Your SlideShare is downloading. ×
0
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
HistóRia E Conhecimento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

HistóRia E Conhecimento

17,922

Published on

1° bloco de aulas

1° bloco de aulas

0 Comments
13 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
17,922
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
13
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. HISTÓRIA E CONHECIMENTO C. E. POETA MÁRIO QUINTANA 1° FASE E.J.A. PROFESSOR: Carlos Teles
  • 2. Eu nasci há dez mil anos atrás Raul Seixas Composição: Raul Seixas / Paulo Coelho Um dia, numa rua da cidade, eu vi um velhinho sentado na calçada Com uma cuia de esmola e uma viola na mão O povo parou pra ouvir, ele agradeceu as moedas E cantou essa música, que contava uma história Que era mais ou menos assim: Eu nasci há dez mil anos atrás e não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais (2x) Eu vi cristo ser crucificado O amor nascer e ser assassinado Eu vi as bruxas pegando fogo pra pagarem seus pecados, Eu vi, Eu vi Moisés cruzar o mar vermelho Vi Maomé cair na terra de joelhos Eu vi Pedro negar Cristo por três vezes diante do espelho Eu vi, REFRÃO Eu nasci (eu nasci) Há dez mil anos atrás (eu nasci há dez mil anos) E não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais (2x) Eu vi as velas se acenderem para o Papa Vi Babilônia ser riscada do mapa Vi conde Drácula sugando o sangue novo e se escondendo atrás da capa Eu vi, Eu vi a arca de Noé cruzar os mares Vi Salomão cantar seus salmos pelos ares Eu vi Zumbi fugir com os negros pra floresta pro quilombo dos palmares Eu vi, REFRÃO Eu vi o sangue que corria da montanha quando Hitler chamou toda a Alemanha Vi o soldado que sonhava com a amada numa cama de campanha Eu li, Eu li os simbolos sagrados de Umbanda Eu fui criança pra poder dançar ciranda E, quando todos praguejavam contra o frio, eu fiz a cama na varanda REFRÃO não, não porque REFRÃO Não, não Eu tava junto com os macacos na caverna Eu bebi vinho com as mulheres na taberna E quando a pedra despencou da ribanceira Eu também quebrei e perna Eu também, Eu fui testemunha do amor de Rapunzel Eu vi a estrela de Davi brilhar no céu E praquele que provar que eu tou mentindo eu tiro o meu chapéu (eu nasci) Eu nasci (há dez mil anos atrás) Eu nasci há dez mil anos atrás (e não tem nada nesse mundo que eu não saiba demais) Raul Seixas
  • 3. Muitos alunos ainda identificam história como matéria que se memoriza. Nada mais grotesco ou anacrônico. Essa distorção é, em parte, herança da ditadura militar que impôs um ensino acrítico e não-reflexivo. Os tempos mudaram, mas alguns problemas persistem: a falta de leitura, a mercantilização, a má qualidade do ensino e sua desvinculação da realidade. Isso, é claro, incide sobre o estudo da história. Mas, afinal, o que é história? É o estudo do passado para entender o presente, mas de um passado vivo, que está presente em nós. Vejamos, por exemplo, a sua história pessoal. Ela é a história das transformações vivenciadas por você. Sejam elas no plano pessoal, familiar ou social. Só quando olhamos para trás, é que percebemos como nós mudamos (sejam mudanças externas ou internas). O mesmo vale para a sociedade. A função da História é a de fornecer à sociedade (às pessoas) as explicações de suas origens. Como diz Vavy Pacheco Borges, a História busca oferecer às pessoas uma explicação genética da sua formação e consolidação. A história das sociedades é feita pelos próprios homens que vivem naquela sociedade e naquele tempo histórico, ou seja, naquele determinado período de sua existencia.
  • 4. O que é história? História é tudo o que está relacionado ás presença, ás atividades, as maneiras de ser das pessoas. Também é dado outro sentido: História, ciência que estuda a vida humana através do tempo. O estudo da história pode servir a diferentes finalidades, que variam conforme o ponto de vista de quem a estuda. O Historiador é a pessoa que interpreta os fatos históricos ou experiências humanas com ajuda dos registros deixados de um povo. Em história há tempos de curta,média e longa duração. Curta duração é aquele que passa imediatamente. Média duração é um fato no nosso tempo. E longa duração é aquele que ocorreu há muito tempo atrás, como a ´Pré História´.
  • 5. Algumas frases sobre a História: "A história é uma pesquisa que nos ensina o que o homem fez, portanto, o que é o homem." (Collinwood). "A história está para a humanidade assim como a memória está para o indivíduo, é a memória coletiva." (Piancantol) "Não há história pura, não há história imparcial. Toda história serva à vida, testemunho e compromisso." (José Honório Rodrigues) “ A História é vivida para a frente, porém é escrita em retrospecto. Sabemos o fim antes de considerarmos o início, e jamais podemos recapturar totalmente o que deveríamos saber apenas no começo.” ( Cicely Veronica Vedgwood , 1910 – historiadora inglesa ) “ A História não é mecânica, porque os homens são livres para transformá-la.” ( Ernesto Sábato , 1911 – escritor argentino ) "Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado" ( George Orwell , 1903/50– escritor e ensaísta inglês ) “ A História é a soma das coisas que poderiam ter sido evitadas.” ( Konrad Adenauer , 1877/1957 – estadista alemão ) “ Se você não conhece a História, nada conhece. Você é uma folha que não sabe que é parte de uma árvore.” ( Michael Crichton , – escritor americano )
  • 6.
    • “ A História humana não se desenrola apenas no campo de batalha e nos gabinetes presidenciais. Ela se desenrola também nos quintais entre as plantas e galinhas, nas ruas de subúrbios, nas casas de jogos, nos prostíbulos, nos colégios, nas usinas, nos namoros de esquinas. Disso eu quis fazer a minha poesia. Dessa matéria humilde e humilhada, dessa vida obscura e injustiçada, porque o canto não pode ser uma traição à vida, e só é justo cantar se o canto arrasta as pessoas e as coisas que não tem voz.”
    • ( Ferreira Gullar , 1930 – poeta brasileiro )
  • 7.
    • “ Quem construiu a Tebas de sete portas?
    • Nos livros estão apenas nomes de reis.
    • Arrastaram eles os blocos de pedra?
    • (...)
    • para onde foram os pedreiros, na noite em que
    • A Muralha da China ficou pronta?
    • (...)
    • O jovem Alexandre conquistou a Índia.
    • Sozinho?
    • César bateu os gauleses.
    • Não levava sequer um cozinheiro?
    • (...)
    • Cada página uma vitória.
    • Quem cozinhava o banquete?
    • A cada dez anos um grande homem.
    • Quem pagava a conta?
    • Tantas histórias.
    • Tantas questões.”
    • ( Bertolt Brecht ,1898/1956 – teatrólogo alemão, fragmento do texto PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ )
    Bertold Brecht
  • 8.
    • A base de trabalho de um historiador é o FATO HISTÓRICO.
    • Fato histórico: é o acontecimento singular, irreversível, de repercussão social, influindo de algum modo em eventos posteriores.
    • OBS: Todo fato histórico é social, mas nem todo fato social é histórico
    • A partir daí a pesquisa é feita a partir da coleta de FONTES HISTÓRICAS, que são elementos deixados pelo homem que permitem o conhecimento dos fatos passados. Alguns exemplos de fontes históricas são:
  • 9.
    • Ruínas: de templos, palácios, túmulos, esculturas, vestiários, cerâmicas, moedas, medalhas, armas.
    • Escritas: códigos, decretos, tratados, constituições, editais, relatórios, registros civis, memórias, crônicas.
    • Tradições: lendas, fábulas, narrações poéticas, canções populares transmitidas de geração em geração, e as festas populares.
  • 10. As “ciências auxiliares” da História
    • CIÊNCIAS INDEPENDENTES DA HISTÓRIA
    • Economia : estuda os meios de produção, distribuição, consumo e circulação da riqueza.
    • Sociologia : estuda o homem em sociedade.
    • Geografia : estuda a superfície da terra no seu aspecto físico e humano.
    • Antropologia : estuda o homem no seu aspecto biológico e cultural.
    • Arqueologia : estuda as culturas extintas.
    • Paleontologia : estuda os fósseis.
    • Filosofia : ciência geral dos seres dos princípios da causa.
    • Filologia : estuda a língua e a literatura como instrumentos de manifestação cultural.
  • 11. As “ciências auxiliares” da História
    • CIÊNCIAS DEPENDENTES DA HISTÓRIA
    • Cronologia : estuda a localização dos fatos no tempo.
    • Paleografia : decifra os escritos antigos gravados em material leve.
    • Epigrafia : estuda os escritos gravados em materiais pesados.
    • Heráldica : estuda os brasões da nobreza, os escudos e as insígnias.
    • Sigilografia : estuda os selos.
    • Genealogia : estuda as origens e os desdobramentos das famílias.
    • Diplomacia : estuda documentos oficiais.
    • Numismática : estuda as moedas.
    • Lingüística : estudo histórico e comparativo das palavras.
  • 12.
    • Para facilitar o entendimento cronológico (de tempo) nos estudos de História foi adotado uma convenção didática em que a divide em períodos , divididos por grandes marcos (acontecimentos de grande importância).
    PERÍODOS DA HISTÓRIA
  • 13.
    • Pré-História: compreende o período do aparecimento do homem, até o princípio do domínio da escrita.
    • Antigüidade: compreende o período que vai desde a utilização da escrita até a queda de Roma em poder dos bárbaros por Odoacro em 476 d.C.
  • 14.
    • Idade Média: do ano de 476, até a tomada de Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, pelos turcos otomanos em 1453.
    • Idade Moderna: inicia-se em 1453 e vai até a revolução francesa em 1789.
  • 15.
    • Idade Contemporânea: vai desde 1789, até os dias de hoje.
    • E acabou por aí mesmo?
    • É claro que não!! Nesse período, dois grandes acontecimentos são considerados por alguns historiadores como iniciadores de novas eras; são elas: o lançamento da bomba atômica sobre Hiroshima e Nagasaki, em 1945, e a chegada do homem à lua em 1969. Resta apenas futuramente uma nova convenção (acordo) em criar a partir daí uma nova era...
  • 16. CONTANDO OS SÉCULOS
    • Um modo fácil de identificar a que século pertence determinado ano é somar 1 ao número de centenas do ano.
    • Por exemplo: no ano de 1998, o número de centenas é 19 . Temos então:
    • 19 98 1 9
    • __ 1 _ +
    • 20
    • Assim, 1998 pertence ao século 20 (XX).
    • No entanto, quando um ano termina em 00 , como por exemplo 1900, temos uma exceção à regra. Nesse caso:
    • 19 00 o número de centenas indica o século.
    • século 19 (XIX )
    • Isso significa que o ano de 1900 ainda pertence ao século XIX, enquanto o ano de 1901 pertence ao século XX.
  • 17.
    • Tempo Rei - Gilberto Gil   
    • Não me iludo Tudo permanecerá do jeito que tem sido Transcorrendo Transformando Tempo e espaço navegando todos os sentidos Pães de Açúcar Corcovados Fustigados pela chuva e pelo eterno vento Água mole Pedra dura Tanto bate que não restará nem pensamento Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei Transformai as velhas formas do viver Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei Pensamento Mesmo o fundamento singular do ser humano De um momento Para o outro Poderá não mais fundar nem gregos nem baianos Mães zelosas Pais corujas Vejam como as águas de repente ficam sujas Não se iludam Não me iludo Tudo agora mesmo pode estar por um segundo Tempo rei, ó, tempo rei, ó, tempo rei Transformai as velhas formas do viver Ensinai-me, ó, pai, o que eu ainda não sei Mãe Senhora do Perpétuo, socorrei

×