Ciesp dr jorge rocco - pgrs - 2012 v1

2,906 views

Published on

Apresentação do Seminário de Resíduos Sólidos - As Responsabilidades de cada setor, realizada no Ciesp Distrital Oeste em sete de março de 2012

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,906
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
62
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ciesp dr jorge rocco - pgrs - 2012 v1

  1. 1. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Instrumento da PNRS -
  2. 2. VISÃO para os Planos : - conjunto de ações voltadas 1 para a busca de soluções - considerar as dimensões 2 política, econômica, ambiental, cultural e social - considerar a premissa do 3 desenvolvimento sustentável
  3. 3. 1 - Planos Nacional e os Estaduais de Resíduos Sólidos Devem seguir o conteúdo mínimo estabelecido na Lei e com vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 anos, a ser atualizado a cada 4 anos, tendo como conteúdo mínimo PNRS: http://www.cnrh.gov.br/pnrs/2 - Planos microrregionais ou Planos Específicos para as regiões metropolitanas ou aglomerações urbanos, e intermunicipais de resíduos sólidos de forma integrada com os geradores3 - Planos municipais de gestão integrada de resíduos sólidos ( PRAZO para a elaboração até 02 de agosto de 2012 )4 – Plano de Gerenciamento de resíduos sólidos ( gerador )5 – Plano de Gerenciamento de resíduos perigosos ( gerador e operadores)
  4. 4. Os Planos de Resíduos Sólidos : Sistema Nacional de Informações sobre a Estaduais Gestão dos e do Resíduos Distrito Sólidos - Sinir -
  5. 5. Mineração Empresas de Serviços de Construção Transportes civil Quais geradores Atividades Serviços de saúde devem agrossilvo- pastoris elaborar PGRS ? Estabeleci- mentos Industriais comerciais e Serviços prestadores públicos de de serviço saneamento básicoFonte: artigo 20 da Lei 123005/2010
  6. 6. Quais os avanços que a Lei determina para oPlano de Gerenciamento deResíduos Sólidos – PGRS ?
  7. 7. PGRS : I - Descrição do II - Diagnóstico origem, conteúdo empreendimento ou volume, caracterização + mínimo atividade passivos ambientais III – Atender as normas dos órgãos: Sisnama, SNVS, Suasa e , se houver, o plano municipal RS : Explicitação dos responsáveis por cada etapas do gerenciamento Definição dos procedimentos operacionais sobre responsabilidade VI - Metas e procedimentosIV - Identificação de V - Ações preventivas e para à minimização dasoluções consorciadas Corretivas a serem geração de resíduos e àou compartilhadas executadas em situações reutilização e reciclagemcomo outros geradores de gerenciamento incorreto ou acidentes IX - Periodicidade de suaVII – Se couber, ações VIII - Medidas revisão, observando, sesobre responsabilidade couber, o prazo de vigênciacompartilhas pelo Ciclo saneadoras dos passivos ambientais da LO a cargo dos órgãosde vida dos produtos do SISNAMA(art. 31 da Lei) de RS Artigo 20 da Lei 12305/2010
  8. 8. Plano de Gerenciamento Setores Identificação Classificação Papel e papelão, plásticos diversos, cartuchos de Administrativo impressoras, lâmpadas, e materiais não recicláveis, etc. Produção Resíduos de diversas naturezas: orgânicos ou Perigoso inorgânicos (classe I) Ambulatório Embalagens: papeis, vidros, metálicos e resíduos ou médico infectantes Não Perigoso: Oficina de Embalagens, estopas, panos e toalhas impregnadas manutenção com óleo - não inerteEquipamentos de (classe IIA) controle de Lodo orgânico e inorgânico ou poluição - inerteCozinha industrial Embalagens ( papel e papelão, vidro, metálica, (classe IIB) plásticos ) e óleo comestível Sanitários e Resíduos dos banheiros e vestiários Vestiários
  9. 9. Plano de Gerenciamento :Identificar, caracterizar, classificar e segregar osresíduosAcondicionar e armazenar ( aplicação das NBRs 11.174e 12.235 da ABNT )Obter o CADRI para destinação ou disposição finalTreinar os colaboradoresControlar o transporte interno e externoControlar os documentos ( CADRI + Notas Fiscais +Movimento de carga )Identificar as parcerias – ações compartilhas
  10. 10. PGRS: Identificar as parcerias – ações compartilhas Empresas DistribuidoresMatérias para Consumidoresprocessamento Escala de Prefeitura processamento Cooperativas Indústria da Reciclagem
  11. 11. No PGRS deverá constar : Termo deSistemas de Acordos Compromisso Logísticas Setorial Reversas Regulamento - SLR - ( Decreto ) Passivo Ambiental Ações de (identificação e solução Educação para estoque e Ambiental área contaminada - EA -
  12. 12. Plano Coletivo ( PGRS ) :Deverá ser apresentado de forma COLETIVA eINTEGRADA contendo : mesma base territorial (condomínio, município, microrregião ou metropolitana, ou aglomerado urbana) mesmo setor industrial / comércio / de serviços ( Exemplo: Arranjo Produtivo Local – APL ) governança coletiva ou de cooperação em atividades de interesse comum Artigo 55 do Decreto Federal 7404/2010
  13. 13. Empresas de Pequeno Porte ( EPP ) e Micro Empresas ( ME )Poderão estar dispensada de PGRS aquelas empresas: que gerem apenas resíduos sólidos domiciliares ou que forem equiparados pelo poder público municipalQuando exigível, poderá ser inserido no PGRS de empresas comas quais operam de forma integrada, desde que estejamlocalizadas na área de abrangênciaO PGRS poderão ser apresentados por meio de formuláriosimplificado, definido em ato do Ministério do Meio Ambiente Artigo 60 a 62 do Decreto Federal 7404/2010
  14. 14. O PGRS poderá prever a participação decooperativas ou de associações de catadoresde materiais recicláveis no gerenciamento dosresíduos sólidos recicláveis ou reutilizáveis, quando :1 - houver cooperativas ou associações com capacidade técnica e operacional para realizar o gerenciamento dos resíduos sólidos2 - for economicamente viável3 - não houver conflito com a segurança operacional do empreendimento Artigo 58 do Decreto Federal 7404/2010
  15. 15. Onde será cobrado o PGRS ? Licenciamento AmbientalNOTA: Lei 12305/2010:- Nos empreendimentos e atividades não sujeitos a licenciamento ambiental, a aprovação do plano de gerenciamento de resíduos sólidos cabe à autoridade municipal competente- No processo de licenciamento ambiental referido acima, a cargo de órgão federal ou estadual do Sisnama, será assegurada oitiva do órgão municipal competente, em especial quanto à disposição final ambientalmente adequada de rejeitos Artigo 24 da Lei 12305/2010 ( Nacional ) e artigos 10 e 11 da Lei 12300/2006 ( Paulista )
  16. 16. Renovação da Licença de Operação envolve : Conformidade Legal + Qualidade do Meio Melhoria de Desempenho Ambiental Prazos da renovação da(s) Licença(s) de Operação : 2 a 5 anos
  17. 17. Como implantar a Melhoria de Desempenho Ambiental ? Produtos Atividades da Sobras / resíduos perigosos empresa Sobras / resíduos não perigosos Efetivando um Programa P+L 1 - Levantar as oportunidades das medidas de P+L na empresa 2 - Hierarquizar as medidas e os investimentos com base nas vantagens econômicas e ambientais 3 - Definir as METAS e os PROCEDIMENTOS para a implantação das medidas 4 - Acompanhar a implantação (cronograma) e mensurar os resultados obtidos para avaliação do sucesso 5 - Revisão técnica e da alta direção, se couber
  18. 18. O que envolve um Programa de P+L :Ações na entrada do Sistema Produtivo Prevenção1 - eliminar o potencial poluidor com a substituição produto(s) tóxicos2 - reduzir o uso de recursos naturais e de produto passível de gerar poluição Processo ProdutivoAções no Processo Produtivo3 - eliminação ou reduzir a geração 3 Rs4 - reutilização e/ou reciclagem5 - recuperação de energia EAções na saída do Processo Produtivo Controle6 - Tratamento ou contenção7 - Disposição final dos rejeitos8 - Evitar a ações para a remediação no site
  19. 19. REDUÇAO DOS CUSTOS para a empresa ALTAFoco nas oportunidades NÃO GERAR MINIMIZAR GERAÇÃO de Negócios REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM Vantagens RECUPERAÇÃO DE ENERGIA Econômicas e Ambientais TRATAMENTO DISPOSIÇÃO FINAL EVITAR A AÇÃO DE REMEDIAÇÃO BAIXA Custos FIXOS para a empresa
  20. 20. Oportunidades de Negócios Guias da Série P+L • Bijuterias • Cítricos • Curtumes • Cervejas e Refrigerantes • Têxtil • Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Guias elaborados pela CETESB em parcerias com os setores produtivos http://www.cetesb.sp.gov.br/tecnologia-ambiental/Produ??o-e-Consumo-Sustent?vel/11-Documentos
  21. 21. Guias da Série P+LOportunidades de Negócios • Cerâmica branca e de revestimento • Tintas e vernizes • Frigoríficos • Abate de bovinos e suínos • Graxarias • Produtos Lácteos • Indústria Gráfica • Papel e Celulose Os Guias FIESP/CIESP esclarecem as etapas dos processos produtivos e as alternativas para implementação de medidas de P+L Fonte: www.fiesp.com.br/publicacoes/meio-ambiente.aspx
  22. 22. DESAFIOS dos Planos Compatibilização das ações Comerciantes e Consumidores Distribuidores Produção ? Pós-consumo Fabricantes e PRODUTO Importadores Meta(s) Rejeitos ( Aterro ) Entidade Industrialização Gestora !!! Meta(s) Matéria Prima Meta(s) Coleta Seletiva Meta(s) e Insumo e Cooperativas Recuperar, Ação Social : ou Reciclar ou Tratar ( embalagens metálicas, de vidro, e de plásticos )
  23. 23. Jorge RoccoEspecialista em Meio AmbientalDiretoria de Meio Ambientedo CIESPE-MAIL:jlsrocco @ ciesp.org.brFone: (11) 3549-3560

×