Quarto Módulo - 10ª   influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Quarto Módulo - 10ª influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia

on

  • 2,751 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,751
Views on SlideShare
2,727
Embed Views
24

Actions

Likes
1
Downloads
110
Comments
0

1 Embed 24

http://ceiclarencio.com.br 24

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Quarto Módulo - 10ª   influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia Quarto Módulo - 10ª influência moral dos médiuns, influencia do meio sobre os médiuns, mediunidade e psicoterapia Presentation Transcript

  • INFLUÊNCIA MORAL DOS MÉDIUNS, INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS, MEDIUNIDADE E PSICOTERAPIA "É preciso que faça o bem no limite de suas forças, pois cada um responderá por todo o mal que haja resultado de não haver praticado o bem." (O Livro dos Espíritos - Questão 642)
  • INFLUÊNCIA MORAL DOS MEDIUNS
  • Dissertação do Espírito Erasto Sobre a Questão Moral :
    • A faculdade mediúnica constitui campo de trabalho e não é nenhum privilégio. Tanto criaturas dignas quanto indignas possuem essa faculdade. Portanto, o mérito não está em possuí-la e, sim, no uso que dela se fizer .
    • A boa qualidade do médium não está na facilidade das comunicações, mas sim, em sua aptidão para só receber as boas.
    • Há Espíritos de todas as condições, como diz Kardec (LE, questão nº 100). Eles estão ao derredor do homem e muitas vezes o observam para verificar suas intenções.
    • O adágio "Quem se parece se reúne" (Revista Espírita, ano 1859) aplica-se tanto aos Espíritos quanto aos encarnados. É todo um processo de associação de correntes mentais, de afinidade, de sintonia.
    • O pensamento é o elo que une os Espíritos e os homens, e é por ele que as almas se atraem e se afinam nas idéias e inclinações: "Semelhante atrai semelhante".
    • Por isso, as qualidades morais dos médiuns têm influência capital sobre a natureza das comunicações.
    • Os Espíritos inferiores encontrando no médium poucas condições morais, aproveitar-se-ão de todas as falhas. Eles intrometem-se nas comunicações, chegando mesmo a provocá-las. Está na vontade e conduta do médium permitir ou não esta influência.
    • Os Espíritos elevados escolherão para intermediário criaturas que possuem condições morais, para transmitirem suas mensagens, porém, se não encontrarem o instrumento adequado, se servirão, momentaneamente, de um imperfeito. Isso ocorre para que a lição seja proveitosa a todos os que tomem conhecimento dela, encarnados ou desencarnados.
    • A perfeição absoluta na Terra é inexistente, e os bons médiuns são raros, mas aqueles que repelem os Espíritos inferiores estão procurando ser menos enganados, e perseverando para que tenham melhores condições de aproximar-se da perfeição.
    • As boas intenções e a moralidade nem sempre bastarão para impedir que Espíritos levianos possam intrometer-se nas comunicações com os médiuns. Essa possibilidade poderá acontecer se houver falhas no próprio Espírito e fraqueza de caráter e confiança exagerada nas comunicações recebidas.
    • Essas imperfeições são portas abertas para que, com muita sutileza, os Espíritos inferiores utilizem e explorem o orgulho do médium, um dos maiores escolhos da mediunidade. Muitas vezes, esse defeito de personalidade se desenvolve à medida que a faculdade aumenta, tornando-se um perigo muito grande para o médium, que poderá sofrer grandes decepções.
    • O bom medianeiro é aquele que está consciente de que sua faculdade deve somente ser utilizada para o bem e nunca se envaidecer por possuí-la. Esforça-se para aprimorar-se em bondade, benevolência, amor ao próximo, fortalecendo-se assim, em suas relações com o Mundo Espiritual Maior.
    • Todas as comunicações devem ser analisadas com bom senso, e o uso da razão permite verificar a sua veracidade. Espíritos elevados aconselham, não impõem; calam-se naquilo que ignoram, ao contrário dos Espíritos inferiores que muito falam.
    • Diz o Espírito Erasto (LM, 2ª Parte, cap. XX, item 230) que:
    • "os médiuns, como médiuns, exercem influência secundária nas comunicações dos Espíritos. Sua tarefa é a de uma máquina elétrica, de transmissão telegráfica entre dois lugares distantes da Terra".
    • Complementa, ainda:
    • "Assim também como as influências atmosféricas freqüentemente atuam sobre as transmissões telegráficas e as perturbam, igualmente a influência moral do médium age e perturba, algumas vezes, a transmissão de nossos despachos de além-túmulo, porque somos obrigados a fazê-los atravessar um meio que lhes é contrário".
    • Termina Erasto dizendo que:
    • "a influência moral do médium se faz realmente sentir, quando ele substitui pelas que lhe são pessoais, as idéias que os Espíritos se esforçam por lhe sugerir; quando ele e, ainda, tira da da própria imaginação teorias fantásticas, que ele mesmo julga, de boa-fé, resultarem de uma comunicação intuitiva. Nesse caso, há mil possibilidades contra uma de que isso não passe de reflexo do próprio Espírito do médium. Acontece mesmo este fato curioso: a mão do médium se movimenta, às vezes, quase mecanicamente, impulsionada por um Espírito secundário e zombeteiro" .
  • INFLUÊNCIA DO MEIO SOBRE OS MÉDIUNS
    • Os Espíritos estão, incessantemente, ao redor do homem, em ligação mental, interferindo em suas ações, reuniões, seguindo-os, evitando-os, conforme seja sua afinidade fluídica, sua simpatia ou antipatia.
    • O médium é o intérprete, o instrumento dos Espíritos e sua faculdade mediúnica nada mais é do que um meio de comunicação.
    • Conseqüentemente, a ação do médium depende do meio em que se encontra, dos objetivos das reuniões, da elevação moral dos encarnados e desencarnados, da afinidade fluídica entre o médium e o Espírito comunicante, da boa ou má preparação do ambiente etc.
    • A reuniões fúteis comparecem Espíritos levianos e brincalhões; a reuniões sérias, Espíritos elevados.
    • Kardec perguntou se os Espíritos Superiores procuram encaminhar idéias sérias às reuniões fúteis. Como resposta, foi-lhe dito que:
    • "Os Espíritos Superiores não vão às reuniões onde sabem que a presença deles é inútil. Nos meios pouco instruídos mas onde há sinceridade de boa mente vamos, ainda mesmo que aí só instrumentos medíocres encontremos. Não vamos, porém, aos meios instruídos onde domina a ironia. Em tais meios, é necessário se fale aos ouvidos e aos olhos: esse é o papel dos Espíritos batedores e zombeteiros. Convém que aqueles que se orgulham da sua ciência sejam humilhados pelos Espíritos menos instruídos e menos adiantados".
    • O meio exerce enorme influência sobre a natureza das manifestações inteligentes. Meio, aqui, não é espaço, local, condição atmosférica ou ambiente, mas conjunto de qualidades morais e objetivos de Espíritos e encarnados interessados na reunião mediúnica.
    • Kardec afirma: "Assim, onde quer que haja uma reunião de homens, há igualmente em torno deles uma assembléia oculta, que simpatiza com suas qualidades ou com seus defeitos”
    • A ação do médium é de fundamental importância para a formação desse "meio", que deverá influenciá-lo, porquanto "os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam” .
    • Como se viu na lição anterior, "a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais" são qualidades que atraem os Bons Espíritos e o "orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria" são defeitos que os afastam, mas que atraem os Espíritos inferiores.
    • Necessariamente, não basta que uma assembléia seja séria para receber comunicações de ordem elevada, como também não basta que seja fútil para ali só existirem comunicações fúteis.
    • Um Espírito elevado, se for evocado numa reunião fútil, poderá proferir ali palavras de elevação, como a um chamamento às ovelhas desgarradas, e, não sendo ouvido nem compreendido, afasta-se, deixando aos outros o campo livre.
    • Em resumo, diz Kardec:
    • "As condições do meio serão tanto melhores, quanto mais homogeneidade houver para o bem, mais sentimentos puros e elevados, mais desejo sincero de instrução, sem idéias preconcebidas”
    • Para esse meio tornar-se melhor ainda, devem os participantes da assembléia preparar-se para o trabalho mediúnico:
    • mantendo pensamentos elevados, objetivos e sadios, e conversação construtiva;
    • evitando alimentação excessiva, bebidas alcoólicas, fumo;
    • tendo consciência do seu trabalho na ligação com os Espíritos;
    • fazendo reforma íntima, evangelizando-se e mantendo alto padrão vibratório;
    • mantendo fidelidade aos compromissos assumidos.
    • Observadas essas condições, os serviços mediúnicos serão sempre protegidos pelos Bons Espíritos, em nome de Jesus, e a influenciação será sempre boa, pois,
    • "a prece, a meditação elevada, o pensamento edificante, refundem a atmosfera, purificando-a" (André Luiz, Missionários da Luz).
  • MEDIUNIDADE E PSICOTERAPIA
    • Psicoterapia: Tratamento de doenças por métodos psicologicos como a persuasão, sugestão, hipnose e Psicanálise e os processos que dela derivam.
    • A finalidade da psicoterapia é restabelecer o equilíbrio emocional pertubado.
    • Diz Emmanuel :
    • "Os médiuns, como elementos de ligação entre a vida espiritual e o plano físico, serão sempre solicitados a dar uma palavra orientadora nas questões multiformes que afetam as pessoas que os procuram. Daí, a indicação de exercitarem alguns princípios de psicoterapia e relações humanas.
    • A intensa vida moderna, na Terra, generalizou a carência de roteiros, planos, programas e observações para as criaturas deprimidas, tímidas, céticas, recalcadas, frustradas em geral.
    • Na verdade, inicia-se o esforço na tarefa mediúnica pelo passe, pela psicofonia, pela psicografia ou pelas formas variadas de assistência aos sofredores da alma e do corpo; estudam-se algumas atitudes que favoreçam a manifestação das Entidades Amigas, no auxílio a terceiros, pelo conselho simples e natural.
    • Paciência e perseverança no bem devem estar conjugadas constantemente na expressão e na boa vontade.
    • Não demonstre estranheza ou perplexidade ante as revelações ouvidas, para que não esmoreça a confiança do coração que se abre a você.
    • Predisponha-se, com todos os recursos de seu campo mental, à simpatia pelos irmãos que lhe pedem a opinião, sem mostrar-se superior.
    • Cultive invariável atenção perante as confidências alheias, testemunhando o maior interesse afetivo pela solução aos problemas do interlocutor, seja ele quem for.
    • Envide esforços para que a criatura exponha em pormenores e calmamente o caso que lhe motiva a preocupação, a fim de que possa ajudá-la, através da mais ampla visão dos fatos.
    • Evite julgar ou censurar, precipitadamente, quem confia em você, mesmo com reprovações inarticuladas.
    • Restrinja as indagações aos assuntos e momentos absolutamente necessários.
    • Pesquise os postulados básicos do Espiritismo, argumentando as ocorrências em exame sob o crivo do discernimento espírita e exaltando a responsabilidade pessoal ante a existência eterna.
    • Sempre que possa, indique um núcleo de serviço espiritual compatível com as afinidades e necessidades da pessoa que comparece em busca de concurso fraterno.
    • Resguarde em segredo aquilo que não deva ser revelado mantendo discrição e respeito para com todos os nossos irmãos em experiência.
    • Jamais force resoluções taxativas, nesse ou naquele sentido, mas exponha os vários caminhos possíveis, com as suas conseqüências prováveis, e deixe que o livre-arbítrio dos companheiros escolha o que mais lhes convenha.
    • Sustente equilíbrio, entendimento e bondade em suas manifestações, para que a autoridade moral e espiritual lhe favoreça o trabalho.
    • Leia, constantemente, para melhorar seus processos de análise das almas e suas técnicas de expor as soluções mais justas, conforme o seu modo de entender.
    • Sobretudo, saiba que são inimagináveis as possibilidades de socorro de um encarnado confiante no Alto e consciente de seus recursos íntimos, quando ligado aos Bons Espíritos que nos estendem a inspiração e o amparo da Vida Superior".
  • BIBLIOGRAFIA
    • Livro dos Espiritos.
    • Livro dos Médiuns.
    • Emmanuel - Seara dos médiuns
    • Emmanuel - Roteiro.
    • Herculano Pires - Mediunidade.
    • Martins Peralva - Estudando a mediunidade.
    • André Luiz - Missionários da luz.
    • Edgard Annond - Mediunidade.
    • Emmanuel - Estude e viva.