uma apreensão psicológica falsa: porque a conexão não se encontra no final de um processo de destruição, mas no ponto em que ninguém ainda podia perceber que suas ações eram destrutivas.311 Günter Anders: Die Antiquiertheit des Mensehen [A Conexão do Ser Humano com seu Passado], Mün-chen[Munique], 1987, p. 278. (NA).312 Ibidem, p. 277. (NA).313 Stephen Jay Gould realizou várias pesquisas com o objetivo de identificar as razões por que as pessoas não podementender um determinado ponto de vista diferente do seu (veja, por exemplo, Stephen Jay Gould: Die Lügensteine vonMarrakesch [As pedras falsas de Marrakesh], Vorletzte Erkundungen der Na-turgeschichte [As mais recentes descobertasda história natural], Frankfurt am Main, 2003). (NA).
  • 233. A catástrofe social da Ilha de Páscoa não começou noinstante em que a última árvore foi abatida, do mesmomodo que o Holocausto não foi iniciado pelainstalação da primeira câmara de gás em Auschwitz.As catástrofes sociais principiam no momento em quefalsos critérios de diferenciação são adotados - ouseja, no momento em que as regras de distinção e deposição social adotadas pela sociedade da Ilha dePáscoa sobre o aproveitamento da madeira para aprodução das esculturas conduziram a um ponto em queo retorno não era mais possível ou quando as regrasde exceção baseadas em uma pseudociência queafirmava a dissimilaridade dos habitantes daAlemanha interromperam i aplicação das leis e daordem vigentes. Todavia - para permanecermos noexemplo do Holocausto - como poderiam ter sidoconhecidos, nesse determinado ponto do tempo, quaisteriam sido os efeitos finais sobre os judeus, numaépoca em que ninguém ainda havia pensado em nadatão bizarro como a criação de campos destinadosespecialmente ao extermínio de seres humanos? Linhas Básicas em TransformaçãoHouve violentas tempestades, mas não caiu qualquerchuva sobre as florestas tropicais. Nas florestasressecadas de Bornéu, do Brasil, do Peru e da Tan-zânia, da Flórida e da Sardenha espalharam-seincêndios florestais de uma vastidão e impetuosidade,nunca antes conhecidas. A Nova Guiné assistiu a piorseca em cem anos e milhares de seus habitantesmorreram de fome. A África Oriental sofreu ainundação mais arrasadora em cinquenta anos -embora permaneça cercada pelas zonas áridas.Uganda foi o país em que o ambiente foi afetado pelomais longo período de tempo e até mesmo a maior parteda zona desértica ao norte foi submersa pelas águas.A maior parte dos rebanhos das tribos nômades daMongólia morreu durante uma onda de frio inesperada,enquanto no Tibete caíam tempestades de neve comonão se viam havia cinquenta anos. Nas zonas áridasda Califórnia avalanches de lama arrastaram casaspelos rochedos.No Peru, uma faixa costeira em que frequentementenão havia precipitações pluviais o ano inteiro foiinundada pelas chuvas e um milhão de pessoas ficaramdesabrigadas. O nível da água no Canal de Panamábaixou tanto, que não foi mais praticável para navios
  • 234. de m aior calad o. S araivad as de rre te ram e p rovoca- ram grandes to rre n te s através dos estados norte - am e ricanos d a Nova Inglate rra e d a p rovíncia canadense de Q uebec, de tal m odo que m il ões de h pessoas passaram um a sem ana sem luz ou ene rgia e létrica. Na Indon ésia se pe rde ram as colhe itas dos cafe zais, em Ugand a flo re s tas in te iras fo ram desarraigad as e no Pac ífico O riental a pesca foi in te rrom pida. Um aquecim ento incom um dos oceanos destruiu as algas , os corais pe rde ram as cores vivas , os re cifes ficaram expostos pe lo re cuo d as águas, particu larm ente nos oceanos Ind ico e Pac ífico, deixando para 314ás os esque l tos descorados dos tr e anim ais m ortos." Este é um relato de um futuro possível, quando a média do aquecimento mundial se elevar apenas mais um grau, digamos em 2018? Infelizmente esta suposição é falsa: todos os acontecimentos aqui registrados ocorreram no passado, em 1998 e foram provocados pelos efeitos de um fenômeno meteorológico denominado El Nino. Tampouco constituem uma previsão dos efeitos do aquecimento global, porque já se sabe que as variações climáticas influenciarão El Nino de modo tal que seus efeitos futuros serão muito mais frequentes e devastadores. Os acontecimentos de 1998, que se repetiram em grau menor durante os anos de 1999, 2000, 2001 etc., assinalam acima de tudo a capacidade de esquecimento desenvolvida pelos seres humanos com relação a catástrofes pelas quais eles mesmos não foram afetados, mas de que tiveram notícias exclusivamente pelos meios de comunicação. Em retrospecto, numerosas catástrofes de nível médio ocorreram nos últimos dez anos - um incontrolável incêndio florestal em Bornéu, que deixou a capital provincial, Palangkaraya, coberta de fumaça durante um mês, entre o final de 1997 e o início de 1998 e liberou entre oitocentos milhões e 2,6 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono na 315 atmosfera. Outra delas foi uma série de tornados que assolaram Oklahoma em 1999, deixando um rastro de quarenta mortos e 675 feridos e um prejuízo de 1,2 bilhões de dólares. Especialmente espetaculares foram os furacões: o denominado Mitch matou mais de dez mil pessoas na América Central em 1998; em 2005, pela primeira vez uma cidade ocidental ficou314Fred Pearce: Das Wetter von Morgen. Wenn das Klima zur Bedrohung wird [O clima do amanhã: Quando ascondições atmosféricas constituírem uma ameaça], München, 2007, p. 39. (NA).315Ibidem, p. 99. (NA).
  • 235. subm ersa, quando Katrina assolou Nova O rle ans; nom esm o ano, Wil a estabe l m eceu três re cordes: sendo ovig ésim o segundo fu rac ão dessa es tação, alcan çoum aior fú ria que tod os os vin te e um an te rio res; foi om ais fo rte fu rac ão a avassalar a cos ta atlân ticados Es tad os Unidos e aind a o causador de m aioresp re j ízos, te ndo alcan çad o m ais de 29 bilh ões de ud ólare s.Esse tipo de acontecim entos m e teoro lógicos extrem osn ão é absolu tam ente novo, porém sua fre qu ência ed im ens ões se am pliaram m uito nos anos m ais re centes.N ão obstan te , e les pare cem para as populaçõese ventos pe rfe itam ente norm ais, e a sua in tensid adeincom um é atribu íd a m uitas vezes a exage ros dosnoticiários. As pessoas se acos tum am a conside rar"natu rais " coisas que na re alid ade, têm m uito pouco ave r com a natu re za.N ÚMERO D E O CORR ÊNCIAS N ATURAIS EXTREMAS EPARTE D AS C AT ÁS TROFES LIG AD AS AO C LIMAENTRE 1 900 E 20056001900 19 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 101990 2000F o n te :E M -D AT *( B a n c o d e D ad o s I n te rn a c i o n +a l d a O F D A * * /C R E D ) , U C f- B r u x e l a s ( http://www.em-dat.net.
  • 236. a c e s s ad o e m 3 d e a b ri l d e 2 0 0 6 . S hifting base lines [Linhas b ásicas em trans fo rm ação] - es te é o nom e atri bu ído pe la psicologia am biental ao fe n ôm eno fascinante m anifestado pe los se res hum anos que sem pre conside ram seu posicionam ento com re lação ao m eio am biente com o a posição "natu ral" corre spondente às expe riências passad as ao longo de suas vid as. As trans fo rm ações em seu am biente social e fís ico n ão s ão absolu tam ente pe rcebidas, m as sem pre conside rad as a partir do seu ponto de obse rvação atu al. D este m odo, as ge rações que vivem no p resente têm som ent um a im press ão vaga ou abs trata n ão e apenas d aquilo que foi enxe rgado pe las ge rações an te rio res e as le vou a construir o m undo p resente e a es tabe l ce r suas in frae s tru tu ras , com o tam b ém do que e significa vive r em um am biente natu ral - por exem pl o, n ão fazem ideia que os locais onde atu al ente se m p ratica a agricu ltu ra ou pas tam os anim ais dom ésticos fo ram ob j to de desm atam ento s écu los e atrás , o riginando um p rob l a de e ros ão na Europa em Central desde o grande ap rove itam ento d as 316 rras te devolu tas ocorrid o durante a Alta Id ade M éd ia. Mas não é necessário olhar tão para trás para observar um espaço de tempo em que não se observaram modificações - via de regra, bastaria a uma geração observar os registros das ações da geração anterior para descobrir maciças transformações na percepção do mundo. Foi o que fez, consoante narramos acima, um grupo de ecologistas, que pesquisou na Califórnia a forma como os pesca- dores percebem suas áreas de pesca e a quantidade de suas pescarias durante um certo espaço de tempo, comparando as opiniões de várias gerações. Até agora, esta parece ser a única pesquisa empírica sobre as variações perceptivas do meio ambiente, e seus resultados são surpreendentes. Os pesquisadores compararam os resultados obtidos mediante questionários preenchidos por meio do interrogatório de membros de três gerações de pescadores, indagando quais cardumes haviam diminuído de tamanho, segundo sua opinião, quais as espécies principais capturadas em suas redes, qual a quantidade de pescado e o tamanho dos maiores peixes que já haviam trazido para bordo de suas embarcações. Os três grupos pesquisados eram316 Joachim Radkau: Notar und Macht. Eine Weltgeschichte der Umwelt. [A natureza e o poder: História mundial domeio ambiente], München, 2000, pp. 164ss. (NA).
  • 237. compostos por integrantes das faixas etárias de 15 a 317 30 anos, de 31 até 54 e de mais de 54 anos. Oitenta e quatro por cento dos dos entrevistados afirmaram que, sem a menor dúvida, os cardumes haviam se re- duzido, mas muitos faziam uma ideia apenas aproximada de quais espécies de peixes não se encontravam mais. Os pescadores de mais idade nomeavam onze espécies que haviam desaparecido, os membros do grupo médio lembravam de apenas sete, enquanto os mais jovens recordavam unicamente de duas espécies que haviam 318 cessado de aparecer em suas redes. Os mais jovens tampouco faziam a menor ideia de que nos bancos em que pescavam diariamente, não muitos anos antes existiam enormes tubarões brancos (Carcharodon carcharías),peixes-judeus (Epinephelus 319 itajara) [garoupas] ou mesmo ostras perlíferas. Seus próprios resultados eram a comprovação do que existia nos bancos de pesca. Os pescadores mais velhos recordavam que antigamente não precisavam viajar tão longe para enchersuas redes, enquanto agora p re cisavam navegar até o alto -m ar para ob te r re su ltad os que apenas se ap roxim avam dos an tigos. No caso dos entre vis tados m ais jo ve ns, ningu ém tinha expe riência pessoal de que se pudesse re alm ente pescar nas p roxim idades d as cos tas e conside ravam que es tas áre as cos te iras podiam te r sido esgotad as por excesso de pesca p red atória. Em outras palavras : dentro de seus pad rões de re fe rência n ão exis tiam peixes nas p roxim idades d a cos ta. O s com andantes de barcos esportivos que haviam trab alh ad o na d écad a de 1 930 declaravam que a re gião do Golfo d a C alifó rnia e ra m agn ífica para pesca com anzol, onde e ra poss íve l cap tu rar sem grande d ificu l ade enorm es garoupas. Q uando os d pescadores m ais ve lhos e ram in te rrogad os, afirm avam que nos anos cinquenta ou até m esm o nos anos sessenta tinham podido pegar d iariam ente até vin te e cinco desses grandes peixes em suas re des, que nos anos se tenta e oite nta s ó cap tu ravam uns dez ou doze por d ia e que, final ente , nos anos noventa, o m áxim o que m encontravam e ra um , Enquanto quase tod os os pescadores m ais ve lhos ou os do grupo inte rm ed iário317 Andrea Sáenz-Arroyo et alü: Rapidly Shifting Environmental Baselines Among Fishers of the Gulf of California [Arápida mudança das bases de comparação ambientais entre os pescadores do Golfo da Califórnia], Proceedings ofthe RoyaiSociety [Atas da Sociedade Real], 272/2005, p. 1960. (NA).318 Ibidem,^. 1.959. (NA).319 Os "peixes-judeus" 339 [itajará] são uma subespécie das garoupas, chamados pelos americanos de "GoliathGroupers" e podem chegar a um metro de comprimento e pesar mais de 45 quilos. (NA).
  • 238. tinham capturado garoupas, menos de metade dos mais moços podiam dizer o mesmo, a maioria nem sequer havia visto um desses peixes. Mas a conclusão mais assombrosa: apenas 10%dos pescadores jovens acre- ditavam que espécies de peixes tivessem realmente desaparecido da região, 320 maioria achava que nunca a haviam existido na área. Também proporcionalmente com a idade são relatadas pescarias não só em quantidades cada vez menores, mas também em que diminui progressivamente o tamanho dos peixes capturados. Os autores do estudo, um grupo de ecologistas de ambos os sexos, concluem que estas rápidas modificações na percepção do ambiente explicam por que a maioria das pessoas aparentemente não se dá conta do recuo da diversidade biológica: segundo suas próprias percepções, isso não sofreu grandes mudanças, porque contemplam a diminuição da multiplicidade da fauna segundo seus próprios pontos de referência em 321 transição. Estas descobertas são naturalmente deprimentes para os ecologistas e significam para eles a necessidade de uma atitude ainda mais enérgica na proteção das esp écies que, segundo o ponto de vis ta desses cientis tas , pare ce cad a ve z m ais u rgente e , portan to deve se r inse rid a rapid am ente entre as p reocupações d a vid a d iária. O s psicólogos sociais conside ram este es tudo um exem pl extrao rd in ário de com o a avaliação d as o pessoas com re lação às m udanças de seu am biente se m odifica tam b ém rap id am ente - é com o se fossem dois trilh os, que correm parale lam ente na m esm ad ire ção e que pare cem estar im óveis com re lação um ao ou tro. A transição d as linhas b ásicas de pe rcep ção ap resenta natu ralm ente as suas consequ ências no que se re fe re aos que as pessoas pe rcebem com o perigos e valo rizam com o p re j ízos e exe rcem um e fe ito m uito u im portan te sobre o que é conside rado norm al ou n ão. A transição d as linhas b ásicas de pe rcep ção n ão se reduz unicam ente à esfera do am biente biológico, talve z e la se m anifeste m uito m e l com re lação aos hor pad rões de re fe rência dos p rocessos sociais. Q uando nos re cord am os d a vaga de p ro tes tos e m anifes tações320Andrea Sáenz-Arroyo et alii: Rapidly Shifting Environmental Baselines Among Fishers of the Gulf of California [Arápida mudança das bases de comparação ambientais entre os pescadores do Golfo da Califórnia], Proceedings of theRoyal Society [Atas da Sociedade Real], 272/2005, p. 1960. (NA). Além disso, as percepções relativas às modificações doambiente já se tornam visíveis no que se refere a símbolos. Chegou-se a afirmar que a bandeira do estado da Califórniasomente mostra um único urso, porque321antigamente esses animais eram muito numerosos nessa região, enquanto agora raramente são vistos. (NA).
  • 239. que pe rcorre u a Alem anha no in ício d a d écad a de oitenta do s écu lo 20 a p rop ósito d a re alização de um re censeam ento pe los gove rnos dos es tad os fede rados d a época e os acirrad os debates que então surgiram sobre tem as com o "a vigilância de um estado to talitá rio " e os "cid ad ãos de vid ro " e a com param os com a despreocupação atu al dem onstrad a p raticam en- te por tod os sobre o em prego de cartõe s de créd ito, te le fones ce lu lare s, corre spond ência e l trônica via e in te rne t e tc., podem os em pregar es te exem pl em m uitos o sentidos com o um a dem onstração d a transição d as linhas b ásicas de pe rcep ção dentro do âm bito social. C ad a usu ário desses m eios te cno lógicos deixa ras tros e le trônicos pe rfe itam ente traçá ve is sobre seus negócios, que podem se r re constru íd os quase ins tan tane am ente por p rogram as de espionagem e le trônica e a p rivacid ade dos assuntos pessoais m ais ín tim os foi desta fo rm a to talm ente m odificad a. Mas p raticam ente ningu ém p ro tes ta, nem sequer se sente to lh id o em seus d ire itos pessoais, e m uito m enos se conside ra um cid ad ão ou cid ad ã "d e vid ro", o que é re al ente bas tan te fácil de entende r, porque n ão se m es tá lid ando aqui com um aum ento vis íve l d a transparência, m as com o um e fe ito co late ral d as inovações te cnológicas em to rno de cate gorias com o au tode te rm inação info rm ativa, p ro te ção de d ados ou d ire itos pessoais que, ao se rem encarad as sob a pe rspectiva de um usu ário, n ão pare cem exe rce r ne- nhum pape l im portan te sobre sua p rivacid ade. A te cnologia aum entou as possibilid ades de com unicação que, por sua ve z, conduziram a im portan te s m odificações norm ativas e es tas, inse rid as no p rocesso de desvio inconsciente de pontos de re fe rência, n ão pare cem te r um grande alcance. A transição d as linhas b ásicas de pe rcep ção no cam po social pe rm ite em re trospecto a ace itação d a trans fo rm ação d as norm as de conduta dentro do am biente d as le is tácitas d a sociedade com o foi, de ce rto m odo, tam b ém em re trospectiva, a ace itação d a re s tau ração d as Bundeswehr [D e fesa Federal], as 322 fo rças arm ad as alem ãs. * Visivelmente este é um322As forças armadas alemãs tinham sido dissolvidas após a Segunda Guerra Mundial, durante o período inicial daocupação interaliada, em que até mesmo as atividades de polícia eram exercidas pelas Polícias do Exército dos paísesencarregados de cada um dos quatro setores. Depois que se constituiu a Alemanha Federal, a opinião pública era contráriaà renovação das forças armadas, embora os Estados Unidos fossem favoráveis, considerando que a Alemanha Democrática(oriental) já formara um exército de terra sob comando da União Soviética; mas os alemães preferiam que os norte-americanos se encarregassem da defesa do país, em que conservam bases militares e instalações de mísseis até hoje;contudo, quando o governo federal decidiu constituir um pequeno grupo inicial, houve grandes protestos, por mais que seafirmasse que eram apenas forças de defesa, até que, com o passar do tempo e o apoio norte-americano, foramreconstituídos o exército, a aeronáutica e uma marinha simbólica. Contudo, a Alemanha tem-se recusado a participar de
  • 240. tema restrito, mas de morado demais para ser discutido aqui em profundidade. Muito mais claros são os exemplos da esfera biológica: assim os gastos com a defesa ambiental e a elevação dos custos da energia nas últimas décadas conduzi am ao desenvolvimento de r veículos automotores consideravelmente mais eficientes, ao mesmotempo que a preocupação com a segurança e necessi ades de demonstração de posição d social tornavam os automóveis cada vez maiores e mais caros. As consequências foram um continuo aumento do espaço de movimento dos êmbolos e da potência dos motores que condu ziram ao exitoso crescimento da eficiência, reduzindo o consumo, o que teve o efeito contrário de aumentar a aquisição de veículos particulares, ampliando a circulação. Deste modo, a transição das linhas básicas de percepção também se presta para originar normas e convicções falsas e tambémpadrões de referência que a partir de então passam a orientar o que é certo e errado e o que é bomou mau. Padrões de Referência e a Estrutura da Ignorância A 2 de agosto de 1914, no dia da declaração de guerra da Alemanha contra a Rússia, Franz Kafka, então residindoemPraga, anotou emseu diário: "A Alemanha declarou guerra à Rússia - À tarde, aula de natação." Este é somente um exemplo extraordinariamente proeminente de como acon- tecimentos que a posteridade aprendeu a considerar comohistóricos apenas raramente são considerados em sua época no seu devido valor e consequências. Aquilo que se refere diretamente a nossas ocupações diárias é percebido de forma infinitamente mais importante e comentado em nossas observações com interesse muito maior e assim aconteceu que uma testemunha extraordinariamente inteligente da eclosão de uma guerra não encontrou nada mais importante para registrar do que a circunstância de que naquele mesmo dia tivera uma aula de natação. Deste modo, quandose inicia uma catástrofe social? No momento registrado pela história, as pessoas vivem seu presente. Os acontecimentos históricos têm para elas um significado principalmente de retrospecção, particularmente quando elas mesmas sofreram suas consequências, ou quando elas, segundoa expressão de Arnold Gehlen, vivenciaram "conse quências deguerras externas, salvo com destacamentos que fazem parte das forças de manutenção de paz da ONU. (NT).
  • 241. p rim eira m ão", deste m odo, os aconte cim entos p re cedentes têm um significado m uito m ais p ro fundo para tod os do que quando sucederam . S urge aqui então um p rob lem a de m étodo, no qual se ap resenta a questão de quando as pessoas re al ente pe rcebe ram m que sua re cord ação dos aconte cim entos e ra apenas poste rio r, re lativa ao que soube ram , re lativa ao que pe rcebe ram e re lativa ao que pode riam te r sabido. D este m odo, as re cord ações de p rim eira m ão, via de re gra, n ão s ão adequadam ent pe rcebid as, porque s ão e fatos novos e as pessoas p rocuram faze r com binar o que está aconte cendo com o pad rão de re fe rências que u tilizam , de p re fe rência comparando com a m aneira com o agiram d iante de aconte cim entos p re cedente s do m esm o tipo, que pode rão por sua vez se rvir com o um pad rão de re fe rência para sua m aneira de p roceder quando acontecim entos sem e an tes lh surgirem poste rio rm ente. Conform e m encionam os exatam ente neste sentido, m uitos dos jud eus alem ães n ão conseguiram entenderas d im ens ões do p rocesso de exclus ão que acabaria por vitim á-los. O re gim e nacional-socialis ta e ra encarad o com o um fe n ôm eno de cu rta duração "que tem os de suportar com o um re vés ou contratem po a se r supe rado, m as d ificil ente com o um a am eaça que nos m possa atingir pessoal ente de fo rm a m ais ín tim a e que m sem pre 323 rá m ais suportáve l do que as agru ras de um se exílio ". A amarga ironia deste comentário é que no caso dos judeus realmente existia em seu quadro de referências a recordação do anti-semitismo, perseguição e espoliação baseada em grande número de experiências históricas dolorosas e, mesmo assim, lhes parecia de fato impossível que pudessem contemplar novamente o que já acontecera com muitos de seus antepassados, com resultados absolutamente mortais. Disto resulta que aquilo que se sabe não é necessariamente aquilo que se percebe, mas tampouco é um empreendimento assim tão difícil recordar o que se soube em um período anterior do tempo. Mas a história não é percebida como um padrão fixo, mas dentro de padrões de referência em constante deslocamento, de tal modo que para o observador se trata de um processo lento e considerado como uma quebra da civilização quando é atingido por um acontecimento mais abrupto - ainda mais quando se sabe que um tal323 163 Raul Hilberg, Täter, Opfer, Zuschauer. Die Vernichtung der Juden, 1933-1945 [Criminosos, vítimas, espec-tadores. O extermínio dos judeus, 1933-1945], Frankfurt am Main, 1992, p. 138. (NA).
  • 242. desenvolvimento apresentou consequências radicais. Portanto, a interpretação percebida dos resultados de um determinado processo é como a superposição sucessiva de camadas de significado que conduzem à catástrofe; deste modo, para chegar à conclusão, por mais óbvia que seja, é necessária uma ousadia complicada - ainda mais enredada porque nossas perguntas sobre as percepções testemoniais na realidade se dirigem ao conhecimento delas, como as coisas realmente se deram e não auferemde fato o que as testemunhas logicamente poderiam ter sabido então. As pessoas contemplam o início de sua própria história do ponto de vista de sua atualidade e devemrealmen te suspender os seus próprios conhecimentos históricos a fim de poderem recordar qual tinha sido seu ponto de vista na época, o que de fato sabiam então. Deste modo, Norbert Elias não deixava de ter razão quando afirmou que uma das tarefas mais difíceis da sociologia era reconstituir a estrutura da ignorância dominante 324 emuma época anterior. Inversamente o que se aproveita como testemunha dos acontecimentos não é o conhecimento futuro do que aconteceu, mas a percepção de que o presente de hoje é a história do amanhã. Aqui a tarefa paradoxal seria também discernir o que dentro das circunstâncias presentes não seria visível, porque ainda pertence ao futuro. Uma tal heurística do futuro só pode brotar de uma única fonte: do passado. C onhecim ento e D esconhecim ento do Holocausto O horro r, voc ê sabe, o horro r que assis tim os desde o com e ço e que um a pessoa s ó pode conto rnar com o aux ílio de ou tras , isso pe rm aneceu de qualque r m aneira. S im , é assim que é, n ão é ve rd ade? E então eu o lhe i para m im m esm a, im aginando com o n ós pod íam os de fato pe rm anece rre lativam ente tranquilos, com o ho j se d iz tão bem . e An tiga in te rna do C am po de C oncentração de Gusen. C ad a p rocesso de m ortic ínio de um a população com e ça a partir de um ponto em que ningu ém aind a pensa em assassinatos. C om e ça no ponto em que a m aioria de324Norbert Elias: Was ist Soziologie? [O que e Sociologia?], München, 2004. (NA).
  • 243. uma população imagina ter um problema. A questão,portanto, sobre em qual ponto do espaço deve seriniciada a análise de uma catástrofe social como foi oHolocausto, é muito difícil de responder, porque ascondições são influenciadas por grande número defatores. Inicialmente, é necessá fazer uma distinção rioimportante, a saber, se o morticínio foi realizado apartir de um plano pré-traçado (ou, como cada vezmais se busca comprovar, formulado inicialmente em"Minha Luta", o livro escrito por Hitler) ou se aspessoas se envolveram em um acontecimento socialradicalizante e autocatali- sador, que não dependianemde um plano diretor, nemdas ordens de um Führerpara se desenvolver. Emnenhumdos casos uma análisedo Holocausto pode ser localizada em um ponto dotempo em que se tenha de facto iniciado, ainda maisporque este ponto temporal é em si mesmoquestionável. Teria começado com a violênciadesenfreada da assim chamada Reichkristallnacht[Noite dos Cristais], em 1938? Começou com apromulgação das Leis Raciais de 1935? Coma vitóriado NSDAP (Nazionalsozialistische Deutsche Arbeiter-partei [Partido Nacional-socialista dosTrabalhadores Alemães]) nas eleições parlamentaresde 1933? Coma Lei de Autorização [tomada de posse],também de 1933? Com a lei de aplicação daEutanásia, a partir de 1939? Com a invasão daPolônia, também em 1939? Ou com a guerra deaniquilação iniciada no verão de 1941, em que asprimeiras "Ações Judaicas" sistemáticas iniciaram osfuzilamentos emmassa? Ou quando Rudolf Hess, entãocomandante de Auschwitz, completou a instalação dascâmaras de gás acionadas a Zyklon B e festejoualegremente o fato de a partir desse momento ogenocídio poder continuar sem desnecessárioderramamento de sangue?Percebe-se que todos os starting points [pontos departida] preferidos dos historiadores, os pontos maismarcantes no encadeamento de causas e efeitos,apresentam as suas falhas. A causalidade não é umarelação social de categorias e interiormente aosconjuntos de causas e efeitos sociais indiretos existeuma tensão evidente e processos de transiçãocondensados, porém nada de seme lhante a motivos oucausas imediatas definidas e dominantes sobre todos osdemais. Deste modo, permanece inútil e frustrante abusca pela ordemdo Führer para iniciar o assassinatodos judeus; um processo social como o Holocausto
  • 244. avan ça por sua p róp ria d in âm ica de ocorrências e solu ções encadeadas, com que ningu ém havia contad o no in ício, p rovave l ente nem seque r o p róp rio L íde r m dos alem ães. O s desenvolvim entos sociais ocorrem a partir de m od ificações de um entre laçam ento figu rativo, constru íd o pe la ação m útua e con j unta dos se res hum anos e n ão de fo ra, porque B d isse que A tinha d ado um a ordem . D este m odo n ão raram ente se constituem p rocessos sociais - com o no caso d a bod y count [contagem de corpos] no Vie tn ã - através de e ventos que n ão haviam sido p re vis tos sequer pe los p róp rios participantes, m as que nem por isso deixam de se trans fo rm ar em re alid ade. Real ente os e fe itos dos m com portam entos de ontem s ão as atitudes com portam entais de ho j - m as es ta sem el ça n ão e han funciona ao re ve rso, ou se j que d as consequ ências a, nem se podem deduzir as causas e , deste m odo, nem sem pre se podem re traçar os pensam entos e p rop ósitos iniciais que ocasionaram os e fe itos finais. Assim , o Holocausto deve se r conside rado com o um p rocesso que n ão foi iniciado em um ponto de te rm inado do tem po e nem se concluiu pe la libe rta ção dos cam pos na p rim ave ra de 1 945. N a Alem anha se desenvolve a partir do d ia d a assim cham ada Tom ada de Posse a 30 de jane iro de 1 933 um a m odificação dos valo re s fund am entais por m eio d a qual acabou se conside rando com o norm al have r grupos de pessoas cate goricam ente d ife rentes, re su ltand o na corre spondente d ife renciação d as norm as que re giam as re laçõe s entre os se res hum anos que es tavam de um lad o e o es tabe l cim ento e ap licação de le is para contro le de e 325 quem estava do ou tro. Como pode ser lido em Raul Hilberg, permaneceu aqui um problema jurídico até bastante tempo depois do começo da guerra, ou seja, como se determinar com exatidão quem era judeu e quem não o era - deste modo, em agosto de 1942, uma jovem "semi-judia" foi julgada como não judia por um tribunal de justiça, porque ela tinha resistido a todas as tentativas de seu pai judeu para seguir a religião judaica. O mesmo tribunal decidiu de forma inteiramente oposta contra um "semi-judeu", porque este se declarara judeu em documentos e 326 formulários. Ainda que juridicamente permanecesse um problema por longo tempo determinar quem era325 Veja Harald Welzer:" Täter. Wie aus ganz normalen Menschen Massermörder werden" [Criminosos: Como pesso-as perfeitamente normais se transformam em assassinos de massas], Frankfurt am Main, 2005, pp. 48ss. (NA).326 566 Raul Hilberg: Die Vernichtung der europäischen Juden [O extermínio dos judeus europeus], Tomo I, Frankfurtam Main, 1990, pp. 80ss. (NA).
  • 245. j eu e quem n ão o e ra, es ta questão, no p lano d as ud p ráticas sociais d iárias , já fo ra re spondida m uito tem po an tes pe la p rivação de d ire itos, confisco de bens e depauperam ento ps íquico e m ate rial d a m aior parte dos j eus alem ães. Aqui a p rá tica d a exclus ão ud corre spondia à identificação. Na vid a d iária sob o nazism o a exclus ão foi p raticad a e pe rcebida de m odo a trans fo rm ar rapid am ente a re alid ade, e a pe rcep ção de te rm inava quem e ra ace itáve l ou to le ráve l nos re lacionam entos do Nosso G rupo com o G rupo D e l emes; re sum o: quem pode ria se r encarad o com o um se r hum ano norm al. Para a re constituição d a variação dos valo re s na Alem anha nazis ta, que rap id am ente ace itaram a norm alização d a exclus ão rad ical, podem os ape lar para as fon tes de te s tem unhas ocu lare s, com o os apontam entos de Sebastian H affne r, os d iários de Victo r K lem pere r ou de Willy C ohns ou as cartas de Lilly Jahns dentro do m icrop lano do d ia a d ia social, as quais dem onstram com o, em um espantosam ente cu rto espaço de tem po os grupos hum anos fo ram sendo afas tad os do unive rso dos re lacionam entos sociais - um unive rso, ali ás , em que norm as com o jus tiça, com paixão e am or ao p róxim o e tc., re al ente haviam m pe rd ido a valid ade e n ão som ente para com aque l es que, por de finição, tinham sido expul d a sociedade. sos Pe la obse rvação do com portam ento sis tem ático do nacional-socialism o pe rcebe- fre quentem ent que se e es te e ra um sis tem a baseado na in j tiça e na us arb itraried ade, m esm o nos casos em que o despotism o e a iniq üid ade fossem ap licad os exclusivam ente aos N ão- Pe rte ncentes, enquanto os m em bros d a com unidade popular viviam com o an te rio rm ente ou talve z em m aior p rospe rid ade e usufru íam a garan tia p le na de seus d ire itos327e de tod os os cuid ados p ropiciados pe lo es tad o.327 Isto foi concluído a partir de um questionário retrospectivo realizado com três mil pessoas durante a década de1990, no qual quase três quartos dos alemães nascidos antes de 1928 e que participaram da pesquisa não conheciamninguém que tivesse entrado em conflito com as violentas forças de segurança alemãs e que, por tal motivo, tivesse sidoaprisionado ou interrogado. (Eric Johnson & Karl-Heinz Reuband: What we Knew. Terror, Mass Murder, and EverydayLife in Nazi Germany [O que nós sabíamos. O Terror, os assassinatos em massa e a vida cotidiana na Alemanha Nazista],Londres, 2005, p. 349.) Urna parte ainda maior dos questionados afirmou que pessoalmente nunca se sentira ameaçada ouque tivesse sido consultada, tendo em vista sua contribuição para o bem maior da sociedade, para denunciar pessoas quepossuíam radiotransmissores ilegais ou houvessem feito piadas sobre Hitler, ou declarações críticas a respeito dosnazistas [Ibidem, p. 357). Um resultado ainda mais valioso desse estudo se encontra no fato de que, pensando emretrospectiva sobre seu próprio comportamento, entre um terço e mais da metade dos interrogados declarou ter acreditadono nacional-socialismo, admirado Hitler e compartilhado dos ideais nazistas (Ibidem, pp. 330ss). Um número semelhantefoi registrado em uma pesquisa realizada pela reportagem do boletim noticioso Allensbacher Berichte, no ano de 1985.Cinquenta e oito por cento dos interrogados que em 1945 tinham no mínimo quinze anos afirmaram ter acreditado nonacional-socialismo, 50% ter adotado totalmente seus ideais e 41% terem admirado Hitler (citado por Karl-Heinz Reuband:Das NS-Regime zwischen Akzeptanz undAblehnung [O regime nacional-socialista entre a aceitação e a recusa], publicado
  • 246. A comunidade popular de fato determinava inteiramente que ninguémmais pudessepertencer a ela. Havia um sentimento difundido de que ninguém era ameaçado e de que ninguém podia sofrer qualquer repressão, ligado fundamentalmente a um sentimento de pertencer, cuja imagemespelhada era demonstrada diariamente: o "não-pertencer" dos outros grupos, que na maior parte eram compostos por judeus. Logo depois do dia 30 de janeiro de 1933 foi estabelecida uma prática monstruosa e anteriormente desconhecida de exclusão dos judeus e realmente sem que houvesse qualquer resistência relevante da parte da maioria da população. Deste modonão somente os legisladores e a administração emitiram uma cascata de leis e decretos anti-judaicos, como sua aplicação foi imediata por meio da ação de burocratas altamente motivados, acompanhados por medidas anti-judaicas espontâneas e frequentemente humilhantes praticadas por indivíduosparticulares emfunções comunitárias ou por funcionários a cargo de serviços públicos, que não deviampôr emação essas medidase nemsequer haviam recebido ordem para colocá-las em prática, mas as haviam assumidode livre e espontânea vontade. "Quando no futuro algum pesquisador que nunca conheceu judeus, mas somente ouviu falar deles por testemunhosde terceiros vier examinar os registros do arquivo da cidade de Dortmund ficará sabendo que tambémos proprietários de casas de penhores alemães trabalharam juntos para executar uma pequena parte da solução final da questão judaica na Alemanha." Isto foi escrito em agosto de 1941 pelo Diretor do Escritório Municipal de Empréstimos e Penhores da Cidade de Dortmund, com visível 328 satisfação pelo trabalho executado. Nesta mesma linha existe grande quantidade de documentos que podem se r tom ados com o exem pl d a "m oral nacional- o socialis ta", ind ic ando que es tes pequenos funcion ários claram ente se achavam com prom etid os por raz ões pessoais com "a solu ção d a questão j aica" e que ud exis tia um a convic ção bas tan te p ro fund a em 1 941 deem Geschichte und Gesellschaft [História e Sociedade] 32, março de 2006). Isto nos indica também que o consentimentoao sistema nacional-socialista crescia paralelamente ao nível de instrução - contrariamente ao preconceito corrente de que aeducação levava as pessoas a se defenderem dele. Na mesma proporção do crescimento da escolaridade aumentavatambém o apoio a Hitler, no sentido de que sua política era considerada como positiva, nos aspectos do combate aodesemprego e à criminalidade, sem contar a construção das autoestradas. Um quarto dos interrogados acentuou, mais demeio século após o final do "Terceiro Reich", como era grande o sentimento de comunidade dominante nessa época (EricJohnson & Karl-Heinz Reuband: What we Knew. Terror, Mass Murder, and Everyday Life in Nazi Germany [O que nóssabíamos. O Terror, os assassinatos em massa e a vida cotidiana na Alemanha Nazista], Londres, 2005, p. 341). (NA).328 Konrad Kwiet, citado por Hilberg: Die Quellen des Holocaust [As fontes do Holocausto], Frankfurt am Main, 2002p. 49. (NA).
  • 247. que e ra um a ação m e rito ria e significativa re so lve r o p rob lem a pe rcebido de um a fo rm a tão rad ical, para que a poste rid ade - com o o his to riad or trab alh ando em um fu tu ro im agin ário - s ó chegasse a conhece r os j eus por te r ouvido falar ne l D este m odo a re fe ri- ud es. d a solu ção n ão apenas n ão e ra encarad a com o um deve r an ti-social, com o as pessoas se sentiam p le nam ente satis fe itas com es ta nova atitude , de m odo tal a dese j arem que sua p róp ria participação ne la fosse re conhecida pe las ge rações vindouras com o um a ação corre ta e p le na de significado. Pe rante es ta m ensagem de significado em apoio d as m edidas an ti- j aicas contra os "N ão-Pe rte ncentes" tod a a ud sociedade, associações, sindicatos e com unidades,via de re gra, hipotecavam o seu consentim ento ou, de qualque r m odo, ningu ém p ro tes tava, m uito m enos se opunha. Na vid a social d iária sob o re gim e nacional-socialis ta tais m edidas se ap licavam aos ou tros, em bora para o entendim ento dos "N ão-Pe rte ncentes", natu ralm ente , fossem com preendidas por sendo d ire tam ente vo ltad as contra e les. P raticam ente n ão se passava um d ia sem que fosse com unicad a um a nova m edida. Entre as p rincipais le is an ti-j aicas, que re p resentavam ud som ent a ponta norm ativa desse icebe rg, m as e constitu íam o ficial ente as p rá ticas de exclus ão, es tá m a "Le i sobre a Recom posição do Q uad ro do Funcionalism o Púb lico", de 7 de ab ril de 1 933, que, entre ou tras d isposições, de te rm inava a dem iss ão de tod os os funcion ários "n ão-arianos ". Aind a no m esm o ano, 1 .200 p ro fessores e docentes unive rsitá rios fo ram despedidos, sem que seque r um a única facu ld ade ou unive rsid ade p ro tes tasse. A 22 de ab ril tod os os m édicos de sindicatos ou de sociedades bene ficentes conside rados "n ão-arianos " fo ram exclu ídos de seus 329 em pregos nas uniões ou sindicatos. A 14 de julho de 1933 foi promulgada a "Lei sobre o impedimento da descendência dos portadores de doenças hereditárias". Como sempre, as leis e medidas foram apoiadas pelos concidadãos e concidadãs - ficando bem claro que já havia nesta fase inicial, pelo menos com relação aos "Não-Pertencentes", uma mudança de valores importante que significava diferentes formas de comportamento contra determinados grupos, mesmo que ainda não tivessem sido plenamente articuladas. Mas o que significava exatamente "Não-Pertencentes"?329 Alex Bruns-Wüstefeld: Lohnende Geschäfte. Die "Entjudung" am Beispiel Göttingens [Negócios lucrativos.A"desjudificação", segundo o exemplo de Göttingen], Hannover, 1997, p. 69. (NA).
  • 248. Quando se pensa na progressão da exclusão para oconfisco dos bens e deste para a aniquilação como umrelacionamento de atitudes, logicamente não épossível falar de "Não-Pertencentes": quando umgrupo de pessoas de forma tão veloz, condensada, ofi-cial e extra-oficial é excluído dos relacionamentosmorais de um universo, isto representa justamente ooposto, que o valor percebido e sentido de pertencer auma comunidade populacional foi aumentado. Istosignifica que a consistência interna do "Nosso Grupo"e o significado percebido de pertencer a ele foramfortalecidos, ao passo que, em idêntica medida, ahomogenei ade percebida do "Grupo Deles" e a mácula dde pertencer a esse grupo também cresceram. O maisseguro sinal de uma categorização total foi atransformação do coletivo em um singular: os judeuspassaram a ser referidos como"o Judeu".Agora a diferenciação entre os dois grupos não seencontra mais apenas nas teorias racistas e noconjunto de leis categorizante e, portanto, intranspo-nível, mas abrange também a realidade social. Istoigualmente assinala que os padrões referenciais dospróprios participantes foram mudados: a violênciamanifestada contra os judeus que anteriormente eraconsiderada como desu sada e inesperada, passou derepente a ser considerada como a atitude normal.Quando a violência se torna um acontecimento que seobserva todos os dias, a dissonância cognitiva entre aexpectativa e a realidade desaparece - simples mentenão chama mais a atenção de ninguém. As linhasreferenciais se desviaram e adaptaram à novarealidade.Psicologicamente não existe nada de espantoso que aaplicação prática da teoria da raça dos senhoresencontre uma possibilidade de consentimento aberto.Diante do cenário das leis e medidas aplicadas, ateoria racial significa especificamente a satisfaçãodos instintos e ideais de uma massa de ope rários semescolaridade e semposição social de ajustarem contascomos romancistas, atores ou negociantes comopartedo processo social corrente que factual, material eposicionalmente desclassifica os judeus de sua situaçãoanteriormente superior. A auto-valorização sentidadesta forma pelo cidadão individual de classe baixa
  • 249. corre sponde tam b ém a um sentim ento de re lativa d im inuição dos pe rigos o fe re cidos pe la sociedade - é um sentim ento to talm ente novo de um a vid a p le na dentro de um a com unidade popular exclusiva a que se pe rte nce incontes tave l ente por e fe ito d as le is científicas que m es tabe l cem as d ife ren ças entre as raças e a que e ou tros grupos hum anos de fo rm a algum a podem pe rte nce r. Enquanto as coisas se to rn avam cad a vez piores 330 para alguns, os dem ais se sentiam cad a vez m e l hor. A força de penetração psicológica do projeto nacional- socialista baseava-se em um prognóstico de transformação radical do espaço social pela sua direta afirmação de uma mudança de posição para as carnadas superiores da sociedade por meio de processos concretos e integrais e pela modificação dos padrões de referência que estas promessas significavam para quem deles participasse. "Os Judeus" foram colocados por meio deste processo em direta oposição a "Os Alemães" e esta diferenciação permanece até hoje, por mais que os professores de história procurem duvidar dela. Aqui se fazem visíveis quais os processos de violência são historicamente duradouros e que tipo de herança eles nos deixam. Entrevistas com nossos compatriotas alemães que vivenciaram essa época evidenciam claramente a atração psicossocial e a força de unifi