Concepções e princípios   slides
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Concepções e princípios slides

on

  • 14,495 views

 

Statistics

Views

Total Views
14,495
Views on SlideShare
11,509
Embed Views
2,986

Actions

Likes
4
Downloads
204
Comments
1

25 Embeds 2,986

http://dialogoeducacao.blogspot.com.br 1554
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.com.br 1275
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.com 44
http://valarteehabilidade.blogspot.com.br 28
http://www.dialogoeducacao.blogspot.com.br 21
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.ru 17
http://dialogoeducacao.blogspot.com 10
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.pt 9
http://dialogoeducacao.blogspot.pt 7
http://www.profcidadialogoeducacao.blogspot.com.br 4
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.nl 2
http://dialogoeducacao.blogspot.it 2
http://blogutils.net 1
http://www.google.com.br 1
http://dialogoeducacao.blogspot.ro 1
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.com.tr 1
http://dialogoeducacao.blogspot.com.au 1
http://profcidadialogoeducacao.blogspot.cz 1
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://img827.imageshack.us 1
http://estatisticas.megacontador.com.br 1
http://feeds.feedburner.com 1
http://dialogoeducacao.blogspot.jp 1
http://valarteehabilidade.blogspot.com 1
http://news.google.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Concepções e princípios slides Presentation Transcript

  • 1. Pacto Nacional pelaAlfabetização na Idade CertaCURRÍCULO NA ALFABETIZAÇÃO CONCEPÇÕES E PRINCÍPIOS Formadora: Tatiane Marina dos Anjos Pereira
  • 2. Currículo no ciclo de alfabetização: princípios gerais. Moreira e Silva (1994), não como um veículo que transporta algo a ser transmitido e absorvido, mas como um lugar em que se produz e se reproduz a cultura. Nessa perspectiva currículo refere-se, a criação, recriação, contestação e transgressão.
  • 3.  Para Moreira e Candau (2007) a discussão de currículo envolve diferentes aspectos:. os conhecimentos escolares;.os procedimentos e as relações sociais queconformam o cenário em que os conhecimentos seensinam e se aprendem;.as transformações que se deseja efetuar nos alunos;.os valores que se deseja inculcar e as identidadesque se pretende construir;
  • 4. DÉCADA DE 70 Atividades repetitivas; Estatísticas crescentes de repetência e evasão escolar; Exclusão do aluno dos direitos de aprendizagem da leitura e escrita; Crianças com necessidades especiais eram segregadas em salas específicas e os que fracassavam em salas de aula regulares eram avaliados como deficientes.
  • 5. DÉCADA DE 80 Métodos:- sintéticos;- Analíticos;- Analíticos – sintéticos (letras, fonemas, sílabas, palavras, textos).- Concepção de leitura: decodificação e codificação (unidades mais fáceis para as mais difíceis).- 1ª etapa da escolarização repleto de atividades de coordenação motora e discriminação auditiva e visual;
  • 6. MÉTODO SINTÉTICOEstabelece uma correspondência entre o som e a grafia, entreo oral e o escrito, através do aprendizado por letra por letra,ou sílaba por sílaba e palavra por palavra.Alfabético – o estudante aprende inicialmente as letras,depois forma as sílabas juntando as consoantes com asvogais, para, depois, formar as palavras que constroem otexto.Fônico ou fonético - o aluno parte do som das letras,unindo o som da consoante com o som da vogal,pronunciando a sílaba formada.Silábico - o estudante aprende primeiro as sílabas paraformar as palavras.Por este método, a aprendizagem é feita através de umaleitura mecânica do texto e da decifração das palavras.
  • 7. MÉTODO ANALÍTICO - “olhar-e-dizer” (decoreba)A leitura é um ato global e audiovisual. Trabalha-se a partir deunidades completas de linguagem para depois dividi-las empartes. Ex.: a criança parte da frase para extrair as palavras e,depois, dividi-las em unidades + simples, as sílabas.Palavração - primeiro, existe o contato com os vocábulos emuma sequência que engloba todos os sons da língua e, depoisda aquisição de um certo número de palavras, inicia-se aformação das frases.Setenciação - a unidade inicial do aprendizado é a frase, queé depois dividida em palavras, de onde são extraídos oselementos mais simples: as sílabas.Global (conto e estória) - o método é composto por váriasunidades de leitura que têm começo, meio e fim, sendoligadas por frases que formem um enredo interessante para acriança.
  • 8. JOGO DO TAPA A TAPA
  • 9. Desenvolvimento:Os alunos devem estar sentados em círculos.Cada aluno receberá um "montinho" de cartas viradas para baixo.E devem ir largando-as uma de cada vez viradas para cima, virando as letras simultaneamente. Ex. A, B, C, D, E. Quando der o acaso de virar a letra que falou, o aluno leva todo o bolo de cartas da mesa.Segue a ordem dos jogadores, sempre no sentido horário. Ganha quem estiver com mais cartas ao final do jogo.
  • 10. JOGO DA MEMÓRIA
  • 11. Material: Este jogo foi confeccionado com Cartolina, com desenhos retirados da Internet e letras, impressos por computador.Desenvolvimento: Os alunos devem encontrar os desenhos e juntá-los as letras iniciais de cada figura.
  • 12. DÉCADA DE 80 Papel do professor: ensinar os alunos as letras, sílabas e palavras. Aprendizagem por memorização. Uso das cartilhas com textos que possuiam palavras com unidades trabalhadas (textos artificiais).
  • 13.  Erro devia ser evitado (significava o não aprendizado do que fora ensinado). Práticas continuavam voltada para aprendizagem do código, desvinculado dos usos sociais da leitura e escrita desconsiderando os conhecimentos que as crianças possuíam sobre escrita.
  • 14. TEMÁTICA DA INCLUSÃO Ganhou força a partir da década de 80 com a C.F de 1988 – art. 205 e 206. “a educação como um direito de todos” e, no seu artigo 206, inciso I, estabelece “a igualdade de condições de acesso e permanência na escola”. Década de 90 - elaboração de leis e ações relacionadas às políticas públicas de educação inclusiva.
  • 15.  Declaração de Salamanca (1994); LDBEN/96 – art. 59 - preconiza que os sistemas de ensino devem assegurar aos alunos currículo, métodos, recursos e organização específicos para atender às suas necessidades. reformulação do currículo que rege as escolas para realização das práticas inclusivas.
  • 16. EDUCAR NA DIVERSIDADE Para incluir e atender à diversidade é necessário acreditarmos que é possível, precisamos nos engajar no sentido de repensar o fazer pedagógico na alfabetização, visando atendimento de todos e a garantia dos direitos de aprendizagem.
  • 17.  Para compreendermos e enfrentarmos esse processo, ressaltamos, os princípios da educação inclusiva: acessibilidade e remoção das barreiras à aprendizagem, avaliação da aprendizagem numa perspectiva formativa, gestão participativa, participação da família e da comunidade, serviço de apoio especializado, currículo multicultural, professor com formação crítico - reflexiva (NAKAYAMA, 2007).
  • 18. EDUCAR NA DIVERSIDADE Repensar práticas de ensino da leitura e escrita, conhecimentos relacionados às outras áreas de ensino, requer que pensemos na relação entre currículo e cultura. Os professores e gestores devem ter uma nova postura, no esforço de construir currículos culturalmente orientados, transforme a escola e o currículo em espaços de crítica cultural, de diálogo e de desenvolvimento de pesquisas. superação do “daltonismo cultural”.
  • 19. CURRÍCULO MULTICULTURAL Currículo multicultural implica em propostas curriculares inclusivas que compreendem as diferenças e valorizam os alunos em suas especificidades, seja cultural, linguística, étnica ou de gênero, o que amplia o acesso à alfabetização a um maior número de crianças além de respeitar os seus direitos de aprendizagem.
  • 20. CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINARNO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Década de 80: - surgimento das teorias construtivistas e interacionistas. Principais representantes: Emilia Ferreiro e Ana Teberosky. Década de 90: Novo conceito de alfabetização: o letramento; Termos: alfabetização e letramento (p. 19); Avaliações em larga escala (PISA, SAEB, Prova Brasil) atestam o baixo desempenho em leitura; Período destinado à alfabetização: três primeiros anos do Ensino Fundamental; Crítica à abordagem construtivista pelo baixo índice de leitura dos alunos;
  • 21. CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO: O QUE ENSINARNO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Nascimento de um forte discurso contrário ao uso dos tradicionais métodos de alfabetização e defesa de uma prática que tomasse por base a teoria psicogenética de aprendizagem da escrita.
  • 22.  Pregava-se a necessidade de possibilitar que as crianças se apropriassem do Sistema de Escrita Alfabética a partir da interação com diferentes textos escritos em atividades significativas de leitura e produção de textos, desde a Educação Infantil.(p.17).
  • 23. Psicogênese da escrita Emília Ferreiro, Argentina radicada no México, estudou na Suíça, doutorando-se na Universidade de Genebra, sob orientação do biólogo Jean Piaget, cujo trabalho de epistemologia genética (grau de certeza do conhecimento científico) foi desenvolvido numa teoria centrada no desenvolvimento natural da criança, sua aprendizagem e a construção do conhecimento.
  • 24. Psicogênese da escrita Defendeu a importância do aprendiz ser exposto ao mundo da escrita, a partir da participação em práticas sociais de leitura e escrita, uma vez que a alfabetização é de natureza conceitual e não perceptual como se pensava.
  • 25.  Nesta visão, foi possível ampliar o meio onde se dá a aprendizagem retirando da escola a responsabilidade pela alfabetização dos alunos, ou seja, o ensino das letras, sílabas e palavras, deixou de ser tarefa exclusiva do educador.
  • 26. Psicogênese da escrita Emília Ferreiro chamou a atenção para a importância do ambiente – que deve ser alfabetizador – devido a oferta de oportunidades e de acesso à escrita, diferenciando as crianças entre si.
  • 27.  Crianças com mais estímulo e motivação tem maiores chances de construir melhor seu processo de escrita, sem que se constitua um problema para as crianças com menos possibilidades. Ocorre que em decorrência do que foi dito acima, não há déficits, apenas oportunidade!
  • 28. Ana Teberosky Trabalha há mais de uma década em Barcelona, tendo desenvolvido pesquisas na área de linguagem junto ao Instituto Municipal de Investigações Psicológicas Aplicadas à Educação (IMIPAE) e ao Instituto Municipal de Educação (IME). Doutora em psicologia pela Universidade de Barcelona, atualmente ocupa o cargo de professora do Departamento de Psicologia Evolutiva e da Educação dessa instituição. Ao lado de Emilia Ferreiro, deu a compreensão do processo de aquisição da escrita.
  • 29. Níveis estruturais da linguagem escrita: Nível Pré-Silábico - não se busca correspondência com o som; as hipóteses das crianças são estabelecidas em torno do tipo e da quantidade de grafismo. A criança tenta nesse nível:  · Diferenciar entre desenho e escrita.  · Utilizar no mínimo duas ou três letras para poder escrever palavras.  · Reproduzir os traços da escrita, de acordo com seu contato com as formas gráficas (imprensa ou cursiva), escolhendo a que lhe é mais familiar para usar nas suas hipóteses de escrita.  · Percebe que é preciso variar os caracteres para obter palavras diferentes.
  • 30. Níveis estruturais da linguagem escrita: Nível Silábico - pode ser dividido entre Silábico e Silábico Alfabético: Silábico - a criança compreende que as diferenças na representação escrita está relacionada com o "som" das palavras, o que a leva a sentir a necessidade de usar uma forma de grafia para cada som. Utiliza os símbolos gráficos de forma aleatória, usando apenas consoantes ou vogais ou letras inventadas e repetindo-as de acordo com o número de sílabas das palavras. Silábico-Alfabético - convivem as formas de fazer corresponder os sons às formas silábica e alfabética e a criança pode escolher as letras ou de forma ortográfica ou fonética.
  • 31. Níveis estruturais da linguagem escrita: Nível Alfabético - a criança agora entende que:  · A sílaba não pode ser considerada uma unidade e pode ser separada em unidades menores.  · A identificação do som não é garantia da identificação da letra, o que pode gerar as famosas dificuldades ortográficas.
  • 32. LETRAMENTO Soares (1998), o termo letramento é a versão para o Português da palavra de língua inglesa literacy, que significa o estado ou condição que assume aquele que aprende a ler e escrever. No Brasil, o termo letramento não substituiu a palavra alfabetização, mas apareceassociada a ela (p. 17).
  • 33. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Alfabetizar e letrar são duas ações distintas, mas não inseparáveis, ao contrário: o idealseria alfabetizar letrando, ou seja: ensinar a ler eescrever no contexto das práticas sociais daleitura e da escrita, de modo que o indivíduo setornasse, ao mesmo tempo, alfabetizado eletrado (SOARES, 1998, p. 47).
  • 34. Reflexão sobre o sistema de escrita alfabética Para compreender as propriedades do sistema alfabético, é necessário que o indivíduo se aproprie de uma série de conhecimentos, tais como: Ler pág. 21 (quadro)
  • 35. Avaliação no ciclo de alfabetização Avaliação na década de 80: medir e classificar a aprendizagem. Memorização do código alfabético Leitura e escrita das letras, sílabas, palavras, frase e textos. Avaliação excludente, alunos aptos ou não aptos a prosseguir os estudos. Fracasso escolar como problema de deficiência ou carência cognitiva e cultural
  • 36. Avaliação no ciclo de alfabetização Nas perspectivas construtivistas, interacionistas e inclusivistas: - Avaliam-se as conquistas e as possibilidades dos estudantes aolongo do ano escolar, e não apenas os impedimentos e ascondutas finais e acabadas.- O erro, que antes precisava a todo custo ser evitado, já que era o principal sintoma de exclusão escolar, passa a ser considerado como indicador da forma como os alunos pensam sobre determinado conhecimento.- Os objetivos das avaliações não se relacionam mais à simples medição de conhecimentos para determinar se estão aptos a progredir nos estudos, mas à identificação dos conhecimentos que os estudantes já desenvolveram, com o objetivo de fazê- los avançar em suas aprendizagens (p. 26).
  • 37. Registro de avaliações Cadernos de registros; Portfólios; Registros realizados pelas crianças; Ficha de acompanhamento individual e coletiva; Avaliação diagnóstica (sondagem); Regime ciclado; Mudança da perspectiva conteudista para multicultural;
  • 38. Avaliação no ciclo de alfabetizaçãoEm todos os anos de escolarização, as crianças devemser convidadas a ler, produzir e refletir sobre textos quecirculam em diferentes esferas sociais de interlocução,mas alguns podem ser considerados prioritários, como osgêneros da esfera literária; esfera acadêmica/escolar eesfera midiática, destinada a discutir temas sociaisrelevantes.
  • 39. AVALIAÇÃO NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Na avaliação, portanto, o professor deverá tomar em consideração o processo de apropriação do aluno, considerando a sua compreensão da escrita nos primeiros dias de aula e as aquisições que conseguiu empreender. Outro aspecto fundamental que deverá nortear a avaliação é o próprio conteúdo que se trabalha com ele. Nesse sentido, o professor deverá fazer uma avaliação cumulativa, desde a compreensão da escrita em sua função social, o domínio progressivo do sistema gráfico e a estrutura do texto.
  • 40. DIREITOS GERAIS DE APRENDIZAGEM: LÍNGUAPORTUGUESA
  • 41. P.30