Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012

  • 768 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
768
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Serviços Farmacêuticos nasFarmácias do BrasilCassyano J Correr, BPharm, MSc, PhDDepartamento de FarmáciaUniversidade Federal do Paraná, Brasil1º Simpósio Luso-Brasileiro de FarmáciaLisboa, 01 de novembro de 2012
  • 2. Serviços Ambulatoriais de Farmácia no Brasil SETOR PÚBLICO Rede Farmácia SETOR PRIVADO PopularUnidadesde Saúde Farmácias Privadas (APS) Programa ~80.000 “Aqui tem Farmácia Popular” FarmáciasComunitárias Públicas Farmácias Especiais Ambulatoriais
  • 3. Farmácias PúblicasFarmácia Popular Farmácia Comunitária PúblicaFarmácia Especial Serviço de Farmácia - USF
  • 4. Farmácias PúblicasFarmácia Popular Farmácia Comunitária PúblicaFarmácia Especial Serviço de Farmácia - USF
  • 5. Farmácias PrivadasLivre propriedade, farmácias de rede e independentes
  • 6. Crescimento Crescimento 13,9% - 2 anos 26,5% - 5 anosNúmero de Farmácias no BrasilCrescimento mais lento nos últimos anos
  • 7. Distribuição das Farmácias Privadasde Castro MS, Correr CJ. Ann Pharmacother. 2007 Sep;41(9):1486-93.
  • 8. Regulamentação dos Serviços nas Farmácias
  • 9. Normas recentesANVISA CFF RDC nº. 44, de 2009,  Resoluções nº 499 dispõe sobre as de 2008 e nº 505 de boas práticas 2009 que dispõem farmacêuticas em sobre a prestação farmácias e de serviços drogarias farmacêuticos, em farmácias e drogarias, e dá outras providências.
  • 10. BPF: ANVISA RDC 44/2009 Dispõe sobre as boas práticas de dispensação e a prestação de serviços farmacêuticos nas farmácias e drogarias
  • 11. ANVISA: A atenção farmacêutica deve ter como objetivos aprevenção, detecção e resolução de problemas relacionados amedicamentos, promover o uso racional dos medicamentos, a fim demelhorar a saúde e qualidade de vida dos usuários.
  • 12. Declaração de Serviço FarmacêuticoCorrer CJ, Otuki MF. A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed,
  • 13. A práticaCorrer CJ, Otuki MF. A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed,
  • 14. Estudo descritivo com 91 farmacêuticos do município de Jundiaí-SP Saude soc. vol.18 no.1 São Paulo jan./mar. 2009
  • 15. Evidências sobre os serviçosfarmacêuticos no BrasilEstudos clínicos controlados
  • 16. Estudo controlado em farmácias comunitárias,com duração de 12 mesesControle glicêmico em diabéticos Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(7):825-33.
  • 17. 2010: R$ 76,00 (U$ 37,62) para cada 1% de reduçãona HbA1. Custo do serviço ao diabético Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(7):825-33.
  • 18. Redução do risco nos pacientes do grupointervenção em 36 meses Redução do Risco Coronariano J Pharm Pharm Sci. 2011;14(2):249-63.
  • 19. Usuários mais satisfeitos em farmácia privada com serviço de atenção farmacêutica p<0,01Satisfação dos pacientesBraz. J. Pharm. Sci. vol.45 no.2 São Paulo Apr./June 2009
  • 20. As percepções dos farmacêuticos sobre seu trabalho nas farmácias privadas - RJ A prática profissional nas farmácias comunitárias “A dispensação de medicamentos é com os balconistas, os [medicamentos] controlados, sou eu. É assim: chega a receita, tem o genérico e o similar que é mais barato. Geralmente, o cliente leva o mais barato. Eles entregam o medicamento. Na maioria das vezes, eu faço serviço burocrático, lançando nota fiscal. É raro eu participar da dispensação. Só quando é controlado mesmo. Antigamente, era a subgerente que lançava as notas fiscais da loja; depois que ela saiu, eu fiquei lançando. Se eu não tiro dúvidas, o balconista tira. No início, quando eu via erros (dos balconistas), eu falava muito, depois eu fui parando. Eu estou em farmácia só há dois anos, já os balconistas tem mais tempo” (farmacêutico de farmácia de rede estadual) Ciênc. saúde coletiva vol.15  supl.3 Rio de Janeiro nov. 2010
  • 21. As percepções dos farmacêuticos sobre seutrabalho nas farmácias privadas - RJ  Satisfação dos farmacêuticos com o trabalho na farmácia  “Eu acho que tinha que ter um espaço para o farmacêutico, para poder estar chamando e atendendo o paciente. Mas um espaço mesmo, que ninguém pudesse te interromper e o paciente pudesse contar realmente o que está se passando. Porque, num cantinho do balcão que a gente possa usar para falar com o cliente, às vezes ele se sente envergonhado de contar, às vezes é um homem querendo falar de um problema de disfunção erétil ou alguma coisa parecida. Mesmo aqui dentro... É a minha sala com o armário de controlados, não posso trazer para cá. As redes, a meu ver, teriam que investir mais no farmacêutico, nas suas condições de trabalho.”  (farmacêutico de farmácia de rede estadual)
  • 22. A necessidade de um novomarco para os serviçosfarmacêuticos em farmácias noBrasil
  • 23. Serviços clínicos prestados pelo farmacêutico: • Rastreamento • Educação em Saúde • Dispensação • Revisão da Farmacoterapia • Seguimento Farmacoterapêutico • Prescrição FarmacêuticaExpansão da carteira de serviçosfarmacêuticosUniformização de termos
  • 24. Conclusões Houve avanços importantes nos serviços farmacêuticos na última década Os serviços atuais são demasiado focados em procedimentos, não propriamente serviços A dispensação continua sendo a atividade principal Demais serviços são incipientes e geralmente sem um modelo de negócio estruturado Ainda falta aos farmacêuticos formação clínica adequada
  • 25. Pontos para o futuro: 1. Realização de um amplo diagnóstico dos serviços farmacêuticos no Brasil 2. Desenvolvimento de novos modelos de negócio na farmácia baseados em serviços farmacêuticos 3. Fixação dos serviços farmacêuticos para além do balcão 4. Amadurecimento do modelo de competências, formação e certificação do farmacêutico clínico no Brasil
  • 26. Obrigado!cassyano@ufpr.br