Your SlideShare is downloading. ×
0
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Educação no campo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Educação no campo

8,859

Published on

0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,859
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
24
Actions
Shares
0
Downloads
164
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Realização:
  • 2. CURRÍCULO NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO:PERSPECTIVAS PARA UMA EDUCAÇÃO DO CAMPO Educação do Campo Unidade 01
  • 3.  Currículo no ciclo de alfabetização:introduzindo a discussão sobre a educação do campo
  • 4.  Este bloco destina-se aos professores do campo. Busca refletir sobre a alfabetização e as especificidades da realidade do campo.
  • 5.  É no cotidiano das relações de trabalho, convívio social e com a natureza que os homens do campo, constroem as suasidentidades, que como sujeitos históricos são determinadas por um conjunto de relaçõessociais, econômicas e culturais da sociedade.
  • 6. O currículo deve garantir o direito deaprendizagem, procurando relacionar temas que são relevantes para as comunidades onde elas estão inseridas. Ler depoimento da prof.Yara, p. 10
  • 7.  Ao propiciar às crianças este movimento constante entre a prática social e a reflexão, entre comunidade e escola. Elevar os conhecimentos prévios em conceitos mais aprofundados.
  • 8.  Neste contexto, o professor deve trabalhar atividades significativas, interessantes, contribuindo para a construção de novos conhecimentos.
  • 9. As experiências sociais das comunidades devem ser o ponto de partida para a definição das prioridades, de modo a fortalecer as capacidades de ação individual e coletiva dos estudantes. Ler o relato da prof. Yara p. 12 e comentar a sequencia da segunda coluna.
  • 10.  O professor deve entender que seus alunos formulam ideias, refletem e constroem conhecimento. Assim, contribuirá para que estes elaborem conceitos próprios acerca dos diferentes conhecimentos trabalhados.
  • 11.  Para refletir: ler quadro p. 14 e discutir.
  • 12. Desta forma a avaliação acontece respeitando os aspectos atitudinais, comportamentais e conceituais. Através de fichas avaliativas, não atribuindo notas, e sim conceitos aprendidos e em processo.
  • 13.  A alfabetização, é um processo de ampliação cultural, de reafirmação de valores dos povos do campo, e ao mesmo tempo, acesso a praticas sociais variadas comuns a diferentes comunidades (urbana e rural).
  • 14.  Isto implica em conceber a educação comoato político, onde o educando é convidado a ler o mundo.
  • 15.  Educação para emancipar o homem, formando o indivíduo reflexivo, que valoriza suas raízes culturais.  Educação que denuncia as desigualdades sociais e aponta situações de superação.
  • 16. Educação como ato de conhecimento, que possibilita ao indivíduo o conhecimento científico, onde aprender a ler e escrever érefletir sobre o significado da linguagem, da leitura e da escrita.
  • 17.  Alfabetização e letramento no campo: desafios e perspectivas 2.1 A respeito dos métodos e concepções de alfabetização: um pouco de história
  • 18. SINTÉTICOS
  • 19. ANALÍTICOS
  • 20.  2.2 Alguns limites dos métodos sintéticos e analíticos- Propostas descontextualizadas;- Não levam em consideração as hipóteses das crianças sobre a leitura e escrita;
  • 21.  Métodos mistos  (analíticos-sintéticos) Estudo limitado por palavras ou frase compostas por famílias silábicas já conhecidas pelo aluno.
  • 22. - As crianças escrevem para a escola e não para a vida;- Concebem o SEA (Sistema de Escrita Alfabética) como um simples código (decodificação e codificação);
  • 23. 2.3 A PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA
  • 24.  As crianças encontram estratégias para justificar suas hipóteses sobre o SEA. A metodologia deve levar em conta a complexidade do processo de aprendizagem da escrita
  • 25.  2.4 Alfabetizar letrando: o que é isto? Inserção do aprendiz nas práticas de leitura e escrita. A criança deve ter contato com diferentes gêneros textuais.
  • 26.  Alfabetizar letrando no campo: criar situações de uso real e significativo de leitura e escrita.
  • 27. 2.5 ORALIDADE E CULTURA ESCRITA NO CAMPO A oralidade é importante, sobretudo em regiões onde a escrita não tem intensa circulação. Relacionar as práticas orais às atividades de escrita na escola.
  • 28.  2.6 As zonas rurais e urbanas no campo: diferentes contextos, desafios distintos Levar em consideração os diferentes contextos de produção cultural oral e escrita, para pensar o currículo.
  • 29. 2.7 QUE INFÂNCIA HÁ NO CAMPO? Conhecer as crianças que queremos alfabetizar: relação com o trabalho, com a natureza e sua participação social. Estas dimensões devem ser incorporadas no fazer educativo, sobretudo no processo de alfabetização e letramento.
  • 30.  2.8 Educação contextualizada: o papel da prática social para a ação pedagógica Conhecer os problemas formulados pelas crianças em suas experiências de vida.
  • 31.  A expressão do universo simbólico e da realidade concreta infantil, em palavras e temas geradores de debates, produz reflexões que devem ser enriquecidas pelo conhecimento (acumulado historicamente).
  • 32.  2.9 Alfabetização, letramento e oralidade no campo: algumas perspectivas A cultura oral deve estar inserida no contexto educativo: músicas, piadas, causos, repentes.
  • 33.  Trazer para a escola a comunidade: cantadores do povo, contadores de histórias, para que as crianças se identifiquem o espaço escolar como seu.
  • 34.  Refletir sobre os aspectos particulares da escrita (relação grafema/fonema, percepção de sons semelhantes em diferentes palavras). O letramento se dará pela transcrição de musicas, causos e repentes.
  • 35.  Registro escrito das ideias, em projetos didáticos, onde se faça necessário o uso da mesma em contextos significativos.
  • 36.  Criar condições favoráveis à articulação entre conhecimento e processo formativo, bem como ao letramento e alfabetização e seu uso continuado ao longo da vida. (dentro e fora da escola).
  • 37.  3. Avaliação e progressão escolar no ciclo de alfabetização 3.1 Introdução: bases da discussão
  • 38.  O currículo deve ser considerado como eixo estruturante no cotidiano escolar. A avaliação não pode estar desvinculada deste processo. Esta deve ser maleável, garantindo múltiplas formas de avaliação.
  • 39.  3.2 Avaliação, ciclos de aprendizagem e processos formativos Organização por série privilegia uma concepção excludente (perspectiva classificatória).
  • 40.  O sistema de progressão por ciclos, surgiu como resistência à lógica excludente. O ciclo se organiza em um bloco de três anos – as crianças precisam de tempo para se apropriar do processo SEA.
  • 41.  O espaço de três anos, favorece para que a avaliação se abra para outros parâmetros além do cognitivo, pois nem todas as crianças cncluem o primeiro ano lendo e escrevendo com autonomia.
  • 42.  3.3 Multisseriação, coeducação e avaliação: articulando metas e processo no ciclo de alfabetização do campo . Mesmo com o sistema de ciclos, percebe-se que não ocorreram os avanços esperados no processo de aquisição do SEA.
  • 43.  Os índices de repetência diminuíram, mas alguns alunos completam o Ensino Fundamental sem saber ler e escrever. Alguns atribuem tal fenômeno à adoção do regime de ciclos.
  • 44.  Progressão automática – não ocorre uma avaliação do processo de aprendizagem. Proposta de ciclos – compromisso com a aprendizagem.
  • 45.  Muitos pofessores não tem clareza quanto ao que devem ensinar e quais objetivos visam alcançar no 1, 2 e 3 anos. Mas existem práticas que mostram resultados positivos.
  • 46.  Quando a criança termina o primeiro ciclo e não atingiu as aprendizagens esperadas? Retomar os princípios que norteiam a educação do campo, que, partindo da valorização dos saberes e cultura, prezam pela construção do sujeito.
  • 47.  A avaliação não deve ser feita apenas no final do período letivo, mas constantemente, durante todo o processo de aprendizagem. Utilizar instrumentos de avaliação adequados.
  • 48.  Criar boas estratégias de registro: portfólio, diário de classe ampliado, caderno de registro do aluno. O trabalho será mais produtivo, com um bom arquivo do que foi produzido.
  • 49. 1. Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetização – Língua portuguesa Lei 9394-96, artigo 32. Explicar os quadros p. 46 - 51
  • 50.  Letra I – determinado conhecimento ou capacidade deve ser introduzido na etapa escolar indicada. Letra A – ação educativa deve garantir aprofundamento. Letra C – aprendizagem deve ser consolidada no ano indicado.
  • 51. COMPARTILHANDO Direitos de aprendizagem no ciclo de alfabetização – Língua Portuguesa para todos os cadernos
  • 52. LDB 9394/96 “tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores” (Art. 22).
  • 53. Desse modo, a escola é obrigatória para ascrianças e tem papel relevante em suaformação para agir na sociedade e paraparticipar ativamente das diferentes esferassociais. Dentre outros direitos, é prioritário oensino da leitura e escrita, tal como previstono artigo 32:
  • 54. Para atender às exigências previstas nasDiretrizes, torna-se necessário delimitar osdiferentes conhecimentos e as capacidadesbásicas que estão subjacentes aos direitos.Nos quadros a seguir, alguns conhecimentos ecapacidades estão descritos e podem serpostos como pontos de partida para oestabelecimento do debate.
  • 55. São descritos direitos de aprendizagem gerais,que permeiam toda a ação pedagógica e depoissão expostos quadros com conhecimentos ecapacidades específicos organizados por eixode ensino da Língua Portuguesa: Leitura,Produção de textos Escritos, Oralidade, AnáliseLinguística.
  • 56. O eixo Análise Linguística foi dividido em doisquadros, com o objetivo de destacar asespecificidades do ensino do Sistema de EscritaAlfabética, necessário para que as crianças tenhamautonomia na leitura e produção de textos,separando tais direitos de outros aspectos da análiselinguística, também fundamentais para a ampliaçãodas capacidades para lidar com as situações deprodução e compreensão de textos orais e escritos.
  • 57. I - será utilizada para indicar que determinadoconhecimento ou capacidade deve ser introduzido naetapa escolar indicada;A - Indicará que a ação educativa deve garantir oaprofundamento;C - indica que a aprendizagem deve ser consolidadano ano indicado.
  • 58. Em todos os anos de escolarização, as criançasdevem ser convidadas a ler, produzir e refletir sobretextos que circulam em diferentes esferas sociais deinterlocução, mas alguns podem ser consideradosprioritários, como os gêneros da esfera literária; esferaacadêmica/escolar e esfera midiática, destinada adiscutir temas sociais relevantes.
  • 59. DIREITOS GERAIS DE APRENDIZAGEM: LÍNGUAPORTUGUESA
  • 60. P.30
  • 61.  Obrigada pela atenção!

×