A inteligência da Organização Policial

1,530 views
1,376 views

Published on

A metodologia moderna de inteligencia policial de acordo com Celso Ferro

Published in: Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,530
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
123
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A inteligência da Organização Policial

  1. 1. A INTELIGÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO
  2. 2. Celso Moreira Ferro Júnior A Complexidade e excesso de informações que as organizações se submetem e a necessidade de aumentar a capacidade de antecipação. A tecnologia, gestão do conhecimento, distribuição da informação e a inteligência organizacional são aspectos relevantes no processo. Trazem à reflexão a importância de um sistema voltado para o acesso e disponibilidade do conhecimento por todos. RELEVÂNCIA DO TEMA
  3. 3. FATORES DE COMPLEXIDADE NA ATUAÇÃO POLICIAL Velocidade: Todos os aspectos que envolvem uma atividade ocorrem e mudam em tempo real. Atualmente o excesso de informação é mais problemático do que a escassez. (Necessidade do Acesso mais rápido à Informação). Conectividade: Todas as coisas vão se conectando eletronicamente : produtos, pessoas, empresas, finanças, países, crimes etc. ORGANIZAÇÕES POLICIAIS NA ERA DA INFORMAÇÃO
  4. 4. FATORES Intangibilidade: O intangível cresce mais rapidamente (Capital Intelectual). Necessidade de mecanismos de conversão do conhecimento, uso de tecnologia e aprendizagem coletiva. Inovação: Toda introdução ou modificação de um processo, impulsiona a organização para a inovação. A ADAPTAÇÃO possibilita novas premissas. ORGANIZAÇÕES POLICIAIS NA ERA DA INFORMAÇÃO
  5. 5. 50 60 70 80 90 00 Incerteza Um mundo complexo, imprevisível Certeza Um mundo previsível Globalização Mundo Virtual Avanço das Telecomunicações Crimes Estruturados Mudanças Sociais e Políticas Era industrial Era da Informação Trabalho braçal Máquinas Produção Ativos Intangíveis A ERA DA INFORMAÇÃO
  6. 6. Celso Moreira Ferro Júnior Situações Comuns na Organização: • Há muita informação e poucas tem significado e pertinência; • As informações ficam dispersas na organização e exigem grande esforço para localizá-las e integrá-las; • As informações importantes às vezes são retidas com exclusividade por outros setores; • As informações importantes geralmente chegam tarde; e • As informações muitas vezes não são confiáveis. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  7. 7. Celso Moreira Ferro Júnior Informação Valor obtido Número de Usuários 100% Ativos Intangíveis A INFORMAÇÃO É INFINITAMENTE COMPARTILHÁVEL (BEAL 2004) A informação pode ser compartilhada e usada simultaneamente por vários setores e pessoas, sem que seja consumida nesse processo. A replicação da informação gera dispendio de recursos. BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  8. 8. Celso Moreira Ferro Júnior Valor Informação Ativo Comum Número de AcessosInformação Não Utilizada O VALOR DA INFORMAÇÃO AUMENTA COM O USO (BEAL 2004) Quanto mais utilizada a informação maior o valor associado. Efetividade em saber que ela existe; saber onde está disponível; ter acesso a ela e saber como utilizá-la. BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  9. 9. Celso Moreira Ferro Júnior BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. A INFORMAÇÃO É PERECÍVEL (BEAL 2004) Perde seu valor potencial à medida que o tempo passa. Se a informação estiver acessível e for obtida com antecedência a organização economiza tempo e recursos no desenvolvimento de suas tarefas. Tempo Valor Potencial SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  10. 10. Celso Moreira Ferro Júnior BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. A PRECISÃO AUMENTA O VALOR DA INFORMAÇÃO (BEAL 2004) Quanto mais precisa mais útil é a informação. Informações inexatas podem causa inúmeros prejuízos, provocando erros operacionais e decisões equivocadas. A precisão é fundamental. Informação Precisão % Valor Desinformação SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  11. 11. Celso Moreira Ferro Júnior BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. O VALOR DA INFORMAÇÃO AUMENTA QUANDO HÁ COMBINAÇÃO (BEAL 2004) Quanto mais integrada estiver as informações maior seu valor potencial. Por meio de sistemas integrados de gestão permite uma visão sistêmica e contextual do todo Gera significado na complexidade de situações Valor Informação Integração e Combinação SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  12. 12. Celso Moreira Ferro Júnior BEAL. Adriana. Gestão Estratégica da Informação. Editora Atlas. São Paulo. 2004. QUANTIDADE DA INFORMAÇÃO NÃO É QUALIDADE (BEAL 2004) A quantidade excessiva de informação reduz seu valor, principalmente pela falta de significado e da limitação mental de pessoas que fazem uso dela. Qualidade Insuficiência da Informação Sobrecarga de Informação SISTEMAS DE INFORMAÇÕES
  13. 13.  A inteligência organizacional é um sistema, agrega a coordenação de inteligência humana com máquinas dentro de uma organização, por meio de processos e métodos especiais. Está presente nos sistemas, hábitos, procedimentos, práticas, ações, planos e projetos. INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL
  14. 14. Celso Moreira Ferro Júnior A Inteligência é fazer uso efetivo da informação e favorecer um ambiente de construção e compartilhamento do conhecimento. A inteligência organizacional é um modelo de organização em rede (sistema), “semelhante a um cérebro”, onde a velocidade de processamento, fluxo e distribuição de informações proporcionam uma capacidade cumulativa por todos os setores. INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL
  15. 15. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO A Metáfora do Cérebro (MORGAN, 2006) A metáfora do cérebro trata a organização em forma de redes, grupos, indivíduos e setores interconectados, constituindo uma atividade de fluxo relacional de informações e conhecimento com integração. MORGAN, G. Imagens da Organização. Editora Atlas. São Paulo. 2006.
  16. 16. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO Organizações em Rede (FERNANDES 2004) Na estrutura em rede os componentes se ligam aos demais (é sistêmico). É uma malha de múltiplos fios, que se espalha indefinidamente para todos os pontos da organização. A rede não tem centro e a organização trabalha coletivamente para gerar conhecimento. Aprendizagem Cognição Comunicação Memória Raciocínio Inteligência Análise de Vínculos Unidades Policiais FERNANDES, Karina, Ribeiro. Constituição de redes organizacionais como nova forma de gestão das organizações do terceiro setor. 2004.
  17. 17. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO A Análise de Vínculos (XU E CHEN 2003) É uma técnica com uso de tecnologia para análise de relacionamento. É a extração de informações e as associações em grande escala de dados, convertido em gráficos. As entidades centrais ou “nós” e as conexões são representadas em diagramas explodidos. XU, J.J. e CHEN, H.C. Crimenet Explorer: A Framework For Criminal Network Knowledge Discovery. Apr 2005.
  18. 18. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO A Inteligência Organizacional (KIRN 1995) A inteligência organizacional integra um processo de fluxo da informação humana e computacional e a capacidade de solucionar problemas por meio de seus componentes. KIRN, Stefan. Organisational Intelligence and Distributed AI. University of Munster, Institute of Business Informatics. Germany. 1995
  19. 19. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO Componentes da Inteligência Organizacional (MORESI 2009) Cognição é capacidade de gestão da informação Memória é a capacidade de armazenamento, recuperação e reutilização Comunicação é o fluxo que promove interatividade e disseminação Aprendizagem é a atualização da doutrina a partir de novos métodos Raciocínio é capacidade de resposta diante da complexidade Contra-Inteligência é a proteção da organização e dos seus integrantes. Inteligência é o processo sistemático de coleta, tratamento e análise para produzir informação visando o processo decisório Disponível em: http://intelingencia.blogspot.com/. Acesso em: 10/08/2010.
  20. 20. Celso Moreira Ferro Júnior REFERENCIAL TEÓRICO Os Três Aspectos da Informação (ESG 1997) Estrutura. As informações como organização em repositórios físicos, rede e tecnologia; Processo. As informações como atividade, fluxo, produção de conhecimento e sua disseminação; Produto. As Informações como conhecimento pertinente que contribui para a tomada de decisões. As informações para a decisão. ESG. Escola Superior de Guerra. Divisão de Assuntos de Inteligência. Departamento de Estudos. NCE 90/97.
  21. 21. Celso Moreira Ferro Júnior 1. Cognição Organizacional e a Estrutura da informação. Condicionante: Tecnologia, Pessoal e Rede
  22. 22. Celso Moreira Ferro Júnior 2. Cognição Organizacional e o Processo da Informação Capacidade de visão de numerosas relações. Exibe-se a informação no contexto e de forma global. Condicionante: Análise do contexto, do global e do Complexo I2. Apresentação do produto. Investigative Analysis Software. 2004.
  23. 23. Celso Moreira Ferro Júnior 3. Cognição Organizacional e o Produto da Informação. Condicionante: Diagnóstico e capacidade investigativa Autores encobertos Facilidade de entendimento do que é complexo a partir de diagramas e gráficos explicativos.
  24. 24. Celso Moreira Ferro Júnior 4. Memória Organizacional e a Estrutura da Informação. É a estrutura lógica e física das informações e onde é feito o reconhecimento de entidades a serem vinculadas na análise. Condicionante: Sistema corporativo e Cérebro de Informações
  25. 25. É a informação que flui na rede e tem condições de gerar memória. O fluxo é o elemento-chave do sistema e quanto maior o volume mais potente fica. COORDENAÇÃO DO SISTEMA GERENCIA ESTRUTURA GERENCIA PROCESSO GERENCIA PRODUÇÃO SUPERVISORES NÚCLEOS DE ANÁLISE USUÁRIOS •DEPATE •DPE •DPC Analistas “Master” Orientadores •Deco •Decap •Cord •Di - CGP •Drs •Si/SSP Gerenciamento do Sistema e treinamento de Analístas do DPC e DPE (SIAC) “CÉREBRO”. •Estratégia •Decisões •Regulamentação •Credenciamento 4. Memória Organizacional e a Estrutura da Informação.
  26. 26. Celso Moreira Ferro Júnior 5. Memória Organizacional e o Processo da Informação. O uso das informações armazenadas e a recuperação são processos interligados em efeito contínuo, gerando fluxo da informação em direção ao conhecimento e o aumento da capacidade. Condicionante: Armazenamento e recuperação de informações pela Inteligência
  27. 27. Celso Moreira Ferro Júnior 6. Memória Organizacional e o Produto da Informação. O armazenamento e a possibilidade de reutilização da informação, o significado surge sem muito esforço a partir de informações inconsistentes. Condicionante: Reutilização de Conhecimento e o Significado da Informação
  28. 28. Celso Moreira Ferro Júnior 6.1. Memória Organizacional e o Produto da Informação. Os analistas operam o Sistema onde as informações estão armazenadas e a recuperação facilita a elucidação quase instantânea de casos.
  29. 29. Celso Moreira Ferro Júnior 7. Comunicação Organizacional e a Estrutura da Informação É a rede de propagação da informação com aproveitamento por todos os setores. Uma rede de conhecimento não deve concentrar dados e informações. Aprendizagem Cognição Comunicação Memória Raciocínio Inteligência Análise de Vínculos Unidades Policiais Condicionante: Estrutura da organização em rede multidimensional
  30. 30. Celso Moreira Ferro Júnior 8. Comunicação Organizacional e o Processo da Informação Condicionante: Comunicação Formal, Informal e Integração A organização é uma suposta máquina biológica. O fluxo interativo de informações é a confirmação recíproca do estado de comunicação entre pessoas, segmentos e sensores do ambiente. Aprendizagem Cognição Comunicação Memória Raciocínio Unidades Policiais Análise de Vínculos Mi2 Ambiente COORDENAÇÃO DO SISTEMA GERENCIA ESTRUTURA GERENCIA PROCESSO GERENCIA PRODUÇÃO SUPERVISORES NÚCLEOS DE ANÁLISE USUÁRIOS Cérebro FUSÃO
  31. 31. Celso Moreira Ferro Júnior 9. Comunicação Organizacional e o Produto da Informação A prospecção de informações, o compartilhamento de experiências, a disseminação do conhecimento promove a ação organizacional com interatividade. Condicionante: Disseminação do conhecimento e Interatividade Envolvimento de pessoas Disseminar conhecimento Identidade e Imagem Compartilhamento
  32. 32. Celso Moreira Ferro Júnior 13. Aprendizagem Organizacional e a Estrutura da Informação. A doutrina modifica diante da acentuada evolução do conhecimento e grau de especialização e cientificidade que convergem diversas disciplinas. Condicionante: Doutrina e Estratégia da organização Direito Tecnologia Administração Sociologia Psicologia Engenharia MedicinaContabilidade DOUTRINA
  33. 33. Celso Moreira Ferro Júnior 14. Aprendizagem Organizacional e o Processo da Informação. A ação organizacional interage com sistema e as modificações conceituais ocorrem pela necessidade de redefinição de procedimentos. Modificação da Doutrina Ação Organizacional com Inovação Aprendizado de Circuito simples Aprendizado de Circuito Duplo Solução de Problemas Complexos Condicionante: Estudo de Casos e inovação dos instrumentos de Ação Organizacional Adaptado CHOO. C. W. A Organização do Conhecimento: Como as Organizações Usam a Informação Para Criar Significado. 2003.
  34. 34. Celso Moreira Ferro Júnior 15. Aprendizagem Organizacional e o Produto da Informação Atualização da Doutrina O trabalho de análise está em constante evolução. A evolução da ação organizacional precisa estar sofisticada e ter condições de atuar em cada nova situação complexa.
  35. 35. Celso Moreira Ferro Júnior 15. Aprendizagem Organizacional e o Produto da Informação Atualização da Doutrina de Investigação Criminal Parque da cidade (69) * Roubo a transeunte (59) SDS (81) * Roubo a transeunte (67) SCES trecho 02 (59) * Roubo a transeunte (49) SCS qd 07 (51) * Roubo a transeunte (49) SCS (46) * Roubo a transeunte (44) SHS (38) * Roubo a transeunte (35) *Roubo de veículo (02) SBS (41) * Roubo a transeunte (37) SMHS (26) * Roubo a transeunte (16) *Roubo de veículo (04) CRS 504 (31) * Roubo a transeunte (26) * Roubo c/ restr. Liberdade (02) ANÁLISE ESPACIAL E TEMPORAL Padrão Tendência Temporal Espacial Projeção “Zona Quente” Movimento
  36. 36. Celso Moreira Ferro Júnior 10. Raciocínio Organizacional e a Estrutura da Informação Organizações policiais percebem que a gestão da informação é estratégica. A Inteligência para produzir conhecimento mais rápido em razão da velocidade e complexidade. Humanas Conteúdo BUSCA COLETA ANALISTA Investigador Colaboradores Testemunhas Laudos Periciais Inquérito Policial Documentos Manuais e Livros Tecnológica Análise de Vínculos Interceptação Telefônica Interceptação Ambiental Inteligência de Imagens Inteligência de Sinais Análise Criminal Condicionante: Inteligência Policial
  37. 37. ALVO CAPTURA TRANSMISSOR RECEPTOR ARMAZENAMENTO ANÁLISE RELATÓRIO AMBIENTE Fatores adversos Contra vigilância DIFUSÃO
  38. 38. Celso Moreira Ferro Júnior 11. Raciocínio Organizacional e o Processo da Informação A Inteligência é dinâmica e sistêmica. Demonstra ser uma atividade essencial. Contribui para o aumento da cognição e capacidade de antecipação. Condicionante: Assessoramento pela Inteligência, Antecipação e Visão Sistêmica
  39. 39. Celso Moreira Ferro Júnior 12. Raciocínio Organizacional e o Produto da Informação Técnicas de visualização da complexidade é indispensável. Atualmente, situações exigem esforço multiplicado da investigação em conjunto com a Inteligência. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO AMPS TDMA CDMA GSM NEXTEL SATÉLITES FIXA INTERNET WIRELES VOIP Nuvem integrada Condicionante: Ampliação da Capacidade de solução de crimes complexos com uso da tecnologia 3G E 4G
  40. 40. Celso Moreira Ferro Júnior 12. Processo da Informação SISTEMA DE INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS DADOS VOZ FIBRA ÓTICA Centro de Monitoração DIPO Intranet Intranet criptografia operadoras AUTORIDADE POLICIAL AUDITORIA
  41. 41. Celso Moreira Ferro Júnior 12. Processo da Informação DADOS DE TELEFONIA • Data • Hora • Duração da chamada • ligações originadas • ligações recebidas • Ligações tentadas • N. do ESN • N. do Imei • Cadastro do Assinante • Estação R.Base • Setorização • Intensidade de sinal • Mensagens de texto • Mensagens de voz •VoIP •MSN, SKYPE* ANÁLISE DOS DADOS 1 2 3 Setores: X, Y e Z Intensidade do sinal: 1 (-65) 2 (-90) 3 (-115) ERB 223 DO SIA X Canal de controle do filde test e identificação do azimute Y Z
  42. 42. Celso Moreira Ferro Júnior 12. Processo da Informação
  43. 43. Celso Moreira Ferro Júnior 12. Processo da Informação
  44. 44. Atividade de proteção da organização. Tem como a finalidade de desenvolver ações para detectar, obstruir e neutralizar atividade adversa e atosd de qualquer natureza que constituam ameaça à Instituição policial. 13. Contra-inteligência
  45. 45. - Segurança Orgânica - Segurança Ativa - Contra-propaganda - Desinformação - Contra-sabotagem Definir propriedades de proteção Avaliar a concorrência Avaliação das vulnerabilidades Desenvolver as contramedidas Usar as contramedidas Análise Disseminação 13. Contra-inteligência
  46. 46. Segurança dos RH o no processo seletivo o no desempenho das funções o no desligamento Segurança da Documentação o na produção e difusão de documentos o no manuseio e arquivos o na destruição e inutilização 139 intercep. 10 analistas 225 dilig. 250 Policiais 132 M.Prisão 48 M. Busca 12 Unid. Pol. 190.000 ligações 13. Contra-inteligência – Segurança Orgânica OPERAÇÃO GALILEU MÁFIA DOS CONCURSOS
  47. 47. Segurança das comunicações oda transmissão odo conteúdo ointerceptações Segurança da informática o Rede corporativa o Internet Segurança das instalações ofurtos e extravios ocontrole de acessos oInvasões e danos 13. Contra-inteligência – Segurança Orgânica
  48. 48. 13. 2 Contra-propaganda Ato ou efeito de impedir, frustrar ou dificultar propaganda adversa. Na prática se concretiza através da emissão de mensagens que despertam reações positivas ou negativas. 13.4 Desinformação Técnica de informação falsa, dada no propósito de confundir ou induzir a erro alguém, com um propósito específico. Alguém pensa estar informado sobre o assunto. 13. Contra-inteligência
  49. 49. Contra-sabotagem É o conjunto de medidas ativas destinadas a prevenir, detectar, identificar, avaliar e neutralizar atos de sabotagem contra pessoas, documentos, materiais, equipamentos e instalações. CONTRA-INTELIGÊNCIA
  50. 50. http://gestaopolicial.blogspot.com/ www.codor.com.br codor@codor.com.br celsoferro@codor.com.br

×