Fases apr mot
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Fases apr mot

on

  • 3,262 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,262
Views on SlideShare
1,778
Embed Views
1,484

Actions

Likes
0
Downloads
45
Comments
0

4 Embeds 1,484

http://each.uspnet.usp.br 1474
http://www.google.com.br 8
https://www.google.com.br 1
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Fases apr mot Fases apr mot Presentation Transcript

  • Módulo III Estágios/Fases deaprendizagem motoraAprendizagem Motora – CAF, EACH, USP
  • Modelos 3 estágios de Fitts e Posner 2 estágios de Gentile 3 estágios de Bernstein
  • Estágios/Fases de Apr. Mot. Descrições do processo de aprendizagem motora Fases relativamente distintas e sequenciais Sobreposição eventual
  • Três Estágios – Fitts e Posner (1967)  ÊNFASE NO ESTADO INTERNO 1) Estágio Verbal-Cognitivo 2) Estágio Associativo ou Motor 3) Estágio Autônomo
  • FASES APR. MOT. (FITTS & POSNER, 1967) •SINTONIA FINA •ERROS: RAROS, DETECTA E CORRIGE 3º/AVANÇADO/ •CONTROLE COGNITIVO MÍNIMO AUTÔNOMO •CAPACIDADE DE EXECUTAR OUTRA TAREFA SIMULTANEAMENTE •RETOQUE E REFINAMENTO •FIXAÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO 2º/INTERMEDIÁRIO/ •ERROS: ALGUNS, DETECTA MAS ASSOCIATIVO CORRIGE COM DIFICULDADE •ALGUM CONTROLE COGNITIVO •COMPREENSÃO DO OBJETIVO •IDÉIA GERAL, EXPLORAÇÃO E 1º/INICIAL/ DESCOBERTA • ERROS: MUITOS, GROSSEIROS, COGNITIVO-VERBAL INCAPACIDADE PARA DETECTAR E CORRIGIR •CONTROLE COGNITIVO EXTREMO
  • Estágio Verbal-Cognitivo Exemplo: aprender a surfar  Como e onde ficar em pé?  Como equilibrar-se na prancha?  O aprendiz:  Fala com ele mesmo (verbal);  Pensa (cognitivo) sobre as melhores estratégias.
  • Estágio Verbal-Cognitivo Questões:  Até que ponto devo movimentar o braço?  Onde este braço deve estar quando minha perna direita estiver aqui?  O que fiz de errado?  Eu entendi corretamente as instruções?
  • Estágio Verbal-Cognitivo Envolvimento cognitivo para:  Receber as instruções  Receber o feedback  Extrair informações da demonstração Desempenho  Grande número de erros  Inconsistência  Ganhos rápidos
  • Estágio Associativo Refinamento da habilidade.  Começa a detectar os próprios erros Diminuição do número de erros Melhora a consistência. Movimentos mais suaves. Começa a adaptar/modificar o padrão de movimento Mais longo que o estágio cognitivo-verbal
  • Estágio Autônomo Depois de muita prática. Habilidade praticamente automática. Aprendiz não pensa mais na execução do movimento.
  • Estágio Autônomo Realiza tarefas simultâneas. Dirige atenção para outros aspectos relevantes da tarefa. Movimento altamente consistente. Poucos erros.
  • Estágio Autônomo Capacidade de detectar e corrigir os próprios erros. Nem todas as pessoas atingem este estágio.  Qualidade e quantidade da prática são fundamentais.
  • Alterações na atenção consciente Nível de atenção Cognitivo Associativo Autônomo Estágios de aprendizagem
  • Alterações na Taxa de Aperfeiçoamento Lei de Potência da prática  Melhoras no desempenho são acentuadas no início da prática.  À medida que prática continua, a quantidade de aperfeiçoamento diminui. Proposta por Snoddy (1926)
  • Lei de Potência da Prática 12 10 y = 497,23x -0,7519 R2 = 0,9779 8 Blocos de Tentativas 6 4 0 0 2 100 Erro Absoluto (m 200 300 400
  • Capacidade de detectar e corrigir erros (Schmidt & White 1972) Tarefa: mover uma alavanca 23 cm em 150 ms Medida: correlação entre o erro real e o erro subjetivo Com e sem CR
  • Contínuo Temporal Transição gradual. Difícil determinar em que estágio um indivíduo se encontra. Estágio cognitivo Estágio associativo Estágio autônomo Tempo de prática
  • Dois Estágios – Gentile (1972) ÊNFASE NA RELAÇÃO DO APRENDIZ COM O AMBIENTE 1) Obtenção da idéia do movimento” 2) Fixação ou diversificação
  • Primeiro estágio Meta do aprendiz → captar a “idéia do movimento”  O que é preciso fazer para atingir a meta da habilidade  Padrão de movimento adequado Exemplo: aprender a surfar  Aprender a coordenar adequadamente braços, pernas e tronco para ficar em pé na prancha
  • Primeiro estágio Aprender a discriminar entre os aspectos ambientais:  Condições reguladoras  Condições não-reguladoras
  • Fixação/Diversificação Foco: consistência  Fixação → habilidades fechadas Foco: adaptação  Diversificação → habilidades abertas Fixação Diversificação
  • Implicações do modelo de Gentile Primeiro Estágio  Desenvolver o padrão básico de coordenação  Discriminar entre situações reguladoras e não- reguladoras
  • Implicações do modelo de Gentile Segundo Estágio  Habilidades Fechadas  Manter o ambiente constante:  realizar lances-livres como numa situação real de jogo  lançar o dardo a uma distância constante  realizar sempre a mesma seqüência na ginástica
  • Implicações do modelo de Gentile Segundo Estágio  Habilidades Abertas  Variar sistematicamente as condições reguladoras:  variar a posição do marcador para arremessar a bola  variar o local/velocidade do saque  variar a distância que o arremesso é executado  variar a disposição da defesa  variar a superfície para andar/correr  andar em ambientes com pessoas andando em sua direção
  • Três Estágios – Bernstein (1967) ÊNFASE NAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DOS MEMBROS 1) Congelar os graus de liberdade 2) Liberar e reorganizar os graus de liberdade 3) Explorar as propriedades mecânicas e inerciais dos membros
  • Congelar os graus de liberdade Aprendiz congela o máximo de graus de liberdade possíveis  Permite que somente algumas partes do corpo movam Southard & Higgins (1987)  Aprendizagem do forehand no tênis  Início: articulações do cotovelo e do pulso travadas  Com a prática: essas articulações começam a trabalhar juntas.  Aumento da velocidade da raquete no momento do impacto da bola
  • Liberar e reorganizar os graus de liberdade Liberação de graus de liberdade.  Aumento da amplitude de movimento Aumento da organização funcional entre as articulações (sinergia) Segmentos começam a funcionar como uma unidade coordenada
  • Simulador de Esqui (Vereijken et al., 1992) Amplitude de movimento articular (graus) Joelho Quadril Tornozelo Dias de prática (última tentativa do dia)
  • Aprendizagem do chute (Anderson e Sidaway 1994) Início da prática:  Restrição dos movimentos das articulações do quadril e joelho Avanço da prática:  Articulações do joelho e quadril adquirem maior liberdade de movimento  Aumento da velocidade do chute
  • Alterações durante a aprendizagem
  • Alteração nos músculos usados Início da prática:  Uso inadequado dos músculos  Mais músculos envolvidos do que o necessário  Timing da ativação dos músculos é incorreto Avanço da prática:  Diminuição dos músculos envolvidos  Melhor coordenação
  • Alterações nos músculos usados (Gabriel, 2002) Tentativas 1-5 Tentativas 395-400Flexionar o cotovelo o mais rapidamente possível Alvo = 80°
  • Dia 1 Dia 10 Sujeito 1 Tempo (s) Tempo (s) Sujeito 2 Tempo (s) Tempo (s) Sujeito 3 Tempo (s) Tempo (s)Padrões de força Sujeito 4 tornam-se maisconsistentes com Tempo (s) Tempo (s) a prática Sujeito 5 (Lay et al., 2002) Tempo (s) Tempo (s)
  • Dia 1 Dia 10Sujeito 1 Tempo (s) Tempo (s)Sujeito 2 Tempo (s) Tempo (s)Sujeito 3 Ativação muscular Tempo (s) Tempo (s)Sujeito 4 torna-se melhor coordenada Tempo (s) Tempo (s) (Lay et al., 2002)
  • Alteração na eficiência do movimento Indivíduos habilidosos Dia 10 gastam menos energia do que principiantes. Dia 1 Vários estudos apontam para uma diminuição do consumo de oxigênio à Consumo de O2 (ml.kg.min-1) medida que as pessoas Aprendendo a remar praticam mais a (Lay et al., 2002) habilidade.