Programagestao i9uel
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Programagestao i9uel

on

  • 142 views

 

Statistics

Views

Total Views
142
Views on SlideShare
142
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Programagestao i9uel Programagestao i9uel Document Transcript

  • PINESE e ELZA IDA com VOCÊ
  • Foto Extraída do Boletim NOTÍCIA DA UEL n.o 1.305 (Primórdios do CALÇADÃO DA UEL) Todos nós somos os herdeiros dos primeiros dias de nossa UEL, juntos somos os responsáveis pela sua construção e agora, devemos assumir a responsabilidade da sua renovação, pois, a UEL esgotou-se de nos servir. Agora é o momento de servirmos à UEL. Nós decidimos inovar com você, não por ser uma atitude inteligente ou por ser um desafio difícil, mas, por ser necessário a todos nós. Precisamos inovar, fazendo mais com menos recursos, promovendo aumentos de eficiência nas atividades administrativas e financeiras, no ensino, na pesquisa e na interação com a sociedade. Os desafios contemporâneos são bem conhecidos, assim como o papel de uma universidade nos dias atuais, cujas responsabilidades com o ensino, a pesquisa e a extensão devem ser realizadas em um ambiente organizado por regulamentos, movidos por ações administrativas. Por outro lado, precisamos lembrar que nenhum desafio será vencido se não houver comprometimento, respeito, competência e dignidade, presente e preservada por todos nós. Este documento resume nossos princípios e propostas para a gestão 2014-2018, contendo as contribuições que diversos setores da comunidade UEL compartilharam conosco e está aberto para ser inovado e renovado.
  • PINESE (José Paulo Peccinini Pinese) - Doutor em Geoquímica pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP) em cotutela com a Universidade de Trieste, Itália (1997). Mestre em Geofísica pelo Instituto Astronômico e Geofísico da USP (1989). Professor Visitante convidado pela Universidade de Alicante, Espanha (2010). Bolsista de Produtividade em Pesquisa da Fundação Araucária do Paraná desde 2008. Líder de três grupos de pesquisa do CNPq: Geologia, Análise Ambiental e Hidrossistemas Tropicais e Subtropicais. Em 1985, ingressou por concurso como docente efetivo na área de Geologia, no Departamento de Geociências do Centro de Ciências Exatas (CCE) da UEL, atuando nos cursos de graduação em Geografia, Química, Agronomia, Engenharia Civil e Biologia. Atualmente é professor Associado e Docente permanente do Programa de Mestrado e Doutorado em Geografia, Meio Ambiente e Desenvolvimento (desde 2001) e do curso de especialização em Análise e Educação Ambiental em Ciências da Terra. Entre 2003 e 2008, atuou no Programa de Mestrado em Engenharia de Edificações e Saneamento da UEL, na especialidade de Geologia de Engenharia e Ambiental. Sua experiência de gestão acadêmica, administrativa e financeira inclui a Direção do Centro de Ciências Exatas (CCE) (desde 2010); Coordenação do Programa de Mestrado em Geografia, Meio Ambiente e Desenvolvimento em dois mandatos (2005-2010); Vice chefia do Departamento de Geociências (2002-2004); Coordenação da Comissão de Pesquisa e Pós-Graduação do CCE (1997-1999); Representação Titular do CCE no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão-CEPE (1990-1991). Na Fundação Araucária coordenou o Comitê de Geociências (2007 -2012) e atualmente é membro do Comitê da grande área de Ciências Exatas e da Terra.
  • ELZA IDA (Elza Iouko Ida) - Graduada em Licenciatura Química (1976), Mestre em Ciência de Alimentos/UEL (1981) e Doutora em Ciência de Alimentos/USP (PICDT/CAPES, 1981-1986). Iniciou carreira na UEL como Professora Colaboradora no Departamento de Química (1977). Efetivada como Professora Assistente no Departamento de Tecnologia de Alimentos e Medicamentos (1981). Desde 2001 é Professora Associada C do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos do Centro de Ciências Agrárias (CCA). Sua experiência administrativa inclui duas gestões de Chefia de Departamento; três mandatos como Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ciência de Alimentos e Coordenadora dos Programas de Pós-graduação stricto sensu da UEL (1993-1998 e 2010- 2013); Diretora da Pós-Graduação da UEL (1998-2002); além de participação como membro da Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa, do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e do Conselho Universitário por três mandatos. Docente no Curso de Farmácia e no Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos e orienta estudantes de Mestrado e de Doutorado em Ciência de Alimentos e de Iniciação Científica. Formou mais de 50 Mestres e Doutores em Ciência de Alimentos. Coordena recursos de projetos aprovados como o PRONEX/FA-CNPq/MCT, Edital Universal do CNPq e Edital Universal da Fundação Araucária. Coordenou o primeiro CT-Infra/FINEP da UEL, sendo a pioneira na implementação de laboratório multiusuário, o Laboratório de Pesquisas Agropecuárias- LAPA. Bolsista Produtividade (CNPq/MCT) desde 1988 e desde 2005 é Bolsista no nível PQ 1A. Coordenou no CNPq o Comitê Assessor da Engenharia Agrícola, Alimentos e Florestal e foi Coordenadora e membro do Comitê Assessor da Área de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Na CAPES/MEC, exerceu o cargo de Coordenadora na Área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, foi membro da Comissão Técnica Científica (CTC), além de ter participado da Comissão de Avaliação da Pós-Graduação Brasileira de 1996 até 2007. Na Fundação Araucária coordena pela segunda vez o Comitê de Ciências Agrárias.
  • PROGRAMA DE GESTÃO ACADÊMICA, ADMINISTRATIVA E POLÍTICA UNIVERSITÁRIA i9UEL Este programa de gestão e política universitária para a UEL, no período de 2014 a 2018 da chapa PINESE e ELZA IDA (i9UEL), constitui-se no documento norteador de propostas de ações para o desenvolvimento institucional da universidade. Esta gestão acadêmica e administrativa será marcada por um processo de inovação que nos levará ao desenvolvimento, crescimento e avanços da instituição. O momento atual exige a reflexão sobre as políticas educacionais e a reorganização de todas as atividades desenvolvidas na instituição, com ampla discussão marcada pelo envolvimento de todos os setores da universidade. O apoio de toda comunidade será essencial para que os novos dirigentes da universidade sejam capazes de liderar os processos de transformações, introduzindo novos sistemas e procedimentos inovadores. Atualmente a UEL é reconhecida nacionalmente como uma Instituição de Ensino Superior de grande porte. A sua dimensão é constituída de 53 Cursos de Graduação (38 Bacharelados e 15 Licenciaturas); 66 Pós-graduações stricto sensu (45 Mestrados e 21 Doutorados), 99 Cursos de Especializações lato sensu e 67 Especializações Residências, totalizando 13.257 estudantes de Graduação e 4.620 de Pós-Graduação. O vestibular da universidade caracteriza-se como o mais concorrido no Estado do Paraná, com candidatos provenientes de as regiões paranaenses, bem como de outros Estados. O corpo docente é constituído de 1.709 professores (91% Mestres e Doutores) e 3.664 agentes universitários (23% Especialistas, Mestres e Doutores). Existem muitas outras informações disponíveis no portal da UEL, porém, muitas outras precisam ser coletadas e disponibilizadas para a comunidade, de fato, um grande RX da UEL precisa ser planejado e muito bem executado, todos juntos precisamos conhecer a UEL em detalhes, principalmente se pretendemos lutar por contratações, ampliações do quadro funcional, reposições salariais, aumento do orçamento e do financeiro, sobretudo quando pensamos em ter Autonomia Administrativa e Financeira. PINESE e ELZA IDA (i9UEL) comprometem-se em radiografar a UEL e prosseguir com a missão da UEL no empenho para o desenvolvimento, crescimento e transformação social, econômica, política e cultural de nossa região, do nosso Estado e do Brasil. Nossa gestão administrará a instituição com democracia participativa, liberdade de expressão, transparência, respeito e igualdade entre todos os servidores da instituição, visando a geração e disseminação de conhecimento e formação de profissionais competentes e éticos para atuarem nos diferentes setores da sociedade.
  • i9UEL com Pinese e Elza Ida Inovar é um conceito complexo que, basicamente, consiste em introduzir novidade, portanto, ele é um conceito diferente de invenção. Nós não queremos inventar gestão, queremos junto com a UEL refletir, revisar, avaliar e propor novas formas de gerenciar, de ensinar, de conduzir pesquisas e de servir a sociedade. Inovar é o caminho mais inteligente que a UEL deve seguir, pois, a velocidade das mudanças no mundo tem aumentado fortemente. Neste cenário de transformações contínuas, o sucesso somente será alcançado por quem for liderança e não apenas mais um adepto, mais um seguidor, um simples continuador. Para inovar, a postura humana precisa ser nova. Motivar a esta reflexão não é fácil, mas, observamos que você consome boa parte das 24 horas dos seus dias, convivendo dentro da universidade. Como conduzir de maneira nova as relações humanas? Com atitudes de dignidade, de respeito, de reconhecimento, de gratidão e de valorização, não podemos nos esquecer que a UEL é nosso segundo lar e que não estamos sozinhos. Na prática do trabalho diário da UEL, inovar deve ter como meta reduzir custos administrativos, que inclusive deve buscar uma forma mais eficiente de consumir o tempo de todos, resultando no aprimoramento de toda comunidade, na melhoria das condições de trabalho, na satisfação pessoal e coletiva, impulsionando a produtividade da universidade. Inovar na organização da UEL significa, por exemplo, implementar formas novas de coordenação e de execução de procedimentos, aos quais é imprescindível o uso de Tecnologia de Informação atualizada. Procedimentos para aumentar a produtividade, deixando a UEL ágil e enxuta também são formas de inovar que podem ser alcançadas com um organograma que possibilite maior autonomia, consciência da responsabilidade e que estimule o alcance de metas. Ainda, avaliar se a integração ou desmembramento de setores levem na redução de custos e no aumento de eficiência. Inovaremos ao permitirmos e estimularmos a participação de todos com ideias e sugestões, conscientizando os gestores de todas as instâncias da UEL sobre a importância de coletar novas ideias de seus colaboradores. Inovar com a avaliação da satisfação do público, seja ele interno ou externo. A avaliação não deve ser confundida com castigo, com demérito de trabalho, ao contrário, ela é um dos itens essenciais no caminho do autoconhecimento e amadurecimento.
  • Apenas em 2012 o Estado do Paraná aprovou sua Lei de Inovação (Lei 17.314), oito anos após a aprovação da Lei de Inovação federal (Lei 10.973). Boa parte destas leis tratam da participação das Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs), como as universidades, nos processos de inovação a serem implantados no setor produtivo, bem como da exigência de um Núcleo ou Agência de Inovação (NIT) para que a ICT possa pleitear recursos. Na UEL, a AINTEC foi criada com este objetivo, porém, seus recursos humanos são todos bolsistas, o que é bastante delicado para sua consolidação. Acreditamos que é importante, numa proposta de inovação, fortalecermos a nossa Agência de Inovação para que ela possa oferecer a captação efetiva de recursos para a UEL. Por fim, nós entendemos que para o sucesso de i9UEL com PINESE e ELZA IDA, vínculos partidários não podem comprometer nossas ações presentes e, principalmente, as futuras. PINESE e ELZA IDA não são vinculados a interesses de grupos ou partidos políticos, somos membros de uma grande equipe que se chama UEL. Desta forma, destacam-se neste programa de gestão acadêmica, administrativa e política universitária as seguintes propostas: (1) Graduação: A graduação será um dos principais focos de nossa gestão. Entendemos que é fundamental a preparação dos estudantes para atenderem as gerações futuras, com uma formação abrangente, não apenas com saberes da sua profissão, mas, com conhecimentos sobre seu entorno social, cultural e político para que possam exercer sua profissão como um cidadão pleno, ciente da importância de sua atuação ética e comprometida socialmente. Em nossa gestão, os colegiados de cursos de graduação serão incentivados a propor modelos e iniciativas inovadoras com múltiplas competências para os nossos estudantes, que deverão enfrentar os novos desafios decorrentes das rápidas transformações tecnológicas e culturais em sua área de atuação. Desta forma, propomos as seguintes ações:  Radiografar a PROGRAD e, juntamente com as Coordenações de Cursos e Técnicos Administrativos, reestruturar suas atividades para torná-la mais eficiente.  Agilizar as questões meramente “cartoriais” e estabelecer pontos de pauta que discutam as políticas de graduação para o enfrentamento dos desafios futuros, protegendo nosso universo acadêmico que é um dos nossos bens mais preciosos.  Atender o ensino de graduação em todas as áreas de conhecimento com novas metodologias de aprendizagem e incorporar novas tecnologias condizentes com a realidade de formação dos estudantes, visando aproximá-los da realidade do mercado de trabalho.
  •  Apoiar os colegiados de cursos de graduação com ações de atualização dos projetos pedagógicos, inserindo conteúdos, metodologias alternativas e ferramentas inovadoras.  Estimular a inovação nos cursos de graduação em empreendedorismo, tecnologias, aspectos éticos e culturais.  Implementar novos cursos de graduação regular (bacharelados, licenciaturas, engenharias, tecnologias especificas e outros) conforme a demanda, bem como os de curta duração e também novas habilidades ou modalidades (ensino presencial ou não presencial-EAD).  Assegurar que os programas de inclusão social, nos cursos de graduação, compatibilizem o acesso à universidade com a permanência dos estudantes, garantindo aprendizagem acadêmica com qualidade, por meio de programas que possam acompanhar os alunos e atender suas necessidades, especialmente em relação ao seu processo de aprendizagem, favorecendo a superação de suas possíveis dificuldades.  Incentivar e apoiar os colegiados de cursos de graduação a realizarem avaliação interna e externa, bem como o acompanhamento de forma contínua, visando atualizá- los segundo o INEP.  Revisar e aperfeiçoar os processos de gestão acadêmica conforme as competências dos Colegiados de Cursos, desburocratizando os procedimentos.  Investir nas instalações físicas de salas de aulas, laboratórios e bibliotecas, assegurando uma melhor condição de ensino dos cursos de graduação.  Revisar e adequar o número de vagas dos cursos de graduação conforme a demanda e a exigência de formação de novos profissionais nos diferentes setores.  Incentivar e apoiar a mobilidade de estudantes de graduação em instituições nacionais e estrangeiras.  Adaptar as normas e regimentos dos cursos de graduação para agilizar os procedimentos acadêmicos no retorno dos estudantes dos programas de mobilidade/intercâmbio.  Dar especial atenção aos programas de ensino como o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) e o Programa de Educação Tutorial (PET).  Fortalecer o Fórum Permanente dos Cursos de Licenciatura (FOPE) e o Grupo de Estudos em Práticas em Ensino (GEPE).
  •  Aprimorar a relação UEL e campos de estágio, especialmente em relação ao Colégio de Aplicação, buscando efetivá-lo como campo de ensino, pesquisa e extensão. (2) Pesquisa e Pós-Graduação: Nós temos a convicção que o ensino de pós-graduação da UEL busca a qualidade, interdisciplinaridade e mobilidade associadas às atividades de pesquisa, visando a excelência na formação de Especialistas, Mestres e Doutores para atuarem no ensino, pesquisa e desenvolvimento tecnológico de instituições publicas ou privadas, bem como outros setores. Nós também acreditamos que nossos colegas que atuam na pós- graduação compreendem o quanto é fundamental termos uma sólida graduação, pois, é ela o alicerce de uma pós-graduação bem sucedida, que por sua vez, contribui para a formação de profissionais de alto nível, impulsionando o progresso científico e tecnológico de uma nação. Desta forma, assim como priorizaremos a graduação, também será priorizada a pós-graduação, para tanto, será necessário reconhecer e investir na excelência da pesquisa básica e aplicada de forma indissociável dos programas de pós-graduação, para promover o crescimento e a consolidação dos grupos de pesquisa. É importante que nos programas de pós-graduação, as pesquisas sejam desenvolvidas para atender a demanda e formação de recursos humanos qualificados para os setores produtivos, entidades publicas ou privadas, conforme necessidades do mercado de trabalho. Os coordenadores dos programas de pós-graduação serão incentivados a exercerem atividades de cooperação nacional e internacional. Propomos as seguintes ações:  Radiografar a PROPPG e, juntamente com as Coordenações de Pós-graduação e Técnicos Administrativos, reestruturar suas atividades para torná-la mais eficiente.  Incentivar e valorizar a inovação nos cursos de pós-graduação, oferecendo condições para associação, integração e cooperação com renomadas instituições nacionais e internacionais.  Fortalecer os grupos de pesquisa, assegurando as condições para sua consolidação e visibilidade junto à sociedade e setores produtivos.  Apoiar os grupos de pesquisa e/ou coordenadores de pós-graduação, dando suporte na busca de financiamentos externos junto a agências de fomento e outros setores.  Incentivar a criação de redes de pesquisa para aperfeiçoar a formação de recursos humanos com integração dos grupos de pesquisas a outros grupos de instituições nacionais e internacionais.  Incrementar as parcerias com o setor produtivo, visando a implementação de novas tecnologias e produtos de maior impacto cientifico, tecnológico, social e cultural, e formação do pós-graduando.
  •  Implementar defesas de dissertações, teses ou exames de qualificação por meio de vídeo conferência e participação de examinadores do país e do exterior.  Apoiar e incentivar a produção intelectual e disseminação do conhecimento dos grupos de pesquisas, visando o crescimento e melhoria do conceito dos programas de pós- graduação.  Apoiar e incentivar os docentes pesquisadores e pós-graduandos para viabilizar registros e patentes de produtos ou processos desenvolvidos na universidade, buscando parcerias com os setores empresariais e estimulando os investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação.  Incentivar a criação de novos cursos de pós-graduação stricto sensu ou lato sensu nas diferentes áreas conforme a demanda, fortalecendo e valorizando a cultura regional e incentivando a formação de grupos locais e sua interação nacional e internacional.  Incentivar e dar suporte na elaboração e envio de projetos de pesquisas individuais ou institucionais com inovação, visando captação de recursos dos órgãos de fomento ou empresas para melhoria da formação e infraestruturas para os grupos de pesquisa.  Implementar políticas de captação de recursos para manutenção das atividades acadêmicas de pós-graduação e de pesquisa.  Incrementar a internacionalização dos estudantes de pós-graduação stricto sensu, bem como de docentes por meio de programas de cooperação com países desenvolvidos.  Buscar o aumento de cotas de bolsas de IC, Mestrado, Doutorado, bolsas de produtividade em pesquisa (PQ) e bolsas de pós-doutorado de órgãos de fomento ou empresas, visando a melhoria da infraestrutura e qualificação profissional.  Ampliar o número de cotas de bolsas de estudo institucional em projetos de pesquisa e projetos de pesquisa em ensino, e extensão para estudantes de graduação.  Investir em tecnologia e formação de pessoal técnico para implementar o ensino de pós-graduação à distância.  Revisar e avaliar as atividades dos técnico-administrativos das secretarias e laboratórios, que atuam na pós-graduação stricto sensu e lato sensu, fornecendo suporte de infraestrutura física e humana, visando a melhoria do funcionamento da pós- graduação.  Incentivar a aprovação de Professor Sênior para colaborar e manter as atividades de ensino e pesquisa da pós-graduação, visando à transferência de conhecimentos e experiências.
  •  Melhorar os conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu realizada pela CAPES/MEC.  Fortalecer os programas de Professor Sênior, Estágio Pós-Doutorado e Programa de Qualificação de Docentes das IES do Paraná.  Agilizar o sistema de compras de materiais de consumo, materiais permanente e serviços de terceiros com recursos aprovados por órgão de fomento e conveniados, visando facilitar o desenvolvimento das pesquisas.  Lutar junto à Fundação Araucária pela criação do Cartão de Crédito Pesquisador, a exemplo do que ocorre com o CNPq. (3) Extensão Universitária: Na gestão de extensão universitária serão enfatizadas ações transformadoras que visam à interação com a sociedade, compartilhamento de conhecimento e qualificação dos diversos segmentos da sociedade de modo integrado com o ensino e à pesquisa. Serão atendidas as atividades ligadas às necessidades sociais emergentes, nas áreas de educação, saúde, habitação e produção de alimentos, bem como serviços, incentivando a utilização de tecnologias, pois, acreditamos que a extensão tecnológica deve ser perseguida pela UEL. As atividades de extensão universitária estão associadas ao entendimento de que o conhecimento é capaz de transformar a realidade social, intervindo em suas deficiências e não se limitando apenas à formação regular de nossos alunos, razão pela qual acreditamos na formação abrangente de nossos alunos. O propósito fundamental consiste em melhorar a qualidade de vida do cidadão. Serão realizadas as seguintes ações:  Radiografar a PROEX e, juntamente com Extensionistas e Técnicos Administrativos, reestruturar suas atividades para torná-la mais eficiente.  Estimular a extensão tecnológica, pois, nas áreas de saúde e educação a extensão já é bem consolidada, mas, acreditamos que é preciso um maior envolvimento de atividades de tecnologia na extensão.  Incentivar e buscar a inserção de novos projetos de extensão universitária para o desenvolvimento econômico, educacional e social da região, do Estado e do Brasil.  Incrementar os projetos e programas de extensão universitária, visando à inclusão social e ações de fortalecimento institucional.  Ofertar cursos de diferentes modalidades para o desenvolvimento técnico, educacional e social nas diferentes áreas de atuação, visando à integração, agregação de valor e
  • valorização de produtos ou processos provenientes de pequenas e médias propriedades e/ou empresas.  Aumentar a visibilidade e impacto dos projetos, dos programas de extensão universitária junto a comunidade.  Apoiar atividades de prestação de serviços, visando maior interação da Universidade com a sociedade e com o setor produtivo, fornecendo serviços específicos, processos ou produtos, lembrando que a prestação de serviços é uma dentre inúmeras atividades de extensão.  Investir em ações para melhorar e ampliar a relação com a sociedade, realizando seminários, fórum de extensão, eventos esportivos e culturais, entre outras.  Utilizar recursos do Fundo de Apoio ao Ensino, à Pesquisa e à Extensão (FAEPE/UEL), para desenvolvimento de projetos, programas e publicações, por meio de divulgações de editais específicos.  Promover um Fórum Permanente de Extensão Universitária (FOEX) para fortalecer programas e projetos de extensão, bem como discutir as políticas institucionais de extensão. (4) Gestão Administrativa e Financeira: A gestão administrativa e financeira será realizada com transparência e a divulgação de suas atividades será informada à sociedade, e os conhecimentos e experiências da universidade serão compartilhados com a comunidade. Será incrementada a interação da universidade com o governo do Estado e suas relações com o poder executivo, legislativo e judiciário. Na gestão administrativa e financeira há necessidade de mudanças nos padrões de funcionamento de vários setores da universidade, como a gestão de contratos, convênios, compras, transportes e licitações, entre outros. Serão realizados procedimentos de diagnósticos, buscas de alternativas e implementações de soluções dos problemas e das dificuldades administrativas. Para aumentar a eficiência administrativa serão realizadas ações modernizadoras como a descentralização, desburocratização, informatização, valorização dos recursos humanos e o desenvolvimento de competências vinculadas às atividades fins, aproximando daqueles que realizam as atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária. Assim, destacamos as seguintes ações:  PINESE e ELZA IDA (i9UEL) comprometem-se em radiografar a UEL e compartilhar as informações com a comunidade, pois, a UEL precisa conhecer a UEL.
  •  Revisar, avaliar e inovar o sistema de trâmite de compras de materiais de consumo e permanente para agilizar e melhorar o fluxo e a eficiência dos processos para o bom funcionamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária.  Melhorar a gestão administrativa e logística dos serviços.  Estabelecer e implantar um sistema de controle de estoque nos almoxarifados existentes na universidade.  Estabelecer e definir claramente os limites de recursos para as diversas modalidades de aquisição.  Mudar o sistema de composição de preços.  Agilizar o processo de compra para os órgãos suplementares e outros setores da universidade.  Buscar novas fontes de recursos para melhoria da infraestrutura física e humana.  Assegurar alocação de recursos governamentais para manutenção das atividades acadêmicas e administrativas.  Estabelecer critérios de utilização de recursos priorizando o ensino de graduação.  Reivindicar TIDE como Regime de Trabalho de fato, um trabalho que deve ser efetuado em parceria com as demais IES do Estado, discutindo uma forma mais atualizada de dedicação integral e exclusiva.  Fiscalizar e exigir o cumprimento do TIDE.  Revisar a resolução do IRC, modernizando e atualizando sua forma de contabilizar as atividades Administrativas, de Ensino, de Pesquisa e de Extensão.  Revisar e adequar o Regimento da Universidade e de outros setores. (5) Planejamento Institucional e Gerenciamento do Campus: O planejamento institucional de expansão, revitalização e construção de novos espaços físicos serão elaborados em consonância com os planejamentos acadêmicos, demográficos, administrativos e financeiros da instituição. Além da finalização das obras em andamento, será dada atenção às estruturas de finalidades acadêmicas e de pesquisas, bem como as de promoção da vida comunitária, valorizando esportes, espaços culturais, moradia e centros de convivência. Nossas principais ações serão:
  •  Elaborar um diagnóstico detalhado de toda a universidade, conhecendo as habilidades e as preferências em nossas atividades, para com estes dados traçarmos metas e alcançarmos objetivos, viabilizando avanços e inovações.  Estabelecer um Fórum sobre Autonomia Administrativa e Financeira da Universidade.  Fortalecer a autonomia da Prefeitura do Campus Universitário (PCU).  Reformar guaritas, disponibilizando local para armário e construindo banheiros.  Efetuar um estudo para implantação de cancelas eletrônicas.  Adequar a guarita da Castelo Branco, possibilitando que a vigilância seja efetuada acima dos veículos.  Efetuar a construção de um posto de vigilância na Fazenda Escola, elaborar estudos de iluminação mais confiável nas suas vias principais.  Atualizar os equipamentos de comunicação da vigilância: trocar antena do HT da central, instalar antena repetidora na torre da COPS.  Solicitar aos Bancos a construção de locais apropriados para abrigar as máquinas de caixa eletrônicos.  Retomar projeto de capacitação sobre técnicas de abordagem e disponibilizar coletes a prova de balas para a vigilância da Universidade.  Melhorar a frota da vigilância da Universidade e o sistema de monitoramento por câmeras.  Fortalecer e incentivar o sistema de coleta seletiva da Universidade.  Efetuar um estudo para adquirir máquinas de varrição de ruas para limpeza do calçadão do Campus e vias do HU.  Implementar novos métodos organizacionais de trabalho para aumentar a produtividade institucional.  Estabelecer um plano de reformas e recuperação da infraestrutura física acadêmica e administrativa (salas de aulas, laboratórios e outros).  Negociar junto ao governo do Estado uma atualização da rede elétrica do Campus e do HU pela COPEL.
  •  Efetuar revisões preventivas das redes de água e esgoto da Universidade.  Avaliar e acompanhar a execução das obras, projetos e programas estabelecidos como prioritários.  Discutir e estabelecer uma política de contratação de recursos humanos qualificados (docentes e técnicos administrativos), visando atender as atividades acadêmicas e administrativas desenvolvidas em todos os setores da instituição.  Revisar a estrutura departamental e dos colegiados de cursos de graduação e pós- graduação para aumentar a eficiência das atividades acadêmicas, de pesquisa e extensão universitária.  Estabelecer uma politica de internacionalização na universidade, incentivando e incrementando a cooperação técnico-cientifica.  Apoiar a criação de espaços de convivência para a comunidade universitária (Campus e HU).  Exigir do governo do Estado especial atenção ao SAS.  Construir espaço físico para moradia e convivência de estudantes e pesquisadores estrangeiros em missões de intercâmbio com a universidade.  Fortalecer a apoiar as atividades da Coordenadoria de Processos Seletivos (COPS).  Revitalizar a ATI e a rede de informática da Universidade. (6) Relações Institucionais e Internacionais: O futuro da qualidade da atividade de ensino, pesquisa e extensão universitária deve estar atrelado às relações institucionais e internacionais que visam a excelência da formação do estudante e o aprimoramento de docentes. A cooperação nacional entre instituições de ensino superior e os institutos de pesquisas deve ser ampliada e fortalecida, incentivando o desenvolvimento de projetos mútuos. No contexto do ensino superior mundial, a internacionalização é fator fundamental para a excelência das atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária, que prepara o estudante para atuar na sociedade cada vez mais globalizada. A internacionalização estabelece o convívio com a diversidade cultural e cientifica e contribui para formação multicultural dos estudantes, docentes e servidores técnico-administrativos. Assim, para fortalecer esta atividade propomos:
  •  Buscar e resgatar as relações institucionais da universidade no contexto local, estadual e nacional, recuperando o papel e a importância da universidade junto à comunidade.  Buscar parcerias com instituições públicas ou privadas nacionais e internacionais para aumentar o intercâmbio e interação com os docentes pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação.  Estabelecer uma política de apoio institucional, jurídico e logístico para estudantes e pesquisadores nacionais e estrangeiros em missões de intercâmbio com a universidade.  Agilizar a eficiência na elaboração de convênios de cooperação nacional e internacional.  Estabelecer uma política sustentável de internacionalização da universidade com maior integração com as pró-reitorias acadêmicas.  Atualizar a situação dos egressos e dinamizar a interação com a universidade. (7) Recursos Humanos: Para o bom funcionamento da universidade os docentes e servidores técnicos administrativos são vitais, pois, são capazes de mudar os padrões de funcionamento da instituição. Os processos de diagnósticos articulados com os diferentes setores da universidade serão alternativas para implementar uma gestão administrativa e acadêmica que visa o crescimento da instituição via inovação. Assim, propomos a vocês:  Ao elaborarmos um RX detalhado de toda a universidade, buscaremos identificar perfis profissionais e pessoais, avaliando a tendência comportamental das pessoas, suas habilidades e preferências, suas formas de se comunicar e de interagir.  Utilizar saberes e competências acadêmicas para melhor gerenciar as competências do quadro funcional da universidade.  Informatizar o setor de maneira adequada.  Estabelecer diálogo com as representações sindicais para melhor defender os interesses dos docentes e de servidores técnico-administrativos junto ao governo do Estado.  Otimizar a gestão de recursos humanos (docentes e técnicos administrativos) planejando para a manutenção, crescimento ou inovação da instituição.  Diagnosticar as vagas ocupadas atualmente e redefinir as vagas necessárias dos docentes e de servidores técnico-administrativos, exigindo contratações junto ao
  • governo do Estado, justificando com os dados do diagnóstico (RX) efetuado dentro da Universidade.  Estabelecer políticas de capacitação e treinamentos específicos de docentes e de servidores técnico-administrativos.  Estabelecer um projeto de treinamento do quadro administrativo via parcerias com entidades como SEBRAE, SENAC e outras.  Incentivar os docentes recém-contratados a participarem das atividades de ensino, pesquisa, extensão universitária, inovação e administração.  Discutir a implementação de um Sistema de Valorização do Quadro Funcional, que possa estimular e premiar o empenho nas funções. (8) Órgãos Suplementares: Os Órgãos Suplementares da Universidade (Museu Padre Carlos Weiss; Museu de Ciência e Tecnologia de Londrina; Hospital Universitário (incluindo Hospital de Clínicas); Laboratório de Medicamentos; Clínica Odontológica Universitária; Escritório de Aplicação e Assuntos Jurídicos; Escritório de Aplicação de Assuntos Sócio Econômicos; Clínica de Especialidades Infantil – Bebê Clínica; Hospital Veterinário; Fazenda Escola; Rádio de Difusão Educativa; TV UEL - Televisão Cultural e Educação da UEL; Colégio de Aplicação José Aloísio Aragão; Casa da Cultura; Clínica Psicológica), visam atender as atividades acadêmica e administrativas de ensino, pesquisa e extensão universitária; prestação de serviço; atendimento a comunidade interna e externa; desenvolvimento de ações sociais, culturais, esportivas e ambientais, bem como atividades assistenciais, entre outros. Considerando a importância das atividades destes órgãos propõem-se as seguintes ações:  Apoiar o desenvolvimento dos órgãos suplementares e respeitar as suas atividades conforme suas especificidades, estimulando sua sustentabilidade.  Normatizar como eletivas as direções de órgãos que atualmente são indicadas.  Apoiar os estudantes e docentes vinculados às atividades dos órgãos suplementares no desenvolvimento de projetos de ensino, pesquisa, extensão e prestação de serviços, visando os benefícios da formação do estudante, bem como da comunidade interna e externa.  Agilizar por meio de autonomia interna as atividades e os procedimentos de aquisição de materiais de consumo específicos para o exercício das atividades de cada órgão.
  •  Fortalecer o Colégio de Aplicação, buscando efetivá-lo como campo de ensino, pesquisa e extensão.  Concluir com urgência a construção da Clínica Odontológica Universitária e colocá-la em condições de funcionamento.  Estabelecer a TV UEL em espaço físico adequado e definitivo, com condições de prestar um serviço mais amplo para a comunidade e a sociedade.  Respeitar o trabalho da Fazenda Escola, agilizando a liberação de seus recursos e readequando seu trabalho de horas extras.  Viabilizar a construção da sede da Fazenda Escola, de instalações adequadas para o manejo das vacas leiteiras e cercar o setor oeste da fazenda para oferecer mais segurança.  Viabilizar a construção de instalações adequadas para o Hospital Veterinário, proporcionando condições de trabalho e de atendimento ao público adequadas, respeitando e honrando suas particularidades.  Revitalizar e ampliar instalações do Hospital Universitário, proporcionando condições dignas de trabalho e de atendimento.  Reformar portarias do Hospital Universitário, disponibilizando local para armário e construindo banheiros.  Efetuar um estudo para implantação de cancelas eletrônicas no Hospital Universitário.  Efetuar um estudo para agilizar a entrada no Hospital Universitário, bem como dividir a entrada entre estudantes, servidores e pacientes/visitantes.  Readequar as saídas de emergência do Hospital Universitário e providenciar o devido treinamento de evacuação.  Melhorar a vigilância no Hospital Universitário com uso de motocicletas.  Fortalecer, com equipamentos e pessoal, o sistema de TI do Hospital Universitário.  Readequação de Almoxarifados e Farmácias do Hospital Universitário, com um sistema de informática integrado e de fácil utilização.  Fortalecer nossos dois museus, bem como nosso planetário, para melhor atender a comunidade interna e a sociedade.
  •  Apoiar e fortalecer as atividades do Escritório de Aplicação e Assuntos Jurídicos que tem prestado importantes atendimentos para a sociedade. (9) Órgãos de Apoio: Os Órgãos de Apoio da Universidade (Laboratório de Tecnologia Educacional (LABTED), Serviço de Bem Estar à Comunidade (SEBEC), Editora da UEL (EDUEL), Sistema de Arquivos da UEL (SAUEL), Agência de Inovação Tecnológica (AINTEC), Biblioteca Central (BC) e Bibliotecas Setoriais, visam aprimorar e atender as atividades ligadas ao ensino, pesquisa, extensão e prestação de serviços à comunidade. Propõem-se as seguintes ações:  Agilizar o desenvolvimentos das atividades dos órgãos de apoio conforme suas especificidades.  Apoiar a prestação de serviços que promovam o bem-estar da comunidade universitária vinculadas à: moradia estudantil; restaurante universitário; programas de atendimento à saúde e socioeconômico a servidores e estudantes carentes e outros programas.  Fortalecer as atividades do LABTED e do Núcleo de Ensino à Distância da UEL (NEAD), buscando recursos para ampliação física e revitalização técnica.  Apoiar a EDUEL por meio de publicações de livros, visando a disseminação de conhecimentos provenientes de atividades de ensino, pesquisa, extensão universitária e outros.  Apoiar ações para comercialização ou exposições de livros produzidos pela Editora da Universidade.  Fortalecer nossas revistas acadêmicas, com infraestrutura física e de pessoal adequada para seus trabalhos.  Oferecer condições de estágios, conforme as suas especificidades, preparando e aprimorando a formação de estudantes.  Incentivar ações e atividades de fomento ao empreendedorismo inovador.  Intensificar ações de proteção intelectual ao conhecimento gerado na universidade.  Incrementar a interação de micro e pequenas empresas de Londrina e região.  Apoiar ações de transferência de tecnologia gerada na Universidade para o mercado e sociedade em geral, viabilizando a comercialização de suas invenções.
  • Ao finalizarmos nossa proposta de gestão, agradecemos sua atenção e reafirmamos nosso compromisso:  de respeito às Leis;  de Transparência e Responsabilidade Pública;  de Respeito à Democracia;  de Respeito à Dignidade Humana;  de Comprometimento com os Ideais da Universidade Estadual de Londrina;  de Qualidade de Trabalho;  de Ouvir. Londrina, março de 2014. i9UEL com PINESE e ELZA IDA i9UEL para inovar é preciso ouvir