Your SlideShare is downloading. ×

Sermão de Santo António aos Peixes

18,877

Published on

Resumo por parágrafos.

Resumo por parágrafos.

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
18,877
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
391
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sermão de Santo António aos Peixes – Padre António Vieira(13 de Junho de 1654)Capítulo IExórdio1º ParágrafoPropriedades do Salo Conservar (o bem);o Evitar a corrupção.Propriedades dos Pregadoreso Pregar o bem;o Impedir o mal.A terra está corrompida porque:o O sal não salga (os pregadores não estão a passar a mensagem);o A terra não se deixa salgar (os ouvintes não estão a captar a mensagem).2º ParágrafoSolução de Cristo para o sal que não salgao Lançá-lo fora e pisá-lo (mudar de pregador).3º ParágrafoSolução de Santo António para a terra que não se deixa salgaro Mudar de púlpito (lugar);o Mudar de Auditório (ouvintes).4º / 5º ParágrafoÀ semelhança de Santo António, Padre António Vieira dirige-se aos peixes, uma vez que os homens doMaranhão não queriam ouvir a doutrina (mensagem).De forma irónica, incita todos aqueles que não querem ouvir a verdade a abandonar o sermão.
  • 2. Capítulo IIExposição e Confirmação1º ParágrafoQualidades dos Peixeso Ouvemo Não falamNo entanto é triste para um pregador dirigir-se a quem nunca se há de converter.Defeito dos Peixeso Não se convertem2º ParágrafoA finalidade do Sermãoo Louvar as virtudes dos peixes e repreender os seus vícios, cumprindo, assim, asobrigações do sal: louvar o bem e repreender o mal.3º ParágrafoVirtudes naturais dos peixeso Obediênciao Ordemo Quietaçãoo AtençãoVolta a citar um episódio da vida de Santo António com o objetivo de, ironicamente reforçar a ideia deque irá falar para os peixes.4º ParágrafoCita Aristóteles que refere que os peixes são os únicos animais que não se domesticam ou se domam.Os peixes não só vivem num espaço que lhes pertence (mar) como se afastam/fogem dos homens.
  • 3. 5º ParágrafoNo grande diluvio apenas escaparam dois animais de cada espécie, à exceção dos peixes que não sóescaparam todos como também viram o seu número a aumentar.Também Santo António se afastou dos homens para se não deixar corromper pelos vícios e se mantervirtuoso.Capítulo III – Virtudes1º ParágrafoPeixe TobiasO seu fel cura a cegueira e o seu coração afasta os demónios.Simboliza o poder curativo.2º / 3º ParágrafoSanto António é comparado ao peixe de Tobias, pois também tinha o poder de curar a cegueira doshomens e afastar os maus espíritos através das suas palavras.4º / 5º ParágrafoRémoraPeixe pequeno, mas que tem muita força (se agarrando aos lemes das naus, impedem-se de semover).Simboliza a força e determinação.Santo António é comparado à Rémora devido à força e determinação da sua língua (palavra).
  • 4. 6º / 7º ParágrafoTorpedoPeixe pequeno que ao morder o anzol lança uma descarga elétrica que faz com que o pescadorlargue a cana, permitindo, a fuga do peixe.Simboliza a conversão.Também Santo António, através da sua pregação, fez tremer 22 pescadores que seconverteram.8º / 9º / 10º ParágrafoQuatro-OlhosEste peixe tem um par de olhos virados para cima e o outro virado para baixo.Simboliza a vigilância, atenção aos perigos que podem vir de qualquer lado.Lembrou Padre António Vieira da existência do céu e do inferno.Capítulo IV – Repreensões em Geral1º ParágrafoOs Peixes comem-se uns aos outros (exploram-se) uns aos outros e os maiores comem os maispequenos (antropofagia).Cita Santo Agostinho para comprovar a tese de que os homens se comem (exploram-se) uns aos outros.2º ParágrafoPadre António Vieira pede aos peixes que olhem para a terra para confirmarem que os homens secomem uns aos outros. Erradamente os peixes olham para o mato, pois pensavam que o pregador seestava a referir aos Índios quando, na verdade, se estava a referir aos brancos que vivem na cidade.
  • 5. 3º ParágrafoCritica a exploração dos negócios que envolve os mortos. Refere também o facto de a exploraçãoacontecer ainda em vida.4º ParágrafoOs peixes (como os homens) justificam o seu comportamento como sendo necessário para a suasobrevivência. O pregador considera que existem outras formas de sustento e que estecomportamento é apenas reflexo da sua crueldade.Capítulo V – Repreensões em Particular1º / 2º ParágrafoRoncadoresPeixes pequenos, mas que se julgam muito importantes.Simboliza a arrogância.Deveriam imitar Santo António na sua modéstia/simplicidade.3º / 4º ParágrafoPegadoresPeixes que vivem colados nos outros, fazendo disso, modo de vida.Simboliza o parasitismo e oportunismo.Devemos ter em atenção que é preciso ter astúcia para despegar a tempo de quemdependemos, pois só assim nos podemos salvar.5º ParágrafoVoadoresPeixes que possuem grandes barbatanas que usam como asas e que lhes trazem os peixes domar e do ar.Simbolizam a ambição e a presunção.
  • 6. 6º ParágrafoPolvoA sua aparência leva-o a ser o maior traidor do mar porque muda de cor e engana os inocentese os distraídos. É comparado a outro grande traidor, judas. Enquanto que judas planeou àsescuras, mas executou a sua traição às claras, o polvo planeia e executa as escuras.Simboliza a traição e a hipocrisia.7º ParágrafoDirige-se diretamente aos homens do maranhão, comparando-os aos peixes. Cita Santo António comoexemplo a seguir.8º ParágrafoUltima advertência aos peixes: uma vez que ocorrem muitos naufrágios naquela zona, os peixes não sedevem apoderar dos bens dos náufragos, pois senão excomungados e irão para o inferno.Capítulo VIPeroração1º ParágrafoOs peixes são os únicos animais que não podem ser sacrificados a deus e, por isso, deverão mostrarrespeito e obediência a Deus.2º ParágrafoO Padre António Vieira compara-se aos peixes e conclui que, ao contrário destes, não cumpre o seuobjetivo: servir a Deus.3º ParágrafoTermina o sermão com o hino Benedicite, em tom festivo uma vez que se comemorava o dia denascimento de Santo António.

×