09.galatas comentário esperança

3,020 views
2,901 views

Published on

l

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,020
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
84
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

09.galatas comentário esperança

  1. 1. CARTA AOS GÁLATAS COMENTÁRIO ESPERANÇA autor Adolf Pohl Editora Evangélica EsperançaTítulo do original em alemão: ―Wuppertaler Studienbibel – Ergänzungsfolge‖ Der Brief des Paulus an die GalaterCopyright © 1995 R. Brockhaus Verlag, WuppertalCoordenação editorialWalter FeckinghausTraduçãoWerner FuchsRevisão de textoRoland KörberBetina Körber SilvaCapaLuciana MarinhoEditoração eletrônicaMánoel A. FeckinghausImpressão e acabamentoImprensa da FéISBN 85-86249-33-5 BrochuraISBN 85-86249-32-7 Capa duraO texto bíblico utilizado, com a devida autorização, é a versão Almeida Revista e Atualizada ( RA) 2ª edição, da Sociedade Bíblicado Brasil, São Paulo, 1997.1ª edição em português: 1999Copyright ©1999, Editora Evangélica EsperançaÉ proibida a reprodução total ou parcial sem permissão escrita dos editores.Publicado no Brasil com a devida autorização e com todos os direitos reservados pela: Editora Evangélica Esperança Rua Aviador Vicente Wolski, 353 82510-420 Curitiba-PR
  2. 2. SumárioORIENTAÇÕES PARA O USUÁRIO DA SÉRIE DE COMENTÁRIOSÍNDICE DE ABREVIATURASPREFÁCIO DO AUTOR QUESTÕES INTRODUTÓRIAS 1. Como se caracteriza o texto transmitido? 2. Quem era o autor? 3. Quem eram os destinatários? 4. Qual foi o motivo da carta? 5. Quando e onde foi escrita a carta? 6. Como a carta deve ser enquadrada teologicamente? COMENTÁRIOI. INTRODUÇÃO, 1.1-12 1. O cabeçalho da carta (Prefácio), 1.1-5 2. Acusação de apostasia e anúncio de juízo para os sedutores, 1.6-9 3. Defesa contra a difamação e tese contrária, 1.10-12II. A PRIMEIRA SEÇÃO DA CARTAO evangelho livre da lei pregado por Paulo tem origem no próprio Deus e foi reconhecido pela igreja primitiva emJerusalém, 1.13–2.21 1. Antes de sua vocação Paulo era totalmente avesso a influências cristãs, 1.13,14 2. A vocação de Paulo aconteceu diretamente por Deus e sem instrução subseqüente por pessoas, 1.15-17 3. Em anos posteriores estabeleceu-se um relacionamento fraterno com Pedro, Tiago e as igrejas da Judéia, 1.18- 24 4. Em vista de ataques judaístas Paulo obteve reconhecimento oficial da igreja originária de Jerusalém para a sua missão livre da lei entre gentios, 2.1-10 5. Publicamente Paulo defendeu perante a igreja de Antioquia de forma inabalável a verdade do evangelho quando até Pedro vacilou, 2.11-21III. A SEGUNDA SEÇÃO DA CARTAO evangelho livre da lei pregado por Paulo coincide com a Escritura, 3.1–5.12UNIDADE 1: Não a lei, mas a morte de Cristo trouxe a bênção prometida, 3.1-14 1. Que diz a experiência própria dos gálatas?, 3.1-5 2. Conforme a Escritura são os que crêem que são filhos de Abraão e possuem a sua bênção, 3.6-9 3. A lei coloca o ser humano sob a maldição porque ela não faz parte da ordem da fé, 3.10-12 4. Porém por sua morte Cristo redimiu judeus e gentios da maldição da lei, para que na fé recebessem a bênção de Abraão, a saber, o Espírito, 3.13,14UNIDADE 2: ―Qual, então, a razão de ser da lei?‖, 3.15–4.7 5. Já pelas condições históricas a lei não é capaz de prejudicar a promessa a Abraão nem sequer de atingi-la, 3.15- 18 6. A verdadeira incumbência da lei reside em impelir o ser humano pecador para a profundeza de sua existência e conservá-lo na condição de acusado, 3.19-22 7. Primeira figura: A lei como prisão, 3.23 8. Segunda figura: A lei como vigilante, 3.24-29 9. Terceira figura: A lei como tutora, 4.1-7UNIDADE 3: O significado, decorrente para os gálatas, da subordinação à lei, 4.8–5.12 10. Comprometer-se com a lei de Moisés significaria um retorno insensato à servidão sob os elementos cósmicos, 4.8-11 11. Voltar-se aos judaístas seria um afastamento incompreensível da imitação apostólica, 4.12-20
  3. 3. 12. Seria tolo querer submeter-se à lei sem também lhe dar ouvidos nos pontos em que ela própria aponta para além de si, 4.21-31 13. Se os gálatas realizassem a circuncisão como planejaram, perderiam sua posição na liberdade de Deus e na comunhão com Cristo, 5.1-6 14. Os sedutores com seu ensino destrutivo e suas difamações absurdas estão destinados ao juízo divino, 5.7-12 IV. A TERCEIRA SEÇÃO DA CARTA O evangelho livre da lei pregado por Paulo é comprovado por sua fertilidade ética, 5.13–6.10 1. Livres da escravidão da lei, mas sem abusar de sua liberdade, cristãos prestam a seu semelhante o serviço de escravo do amor, cumprindo assim a lei, 5.13-15 2. A exortação para andar no amor é exortação para andar no Espírito, o qual, no campo de tensão do cotidiano, mantém a vitória contra os desejos carnais, 5.16-26 3. Como a igreja age guiada pelo Espírito no caso de uma falha nas próprias fileiras, cumprindo a lei de Cristo, 6.1-5 4. Como a igreja preserva a comunhão com seus mestres também em dias críticos e semeia de todas as maneiras sobre [RA: ―para‖] o Espírito, para colher assim a vida eterna, 6.6-10 V. O ENCERRAMENTO DA CARTA (Pós-escrito),6.11-18 ÍNDICE DE LITERATURA COMENTÁRIOS EM PORTUGUÊS ORIENTAÇÕES PARA O USUÁRIO DA SÉRIE DE COMENTÁRIOSCom referência ao texto bíblico: O texto de Gálatas está impresso em negrito. Repetições do trecho que está sendo tratado também estão impressas em negrito. O itálico só foi usado para esclarecer dando ênfase.Com referência aos textos paralelos: A citação abundante de textos bíblicos paralelos é intencional. Para o seu registro foi reservada uma coluna à margem.Com referência aos manuscritos: Para as variantes mais importantes do texto, geralmente identificadas nas notas,foram usados os sinais abaixo, que carecem de explicação: TM O texto hebraico do Antigo Testamento (o assim-chamado ―Texto Massorético‖). A transmissão exata do texto do Antigo Testamento era muito importante para os estudiosos judaicos. A partir do século II ela tornou-se uma ciência específica nas assim-chamadas ―escolas massoréticas‖ (massora = transmissão). Originalmente o texto hebraico consistia só de consoantes; a partir do século VI os massoretas acrescentaram sinais vocálicos na forma de pontos e traços debaixo da palavra. Manuscritos importantes do texto massorético: Manuscrito: redigido em: pela escola de: Códice do Cairo (C) 895 Moisés ben Asher Códice da sinagoga de Aleppo depois de 900 Moisés ben Asher (provavelmente destruído por um incêndio) Códice de São Petersburgo 1008 Moisés ben Asher Códice nº 3 de Erfurt século XI Ben Naftali Códice de Reuchlin 1105 Ben Naftali Qumran Os textos de Qumran. Os manuscritos encontrados em Qumran, em sua maioria, datam de antes de Cristo, portanto, são mais ou menos 1.000 anos mais antigos que os mencionados acima. Não existem entre eles textos completos do AT. Manuscritos importantes são: • O texto de Isaías • O comentário de Habacuque
  4. 4. Sam O Pentateuco samaritano. Os samaritanos preservaram os cinco livros da lei, em hebraico antigo. Seus manuscritos remontam a um texto muito antigo.Targum A tradução oral do texto hebraico da Bíblia para o aramaico, no culto na sinagoga (dado que muitos judeus já não entendiam mais hebraico), levou no século III ao registro escrito no assim-chamado Targum (= tradução). Estas traduções são, muitas vezes, bastante livres e precisam ser usadas com cuidado.LXX A tradução mais antiga do AT para o grego é chamada de ―Septuaginta‖ (LXX = setenta), por causa da história tradicional da sua origem. Diz a história que ela foi traduzida por 72 estudiosos judeus por ordem do rei Ptolomeu Filadelfo, em 200 a.C., em Alexandria. A LXX é uma coletânea de traduções. Os trechos mais antigos, que incluem o Pentateuco, datam do século III a.C., provavelmente do Egito. Como esta tradução remonta a um texto hebraico anterior ao dos massoretas, ela é um auxílio importante para todos os trabalhos no texto do AT.Outras Ocasionalmente recorre-se a outras traduções do AT. Estas têm menos valor para a pesquisa de texto, por serem ou traduções do grego (provavelmente da LXX), ou pelo menos fortemente influenciadas por ela (o que é o caso da Vulgata): • Latina antiga por volta do ano 150 • Vulgata (tradução latina de Jerônimo) a partir do ano 390 • Copta séculos III-IV • Etíope século IV ÍNDICE DE ABREVIATURAS I. Abreviaturas geraisAT Antigo TestamentoNT Novo Testamentogr Gregohbr Hebraicokm Quilômetroslat Latimopr Observações preliminarespar Texto paraleloqi Questões introdutóriasTM Texto massoréticoLXX Septuaginta II. Abreviaturas de livrosAThANT Abhandlungen zur Theologie des Alten und Neuen TestamentesBDR Grammatik des ntl. Griechisch, Blass/Debrunner/RehkopfBill Kommentar zum Neuen Testament aus Talmud und Midrasch, H. L. Strack, P. BillerbeckCE Comentário EsperançaEKK Evangelisch-katolisch Kommentar zum Neuen TestamentEWNT Exegetisches Wörterbuch zum NTHThK Herders Theologischer KommentarKEK Kritisch-exegetischer Kommentar über das Neue TestamentKNT Kommentar zum NTLzB Lexikon zur Bibel, organizado por Fritz RieneckerNTD Das Neue Testament DeutschRAC Reallexikon für Antike und ChristentumThWAT Theologisches Wörterbuch zum Alten TestamentThWNT Theologisches Wörterbuch zum Neuen TestamentTRE Theologisches RealenzykklopädieWStB Wuppertaler StudienbibelWUNT Wissenschaftliche Untersuchungen zum Neuen TestamentZNW Zeitschrift für neutestamentliche Wissenschaft
  5. 5. III. Abreviaturas das versões bíblicas usadas O texto adotado neste comentário é a tradução de João Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada no Brasil, 2ª ed.(RA), SBB, São Paulo, 1997. Quando se fez uso de outras versões, elas são assim identificadas:RC Almeida, Revista e Corrigida, 1998.NVI Nova Versão Internacional, 1994.BJ Bíblia de Jerusalém, 1987.BLH Bíblia na Linguagem de Hoje, 1998.BV Bíblia Viva, 1981.VFL Versão Fácil de Ler, 1999. IV. Abreviaturas dos livros da Bíblia ANTIGO TESTAMENTOGn GênesisÊx ÊxodoLv LevíticoNm NúmerosDt DeuteronômioJs JosuéJz JuízesRt Rute1Sm 1Samuel2Sm 2Samuel1Rs 1Reis2Rs 2Reis1Cr 1Crônicas2Cr 2CrônicasEd EsdrasNe NeemiasEt EsterJó JóSl SalmosPv ProvérbiosEc EclesiastesCt Cântico dos CânticosIs IsaíasJr JeremiasLm Lamentações de JeremiasEz EzequielDn DanielOs OséiasJl JoelAm AmósOb ObadiasJn JonasMq MiquéiasNa NaumHc HabacuqueSf SofoniasAg AgeuZc ZacariasMl Malaquias NOVO TESTAMENTOMt MateusMc Marcos
  6. 6. Lc LucasJo JoãoAt AtosRm Romanos1Co 1Coríntios2Co 2CoríntiosGl GálatasEf EfésiosFp FilipensesCl Colossenses1Te 1Tessalonicenses2Te 2Tessalonicenses1Tm 1Timóteo2Tm 2TimóteoTt TitoFm FilemomHb HebreusTg Tiago1Pe 1Pedro2Pe 2Pedro1Jo 1João2Jo 2João3Jo 3JoãoJd JudasAp Apocalipse PREFÁCIO DO AUTOR Quem reside numa área rural e sai de casa à noite, no primeiro momento enxerga como num armárioescuro. Somente aos poucos o olho se acostuma à escuridão, até que o jardim, as árvores, a rua, o céu e aterra se destacam com contornos nítidos. É assim que pode acontecer quando abordamos a carta aos Gálatas.No começo não conseguimos captar muito bem o que é que causa tanta celeuma. Parece que Paulo estálutando veementemente com o ar, ou seja, com uma pergunta que não significa nada para a vida da igreja dehoje: Acaso homens cristãos têm de se fazer circuncidar? No entanto, quem vai aprofundando suaconvivência com esse escrito, percebe de modo crescente como nele se destaca uma verdade límpida. É a―verdade do evangelho‖. Ela é exposta com uma coerência interna que interfere inevitavelmente também namiséria de nossas alienações e sincretismos. Como naquele tempo, existem também hoje os ―gálatas insensatos‖. São cristãos nos quais Deus infundiupor meio de seu Espírito a exclamação, o grito de liberdade: ―Senhor é Jesus!‖ Contudo, quando depoisdisso avultaram diante deles novamente elementos da era antiga, esses libertos de Deus esticaram seuspescoços e permitiram que lhes fosse imposto novamente o jugo. O nome desses elementos é legião, poissão numerosos. É uma porção de coisas e sistemas, normas e formas que morreram com a crucificação deJesus, porém foram agora transformados em ponto de aferição do evangelho. As pessoas lhes servem deolhos radiantes, e querem que o Senhor Jesus ainda as ajude nisso. Contudo, quem transforma dessa maneirao Senhor dos senhores no segundo em importância, derruba-o do trono. O desejo por trás deste comentário é que por meio desta parcela da Bíblia possamos vir a amar a Bíbliainteira e sua mensagem, e que possa raiar para nós a justiça de Cristo, a liberdade de Deus e a verdade doEspírito Santo. Buckow (Alemanha), 1995 Adolf Pohl QUESTÕES INTRODUTÓRIAS
  7. 7. Da parte de Paulo não temos nenhuma troca de correspondência, mas somente cartas dele, ou seja, apenasuma espécie de diálogos pela metade. Podemos ilustrar o significado deste fato por meio de uma conversatelefônica em que se escuta somente um dos participantes. Ouvimos o que nosso amigo fala ao fone, suasperguntas e reações, sua animação ou excitação. Apesar de já podermos tirar as nossas conclusões,perguntamos depois do telefonema: Quem era? Que queria? Apenas o esclarecimento de algumascircunstâncias na outra ponta da ligação tornam totalmente compreensíveis para nós as palavras queouvimos nosso amigo dizer. Cabe às assim chamadas ―questões introdutórias‖, que fazem parte de todo comentário, indagar pelascircunstâncias de uma carta existente. São perguntas como: quem a escreveu, quando e onde, e sobretudo aquem essa pessoa escreveu, por que e para quê? P. ex., quem era aquele que Paulo está atacando com tantaveemência? Que é que ele defendia? Oferecem-se de modo excelente, como recursos auxiliares, os escritosmais próximos no NT. Mas também as comparações exatas dos pontos de referência oferecidos pela própriacarta permitem deduções. Como afirmamos, possuem peso singular as perguntas pelos destinatários ouadversários. São quase mais importantes que a pergunta pelo autor. Pois, no presente caso, o autor éconhecido há tempo por meio de muitas outras cartas e notícias. 1. Como se caracteriza o texto transmitido?a. Extensão A carta aos Gálatas pertence ao grupo das cartas mais breves de Paulo. Seus escritos aos Coríntios ouRomanos são duas a três vezes maiores. Apesar disso, comparada com cartas antigas, que na média nemsequer se equiparam à pequena Filemom, Gálatas tem uma extensão incomum. Portanto, o veículo ―carta‖foi alongado, talvez comparável a uma conversa telefônica excessivamente demorada. Por força decircunstâncias, Gl tinha de substituir uma visita que se fazia necessária: ―Pudera eu estar presente, agora,convosco‖ (Gl 4.20).b. Qualidade Têm preferência os manuscritos gregos, porque o texto original, como em todos os escritos do NT, foicomposto em grego. Constitui um manuscrito especialmente respeitável e muito precioso, um verdadeirocaso de sorte na transmissão, o Papiro 46, da época por volta do ano 200, que foi descoberto somente em1930. Ao lado de outras cartas do NT ele também contém Gl, com apenas poucas lacunas. Alguns anos maistarde apareceu o Papiro 51, do tempo em torno do ano 400, com alguns versículos de Gl 1. Após o ano 400o pergaminho passou a impor-se de modo crescente como material para inscrição de textos. No concernentea Gl, possuímos cerca de 20 manuscritos de pergaminho dos séculos IV a IX (maiúsculos), dos quais dezmerecem o predicado ―qualidade especial‖. Acrescenta-se um sem-número de manuscritos mais recentes(minúsculos), sem esquecer a plenitude de traduções latinas e em outras línguas, que também são valiosas. Éóbvio que todos esses manuscritos denotam divergências entre si (variantes), mas nenhuma delas possuialgum peso que afete o conteúdo. ―No essencial, Gálatas foi transmitido incólume‖. 2. Quem era o autor? Com a primeira palavra de sua carta ele se denomina de ―Paulo‖ e repete em Gl 5.2: ―Eu, Paulo, vosdigo‖. Em todas as suas cartas ele faz uso desse cognome romano, que ele certamente possuía desde ainfância. É somente em At que somos informados de seu nome hebraico ―Saul‖. No nosso séculopraticamente silenciaram as dúvidas contra essa indicação de autoria. Gálatas é ―o mais genuíno do genuínoque temos de Paulo‖. No entanto, a autoria de Paulo não significa que ele tenha escrito a carta de próprio punho. Oencerramento da carta, escrito expressamente pelo próprio autor, em Gl 6.11-18, pressupõe, para a maiorparte, a colaboração de um secretário, como era usual da Antigüidade. Esse poderia ter sido um dos co-remetentes mencionados em Gl 1.2. Não é possível esclarecer em que medida essas pessoas eram co-responsáveis pelo formato final do escrito. A questão poderia ser mais complicada que nós atualmentepresumimos. Contudo, pelo fato de sempre de novo lermos: ―Faço-vos‖; ―Irmãos, falo como homem‖;―Digo‖; ―Sede qual eu sou‖; ―dou testemunho‖; ―Dizei-me‖; ―escrevi de meu próprio punho‖ (Gl 1.11; 3.15;4.1,12,15,21; 5.16; 6.11), não se pode pôr em dúvida o papel decisivo do apóstolo. 3. Quem eram os destinatários?
  8. 8. a. Uma federação de igrejas De acordo com Gl 1.2 a carta é dirigida ―às igrejas da Galácia‖. O plural ―igrejas‖ permite pensar em nomínimo dois, e preferencialmente em três ou mais grupos de cristãos. Deste modo o escrito representa umaespécie de carta circular que fazia o rodízio nas reuniões cristãs de uma região, sendo lida em público. Ocostume de ler abertamente cartas do apóstolo é mencionado em 1Ts 5.27: ―Conjuro-vos, pelo Senhor, queesta epístola seja lida a todos os irmãos‖ (o que naquele tempo incluía as mulheres). Em Ap 1.3 é referidoum preletor. Cl 4.16 comprova o intercâmbio de cartas entre igrejas vizinhas. É evidente que as igrejas às quais se dirige a carta estavam estreitamente ligadas entre si. Neste sentido éque falamos de uma federação de igrejas. Elas tinham tanto em comum que para todas elas servia a mesmacarta. Neste aspecto elas se distinguiam, p. ex., das igrejas de outra província conhecida, a saber, das seteigrejas na Ásia, que receberam uma interpelação em separado no âmbito de Ap. Daquelas ―missivas‖também se depreendem nitidamente as respectivas situações e constituições diversas. Na Galácia isso eradiferente. Para essa região Paulo podia escrever a todas conjuntamente frases como, p. ex., Gl 4.13-15, ouseja, podia evocar lembranças concretas, comuns, referentes à sua primeira visita. Além disso, tinham emcomum que entrementes atuavam entre elas missionários de ―outro evangelho‖ e, por fim, também a mesmaabaladora vulnerabilidade diante do mesmo (Gl 1.6; 3.1). Este sincronismo da experiência impele-nos apensar num espaço comum de vida supervisionável. Talvez se tratasse de igrejas domiciliares de uma únicacidade que se originaram de uma primeira igreja domiciliar. Também em Jerusalém havia todo um círculode igrejas domiciliares (At 2.46), e talvez de modo similar em Corinto (1Co 1.16; 16.15). Por fim, depõe em favor de uma missão urbana dessas o fato de que Paulo escrevia em grego edemandava claros esforços intelectuais. Nas regiões rurais da Galácia ainda se manteve por muito tempo alíngua celta. Portanto, Paulo pressupunha leitores cultos, urbanos, talvez como os da capital da província,Ancyra, hoje Ancara, a capital da Turquia.b. A Galácia Exposição do problema ―Ó gálatas insensatos!‖ exclama Paulo em Gl 3.1. O termo grego galatai é a forma mais recente de keltai(celtas) e significa em latim galli, a saber, gauleses. Estranhamos. Estaria Paulo escrevendo para a Gália, ouseja, para a França? Em vista de que em 2Tm 4.10 ele informa: ―Crescente foi para a Galácia‖, de fato nãoforam poucos os copistas que mudaram para ―Gália‖. Considerando, porém, que Paulo no presente casoescreveu a igrejas fundadas por ele próprio, entra em cogitação somente a Galácia na Ásia Menor, pois naFrança ele nunca foi missionário. Em que região da Ásia Menor situamos a Galácia? A pergunta não é tão fácil de responder quantoinicialmente possa parecer. Pois ali existiam duas constelações com esse nome, que se sobrepõem apenasparcialmente em termos físicos, a saber, uma área menor como região e uma maior como província. Emdecorrência, há também duas respostas. Para elucidar a questão é necessário certo aprofundamento. Por causa de seu espírito de conquista, os gálatas da Ásia Menor nunca se restringiram a seu verdadeiroterritório de colonização no interior da atual Turquia. Já quando em 25 a.C. essa região se tornou provínciaromana, faziam parte dela áreas adjacentes a oeste e leste. Também depois disso as fronteiras eramflutuantes. Nos seus melhores tempos, a província se dilatava em boa extensão para o Sul. Contudo, essaexpansão não significava que houvesse gálatas em toda parte ou que os gálatas se fundissem numa unidadecom as etnias incorporadas. Essa realidade reflete-se, p. ex., no fato de que no uso da administração oficial aprovíncia não se chamava de Galácia, mas tinha um nome composto de várias designações geográficas.Somente acontecia às vezes que alguns escritores, em virtude da brevidade, a chamavam de ―Galácia‖(como provavelmente também em 1Pe 1.1). No linguajar diário, porém, o nome ―Galácia‖ limitava-se àregião ancestral dos gálatas em redor de Ancyra. Essa situação é importante para a pergunta pelosdestinatários da carta. Propostas de solução Até a metade do século passado, o nome ―Galácia‖ era naturalmente relacionado com a região ao norte dacapital provincial Ancyra, e também hoje a maioria dos pesquisadores, sobretudo no âmbito da língua alemã,defende esta solução (hipótese galática setentrional ou hipótese regional). Porém, graças à florescenteciência histórica, descobriu-se há mais de cem anos a possibilidade de se relacionar o nome com a província(hipótese galática meridional ou hipótese provincial [cf. ―Atlas Vida Nova‖ pág 70, 75]). De acordo comela, Paulo teria dirigido sua carta também (ou somente) àquelas quatro igrejas que ele fundou em sua
  9. 9. primeira viagem missionária, a saber, em Antioquia da Pisídia e em Icônio da Licaônia, em Listra e Derbe(At 13.13–14.25 [cf. ―Atlas Vida Nova‖ pág 68]). Ao longo dos anos, ambos os pontos de vista foram fundamentados com esmero. Por maisimpressionantes que sejam os argumentos de ambos os lados – não podemos reproduzi-los todos aqui, nemsua discussão – eles não levam a resultados imperiosos. Ainda que no calor do debate alguém diga que aopinião contrária é ―impossível‖, qualquer decisão numa ou noutra direção traz em si algo de penoso. Possoarrolar aqui tão somente os três pontos principais que me levaram a permanecer com a interpretação antiga,da hipótese galática setentrional. Em primeiro lugar pesa a circunstância de que Gl pressupõe aquela ampla sintonia das comunidadesdestinatárias (cf. item 3a: ―Uma federação de igrejas‖). Ela se referia de forma muito concreta ao seusurgimento, depois à sua grave perturbação por agitação de fora e seu estado periclitante no tempo daconfecção da carta. Exatamente esta situação, porém, é difícil de afirmar com respeito às quatro igrejas aoSul da província. Acaso Paulo se apresentou em todas as quatro localidades como missionário enfermo eelas o acolheram quatro vezes como um anjo, fato que Paulo ainda evoca em Gl 4.13,14? E como aspassagens de Gl 4.15; cf. 3.4,5 (BJ), segundo as quais os tempos iniciais foram marcados por bem-aventuranças e extraordinárias experiências espirituais, combinam com os começos nas quatro cidades doSul? Conforme At 13.45,50; 14.2,19; 2Tm 3.11 eclodiram ali desde o início lutas ferrenhas e perseguições.Finalmente, essas quatro comunidades também eram separadas por consideráveis distâncias geográficas. DeAntioquia até Derbe percorrem-se, de acordo com o traçado das estradas atuais, no mínimo 286 km (Jewett,pág 104). Na Antigüidade costumava-se andar por dia apenas em torno de 24-32 km (pág 102), de maneiraque as quatro cidades estavam afastadas entre si por jornadas de vários dias. Dessa maneira não resulta oquadro de uma aliança coesa de igrejas, a qual Gl pressupõe. Em segundo lugar, há uma pedra de tropeço para a teoria galática meridional, uma pedra que seusdefensores nunca conseguiram afastar a contento. Trata-se da exclamação de Paulo em Gl 3.1: ―Ó gálatasinsensatos!‖ É possível que para as cidades sulistas de Antioquia, Icônio, Listra e Derbe também se tenhammudado alguns gálatas, mas em primeiro lugar moravam ali os nativos pisídios e licaônios. Além do mais, ascidades, com exceção de Derbe, eram cidades romanas, em que Roma há muito havia assentado funcionáriose soldados romanos. Finalmente, também mercadores judaicos haviam alcançado essas importantes praçascomerciais, construindo ali, como os textos permitem depreender, influentes comunidades sinagogais. Seriapossível que Paulo apostrofasse todos eles de maneira tão drástica com ―gálatas!‖? Uma terceira ponderação torna difícil de se conceber como destinatárias de Gl as quatro igrejas do Sul(Antioquia, Icônio, Listra e Derbe), que Paulo fundou na primeira viagem missionária. A respeito das igrejasde Antioquia e Icônio sabemos que surgiram no seio das comunidades sinagogais de lá (At 13.14; 14.1). Emdecorrência, eram constituídas em forte medida por judeus e prosélitos convertidos à fé cristã. Isto significaque esses fiéis tiveram de dar os seus primeiríssimos passos na fé em confronto com o judaísmo. Porém,podiam vencer essa prova ainda na presença e com o apoio do apóstolo. Dificilmente uma propagandajudaísta e a exigência da circuncisão poderia tê-los confundido a tal ponto como, inversamente, as igrejasgaláticas ao Norte (Gl 1.7). Ao que parece essas surgiram de modo atípico, a saber, fora da sinagoga, e eramcompostas por pessoas de origem puramente gentílica (cf. abaixo, 4a: ―A confusão nas igrejas‖). Ainda nãodispunham da refutação dos argumentos judaicos. Não haviam sido desenvolvidas nelas as necessáriasforças de defesa. Despreparadas e na ausência de seu fundador, caíram nas mãos dos hábeis professoresjudaicos. Questões de fundo da pergunta Por conseguinte, a decisão em favor da hipótese galática setentrional funda-se sobre o texto da própriaGl. Se tivéssemos somente essa carta, dificilmente teria havido um motivo para a hipótese galáticameridional. Esse motivo, porém, parece ser dado pela existência de At. De acordo com At, Paulo pode termissionado os verdadeiros gálatas ao norte apenas depois da grande reunião dos apóstolos de At 15, ou seja,em sua segunda viagem. Antes ele ainda não teria penetrado nessa região. Apenas em At 16.6 lemos:―viajaram pela região da Frígia e da Galácia‖ ( NVI), embora sem a menção de uma atividade missionária.Contudo caberia nesse ponto aquilo a que Paulo parece aludir em sua carta em Gl 4.13: Por causa de umaenfermidade ele não pôde seguir viagem, e dessa interrupção involuntária originou-se a pregação doevangelho. No versículo citado ele menciona ao mesmo tempo que se tratava de sua primeira visita. Logo,ele deve ter comparecido ali depois disso uma segunda vez, e ainda antes da redação da carta. Este poderiaser o dado referido em At 18.23, em que começa o relato sobre a terceira viagem: ―Depois de passar algum
  10. 10. tempo em Antioquia, Paulo partiu dali e viajou por toda a região da Galácia e da Frígia, fortalecendo todosos discípulos‖ (NVI). Portanto também At nos informa, ainda que posteriormente, que antes dessa terceiraviagem missionária havia acontecido a fundação de igrejas na Galácia. Até aqui tudo combina muito bem. Agora, porém, surge uma inesperada dificuldade. De acordo comLucas, Paulo já estivera, até aquele momento (At 18.23, segunda visita na Galácia), três vezes em Jerusalém:At 9.26-30; 11.29–12.25 e 15.2-30. Contrariamente a isso ele próprio assevera em Gl (―Deus sabe que nãoestou mentindo‖ Gl 1.20 [BLH]), que entre sua conversão e a época da carta esteve apenas duas vezes emJerusalém (Gl 1.18 e 2.1). É esta dificuldade que parece ser solucionada quando se puder situar as ―igrejas da Galácia‖ a que Paulose dirige em Gl 1.2, no sul da província. É sabido que as quatro igrejas de lá se formaram já durante aprimeira viagem missionária (At 13,14), quando Paulo havia estado somente duas vezes em Jerusalém. Logoapós o retorno, Paulo as visitou pela segunda vez (At 14.21), fato que coincidiria com a segunda estadia quese deve deduzir a partir de Gl 4.13. Ali o apóstolo ainda encontrou tudo em ordem. Somente depois dissonotícias graves tornaram necessária a carta aos Gl, ou seja, ainda antes da terceira visita a Jerusalém porocasião da reunião dos apóstolos conforme At 15. Nesse caso, portanto, não surge um conflito entre Gl e At.A primeira vez Paulo visitou Jerusalém breve tempo depois de sua conversão (At 9.26-30 = Gl 1.18), asegunda vez catorze anos mais tarde (At 11.30–12.25 = Gl 2.1), enquanto a terceira visita de At 15 aindaestava por ser realizada no momento da redação de Gl. Contudo, paga-se um alto preço pela harmonia assim construída. Primeiro: Quando se considera a visitade Gl 2.1-10 como mencionada na nota de At 11.30, temos de inserir nela muitos conteúdos. Em Jerusalémteria havido duas reuniões de apóstolos, que legitimaram duas vezes a missão aos gentios, a saber, a reuniãoreferida por Paulo em Gl 2 e a relatada por Lucas em At 15. Segundo: As características da própria Gl, queapontam de forma tão inequívoca para a verdadeira Galácia no Norte, seriam suprimidas. Suprimir certosaspectos, porém, não é mais interpretação. Não teríamos prestado a devida atenção nem a At nem a Gl. Ainterpretação teria sido sacrificada a uma necessidade de harmonização de curto fôlego. Sobre a peculiaridade de Atos dos Apóstolos Neste ponto somos obrigados a lançar um olhar sobre o livro de At da forma como seu próprio autor oconsiderou.• Sua dependência de fontes. Em Lc 1.1-4 o autor se pronuncia sobre a obra dupla do Evangelho e de Atos dos Apóstolos. Desse prefácio ressalta a sua vontade expressa de reunir e organizar antigas tradições, tornando-as desse modo acessíveis para o seu tempo. Fiel à verdade, ele não se reporta a informações sobrenaturais, mas ao estudo de fontes. Ele se distingue expressamente das testemunhas oculares, com exceção dos trechos formulados em ―nós‖ na fase final de At. Como homem da terceira geração, ele se situava por décadas mais distante dos acontecimentos que, p. ex., Paulo. Ele não se posicionava acima das tradições, mas era dependente delas. As lacunas delas constituíam também as lacunas dele. Não tinha como utilizar as cartas de Paulo, porque foram escritas antes do tempo em que ele se tornou acompanhante permanente de Paulo, e porque agora estavam nas mãos dos destinatários.• Seu esmero. Nesse contexto Lucas procedeu ―acuradamente‖ (Lc 1.3). A primeira parte, ou seja, o Evangelho Segundo Lucas, permite uma comparação de linha por linha com os paralelos em Mateus e Marcos, confirmando o cuidado e a meticulosidade de Lucas. Não temos nenhum motivo para supor que na segunda parte, i. é, em Atos dos Apóstolos, ele se tenha rendido em grande medida a invenções livres. William R. Ramsay (1851-1939), que dedicou praticamente a vida toda à pesquisa arqueológica da Ásia Menor, atesta que Lucas também possuía admiráveis conhecimentos técnicos específicos e que ele conduz com segurança, p. ex., através do emaranhado das designações de cargos das personalidades de sua obra. Não se portava subitamente como artista que serve a suas próprias idéias por meio da invenção de fatos e pessoas. Não escreveu nenhum romance sobre o cristianismo primitivo.• Sua determinação para um projeto geral. Ao lado da fidelidade às tradições, é verdade que, num certo aspecto, Lucas demandava ser original. O motivo disso era uma certa preocupação diante da situação das tradições, a qual ele expressa da seguinte maneira em Lc 1.3: ―a mim me pareceu bem, depois de acurada investigação de tudo(!) desde sua origem…‖ Ele se encontrava diante de uma multiplicidade de textos, por um lado preciosos e normativos, mas por outro fragmentados, que viviam uma existência mais ou menos solitária. Com o crescente distanciamento cronológico dos eventos, isto era cada vez menos satisfatório, levando a uma insegurança dos fiéis (cf. v. 4: ―para que tenhas plena certeza das verdades em que foste instruído‖). Imaginemos um quebra-cabeças incompleto. Em determinados lugares era quase
  11. 11. impossível defender-se com ele contra mal-entendidos, mas também contra abusos dos hereges. O que faltava, portanto, era revisar o material todo com a finalidade de elaborar uma visão geral. Parece que Lucas relutou até que se decidiu a enfrentar essa tarefa, que não seria fácil. Diversas vezes, pois, os documentos disponíveis também o deixaram empenhado, de modo que teve de fazer combinações e pontes conforme seu próprio melhor conhecimento. Nota-se isso, p. ex., quando Lucas, que com exatidão fornece em 56 passagens indicações cronológicas precisas de dias, meses e anos, tem de generalizar em 36 referências: ―após poucos, após muitos dias‖. É óbvio que podem aparecer distorções em Lucas quando uma descrição dessas é colocada ao lado de um relato de uma testemunha ocular como Paulo. Espaços de tempo foram abreviados ou alongados, acontecimentos foram transferidos e ênfases deslocadas. Partindo-se da autocompreensão de Lucas, porém, não pode haver surpresa sobre esse fato, mas somente quando se parte de teorias que apenas lhe são atribuídas e que ele não teria compartilhado. Não deveríamos prestar uma atenção parcial ao seu prefácio de Lc 1.1-4.• O valor histórico da obra de Lucas. Esperamos que se tenha tornado evidente que nas presentes considerações estamos muito afastados da mentalidade de ―malhar o Lucas‖. É verdade que muitos pesquisadores não conseguiram sintonizar-se com o projeto geral deste homem, com sua visão da história da salvação, seu conceito de apóstolo, sua doutrina do Espírito Santo e seu testemunho da igreja concreta. Tudo isso não harmonizava com o cristianismo filosófico deles próprios. A partir dessa posição, Lucas supostamente não representava tradição genuinamente cristã original, mas apenas a decadência posterior. Por isso nega-se ao seu trabalho um valor histórico essencial. Admira-se nele apenas um dom natural- edificante de narração. Na verdade, porém, nenhum crítico consegue formar seu quadro do cristianismo primitivo e de Paulo sem tomar empréstimos de Lucas. Muitos o descartam, mas todos precisam dele e o usam quando ele lhes serve. Sua obra continua sendo de inestimável e irrenunciável utilidade para nosso conhecimento sobre as primeiras três décadas após a Páscoa. 4. Qual foi o motivo da carta?a. A confusão nas igrejas Pelo que parece, os tempos iniciais das igrejas foram uma verdadeira primavera espiritual. Trechos comoGl 3.3,4 e 4.12-16 o ilustram. Os fiéis se igualavam a atletas que saíram bem na largada e que encontraramna forma desejável o seu estilo de corrida (Gl 5.7). Esse começo relativamente sem problemas pode teracontecido pelo fato de que, ao contrário dos começos em Antioquia, Icônio ou Listra (At 13.45,50;14.2,5,19) não ocorreram de imediato interferências judaicas. Apesar de haver comprovação da existência dejudeus também no território da Galácia, parece que neste caso, por ter adoecido (Gl 4.13), Paulo não se ateveao seu princípio de procurar primeiro a sinagoga. É provável que o berço das igrejas galáticas se encontrenuma casa gentílica qualquer, na qual foi acolhido aquele que carecia de cuidados. As interpelações na cartanão causam a impressão de que entre esses cristãos haja judaico-cristãos (Gl 4.8; 5.2; 6.12). Pois docontrário, a questão da circuncisão dificilmente poderia ter obtido o nível de uma novidade excitante ecausar tamanha confusão. Parece que essas igrejas formadas puramente por gentílico-cristãos não estavampreparadas para essa incursão, motivo pelo qual também estavam tão indefesas. Tampouco a segunda visita de Paulo, pressuposta em Gl 4.13, destruiu o quadro favorável. Depois, noentanto, Paulo experimentou um choque térmico. ―Estou admirado de vocês estarem abandonando tãodepressa‖ (Gl 1.6 [VFL]). Apenas pouco tempo depois de sua partida começaram os distúrbios. É improvávelque tenham vindo das próprias fileiras, pois toda vez que Paulo fala dos causadores, não se dirige a eles. Emoutras cartas ele decididamente exortava citando os nomes, como mostra Fp 4.2, mas aqui se interpõe umvéu de desconhecimento entre Paulo e seus adversários. Logo devem ter sido pregadores itinerantesestranhos. Paulo caracteriza a sua atividade com os seguintes verbos:• Eles ―proclamam o evangelho‖, mas o ―pervertem‖, ou seja, privam-no de seu sentido (Gl 1.7).• Eles ―perturbam‖ os gálatas, ou seja, tornam-nos inseguros em termos doutrinários (Gl 1.7; 5.10).• Eles ―impedem‖ a bela corrida dos gálatas (Gl 5.7), tirando-lhes totalmente o equilíbrio.• Eles ―persuadem‖ (Gl 5.8), sim ―constrangem‖, os cristãos pelo uso de pressão psicológica (Gl 6.12).• Eles tentam ―afastá-los‖, i. é, isolá-los de Paulo e desligá-los de sua obra missionária (Gl 4.17).• Eles ―incitam à rebeldia‖ contra o apóstolo (Gl 5.12). De acordo com Gl 4.16 parece que também já se formaram inimizades contra o apóstolo entre os gálatas.
  12. 12. Enquanto a carta está sendo redigida, esses homens ainda estão atuando com toda a força e quasealcançam seu objetivo. As igrejas estão a ponto de se bandearem definitivamente para eles (Gl 1.6; 3.3,4;4.9,11,21). Os mestres instalados por Paulo já ficavam sem sustento, o que se pode depreender da exortaçãode Gl 6.6-10. Essa situação de fundo explica a veemência incomum do apóstolo. Toda a federação galáticade igrejas, com menos de cinco anos de idade, corria o perigo de despedir-se do cristianismo, nãointencionalmente, mas de fato. Por outro lado havia também uma minoria em que prevalecia o vínculo com Paulo. A palavra do ―mordere devorar-se mutuamente‖, em Gl 5.15; cf. v. 26, aponta para partidos em conflito. Devem ter sido os fiéis aPaulo que também o informaram, de modo que ele está bem ao par da situação, não considerando maisnecessário levantar nenhuma pergunta adicional. Os fatos entre ele e os destinatários eram tão poucocontrovertidos que o leitor atual precisa avançar na leitura até o quarto e quinto capítulos para descobrirsequer algo do conteúdo desse ―outro evangelho‖ dos invasores (Gl 4.9,10; 5.2). Em todos os casos Paulopode posicionar-se logo nas primeiras sentenças. É claro que uma visita pessoal teria sido apropriada (Gl4.20). Mas naquele instante não lhe era possível (1Co 16.8,9) realizar a viagem a pé de pelo menos 400 kmpor terras escarpadas. É deste modo que se originou essa carta extraordinária.b. Os adversários de Paulo (os ―judaístas‖) Como dissemos, eles vinham de fora, porém não se apresentavam como visita normal ou como migrantes,mas como agitadores. Eles ―queriam‖ algo (Gl 1.7; 4.17; 6.12,13). Qual era a sua intenção? Como Paulo,tencionavam missionar os gentios, do contrário não teriam vindo até essas igrejas gentílico-cristãs. Maisprecisamente: Eles se sentiam enviados para realizar uma missão consecutiva, corretiva, nos lugares em quePaulo atuou antes deles. Há anos Paulo experimentava que às igrejas fundadas por ele em breve chegavampessoas com essa intenção, assim na Galácia, passando por Filipos, até Corinto. As respectivas cartas oconfirmam. Mais tarde, na carta aos Romanos, ele também presumia que tinham influência em Roma. Deacordo com Gl 2.4,5 ele já se defrontou com os antepassados espirituais deles há cinco anos em Antioquia(cf. com At 15.1,2): ―falsos irmãos‖, que se ―entremetiam‖ e ―espreitavam‖ atrás dele. Seus mandantesestavam em Jerusalém. Talvez também apresentassem cartas de recomendação de lá (cf. 2Co 3.1; 10.12). Com certeza tratava-se de judeus, pelo menos arvoravam-se, segundo 2Co 11.22, no fato de que podiamchamar-se de ―hebreus, israelitas, descendentes de Abraão‖. Com a maioria dos exegetas, definimo-los maisprecisamente como ―judaístas‖. Em relação a Gl 1.13,14 e 2.14 cabe elucidar este termo. Antecipamos duasexplicações mais genéricas. Em primeiro lugar, Paulo conhece um conceito duplo de judaísmo. Em Gl1.13,14 ele fala de um judaísmo judaico, ao qual ele próprio pertenceu no passado. Em nosso caso, noentanto (cf. Gl 2.14), trata-se de um fenômeno interno do cristianismo, da ala radical dos judaico-cristãos,que voltavam a conferir à lei um peso maior que ao evangelho. Como, porém, se tratava de cristãos, não sedeve pressupor entre eles o legalismo judaico fariseu, mas um legalismo de cunho próprio. Em segundolugar não se deve relacionar aquilo que Paulo escreve contra esses judaístas cristãos com os judeuspropriamente ditos. Sua luta não respira de modo algum o anti-semitismo. Lamentavelmente a falta deprecisão nos tempos antigos e modernos lançou tudo numa vala comum. No próprio Paulo falta totalmente adesqualificação do povo eleito. Que intenções dos judaístas a carta permite perceber? São três direções em que vai a sua investida, e quecorrespondem aos três grandes blocos da carta aos Gálatas. A primeira linha de ataque: os judaístas solapavam a autoridade de Paulo enquanto apóstolo de JesusCristo. Para tanto também tornavam nebulosa a sua relação com os primeiros apóstolos e os cristãos deJerusalém, de diversas maneiras. Nisso tampouco se detinham diante de afirmações impensadas ou até dedifamações. Eles espalhavam que Paulo era ávido de receber agrados (Gl 1.10) e que não era sincero em suapregação (Gl 5.11), a fim de conquistar a maior adesão possível. Este aspecto de sua agitação tinha umacaracterística mais preparatória, pois o pregador somente era atacado com o intuito de destruir a suapregação. Mas Paulo a levou tão a sério que lhe dedicou com grande comoção toda a primeira parte da carta. A segunda linha de ataque: os judaístas combatiam ferrenhamente a liberdade frente à lei trazida peloevangelho. Neste aspecto, porém, a carta aos Gálatas muitas vezes é lida de forma muito rápida,pressupondo-se que esses cristãos judaístas tenham assumido a posição de um judaísmo rigorosamentefarisaico e que pretendiam lançar sobre os gálatas toda a rede dos preceitos farisaicos. Para maior concreticidade, lembremo-nos do farisaísmo nos evangelhos, com o qual Jesus se deparou. Osfariseus formavam uma confraria que visava santificar pela obediência à lei todo o dia-a-dia de seusmembros, do berço ao ataúde. Nesse sistema não podia haver nenhuma lacuna para escapar. Toda situaçãoimaginável era refletida e regulamentada com esse objetivo. Para isso não apenas contavam cuidadosamente
  13. 13. os 613 mandamentos citados no AT (365 ordens e 248 proibições), mas rodeavam-nos ainda com um círculode determinações adicionais, submandamentos e subsubmandamentos. Esses eram as ―tradições dosanciãos‖, que são mencionadas cinco vezes em Mc 7.1-13 e às quais Jesus contrapôs os verdadeirosmandamentos de Deus. Por exemplo: No esforço de dizer claramente para cada pessoa sobre o que incidia aproibição de trabalhar no sábado, eles formularam nada menos de trinta e nove trabalhos principais, além deincontáveis trabalhos subordinados. Aumentava cada vez mais a soma daquilo que o homem de Deus tem desaber para poder viver de acordo com a vontade de Deus. Era esse enorme peso que Jesus tinha em vistaquando afirmou: ―Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens‖ (Mt23.4; cf. At 15.10), e quando exclamou: ―Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados…Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim… Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve‖ (Mt11.28-30). Retornemos aos cristãos judaístas e sua propaganda na Galácia. Se de fato tivessem tido a intenção deintroduzir esse gigantesco aparato legalista, isso deveria ter-se espelhado na carta. No entanto Paulo afirmasobre eles algo diferente: Para abrandar, queriam introduzir não a lei toda, mas somente ―um pouquinho‖dela (Gl 5.9; cf. 3.15), uma pequena insignificância. Em Gl 6.13 encontramos a afirmação clara de quetambém eles próprios não guardam a lei toda: ―Pois nem mesmo aqueles que se deixam circuncidar guardama lei‖. A que partes eles se restringiam? Se revisamos a carta aos Gálatas, encontramos pelo menos duas,provavelmente três:• Sua exigência central era a circuncisão (Gl 5.2,3; 6.12,13, cf. 2.3,4). É por isso que Paulo em Gl 6.13 também os designa de gente que cultiva a circuncisão, ou seja ―gente da circuncisão‖.• De acordo com Gl 4.10 somava-se a esse ato a observação das festas judaicas, seguramente sobretudo do sábado.• Como terceiro elemento surgem os mandamentos judaicos em relação à comida. É o que se poderia depreender de Gl 2.11,12. A afirmação direta desse texto, porém, refere-se a Antioquia. Com certeza não era arbitrário que os judaístas impusessem exatamente essas três partes dentre aplenitude de mandamentos e preceitos. Pelo contrário, eles se apoiavam para isso numa grande históriaprecedente que remonta ao século VI a.C., a saber, ao exílio babilônico. Naquele tempo formou-se entre os desarraigados e deportados um movimento, comparável a umavivamento, nos seguintes termos: Agora é que vamos de fato ser fiéis e continuar sendo o povo de Deus!Logo, isolaram-se, para não serem absorvidos pelo paganismo que os cercava. Passaram para o primeiroplano aqueles preceitos legais que reforçavam essa tendência, que, portanto, se prestavam como marcas dediferenciação por caírem na vista, e que sublinhavam a separação confessional diante dos gentios. O sábado,celebrado semana após semana, tornava impossível ignorar uma família judaica num bairro gentílico. Alémdisso, as prescrições alimentares precisas serviam para sufocar qualquer convívio mais estreito com gentios.Sobretudo destacava-se a circuncisão. Na Palestina ela não desempenhara uma função tão marcante, pois alitambém os povos vizinhos praticavam esse rito. Na distante Babilônia, porém, ele era desconhecido e semparalelo. O rito, portanto, fazia do judeu uma pessoa impossível de ignorar, separava-o e incorporava-o aopovo eleito. Sem a circuncisão as pessoas eram apenas massa. Este ato, porém, as destacava da massainforme. É por isso que na Babilônia justamente esses rituais visíveis se tornaram a característica judaica para todoo que queria ser judeu com seriedade. Quando os judeus babilônios puderam retornar novamente paraJerusalém, trouxeram consigo esse legado e continuaram a cultivá-lo. Além disso era dada a máxima ênfaseàquelas partes da lei que os separavam dos povos gentios. Sim, enquanto a lei no AT continha uma riquezade auxílios para um convívio humano de judeus e estrangeiros, seu real sentido passou a ser visto na funçãode separar. De acordo com essa posição, Deus tinha dado a lei para rodear os judeus ―com uma cercaimpenetrável e com um muro de bronze‖, para que ―não tivessem comunhão alguma com nenhum dosdemais povos‖. Sob essas circunstâncias passavam para segundo plano os singelos atos de obediência nocotidiano, privilegiando-se os ritos evidenciáveis e controláveis. Ao mesmo tempo armava-se o perigo daexterioridade, a saber, a tentação de substituir a obediência por ações simbólicas. Retornemos aos cristãos judaizantes na Galácia. É inegável que, com suas exigências da circuncisão, dosábado e dos mandamentos sobre a alimentação, eles se encostavam na grande tradição judaica. Ao mesmotempo fica nítida também sua intenção interior. Nesses três aspectos estava em jogo para eles nada menosque a salvação, i. é, de pertencerem ao único povo da salvação na terra, os judeus. Contudo não podiamimaginar o ingresso nesse povo da salvação de maneira diferente que exatamente pela aceitação
  14. 14. precisamente desses três rituais de caráter confessional. Isso, apenas esse ―pouquinho‖, os judaístasacreditavam ser sua obrigação introduzir na missão de Paulo entre os gentios. Paulo, porém, esclareceu os gálatas, já dispostos a se deixarem circuncidar, que não existe esse―pouquinho‖ sem o todo. Se afinal o sinal de aliança da circuncisão devia ter sentido, fazia parte dele passara observar toda a aliança de Moisés. A solução com a lei reduzida é esfarrapada. Como rabino formado,Paulo lhes propõe o argumento de Gl 5.3: ―todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado aguardar toda a lei‖. Para isso não existe substituição. Tampouco a circuncisão é um substitutivo, de maneiratal que se estaria livre das demais obrigações (Rm 2.25), porém e la subordina a pessoa a um compromissogeral. Desejar a circuncisão significa na prática desejar a lei e a justiça da lei e rejeitar a graça de Cristo,independentemente de a pessoa ter ou não uma clara noção disto (Gl 5.2-4). Nesse sentido é que Paulo podeinculpar de forma um tanto aguçada seus leitores em Gl 4.21: ―Vocês que querem estar debaixo da Lei‖(BLH). Encontramo-nos diante de um método significativo de Paulo. Ele retira um ponto controvertido deseu isolamento e o perpassa em direção do fundamental. Em Antioquia isso aconteceu, segundo Gl 2.11-21,a partir do mandamento sobre os alimentos, na Galácia a partir da exigência da circuncisão. Paulo demonstrao que está em jogo com essa exigência isolada, que supostamente não afetaria em nada o ser cristão: éintroduzido todo o sistema da lei e, assim, anulado alternativamente todo o ―sistema‖ do evangelho. Paulo considerava, com a mesma seriedade dos seus adversários, a questão de pertencer ou não ao povoda salvação. Com base na Escritura, porém, ele a responde de maneira totalmente diferente em Gl 3.1-14. A terceira linha de ataque: os judaístas dispunham de mais uma alavanca para tornar os gálatasinseguros, a saber, das perguntas pelas deficiências morais entre as suas próprias fileiras. Nesse casoprecisamos traçar um quadro mais abrangente. O grande comentário a Gálatas de Hans Dieter Betz (em língua alemã em 1988) mostra nas pág 35-36que essa carta não está calibrada para os espíritos ingênuos dos distantes vales nas montanhas da Galácia,nos quais ainda se falava o idioma celta. Pelo contrário, em termos de linguagem, forma de pensamento econhecimentos, ela pressupõe leitores da camada letrada. Ela corresponde a altos padrões intelectuais.Poderia ter sido dirigida a pessoas urbanas da então capital provincial Ancyra (cf. acima, item 3a). Como tala carta também abordava a crise cultural daquele tempo. O que nos interessa nesse aspecto é o vazio éticoque se escancarava diante de muitas pessoas intelectualmente despertas no primeiro século do cristianismo.Apesar de todo o brilho, a cultura se esgotara. Decaíam as ordens, os usos e costumes que até entãopreservavam a sociedade. Formas sociais como matrimônio, família, vizinhança e cidadania nãosustentavam mais nada. Os templos ficavam vazios e corriam o perigo de restarem apenas como museus.Verdadeira devoção tornava-se coisa rara. Sempre menos pessoas tinham vontade de se casar e gerar filhosou também de trabalhar e assumir responsabilidade. Passavam a predominar a saturação, o esgotamento e oaborrecimento com suas conseqüências desmoralizantes. Conhecemos o lamento: ―Uma situação como naantiga Roma!‖, que alude ao pântano de imoralidade da capital mundial daquele tempo, ao luxo e aodesperdício, ao suborno e à insídia, à vulgaridade e ao egoísmo, à mania e ao vício (cf. Rm 1.24-26; 6.1;13.12,13). Por outro lado também não faltavam propostas de reforma, o que é típico para essas épocas. Oestoicismo, p. ex., propagava rigoroso cumprimento do dever e comedimento racional. Ele impressionavatambém por verdadeiros exemplos. De fato formou-se mais tarde uma certa aliança entre o estoicismo e ocristianismo. Mais importante em nosso contexto, porém, é a existência de um judaísmo no estrangeiro (diáspora). Emquase cada cidade do Império Romano havia uma ou várias sinagogas. No seu interior não se encontrava aimagem impertinente de um ídolo, tampouco um altar, nem atividade de sacrifícios sangrentos com cheiroadocicado de incenso, nem um sacerdócio em ornamentos caros e brilhantes, mas sim, com uma sobriedadebenéfica, nada além da então Bíblia judaica, o Tanak (= AT). Incansavelmente ela era proferida, decorada,estudada e discutida. Dessa maneira formava-se, em torno da lei de Moisés, uma comunidade humana que sedestacava pela conduta honrada, por uma forma de vida sensata, por senso de família, coesão social, bem-estar e aconchego. Não eram poucos os gentios que se sentiam atraídos por esse pedaço de mundo sadio, eque se ligavam legalmente a uma comunidade dessas por meio da circuncisão (―prosélitos‖; Lutero:―companheiros dos judeus‖), ou que lhe pertenciam de maneira informal, sem circuncidar-se (―tementes aDeus‖). Nessa situação Paulo entrava em cena e fundava igrejas gentílico-cristãs livres da lei. Seus sucessos porum lado causavam surpresa e, por outro lado, também não a causavam. Pois que havia de surpreendente nofato de que ele conseguia sempre de novo firmar-se no círculo dos amigos das sinagogas? É o que At mostrarepetidas vezes. Ele lhes poupava a elevada barreira da circuncisão. De acordo com a sua doutrina, era
  15. 15. possível tornar-se filho de Abraão e membro do povo de Deus unicamente por intermédio da fé que atuapelo amor. Como o judaísmo se defendia contra essa concorrência? Inicialmente lançando suspeitas. Imputava-se aPaulo diretamente a intenção de atrair as pessoas para as suas igrejas baixando os preços. Mais sensível eraoutra crítica. Observavam-se as conseqüências éticas desse evangelho livre da lei que Paulo anunciava.Como era a realidade de sua força supostamente transformadora? Logo que essas igrejas existiam por algumtempo, aparecia neles que a herança pagã tinha uma sobrevida persistente. Todas as cartas do NT enviadas aigrejas e não por último as missivas do Apocalipse documentam de forma muito realista deficiências éticasentre os cristãos. Existem a mornidão, o erro e a maléfica recaída. Isso, afinal, também faz parte da realidadede uma comunidade missionária, naquele tempo como hoje. Era compreensível que essas deficiências cristãs causassem insegurança. Será que realmente faltava algona pregação de Paulo? Será que entre os ouvintes normais é possível um caminho totalmente sem lei, semum elemento adicional, de estabilização? Será que, afinal, a liberdade total faz bem ao ser humano, ou elenão precisa de uma pressão ao menos suave? Será que sobre o ensino de Paulo acerca da liberdade cristã nãopaira o cheiro da anarquia, e semelhante empreendimento não tem de acabar num fiasco? Adicionalmente a essa suspeita pode ter exercido um efeito a referência ao poder abençoado que a leicomprovadamente desempenhou no judaísmo. Podemos imaginar muito bem que, em frutos morais, umatradicional família da sinagoga, devotada à lei, superava em muito os gentílico-cristãos recém-convertidos.A partir desse aspecto, a fundamentação exegético-teológica dos judaístas invasores, dos quais falávamosacima, recebeu um apoio existencial. As deficiências éticas com que as novéis comunidades cristãs aindanão sabiam lidar reforçavam a tentação de aderir ao estado de salvação judaico pela aceitação da circuncisãoe de mais algumas concessões. Por que a fé em Cristo não deveria harmonizar-se com um pouco de pressãoda lei, por que não reivindicaria praticamente por essa complementação? Neste ponto temos de reconhecer um mérito dos judaístas na Galácia. Eles foram o motivo para que Pauloacrescentasse à sua carta, Gl 5,6, um longo bloco ético, que constitui a formulação mais fundamental de quedispomos de sua autoria sobre esse tema. Num determinado aspecto, essa terceira parte da carta forma até oauge da carta, uma vez que fornece a prova dos noves da mensagem de Paulo. 5. Quando e onde foi escrita a carta? A carta aos Gálatas, as duas cartas aos Coríntios e a carta aos Romanos surgiram num período de nomáximo quatro anos, a saber, durante a terceira viagem missionária. Paulo se encontrava no auge de suaatividade e planejava dirigir-se para o oeste. Nessa situação, porém, apareceram nas comunidadesanteriormente fundadas dificuldades de natureza fundamental. Opiniões seriamente conflitantes entre siobrigaram-no a repensar e elucidar sua proclamação. Tratava-se de lutar para libertar o evangelho dastentativas de aliená-lo. Com esta exposição aproximamo-nos das condições cronológicas mais precisas de Gl, e fazemo-lo sob apremissa da hipótese galática setentrional (cf. no item 3b Propostas de solução). De acordo com umacronologia que possui larga aceitação, não foi antes da primavera do ano 52 que Paulo partiu de Antioquiana Síria para a terceira viagem missionária. Primeiramente ele visitou as igrejas na Galácia (Gl 4.13; At18.23) e na Frígia. O ponto mais importante tornou-se sua atuação de dois anos e meio em Éfeso (At 19.8-10, desde a virada do ano 52-53 até o ano 55). A partir daí sua rota passou pela Macedônia até Corinto, ondePaulo permaneceu três meses no inverno do ano 56. Depois começou o caminho de retorno, a fim de levar aoferta recolhida para Jerusalém. A viagem levou-o de novo à Macedônia, onde subiu num barco em Filipos.Após diversas paradas em terra, alcançou Jerusalém com seus companheiros na primavera do ano 57 [cf.Atlas Vida Nova pág 69]. Em que momento dessa viagem surgiu a carta aos Gálatas? Sob a premissa de que Gl 2.1-10 coincide com a reunião dos apóstolos conforme At 15 (por volta de 48-49), Paulo escreveu a carta com certeza depois dessa data, ou seja, justamente durante essa terceira viagemmissionária. Uma segunda ponderação leva a uma data mais precisa. No início dessa viagem ele fez umaparada nas igrejas da Galácia, encontrando lá tudo em ordem (Gl 4.13). Somente depois que seguiu viagempara Éfeso (At 19.1), mas então com rapidez (cf. o ―tão depressa‖ em Gl 1.6), apareceram os mestresestranhos. Seguramente necessitavam de meses (inverno de 52-53) para conquistar o favor das igrejas dePaulo. É provável que a notícia disso tenha alcançado Paulo ainda em Éfeso. É lógico que ele reagiuimediatamente, de forma que chegamos à época de redação de 53-54, cerca de cinco anos após a fundaçãodas igrejas. Esta data é a suposição mais freqüente.
  16. 16. Conforme 1Co 16.1 Paulo já havia dado aos gálatas a mesma instrução quanto à oferta que ele agora davaaos coríntios. Se isso tivesse acontecido na nossa carta, a referência de 1Co se reportaria a Gl, e essa cartateria sido escrita claramente antes de 1Co. Visto que 1Co, segundo 1Co 16.8, ainda surgiu em Éfeso, deonde Paulo saiu no ano 55, chegaríamos novamente ao ano 54 para o surgimento de Gl, como acima pelosdados de At. Acontece que em Gl não consta nada de tal instrução. Por isso não é necessário que 1Co 16.1esteja fazendo uma referência a essa carta, mas que tenha em mente qualquer outra comunicação oral ouescrita. A carta também poderia ter sido redigida depois de 1Co, ou seja, em data posterior ao ano 55.Mesmo quem não adere a essa data mais tardia concordará que 1Co 16.1 não fornece um referencial seguro. 6. Como a carta deve ser enquadrada teologicamente? Sem dúvida foi transferida a Paulo uma função histórico-salvífica que se destacava da dos demaisapóstolos. Desta circunstância explicam-se os dois fatos: que ele recebia indagações extraordinariamenteintensas e também era controvertido, e que ele tinha de defender com uma intensidade incomum o seuapostolado. Essas duas circunstâncias espelham-se vivamente na maioria de suas cartas. Contudo asinterpretaríamos equivocadamente se no final resultasse um Paulo isolado do cristianismo primitivo, quasecomo fundador de um cristianismo próprio. Indiferente se, em decorrência, esse Paulo isolado for condenadocomo deturpador do cristianismo ou venerado como ápice do desenvolvimento – ambas as interpretações sãoinaceitáveis. Paulo estava determinado pelo cristianismo geral de forma mais intensa que possa parecer àprimeira vista. Ele respeitava as confissões cristãs e se inseria com naturalidade na tradição da fé antes e emredor dele. No que se refere a carta aos Gálatas, Franz Mussner arrolou, nas pág 36-38, mais de 80 expressões dacarta que podem ser anteriores a Paulo, e com as quais Paulo portanto se movimentava na linguagem comumaos cristãos daquela época. Quem não se apercebe dessa base existente em Paulo, tampouco saberáinterpretar as expressões específicas dele. Em consonância com 2Co 3.16 podemos afirmar: tão logo alguém se volta para o Senhor, é afastada delea questão exortativa da carta aos gálatas. A peculiaridade desta pequena carta reside precisamente em suaconsistência cristológica. Ela constitui um dedo indicador extra-grande que aponta para o Crucificado comsua verdade abrangente. A rigor, todos os seis capítulos cumprem esta função, independentemente dapergunta que está em pauta. O Crucificado é a realidade que sustenta tudo e sem a qual todo o nosso mundopereceria. Ela constitui praticamente o mar da verdade que nos rodeia de todos os lados. COMENTÁRIO I. INTRODUÇÃO 1.1-12 Observação preliminar O título nos manuscritos gregos: Ele diz: Aos Gálatas, sendo repetido desta forma no alto de cada página nas antigas edições gregas da Bíblia, de maneira que ao se folhear o códice era fácil orientar-se. Chama atenção o caráter fragmentário desse título da carta. Este título é constituído meramente de uma breve nota acerca dos destinatários, sem indicação do autor e da categoria de carta. Edições atuais da Bíblia preenchem essa lacuna, p. ex.: ―Carta aos Gálatas‖ (VFL); ―Carta de Paulo aos Gálatas‖ (BLH); ―Epístola de Paulo aos Gálatas‖ (RA). Ocorre que os manuscritos procediam desta maneira homogênea em todas as 14 epístolas da coletânea de cartas de Paulo (a carta aos Hebreus era contada entre as cartas de Paulo). Com a coletânea seguinte de sete cartas (as chamadas cartas eclesiásticas ou católicas) aconteceu, porém, o contrário: Elas foram caracterizadas pela indicação do autor. Todo esse procedimento revela o cuidado de uma geração posterior, para a qual as coletâneas já se encontravam prontas e que tinha de inseri-las e marcá-las de uma ou outra maneira. Nisso o critério de que tudo também tinha de ser prático abreviava as observações. Portanto, o título não fazia parte do texto original do próprio Paulo, mas surgiu no século II. 1. O cabeçalho da carta (Prefácio), 1.1-5
  17. 17. 1 Paulo, apóstoloa, não da parte de homens, nem por intermédio de homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos,2 e todos os irmãos meusb companheiros (no serviço missionário), às igrejas da (região da) Galácia.3 Graça a vós outros e paz da parte de Deus nosso Pai, e do [nosso] Senhor Jesus Cristo,4 o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigarc deste (presented) mundoe perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai,5 a quem seja a glória pelos séculos dos séculosf. Amém.Em relação à tradução a ―apóstolo‖ poderia ser traduzido por: emissário, mensageiro. Nesse caso seria uma designação de função, limitada à duração da atividade. Aqui, porém, como na grande maioria das passagens do NT, ocorre com o termo apóstolo uma utilização especificamente cristã deste vocábulo, a saber, ele é aplicado para um círculo único de pessoas na igreja de Cristo de todos os tempos e lugares. A função delas jamais se extingue. Também depois de elas terem morrido, os membros desse círculo ainda falam por intermédio dos escritos do NT. Eles são os garantidores do evangelho não falsificado e formam a rocha sobre a qual a comunidade se funda (Mt 16.18; Ef 2.20; Ap 21.14). Quando esse sentido específico está sendo referido, é recomendável manter apóstolo como estrangeirismo. b ―Os irmãos meus‖ constitui uma locução permanente que não se refere a pessoas que estão presentes por acaso, mas define relações mais estreitas: companheiros de viagem são colaboradores (At 22.9; Gl 2.3), seguidores, guarda-costas (Mc 2.26), equipe de trabalho (Lc 5.9), companheiros de partido (At 5.17,21). Por isso se exclui a interpretação segundo a qual Paulo se estaria reportando a toda a comunidade local (p. ex. em Éfeso), com a qual ele teria discutido tudo e orado sobre tudo. c A tradução literal de exhairéomai com ―retirar‖ seria muito fraca no presente caso: Em Mt 5.29; 18.9 a palavra aparece para arrancar violentamente um olho, em At 23.27 para livramento das mãos da turba enfurecida. Segundo At 7.10,34; 12.11 trata-se de um antigo vocábulo usado para designar a redenção, ao lado de sõzo e rhýomai. d Aíon, ―o tempo presente‖, significa um tempo longo, mas não ilimitado. A limitação é sublinhada pelo ―presente‖, mas cf. o mesmo termo no versículo seguinte. e Paulo expressa de múltiplas maneiras a experiência do tempo. Apenas nesta breve carta ele fala, sem contar ―hora, dia, mês, ano, agora‖, da era, ou do tempo deste mundo (aíon, aiõnios: Gl 1.4,5; 6.8), do decurso do tempo (chrónos: Gl 4.1,4) e do momento histórico (kairós: 4.10; 6.9,10). f Esta expressão dupla ―século dos séculos‖ obviamente descreve e enfatiza o infinito, a eternidade. Seria absurdo atribuir a Deus somente um senhorio por tempo limitado.Observações preliminares 1. O prefácio das cartas na tradição greco-romana. Até mesmo o autor mais teimoso se adapta, pelomenos nos aspectos mais gerais, aos costumes de seu tempo, de modo que o seu escrito possa ser identificadoprecisamente como carta. Este vínculo a um esquema usual vigorava com maior peso na Antigüidade. Cercade 15.000 achados de cartas originais o comprovam. Por mais de mil anos certas características permaneceramconstantes. Adolf Deissmann publicou 26 amostras dessas cartas antigas. No presente contexto interessa o cabeçalho da carta (quanto à conclusão, veja o exposto sobre Gl 6.11-18),contudo antecipamos uma observação quanto ao endereço. Ele devia ser afixado no lado exterior do rolinho dacarta ou na embalagem da folha dobrada, como p. ex.: ―Levar à oficina de cerâmica, a ser entregue a Náutiasou Trásicles ou ao filho‖ (Deissmann, pág 120). Mais tarde, quando se formaram as coletâneas de cartas, essasinstruções sobre o transporte tornaram-se sem sentido. Infelizmente não foram conservadas de nenhuma cartado NT. Ao contrário do costume atual, falta a data no cabeçalho da carta (prefácio). Com objetividade rigorosaobedecia-se a três pontos, cada um dos quais quase sempre era formulado numa única palavra. Primeiramentecomo ―título‖ (superscriptio) o remetente, que nas nossas cartas costumamos afixar somente como assinaturadepois do todo. Segue-se a ―destinação‖ (adscriptio) na forma do nome do destinatário, e finalmente a―saudação‖ (salutatio), que era formada por uma única palavra corrente de saudação. Assim, um filho escrevea seu pai: ―Polícrates ao pai: Salve!‖ ou uma mulher ao marido: ―Ísias a Hefástio, o irmão: Salve!‖, ou um paiao filho: ―Hérax ao mais doce filho: muitas saudações!‖ Na carta confidencial, portanto, podiam ocorrer levesampliações dos três elementos básicos, contudo refreadas pela dificuldade da escrita na Antigüidade. Ocasionalmente seguia-se ao prefácio, formulado numa só linha, um discurso preliminar de cunho maispoético (Vielhauer, pág 65), o proêmio, na verdade ―canto prévio‖. Ele dava espaço a cortesias e bajulações,muitas vezes também ao voto de saúde: ―Acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde‖ (cf. 3Jo 2).
  18. 18. Nesse ponto Paulo geralmente fala de sua intercessão, e sobretudo agradece a Deus. Gl comprova que ele não diz nada de maneira fingida: Falta nela o proêmio! Em Paulo podem-se constatar todas as peculiaridades das cartas de seu mundo envolvente, até em aspectos gramaticais. Contudo, sempre de novo chamam atenção suas ampliações muito bem refletidas. Em Gl, p. ex., as três palavras usuais transformaram-se em cinco versículos ricos em conteúdo. Sobretudo animou o esquema seco com um sopro cristão. Pois suas cartas, destinadas à leitura pública, também faziam o papel de substituir seu comparecimento pessoal à reunião da igreja e sua pregação (Gl 4.20; 1Ts 5.27). É assim que se explica a extensão dos escritos e também a incorporação de elementos litúrgicos na abertura e no encerramento. Esses escritos transcendiam o formato de cartas particulares, criando um tipo singular de forma literária cristã – primeiro em Paulo, e depois seguido pelas demais cartas do NT. 2. O tempo presente de acordo com Paulo (v. 4). Observadas superficialmente, as afirmações de Paulo sobre o tempo atual são contraditórias. Contudo, ele não faz um jogo dialético. Para ele os fatos encontram-se numa concatenação orgânica. A era presente é, por um lado, tempo de desgraça, ou seja, é má (v. 4). Contudo ela está chegando ao fim (1Co 7.29; 10.11). Seu poder, que ainda pesa como chumbo sobre a humanidade, praticamente já se tornou poroso, foi rompido, perfurado pelos raios da glória de Cristo. Por isso o ponto de partida para Paulo também não se encontra nas afirmações negativas. Percebemos o pulsar dessa nova era no júbilo de 2Co 6.2: ―Eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação‖. É verdade que em seguida ele arrola maciços problemas, que no entanto para ele não anulam o veredicto de que agora é o tempo ideal, a saber, de invocar o Senhor, de ser atendido e de experimentar salvação. Os tempos sombrios, em que a salvação ainda estava oculta, finalmente passaram. ―Agora, se tornou manifesto (o evangelho) e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus eterno‖ (Rm 16.26); ―tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente‖ (Rm 3.26). Porque o presente tem algo incomparável a oferecer, os cristãos também devem ―remi-lo‖ (Ef 5.16; Cl 4.5). Dediquem-se ao seu presente e deixem para outros a nostalgia, utopia ou fuga do tempo! A atualidade é tempo pleno e precioso, porque Deus entrou nela como em nenhum outro período da história. Ele enviou o seu Filho ao mundo e o Espírito de seu Filho a corações humanos (Gl 4.4-6). Cristo tornou-se nosso contemporâneo e está conosco todos os dias até o fim da era atual. Desse modo o tempo presente é tempo de Cristo, tempo de missão, tempo de comunidade e tempo do Espírito Santo. Neste quadro devem ser inseridas as afirmações sobre a atualidade má. Justamente porque o tempo presente é tempo de Cristo de uma maneira tão real, ele também é tempo do anticristo. Ao contrário do ponto de vista judaico, portanto, o tempo de desgraça e o tempo de salvação não transcorrem cronologicamente um após o outro, mas o futuro luminoso irrompeu com sua ponta no presente, de forma que ambos os tempos se encontram agora em confrontação. Nela o poder anticristão trabalha com uma tática dupla de perseguição e sedução. Como ―deus deste século‖, ele visa fechar o entendimento dos descrentes para o evangelho, de maneira que a luz para eles não seja mais clara (2Co 4.4). Até mesmo à ―sabedoria deste século‖, ou seja, à elite intelectual, a seus porta-vozes, o evangelho parece ser uma tolice inaceitável (1Co 2.6,8; 3.18; 1.20). Forma-se um sentimento de superioridade. Forças demoníacas geram um clima em que o ser humano, num verdadeiro prazer pelo pecado, e apesar de toda a desgraça do pecado, se sente cabalmente seguro. Contudo, essa descrição ainda não atinge o que é realmente maligno no espírito do tempo presente, ao que nos reportaremos na interpretação do v. 4.1 De forma até grosseira Paulo faz ecoar no espaço as primeiras informações. Neste ponto não permite concessões. Como primeira palavra da carta ele anota o autor principal: Paulo. Com este seu cognome latino ele se apresenta regularmente. Soubemos o seu nome judaico apenas por At, a saber, nove vezes na forma do AT ―Saul‖ e 15 vezes na forma grega ―Saulos‖. A mudança do nome judaico para o cognome latino não se deu, p. ex., na ocasião em que se tornou cristão diante das portas de Damasco, mas, conforme At 13.9, somente quando se deram as primeiras conversões de gentios com a sua participação, sobre as quais At informou. Desse momento em diante, Lucas o designa unicamente por ―Paulo‖. Sob esse nome ele se tornou e continua conhecido no mundo todo como apóstolo dos gentios. Com a segunda palavra, Paulo já amplia a indicação usual de autor: apóstolo. Ele não se apresenta aos seus leitores nem como Paulo devoto nem como inteligente. Na verdade, ao escrever, não se vê por nenhum momento como pessoa particular que elabora seus pensamentos em livre associação, e sim como apóstolo de Jesus Cristo, tomado integralmente pelo que o envia: ―sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho!‖ (1Co 9.16). Como em nenhum outro prefácio de carta, ele vai desenvolvendo a natureza singular de sua autoridade, seguramente porque foi desafiado pela atitude autoritária dos mestres estranhos na
  19. 19. Galácia (cf. o exposto sobre Gl 6.12). Com esse objetivo, coloca duas vezes o ser humano de lado: Paulo é apóstolo não da parte de homens. No cristianismo primitivo também havia ―apóstolos das igrejas‖ (2Co 8.23 cf. BJ), que como tais realmente eram pessoas respeitadas (cf. Gl 2.12). Contudo Paulo não se insere nessa fileira. Ele não é o expoente de um grupo de cristãos, p. ex., da igreja de Jerusalém. A partir do v. 16 ele o comprovará. Ele tampouco foi incumbido da sua mensagem por intermédio de homem algum, p. ex. por Pedro. No v. 18 ele especificará o seu relacionamento com Pedro. Nos v. 10ss Paulo ainda acrescenta nada mais nada menos que quatro negações do ser humano: Não para a aprovação das pessoas (v. 10a), não para agradar a pessoas (v. 10b), não segundo a maneira humana (v. 11) e não recebido nem aprendido de seres humanos (v. 12). Por que nesse assunto o ser humano é tão nitidamente excluído? Por causa do ser humano, para que lhe seja preservado o evangelho de Deus. A pregação de Paulo não constitui nenhum acontecimento interativo entre pessoas. Nela o ser humano não tem a ver consigo próprio, não telefona consigo mesmo, não se ergue pessoalmente do pântano pelos cabelos. Depois da dupla exclusão do ser humano seguem-se duas informações positivas. Primeiro: mas por Jesus Cristo. Paulo está debaixo de um envio emitido diretamente por Cristo. Atrás de sua boca está imediatamente a boca do Senhor, mais precisamente, do Senhor exaltado. Por isso, em segundo lugar: e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos. No texto básico a forma gramatical de ―ressuscitar‖ aparece como um predicado do ―Pai‖, literalmente: ―pelo Pai que o ressuscita dos mortos‖. A natureza paterna de Deus está sendo preenchida cristologicamente: Quando Jesus é ressuscitado reluz, como em nenhuma outra ocasião, a ―glória do Pai‖ (Rm 6.4). É isso, portanto, que se afirma em relação ao fundamento do apostolado. Quem diz apóstolo, diz Páscoa. Do mesmo modo Paulo estabelece o nexo causal dos dois aspectos em 1Co 9.1: ―Não sou eu, porventura, livre? Não sou apóstolo? Não vi Jesus, nosso Senhor?‖ Também Lucas insiste em datar a origem do apostolado nas aparições do Ressurreto. Portanto, o evangelho, que Paulo tenciona testemunhar de novo aos gálatas na presente carta, tem como fonte esse glorioso poder de ressurreição de Deus o Pai. Já com o primeiro versículo Paulo insta poderosamente com seus leitores. Tampouco nós temos diante de nós a interessante contribuição de um teólogo do século I, mas recebemos uma palavra de revelação de um apóstolo de Jesus Cristo, nosso Senhor.2 Paulo expande mais uma vez sua indicação do remetente: e todos os irmãos meus companheiros (unidos no serviço missionário). Como em outras oito cartas, e diferenciando-se dos costumes de seu tempo, ele cita co-remetentes, ainda que não o faça pelo nome. Obviamente ser co-remetente não significa ser co-autor, pois não persistem dúvidas de que Gl é integralmente obra pessoal de Paulo. Nem por isso ele encontrou a posição diante do problema galático num processo solitário. Foi antecedida de reflexão e aconselhamento conjuntos, e os irmãos exercem responsabilidade com ele. Por mais cônscio que Paulo fosse de seu apostolado (v. 1), de forma alguma essa consciência o leva em direção de um cargo monárquico de bispo. Um apóstolo pede em lugar de Cristo (2Co 5.20), porém não governa no lugar de Cristo. Certa vez Paulo registra com amarga ironia o ―reinado‖ de determinados irmãos (1Co 4.8). Para ele próprio a autoridade não excluía um procedimento colegiado. Opiniões dos irmãos tinham peso para ele. Quanto ao conteúdo de Gl havia, pois, concordância: Todos os colaboradores estão me apoiando! Isso transformou a carta no ―escrito confessional de uma comunhão de fé‖ (J. A. Bengel) e ao mesmo tempo fazia os gálatas perceber em que isolamento estavam prestes a cair. No final do segundo versículo aparece finalmente a indicação dos destinatários: às igrejas da (região territorial da) Galácia. Não é assim que cada uma das igrejas de lá recebe uma carta própria, mas que esta uma carta deve circular entre elas. Ao mesmo tempo o cabeçalho da carta permite constatar: Elas ainda são para Paulo igrejas cristãs. Os v. 3-5 evidenciarão o quanto ele é sincero nessa afirmação, e além dessa passagem a carta toda o demonstrará. Em Gl 3.26 é dito expressamente: ―Vós sois filhos de Deus‖, ―pertenceis a Cristo‖. Nove vezes Paulo interpela os gálatas como ―irmãos‖, e diz: ―tenho confiança em vocês‖ (Gl 5.10 [ BLH]). É por isso que Schlatter percebe corretamente (pág 9): ―Uma calorosa corrente de sentimentos percorre a carta‖. Sem dúvida trata-se em alguns pontos de uma carta irada, mas também é uma carta amorosa. Apesar disso cumpre elucidar por que Paulo, ao contrário das demais cartas, não se anima a um adendo como, p. ex., em Rm 1.7: ―A todos os amados de Deus, que estais em Roma, chamados para serdes santos‖.
  20. 20. Por que falta toda gratidão em adoração, que em outras ocasiões é tão transbordante em Paulo? Para essa pergunta há explicações psicológicas, como: Um estado de irritação o teria levado a começar de forma tão gélida. No entanto, combina melhor com o padrão intelectual da carta uma informação diferente: Ele, que em geral estava tão disposto a louvar e agradecer, na verdade não abandonava a implacabilidade. O amor espiritual não esconde aquilo para o que diz ―não‖. ―O amor… não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade‖ (1Co 13.4,6). Ademais, Paulo pode ter sido determinado pela premente responsabilidade de entrar rapidamente no assunto. O prefácio diz tudo o que é necessário, mas somente o necessário.3-5 Esta saudação inicial merece uma abordagem ampla. Todo leitor percebe nela o tom litúrgico. Ouvimos formulações solenes que já ressoaram antes da redação da carta, ecoando depois dela e até hoje se repetem nas reuniões do povo de Deus. Portanto, o fato de Paulo as antecipar nesse momento significa comunhão espiritual na prática. Ao serem lidos esses termos familiares, os gálatas podem ter movido os lábios e involuntariamente aderido ao ―Amém‖ final, assim como no encerramento da carta em Gl 6.18. Fundamentemos brevemente que se trata nesses versículos de um acervo de fórmulas cristãs comuns: Primeiro cabe observar a grande freqüência e a larga disseminação dessas formulações no NT. A palavra de bênção do v. 3 é nossa conhecida de quase todas as aberturas de cartas do NT, independente de qual seja o autor. Também nos é muito familiar o som da doxologia (adoração) no v. 5. Para a palavra de salvação no v. 4 existe uma multidão de paralelos ou semelhanças. Enfim, são formulações de termos que em geral estavam à disposição para a pregação, o canto e a oração. Em segundo lugar também depõe em favor desse uso litúrgico a circunstância de que as frases são construídas com ritmo, e que têm membros uniformes e formas equilibradas, como, p. ex., o título pleno ―Senhor Jesus Cristo‖ aqui no v. 3, que retornará apenas no igualmente solene encerramento de Gl 6.14,18. Finalmente, o v. 4 contém alguns vocábulos que não se encontram em outros textos de Paulo, fato esse que tão somente confirma que ele não formulou individual e especificamente para os gálatas, mas que ele cita uma fórmula existente. Unicamente aqui é que lemos ―desarraigar‖ (exhairéo), enquanto em lugar desse termo aparece 29 vezes ―salvar‖ (sõzo) e 11 vezes ―redimir‖ (rhýomai). Além disso, via de regra, Paulo fala de ―pecado‖ no singular, como poder do pecado, mas nesse ponto de ―pecados‖ como uma pluralidade de atos pecaminosos. Um terceiro exemplo: Em outras passagens Paulo usa sete vezes ―este éon‖ em lugar de ―o presente éon‖ como aqui (cf. RC, NVI e BJ). Naturalmente não estamos avaliando negativamente o fato de que Paulo faz uso de fórmulas existentes. Este fato não significa que ele recite essas palavras sem plena convicção, mas elas continuam válidas como interpretação plena do testemunho daquilo que o preenche.3 Começa o voto detalhado de bênção (salutatio), que se encontra de forma similar em cerca de dez cartas de Paulo. Acima, na opr 1, expusemos como os escritores de cartas daquele tempo se contentavam nesse ponto com palavras concisas. Contudo Paulo não desfia o costumeiro, mas aproveita a oportunidade para, logo ao saudar, inserir e transmitir algo significativo. Dessa maneira obtemos uma das mais belas frases que podem ser ditas a pessoas. De onde, porém, ele retirou essa beleza e maravilha? Paulo responde: de Deus, nosso Pai, para continuar em alta voz: e do [nosso] Senhor Jesus Cristo. Deus vem a ser Pai e fonte de todas as boas dádivas pelo fato de que Jesus é o Senhor. Portanto, o fato de que Jesus é Senhor deve-se à circunstância de que ele fez uma carreira brilhante. Porém foi uma carreira para baixo. Como servo obediente ocupou o lugar mais inferior na humanidade, o lugar do pecador e o lugar do condenado. Contudo é dessa condição de servo que jorra seu senhorio, e desse, a gloriosa condição de Deus enquanto Pai. De acordo com o v. 1 é dessa glória que também já derivava o serviço apostólico de Paulo. Agora somos informados sobre o que ele traz consigo desse mandato, em que consiste a soma de seu serviço: graça a vós. ―Graça‖ certamente tem uma ressonância, no grego, com a palavra usual de saudação daquele tempo, que se tornou gasta e sem conteúdo (chaírein, do qual se deriva aqui cháris, ―graça‖). ―Graça‖ é inclinar-se e também ocorre de pessoa para pessoa. Porém ―graça da parte de Deus, nosso Pai‖ extrapola nossa capacidade de imaginação. É como se a ponta da torre de uma catedral se inclinasse profundamente até um capim que vegeta lá em baixo nas frestas do calçamento. Desta forma, e de modo ainda mais incrível, Deus nos alegra com ele próprio: Aqui estou, estou com vocês, sou de vocês, vocês são meus! (Outros pormenores sobre o conceito de graça, que ocorre sete vezes na carta, cf. o exposto
  21. 21. sobre Gl 1.6.) Em Hb 10.29 fala-se do ―Espírito da graça‖. Portanto, ela é uma experiência espiritual. Com o voto da graça Deus não somente está bombeando idéias para dentro das dobras de nosso cérebro, mas o Espírito de Deus sobrevém beneficamente ao nosso espírito, corpo e alma. De forma lógica segue-se: e paz. O termo grego eiréne, que temos diante de nós, constitui na LXX a palavra que traduz o termo hebraico shalom, conhecido ainda hoje como saudação judaica. Assim Paulo conjuga a saudação grega com a semita. De tanta graça, portanto, vem a paz, i. é, somos restaurados. O ser humano torna-se novamente ser humano. Desmancham-se lembranças que fazem adoecer, mas também bloqueios atuais e, por fim, o fechamento para o futuro. A elevada e forte paz vinda de Deus e Cristo inunda as resistências, por mais resistentes que possam ser. Apenas votos piedosos? Jesus diz em Mt 10.12,13: ―Ao entrardes na casa, saudai-a; se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz‖. Tão essencial pode ser a saudação de um emissário de Jesus. Uma casa que se submete ao evangelho merece a paz e a experimenta por meio da proclamação apostólica. Este evangelho é delineado no versículo subseqüente, momento em que fica muito claro como a frase finalmente aterrissa no alvo que visou.4 Na introdução de uma carta não é possível apresentar mais do que uma formulação abreviada do evangelho. Quando, porém, há somente o espaço de uma única frase, o que deverá ser o seu conteúdo imprescindível? Os diversos títulos honoríficos de Jesus? Sua existência antes de vir ao mundo? Seu nascimento, seu batismo, seus feitos ou ensinamentos, sua oração e sua fé? Não, o auge de sua vida foi sua morte: o qual se entregou a si mesmo (à morte) pelos nossos pecados. Devemos a Martinho Lutero a bela palavra sobre esse texto: ―Ele deu. O quê? Não ouro, nem prata, nem animais de sacrifício, nem cordeiros pascais, nem anjos, mas a si mesmo. Pelo quê? Não por uma coroa, nem por um reino, nem por nossa santidade ou justiça, mas por nossos pecados‖. O primeiro impulso para essa perspectiva inaudita os apóstolos já receberam por parte de seu Mestre. Conforme Mc 10.45 sua vinda tinha a finalidade expressa de ―dar a sua vida em resgate por muitos‖. Jesus não pode ser entendido sem a plenitude de sua atuação na morte (e ressurreição). Tudo o que veio antes foi um encaminhamento, do qual não se deve tirar o alvo. Nesse ponto residem o centro e a norma para todo cristão. É por isso que 1Co 15.11 diz: ―Portanto, seja eu ou sejam eles, assim pregamos‖. De forma coerente, o NT atesta também em todas as suas partes como acontecimento central a morte de Jesus como morte salvadora. Mais de quarenta ocorrências trazem esse ―por nós, por vocês, pelo irmão, por mim, por todos, por muitos, pelo mundo‖ ou com freqüência também referindo-se a um objeto, como aqui: pelos nossos pecados. Nada é afirmado com tanta freqüência e unanimidade acerca da morte de nosso Senhor como isto, que foi uma morte em favor de. Ele não morreu uma morte particular para si próprio, mas ao morrer assumiu o lugar da humanidade desesperadamente culpada. Como inocente, deixou-se executar como culpado, para que culpados assumam o lugar do justo. Esta ―troca maravilhosa‖ (Lutero) merece todas as abordagens. Ela constitui a revelação fundamental sobre Deus. Um Deus que se oferece ao mundo. Um Deus para quem suas criaturas são mais preciosas que sua maior preciosidade. Um Deus que se empenha pelas suas criaturas, preferindo perder-se pessoalmente a perdê-las. Gl 3.13 nos dará a oportunidade de refletir adiante sobre o ―por nós‖. Neste ponto antecipamos a locução final do presente versículo, que poderá evitar um equívoco. A auto-entrega de Jesus e nossa redenção aconteceram segundo a vontade de nosso Deus e Pai. Não temos um Deus espectador, que observa, taciturno, horríveis sacrifícios humanos e que no final acaba sendo apaziguado contra a sua vontade. Sacrifícios humanos são um ―costume abominável dos gentios‖ já condenado expressamente no AT (2Rs 16.3). Pelo contrário, temos de considerar a auto- entrega do Filho e a entrega ativa do Pai como atos conjuntos – ambos realizados na dor do amor pelo mundo. O amor divino por nós não poupou o Filho, mas tampouco o Pai, de modo que Deus sofreu pessoalmente, Deus se sacrificou pessoalmente e realizou um empenho total: ―Deus estava em Cristo‖ (2Co 5.19). – Com razão Oepke opina a respeito do presente versículo: ―Paulo, portanto, torna a idéia da expiação o fundamento de sua carta‖. É a partir dessa verdade que ele desalojou a posição dos mestres estranhos que se haviam intrometido. O versículo desemboca numa frase final, que cita o efeito objetivado pela ação salvadora: para… Frases semelhantes com ―para…‖ também se encontram em Gl 3.13,14; 4.4,5. Agrupadas, elas produzem um portentoso júbilo de liberdade. Nesta passagem, o mal de que Cristo arranca o ser humano é a presente era perversa. Lidos superficialmente, o AT e o NT fornecem muitas vezes uma perspectiva muito obscura do tempo presente do mundo. A opr 2, sobre o presente trecho, visa
  22. 22. colocar os fatos na proporção correta. Lá também são avaliadas afirmações diferentes de Paulo sobre o mal na era presente. Cabe aqui mencionar a estreita relação de nosso trecho com a metade precedente do versículo (v. 4a), pois ela aborda o tema dos ―nossos pecados‖. É neste ponto que tocamos no verdadeiro espinho da maldade da nossa era. Ela não reina sobre nós simplesmente por um poder superior – nesse caso pelo menos poderíamos ter pena de nós próprios como seres frágeis dependentes das circunstâncias – mas sempre domina também com um direito intrínseco. Na verdade transforma inicialmente o pecar em algo fácil, facílimo, mas depois não dá a menor folga nas conseqüências. Sem piedade, elas são denunciadas. O ―deus deste século‖ não perdoa nada. Quem comete pecado, passa a pertencer ao pecado de direito, é seu escravo. Assim, nossa miséria, apesar de toda a dependência das circunstâncias, sempre está também fundamentada em nossa própria culpa. Nossa desgraça vem a ser, no seu aspecto decisivo, culpa e condenação. Cada um de nossos pecados dá ao poder do maligno condições para exercer legitimamente a obra destrutiva que de qualquer modo já vem fazendo. Nisto reside o fato de não termos saída. Encontramo-nos numa relação de direito fatal com o mal, da qual não podemos nos desvencilhar pessoalmente. Não dispomos de justificativa para agir. Pois os nossos pecados também estão sempre presentes, e nada faz tanto parte de nós quanto exatamente esses ―nossos pecados‖. Por isso, quem ainda não levou a sério os seus pecados, ainda não começou a levar a sério a si próprio. O único que realmente leva a sério a nós e nossos pecados é Deus. Por um empenho total ele interferiu e nos arrancou: por meio da entrega de Jesus pelos nossos pecados. A Sexta-Feira da Paixão destronou o senhor deste século, tirando-lhe seu direito no âmago mais profundo. A expressão ―arrancar‖ na verdade poderia sugerir um ato de pura violência, mas é complementada em Gl 3.13 e 4.5 pela menção de um ―resgate‖, ou seja, de um ato legal. Dessa maneira existe desde a Sexta-Feira da Paixão uma solução limpa daquela situação desesperada, uma solução que também está em ordem quando iluminada de todos os lados, tanto diante da nossa consciência e razão quanto também diante da lei de Deus e dos anjos no céu. Cl 1.13,14 mostra essa virada em foto ampliada. Para os que crêem, a ―presente era perversa‖ (NVI) não é mais a verdadeira realidade. Apesar de cronologicamente ainda viverem nela, sendo também atribuladas por ela, eles foram legalmente expatriados dela e transportados ―para o reino do Filho do seu amor‖ (v. 13).5 Como faz muitas vezes após mencionar os grandes feitos de Deus, Paulo também agora acrescenta uma doxologia: a quem seja a glória pelos séculos dos séculos. Doxologias (de dóxa, ―glória‖) não constituem propriamente gratidão, mas já dão um passo além. Avançam da contemplação da ação para a veneração de quem a realiza. A pessoa compreende: Deus não apenas agiu assim, mas ele também é assim. Seu agir brotou de seu ser imutável. Por isso Ele também permanece ao lado do seu Ungido, apesar de todo o protesto (Sl 2.1-6) e jamais mudará o evangelho. No fundo talvez já transpareça a rejeição do ―outro evangelho‖ que virá no v. 6. Desde tempos imemoriais faz parte do louvor a Deus o Amém da comunidade. Em Ne 8.6 isso já pode ser constatado: ―Esdras bendisse ao Senhor, o grande Deus; e todo o povo respondeu: Amém! Amém! E, levantando as mãos; inclinaram-se e adoraram o Senhor, com o rosto em terra.‖ Esse ―Amém‖ de resposta e confirmação também se tornou um hábito no culto da incipiente igreja. Por isso Paulo podia presumir que, ao ser lida a carta, nesse ponto toda a assembléia se moveria. Dessa maneira ele esperava que a comunhão dela perante Deus fosse fortalecida. Retrospecto sobre os v. 3-5: Com razão os comentários destacam que em Gl fica de fora o proêmio de gratidão que no mais é usual em Paulo. Também gostam de ressaltar que no v. 6 ele se precipita abruptamente com sua crítica sobre os gálatas. Contudo não é esse o caso. Ele abre a porta cuidadosamente. Cumpre perceber em que consiste o adicional de Gl em comparação com todas as demais cartas de Paulo. Em nenhuma outra parte Paulo ampliou a saudação por palavra de salvação, doxologia e Amém da igreja como fez aqui. Dessa forma construiu a base espiritual para a sua exposição impactante no trecho seguinte. 2. Acusação de apostasia e anúncio de juízo para os sedutores, 1.6-9 6 Admira-me que estejais passandoa tão depressa daquele que vos chamou na graçab de Cristo, para outro evangelhoc, 7 o qual (afinal) não éd outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem pervertere o evangelho de Cristo.

×