Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das intervenções farmacêuticas em saúde

1,312 views

Published on

Apresentação realizada no Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar 2013. São Paulo-SP - 15 de novembro de 2013.

Published in: Health & Medicine
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
1,312
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
206
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das intervenções farmacêuticas em saúde

  1. 1. Um novo sistema para descrição e identificação dos componentes da intervenção farmacêutica em saúde PROJETO “DEPICT” Cassyano J Correr, PharmB, MSc, PhD Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná 15 nov 2013
  2. 2. Há provas científicas de que os serviços clínicos farmacêuticos produzem benefícios para os pacientes?
  3. 3. Revisões Sistemáticas de ECRs Ensaios Clínicos Randomizados
  4. 4. Oi! Eu sou a Ana
  5. 5. “Research world” “Real world”
  6. 6. Problemas:  Os autores não explicam bem a intervenção nos estudos Padronização Serviços  As intervenções muitas vezes são complexas (complex health interventions) Reprodutibilidade
  7. 7. Soluções... CHARLIE, B. S. I.; FELETTO, E.; MA, G. A holistic and integrated approach to implementing cognitive pharmaceutical services. Ars Pharmaceutica, v. 51, n. 2, p. 69–87, 2010.
  8. 8. Problemas:
  9. 9. Uma outra abordagem
  10. 10. Serviço Clínico Farmacêutico 1 3 2 4 5 Estado de Saúde Estado de Saúde A B
  11. 11. Serviço Clínico Farmacêutico 1 5 Estado de Saúde Estado de Saúde A B
  12. 12. Serviço Clínico Farmacêutico 1 5 Estado de Saúde Estado de Saúde A C
  13. 13. Serviço Clínico Farmacêutico 1 5 6 Estado de Saúde Estado de Saúde A D
  14. 14. D.E.P.I.C.T.: Descriptive Elements of Pharmacist Interventions Characterization Tool 2013;47:946-52
  15. 15. 17
  16. 16. Instrumento para “compreensão” 18
  17. 17. COMPONENTES PARA CONSTRUIR UM SERVIÇO FARMACÊUTICO CLÍNICO: 2. LUGAR 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 1. 5. VARIÁVEIS AVALIADAS BENEFICIÁRIO & CONTATO 10. COMUNICAÇÃO 6. AÇÕES 9. REPETIÇÃO 8. MATERIAIS 7. MOMENTO www.DepictProject.org
  18. 18. BENEFICIÁRIO DIRETO: PACIENTE / CUIDADOR (c) 2012 PROFISSIONAL DA SAÚDE
  19. 19. CONTATO COM O BENEFICIÁRIO: 1. CONTATO 2. LOCAL 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 21 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO 8. MATERIAIS UM-A-UM EM GRUPO 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  20. 20. LUGAR: Onde o beneficiário recebe o serviço 1. CONTATO 2. LUGAR 3. FOCO 22 FARMÁCIA COMUNITÁRIA 4. FONTES DE DADOS PRONTO ATENDIMENTO 5. VARIÁVEIS AVALIADAS PACIENTE E/OU HOSPITAL PROFISSIONAL DA SAÚDE 6. AÇÕES 7. MOMENTO 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO DOMICÍLIO ATENÇÃO PRIMÁRIA OU AMBULATÓRIO (c) 2012 INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA 10. COMUNICAÇÃO
  21. 21. FOCO DA INTERVENÇÃO: Características dos pacientes que se beneficiam direta ou indiretamente da intervenção 1. CONTATO 2. LOCAL CONDIÇÃO DE SAÚDE ESPECÍFICA MEDICAMENTOS, CL ASSE, FORMA ESPECÍFICA 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO SÓCIODEMOGRAFIA ESPECÍFICA SEM 8. MATERIAIS RESTRIÇÕES 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  22. 22. FONTES DE DADOS CLÍNICOS: Onde o farmacêutico obtém a informação para avaliação 1. CONTATO  Prescrições de medicamentos 2. LOCAL  Registros da farmácia / Sistema informátizado da farmácia  Testes rápidos feitos por profissional  Lista de medicamentos ou sacola com medicamentos  Dados de auto-monitoramento do paciente  Instrumento ou técnica de medida da adesão terapêutica  Procedimentos ou testes de avaliação física ou funcional  Teste de avaliação mental ou cognitiva  Exames laboratoriais / Monitoramento plasmático de medicamentos 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO  Entrevista com paciente (não inclui procedimentos ou testes feitos)  Prontuário médico  Carta de alta ou de transferência  Contato direto com profissional da saúde  Bases de dados clínicos agregados / Sistema de alertas (c) 2012 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO
  23. 23. Parâmetros avaliados pelo farmacêutico para construir a intervenção: 1. CONTATO 2. LOCAL Efetividade do Tx 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS Seleção de Meds Aspectos legais ou adm. Segurança dos Meds Erros dispensa/adm inistr. Resultados rastreamento Necessidade educação Pax 5. VARIÁVEIS AVALIADAS Meds vencidos / armazenam. Adesão terapêutica Acesso meds Custos do Tx Nutrição ou estilo de vida Necessidade informação profissional Necessidade exames lab Acurácia história med 6. AÇÕES 7. MOMENTO 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  24. 24. AÇÕES TOMADAS O que é feito para resolver os problemas identificados Programa educacional estruturado Informação / Aconselhamento Lembretes / Notificação sobre não adesão 1. CONTATO 2. LOCAL 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 5. VARIÁVEIS AVALIADAS Encaminhamento outros profissionais / serviços 6. AÇÕES Mudanças na FTx / Exames laboratoriais Atualização lista de medicamentos Relatório de resultados do monitoramento 7. MOMENTO 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  25. 25. Mudanças na farmacoterapia / Lab tests  Autonomia para mudanças nos medicamentos    Início de um novo medicamento Suspensão de um medicamento em uso Modificação no regime terapêutico  Posologia, forma farmacêutica 1. CONTATO 2. LOCAL 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES  Autonomia para colicitação de exames lab.    7. MOMENTO Testes de função hepática Testes de função renal Etc. 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  26. 26. MOMENTO DAS AÇÕES Quando a ação acontece para cada beneficiário 1. CONTATO 2. LOCAL 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS HOSPITAL Admissão Internado DOMICÍLIO Alta Primeiras semanas após alta 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO 8. MATERIAIS INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA FARMÁCIA COMUNITÁRIA 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  27. 27. MOMENTO DAS AÇÕES Quando a ação acontece para cada beneficiário 1. CONTATO 2. LOCAL 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS Durante a dispensação de medicamentos 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO FARMÁCIA HOSPITALAR Prescrições novas ou com modificações FARMÁCIA COMUNITÁRIA 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO (c) 2012
  28. 28. MATERIAIS DE SUPORTE Itens desenvolvidos ou providos como parte do serviço 1. CONTATO 2. LOCAL  Carta de alta ou carta de encaminhamento 3. FOCO  Materiais educativos / Panfletos / Plano de cuidado escrito  Dispositivos de auxílio à adesão / Dispositivos de auxílio à administração de meds  Lista de medicamentos / Calendário de medicamentos / Relatório de medicação 4. FONTES DE DADOS 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES  Diário do paciente / Diário de saúde 7. MOMENTO  Diretrizes /Protocolos clínicos / Sumário de evidências 8. MATERIAIS  Dispositivo de auto-monitoramento  Etiquetas de orientação / Instruções pictóricas / Lembretes impressos (c) 2012 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO
  29. 29. REPETIÇÃO 1. CONTATO  Recorrência das ações   2. LOCAL Contato único Múltiplos contatos 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS Frequência dos contatos  Quantos contatos com beneficiário durante a provisão do serviço 6. AÇÕES   5. VARIÁVEIS AVALIADAS Duração do serviço para cada beneficiário (em dias) 7. MOMENTO 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO © 2012
  30. 30. COMUNICAÇÃO 1. CONTATO  Método      Pessoalmente Por escrito 3. FOCO Telefone 4. FONTES DE DADOS Video-conferência Distribuição dos contatos      2. LOCAL 100% pessoalmente Pessoalmente > Remoto 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 6. AÇÕES 7. MOMENTO Pessoalmente = Remoto Pessoalmente < Remoto 100% remoto 8. MATERIAIS 9. REPETIÇÃO 10. COMUNICAÇÃO © 2012
  31. 31. 2. LUGAR 3. FOCO 4. FONTES DE DADOS 1. CONTATO 5. VARIÁVEIS AVALIADAS 10. COMUNICAÇÃO 6. AÇÕES 9. REPETIÇÃO 8. MATERIAIS 7. MOMENTO www.DepictProject.org
  32. 32. EXEMPLOS
  33. 33. Evaluation of a pharmaceutical care model on diabetes management Annals of Pharmacotherapy. 1996;30(3):238-43 A atenção farmacêutica provida ao grupo intervenção consistiu em educação sobre a diabetes e suas complicações, aconselhamento sobre os medicamentos, instrução sobre regulação da dieta, exercícios e monitoramento da glicemia no domicílio, avaliação e ajuste da sua farmacoterapia antidiabética. USA
  34. 34. 0. Quem o farmacêutico contata como parte do serviço? Paciente 1. Como o contato é estabelecido? De forma individual 2. Onde o recipiente recebe o serviço? Ambulatório 3. Qual é o foco da intervenção? Pacientes diabéticos, afroamericanos urbanos, não dependentes de insulina 4. Quais são as fontes de informações clínicas? Prescrições médicas, dados de auto-monitoramento do paciente, diário do paciente para avaliação da sua adesão, avaliação física, testes laboratoriais e entrevista com o paciente
  35. 35. 5. Variáveis analisadas para detectar problemas: seleção, efetividade e segurança dos medicamentos, adesão aos medicamentos, estilo de vida do paciente (dieta e exercícios) 6. Ações realizadas pelo farmacêutico para resolver os problemas: Aconselhamento ao paciente, alterações na farmacoterapia 7. Em qual momento a ação é realizada? Durante consultas marcados 8. Materiais entregues de modo a dar suporte à intervenção: instruções escritas referentes ao aconselhamento verbal, dispositivo para auto-monitoramento da glicemia e diário para o registro da glicemia e ocorrência de sintomas hipoglicêmicos
  36. 36. 9. Qual foi a frequência de ocorrência das ações? Contatos múltiplos -Qual o número de contatos estabelecidos? 9 -Qual o tempo de seguimento? 120 dias (4 meses) 10. Qual foi o método de comunicação? Apenas pessoal, face-to-face 11. O farmacêutico possuía autonomia? Sim. Poderia iniciar, suspender e alterar a dose de medicamentos -Qual o modelo de prescrição? Dependente
  37. 37. Desfechos primários: Redução glicemia de jejum: p < 0,05 Redução hemoglobina glicada: p < 0,05 Desfechos secundários: Redução da pressão arterial: p > 0,05 Melhora dos parâmetros de função renal: p > 0,05 Melhora dos parâmetros lipídicos (CT, Tg, LDL, HDL): p > 0,05 Mudança do peso corporal: p > 0,05 Melhoria da qualidade de vida: p > 0,05
  38. 38. Impact of pharmacist-conducted home visits on the outcomes of lipid-lowering drug therapy Journal of Clinical Pharmacy and Therapeutics. 2004;29(1):23-30 Pacientes pertencentes ao grupo intervenção foram visitados em casa mensalmente pelo farmacêutico, sendo educados sobre os objetivos da terapia antilipêmica e a importância de alterar o estilo de vida e aderir ao tratamento para atingir os objetivos terapêuticos. Foram avaliados PRMs e mensurado o colesterol total. Após cada visita foi encaminhado ao médico responsável pelo paciente os resultados de colesterol e recomendações clínicas pertinentes. AUSTRÁLIA
  39. 39. 0. Quem o farmacêutico contata como parte do serviço? Pacientes e médicos 1. Como o contato é estabelecido? De forma individual (ambos) 2. Onde o recipiente recebe o serviço? O paciente no seu domicílio e o médico no seu consultório 3. Qual é o foco da intervenção? Pacientes com dislipidemia em uso de terapias hipolipemiantes 4. Quais são as fontes de informações clínicas? Point-of-care tests (testes rápidos), entrevista com o paciente e registros médicos
  40. 40. 5. Variáveis analisadas para construir a intervenção: seleção, efetividade e segurança dos medicamentos, adesão aos medicamentos, estilo de vida do paciente (dieta e exercícios) 6. Ações realizadas pelo farmacêutico: Aconselhamento sobre a farmacoterapia ao paciente. Ao médico sugestões para alterações na farmacoterapia do paciente e envio de resultados de monitoramento (resultados de colesterol) 7. Em qual momento a ação é realizada? As visitas com os pacientes de deram nas primeiras semanas após a alta hospitalar. O contato com o médico se deu a qualquer momento 8. Materiais entregues de modo a dar suporte à intervenção: sem provisão de materiais ao paciente. Carta de encaminhamento ao médico.
  41. 41. 9. Qual foi a frequência de ocorrência das ações? Contatos múltiplos (ambos) -Qual o número de contatos estabelecidos? 6 contatos (ambos) -Qual o tempo de seguimento? 180 dias (6 meses) para ambos 10. Qual foi o método de comunicação? Com o paciente: apenas pessoal, face-to-face; com o médico: contato apenas remoto, por meio de carta 11. O farmacêutico possuía autonomia para alterar a farmacoterapia ou ordenar a realização de testes laboratoriais? Não
  42. 42. Desfechos: Redução do colesterol total: p > 0,05 Nível de Colesterol Total abaixo de 4,0 mmol/L: p> 0,05
  43. 43. Resultados preliminares
  44. 44. DEPICT PROJECT: Resultados preliminares 269 ECRs extraídos das 49 revisões sistemáticas 389 ECRs recuperados a partir da revisão sistemática 168 ECRs excluídos por ser duplicata 490 ECRs elegíveis para aplicação da ferramenta Organograma do processo de seleção dos estudos – Overview de revisões sistemáticas + revisão sistemática de ECRs
  45. 45. Perspectivas: Concluir o mapeamento das intervenções em saúde testadas em 490 ECRs já publicados desde os anos 70  Categorizar os serviços clínicos farmacêuticos utilizando o DEPICT (Taxonomia)  Investigar a relação entre componentes da intervenção e obtenção de desfechos positivos para os pacientes  Construir uma abordagem para design de serviços farmacêuticos baseada em evidências
  46. 46. Obrigado! Cassyano J Correr Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná cassyano@ufpr.br

×