Your SlideShare is downloading. ×
0
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Literatura jesuítica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Literatura jesuítica

9,346

Published on

Material de aulas do Professorado em Portugues

Material de aulas do Professorado em Portugues

Published in: Education
2 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
9,346
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
238
Comments
2
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. LITERATURA JESUÍTICA OU DE CATEQUESE NO BRASIL
  • 2. <ul><li>Outra manifestação literária que se deu no Brasil, foi a dos </li></ul><ul><li>JESUITAS </li></ul><ul><li>Religiosos que chegaram </li></ul><ul><li>Com os colonizadores deixaram </li></ul><ul><li>MISSÃO PRODUÇÃO </li></ul><ul><li>- catequização dos índios </li></ul><ul><li>- Criação dos primeiros colégios - cartas </li></ul><ul><li>- Tratados descritivos </li></ul><ul><li>- crônicas históricas </li></ul><ul><li>- Poemas de devoção </li></ul><ul><li>- Peças teatrais (passa- </li></ul><ul><li>gens bíblicos) </li></ul><ul><li>+ Pe. MANUEL DA NÓBREGA </li></ul><ul><li>+ FERNÃO CARDIM Representavam </li></ul><ul><li>+ Pe. JOSÉ DE ANCHIETA Pensamento da CONTRARREFORMA </li></ul><ul><li>liberdade de expressão </li></ul>às ciências contrários
  • 3. <ul><li>A COMPANHIA DE JESUS </li></ul><ul><li>Os padres jesuitas: </li></ul><ul><li>Chegaram ao Brasil em 1549. </li></ul><ul><li>Implantaram as primeiras instituições de ensino do país. </li></ul><ul><li>Na visão deles, os índios eram pagãos a serem convertidos. </li></ul><ul><li>Acreditavam que não existia salvação fora da igreja. </li></ul>
  • 4. DEFESA DOS IDEAIS JESUÍTICOS <ul><li>A denúncia contínua dos massacres </li></ul><ul><li>cometidos contra os nativos. </li></ul><ul><li>A resistência contra a escravidão </li></ul><ul><li>indígena pelos colonos. </li></ul><ul><li>A luta para organizar os índios em </li></ul><ul><li>aldeamentos e missões (sociedade </li></ul><ul><li>comunista cristã primitiva). </li></ul><ul><li>A transmissão da fé católica aos </li></ul><ul><li>indígenas garante a estes um lugar </li></ul><ul><li>no mundo (e depois dele). </li></ul>
  • 5. CRÍTICA AOS JESUÍTAS <ul><li>A implacável destruição de valores culturais dos indígenas (poligamia, a antropofagia e a nudez). </li></ul><ul><li>A contestação da s crenças (mentirosas e demoníacas). </li></ul><ul><li>A substituição da vida nômade pela vida de aldeamentos (presas fáceis) ‏ </li></ul><ul><li>A adoção de uma religiosidade que não podem compreender e que domestica seus instintos de defesa. </li></ul>
  • 6. PRODUÇÃO JESUÍTICA <ul><li>A poesia didática : dar exemplo moralizantes aos indígenas; </li></ul><ul><li>A poesia sem finalidade catequizadora: relacionada à necessidade </li></ul><ul><li>individual de expressão; </li></ul><ul><li>O teatro pedagógico: baseado </li></ul><ul><li>em textos extraídos da Bíblia; </li></ul><ul><li>As cartas de informação: </li></ul><ul><li>relatavam, aos líderes da Igreja </li></ul><ul><li>Católica Portuguesa, como iam os </li></ul><ul><li>trabalhos de catequese no Brasil. </li></ul>
  • 7. En quanto ao teatro, utilizabam : <ul><li>Os AUTOS: </li></ul><ul><li>_ Confrontar o BEM / MAL </li></ul><ul><li>BEM----  defendido por santos e anjos que expressam o cristianismo. </li></ul><ul><li>MAL-----  deuses e pajés dos nativos, demônios da tradição católica . </li></ul>
  • 8. <ul><li>Breve peça de conteúdo religioso </li></ul><ul><li>AUTO---  ou profano,geralmente em versos, </li></ul><ul><li>originado na Idade média . </li></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><li>Conteúdo simbólico, os atores </li></ul><ul><li>representam entidades abstratas, </li></ul><ul><li>de caráter religioso ou moral. </li></ul><ul><li>- o pecado </li></ul><ul><li>- a hipocrisia </li></ul><ul><li>- a avareza </li></ul><ul><li>- a bondade </li></ul><ul><li>- a virtude </li></ul>
  • 9. <ul><li>Comparando: </li></ul><ul><li>LITERATURA LITERATURA </li></ul><ul><li>INFORMATIVA JESUÍTICA </li></ul><ul><li>- europeia -transplante literário da </li></ul><ul><li>- ultramarina Europa para a América </li></ul><ul><li>-reflete o Brasil visto -reflete o Brasil visto de </li></ul><ul><li>de fora dentro . </li></ul><ul><li>JESUITAS </li></ul><ul><li>Primeiros em fazer literatura para o Brasil. </li></ul>
  • 10. <ul><li>LITERATURA BRASILEIRA </li></ul><ul><li>Nas suas origens </li></ul><ul><li>caracteriza-se por uma </li></ul><ul><li>fase de </li></ul><ul><li>CONCORRÊNCIA </li></ul><ul><li>LINGUÍSTICA </li></ul><ul><li>--  é mais importante observar </li></ul><ul><li>ESTRUTURA das OBRAS </li></ul><ul><li>do que a </li></ul><ul><li>LÍNGUA/IDIOMA </li></ul><ul><li>em que </li></ul><ul><li>Foram redigidas. </li></ul>
  • 11. <ul><li>OBRA ANCHIETANA </li></ul><ul><li>DIVERSIDADE DE LÍNGUAS </li></ul><ul><li>A ciência da linguagem nos mostra que : </li></ul><ul><li>* nos processos de interação linguística </li></ul><ul><li>sempre há uma fase de </li></ul><ul><li>BILINGUISMO ou de POLILINGUISMO </li></ul><ul><li>a té o predomínio do </li></ul><ul><li>IDIOMA mais CULTO . </li></ul><ul><li>Assim, não podemos dizer que </li></ul><ul><li>a língua utilizada no Brasil no século XVI era a PORTUGUESA </li></ul>
  • 12. <ul><li>Jesuíta português, </li></ul><ul><li>Chefe da 1ª missão jesuítica à América. </li></ul><ul><li>Veio ao Brasil com Tomé de Sousa (1549). </li></ul><ul><li>Participou da fundação de Salvador e de </li></ul><ul><li>Río da Janeiro. </li></ul><ul><li>Estimulou a conquista do interior, penetrando </li></ul><ul><li>além da Serra do Mar. </li></ul><ul><li>Foi o 1º em dar o exemplo subindo o </li></ul><ul><li>Planalto de Piratininga para fundar </li></ul><ul><li>São Paulo. </li></ul><ul><li>Juntou-se a Anchieta no trabalho de </li></ul><ul><li>pacificação dos tamoios. </li></ul><ul><li>Era gago </li></ul>
  • 13. <ul><li>OS ESCRITOS: </li></ul><ul><li>- Formam o 1º marco literário produzido no Brasil. </li></ul><ul><li>CARTAS : </li></ul><ul><li>- Relatavam o inicio da história do Brasil. </li></ul><ul><li>- Os cristãos viam os índios como um papel em branco onde se podia escrever as virtudes mais necessárias. </li></ul><ul><li>«Fizemos procissão com grande música, à qual respondiam </li></ul><ul><li>as trombetas. Ficaram os índios espantados de tal maneira </li></ul><ul><li>que depois pediam ao padre Navarro que lhes cantasse, </li></ul><ul><li>como na procissão o fazia.» </li></ul>
  • 14. <ul><li>OBRAS: </li></ul><ul><li>- “Diálogo sobre a conversão dos gentio”(1557), </li></ul><ul><li>TEM UM GRANDE VALOR LITERÁRIO. </li></ul><ul><li>- “Caso da consciência sobre as liberdades dos índios” (1567). </li></ul><ul><li>“ Tratado contra </li></ul><ul><li>a antropofagia” </li></ul>
  • 15. PADRE JOSÉ DE ANCHIETA: <ul><li>Chegou no Brasil apenas com 17 anos. </li></ul><ul><li>Era espanhol. </li></ul><ul><li>Teve um papel importante na fundação de São Paulo e na catequese dos índios. </li></ul><ul><li>Iniciou o teatro no Brasil. </li></ul><ul><li>Pesquisador folclore </li></ul><ul><li>Língua indígena </li></ul>
  • 16. <ul><li>Conhecido como: </li></ul><ul><li>Abarebebe </li></ul><ul><li>( padre santo voador, em língua tupi. ) </li></ul><ul><li>predisposição por caminhar </li></ul><ul><li>duas vezes por mês, </li></ul><ul><li>a trilha litorânea de 105 km. </li></ul><ul><li>Iriritiba – Ilha de Vitória. </li></ul><ul><li>Percurso é percorrido por turistas </li></ul><ul><li>e peregrinos à semelhança do </li></ul><ul><li>Caminho de Santiago (Espanha) </li></ul>
  • 17. Obras refinadas : poemas e monólogos em latim que parecem destinados a satisfazer suas necessidades espirituais mais profundas. Obras didáticas : hinos, canções e especialmente autos, que visavam infundir o pensamento cristão nos índios. Os autos : Obras teatrais onde o autor tenta conciliar os valores católicos com os mitos indígenas. <ul><li>o bem </li></ul><ul><li>defendido por santos </li></ul><ul><li>e anjos, expressam </li></ul><ul><li>o cristianismo </li></ul><ul><li>o mal </li></ul>deuses e pajés dos nativos misturados com os demônios da tradição católica
  • 18. <ul><li>DESTACAM-SE: </li></ul><ul><li>“ Do Santíssimo Sacramento” </li></ul><ul><li>“ A Santa Inês-----------------poesias: </li></ul><ul><li>impregnadas de idéias religiosas e conceitos </li></ul><ul><li>morais e pedagógicos </li></ul><ul><li>“ Na Festa de são Lourenço”, </li></ul><ul><li>“ Auto da pregação Universal”-  AUTOS: as peças de teatro lembram a tradição medieval de Gil Vicente e foram feitas para conciliar os valores católicos com os mitos indígenas. </li></ul><ul><li>Sempre preocupado em caracterizar o bem e o mal,Anjo e Diabo, característica pré-barroca. </li></ul>
  • 19. OS POEMAS <ul><li>Simples, objetivava despertar a devoção do índio. </li></ul><ul><li>- Copiadas adaptadas e distribuídas para serem cantadas nas igrejas. </li></ul><ul><li>- O objetivo não era estilístico, mas pragmático. </li></ul><ul><li>- As verdades religiosas organizadas segundo a finalidade a que eram destinadas. </li></ul><ul><li>- Uma matriz persuasiva e mantinham a dicotomia medieval: </li></ul><ul><li>Bem/mal </li></ul><ul><li>Antigamente, eu morrendo, </li></ul><ul><li>Um ataque de Demônio </li></ul><ul><li>Prenderia minha alma </li></ul><ul><li>Pecadora. </li></ul><ul><li>Destemendo o mal, </li></ul><ul><li>Agora eu amo </li></ul><ul><li>A Jesus, meu Senhor </li></ul>
  • 20. <ul><li>O Bem: A imagem de Deus, Jesus e a Virgem </li></ul><ul><li>leva à libertação da alma. </li></ul><ul><li>O Mal: representada pela figura do demônio, dos maus espíritos </li></ul><ul><li>que devem ser rejeitados </li></ul><ul><li>escraviza a alma. </li></ul>
  • 21. <ul><li>O universo semântico era negativo </li></ul><ul><li>O afastamento </li></ul><ul><li>rejeição dos costumes tradicionais e a aquisição de novos valores, costume e crenças. </li></ul><ul><li>Guarda-me, </li></ul><ul><li>Não me deixes cair. </li></ul><ul><li>Afaste eu aos hábitos antigos, </li></ul><ul><li>(...) </li></ul><ul><li>Afaste eu os maus costumes, </li></ul><ul><li>Deus nos perdoará </li></ul>
  • 22. Habitantes antigos, maus costumes, costumes perversos, hábitos de nossos avós, . <ul><li>deviam ser destruídos necessariamente para implantar o cristianismo </li></ul><ul><li>cómo atingir esse objetivo ? </li></ul><ul><li>Mobilizando a emotividade do índio: </li></ul><ul><li>Vivendo na serra, </li></ul><ul><li>Não sei muita coisa... </li></ul><ul><li>Danço aqui </li></ul><ul><li>À moda dos meus. </li></ul>
  • 23. OS AUTOS <ul><li>O tratamento em três níveis: </li></ul><ul><li>1.- há os que são i naceitáveis : antropofagia, brigas, obediência ao pajé. </li></ul><ul><li>2.- há os que são pacificamente aceitos: função fática: língua, dança, ornatos. </li></ul><ul><li>3.- Há os que são condenados , adquirem um outro sentido num novo contexto: </li></ul><ul><li>a renomação o ato de rachar a cabeça, (ritual antropofágico). </li></ul>
  • 24. <ul><li>Maus hábitos </li></ul>
  • 25. <ul><li>OBRAS PUBLICADAS EM VIDA : </li></ul><ul><li>“ De gestis Mendi de Saa” (“Os feitos de Mem de Sá”) impressa em Coimbra -1563 retrata a luta dos portugueses para expulsar os franceses da baia de Guanabara. </li></ul><ul><li>Escrita em latim antes do que Os Lusíadas, é o 1º poema </li></ul><ul><li>brasileiro impresso e a 1ª obra de Anchieta publicada. </li></ul><ul><li>“ A arte de gramática da língua mais </li></ul><ul><li>usada na costa do Brasil” </li></ul><ul><li>- impressa em Coimbra- 1595. </li></ul><ul><li>1ª gramática com os fundamentos </li></ul><ul><li>da língua tupi. (7 exemplares) </li></ul><ul><li>A sua vasta obra só foi totalmente publicada no </li></ul><ul><li>Brasil, na segunda metade do século XX </li></ul>

×