Your SlideShare is downloading. ×
Apostila introdução a logística: comentada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apostila introdução a logística: comentada

212

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
212
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIDADE 1- INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS NOS APSPECTOS DA LOGÍSTICA 1. LOGÍSTICA: FUNÇÃO ESSENCIAL Caro(a) aluno(a), A logística empresarial envolve todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição de matéria até o consumidor final. Até chegarmos nesse conceito temos um processo evolutivo, onde podemos entender a evolução da logística e a sua contribuição para os métodos operacionais encontramos hoje no mundo moderno. Essa evolução tem inicio nos primeiros processos da administração de materiais, sendo esse o início de todo o processo. De acordo Francischini e Gurgel (2002), a evolução de Administração de Materiais processou-se em quatro fases: 1- Nos primórdios, a administração dos materiais era realizada pelo proprietário da empresa, pois uma boa compra era a alma do negócio; 2- Posteriormente as compras serviram somente como apoio às atividades de produção e foram integradas à área de produção; 3- Mais tarde foi incorporada à gestão dos serviços envolvendo materiais, iniciando com o planejamento das matérias-primas e terminando com a entrega de produtos acabados, em um setor fora da área produtiva; 4- Finalmente foi anexada à área de logística. 1.2 HISTÓRIA E TENDÊNCIA DA LOGÍSTICA A Logística Empresarial é um campo em pleno desenvolvimento, com possibilidade de resultados expressivos no meio empresarial. Mas entre 50 e 70 anos atrás ela foi pouco utilizada. Com base nisso surge uma dúvida, O que proporcionou esse constante crescimento e interesse da ação logística, principalmente, nos anos 90? No principio, até os anos 50, os mercados, eram bastante restritos, e locais, estavam em estado de tranquilidade, muitas das atividades logísticas eram desenvolvidas por outros departamentos da indústria, e isso resultava em um enorme conflito de objetivos e de responsabilidades, resultando em um menor nível de atendimento ao cliente. Período de 50 a 75
  • 2. Após os anos 50, até meados dos anos 70, este período é considerado como período de desenvolvimento, e representa a época de decolagem para a teoria e a prática de logística empresarial. Ronald Bailou, em Basic business logistics, apresenta-nos uma excelente descrição dos eventos importantes que nos fazem ver como as condições econômicas e tecnológicas eram tais que também encorajaram o desenvolvimento dessa disciplina, e mostra-nos quatro condições-chaves: (1) alterações nos padrões e atitudes da demanda dos consumidores, (2) pressão por custos nas indústrias, (3) avanços na tecnologia de computadores e (4) influencias do trato com a logística militar. Dos anos 80 ao Século XXI Nos anos 70, os diversos fatores que afetaram a economia mundial, em especial a dos EUA, que, quer queira ou não, afeta a comunidade mundial, proporcionaram a busca de novas ações administrativas, para fazer frente à nova era mercadologia em andamento. Atualmente, a Logística é tomada e considerada como perfeita quando há integração da administração de materiais em sua totalidade e distribuição física dos produtos e serviços com a plena satisfação do cliente e dos acionistas. 1.3 A VISÃO LOGÍSTICA A abordagem logística tem como função estudar a maneira como a administração pode otimizar os recursos de suprimento, estoques e distribuição dos produtos e serviços com que a organização se apresenta ao mercado por meio de produtos e serviços com que a organização se apresenta ao mercado por meio de planejamento, organização e controle efetivo de suas atividades correlatas, flexibilizando os fluxos do produtos. Atualmente, com os processos automatizados e as modernas técnicas de gestão, os excessos de produção são cada vez menos importantes, e uma boa Logística e Administração de materiais são fundamentais para manter o equilíbrio dos estoques, para que não falte matéria-prima e nem sobre produtos acabados. Vejamos a definição de administração dos recursos materiais, segundo: - Martins e Alt (2006, p. 4): A administração dos recursos materiais engloba a sequência de operações que tem seu início na identificação do fornecedor, na compra do bem, em seu recebimento, transporte interno e acondicionamento, em seu transporte durante o processo
  • 3. produtivo, em sua armazenagem como produto acabado e, finalmente, em sua distribuição ao consumidor final. A administração de recursos patrimoniais trata da sequência de operações que, assim como na administração dos recursos materiais, tem início na identificação do fornecedor, passando pela compra e recebimento do bem, para depois lidar com sua conservação, manutenção ou, quando for o caso, alienação. - Martins e Laugeni (2006, p. 262): As necessidades dos clientes, tanto internos como externos, devem ser analisadas para que a empresa avalie se poder á atendê-las a partir dos estoques existentes ou se terá de iniciar um processo de reposição de material por meio de compra, em se tratando de produtos fornecidos por terceiros, ou de produção, no caso de produtos fabricados internamente pela empresa. O recebimento dos produtos pedidos pode envolver diversas atividades, relativas às áreas fiscal e contábil, da qualidade, de verificação de quantidades entregues e atividades necessárias ao registro dos materiais entregues nos sistemas de materiais da empresa. O armazenamento de materiais é uma atividade especializada e consiste em armazenar adequadamente os materiais para que seja possível sua rápida recuperação e a manutenção dos níveis de qualidade e para que a entrega seja facilitada. A logística de distribuição visa à entrega dos materiais no ponto certo, ao menor custo possível e no menor prazo exequível, sem alterar suas melhores condições de qualidade. “A administração de materiais tem impacto direto na lucratividade da empresa e na qualidade dos produtos, havendo necessidade de uma gestão, o mais possível, just- in-time, com o objetivo de reduzir estoques e manter o cliente satisfeito.”(MARTINS; LAUGENI, 2006, p. 262). Os conceitos e definições da administração de materiais estão englobados diretamente as funções logísticas. Podemos ver que toda ação voltada aos processos de controle e gestão de recursos fazem parte das atividades primordiais da logística. Com base nisso podemos definir a logística como: FUNÇÃO ESSENCIAL. Na figura 1, podemos visualizar uma operação logística como nos já sabemos (da capitação de recursos até o consumidor final): Figura 1
  • 4. 1.4 FUNÇÕES E OBJETIVOS Caro(a) aluno(a), veremos agora as funções e objetivos da logística. As funções básicas são as atividades de compras, estocagem e movimentação, interligadas pela atividade de planejamento e controle. Recursos que chegam antes do tempo certo ocasionam aumento dos estoques, sem necessidade. Recursos que chegam após o tempo certo ocasionam falta de material para atender às necessidades daquele momento. Recursos que chegam além da quantidade necessária representam estoques desnecessários, que ocasionam custos. Recursos que chegam sem a qualidade necessária geram maiores custos por retrabalho e refugo. Recursos que chegam com quantidade menor que a necessária ocasionam estoques insuficientes. Podemos ainda citar os principais objetivos específicos: - Minimizar o investimento em estoques; - Prever necessidades e disponibilidades de materiais; - Manter contato permanente com os fornecedores (tanto atuais quanto em potencial) verificando preços, qualidade e outros fatores que tenham influência no material e nas condições de fornecimento; - Pesquisar continuamente novos materiais, novas técnicas administrativas, novos equipamentos e novos fornecedores; - Padronizar materiais, embalagens e fornecedores;
  • 5. - Controlar disponibilidades de materiais e situação dos pedidos, tanto em relação a fornecedores quanto em relação à produção da empresa; obter segurança de fornecimento; - Armazenar matérias-primas, ferramentas e produtos acabados e semiacabados; movimentar os materiais, entregando-os nos locais onde forem necessários; - Organizar a disposição de móveis, máquinas e equipamentos para facilitar a estocagem e a movimentação; - Obter preços mínimos de compra; - Dar suporte à otimização do processo - Produtivo e à otimização de vendas; - Melhorar a competitividade da empresa. A figura 2 demonstra uma visão global dos objetivos da logística focada em um melhor serviço ao cliente. Figura 2 UNIDADE 2 – ENTRADA E PROCESSAMENTO DO PEDIDO E POLITICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES Prezado(a) aluno(a), o planejamento das necessidades de materiais e o processamento de pedido pode ser feito por meio de softwares MRP (Material RequirementsPlanning), que são sistemas de planejamento baseados na explosão da estrutura dos produtos,surgidos na década de 1960 (segundo definiu a American Production and Inventory Control Society– APICS); em 1992, a estrutura de produto (BOM– Bill Of Material) é uma lista de todas as submontagens,componentes
  • 6. intermediários, matérias-primas e itens comprados que são utilizados na fabricação e/ou montagem de um produto, mostrando as relações de precedência e quantidade de cada item necessário, visando a controlar as necessidades de materiais com o uso do computador (SIMCSIK, 1992). As representações de estruturas de produtos (BOM), também conhecidas como árvores de produto, auxiliam a responder questões importantes sobre quais são os componentes necessários à produção do produto ou quanto e quando devemos produzir ou comprar. A lógica central do MRP é programar as compras e a produção para o momento certo de modo a minimizar os estoques da empresa. Segundo Castiglioni (2007, p. 63), o Plano Mestre de Produção (PMP) é, provavelmente, a etapa mais importante do processo de planejamento. É no momento de sua execução que a capacidade de produção, estoques disponíveis e demandas são compatibilizados. Um plano mestre bem elaborado proporciona a tranquilidade necessária para a produção, bem como fornece ao setor de vendas e/ ou marketing uma ferramenta de negociação de prazos, para o setor de compras uma visibilidade de consumo de material e para a produção uma visibilidade do que produzir. O plano mestre é fundamental para a produção, pois gera as OPs (ordens de produção) que serão produzidas. Com as OPs ajustadas à capacidade, fica mais simples ter os componentes e a matéria-prima na data de seu uso. Na Figura 3, temos um exemplo de estrutura de produto (BOM). UNIDADE 3- REPOSIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS ESTOQUES E DIMENSIONAMENTO DO ARRANJO UNIDADE 4 – CAPACIDADE DE ARMAZENAGEM E CARACTERÍSTICAS DOS MODAIS DE TRANSPORTES.
  • 7. intermediários, matérias-primas e itens comprados que são utilizados na fabricação e/ou montagem de um produto, mostrando as relações de precedência e quantidade de cada item necessário, visando a controlar as necessidades de materiais com o uso do computador (SIMCSIK, 1992). As representações de estruturas de produtos (BOM), também conhecidas como árvores de produto, auxiliam a responder questões importantes sobre quais são os componentes necessários à produção do produto ou quanto e quando devemos produzir ou comprar. A lógica central do MRP é programar as compras e a produção para o momento certo de modo a minimizar os estoques da empresa. Segundo Castiglioni (2007, p. 63), o Plano Mestre de Produção (PMP) é, provavelmente, a etapa mais importante do processo de planejamento. É no momento de sua execução que a capacidade de produção, estoques disponíveis e demandas são compatibilizados. Um plano mestre bem elaborado proporciona a tranquilidade necessária para a produção, bem como fornece ao setor de vendas e/ ou marketing uma ferramenta de negociação de prazos, para o setor de compras uma visibilidade de consumo de material e para a produção uma visibilidade do que produzir. O plano mestre é fundamental para a produção, pois gera as OPs (ordens de produção) que serão produzidas. Com as OPs ajustadas à capacidade, fica mais simples ter os componentes e a matéria-prima na data de seu uso. Na Figura 3, temos um exemplo de estrutura de produto (BOM). UNIDADE 3- REPOSIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS ESTOQUES E DIMENSIONAMENTO DO ARRANJO UNIDADE 4 – CAPACIDADE DE ARMAZENAGEM E CARACTERÍSTICAS DOS MODAIS DE TRANSPORTES.

×