CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL
Câmaras Municipais de Murtosa Ovar e Estarreja | Universidade de Ave...
Esquema
Director Ciclável
do Alentejo                                                         1 – ANTECEDENTES

          ...
1. ANTECEDENTES




CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
1. Antecedentes

                  1.1. Os pioneiros do conceito de Corredores Verdes em
                  Portugal:

    ...
1. Antecedentes


                    1.5 UNIÃO EUROPEIA
                    FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regi...
1. Antecedentes

                      Programa INTERREG – Prioridade aos programas
                      interregionais:
...
1. Antecedentes
                     Programa INTERREG – Prioridade aos programas
                     interregionais:

  ...
2. ESTUDO AMBIENTAL E
                                  CARACTERIZAÇÃO DAS
                                      VIAS VERD...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
- o projecto
               2.1 OBJECTIVOS
              ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
                   2.2 OBJECTO DE ESTUDO
- o projecto    ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
- o projecto
                 2.3 METODOLOGIA
           ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
- o projecto     2.3 METODOLOGIA

             Fichas de ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
- o projecto     2.3 METODOLOGIA

             Fichas de ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo
- o projecto




                      CONFERÊNCIA. O LAZ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo              2.4 POTENCIAIS ECOLÓGICOS
- o projecto


   ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo              2.4 POTENCIAIS CULTURAIS
- o projecto
      ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo              2.4 POTENCIAIS CULTURAIS
- o projecto
      ...
2. Estudo Ambiental
e Caracterização
das Vias Verdes do
Alentejo               2.5 VISÃO ESTRATÉGICA
- o projecto

       ...
3. CONSIDERAÇÕES
                                                                           FINAIS




CONFERÊNCIA. O LAZE...
3. Considerações
Finais

                   3.1 ALENTEJO – CORREDORES VERDES – UM
                   ESQUEMA DIRECTOR REGI...
3. Considerações
Finais

                   3.2 IV PRÉMIO EUROPEU DE CORREDORES
                   VERDES



             ...
3. Considerações
Finais

                   3.3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS CASOS
                   DE SUCESSO



    ...
3. Considerações
Finais

                    3.4 BENEFÍCIOS PRODUZIDOS PELOS CASOS DE
                    SUCESSO


      ...
3. Considerações
Finais

                   3.5 CONDIÇÕES CHAVE PARA CONSTRUIR O
                   SUCESSO

             ...
3. Considerações
Finais


                   3.6 DECLARAÇÃO DE ENTENDIMENTO
                   PROPOSTO EM 2008 PELA ASSOC...
3. Considerações
Finais
                    3.7 RESOLUÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA
                         N.º 3/2009

...
ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL
DO ALENTEJO




         É Assim necessário, dar sequência às
      Medidas Construtivas já esta...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

10. Apcv JoãO Reis Machado

1,593
-1

Published on

comunicação realizada na Conferência ‘(Planear) O Lazer e o Turismo Ciclável em Portugal’ (6NOV09, Auditório da Reitoria da Universidade de Aveiro) – link http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,593
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
83
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

10. Apcv JoãO Reis Machado

  1. 1. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL Câmaras Municipais de Murtosa Ovar e Estarreja | Universidade de Aveiro ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO João Reis Machado [1] Inês Castro Vasco [2] [1] - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Presidente da Associação Portuguesa de Corredores Verdes. Doutorado em Ciências do Ambiente e Ordenamento do Território Associação Portuguesa de Corredores Verdes [2] - Arquitecta Paisagista, Pós-Graduada em Sistemas de Informação Geográfica AVEIRO 6 de Novembro de 2009 Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia - UNL
  2. 2. Esquema Director Ciclável do Alentejo 1 – ANTECEDENTES 2 - ESTUDO AMBIENTAL E CARACTERIZAÇÃO DAS VIAS VERDES DO ALENTEJO 3 - CONSIDERAÇÕES FINAIS Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo Estudo realizado para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região do Alentejo Autores: João Reis Machado; Francisco Castro Rego; José Carlos Ferreira; Inês Castro Vasco 2004 - 2005 CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  3. 3. 1. ANTECEDENTES CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  4. 4. 1. Antecedentes 1.1. Os pioneiros do conceito de Corredores Verdes em Portugal:  A partir de 1940 - Francisco Caldeira Cabral  A partir de 1960 - Gonçalo Ribeiro Telles  A partir de 1998 - Julius G. Fabos e Jack Ahern 1.2. Corredores Verdes a Nível Regional. 1998. Junta da Área Metropolitana de Lisboa 1998 – 2000 1.3. A Associação Portuguesa de Corredores Verdes Junho de 2000 1.4. A Declaração de Lille e criação da European Greenways Association Setembro de 2000 CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  5. 5. 1. Antecedentes 1.5 UNIÃO EUROPEIA FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional PDR - Plano de Desenvolvimento Regional : 2000 – 2006 Programa INTERREG – Prioridade aos programas interregionais: REVER – Rede Verde Europeia REVERAMNO – Rede Verde das Áreas Metropolitanas NO da Europa REVERMED – Rede Verde do Mediterrâneo CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  6. 6. 1. Antecedentes Programa INTERREG – Prioridade aos programas interregionais: REVERMEDOCC – Rede Verde do Espaço Mediterrâneo Ocidental Participação de 27 Administrações Públicas e outros parceiros não governamentais Portugal, Espanha, França e Itália 10 000 km ligando Portugal ao Sul da Itália Orçamento – 2 234,412 Euros financiado pelo INTERREG IIIB 2000-2006 CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  7. 7. 1. Antecedentes Programa INTERREG – Prioridade aos programas interregionais: REVERMED – Rede Verde do Mediterrâneo (Continuação) Coordenação Geral – Conselho do Meio Ambiente da Junta da Andaluzia e European Greenways Association Actividades comuns a todos os Parceiros Organização de Mesas Redondas temáticas em Portugal, França e Itália Conferência Final em Sevilha em Dezembro de 2004 Parceiro em Portugal – Comissão de Coordenação da Região do Alentejo Outros Parceiros - Comissão de Coordenação da Região do Algarve e REFER CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  8. 8. 2. ESTUDO AMBIENTAL E CARACTERIZAÇÃO DAS VIAS VERDES DO ALENTEJO - O PROJECTO CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  9. 9. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo - o projecto 2.1 OBJECTIVOS Criar um continuum de circuitos que permite: - Entrar em qualquer dos seus pontos - Alcançar aglomerados urbanos, áreas e pontos de interesse João Reis Machado Francisco Castro Rego Inês de Castro Vasco - Utilizar percursos cicláveis José Carlos Ferreira Jorge Rocha e pedestres, recorrendo sempre que necessário a Maio de 2005 Itinerários de Ligação. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  10. 10. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo 2.2 OBJECTO DE ESTUDO - o projecto Os Corredores propostos envolveram os seguintes elementos:  linhas de caminho de ferro desactivadas: 187,2 km  Itinerários de Ligação complementar: 197km linhas antigas de caminho de ferro ainda em funcionamento; estradas antigas com valor cénico e de tráfego motorizado reduzido  percursos de ligação fluvial CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  11. 11. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo - o projecto 2.3 METODOLOGIA Informação analógica e digital Cartas militares: 1/50.000; 1/500.000 Rede Natura 2000 Carta de Ocupação do Solo (ex. CNEFF) MDT – resolução 90m Software principal ArcView 3.2 Equipamentos de Georreferenciação GPS Garmin Etrex CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  12. 12. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo - o projecto 2.3 METODOLOGIA Fichas de Campo para Anotação in loco Levantamento Fotográfico Rigoroso 350 pares de coordenadas GPS CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  13. 13. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo - o projecto 2.3 METODOLOGIA Fichas de Campo para Anotação in loco Levantamento Fotográfico Rigoroso 350 pares de coordenadas GPS Fichas de Síntese Fichas Técnicas Caracerização Problemas Potencialidades CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  14. 14. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo - o projecto CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  15. 15. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo 2.4 POTENCIAIS ECOLÓGICOS - o projecto  Caracterização do uso do solo na vizinhança de 10 km de cada ecopista.  Relações de proximidade (10 km) entre cada ecopista e os sítios da Rede Natura 2000. Ramal de Mora Envolvente Total: agricultura de sequeiro – 42,72% floresta – 45,49% Rede Natura 2000 CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  16. 16. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo 2.4 POTENCIAIS CULTURAIS - o projecto Património edificado da REFER Estações; Apeadeiros; Pontes; Túneis; Armazéns; Sinalética Instalações para comunicações telefónicas CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  17. 17. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo 2.4 POTENCIAIS CULTURAIS - o projecto O património arquitectónico e Arqueológico num raio aproximado de 10 km de ecopistas e itinerários de ligação Antas; Menires; Cromoleques; Grutas; Arquitectura Romana; Castelos; Igrejas, Capelas e Ermidas; Conventos; Centros Históricos CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  18. 18. 2. Estudo Ambiental e Caracterização das Vias Verdes do Alentejo 2.5 VISÃO ESTRATÉGICA - o projecto  Implementação de uma rede mais ampla, mais atractiva, mais competitiva, verdadeiramente de nível regional.  A conservação e a recuperação do património da REFER com salvaguarda do eventual regresso a estes corredores, do transporte público motorizado.  Criação de corredores ecológicos.  Promoção do Desenvolvimento Regional. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  19. 19. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  20. 20. 3. Considerações Finais 3.1 ALENTEJO – CORREDORES VERDES – UM ESQUEMA DIRECTOR REGIONAL  Este Esquema Director mostra serem indispensáveis planos e projectos de intermodalidade suave aos níveis locais e regionais, tal como acontece com os exemplos de sucesso e de boas práticas noutros países da União Europeia CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  21. 21. 3. Considerações Finais 3.2 IV PRÉMIO EUROPEU DE CORREDORES VERDES  Esta afirmação ficou demonstrada no IV Prémio Europeu de Corredores Verdes organizado em 2009 pela European Greenways Association a que concorreram 21 candidatos Europeus.  Foram atribuídos 6 prémios e duas Menções Honrosas. Um dos prémios veio para Portugal. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  22. 22. 3. Considerações Finais 3.3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS CASOS DE SUCESSO  Os exemplos de sucesso mostram que as redes de Corredores Verdes associam: - As mobilidades suaves - As envolventes de património natural - O património histórico / cultural CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  23. 23. 3. Considerações Finais 3.4 BENEFÍCIOS PRODUZIDOS PELOS CASOS DE SUCESSO  Estes casos produzem efeitos muito importantes nos seguintes domínios: 1- Economia 7 - Consumo de energia, 2 - Ambiente 8 - Transportes para o trabalho 3 - Coesão Social 9 - Desenvolvimento das áreas 4 - Saúde rurais 5 - Lazer e Turismo 10 - Valorização da paisagem e 6 - Emprego em médias e dos seus valores naturais pequenas empresas CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  24. 24. 3. Considerações Finais 3.5 CONDIÇÕES CHAVE PARA CONSTRUIR O SUCESSO  A experiência mostra que os êxitos alcançados só foram possíveis devido à conjugação das seguintes circunstâncias: 1 - Nascimento e apoio às iniciativas individuais e à inovação 2 - Empenhamento das comunidades intermunicipais e regionais 3 - Participação de organizações não governamentais 4 - Universidades 5 - Fundações 6 - Empenhamento das instituições públicas - orientações, normas, incentivos legais CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  25. 25. 3. Considerações Finais 3.6 DECLARAÇÃO DE ENTENDIMENTO PROPOSTO EM 2008 PELA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CORREDORES VERDES - Documento apresentado no Iº Fórum sobre Ecopistas e Corredores Verdes, Câmara Municipal de Viseu, 21 de Novembro de 2008 - Nesta ocasião apresentámos uma Declaração de Entendimento em que às entidades participantes foram propostas para discussão diversas orientações. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  26. 26. 3. Considerações Finais 3.7 RESOLUÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 3/2009 Plano Nacional de Promoção da Bicicleta e de Outros Meios de Transporte Suaves Na sequência e de acordo com a nossa Declaração de Entendimento a Assembleia da República aprovou em 23 de Janeiro de 2009, esta importante Resolução. É preciso contudo ir mais além: 1 - Porque nada aconteceu entretanto. 2 - Porque privilegia as mobilidades suaves em detrimento do património natural e cultural que a elas se encontram associados. 3 - Porque não menciona a participação das Universidades. CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO
  27. 27. ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO É Assim necessário, dar sequência às Medidas Construtivas já estabelecidas tirando partido de todas as energias e recursos disponíveis. Obrigado Pela Vossa Atenção Associação Portuguesa de Corredores Verdes Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente CONFERÊNCIA. O LAZER E O TURISMO CICLÁVEL EM PORTUGAL | ESQUEMA DIRECTOR CICLÁVEL DO ALENTEJO Faculdade de Ciências e Tecnologia - UNL
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×