• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Fratura Transtrocanteriana
 

Fratura Transtrocanteriana

on

  • 27,325 views

 

Statistics

Views

Total Views
27,325
Views on SlideShare
27,030
Embed Views
295

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
0

5 Embeds 295

http://a1.vox-data.com 168
http://www.slideshare.net 122
http://health.medicbd.com 2
http://www.health.medicbd.com 2
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Fratura Transtrocanteriana Fratura Transtrocanteriana Presentation Transcript

    • Caso Clínico Fratura transtrocanteriana Preceptor da ABNS Pari Membro da Sociedade Brasileira de Quadril Membro da Sociedade Brasileira de Cirugia do Joelho Membro Internacional da AAOS - American Academy of Orthopaedic Surgeons .
    • Referência
      • Rockwood and Green’s Fractures in Adults – Fifth Edition - Edited by Robert W. Bucholz and James D. Heckman - Copyright © 2001 by Lippincott Williams & Wilkins
      • Princípios AO do Tratamento de Fraturas / organizado por Thomas P. Ruedi e William M.Murphy; trad. Jacques Vissoyky. – Porto Alegre: Artmed, 2002.
    • Caso clínico
      • PACIENTE, 72 ANOS, DO SEXO FEMININO ENCONTRADA PELOS FAMILIARES CAÍDA PELA MANHÃ EM CASA. TRAZIDA AO HOSPITAL DE COLAR CERVICAL EM PRANCHA E IMOBILIZADO POR TALA DE “CRAMER”
      • ANTECEDENTES: DIABETE MELITO CONTROLADA E CARDIOPATIA HIPERTENSIVA
      • LIBERADA PELA SOCORRISTA E PEDIDO AVALIAÇÃO DA ORTOPEDIA
    • Caso clínico
      • EXAME FÍSICO:
        • MI ENCURTADO E COM ROTAÇÃO EXTERNA IMPORTANTE, APÓS RETIRADA DA TALA METÁLICA DE TRANSPORTE. DEMAIS ARTICULAÇÕES SEM ALTERAÇÕES APARENTES AO EXAME PRELIMINAR. PALPAÇÃO DOLOROSA EM QUADRIL, MOBILIDADE PASSIVA BASTANTE DOLOROSA EM QUADRIL
    • Raio-X
    • Raio-X Pós-operatório
    • 1 - Qual o papel inicial do Ortopedista no momento do primeiro atendimento?
    • Resposta:
      • Após realizado ATLS inicial pelo cirurgião, é necessário exame físico direcionado:
        • Anamnese detalhada: mecanismo de trauma
        • Exame neurológico básico (motor e sensitivo)
        • Avaliar local do trauma (articulações e ossos acima e abaixo)
        • Checar pulsos distais
        • Imobilização provisória
        • Classificar a fratura
    • TRONZO
      • Tipo I: Incompleta
      • Tipo II:
        • Com discreto desvio
        • Parede posterior intacta
        • Pequeno fragmento do trocânter menor
      • Tipo III:
        • Cominutiva
        • Grande fragmento do pequeno trocânter
        • Parede posterior cominuída
        • Esporão do calcar desviado para o interior do canal
      • Tipo IV
        • Cominutiva
        • Afastamento dos 2 principais fragmentos
        • Parede posterior cominuída
        • Fragmento do colo desviado para fora ou medial à diáfise
    • Classificação Tronzo
      • Tipo V
        • Obliqüidade reversa
      Obliquidade reversa
    • EVANS
      • Estabilidade
        • Bom contato cortical
        • Sem espaço medial e posterior
        • Sem cominuição
        • Sem fratura com desvio do trocânter menor
      • Instabilidade
        • Obliqüidade reversa
        • Cominuição ou desvio dos fragmentos de fratura medial e posteriormente (s/ contato)
    • EVANS
    • AO - ASIF
      • 31-A1
      • 31-A2
      • 31-A3
    • 2 – Quais os exames complementares pediria?
    • Resposta:
      • Necessário pedir Raio-X de bacia AP e quadril D AP + Perfil sob tração
      • Internação e exames pré-operatórios:
        • Hemograma completo
        • Coagulograma completo
        • Na/K
        • Glicemia jejum
        • U/Cr
        • ECG
        • Rx tórax
    • 3 – Qual o “timing” para o procedimento cirúrgico e qual o seu protocolo para prevenção da TVP?
    • Resposta
      • Indicação cirúrgica
      • Cirurgia assim que der tempo de jejum e resultados de exames prontos - tentar compensar um paciente com alguma alteracao e perder tempo - a fratura e a grande causa de descompensacao a ser corrigida
        • 24hs (Rockwood)
      • Anti-coagulante:
        • Heparina de baixo peso molecular iniciada na 6 a hora PO até 14 o dia PO
      • 4 – Quais os métodos de osteossíntese?
    • Resposta
      • PFN
      • DHS
      • Ender
      • Gamma-nail
    • PFN
      • Video PFN
    • Um pouco de pole mica…
      • Ainda e possivel usar Ender?
      • As hastes flexíveis de Ender foram desenvolvidas inicialmente para fraturas trans
      • Se usadas corretamente - todo o canal femoral em fraturas estáveis - não neste caso - e uma opção barata, fácil tecnicamente, causa mínima agressão de partes moles, e mínima perda sanguínea
      • 5 – Quais as principais complicações do tratamento?
    • Resposta
      • Mortalidade
      • Infecções:
        • Superficial precoce
        • Profunda precoce
        • tardia c/ comprometimento articular
        • tardia s/ comprometimento articular
      • Falhas mecânicas e técnicas
        • Consolidacao em varo - esta e uma das piores - encurta o membro e deixa paciente com marcha de Trendelemburg. E muito insatisfeito…
        • Penetração articular do implante e deformidade rotacional
        • necrose asséptica