Indicadores de saúde
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Indicadores de saúde

on

  • 28,377 views

 

Statistics

Views

Total Views
28,377
Views on SlideShare
28,124
Embed Views
253

Actions

Likes
4
Downloads
467
Comments
0

4 Embeds 253

http://keniaenfer.blogspot.com.br 167
http://keniaenfer.blogspot.com 84
http://keniaenfer.blogspot.com.ar 1
http://keniaenfer.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Indicadores de saúde Presentation Transcript

  • 1. INDICADORES DE SAÚDE Enf Fernanda Rodrigues
  • 2. Objetivos
    • Conhecer os indicadores de saúde mais utilizados em estudos epidemiológicos;
    • Interpretar os principais indicadores.
  • 3. Estudos Epidemiológicos
    • Estudo da frequência e distribuição das doenças na população com a identificação de seus fatores determinantes.
    • Avaliação do impacto da atenção a saúde sobre as doenças.
  • 4. Sistemas de Informação
    • Sistema de Informações de Mortalidade (SIM)
    • Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC)
    • Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN)
    • Sistema de Informação Hospitalar (SIH-SUS)
    • Sistema de Informação Ambulatorial (SIA-SUS)
    • Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB)
  • 5. Conceito de Indicadores de Saúde
    • Medidas (coeficientes, índices) que procuram demonstrar o efeito de determinantes de natureza variada (sociais, econômicos, ambientais, biológicos) sobre o estado de saúde de uma determinada população (Medronho, 2005).
  • 6. Principais usos dos indicadores
    • Analisar a situação atual de saúde e de vida de uma população;
    • Fazer comparações (populações, tempo, espaço) e planejar intervenções;
    • Investigação epidemiológica;
    • Avaliar mudanças ao longo do tempo.
  • 7. Unidades de medidas
    • Valores absolutos
    • ...O Ministério da Saúde acompanha 37 casos suspeitos de Influenza A (H1N1) no país...Os casos suspeitos estão nos estados de São Paulo (14), Minas Gerais (7), Distrito Federal (4), Pernambuco (3), Rio de Janeiro (3), Alagoas (2), Ceará (1), Pará (1), Rio Grande do Sul (1) e Rondônia (1). (Fonte: MS)
    • Valores relativos
    • Coeficiente: relações entre o número de eventos reais e os que poderiam ocorrer, o quociente é multiplicado por 1000, 100.000 ou 10 n
    • Índice: frequências atribuídas da mesma unidade, subconjunto, o quociente é multiplicado por 100 e expresso e %.
    Risco Frequência
  • 8. Principais indicadores de saúde
    • Mortalidade – risco de morrer, indica gravidade.
    • Morbidade – risco de adoecer.
  • 9. Indicadores de Mortalidade
    • Coeficiente de Mortalidade Geral
    • Nº de óbitos em período definido X 1.000
    • Nº total da população mesmo período
    • Mede o risco de morte por todas as causas em uma população de um dado local e período.
    • Avaliação do estado sanitário de determinadas áreas.
    • Avaliação do estado geral de saúde.
  • 10. Cobertura do sistema de Informações sobre Mortalidade. Brasil e Regiões - 1991 a 2004 Fonte: MS, Brasil
  • 11. Indicadores de Mortalidade
    • Coeficiente de mortalidade infantil
    • Nº de óbitos em crianças < de 1 ano X 1.000
    • Nº de nascidos vivos
    • Mede o risco de morte para crianças menores de um ano de um dado local e período.
    • Erros por sub-registro de nascimento e óbito principalmente no interior da região nordeste.
    • É considerado um indicador sensível das condições de vida e saúde de uma comunidade. Seu aumento está relacionado á características sócio-esconômicas.
  • 12. Taxa de mortalidade infantil do Brasil segundo regiões e comparação com alguns países em 2003
    • Brasil - 23,6 Norte - 26,2 Nordeste - 35,5 Sudeste - 15,6 Sul  - 15,8 Centro-Oeste - 18,7 Fonte: Secretaria de Vigilância em Sáude - MS Argentina - 16,5 Chile - 7,8 Cuba - 5,8 México - 19,7 Peru - 33,4 Fonte: OPAS, 2006
  • 13. Indicadores de Mortalidade
    • Coeficiente de Mortalidade Neonatal
    • Nº de óbitos em crianças menores de 28 dias X 1.000
    • Nº total de nascidos vivos
    • Mede o risco de morte para crianças menores de 28 dias.
    • Pode indicar falha ou ausência do pré-natal, precárias condições sanitárias e/ou sócio-econômicas
  • 14. Coeficientes de Mortalidade
    • Coeficiente de Mortalidade Materna
    • Nº de óbitos maternos ligados a gestação, parto e puerpério que ocorram até 42 dias após o parto X 100.000
    • Nº total de nascidos vivos
    • Representa o risco de óbitos por causas ligadas à gestação, ao parto ou ao puerpério.
    • Indica a qualidade de assistência à gestação, ao parto e ao puerpério em uma comunidade.
  • 15. Indicadores de Mortalidade
    • Coeficiente de Mortalidade por causas
    • Nº óbitos por causa determinada X 100.000
    • Nº total da população exposta
    • Representa o risco de óbito por determinada patologia ou evento.
    • Indica eficiência ou não dos serviços de prestação e controle de saúde.
  • 16. Mortalidade por causas externas, segundo sexo e tipo de causa. Estado de São Paulo, 2005. Fonte: SIM/SES-SP Causa Coef. Coef. Coef. Acidentes de transporte 29,3 6,6 17,7 Quedas 6,0 1,9 3,9 Afogamento e submersões acidentais 4,5 0,5 2,5 Queimaduras 0,5 0,3 0,4 Envenenamentos 0,0 0,0 0,0 Suicídios 6,7 1,7 4,1 Homicídios 41,8 3,9 22,5 Eventos (fatos) cuja intenção é indeterminada 18,0 6,1 11,9 Todas as outras causas externas 8,4 3,2 5,8 Total 115,3 24,2 68,9
  • 17. Indicadores de Mortalidade
    • Coeficiente de Letalidade
    • Nº óbitos por causa ou evento determinado X 100
    • Nº total de casos ou eventos
    • É uma proporção que mede o poder da doença em determinar a morte.
    • Informa sobre a qualidade da assistência médica prestada ao doente.
  • 18. Indicadores de Mortalidade
    • Índice de Swaroop e Uemura
    • Nº de óbitos em pessoas com 50 anos ou mais X 100
    • Nº total de óbitos
    • Mede a proporção de óbitos de pessoas com 50 anos ou mais em relação ao total de óbitos em um dado local e período.
    • Quanto mais elevado este índice, melhores as condições de saúde e sócio-econômicas da região.
    • Países desenvolvidos índice de 80 a 90%
    • Países subdesenvolvidos índice de até 50%
  • 19. Indicadores de Morbidade
    • Coeficiente de Morbidade
    • Nº de casos de determinada doença X 10 n
    • População definida
    • Seus dados tem por objetivo o controle de doenças ou agravos.
    • Estudo comparativo demonstra o comportamento da doença.
  • 20. Indicadores de Morbidade
    • Coeficiente de Incidência
    • Nº de casos novos de determinada doença ou evento X 10 n
    • População
    • É o surgimento de novos casos de determinada doença em intervalo de tempo, dia, semana, mês, ano.
    • Avalia crescimento ou velocidade de doenças ou eventos.
    • Alto incidência - alto risco população.
  • 21. Indicadores de Morbidade
    • Coeficiente de Ataque
    • Nº de casos da doença em local e período X 100
    • População exposta ao risco
    • Investigação de surtos de doenças em população específica como creche, escola, casamento, em tempo expresso em dias ou semanas.
    • Indica gravidade e nível de acometimento do surto.
  • 22. Indicadores de Morbidade
    • Coeficiente de Prevalência
    • Nº de casos conhecidos + casos novos X 10 n
    • População
    • É a força com que prevalecem a doenças nas coletividades.
    • Importante ferramenta de planejamento do gestor de saúde.
  • 23. Prevalência Casos que imigram + casos novos Cura Óbito Emigração Fonte: Adaptado de Rouquayrol, MZ e Almeida, N. Epidemiologia e Saúde. 6 ed. Rio de Janeiro: 2003. p. 54.
  • 24. Referências
    • ROUQUAYROL MZ. ALMEIDA FILHO N. Epidemiologia & Saúde. 6a ed. Rio de Janeiro: Medsi; 2003.
    • MEDRONHO RA. Epidemiologia. 2 ed. São Paulo: Atheneu; 2005.
    • BRASIL. Curso Básico de Vigilância Epidemiológica. 1 ed. Brasilia: MS; 2005.