Your SlideShare is downloading. ×
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Psicologia humanista
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Psicologia humanista

17,226

Published on

0 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
17,226
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
10
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. As três forças em Psicologia Behaviorismo Psicanálise Psicologia Humanista
  • 2. Origens do termo “Humanismo” ANTECEDENTES:  Idade Moderna – Humanismo: ruptura com valores medievais, antropocentrismo, cisão com Igreja  Homem livre e responsável por suas escolhas Charlotte Bühler – tensão econômica, política e social e dúvidas sobre valores e moralidade da época do pós- 2ª guerra  Guerra e morte, miséria e riqueza, vencedores e vencidos
  • 3. Contexto de surgimento - EUA Psicologia Humanista e governo Kennedy – EUA: preocupação com o individual (sujeito como centro das preocupações)  Valores: hedonismo, independência, tolerância  Liberalismo – sonho americano Psicologia Humanista como forma de responder aos anseios da sociedade, transformação que dependa só da vontade individual
  • 4. Bases epistemológicas Escola Americana: Psicoterapia Humanista- Existencial (Kierkegaard) de C. Rogers e Psicologia Fenomenológico-Existencial de Rollo May Escola Européia: Psicoterapia Fenomenológica Existencial (Daseinsanalyse) e Análise Existencial (M. Boss)
  • 5. Não há conceito do que seja verdadeiro oufalso Limitar todo conhecimento ao sujeito e suas significações – o que ele vê, percebe e significa, sua relação com o objeto não pressupõe existência independente do sujeito em relação ao sujeito que o percebe O objeto parece existir a partir da maneira que o sujeito o percebe Não há conceito do que seja verdadeiro ou falso ou válido para todos os indivíduos na Fenomenologia Maslow e Rogers, autores da Psicologia Humanista, possuem propostas teóricas que partem desta idéia
  • 6. As 3 forças ou revoluções emPsicologia 1ª Força: Behaviorismo:  Homem como produto das determinações ambientais  Comportamento observável – ênfase ao ambiente externo
  • 7.  2ª Força: Psicanálise:  Influência pessoal  Estudo dos significados  Inconsciente minimiza papel da consciência – ênfase ao ambiente interno  Homem como produto de determinismo psicogenético
  • 8.  3ª Força: Psicologia Humanista  Rompe com as 2 anteriores  Maior ênfase à consciência  Vida humana possui dinâmica própria em casa fase – o homem busca realização, é processo e evolução  Preocupação em entender a vida humana em sua totalidade – e o homem como ser uno  Valoriza força de vontade, razão, liberdade de escolha, responsabilidade pessoal, contexto familiar, no trabalho e ambiente social
  • 9.  Homem dotado de possibilidade de se desenvolver, realizar, e tende para o equilíbrio e auto-organização  Há um potencial de vida em cada homem  O indivíduo pode transformar-se e à sociedade
  • 10. Teóricos importantes daabordagem humanista A – Abraham Maslow – Psicologia da Auto- realização (1908-1970) B – Carl Rogers – Perspectiva centrada no cliente (1902-1987)
  • 11. A – Abraham Maslow Auto-realização: exploração plena de talentos, caapcidades e potencialidades  Experienciar, de modo pleno e intenso, optar pelo crescimento e concretização de seu potencial, compromissado com os próprios atos  Conhecer defesas que impedem seu desenvolvimento e trabalhar para abandoná-las  Tendência inata
  • 12.  Hierarquia de necessidades para a Auto- realização:  Fisiológicas  Segurança  Amor e pertinência  Estima dos outros e de si  Auto-realização Ao ser privado de alguma destas necessidades, o homem poderia desenvolver neuroses e desajustamentos psicológicos Auto-realização: só é possível através do outro Modificação de deficiência e motivação do ser  Cognição, Valores e Amor S e D (S = ser e D = deficiente)
  • 13. B – Carl Rogers – Perspectivacentrada no cliente Experiência clínica Questiona autoridade do terapeuta Paciente dirige e conduz a terapia como é capaz de conduzir sua vida Nega concepção de Homem irracional e conduzido por impulsos Homem responsável pelas mudanças que devem acontecer em sua vida
  • 14.  Tendência inata para atualizar capacidades e potencialidades Auto-atualização: saúde psicológica, tendência do organismo para se preservar e valorizar Personalidade moldada pelo presente e pelo modo como percebemos este presente conscientemente Homem capaz de crescimento, mudança e desenvolvimento pessoal
  • 15.  Terapia centrada no cliente:  Capacidade para compreender fatores que causam infelicidade e dor  Reorganizar-se para superar esses fatores  Objetivo da terapia: libertar o indivíduo para o crescimento  Indivíduo modifica metas da terapia e inicia mudanças comportamentais que deseja que ocorra Valorização dos relacionamentos e o trabalho com grupos
  • 16.  Auto-atualização só é possível no encontro entre duas pessoas Importância das atitudes facilitadoras do terapeuta para a mudança terapêutica do cliente:  Congruência  Empatia  Consideração Positiva e Incondicional
  • 17. Renata F PegoraroUNIVERSIDADE PAULISTA, 2011

×